Constipação intestinal

3.440 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.440
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
66
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Constipação intestinal

  1. 1. Dr. Fernando de Oliveira Dutra Cirurgião do Aparelho Digestivo - CBCD
  2. 2. O termo constipação é derivado de uma palavra latina “constipare” que significa “reunir, estreitar, apertar”. É um problema de origem funcional, decorrente de um mau funcionamento intestinal relacionado a evacuação insatisfatória, esforço excessivo para evacuar, evacuação incompleta e fezes endurecidas. Sua prevalência tem aumentado significativamente nos últimos tempos. Etiologia multi-fatorial e complexa: •fatores dietéticos, psicológicos, culturais, anatômicos e distúrbios da motilidade, defecação obstruída CAUSAS: •Distúrbios da motilidade intestinal •Distúrbios do assoalho pélvico Constipação intestinal
  3. 3.  Fatores psiquiátricos •depressão •abuso sexual •atitudes incomuns aos alimentos e função intestinal Nutrição inadequada •ingestão inadequada de fibras •desidratação causada pela baixa ingestão de líquidos Drogas Inertia coli ou constipação por trânsito lento Síndrome do intestino irritável Síndrome de Ogilvy Causas neurológicas (raras) •lesão medular •doença de Parkinson •esclerose múltipla DISTÚRBIOS DA MOTILIDADE
  4. 4.  Disfunção do assoalho pélvico e/ou do esfíncter externo (síndrome do assoalho pélvico espástico, anismo, discinergia) Obstrução do assoalho pélvico • prolapso retal • enterocele • retocele • intussuscepção retal DISTÚRBIOS DO ASSOALHO PÉLVICO
  5. 5.  Diagnóstico
  6. 6.  DIAGNÓSTICO
  7. 7.  Tipos 1 e 2 indicam obstipação. Tipos 3 e 4 são consideradas ótimas, especialmente a última, uma vez que estas são mais fáceis de passar na defecação. Tipos 5–7 estão associados com tendência de aumento de diarreia ou de urgência Escala de fezes de Bristol
  8. 8.  História Clinica Exames laboratoriais •Hemograma completo, dosagem de hormônios tireoideanos, glicemia de jejum, dosagem de cálcio, potássio, magnésio e creatinina séricos (afastar causas secundárias). Enema opaco e Colonoscopia Tempo de Trânsito Colonico •Estudo da constipação de trânsito lento (anéis radiopacos) DIAGNÓTICO
  9. 9.  SmartPill •Esvaziamento gástrico •Trânsito do intestino delgado e grosso Manometria ano-retal •Quantifica as mudanças de pressão do anus e reto •Identifica os distúrbios da evacuação, hipertonia esfincteriana, hipossensibilidade retal e déficit de relaxamento anal ou contração paradoxal do esfíncter após simulação de evacuação, caracterizando o anismo. Teste de expulsão do balão •Pode ser realizado isoladamente ou em conjunto com a manometria anorretal. Permite identificar pacientes com obstrução da via de saída Ecodefecografia •Detecta anormalidades anatômicas causadoras de obstrução da via de saída, como intussuscepção, sigmoidocele, retocele e prolapso retal. •Pouca aderência dos pacientes DIAGNÓSTICO
  10. 10.
  11. 11.  Classifica os indivíduos em três subgrupos: • Tempo de trânsito normal (eliminação de mais de 80% dos marcadores no quinto dia de estudo) • Tempo de trânsito lento (quando há retenção dos marcadores no cólon direito ou distribuídos por todo o cólon) • Disfunção do assoalho pélvico ou desordens defecatórias (quando há retenção dos marcadores na região retossigmoideana). T.T. colonico
  12. 12.  Constipação com tempo de trânsito (T.T.) lento e assoalho pélvico normal •INÉRCIA COLÔNICA Disfunção do assoalho pélvico e T.T. normal •OBSTRUÇÃO DISTAL T.T. lento e disfunção do assoalho pélvico Disfunção do transito intestinal com predomínio de constipação com T.T. normal e sem disfunção do assoalho pélvico •SII Diagnóstico
  13. 13.  Orientação •Dietética * •25-30g fibras diariamente •Comportamental •Biofeedback * (síndrome da obstrução de via de saída e defecação dissinérgica) TRATAMENTO
  14. 14. Formadores de massa •Psyllium ** •Policarbofil *** •Metilcelulose *** •Farelo de Trigo *** Agentes lubrificantes •Óleo mineral *** •Docusato de sódio e cálcio TRATAMENTO
  15. 15.  Estimulantes •Derivados de difenilmetano •Bisacodil ** •Picossulfato de sódio ** •Antraquinonas •Sena *** •Cáscara sagrada •Aloe •Ruibarbo Enterocinéticos •Tagaserode – mortes por efeitos cardiovasculares •´Prucaloprida (Resolor) * •Eum agonista serotoninérgico altamente seletivo do receptor 5-HT4 TRATAMENTO
  16. 16.  Agentes osmóticos • Sais de magnésio e fosfato • Lactulose ** • Sorbitol • Polietilenoglicol PEG * Supositórios de glicerina TRATAMENTO
  17. 17.  Probióticos • Grupo de substâncias secretadas por um microrganismo o qual estimula o crescimento de outro. • Lactobacilos – Bifidobacterium – Bactérias ácido lácticas e não lácticas • Saúde intestinal • Aumenta a Função imune intestinal • Diminui Risco câncer cólon • Melhora a Diarréia Alimentos Funcionais ou Nutracêuticos
  18. 18.  Prebióticos •Ingredientes alimentares não digeríveis que seletivamente estimulam o crescimento ou a atividade de uma ou mais bactérias no cólon •Fibras (lactulose, lactitol, xilitol, inulina, oligossacarideos não digeriveis) •Melhora a Saúde intestinal •Diminui o risco de doenças crônio-degenerativas e metabólicas •São alimentos prebióticos: a maçã, a cebola, o alho, a banana, a aveia, o trigo, os aspargos, o tomate, a cevada e as alcachofras. Alimentos Funcionais ou Nutracêuticos
  19. 19.  Simbióticos •São produtos alimentares que possuem em sua composição a combinação de prebióticos e probióticos. Alimentos Funcionais ou Nutracêuticos
  20. 20.  • farinha de trigo • farelo • vegetais Celulose • farelo • grãos intactos Hemicelulose tipo B • vegetais maduros • trigo • frutas c/ sementes Lignina Fonte de fibras insolúveis – efeito mecânico
  21. 21.  • aveia • legumes • cevada Gomas • maçã • frutas cítricas • morangos • Cenoura Pectina Fonte de fibras solúveis – efeito metabólico
  22. 22.  Cirúrgico •Colectomia total com anastomose ileoretal (inércia colonica) TRATAMENTO
  23. 23.  Incontinência fecal - quando há perda involuntária de conteúdo fecal pelo ânus •Estimulação do nervo sacral Encoprese é definida como repetidas evacuações, voluntárias ou não, de fezes nas roupas, resultantes de fatores emocionais ou fisiológicos. •primária (incontinência fecal persistente) •secundária (incontinência ocorre após um período de continência fecal) Definições
  24. 24.
  25. 25.  FIM

×