SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
1. Distinguir juízos a priori de juízos a posteriori; analíticos de sintéticos;
necessários de contingentes.
Para compreender o que separa racionalismo de empirismo, temos de nos apoiar em
instrumentos conceptuais e ter presentes quatro distinções que acompanham a disputa: a priori
vs. a posteriori, analítico vs. sintético, necessário vs. contingente.
- O conhecimento a priori é independente da experiência, não precisamos de recorrer à
observação ou experiência para estabelecer a verdade (exemplo: 3+3=6), o conhecimento a
posteriori é dependente da experiência, é necessário recorrer a uma observação ou experiência
para estabelecer a verdade (exemplo: existem elefantes em Lisboa).
-Uma proposição analítica é aquela em que o predicado está contido no conceito do sujeito,a
verdade de uma afirmação é evidente apenas e só em virtude da compreensão do sentido e da
relação dos termos envolvidos (os triângulos têm três ângulos;os vivos não estão mortos),uma
afirmação sintética é aquela em que predicado não está contido no sujeito, este acrescenta algo
novo (os gatos são animais de companhia,as ervilhas são verdes).
-Uma verdade necessária tem de ser verdadeira em quaisquer circunstâncias ou em todos os
mundos possíveis,baseia-se no princípio da não contradição (ex: se os felinos são carnívoros e os
gatos são felinos, então os gatos são carnívoros); uma verdade contingente é verdadeira, tal
como as coisas são num dado lugar ou tempo, mas poderia não o ser numa outra circunstância (os
dias de invernos são frios).
2. Explicar as diferentes características atribuídas à dúvida na filosofia de
Descartes.
Descartes institui a dúvida como método e como instrumento de trabalho na busca das verdades
indubitáveis.O objetivo de alcançar a verdade começa a cumprir-se a partir do momento em que se
duvida de tudo aquilo em que se encontra a mínima suspeita. Neste sentido,Descartes usa a
dúvida como um meio para atingir a verdade. Assim,a dúvida é metódica, pois é a ferramenta que
permite evitar e prevenir de cair no erro; a dúvida é também provisória, porque Descartes duvida
com o objetivo de reconstruir o edifício do saber,ou seja,chegar à primeira verdade (cogito). A
dúvida é universal, uma vez que, Descartes coloca todos os saberes sob o domínio da dúvida
incluindo,as ciências da matemática; é hiperbólica e radical, uma vez que a dúvida é exagerada
no sentido de ser aplicada a todos os saberes,pondo a hipótese do génio maligno e duvidando da
sua própria existência, e até sobre as questões metafísicas e por isso, é voluntária e metafísica.
3. Referir os diferentes níveis da aplicação da dúvida até ao cogito (1ª princípio
verdadeiro).
Descartes aplicou o método da dúvida para chegar ao primeiro princípio, à primeira verdade.
1º Rejeita a informação com base nos sentidos,pois eles são enganadores.
2º Rejeita o conhecimento racional, porque muitas vezes nos enganamos ao raciocinar. (génio
maligno)
3º Rejeita tudo que até aí havia entrado na sua mente, porque muitas vezes o sonho se confunde
com a vigília.
4. Explicitar a função do argumento do génio maligno.
O Génio Maligno foi uma metáfora utilizada por Descartes para evidenciar que nenhum
pensamento por si mesmo traz garantias de corresponder a algo no mundo,ou seja,nem tudo o
que pensamos é verdadeiro. No seu discurso,Descartes diz que o Génio Maligno é um ser que se
coloca no nosso pensamento,e nos faz crer em pensamentos aparentemente evidentes e
verdadeiros, porém falsos que não passavam de meras ilusões (raciocínios matemáticos).
Concluindo,Descartes mostrou que o próprio ser humano é falível e que é necessário um cuidado
rigoroso e detalhado na examinação dos nossos próprios pensamentos,para evitar sermos
enganados pelo tal Génio Maligno.
5. Caracterizar o Cogito (eu pensante): “Penso, logo existo” (Cogito, ergo sum) e
mostrar a sua importância na construção do conhecimento verdadeiro.
O cogito é a primeira verdade que aparece ao espírito com o carácter de indubitável. Descartes
escolhe-o como primeiro principio para a construção de um conhecimento seguro e como critério de
todo o conhecimento verdadeiro. O “penso,logo existo” é uma verdade clara e distinta e
absolutamente a priori pois é um conhecimento independente da experiência sensível.
Com o cogito, Descartes conclui que, mesmo que o tal génio maligno o quisesse enganar,ele não
o conseguia por a duvidar da sua existência, estabelecendo-se assim o pilar central do
conhecimento,o ponto de partida para todo o conhecimento verdadeiro.
6. Caracterizar os três tipos de ideias, segundo Descartes.
As ideias que cada indivíduo possui são,segundo Descartes,de três tipos:adventícias, factícias e
inatas.As ideias são o que está na mente de qualquer ser pensante,deste modo as ideias
adventícias são aquelas que nos chegam a partir dos sentidos,que surgem do mundo exterior,
através da experiência, como por exemplo: sinto calor. As factícias que são provenientes da
imaginação,são ilusórias ou quiméricas,como por exemplo a existência de sereias ou bruxas. Por
fim, as inatas que nascem connosco e que não são produto da experiência, por exemplo o "cogito".
Estas são verdadeiras e perfeitas sendo a origem do conhecimento.
7. Reconhecer o papel de Deus no sistema cartesiano.
A duvida permitiu a Descartes afirmar, por intuição intelectual, a existência do cogito, isto é, a sua
existência enquanto ser pensante. Todavia, Descartes também pretendeu afirmar a existência do
mundo e das leis da natureza, se, como vimos, os sentidos são enganadores, a pro va da
existência do mundo tem de ser também ela de outra natureza: tem de ter origem em ideias
claras e distintas, ou seja, a razão. Descartes sabe que muitas vezes se engana e que, por isso,
não é um ser perfeito Porém, a afirmação da sua imperfeição traz subjacente a ideia de perfeição:
para saber que é imperfeito tem de ter em si a ideia de perfeição. Por conseguinte, a ideia de
perfeição só pode ter sido colocada nele por um ser perfeito: Deus.
8. Explicar as provas/argumentos da existência de Deus, segundo Descartes.
Se Deus existe e é perfeito, não o pode querer enganar (pois a bondade é uma
característica da perfeição), o que garante a verdade das ideias claras e distintas. Com
Deus como garantia, Descartes pode deduzir outras verdades -a existência do mundo, por
exemplo- e construir o conhecimento verdadeiro, pois se é certo que o nosso
conhecimento provém da razão, a garantia da verdade desse conhecimento é dada por
Deus. Deus, garante que tudo o que é claro e distinto é verdadeiro. Para garantir este
critério existem alguns argumentos:
-argumento de causalidade (a origem da ideia de infinito e perfeição): Descartes
descobre a imperfeição da sua natureza em comparação com a ideia de um ser perfeito,
esse ser é Deus.
- argumento ontológico: baseado no argumento de Santo Anselmo, Deus existe, porque
necessariamente tem de existir para que tudo possa ter existência. Se Deus é perfeito,
então existe. Para ser perfeito, um ser tem de possuir todos os predicados que lhe
conferem a perfeição, logo tem de possuir o predicado da existência, ou seja, tem de
existir.
9. Mostrar a posição de Descartes quanto à possibilidade do conhecimento.
Há assim dois pilares centrais na teoria do conhecimento de Descartes: o cogito e Deus. O
cogito é o primeiro conhecimento claro e distinto que encontra. O segundo é a ideia de um
Deus perfeito, omnipotente, omnisciente e sumamente bom, que existe e garante que
sempre que encontrar algo mais com carácter de evidência, pode aceitá-lo como
conhecimento verdadeiro. Assim, para Descartes não há limites quanto ao conhecimento
sendo possível todas as questões serem explicadas e compreendidas incluindo as
questões metafísicas. Neste domínio, Descartes é um dogmático pois tudo pode ser
conhecido e compreendido.
10. Reconhecer David Hume como um empirista.
Frequentemente apresentado como empirista e também como cético, Hume é um
naturalista, pois o seu objectivo central foi mostrar que fazemos parte da ordem natural.
Foi o último de uma longa tradição de importantes empiristas britânicos. À semelhança dos
demais defensores da doutrina, afirmou que: todo o conhecimento deriva da experiência, a
mente é, à partida, uma tábua rasa e não existem ideias inatas. Para percebermos o
empirismo de Hume, colocaremos três questões fundamentais: de onde provém o
conhecimento? Como procede o espírito ao racionar e construir o conhecimento? Que tipo
de conhecimento se pode obter?
11. Distinguir os dois tipos de percepções: impressões de ideias.
Impressões: Podem ser impressões de sensação (cores, sons..) e impressões de reflexão
(alegria, ódio..). Correspondem a experiências; são mais vívidas, mas fortes do que as
ideias, isto é, mais claras e mais pormenorizadas.
Ideias: São um produto da memória ou da imaginação, da memória, quando recordamos
uma impressão passada; da imaginação, quando formamos no nosso espírito a imagem de
um objecto possível ou existente. São cópias das impressões, representações e imagens
das impressões; são menos vívidas, menos fortes, são as imagens enfraquecidas das
impressões no pensamento e no raciocínio.
12. Explicar a existência de ideias simples e ideias complexas e exemplificar.
As ideias necessitam de um critério de sentido. Tem sentido uma ideia se é apoiada em
impressões. As ideias de sangue ou de dor de dentes são ideias com sentido. Outras, como
as ideias de alma e Deus, carecem de impressões, sendo, por isso, ideias sem sentido.
Hume afirma a existência de ideias simples e ideias complexas. As ideias simples são ideias
que não podem ser decompostas, como a ideia de cor ou de forma; derivam de impressões
simples. As ideias complexas são combinações de ideias simples. A ideia de uma montanha
dourada, por exemplo, é uma ideia complexa, pois é composta pelas ideias simples de
montanha e de dourado.
13. Explicar os dois tipos de conhecimento, segundo Hume.
Podemos obter dois tipos de conhecimento: conhecimento de ideias (sobre relações de
ideias) e conhecimento de factos (sobre questões de facto)
Conhecimento de ideias ou relações de ideias: afirmações como “doze é o triplo de
quatro” ou “um triângulo é um polígono de três lados” são exemplos de relações de ideias; é
um conhecimento a priori e consiste em estabelecer relações entre ideias que constituem
cada um das proposições; a sua verdade pode ser conhecida pela mera inspecção lógica do
que afirmam. São verdades necessárias baseadas exclusivamente no princípio da não
contradição; as verdades da lógica ou da matemática, são deste tipo e podem ser conhecidas
sem recurso às impressões; diríamos que são verdades analíticas e, como tal, nada nos
dizem sobre o que existe e acontece no mundo.
Conhecimento de questões de facto ou conhecimento de factos: afirmações como “a
neve é branca e fria” ou “o calor dilata os corpos” são, segundo Hume, verdades que
implicam justificação pela experiência; o seu valor de verdade está dependente do teste
empírico, é um conhecimento a posteriori; diríamos que estamos perante verdades sintéticas,
que nos dizem qualquer coisa sobre o que acontece e se passa no mundo e que não está
presente nos elementos relacionados.
Ora, as questões de facto assentam justamente sobre a relação de causa e efeito, que é uma
conexão especialmente importante.
14. Reconhecer o papel do hábito/costume no conhecimento de questões de facto.
As questões de facto assentam justamente sobre a relação causa e efeito, que é uma
conexão causal importante que ocorre entre dois elementos, por ex: a chama e o calor.
Hume defende que a crença na regularidade causal dos fenómenos que ocorrem no mundo é
justificada como sendo um produto do costume ou do hábito. É pelo costume ou hábito que
somos levados a acreditar na relação causal entre fenómenos. Habituámo-nos a ter a
experiência de sequências naturais que se repetem ao longo dos tempos, desde a
experiência vivida no passado, no presente e daí se infere que poderá vir a acontecer no
futuro.
15. Explicar a ideia de conexão causal e o problema da indução na explicação do
conhecimento.
A ideia de conexão causal entre acontecimentos é algo de que não temos qualquer
impressão e qualquer ideia. Limitamo-nos a projetar para os acontecimentos a nossa própria
tendência para inferir um acontecimento a partir do aparecimento de outro. Se B sucede a A,
não podemos observar desta relação mais do que uma mera contiguidade no espaço e no
tempo. Quando a conjugação se torna constante e somos levados a esperar B sempre que
observamos A, dizemos então que A causa B. É a imaginação e não a razão que produz esta
ideia de conexão entre ocorrências contínuas. O método de raciocínio que David Hume usa
para a compreensão dos fenómenos naturais é a indução que por si próprio apresenta um
problema, uma vez que parte de observação de casos verdadeiros ocorridos no passado mas
não é garantida uma conclusão verdadeira no futuro havendo sempre a probabilidade de ser
ou não ser verdadeira e estar por isso sujeito à contradição.
Assim, a indução levanta problemas e David Hume percebeu as limitações deste tipo de
raciocínio, onde de um número finito de casos particulares se infere uma conclusão geral ou
um caso ulterior que não sustenta as premissas anteriores.
16. Mostrar a posição de David Hume quanto à possibilidade do conhecimento.
Hume é considerado um cético e evidencia o seu ceticismo ao sublinhar os limites da
inteligência humana, mostrando que a parte mais considerável do nosso saber se resolve
nos termos de uma convicção que assenta apenas no costume ou hábito na compreensão
e explicação dos fenómenos da natureza. As questões de relações de ideias e as
questões metafísicas considera que a inteligência humana não consegue explicar nem
compreender. Neste sentido afasta-se dos céticos radicais ao sustentar que somos
incapazes de suspender o juízo sendo o seu ceticismo é moderado pois afirma que não
podemos considerar o conhecimento como absolutamente verdadeiro, mas admite a
possibilidade de conhecer o mundo exterior.
17.Distinguir as duas teorias quanto à origem do conhecimento (Racionalismo/
Empirismo).
Quanto à origem do conhecimento e segundo a teoria do racionalismo defendida por René
Descartes, a razão é a única fonte de conhecimento seguro, os sentidos e a imaginação são
enganadores, a mente possui, à partida, ideias inatas que são essenciais para o
conhecimento, sendo claras e evidentes. Para a teoria do empirismo defendida por David
Hume, a experiencia sensível é a única fonte de conhecimento, nada existe na mente que
não tenha tido proveniência da experiência sensível, ou seja, a mente é como uma tábua
rasa ou uma folha em branco quando se nasce, não havendo qualquer ideia inata.
Os racionalistas sustentam o seu conhecimento em juízos a priori e, por outro lado, os
empiristas sustentam em juízos a posteriori, ou seja, em questões de facto. Na teoria de
Descartes, desprezam o conhecimento da experiência sensível porque os sentidos podem ser
enganadores, enquanto na teoria de Hume desprezam a razão e valorizam a experiência
sensível.
No racionalismo, a mente opera dedutivamente a partir de premissas evidentes, claras e
distintas e a conclusão é categoricamente verdadeira. Já no empirismo, todo o conhecimento
de factos tem por base as impressões sensíveis, existe um raciocínio indutivo e
consequentemente uma conclusão provavelmente verdadeira.
Para o racionalismo, o modelo do conhecimento é a matemática e para o empirismo, são as
ciências naturais, entre as quais, a física.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

David hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeDavid hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeFrancis Mary Rosa
 
Descartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo IIIDescartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo IIImluisavalente
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaRafael Cristino
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeJorge Barbosa
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaLuis De Sousa Rodrigues
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de DescartesJorge Barbosa
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoIsabel Moura
 
O cogito cartesiano
O cogito cartesianoO cogito cartesiano
O cogito cartesianoLídia Neves
 
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesTeoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesJorge Barbosa
 

Mais procurados (20)

David hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeDavid hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidade
 
Descartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo IIIDescartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo III
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
 
O racionalismo de Descartes
O racionalismo de DescartesO racionalismo de Descartes
O racionalismo de Descartes
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de Descartes
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimento
 
Da dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogitoDa dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogito
 
Conhecimento de factos
Conhecimento de factosConhecimento de factos
Conhecimento de factos
 
O cogito cartesiano
O cogito cartesianoO cogito cartesiano
O cogito cartesiano
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesTeoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
 

Destaque

Destaque (20)

Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Criticismo
CriticismoCriticismo
Criticismo
 
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e HumeEmpirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
 
Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.
 
Slide De Cubismo
Slide De CubismoSlide De Cubismo
Slide De Cubismo
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
 
Génesis;Tribute to Earth- Master Photographer Sebastiao Salgado
Génesis;Tribute to Earth- Master Photographer Sebastiao SalgadoGénesis;Tribute to Earth- Master Photographer Sebastiao Salgado
Génesis;Tribute to Earth- Master Photographer Sebastiao Salgado
 
Pablo Picasso e o Cubismo.
Pablo Picasso e o Cubismo.Pablo Picasso e o Cubismo.
Pablo Picasso e o Cubismo.
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
 
Cristiano Mascaro
Cristiano MascaroCristiano Mascaro
Cristiano Mascaro
 
Introdução à Filosofia Moderna
Introdução à Filosofia ModernaIntrodução à Filosofia Moderna
Introdução à Filosofia Moderna
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
Aula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O EmpirismoAula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O Empirismo
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
3 filosofia moderna e iluminista filosofia
3 filosofia moderna e iluminista   filosofia3 filosofia moderna e iluminista   filosofia
3 filosofia moderna e iluminista filosofia
 

Semelhante a Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo

resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfTamraSilva
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalj_sdias
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Mateus Ferraz
 
Ficha de trab + correção descartes
Ficha de trab + correção   descartesFicha de trab + correção   descartes
Ficha de trab + correção descartesmluisavalente
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseAna Felizardo
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaCarson Souza
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
RacionalismoPelo Siro
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
RacionalismoPelo Siro
 
Descartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a ModernidadeDescartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a ModernidadeJorge Barbosa
 
Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesAnaKlein1
 
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01gildapirescosta
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Helena Serrão
 
Princípios da Filosofia de Descartes
 Princípios da Filosofia de Descartes Princípios da Filosofia de Descartes
Princípios da Filosofia de Descartesmartinho_nuno
 
Filosofia aula 7
Filosofia aula 7Filosofia aula 7
Filosofia aula 7Erica Frau
 

Semelhante a Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo (20)

resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
 
Ficha de trab + correção descartes
Ficha de trab + correção   descartesFicha de trab + correção   descartes
Ficha de trab + correção descartes
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
 
Filosofia 11ºano
Filosofia 11ºanoFilosofia 11ºano
Filosofia 11ºano
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
Descartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a ModernidadeDescartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a Modernidade
 
Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartes
 
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
 
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o RacionalismoAula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
 
1 desca alunos
1 desca alunos1 desca alunos
1 desca alunos
 
A Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódicaA Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódica
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Princípios da Filosofia de Descartes
 Princípios da Filosofia de Descartes Princípios da Filosofia de Descartes
Princípios da Filosofia de Descartes
 
Filosofia aula 7
Filosofia aula 7Filosofia aula 7
Filosofia aula 7
 
Comparando Descartes e Hume.doc
Comparando Descartes e Hume.docComparando Descartes e Hume.doc
Comparando Descartes e Hume.doc
 

Último

ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxMartin M Flynn
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 

Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo

  • 1. 1. Distinguir juízos a priori de juízos a posteriori; analíticos de sintéticos; necessários de contingentes. Para compreender o que separa racionalismo de empirismo, temos de nos apoiar em instrumentos conceptuais e ter presentes quatro distinções que acompanham a disputa: a priori vs. a posteriori, analítico vs. sintético, necessário vs. contingente. - O conhecimento a priori é independente da experiência, não precisamos de recorrer à observação ou experiência para estabelecer a verdade (exemplo: 3+3=6), o conhecimento a posteriori é dependente da experiência, é necessário recorrer a uma observação ou experiência para estabelecer a verdade (exemplo: existem elefantes em Lisboa). -Uma proposição analítica é aquela em que o predicado está contido no conceito do sujeito,a verdade de uma afirmação é evidente apenas e só em virtude da compreensão do sentido e da relação dos termos envolvidos (os triângulos têm três ângulos;os vivos não estão mortos),uma afirmação sintética é aquela em que predicado não está contido no sujeito, este acrescenta algo novo (os gatos são animais de companhia,as ervilhas são verdes). -Uma verdade necessária tem de ser verdadeira em quaisquer circunstâncias ou em todos os mundos possíveis,baseia-se no princípio da não contradição (ex: se os felinos são carnívoros e os gatos são felinos, então os gatos são carnívoros); uma verdade contingente é verdadeira, tal como as coisas são num dado lugar ou tempo, mas poderia não o ser numa outra circunstância (os dias de invernos são frios). 2. Explicar as diferentes características atribuídas à dúvida na filosofia de Descartes. Descartes institui a dúvida como método e como instrumento de trabalho na busca das verdades indubitáveis.O objetivo de alcançar a verdade começa a cumprir-se a partir do momento em que se duvida de tudo aquilo em que se encontra a mínima suspeita. Neste sentido,Descartes usa a dúvida como um meio para atingir a verdade. Assim,a dúvida é metódica, pois é a ferramenta que permite evitar e prevenir de cair no erro; a dúvida é também provisória, porque Descartes duvida com o objetivo de reconstruir o edifício do saber,ou seja,chegar à primeira verdade (cogito). A dúvida é universal, uma vez que, Descartes coloca todos os saberes sob o domínio da dúvida incluindo,as ciências da matemática; é hiperbólica e radical, uma vez que a dúvida é exagerada no sentido de ser aplicada a todos os saberes,pondo a hipótese do génio maligno e duvidando da sua própria existência, e até sobre as questões metafísicas e por isso, é voluntária e metafísica. 3. Referir os diferentes níveis da aplicação da dúvida até ao cogito (1ª princípio verdadeiro). Descartes aplicou o método da dúvida para chegar ao primeiro princípio, à primeira verdade. 1º Rejeita a informação com base nos sentidos,pois eles são enganadores. 2º Rejeita o conhecimento racional, porque muitas vezes nos enganamos ao raciocinar. (génio maligno) 3º Rejeita tudo que até aí havia entrado na sua mente, porque muitas vezes o sonho se confunde com a vigília. 4. Explicitar a função do argumento do génio maligno. O Génio Maligno foi uma metáfora utilizada por Descartes para evidenciar que nenhum pensamento por si mesmo traz garantias de corresponder a algo no mundo,ou seja,nem tudo o que pensamos é verdadeiro. No seu discurso,Descartes diz que o Génio Maligno é um ser que se coloca no nosso pensamento,e nos faz crer em pensamentos aparentemente evidentes e verdadeiros, porém falsos que não passavam de meras ilusões (raciocínios matemáticos). Concluindo,Descartes mostrou que o próprio ser humano é falível e que é necessário um cuidado rigoroso e detalhado na examinação dos nossos próprios pensamentos,para evitar sermos enganados pelo tal Génio Maligno.
  • 2. 5. Caracterizar o Cogito (eu pensante): “Penso, logo existo” (Cogito, ergo sum) e mostrar a sua importância na construção do conhecimento verdadeiro. O cogito é a primeira verdade que aparece ao espírito com o carácter de indubitável. Descartes escolhe-o como primeiro principio para a construção de um conhecimento seguro e como critério de todo o conhecimento verdadeiro. O “penso,logo existo” é uma verdade clara e distinta e absolutamente a priori pois é um conhecimento independente da experiência sensível. Com o cogito, Descartes conclui que, mesmo que o tal génio maligno o quisesse enganar,ele não o conseguia por a duvidar da sua existência, estabelecendo-se assim o pilar central do conhecimento,o ponto de partida para todo o conhecimento verdadeiro. 6. Caracterizar os três tipos de ideias, segundo Descartes. As ideias que cada indivíduo possui são,segundo Descartes,de três tipos:adventícias, factícias e inatas.As ideias são o que está na mente de qualquer ser pensante,deste modo as ideias adventícias são aquelas que nos chegam a partir dos sentidos,que surgem do mundo exterior, através da experiência, como por exemplo: sinto calor. As factícias que são provenientes da imaginação,são ilusórias ou quiméricas,como por exemplo a existência de sereias ou bruxas. Por fim, as inatas que nascem connosco e que não são produto da experiência, por exemplo o "cogito". Estas são verdadeiras e perfeitas sendo a origem do conhecimento. 7. Reconhecer o papel de Deus no sistema cartesiano. A duvida permitiu a Descartes afirmar, por intuição intelectual, a existência do cogito, isto é, a sua existência enquanto ser pensante. Todavia, Descartes também pretendeu afirmar a existência do mundo e das leis da natureza, se, como vimos, os sentidos são enganadores, a pro va da existência do mundo tem de ser também ela de outra natureza: tem de ter origem em ideias claras e distintas, ou seja, a razão. Descartes sabe que muitas vezes se engana e que, por isso, não é um ser perfeito Porém, a afirmação da sua imperfeição traz subjacente a ideia de perfeição: para saber que é imperfeito tem de ter em si a ideia de perfeição. Por conseguinte, a ideia de perfeição só pode ter sido colocada nele por um ser perfeito: Deus. 8. Explicar as provas/argumentos da existência de Deus, segundo Descartes. Se Deus existe e é perfeito, não o pode querer enganar (pois a bondade é uma característica da perfeição), o que garante a verdade das ideias claras e distintas. Com Deus como garantia, Descartes pode deduzir outras verdades -a existência do mundo, por exemplo- e construir o conhecimento verdadeiro, pois se é certo que o nosso conhecimento provém da razão, a garantia da verdade desse conhecimento é dada por Deus. Deus, garante que tudo o que é claro e distinto é verdadeiro. Para garantir este critério existem alguns argumentos: -argumento de causalidade (a origem da ideia de infinito e perfeição): Descartes descobre a imperfeição da sua natureza em comparação com a ideia de um ser perfeito, esse ser é Deus. - argumento ontológico: baseado no argumento de Santo Anselmo, Deus existe, porque necessariamente tem de existir para que tudo possa ter existência. Se Deus é perfeito, então existe. Para ser perfeito, um ser tem de possuir todos os predicados que lhe conferem a perfeição, logo tem de possuir o predicado da existência, ou seja, tem de existir. 9. Mostrar a posição de Descartes quanto à possibilidade do conhecimento. Há assim dois pilares centrais na teoria do conhecimento de Descartes: o cogito e Deus. O cogito é o primeiro conhecimento claro e distinto que encontra. O segundo é a ideia de um Deus perfeito, omnipotente, omnisciente e sumamente bom, que existe e garante que sempre que encontrar algo mais com carácter de evidência, pode aceitá-lo como conhecimento verdadeiro. Assim, para Descartes não há limites quanto ao conhecimento sendo possível todas as questões serem explicadas e compreendidas incluindo as questões metafísicas. Neste domínio, Descartes é um dogmático pois tudo pode ser conhecido e compreendido.
  • 3. 10. Reconhecer David Hume como um empirista. Frequentemente apresentado como empirista e também como cético, Hume é um naturalista, pois o seu objectivo central foi mostrar que fazemos parte da ordem natural. Foi o último de uma longa tradição de importantes empiristas britânicos. À semelhança dos demais defensores da doutrina, afirmou que: todo o conhecimento deriva da experiência, a mente é, à partida, uma tábua rasa e não existem ideias inatas. Para percebermos o empirismo de Hume, colocaremos três questões fundamentais: de onde provém o conhecimento? Como procede o espírito ao racionar e construir o conhecimento? Que tipo de conhecimento se pode obter? 11. Distinguir os dois tipos de percepções: impressões de ideias. Impressões: Podem ser impressões de sensação (cores, sons..) e impressões de reflexão (alegria, ódio..). Correspondem a experiências; são mais vívidas, mas fortes do que as ideias, isto é, mais claras e mais pormenorizadas. Ideias: São um produto da memória ou da imaginação, da memória, quando recordamos uma impressão passada; da imaginação, quando formamos no nosso espírito a imagem de um objecto possível ou existente. São cópias das impressões, representações e imagens das impressões; são menos vívidas, menos fortes, são as imagens enfraquecidas das impressões no pensamento e no raciocínio. 12. Explicar a existência de ideias simples e ideias complexas e exemplificar. As ideias necessitam de um critério de sentido. Tem sentido uma ideia se é apoiada em impressões. As ideias de sangue ou de dor de dentes são ideias com sentido. Outras, como as ideias de alma e Deus, carecem de impressões, sendo, por isso, ideias sem sentido. Hume afirma a existência de ideias simples e ideias complexas. As ideias simples são ideias que não podem ser decompostas, como a ideia de cor ou de forma; derivam de impressões simples. As ideias complexas são combinações de ideias simples. A ideia de uma montanha dourada, por exemplo, é uma ideia complexa, pois é composta pelas ideias simples de montanha e de dourado. 13. Explicar os dois tipos de conhecimento, segundo Hume. Podemos obter dois tipos de conhecimento: conhecimento de ideias (sobre relações de ideias) e conhecimento de factos (sobre questões de facto) Conhecimento de ideias ou relações de ideias: afirmações como “doze é o triplo de quatro” ou “um triângulo é um polígono de três lados” são exemplos de relações de ideias; é um conhecimento a priori e consiste em estabelecer relações entre ideias que constituem cada um das proposições; a sua verdade pode ser conhecida pela mera inspecção lógica do que afirmam. São verdades necessárias baseadas exclusivamente no princípio da não contradição; as verdades da lógica ou da matemática, são deste tipo e podem ser conhecidas sem recurso às impressões; diríamos que são verdades analíticas e, como tal, nada nos dizem sobre o que existe e acontece no mundo. Conhecimento de questões de facto ou conhecimento de factos: afirmações como “a neve é branca e fria” ou “o calor dilata os corpos” são, segundo Hume, verdades que implicam justificação pela experiência; o seu valor de verdade está dependente do teste empírico, é um conhecimento a posteriori; diríamos que estamos perante verdades sintéticas, que nos dizem qualquer coisa sobre o que acontece e se passa no mundo e que não está presente nos elementos relacionados. Ora, as questões de facto assentam justamente sobre a relação de causa e efeito, que é uma conexão especialmente importante. 14. Reconhecer o papel do hábito/costume no conhecimento de questões de facto. As questões de facto assentam justamente sobre a relação causa e efeito, que é uma conexão causal importante que ocorre entre dois elementos, por ex: a chama e o calor. Hume defende que a crença na regularidade causal dos fenómenos que ocorrem no mundo é justificada como sendo um produto do costume ou do hábito. É pelo costume ou hábito que
  • 4. somos levados a acreditar na relação causal entre fenómenos. Habituámo-nos a ter a experiência de sequências naturais que se repetem ao longo dos tempos, desde a experiência vivida no passado, no presente e daí se infere que poderá vir a acontecer no futuro. 15. Explicar a ideia de conexão causal e o problema da indução na explicação do conhecimento. A ideia de conexão causal entre acontecimentos é algo de que não temos qualquer impressão e qualquer ideia. Limitamo-nos a projetar para os acontecimentos a nossa própria tendência para inferir um acontecimento a partir do aparecimento de outro. Se B sucede a A, não podemos observar desta relação mais do que uma mera contiguidade no espaço e no tempo. Quando a conjugação se torna constante e somos levados a esperar B sempre que observamos A, dizemos então que A causa B. É a imaginação e não a razão que produz esta ideia de conexão entre ocorrências contínuas. O método de raciocínio que David Hume usa para a compreensão dos fenómenos naturais é a indução que por si próprio apresenta um problema, uma vez que parte de observação de casos verdadeiros ocorridos no passado mas não é garantida uma conclusão verdadeira no futuro havendo sempre a probabilidade de ser ou não ser verdadeira e estar por isso sujeito à contradição. Assim, a indução levanta problemas e David Hume percebeu as limitações deste tipo de raciocínio, onde de um número finito de casos particulares se infere uma conclusão geral ou um caso ulterior que não sustenta as premissas anteriores. 16. Mostrar a posição de David Hume quanto à possibilidade do conhecimento. Hume é considerado um cético e evidencia o seu ceticismo ao sublinhar os limites da inteligência humana, mostrando que a parte mais considerável do nosso saber se resolve nos termos de uma convicção que assenta apenas no costume ou hábito na compreensão e explicação dos fenómenos da natureza. As questões de relações de ideias e as questões metafísicas considera que a inteligência humana não consegue explicar nem compreender. Neste sentido afasta-se dos céticos radicais ao sustentar que somos incapazes de suspender o juízo sendo o seu ceticismo é moderado pois afirma que não podemos considerar o conhecimento como absolutamente verdadeiro, mas admite a possibilidade de conhecer o mundo exterior. 17.Distinguir as duas teorias quanto à origem do conhecimento (Racionalismo/ Empirismo). Quanto à origem do conhecimento e segundo a teoria do racionalismo defendida por René Descartes, a razão é a única fonte de conhecimento seguro, os sentidos e a imaginação são enganadores, a mente possui, à partida, ideias inatas que são essenciais para o conhecimento, sendo claras e evidentes. Para a teoria do empirismo defendida por David Hume, a experiencia sensível é a única fonte de conhecimento, nada existe na mente que não tenha tido proveniência da experiência sensível, ou seja, a mente é como uma tábua rasa ou uma folha em branco quando se nasce, não havendo qualquer ideia inata. Os racionalistas sustentam o seu conhecimento em juízos a priori e, por outro lado, os empiristas sustentam em juízos a posteriori, ou seja, em questões de facto. Na teoria de Descartes, desprezam o conhecimento da experiência sensível porque os sentidos podem ser enganadores, enquanto na teoria de Hume desprezam a razão e valorizam a experiência sensível. No racionalismo, a mente opera dedutivamente a partir de premissas evidentes, claras e distintas e a conclusão é categoricamente verdadeira. Já no empirismo, todo o conhecimento de factos tem por base as impressões sensíveis, existe um raciocínio indutivo e consequentemente uma conclusão provavelmente verdadeira. Para o racionalismo, o modelo do conhecimento é a matemática e para o empirismo, são as ciências naturais, entre as quais, a física.