SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
Réne Descartes A Dúvida Cartesiana
COMO DESCARTES OBTÉM O CONHECIMENTO?
RACIONALISMO E EMPIRISMO:
-Primeiro , antes de tudo vamos definir o que são as Teorias Racionalistas e as
Teorias Empiricas. E a forma como estas duas Teorias vão nos ajudar a perceber,
como Descartes verifica se existe o absolutamente verdadeiro.
AS TEORIAS RACIONALISTAS:
Baseiam –se na ideia de que as nossas crenças (básicas ou fundacionais) são
justificadamente conhecimento, tal como o pensamento. Fundacionalismo
Os racionalistas afirmam que sem auxilio de experiência é possível ter
conhecimento.
No entanto, o conhecimento em causa deve satisfazer dois critérios:
 Necessidade lógica
 Universalidade
E as crenças devem ser
 Infaliveis ( ou seja ,não podem estar erradas)
 Indubitáveis (não podem ser postas em dúvida) INFALIBILISMO
Porque para o racionalismo,uma crença estará justificada, se, e só se , essa
justificação representar uma prova incontestável.
Réne Descartes A Dúvida Cartesiana
O QUE CONSTITUI O RACIONALISMO:
 O fundacionalismo e o infalibismo
-O Fundacionalismo tem a ver com o facto de que todo o
conhecimento é composto por crenças autojustificadas, as crenças
básicas. Visto que “as não básicas” são crenças derivadas através de
inferência .
- O infalibismo consiste na ideia de que as crenças básicas que
suportam o conhecimento , devem ser infalíveis e indubitáveis.
TEORIAS EMPIRICAS:
Baseiam-se na ideia de que a principal fonte de aquisição e justificação
do conhecimento é a experiência.
Tal como o racionalismo , o empirismo também adota a teoria
fundacionalista.
PORQUE O COERENTISMO SE OPÕE AO FUNDACIONALISMO?
Porque o coerentismo afirma que a justificação de uma crença depende das
relações de suporte mutuo que uma dada crença estabelece com as restantes
crenças de um conjunto especifico de crenças.
Enquanto que o Fundacionalismo:
Defende que a justificação depende de uma relação de suporte das crenças
básicas para com as crenças não básicas ou derivadas.
Réne Descartes A Dúvida Cartesiana
DEFINIÇÃO DE CONHECIMENTO-Metaforicamente
FUNDACIONALISMO COERENTISMO
É como um edificio , deve ser
construído sobre alicerces sólidos e
por meio de métodos fidedignos.
É como um avião, as partes no seu
conjunto (as crenças) devem reforçar-
se mutuamente de modo a permitir o
seu equilibrio.
RENÉ DESCARTES, A RESPOSTA RACIONALISTA
Descartes vai optar pela Teoria racionalista para definir conhecimento. Já que
para ele:
 A razão é a única fonte capaz de garantir conhecimento absolutamente
seguro, ou seja, crenças verdadeiras justificadas capazes de resistir a
qualquer dúvida,(indubitaveis). Já as que não resistem à dúvida são
chamadas de “crenças falsas ou duvidosas”
CONHECIMENTO A PRIORI E A POSTERIORI
DEFINIÇÃO
A PRIORI A POSTERIORI
Diz-se que conhecemos algo à priori
quando NÃO necessitamos de
recorrer à observação ou à
experiência para a justificar-Fonte
Racionalista
Diz-se que conhecemos algo à
posteriori quando esse
conhecimento provém de
experiência ou observação.-Fonte
Empirica
O conhecimento a priori diz –se então que é absolutamente certo (necessário)
O conhecimento a posteriori diz-se então que não é absolutamente certo (é contigente)
Réne Descartes A Dúvida Cartesiana
-Qual foi a maneira encontrada por Descartes , para obter o conhecimento?
Dúvida metódica:
A duvida metódica é: voluntária
Provisória
universal (pois nada pode escapar à dúvida)
Hiperbólica/excessiva (pois pode ser levada a limites improvaveis e
absurdos)
Sistemática(Pois apenas o indubitavel deve ser considerado o
absolutamente certo e para isso é preciso que a a dúvida seja feita de
forma sistemática)
E foi o metodo encontrado por Descartes para descobrir o absolutamente
verdadeiro.
A dúvida metódica consiste em REJEITAR qualquer crença que admita a
mais pequena dúvida. Procurando assim encontrar principios
incontestaveis dos quais se possa apartir deles erguer um edificio de
conhecimentos seguros.
É importante referir que:
 Sendo metódica , a dúvida é voluntária e também provisória.
 Descartes não pretende à semelhança do ceticismo ,permanecer na
dúvida. O seu objetivo é refutar o ceticismo (que diz que o
conhecimento não é possível.
 Descartes usará a dúvida como forma de justificar que existe
conhecimento.
 O que não resiste à dúvida por ser falso ou apenas duvidoso, deve ser
rejeitado
Réne Descartes A Dúvida Cartesiana
A Descoberta do cogito
Descartes de modo a descobrir o cógito que o levaria a admitir a possibilidade de
conhecimento , teve de instruir três niveis de Dúvida para que se possa chegar a essa
conclusão:
PRIMEIRO NÍVEL DE DÚVIDA - OS SENTIDOS ENGANAM-NOS
Neste primeiro nivel da duvida é abordada a pergunta “Será que as nossas experiencias
sensoriais são uma fonte justificada de verdades?”. O que nos garante que elas possam
não ser falsas ou uma ilusão??
Descartes diz assim que é perfeitamente possível os sentidos nos enganarem , e os objetos
empiricos não corresponderem assim exatamente ao que deles percebemos pelos
sentidos.
 As crenças por esta via não resistem à dúvida, devem ser rejeitadas ,mesmo que
algumas possam ser verdadeiras.
 Os sentdos não são portanto infaliveis, pois podem estar errados algumas vezes
SEGUNO NÍVEL DA DÚVIDA - VIGILIA E SONO NÃO SE PODEM DISTINGUIR
Existe sempre possibilidade também de as nossas experiências vividas e sentidas serem
falsas. E não existe algo que possa dizer que a hipotese de que aquilo que estamos a ver não
seja um sonho, até porque já fomos certamente enganados por sonhos a pensar serem
realidade.
 Sendo assim , a vigilia e o sono não se conseguem distinguir
 Os sentidos e a experiência não são fontes de verdade indubitáveis
Réne Descartes A Dúvida Cartesiana
TERCEIRO NÍVEL DA DÚVIDA - A POSSIBILIDADE DE UM GÉNIO MALIGNO
O Terceiro nivel da duvida afirma que além das experiencias e sentidos tambem os
coinhecimentos a priori podem constituir duvidas, não sendo eles indubitáveis.
Descartes imagina o cenário hipotetico que um genio maligno apodera-se do nosso cerebro
e manipula-nos com o único objetivo de enganar-nos. Passariamos a acreditar em
falsidades , e a questionar a existência do mundo fisico fora das nossas mentes.
Será então que existe algo que seja tão absolutamente certo que possa resistir aos Três
niveis de dúvida??
 Existe e chama-se “A existência do sujeito que a duvida”
Isto porque duvidar é pensar e para pensar é preciso existir. Pensar é condição suficiente
para existir :Penso,logo existo
Esta certeza consegue resistir aos três níveis de dúvida e por isso é que se diz que
Descartes com as dúvidas conseguiu chegar ao cógito.
-Descartes está tão seguro que encontrou ao cógito, porque o conhecimento da existência
do sujeito que pensa, não acontece por inferência a partir de outras crenças ou
conhecimentos, mas por conhecimento direto e imediato, sem qualquer raciocinio e sem
qualquer dúvida.
Sendo assim , refuta o ceticismo, o conhecimento é possível,a verdade do sujeito RESISTE
aos argumentos céticos da ilusão dos sentidos
Réne Descartes A Dúvida Cartesiana
DUALISMO CARTESIANO
Sabemos que existimos pois pensamos, mas o que realmente somos??
 Será que é possível Descartes estar certo sobre a existência do seu corpo como o está da sua
mente?
 Não,pois o seu corpo , ao contrário da mente, faz parte do mundo fisico, e os argumentos
céticos lançaram a suspeita sobre todas as crenças baseadas nos sentidos e na experiência.
Embora a existência seja absolutamente inegável, o corpo, o mundo fisico ou substância material
continua a ser dubitável.
A indubitabilidade da coisa pensante nada permite afirmar sobre a existência do corpo e das coisas
fora da mente.
Para sintetizar melhor esta perspetiva de Descartes chamada de “ Dualismo de
Substâncias ou Dualismo Cartesiano” farei uma Tabela:
Mente Corpo
Res cogitans (coisa pensante)
Substância mental (imaterial)
Indubitável (resiste à dúvida)
Res extensa (coisa extensa)
Substância física (material)
Dubitável (não resiste à dúvida)
QUAIS SÃO OS TRÊS TIPOS DE IDEIAS?
IDEIA INATA- ideias que se originam da própria mente . Como as do pensamento ou de
verdade.
IDEIA ADVENTICIAS- Ideias que aparentam proceder de objetos situados fora da sua mente
tendo sido adquiridas atraves dos sentidos/sensações. Como a ideia do calor/frio
IDEIA FACTICIAS- Invenções forjadas pela imaginação. Como a ideia de sereia.
Réne Descartes A Dúvida Cartesiana
 Será que todas estas ideias resistem à dúvida??
 Não. Por exemplo grande parte delas podem apenas ser facticias, já que não temos a
certeza se o calor incide realmente num objeto.
 A possibilidade de ser um genio maligno a enganar-nos continua presente.
Ou seja, para poder prosseguir Descartes terá de afastar a possibilidade de um deus
enganador e provar que aquilo que conhece com clareza e distinção é absolutamente
verdadeiro.
PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS
A prova de existência de Deus serviu para mostrar que existe algo exterior à nossa mente
que seja uma verdade indubitavel.
1ªPROVA- ARGUMENTO DA MARCA IMPRESSA:
- Descartes sabe que duvida. Um ser perfeito não duvida, pois conhecer é claramente
uma perfeição maior do que duvidar. Como pode então este sujeito que duvida
encontrar em si a ideia de perfeição??
- Descartes pensa assim que a ideia tenha surgido por um ser cuja natureza e
realidade objetivas sejam tão perfeitas quanto a própria ideia de perfeição.
- Chega-se assim à conclusão que só Deus tem as ferramentas necessárias para tal
sendo ele perfeito e infinito.
 Assim sendo Deus é ou existe e imprimiu esta marca inata de pensamento na nossa
mente.
2ª PROVA – ARGUMENTO ONTOLÓGICO
-Um ser perfeito não seria perfeito caso não existisse.
-Por conseguinte, se Deus é perfeito,Deus tem de existir na realidade, Deus é ou existe.
Réne Descartes A Dúvida Cartesiana
Deus não pode ser considerado enganador , pois para ser perfeito precisa de ter todas as
caracteristicas de algo perfeito. A bondade é uma perfeiçao, incompativel com a intenção
maldosa de enganar.
 Na Ordem de investigação , Deus é a segunda certeza descoberta por Descartes.
Contudo é a primeira em grau de importância ,pois é ela que suporta todo o sistema
cartesiano e que garante a possibilidade de aquisição e justificação do
conhecimento- verdades universalmente válidas e logicamente necessárias . O
ceticismo e os argumentos céticos foram refutados.
OBJEÇÕES AO RACIONALISMO CARTESIANO
É dito que a dúvida cartesiana é impraticável e incurável (David Hume),não sendo possível
progredir na cadeia de raciocinios.
-Diz David Hume que a dúvida cartesiana é universal e estende-se por isso a todas as
nossas crenças e principios ,mas põe também sob suspeita as faculdades mentais e as
operaçóes do intelecto.
-É dito que existe a falácia de petição de principio , pois o facto de o filosofo ter
estabelecido que é absolutamente certo tudo o que concebemos com clareza e distinção,
pois Deus existe e não tem a intenção de nos iludir.
Simultaneamente afirma que deus existe e não é enganador já que concebemos com toda
a clareza e distinção a sua existência e bondade .
Estou certo de que DEUS É OU EXISTE Estou certo de que as ideias
e não é enganador,pois concebo-o como claras e distintas são verdadeiras
uma ideia clara e distinta pois Deus existe e não é enganador
Réne Descartes A Dúvida Cartesiana
Em síntese:
 Descartes é um filosofo racionalista e,por isso privilegia o conhecimento a
priori (razão,pensamento,crença)
 Descartes elege a dúvida como método, mas isto não faz dele um cético
 O objetivo de Descartes é descobrir crenças básicas absolutamente certas
 A dúvida cartesiana progride através de três níveis de argumentos céticos
 Através da dúvida ,Descartes descobre,por intuição racional, a indubitilidade
da sua existência enquanto coisa pensante :penso, logo , existo
 Da certeza do cogito, Descartes extrai o seu critério de verdade :clareza e
distinção.
 O cógito é uma verdade conhecida a priori, que resiste a todos os argumentos
céticos.
 No cógito, Descartes encontra três tipos de ideias:inatas adventicias e facticias
 A partir do cógito, Descartes conclui uma segunda certeza: a existência de
Deus
 Deus, que sendo bom não é enganador, é para Descartes o garante
epistemológico
 Para os criticos, o fundacionalismo cartesiano não responde ,
satisfatoriamente , ao desafio cético.
TRABALHO REALIZADO POR: Pedro Rocha Da Silva 11º LH2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusIsabel Moura
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesElisabete Silva
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoIsabel Moura
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoLuis De Sousa Rodrigues
 
Método_conjeturas_refutações_Popper
Método_conjeturas_refutações_PopperMétodo_conjeturas_refutações_Popper
Método_conjeturas_refutações_PopperIsabel Moura
 
Objeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismoObjeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismoIsabel Moura
 
Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecerEstrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecerAntónio Padrão
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaRafael Cristino
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseAna Felizardo
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperJorge Barbosa
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b finalj_sdias
 
O cogito cartesiano
O cogito cartesianoO cogito cartesiano
O cogito cartesianoLídia Neves
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesIsabel Moura
 
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º AnoFilosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º AnoJorge Barbosa
 

Mais procurados (20)

Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimento
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimento
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Método_conjeturas_refutações_Popper
Método_conjeturas_refutações_PopperMétodo_conjeturas_refutações_Popper
Método_conjeturas_refutações_Popper
 
Objeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismoObjeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismo
 
Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecerEstrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - Popper
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
O cogito cartesiano
O cogito cartesianoO cogito cartesiano
O cogito cartesiano
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º AnoFilosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 

Semelhante a A Dúvida Cartesiana e o Cogito

Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesAnaKlein1
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaCarson Souza
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
RacionalismoPelo Siro
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
RacionalismoPelo Siro
 
O racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptxO racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptxIaraCaldeira2
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de DescartesJorge Barbosa
 
Descartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a ModernidadeDescartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a ModernidadeJorge Barbosa
 
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01gildapirescosta
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfTamraSilva
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalj_sdias
 
Ppt O Racionalismo de Descartes
Ppt O Racionalismo de DescartesPpt O Racionalismo de Descartes
Ppt O Racionalismo de DescartesAnaKlein1
 
Descartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IVDescartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IVmluisavalente
 
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesTeoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesJorge Barbosa
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Helena Serrão
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Mateus Ferraz
 
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJ
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJFilosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJ
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJJoana Pinto
 
espistemologia decartes
espistemologia decartesespistemologia decartes
espistemologia decartespresendept
 

Semelhante a A Dúvida Cartesiana e o Cogito (20)

Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartes
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
O racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptxO racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptx
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de Descartes
 
Descartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a ModernidadeDescartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a Modernidade
 
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
 
Ppt O Racionalismo de Descartes
Ppt O Racionalismo de DescartesPpt O Racionalismo de Descartes
Ppt O Racionalismo de Descartes
 
Descartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IVDescartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IV
 
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o RacionalismoAula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
 
Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2
 
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesTeoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
 
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJ
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJFilosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJ
Filosofia - Ato de conhecer, Descartes, Ceticismo, CVJ
 
Comparando Descartes e Hume.doc
Comparando Descartes e Hume.docComparando Descartes e Hume.doc
Comparando Descartes e Hume.doc
 
espistemologia decartes
espistemologia decartesespistemologia decartes
espistemologia decartes
 

Último

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 

Último (20)

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 

A Dúvida Cartesiana e o Cogito

  • 1. Réne Descartes A Dúvida Cartesiana COMO DESCARTES OBTÉM O CONHECIMENTO? RACIONALISMO E EMPIRISMO: -Primeiro , antes de tudo vamos definir o que são as Teorias Racionalistas e as Teorias Empiricas. E a forma como estas duas Teorias vão nos ajudar a perceber, como Descartes verifica se existe o absolutamente verdadeiro. AS TEORIAS RACIONALISTAS: Baseiam –se na ideia de que as nossas crenças (básicas ou fundacionais) são justificadamente conhecimento, tal como o pensamento. Fundacionalismo Os racionalistas afirmam que sem auxilio de experiência é possível ter conhecimento. No entanto, o conhecimento em causa deve satisfazer dois critérios:  Necessidade lógica  Universalidade E as crenças devem ser  Infaliveis ( ou seja ,não podem estar erradas)  Indubitáveis (não podem ser postas em dúvida) INFALIBILISMO Porque para o racionalismo,uma crença estará justificada, se, e só se , essa justificação representar uma prova incontestável.
  • 2. Réne Descartes A Dúvida Cartesiana O QUE CONSTITUI O RACIONALISMO:  O fundacionalismo e o infalibismo -O Fundacionalismo tem a ver com o facto de que todo o conhecimento é composto por crenças autojustificadas, as crenças básicas. Visto que “as não básicas” são crenças derivadas através de inferência . - O infalibismo consiste na ideia de que as crenças básicas que suportam o conhecimento , devem ser infalíveis e indubitáveis. TEORIAS EMPIRICAS: Baseiam-se na ideia de que a principal fonte de aquisição e justificação do conhecimento é a experiência. Tal como o racionalismo , o empirismo também adota a teoria fundacionalista. PORQUE O COERENTISMO SE OPÕE AO FUNDACIONALISMO? Porque o coerentismo afirma que a justificação de uma crença depende das relações de suporte mutuo que uma dada crença estabelece com as restantes crenças de um conjunto especifico de crenças. Enquanto que o Fundacionalismo: Defende que a justificação depende de uma relação de suporte das crenças básicas para com as crenças não básicas ou derivadas.
  • 3. Réne Descartes A Dúvida Cartesiana DEFINIÇÃO DE CONHECIMENTO-Metaforicamente FUNDACIONALISMO COERENTISMO É como um edificio , deve ser construído sobre alicerces sólidos e por meio de métodos fidedignos. É como um avião, as partes no seu conjunto (as crenças) devem reforçar- se mutuamente de modo a permitir o seu equilibrio. RENÉ DESCARTES, A RESPOSTA RACIONALISTA Descartes vai optar pela Teoria racionalista para definir conhecimento. Já que para ele:  A razão é a única fonte capaz de garantir conhecimento absolutamente seguro, ou seja, crenças verdadeiras justificadas capazes de resistir a qualquer dúvida,(indubitaveis). Já as que não resistem à dúvida são chamadas de “crenças falsas ou duvidosas” CONHECIMENTO A PRIORI E A POSTERIORI DEFINIÇÃO A PRIORI A POSTERIORI Diz-se que conhecemos algo à priori quando NÃO necessitamos de recorrer à observação ou à experiência para a justificar-Fonte Racionalista Diz-se que conhecemos algo à posteriori quando esse conhecimento provém de experiência ou observação.-Fonte Empirica O conhecimento a priori diz –se então que é absolutamente certo (necessário) O conhecimento a posteriori diz-se então que não é absolutamente certo (é contigente)
  • 4. Réne Descartes A Dúvida Cartesiana -Qual foi a maneira encontrada por Descartes , para obter o conhecimento? Dúvida metódica: A duvida metódica é: voluntária Provisória universal (pois nada pode escapar à dúvida) Hiperbólica/excessiva (pois pode ser levada a limites improvaveis e absurdos) Sistemática(Pois apenas o indubitavel deve ser considerado o absolutamente certo e para isso é preciso que a a dúvida seja feita de forma sistemática) E foi o metodo encontrado por Descartes para descobrir o absolutamente verdadeiro. A dúvida metódica consiste em REJEITAR qualquer crença que admita a mais pequena dúvida. Procurando assim encontrar principios incontestaveis dos quais se possa apartir deles erguer um edificio de conhecimentos seguros. É importante referir que:  Sendo metódica , a dúvida é voluntária e também provisória.  Descartes não pretende à semelhança do ceticismo ,permanecer na dúvida. O seu objetivo é refutar o ceticismo (que diz que o conhecimento não é possível.  Descartes usará a dúvida como forma de justificar que existe conhecimento.  O que não resiste à dúvida por ser falso ou apenas duvidoso, deve ser rejeitado
  • 5. Réne Descartes A Dúvida Cartesiana A Descoberta do cogito Descartes de modo a descobrir o cógito que o levaria a admitir a possibilidade de conhecimento , teve de instruir três niveis de Dúvida para que se possa chegar a essa conclusão: PRIMEIRO NÍVEL DE DÚVIDA - OS SENTIDOS ENGANAM-NOS Neste primeiro nivel da duvida é abordada a pergunta “Será que as nossas experiencias sensoriais são uma fonte justificada de verdades?”. O que nos garante que elas possam não ser falsas ou uma ilusão?? Descartes diz assim que é perfeitamente possível os sentidos nos enganarem , e os objetos empiricos não corresponderem assim exatamente ao que deles percebemos pelos sentidos.  As crenças por esta via não resistem à dúvida, devem ser rejeitadas ,mesmo que algumas possam ser verdadeiras.  Os sentdos não são portanto infaliveis, pois podem estar errados algumas vezes SEGUNO NÍVEL DA DÚVIDA - VIGILIA E SONO NÃO SE PODEM DISTINGUIR Existe sempre possibilidade também de as nossas experiências vividas e sentidas serem falsas. E não existe algo que possa dizer que a hipotese de que aquilo que estamos a ver não seja um sonho, até porque já fomos certamente enganados por sonhos a pensar serem realidade.  Sendo assim , a vigilia e o sono não se conseguem distinguir  Os sentidos e a experiência não são fontes de verdade indubitáveis
  • 6. Réne Descartes A Dúvida Cartesiana TERCEIRO NÍVEL DA DÚVIDA - A POSSIBILIDADE DE UM GÉNIO MALIGNO O Terceiro nivel da duvida afirma que além das experiencias e sentidos tambem os coinhecimentos a priori podem constituir duvidas, não sendo eles indubitáveis. Descartes imagina o cenário hipotetico que um genio maligno apodera-se do nosso cerebro e manipula-nos com o único objetivo de enganar-nos. Passariamos a acreditar em falsidades , e a questionar a existência do mundo fisico fora das nossas mentes. Será então que existe algo que seja tão absolutamente certo que possa resistir aos Três niveis de dúvida??  Existe e chama-se “A existência do sujeito que a duvida” Isto porque duvidar é pensar e para pensar é preciso existir. Pensar é condição suficiente para existir :Penso,logo existo Esta certeza consegue resistir aos três níveis de dúvida e por isso é que se diz que Descartes com as dúvidas conseguiu chegar ao cógito. -Descartes está tão seguro que encontrou ao cógito, porque o conhecimento da existência do sujeito que pensa, não acontece por inferência a partir de outras crenças ou conhecimentos, mas por conhecimento direto e imediato, sem qualquer raciocinio e sem qualquer dúvida. Sendo assim , refuta o ceticismo, o conhecimento é possível,a verdade do sujeito RESISTE aos argumentos céticos da ilusão dos sentidos
  • 7. Réne Descartes A Dúvida Cartesiana DUALISMO CARTESIANO Sabemos que existimos pois pensamos, mas o que realmente somos??  Será que é possível Descartes estar certo sobre a existência do seu corpo como o está da sua mente?  Não,pois o seu corpo , ao contrário da mente, faz parte do mundo fisico, e os argumentos céticos lançaram a suspeita sobre todas as crenças baseadas nos sentidos e na experiência. Embora a existência seja absolutamente inegável, o corpo, o mundo fisico ou substância material continua a ser dubitável. A indubitabilidade da coisa pensante nada permite afirmar sobre a existência do corpo e das coisas fora da mente. Para sintetizar melhor esta perspetiva de Descartes chamada de “ Dualismo de Substâncias ou Dualismo Cartesiano” farei uma Tabela: Mente Corpo Res cogitans (coisa pensante) Substância mental (imaterial) Indubitável (resiste à dúvida) Res extensa (coisa extensa) Substância física (material) Dubitável (não resiste à dúvida) QUAIS SÃO OS TRÊS TIPOS DE IDEIAS? IDEIA INATA- ideias que se originam da própria mente . Como as do pensamento ou de verdade. IDEIA ADVENTICIAS- Ideias que aparentam proceder de objetos situados fora da sua mente tendo sido adquiridas atraves dos sentidos/sensações. Como a ideia do calor/frio IDEIA FACTICIAS- Invenções forjadas pela imaginação. Como a ideia de sereia.
  • 8. Réne Descartes A Dúvida Cartesiana  Será que todas estas ideias resistem à dúvida??  Não. Por exemplo grande parte delas podem apenas ser facticias, já que não temos a certeza se o calor incide realmente num objeto.  A possibilidade de ser um genio maligno a enganar-nos continua presente. Ou seja, para poder prosseguir Descartes terá de afastar a possibilidade de um deus enganador e provar que aquilo que conhece com clareza e distinção é absolutamente verdadeiro. PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS A prova de existência de Deus serviu para mostrar que existe algo exterior à nossa mente que seja uma verdade indubitavel. 1ªPROVA- ARGUMENTO DA MARCA IMPRESSA: - Descartes sabe que duvida. Um ser perfeito não duvida, pois conhecer é claramente uma perfeição maior do que duvidar. Como pode então este sujeito que duvida encontrar em si a ideia de perfeição?? - Descartes pensa assim que a ideia tenha surgido por um ser cuja natureza e realidade objetivas sejam tão perfeitas quanto a própria ideia de perfeição. - Chega-se assim à conclusão que só Deus tem as ferramentas necessárias para tal sendo ele perfeito e infinito.  Assim sendo Deus é ou existe e imprimiu esta marca inata de pensamento na nossa mente. 2ª PROVA – ARGUMENTO ONTOLÓGICO -Um ser perfeito não seria perfeito caso não existisse. -Por conseguinte, se Deus é perfeito,Deus tem de existir na realidade, Deus é ou existe.
  • 9. Réne Descartes A Dúvida Cartesiana Deus não pode ser considerado enganador , pois para ser perfeito precisa de ter todas as caracteristicas de algo perfeito. A bondade é uma perfeiçao, incompativel com a intenção maldosa de enganar.  Na Ordem de investigação , Deus é a segunda certeza descoberta por Descartes. Contudo é a primeira em grau de importância ,pois é ela que suporta todo o sistema cartesiano e que garante a possibilidade de aquisição e justificação do conhecimento- verdades universalmente válidas e logicamente necessárias . O ceticismo e os argumentos céticos foram refutados. OBJEÇÕES AO RACIONALISMO CARTESIANO É dito que a dúvida cartesiana é impraticável e incurável (David Hume),não sendo possível progredir na cadeia de raciocinios. -Diz David Hume que a dúvida cartesiana é universal e estende-se por isso a todas as nossas crenças e principios ,mas põe também sob suspeita as faculdades mentais e as operaçóes do intelecto. -É dito que existe a falácia de petição de principio , pois o facto de o filosofo ter estabelecido que é absolutamente certo tudo o que concebemos com clareza e distinção, pois Deus existe e não tem a intenção de nos iludir. Simultaneamente afirma que deus existe e não é enganador já que concebemos com toda a clareza e distinção a sua existência e bondade . Estou certo de que DEUS É OU EXISTE Estou certo de que as ideias e não é enganador,pois concebo-o como claras e distintas são verdadeiras uma ideia clara e distinta pois Deus existe e não é enganador
  • 10. Réne Descartes A Dúvida Cartesiana Em síntese:  Descartes é um filosofo racionalista e,por isso privilegia o conhecimento a priori (razão,pensamento,crença)  Descartes elege a dúvida como método, mas isto não faz dele um cético  O objetivo de Descartes é descobrir crenças básicas absolutamente certas  A dúvida cartesiana progride através de três níveis de argumentos céticos  Através da dúvida ,Descartes descobre,por intuição racional, a indubitilidade da sua existência enquanto coisa pensante :penso, logo , existo  Da certeza do cogito, Descartes extrai o seu critério de verdade :clareza e distinção.  O cógito é uma verdade conhecida a priori, que resiste a todos os argumentos céticos.  No cógito, Descartes encontra três tipos de ideias:inatas adventicias e facticias  A partir do cógito, Descartes conclui uma segunda certeza: a existência de Deus  Deus, que sendo bom não é enganador, é para Descartes o garante epistemológico  Para os criticos, o fundacionalismo cartesiano não responde , satisfatoriamente , ao desafio cético. TRABALHO REALIZADO POR: Pedro Rocha Da Silva 11º LH2