SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 66
Baixar para ler offline
Profa. Mestre: Fernanda Rocha
1. Resenha crítica
2. Resumo
3. Fichamento
 Fundamentos básicos das
Normas da ABNT
RESENHA: “trata-se de uma atividade descritiva ou
informativa com o propósito de apresentar a obra com o
maior grau possível de objetividade. A leitura prévia da
obra em sua íntegra é fundamental.
Objetivo: Proporcionar ao leitor os primeiros contatos com
a obra recém publicada, a qual poderá ou não ser de seu
interesse para estudos mais aprofundados. Seus elementos
básicos são:
• Informações básicas da Obra (ABNT)
• Apresentação do(a) autor(a);
• Apresentação de suas obras mais relevantes;
• Descrição sumária da estrutura da obra - divisão em capítulos e
assunto dos capítulos. Se a obra for estrangeira, é útil informar a língua
da versão original e o nome do tradutor (ao tratar de tradução).
• Descrição da obra
Resenha crítica: Sua estrutura apresenta,
normalmente, além dos elementos da resenha
descritiva uma apreciação da obra, que inclui
fatores como julgamento mérito da obra, estilo,
forma e indicação da obra, tudo cientificamente
justificado.
Os requisitos básicos para elaboração de uma
resenha crítica são:
1) conhecimento completo da obra;
2) competência na matéria;
3) independência de juízo, e
4) fidelidade ao pensamento do autor.
Resumo informativo ou analítico:
Reduz o texto a 1/3 ou 1/4 do original, abolindo-se gráficos,
citações, exemplificações abundantes, mantendo-se, porém, as
idéias principais. Não são permitidas as opiniões pessoais do
autor do resumo. Este tipo de resumo deve dispensar a leitura
do texto original para o conhecimento do assunto.
Em sua elaboração, devem-se destacar quanto ao conteúdo:
• O assunto do texto;
• O objetivo do texto;
• A articulação das idéias;
• As conclusões do autor do texto objeto do resumo.
• Deve ser compreensível por si mesmo, isto é, dispensar a consulta ao
original.
 Deve ser redigido em linguagem objetiva, concisa, evitando-se a
enumeração de tópicos e a repetição de frases inteiras do original;
 A ordem em que as idéias ou fatos são apresentados deve ser obedecida;
 Preferencialmente, dever ser escrito na 3ª pessoa do singular.
Resumo Expandido (Congressos)
***Páginas (de acordo com as regras do Evento – 1 a 4 páginas)
1. Título
2. Nome dos autores
3. Afiliação dos autores
4. Área e sub-área do CNPq
5. Palavras-chave
6. Resumo
7. Introdução
8. Materiais e Métodos
9. Resultados e Discussão
10. Conclusões
11. Agradecimentos (opcional)
12. Referências
Fichamento: é uma ferramenta que auxilia a vida
acadêmica. Por ele você poderá destacar ou minimizar a
importância de obras, filmes, palestras, etc.
• Ficha de aula (palestra, seminário, conferencia,
painel)
01. Indicação do tipo de ficha;
02. Nome do(a) autor(a) do fichamento;
03. Data do evento
04. Nome do(a) professor(a)
05. Título ou tema da aula
06. Exposição do conteúdo ministrado
07. Apreciação, crítica, ressalvas, pontos de interesse ou contado com
outras informações, reflexão final sobre algum ponto ou sobre o
conjunto do conteúdo das informações recebidas;
08. Data da realização do fichamento
09. Assinatura do(a) autor(a)
Ficha resumo*
01. Indicação do tipo de ficha;
02. Nome do(a) autor(a) do fichamento;
03. Referencia bibliográfica completa. (+
localização)
04. Conteúdo do resumo (sempre indicando as
páginas em que as ideias podem ser
encontradas)
05. Observações pessoais e/ou comentarios
finais
07. Data da realização do fichamento
08. Assinatura do(a) autor(a)
Ficha bibliográfica
01. Indicação do tipo de ficha;
02. Nome do(a) autor(a) do fichamento;
03. Referencia bibliográfica completa. (+ localização)
04. Exposição do conteúdo da obra
05. Eventuais referencias temáticas cruzadas com
outras fichas
06. Observações pessoais e/ou comentarios finais
07. Data da realização do fichamento
08. Assinatura do(a) autor(a)
Ler “Como se faz uma tese” de Umberto Eco. Capítulo 4: 4.2
Fichas e Apontamentos. Disponível na biblioteca da Faceli.
Referência Bibliográfica Completa...
REFERÊNCIAS
Pessoa Física
Documentos virtuais
X
Documentos disponíveis
na internet
Pagina 24 e 25 ou 32 (Verd.)
 ECO, Umberto. Como se faz uma tese em ciências humanas.
Presença, 1980.
 FRANCELINO, Pedro. Apostila compilada para fins didáticos.
UFPB, 2010. Disponível em
www.cchla.ufpb.br/dlcv/images/pdf/.../resenharesumofichame
nto.doc . Acesso em 26/05/2014
 MEZZAROBA, Orides; MONTEIRO, Cláudia Servilha. : Manual
de metodologia da pesquisa no direito. São Paulo: Saraiva, 2009.
Estrutura do trabalho acadêmico
(p. 50 verm.)
• Elementos pré-textuais
• Elementos textuais
• Elementos pós-textuais
Informações básicas: p. 21 (Verm.)
• Fonte: Arial ou similar
• Tamanho: 12 ou 14 ou 10
• Espaçamento entre linhas: 1,5 ou simples
• Recuo dos parágrafos: Opcional ou 4 cm
• Espaçamento entre parágrafos:
• Alinhamento: Justificado ou à esquerda
• Margens: 3 cm (sup. e esq.) e 2 cm (inf. e dir.)
* Visualização da pagina formatada p. 69 (Verm.)
Notas de rodapé (p. 37 verm.) – exemplos em sala
 Explicativas
 De referências
 Uso de expressões latinas
Sistema de chamada (p. 32 verm.)
Sistema autor-data
 Pelo sobrenome do autor; ou
 Pela instituição responsável pela obra
Sistema numérico
 Somente em textos que não contenham notas
de rodapé (explicativas).
Sistema autor-data
• Pelo sobrenome do autor;
... (FOUCAULT, 1979, p.25) ou Para Foucault (1979, p.25), ....
• Pela instituição responsável pela obra
Em Teatro Aberto (1963), relata-se a emergência do teatro do
absurdo...
A emergência do teatro do absurdo é um dos focos da
divergência entre diretores de peças teatrais americanas
(TEATRO ABERTO, 1963)
* Documentos on line
A responsabilidade fiscal passou a ser preocupação entre os
governos da Argentina e do Brasil (KOPITS; MANOEL, acesso
em 10 jun. 2006) ou Segundo Kopits e Manoel (acesso em 10
jun. 2006)
Citação
• Direta (p. 25 verm.)
(Até 3 linhas e + de 3 linhas)
• Indireta (p. 29 verm.)
Preferível a uma longa citação direta. Paginas é
dispensável.
• Citação da Citação (p. 29 verm.)
Ultimo caso.
Plagio x Chamadas
Citação direta (+ de 3 linhas)
Este papel desempenhado pela instituição é caracterizado
como um processo de manutenção da realidade objetivada,
pois:
As instituições, também, pelo simples fato de existirem, controlam a conduta
humana estabelecendo padrões previamente definidos de conduta, que a
canalizam em uma direção por oposição às muitas outras direções que seriam
teoricamente possíveis. É importante acentuar que este caráter controlador é
inerente à institucionalização enquanto tal, anterior a quaisquer mecanismos de
sansões especificamente estabelecidos para apoiar uma instituição ou
independentes desses mecanismos. Tais mecanismos (cuja soma constitui o que
geralmente se chama de controle social) existem evidentemente em muitas
instituições e em todas as aglomerações de instituições que chamamos de
sociedades. (BERGER E LUCKMAN, 1985, p. 80)
39
Citação direta ( - de 3 linhas)
Para Berger e Luckman (1985, p. 47) este tipo de
acontecimento, ou seja, que se situa fora do dia-a-dia dos
indivíduos “chama a atenção para seu caráter aglutinador de
pessoas, grupos ou categorias sociais.” Sendo assim, é
possível afirmar que...
40
Citação indireta
Sem nos fixarmos nos indivíduos, não
entendemos a dimensão maior que engendra
este ideal, pois são os próprios sujeitos que se
constroem através do constante processo
dialético entre a própria sociedade e eles
(BERGER; LUCKMANN, 1985, p. 73-78).
41
Citação de citação
Para Michel (1915, apud BERGER E LUCKMAN,
1985, p. 41), o dilema central das sociedades
modernas se resume, globalmente, na seguinte
questão “como as instituições que têm por função
produzir as representações, podem ainda garantir
essa função numa sociedade moderna?”.
REFERÊNCIAS
Pessoa Jurídica
Pessoa Física
REFERÊNCIAS
Parte de uma obra (capítulo de livro)
Autor e parte forem os mesmos
REFERÊNCIAS
Parte de uma obra (artigo...)
Periódico (acadêmica ou não)
Jornal
REFERÊNCIAS
Documentos On line
Teses, dissertações...
CONHECIMENTO
Texto base:
“O processo de construção do
conhecimento: uma tarefa maiêutica.”
Por Luiza Maria Werneck
Professora do Instituto de Ciências Humanas da PUC Minas.
OBS: Com exceção das letras das musicas citadas neste material, todo o seu
conteúdo baseia-se ou é parte do texto de Werneck.
Texto base: “O processo de construção do
conhecimento: uma tarefa maiêutica.”
1) Para que serve o conhecimento?
2) Como o conhecimento é adquirido e construído?
3) Quais as diferenças informação e conhecimento?
4) O conhecimento deixa de fluir?
Conhecimento:
Latim cum, grego = νους (nous), latim scit
actionem = quando ou como a mente sabe a
ação. Saber a ação.
Maiêutica:
Criada por Sócrates (Sec. IV a.C.) é o
momento do parto intelectual da procura da
verdade no interior do homem. É o método
que consiste em parir ideias complexas a
partir de perguntas simples e articuladas
dentro de um contexto.
1) Para que serve o conhecimento?
 Para nos diferenciar dos outros seres...
Os animais emitem certas respostas, mas não
perguntam. O ser pensante defini-se pelo
perguntar e não somente pelo responder.
Oito Anos - Adriana Calcanhoto - Dunga / Paula Toller
“Por que você é Flamengo? E meu pai Botafogo?
O que significa "Impávido colosso"? Por que os ossos doem enquanto a
gente dorme?
Por que os dentes caem? Por onde os filhos saem?
Por que os dedos murcham quando estou no banho? Por que as ruas
enchem
quando está chovendo?
Quanto é mil trilhões vezes infinito? Quem é Jesus Cristo?
Onde estão meus primos? Por que o fogo queima? Por que a lua é branca?
Por que a terra roda? Por que deitar agora?
Por que as cobras matam? Por que o vidro embaça?
Por que você se pinta? Por que o tempo passa?
Por que que a gente espirra? Por que as unhas crescem?
Por que o sangue corre? Por que que a gente morre?
Do que é feita a nuvem? Do que é feita a neve?
Como é que se escreve Reveillon ?
2) Como o conhecimento é adquirido e
construído?
 Com conflitos...
 Com ousadia saindo da mesmice do recortar e
colar...
 Com um olhar de primeira vez...
 Com a observação e espera...
 Com a tarefa maiêutica...
3) Quais as diferenças informação e conhecimento?
A cabeça cheia de informações pode ser associada à compactação do
lixo coletado nas grandes cidades. Os caminhões circulam pelas ruas
recolhendo o lixo sem qualquer seleção. Tudo se mistura e vira
entulho posteriormente despejado em algum lugar da natureza, onde
permanece. É melhor ter uma cabeça bem feita do que uma cabeça
cheia.
Mas depois, vem um outro caminhão e recolhe o
material selecionado para ser reciclado; quando
reciclado passa então a ter uma serventia.
4) O conhecimento deixa de fluir?
 “Pensar incomoda como andar na chuva”. Muitas vezes
tendemos a não querer mais conhecer.
 Temos baús interiores; devemos garimpá-los para
compreender o que estamos sendo e em que vamos nos
tornando.
Prefiro ser essa metamorfose ambulante
Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo (2x)
Eu quero dizer agora, o oposto do que eu disse antes
Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo (2x)
Sobre o que é o amor, sobre o que eu nem sei quem sou
Se hoje eu sou estrela amanhã já se apagou
Se hoje eu te odeio amanhã lhe tenho amor
Lhe tenho amor, lhe tenho horror, lhe faço amor, eu sou um ator
É chato chegar a um objetivo num instante
Eu quero viver nessa metamorfose ambulante
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo (2x)
Eu vou lhe desdizer aquilo tudo que eu lhe disse antes
Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante
 Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo
“Metamorfose Ambulante”- Raul Seixas
Religioso Científico Senso Comum
Valorativo
Sistemático
Verificável
Falível
Exato
Tipos de Conhecimento
O Conhecimento Religioso procura explicar a
realidade nos remetendo a uma entidade
superior; tem a função de tranquilizar o ser
humano, fornecendo explicações necessárias
para suas dúvidas existenciais, aos anseios e
destinos.
Também conhecido
como Conhecimento
Popular, o
Conhecimento do Senso
Comum é aquele
produzido socialmente,
comumente valorativo,
válido e confiável dentro
de um determinado
contexto social.
O Conhecimento Científico é
aquele construído através de
determinados procedimentos que
proporcionam condições de
experimentação de suas
hipóteses de forma sistemática,
controlada e objetiva, oferecendo
maior segurança e confiabilidade
nos seus resultados.
Senso comum e a ciência são expressões da mesma
necessidade básica, a necessidade de compreender o
mundo, a fim de viver melhor e sobreviver.
Para aqueles que teriam a tendência de achar que o senso
comum é inferior à ciência, há de se lembrar que por
dezenas de milhares de anos, os homens sobreviveram
sem coisa alguma que se assemelhasse a nossa ciência.
Depois de certa de quatro séculos, desde que surgiu seus
fundadores, curiosamente a ciência está apresentando
serias ameaças a nossa sobrevivência.
(Rubem Alves)
SENSO COMUM X CIÊNCIA
O “homem” médio e o Animal Natural
x
O Cientista e o Animal hipertrofiado
Harmonioso x Caos
Natural x Refinamento
Autônomo
x
Mito (inibe o pensamento e induz o
comportamento)
Tradicional X Filha do Senso Comum
Dona de Casa x ???
(Rubem Alves)
Senso Comum Ciência
O “homem” médio e o Animal O Cientista e o Animal (Hipertrofia)
Harmonioso Caos
Natural Refinamento
Tradicional Filha do Senso Comum
Natureza Hipertrofia
Autônomo Mito (inibe o pensamento e induz o
comportamento)
Dona de Casa ???
(Rubem Alves)
ALVES, Rubem. Filosofia da ciência-
Introdução ao jogo e às suas regras. Edições
Loyola, 2006.
CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São
Paulo: ed. Ártica, 1999.
LAKATOS, Eva M. e MARCONI, Marina A.
Fundamentos de metodologia científica. Convite
à Filosofia. São Paulo: Atlas, 2001.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como Fazer Bibliografia E Nota De Rodapé
Como Fazer Bibliografia E Nota De RodapéComo Fazer Bibliografia E Nota De Rodapé
Como Fazer Bibliografia E Nota De RodapéCatedral de Adoração
 
Como fazer um fichamento
Como fazer um fichamentoComo fazer um fichamento
Como fazer um fichamentoLxa Alx
 
Metodologia científica fichamentos
Metodologia científica   fichamentosMetodologia científica   fichamentos
Metodologia científica fichamentosVitoria Cancelli
 
Referências Bibliográficas
Referências BibliográficasReferências Bibliográficas
Referências BibliográficasCarlos Pinheiro
 
Como fazer citações e referências bibliográficas
Como fazer citações e referências bibliográficasComo fazer citações e referências bibliográficas
Como fazer citações e referências bibliográficasAndré Constantino da Silva
 
Frye northrop_-_anatomia_da_crc3adtica
Frye  northrop_-_anatomia_da_crc3adticaFrye  northrop_-_anatomia_da_crc3adtica
Frye northrop_-_anatomia_da_crc3adticaStefânia Weinert
 
Apresentação abnt citações
Apresentação abnt citaçõesApresentação abnt citações
Apresentação abnt citaçõesDiogo Maxwell
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaAlan
 
Modelo de ficha de leitura
Modelo de ficha de leituraModelo de ficha de leitura
Modelo de ficha de leituraSérgio Lagoa
 
Norma 11 2009 diretrizes citacoes e referencias
Norma 11 2009 diretrizes citacoes e referenciasNorma 11 2009 diretrizes citacoes e referencias
Norma 11 2009 diretrizes citacoes e referenciasJayme Domingo Filho
 
Situação de aprendizagem 2
Situação de aprendizagem 2Situação de aprendizagem 2
Situação de aprendizagem 2230608
 

Mais procurados (20)

Modelo de fichamento
Modelo de fichamentoModelo de fichamento
Modelo de fichamento
 
fichamento-0.pdf
fichamento-0.pdffichamento-0.pdf
fichamento-0.pdf
 
Como Fazer Bibliografia E Nota De Rodapé
Como Fazer Bibliografia E Nota De RodapéComo Fazer Bibliografia E Nota De Rodapé
Como Fazer Bibliografia E Nota De Rodapé
 
Como fazer trabalhos acadêmicos
Como fazer trabalhos acadêmicosComo fazer trabalhos acadêmicos
Como fazer trabalhos acadêmicos
 
Paratextos
ParatextosParatextos
Paratextos
 
Referências
ReferênciasReferências
Referências
 
Paratextos
ParatextosParatextos
Paratextos
 
Como fazer um fichamento
Como fazer um fichamentoComo fazer um fichamento
Como fazer um fichamento
 
13 citações
13 citações13 citações
13 citações
 
Metodologia científica fichamentos
Metodologia científica   fichamentosMetodologia científica   fichamentos
Metodologia científica fichamentos
 
Referências Bibliográficas
Referências BibliográficasReferências Bibliográficas
Referências Bibliográficas
 
Como fazer citações e referências bibliográficas
Como fazer citações e referências bibliográficasComo fazer citações e referências bibliográficas
Como fazer citações e referências bibliográficas
 
Frye northrop_-_anatomia_da_crc3adtica
Frye  northrop_-_anatomia_da_crc3adticaFrye  northrop_-_anatomia_da_crc3adtica
Frye northrop_-_anatomia_da_crc3adtica
 
Apresentação abnt citações
Apresentação abnt citaçõesApresentação abnt citações
Apresentação abnt citações
 
Modelos de trabalhos acadêmicos
Modelos de trabalhos acadêmicosModelos de trabalhos acadêmicos
Modelos de trabalhos acadêmicos
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
Modelo de ficha de leitura
Modelo de ficha de leituraModelo de ficha de leitura
Modelo de ficha de leitura
 
Aula - Guia de Citações (ABNT-UFC)
Aula - Guia de Citações (ABNT-UFC)Aula - Guia de Citações (ABNT-UFC)
Aula - Guia de Citações (ABNT-UFC)
 
Norma 11 2009 diretrizes citacoes e referencias
Norma 11 2009 diretrizes citacoes e referenciasNorma 11 2009 diretrizes citacoes e referencias
Norma 11 2009 diretrizes citacoes e referencias
 
Situação de aprendizagem 2
Situação de aprendizagem 2Situação de aprendizagem 2
Situação de aprendizagem 2
 

Destaque

Pdf ภาษาไทย
Pdf ภาษาไทยPdf ภาษาไทย
Pdf ภาษาไทยkrusan03
 
Jakarta music event Oct 2012, by Mediawave
Jakarta music event Oct 2012, by MediawaveJakarta music event Oct 2012, by Mediawave
Jakarta music event Oct 2012, by MediawaveDwi Wahyono
 
Berburu kendaraan favorit dari sosial media, by Mediawave
Berburu kendaraan favorit dari sosial media, by MediawaveBerburu kendaraan favorit dari sosial media, by Mediawave
Berburu kendaraan favorit dari sosial media, by MediawaveDwi Wahyono
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 12
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 12FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 12
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 12Jordano Santos Cerqueira
 
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada a Administração - Aula 01 ...
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada a Administração - Aula 01 ...D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada a Administração - Aula 01 ...
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada a Administração - Aula 01 ...Jordano Santos Cerqueira
 
Histórico Faceli e Ceamar (por Luciana Romana)
Histórico Faceli e Ceamar (por Luciana Romana)Histórico Faceli e Ceamar (por Luciana Romana)
Histórico Faceli e Ceamar (por Luciana Romana)Jordano Santos Cerqueira
 
Powerpoint
PowerpointPowerpoint
Powerpointkrusan03
 
Powerpoint
PowerpointPowerpoint
Powerpointkrusan03
 
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...Jordano Santos Cerqueira
 
Multimedia in the classroom powerpoint 4
Multimedia in the classroom powerpoint 4Multimedia in the classroom powerpoint 4
Multimedia in the classroom powerpoint 4trittrot2
 
on wikis, blogs and creative innovation
on wikis, blogs and creative innovation on wikis, blogs and creative innovation
on wikis, blogs and creative innovation vivi_and
 
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...Jordano Santos Cerqueira
 
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada ao Direito - Aula 04 - Int...
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada ao Direito - Aula 04 - Int...D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada ao Direito - Aula 04 - Int...
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada ao Direito - Aula 04 - Int...Jordano Santos Cerqueira
 
Resumen cifras transporte by juan rodriguez 2013
Resumen cifras transporte by juan rodriguez 2013Resumen cifras transporte by juan rodriguez 2013
Resumen cifras transporte by juan rodriguez 2013Juan Ignacio Rodriguez
 
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...Jordano Santos Cerqueira
 
Keep multimedia in the classroom powerpoint 5
Keep multimedia in the classroom powerpoint 5Keep multimedia in the classroom powerpoint 5
Keep multimedia in the classroom powerpoint 5trittrot2
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 01
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 01FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 01
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 01Jordano Santos Cerqueira
 

Destaque (20)

Captivate 5 user guide
Captivate 5 user guideCaptivate 5 user guide
Captivate 5 user guide
 
Pdf ภาษาไทย
Pdf ภาษาไทยPdf ภาษาไทย
Pdf ภาษาไทย
 
Jakarta music event Oct 2012, by Mediawave
Jakarta music event Oct 2012, by MediawaveJakarta music event Oct 2012, by Mediawave
Jakarta music event Oct 2012, by Mediawave
 
Berburu kendaraan favorit dari sosial media, by Mediawave
Berburu kendaraan favorit dari sosial media, by MediawaveBerburu kendaraan favorit dari sosial media, by Mediawave
Berburu kendaraan favorit dari sosial media, by Mediawave
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 12
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 12FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 12
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 12
 
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada a Administração - Aula 01 ...
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada a Administração - Aula 01 ...D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada a Administração - Aula 01 ...
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada a Administração - Aula 01 ...
 
Sanwaad presentation
Sanwaad presentationSanwaad presentation
Sanwaad presentation
 
Histórico Faceli e Ceamar (por Luciana Romana)
Histórico Faceli e Ceamar (por Luciana Romana)Histórico Faceli e Ceamar (por Luciana Romana)
Histórico Faceli e Ceamar (por Luciana Romana)
 
Powerpoint
PowerpointPowerpoint
Powerpoint
 
Powerpoint
PowerpointPowerpoint
Powerpoint
 
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
 
Liteputer 2011-en
Liteputer 2011-enLiteputer 2011-en
Liteputer 2011-en
 
Multimedia in the classroom powerpoint 4
Multimedia in the classroom powerpoint 4Multimedia in the classroom powerpoint 4
Multimedia in the classroom powerpoint 4
 
on wikis, blogs and creative innovation
on wikis, blogs and creative innovation on wikis, blogs and creative innovation
on wikis, blogs and creative innovation
 
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
 
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada ao Direito - Aula 04 - Int...
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada ao Direito - Aula 04 - Int...D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada ao Direito - Aula 04 - Int...
D1 - Marcos Rodrigues Saúde - Informática Aplicada ao Direito - Aula 04 - Int...
 
Resumen cifras transporte by juan rodriguez 2013
Resumen cifras transporte by juan rodriguez 2013Resumen cifras transporte by juan rodriguez 2013
Resumen cifras transporte by juan rodriguez 2013
 
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
 
Keep multimedia in the classroom powerpoint 5
Keep multimedia in the classroom powerpoint 5Keep multimedia in the classroom powerpoint 5
Keep multimedia in the classroom powerpoint 5
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 01
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 01FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 01
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 01
 

Semelhante a Direito - 1º Período - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científica - Aula 2 - Regras Técnicas e ABNT até Tipos de Conhecimento

Semelhante a Direito - 1º Período - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científica - Aula 2 - Regras Técnicas e ABNT até Tipos de Conhecimento (20)

Guiao trabalho-de-pesquisa ESSPS
Guiao trabalho-de-pesquisa ESSPSGuiao trabalho-de-pesquisa ESSPS
Guiao trabalho-de-pesquisa ESSPS
 
Guiao trabalho-de-pesquisa ref bib
Guiao trabalho-de-pesquisa ref bibGuiao trabalho-de-pesquisa ref bib
Guiao trabalho-de-pesquisa ref bib
 
A documentação como método de estudo.ppt
A documentação como método de estudo.pptA documentação como método de estudo.ppt
A documentação como método de estudo.ppt
 
Como citar
Como citar Como citar
Como citar
 
Caderno Metodologia de Pesquisa
Caderno Metodologia de PesquisaCaderno Metodologia de Pesquisa
Caderno Metodologia de Pesquisa
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
 
Tipos de textos moderna
Tipos de textos   modernaTipos de textos   moderna
Tipos de textos moderna
 
Fichamento
FichamentoFichamento
Fichamento
 
Citações e referências
Citações e referênciasCitações e referências
Citações e referências
 
Manual de generos_academicos_resenha_fic
Manual de generos_academicos_resenha_ficManual de generos_academicos_resenha_fic
Manual de generos_academicos_resenha_fic
 
ABNT fácil
ABNT fácilABNT fácil
ABNT fácil
 
Texto expositivo resumo..ppt
Texto expositivo resumo..pptTexto expositivo resumo..ppt
Texto expositivo resumo..ppt
 
Modelo de monografia
Modelo de monografiaModelo de monografia
Modelo de monografia
 
Referências bibliográficas e citações
Referências bibliográficas e citaçõesReferências bibliográficas e citações
Referências bibliográficas e citações
 
Apostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fccApostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fcc
 
Fichamento
Fichamento Fichamento
Fichamento
 
D1 - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científica - Aula 2 - Regra...
D1 - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científica - Aula 2 - Regra...D1 - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científica - Aula 2 - Regra...
D1 - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científica - Aula 2 - Regra...
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
Dlp em acao 04 beth 27.03.2012-1
Dlp em acao 04 beth 27.03.2012-1Dlp em acao 04 beth 27.03.2012-1
Dlp em acao 04 beth 27.03.2012-1
 
Fichamento de Texto
Fichamento de TextoFichamento de Texto
Fichamento de Texto
 

Mais de Jordano Santos Cerqueira

2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGOJordano Santos Cerqueira
 
Processo penal 05 recursos - rev. criminal
Processo penal 05   recursos - rev. criminalProcesso penal 05   recursos - rev. criminal
Processo penal 05 recursos - rev. criminalJordano Santos Cerqueira
 
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de ConsumoDireito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de ConsumoJordano Santos Cerqueira
 

Mais de Jordano Santos Cerqueira (20)

2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
 
Projeto de Extensão 'Direito na Escola'
Projeto de Extensão 'Direito na Escola'Projeto de Extensão 'Direito na Escola'
Projeto de Extensão 'Direito na Escola'
 
Processo penal ii
Processo penal iiProcesso penal ii
Processo penal ii
 
Processo penal 05 recursos - rev. criminal
Processo penal 05   recursos - rev. criminalProcesso penal 05   recursos - rev. criminal
Processo penal 05 recursos - rev. criminal
 
Processo penal 03 procedimentos
Processo penal 03   procedimentosProcesso penal 03   procedimentos
Processo penal 03 procedimentos
 
Processo penal 01 avisos processuais
Processo penal 01   avisos processuaisProcesso penal 01   avisos processuais
Processo penal 01 avisos processuais
 
Prática Jurídica 01
Prática Jurídica 01Prática Jurídica 01
Prática Jurídica 01
 
Curso Oratória Aristotélica Parte II
Curso Oratória Aristotélica Parte IICurso Oratória Aristotélica Parte II
Curso Oratória Aristotélica Parte II
 
Curso Oratória Aristotélica Parte I
Curso Oratória Aristotélica Parte ICurso Oratória Aristotélica Parte I
Curso Oratória Aristotélica Parte I
 
Direito Ambiental aula 2
Direito Ambiental aula 2Direito Ambiental aula 2
Direito Ambiental aula 2
 
Direito Ambiental aula 3
Direito Ambiental aula 3Direito Ambiental aula 3
Direito Ambiental aula 3
 
Direito Ambiental aula 1
Direito Ambiental aula 1Direito Ambiental aula 1
Direito Ambiental aula 1
 
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de ConsumoDireito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
 
Direito do Consumidor introdução
Direito do Consumidor introduçãoDireito do Consumidor introdução
Direito do Consumidor introdução
 
Função Social da Propriedade
Função Social da PropriedadeFunção Social da Propriedade
Função Social da Propriedade
 
Direito do Consumidor Direitos Básicos
Direito do Consumidor Direitos BásicosDireito do Consumidor Direitos Básicos
Direito do Consumidor Direitos Básicos
 
Precedentes
PrecedentesPrecedentes
Precedentes
 
Internet
InternetInternet
Internet
 
Exercicio recurso extraordinario
Exercicio recurso extraordinarioExercicio recurso extraordinario
Exercicio recurso extraordinario
 
Agravo interno
Agravo internoAgravo interno
Agravo interno
 

Último

A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 

Último (20)

A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 

Direito - 1º Período - Fernanda Rocha Valim - Introdução a Pesquisa Científica - Aula 2 - Regras Técnicas e ABNT até Tipos de Conhecimento

  • 2. 1. Resenha crítica 2. Resumo 3. Fichamento  Fundamentos básicos das Normas da ABNT
  • 3. RESENHA: “trata-se de uma atividade descritiva ou informativa com o propósito de apresentar a obra com o maior grau possível de objetividade. A leitura prévia da obra em sua íntegra é fundamental. Objetivo: Proporcionar ao leitor os primeiros contatos com a obra recém publicada, a qual poderá ou não ser de seu interesse para estudos mais aprofundados. Seus elementos básicos são: • Informações básicas da Obra (ABNT) • Apresentação do(a) autor(a); • Apresentação de suas obras mais relevantes; • Descrição sumária da estrutura da obra - divisão em capítulos e assunto dos capítulos. Se a obra for estrangeira, é útil informar a língua da versão original e o nome do tradutor (ao tratar de tradução). • Descrição da obra
  • 4. Resenha crítica: Sua estrutura apresenta, normalmente, além dos elementos da resenha descritiva uma apreciação da obra, que inclui fatores como julgamento mérito da obra, estilo, forma e indicação da obra, tudo cientificamente justificado. Os requisitos básicos para elaboração de uma resenha crítica são: 1) conhecimento completo da obra; 2) competência na matéria; 3) independência de juízo, e 4) fidelidade ao pensamento do autor.
  • 5. Resumo informativo ou analítico: Reduz o texto a 1/3 ou 1/4 do original, abolindo-se gráficos, citações, exemplificações abundantes, mantendo-se, porém, as idéias principais. Não são permitidas as opiniões pessoais do autor do resumo. Este tipo de resumo deve dispensar a leitura do texto original para o conhecimento do assunto. Em sua elaboração, devem-se destacar quanto ao conteúdo: • O assunto do texto; • O objetivo do texto; • A articulação das idéias; • As conclusões do autor do texto objeto do resumo. • Deve ser compreensível por si mesmo, isto é, dispensar a consulta ao original.  Deve ser redigido em linguagem objetiva, concisa, evitando-se a enumeração de tópicos e a repetição de frases inteiras do original;  A ordem em que as idéias ou fatos são apresentados deve ser obedecida;  Preferencialmente, dever ser escrito na 3ª pessoa do singular.
  • 6. Resumo Expandido (Congressos) ***Páginas (de acordo com as regras do Evento – 1 a 4 páginas) 1. Título 2. Nome dos autores 3. Afiliação dos autores 4. Área e sub-área do CNPq 5. Palavras-chave 6. Resumo 7. Introdução 8. Materiais e Métodos 9. Resultados e Discussão 10. Conclusões 11. Agradecimentos (opcional) 12. Referências
  • 7. Fichamento: é uma ferramenta que auxilia a vida acadêmica. Por ele você poderá destacar ou minimizar a importância de obras, filmes, palestras, etc. • Ficha de aula (palestra, seminário, conferencia, painel) 01. Indicação do tipo de ficha; 02. Nome do(a) autor(a) do fichamento; 03. Data do evento 04. Nome do(a) professor(a) 05. Título ou tema da aula 06. Exposição do conteúdo ministrado 07. Apreciação, crítica, ressalvas, pontos de interesse ou contado com outras informações, reflexão final sobre algum ponto ou sobre o conjunto do conteúdo das informações recebidas; 08. Data da realização do fichamento 09. Assinatura do(a) autor(a)
  • 8. Ficha resumo* 01. Indicação do tipo de ficha; 02. Nome do(a) autor(a) do fichamento; 03. Referencia bibliográfica completa. (+ localização) 04. Conteúdo do resumo (sempre indicando as páginas em que as ideias podem ser encontradas) 05. Observações pessoais e/ou comentarios finais 07. Data da realização do fichamento 08. Assinatura do(a) autor(a)
  • 9. Ficha bibliográfica 01. Indicação do tipo de ficha; 02. Nome do(a) autor(a) do fichamento; 03. Referencia bibliográfica completa. (+ localização) 04. Exposição do conteúdo da obra 05. Eventuais referencias temáticas cruzadas com outras fichas 06. Observações pessoais e/ou comentarios finais 07. Data da realização do fichamento 08. Assinatura do(a) autor(a) Ler “Como se faz uma tese” de Umberto Eco. Capítulo 4: 4.2 Fichas e Apontamentos. Disponível na biblioteca da Faceli.
  • 11.
  • 12.
  • 15. Pagina 24 e 25 ou 32 (Verd.)
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.  ECO, Umberto. Como se faz uma tese em ciências humanas. Presença, 1980.  FRANCELINO, Pedro. Apostila compilada para fins didáticos. UFPB, 2010. Disponível em www.cchla.ufpb.br/dlcv/images/pdf/.../resenharesumofichame nto.doc . Acesso em 26/05/2014  MEZZAROBA, Orides; MONTEIRO, Cláudia Servilha. : Manual de metodologia da pesquisa no direito. São Paulo: Saraiva, 2009.
  • 33. Estrutura do trabalho acadêmico (p. 50 verm.) • Elementos pré-textuais • Elementos textuais • Elementos pós-textuais
  • 34.
  • 35. Informações básicas: p. 21 (Verm.) • Fonte: Arial ou similar • Tamanho: 12 ou 14 ou 10 • Espaçamento entre linhas: 1,5 ou simples • Recuo dos parágrafos: Opcional ou 4 cm • Espaçamento entre parágrafos: • Alinhamento: Justificado ou à esquerda • Margens: 3 cm (sup. e esq.) e 2 cm (inf. e dir.) * Visualização da pagina formatada p. 69 (Verm.)
  • 36. Notas de rodapé (p. 37 verm.) – exemplos em sala  Explicativas  De referências  Uso de expressões latinas Sistema de chamada (p. 32 verm.) Sistema autor-data  Pelo sobrenome do autor; ou  Pela instituição responsável pela obra Sistema numérico  Somente em textos que não contenham notas de rodapé (explicativas).
  • 37. Sistema autor-data • Pelo sobrenome do autor; ... (FOUCAULT, 1979, p.25) ou Para Foucault (1979, p.25), .... • Pela instituição responsável pela obra Em Teatro Aberto (1963), relata-se a emergência do teatro do absurdo... A emergência do teatro do absurdo é um dos focos da divergência entre diretores de peças teatrais americanas (TEATRO ABERTO, 1963) * Documentos on line A responsabilidade fiscal passou a ser preocupação entre os governos da Argentina e do Brasil (KOPITS; MANOEL, acesso em 10 jun. 2006) ou Segundo Kopits e Manoel (acesso em 10 jun. 2006)
  • 38. Citação • Direta (p. 25 verm.) (Até 3 linhas e + de 3 linhas) • Indireta (p. 29 verm.) Preferível a uma longa citação direta. Paginas é dispensável. • Citação da Citação (p. 29 verm.) Ultimo caso. Plagio x Chamadas
  • 39. Citação direta (+ de 3 linhas) Este papel desempenhado pela instituição é caracterizado como um processo de manutenção da realidade objetivada, pois: As instituições, também, pelo simples fato de existirem, controlam a conduta humana estabelecendo padrões previamente definidos de conduta, que a canalizam em uma direção por oposição às muitas outras direções que seriam teoricamente possíveis. É importante acentuar que este caráter controlador é inerente à institucionalização enquanto tal, anterior a quaisquer mecanismos de sansões especificamente estabelecidos para apoiar uma instituição ou independentes desses mecanismos. Tais mecanismos (cuja soma constitui o que geralmente se chama de controle social) existem evidentemente em muitas instituições e em todas as aglomerações de instituições que chamamos de sociedades. (BERGER E LUCKMAN, 1985, p. 80) 39
  • 40. Citação direta ( - de 3 linhas) Para Berger e Luckman (1985, p. 47) este tipo de acontecimento, ou seja, que se situa fora do dia-a-dia dos indivíduos “chama a atenção para seu caráter aglutinador de pessoas, grupos ou categorias sociais.” Sendo assim, é possível afirmar que... 40
  • 41. Citação indireta Sem nos fixarmos nos indivíduos, não entendemos a dimensão maior que engendra este ideal, pois são os próprios sujeitos que se constroem através do constante processo dialético entre a própria sociedade e eles (BERGER; LUCKMANN, 1985, p. 73-78). 41
  • 42. Citação de citação Para Michel (1915, apud BERGER E LUCKMAN, 1985, p. 41), o dilema central das sociedades modernas se resume, globalmente, na seguinte questão “como as instituições que têm por função produzir as representações, podem ainda garantir essa função numa sociedade moderna?”.
  • 44. REFERÊNCIAS Parte de uma obra (capítulo de livro) Autor e parte forem os mesmos
  • 45. REFERÊNCIAS Parte de uma obra (artigo...) Periódico (acadêmica ou não) Jornal
  • 47.
  • 49. Texto base: “O processo de construção do conhecimento: uma tarefa maiêutica.” Por Luiza Maria Werneck Professora do Instituto de Ciências Humanas da PUC Minas. OBS: Com exceção das letras das musicas citadas neste material, todo o seu conteúdo baseia-se ou é parte do texto de Werneck.
  • 50. Texto base: “O processo de construção do conhecimento: uma tarefa maiêutica.” 1) Para que serve o conhecimento? 2) Como o conhecimento é adquirido e construído? 3) Quais as diferenças informação e conhecimento? 4) O conhecimento deixa de fluir?
  • 51. Conhecimento: Latim cum, grego = νους (nous), latim scit actionem = quando ou como a mente sabe a ação. Saber a ação. Maiêutica: Criada por Sócrates (Sec. IV a.C.) é o momento do parto intelectual da procura da verdade no interior do homem. É o método que consiste em parir ideias complexas a partir de perguntas simples e articuladas dentro de um contexto.
  • 52. 1) Para que serve o conhecimento?  Para nos diferenciar dos outros seres... Os animais emitem certas respostas, mas não perguntam. O ser pensante defini-se pelo perguntar e não somente pelo responder.
  • 53. Oito Anos - Adriana Calcanhoto - Dunga / Paula Toller “Por que você é Flamengo? E meu pai Botafogo? O que significa "Impávido colosso"? Por que os ossos doem enquanto a gente dorme? Por que os dentes caem? Por onde os filhos saem? Por que os dedos murcham quando estou no banho? Por que as ruas enchem quando está chovendo? Quanto é mil trilhões vezes infinito? Quem é Jesus Cristo? Onde estão meus primos? Por que o fogo queima? Por que a lua é branca? Por que a terra roda? Por que deitar agora? Por que as cobras matam? Por que o vidro embaça? Por que você se pinta? Por que o tempo passa? Por que que a gente espirra? Por que as unhas crescem? Por que o sangue corre? Por que que a gente morre? Do que é feita a nuvem? Do que é feita a neve? Como é que se escreve Reveillon ?
  • 54. 2) Como o conhecimento é adquirido e construído?  Com conflitos...  Com ousadia saindo da mesmice do recortar e colar...  Com um olhar de primeira vez...  Com a observação e espera...  Com a tarefa maiêutica...
  • 55. 3) Quais as diferenças informação e conhecimento? A cabeça cheia de informações pode ser associada à compactação do lixo coletado nas grandes cidades. Os caminhões circulam pelas ruas recolhendo o lixo sem qualquer seleção. Tudo se mistura e vira entulho posteriormente despejado em algum lugar da natureza, onde permanece. É melhor ter uma cabeça bem feita do que uma cabeça cheia. Mas depois, vem um outro caminhão e recolhe o material selecionado para ser reciclado; quando reciclado passa então a ter uma serventia.
  • 56. 4) O conhecimento deixa de fluir?  “Pensar incomoda como andar na chuva”. Muitas vezes tendemos a não querer mais conhecer.  Temos baús interiores; devemos garimpá-los para compreender o que estamos sendo e em que vamos nos tornando.
  • 57. Prefiro ser essa metamorfose ambulante Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo (2x) Eu quero dizer agora, o oposto do que eu disse antes Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo (2x) Sobre o que é o amor, sobre o que eu nem sei quem sou Se hoje eu sou estrela amanhã já se apagou Se hoje eu te odeio amanhã lhe tenho amor Lhe tenho amor, lhe tenho horror, lhe faço amor, eu sou um ator É chato chegar a um objetivo num instante Eu quero viver nessa metamorfose ambulante Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo (2x) Eu vou lhe desdizer aquilo tudo que eu lhe disse antes Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante  Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo “Metamorfose Ambulante”- Raul Seixas
  • 58.
  • 59. Religioso Científico Senso Comum Valorativo Sistemático Verificável Falível Exato Tipos de Conhecimento
  • 60. O Conhecimento Religioso procura explicar a realidade nos remetendo a uma entidade superior; tem a função de tranquilizar o ser humano, fornecendo explicações necessárias para suas dúvidas existenciais, aos anseios e destinos.
  • 61. Também conhecido como Conhecimento Popular, o Conhecimento do Senso Comum é aquele produzido socialmente, comumente valorativo, válido e confiável dentro de um determinado contexto social.
  • 62. O Conhecimento Científico é aquele construído através de determinados procedimentos que proporcionam condições de experimentação de suas hipóteses de forma sistemática, controlada e objetiva, oferecendo maior segurança e confiabilidade nos seus resultados.
  • 63. Senso comum e a ciência são expressões da mesma necessidade básica, a necessidade de compreender o mundo, a fim de viver melhor e sobreviver. Para aqueles que teriam a tendência de achar que o senso comum é inferior à ciência, há de se lembrar que por dezenas de milhares de anos, os homens sobreviveram sem coisa alguma que se assemelhasse a nossa ciência. Depois de certa de quatro séculos, desde que surgiu seus fundadores, curiosamente a ciência está apresentando serias ameaças a nossa sobrevivência. (Rubem Alves)
  • 64. SENSO COMUM X CIÊNCIA O “homem” médio e o Animal Natural x O Cientista e o Animal hipertrofiado Harmonioso x Caos Natural x Refinamento Autônomo x Mito (inibe o pensamento e induz o comportamento) Tradicional X Filha do Senso Comum Dona de Casa x ??? (Rubem Alves)
  • 65. Senso Comum Ciência O “homem” médio e o Animal O Cientista e o Animal (Hipertrofia) Harmonioso Caos Natural Refinamento Tradicional Filha do Senso Comum Natureza Hipertrofia Autônomo Mito (inibe o pensamento e induz o comportamento) Dona de Casa ??? (Rubem Alves)
  • 66. ALVES, Rubem. Filosofia da ciência- Introdução ao jogo e às suas regras. Edições Loyola, 2006. CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: ed. Ártica, 1999. LAKATOS, Eva M. e MARCONI, Marina A. Fundamentos de metodologia científica. Convite à Filosofia. São Paulo: Atlas, 2001.