SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
FILOSOFIA 11.º ano
FILOSOFIA 11.º ano
Luís Rodrigues
Da dúvida ao Cogito.
O exercício da dúvida e os
seus resultados
ANÁLISE COMPARATIVA DE DUAS
TEORIAS DO CONHECIMENTO
O RACIONALISMO DE DESCARTES
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
DA DÚVIDA AO COGITO
O EXERCÍCIO DA DÚVIDA E OS SEUS
RESULTADOS
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
O objetivo fundamental do pensamento de Descartes é uma profunda
reforma do conhecimento humano que o coloque à margem de
qualquer dúvida.
Trata-se de justificar ou fundamentar as nossas crenças de forma a
garantirmos, sem margem para dúvida, a sua verdade.
A DÚVIDA AO SERVIÇO DA VERDADE
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
Como encontrar uma verdade absolutamente indubitável?
Como encontrar uma verdade sobre a qual não possa recair a mínima
suspeita de falsidade?
A QUESTÃO QUE ORIENTA O EXERCÍCIO DA
DÚVIDA
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
• Considerar falsa qualquer opinião ou crença em que detetarmos a
mínima fragilidade, isto é, sobre a qual possamos ter uma razão
para duvidar, por mais ténue que seja.
• Considerar que qualquer faculdade que usamos para conhecer não
merece confiança se alguma vez nos tiver enganado ou se tivermos
alguma razão para suspeitar de que nos pode enganar.
A RESPOSTA À QUESTÃO QUE ORIENTA O
EXERCÍCIO DA DÚVIDA
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
Só o que for impossível considerar duvidoso merece o nome de
verdade.
A dúvida é o meio de examinar que crenças ou opiniões merecem o
nome de verdades indiscutíveis.
A RESPOSTA À QUESTÃO QUE ORIENTA O
EXERCÍCIO DA DÚVIDA
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
As bases do sistema dos conhecimentos
estabelecidos:
1. A crença de que podemos confiar nos sentidos, sendo a experiência
a origem do conhecimento.
2. A crença imediata na existência de realidades físicas.
3. A crença de que o nosso entendimento (ou a nossa razão) não se
engana ou não pode estar enganado quando descobre verdades.
O QUE VAI SER EXAMINADO
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
Temos de provar sem qualquer margem para dúvida que estas
crenças são verdadeiras.
Se não o conseguirmos, teremos de as rejeitar como falsas.
O QUE VAI SER EXAMINADO
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
Descartes considerava que a confiança na perceção sensível ou
experiência era uma das bases do saber tradicional. Rejeita essa crença
usando a dúvida de forma hiperbólica. Como os sentidos algumas vezes
nos enganam, nunca devemos confiar nas suas informações sobre as
qualidades dos objetos sensíveis.
A sua teoria do conhecimento rejeita, por conseguinte, o
empirismo.
A opinião ou crença de que os sentidos são a
origem do conhecimento é falsa.
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
«Quantas vezes me acontece que, durante o repouso noturno,
me deixo persuadir de coisas tão habituais como que estou aqui, com o
roupão vestido, sentado à lareira, quando, todavia, estou estendido na
cama e despido! Mas agora, observo este papel seguramente com os
olhos abertos, esta cabeça que movo não está a dormir, voluntária e
conscientemente estendo esta mão e sinto-a; o que acontece quando se
dorme não parece tão distinto. Como se não me recordasse de já ter
sido enganado em sonhos por pensamentos semelhantes! Por isso, se
reflito mais atentamente, vejo com clareza que vigília e sono nunca se
podem distinguir por sinais seguros […].»
Meditações sobre a Filosofia Primeira, p. 108.
A opinião ou crença de que o mundo físico existe
é falsa: o argumento das ilusões dos sonhos
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
Não havendo um critério absolutamente claro e distinto para
distinguir o sonho da realidade, não podemos considerar verdadeira a
crença na existência de realidades físicas.
Aplicando o princípio que regula a aplicação da dúvida
hiperbólica, tenho de concluir que o facto de julgar que tenho um corpo
e de existirem coisas físicas é uma ilusão.
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
A opinião ou crença de que o mundo físico existe
é falsa: o argumento das ilusões dos sonhos
O que foi posto em causa até agora
Considerámos como duvidosa – falsa – a crença de que os
sentidos são fiáveis pontos de partida do conhecimento.
Considerámos como duvidosa – falsa – a crença na existência
de objetos físicos, materiais ou sensíveis.
As crenças nas verdades racionais podem ser
falsas: o argumento do Deus enganador
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
O que falta examinar
Não encontrámos qualquer verdade indubitável do lado dos objetos
sensíveis.
Será que examinando outro tipo de objetos encontraremos algo que
possamos considerar verdade de que não podemos duvidar de
modo algum?
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
As crenças nas verdades racionais podem ser
falsas: o argumento do Deus enganador
O que falta examinar
Examinados os objetos sensíveis e as informações dos sentidos, falta
ver se os objetos inteligíveis resistem ao severo exame da dúvida
metódica e hiperbólica.
O que são objetos inteligíveis?
São o resultado da atividade da razão ou do entendimento. Que 2 + 2
sejam igual a 4 é o resultado de uma operação do entendimento.
Parece impossível de falsificar. Mas será?
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
As crenças nas verdades racionais podem ser
falsas: o argumento do Deus enganador
«Está gravada no meu espírito uma velha crença, segundo a qual existe
um Deus que pode tudo e pelo qual fui criado tal como existo. Mas
quem me garante que ele não procedeu de modo que não houvesse
nem terra, nem céu, nem corpos extensos, nem figura, nem grandeza,
nem lugar, e que, no entanto, tudo isto me parecesse existir tal como
agora? E mais ainda, assim como concluo que os outros se enganam
algumas vezes naquilo que pensam saber com absoluta perfeição,
também eu me podia enganar todas as vezes que somasse dois e três
ou contasse os lados de um quadrado.»
Meditações sobre a Filosofia Primeira, pp. 110-111.
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
As crenças nas verdades racionais podem ser
falsas: o argumento do Deus enganador
O argumento pretende examinar se é justificável a confiança na
verdade indiscutível das nossas crenças racionais, em especial a crença
de que as verdades matemáticas são evidências acima de qualquer
suspeita.
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
As crenças nas verdades racionais podem ser
falsas: o argumento do Deus enganador
O argumento baseia-se em duas ideias:
1. Deus criou o nosso entendimento;
2. Deus é omnipotente.
O aspeto decisivo do argumento é a reflexão sobre o conceito de
omnipotência.
Um ser omnipotente não será uma entidade que tudo pode fazer,
mesmo o que eu acho incrível ou absurdo?
Descartes pensa que sim, apesar de considerar esta suspeita muito
frágil.
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
As crenças nas verdades racionais podem ser
falsas: o argumento do Deus enganador
Mas basta esta frágil suspeita para que não possamos declarar que a
crença nas verdades matemáticas mais elementares é indubitável.
As proposições com origem na razão, como as da Matemática, não
são verdades indubitáveis.
Porquê?
Porque Deus pode ter-nos criado de modo que nos enganemos
sempre que somamos dois mais três.
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
As crenças nas verdades racionais podem ser
falsas: o argumento do Deus enganador
Somos completamente incapazes de mostrar que não existe um
Deus que nos tenha criado destinados a confundir o verdadeiro com o
falso.
É suficiente supor que um tal Deus existe para que duvidemos
do que julgávamos impensável duvidar.
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
As crenças nas verdades racionais podem ser
falsas: o argumento do Deus enganador
Até agora parece que a dúvida metódica e hiperbólica não
cumpriu o seu objetivo. Denunciámos como falso aquilo de cuja
verdade não podemos estar certos. Mas não descobrimos nenhuma
verdade.
Será que nada é verdadeiro?
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
Em nenhum tipo de objetos – nem nos sensíveis nem nos
inteligíveis – encontrámos verdades indiscutíveis.
Talvez o correto seja procurar a verdade do lado do sujeito.
Mas não foi este que tudo pôs em causa?
Não serviu a hipótese do Deus enganador para suspeitar da
fiabilidade da nossa razão ou do nosso entendimento quando julgam
descobrir verdades?
Parece que estamos num beco sem saída.
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
Será que nada é verdadeiro?
Parece que estamos num beco sem saída.
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
Será que nada é verdadeiro?
DA DÚVIDA AO COGITO
O EXERCÍCIO DA DÚVIDA E OS SEUS
RESULTADOS:
A PRIMEIRA VERDADE INDUBITÁVEL
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
Duvido de tudo, mas poderei duvidar de que duvido de tudo? Não.
Duvido, logo, existo.
Como duvidar é um ato do pensamento, posso dizer:
Penso, logo, existo.
A condição de possibilidade da dúvida
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
O exercício da dúvida conduziu-nos a esta conclusão: Não
temos a certeza de nada.
Mas há algo que não podemos considerar duvidoso ou falso: o
sujeito que duvida existe.
A condição de possibilidade da dúvida
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
Por que razão o «Duvido – penso – logo existo» é uma verdade
indubitável?
Porque para que a dúvida seja possível tem de ser verdadeira a
existência do eu que duvida.
A condição de possibilidade da dúvida
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
1. Como primeira crença que resiste à dúvida, será o primeiro princípio
do novo sistema dos conhecimentos.
Nenhum conhecimento é anterior a este porque o descobrimos no
momento em que temos dúvidas sobre tudo (objetos sensíveis e
inteligíveis). Como primeira verdade indubitável, vai ser a partir dela
que a reconstrução do saber se vai fazer.
As caraterísticas da primeira verdade indubitável
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
2. É a afirmação da existência do eu como substância pensante.
Como duvidar é um ato do pensamento, o sujeito descobre a sua
existência como sujeito pensante.
3. É uma verdade autoevidente porque é conhecida pela razão sem ser
justificada por uma verdade anterior.
Que o eu exista como substância pensante é uma verdade
autoevidente que não se baseia em nenhuma outra verdade.
As caraterísticas da primeira verdade indubitável
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
4. É uma verdade puramente racional conhecida por intuição (intuição
racional e existencial).
Corresponde à descoberta da existência do eu no ato de pensar e à
descoberta da sua essência nesse mesmo ato. O eu existe como ser
pensante. É puramente racional porque descoberta pela razão,
independentemente de qualquer contributo da experiência.
É descoberta por intuição. Não é deduzida de um conhecimento
anterior mais geral do tipo «Tudo o que pensa existe».
As caraterísticas da primeira verdade indubitável
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
5. É uma verdade inata.
O «Eu penso, logo, existo» ou a existência do eu pensante é uma
verdade que não deriva ou depende da experiência, dos sentidos.
Apresenta-se à razão como verdade de que ela não pode duvidar.
Está no nosso espírito desde sempre (ao nascer) e, mesmo que não
tenhamos desde logo consciência dela, a nossa razão descobre-a
quando dá atenção a si e não às coisas exteriores.
As caraterísticas da primeira verdade indubitável
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
6. É um modelo e um critério de verdade.
O Cogito é um modelo e um critério de verdade porque só é verdadeiro
o que apreendemos com clareza e distinção. Serão verdadeiras todas
as ideias que forem tão claras e distintas como este primeiro
conhecimento. É claro e distinto o que a razão, independentemente
dos sentidos, considera impossível ser falso.
As caraterísticas da primeira verdade indubitável
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito
As caraterísticas da primeira verdade indubitável
SÍNTESE
Conhecimento
indubitável e
autoevidente
obtido por
intuição, que
não depende
de nenhum
outro.
Conhecimento a
partir do qual se
vão deduzir
outros porque é
absolutamente
primeiro.
Modelo e
critério de
verdade.
Ideia inata
porque se
impõe como
verdade
absoluta à
razão sem
recurso à
experiência.
FILOSOFIA 11.º ano
Da dúvida ao cogito

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusIsabel Moura
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesElisabete Silva
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoLuis De Sousa Rodrigues
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaLuis De Sousa Rodrigues
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de DescartesJorge Barbosa
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoIsabel Moura
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesIsabel Moura
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b finalj_sdias
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Jorge Barbosa
 
A falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípioA falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípioLuis De Sousa Rodrigues
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da naturezaLuis De Sousa Rodrigues
 
Objeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismoObjeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismoIsabel Moura
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaLuis De Sousa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimento
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de Descartes
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimento
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
O indutivismo
O indutivismoO indutivismo
O indutivismo
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
As relações de ideias
As relações de ideiasAs relações de ideias
As relações de ideias
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
A falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípioA falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípio
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
 
Objeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismoObjeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismo
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
 

Destaque

Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Dylan Bonnet
 
Crença verdadeira justificada - filosofia
Crença verdadeira justificada - filosofiaCrença verdadeira justificada - filosofia
Crença verdadeira justificada - filosofiaAMLDRP
 
O conhecimento do mundo os raciocínios indutivos
O conhecimento do mundo   os raciocínios indutivosO conhecimento do mundo   os raciocínios indutivos
O conhecimento do mundo os raciocínios indutivosLuis De Sousa Rodrigues
 
O conhecimento do mundo a relação causal
O conhecimento do mundo   a relação causalO conhecimento do mundo   a relação causal
O conhecimento do mundo a relação causalLuis De Sousa Rodrigues
 
O conhecimento do mundo os raciocínios indutivos
O conhecimento do mundo   os raciocínios indutivosO conhecimento do mundo   os raciocínios indutivos
O conhecimento do mundo os raciocínios indutivosLuis De Sousa Rodrigues
 

Destaque (20)

O projeto de descartes – versão 2
O projeto de descartes – versão 2O projeto de descartes – versão 2
O projeto de descartes – versão 2
 
O projeto de descartes – versão 1
O projeto de descartes – versão 1O projeto de descartes – versão 1
O projeto de descartes – versão 1
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
 
A dedução de verdades
A dedução de verdadesA dedução de verdades
A dedução de verdades
 
Crença verdadeira justificada - filosofia
Crença verdadeira justificada - filosofiaCrença verdadeira justificada - filosofia
Crença verdadeira justificada - filosofia
 
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
 
A função da dúvida
A função da dúvidaA função da dúvida
A função da dúvida
 
As relações de ideias
As relações de ideiasAs relações de ideias
As relações de ideias
 
O que somos e o que poderemos ser
O que somos e o que poderemos serO que somos e o que poderemos ser
O que somos e o que poderemos ser
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
O projeto de descartes – versão 2
O projeto de descartes – versão 2O projeto de descartes – versão 2
O projeto de descartes – versão 2
 
O conhecimento do mundo os raciocínios indutivos
O conhecimento do mundo   os raciocínios indutivosO conhecimento do mundo   os raciocínios indutivos
O conhecimento do mundo os raciocínios indutivos
 
A dedução de verdades
A dedução de verdadesA dedução de verdades
A dedução de verdades
 
Conhecimento de factos
Conhecimento de factosConhecimento de factos
Conhecimento de factos
 
O conhecimento do mundo a relação causal
O conhecimento do mundo   a relação causalO conhecimento do mundo   a relação causal
O conhecimento do mundo a relação causal
 
O conhecimento do mundo os raciocínios indutivos
O conhecimento do mundo   os raciocínios indutivosO conhecimento do mundo   os raciocínios indutivos
O conhecimento do mundo os raciocínios indutivos
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
Power point 1 o projeto de descartes
Power point  1   o projeto de descartesPower point  1   o projeto de descartes
Power point 1 o projeto de descartes
 
Aperfeiçoamento humano pró e contra
Aperfeiçoamento humano   pró e contraAperfeiçoamento humano   pró e contra
Aperfeiçoamento humano pró e contra
 

Semelhante a Da dúvida ao cogito

Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01gildapirescosta
 
Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesAnaKlein1
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalj_sdias
 
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Helena Serrão
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Helena Serrão
 
Estrutura do ato de conhecimento
Estrutura do ato de conhecimentoEstrutura do ato de conhecimento
Estrutura do ato de conhecimentoMárcia Franco
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaCarson Souza
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfTamraSilva
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
RacionalismoPelo Siro
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
RacionalismoPelo Siro
 
Como descartes ultrapassa o cepticismo
Como descartes ultrapassa o cepticismoComo descartes ultrapassa o cepticismo
Como descartes ultrapassa o cepticismoHelena Serrão
 
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJ
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJFilosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJ
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJJoana Pinto
 
Aula revisão - Filosofia
Aula revisão - FilosofiaAula revisão - Filosofia
Aula revisão - Filosofiaerickxk
 
Ppt O Racionalismo de Descartes
Ppt O Racionalismo de DescartesPpt O Racionalismo de Descartes
Ppt O Racionalismo de DescartesAnaKlein1
 
espistemologia decartes
espistemologia decartesespistemologia decartes
espistemologia decartespresendept
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesJorge Barbosa
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaRafael Cristino
 

Semelhante a Da dúvida ao cogito (20)

Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
 
Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartes
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
 
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
 
A Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódicaA Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódica
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
 
Estrutura do ato de conhecimento
Estrutura do ato de conhecimentoEstrutura do ato de conhecimento
Estrutura do ato de conhecimento
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
1 desca alunos
1 desca alunos1 desca alunos
1 desca alunos
 
Como descartes ultrapassa o cepticismo
Como descartes ultrapassa o cepticismoComo descartes ultrapassa o cepticismo
Como descartes ultrapassa o cepticismo
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
 
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJ
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJFilosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJ
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJ
 
Aula revisão - Filosofia
Aula revisão - FilosofiaAula revisão - Filosofia
Aula revisão - Filosofia
 
Ppt O Racionalismo de Descartes
Ppt O Racionalismo de DescartesPpt O Racionalismo de Descartes
Ppt O Racionalismo de Descartes
 
espistemologia decartes
espistemologia decartesespistemologia decartes
espistemologia decartes
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
 

Mais de Luis De Sousa Rodrigues (20)

Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
Os grupos
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 9
 
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 8
 
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 7
 
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 6
 
Freud 5
Freud 5Freud 5
Freud 5
 

Da dúvida ao cogito

  • 1. FILOSOFIA 11.º ano FILOSOFIA 11.º ano Luís Rodrigues Da dúvida ao Cogito. O exercício da dúvida e os seus resultados
  • 2. ANÁLISE COMPARATIVA DE DUAS TEORIAS DO CONHECIMENTO O RACIONALISMO DE DESCARTES FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 3. DA DÚVIDA AO COGITO O EXERCÍCIO DA DÚVIDA E OS SEUS RESULTADOS FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 4. O objetivo fundamental do pensamento de Descartes é uma profunda reforma do conhecimento humano que o coloque à margem de qualquer dúvida. Trata-se de justificar ou fundamentar as nossas crenças de forma a garantirmos, sem margem para dúvida, a sua verdade. A DÚVIDA AO SERVIÇO DA VERDADE FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 5. Como encontrar uma verdade absolutamente indubitável? Como encontrar uma verdade sobre a qual não possa recair a mínima suspeita de falsidade? A QUESTÃO QUE ORIENTA O EXERCÍCIO DA DÚVIDA FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 6. • Considerar falsa qualquer opinião ou crença em que detetarmos a mínima fragilidade, isto é, sobre a qual possamos ter uma razão para duvidar, por mais ténue que seja. • Considerar que qualquer faculdade que usamos para conhecer não merece confiança se alguma vez nos tiver enganado ou se tivermos alguma razão para suspeitar de que nos pode enganar. A RESPOSTA À QUESTÃO QUE ORIENTA O EXERCÍCIO DA DÚVIDA FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 7. Só o que for impossível considerar duvidoso merece o nome de verdade. A dúvida é o meio de examinar que crenças ou opiniões merecem o nome de verdades indiscutíveis. A RESPOSTA À QUESTÃO QUE ORIENTA O EXERCÍCIO DA DÚVIDA FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 8. As bases do sistema dos conhecimentos estabelecidos: 1. A crença de que podemos confiar nos sentidos, sendo a experiência a origem do conhecimento. 2. A crença imediata na existência de realidades físicas. 3. A crença de que o nosso entendimento (ou a nossa razão) não se engana ou não pode estar enganado quando descobre verdades. O QUE VAI SER EXAMINADO FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 9. Temos de provar sem qualquer margem para dúvida que estas crenças são verdadeiras. Se não o conseguirmos, teremos de as rejeitar como falsas. O QUE VAI SER EXAMINADO FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 10. Descartes considerava que a confiança na perceção sensível ou experiência era uma das bases do saber tradicional. Rejeita essa crença usando a dúvida de forma hiperbólica. Como os sentidos algumas vezes nos enganam, nunca devemos confiar nas suas informações sobre as qualidades dos objetos sensíveis. A sua teoria do conhecimento rejeita, por conseguinte, o empirismo. A opinião ou crença de que os sentidos são a origem do conhecimento é falsa. FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 11. «Quantas vezes me acontece que, durante o repouso noturno, me deixo persuadir de coisas tão habituais como que estou aqui, com o roupão vestido, sentado à lareira, quando, todavia, estou estendido na cama e despido! Mas agora, observo este papel seguramente com os olhos abertos, esta cabeça que movo não está a dormir, voluntária e conscientemente estendo esta mão e sinto-a; o que acontece quando se dorme não parece tão distinto. Como se não me recordasse de já ter sido enganado em sonhos por pensamentos semelhantes! Por isso, se reflito mais atentamente, vejo com clareza que vigília e sono nunca se podem distinguir por sinais seguros […].» Meditações sobre a Filosofia Primeira, p. 108. A opinião ou crença de que o mundo físico existe é falsa: o argumento das ilusões dos sonhos FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 12. Não havendo um critério absolutamente claro e distinto para distinguir o sonho da realidade, não podemos considerar verdadeira a crença na existência de realidades físicas. Aplicando o princípio que regula a aplicação da dúvida hiperbólica, tenho de concluir que o facto de julgar que tenho um corpo e de existirem coisas físicas é uma ilusão. FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito A opinião ou crença de que o mundo físico existe é falsa: o argumento das ilusões dos sonhos
  • 13. O que foi posto em causa até agora Considerámos como duvidosa – falsa – a crença de que os sentidos são fiáveis pontos de partida do conhecimento. Considerámos como duvidosa – falsa – a crença na existência de objetos físicos, materiais ou sensíveis. As crenças nas verdades racionais podem ser falsas: o argumento do Deus enganador FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 14. O que falta examinar Não encontrámos qualquer verdade indubitável do lado dos objetos sensíveis. Será que examinando outro tipo de objetos encontraremos algo que possamos considerar verdade de que não podemos duvidar de modo algum? FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito As crenças nas verdades racionais podem ser falsas: o argumento do Deus enganador
  • 15. O que falta examinar Examinados os objetos sensíveis e as informações dos sentidos, falta ver se os objetos inteligíveis resistem ao severo exame da dúvida metódica e hiperbólica. O que são objetos inteligíveis? São o resultado da atividade da razão ou do entendimento. Que 2 + 2 sejam igual a 4 é o resultado de uma operação do entendimento. Parece impossível de falsificar. Mas será? FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito As crenças nas verdades racionais podem ser falsas: o argumento do Deus enganador
  • 16. «Está gravada no meu espírito uma velha crença, segundo a qual existe um Deus que pode tudo e pelo qual fui criado tal como existo. Mas quem me garante que ele não procedeu de modo que não houvesse nem terra, nem céu, nem corpos extensos, nem figura, nem grandeza, nem lugar, e que, no entanto, tudo isto me parecesse existir tal como agora? E mais ainda, assim como concluo que os outros se enganam algumas vezes naquilo que pensam saber com absoluta perfeição, também eu me podia enganar todas as vezes que somasse dois e três ou contasse os lados de um quadrado.» Meditações sobre a Filosofia Primeira, pp. 110-111. FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito As crenças nas verdades racionais podem ser falsas: o argumento do Deus enganador
  • 17. O argumento pretende examinar se é justificável a confiança na verdade indiscutível das nossas crenças racionais, em especial a crença de que as verdades matemáticas são evidências acima de qualquer suspeita. FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito As crenças nas verdades racionais podem ser falsas: o argumento do Deus enganador
  • 18. O argumento baseia-se em duas ideias: 1. Deus criou o nosso entendimento; 2. Deus é omnipotente. O aspeto decisivo do argumento é a reflexão sobre o conceito de omnipotência. Um ser omnipotente não será uma entidade que tudo pode fazer, mesmo o que eu acho incrível ou absurdo? Descartes pensa que sim, apesar de considerar esta suspeita muito frágil. FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito As crenças nas verdades racionais podem ser falsas: o argumento do Deus enganador
  • 19. Mas basta esta frágil suspeita para que não possamos declarar que a crença nas verdades matemáticas mais elementares é indubitável. As proposições com origem na razão, como as da Matemática, não são verdades indubitáveis. Porquê? Porque Deus pode ter-nos criado de modo que nos enganemos sempre que somamos dois mais três. FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito As crenças nas verdades racionais podem ser falsas: o argumento do Deus enganador
  • 20. Somos completamente incapazes de mostrar que não existe um Deus que nos tenha criado destinados a confundir o verdadeiro com o falso. É suficiente supor que um tal Deus existe para que duvidemos do que julgávamos impensável duvidar. FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito As crenças nas verdades racionais podem ser falsas: o argumento do Deus enganador
  • 21. Até agora parece que a dúvida metódica e hiperbólica não cumpriu o seu objetivo. Denunciámos como falso aquilo de cuja verdade não podemos estar certos. Mas não descobrimos nenhuma verdade. Será que nada é verdadeiro? FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 22. Em nenhum tipo de objetos – nem nos sensíveis nem nos inteligíveis – encontrámos verdades indiscutíveis. Talvez o correto seja procurar a verdade do lado do sujeito. Mas não foi este que tudo pôs em causa? Não serviu a hipótese do Deus enganador para suspeitar da fiabilidade da nossa razão ou do nosso entendimento quando julgam descobrir verdades? Parece que estamos num beco sem saída. FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito Será que nada é verdadeiro?
  • 23. Parece que estamos num beco sem saída. FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito Será que nada é verdadeiro?
  • 24. DA DÚVIDA AO COGITO O EXERCÍCIO DA DÚVIDA E OS SEUS RESULTADOS: A PRIMEIRA VERDADE INDUBITÁVEL FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 25. Duvido de tudo, mas poderei duvidar de que duvido de tudo? Não. Duvido, logo, existo. Como duvidar é um ato do pensamento, posso dizer: Penso, logo, existo. A condição de possibilidade da dúvida FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 26. O exercício da dúvida conduziu-nos a esta conclusão: Não temos a certeza de nada. Mas há algo que não podemos considerar duvidoso ou falso: o sujeito que duvida existe. A condição de possibilidade da dúvida FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 27. Por que razão o «Duvido – penso – logo existo» é uma verdade indubitável? Porque para que a dúvida seja possível tem de ser verdadeira a existência do eu que duvida. A condição de possibilidade da dúvida FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 28. 1. Como primeira crença que resiste à dúvida, será o primeiro princípio do novo sistema dos conhecimentos. Nenhum conhecimento é anterior a este porque o descobrimos no momento em que temos dúvidas sobre tudo (objetos sensíveis e inteligíveis). Como primeira verdade indubitável, vai ser a partir dela que a reconstrução do saber se vai fazer. As caraterísticas da primeira verdade indubitável FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 29. 2. É a afirmação da existência do eu como substância pensante. Como duvidar é um ato do pensamento, o sujeito descobre a sua existência como sujeito pensante. 3. É uma verdade autoevidente porque é conhecida pela razão sem ser justificada por uma verdade anterior. Que o eu exista como substância pensante é uma verdade autoevidente que não se baseia em nenhuma outra verdade. As caraterísticas da primeira verdade indubitável FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 30. 4. É uma verdade puramente racional conhecida por intuição (intuição racional e existencial). Corresponde à descoberta da existência do eu no ato de pensar e à descoberta da sua essência nesse mesmo ato. O eu existe como ser pensante. É puramente racional porque descoberta pela razão, independentemente de qualquer contributo da experiência. É descoberta por intuição. Não é deduzida de um conhecimento anterior mais geral do tipo «Tudo o que pensa existe». As caraterísticas da primeira verdade indubitável FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 31. 5. É uma verdade inata. O «Eu penso, logo, existo» ou a existência do eu pensante é uma verdade que não deriva ou depende da experiência, dos sentidos. Apresenta-se à razão como verdade de que ela não pode duvidar. Está no nosso espírito desde sempre (ao nascer) e, mesmo que não tenhamos desde logo consciência dela, a nossa razão descobre-a quando dá atenção a si e não às coisas exteriores. As caraterísticas da primeira verdade indubitável FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 32. 6. É um modelo e um critério de verdade. O Cogito é um modelo e um critério de verdade porque só é verdadeiro o que apreendemos com clareza e distinção. Serão verdadeiras todas as ideias que forem tão claras e distintas como este primeiro conhecimento. É claro e distinto o que a razão, independentemente dos sentidos, considera impossível ser falso. As caraterísticas da primeira verdade indubitável FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito
  • 33. As caraterísticas da primeira verdade indubitável SÍNTESE Conhecimento indubitável e autoevidente obtido por intuição, que não depende de nenhum outro. Conhecimento a partir do qual se vão deduzir outros porque é absolutamente primeiro. Modelo e critério de verdade. Ideia inata porque se impõe como verdade absoluta à razão sem recurso à experiência. FILOSOFIA 11.º ano Da dúvida ao cogito