SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
VIII – Encontro de Psicopedagogia do Piauí




        21 a 23 de Outubro de 2011
 Cajuina CAETANO VELOSO.mp3




 Está entre as cem maiores
pontes estaiadas do mundo                        Piripiri


                             Delta do Parnaíba
Professor o eterno aprendiz...

 De si mesmo


 Do outro


 Do mundo


 Da vida
Quantas vezes você já ouviu

 Professor, porque estamos aprendendo
 isso?



 Onde e quando vamos usar isso?
Para Giesecke 1997


 Aprender é uma atividade individual do

 sujeito. O aprendente precisa ter motivo
 para aprender.
Aprendizagem é

 A probabilidade de incorporar o conhecimento
  que é do outro, ao seu saber pessoal.

 Dinâmica.


 Construtiva – reconstrutiva, de dentro para fora.
 Escutar, copiar, reproduzir na prova.


 Assistir aula.


 Dar aula.


   Isto não garante aprendizagem!
Então:



Ensinar
       significa mais que transmitir conhecimento.
Ensinar é:


 Intercambiar,   compartilhar, confrontar, debater
  ideias, e mediante estas atividades, o sujeito
  transcende      seus   conhecimentos   adquiridos
  gerando novas estruturas mentais.

                            ( La Torre ,1993 p. 58)
Questões importantes:

 De onde procedem historicamente as ideias

 que eu incorporo em minha prática de ensino?


 Como cheguei a apoiar-me nelas?
Para Berbel 1998, p.58

 A tarefa do professor e, num sentido mais amplo,

  a do educador, é a de problematizar aos
  educandos os conteúdos que mediatiza, e não a
  de dissertar sobre eles, de dá-los, de entendê-
  los, de entregá-los como se tratasse de algo já
  feito, elaborado, acabado, terminado.
De acordo com Moretto 2001

 Ao propor um assunto a ser aprendido, cabe ao

  professor organizar estratégias que permitam a
  manifestação das concepções prévias dos
  alunos.
Vasconcelos 2002 afirma que

 O professor precisa se fortalecer a fim

  de que possa se recusar a dar um
  conteúdo no qual não vê sentido.
Vasconcelos 2002 questiona

 Como poderá o professor mobilizar os alunos se

 nem ele está mobilizado para aquilo que ensina?
Vasconcelos 2002 afirma então:

 Esta exigência pedagógica é decorrência de um

 pressuposto        epistemológico      básico:     para
 conhecer,     o    sujeito   precisa   querer     (caso
 contrário,   não    libera   representação       prévia,
 matéria-prima para o conhecimento).
Aproximando a teoria da prática



             Situação problema

             Elemento desafiador
Perguntas que provocam o desejo
    nos alunos em aprender:
 Por que?


 Para que?


 Como?


 Onde?
Para Oliva 1990

 Compete ao professor desafiar, instigar a dúvida

  dos alunos as certezas que os coloca em
  situação tão confortável.
Metodologia do Arco Maguerez

 1. Situação problema (provocação do desejo)


 2. Hipótese de solução antes da teorização.


 3. Teorização.
Metodologia do Arco Maguerez


 4. Hipótese de solução argumentada.




 5. Compreensão e/ou reconstrução da realidade.
O ARCO DE CHARLES MAGUEREZ
Em síntese

Situação-problema.
Hipóteses antes da teorização; momento do caos,
da    necessidade    de    buscar   solução   ou
compreensão.
Teorização; momento de luz para a solução ou
compreensão.
Hipóteses pós-teorização: momento de reflexão
fundamentada na teoria.
Compreensão, reconstrução da realidade, momento
do sentido mais pleno do ato de estudar, pois a
teoria mostra-se útil, significativa.
Se você deseja entrar nessa:

 Passo1.Selecione   um conteúdo do seu
  componente curricular em determinada área,
  série.

 Passo 2. Investigue o contexto, as situações os
  problemas que deram origem a esse conteúdo.
Se você deseja entrar nessa:



 Passo 3. Busque situações e problemas do
 contexto contemporâneo, onde esse conteúdo
 seja significativo para seus alunos.
Para desenvolver uma prática
pedagógica tendo com referência
o Arco de Maguerez:
 Passo 1. Selecione uma situação problema.


 Passo    2. Imagine   as   hipóteses   antes   da
  teorização;

 Passo 3. Aponte o conteúdo que será abordado.
 Passo 4. Imagine que hipóteses teriam os alunos
  agora depois da teorização.

 Passo 5. Planeja como levar os alunos a produzir
  e demonstrar sua capacidade de compreensão e
  ou capacidade de solução de problemas
Ensinar é uma arte,
e é na prática que o professor se faz artista.
O conhecimento do professor é gerado
a partir de sua prática no cotidiano da
sala de aula.
Por isso,
O Professor é um eterno aprendiz ...
Eduardo Galeano in O livro do
       abraços.

 Diego não conhecia o mar. O pai, Santiago

 Kovadloff, levou-o para que descobrisse o
 mar. Viajaram para o Sul..
Eduardo Galeano in O livro do
       abraços.


 Ele, o mar, estava do outro lado das dunas

 altas, esperando.
Eduardo Galeano in O livro do
       abraços.

 Quando o menino e o pai enfim alcançaram

 aquelas alturas de areia, depois de muito
 caminhar, o mar estava na frente de seus
 olhos.
Eduardo Galeano in O livro do
        abraços.

 E foi tanta a imensidão do mar, e tanto o seu

 fulgor, que o menino ficou mudo de beleza.
Eduardo Galeano in O livro do
      abraços

E quando finalmente conseguiu falar,

 tremendo, gaguejando, pediu ao pai:
                     - Me ajuda a olhar!
Eduardo Galeano in O livro do abraços)
Agradeço a atenção,
e fiquem com tudo que acalma o coração.

            Galeára Matos
   Ms – Psicopedagoga/Psicanalista

          galeara@uol.com.br

          (85)88241951

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ensinar e aprender
Ensinar e aprenderEnsinar e aprender
Ensinar e aprender
digrado
 
Professor Reflexivo 2
Professor Reflexivo 2Professor Reflexivo 2
Professor Reflexivo 2
Marlova Balke
 
A prática reflexiva no ofício do professor
A prática reflexiva no ofício do professorA prática reflexiva no ofício do professor
A prática reflexiva no ofício do professor
Helenice Silva
 
Aula - Teoria Construtivista
Aula - Teoria ConstrutivistaAula - Teoria Construtivista
Aula - Teoria Construtivista
paula
 
Estrategias pedagogicas especificas_dos_modelos_de_educacao_online_larisa
Estrategias pedagogicas especificas_dos_modelos_de_educacao_online_larisaEstrategias pedagogicas especificas_dos_modelos_de_educacao_online_larisa
Estrategias pedagogicas especificas_dos_modelos_de_educacao_online_larisa
Sónia Abrantes
 
Isabel alarcão
Isabel alarcãoIsabel alarcão
Isabel alarcão
Nayboa
 

Mais procurados (20)

A formação do professor do futuro
A formação do professor do futuroA formação do professor do futuro
A formação do professor do futuro
 
Ensinar e aprender
Ensinar e aprenderEnsinar e aprender
Ensinar e aprender
 
Professor Reflexivo 2
Professor Reflexivo 2Professor Reflexivo 2
Professor Reflexivo 2
 
Prática pedagógica:a relação professor-aluno no ensino superior
Prática pedagógica:a relação professor-aluno no ensino superiorPrática pedagógica:a relação professor-aluno no ensino superior
Prática pedagógica:a relação professor-aluno no ensino superior
 
A Problematização como ferramenta de ensino
A Problematização como ferramenta de ensinoA Problematização como ferramenta de ensino
A Problematização como ferramenta de ensino
 
A prática reflexiva no ofício do professor
A prática reflexiva no ofício do professorA prática reflexiva no ofício do professor
A prática reflexiva no ofício do professor
 
O olhar do observador
O olhar do observadorO olhar do observador
O olhar do observador
 
A teoria construtivista e as tecnologias
A teoria construtivista e as tecnologiasA teoria construtivista e as tecnologias
A teoria construtivista e as tecnologias
 
2ª reunião 29-02-2012
2ª reunião 29-02-20122ª reunião 29-02-2012
2ª reunião 29-02-2012
 
Aula - Teoria Construtivista
Aula - Teoria ConstrutivistaAula - Teoria Construtivista
Aula - Teoria Construtivista
 
O professor reflexivo
O professor reflexivoO professor reflexivo
O professor reflexivo
 
Estrategias pedagogicas especificas_dos_modelos_de_educacao_online_larisa
Estrategias pedagogicas especificas_dos_modelos_de_educacao_online_larisaEstrategias pedagogicas especificas_dos_modelos_de_educacao_online_larisa
Estrategias pedagogicas especificas_dos_modelos_de_educacao_online_larisa
 
Construtivismo na Educacao Infantil
Construtivismo na Educacao InfantilConstrutivismo na Educacao Infantil
Construtivismo na Educacao Infantil
 
Isabel alarcão
Isabel alarcãoIsabel alarcão
Isabel alarcão
 
O jeito de ensinar, aprender e compartilhar sempree
O jeito de ensinar, aprender e compartilhar sempreeO jeito de ensinar, aprender e compartilhar sempree
O jeito de ensinar, aprender e compartilhar sempree
 
Apresentação metacognição proposta 2
Apresentação metacognição   proposta 2Apresentação metacognição   proposta 2
Apresentação metacognição proposta 2
 
Professores reflexivos em uma escola reflexiva
Professores reflexivos em uma escola reflexivaProfessores reflexivos em uma escola reflexiva
Professores reflexivos em uma escola reflexiva
 
Tecnologias no construtivismo
Tecnologias no construtivismoTecnologias no construtivismo
Tecnologias no construtivismo
 
Estudo dirigido didatica
Estudo dirigido didaticaEstudo dirigido didatica
Estudo dirigido didatica
 
O professor reflexivo (em parceria com Cristiane Oliveira, Kátia Henriques, L...
O professor reflexivo (em parceria com Cristiane Oliveira, Kátia Henriques, L...O professor reflexivo (em parceria com Cristiane Oliveira, Kátia Henriques, L...
O professor reflexivo (em parceria com Cristiane Oliveira, Kátia Henriques, L...
 

Semelhante a Viii – encontro de psicopedagogia do piauí 19.10

Ppt92 A4
Ppt92 A4Ppt92 A4
Ppt92 A4
innog
 
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
PROIDDBahiana
 
3.4 apresentação projeto aprender a preservar o meio ambiente com os persona...
3.4 apresentação projeto aprender  a preservar o meio ambiente com os persona...3.4 apresentação projeto aprender  a preservar o meio ambiente com os persona...
3.4 apresentação projeto aprender a preservar o meio ambiente com os persona...
Claudine Abiharoun
 
Capacitacao Consultores Final
Capacitacao Consultores FinalCapacitacao Consultores Final
Capacitacao Consultores Final
CCAC
 
Resumodasleiturasprovaofaseefetivos 130818165310-phpapp01
Resumodasleiturasprovaofaseefetivos 130818165310-phpapp01Resumodasleiturasprovaofaseefetivos 130818165310-phpapp01
Resumodasleiturasprovaofaseefetivos 130818165310-phpapp01
Jhosyrene Oliveira
 

Semelhante a Viii – encontro de psicopedagogia do piauí 19.10 (20)

Ppt92 A4
Ppt92 A4Ppt92 A4
Ppt92 A4
 
Revolução nas Aulas do Século XXI
Revolução nas Aulas do Século XXIRevolução nas Aulas do Século XXI
Revolução nas Aulas do Século XXI
 
Didática professores trânsito fácil1
Didática professores trânsito fácil1Didática professores trânsito fácil1
Didática professores trânsito fácil1
 
TCC - Estilos de Aprendizagem
TCC - Estilos de AprendizagemTCC - Estilos de Aprendizagem
TCC - Estilos de Aprendizagem
 
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
 
3.4 apresentação projeto aprender a preservar o meio ambiente com os persona...
3.4 apresentação projeto aprender  a preservar o meio ambiente com os persona...3.4 apresentação projeto aprender  a preservar o meio ambiente com os persona...
3.4 apresentação projeto aprender a preservar o meio ambiente com os persona...
 
02_AtividadesInclusivas_AnosIniciaisEF_Vivescer.pdf
02_AtividadesInclusivas_AnosIniciaisEF_Vivescer.pdf02_AtividadesInclusivas_AnosIniciaisEF_Vivescer.pdf
02_AtividadesInclusivas_AnosIniciaisEF_Vivescer.pdf
 
A relação ensino-aprendizagem na escola dominical
A relação ensino-aprendizagem na escola dominicalA relação ensino-aprendizagem na escola dominical
A relação ensino-aprendizagem na escola dominical
 
Ensinando com Eficácia. aula sobre como ensinar os DBV.pptx
Ensinando com Eficácia. aula sobre como ensinar os DBV.pptxEnsinando com Eficácia. aula sobre como ensinar os DBV.pptx
Ensinando com Eficácia. aula sobre como ensinar os DBV.pptx
 
História da pedagogia e da didática
História da pedagogia e da didáticaHistória da pedagogia e da didática
História da pedagogia e da didática
 
História da pedagogia e da didática
História da pedagogia e da didáticaHistória da pedagogia e da didática
História da pedagogia e da didática
 
Pelos territórios fénix
Pelos territórios fénixPelos territórios fénix
Pelos territórios fénix
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
 
Capacitacao Consultores Final
Capacitacao Consultores FinalCapacitacao Consultores Final
Capacitacao Consultores Final
 
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
 
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
 
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
 
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
 
Resumodasleiturasprovaofaseefetivos 130818165310-phpapp01
Resumodasleiturasprovaofaseefetivos 130818165310-phpapp01Resumodasleiturasprovaofaseefetivos 130818165310-phpapp01
Resumodasleiturasprovaofaseefetivos 130818165310-phpapp01
 
Slide psicologia da aprendizagem-posgraduacao
Slide psicologia da aprendizagem-posgraduacaoSlide psicologia da aprendizagem-posgraduacao
Slide psicologia da aprendizagem-posgraduacao
 

Mais de Cristina Maria de S Miranda (11)

Testes psicopedagógicos
Testes psicopedagógicosTestes psicopedagógicos
Testes psicopedagógicos
 
Apresentação parnaiba
Apresentação parnaibaApresentação parnaiba
Apresentação parnaiba
 
Amor saber e aprendizagem
Amor saber e aprendizagemAmor saber e aprendizagem
Amor saber e aprendizagem
 
Papel de carta walter trinca caixa de areia 11.2012
Papel de carta    walter trinca caixa de areia  11.2012Papel de carta    walter trinca caixa de areia  11.2012
Papel de carta walter trinca caixa de areia 11.2012
 
Testes psicopedagógicos
Testes psicopedagógicosTestes psicopedagógicos
Testes psicopedagógicos
 
Palestra jaja e jojo correta
Palestra jaja e jojo corretaPalestra jaja e jojo correta
Palestra jaja e jojo correta
 
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogiaIx encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
 
andreia
andreiaandreia
andreia
 
Palestra jaja e jojo correta
Palestra jaja e jojo corretaPalestra jaja e jojo correta
Palestra jaja e jojo correta
 
Piauí 2011
Piauí 2011Piauí 2011
Piauí 2011
 
Metacognição piauí 2011
Metacognição piauí 2011Metacognição piauí 2011
Metacognição piauí 2011
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 

Viii – encontro de psicopedagogia do piauí 19.10

  • 1. VIII – Encontro de Psicopedagogia do Piauí 21 a 23 de Outubro de 2011
  • 2.  Cajuina CAETANO VELOSO.mp3 Está entre as cem maiores pontes estaiadas do mundo Piripiri Delta do Parnaíba
  • 3. Professor o eterno aprendiz...  De si mesmo  Do outro  Do mundo  Da vida
  • 4. Quantas vezes você já ouviu  Professor, porque estamos aprendendo isso?  Onde e quando vamos usar isso?
  • 5. Para Giesecke 1997  Aprender é uma atividade individual do sujeito. O aprendente precisa ter motivo para aprender.
  • 6. Aprendizagem é  A probabilidade de incorporar o conhecimento que é do outro, ao seu saber pessoal.  Dinâmica.  Construtiva – reconstrutiva, de dentro para fora.
  • 7.  Escutar, copiar, reproduzir na prova.  Assistir aula.  Dar aula. Isto não garante aprendizagem!
  • 8. Então: Ensinar significa mais que transmitir conhecimento.
  • 9. Ensinar é:  Intercambiar, compartilhar, confrontar, debater ideias, e mediante estas atividades, o sujeito transcende seus conhecimentos adquiridos gerando novas estruturas mentais. ( La Torre ,1993 p. 58)
  • 10. Questões importantes:  De onde procedem historicamente as ideias que eu incorporo em minha prática de ensino?  Como cheguei a apoiar-me nelas?
  • 11. Para Berbel 1998, p.58  A tarefa do professor e, num sentido mais amplo, a do educador, é a de problematizar aos educandos os conteúdos que mediatiza, e não a de dissertar sobre eles, de dá-los, de entendê- los, de entregá-los como se tratasse de algo já feito, elaborado, acabado, terminado.
  • 12. De acordo com Moretto 2001  Ao propor um assunto a ser aprendido, cabe ao professor organizar estratégias que permitam a manifestação das concepções prévias dos alunos.
  • 13. Vasconcelos 2002 afirma que  O professor precisa se fortalecer a fim de que possa se recusar a dar um conteúdo no qual não vê sentido.
  • 14. Vasconcelos 2002 questiona  Como poderá o professor mobilizar os alunos se nem ele está mobilizado para aquilo que ensina?
  • 15. Vasconcelos 2002 afirma então:  Esta exigência pedagógica é decorrência de um pressuposto epistemológico básico: para conhecer, o sujeito precisa querer (caso contrário, não libera representação prévia, matéria-prima para o conhecimento).
  • 16. Aproximando a teoria da prática Situação problema Elemento desafiador
  • 17. Perguntas que provocam o desejo nos alunos em aprender:
  • 18.  Por que?  Para que?  Como?  Onde?
  • 19.
  • 20. Para Oliva 1990  Compete ao professor desafiar, instigar a dúvida dos alunos as certezas que os coloca em situação tão confortável.
  • 21. Metodologia do Arco Maguerez  1. Situação problema (provocação do desejo)  2. Hipótese de solução antes da teorização.  3. Teorização.
  • 22. Metodologia do Arco Maguerez  4. Hipótese de solução argumentada.  5. Compreensão e/ou reconstrução da realidade.
  • 23. O ARCO DE CHARLES MAGUEREZ
  • 24.
  • 25. Em síntese Situação-problema. Hipóteses antes da teorização; momento do caos, da necessidade de buscar solução ou compreensão. Teorização; momento de luz para a solução ou compreensão. Hipóteses pós-teorização: momento de reflexão fundamentada na teoria. Compreensão, reconstrução da realidade, momento do sentido mais pleno do ato de estudar, pois a teoria mostra-se útil, significativa.
  • 26. Se você deseja entrar nessa:  Passo1.Selecione um conteúdo do seu componente curricular em determinada área, série.  Passo 2. Investigue o contexto, as situações os problemas que deram origem a esse conteúdo.
  • 27. Se você deseja entrar nessa:  Passo 3. Busque situações e problemas do contexto contemporâneo, onde esse conteúdo seja significativo para seus alunos.
  • 28. Para desenvolver uma prática pedagógica tendo com referência o Arco de Maguerez:
  • 29.  Passo 1. Selecione uma situação problema.  Passo 2. Imagine as hipóteses antes da teorização;  Passo 3. Aponte o conteúdo que será abordado.
  • 30.  Passo 4. Imagine que hipóteses teriam os alunos agora depois da teorização.  Passo 5. Planeja como levar os alunos a produzir e demonstrar sua capacidade de compreensão e ou capacidade de solução de problemas
  • 31. Ensinar é uma arte, e é na prática que o professor se faz artista.
  • 32. O conhecimento do professor é gerado a partir de sua prática no cotidiano da sala de aula.
  • 33. Por isso, O Professor é um eterno aprendiz ...
  • 34. Eduardo Galeano in O livro do abraços.  Diego não conhecia o mar. O pai, Santiago Kovadloff, levou-o para que descobrisse o mar. Viajaram para o Sul..
  • 35. Eduardo Galeano in O livro do abraços.  Ele, o mar, estava do outro lado das dunas altas, esperando.
  • 36. Eduardo Galeano in O livro do abraços.  Quando o menino e o pai enfim alcançaram aquelas alturas de areia, depois de muito caminhar, o mar estava na frente de seus olhos.
  • 37. Eduardo Galeano in O livro do abraços.  E foi tanta a imensidão do mar, e tanto o seu fulgor, que o menino ficou mudo de beleza.
  • 38. Eduardo Galeano in O livro do abraços E quando finalmente conseguiu falar, tremendo, gaguejando, pediu ao pai: - Me ajuda a olhar!
  • 39. Eduardo Galeano in O livro do abraços)
  • 40. Agradeço a atenção, e fiquem com tudo que acalma o coração. Galeára Matos Ms – Psicopedagoga/Psicanalista galeara@uol.com.br (85)88241951