Extravasamento

2.785 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Aula muito sucinta e prática, parabéns!
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.785
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
41
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Extravasamento

  1. 1. EXTRAVASAMENTO DE QUIMIOTERÁPICOS Enfª Residente Anna Paula da Silva Fahl Santos
  2. 2. PROPOSTA Apresentação dos resultados de uma dissertação de mestrado apresentada em 2007 por uma enfermeira na Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Foram analisados 16 artigos na íntegra com publicação de 1999 a 2006.
  3. 3. Falta o conceito de extravasamento
  4. 4. FAVOR COLOCAR OS DOIS QUADROS QUE O TEXTO MOSTRA DOS MEDICAMENTOS QUE SÃO VESICANTES E IRRITANTES SEGUNDO A ONCOLGY NURSING SOCIETY
  5. 5. Enfatizar na sua fala que o levantamento de textos de extravasamentos foi feito apenas para drogas vesicantes Em caso de extravasamento de drogas vesicantes, recomenda-se a aplicação IV de dexrazoxane no braço oposto 2 horas após o acidente, 24 e 48 horas do ocorrido.
  6. 6. A medicação quimioterápica não é eliminada pelo sistema linfático ou pelo metabolismo do organismo, permanecendo no local e se estendendo aos tecidos adjacentes. Neste caso, a intervenção cirúrgica pode ser necessária a partir da gravidade do dano causado ao tecido pelo quimioterápico. Autores recomendam cirurgia em caso de extravasamento de drogas antraciclinas (doxorrubicina, epirrubicina e daunorrubicina)
  7. 7. Existe um fenômeno denominado “recall phenomenon” que é definido pelo autores como reações tissulares após a ocorrência de um dano consequentemente a exposição de agentes citotóxicos detectados tardiamente ao extravasamento. Essas lesões recuperam-se, porém após a exposição ao próximo tratamento, ocorre aparecimento de necrose tissular na área anteriormente lesada. Sua fisiopatologia ainda é desconhecida. Colocar o autor que ela cita no texto aqui (ex: SANTOS, 2011)
  8. 8. Estudos apontam a eficácia do uso da hialuronidase como antídoto para extravasamento de alcalóides da vinca e a infiltração por via subcutânea de soro fisiológico 0,9% para diluição do quimioterápico.
  9. 9. Os danos causados pelos quimioterápicos vesicantes dependem de: Sua concentração; Quantidade extravasada; Duração de exposição; Sequencia de drogas administradas; Local do acidente
  10. 10. Recomenda-se para o tratamento inicial a suspensão da infusão da droga, aspiração o conteúdo remanescente possível utilizando seringa de 1 a 3 mL, acesso aos antídotos apropriados para cada tipo de droga, registro de todos os procedimentos realizados, fotografar a área e realizar o registro do acidente e seu seguimento.
  11. 11. Sintomas em caso de extravasamento de quimioterápicos: Dor Queimação Eritema Edema Baixo retorno sanguíneo Em alguns casos o paciente não apresenta nenhum desses sintomas e os mesmos surgem dias após a infusão. Deve-se manter um kit de extravasamento em unidades oncológicas para agilizar o atendimento.
  12. 12. MEDIDAS PREVENTIVAS DO EXTRAVASAMENTO QUIMIOTERÁPICO VESICANTE - - Equipe de Enfermagem treinada, habilitada, conscientizada e periodicamente reciclada; Educação de pacientes e familiares quanto aos sinais e sintomas (dor, queimação, formigamento, prurido), reportando qualquer eventualidade; Presença de protocolos de extravasamento no setor de quimioterapia
  13. 13. - - Kit de extravasamento contendo gazes, seringa, ampolas de SF 0,9%, ampolas de água destilada, antídotos preconizados pela instituição, agulhas e luvas de procedimento; Administração de drogas vesicantes em menos de 1 hora pode ser feita em veia periférica testando-se o retorno venoso a cada 3-5 ml de infusão. Para administração em tempo superior a 60 minutos, deve ser realizada cateterização venosa central;
  14. 14. - Evitar punção de membros: inferiores, com linfema, submetidos a irradiação, edemaciados, excessivamente puncionados, lesões ou metástases, correspondentes à mastectomia e com distúrbios motores e/ou sensoriais (plegia, paresia, parestesia);
  15. 15. - Recomendação sobre a ordem de preferência na escolha venosa: 1º antebraço, 2º dorso da mão, 3º punho e 4º fossa anticubital. Dentre as veias, escolher aquelas que ofereçam melhor proteção às articulações, tendões e nervos como as mais calibrosas, menos tortuosas e distante de articulações;
  16. 16. - - Escolha do material para punção; Fixação do cateter de forma a não dificultar a visibilidade da área; Recomenda-se a infusão das drogas vesicantes e após as não-vesicantes (a veia está mais estável e menos irritada no início do tratamento e, por isso, menos suscetível a lesões, rupturas e espasmo. Após a aplicação e entre os quimioterápicos infundir SF 0,9% na veia com pelo menos 20 ml;
  17. 17. - Registro no prontuário da data, hora, tipo de agulha e calibre, local, drogas administradas, sequência dos quimioterápicos e assinatura do responsável.

×