SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
Texto e Textualidade
Nova faculdade /Contagem MG 
Texto e Textualidade 
Disciplina: Português 
Professor: Vilmar 
 Jaqueline do Nascimento Chaves 
 Jéssica Martins da Silva 
 José Lúcio de Oliveira Fernandes 
 Orlando Valadares
O que é texto? 
 Conceito: 
De acordo com Costa Val (2004) pode se 
definir o texto “como qualquer produção 
linguística, falada ou escrita. De qualquer 
tamanho, que possa fazer sentido numa 
situação de comunicação humana, isto é, 
numa situação de interlocução”.
Para que o texto 
faça sentido é 
necessário que ele 
esteja inserido em 
um contexto no 
processo 
comunicativo.
De acordo com o conceito de texto, o 
texto será bem compreendido quando 
avaliado sob três aspectos:
1) Pragmático – funcionamento enquanto 
atuação informacional e comunicativa. 
2) Semântico-conceitual – coerência. 
3) Formal – coesão.
O que é textualidade? 
 Conceito: 
conjunto de características que fazem com 
que um texto seja um texto, e não apenas 
uma sequência de frases.
Segundo Beaugrande e Dressler (1983) – sete são 
os fatores responsáveis pela textualidade: 
coerência 
Coesão 
Intencionalidade 
Aceitabilidade 
Situacionalidade 
Informatividade 
Intertextualidade 
(fatores pragmáticos no processo 
sociocomunicativo).
Coerência: Configuração que assumem os conceitos e relações 
subjacentes à superfície textual. Fator fundamental da 
textualidade – responsável pelo sentido do texto. Envolve os 
aspectos lógicos, semânticos, cognitivos. 
Um texto é aceito como coerente quando apresenta uma 
configuração conceitual compatível com o conhecimento de 
mundo do recebedor. 
Construção do sentido do texto: produtor / recebedor. 
Receptor: pressuposição / inferência
Coesão: manifestação linguística da coerência. 
Maneira como os conceitos e relações subjacentes 
são expressas na superfície textual. Responsável 
pela unidade formal do texto, constrói-se através 
de mecanismos gramaticais (pronomes anafóricos, 
artigos, elipse, concordância, correlação entre os 
tempos verbais, conjunções, etc.) e lexicais 
(reiteração, substituição, associação).
Notem na frase: “Senhor, o índice de violência cresceu tanto, que já 
não há mais espaço no gráfico para apontá-lo”, a presença de dois 
mecanismos coesivos: o conectivo “que” estabelecendo uma relação 
de consequência entre as orações e a forma verbal junto ao pronome 
oblíquo “apontá-lo”, substituindo a expressão “índice de violência”.
O fundamental para a textualidade é a 
relação coerente entre as ideias. A 
explicação dessa relação através de 
recursos coesivos é útil, mas nem sempre 
obrigatória. Entretanto, uma vez 
presentes, esses recursos devem ser usados 
de acordo com regras especificas, sob pena 
de reduzir a aceitabilidade do texto.
OS Fatores pragmáticos da textualidade 
Intencionalidade: empenho do produtor em construir um 
discurso coerente, coeso e capaz de satisfazer os objetivos que 
tem em mente numa determinada situação comunicativa. 
Aceitabilidade: expectativa do recebedor de que o conjunto de 
ocorrências com que se defronta seja um texto coerente, coeso, 
útil e relevante, capaz de levá-lo a adquirir conhecimentos ou a 
cooperar com os objetivos do produtor.
Situacionalidade: Elementos responsáveis pela pertinência e 
relevância do texto quanto ao contexto em que ocorre. 
Adequação do texto à situação sociocomunicativa. 
É importante para o produtor saber com que conhecimentos do 
recebedor ele pode contar e que, portanto, não precisa 
explicitar no seu discurso. 
Coerência pragmática: necessidade de o texto ser reconhecido 
pelo recebedor como um emprego normal da linguagem num 
determinado contexto. 
Ex: Maria teve uma indigestão embora o relógio estivesse 
estragado. (Essa informação só fará sentido se o interlocutor 
souber que Maria sofre de problemas gástricos de fundo nervoso 
e que passa mal sempre que come tensa, preocupada com o 
horário).
Informatividade: O interesse do recebedor pelo texto vai 
depender do grau de informatividade de que o último é portador. 
Medida na qual as ocorrências de um texto são esperadas ou não, 
conhecidas ou não, no plano conceitual e no formal. 
Intertextualidade: Fatores que fazem a utilização de um texto 
dependente do conhecimento de outro (s) texto (s).
Exemplo de intertextualidade: 
Propaganda que faz forte referência ao filme "Tropa de 
Elite"
Referências: 
Costa Val, M, G., Redação e Textualidade. 
S.Paulo, Martins Fontes: 1991 
http://noticiasnumclick.xpg.uol.com.br/intertextualidade-exemplos-de-relacao-entre-textos- 
imagens-e-mais. 
http://zellacoracao.wordpress.com/2009/06/29/concepcoes-de-texto/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Professor Rômulo Viana
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaismarlospg
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeKaren Olivan
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAMarcelo Cordeiro Souza
 
Polissemia e ambiguidade
Polissemia e ambiguidadePolissemia e ambiguidade
Polissemia e ambiguidadeLilian Hodgson
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidadeAFMO35
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enemLuciene Gomes
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaJirede Abisai
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15GernciadeProduodeMat
 

Mais procurados (20)

Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
O que é texto
O que é textoO que é texto
O que é texto
 
Polissemia e ambiguidade
Polissemia e ambiguidadePolissemia e ambiguidade
Polissemia e ambiguidade
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
 
Gênero notícia
Gênero notíciaGênero notícia
Gênero notícia
 
Linguagem e comunicação I
Linguagem e comunicação ILinguagem e comunicação I
Linguagem e comunicação I
 
AULA 1 - LINGUAGEM
AULA 1 - LINGUAGEMAULA 1 - LINGUAGEM
AULA 1 - LINGUAGEM
 
Textualidade e a construção dos sentidos
Textualidade e a construção dos sentidosTextualidade e a construção dos sentidos
Textualidade e a construção dos sentidos
 
A CoerêNcia E CoesãO
A CoerêNcia E CoesãOA CoerêNcia E CoesãO
A CoerêNcia E CoesãO
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
 
Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP02) D15
 

Destaque

Texto E Textualidade
Texto E TextualidadeTexto E Textualidade
Texto E Textualidadekerolzinha73
 
FATORES DA TEXTUALIDADE
FATORES DA TEXTUALIDADEFATORES DA TEXTUALIDADE
FATORES DA TEXTUALIDADEharonheraclio
 
Princípios da textualidade 3º ano
Princípios da textualidade   3º anoPrincípios da textualidade   3º ano
Princípios da textualidade 3º anoterceirob
 
Texto textualidade textualizacao_costa val
Texto textualidade textualizacao_costa valTexto textualidade textualizacao_costa val
Texto textualidade textualizacao_costa valSabrina Dará
 
Texto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estruturaTexto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estruturaRobson Melo
 
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEMCOMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEMCynthia Funchal
 
Processos De Produção Textual
Processos De Produção TextualProcessos De Produção Textual
Processos De Produção TextualLuciane Oliveira
 
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuaisOs mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuaisMarcia Oliveira
 
Projeto de comunicação - MetrOnline
Projeto de comunicação - MetrOnlineProjeto de comunicação - MetrOnline
Projeto de comunicação - MetrOnlineMichael Araújo
 
Curso básico redação Aula 1 - Texto e Textualidade
Curso básico redação   Aula 1 - Texto e TextualidadeCurso básico redação   Aula 1 - Texto e Textualidade
Curso básico redação Aula 1 - Texto e TextualidadeProfFernandaBraga
 
O que é semiotica lucia santaella
O que é semiotica   lucia santaellaO que é semiotica   lucia santaella
O que é semiotica lucia santaellamarianaborgess
 
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didático
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didáticoO interlocutor nas propostas de produção textual no livro didático
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didáticoDafianaCarlos
 
4o Dia Tp5 Os PrincíPios Da Textualidade
4o Dia   Tp5  Os PrincíPios Da Textualidade4o Dia   Tp5  Os PrincíPios Da Textualidade
4o Dia Tp5 Os PrincíPios Da Textualidadecleia
 
Conceito de texto e leitura
Conceito de texto e leituraConceito de texto e leitura
Conceito de texto e leituragueste246d7
 

Destaque (20)

Texto E Textualidade
Texto E TextualidadeTexto E Textualidade
Texto E Textualidade
 
Elementos de textualidade
Elementos de textualidadeElementos de textualidade
Elementos de textualidade
 
Noção de Texto
Noção de TextoNoção de Texto
Noção de Texto
 
FATORES DA TEXTUALIDADE
FATORES DA TEXTUALIDADEFATORES DA TEXTUALIDADE
FATORES DA TEXTUALIDADE
 
Princípios da textualidade 3º ano
Princípios da textualidade   3º anoPrincípios da textualidade   3º ano
Princípios da textualidade 3º ano
 
Slide elaborado a construção do texto
Slide elaborado   a construção do textoSlide elaborado   a construção do texto
Slide elaborado a construção do texto
 
Texto textualidade textualizacao_costa val
Texto textualidade textualizacao_costa valTexto textualidade textualizacao_costa val
Texto textualidade textualizacao_costa val
 
Texto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estruturaTexto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estrutura
 
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEMCOMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
 
Processos De Produção Textual
Processos De Produção TextualProcessos De Produção Textual
Processos De Produção Textual
 
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuaisOs mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
 
Projeto de comunicação - MetrOnline
Projeto de comunicação - MetrOnlineProjeto de comunicação - MetrOnline
Projeto de comunicação - MetrOnline
 
Repensando A Textualidade
Repensando A TextualidadeRepensando A Textualidade
Repensando A Textualidade
 
Curso básico redação Aula 1 - Texto e Textualidade
Curso básico redação   Aula 1 - Texto e TextualidadeCurso básico redação   Aula 1 - Texto e Textualidade
Curso básico redação Aula 1 - Texto e Textualidade
 
Linguística textual
Linguística textualLinguística textual
Linguística textual
 
O que é semiotica lucia santaella
O que é semiotica   lucia santaellaO que é semiotica   lucia santaella
O que é semiotica lucia santaella
 
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didático
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didáticoO interlocutor nas propostas de produção textual no livro didático
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didático
 
Aula red 06 02-2014 redação e textualidade
Aula red 06 02-2014 redação e textualidadeAula red 06 02-2014 redação e textualidade
Aula red 06 02-2014 redação e textualidade
 
4o Dia Tp5 Os PrincíPios Da Textualidade
4o Dia   Tp5  Os PrincíPios Da Textualidade4o Dia   Tp5  Os PrincíPios Da Textualidade
4o Dia Tp5 Os PrincíPios Da Textualidade
 
Conceito de texto e leitura
Conceito de texto e leituraConceito de texto e leitura
Conceito de texto e leitura
 

Semelhante a Texto e Textualidade: Conceitos

FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 07
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 07FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 07
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 07Jordano Santos Cerqueira
 
A intertextualidade nos comerciais televisivos
A intertextualidade nos comerciais televisivos A intertextualidade nos comerciais televisivos
A intertextualidade nos comerciais televisivos Atitude Digital
 
Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos Costa
Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos CostaFatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos Costa
Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos CostaSabrina Dará
 
Princípios da intertextualidade
Princípios da intertextualidadePrincípios da intertextualidade
Princípios da intertextualidadeEdilson A. Souza
 
Intertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdiceIntertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdiceEdilson A. Souza
 
Fatores de Coerência - Linguística Textual
Fatores de Coerência - Linguística Textual Fatores de Coerência - Linguística Textual
Fatores de Coerência - Linguística Textual Talita Schweig
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaSadiasoares
 
Avalia+ç+âo em l+ìngua portuguesa saeb
Avalia+ç+âo em l+ìngua portuguesa saebAvalia+ç+âo em l+ìngua portuguesa saeb
Avalia+ç+âo em l+ìngua portuguesa saebUPE
 
Avaliação
 Avaliação Avaliação
AvaliaçãoExPEEL
 
Leitura e compreensão texto falado e escrito
Leitura e compreensão texto falado e escritoLeitura e compreensão texto falado e escrito
Leitura e compreensão texto falado e escritoAFMO35
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaSadiasoares
 

Semelhante a Texto e Textualidade: Conceitos (20)

Fatores de textualidade
Fatores de textualidade Fatores de textualidade
Fatores de textualidade
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 07
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 07FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 07
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 07
 
Textualidade
TextualidadeTextualidade
Textualidade
 
Textualidade
TextualidadeTextualidade
Textualidade
 
A intertextualidade nos comerciais televisivos
A intertextualidade nos comerciais televisivos A intertextualidade nos comerciais televisivos
A intertextualidade nos comerciais televisivos
 
Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos Costa
Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos CostaFatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos Costa
Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos Costa
 
Intertextualidae ..
Intertextualidae ..Intertextualidae ..
Intertextualidae ..
 
Princípios da intertextualidade
Princípios da intertextualidadePrincípios da intertextualidade
Princípios da intertextualidade
 
Linguística textual
Linguística textualLinguística textual
Linguística textual
 
Slide do vil
Slide do vilSlide do vil
Slide do vil
 
Planejamento do texto
Planejamento do textoPlanejamento do texto
Planejamento do texto
 
Planos textuais
Planos textuaisPlanos textuais
Planos textuais
 
Intertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdiceIntertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdice
 
06
0606
06
 
Fatores de Coerência - Linguística Textual
Fatores de Coerência - Linguística Textual Fatores de Coerência - Linguística Textual
Fatores de Coerência - Linguística Textual
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
 
Avalia+ç+âo em l+ìngua portuguesa saeb
Avalia+ç+âo em l+ìngua portuguesa saebAvalia+ç+âo em l+ìngua portuguesa saeb
Avalia+ç+âo em l+ìngua portuguesa saeb
 
Avaliação
 Avaliação Avaliação
Avaliação
 
Leitura e compreensão texto falado e escrito
Leitura e compreensão texto falado e escritoLeitura e compreensão texto falado e escrito
Leitura e compreensão texto falado e escrito
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
 

Último

TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 

Texto e Textualidade: Conceitos

  • 2. Nova faculdade /Contagem MG Texto e Textualidade Disciplina: Português Professor: Vilmar  Jaqueline do Nascimento Chaves  Jéssica Martins da Silva  José Lúcio de Oliveira Fernandes  Orlando Valadares
  • 3. O que é texto?  Conceito: De acordo com Costa Val (2004) pode se definir o texto “como qualquer produção linguística, falada ou escrita. De qualquer tamanho, que possa fazer sentido numa situação de comunicação humana, isto é, numa situação de interlocução”.
  • 4.
  • 5. Para que o texto faça sentido é necessário que ele esteja inserido em um contexto no processo comunicativo.
  • 6. De acordo com o conceito de texto, o texto será bem compreendido quando avaliado sob três aspectos:
  • 7. 1) Pragmático – funcionamento enquanto atuação informacional e comunicativa. 2) Semântico-conceitual – coerência. 3) Formal – coesão.
  • 8. O que é textualidade?  Conceito: conjunto de características que fazem com que um texto seja um texto, e não apenas uma sequência de frases.
  • 9. Segundo Beaugrande e Dressler (1983) – sete são os fatores responsáveis pela textualidade: coerência Coesão Intencionalidade Aceitabilidade Situacionalidade Informatividade Intertextualidade (fatores pragmáticos no processo sociocomunicativo).
  • 10.
  • 11. Coerência: Configuração que assumem os conceitos e relações subjacentes à superfície textual. Fator fundamental da textualidade – responsável pelo sentido do texto. Envolve os aspectos lógicos, semânticos, cognitivos. Um texto é aceito como coerente quando apresenta uma configuração conceitual compatível com o conhecimento de mundo do recebedor. Construção do sentido do texto: produtor / recebedor. Receptor: pressuposição / inferência
  • 12.
  • 13. Coesão: manifestação linguística da coerência. Maneira como os conceitos e relações subjacentes são expressas na superfície textual. Responsável pela unidade formal do texto, constrói-se através de mecanismos gramaticais (pronomes anafóricos, artigos, elipse, concordância, correlação entre os tempos verbais, conjunções, etc.) e lexicais (reiteração, substituição, associação).
  • 14. Notem na frase: “Senhor, o índice de violência cresceu tanto, que já não há mais espaço no gráfico para apontá-lo”, a presença de dois mecanismos coesivos: o conectivo “que” estabelecendo uma relação de consequência entre as orações e a forma verbal junto ao pronome oblíquo “apontá-lo”, substituindo a expressão “índice de violência”.
  • 15. O fundamental para a textualidade é a relação coerente entre as ideias. A explicação dessa relação através de recursos coesivos é útil, mas nem sempre obrigatória. Entretanto, uma vez presentes, esses recursos devem ser usados de acordo com regras especificas, sob pena de reduzir a aceitabilidade do texto.
  • 16. OS Fatores pragmáticos da textualidade Intencionalidade: empenho do produtor em construir um discurso coerente, coeso e capaz de satisfazer os objetivos que tem em mente numa determinada situação comunicativa. Aceitabilidade: expectativa do recebedor de que o conjunto de ocorrências com que se defronta seja um texto coerente, coeso, útil e relevante, capaz de levá-lo a adquirir conhecimentos ou a cooperar com os objetivos do produtor.
  • 17. Situacionalidade: Elementos responsáveis pela pertinência e relevância do texto quanto ao contexto em que ocorre. Adequação do texto à situação sociocomunicativa. É importante para o produtor saber com que conhecimentos do recebedor ele pode contar e que, portanto, não precisa explicitar no seu discurso. Coerência pragmática: necessidade de o texto ser reconhecido pelo recebedor como um emprego normal da linguagem num determinado contexto. Ex: Maria teve uma indigestão embora o relógio estivesse estragado. (Essa informação só fará sentido se o interlocutor souber que Maria sofre de problemas gástricos de fundo nervoso e que passa mal sempre que come tensa, preocupada com o horário).
  • 18. Informatividade: O interesse do recebedor pelo texto vai depender do grau de informatividade de que o último é portador. Medida na qual as ocorrências de um texto são esperadas ou não, conhecidas ou não, no plano conceitual e no formal. Intertextualidade: Fatores que fazem a utilização de um texto dependente do conhecimento de outro (s) texto (s).
  • 19. Exemplo de intertextualidade: Propaganda que faz forte referência ao filme "Tropa de Elite"
  • 20. Referências: Costa Val, M, G., Redação e Textualidade. S.Paulo, Martins Fontes: 1991 http://noticiasnumclick.xpg.uol.com.br/intertextualidade-exemplos-de-relacao-entre-textos- imagens-e-mais. http://zellacoracao.wordpress.com/2009/06/29/concepcoes-de-texto/