SlideShare uma empresa Scribd logo

LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO

Texto apresentado por Claudinei e Fernanda

1 de 14
CAPITULO 1 DO LIVRO:
BUENO, L.; LOPES, M.A.T. CRISTOVÃO, VERA. L.L. (ORGS).
GÊNEROS TEXTUAIS E FORMAÇÃO INICIAL: UMA HOMENAGEM À
MALU MATENCIO. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2013.
POR: CLAUDINEI
FERNANDA
Capítulo 1
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO:
CENAS DE CONVERSA(S)
COM MALU MATENCIO
Jane Quintiliano G. Silva
Juliana Alves Assis
Maria Angela Paulino Teixeira Lopes
MARIA DE LOURDES M. MATENCIO (1964-2009) - Malu, uma pesquisadora em
linguística
Malu, recém-saída de um pós-doutorado em linguística na França, lia aos
montes. segundo o marido, o professor de química da UFMG Tulio
Matencio, nem só com teoria se distraía a mulher: entre seus livros, havia
também romances. Para a amiga e professora Juliana Alves Assis, Maria
de Lourdes Meirelles Matencio era generosa: todo o conhecimento que
buscava adquirir com os livros, preocupava-se em dividir com os alunos.
"Ela foi uma mentora intelectual", conta a amiga. Formada em 1989, em
Letras, pela Unicamp, onde fez mestrado e doutorado em linguística, Malu
era Professora da pós-graduação da PUC-MG e vice-presidente da
Anpoll (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras e
Linguística). Seus estudos focam a formação de professores. Em 1992,
Malu conheceu o segundo marido, Tulio, um francês que veio ao país fazer
pós-doutorado na Unicamp e por aqui ficou. Tiveram um filho. Do primeiro
casamento, Malu deixou uma filha de 28 anos, engenheira mecatrônica e
do segundo um filho de 9 anos. Descobriu um tumor na cabeça. Dias
depois, realizou uma cirurgia para retirá-lo. Não resistiu a complicações de
saúde e morreu poucos dias antes de completar 45 anos - e com inúmeros
projetos em aberto.
Ainda Malu .....
Dedicou-se a pesquisar as práticas de letramento,
na educação básica e no ensino superior,
particularmente, na formação de professores; seus
trabalhos focalizam, sobretudo, os mecanismos,
processos e estratégias do processamento textual,
a partir de abordagens que permitam a interface
entre práticas sociais e processos cognitivos. Tem
vários artigos em periódicos especializados.
Publicou os livros Leitura, produção de textos e a
escola e Estudo da língua falada e aula de língua
materna: uma abordagem processual da
interação professor/alunos, pela Editora Mercado
de Letras.
PARTICIPAÇÃO DAS AUTORAS
• Parte de um convite
das organizadoras
(Cristovão e Bueno)
para uma reflexão
sobre o papel dos
gêneros na formação
inicial dos professores
• Ponto de partida:
retomar reflexões de
Malu sobre seus
modos de ver e viver
concepções de língua,
de linguagem, de texto
e, decorrentemente,
sua visão de ensino e
de aprendizagem.
Construção do capítulo
• A partir de alguns recortes de textos publicados pela
autora.
• tendo como premissas epistemológicas:
• com e a partir de Bakhtin (2000), (i) que o dialogismo é o
princípio constitutivo da linguagem, na medida em que não
nos é possível ter a experiência do dado puro (Bakhtin
2003) e sim a partir dos discursos que dão sentido e nessa
medida semiotizam as coisas do mundo (e, por isso, o
mundo), (ii) que os enunciados, cuja existência somente se
concebe dentro do dialogismo (Fiorin 2006), possuem
sempre uma autoria.
Anúncio

Recomendados

Interacionismo sócio discursivo selin2009
Interacionismo sócio discursivo selin2009Interacionismo sócio discursivo selin2009
Interacionismo sócio discursivo selin2009Fabio Delano
 
Gênero textual - Hibritização
Gênero textual - HibritizaçãoGênero textual - Hibritização
Gênero textual - HibritizaçãoUNIPLETRAS
 
Bakhtin generos textuais e ensino de lingua portuguesa
Bakhtin   generos textuais e ensino de lingua portuguesaBakhtin   generos textuais e ensino de lingua portuguesa
Bakhtin generos textuais e ensino de lingua portuguesaUNIPLETRAS
 
LíNgua Portuguesa Otm
LíNgua Portuguesa OtmLíNgua Portuguesa Otm
LíNgua Portuguesa OtmFlávia Maria
 
Gêneros do discurso o que os pcns dizem e o que a prática escolar revela
Gêneros do discurso o que os pcns dizem e o que a prática escolar revelaGêneros do discurso o que os pcns dizem e o que a prática escolar revela
Gêneros do discurso o que os pcns dizem e o que a prática escolar revelaFrancimeire Cesario
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A mediação do livro didático do PNLD na educação linguística
A mediação do livro didático do PNLD na educação linguísticaA mediação do livro didático do PNLD na educação linguística
A mediação do livro didático do PNLD na educação linguísticaRaquel Salcedo Gomes
 
1º anos a, b português-daniela-2ºsemestre
1º anos a, b português-daniela-2ºsemestre1º anos a, b português-daniela-2ºsemestre
1º anos a, b português-daniela-2ºsemestreFatima Moraes
 
Atividade avaliativa de encontro presencial
Atividade avaliativa de encontro presencialAtividade avaliativa de encontro presencial
Atividade avaliativa de encontro presencialLOCIMAR MASSALAI
 
Uma leitura dos pcns
Uma leitura dos pcnsUma leitura dos pcns
Uma leitura dos pcnsJosé Dantas
 
Processos De Produção Textual
Processos De Produção TextualProcessos De Produção Textual
Processos De Produção TextualLuciane Oliveira
 
Diversidade textual livro
Diversidade textual livroDiversidade textual livro
Diversidade textual livroFabiana Esteves
 
As atividades do ler e do escrever para....pdf com fotos
As atividades do ler e do escrever para....pdf com fotosAs atividades do ler e do escrever para....pdf com fotos
As atividades do ler e do escrever para....pdf com fotosRosemary Batista
 
Alfabetização unidade 2 - ano 3
Alfabetização   unidade 2 - ano 3Alfabetização   unidade 2 - ano 3
Alfabetização unidade 2 - ano 3Nazaré Fernandes
 
Metodologia de mediação a distância
Metodologia de mediação a distânciaMetodologia de mediação a distância
Metodologia de mediação a distânciaLucila Pesce
 
Radio - Uma ferramenta de interação sociodiscursiva
Radio - Uma ferramenta de interação sociodiscursivaRadio - Uma ferramenta de interação sociodiscursiva
Radio - Uma ferramenta de interação sociodiscursivaGrupo Marista
 
Conteúdo básico de lingua portuguesa
Conteúdo básico de lingua portuguesaConteúdo básico de lingua portuguesa
Conteúdo básico de lingua portuguesaLuiz Castro
 

Mais procurados (17)

A mediação do livro didático do PNLD na educação linguística
A mediação do livro didático do PNLD na educação linguísticaA mediação do livro didático do PNLD na educação linguística
A mediação do livro didático do PNLD na educação linguística
 
1º anos a, b português-daniela-2ºsemestre
1º anos a, b português-daniela-2ºsemestre1º anos a, b português-daniela-2ºsemestre
1º anos a, b português-daniela-2ºsemestre
 
Atividade avaliativa de encontro presencial
Atividade avaliativa de encontro presencialAtividade avaliativa de encontro presencial
Atividade avaliativa de encontro presencial
 
Uma leitura dos pcns
Uma leitura dos pcnsUma leitura dos pcns
Uma leitura dos pcns
 
Nocao
NocaoNocao
Nocao
 
1840 8
1840 81840 8
1840 8
 
Processos De Produção Textual
Processos De Produção TextualProcessos De Produção Textual
Processos De Produção Textual
 
Diversidade textual livro
Diversidade textual livroDiversidade textual livro
Diversidade textual livro
 
As atividades do ler e do escrever para....pdf com fotos
As atividades do ler e do escrever para....pdf com fotosAs atividades do ler e do escrever para....pdf com fotos
As atividades do ler e do escrever para....pdf com fotos
 
04 ekalinovskitrabalhocompleto
04 ekalinovskitrabalhocompleto04 ekalinovskitrabalhocompleto
04 ekalinovskitrabalhocompleto
 
Alfabetização unidade 2 - ano 3
Alfabetização   unidade 2 - ano 3Alfabetização   unidade 2 - ano 3
Alfabetização unidade 2 - ano 3
 
Metodologia de mediação a distância
Metodologia de mediação a distânciaMetodologia de mediação a distância
Metodologia de mediação a distância
 
Radio - Uma ferramenta de interação sociodiscursiva
Radio - Uma ferramenta de interação sociodiscursivaRadio - Uma ferramenta de interação sociodiscursiva
Radio - Uma ferramenta de interação sociodiscursiva
 
interacionismo sociodiscursivo
interacionismo sociodiscursivointeracionismo sociodiscursivo
interacionismo sociodiscursivo
 
Conteúdo básico de lingua portuguesa
Conteúdo básico de lingua portuguesaConteúdo básico de lingua portuguesa
Conteúdo básico de lingua portuguesa
 
Proposta o-ensino-da-gramatica-em-lingua-portuguesa
Proposta o-ensino-da-gramatica-em-lingua-portuguesaProposta o-ensino-da-gramatica-em-lingua-portuguesa
Proposta o-ensino-da-gramatica-em-lingua-portuguesa
 
255 4
255 4255 4
255 4
 

Semelhante a LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO

Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaResumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaEspaço da Criatividade Encantado
 
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaPNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaElieneDias
 
Práticas de produção textua na universidade
Práticas de produção textua na universidadePráticas de produção textua na universidade
Práticas de produção textua na universidadeVera Arcas
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Ana Camila
 
Letramento e competência comunicativa a aprendizagem da escrita
Letramento e competência comunicativa a aprendizagem da escritaLetramento e competência comunicativa a aprendizagem da escrita
Letramento e competência comunicativa a aprendizagem da escritaDouglas Marcos
 
O ensino de literatura na educação profissional de
O ensino de literatura na educação profissional deO ensino de literatura na educação profissional de
O ensino de literatura na educação profissional deThiago Soares
 
Ementa Ensino Médio
Ementa Ensino MédioEmenta Ensino Médio
Ementa Ensino MédioCamilaClivati
 
Cirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E SilvaCirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E Silvawaleri
 
un-5-anos-1-2-e-3.ppt
un-5-anos-1-2-e-3.pptun-5-anos-1-2-e-3.ppt
un-5-anos-1-2-e-3.pptCludia366017
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula finalNaysa Taboada
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula finalNaysa Taboada
 
Unidade 5 parte 1
Unidade 5    parte 1Unidade 5    parte 1
Unidade 5 parte 1Lais Renata
 
Agudo - Rafaela Pozzebon
Agudo - Rafaela PozzebonAgudo - Rafaela Pozzebon
Agudo - Rafaela PozzebonCursoTICs
 
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curricularesMartha Lucía Salamanca Solis
 
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdfsequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdfRaabedosSantosBorges
 
A literatura nas normativas governamentais: LDB, Parâmetros, Orientações e Di...
A literatura nas normativas governamentais: LDB, Parâmetros, Orientações e Di...A literatura nas normativas governamentais: LDB, Parâmetros, Orientações e Di...
A literatura nas normativas governamentais: LDB, Parâmetros, Orientações e Di...Andressa Savoldi
 
Gêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docGêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docelannialins
 

Semelhante a LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO (20)

Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaResumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
 
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaPNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
 
Práticas de produção textua na universidade
Práticas de produção textua na universidadePráticas de produção textua na universidade
Práticas de produção textua na universidade
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
 
Letramento e competência comunicativa a aprendizagem da escrita
Letramento e competência comunicativa a aprendizagem da escritaLetramento e competência comunicativa a aprendizagem da escrita
Letramento e competência comunicativa a aprendizagem da escrita
 
O ensino de literatura na educação profissional de
O ensino de literatura na educação profissional deO ensino de literatura na educação profissional de
O ensino de literatura na educação profissional de
 
Ementa Ensino Médio
Ementa Ensino MédioEmenta Ensino Médio
Ementa Ensino Médio
 
Cirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E SilvaCirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E Silva
 
un-5-anos-1-2-e-3.ppt
un-5-anos-1-2-e-3.pptun-5-anos-1-2-e-3.ppt
un-5-anos-1-2-e-3.ppt
 
Generos textuais
Generos textuais Generos textuais
Generos textuais
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
 
Leitura e escrita
Leitura e escritaLeitura e escrita
Leitura e escrita
 
Unidade 5 parte 1
Unidade 5    parte 1Unidade 5    parte 1
Unidade 5 parte 1
 
Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1
 
Agudo - Rafaela Pozzebon
Agudo - Rafaela PozzebonAgudo - Rafaela Pozzebon
Agudo - Rafaela Pozzebon
 
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares
 
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdfsequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
 
A literatura nas normativas governamentais: LDB, Parâmetros, Orientações e Di...
A literatura nas normativas governamentais: LDB, Parâmetros, Orientações e Di...A literatura nas normativas governamentais: LDB, Parâmetros, Orientações e Di...
A literatura nas normativas governamentais: LDB, Parâmetros, Orientações e Di...
 
Gêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docGêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1doc
 

Mais de Amábile Piacentine

Mais de Amábile Piacentine (16)

Rutina escolar parte2
Rutina escolar parte2Rutina escolar parte2
Rutina escolar parte2
 
Escrita universidade
Escrita universidadeEscrita universidade
Escrita universidade
 
Rutina escolar
Rutina escolarRutina escolar
Rutina escolar
 
Unidad 05 cursodidactica
Unidad 05 cursodidacticaUnidad 05 cursodidactica
Unidad 05 cursodidactica
 
Unidad 04 cursodidactica
Unidad 04 cursodidacticaUnidad 04 cursodidactica
Unidad 04 cursodidactica
 
Clases de español - anuncio publicitario
Clases de español - anuncio publicitarioClases de español - anuncio publicitario
Clases de español - anuncio publicitario
 
Slides oficina culinaria
Slides oficina culinariaSlides oficina culinaria
Slides oficina culinaria
 
Cibercultura
CiberculturaCibercultura
Cibercultura
 
Memoria poema
Memoria poemaMemoria poema
Memoria poema
 
Análise de gêneros do discurso na teoria bakhtiniana
Análise de gêneros do discurso na teoria bakhtinianaAnálise de gêneros do discurso na teoria bakhtiniana
Análise de gêneros do discurso na teoria bakhtiniana
 
Hüttner apresentacao
Hüttner apresentacaoHüttner apresentacao
Hüttner apresentacao
 
Memória da aula de 09 de maio de 2013
Memória da aula de 09 de maio de 2013Memória da aula de 09 de maio de 2013
Memória da aula de 09 de maio de 2013
 
GÊNEROS TEXTUAIS E EDUCAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA: UM LEVANT...
GÊNEROS TEXTUAIS E EDUCAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA: UM LEVANT...GÊNEROS TEXTUAIS E EDUCAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA: UM LEVANT...
GÊNEROS TEXTUAIS E EDUCAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA: UM LEVANT...
 
Genre por ana_ale
Genre por ana_aleGenre por ana_ale
Genre por ana_ale
 
swales hemais & biasi-rodrigues
swales   hemais & biasi-rodriguesswales   hemais & biasi-rodrigues
swales hemais & biasi-rodrigues
 
Pensamanto e linguagem - Vygotsky
Pensamanto e linguagem - VygotskyPensamanto e linguagem - Vygotsky
Pensamanto e linguagem - Vygotsky
 

LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO

  • 1. CAPITULO 1 DO LIVRO: BUENO, L.; LOPES, M.A.T. CRISTOVÃO, VERA. L.L. (ORGS). GÊNEROS TEXTUAIS E FORMAÇÃO INICIAL: UMA HOMENAGEM À MALU MATENCIO. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2013. POR: CLAUDINEI FERNANDA
  • 2. Capítulo 1 LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO Jane Quintiliano G. Silva Juliana Alves Assis Maria Angela Paulino Teixeira Lopes
  • 3. MARIA DE LOURDES M. MATENCIO (1964-2009) - Malu, uma pesquisadora em linguística Malu, recém-saída de um pós-doutorado em linguística na França, lia aos montes. segundo o marido, o professor de química da UFMG Tulio Matencio, nem só com teoria se distraía a mulher: entre seus livros, havia também romances. Para a amiga e professora Juliana Alves Assis, Maria de Lourdes Meirelles Matencio era generosa: todo o conhecimento que buscava adquirir com os livros, preocupava-se em dividir com os alunos. "Ela foi uma mentora intelectual", conta a amiga. Formada em 1989, em Letras, pela Unicamp, onde fez mestrado e doutorado em linguística, Malu era Professora da pós-graduação da PUC-MG e vice-presidente da Anpoll (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras e Linguística). Seus estudos focam a formação de professores. Em 1992, Malu conheceu o segundo marido, Tulio, um francês que veio ao país fazer pós-doutorado na Unicamp e por aqui ficou. Tiveram um filho. Do primeiro casamento, Malu deixou uma filha de 28 anos, engenheira mecatrônica e do segundo um filho de 9 anos. Descobriu um tumor na cabeça. Dias depois, realizou uma cirurgia para retirá-lo. Não resistiu a complicações de saúde e morreu poucos dias antes de completar 45 anos - e com inúmeros projetos em aberto.
  • 4. Ainda Malu ..... Dedicou-se a pesquisar as práticas de letramento, na educação básica e no ensino superior, particularmente, na formação de professores; seus trabalhos focalizam, sobretudo, os mecanismos, processos e estratégias do processamento textual, a partir de abordagens que permitam a interface entre práticas sociais e processos cognitivos. Tem vários artigos em periódicos especializados. Publicou os livros Leitura, produção de textos e a escola e Estudo da língua falada e aula de língua materna: uma abordagem processual da interação professor/alunos, pela Editora Mercado de Letras.
  • 5. PARTICIPAÇÃO DAS AUTORAS • Parte de um convite das organizadoras (Cristovão e Bueno) para uma reflexão sobre o papel dos gêneros na formação inicial dos professores • Ponto de partida: retomar reflexões de Malu sobre seus modos de ver e viver concepções de língua, de linguagem, de texto e, decorrentemente, sua visão de ensino e de aprendizagem.
  • 6. Construção do capítulo • A partir de alguns recortes de textos publicados pela autora. • tendo como premissas epistemológicas: • com e a partir de Bakhtin (2000), (i) que o dialogismo é o princípio constitutivo da linguagem, na medida em que não nos é possível ter a experiência do dado puro (Bakhtin 2003) e sim a partir dos discursos que dão sentido e nessa medida semiotizam as coisas do mundo (e, por isso, o mundo), (ii) que os enunciados, cuja existência somente se concebe dentro do dialogismo (Fiorin 2006), possuem sempre uma autoria.
  • 7. QUESTÕES DA ENTREVISTA 1) A respeito da natureza política da atuação dos pesquisadores e formadores e os impactos que deveriam ter os projetos de difusão social dos saberes, quais seriam, sob seu ponto de vista, as tarefas dos estudos da linguagem? • R: Considerar a natureza política de nossa atuação e a necessidade de que ela provoque, em curto prazo, impactos sociais efetivos e amplos; tarefas voltadas ao (i) processo de aquisição e de desenvolvimento da língua(gem); (ii) do funcionamento da língua(gem) nos textos e nos discursos; (iii) das práticas de ensino e de aprendizagem da língua(gem), integrar o estudo da língua ao estudo dos textos e dos discursos, assim como a análise de diferentes sistemas e subsistemas semióticos pelos quais ganham materialidade as ações de linguagem do sujeito. [...] possibilitam um olhar o suficientemente abrangente para se compreender, descrever e explicar o quê, como e por quê os sujeitos fazem o que fazem quando usam a linguagem. Por isso mesmo, permite que se abordem, sem rupturas, as relações entre o social e o individual, entre práticas coletivas e cognição humana, contemplando a centralidade da linguagem nos processos subjetivos e sociais.”
  • 8. • 2) Dos efeitos nefastos de polarizações: (alfabetização – analfabetismo / escolarização – não escolarização / escrita – fala / letrado – iletrado /...). É possível uma didática da escrita? R: Processos de ensino e de aprendizagem da escrita devem considerar o que os sujeitos sabem fazer e o que fazem de fato, assumindo uma postura descritiva e explicativa, [...] os aprendizes devem ter consciência de que tais práticas envolvem não apenas um processo de socialização à escrita, como também a incorporação de certos modos culturais de fazer e de dizer que se distinguem da oralidade e conduzem a mudanças nos modos de usar a linguagem, de interagir, de construir conhecimentos e a própria identidade. privilegiar a percepção, pelo aprendiz, das diversas rupturas entre práticas orais e escriturais, de modo que ele tenha condições de identificar suas especificidades; que o aluno fosse levado a considerar as situações interacionais mediadas pelos objetos que ‘sustentam’ a escrita e seus efeitos tanto nas formas de textualização quanto de projeção da encenação na interação; necessidade de flexibilidade no planejamento das atividades. Abordagens que considerem a complexidade e riqueza do letramento das práticas cotidianas (postura reflexiva, exploratória, responsiva).
  • 9. • 3) Inspirados em Vygotsky e pautando-se pela perspectiva da linguística aplicada, seus textos refletem a preocupação com as interações dos sujeitos, sendo os gêneros “instrumentos” essenciais no processo de construção dos artefatos simbólicos necessários para que as interações se realizem. Discorra um pouco sobre o papel das representações nesse processo. • R: [...] linguagem é condição para a existência do humano e da História, ou seja, do sujeito, do tempo e do espaço, como fenômenos que estruturam e sustentam as redes conceituais com as quais o real — tomado em sua realidade possível - é percebido. Uma noção que parece essencial para compreender esse raciocínio é a de aparelho psíquico de produção de linguagem (Schneuwly 1988), porque apresenta condições de elucidar tanto como se organizariam globalmente as operações mentais que sustentam as ações de linguagem do sujeito quanto a direção em que se concretizaria o desenvolvimento de suas capacidades de linguagem (Bronckart 2009). • Ou seja, O sujeito realiza ações de linguagem — concebidas como as ações significantes flagradas em sua dimensão individual (Leontiév 1978, Bronckart 2005, 2006, 2008) - em atividades de interação social — situações em que suas ações realizam-se no contexto de uma coletividade (Leontiév 1978),
  • 10. é nas interações sociais de que participam que os sujeitos, fundamentados em sua prévia experiência cultural e intercultural, selecionam determinadas formas de conceber e de se referir aos objetos, o que os leva a determinadas ações significantes no processo de negociação de sentidos. Ação de linguagem: (a) ganha materialidade por meio de recursos linguageiros; (b) envolve operações de textualização; (c) pressupõe o compartilhamento de saberes; (d) é essencialmente classificatória; (e) implica a construção de representações mentais; (f) relaciona diferentes campos conceituais.”
  • 11. 4) Pensando no processo de formação do leitor e produtor de textos, tanto na educação básica como no campo da formação do professor, como promover, de fato, a apropriação de artefatos simbólicos responsáveis pela interação e socialização dos sujeitos? R: As práticas em sala de aula devem ter como eixo, como se procurou discutir, tarefas e atividades de ensino/aprendizagem que orientem o sujeito-aprendiz a compreender as dinâmicas das interações sociais, à luz dos possíveis objetivos em jogo e das potenciais estratégias, habilidades e competências colocadas em cena; pode motivar o aprendiz a (re) dimensionar suas próprias expectativas e seus projetos de ação, de médio e longo prazo, bem como motivá-lo a (desejar?) inserir-se nas práticas sociodiscursivas assumindo posições identitárias responsivoativas. [...] uma educação linguística (obviamente, crítica!).
  • 12. 5) É consenso entre grande parte dos linguistas que a dimensão discursiva é que deve alimentar a construção e o tratamento dos objetos de ensino. Mas qual abordagem discursiva deve ser levada à escola? R: Talvez [...] as abordagens do processo de ensino/aprendizagem que se encontram no âmbito do interacionismo sejam as que maior impacto têm produzido no discurso acadêmico-científico sobre o ensino, no discurso de divulgação científica, nos documentos de parametrização e regulação da Educação Básica, assim como nas próprias práticas didático-pedagógicas no contexto escolar. Afinal, tais abordagens procuram explicar como o homem significa e se se significa nas relações com os outros, procurando, ainda, descrever e explicar como a significação se constrói sempre em processos de interação, nos quais a ação individual - simbolicamente construída - implica e é implicada pela/na ação social.”
  • 14. REFERÊNCIAS BUENO, L.; LOPES, M.A.T. CRISTOVÃO, VERA. L.L. (ORGS). GÊNEROS TEXTUAIS E FORMAÇÃO INICIAL: UMA HOMENAGEM À MALU MATENCIO. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2013.