Ppt o racionalismo de descartes

6.198 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.198
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.291
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
135
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ppt o racionalismo de descartes

  1. 1. DESCARTES• O PROJETO DE DESCARTESO RACIONALISMO DE DESCARTES• A DÚVIDA METÓDICAO CÓGITOA EXISTÊNCIA DE DEUSA EXISTÊNCIA DAS REALIDADES FÍSICASO círculo cartesiano REVISÕES
  2. 2. Descartes (1596-1650)Filósofo francês e matemáticoconsiderado o fundador da filosofiamoderna.A sua filosofia centra-se na teoria doconhecimento ou gnosiologia.Procura construir um conhecimentocom princípios e princípios sólidos eindubitáveis.Inspirou-se no modelo matemático
  3. 3. Descartes (1596-1650)É um filósofo racionalista queatribui um poder superior à razãono conhecimento, defendendo queeste depende e não da experiênciaou dos sentidos.O conhecimento da realidadeconstitui-se a partir de princípiosou ideias da razão.
  4. 4. Descartes (1596-1650)Principais obras:Discurso do Método (1637)Meditações Metafísicas (1641)Princípios de Filosofia (1644)Tratado das paixões da alma(1649)
  5. 5. O PROJETO DA FUNDAMENTAÇÃO RIGOROSA DO SABER“ Há já algum tempo eu me apercebi de que, desde meus primeiros anos , receberaMuitas falsas opiniões como verdadeiras, e de que aquilo que fundei em princípiostão mal assegurados , não devia ser senão muito duvidoso e incerto; de modo queme era necessário tentar desfazer-me de todas as opiniões a que até então deraCrédito e começar tudo novamente desde os fundamentos …” Descartes A atitude perante o saber do seu tempo: - O conjunto de conhecimentos que constitui o edifício de conhecimento tradicional está assente em bases frágeis - O edifício científico é constituído por conhecimentos indevidamente ordenados O Objetivo de Descartes - A fundamentação do saber e a sua ordenação
  6. 6. DÚVIDA METÓDICA“ Nunca aceitar como verdadeira qualquer coisa sem a conhecer evidentementecomo tal, isto é, evitar cuidadosamente a precipitação e a prevenção (pré-conceitoou pré-juízo); não incluir nos meus juízos nada que não se apresentasse tão clara eDistintamente “ Descartes - Consiste em: -Considerar como absolutamente falso o que for minimamente duvidoso. - Considerar que nos engana sempre aquilo que alguma vez nos enganou É colocada para ver se alguma coisa lhe resiste, se apresente como indubitável
  7. 7. NÍVEIS DA DÚVIDA METÓDICAOs sentidos não são fontes seguras deconhecimentoHá razões para duvidar que o mundo físico sejauma ilusãoHá razão para acreditar que o nossoentendimento confunde o verdadeiro com o falso
  8. 8. CARACTERÍSTICAS DA DÚVIDA METÓDICA ≠ CÉTICARejeita provisoriamente todas as coisas que não sejaminteiramente indubitáveis HIPERBÓLICAIdentifica o duvidoso com o falso, propositadamenteexagerada
  9. 9. PENSO (DUVIDO), LOGO EXISTO – UMA VERDADE ABSOLUTAMENTE INDUBITÁVELDei conta de que assim queria pensar que tudo era falso, era absolutamentenecessário que eu, que o pensava, fosse alguma coisa. E observando que estaVerdade, PENSO, LOGO EXISTO, era tão tão firme e segura, que as mais extravagantessuposições dos céticos não eram capazes de a abalar, considerei poder recebê-laPara o primeiro princípio da filosofia que buscava. DESCARTES DUVIDO DE TUDO, MAS NÃO POSSO DUVIDAR DE QUE NESTE MOMENTO ME ENCONTRO A PENSAR NÃO POSSO DUVIDAR DA MINHA EXISTÊNCIA COMO SER (SUBSTÂNCIA) PENSANTE
  10. 10. IDEIAS CLARAS E DISTINTASE tendo notado que nada há no eu penso, logo existo, que me garanta que digo aVerdade, a não ser que vejo muito claramente que, para pensar é preciso existir,Julguei que podia admitir como regra geral que é verdadeiro tudo aquilo queconcebemos muito claramente e muito distintamente, havendo apenas algumadificuldade em notar bem quais são as coisas que concebemos distintamente. DESCARTES Qual a característica dessa primeira verdade, o Cógito, que a torne indubitável? O Cógito é uma ideia clara e distinta que se apresenta ao espírito com tal evidência que não podemos duvidar.
  11. 11. CARACTERÍSTICAS DA 1ª CERTEZAALICERCE DE TODO O CONHECIMENTOVERDADE PURAMENTE RACIONALCRITÉRIO DE VERDADE: CLAREZA E DISTINÇÃOA DESCOBERTA DA EXISTÊNCIA DO SUJEITO COMOSUBSTÂNCIA PENSANTE LEVA A CONCLUIR QUE A ALMA ÈDISTINTA DO CORPO AFIRMAÇÃO DE UM SER QUE É IMPERFEITO
  12. 12. A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS COMO SER PERFEITOEm seguida, refletindo sobre o facto duvidar, constatei, por conseguinte, que o meu sernão era completamente perfeito, pois via claramente que saber era uma maior perfeiçãoque duvidar … - DESCARTES SOU IMPERFEITO PORQUE DUVIDO A IDEIA DE SER PERFEITO EXISTE NO MEU PENSAMENTO SÓ UM SER PERFEITO PODE SER CAUSA DA IDEIA DE PERFEITO
  13. 13. DEUS É GARANTIA DE VERDADE (DEUS NÃO ENGANA) A EXISTÊNCIA DE DEUS COMO SER PERFEITO TIRA O SENTIDO À SUSPEITA DE UM DEUS ENGANADOR (enganar implica imperfeição) GARANTIA DA VERDADE DAS EVIDÊNCIAS ( as que estão presentes no meu pensamento e as que já não estão na minha consciência) COMO REALIDADE METAFÍSICA, DEUS É O FUNDAMENTO METAFÍSICO DE TODO O SABER
  14. 14. A PROVA DA EXISTÊNCIA DAS REALIDADES FÍSICASSE DEUS NÃO ENGANA POSSO CONFIAR NA IDEIA CLARA E DISTINTA QUEO MUNDO É UMA REALIDADE EXTENSAA CONSCIÊNCIA DO SUJEITO PENSANTE NÃO PODE POR SI EXPLICAR AEXISTÊNCIA DAS COISAS EXTERIORESA EXISTÊNCIA DE SENSAÇÕES E SENTIMENTOS LEVA-NOS À CONCLUSÃOQUE NÃO SOMOS APENAS SUJEITOS PENSANTES, MAS TAMBÉMREALIDADES CORPÓREAS A CRENÇA DE QUE SÃO AS COISAS CORPÓREAS E SENSÍVEIS A CAUSA DAS MINHAS SENSAÇÕES NÃO PODE SER FALSA AÍ TERÍAMOS QUE ADMITIR O SEUS ENGANADOR O MUNDO EXISTE - NÃO É UM SONHO
  15. 15. O círculo cartesiano Falácia de circularidadeDeus existe porque concebemos muito claramente a suaexistência e tudo aquilo que concebemos clara edistintamente é verdadeiroTudo o que concebemos clara e distintamente éverdadeiro porque deus existe
  16. 16. 1. Qual o objetivo do pensamento de Descartes? RESPOSTA 2. Qual a função da dúvida cartesiana? RESPOSTA
  17. 17. 1. Qual o objetivo do pensamento de Descartes? O objetivo de Descartes é construir um sistema de conhecimento seguro no qual não haja lugar para opiniões falsas
  18. 18. 2. Qual a função da dúvida cartesiana? A função da dúvida cartesiana é distinguir o verdadeiro do falso procurando uma verdade indubitável que permita reconstruir um sistema do saber de conhecimentos verdadeiros e bem organizados
  19. 19. 3. Por que razão a existência do sujeito que duvida é uma verdade absolutamente evidente? RESPOSTA 4. Por que razão a existência do cógito é o primeiro princípio de conhecimento? RESPOSTA
  20. 20. 3. Por que razão a existência do sujeito que duvida é uma verdade absolutamente evidente? Encontrar-se a duvidar é encontrar-se a pensar o que significa que existe enquanto substância pensante
  21. 21. 6. Por que razão a existência do cógito é o primeiro princípio de conhecimento? É a primeira verdade a que chega Descartes – ainda que seja tudo falso, existe como sujeito pensante – e é a partir dela que vai chegar às outras certeza. É a certeza do cógito que lhe permite encontrar o critério de verdade – clareza e distinção
  22. 22. 5. Exponha o argumento que leva Descartes àconclusão de que Deus existe necessariamente RESPOSTA 6. Qual o papel de Deus no sistema de conhecimento? RESPOSTA
  23. 23. 5. Exponha o argumento que leva Descartes à conclusão de que Deus existe necessariamente Encontro no meu pensamento a ideia de perfeito. Qual a causa da sua existência? A causa desta ideia só pode ser ou o sujeito pensante ou uma causa exterior Segundo o princípio de causalidade, tudo tem uma causa e a causa não pode ser menos forte que o efeito A causa da ideia de perfeição tem de ter tanta perfeição como a que existe na ideia O sujeito pensante, sendo imperfeito (duvidar é prova de imperfeição) não pode ser a causa da ideia de perfeito Se a ideia de ser perfeito existe, necessariamente existe o ser perfeito que a colocou no sujeito pensante
  24. 24. 6. Qual o papel de Deus no sistema de conhecimento? Deus é o fundamento metafísico do sistema do saber. Uma vez que não nos ilude nem engana é a garantia de objetividade do conhecimento.
  25. 25. 7. Qual o papel de Deus no sistema do conhecimento? RESPOSTA 6. Qual o papel de Deus no sistema de conhecimento? RESPOSTA
  26. 26. 7. Qual o papel de Deus no sistema de conhecimento? Deus é o fundamento metafísico do sistema do saber. Uma vez que não nos ilude nem engana é a garantia de objetividade do conhecimento.
  27. 27. 6. Qual o papel de Deus no sistema de conhecimento? Deus é o fundamento metafísico do sistema do saber. Uma vez que não nos ilude nem engana é a garantia de objetividade do conhecimento.
  28. 28. 7. Segundo Descartes, o conhecimento é possível? Até onde pode ir o nosso conhecimento? RESPOSTA 8. A razão dá-nos conhecimento da realidade independentemente da experiência? RESPOSTA
  29. 29. 7. Segundo Descartes, o conhecimento é possível? Até onde pode ir o nosso conhecimento? O conhecimento é possível. Descartes não é cético porque coloca a dúvida com intenção de a ultrapassar distinguindo o verdadeiro do falso.
  30. 30. 8. A razão dá-nos conhecimento da realidade independentemente da experiência? Sim, Descartes é racionalista e rejeita que o conhecimento comece nos sentidos.
  31. 31. 11ºB – 2011/ 2012ESDJIIAdaptação- 11ºano,Plátano editora

×