SlideShare uma empresa Scribd logo
Miastenia grave
INTRODUÇÃO
A miastenia grave é uma doença autoimune caracterizada
por uma alteração na transmissão dos impulsos nervosos
para os músculos. Ela é fatal quando atinge os músculos da
deglutição e da respiração.
CAUSAS
 Desconhece-se o fator que desencadeia o “ataque” do
organismo contra os seus próprios receptores de acetilcolina
(substância que funciona como transmissor do impulso
nervoso).
 Na miastenia grave, o sistema imune produz anticorpos que
atacam estes receptores.
 É sabido que a predisposição genética desempenha
importante papel nesta doença.
SINTOMAS
 No início da doença, os sintomas geralmente são
variáveis e sutis, podendo também ser súbitos, com
fraqueza muscular grave e generalizada, daí a dificuldade
no estabelecimento do diagnóstico.
 Com frequência se observa como primeiro sintoma a
fraqueza dos músculos dos olhos, que pode ser isolada ou
progredir para os músculos da deglutição, da fala, da
mastigação e/ou dos membros.
 Os sintomas variam muito entre os pacientes
acometidos, mas as pequenas e mais simples atividades
cotidianas (levantar da cama, tomar banho) podem estar
comprometidas devido à fraqueza muscular.
DIAGNÓSTICO
O exame físico e o histórico do paciente podem determinar a
suspeita da miastenia grave, que pode ser confirmada pela
investigação da presença de anticorpos no sangue contra os
receptores de acetilcolina.
TRATAMENTO
 Procurar um médico com regularidade e, principalmente, aos
primeiros sinais da doença é fundamental para que se possa
indicar o melhor tratamento para cada caso.
 Somente o médico deverá orientar o paciente em relação aos
procedimentos adequados e ao uso de remédios.
 O tratamento é feito com uma classe de medicamentos
específica que diminui a ação da enzima que degrada a
acetilcolina na placa motora. Este procedimento faz que a
acetilcolina funcione por mais tempo, facilitando sua tarefa de
transmissão neuromuscular.
 A cirurgia de remoção do timo (timectomia) geralmente é o
passo seguinte. Os esteroides são usados em casos mais
graves, bem como as imunoglobulinas.
 A crise miastênica, que começa com a dificuldade respiratória
e que não responde à medicação, necessita de hospitalização
imediata. Essa crise pode ser oriunda de estresse emocional,
infecção, gravidez, menstruação, acidente e reação adversa a
certos medicamentos.
TRATAMENTO
PREVENÇÃO
 Não existe forma de prevenção à miastenia grave.
 Em se tratando de uma doença de prognóstico que
permite uma qualidade de vida quase normal, deve-se ater
às complicações que ela pode gerar. Para isso é
importante que o diagnóstico seja precoce.
Procure sempre o seu médico.
Fontes:
Associação Brasileira de Miastenia Grave. <Disponível em>:
www.abrami.org.br/index.php?option=com_content&view=section&layou
t=blog&id=2&Itemid=14
Dra. Anna Gabriela Fuks (CRM 677680-RJ)
Editora médica
Roberto Maggessi (MTE 31.250 RJ)
Jornalista responsável

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Antineoplásicos
AntineoplásicosAntineoplásicos
Antineoplásicos
Flávia Almeida
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
Joice Lins
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
Rui Amorim
 
Farmacologia Respiratória
Farmacologia RespiratóriaFarmacologia Respiratória
Farmacologia Respiratória
Leonardo Souza
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
pauloalambert
 
Aula fraturas
Aula  fraturasAula  fraturas
Aula fraturas
Marcelo Costa
 
INFARTO AGUDO MIOCÁRDIO E ANGINA PECTÓRIS
INFARTO AGUDO MIOCÁRDIO E ANGINA PECTÓRISINFARTO AGUDO MIOCÁRDIO E ANGINA PECTÓRIS
INFARTO AGUDO MIOCÁRDIO E ANGINA PECTÓRIS
Renara Kran
 
AVC
AVCAVC
Aula urgencia e emergencia
Aula urgencia e emergenciaAula urgencia e emergencia
Aula urgencia e emergencia
MargeloCosta
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
resenfe2013
 
Apresentação acidente vascular cerebral
Apresentação acidente vascular cerebralApresentação acidente vascular cerebral
Apresentação acidente vascular cerebral
Laboratório Sérgio Franco
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
Brenda Lahlou
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologia
Sheilla Sandes
 
Analgésicos
AnalgésicosAnalgésicos
Analgésicos
Safia Naser
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
Ana Hollanders
 
Angina pectoris
Angina pectorisAngina pectoris
Angina pectoris
diiogotk
 
Choque
Choque Choque
Choque
resenfe2013
 
Fundamentos de Enfermagem Farmacologia
Fundamentos de Enfermagem FarmacologiaFundamentos de Enfermagem Farmacologia
Fundamentos de Enfermagem Farmacologia
Felipe Santos
 
Crise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedasCrise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedas
Natalia Mikaele Vasconcellos
 
Resumo farmacologia
Resumo farmacologia   Resumo farmacologia
Resumo farmacologia
Centro Universitário Ages
 

Mais procurados (20)

Antineoplásicos
AntineoplásicosAntineoplásicos
Antineoplásicos
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
 
Farmacologia Respiratória
Farmacologia RespiratóriaFarmacologia Respiratória
Farmacologia Respiratória
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
 
Aula fraturas
Aula  fraturasAula  fraturas
Aula fraturas
 
INFARTO AGUDO MIOCÁRDIO E ANGINA PECTÓRIS
INFARTO AGUDO MIOCÁRDIO E ANGINA PECTÓRISINFARTO AGUDO MIOCÁRDIO E ANGINA PECTÓRIS
INFARTO AGUDO MIOCÁRDIO E ANGINA PECTÓRIS
 
AVC
AVCAVC
AVC
 
Aula urgencia e emergencia
Aula urgencia e emergenciaAula urgencia e emergencia
Aula urgencia e emergencia
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
 
Apresentação acidente vascular cerebral
Apresentação acidente vascular cerebralApresentação acidente vascular cerebral
Apresentação acidente vascular cerebral
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologia
 
Analgésicos
AnalgésicosAnalgésicos
Analgésicos
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 
Angina pectoris
Angina pectorisAngina pectoris
Angina pectoris
 
Choque
Choque Choque
Choque
 
Fundamentos de Enfermagem Farmacologia
Fundamentos de Enfermagem FarmacologiaFundamentos de Enfermagem Farmacologia
Fundamentos de Enfermagem Farmacologia
 
Crise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedasCrise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedas
 
Resumo farmacologia
Resumo farmacologia   Resumo farmacologia
Resumo farmacologia
 

Destaque

Miastenia Gravis
Miastenia GravisMiastenia Gravis
Miastenia Gravis
José Carlos Morais
 
Miastenia gravis
Miastenia gravisMiastenia gravis
Miastenia gravis
Marlli Mln Mndz
 
Miastenia Gravis
Miastenia GravisMiastenia Gravis
Miastenia Gravis
Independiente / Freelance
 
Miastenia Gravis 2014
Miastenia Gravis 2014Miastenia Gravis 2014
Miastenia Gravis 2014
Carlos E. Salazar-Mejía
 
Miastenia grave e deficiência não aparente: visão do paciente
Miastenia grave e deficiência não aparente: visão do pacienteMiastenia grave e deficiência não aparente: visão do paciente
Miastenia grave e deficiência não aparente: visão do paciente
Andréa Oliveira
 
Miastenia gravis
Miastenia gravisMiastenia gravis
Miastenia Gravis
Miastenia   GravisMiastenia   Gravis
Miastenia Gravis
vicmanu
 
Miastenia gravis
Miastenia gravisMiastenia gravis
Miastenia gravis
neuroamico
 
Duchenne
DuchenneDuchenne
Duchenne
Camila Ferreira
 
Miastenia Gravis
Miastenia GravisMiastenia Gravis
Miastenia Gravis
Marta Faria Ramos
 
Distrofia.miopastia
Distrofia.miopastiaDistrofia.miopastia
Distrofia.miopastia
GEDRBRASIL_ESTUDANDORARAS
 
Miopatias de neurologia ufsc dezembro de 2010
Miopatias de neurologia ufsc dezembro de 2010Miopatias de neurologia ufsc dezembro de 2010
Miopatias de neurologia ufsc dezembro de 2010
Marcelo Benedet Tournier
 
Distrofia muscular congénita
Distrofia muscular congénitaDistrofia muscular congénita
Distrofia muscular congénita
Prune Mazer
 
Miastenia Gravis
Miastenia GravisMiastenia Gravis
Miastenia Gravis
Anma GaCh
 
Miastenia gravis
Miastenia gravisMiastenia gravis
Tecido Muscular
Tecido MuscularTecido Muscular
Tecido Muscular
Kaíne Colodetti
 
Fisiologia do sistema muscular
Fisiologia do sistema muscularFisiologia do sistema muscular
Fisiologia do sistema muscular
guestc2bec7
 
Aula 4 de Histologia - Tecido muscular
Aula 4 de Histologia - Tecido muscularAula 4 de Histologia - Tecido muscular
Aula 4 de Histologia - Tecido muscular
Julia Berardo
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
Carine Belau
 
Fisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido MuscularFisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Herbert Santana
 

Destaque (20)

Miastenia Gravis
Miastenia GravisMiastenia Gravis
Miastenia Gravis
 
Miastenia gravis
Miastenia gravisMiastenia gravis
Miastenia gravis
 
Miastenia Gravis
Miastenia GravisMiastenia Gravis
Miastenia Gravis
 
Miastenia Gravis 2014
Miastenia Gravis 2014Miastenia Gravis 2014
Miastenia Gravis 2014
 
Miastenia grave e deficiência não aparente: visão do paciente
Miastenia grave e deficiência não aparente: visão do pacienteMiastenia grave e deficiência não aparente: visão do paciente
Miastenia grave e deficiência não aparente: visão do paciente
 
Miastenia gravis
Miastenia gravisMiastenia gravis
Miastenia gravis
 
Miastenia Gravis
Miastenia   GravisMiastenia   Gravis
Miastenia Gravis
 
Miastenia gravis
Miastenia gravisMiastenia gravis
Miastenia gravis
 
Duchenne
DuchenneDuchenne
Duchenne
 
Miastenia Gravis
Miastenia GravisMiastenia Gravis
Miastenia Gravis
 
Distrofia.miopastia
Distrofia.miopastiaDistrofia.miopastia
Distrofia.miopastia
 
Miopatias de neurologia ufsc dezembro de 2010
Miopatias de neurologia ufsc dezembro de 2010Miopatias de neurologia ufsc dezembro de 2010
Miopatias de neurologia ufsc dezembro de 2010
 
Distrofia muscular congénita
Distrofia muscular congénitaDistrofia muscular congénita
Distrofia muscular congénita
 
Miastenia Gravis
Miastenia GravisMiastenia Gravis
Miastenia Gravis
 
Miastenia gravis
Miastenia gravisMiastenia gravis
Miastenia gravis
 
Tecido Muscular
Tecido MuscularTecido Muscular
Tecido Muscular
 
Fisiologia do sistema muscular
Fisiologia do sistema muscularFisiologia do sistema muscular
Fisiologia do sistema muscular
 
Aula 4 de Histologia - Tecido muscular
Aula 4 de Histologia - Tecido muscularAula 4 de Histologia - Tecido muscular
Aula 4 de Histologia - Tecido muscular
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
 
Fisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido MuscularFisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
 

Semelhante a Apresentação miastenia

Miastenia Gravis
Miastenia GravisMiastenia Gravis
Miastenia Gravis
AnaLeonorPereiradeOl
 
Doenças do Sistema Nervoso
Doenças do Sistema NervosoDoenças do Sistema Nervoso
Doenças do Sistema Nervoso
Maria Freitas
 
Fármacos antiinflamatórios
Fármacos antiinflamatóriosFármacos antiinflamatórios
Fármacos antiinflamatórios
Stheffany Araújo
 
20052013 ana carolina
20052013 ana carolina20052013 ana carolina
20052013 ana carolina
João Carlos
 
Ser uma pessoa com epilepsia
Ser uma pessoa com epilepsiaSer uma pessoa com epilepsia
Ser uma pessoa com epilepsia
José Ruiz
 
Lupus
LupusLupus
Autoimunidade
AutoimunidadeAutoimunidade
Autoimunidade
LABIMUNO UFBA
 
Doenças auto-imunes
Doenças auto-imunes Doenças auto-imunes
Doenças auto-imunes
Margarida Rodrigues
 
Les
LesLes
Aula 8 dor e inflamacao
Aula 8   dor e inflamacaoAula 8   dor e inflamacao
Aula 8 dor e inflamacao
Jonas Rodrigues Sanches
 
Cmt
CmtCmt
Doenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervosoDoenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervoso
Pedui
 
Esclerose Múltipla
Esclerose MúltiplaEsclerose Múltipla
Esclerose Múltipla
guest30e4af
 
Esclerose Múltipla
Esclerose MúltiplaEsclerose Múltipla
Esclerose Múltipla
José Carlos Morais
 
Biomagnetismo
BiomagnetismoBiomagnetismo
Sindrome de sojren
Sindrome de sojrenSindrome de sojren
Sindrome de sojren
Laura Santeliz
 
Sindrome de SjöGren
Sindrome de SjöGrenSindrome de SjöGren
Sindrome de SjöGren
guest30e4af
 
Sindrome de Sjögren
Sindrome de SjögrenSindrome de Sjögren
Sindrome de Sjögren
José Carlos Morais
 
Aula 20 acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Aula 20   acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...Aula 20   acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Aula 20 acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Isabela Ribeiro
 
Relação da Vitamina C com o Colágeno
Relação da Vitamina C com o ColágenoRelação da Vitamina C com o Colágeno
Relação da Vitamina C com o Colágeno
gizadgp
 

Semelhante a Apresentação miastenia (20)

Miastenia Gravis
Miastenia GravisMiastenia Gravis
Miastenia Gravis
 
Doenças do Sistema Nervoso
Doenças do Sistema NervosoDoenças do Sistema Nervoso
Doenças do Sistema Nervoso
 
Fármacos antiinflamatórios
Fármacos antiinflamatóriosFármacos antiinflamatórios
Fármacos antiinflamatórios
 
20052013 ana carolina
20052013 ana carolina20052013 ana carolina
20052013 ana carolina
 
Ser uma pessoa com epilepsia
Ser uma pessoa com epilepsiaSer uma pessoa com epilepsia
Ser uma pessoa com epilepsia
 
Lupus
LupusLupus
Lupus
 
Autoimunidade
AutoimunidadeAutoimunidade
Autoimunidade
 
Doenças auto-imunes
Doenças auto-imunes Doenças auto-imunes
Doenças auto-imunes
 
Les
LesLes
Les
 
Aula 8 dor e inflamacao
Aula 8   dor e inflamacaoAula 8   dor e inflamacao
Aula 8 dor e inflamacao
 
Cmt
CmtCmt
Cmt
 
Doenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervosoDoenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervoso
 
Esclerose Múltipla
Esclerose MúltiplaEsclerose Múltipla
Esclerose Múltipla
 
Esclerose Múltipla
Esclerose MúltiplaEsclerose Múltipla
Esclerose Múltipla
 
Biomagnetismo
BiomagnetismoBiomagnetismo
Biomagnetismo
 
Sindrome de sojren
Sindrome de sojrenSindrome de sojren
Sindrome de sojren
 
Sindrome de SjöGren
Sindrome de SjöGrenSindrome de SjöGren
Sindrome de SjöGren
 
Sindrome de Sjögren
Sindrome de SjögrenSindrome de Sjögren
Sindrome de Sjögren
 
Aula 20 acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Aula 20   acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...Aula 20   acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Aula 20 acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
 
Relação da Vitamina C com o Colágeno
Relação da Vitamina C com o ColágenoRelação da Vitamina C com o Colágeno
Relação da Vitamina C com o Colágeno
 

Mais de Laboratório Sérgio Franco

Mudamos!
Mudamos!Mudamos!
Cancer de próstata
Cancer de próstataCancer de próstata
Cancer de próstata
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação trombose venosa profunda
Apresentação trombose venosa profundaApresentação trombose venosa profunda
Apresentação trombose venosa profunda
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmoseApresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmose
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação tétano
Apresentação tétanoApresentação tétano
Apresentação tétano
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação síndrome nefrótica
Apresentação síndrome nefróticaApresentação síndrome nefrótica
Apresentação síndrome nefrótica
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação síndrome metabólica
Apresentação síndrome metabólicaApresentação síndrome metabólica
Apresentação síndrome metabólica
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação rubéola
Apresentação rubéolaApresentação rubéola
Apresentação rubéola
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação rinite alérgica
Apresentação rinite alérgicaApresentação rinite alérgica
Apresentação rinite alérgica
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação retocolite
Apresentação retocoliteApresentação retocolite
Apresentação retocolite
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação pneumonia
Apresentação pneumoniaApresentação pneumonia
Apresentação pneumonia
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação mononucleose
Apresentação mononucleoseApresentação mononucleose
Apresentação mononucleose
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação miocardite
Apresentação miocarditeApresentação miocardite
Apresentação miocardite
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação micose
Apresentação micoseApresentação micose
Apresentação micose
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação meningite
Apresentação meningiteApresentação meningite
Apresentação meningite
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação lupus
Apresentação lupusApresentação lupus
Apresentação lupus
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação leucemia
Apresentação leucemiaApresentação leucemia
Apresentação leucemia
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação insuficiência renal crônica
Apresentação insuficiência renal crônicaApresentação insuficiência renal crônica
Apresentação insuficiência renal crônica
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação infarto
Apresentação infartoApresentação infarto
Apresentação infarto
Laboratório Sérgio Franco
 
Apresentação hpv na laringe
Apresentação hpv na laringeApresentação hpv na laringe
Apresentação hpv na laringe
Laboratório Sérgio Franco
 

Mais de Laboratório Sérgio Franco (20)

Mudamos!
Mudamos!Mudamos!
Mudamos!
 
Cancer de próstata
Cancer de próstataCancer de próstata
Cancer de próstata
 
Apresentação trombose venosa profunda
Apresentação trombose venosa profundaApresentação trombose venosa profunda
Apresentação trombose venosa profunda
 
Apresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmoseApresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmose
 
Apresentação tétano
Apresentação tétanoApresentação tétano
Apresentação tétano
 
Apresentação síndrome nefrótica
Apresentação síndrome nefróticaApresentação síndrome nefrótica
Apresentação síndrome nefrótica
 
Apresentação síndrome metabólica
Apresentação síndrome metabólicaApresentação síndrome metabólica
Apresentação síndrome metabólica
 
Apresentação rubéola
Apresentação rubéolaApresentação rubéola
Apresentação rubéola
 
Apresentação rinite alérgica
Apresentação rinite alérgicaApresentação rinite alérgica
Apresentação rinite alérgica
 
Apresentação retocolite
Apresentação retocoliteApresentação retocolite
Apresentação retocolite
 
Apresentação pneumonia
Apresentação pneumoniaApresentação pneumonia
Apresentação pneumonia
 
Apresentação mononucleose
Apresentação mononucleoseApresentação mononucleose
Apresentação mononucleose
 
Apresentação miocardite
Apresentação miocarditeApresentação miocardite
Apresentação miocardite
 
Apresentação micose
Apresentação micoseApresentação micose
Apresentação micose
 
Apresentação meningite
Apresentação meningiteApresentação meningite
Apresentação meningite
 
Apresentação lupus
Apresentação lupusApresentação lupus
Apresentação lupus
 
Apresentação leucemia
Apresentação leucemiaApresentação leucemia
Apresentação leucemia
 
Apresentação insuficiência renal crônica
Apresentação insuficiência renal crônicaApresentação insuficiência renal crônica
Apresentação insuficiência renal crônica
 
Apresentação infarto
Apresentação infartoApresentação infarto
Apresentação infarto
 
Apresentação hpv na laringe
Apresentação hpv na laringeApresentação hpv na laringe
Apresentação hpv na laringe
 

Apresentação miastenia

  • 2. INTRODUÇÃO A miastenia grave é uma doença autoimune caracterizada por uma alteração na transmissão dos impulsos nervosos para os músculos. Ela é fatal quando atinge os músculos da deglutição e da respiração.
  • 3. CAUSAS  Desconhece-se o fator que desencadeia o “ataque” do organismo contra os seus próprios receptores de acetilcolina (substância que funciona como transmissor do impulso nervoso).  Na miastenia grave, o sistema imune produz anticorpos que atacam estes receptores.  É sabido que a predisposição genética desempenha importante papel nesta doença.
  • 4. SINTOMAS  No início da doença, os sintomas geralmente são variáveis e sutis, podendo também ser súbitos, com fraqueza muscular grave e generalizada, daí a dificuldade no estabelecimento do diagnóstico.  Com frequência se observa como primeiro sintoma a fraqueza dos músculos dos olhos, que pode ser isolada ou progredir para os músculos da deglutição, da fala, da mastigação e/ou dos membros.  Os sintomas variam muito entre os pacientes acometidos, mas as pequenas e mais simples atividades cotidianas (levantar da cama, tomar banho) podem estar comprometidas devido à fraqueza muscular.
  • 5. DIAGNÓSTICO O exame físico e o histórico do paciente podem determinar a suspeita da miastenia grave, que pode ser confirmada pela investigação da presença de anticorpos no sangue contra os receptores de acetilcolina.
  • 6. TRATAMENTO  Procurar um médico com regularidade e, principalmente, aos primeiros sinais da doença é fundamental para que se possa indicar o melhor tratamento para cada caso.  Somente o médico deverá orientar o paciente em relação aos procedimentos adequados e ao uso de remédios.  O tratamento é feito com uma classe de medicamentos específica que diminui a ação da enzima que degrada a acetilcolina na placa motora. Este procedimento faz que a acetilcolina funcione por mais tempo, facilitando sua tarefa de transmissão neuromuscular.
  • 7.  A cirurgia de remoção do timo (timectomia) geralmente é o passo seguinte. Os esteroides são usados em casos mais graves, bem como as imunoglobulinas.  A crise miastênica, que começa com a dificuldade respiratória e que não responde à medicação, necessita de hospitalização imediata. Essa crise pode ser oriunda de estresse emocional, infecção, gravidez, menstruação, acidente e reação adversa a certos medicamentos. TRATAMENTO
  • 8. PREVENÇÃO  Não existe forma de prevenção à miastenia grave.  Em se tratando de uma doença de prognóstico que permite uma qualidade de vida quase normal, deve-se ater às complicações que ela pode gerar. Para isso é importante que o diagnóstico seja precoce.
  • 9. Procure sempre o seu médico. Fontes: Associação Brasileira de Miastenia Grave. <Disponível em>: www.abrami.org.br/index.php?option=com_content&view=section&layou t=blog&id=2&Itemid=14 Dra. Anna Gabriela Fuks (CRM 677680-RJ) Editora médica Roberto Maggessi (MTE 31.250 RJ) Jornalista responsável