SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
LINGUAGEM JURÍDICA
PROFª. MSc. ZILDA M. FANTIN
UNIDADE VII
FATORES DE TEXTUALIDADE E
O ESTUDO DO TEXTO
7.1 CONCEITO DE TEXTO
O termo texto é proveniente de textus,
vinculado ao verbo latino texere com
o sentido de tecer, enlaçar, entrelaçar.
O autor de um texto tece as ideias,
enlaça as palavras e vai construindo
com habilidade um enunciado (oral ou
escrito) capaz de transmitir uma
mensagem, por constituir um todo
significativo com intenção
comunicativa, colocando o emissor
em contato com o receptor.
Texto é também qualquer imagem –
charges, quadrinhos, figuras e
desenhos que transmitem uma
mensagem.
O texto é mais que a soma dos
enunciados que o compõem – sua
produção e compreensão derivam de
uma competência específica do
falante: a competência textual.
O termo texto em sentido amplo é toda
e qualquer manifestação da capacidade
textual do ser humano (uma música,
um filme, uma escultura, um poema
etc.) e, em se tratando de linguagem
verbal, temos o discurso, atividade
comunicativa de um sujeito, numa
situação de comunicação dada,
englobando o conjunto de enunciados
produzidos pelo locutor e o evento de
sua enunciação. Discurso = texto no
sentido restrito.
Pode-se definir texto ou discurso como
ocorrência linguística falada ou escrita,
de qualquer extensão, dotada de
unidade:
 Sociocomunicativa: em uso e tem
papel determinante uma série de
fatores pragmáticos tais como as
intenções do produtor; o jogo de
imagens mentais que cada um dos
interlocutores faz de si, do outro e do
outro com relação a si mesmo e ao
tema do discurso; e o espaço de
perceptibilidade visual e acústica
comum, na comunicação face a face.
 Semântica: precisa ser percebida
pelo recebedor como um todo
significativo, deve ter coerência.
 Formal: porque seus constituintes
linguísticos devem se mostrar
reconhecidamente integrados, de
modo a permitir que ele seja
percebido como um todo coeso.
7.2 FATORES DE TEXTUALIDADE OU
DA CONSTRUÇÃO DO SENTIDO
A linguagem é um processo de
interação social, um processo
discursivo e uma atividade cognitiva
que envolve o autor, o texto e o leitor.
O sentido não está exclusivamente no
autor; nem apenas no texto; ou
somente no leitor, mas está na
interação entre esses elementos. O
objetivo do autor é transformar ideias
em texto. O objetivo do leitor é buscar
respostas para suas perguntas.
Para construir o sentido do texto é
necessário saber: Para quem? Onde
o texto vai circular? Quais as
expectativas de quem vai ler? Que
conhecimentos o leitor tem?
Além disso, o contexto em sentido
estrito (circunstâncias imediatas do
ato do discurso) e o contexto em
sentido lato (determinações
histórico-sociais e ideológicas em
que o discurso é produzido - a
família, a escola, a igreja, o
sindicato, a política, a informação, a
língua) devem ser levados em
consideração.
Há sete princípios ou padrões de
textualidade em que ancoram os
textos e estes são os responsáveis
pela intertextualidade de um
discurso. Textualidade é um
conjunto de características que
fazem com que um texto seja
realmente um texto e não uma
sequência de frases.
É preciso ressaltar que a
coerência é o componente
decisivo da textualidade. A
coerência e a coesão se
relacionam com o material
conceitual linguístico do texto
A intencionalidade, a
aceitabilidade, a
situacionalidade, a
informatividade e a
intertextualidade são centrados
nos usuários e estão
relacionados com os fatores
pragmáticos envolvidos no
processo sociocomunicativo.
7.2.1 Fatores de Textualidade
Centrados no Texto
A coesão é a manifestação
linguística da coerência; advém da
maneira como os conceitos e
relações subjacentes são expressos
na superfície textual.
Constrói-se por meio de
mecanismos gramaticais e lexicais.
Entre os primeiros, encontram-se os
pronomes anafóricos os artigos, a
elipse, a concordância, a correlação
entre os tempos verbais, as
conjunções etc. Entre os
mecanismos lexicais, estão a
reiteração, substituição e
associação.
São cinco mecanismos de coesão:
referência, substituição (nominal,
verbal, frasal); elipse (nominal,
verbal, frasal); conjunção e coesão
lexical (repetição, sinonímia,
hiperonímia, uso de nomes
genéricos, colocação).
A coesão tem a ver com o modo
como o texto está estruturado
semanticamente. É, portanto, um
conceito semântico que se refere às
relações de significados que existem
dentro do texto e fazem dele um
texto e não uma sequência aleatória
de frases”.
“ A coesão é a relação semântica
entre dois elementos do texto, de
modo que um deles tem de ser
interpretado por referência ao outro,
pressupondo-o. Cria entre os
elementos um laço (“tié”). Para eles
há dois tipos de coesão, conforme a
classe de elementos envolvidos:
coesão gramatical (expressa através
da gramática) e a coesão lexical
(expressa através do vocabulário)”.
O texto precisa apresentar também
um certo grau de coerência que
envolve os vários componentes
interpessoais e outras formas de
influência do falante na situação de
fala.
“Um texto é uma passagem do
discurso que é coerente em dois
aspectos: a) em relação ao contexto
de situação, portanto consistente em
registro e b) em relação a si mesmo
e, portanto, coeso.
A coesão é interna (linguística) e a
coerência, externa, pois diz respeito
aos contextos de situação”.
A coerência teria a ver com a “boa
formação” do texto, é algo que se
estabelece na interação, na
interlocução, em uma situação
comunicativa entre dois usuários. É
responsável pelo sentido, deve ser
vista, portanto, como um princípio
de interpretabilidade do texto.
7.2.2 Fatores de Textualidade
Centrados no Usuário
Entre os sete fatores responsáveis
pela textualidade, cinco estão
relacionados ao processo
sociocomunicativo. A
intencionalidade e a aceitabilidade
se referem aos protagonistas do ato
de comunicação.
A intencionalidade concerne ao
empenho do produtor em construir
um discurso coerente, coeso e
capaz de satisfazer os objetivos que
tem em mente em uma determinada
situação comunicativa. A meta pode
ser informar, ou impressionar, ou
alarmar, ou convencer, ou pedir, ou
ofender etc., e é ela que vai orientar
a confecção do texto.
De acordo com Cereja e Magalhães
(1999, p. 18), a intencionalidade
discursiva “[...] são as intenções,
explícitas ou implícitas, existentes
na linguagem dos interlocutores que
participam de uma situação
comunicativa”.
A aceitabilidade relaciona-se ao
recebedor, ao que ele espera: “um
texto coerente coeso, útil e
relevante, capaz de levá-lo a
adquirir conhecimentos ou a
cooperar com os objetivos do
emissor” (COSTA VAL, 1999, p. 11).
A informatividade está relacionada
ao grau de informações que o texto
veicula. Um discurso menos
previsível é mais informativo e se
torna mais interessante para o
recebedor, mas um texto
completamente inusitado pode ser
repudiado por ele, pois não
conseguirá entendê-lo.
Assim, diz Costa Val (1999, p. 14), “O
ideal é o texto se manter num nível
mediano de informatividade, no qual
se alternam ocorrências de
processamento imediato, com
ocorrências de processamento mais
trabalhoso”.
A situacionalidade refere-se à
pertinência do texto em relação ao
contexto.
Diz Costa Val (1999, p. 12): “O
contexto pode, realmente, definir o
sentido do discurso e, orienta tanto
a produção quanto a produção”.
A intertextualidade refere-se às
relações que os textos mantêm
entre si, isto é, um texto cita
outro, por isso a sua
interpretação depende do
conhecimento de outro(s)
texto(s).
Além desses aspectos, outros
fatores são necessários para a
interpretação de um texto: o
conhecimento das formas
discursivas e textuais, inferências,
argumentatividade e focalização,
que têm a ver com os fatores
pragmáticos envolvidos no
processo sociocomunicativo.
Conhecimento das Formas Discursivas
e Textuais: conhecer os gêneros
textuais, como carta, e-mail, blog,
receita de bolo, editorial, anúncio, bula
de remédio, charge, telegrama etc. “[...]
facilita as previsões e os esforços
interpretativos, uma vez que sabemos
o que esperar deles” (ASSUNÇÃO,
2008, p. 31).
Assim também, conhecer os tipos
textuais (descritivo, narrativo etc.)
também contribui para a interpretação.
Pressupostos e Inferências: quando
deduzimos algo que não foi escrito
ou falado, mas que está implícito.
“Os procedimentos de leitura nos
exigem o trânsito não apenas pelos
ditos do texto, mas também pelos
não-ditos, por aquilo que está
implícito, subentendido (já explicado
anteriormente), mas possível de
apreensão”.
Argumentatividade: Defesa dos
pontos de vista, visando a
convencer o interlocutor. Para a
realização de suas intenções, o texto
precisa de argumentos consistentes,
relevantes. São eles – e também as
suas pistas – que orientarão os
enunciados para determinadas
conclusões.
Focalização: Refere-se ao foco
principal da abordagem do
assunto, segundo Assunção
(2008), ou seja, a escolha que o
autor faz para expor o que
pretende, quando reconhecida e
compreendida pelo leitor, ajuda-
o a interpretar o texto.
Enfim, é de fundamental importância
conhecer as pistas do mundo
linguístico e extralinguístico para a
compreensão e interpretação da
diversidade de gêneros textuais que
circulam à nossa volta, condição
para uma interação eficiente e eficaz
com o mundo que nos cerca.
Atividades
XXVI, XXVII, XXVIII, XXIX,
XXX, XXXI, XXXII, XXXIII
“As partes (acusação e defesa) têm
inteira liberdade de interpretar a
prova e de tirar as conclusões que
entenderem; o que não podem é
falsear a verdade, lendo o que não
está escrito” (Baraúna).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A intertextualidade nos comerciais televisivos
A intertextualidade nos comerciais televisivos A intertextualidade nos comerciais televisivos
A intertextualidade nos comerciais televisivos Atitude Digital
 
Português (leitura, interpretação e múltiplas linguagens)
Português (leitura, interpretação e múltiplas linguagens)Português (leitura, interpretação e múltiplas linguagens)
Português (leitura, interpretação e múltiplas linguagens)FelipePereiradaSilva
 
FATORES DA TEXTUALIDADE
FATORES DA TEXTUALIDADEFATORES DA TEXTUALIDADE
FATORES DA TEXTUALIDADEharonheraclio
 
Linguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoLinguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoPré Master
 
Curso básico redação Aula 1 - Texto e Textualidade
Curso básico redação   Aula 1 - Texto e TextualidadeCurso básico redação   Aula 1 - Texto e Textualidade
Curso básico redação Aula 1 - Texto e TextualidadeProfFernandaBraga
 
Texto E Textualidade
Texto E TextualidadeTexto E Textualidade
Texto E Textualidadekerolzinha73
 
Intertextualidade nos anúncios de revista: uma análise dos anúncios da campa...
Intertextualidade nos anúncios de revista: uma análise dos anúncios da  campa...Intertextualidade nos anúncios de revista: uma análise dos anúncios da  campa...
Intertextualidade nos anúncios de revista: uma análise dos anúncios da campa...Atitude Digital
 
O texto as propriedades de um texto
O texto   as propriedades de um textoO texto   as propriedades de um texto
O texto as propriedades de um textoRoberta Scheibe
 
AnáLise D..
AnáLise D..AnáLise D..
AnáLise D..silsame
 
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
AULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTOAULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTO
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTOMarcelo Cordeiro Souza
 
Textualidade e discursividade_(2)
Textualidade e discursividade_(2)Textualidade e discursividade_(2)
Textualidade e discursividade_(2)Lourdes Vinhal
 
Fichamento analise do discurso, orlandi
Fichamento analise do discurso, orlandiFichamento analise do discurso, orlandi
Fichamento analise do discurso, orlandiNome Sobrenome
 

Mais procurados (18)

Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
 
A intertextualidade nos comerciais televisivos
A intertextualidade nos comerciais televisivos A intertextualidade nos comerciais televisivos
A intertextualidade nos comerciais televisivos
 
Português (leitura, interpretação e múltiplas linguagens)
Português (leitura, interpretação e múltiplas linguagens)Português (leitura, interpretação e múltiplas linguagens)
Português (leitura, interpretação e múltiplas linguagens)
 
FATORES DA TEXTUALIDADE
FATORES DA TEXTUALIDADEFATORES DA TEXTUALIDADE
FATORES DA TEXTUALIDADE
 
95046107 cole-4293
95046107 cole-429395046107 cole-4293
95046107 cole-4293
 
Linguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoLinguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E Texto
 
Curso básico redação Aula 1 - Texto e Textualidade
Curso básico redação   Aula 1 - Texto e TextualidadeCurso básico redação   Aula 1 - Texto e Textualidade
Curso básico redação Aula 1 - Texto e Textualidade
 
Texto E Textualidade
Texto E TextualidadeTexto E Textualidade
Texto E Textualidade
 
Intertextualidade nos anúncios de revista: uma análise dos anúncios da campa...
Intertextualidade nos anúncios de revista: uma análise dos anúncios da  campa...Intertextualidade nos anúncios de revista: uma análise dos anúncios da  campa...
Intertextualidade nos anúncios de revista: uma análise dos anúncios da campa...
 
Repensando A Textualidade
Repensando A TextualidadeRepensando A Textualidade
Repensando A Textualidade
 
O texto as propriedades de um texto
O texto   as propriedades de um textoO texto   as propriedades de um texto
O texto as propriedades de um texto
 
AnáLise D..
AnáLise D..AnáLise D..
AnáLise D..
 
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
AULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTOAULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTO
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
 
14. elementos da textualidade nos textos - aula 16
14. elementos da textualidade   nos textos - aula 1614. elementos da textualidade   nos textos - aula 16
14. elementos da textualidade nos textos - aula 16
 
Ferreira e dias_2005
Ferreira e dias_2005Ferreira e dias_2005
Ferreira e dias_2005
 
Slide do vil
Slide do vilSlide do vil
Slide do vil
 
Textualidade e discursividade_(2)
Textualidade e discursividade_(2)Textualidade e discursividade_(2)
Textualidade e discursividade_(2)
 
Fichamento analise do discurso, orlandi
Fichamento analise do discurso, orlandiFichamento analise do discurso, orlandi
Fichamento analise do discurso, orlandi
 

Destaque

Mecanismos de estruturação textual.
Mecanismos de estruturação textual.Mecanismos de estruturação textual.
Mecanismos de estruturação textual.LeYa
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textualCarla Souto
 
Resumen cifras transporte by juan rodriguez 2013
Resumen cifras transporte by juan rodriguez 2013Resumen cifras transporte by juan rodriguez 2013
Resumen cifras transporte by juan rodriguez 2013Juan Ignacio Rodriguez
 
ภาษาไทย1
ภาษาไทย1ภาษาไทย1
ภาษาไทย1krusan03
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 06
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 06FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 06
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 06Jordano Santos Cerqueira
 
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada ao Direito - Aula 03 - Sis...
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada ao Direito - Aula 03 - Sis...D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada ao Direito - Aula 03 - Sis...
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada ao Direito - Aula 03 - Sis...Jordano Santos Cerqueira
 
on wikis, blogs and creative innovation
on wikis, blogs and creative innovation on wikis, blogs and creative innovation
on wikis, blogs and creative innovation vivi_and
 
Função Normativa e Agências Reguladoras: Uma Contribuição da Teoria dos Siste...
Função Normativa e Agências Reguladoras: Uma Contribuição da Teoria dos Siste...Função Normativa e Agências Reguladoras: Uma Contribuição da Teoria dos Siste...
Função Normativa e Agências Reguladoras: Uma Contribuição da Teoria dos Siste...Jordano Santos Cerqueira
 
Powerpoint
PowerpointPowerpoint
Powerpointkrusan03
 
O FENÔMENO DOS REFUGIADOS HAITIANOS NO MUNICÍPIO DE LINHARES, ESPÍRITO SANTO,...
O FENÔMENO DOS REFUGIADOS HAITIANOS NO MUNICÍPIO DE LINHARES, ESPÍRITO SANTO,...O FENÔMENO DOS REFUGIADOS HAITIANOS NO MUNICÍPIO DE LINHARES, ESPÍRITO SANTO,...
O FENÔMENO DOS REFUGIADOS HAITIANOS NO MUNICÍPIO DE LINHARES, ESPÍRITO SANTO,...Jordano Santos Cerqueira
 
Direito - 1º Período - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científic...
Direito - 1º Período - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científic...Direito - 1º Período - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científic...
Direito - 1º Período - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científic...Jordano Santos Cerqueira
 
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...Jordano Santos Cerqueira
 
Multimedia in the classroom powerpoint 4
Multimedia in the classroom powerpoint 4Multimedia in the classroom powerpoint 4
Multimedia in the classroom powerpoint 4trittrot2
 
100722 세옹이야기 음악버전
100722 세옹이야기 음악버전100722 세옹이야기 음악버전
100722 세옹이야기 음악버전Hanseong Kim
 
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...Jordano Santos Cerqueira
 
Powerpoint
PowerpointPowerpoint
Powerpointkrusan03
 

Destaque (20)

Leitura e produção
Leitura e produçãoLeitura e produção
Leitura e produção
 
Mecanismos de estruturação textual.
Mecanismos de estruturação textual.Mecanismos de estruturação textual.
Mecanismos de estruturação textual.
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
 
Tarea Fotosnovelas 3
Tarea Fotosnovelas 3Tarea Fotosnovelas 3
Tarea Fotosnovelas 3
 
Captivate 5 user guide
Captivate 5 user guideCaptivate 5 user guide
Captivate 5 user guide
 
Resumen cifras transporte by juan rodriguez 2013
Resumen cifras transporte by juan rodriguez 2013Resumen cifras transporte by juan rodriguez 2013
Resumen cifras transporte by juan rodriguez 2013
 
ภาษาไทย1
ภาษาไทย1ภาษาไทย1
ภาษาไทย1
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 06
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 06FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 06
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 06
 
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada ao Direito - Aula 03 - Sis...
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada ao Direito - Aula 03 - Sis...D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada ao Direito - Aula 03 - Sis...
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada ao Direito - Aula 03 - Sis...
 
on wikis, blogs and creative innovation
on wikis, blogs and creative innovation on wikis, blogs and creative innovation
on wikis, blogs and creative innovation
 
Novo Código de Processo Civil
Novo Código de Processo CivilNovo Código de Processo Civil
Novo Código de Processo Civil
 
Função Normativa e Agências Reguladoras: Uma Contribuição da Teoria dos Siste...
Função Normativa e Agências Reguladoras: Uma Contribuição da Teoria dos Siste...Função Normativa e Agências Reguladoras: Uma Contribuição da Teoria dos Siste...
Função Normativa e Agências Reguladoras: Uma Contribuição da Teoria dos Siste...
 
Powerpoint
PowerpointPowerpoint
Powerpoint
 
O FENÔMENO DOS REFUGIADOS HAITIANOS NO MUNICÍPIO DE LINHARES, ESPÍRITO SANTO,...
O FENÔMENO DOS REFUGIADOS HAITIANOS NO MUNICÍPIO DE LINHARES, ESPÍRITO SANTO,...O FENÔMENO DOS REFUGIADOS HAITIANOS NO MUNICÍPIO DE LINHARES, ESPÍRITO SANTO,...
O FENÔMENO DOS REFUGIADOS HAITIANOS NO MUNICÍPIO DE LINHARES, ESPÍRITO SANTO,...
 
Direito - 1º Período - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científic...
Direito - 1º Período - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científic...Direito - 1º Período - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científic...
Direito - 1º Período - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científic...
 
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
 
Multimedia in the classroom powerpoint 4
Multimedia in the classroom powerpoint 4Multimedia in the classroom powerpoint 4
Multimedia in the classroom powerpoint 4
 
100722 세옹이야기 음악버전
100722 세옹이야기 음악버전100722 세옹이야기 음악버전
100722 세옹이야기 음악버전
 
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
 
Powerpoint
PowerpointPowerpoint
Powerpoint
 

Semelhante a FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 07

Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Ana Camila
 
Princípios da intertextualidade
Princípios da intertextualidadePrincípios da intertextualidade
Princípios da intertextualidadeEdilson A. Souza
 
Avalia+ç+âo em l+ìngua portuguesa saeb
Avalia+ç+âo em l+ìngua portuguesa saebAvalia+ç+âo em l+ìngua portuguesa saeb
Avalia+ç+âo em l+ìngua portuguesa saebUPE
 
Avaliação
 Avaliação Avaliação
AvaliaçãoExPEEL
 
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveiraInterpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveiraElzimar Oliveira
 
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdfAula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdfbertonLopes
 
Texto E Textualidade
Texto E TextualidadeTexto E Textualidade
Texto E Textualidadekerolzinha73
 
Intertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdiceIntertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdiceEdilson A. Souza
 
concepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensinoconcepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensinoNadia Biavati
 
Material oficinas inglês
Material oficinas inglêsMaterial oficinas inglês
Material oficinas inglêsFALE - UFMG
 
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO:CENAS DE CONVERSA(S)COM MALU MATENCIOLETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO:CENAS DE CONVERSA(S)COM MALU MATENCIO
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIOAmábile Piacentine
 

Semelhante a FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 07 (20)

Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
 
Princípios da intertextualidade
Princípios da intertextualidadePrincípios da intertextualidade
Princípios da intertextualidade
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Avalia+ç+âo em l+ìngua portuguesa saeb
Avalia+ç+âo em l+ìngua portuguesa saebAvalia+ç+âo em l+ìngua portuguesa saeb
Avalia+ç+âo em l+ìngua portuguesa saeb
 
Avaliação
 Avaliação Avaliação
Avaliação
 
Planejamento do texto
Planejamento do textoPlanejamento do texto
Planejamento do texto
 
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveiraInterpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
 
Planos textuais
Planos textuaisPlanos textuais
Planos textuais
 
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdfAula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
 
Texto E Textualidade
Texto E TextualidadeTexto E Textualidade
Texto E Textualidade
 
Intertext 1
Intertext 1Intertext 1
Intertext 1
 
Intertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdiceIntertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdice
 
concepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensinoconcepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensino
 
Linguística textual
Linguística textualLinguística textual
Linguística textual
 
Tp5unidade20
Tp5unidade20Tp5unidade20
Tp5unidade20
 
FATORES DE TEXTUALIDADE.ppt
FATORES DE TEXTUALIDADE.pptFATORES DE TEXTUALIDADE.ppt
FATORES DE TEXTUALIDADE.ppt
 
B praticas deleitura
B praticas deleituraB praticas deleitura
B praticas deleitura
 
Material oficinas inglês
Material oficinas inglêsMaterial oficinas inglês
Material oficinas inglês
 
Análise do discurso
Análise do discursoAnálise do discurso
Análise do discurso
 
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO:CENAS DE CONVERSA(S)COM MALU MATENCIOLETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO:CENAS DE CONVERSA(S)COM MALU MATENCIO
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO
 

Mais de Jordano Santos Cerqueira

2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGOJordano Santos Cerqueira
 
Processo penal 05 recursos - rev. criminal
Processo penal 05   recursos - rev. criminalProcesso penal 05   recursos - rev. criminal
Processo penal 05 recursos - rev. criminalJordano Santos Cerqueira
 
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de ConsumoDireito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de ConsumoJordano Santos Cerqueira
 

Mais de Jordano Santos Cerqueira (20)

2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
 
Projeto de Extensão 'Direito na Escola'
Projeto de Extensão 'Direito na Escola'Projeto de Extensão 'Direito na Escola'
Projeto de Extensão 'Direito na Escola'
 
Processo penal ii
Processo penal iiProcesso penal ii
Processo penal ii
 
Processo penal 05 recursos - rev. criminal
Processo penal 05   recursos - rev. criminalProcesso penal 05   recursos - rev. criminal
Processo penal 05 recursos - rev. criminal
 
Processo penal 03 procedimentos
Processo penal 03   procedimentosProcesso penal 03   procedimentos
Processo penal 03 procedimentos
 
Processo penal 01 avisos processuais
Processo penal 01   avisos processuaisProcesso penal 01   avisos processuais
Processo penal 01 avisos processuais
 
Prática Jurídica 01
Prática Jurídica 01Prática Jurídica 01
Prática Jurídica 01
 
Curso Oratória Aristotélica Parte II
Curso Oratória Aristotélica Parte IICurso Oratória Aristotélica Parte II
Curso Oratória Aristotélica Parte II
 
Curso Oratória Aristotélica Parte I
Curso Oratória Aristotélica Parte ICurso Oratória Aristotélica Parte I
Curso Oratória Aristotélica Parte I
 
Direito Ambiental aula 2
Direito Ambiental aula 2Direito Ambiental aula 2
Direito Ambiental aula 2
 
Direito Ambiental aula 3
Direito Ambiental aula 3Direito Ambiental aula 3
Direito Ambiental aula 3
 
Direito Ambiental aula 1
Direito Ambiental aula 1Direito Ambiental aula 1
Direito Ambiental aula 1
 
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de ConsumoDireito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
 
Direito do Consumidor introdução
Direito do Consumidor introduçãoDireito do Consumidor introdução
Direito do Consumidor introdução
 
Função Social da Propriedade
Função Social da PropriedadeFunção Social da Propriedade
Função Social da Propriedade
 
Direito do Consumidor Direitos Básicos
Direito do Consumidor Direitos BásicosDireito do Consumidor Direitos Básicos
Direito do Consumidor Direitos Básicos
 
Precedentes
PrecedentesPrecedentes
Precedentes
 
Internet
InternetInternet
Internet
 
Exercicio recurso extraordinario
Exercicio recurso extraordinarioExercicio recurso extraordinario
Exercicio recurso extraordinario
 
Agravo interno
Agravo internoAgravo interno
Agravo interno
 

Último

A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 

Último (20)

A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 

FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 07

  • 2. UNIDADE VII FATORES DE TEXTUALIDADE E O ESTUDO DO TEXTO
  • 3. 7.1 CONCEITO DE TEXTO O termo texto é proveniente de textus, vinculado ao verbo latino texere com o sentido de tecer, enlaçar, entrelaçar. O autor de um texto tece as ideias, enlaça as palavras e vai construindo com habilidade um enunciado (oral ou escrito) capaz de transmitir uma mensagem, por constituir um todo significativo com intenção comunicativa, colocando o emissor em contato com o receptor.
  • 4. Texto é também qualquer imagem – charges, quadrinhos, figuras e desenhos que transmitem uma mensagem. O texto é mais que a soma dos enunciados que o compõem – sua produção e compreensão derivam de uma competência específica do falante: a competência textual.
  • 5. O termo texto em sentido amplo é toda e qualquer manifestação da capacidade textual do ser humano (uma música, um filme, uma escultura, um poema etc.) e, em se tratando de linguagem verbal, temos o discurso, atividade comunicativa de um sujeito, numa situação de comunicação dada, englobando o conjunto de enunciados produzidos pelo locutor e o evento de sua enunciação. Discurso = texto no sentido restrito.
  • 6. Pode-se definir texto ou discurso como ocorrência linguística falada ou escrita, de qualquer extensão, dotada de unidade:  Sociocomunicativa: em uso e tem papel determinante uma série de fatores pragmáticos tais como as intenções do produtor; o jogo de imagens mentais que cada um dos interlocutores faz de si, do outro e do outro com relação a si mesmo e ao tema do discurso; e o espaço de perceptibilidade visual e acústica comum, na comunicação face a face.
  • 7.  Semântica: precisa ser percebida pelo recebedor como um todo significativo, deve ter coerência.  Formal: porque seus constituintes linguísticos devem se mostrar reconhecidamente integrados, de modo a permitir que ele seja percebido como um todo coeso.
  • 8. 7.2 FATORES DE TEXTUALIDADE OU DA CONSTRUÇÃO DO SENTIDO A linguagem é um processo de interação social, um processo discursivo e uma atividade cognitiva que envolve o autor, o texto e o leitor. O sentido não está exclusivamente no autor; nem apenas no texto; ou somente no leitor, mas está na interação entre esses elementos. O objetivo do autor é transformar ideias em texto. O objetivo do leitor é buscar respostas para suas perguntas.
  • 9. Para construir o sentido do texto é necessário saber: Para quem? Onde o texto vai circular? Quais as expectativas de quem vai ler? Que conhecimentos o leitor tem?
  • 10. Além disso, o contexto em sentido estrito (circunstâncias imediatas do ato do discurso) e o contexto em sentido lato (determinações histórico-sociais e ideológicas em que o discurso é produzido - a família, a escola, a igreja, o sindicato, a política, a informação, a língua) devem ser levados em consideração.
  • 11. Há sete princípios ou padrões de textualidade em que ancoram os textos e estes são os responsáveis pela intertextualidade de um discurso. Textualidade é um conjunto de características que fazem com que um texto seja realmente um texto e não uma sequência de frases.
  • 12. É preciso ressaltar que a coerência é o componente decisivo da textualidade. A coerência e a coesão se relacionam com o material conceitual linguístico do texto
  • 13. A intencionalidade, a aceitabilidade, a situacionalidade, a informatividade e a intertextualidade são centrados nos usuários e estão relacionados com os fatores pragmáticos envolvidos no processo sociocomunicativo.
  • 14. 7.2.1 Fatores de Textualidade Centrados no Texto A coesão é a manifestação linguística da coerência; advém da maneira como os conceitos e relações subjacentes são expressos na superfície textual.
  • 15. Constrói-se por meio de mecanismos gramaticais e lexicais. Entre os primeiros, encontram-se os pronomes anafóricos os artigos, a elipse, a concordância, a correlação entre os tempos verbais, as conjunções etc. Entre os mecanismos lexicais, estão a reiteração, substituição e associação.
  • 16. São cinco mecanismos de coesão: referência, substituição (nominal, verbal, frasal); elipse (nominal, verbal, frasal); conjunção e coesão lexical (repetição, sinonímia, hiperonímia, uso de nomes genéricos, colocação).
  • 17. A coesão tem a ver com o modo como o texto está estruturado semanticamente. É, portanto, um conceito semântico que se refere às relações de significados que existem dentro do texto e fazem dele um texto e não uma sequência aleatória de frases”.
  • 18. “ A coesão é a relação semântica entre dois elementos do texto, de modo que um deles tem de ser interpretado por referência ao outro, pressupondo-o. Cria entre os elementos um laço (“tié”). Para eles há dois tipos de coesão, conforme a classe de elementos envolvidos: coesão gramatical (expressa através da gramática) e a coesão lexical (expressa através do vocabulário)”.
  • 19. O texto precisa apresentar também um certo grau de coerência que envolve os vários componentes interpessoais e outras formas de influência do falante na situação de fala.
  • 20. “Um texto é uma passagem do discurso que é coerente em dois aspectos: a) em relação ao contexto de situação, portanto consistente em registro e b) em relação a si mesmo e, portanto, coeso. A coesão é interna (linguística) e a coerência, externa, pois diz respeito aos contextos de situação”.
  • 21. A coerência teria a ver com a “boa formação” do texto, é algo que se estabelece na interação, na interlocução, em uma situação comunicativa entre dois usuários. É responsável pelo sentido, deve ser vista, portanto, como um princípio de interpretabilidade do texto.
  • 22. 7.2.2 Fatores de Textualidade Centrados no Usuário Entre os sete fatores responsáveis pela textualidade, cinco estão relacionados ao processo sociocomunicativo. A intencionalidade e a aceitabilidade se referem aos protagonistas do ato de comunicação.
  • 23. A intencionalidade concerne ao empenho do produtor em construir um discurso coerente, coeso e capaz de satisfazer os objetivos que tem em mente em uma determinada situação comunicativa. A meta pode ser informar, ou impressionar, ou alarmar, ou convencer, ou pedir, ou ofender etc., e é ela que vai orientar a confecção do texto.
  • 24. De acordo com Cereja e Magalhães (1999, p. 18), a intencionalidade discursiva “[...] são as intenções, explícitas ou implícitas, existentes na linguagem dos interlocutores que participam de uma situação comunicativa”.
  • 25. A aceitabilidade relaciona-se ao recebedor, ao que ele espera: “um texto coerente coeso, útil e relevante, capaz de levá-lo a adquirir conhecimentos ou a cooperar com os objetivos do emissor” (COSTA VAL, 1999, p. 11).
  • 26. A informatividade está relacionada ao grau de informações que o texto veicula. Um discurso menos previsível é mais informativo e se torna mais interessante para o recebedor, mas um texto completamente inusitado pode ser repudiado por ele, pois não conseguirá entendê-lo.
  • 27. Assim, diz Costa Val (1999, p. 14), “O ideal é o texto se manter num nível mediano de informatividade, no qual se alternam ocorrências de processamento imediato, com ocorrências de processamento mais trabalhoso”.
  • 28. A situacionalidade refere-se à pertinência do texto em relação ao contexto. Diz Costa Val (1999, p. 12): “O contexto pode, realmente, definir o sentido do discurso e, orienta tanto a produção quanto a produção”.
  • 29. A intertextualidade refere-se às relações que os textos mantêm entre si, isto é, um texto cita outro, por isso a sua interpretação depende do conhecimento de outro(s) texto(s).
  • 30. Além desses aspectos, outros fatores são necessários para a interpretação de um texto: o conhecimento das formas discursivas e textuais, inferências, argumentatividade e focalização, que têm a ver com os fatores pragmáticos envolvidos no processo sociocomunicativo.
  • 31. Conhecimento das Formas Discursivas e Textuais: conhecer os gêneros textuais, como carta, e-mail, blog, receita de bolo, editorial, anúncio, bula de remédio, charge, telegrama etc. “[...] facilita as previsões e os esforços interpretativos, uma vez que sabemos o que esperar deles” (ASSUNÇÃO, 2008, p. 31). Assim também, conhecer os tipos textuais (descritivo, narrativo etc.) também contribui para a interpretação.
  • 32. Pressupostos e Inferências: quando deduzimos algo que não foi escrito ou falado, mas que está implícito. “Os procedimentos de leitura nos exigem o trânsito não apenas pelos ditos do texto, mas também pelos não-ditos, por aquilo que está implícito, subentendido (já explicado anteriormente), mas possível de apreensão”.
  • 33. Argumentatividade: Defesa dos pontos de vista, visando a convencer o interlocutor. Para a realização de suas intenções, o texto precisa de argumentos consistentes, relevantes. São eles – e também as suas pistas – que orientarão os enunciados para determinadas conclusões.
  • 34. Focalização: Refere-se ao foco principal da abordagem do assunto, segundo Assunção (2008), ou seja, a escolha que o autor faz para expor o que pretende, quando reconhecida e compreendida pelo leitor, ajuda- o a interpretar o texto.
  • 35. Enfim, é de fundamental importância conhecer as pistas do mundo linguístico e extralinguístico para a compreensão e interpretação da diversidade de gêneros textuais que circulam à nossa volta, condição para uma interação eficiente e eficaz com o mundo que nos cerca.
  • 36. Atividades XXVI, XXVII, XXVIII, XXIX, XXX, XXXI, XXXII, XXXIII
  • 37. “As partes (acusação e defesa) têm inteira liberdade de interpretar a prova e de tirar as conclusões que entenderem; o que não podem é falsear a verdade, lendo o que não está escrito” (Baraúna).