SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Os princípios  da textualidade Organização: Caroline Rodrigues Cardoso - UnB
Um texto é uma unidade de linguagem em uso.
Um texto é uma unidade semântica, constitui um todo significativo.
Um texto tem uma unidade formal, pois apresenta características que lhe dão coesão.
ENTÃO:
TEXTO : ocorrência lingüística falada ou escrita que deve apresentar 3 propriedades básicas:   ,[object Object]
Beaugrande e Dressler (1983) apontam sete fatores de textualidade:
coerência, coesão,  intencionalidade, aceitabilidade, situacionalidade, informatividade e intertextualidade.
é responsável pela unidade semântica, pelo sentido do texto, envolvendo não só aspectos lógicos e semânticos, mas também cognitivos.   A  coerência
é responsável pela unidade formal do texto, que se dá por mecanismos gramaticais e lexicais.   A  coesão
é o empenho do autor em construir um texto coerente, coeso, e que atinja o objetivo que ele tem em mente. Isso diz respeito ao  valor ilocutório  do texto, ou seja, o que o texto pretende falar.   A  intencionalidade
é a expectativa do recebedor de que o texto tenha coerência e coesão, além de lhe ser útil e relevante.  Grice (apud Costa Val: 1991) estabelece estratégias para o autor alcançar aceitabilidade:  cooperação  (para o autor responder às necessidades do recebedor),  qualidade  (autenticidade) e  quantidade  (informatividade).   A  aceitabilidade
diz respeito à pertinência e à relevância do texto no  contexto . Situar o texto é adequá-lo à situação sociocomunicativa.   A  situacionalidade
quanto menos previsível se apresentar o texto, mais informatividade. Tanto a falta quanto o excesso de previsibilidade, de informatividade, são  prejudiciais à aceitação do texto por parte do leitor. Um bom índice de informatividade atende à suficiência de dados.   A  informatividade
concerne aos fatores que fazem a utilização de um texto dependente do conhecimento de outro(s) texto(s). Um texto constrói-se em cima do "já-dito. A  intertextualidade
A produção e a recepção de um texto condicionam-se à  situação  ou à ambiência, ou seja, ao conhecimento circunstancial ou ambiental que motivam os signos e a ambiência em que se inserem, gerando um texto cuja coerência e unidade são suscitados diretamente pelo referente. Contexto
Contexto Percebido em duas dimensões: ,[object Object],[object Object]
Tipos de contextos: ,[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
Do que a terra mais garrida Teus risonhos, lindos campos têm mais flores; “ Nossos bosques têm mais vida” “ Nossa vida”, no teu seio, “mais amores”. (Hino Nacional Brasileiro)   EXERCÍCIO
Nossas flores são mais bonitas nossas frutas mais gostosas mas custam cem mil réis a dúzia. (MENDES, Murilo.  Canção do exílio )  
Nosso céu tem mais estrelas.  Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida,  Nossa vida mais amores.  (DIAS, Gonçalves.  Canção do exílio )
[object Object],[object Object],[object Object]
Em relação ao texto de Gonçalves Dias, o Hino Nacional enquadra-se no primeiro caso, enquanto o de Murilo Mendes encaixa-se no segundo. Quando um texto cita outro invertendo seu sentido, temos uma paródia. Os versos do Hino Nacional, colocados no princípio desta lição, parafraseiam versos de Gonçalves Dias; os de Murilo Mendes parodiam-nos.
A percepção das relações intertextuais, das referências de um texto a outro, depende do repertório do leitor, do seu acervo de conhecimentos literários e de outras manifestações culturais. Daí a importância da leitura, principalmente daquelas obras que constituem as grandes fontes da literatura universal. Quanto mais se lê, mais se amplia a competência para apreender o diálogo que os textos travam entre si por meio de referências, citações e alusões. Por isso cada livro que se lê torna maior a capacidade de apreender, de maneira mais completa, o sentido dos textos.
Não são as chuvas escassas o principal problema dos que vivem no Sertão. O maior empecilho é a falta de interesse político, haja vista a conveniência de existirem eleitores miseráveis e persuasíveis, que se tornam presas fáceis aos objetivos meramente eleitoreiros dos candidatos da região. Não é preciso ir longe para comprovar que o “polígono das secas” pode ser transformado em uma área rentável, sem causar grandes gastos no orçamento dos Estados ou da União. A região do Vale do Rio São Francisco, em Petrolina e Juazeiro, é o melhor exemplo de desenvolvimento, aplicando-se métodos simples de irrigação. Seca: escassez de água ou de decoro político? Rafael dos Anjos - estudante  
As ações emergenciais como as frentes de trabalho e a distribuição de carros-pipas, são as medidas mais utilizadas pelos políticos, principalmente, em anos eleitorais. Projetos como o “Dnocs” (implantação de açudes no Sertão), a transposição do Rio São Francisco e tantos outros que visam a uma regularização da situação no “polígono das secas”, são barrados, devido a superfaturamentos e desfalques nas verbas destinadas ao combate à seca. Não é apenas por água que clama o nordestino, mas por uma oportunidade de se desenvolver. Não é a terra árida ou a escassez de chuvas que determinam a “vida Severina” do sertanejo, mas sim, a ausência de decoro político que persuade esses tantos “severinos”.
COSTA VAL, M. Graça. Texto e textualidade. In: ____.  Redação e Textualidade . São Paulo: Martins Fontes, 1991.  PLATÃO, Francisco; FIORIN, José Luiz.  Para entender o texto:  leitura e redação. 16. ed. 5. imp .  São Paulo: Ática, 2004. XAVIER, Antonio Carlos dos S.  Como se faz um texto:  a construção da dissertação-argumentativa. Campinas: Ed. do autor, 2001. REFERÊNCIAS  BIBLIOGRÁFICAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoO funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguistico
Francione Brito
 
O funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguísticaO funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguística
Fernanda Câmara
 
Cap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismoCap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismo
whybells
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
ISJ
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textos
welton santos
 
Estética da recepção
Estética da recepçãoEstética da recepção
Estética da recepção
Ana Paula
 

Mais procurados (20)

O funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoO funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguistico
 
Funcionalismo
FuncionalismoFuncionalismo
Funcionalismo
 
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguísticaIntrodução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
 
Resumo e resenha
Resumo e resenhaResumo e resenha
Resumo e resenha
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidade Fatores de textualidade
Fatores de textualidade
 
O funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguísticaO funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguística
 
A retextualização
A retextualizaçãoA retextualização
A retextualização
 
Planejamento do texto
Planejamento do textoPlanejamento do texto
Planejamento do texto
 
Cap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismoCap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismo
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textos
 
Semântica pragmática
Semântica pragmáticaSemântica pragmática
Semântica pragmática
 
Gêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
Gêneros textuais no ensino de língua - MarcuschiGêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
Gêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
 
Escolas literárias-enem
Escolas literárias-enemEscolas literárias-enem
Escolas literárias-enem
 
Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2
 
Estética da recepção
Estética da recepçãoEstética da recepção
Estética da recepção
 
Resumo - gênero textual
Resumo - gênero textualResumo - gênero textual
Resumo - gênero textual
 
Minicurso | Análise de Discurso Crítica e Mídia | Semana de Letras - UFV
Minicurso | Análise de Discurso Crítica e Mídia | Semana de Letras - UFVMinicurso | Análise de Discurso Crítica e Mídia | Semana de Letras - UFV
Minicurso | Análise de Discurso Crítica e Mídia | Semana de Letras - UFV
 
Normas da APA, 2010 | Exercícios
Normas da APA, 2010 | ExercíciosNormas da APA, 2010 | Exercícios
Normas da APA, 2010 | Exercícios
 
Como fazer Fichamento de Texto ou Livro
Como fazer Fichamento de Texto ou LivroComo fazer Fichamento de Texto ou Livro
Como fazer Fichamento de Texto ou Livro
 

Semelhante a 4o Dia Tp5 Os PrincíPios Da Textualidade

Intertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdiceIntertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdice
Edilson A. Souza
 
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveiraInterpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
Elzimar Oliveira
 
O léxico de um auto de defloramento tentativa de resgate da cultura de um povo
O léxico de um auto de defloramento tentativa de resgate da cultura de um povoO léxico de um auto de defloramento tentativa de resgate da cultura de um povo
O léxico de um auto de defloramento tentativa de resgate da cultura de um povo
UNEB
 
Reforco escolar
Reforco escolarReforco escolar
Reforco escolar
Vera Pinho
 
Reforco escolar2
Reforco escolar2Reforco escolar2
Reforco escolar2
Vera Pinho
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Ana Camila
 
2003 Contribuicao Hist Quadrinhos
2003 Contribuicao Hist Quadrinhos2003 Contribuicao Hist Quadrinhos
2003 Contribuicao Hist Quadrinhos
zilahcar
 

Semelhante a 4o Dia Tp5 Os PrincíPios Da Textualidade (20)

FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 07
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 07FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 07
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 07
 
APOSTILA_COMUNICACAO_E_EXPRESSAO_2013_PR.doc
APOSTILA_COMUNICACAO_E_EXPRESSAO_2013_PR.docAPOSTILA_COMUNICACAO_E_EXPRESSAO_2013_PR.doc
APOSTILA_COMUNICACAO_E_EXPRESSAO_2013_PR.doc
 
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdfAula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
 
Pcc
PccPcc
Pcc
 
Aldo Barreto - A estrutura do texto e a transferência de informação
Aldo Barreto - A estrutura do texto e a transferência de informaçãoAldo Barreto - A estrutura do texto e a transferência de informação
Aldo Barreto - A estrutura do texto e a transferência de informação
 
Intertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdiceIntertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdice
 
Gênero relato de experiência de vida: enfoque na modalidade EJA
Gênero relato de experiência de vida: enfoque na modalidade EJAGênero relato de experiência de vida: enfoque na modalidade EJA
Gênero relato de experiência de vida: enfoque na modalidade EJA
 
LEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORES
LEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORESLEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORES
LEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORES
 
TP5- Unidades 17 e 18
TP5- Unidades 17  e  18TP5- Unidades 17  e  18
TP5- Unidades 17 e 18
 
Apresentação português Texto e (Co)texto
Apresentação português Texto e (Co)textoApresentação português Texto e (Co)texto
Apresentação português Texto e (Co)texto
 
Descritores de linguagem
Descritores de linguagemDescritores de linguagem
Descritores de linguagem
 
Práticas de produção textua na universidade
Práticas de produção textua na universidadePráticas de produção textua na universidade
Práticas de produção textua na universidade
 
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveiraInterpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
 
O léxico de um auto de defloramento tentativa de resgate da cultura de um povo
O léxico de um auto de defloramento tentativa de resgate da cultura de um povoO léxico de um auto de defloramento tentativa de resgate da cultura de um povo
O léxico de um auto de defloramento tentativa de resgate da cultura de um povo
 
Reforco escolar
Reforco escolarReforco escolar
Reforco escolar
 
Reforco escolar2
Reforco escolar2Reforco escolar2
Reforco escolar2
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
 
2003 Contribuicao Hist Quadrinhos
2003 Contribuicao Hist Quadrinhos2003 Contribuicao Hist Quadrinhos
2003 Contribuicao Hist Quadrinhos
 
Textualidade e discursividade_(2)
Textualidade e discursividade_(2)Textualidade e discursividade_(2)
Textualidade e discursividade_(2)
 
Gêneros do discurso o que os pcns dizem e o que a prática escolar revela
Gêneros do discurso o que os pcns dizem e o que a prática escolar revelaGêneros do discurso o que os pcns dizem e o que a prática escolar revela
Gêneros do discurso o que os pcns dizem e o que a prática escolar revela
 

Mais de cleia

Projeto Do Cursista
Projeto Do CursistaProjeto Do Cursista
Projeto Do Cursista
cleia
 
Projeto do Cursista
Projeto do CursistaProjeto do Cursista
Projeto do Cursista
cleia
 

Mais de cleia (6)

Tp6
Tp6Tp6
Tp6
 
Tp4
Tp4Tp4
Tp4
 
Tp3
Tp3Tp3
Tp3
 
Projeto Do Cursista
Projeto Do CursistaProjeto Do Cursista
Projeto Do Cursista
 
Projeto do Cursista
Projeto do CursistaProjeto do Cursista
Projeto do Cursista
 
Tp5
Tp5Tp5
Tp5
 

Último

Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
MilyFonceca
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
StelaWilbert
 

Último (14)

Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
 
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para AutoconhecimentoHermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - ApresentaçãoCurso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
 
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 

4o Dia Tp5 Os PrincíPios Da Textualidade

  • 1. Os princípios da textualidade Organização: Caroline Rodrigues Cardoso - UnB
  • 2. Um texto é uma unidade de linguagem em uso.
  • 3. Um texto é uma unidade semântica, constitui um todo significativo.
  • 4. Um texto tem uma unidade formal, pois apresenta características que lhe dão coesão.
  • 6.
  • 7. Beaugrande e Dressler (1983) apontam sete fatores de textualidade:
  • 8. coerência, coesão, intencionalidade, aceitabilidade, situacionalidade, informatividade e intertextualidade.
  • 9. é responsável pela unidade semântica, pelo sentido do texto, envolvendo não só aspectos lógicos e semânticos, mas também cognitivos. A coerência
  • 10. é responsável pela unidade formal do texto, que se dá por mecanismos gramaticais e lexicais. A coesão
  • 11. é o empenho do autor em construir um texto coerente, coeso, e que atinja o objetivo que ele tem em mente. Isso diz respeito ao valor ilocutório do texto, ou seja, o que o texto pretende falar. A intencionalidade
  • 12. é a expectativa do recebedor de que o texto tenha coerência e coesão, além de lhe ser útil e relevante. Grice (apud Costa Val: 1991) estabelece estratégias para o autor alcançar aceitabilidade: cooperação (para o autor responder às necessidades do recebedor), qualidade (autenticidade) e quantidade (informatividade). A aceitabilidade
  • 13. diz respeito à pertinência e à relevância do texto no contexto . Situar o texto é adequá-lo à situação sociocomunicativa. A situacionalidade
  • 14. quanto menos previsível se apresentar o texto, mais informatividade. Tanto a falta quanto o excesso de previsibilidade, de informatividade, são prejudiciais à aceitação do texto por parte do leitor. Um bom índice de informatividade atende à suficiência de dados. A informatividade
  • 15. concerne aos fatores que fazem a utilização de um texto dependente do conhecimento de outro(s) texto(s). Um texto constrói-se em cima do "já-dito. A intertextualidade
  • 16. A produção e a recepção de um texto condicionam-se à situação ou à ambiência, ou seja, ao conhecimento circunstancial ou ambiental que motivam os signos e a ambiência em que se inserem, gerando um texto cuja coerência e unidade são suscitados diretamente pelo referente. Contexto
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21. Do que a terra mais garrida Teus risonhos, lindos campos têm mais flores; “ Nossos bosques têm mais vida” “ Nossa vida”, no teu seio, “mais amores”. (Hino Nacional Brasileiro)   EXERCÍCIO
  • 22. Nossas flores são mais bonitas nossas frutas mais gostosas mas custam cem mil réis a dúzia. (MENDES, Murilo. Canção do exílio )  
  • 23. Nosso céu tem mais estrelas. Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores.  (DIAS, Gonçalves. Canção do exílio )
  • 24.
  • 25. Em relação ao texto de Gonçalves Dias, o Hino Nacional enquadra-se no primeiro caso, enquanto o de Murilo Mendes encaixa-se no segundo. Quando um texto cita outro invertendo seu sentido, temos uma paródia. Os versos do Hino Nacional, colocados no princípio desta lição, parafraseiam versos de Gonçalves Dias; os de Murilo Mendes parodiam-nos.
  • 26. A percepção das relações intertextuais, das referências de um texto a outro, depende do repertório do leitor, do seu acervo de conhecimentos literários e de outras manifestações culturais. Daí a importância da leitura, principalmente daquelas obras que constituem as grandes fontes da literatura universal. Quanto mais se lê, mais se amplia a competência para apreender o diálogo que os textos travam entre si por meio de referências, citações e alusões. Por isso cada livro que se lê torna maior a capacidade de apreender, de maneira mais completa, o sentido dos textos.
  • 27. Não são as chuvas escassas o principal problema dos que vivem no Sertão. O maior empecilho é a falta de interesse político, haja vista a conveniência de existirem eleitores miseráveis e persuasíveis, que se tornam presas fáceis aos objetivos meramente eleitoreiros dos candidatos da região. Não é preciso ir longe para comprovar que o “polígono das secas” pode ser transformado em uma área rentável, sem causar grandes gastos no orçamento dos Estados ou da União. A região do Vale do Rio São Francisco, em Petrolina e Juazeiro, é o melhor exemplo de desenvolvimento, aplicando-se métodos simples de irrigação. Seca: escassez de água ou de decoro político? Rafael dos Anjos - estudante  
  • 28. As ações emergenciais como as frentes de trabalho e a distribuição de carros-pipas, são as medidas mais utilizadas pelos políticos, principalmente, em anos eleitorais. Projetos como o “Dnocs” (implantação de açudes no Sertão), a transposição do Rio São Francisco e tantos outros que visam a uma regularização da situação no “polígono das secas”, são barrados, devido a superfaturamentos e desfalques nas verbas destinadas ao combate à seca. Não é apenas por água que clama o nordestino, mas por uma oportunidade de se desenvolver. Não é a terra árida ou a escassez de chuvas que determinam a “vida Severina” do sertanejo, mas sim, a ausência de decoro político que persuade esses tantos “severinos”.
  • 29. COSTA VAL, M. Graça. Texto e textualidade. In: ____. Redação e Textualidade . São Paulo: Martins Fontes, 1991. PLATÃO, Francisco; FIORIN, José Luiz. Para entender o texto: leitura e redação. 16. ed. 5. imp . São Paulo: Ática, 2004. XAVIER, Antonio Carlos dos S. Como se faz um texto: a construção da dissertação-argumentativa. Campinas: Ed. do autor, 2001. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS