SÍNTESE E FIOS DE SUTURA

9.887 visualizações

Publicada em

caracteristicas dos fios de sutura

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.887
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4.186
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

SÍNTESE E FIOS DE SUTURA

  1. 1. Síntese  Cirúrgica   Prof.  Fernando  de  Oliveira  Dutra   Cir.  Aparelho  Diges=vo  -­‐  CBCD  
  2. 2. Conceito   Síntese  Cirúrgica  –  Operação  fundamental  que  consiste  na   aproximação  das  bordas  de  tecidos  seccionados  ou   ressecados   Manutenção  da  con=nuidade  dos  tecidos   Facilitar  as  fases  iniciais  do  processo  de  cicatrização  
  3. 3. Conceito   Aproximação  das  bordas  dos  tecidos  ressecados  ou  seccionados  –   man=da  á  custa  de  materiais  que  resistam  ás  trações  e  tensões   que  se  irão  exercer  sobre  a  ferida  nas  fases  iniciais  da  cicatrização   Á  medida  que  a  cicatrização  acontece  o  material  de  síntese  tem   sua  função  subs=tuída   A  função  de  uma  não  deve  terminar  antes  que  a  outra  esteja  em   pleno  curso  
  4. 4. Agulhas   São  u=lizadas  na  reconstrução,  com  a  finalidade  de   transfixar,  servindo  de  guia  aos  fios  de  sutura   Vários  tamanhos  e  formatos   Agulhas:   • Cilindricas  x  cortantes   • Retas  x  curvas  
  5. 5. Agulhas   Três  partes:   • Ponta   • Corpo   • Fundo  ou  olho  
  6. 6. Agulhas   Agulhas  TRAÚMATICAS  –  Trauma  tecidual   maior  devido  á  diferença  de  diâmetro   entre  a  ponta  e  corpo  da  agulha  e  o  fio   Agulhas  ATRAUMÁTICAS  –  fio  montado   de  mesmo  diâmetro  da  agulha  (oriZcios   de  entrada  e  saída  uniformes)  
  7. 7. Agulhas   O  corte  transversal  do  corpo  da  agulha   apresenta  um  perfil  cilíndrico,  plano  ou   triangular   Ponta  –  Cortante,  romba  ou  plana  
  8. 8. Agulhas   Combinação  –  capacidade  de  ultrapassar  os  tecidos,  causando  o   mpinimo  de  lesão  tecidual   Tecidos  densos  (pele)  –  agulha  triangular  com  ponta  cortante   Estruturas  delicadas  (artéria)  –  agulhas  cilíndricas  com  ponta   romba  
  9. 9. Agulhas   Agulhas  retas   • Pondem  ser  cilíndricas  ou  cortantes   • U=lizadas  principalmente  na  reconstrução  de   víceras  ocas,  tendões,  nervos  e  suturas   intradérmicas.   • Segurada  com  3  dedos  (polegar,  indicador  e   médio)   • Sen=do  horizontal,  da  borda  próxima  á  mais   distante  
  10. 10. Agulhas   Agulhas  curvas   • Cilíndricas  ou  cortantes   • Raio  de  curvatura  pe  variável,  adaptando-­‐se   a  cada  =po  de  síntese,  em  tamanho   adequado   • Porta  agulhas   • Transpassada  da  borda  mais  próxima  á  mais   distante  
  11. 11. Agulhas   Agulhas  curvas   • Frações  de  um  círculo   • Um  quarto  de  círculo   • TrÊs  oitavos   • Semi-­‐círculo  –  sutura  intes=nal   • Cinco  oitavos  de  círculo  –  urologia   • Três  quartos  de  circulo   • Semi-­‐reta  -­‐  pele  
  12. 12. Seleção  da  agulha   Fatores   • Acessibilidade  do  tecido  a  ser  suturado   • Tipo  do  tecido   • Intes=no  delgado  –  agulha  cilíndrica   • Pele  –  agulha  triangular  cortante   • Diâmetro  do  fio  de  sutura  
  13. 13. Fios   Caracteris=cas   • Configuração   • Capilaridade   • Pilosidade   • Diâmetro   • Elas=cidade   • Memória   • Maleabilidade   • Força  de  resistência  a  tração  sobre  o  nó  cirúrgico   • Absoção    
  14. 14. Fios   Caracterís=cas  do  fio  IDEAL   • Manutenção  da  força  tênsil  por  tempo  suficiente   • Porta-­‐se  como  material  inerte,  provocando  o  mínimo  de   reação  tecidual   • Alta  resistência  a  tração  e  torção   • Calibre  pequeno  e  regular   • Maior  flexibilidade  e  pequena  elas=cidade   • Facilidade  de  esterilização   • Inexistencia  de  reação  tecidual   • Baixo  custo  
  15. 15. Fios   Escolha  do  fio  –  composição  do  fio  e  =po  do  tecido   Espessura  é  dada  por  seu  diâmetro  interno,  em  décimos   de  milímetro   A  escala  é  crescente  
  16. 16. Fios   Os  fios  são  geralmente   classificados  em:   • Absorvíveis  X  Não  absorvíveis   • Orgânicos  X  Sinté=cos  X  Minerais   • Monofilamentares  X   Mul=filamentares  
  17. 17. Fios   Absorvíveis   • São  aqueles  que  sofrem  degradação  e   rapidamente  perdem  sua  tensão  de   es=ramento  até  60  dias   Não  Absorvíveis   • São  aqueles  que  retêm  a  força  de  tensão   por  mais  de  60  dias  
  18. 18. Fios  Absorvíveis   Categute   • Mul=filamentar   • Submucosa  de  intes=no  delgado  de   ovelhas  ou  serosa  de  bovinos   • Simples  –  absorção  mais  rápida  (8  dias)   • Cromados  –  Absorção  mais  lenta  (20   dias)  
  19. 19. Fios  Absorvíveis   Categute   • Alta  permeabilidade  –  não  deve  ser   u=lizado  em  suturas  superficiais   • Corpo  estranho  –  reação  inflamatória   intensa  ao  seu  redor   • Anastomoses  intes=nais,  ligadura  vasos   do  subcutâneo,  cirurgias  ginecológicas  
  20. 20. Fios  Absorvíveis   Àcido  Poliglicólico  (Dexon)   • Sinté=co  –  polimerização  do  ácido  glicólico   • Mul=filamentado   • Resistência  tênsil  maoir  do  que  o  categute   • Reabsorção  por  hidrólise  entre  90  e  120  dias   –  resistência  tênsil  se  perde  em  3  semanas   • Pouca  reação  inflamatória   • Músculos,  fácias,  tecido  celular  subcutâneo  
  21. 21. Fios  Absorvíveis   Àcido  Poligalá=co     Poliglac=na  910  (Vicryl)   • Sinté=co   • Mais  hidrofóbico  e  resistente  que  o  poliglicólico   • Hidrólise  em  60  a  90  dias   • Cirurgias  gastrointes=nais,  urológicas,   ginecológicas,  onalmológicas  
  22. 22. Fios  Absorvíveis   Polidioxanona  (PDS)   • Sinté=co   • Monofilamentado   • Grande  flexibilidade   • Absorção  lenta  –  resistência  tênsil  por  longo   período   • Sutura  de  tendões,  cápsulas  ar=culares,   fechamento  de  parede  abdominal  
  23. 23. Fios  Não  Absorvíveis   Seda   • Mul=filamentar  –  fibras  retorsidas  ou   trançadas   • Tratado  com  polibu=lato   • Nós  firmes   • Degradado  ao  longo  dos  anos,  perdendo   resistência  tênsil   • Reação  de  corpo  estranho  
  24. 24. Fios  Não  Absorvíveis   Algodão   • Mul=filamentar   • Maleável   • Nó  forte   • Reação  de  corpo  estranho  
  25. 25. Fios  Não  Absorvíveis   Poliéster   • Sinté=co   • Mul=filamentado   • Resistente   • Grande  durabilidade   • Sutura  de  aponeuroses,  tndões   • Sem  cobertura  –  mersilene,  surgilene   • Cobertura  de  polibi=lato  (Ethibond)  ou  teflon  (Tevdek)   • Vários  seminós  para  fixação  segura   • Pouca  reação  inflamatória  
  26. 26. Fios  Não  Absorvíveis   Nylon   • Elas=cidade   • Resistência  á  água   • Mono  ou  mul=filamentado   • Pouca  reação  inflamatória   • Alta  memória  –  diZcil  de  manipular   • Vários  seminós   • Perde  resistência  tênsil  com  o  tempo  –  degradado  e   absorvido  em  2  anos   • Sutura  de  pele,  aponeurose  
  27. 27. Fios  Não  Absorvíveis   Polipropileno     (Prolene)   • Sinté=co   • Monofilamentado   • Pouca  reação  tecidual   • Resistência  têncil  por  vários  anos   • Sutura  vascular,  intradérmica  
  28. 28. Fios  Não  Absorvíveis   Fios  Metálicos   • Aço  inoxidável   • Vantagens:  pouca  reação  tecidual,   maior  segurança  nos  nós,  não  perde   força  tênsil   • Desvantagens:  diZcil  manuseio,   diâmetro,  trauma  a  tecidos  vizinhos  
  29. 29. Nós  Cirúrgicos   Entrelaçamento  das  extremidades  de  um  fio,  formando   uma  alça,  para  comprimir,  ligar  ou  aproximar  estruturas   ou  bordas  de  estruturas   Tem  que  ser  rápido  e  fácil   Evitar  que  o  fio  entrelaçado  se  solte  -­‐  afrouxamento  
  30. 30. Nós  Cirúrgicos   Contribuem  para  afrouxamento   do  nó:   • Tipo  de  nó   • Treinamento  do  cirurgião   • Grau  de  tensão  dos  tecidos  a  serem   suturados   • Natureza  do  fio  
  31. 31. Nós  Cirúrgicos   Nó  básico:   • Primeira  laçada  (seminó)  –  Contenção   • Segunda  laçada  (seminó)  –  Fixação   (impede  que  o  primeiro  se  afrouxe)   • Terceira  laçada  (seminó)  –  Segurança   • Quarto,  quinto,  etc  –  quando  necessário   para  maior  segurança  
  32. 32. Nós  Cirúrgicos   Cada  laçada  deve  ser  realizada  em  sen=do  oposto  ao  da   anterior,  para  aumentar  o  atrito  e  evitar  que  o  nó  se   afrouxe  (nó  quadrado  –  an=deslizante)   Laçadas  no  mesmo  sen=do  –  nó  deslizante  (afrouxamento)   Fios  sinté=cos  monofilamentares  (nylon,  polipropileno)  –   tendem  a  se  afrouxar,  necessário  varios  seminós  
  33. 33. Nós  Cirúrgicos   Nós   corrediços  
  34. 34. Nós  Cirúrgicos   Princípios  técnicos:   • Movimentos  iguais  das  mãos   (opostas)  executam  um  nó  quadrado   • A  ponta  do  fio  que  muda  de  lado  após   a  execução  do  primeiro  seminó  deve   voltar  ao  lado  inicial  para  realizar  o   proximo  seminó  
  35. 35. Nós  Cirúrgicos   Nós  em  sen=dos   opostos  
  36. 36. Nós  Cirúrgicos   Quando  há  tensão:   • Seminó  duplo  (nó  de  cirurgião)   • Porta-­‐agulha  como  trava  (1o  assistente)   • Manter  o  nó  tracionado  entre  o  primeiro   e  o  segundo  seminós  (nó  de  sapateiro)   • Risco  de  o  fio  rasgar  o  tecido  se  muito   tracionado  
  37. 37. Nós  Cirúrgicos   Primeiro  seminó   duplo  (nó  de   cirurgião)  
  38. 38. Nós  Cirúrgicos   Podem  ser  realizados   com  as  mãos,  com   instrumentos  ou  de   forma  mista  
  39. 39. Nós  Cirúrgicos   Nó  misto  
  40. 40. Nós  Cirúrgicos   Nó  misto  
  41. 41. Nós  Cirúrgicos   Nó  misto  
  42. 42. Nós  Cirúrgicos   Nó  misto  
  43. 43. Nós  Cirúrgicos   Seminó  
  44. 44. Nós  Cirúrgicos   Nó  levado   com  a  ponta   do  indicador  
  45. 45. Nós  Cirúrgicos   Dedos  em   direções   opostas  
  46. 46. Nós  Cirúrgicos   Dedos  em   direções  opostas   e  sem  tracionar   a  estrutura  
  47. 47. Nós  Cirúrgicos   Fios   inver=dos  
  48. 48. Nós  Cirúrgicos   Nó   manual   Pouchet  
  49. 49. Nós  Cirúrgicos   Nó   manual   Pouchet  
  50. 50. Nós  Cirúrgicos   Nó   manual   Pouchet  
  51. 51. Nós  Cirúrgicos   Nó   manual   Pouchet  
  52. 52. Nós  Cirúrgicos   Nó   manual   Pouchet  
  53. 53. Nós  Cirúrgicos   Nó  de   Sapateiro  
  54. 54. Nós  Cirúrgicos   Nó  de   Sapateiro  
  55. 55. Nós  Cirúrgicos   Nó  de   Sapateiro  
  56. 56. Nós  Cirúrgicos   Nó  de   Sapateiro  
  57. 57. Nós  Cirúrgicos   Nó  de   Sapateiro  
  58. 58. Sutura   Para  uma  boa  sutura   • An=-­‐sepsia  e  assepsia  corretas   • União  de  tecidos  de  mesma  natureza,  de  acordo  com  os   diferentes  planos   • Hemostasia  adequada   • Abolição  dos  espaços  mortos   • Lábio  ou  bordas  da  ferida  limpos  e  bem  coaptados   • Ausência  de  corpos  estranhos  ou  de  tecidos  desvitalizados   • Emprego  de  suturas  e  fios  adequados,  realizados  com   técnica  apropriada  
  59. 59. Sutura   • Vantagens:   • O  afrouxamento  de  um  nó,  ou  a  sua  soltura,  não   intere  no  restante  da  sutura   • Há  menor  quan=dade  de  corpo  estranho  no  interior   do  ferimento  cirúrgico   • Os  pontos  são  menos  isquemiantes  do  que  na  sutura   conrnua   • Desvantagens:   • Mais  trabalhosa   • Mais  demorada   Sutura  em  pontos  separados  
  60. 60. Sutura   • Tipos   • Com  pontos  simples   • Com  pontos  simples,  nó  para  o  interior  da  ferida   • Ponto  em  “U”  horizontal  (Wolff)   • Ponto  em  “U”  ver=val   • Ponto  em  “X”  horizontal  (Sultan)   • Ponto  em  “X”  horizontal  com  nó  para  o  interior  da   ferida   Sutura  em  pontos  Separados-­‐Interrompidos  
  61. 61. Sutura  Sutura  em   pontos   Separados  ou   Interrompidos  
  62. 62. Sutura   • Tipos:   • Donaw   • Grandes  aproximações   • A  primeira  passagem  é  realizada  a  5mm  das  duas   bordas  da  ferida,  a  segunda  passagem  (a  volta)  é  feita   a  2-­‐3mm  das  bordas  da  ferida   • Maior  resistência   Sutura  em  pontos  Separados-­‐Interrompidos  
  63. 63. Sutura   Sutura  em   pontos   Separados  ou   Interrompidos  
  64. 64. Sutura   • Nó  inicial  -­‐  sutura  -­‐  nó  terminal     • Vantagens:   • Mais  rápida   • Hemostá=ca   • Desvantagens:   • Afrouxamento  ou  soltura  de  um  nó  elimina  a   força  da  sutura   • Isquêmico   Sutura  Conrnua  
  65. 65. Sutura   • Tipos     • Chuleio  simples   • Chuleio  ancorado   • Sutura  em  barra  grega   • Intradérmica     Sutura  Conrnua  
  66. 66. Sutura   Chuleio   Simples  
  67. 67. Sutura   Chuleio   Ancorado  
  68. 68. Sutura   Barra   Grega  
  69. 69. Sutura   Sutura  com  Grampeadores   • Grampos  metálicos   • Diferentes  formatos  de  grampeadores   –  diferentes  locais  e  tecidos   • Síntese  adequada,  rápida,  segura,   homogênea,  com  pequena  reação   tecidual  
  70. 70. Sutura   Sutura  com   grampeadores   endoluminal  
  71. 71. Sutura   Sutura  com   grampeadores   pele  
  72. 72. Suturas   Sutura   Grampeador   Laparoscópico  
  73. 73. Suturas   Sutura   Manual   Laparoscópica  
  74. 74. Fim  

×