Enfermagem em Quimioterapia

2.580 visualizações

Publicada em

Trabalho sobre a atuação da enfermagem em Quimioterapia.

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.580
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
163
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Enfermagem em Quimioterapia

  1. 1. Enfermagem em Quimioterapia MARA CLÉSSIA DE OLIVEIRA CASTRO
  2. 2. Quimioterapia: Definições • “Quimioterapia antineoplásica ou antiblástica é o emprego de quimioterápicos no tratamento do câncer” (BRASIL, 1999). • “A quimioterapia consiste no emprego de substâncias químicas, isoladas ou em combinação, com o objetivo de tratar neoplasias malignas” (BONASSA, 1988).
  3. 3. Quimioterapia: Finalidades • Curativa (ou primária) • Paliativa • Potencializadora • Adjuvante • Neoadjuvante
  4. 4. Quimioterápicos e Poliquimioterapia Quimioterápicos constituem uma importante classe de medicamentos utilizados no combate ao câncer. Poliquimioterapia: é o uso de quimioterápicos em associação, ou seja, o uso de duas ou mais drogas que combinadas agem de uma forma complementar trazendo vantagens consideráveis ao tratamento.
  5. 5. Formas de Aplicação da Quimioterapia • Aplicação: aplicação de quimioterápico, especialmente por via venosa. • Fase: número de aplicações dentro de um mesmo ciclo. • Ciclo: quando se aplicam todas as fases e, após um dado intervalo de tempo, reinicia-se a aplicação das mesmas doses.
  6. 6. Port-a-Cath Port-a-Cath puncionado, recebendo medicação
  7. 7. Cateter Venoso Central de Inserção Periférica PICC
  8. 8. Acesso Venoso Periférico
  9. 9. Contraindicações da Quimioterapia A quimioterapia é totalmente desaconselhada em: Portadores de doença maligna em fase terminal; Grávidas no primeiro trimestre; Portadores de infecções graves; Pacientes comatosos.
  10. 10. Risco Ocupacional Prevenção: Utilizar EPIs como: jaleco de mangas longas, óculos de proteção individual, luvas de procedimento e máscara de carvão ativado; Os materiais utilizados na quimioterapia como: equipos, frascos e seringas, devem ser descartados em recipientes para descartes químicos e agulhas, no coletor de pérfuro – cortantes.
  11. 11. Efeitos Colaterais dos quimioterápicos São fortemente temidos pelos pacientes, familiares e até mesmo pelos profissionais de saúde que neles encontram seu maior desafio em termos de prevenção e tratamento; As células normais são conjuntamente atingidas durante o tratamento; Sua gravidade é proporcional à dosagem da quimioterapia.
  12. 12. Efeitos Colaterais mais Comuns da Quimioterapia Náuseas Vômitos Mucosite ou estomatite Diarréia Constipação Anorexia Alopécia
  13. 13. Efeitos Colaterais e Assistência de Enfermagem Náuseas e vômitos:  Intervenções de Enfermagem: • Avaliar variações de peso. Anotar perdas e ganho; • Avaliar hábitos e preferências alimentares; • Administrar medicações antieméticas rotineiramente, antes e depois da quimioterapia; • Avaliar quantidade, cor, frequência dos vômitos e episódios de náuseas; • Avaliar a eficácia do antiemético e comunicar ao médico; • Orientar o paciente sobre as práticas pessoais que diminuem as náuseas e vômitos:
  14. 14. Efeitos Colaterais e Assistência de Enfermagem Náuseas e vômitos Intervenções de enfermagem: • Orientar o paciente sobre as práticas pessoais que diminuem as náuseas e vômitos: Não ficar em jejum; Comer em quantidades menores; Usar técnicas de relaxamento( música, televisão, jogos); • Promover um ambiente de conforto, tranquilo, livre de odores desagradáveis; dentre outras.
  15. 15. Náuseas e Vômitos
  16. 16. Efeitos Colaterais e Assistência de Enfermagem Mucosite ou estomatite: inflamação da mucosa oral em resposta à ação dos quimioterápicos antineoplásicos. Intervenções de enfermagem: • Avaliar cuidadosamente o estado das mucosas; • Orientar higiene oral adequada; • Orientar o paciente a incluir alimentos brandos na dieta;
  17. 17. Efeitos Colaterais e Assistência de Enfermagem Mucosite ou estomatite Intervenções de enfermagem: • Orientar o uso de bochechos profiláticos com soluções alcalinas. • Orientar a escovação dentária usando escovas macias e creme dental suave; • Manter os lábios lubrificados com cremes à base de vaselina ou cacau. • Retirar dentadura.
  18. 18. Mucosite ou Estomatite
  19. 19. Efeitos Colaterais e Assistência de Enfermagem Diarréia Intervenções de enfermagem: • Atentar para eliminações intestinais: frequência e consistência das fezes; • Orientar a inclusão de alimentos constipantes na dieta; • Orientar sobre a hidratação, principalmente com líquidos ricos em potássio e sódio; • Orientar lavagem externa após cada evacuação para diminuir o risco de infecção; • Orientar sobre o uso de antidiarreicos quando prescritos pelo médico.
  20. 20. Efeitos Colaterais e Assistência de Enfermagem Constipação Intervenções de enfermagem: • Atentar para eliminação intestinal: frequência e consistência das fezes; • Orientar sobre a ingestão de alimentos ricos em fibras; • Orientar sobre a ingestão hídrica; • Orientar sobre a importância da atividade física e da deambulação; • Orientar sobre a necessidade de reservar um momento do dia para evacuação e atividade de relaxamento (por exemplo: leitura).
  21. 21. Efeitos Colaterais e Assistência de Enfermagem Anorexia Intervenções de enfermagem: • Orientar ingestão alimentar mesmo durante o quadro de inapetência; • Orientar a ingestão de alimentos ricos em proteínas e calorias; • Orientar a evitar ingerir líquidos durante as refeições; • Orientar a prática de exercícios físicos; • Encaminhar para orientação nutricional com nutricionista.
  22. 22. Anorexia
  23. 23. Efeitos Colaterais e Assistência de Enfermagem Alopécia Intervenções de enfermagem: • Orientar que a perda de cabelo é temporária e que eles crescerão novamente quando o tratamento for interrompido; • Fornecer recursos para compra/aluguel de perucas, lenços e toucas: por exemplo grupos de apoio, voluntários; • Orientar sobre o uso de xampus suaves, evitar secadores, etc.
  24. 24. Alopécia Alopécia
  25. 25. Complicações do Tratamento Quimioterápico  Flebite: geralmente ocorre quando há administração rápida de quimioterápicos antineoplásicos ou administração em vias de pequeno calibre.  Extravasamento: é a infiltração de quimioterápicos antineoplásicos intravenoso para os tecidos locais.  Anafilaxia: é decorrente da sensibilidade, ou seja, de uma reação alérgica imediata ao início da administração da droga.
  26. 26. Extravasamento Extravasamento
  27. 27. A Importância da Assistência de Enfermagem Domiciliar aos Pacientes Pós Quimioterápicos • Diminui os índices de desistência do tratamento; • Diminui a necessidade de re-hospitalização para o controle de efeitos colaterais; • O autocuidado dos pacientes é mais satisfatório; • A visita domiciliar é uma estratégia de assistência que favorece o vínculo entre pacientes e enfermeiras.
  28. 28. Referências Bibliográficas MAIA, V.R. Protocolos de Enfermagem. Administração de Quimioterapia Antineoplásica no Tratamento de Hemopatias Malignas. 1ª ed. Hemorio-2010; PORTAL EDUCAÇÂO. Enfermagem em Oncologia. 2012; SILVA, S. R. da; AGUILLAR, O.M. Assistência de Enfermagem e Acompanhamento Domiciliar em Quimioterapia Antineoplásica. Rev. Bras. Enfermagem. Brasília, v. 55, n. 2. 2002.
  29. 29. Obrigada!!!

×