SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
FACULDADE JK GAMA UNIDADE-II
GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM,4° PERÍODO
ALMIR, ALLYSON, AYRINA, FLÁVIA, FRANCIKELLY, JAQUELINE FERREIRA E GISELE
MONTEIRO.
ONCOLOGIA
GAMA
2015
Fonte:
http://www.grupoa.com.br/uploads/imagensTitulo/20110901033203_GUIMARAES_Rotina
s_Oncologia.gif
Introdução
Nosso organismo para repor células que morrem faz multiplicação
celular constantemente e a proliferação celular descontrolada causada
por um agente externo ou interno dão origens ao tumor,á esse tumor
se da o nome de neoplasias que podem ser classificadas em tumor
benigno ou maligno.A área que estuda as neoplasias se da o nome de
oncologia.
A prática de enfermagem em oncologia coloca os profissionais em
contato estreito com situações de dor, finitude e morte, além de
mutilações, desesperança e expectativas de cura da doença. É nesse
cenário em que os líderes de enfermagem em oncologia desenvolvem
sua prática e onde se efetuam as relações de trabalho da equipe.
Oncologia
•A Oncologia é a especialidade médica que estuda os tumores. A
palavra Oncologia tem origem grega: "oykos” = volume, tumor e é
um ramo da patologia que estuda as neoplasias. Classificadas em
•Maligno
•Benigno
•Antigenicidade
As células dos tumores benignos, por serem bem diferenciadas, não
apresentam a capacidade de produzir antígenos. Já as células malignas, pouco
diferenciadas, têm esta propriedade, embora raramente, que pode ser utilizada
no diagnóstico e no diagnóstico precoce de alguns tipos de câncer.
•Metástases
As duas propriedades principais das neoplasias malignas são: a capacidade
invasiva- destrutiva local e a produção de metástases. Por definição, a
metástase constitui o crescimento neoplásico à distância, sem continuidade e
sem dependência do foco primário.
•Histogênese
É a origem de um tecido, e é um método utilizado para classificar as
neoplasias. Assim:
I. Adenomas são neoplasias benignas de
epitélio glandular.
II. Carcinomas são tumores epiteliais malignos.
III. Sarcomas são tumores de tecidos
mesenquimais malignos
Diagnóstico
Em muitas situações médicas, incluindo em todos os casos de
câncer, o diagnóstico é feito através do estudo macro e
microscópico de uma amostra de tecido obtida no paciente e
enviada ao patologista para exame. Este procedimento é chamado
de biópsia, uma palavra de origem grega que significa "observação
do que é vivo".
http://www.clmais.com.br/public/noticias/054044_crop.jpg
Tratamento
Fonte:http://www.vitaecenter.com.br/images/latest-news3.jpg
Existem três formas de tratamento do câncer: cirurgia, radioterapia
e quimioterapia. Elas são usadas em conjunto no tratamento das
neoplasias malignas, variando apenas quanto à importância de
cada uma e a ordem de sua indicação. Os tumores benignos não
necessitam de tratamento. Os médicos podem simplesmente
monitorar o tumor, para se certificar de que eles não causam
problemas. Mas o tratamento pode ser necessário se os sintomas
são um problema. A cirurgia é um tipo comum de tratamento para
os tumores benignos. O objetivo é remover o tumor sem danificar
os tecidos circundantes. O Instituto Nacional de Câncer (INCA) é
agente de referência nacional para ações de controle do câncer e
prestação de serviços na área de cancerologia no âmbito de
Sistema Único de Saúde (SUS).
Tratamento
Gerência de enfermagem
• A prática de enfermagem em oncologia coloca os profissionais
em contato estreito com situações de dor, finitude e morte, além
de mutilações, desesperança de pacientes e familiares, bem
como expectativas de cura da doença. A agressividade
terapêutica e os ajustes necessários ao processo de tratamento
também são fatores característicos desse cenário, visto que
muitos efeitos colaterais desencadeiam graves reações físicas e
emocionais nos pacientes, constituindo-se em elemento gerador
de estresse para a equipe. Esses elementos imputam aos
profissionais de enfermagem a necessidade de enfrentamentos.
É nesse cenário de estresse que se efetuam as relações de
trabalho da equipe de enfermagem em oncologia e o líder
desenvolve sua prática, estimulando no profissional capacidade
de diagnóstico, de solução de problemas, de tomadas de
decisões, de intervenção no processo de trabalho, do
trabalho em equipe, de se auto-organizar e de enfrentar
situações em constantes mudanças.
A gerência de enfermagem tem como missão de gerenciar os:
•Serviço de Enfermagem Ambulatorial
•Serviço de Enfermagem Hospitalar
•Serviço de Enfermagem do Transplante de Medula Óssea
•Serviço de Enfermagem em Radioterapia
•Serviço de Enfermagem em Cuidados Paliativos
•Serviço de Enfermagem em Pronto Atendimento e Centro Cirúrgico
Ambulatorial
Atividades Desenvolvidas e Realizações
• Consulta de enfermagem
• Agendamento de tratamento quimioterápico
• Tratamento de lesões
• Atendimento de Enfermagem durante exames, cuidados pré
e pós-cirúrgico
• Atendimento de Enfermagem em Ambulatório de
Procedimentos
• Educação Permanente
Estrutura
Física
a) Ambulatório para assistência em clínica médica do adulto e demais
especialidades clínicas e cirúrgicas exigidas para modalidade de
habilitação que se pretende;
b) Ambulatório para assistência em pediatria e especialidades clínicas e
cirúrgicas exigidas para a respectiva habilitação;
c) Pronto atendimento para assistência de urgência e emergência, nas
24 horas, para os casos de urgência oncológica dos doentes
matriculados no hospital;
d) Pronto atendimento pediátrico para assistência de urgência e
emergência, nas 24 horas, das crianças e adolescentes com câncer sob
sua responsabilidade;
e) Serviço de diagnóstico para realizar as modalidades de diagnóstico de
que trata o inciso II do art. 15 desta Portaria;
f) Enfermarias com assistência de internação em clínica médica de
adultos, bem como demais especialidades clínicas e cirúrgicas exigidas
para a respectiva habilitação, inclusive com quarto de isolamento para
os casos de hematologia oncológica;
g) enfermarias com assistência de internação exclusiva em pediatria,
inclusive com quarto de isolamento, bem como demais especialidades
clínicas e cirúrgicas exigidas para a respectiva habilitação;
h) centro-cirúrgico que possua todos os atributos e equipamentos
exigidos para o funcionamento de uma unidade cirúrgica geral e
compatível com as respectivas especialidades cirúrgicas, inclusive
pediátricas, exigidas para a respectiva habilitação; para a habilitação
como UNACON exclusiva de Hematologia, o estabelecimento hospitalar
deve dispor de pelo menos uma sala cirúrgica, devidamente atribuída e
equipada;
i) Unidade de Terapia Intensiva, de acordo com a legislação vigente e
compatível com as respectivas especialidades exigidas para a
respectiva habilitação;
j) Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica, de acordo com a legislação
vigente e compatível com as respectivas especialidades pediátricas
exigidas para a respectiva habilitação;
l) hemoterapia disponível nas 24 (vinte e quatro) horas por dia, por
Agência Transfusional ou estrutura de complexidade maior, nos termos
da Resolução RDC nº 153/Anvisa, de 2004, ou outra que venha a alterá-
la ou substituí-la
m) farmácia hospitalar, com responsável técnico farmacêutico, em
conformidade com a legislação vigente e as diretrizes de farmácia
hospitalar previstas na Portaria nº 4.283/GM/MS, de 2010; e
n) estrutura para atender as pessoas com câncer que necessitem de
cuidados paliativos ou serviço de referência devidamente formalizado,
de acordo com as regulamentações do Ministério da Saúde, e com o
aval e a regulação dos respectivos gestores.
PROFISSIONAIS
Contar com equipe composta pelos seguintes profissionais:
Médico(s) especialista(s) em Radioterapia;
Físico(s) médico(s);
Técnico(s) de radioterapia, conforme os quantitativos estabelecidos
pela ANVISA;
Enfermeiro(s)
Técnico(s) de enfermagem;
Fonte:http://okariri.com/wp-content/uploads/2014/05/sa%C3%BAde.jpg
Cuidados de Enfermagem
Sistematização da Assistência, uma atividade particular do
enfermeiro, que seguindo métodos e estratégias pautadas
em trabalho científico, possibilita identificar as situações de
saúde adequadas, subsidiando a prescrição e
implementação das ações da Assistência de Enfermagem,
para que elas possam contribuir para a promoção,
prevenção, recuperação e reabilitação em saúde do
indivíduo família e comunidade.
Fonte:http://delicious-care.com/communities/6/004/009/086/366/images/4546862070_pre.jpg
Considerações Finais
O propósito principal deste trabalho foi de apresentar e analisar a
gerência de enfermagem no setor de oncologia com intuito de
trazer conhecimentos a cerca do tema proposto. Podemos ter um
conhecimento mais profundo sobre neoplasias e as suas
classificações, a humanização da assistência de enfermagem
diante de pacientes diagnosticados com tumor, pois é uma área
muito triste por ter tratamentos tão dolorosos ou até mesmo não
ter tratamento. Além de aprimorar nossos conhecimentos,
podemos enxergar a importância do líder para manter, capacitar e
estimular os profissionais
Referências Bibliográficas
•www.oncoguia.org.br
•www. cepon.org/enfermagem
•www.inca.gov.br
•http://3.bp.blogspot.com/-
UI5hn9iZ88M/UgvYxALhkYI/AAAAAAAAExg/7U_g6ClBBoc/s1600/in1.png
•http://4.bp.blogspot.com/_n8mhRR86mGs/TMLBnBuH4vI/AAAAAAAAAJk/MAG_56
wnUY4/s1600/ella2.jpg

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxNaraLcia2
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoLuana Santos
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Rafaela Amanso
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de EnfermagemCharles Lima
 
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicosCuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicosPatricia Nunes
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Aline Bandeira
 
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...Marcelo Palmier
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Aline Bandeira
 
instrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgicainstrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgicaGuilherme Sicuto
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Aline Bandeira
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteProqualis
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagemElter Alves
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemLúcia Vieira
 
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgicoAula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgicoProqualis
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Amanda Moura
 
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados PaliativosConceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados PaliativosMariana Valle Gusmão
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeISCISA
 
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Ravenny Caminha
 

Mais procurados (20)

Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicosCuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
instrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgicainstrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgica
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgicoAula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados PaliativosConceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
 
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
 
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICAQUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
 

Destaque

Imuno-Oncologia - Novo campo de conhecimento dentro da Oncologia
Imuno-Oncologia - Novo campo de conhecimentodentro da OncologiaImuno-Oncologia - Novo campo de conhecimentodentro da Oncologia
Imuno-Oncologia - Novo campo de conhecimento dentro da OncologiaOncoguia
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOJonathan Sampaio
 
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Lucas Fontes
 
Assistência de enfermagem na radioterapia
Assistência de enfermagem na radioterapiaAssistência de enfermagem na radioterapia
Assistência de enfermagem na radioterapiaAretusa Delfino
 
Manual cuidados oncologicos
Manual cuidados oncologicosManual cuidados oncologicos
Manual cuidados oncologicosLaryssasampaio
 
O doente oncológico em fase terminal
O doente oncológico em fase terminalO doente oncológico em fase terminal
O doente oncológico em fase terminalPelo Siro
 
Carcinogenese e Bases Moleculares Da Oncologia
Carcinogenese e Bases  Moleculares Da OncologiaCarcinogenese e Bases  Moleculares Da Oncologia
Carcinogenese e Bases Moleculares Da OncologiaCarlos Frederico Pinto
 
Genética do câncer 14.04.14
Genética do câncer 14.04.14Genética do câncer 14.04.14
Genética do câncer 14.04.14Rhomelio Anderson
 
Biologia do câncer
Biologia do câncerBiologia do câncer
Biologia do cânceremanuel
 
As Bases genéticas do Câncer
As Bases genéticas do CâncerAs Bases genéticas do Câncer
As Bases genéticas do CâncerAmanda Gerardel
 
Manual oncologia 14edicao
Manual oncologia 14edicaoManual oncologia 14edicao
Manual oncologia 14edicaoMylla Melo
 
Assistir ao paciente oncológico em tratamento radioterápico
Assistir ao paciente oncológico em tratamento radioterápicoAssistir ao paciente oncológico em tratamento radioterápico
Assistir ao paciente oncológico em tratamento radioterápiconatyliima
 
Livro do aluno_oncologia
Livro do aluno_oncologiaLivro do aluno_oncologia
Livro do aluno_oncologiaClaudio Viegas
 

Destaque (20)

Aula Basica Oncologia
Aula Basica OncologiaAula Basica Oncologia
Aula Basica Oncologia
 
Imuno-Oncologia - Novo campo de conhecimento dentro da Oncologia
Imuno-Oncologia - Novo campo de conhecimentodentro da OncologiaImuno-Oncologia - Novo campo de conhecimentodentro da Oncologia
Imuno-Oncologia - Novo campo de conhecimento dentro da Oncologia
 
Onco
OncoOnco
Onco
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
 
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
Assistência de enfermagem na radioterapia
Assistência de enfermagem na radioterapiaAssistência de enfermagem na radioterapia
Assistência de enfermagem na radioterapia
 
Manual cuidados oncologicos
Manual cuidados oncologicosManual cuidados oncologicos
Manual cuidados oncologicos
 
O doente oncológico em fase terminal
O doente oncológico em fase terminalO doente oncológico em fase terminal
O doente oncológico em fase terminal
 
Carcinogenese e Bases Moleculares Da Oncologia
Carcinogenese e Bases  Moleculares Da OncologiaCarcinogenese e Bases  Moleculares Da Oncologia
Carcinogenese e Bases Moleculares Da Oncologia
 
Planejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagemPlanejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagem
 
Oncologia basica
Oncologia basicaOncologia basica
Oncologia basica
 
Paciente terminal
Paciente terminalPaciente terminal
Paciente terminal
 
Introdução à Oncogenese
Introdução à OncogeneseIntrodução à Oncogenese
Introdução à Oncogenese
 
Aula Psicoonco 10
Aula Psicoonco 10Aula Psicoonco 10
Aula Psicoonco 10
 
Genética do câncer 14.04.14
Genética do câncer 14.04.14Genética do câncer 14.04.14
Genética do câncer 14.04.14
 
Biologia do câncer
Biologia do câncerBiologia do câncer
Biologia do câncer
 
As Bases genéticas do Câncer
As Bases genéticas do CâncerAs Bases genéticas do Câncer
As Bases genéticas do Câncer
 
Manual oncologia 14edicao
Manual oncologia 14edicaoManual oncologia 14edicao
Manual oncologia 14edicao
 
Assistir ao paciente oncológico em tratamento radioterápico
Assistir ao paciente oncológico em tratamento radioterápicoAssistir ao paciente oncológico em tratamento radioterápico
Assistir ao paciente oncológico em tratamento radioterápico
 
Livro do aluno_oncologia
Livro do aluno_oncologiaLivro do aluno_oncologia
Livro do aluno_oncologia
 

Semelhante a Seminário de Oncologia

7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Teresa Cristina Cardoso Fonseca
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Teresa Cristina Cardoso Fonseca7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Teresa Cristina Cardoso Fonseca
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Teresa Cristina Cardoso FonsecaOncoguia
 
rafaella-feitosa-guimar-es.pdf
rafaella-feitosa-guimar-es.pdfrafaella-feitosa-guimar-es.pdf
rafaella-feitosa-guimar-es.pdfMaianaSantos12
 
Cuidados de enfermagem com o paciente oncológico.pdf
Cuidados de enfermagem com o paciente oncológico.pdfCuidados de enfermagem com o paciente oncológico.pdf
Cuidados de enfermagem com o paciente oncológico.pdfVernicaPiresdaSilva
 
Protocolo teleconsulta arrumando (1).docx
Protocolo teleconsulta arrumando (1).docxProtocolo teleconsulta arrumando (1).docx
Protocolo teleconsulta arrumando (1).docxjessica276304
 
Praticas em farmacia clinica apostila
Praticas em farmacia clinica   apostilaPraticas em farmacia clinica   apostila
Praticas em farmacia clinica apostilaDaiane Santos
 
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...martinsfmf
 
Ações hospital ituberá_2013
Ações hospital ituberá_2013Ações hospital ituberá_2013
Ações hospital ituberá_2013AsseCom Ituberá
 
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDFUPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDFCaroBatista3
 
2011 consulta enfermagem ao paciente em pré transplante de fígado - elaboraçã...
2011 consulta enfermagem ao paciente em pré transplante de fígado - elaboraçã...2011 consulta enfermagem ao paciente em pré transplante de fígado - elaboraçã...
2011 consulta enfermagem ao paciente em pré transplante de fígado - elaboraçã...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Bases do tratamento câncer livro ações de enf 3ª edição
Bases do tratamento câncer livro ações de enf 3ª ediçãoBases do tratamento câncer livro ações de enf 3ª edição
Bases do tratamento câncer livro ações de enf 3ª ediçãoMylla Melo
 
Unopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horas
Unopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horasUnopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horas
Unopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horasJoão Silva
 
Atuação de enfermagem em unidades de terapia intensiva, implicações para diss...
Atuação de enfermagem em unidades de terapia intensiva, implicações para diss...Atuação de enfermagem em unidades de terapia intensiva, implicações para diss...
Atuação de enfermagem em unidades de terapia intensiva, implicações para diss...Letícia Spina Tapia
 
Cirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade MorbidaCirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade MorbidaAdriana Rickli
 
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1chirlei ferreira
 
Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28kratos8
 

Semelhante a Seminário de Oncologia (20)

RADIOTERAPIA.pdf
RADIOTERAPIA.pdfRADIOTERAPIA.pdf
RADIOTERAPIA.pdf
 
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Teresa Cristina Cardoso Fonseca
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Teresa Cristina Cardoso Fonseca7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Teresa Cristina Cardoso Fonseca
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Teresa Cristina Cardoso Fonseca
 
rafaella-feitosa-guimar-es.pdf
rafaella-feitosa-guimar-es.pdfrafaella-feitosa-guimar-es.pdf
rafaella-feitosa-guimar-es.pdf
 
Relatorio 1
Relatorio 1Relatorio 1
Relatorio 1
 
Cuidados de enfermagem com o paciente oncológico.pdf
Cuidados de enfermagem com o paciente oncológico.pdfCuidados de enfermagem com o paciente oncológico.pdf
Cuidados de enfermagem com o paciente oncológico.pdf
 
Protocolo teleconsulta arrumando (1).docx
Protocolo teleconsulta arrumando (1).docxProtocolo teleconsulta arrumando (1).docx
Protocolo teleconsulta arrumando (1).docx
 
Praticas em farmacia clinica apostila
Praticas em farmacia clinica   apostilaPraticas em farmacia clinica   apostila
Praticas em farmacia clinica apostila
 
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
 
Ações hospital ituberá_2013
Ações hospital ituberá_2013Ações hospital ituberá_2013
Ações hospital ituberá_2013
 
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDFUPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
 
2011 consulta enfermagem ao paciente em pré transplante de fígado - elaboraçã...
2011 consulta enfermagem ao paciente em pré transplante de fígado - elaboraçã...2011 consulta enfermagem ao paciente em pré transplante de fígado - elaboraçã...
2011 consulta enfermagem ao paciente em pré transplante de fígado - elaboraçã...
 
Bases do tratamento câncer livro ações de enf 3ª edição
Bases do tratamento câncer livro ações de enf 3ª ediçãoBases do tratamento câncer livro ações de enf 3ª edição
Bases do tratamento câncer livro ações de enf 3ª edição
 
Unopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horas
Unopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horasUnopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horas
Unopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horas
 
Atuação de enfermagem em unidades de terapia intensiva, implicações para diss...
Atuação de enfermagem em unidades de terapia intensiva, implicações para diss...Atuação de enfermagem em unidades de terapia intensiva, implicações para diss...
Atuação de enfermagem em unidades de terapia intensiva, implicações para diss...
 
Cirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade MorbidaCirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade Morbida
 
oncologia.ppt
oncologia.pptoncologia.ppt
oncologia.ppt
 
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28
 

Último

Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 

Último (10)

Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 

Seminário de Oncologia

  • 1. FACULDADE JK GAMA UNIDADE-II GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM,4° PERÍODO ALMIR, ALLYSON, AYRINA, FLÁVIA, FRANCIKELLY, JAQUELINE FERREIRA E GISELE MONTEIRO. ONCOLOGIA GAMA 2015 Fonte: http://www.grupoa.com.br/uploads/imagensTitulo/20110901033203_GUIMARAES_Rotina s_Oncologia.gif
  • 2. Introdução Nosso organismo para repor células que morrem faz multiplicação celular constantemente e a proliferação celular descontrolada causada por um agente externo ou interno dão origens ao tumor,á esse tumor se da o nome de neoplasias que podem ser classificadas em tumor benigno ou maligno.A área que estuda as neoplasias se da o nome de oncologia. A prática de enfermagem em oncologia coloca os profissionais em contato estreito com situações de dor, finitude e morte, além de mutilações, desesperança e expectativas de cura da doença. É nesse cenário em que os líderes de enfermagem em oncologia desenvolvem sua prática e onde se efetuam as relações de trabalho da equipe.
  • 3. Oncologia •A Oncologia é a especialidade médica que estuda os tumores. A palavra Oncologia tem origem grega: "oykos” = volume, tumor e é um ramo da patologia que estuda as neoplasias. Classificadas em •Maligno •Benigno
  • 4. •Antigenicidade As células dos tumores benignos, por serem bem diferenciadas, não apresentam a capacidade de produzir antígenos. Já as células malignas, pouco diferenciadas, têm esta propriedade, embora raramente, que pode ser utilizada no diagnóstico e no diagnóstico precoce de alguns tipos de câncer. •Metástases As duas propriedades principais das neoplasias malignas são: a capacidade invasiva- destrutiva local e a produção de metástases. Por definição, a metástase constitui o crescimento neoplásico à distância, sem continuidade e sem dependência do foco primário.
  • 5. •Histogênese É a origem de um tecido, e é um método utilizado para classificar as neoplasias. Assim: I. Adenomas são neoplasias benignas de epitélio glandular. II. Carcinomas são tumores epiteliais malignos. III. Sarcomas são tumores de tecidos mesenquimais malignos
  • 6. Diagnóstico Em muitas situações médicas, incluindo em todos os casos de câncer, o diagnóstico é feito através do estudo macro e microscópico de uma amostra de tecido obtida no paciente e enviada ao patologista para exame. Este procedimento é chamado de biópsia, uma palavra de origem grega que significa "observação do que é vivo". http://www.clmais.com.br/public/noticias/054044_crop.jpg
  • 8. Existem três formas de tratamento do câncer: cirurgia, radioterapia e quimioterapia. Elas são usadas em conjunto no tratamento das neoplasias malignas, variando apenas quanto à importância de cada uma e a ordem de sua indicação. Os tumores benignos não necessitam de tratamento. Os médicos podem simplesmente monitorar o tumor, para se certificar de que eles não causam problemas. Mas o tratamento pode ser necessário se os sintomas são um problema. A cirurgia é um tipo comum de tratamento para os tumores benignos. O objetivo é remover o tumor sem danificar os tecidos circundantes. O Instituto Nacional de Câncer (INCA) é agente de referência nacional para ações de controle do câncer e prestação de serviços na área de cancerologia no âmbito de Sistema Único de Saúde (SUS). Tratamento
  • 9. Gerência de enfermagem • A prática de enfermagem em oncologia coloca os profissionais em contato estreito com situações de dor, finitude e morte, além de mutilações, desesperança de pacientes e familiares, bem como expectativas de cura da doença. A agressividade terapêutica e os ajustes necessários ao processo de tratamento também são fatores característicos desse cenário, visto que muitos efeitos colaterais desencadeiam graves reações físicas e emocionais nos pacientes, constituindo-se em elemento gerador de estresse para a equipe. Esses elementos imputam aos profissionais de enfermagem a necessidade de enfrentamentos. É nesse cenário de estresse que se efetuam as relações de trabalho da equipe de enfermagem em oncologia e o líder desenvolve sua prática, estimulando no profissional capacidade de diagnóstico, de solução de problemas, de tomadas de decisões, de intervenção no processo de trabalho, do trabalho em equipe, de se auto-organizar e de enfrentar situações em constantes mudanças.
  • 10. A gerência de enfermagem tem como missão de gerenciar os: •Serviço de Enfermagem Ambulatorial •Serviço de Enfermagem Hospitalar •Serviço de Enfermagem do Transplante de Medula Óssea •Serviço de Enfermagem em Radioterapia •Serviço de Enfermagem em Cuidados Paliativos •Serviço de Enfermagem em Pronto Atendimento e Centro Cirúrgico Ambulatorial
  • 11. Atividades Desenvolvidas e Realizações • Consulta de enfermagem • Agendamento de tratamento quimioterápico • Tratamento de lesões • Atendimento de Enfermagem durante exames, cuidados pré e pós-cirúrgico • Atendimento de Enfermagem em Ambulatório de Procedimentos • Educação Permanente
  • 13. a) Ambulatório para assistência em clínica médica do adulto e demais especialidades clínicas e cirúrgicas exigidas para modalidade de habilitação que se pretende; b) Ambulatório para assistência em pediatria e especialidades clínicas e cirúrgicas exigidas para a respectiva habilitação; c) Pronto atendimento para assistência de urgência e emergência, nas 24 horas, para os casos de urgência oncológica dos doentes matriculados no hospital; d) Pronto atendimento pediátrico para assistência de urgência e emergência, nas 24 horas, das crianças e adolescentes com câncer sob sua responsabilidade; e) Serviço de diagnóstico para realizar as modalidades de diagnóstico de que trata o inciso II do art. 15 desta Portaria; f) Enfermarias com assistência de internação em clínica médica de adultos, bem como demais especialidades clínicas e cirúrgicas exigidas para a respectiva habilitação, inclusive com quarto de isolamento para os casos de hematologia oncológica; g) enfermarias com assistência de internação exclusiva em pediatria, inclusive com quarto de isolamento, bem como demais especialidades clínicas e cirúrgicas exigidas para a respectiva habilitação;
  • 14. h) centro-cirúrgico que possua todos os atributos e equipamentos exigidos para o funcionamento de uma unidade cirúrgica geral e compatível com as respectivas especialidades cirúrgicas, inclusive pediátricas, exigidas para a respectiva habilitação; para a habilitação como UNACON exclusiva de Hematologia, o estabelecimento hospitalar deve dispor de pelo menos uma sala cirúrgica, devidamente atribuída e equipada; i) Unidade de Terapia Intensiva, de acordo com a legislação vigente e compatível com as respectivas especialidades exigidas para a respectiva habilitação; j) Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica, de acordo com a legislação vigente e compatível com as respectivas especialidades pediátricas exigidas para a respectiva habilitação; l) hemoterapia disponível nas 24 (vinte e quatro) horas por dia, por Agência Transfusional ou estrutura de complexidade maior, nos termos da Resolução RDC nº 153/Anvisa, de 2004, ou outra que venha a alterá- la ou substituí-la m) farmácia hospitalar, com responsável técnico farmacêutico, em conformidade com a legislação vigente e as diretrizes de farmácia hospitalar previstas na Portaria nº 4.283/GM/MS, de 2010; e
  • 15. n) estrutura para atender as pessoas com câncer que necessitem de cuidados paliativos ou serviço de referência devidamente formalizado, de acordo com as regulamentações do Ministério da Saúde, e com o aval e a regulação dos respectivos gestores. PROFISSIONAIS Contar com equipe composta pelos seguintes profissionais: Médico(s) especialista(s) em Radioterapia; Físico(s) médico(s); Técnico(s) de radioterapia, conforme os quantitativos estabelecidos pela ANVISA; Enfermeiro(s) Técnico(s) de enfermagem; Fonte:http://okariri.com/wp-content/uploads/2014/05/sa%C3%BAde.jpg
  • 16. Cuidados de Enfermagem Sistematização da Assistência, uma atividade particular do enfermeiro, que seguindo métodos e estratégias pautadas em trabalho científico, possibilita identificar as situações de saúde adequadas, subsidiando a prescrição e implementação das ações da Assistência de Enfermagem, para que elas possam contribuir para a promoção, prevenção, recuperação e reabilitação em saúde do indivíduo família e comunidade. Fonte:http://delicious-care.com/communities/6/004/009/086/366/images/4546862070_pre.jpg
  • 17. Considerações Finais O propósito principal deste trabalho foi de apresentar e analisar a gerência de enfermagem no setor de oncologia com intuito de trazer conhecimentos a cerca do tema proposto. Podemos ter um conhecimento mais profundo sobre neoplasias e as suas classificações, a humanização da assistência de enfermagem diante de pacientes diagnosticados com tumor, pois é uma área muito triste por ter tratamentos tão dolorosos ou até mesmo não ter tratamento. Além de aprimorar nossos conhecimentos, podemos enxergar a importância do líder para manter, capacitar e estimular os profissionais

Notas do Editor

  1. .
  2. Tratamento Existem três formas de tratamento do câncer: cirurgia, radioterapia e quimioterapia. Elas são usadas em conjunto no tratamento das neoplasias malignas, variando apenas quanto à importância de cada uma e a ordem de sua indicação. Os tumores benignos não necessitam de tratamento. Os médicos podem simplesmente monitorar o tumor, para se certificar de que eles não causam problemas. Mas o tratamento pode ser necessário se os sintomas são um problema. A cirurgia é um tipo comum de tratamento para os tumores benignos. O objetivo é remover o tumor sem danificar os tecidos circundantes. O Instituto Nacional de Câncer (INCA) é agente de referência nacional para ações de controle do câncer e prestação de serviços na área de cancerologia no âmbito de Sistema Único de Saúde (SUS
  3. A prática de enfermagem em oncologia coloca os profissionais em contato estreito com situações de dor, finitude e morte, além de mutilações, desesperança de pacientes e familiares, bem como expectativas de cura da doença. A agressividade terapêutica e os ajustes necessários ao processo de tratamento também são fatores característicos desse cenário, visto que muitos efeitos colaterais desencadeiam graves reações físicas e emocionais nos pacientes, constituindo-se em elemento gerador de estresse para a equipe. Esses elementos imputam aos profissionais de enfermagem a necessidade de enfrentamentos. É nesse cenário de estresse que se efetuam as relações de trabalho da equipe de enfermagem em oncologia e o líder desenvolve sua prática, estimulando no profissional capacidade de diagnóstico, de solução de problemas, de tomadas de decisões, de intervenção no processo de trabalho, do trabalho em equipe, de se auto-organizar e de enfrentar situações em constantes mudanças.
  4. Serviço de Enfermagem Ambulatorial Serviço de Enfermagem Hospitalar Serviço de Enfermagem do Transplante de Medula Óssea Serviço de Enfermagem em Radioterapia Serviço de Enfermagem em Cuidados Paliativos Serviço de Enfermagem em Pronto Atendimento e Centro Cirúrgico Ambulatorial
  5. Consulta de enfermagem Agendamento de tratamento quimioterápico Tratamento de lesões Atendimento de Enfermagem durante exames, cuidados pré e pós-cirúrgico Atendimento de Enfermagem em Ambulatório de Procedimentos Educação Permanente
  6. Estrutura Física
  7. n) estrutura para atender as pessoas com câncer que necessitem de cuidados paliativos ou serviço de referência devidamente formalizado, de acordo com as regulamentações do Ministério da Saúde, e com o aval e a regulação dos respectivos gestores. Profissionais Contar com equipe composta pelos seguintes profissionais: Médico(s) especialista(s) em Radioterapia; Físico(s) médico(s); Técnico(s) de radioterapia, conforme os quantitativos estabelecidos pela ANVISA; Enfermeiro(s) Técnico(s) de enfermagem;
  8. Cuidados de Enfermagem
  9. Considerações Finais O propósito principal deste trabalho foi de apresentar e analisar a gerência de enfermagem no setor de oncologia com intuito de trazer conhecimentos a cerca do tema proposto. Podemos ter um conhecimento mais profundo sobre neoplasias e as suas classificações, a humanização da assistência de enfermagem diante de pacientes diagnosticados com tumor, pois é uma área muito triste por ter tratamentos tão dolorosos ou até mesmo não ter tratamento. Além de aprimorar nossos conhecimentos, podemos enxergar a importância do líder para manter, capacitar e estimular os profissionais
  10. Referências Bibliográficas   www.oncoguia.org.br www. cepon.org/enfermagem www.inca.gov.br