SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
Rubéola
INTRODUÇÃO
• A rubéola é uma doença infectocontagiosa causada pelo vírus
da rubéola e transmitida por via respiratória.
• É geralmente benigna, mas pode causar malformações
congênitas em filhos de gestantes contaminadas.
• A rubéola é uma das cinco doenças que produzem exantema
(marcas avermelhadas na pele) na infância. As outras são:
Sarampo;
Varicela;
Eritema infeccioso e
Rosácea.
CAUSAS
• A causa da rubéola é viral. A transmissão é feita por contato direto
com a pessoa infectada, pela secreção respiratória.
• O vírus multiplica-se na faringe e nos órgãos linfáticos e depois se
dissemina pelo sangue. o período de transmissão
Incubação
Transmissão
Ocorre uma semana antes de aparecer o
exantema cutâneo, geralmente na fase
mais intensa da doença.
Período é de duas a três semanas
SINTOMAS
• A apresentação inicial geralmente é similar à de uma gripe comum
e dura de sete a 10 dias.
• O quadro clínico típico caracteriza-se por:
• Posteriormente, rash cutâneo (manchas na pele), que duram três
dias e desaparecem espontaneamente.
Febre
Dores musculares e nas articulações
Dores de cabeça
Secreção nasal transparente
Surgimento de ínguas
(linfonodomegalias)
DIGNÓSTICO
• O diagnóstico clínico é difícil pela similaridade dos sintomas
com os das outras doenças infecciosas que cursam com
exantema súbito.
• A confirmação diagnóstica é feita por meio teste sorológico,
com detecção de anticorpos específicos para o vírus.
TRATAMENTO
• Procurar um médico aos primeiros sinais da doença é
fundamental para a indicação do melhor tratamento para cada
caso.
• Somente o especialista poderá orientar o paciente em relação
aos procedimentos adequados e ao uso de remédios.
TRATAMENTO
• Não existe tratamento antiviral específico.
• O tratamento normalmente é sintomático, com o uso de
analgésicos para controle da dor e antitérmico para a febre.
Hidratação e repouso relativo são indicados.
• A vacinação contra a rubéola é a melhor forma de prevenção da
doença.
• É recomendada de rotina aos 15 meses de idade (vacina MMR) e
para todos os adultos que não tiveram contato com a doença
(vacinação de bloqueio).
• Gestantes não devem ser vacinadas e as mulheres vacinadas
devem esperar no mínimo um mês para engravidar.
• Todas as crianças e adultos devem ficar afastados de pessoas
contaminadas durante o período da doença.
PREVENÇÃO
Procure sempre o seu médico.
Fontes:
Mayo Clinic. http://www.mayoclinic.com.
Manual Merck. Biblioteca Médica Online.
Editora médica: Dra. Anna Gabriela Fuks (615039-RJ)
Jornalista responsável: Roberto Maggessi (31.250 RJ)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Slide sobre rubéola
Slide sobre rubéola Slide sobre rubéola
Slide sobre rubéola
 
Sarampo aula
Sarampo aulaSarampo aula
Sarampo aula
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumbaVaríola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 
Trabalho sobre febre amarela
Trabalho sobre febre amarela Trabalho sobre febre amarela
Trabalho sobre febre amarela
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
 
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
 
Trabalho gonorreia
Trabalho gonorreiaTrabalho gonorreia
Trabalho gonorreia
 
Rubéola na Gestação
Rubéola na GestaçãoRubéola na Gestação
Rubéola na Gestação
 
Tuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida Pinto
Tuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida PintoTuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida Pinto
Tuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida Pinto
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Hepatite
 
Catapora
CataporaCatapora
Catapora
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
FEBRE AMARELA
FEBRE AMARELAFEBRE AMARELA
FEBRE AMARELA
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
 
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AISAEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
 

Destaque (15)

Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Rubeola
RubeolaRubeola
Rubeola
 
Rubeola 2012
Rubeola 2012Rubeola 2012
Rubeola 2012
 
Seminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradoresSeminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradores
 
Rubeola
RubeolaRubeola
Rubeola
 
Epidemiologia da Rubéola e do Sarampo
Epidemiologia da Rubéola e do SarampoEpidemiologia da Rubéola e do Sarampo
Epidemiologia da Rubéola e do Sarampo
 
Síndrome da rubéola congênita
Síndrome da rubéola congênitaSíndrome da rubéola congênita
Síndrome da rubéola congênita
 
Rubeola
RubeolaRubeola
Rubeola
 
Seminário Dengue
Seminário DengueSeminário Dengue
Seminário Dengue
 
Slide sarampo
Slide sarampoSlide sarampo
Slide sarampo
 
Rubéola modulo 1
Rubéola modulo 1Rubéola modulo 1
Rubéola modulo 1
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para DengueAula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
 
Rubeola
RubeolaRubeola
Rubeola
 
Rubeola
RubeolaRubeola
Rubeola
 

Semelhante a Rubéola em (20)

Apresentação catapora
Apresentação cataporaApresentação catapora
Apresentação catapora
 
Apresentação catapora
Apresentação cataporaApresentação catapora
Apresentação catapora
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
 
Seminario micro geral_doencas_interpessoal
Seminario micro geral_doencas_interpessoalSeminario micro geral_doencas_interpessoal
Seminario micro geral_doencas_interpessoal
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
 
Rubéola descrição
Rubéola descriçãoRubéola descrição
Rubéola descrição
 
saude publica.pdf
saude publica.pdfsaude publica.pdf
saude publica.pdf
 
Apresentação dengue
Apresentação dengueApresentação dengue
Apresentação dengue
 
Apresentação dengue
Apresentação dengueApresentação dengue
Apresentação dengue
 
Apresentação bronquiolite
Apresentação bronquioliteApresentação bronquiolite
Apresentação bronquiolite
 
Apresentação bronquiolite
Apresentação bronquioliteApresentação bronquiolite
Apresentação bronquiolite
 
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds tsDoenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
 
Apresentação mononucleose
Apresentação mononucleoseApresentação mononucleose
Apresentação mononucleose
 
Apresentação mononucleose
Apresentação mononucleoseApresentação mononucleose
Apresentação mononucleose
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Cachumba
CachumbaCachumba
Cachumba
 
Cachumba
Cachumba Cachumba
Cachumba
 
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
 

Mais de Laboratório Sérgio Franco

Mais de Laboratório Sérgio Franco (20)

Mudamos!
Mudamos!Mudamos!
Mudamos!
 
Cancer de próstata
Cancer de próstataCancer de próstata
Cancer de próstata
 
Apresentação trombose venosa profunda
Apresentação trombose venosa profundaApresentação trombose venosa profunda
Apresentação trombose venosa profunda
 
Apresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmoseApresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmose
 
Apresentação tétano
Apresentação tétanoApresentação tétano
Apresentação tétano
 
Apresentação síndrome nefrótica
Apresentação síndrome nefróticaApresentação síndrome nefrótica
Apresentação síndrome nefrótica
 
Apresentação síndrome metabólica
Apresentação síndrome metabólicaApresentação síndrome metabólica
Apresentação síndrome metabólica
 
Apresentação rinite alérgica
Apresentação rinite alérgicaApresentação rinite alérgica
Apresentação rinite alérgica
 
Apresentação retocolite
Apresentação retocoliteApresentação retocolite
Apresentação retocolite
 
Apresentação pneumonia
Apresentação pneumoniaApresentação pneumonia
Apresentação pneumonia
 
Apresentação miocardite
Apresentação miocarditeApresentação miocardite
Apresentação miocardite
 
Apresentação micose
Apresentação micoseApresentação micose
Apresentação micose
 
Apresentação miastenia
Apresentação miasteniaApresentação miastenia
Apresentação miastenia
 
Apresentação meningite
Apresentação meningiteApresentação meningite
Apresentação meningite
 
Apresentação lupus
Apresentação lupusApresentação lupus
Apresentação lupus
 
Apresentação leucemia
Apresentação leucemiaApresentação leucemia
Apresentação leucemia
 
Apresentação insuficiência renal crônica
Apresentação insuficiência renal crônicaApresentação insuficiência renal crônica
Apresentação insuficiência renal crônica
 
Apresentação infarto
Apresentação infartoApresentação infarto
Apresentação infarto
 
Apresentação hpv na laringe
Apresentação hpv na laringeApresentação hpv na laringe
Apresentação hpv na laringe
 
Apresentação homocistinúria
Apresentação homocistinúriaApresentação homocistinúria
Apresentação homocistinúria
 

Rubéola em

  • 2. INTRODUÇÃO • A rubéola é uma doença infectocontagiosa causada pelo vírus da rubéola e transmitida por via respiratória. • É geralmente benigna, mas pode causar malformações congênitas em filhos de gestantes contaminadas. • A rubéola é uma das cinco doenças que produzem exantema (marcas avermelhadas na pele) na infância. As outras são: Sarampo; Varicela; Eritema infeccioso e Rosácea.
  • 3. CAUSAS • A causa da rubéola é viral. A transmissão é feita por contato direto com a pessoa infectada, pela secreção respiratória. • O vírus multiplica-se na faringe e nos órgãos linfáticos e depois se dissemina pelo sangue. o período de transmissão Incubação Transmissão Ocorre uma semana antes de aparecer o exantema cutâneo, geralmente na fase mais intensa da doença. Período é de duas a três semanas
  • 4. SINTOMAS • A apresentação inicial geralmente é similar à de uma gripe comum e dura de sete a 10 dias. • O quadro clínico típico caracteriza-se por: • Posteriormente, rash cutâneo (manchas na pele), que duram três dias e desaparecem espontaneamente. Febre Dores musculares e nas articulações Dores de cabeça Secreção nasal transparente Surgimento de ínguas (linfonodomegalias)
  • 5. DIGNÓSTICO • O diagnóstico clínico é difícil pela similaridade dos sintomas com os das outras doenças infecciosas que cursam com exantema súbito. • A confirmação diagnóstica é feita por meio teste sorológico, com detecção de anticorpos específicos para o vírus.
  • 6. TRATAMENTO • Procurar um médico aos primeiros sinais da doença é fundamental para a indicação do melhor tratamento para cada caso. • Somente o especialista poderá orientar o paciente em relação aos procedimentos adequados e ao uso de remédios.
  • 7. TRATAMENTO • Não existe tratamento antiviral específico. • O tratamento normalmente é sintomático, com o uso de analgésicos para controle da dor e antitérmico para a febre. Hidratação e repouso relativo são indicados.
  • 8. • A vacinação contra a rubéola é a melhor forma de prevenção da doença. • É recomendada de rotina aos 15 meses de idade (vacina MMR) e para todos os adultos que não tiveram contato com a doença (vacinação de bloqueio). • Gestantes não devem ser vacinadas e as mulheres vacinadas devem esperar no mínimo um mês para engravidar. • Todas as crianças e adultos devem ficar afastados de pessoas contaminadas durante o período da doença. PREVENÇÃO
  • 9. Procure sempre o seu médico. Fontes: Mayo Clinic. http://www.mayoclinic.com. Manual Merck. Biblioteca Médica Online. Editora médica: Dra. Anna Gabriela Fuks (615039-RJ) Jornalista responsável: Roberto Maggessi (31.250 RJ)