Deficiência física - Capacitação 2011

11.032 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.032
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.052
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
303
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Deficiência física - Capacitação 2011

  1. 1. Instituto Municipal Helena Antipoff IHA/SME Rio de Janeiro
  2. 3. Chegando à escola... <ul><li>Conceitos afins / Sinônimos </li></ul><ul><li>Conceitos interligados </li></ul><ul><li>Ambientes acessíveis </li></ul><ul><li>Desenho Universal </li></ul><ul><li>Acessibilidade espacial </li></ul>
  3. 4. Acessibilidade (símbolo)
  4. 5. Desenho Universal
  5. 6. MANUAL DE ACESSIBILIDADE ESPACIAL PARA ESCOLAS: O direito à escola acessível! <ul><li>Capa da publicação, de agosto de 2009, Manual de Acessibilidade Espacial </li></ul>
  6. 10. Nas tarefas escolares <ul><li>Primeiras ações: O que fazer em algumas situações iniciais? </li></ul>
  7. 11. Chegando à sala de aula... <ul><li>É preciso observar alguns aspectos no contato com o aluno em sala de aula. Fique atento a: </li></ul><ul><li>  Como o aluno interage na sala de aula : se fala de forma clara ou com dificuldade, se não consegue falar e opta por comunicar-se apontando ou dirigindo o olhar para o que deseja. </li></ul><ul><li>Como o aluno escreve ou desenha : se com lápis comum ou se apresenta dificuldade em utilizar materiais convencionais da sala de aula. O tamanho de letra e o espaçamento entre palavras e frases. </li></ul>
  8. 12. <ul><li>A folha que o aluno usa para fazer as atividades cai no chão ou não para no lugar? Está difícil segurar no </li></ul><ul><li>lápis para escrever? </li></ul><ul><li>  Prender a folha com fita adesiva nos cantos para fixá-la a mesa; </li></ul><ul><li>Usar uma prancheta; </li></ul><ul><li>Usar aranha-mola; </li></ul><ul><li>Dê-lhe a opção de responder oralmente; </li></ul><ul><li>Optar por um escriba (colega de turma ou professor). </li></ul>Uso de lápis com aranha mola Uso de prancheta
  9. 13. <ul><li>Optar por folha de atividade com fonte de tamanho maior e impressa em A3; </li></ul><ul><li>Ampliar o espaçamento entre frases e palavras nos exercícios; </li></ul><ul><li>Verificar a possibilidade de usar caneta grossa Pilot </li></ul><ul><li>Fracionar os exercícios em mais de uma folha; </li></ul>Uso de caneta hidrocor grossa Pilot
  10. 14. Outro aspecto a considerar: a adequação do mobiliário escolar e da postura <ul><li>Se a cadeira de rodas se encaixa na carteira escolar; </li></ul><ul><li>Se o mobiliário é desproporcional; </li></ul><ul><li>Se o aluno escorrega de sua cadeira ou não consegue manter os pés apoiados. </li></ul>Mobiliário escolar com almofada de assento e encosto anatômico com apoio de pés Mesa em U (madeira ou papelão)
  11. 16. Tecnologia Assistiva <ul><li>Conceitos afins / Sinônimos </li></ul><ul><li>Conceitos interligados </li></ul><ul><li>Tecnologia assistiva </li></ul><ul><li>Ajudas técnicas </li></ul><ul><li>Tecnologia de apoio </li></ul><ul><li>Recursos Adaptados </li></ul>
  12. 17. Tecnologia assistiva - conceito brasileiro www.mj.gov.br/sedh/ct/corde/dpdh/corde/principal.asp <ul><li>  Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência – CORDE é o órgão de Assessoria da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República </li></ul><ul><li>Possui Comitê de Ajudas Técnicas – CAT </li></ul><ul><li>O conceito apresentado pela Comissão: “Tecnologia Assistiva é uma área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação, de pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida, visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social.” (CORDE – Comitê de Ajudas Técnicas – ATA VII, 2007) </li></ul>
  13. 18. INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA ASSISTIVA Rita Bersch <ul><li>“ Tecnologia Assistiva – TA é um termo ainda novo, utilizado para identificar todo o arsenal de recursos e serviços que contribuem para proporcionar ou ampliar habilidades funcionais de pessoas com deficiência e conseqüentemente promover vida independente e inclusão ”(BERSCH, 2008), </li></ul><ul><li>“ Para as pessoas sem deficiência, a tecnologia torna as coisas mais fáceis. Para as pessoas com deficiência, a tecnologia torna as coisas possíveis (RADABAUGH, 1993).” </li></ul>
  14. 19. <ul><li>Dialogando... </li></ul><ul><li>Inicialmente, o termo TA focaliza as ajudas por meio de técnicas/tecnologia que visam superar limitações localizadas num corpo deficiente. </li></ul><ul><li>Atualmente, o termo TA sinaliza extrapolar o entendimento de produto para superar limitações do corpo e agrega outras atribuições como: estratégias, serviços e práticas que favorecem o desenvolvimento de habilidades de pessoas com d Eficiência ; barreiras e/ou oportunidades se referem as interações entre biológico e social , corpo e ambiente. </li></ul>INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA ASSISTIVA
  15. 20. Categorias de tecnologia assistiva Rita Bersch http://www.assistiva.com.br/
  16. 21. Categorias de tecnologia assistiva Rita Bersch http://www.assistiva.com.br/
  17. 22. Nas tarefas escolares <ul><li>Aprofundando ações: a criação de materiais e de estratégias de auxílio são possíveis? </li></ul>
  18. 23. <ul><li>O aluno não possui precisão do movimento de pinça? </li></ul><ul><li>Substituir objetos pequenos por maiores e aproximar objetos ao alcance do aluno; </li></ul><ul><li>Usar objetos, figuras, letras e números com imã para que o aluno arraste sobre placa imantada; </li></ul><ul><li>Prender objetos, figuras, letras e números com velcro em uma placa com tiras (de velcro) como se fossem linhas para prendê-los. </li></ul><ul><li>Usar luvas ou dedal com velcro ou imã. </li></ul>Peças imantadas em plano inclinado
  19. 24. Como ajudar o aluno que não consegue segurar o lápis, escreve com dificuldade, possui movimentos incoordenados ou copia mais lentamente que os outros amigos? <ul><li>CARBONO (para um amigo copiar a matéria) </li></ul><ul><li>GRAVADOR (para gravar o necessário na aula) </li></ul><ul><li>MÁQUINA ELÉTRICA OU COMPUTADOR (para agilizar a escrita não-convencional a lápis) </li></ul><ul><li>CADERNO DE PAUTA AMPLIADA (para escrita mais confortável se o aluno necessita fazer uma letra maior que o possível na pauta convecional) </li></ul><ul><li>LÁPIS ENGROSSADO COM ESPUMA OU FITA GOMADA/ADESIVA </li></ul>
  20. 25. <ul><li>LETRAS/PALAVRAS MÓVEIS DE MADEIRA, EMBORRACHADAS OU DE PAPEL, COLADAS EM CAIXAS (para facilitar o manuseio e acelerar as respostas e a produção de textos) </li></ul>
  21. 26. <ul><li>Será necessária a avaliação e discussão com terapeuta ocupacional, fisioterapeuta, para experimentação de algumas possibilidades </li></ul><ul><li>Aranha-mola Engrossador de espuma Órteses Adaptadores </li></ul>Não consegue segurar o lápis e outros objetos (ou segura com dificuldade):
  22. 27. Brinquedo adaptado (uso de acionador)
  23. 28. <ul><li>P ara as crianças e jovens que não apresentam habilidades motoras para a escrita serão necessários outros recursos para facilitar seu processo escolar. </li></ul>Letras emborrachadas em foto da pesquisadora Miryam Pelosi Não segura o lápis
  24. 29. <ul><li>Letras/ palavras e frases confeccionadas em papelão </li></ul><ul><li>Livro didático respostas das perguntas recortadas e coladas nas lacunas </li></ul><ul><li>Atividades de múltipla escolha </li></ul><ul><li>Máquina elétrica / computador / uso colméia acrílico / teclados alternativos </li></ul>
  25. 30. Ele não usa tesoura? <ul><li>Agrupar o aluno com um colega para realizarem o exercício coletivamente; </li></ul><ul><li>Verificar se ele tem possibilidade de rasgar e auxiliá-lo nessa tarefa; </li></ul><ul><li>Verificar se ele pode usar uma tesoura adaptada </li></ul>
  26. 31. Portal de ajudas técnicas Ministério da Educação (MEC) <ul><li>Ao entrar no site MEC, clicar em Educação Especial, a seguir clicar em Catálogo de Publicações , terá disponível para Download uma série de materiais. </li></ul><ul><li>O “ Portal de Ajudas Técnicas ” apresenta recursos à educação de alunos com deficiência: </li></ul><ul><li>Recursos Pedagógicos Adaptados I e II, da Comunicação Alternativa e Recursos de Acessibilidade ao Computador </li></ul>
  27. 32. Portal de ajudas técnicas MEC http://portal.mec.gov.br/seesp/index.php?option=content&task=view&id=64&Itemid=193 <ul><li>Processo de desenvolvimento das ajudas técnicas </li></ul><ul><li>Orientação para os profissionais da educação (por meio de outros profissionais como o AEE, o Terapeuta Ocupacional) </li></ul><ul><li>Objetivo encontrar soluções de objetos que auxiliem o aprendizado de pessoas com necessidades especiais. </li></ul><ul><li>Cada necessidade é única e, portanto, cada caso deve ser estudado com muita atenção </li></ul>
  28. 33. Portal de ajudas técnicas MEC
  29. 35. <ul><li>Alguns capítulos da publicação a seguir também favorecem a discussão sobre ajudas técnicas/ tecnologia assistiva , teorias e métodos explorando o assunto de acordo com a deficiência a ser estudada </li></ul><ul><li>Atendimento Educacional Especializado (Pessoa com surdez, DF, DV) </li></ul>Portal de ajudas técnicas MEC
  30. 36. O que fazer se o aluno dá indícios de cansaço ou demora com a quantidade de atividades apresentadas? <ul><li>Priorizar as atividades de maior relevância ou diminuir a quantidade de exercícios em cada atividade; </li></ul><ul><li>Agrupá-lo com um colega para realizarem o exercício coletivamente; </li></ul><ul><li>Separar as atividades em dias diferentes , oferecendo um tempo maior para completá-las . </li></ul><ul><li>Pedir ajuda da família para terminar alguns exercícios não realizados em aula; </li></ul><ul><li>Fazer fotocópia dos exercícios para o aluno. </li></ul>
  31. 37. Para crianças e jovens que não apresentam a escrita da maneira ou ritmo esperado, recursos simples podem ser adotados para facilitar seu processo escolar: <ul><li>Palavras e frases confeccionadas em papelão ou cartolina formando um vocabulário básico dos assuntos abordados em sala para auxiliar a construção de textos ; </li></ul><ul><li>Livro didático com opções de respostas recortadas para serem selecionadas pelo aluno, e coladas nas lacunas; </li></ul><ul><li>Atividades de múltipla escolha em substituição a atividades discursivas; </li></ul><ul><li>Destacar com marca texto as partes mais significativas do texto ou parágrafos essenciais para serem copiados ou estudados. </li></ul>
  32. 39. <ul><li>A comunicação é considerada alternativa quando o indivíduo não apresenta outra forma de comunicação e, considerada ampliada quando o indivíduo possui alguma comunicação , mas esta não é suficiente para suas trocas sociais. </li></ul>CAA
  33. 40. <ul><li>Em sala de aula os professores se utilizam de CAA quando incluem na rotina da turma objetos reais, fotos ou figuras e símbolos que representam atividades do dia a dia, calendário, janela do tempo dentre outros materiais expostos num mural ou varal de fácil acesso que permite a criança apontar ou mostrar o que deseja mesmo sem o uso da fala. </li></ul>Cartões de atividades (com uso de objetos reais) para o varal coletivo
  34. 41. Passos Básicos de CAA Fichário com pranchas individuais (uso de símbolos gráficos)
  35. 42. <ul><li>Primeiro passo: Buscar/Investigar o sim e o não da criança ou jovem (se por meio de sorriso, do piscar, do enrijecimento do corpo, movimento pequeno da cabeça, sinalização com o pé). </li></ul><ul><li>Segundo passo : Combinar/Convencionar o sistema de comunicação mais adequado e que possibilite o maior número de interações com pessoas e em diferentes espaços, podendo a criança ou jovem se fazer entendido. </li></ul>
  36. 43. Quais os materiais e recursos utilizados na confecção de pranchas de CAA? <ul><li>Opções em Objetos reais – Miniaturas – Objetos parciais </li></ul><ul><li>Sequência de Fotografias – Recortes de fotos de revistas – Embalagens de produtos </li></ul><ul><li>Sequência de Signos – Pictogramas – Símbolos </li></ul>
  37. 44. <ul><li>Objetos reais – Miniaturas - Objetos parciais </li></ul>Criação de pranchas de Comunicação
  38. 45. Quais os tipos de pranchas de CAA? <ul><li>Pranchas de rotina </li></ul><ul><li>Pranchas de horário </li></ul><ul><li>Pranchas de escolha, de opção de atividades </li></ul><ul><li>Prancha de montagem de histórias </li></ul><ul><li>Prancha alfabética </li></ul>
  39. 46. Na confecção de pranchas de...
  40. 47. <ul><li>Possibilita ao não falante fazer escolhas e manifestar-se. </li></ul><ul><li>Seqüência de signos de atividades minimizam a ansiedade do aluno. </li></ul><ul><li>São exemplos de recursos de baixa tecnologia: </li></ul><ul><li>Fotografias /recortes de revistas ou </li></ul><ul><li>embalagem de produtos </li></ul>Para alunos não alfabetizados... Em processo de letramento.
  41. 49. <ul><li>Recursos: </li></ul><ul><li>Símbolos gráficos – Há uma série de símbolos gráficos que foram desenvolvidos para facilitar a comunicação de pessoas com necessidades educacionais especiais.   </li></ul><ul><li>Recortes de revistas ou embalagem de produtos </li></ul>Como saber se compreendeu a história que foi lida para a turma? Prancha de atividades especiais (passeios, aniversários, festas)
  42. 50. <ul><li>O Picture Communication Symbols (PCS) com seus 3000 símbolos possui grande variedade de vocabulário e é encontrado em forma de fichário e como programa de computador. Seus símbolos são encontrados em preto e branco ou coloridos e podem ser reproduzidos para a criação de pranchas de comunicação. Suas figuras são bastante icônicas e facilmente reconhecidas por crianças. </li></ul><ul><li>O programa em forma de computador é o Boardmaker que foi recentemente traduzido para o português e encontra-se já na plataforma Windows. </li></ul>Prancha de atividades escolares
  43. 51. Prancha de montagem de histórias
  44. 52. Prancha de montagem de histórias
  45. 53. <ul><li>Os símbolos a serem colocados nas pranchas de comunicação podem ser escolhidos pela criança ou jovem (pegando, olhando). </li></ul><ul><li>A família é muito importante com os seus relatos de gostos e vivências. </li></ul><ul><li>Partir de textos escritos pela mãe/familiar da criança ou jovem, lendo em voz alta para o mesmo e identificando os gostos, concordâncias e discordâncias por meio de risos, sons e expressões faciais, o apontar... marcando, assim o léxico significativo . </li></ul>Como selecionar símbolos para a prancha de comunicação?
  46. 54. Perguntas (que geram pistas) de como o aluno indicará os símbolos: <ul><li>O aluno tem condições de indicar o signo com autonomia (dedo, mão, pé, cotovelo)? Precisa de prancha inclinada? Precisa de uma ponteira (no queixo, na cabeça)? </li></ul><ul><li>O aluno precisa de interlocutor que aponte os itens em seqüência, e quando o aluno indicar sim de alguma maneira já combinada ou conhecida (sorriso, vocalização, movimento corporal, piscadela) ele mostra o que entendeu e recomeça a varredura, o escaneamento? </li></ul><ul><li>A técnica de varredura exige que o indivíduo tenha uma resposta voluntária e que se busque a consistência e o acordo sobre a sinalização. Como sinaliza as respostas? Pisca os olhos, balança a cabeça, sorri ou emiti um som para mostrar a resposta? </li></ul>
  47. 56. <ul><li>As técnicas de seleção são: seleção direta através do apontar ou olhar ou a varredura . </li></ul><ul><li>Ofereça opções, como piscar os olhos, sorrir, apontar ou outro movimento ou sinal que o aluno costuma dar. </li></ul><ul><li>Combine como o aluno irá responder. A investigação do “sim” e do “não” se dá a partir das pistas que o aluno oferece e que serão confirmadas pelo mesmo (Exemplo: Sendo “não”, vire o rosto; sendo sim, pisque devagar olhando para a figura/ para a resposta). </li></ul>Como o aluno indicará os símbolos?
  48. 58. <ul><li>Comunicadores com voz gravada </li></ul><ul><li>Comunicadores com voz sintetizada </li></ul><ul><li>Computadores – Com o avanço da tecnologia têm surgido novos sistemas de CAA para os alunos com necessidades especiais. </li></ul><ul><li>Crianças que necessitam de programas especiais </li></ul><ul><li>Software Comunique </li></ul><ul><li>http://www.comunicacaoalternativa.com.br </li></ul>Os sistemas de alta tecnologia incluem os comunicadores e os computadores.
  49. 59. <ul><li>órteses colocadas nas mãos ou dedos que facilitam o teclar. </li></ul><ul><li>pulseira de peso para diminuir a incoordenação e outras de faixas para restringir o movimento dos braços. A indicação desses recursos deve ser feita por um terapeuta ocupacional .   </li></ul><ul><li>Crianças que necessitam de adaptação do próprio computador: </li></ul><ul><li>Existem várias adaptações: </li></ul><ul><li>colméia de acrílico </li></ul><ul><li>teclados alternativos </li></ul><ul><li>mouse adaptado </li></ul><ul><li>tela sensível ao toque </li></ul><ul><li>    </li></ul>Formas de acesso ao computador Crianças que necessitam de adaptações em seu próprio corpo:
  50. 60. <ul><li>Prancha alfabética </li></ul><ul><li>Teclados adaptados </li></ul>Para aqueles que usam a escrita com fluência
  51. 61. Acessibilidade Computador | TECNOLOGIA ASSISTIVA A Tecnologia Assistiva em Ambiente Computacional e Telemático na Educação de Alunos com Necessidades Especiais Luciana Lopes Damasceno / Teófilo Alves Galvão Filho http://www.infoesp.net/recursos/recurso1.htm <ul><li>Alguns dos recursos mais úteis e mais facilmente disponíveis , porém muitas vezes ainda desconhecidos, são as &quot; Opções de Acessibilidade &quot; do Windows (Iniciar - Configurações - Painel de Controle - Opções de Acessibilidade). </li></ul>
  52. 62. <ul><li>Por exemplo, um aluno que, por dificuldades de coordenação motora, não consegue utilizar o mouse, mas pode digitar no teclado (o que ocorre com muita freqüência) , tem a solução de configurar o computador, através das Opções de Acessibilidade, para que a parte numérica à direita do teclado realize todos os mesmos comandos na seta do mouse que podem ser realizados pelo próprio mouse . </li></ul>Acessibilidade Computador | TECNOLOGIA ASSISTIVA A Tecnologia Assistiva em Ambiente Computacional e Telemático na Educação de Alunos com Necessidades Especiais Luciana Lopes Damasceno / Teófilo Alves Galvão Filho http://www.infoesp.net/recursos/recurso1.htm
  53. 63. <ul><li>Além do mouse, outras configurações podem ser feitas, como a das &quot; Teclas de Aderência &quot;, a opção de &quot; Alto Contraste na Tela &quot; para pessoas com dificuldades visuais </li></ul>Acessibilidade Computador | TECNOLOGIA ASSISTIVA A Tecnologia Assistiva em Ambiente Computacional e Telemático na Educação de Alunos com Necessidades Especiais Luciana Lopes Damasceno / Teófilo Alves Galvão Filho http://www.infoesp.net/recursos/recurso1.htm
  54. 65. A urgência de mostrar quem sou, o que sei e do que o outro precisa saber para me ajudar a ter autonomia... <ul><li>A fala é um aspecto tão fundamental na nossa sociedade que quem não fala é visto como alguém que também não pensa . </li></ul><ul><li>(REILY, 2004, p 67) </li></ul>
  55. 66. <ul><li>Professora Ana Rita de Paula, PRÊMIO USP DE DIREITOS HUMANOS – 2001 - possui deficiência física, fez um desafio as velhas questões sobre a tão proclamada autonomia. Ana Rita de Paula explicou que autonomia, para ela, significava poder contar com a ajuda de qualquer pessoa, não mais ser ajudado (a) ou compreendido (a) somente/apenas pelos familiares. </li></ul>
  56. 67. Lembre-se <ul><li>Converse com o seu aluno, ofereça ajuda e mostre-lhe que em determinadas situações poderá precisar de ajuda e que pode contar com os profissionais da escola e colegas de turma. </li></ul><ul><li>Combine alguns códigos de comunicação e peça ajuda à família na elaboração desses códigos . Muitas vezes eles já sabem como suas crianças e jovens sinalizam determinadas situações. </li></ul><ul><li>Deixe claro quando não o estiver compreendendo o que deseja comunicar e demonstre que está tentando entendê-lo. </li></ul>
  57. 68. <ul><li>Para conhecer mais sobre a comunicação alternativa e ampliada, o professor pode acessar para download, no site do Ministério da Educação (MEC) http://portal.mec.gov.br/, textos e imagens contidas nas seguintes publicações: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/ajudas_tec.pdf </li></ul><ul><li>Como também pode acessar o site da Terapeuta Ocupacional Especializada em CAA Miryam Pelosi para download de publicações e recursos: http://www.comunicacaoalternativa.com.br/adcaa/ </li></ul>
  58. 69. Bibliografia <ul><li>BERSCH, R. Introdução à tecnologia assistiva. Disponível em: http://www.assistiva.com.br/Introducao%20TA%20Rita%20Bersch.pdf Acesso em: 20 de agosto de 2008. </li></ul><ul><li>PELOSI, M. B. Por uma escola que ensine e não apenas acolha - Recursos e estratégias para inclusão escolar. In: Eduardo José Manzini. (Org.). Inclusão e acessibilidade . Marília: ABPEE, 2006, v., p. 121-132. </li></ul><ul><li>PELOSI, M. B. O papel da comunicação alternativa e ampliada (CAA) na integração das crianças com necessidades educacionais especiais. In : A Comunicação Alternativa e Ampliada nas Escolas do Município do Rio de Janeiro : formação de professores e caracterização dos alunos com necessidades educacionais especiais. Rio de Janeiro: Tese de Mestrado em Educação defendida na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, cap.II, p. 34 – 57, 2000.  </li></ul><ul><li>REILY, L. Recursos pedagógicos: A imagem visual em três dimensões e a imagem em movimento. In: REILY, L. Escola inclusiva : linguagem e mediação. Campinas, SP: Papirus, 2004, cap. 2, p.25- 48. </li></ul><ul><li>REILY, L. Sistemas de comunicação suplementar e alternativa. In: Escola inclusiva : linguagem e mediação. Campinas, SP: Papirus, 2004, cap. 4, p.67- 88. </li></ul>
  59. 70. Agradecimentos <ul><li>Texto produzido pelo Específico de Deficiência Física IHA </li></ul><ul><li>Cristiane Correia Taveira, Deise Alves Rodrigues, Luciana Torres de Araujo, Maristela Conceição Dias Siqueira, Ricardo Micelli Costa </li></ul><ul><li>Fotos acervo </li></ul><ul><li>Materiais produzidos na Oficina Vivencial / Laboratório de Tecnologia Assistiva IHA - Professoras Hilda Gomes, Janaína Larrate, Maristela Siqueira , Vera Val. </li></ul><ul><li>Materiais produzidos por Claudia Alexandra Góes, Cristiane Taveira e Sheila Venância </li></ul><ul><li>Site Miryam Pelosi: http://www.comunicacaoalternativa.com.br </li></ul>

×