SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
A ORIGEM OU FONTE DO CONHECIMENTO
Empirismo – Teoria que defende que a mente humana, à nascença, nem tem qualquer tipo de ideia, tal como
uma página branca.
Segundo o empirismo, essa página branca vai ser depois preenchida com essas ideias que advém da
nossa experiencia de vida, e que depois ficam na nossa consciência.
Considera que a experiencia é o ponto de partida e o limite do conhecimento. Assim, antes do contacto
sensorial com o objeto não há possibilidade de representação. Se o conteúdo das ideias é obrigatoriedade a
matéria sensível, então não existem ideias inatas.
Empirismo de David Hume
Todo o conhecimento deriva da experiencia, uma vez que é pelos sentidos que captamos a matéria
das representações.
A capacidade cognitiva da razão humana é limitada e não existe nenhum fundamento objetivo para o
conhecimento.
Todas as nossas ideias têm origem nas impressões dos sentidos.
As impressões são os dados imediatos da experiencia como, p.e., as sensações. Estas possuem um
elevado grau de força e vivacidade, porque correspondem a uma correlação mental imediata da experiencia
sensível. Elas são o ponto de partida dos conhecimentos.
As ideias são as representações que construímos a partir das impressões. Estas são apenas réplicas
esbatidas e enfraquecidas das impressões no pensamento, e surgem na forma de memórias ou imagens.
Não pode existir ideia sem uma impressão prévia. Não há conhecimento fora dos limites impostos
pelas impressões.
DO QUE NÃO HÁ IMPRESSÃO, NÃO HÁ CONHECIMENTO
Conhecimento como relação de ideias
Consiste em estabelecer relações entre as ideias que fazem parte de uma afirmação ou de um
pensamento. Podemos relacionar ideias sem recorrer à experiencia, embora todas as ideias derivem das
impressões sensíveis. O conhecimento de relação de ideias é independente dos factos e não nos dá novas
informações. Este tipo de conhecimento está principalmente ligado à matemática e à lógica. Trata-se de um
conhecimento que relaciona conceitos ou ideias e que se baseia no princípio da não contradição. Assim, a
verdade das proposições é determinada à priori.
Conhecimento como relação de factos
Baseia-se na experiencia sensível e é-nos proporcionado pelas nossas impressões. Não se baseia no
princípio da não contradição, já que é possível afirmar o contrário de um facto. A verdade das proposições só
pode ser determinada através do confronto com a experiência, isto é, à posteriori.
O problema de causalidade
Todas as ideias derivam de impressões sensíveis. Assim, do que não há impressão sensível não há
conhecimento.
Deste modo, não podemos dizer que tenhamos conhecimento à priori da causa de um acontecimento,
ou de um facto.
Embora tendo consciência da importância que o princípio de causalidade teve na história da
humanidade, Hume vai submete-la a uma crítica rigorosa.
Segundo Hume, o nosso conhecimento dos factos restringe-se às impressões atuais e às recordações
de impressões passadas. Assim, se não dispomos de impressões relativas ao que acontecerá no futuro,
também não possuímos o conhecimento dos factos futuros. Não podemos dizer que o que acontece no futuro
porque um facto futuro ainda não aconteceu.
Contudo, há muitos factos que esperamos que se verifiquem no futuro. P.e., esperamos que um papel
se queime se o atirarmos ao fogo. Esta certeza que julgamos ter baseia-se na noção de causa (nós realizamos
uma inferência causal), ou seja, atribuímos ao fogo a causa do papel se queimar.
Sucede que não dispomos que qualquer impressão da ideias de causalidade necessária entre os
fenómenos.
Hume afirma que só a partir da experiencia é que se pode conhecer a relação entre a causa e o efeito.
Não se pode ultrapassar o que a experiencia nos permite.
A experiência é a única fonte de validade dos conhecimentos de factos – quer dizer que só podemos
ter um conhecimento à posteriori.
A única coisa que sabemos é que entre 2 fenómenos se verificou, no passado, uma sucessão constante,
ou seja, que a um determinado facto ocorreu sempre um mesmo facto.
Conclusões de Hume
Para Hume, é o hábito que nos leva a inferir uma relação de causa e efeito entre 2 fenómenos.
Se no passado ocorreu sempre um determinado facto a seguir a outro, então nós esperamos que no
presente e no futuro também ocorra assim.
O hábito e o costume permitem-nos partir de experiencias passadas e presentes em direção ao futuro.
Por isso, o nosso conhecimento de factos futuros não é um conhecimento rigoroso, é apenas uma convicção
que se baseia num princípio psicológico: o hábito.
O hábito é, no entanto, um guia importante na vida prática e no dia-a-dia. Uma vez que ainda não
vivemos no futuro, o hábito permite-nos esperar o que nos poderá acontecer e leva-nos a ter prudência e
cuidado, ou boas expetativas.
Enquanto seres humanos, temos vontade (e adaptamo-nos à ideia) de que o futuro seja previsível e,
portanto, controlável.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

11º b final
11º b   final11º b   final
11º b finalj_sdias
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoFilipaFonseca
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusIsabel Moura
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoIsabel Moura
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesJoana Filipa Rodrigues
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesElisabete Silva
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de DescartesJorge Barbosa
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumocolegiomb
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio InesTeixeiraDuarte
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. iameliapadrao
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeJorge Barbosa
 

Mais procurados (20)

Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimento
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de Descartes
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
O problema da indução
O problema da induçãoO problema da indução
O problema da indução
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
 
Da dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogitoDa dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogito
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
 

Destaque (20)

O emprismo de David Hume
O emprismo de David HumeO emprismo de David Hume
O emprismo de David Hume
 
O empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTTO empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTT
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
 
David Hume
David HumeDavid Hume
David Hume
 
David Hume
David Hume David Hume
David Hume
 
Empirismo de Hume
Empirismo de HumeEmpirismo de Hume
Empirismo de Hume
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
 
David hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeDavid hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidade
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
 
O empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismoO empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismo
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
As relações de ideias
As relações de ideiasAs relações de ideias
As relações de ideias
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
 
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais IApontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
 

Semelhante a Origem Conhecimento Empirismo Hume

Aula Conhecimento 18.02.09
Aula   Conhecimento 18.02.09Aula   Conhecimento 18.02.09
Aula Conhecimento 18.02.09EfaSucesso
 
Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01Helena Serrão
 
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume Sofia Yuna
 
A crise da metafísica com hume.
A crise da metafísica com hume.A crise da metafísica com hume.
A crise da metafísica com hume.Paloma Meneses
 
O empirismo de david Hume (Nereu)
O empirismo de david Hume (Nereu)O empirismo de david Hume (Nereu)
O empirismo de david Hume (Nereu)Joaquim Melro
 
O emprismo de David Hume (Nereu)
O emprismo de David Hume (Nereu)O emprismo de David Hume (Nereu)
O emprismo de David Hume (Nereu)guest9578d1
 
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David HumeTeorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Humeguest9578d1
 
David hume texto
David hume   textoDavid hume   texto
David hume textopyteroliva
 
Ppt david hume 1
Ppt david hume 1Ppt david hume 1
Ppt david hume 1AnaKlein1
 
Ppt david hume a
Ppt david hume aPpt david hume a
Ppt david hume aAnaKlein1
 
Ppt david hume a
Ppt david hume aPpt david hume a
Ppt david hume aAnaKlein1
 

Semelhante a Origem Conhecimento Empirismo Hume (20)

Aula Conhecimento 18.02.09
Aula   Conhecimento 18.02.09Aula   Conhecimento 18.02.09
Aula Conhecimento 18.02.09
 
Hume causalidade
Hume causalidadeHume causalidade
Hume causalidade
 
Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01
 
Merda de filosofia
Merda de filosofiaMerda de filosofia
Merda de filosofia
 
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
 
Hume.pptx
Hume.pptxHume.pptx
Hume.pptx
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
 
Empirismo 26 tp
Empirismo 26 tpEmpirismo 26 tp
Empirismo 26 tp
 
Ana suely
Ana suelyAna suely
Ana suely
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
A crise da metafísica com hume.
A crise da metafísica com hume.A crise da metafísica com hume.
A crise da metafísica com hume.
 
O empirismo de david Hume (Nereu)
O empirismo de david Hume (Nereu)O empirismo de david Hume (Nereu)
O empirismo de david Hume (Nereu)
 
O emprismo de David Hume (Nereu)
O emprismo de David Hume (Nereu)O emprismo de David Hume (Nereu)
O emprismo de David Hume (Nereu)
 
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David HumeTeorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
 
Filosofia 11ºano
Filosofia 11ºanoFilosofia 11ºano
Filosofia 11ºano
 
David hume texto
David hume   textoDavid hume   texto
David hume texto
 
Ppt david hume 1
Ppt david hume 1Ppt david hume 1
Ppt david hume 1
 
Ppt david hume a
Ppt david hume aPpt david hume a
Ppt david hume a
 
Ppt david hume a
Ppt david hume aPpt david hume a
Ppt david hume a
 

Mais de Joana Filipa Rodrigues

O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)Joana Filipa Rodrigues
 
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert CoxA Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert CoxJoana Filipa Rodrigues
 
Sistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUESistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUEJoana Filipa Rodrigues
 
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)Joana Filipa Rodrigues
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIJoana Filipa Rodrigues
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIIJoana Filipa Rodrigues
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoJoana Filipa Rodrigues
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoJoana Filipa Rodrigues
 
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1Joana Filipa Rodrigues
 

Mais de Joana Filipa Rodrigues (20)

O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
 
Policy Memorandum on Brexit
Policy Memorandum on BrexitPolicy Memorandum on Brexit
Policy Memorandum on Brexit
 
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert CoxA Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
 
Soberania - Sovereignty by Sorensen
Soberania - Sovereignty by SorensenSoberania - Sovereignty by Sorensen
Soberania - Sovereignty by Sorensen
 
Sistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUESistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUE
 
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
 
Comunidade Europeia: OPNI?
Comunidade Europeia: OPNI?Comunidade Europeia: OPNI?
Comunidade Europeia: OPNI?
 
Victor Gavin
Victor GavinVictor Gavin
Victor Gavin
 
Liberdade vs. Igualdade
Liberdade vs. IgualdadeLiberdade vs. Igualdade
Liberdade vs. Igualdade
 
Globalização e Direitos Humanos
Globalização e Direitos HumanosGlobalização e Direitos Humanos
Globalização e Direitos Humanos
 
Conferência de Berlim
Conferência de BerlimConferência de Berlim
Conferência de Berlim
 
A Crise dos Refugiados parte I
A Crise dos Refugiados parte IA Crise dos Refugiados parte I
A Crise dos Refugiados parte I
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
 
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
 
Fidel Castro
Fidel CastroFidel Castro
Fidel Castro
 

Último

QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 

Último (20)

Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 

Origem Conhecimento Empirismo Hume

  • 1. A ORIGEM OU FONTE DO CONHECIMENTO Empirismo – Teoria que defende que a mente humana, à nascença, nem tem qualquer tipo de ideia, tal como uma página branca. Segundo o empirismo, essa página branca vai ser depois preenchida com essas ideias que advém da nossa experiencia de vida, e que depois ficam na nossa consciência. Considera que a experiencia é o ponto de partida e o limite do conhecimento. Assim, antes do contacto sensorial com o objeto não há possibilidade de representação. Se o conteúdo das ideias é obrigatoriedade a matéria sensível, então não existem ideias inatas. Empirismo de David Hume Todo o conhecimento deriva da experiencia, uma vez que é pelos sentidos que captamos a matéria das representações. A capacidade cognitiva da razão humana é limitada e não existe nenhum fundamento objetivo para o conhecimento. Todas as nossas ideias têm origem nas impressões dos sentidos. As impressões são os dados imediatos da experiencia como, p.e., as sensações. Estas possuem um elevado grau de força e vivacidade, porque correspondem a uma correlação mental imediata da experiencia sensível. Elas são o ponto de partida dos conhecimentos. As ideias são as representações que construímos a partir das impressões. Estas são apenas réplicas esbatidas e enfraquecidas das impressões no pensamento, e surgem na forma de memórias ou imagens. Não pode existir ideia sem uma impressão prévia. Não há conhecimento fora dos limites impostos pelas impressões. DO QUE NÃO HÁ IMPRESSÃO, NÃO HÁ CONHECIMENTO Conhecimento como relação de ideias Consiste em estabelecer relações entre as ideias que fazem parte de uma afirmação ou de um pensamento. Podemos relacionar ideias sem recorrer à experiencia, embora todas as ideias derivem das impressões sensíveis. O conhecimento de relação de ideias é independente dos factos e não nos dá novas informações. Este tipo de conhecimento está principalmente ligado à matemática e à lógica. Trata-se de um conhecimento que relaciona conceitos ou ideias e que se baseia no princípio da não contradição. Assim, a verdade das proposições é determinada à priori. Conhecimento como relação de factos Baseia-se na experiencia sensível e é-nos proporcionado pelas nossas impressões. Não se baseia no princípio da não contradição, já que é possível afirmar o contrário de um facto. A verdade das proposições só pode ser determinada através do confronto com a experiência, isto é, à posteriori.
  • 2. O problema de causalidade Todas as ideias derivam de impressões sensíveis. Assim, do que não há impressão sensível não há conhecimento. Deste modo, não podemos dizer que tenhamos conhecimento à priori da causa de um acontecimento, ou de um facto. Embora tendo consciência da importância que o princípio de causalidade teve na história da humanidade, Hume vai submete-la a uma crítica rigorosa. Segundo Hume, o nosso conhecimento dos factos restringe-se às impressões atuais e às recordações de impressões passadas. Assim, se não dispomos de impressões relativas ao que acontecerá no futuro, também não possuímos o conhecimento dos factos futuros. Não podemos dizer que o que acontece no futuro porque um facto futuro ainda não aconteceu. Contudo, há muitos factos que esperamos que se verifiquem no futuro. P.e., esperamos que um papel se queime se o atirarmos ao fogo. Esta certeza que julgamos ter baseia-se na noção de causa (nós realizamos uma inferência causal), ou seja, atribuímos ao fogo a causa do papel se queimar. Sucede que não dispomos que qualquer impressão da ideias de causalidade necessária entre os fenómenos. Hume afirma que só a partir da experiencia é que se pode conhecer a relação entre a causa e o efeito. Não se pode ultrapassar o que a experiencia nos permite. A experiência é a única fonte de validade dos conhecimentos de factos – quer dizer que só podemos ter um conhecimento à posteriori. A única coisa que sabemos é que entre 2 fenómenos se verificou, no passado, uma sucessão constante, ou seja, que a um determinado facto ocorreu sempre um mesmo facto. Conclusões de Hume Para Hume, é o hábito que nos leva a inferir uma relação de causa e efeito entre 2 fenómenos. Se no passado ocorreu sempre um determinado facto a seguir a outro, então nós esperamos que no presente e no futuro também ocorra assim. O hábito e o costume permitem-nos partir de experiencias passadas e presentes em direção ao futuro. Por isso, o nosso conhecimento de factos futuros não é um conhecimento rigoroso, é apenas uma convicção que se baseia num princípio psicológico: o hábito. O hábito é, no entanto, um guia importante na vida prática e no dia-a-dia. Uma vez que ainda não vivemos no futuro, o hábito permite-nos esperar o que nos poderá acontecer e leva-nos a ter prudência e cuidado, ou boas expetativas. Enquanto seres humanos, temos vontade (e adaptamo-nos à ideia) de que o futuro seja previsível e, portanto, controlável.