Enxaqueca

2.327 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.327
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
68
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Enxaqueca

  1. 1. Enxaqueca<br />
  2. 2. INTRODUÇÃO<br /><ul><li>Enxaqueca é uma doença neurovascular caracterizada por dor que envolve habitualmente apenas um lado da cabeça, com intensidade de moderada a forte, e duração de até 72 horas.
  3. 3. A dor pode estar associada a náuseas e vômitos, além de desconforto com exposição à luz (fotofobia) e sons altos.</li></li></ul><li>CRESCIMENTO<br /><ul><li> De acordo com a Sociedade Brasileira de Cefaleia, a enxaqueca afeta:
  4. 4. Normalmente, as crises surgem antes de 40 anos de idade e, surpreendentemente, regridem depois dos 55 anos.</li></li></ul><li>CAUSAS<br /><ul><li> Os fatores desencadeantes da enxaqueca são extremamente variáveis, sendo distintos para cada paciente. De forma geral, eles estão relacionados com:</li></ul>Ingestão de determinados alimentos como <br />chocolate e comidas gordurosas e lácteas<br />Administração de medicamentos <br />vasodilatadores<br />Exposição a ruídos altos<br />Temperaturas elevadas<br />Estresse<br />Sono prolongado<br />Jejum<br />Traumas cranianos<br />Odores fortes<br />
  5. 5. CAUSAS<br /><ul><li> A privação de cafeína, em grandes consumidores de café, e os vôos em grandes altitudes também podem desencadear o quadro de enxaqueca.
  6. 6. A queda dos níveis hormonais, que ocorre antes da </li></ul>menstruação, aumenta o risco de desenvolvimento <br />de enxaqueca em algumas mulheres.<br />
  7. 7. SINTOMAS<br /><ul><li> Um conjunto de sintomas neurológicos, denominado aura, costuma se manifestar antes da dor de cabeça. A aura visual é a mais comum, podendo se apresentar como flashes de luz, falhas no campo visual ou imagens brilhantes de zigue-zague.
  8. 8. Os sintomas costumam se agravar com movimentos súbitos, inclinação da cabeça, prática de atividade física e esforço mental.
  9. 9. É muito comum o relato, por parte dos pacientes, de dor do tipo latejante ou pulsátil, algum tipo de limitação nas atividades diárias na presença da dor e piora da dor com atividades como caminhar ou subir escadas.</li></li></ul><li>DIAGNÓSTICO<br /><ul><li> É realizado por meio de exame clínico, no qual o médico avalia, minuciosamente, o histórico descrito pelo paciente, acompanhado de exames físico e neurológico completos.
  10. 10. Para que o tratamento seja iniciado, deve-se descartar a hipótese de outras causas de dor de cabeça, como doenças infecciosas e tumores. Para tanto, costumam-se solicitar, quando necessário, exames de imagem, como ressonância magnética ou tomografia computadorizada.
  11. 11. O eletroencefalograma também pode ser recomendado com o intuito de registrar a atividade elétrica cerebral.</li></li></ul><li>TRATAMENTO<br /><ul><li> Procurar um médico aos primeiros sinais da doença é fundamental para a indicação do melhor tratamento para cada caso.
  12. 12. Somente o especialista poderá orientar o paciente em relação aos procedimentos adequados e ao uso de remédios.</li></li></ul><li>TRATAMENTO<br />O tratamento deve ser realizado de acordo com a intensidade e a frequência das crises, cujo principal objetivo é remover e prevenir a enxaqueca.<br />Quadros Leves<br />Na maioria das vezes, são controlados com medidas simples, como sono ou repouso. <br />Quadros moderados<br />São indicados medicamentos específicos, que agem em mecanismos que desencadeiam a dor de cabeça.<br />
  13. 13. TRATAMENTO<br />Quadros com manifestações intensas, incapacitantes ou com pouca resposta aos medicamentos<br />O especialista pode receitar outros medicamentos, desde antidepressivos tricíclicos até betabloqueadores e anticonvulsivantes. Formas não medicamentosas também podem ser empregadas, como técnicas de relaxamento, terapia cognitiva comportamental, dieta, fisioterapia, psicoterapia e acupuntura.<br />
  14. 14. Alguns cuidados também devem ser tomados:   <br />PREVENÇÃO<br /><ul><li> A forma mais indicada de prevenção é identificar os fatores desencadeantes das crises. Eles variam de acordo com o histórico de cada paciente.
  15. 15. Distribuir adequadamente a carga de trabalho (evitando estresse)
  16. 16. Manter horários regulares para as refeições
  17. 17. Evitar prolongar o sono além do horário usual de acordar
  18. 18. Reduzir o consumo de café e chá
  19. 19. Evitar o uso de analgésico sem recomendação médica
  20. 20. Não se expor a luz muito intensa, ruídos e cheiros fortes
  21. 21. Não se exercitar em dias muito quentes.</li></li></ul><li>Consulte sempre o seu médico.<br />Fontes: <br />Manual Merck. Biblioteca Médica Online. http://www.manualmerck.net.<br />Sociedade Brasileira de Cefaleia. http://www.sbce.med.br/dor-de-cabeca/tudo-o-que-voce-queria-saber/23-tipos-de-dor-de-cabeca?start=1.<br /> <br />  <br />Editora médica: Dra. Anna Gabriela Fuks (615039-RJ)<br />Jornalista responsável: Roberto Maggessi (31.250 RJ)<br />

×