SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADE E TECNOLOGIAS
INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO
MODULO DISCIPLINAR: “DIDÁTICA NO ENSINO SUPERIOR ”.
DOCENTE PROFª. MESTRE MARISA PASCARELLI AGRELLO




                         Portfólio




                       Cruz, março de 2012
UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADE E TECNOLOGIAS
INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO
MODULO DISCIPLINAR: “DIDÁTICA NO ENSINO SUPERIOR ”.
DOCENTE PROFª. MESTRE MARISA PASCARELLI AGRELLO

ALUNOS: JOSÉ CLAUDENIR SILVEIRA SOUSA
        MARIA VALDENIR ALVES
        NEILIANA LINO ALVES
        RAIMUNDO VALDEMIR LOPES




                         Portfólio




                       Cruz, março de 2012
INTRODUÇÃO

Neste trabalho abordaremos as temáticas sobre o processo ensino aprendizagem
ministrado durante a docência na disciplina Didática do Ensino do Superior no curso de
mestrado em ciências da educação.

Percebe-se que a Didática passou por um processo de adaptação até que estudiosos
convenceram que a mesma é uma ferramenta essencial em sala de aula, devido a
evolução no que diz respeito à percepção de conhecimentos, assim certifica-se de que
ela não pode faltar em hipótese alguma na prática educacional, bem como na utilização
dos meios pedagógicos, em pesquisas e por fim na avaliação.

A didática em sua amplitude deve ajudar de forma precisa na formação do educador,
viabilizando ao mesmo a capacidade de formular seus objetivos a serem atingidos no
decorrer de sua carreira. Segundo (Candau 1999, p.26) “O papel da didática destina-se a
atingir um fim a formação do educador”. Assim percebe-se que o educador não pode
deixar de trabalhar a didática em hipótese alguma, uma vez que ela faz parte da sua
prática profissional.

 Nesse contexto os professores são parte integrante do processo educativo, sendo
importantes para a formação das gerações e para os padrões de sociedade que buscamos.
Libâneo situa a educação como fenômeno social universal determinando o caráter
existencial e essencial da mesma. Estuda também os tipos de educação, a não
intencional, refere-se a influências do contexto social e do meio ambiente sobre os
indivíduos. Já a intencional refere-se àquelas que têm objetivos e intenções definidos. A
educação pode ser também, formal ou não-formal, dependendo sempre dos objetivos.

Assim afirma-se que o principal objetivo deste trabalho é a aquisição de conhecimentos
voltados para o ramo educacional, podendo contribuir de forma sensível com os
parceiros deste grande bem da humanidade.

Para a realização desse trabalho utilizamos o portfólio, uma metodologia bastante
usada nos cursos de Ensino superior. O objetivo é o de compreender como estes podem
ser empregados de modo a contribuir com a aprendizagem dos discentes, oportunizando
a regulação e a autorregulação constante de cada discente e da turma como um todo.
“A EDUCAÇÃO EXIGE OS MAIORES CUIDADOS PORQUE INFLUI SOBRE
TODA VIDA”. Séneca




                               No Painel de expectativas

De forma dinâmica fomos convidados a refletir um pouco sobre nossa infância e
buscarmos no painel de nossa memória um brinquedo querido e fazer ponte com nossa
profissão. Todos nos apresentamos dizendo o nome, onde trabalha e fazendo ponte entre
o brinquedo de infância e a profissão docente uma vez que todos na turma são
educadores.




                              Ensinar. O que é ensinar?

O ato de ensinar é muito mais difícil do que aprender porque exige que deixe que
aprenda. E neste processo o professor não deve deixar que nada mais seja aprendido a
não ser a própria aprendizagem, sendo que ele próprio tem muito a aprender.

O homem é um ser constituído humanamente como um ser inacabado e como educador
deve sempre ter em mente que tornar-se um mestre é muito diferente de tornar-se um
professor famoso, e que sua postura de respeito e atenção pelo aluno faz total diferença.
Ensinar é dividir sabedoria, transmitindo o que se sabe a quem quer, e ao contrário das
leis matemáticas nesta divisão o conhecimento não diminui, pelo contrário ganha-se
sempre algo a mais. Sendo o ato de ensinar um ato coletivo o professor deve
disponibilizar a todos igual oportunidade de aprendizagem para que dentro de suas
capacidades, que são individuais para que cada aluno possa desenvolver-se de forma
integral.




                                    E a didática?

A didática deve ser para o educador a mola mestra para o bom desenvolvimento do seu
trabalho docente levando em consideração toda sua trajetória.

Ensinar é uma realidade de natureza relacional, podendo ser interrogada e pesquisada
não somente pela percepção de atos visíveis, mas também pela reflexão sobre seu
significado na formação da personalidade e suas consequências na vida social.



                                Missão do educador.

A missão do educador é delicada exigente, permitindo que o estudante aprenda,
alimentando sua curiosidade e criatividade. Nesta missão não deve haver espaço para o
autoritarismo.
E como se dá a aprendizagem?

O ser humano aprende o tempo todo. O aprender é um processo pessoal que acontece
dentro da cabeça de cada um, exigindo que cada um pense por si próprio. O educador
deve ser o mediador desse processo, respeitando os limites e possibilidades de cada
estudante.




                            Há docência sem deiscência?

Ensinar inexiste sem aprender e vice versa e foi aprendendo socialmente, que os seres
humanos descobriram esta possibilidade. Quem ensina, ensina alguma coisa a alguém.
Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender.
O poder da visão.

Para viver nesse novo mundo temos que ser ousados, trocar os sonhos em realizações,
trocar o medo pela coragem. É preciso usar a força que muitas vezes está escondida
dentro de nós e nos perguntar sempre: O que tenho feito de realmente bom na minha
vida? E o que tenho feito de novo para engrandecê-la? Não estamos nesta vida para
sermos meros espectadores, podemos e devemos fazer diferente, tornando-nos atores
principais e não apenas coadjuvantes.




JÚRI SIMULADO



Analisamos o artigo sobre a vida d e Anísio Teixeira. Nesse percebemos que Anísio teve
uma vida bastante paradoxal, entre a doutrina católica e sua filosofia de vida. Em forma
de júri, se comportou a classe, para entender o seu posicionamento. Foi de riquíssima
importância esse método de apresentação tanto para, aqueles que não conheciam,
descobrir como funciona o desenrolar dos trabalhos em uma audiência de condenação
ou absolvição de um réu. Como contou com grande envolvimento da turma e debate
inflamado de que não poderíamos simplesmente julgá-lo hoje, olhando apenas o texto.
Existe todo um contexto histórico impossível de ser retratado e subsidiado apenas pelo
artigo estudado, seria desonesto e arriscado. Porém a metodologia do trabalhado
abordado pela professora tornou o entendimento do conteúdo prazeroso e bem mais
contundente.
QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO




Esta é uma historinha tirada do livro de Spence Johnson ( Who Moved My Cheese?,
) poderia ser um peixe, uma fruta e animais quaisquer, mais interessantemente são
ratinhos ilustrando a fábula com duendes que em um labirinto acharam comida em
quantidade, a priori suficiente, para o resto de suas vidas, Os ratinhos sempre
fiscalizavam o estoque de comida e diferente dos companheiros duendes, percebiam
que a comida estava ficando escassa. Sempre com os sapatos amarrados em volta do
pescoço mostrando, embora que ainda implicitamente, consciência que a qualquer
momentos estariam sujeitos a mudanças. E como previam os ratinhos, esse dia chegou.
Absorveram com certa naturalidade e partiram correndo com seus sapatinhos em busca
de novo alimento. Enquanto isso os duendes se lamentavam indagado, “Quem mexeu
no meu queijo?” regados de insatisfação e angustiados porque seu queijo não durara
para sempre. Até que um dos duendes deixa as lamentações de lado e passa a procurar
comida, deixando um rastro para que seu companheiro quando desistir de reclamar e
resolver correr atrás do objetivo, que seu caminho seja mais curto.

 Essa fábula é contada com a moral de despertas nos humanos a observação do mundo
que estar ao seu redor, que o mesmo é mutável e precisamos nos adapta , comodismo e
reclamações de oportunidades que ficaram no passado de nada adianta, ao contrario ,
como diz Darwin, quem sobreviverá não são os mais inteligente, nem os mais forte,
todavia os mais adaptado.
HABITUS PROFESSORAL

A apresentação dos trabalhos foi uma discussão comparativa com os estudos científicos
do artigo habitus professoral: o objeto dos estudo sobre o ato de ensinar na sala de aula
de Marilda da silva, e sua semelhança com os acontecidos no município de cruz . A
principal discussão girou em torno do próprio relato de professores que afirmam só
aprender realmente a lecionar na sala de aula e que o estágio e cursos que fizera, em
quase nada lhe auxiliaram na arte de atuar na sala de aula. Claro que isso seria mais
uma fala de impulso, visto que hoje se deparam com situações nas quais não fora
preparado para resolver. Os curso de preparação do magistério não se atentaram ou
fecharam os olhos para a evolução, ou involução social que houve no pais. A violência
chegou as salas de aulas, as famílias já não são aquela composição velha de pai ,mãe e
filho. A escola perde atenção para novas tecnologias que estão na causada da mesma ,
porém na própria ainda engatinham na luta para adaptação de seus próprios professores
ao mundo digital.




O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

                                  N      Neste texto foi trabalhado através de uma
                                     reflexão crítica, onde foi discutido sobre o processo
                                     de ensino aprendizagem e que a prática correta do
                                     professor de ensino superior deve estar assentada
                                     em três pontos principais_ o conteúdo da área na
                                     qual é um especialista, sua visão de educação, de
                                     homem e de mundo e as habilidades e
                                     conhecimentos que lhe permitem uma efetiva ação
                                     pedagógica em sala de         aula. E que na prática
                                     observamos uma
 lacuna no desempenho do docente de ensino superior, pois o mesmo se denomina como
um especialista, mas não domina a área educacional pedagógica. E que apesar da
aprendizagem e ensino não serem indissociável, as orientações das escolas são
diversificadas. E que conhecendo somente os interesses e necessidades dos seus alunos
é que os professores poderão criar situações de ensino que atendam às características de
aprendizagem dos estudantes e com isso garantirão a eficácia do seu papel de educador.

Pois essa diversidade deriva das formas singulares de nos adaptarmos cognitivamente a
um dado conteúdo e da possibilidade de nos expressarmos pela autorização do outro e
do acreditar em nossas potencialidades.
DINÂMICA: TENDÊNCIAS E TALENTOS

No desenvolvimento desse trabalho houve uma auto reflexão, onde foram trabalhados
os pontos da personalidade de cada um. E nessa dinâmica tinham três pontos cruciais:

a) PERSONALIDADE ESSENCIAL_ Nesse ponto a pessoa descreveria a si mesmo, e
diria se era uma pessoa comunicativa, extrovertida ou se tinha tendência para alguma
coisa. Sendo assim destacados alguns pontos como:

_nesse ponto foram trabalhados os pontos em que a pessoa tem tendência para a timidez
e introspecção, natureza cautelosa, que aprecia estabilização ou prefere correr riscos e
ser ousado;

_ se uma pessoa era desafiadora, que toma atitudes agressivas, ou se é uma pessoa
conciliadora e acha difícil e desagradável adotar uma postura agressiva;

_ se após uma decepção a pessoa se tornava resistente, se reagia ou se a recuperação era
rápida ou se ainda precisava de tempo para se recuperar;

_ outro ponto era o que a pessoa gostava de fazer no seu tempo livre, se gostava de
praticar esporte, fazer exercícios físicos, se gostava de ler, escrever, pesquisar, entre
outros;

_ se planejava e preparava com antecedência suas coisas ou se reagia por impulso do
momento;

_ se era um pensador linear ou se suas reflexões se moviam simultaneamente em
diversas direções.

b) INFLUÊNCIAS FAMILIARES_ Nesse ponto era trabalhado se a pessoa era
amável, inteligente, estudiosa; se agia bem ou explosivamente. Sendo assim trabalhados
os pontos:

_ se a pessoa recordava das palavras de seus pais e dos principais elogios;
_ e as situações em que os pais mais brigavam.

      c) INFLUÊNCIAS SOCIAIS_ Nesse ponto foram trabalhados:

_ quais os termos que as pessoas mais próximas usavam para elogiá-la, que termos eram
esses e que papel desempenhava em sua vida;

_ quando essas mesmas pessoas o corrigiam ou criticavam que palavras usavam;

_quais os professores que mais lhe incentivaram;

_ que palavras descreveriam para seguir sua carreira;

_ se a pessoa já tinha aceitado uma promoção mesmo sabendo que não seria bom pra si;

_ que experiência positiva ou não que contribuíra para a sua carreira.




FOTOS TIRADAS DURANTE A APRESENTAÇÃO DO DEBATE
FILME: A PAREDE




Este filme trata da historia de um rapaz, Pink astro do rock que vive em um quarto de
hotel e aos poucos enlouquece com suas próprias lembranças. Ele é um menino igual a
muitos da época, brincando de militar com as roupas do pai morto durante a 2ª Guerra
Mundial. É uma criança sofrida pela ausência paterna e por represália na escola.
Quando adulto, um homem casada com uma mulher mas que lhe trai e lhe abandona.

 O filme tem uma característica depressiva e sombrio. O passado e o presente se cruzam
durante todo o filme. Sua música é subjetiva e relata temas críticos como
relacionamento, drogas, guerra, educação e relação mãe e filho.

Numa visão educacional do filme a escola mostrada é a tradicional. Crianças não
passam de carne moída, sem diferenças. O professor repreende a brincadeiras nos
trilhos. Na sala de aula o professor dirige a imagem dos alunos como todos sendo
inferiores a ele, não passando de taboas rasas.
O CASO DE HEINZ (ESTUDO DO CASO)

                                     REFLITAM!

                        VAMOS EMITIR NOSSA OPINIÃO

                        DIREITO A RÉPLICA E TRÉPLICA

                                     O Dilema de Heinz




                            Imagem de Autor Desconhecido

   “Este é um texto sobre a virtude. Mas não fora apenas de uma virtude que se
esperava que a comunicação tratasse? Que estranha mudança é essa, dirão, se o tema da
comunicação é “A justiça”? O que é a justiça, se eu a identifico com a virtude? E como
podemos então definir as outras virtudes? Que dizer da coragem, da temperança e da
prudência, para ficarmos apenas com as virtudes cardeais se chama a virtude de justiça,
e a justiça de virtude? Reduzir-se-ão, elas também, à justiça?”.
Este é um do texto “O dilema de Heinz”. Nele foram trabalhado vários pontos como:
por que deve aplicar a lei contra Heinz e não contra o farmacêutico? Entre outros.
Foi aberta uma discussão em que cada equipe defendia seu ponto de vista. Alguns
defendiam Heinz por precisar do remédio tão caro e não ter meios em adquiri-lo, outros
defendiam o farmacêutico por cobrar tão caro devido aos custos e a raridade do
remédio. E assim prosseguiu o debate por algumas horas.
DINÂMICA DOS QUEBRA-CABEÇAS


Nessa dinâmica foram distribuídos encartes em que cada um iria procurar sua metade.
Ao encontrar sua metade, na junção das mesmas tinha uma pergunta reflexiva em que a
dupla teria que comentar sobre o assunto em questão.


Podemos apreciar em seguida várias fotos tiradas durante a apresentação de cada dupla.


VALDENIR E GLAICIANE                           NEILIANA E MAURA




VALDEMIR E LOURDES
                                               CLAUDENIR E RAI
ENCERRAMENTO
A professora fez o encerramento da disciplina com uma adaptação do texto “Gaiolas e
Asas”, de Ruben Alves, que por sinal foi muito bonito e bastante reflexivo; como
também ao final apresentou o vídeo, com uma mensagem motivacional” Sapateado”, de
J Rocha, no qual podemos compará-lo a nossa vida de educadores, aprendizado,
determinação, criatividade, persistência, sincronia, trabalho em equipe, liderança,
disciplina, motivação, harmonia e superação.




                        VALEU, PROFESSORA MARISA...
Portfolio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Interdisciplinaridade no ciclo de alfabetização
Interdisciplinaridade no ciclo de alfabetizaçãoInterdisciplinaridade no ciclo de alfabetização
Interdisciplinaridade no ciclo de alfabetização
Ana Maria Louzada
 
Fichamento desaulando a pr+ítica pedag+¦gica word- 2003
Fichamento  desaulando a pr+ítica pedag+¦gica word- 2003Fichamento  desaulando a pr+ítica pedag+¦gica word- 2003
Fichamento desaulando a pr+ítica pedag+¦gica word- 2003
familiaestagio
 
Construtivismo na Educacao Infantil
Construtivismo na Educacao InfantilConstrutivismo na Educacao Infantil
Construtivismo na Educacao Infantil
Mayara Vellardi
 
Jornada Pedagógica da eja 2007
Jornada Pedagógica da eja 2007Jornada Pedagógica da eja 2007
Jornada Pedagógica da eja 2007
marcia cristina
 
O professor pesquisador e reflexivo entrevista antonio novoa
O professor pesquisador e reflexivo entrevista antonio novoaO professor pesquisador e reflexivo entrevista antonio novoa
O professor pesquisador e reflexivo entrevista antonio novoa
Francismar Lopes
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
Rosiany Moraes
 
artigo andragogia
artigo andragogiaartigo andragogia
artigo andragogia
Mauricio Rodrigues de Araujo
 
Projeto construtivismo
Projeto construtivismoProjeto construtivismo
Projeto construtivismo
Impactto Cursos
 
Introdução ao pensamento de baktin
Introdução ao pensamento de baktinIntrodução ao pensamento de baktin
Introdução ao pensamento de baktin
Celi Jandy Moraes Gomes
 
A prática docente do ensinar
A prática docente do ensinarA prática docente do ensinar
A prática docente do ensinar
SimoneHelenDrumond
 
A dimensão ética da aula
A dimensão ética da aulaA dimensão ética da aula
A dimensão ética da aula
Carolina Santucci F. Fontolan
 
Não há docência sem discência
Não há docência sem discênciaNão há docência sem discência
Não há docência sem discência
CRIS TORRES
 
O jeito de ensinar, aprender e compartilhar sempree
O jeito de ensinar, aprender e compartilhar sempreeO jeito de ensinar, aprender e compartilhar sempree
O jeito de ensinar, aprender e compartilhar sempree
Sempree - Saber Empreendedor
 
Projeto Escola Viva Deficiência Contexto
Projeto Escola Viva Deficiência ContextoProjeto Escola Viva Deficiência Contexto
Projeto Escola Viva Deficiência Contexto
asustecnologia
 
Texto para reflexão
Texto para reflexãoTexto para reflexão
Texto para reflexão
Kênia Bomtempo
 
Didatica i u1
Didatica i u1Didatica i u1
Didatica i u1
Cida Cerqueira
 

Mais procurados (16)

Interdisciplinaridade no ciclo de alfabetização
Interdisciplinaridade no ciclo de alfabetizaçãoInterdisciplinaridade no ciclo de alfabetização
Interdisciplinaridade no ciclo de alfabetização
 
Fichamento desaulando a pr+ítica pedag+¦gica word- 2003
Fichamento  desaulando a pr+ítica pedag+¦gica word- 2003Fichamento  desaulando a pr+ítica pedag+¦gica word- 2003
Fichamento desaulando a pr+ítica pedag+¦gica word- 2003
 
Construtivismo na Educacao Infantil
Construtivismo na Educacao InfantilConstrutivismo na Educacao Infantil
Construtivismo na Educacao Infantil
 
Jornada Pedagógica da eja 2007
Jornada Pedagógica da eja 2007Jornada Pedagógica da eja 2007
Jornada Pedagógica da eja 2007
 
O professor pesquisador e reflexivo entrevista antonio novoa
O professor pesquisador e reflexivo entrevista antonio novoaO professor pesquisador e reflexivo entrevista antonio novoa
O professor pesquisador e reflexivo entrevista antonio novoa
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
 
artigo andragogia
artigo andragogiaartigo andragogia
artigo andragogia
 
Projeto construtivismo
Projeto construtivismoProjeto construtivismo
Projeto construtivismo
 
Introdução ao pensamento de baktin
Introdução ao pensamento de baktinIntrodução ao pensamento de baktin
Introdução ao pensamento de baktin
 
A prática docente do ensinar
A prática docente do ensinarA prática docente do ensinar
A prática docente do ensinar
 
A dimensão ética da aula
A dimensão ética da aulaA dimensão ética da aula
A dimensão ética da aula
 
Não há docência sem discência
Não há docência sem discênciaNão há docência sem discência
Não há docência sem discência
 
O jeito de ensinar, aprender e compartilhar sempree
O jeito de ensinar, aprender e compartilhar sempreeO jeito de ensinar, aprender e compartilhar sempree
O jeito de ensinar, aprender e compartilhar sempree
 
Projeto Escola Viva Deficiência Contexto
Projeto Escola Viva Deficiência ContextoProjeto Escola Viva Deficiência Contexto
Projeto Escola Viva Deficiência Contexto
 
Texto para reflexão
Texto para reflexãoTexto para reflexão
Texto para reflexão
 
Didatica i u1
Didatica i u1Didatica i u1
Didatica i u1
 

Semelhante a Portfolio

Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo FreirePedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Bruno Carrasco
 
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomiaResumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Joka Luiz
 
Resumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomiaResumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomia
Marciafaria13
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
Sussy De La Lumier
 
Professor x Educador
Professor x EducadorProfessor x Educador
Professor x Educador
Agâta Dourado
 
Freire, paulo pedagogia da autonomia
Freire, paulo    pedagogia da autonomiaFreire, paulo    pedagogia da autonomia
Freire, paulo pedagogia da autonomia
marcaocampos
 
aprender e ensinar
aprender e ensinaraprender e ensinar
aprender e ensinar
EMEI VICTOR NOGAROTO KEUSSEYAN
 
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
PROIDDBahiana
 
As Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes PedagógicasAs Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes Pedagógicas
Jessica Nuvens
 
Andragogia.pptx
Andragogia.pptxAndragogia.pptx
Andragogia.pptx
Benedito32
 
O Papel Do Professor
O Papel Do ProfessorO Papel Do Professor
O Papel Do Professor
Mary Carneiro
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
Celi Jandy Moraes Gomes
 
O que e ensinar
O que e ensinarO que e ensinar
O que e ensinar
prointiced
 
Professor Reflexivo 2
Professor Reflexivo 2Professor Reflexivo 2
Professor Reflexivo 2
Marlova Balke
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
angelafrc
 
TCC - Estilos de Aprendizagem
TCC - Estilos de AprendizagemTCC - Estilos de Aprendizagem
TCC - Estilos de Aprendizagem
Leonardo Florêncio
 
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Taís Rubinho
 
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Taís Rubinho
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
Genario Sousa
 
Pelos territórios fénix
Pelos territórios fénixPelos territórios fénix
Pelos territórios fénix
José Matias Alves
 

Semelhante a Portfolio (20)

Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo FreirePedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
 
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomiaResumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
 
Resumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomiaResumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomia
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Professor x Educador
Professor x EducadorProfessor x Educador
Professor x Educador
 
Freire, paulo pedagogia da autonomia
Freire, paulo    pedagogia da autonomiaFreire, paulo    pedagogia da autonomia
Freire, paulo pedagogia da autonomia
 
aprender e ensinar
aprender e ensinaraprender e ensinar
aprender e ensinar
 
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
 
As Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes PedagógicasAs Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes Pedagógicas
 
Andragogia.pptx
Andragogia.pptxAndragogia.pptx
Andragogia.pptx
 
O Papel Do Professor
O Papel Do ProfessorO Papel Do Professor
O Papel Do Professor
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
 
O que e ensinar
O que e ensinarO que e ensinar
O que e ensinar
 
Professor Reflexivo 2
Professor Reflexivo 2Professor Reflexivo 2
Professor Reflexivo 2
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
 
TCC - Estilos de Aprendizagem
TCC - Estilos de AprendizagemTCC - Estilos de Aprendizagem
TCC - Estilos de Aprendizagem
 
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032
 
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
 
Pelos territórios fénix
Pelos territórios fénixPelos territórios fénix
Pelos territórios fénix
 

Mais de Valdemir Lopes Valdermir

Livro professores do brasil
Livro professores do brasilLivro professores do brasil
Livro professores do brasil
Valdemir Lopes Valdermir
 
Livro estudo de caso planejamento e metodos
Livro   estudo de caso planejamento e metodosLivro   estudo de caso planejamento e metodos
Livro estudo de caso planejamento e metodos
Valdemir Lopes Valdermir
 
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
PortfolioPortfolio
Roteiro de projeto_para_atividade_da_unidade-3
Roteiro de projeto_para_atividade_da_unidade-3Roteiro de projeto_para_atividade_da_unidade-3
Roteiro de projeto_para_atividade_da_unidade-3Valdemir Lopes Valdermir
 
Roteiro de projeto_para_atividade_da_unidade-3
Roteiro de projeto_para_atividade_da_unidade-3Roteiro de projeto_para_atividade_da_unidade-3
Roteiro de projeto_para_atividade_da_unidade-3Valdemir Lopes Valdermir
 
Eproinfo
EproinfoEproinfo
Um projeto diferenciado
Um projeto diferenciadoUm projeto diferenciado
Um projeto diferenciado
Valdemir Lopes Valdermir
 
Enem 2011 08 rosa gab
Enem 2011 08 rosa gabEnem 2011 08 rosa gab
Enem 2011 08 rosa gab
Valdemir Lopes Valdermir
 
Enem 06 cinza gab
Enem 06 cinza gabEnem 06 cinza gab
Enem 06 cinza gab
Valdemir Lopes Valdermir
 
Enem 05 amarelo gab
Enem 05 amarelo gabEnem 05 amarelo gab
Enem 05 amarelo gab
Valdemir Lopes Valdermir
 
Enem 04 rosa gab
Enem 04 rosa gabEnem 04 rosa gab
Enem 04 rosa gab
Valdemir Lopes Valdermir
 
Prova do enem 2011 (03 branco gab)
Prova do enem 2011 (03 branco gab)Prova do enem 2011 (03 branco gab)
Prova do enem 2011 (03 branco gab)
Valdemir Lopes Valdermir
 
Prova do enem 02 amarelo gab
Prova do enem 02 amarelo gabProva do enem 02 amarelo gab
Prova do enem 02 amarelo gab
Valdemir Lopes Valdermir
 
Prova do enem 01 azul gab
Prova do enem 01 azul gabProva do enem 01 azul gab
Prova do enem 01 azul gab
Valdemir Lopes Valdermir
 
Prova do enem e gabarito07 azul gab
Prova do enem e gabarito07 azul gabProva do enem e gabarito07 azul gab
Prova do enem e gabarito07 azul gab
Valdemir Lopes Valdermir
 
10 passos para uma boa redação
10 passos para uma boa redação10 passos para uma boa redação
10 passos para uma boa redação
Valdemir Lopes Valdermir
 
Prática curricular iv
Prática curricular ivPrática curricular iv
Prática curricular iv
Valdemir Lopes Valdermir
 
Prática curricular iv fontes escritas...
Prática curricular iv   fontes escritas...Prática curricular iv   fontes escritas...
Prática curricular iv fontes escritas...
Valdemir Lopes Valdermir
 

Mais de Valdemir Lopes Valdermir (20)

Livro professores do brasil
Livro professores do brasilLivro professores do brasil
Livro professores do brasil
 
Livro estudo de caso planejamento e metodos
Livro   estudo de caso planejamento e metodosLivro   estudo de caso planejamento e metodos
Livro estudo de caso planejamento e metodos
 
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
 
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
 
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
 
Roteiro de projeto_para_atividade_da_unidade-3
Roteiro de projeto_para_atividade_da_unidade-3Roteiro de projeto_para_atividade_da_unidade-3
Roteiro de projeto_para_atividade_da_unidade-3
 
Roteiro de projeto_para_atividade_da_unidade-3
Roteiro de projeto_para_atividade_da_unidade-3Roteiro de projeto_para_atividade_da_unidade-3
Roteiro de projeto_para_atividade_da_unidade-3
 
Eproinfo
EproinfoEproinfo
Eproinfo
 
Um projeto diferenciado
Um projeto diferenciadoUm projeto diferenciado
Um projeto diferenciado
 
Enem 2011 08 rosa gab
Enem 2011 08 rosa gabEnem 2011 08 rosa gab
Enem 2011 08 rosa gab
 
Enem 06 cinza gab
Enem 06 cinza gabEnem 06 cinza gab
Enem 06 cinza gab
 
Enem 05 amarelo gab
Enem 05 amarelo gabEnem 05 amarelo gab
Enem 05 amarelo gab
 
Enem 04 rosa gab
Enem 04 rosa gabEnem 04 rosa gab
Enem 04 rosa gab
 
Prova do enem 2011 (03 branco gab)
Prova do enem 2011 (03 branco gab)Prova do enem 2011 (03 branco gab)
Prova do enem 2011 (03 branco gab)
 
Prova do enem 02 amarelo gab
Prova do enem 02 amarelo gabProva do enem 02 amarelo gab
Prova do enem 02 amarelo gab
 
Prova do enem 01 azul gab
Prova do enem 01 azul gabProva do enem 01 azul gab
Prova do enem 01 azul gab
 
Prova do enem e gabarito07 azul gab
Prova do enem e gabarito07 azul gabProva do enem e gabarito07 azul gab
Prova do enem e gabarito07 azul gab
 
10 passos para uma boa redação
10 passos para uma boa redação10 passos para uma boa redação
10 passos para uma boa redação
 
Prática curricular iv
Prática curricular ivPrática curricular iv
Prática curricular iv
 
Prática curricular iv fontes escritas...
Prática curricular iv   fontes escritas...Prática curricular iv   fontes escritas...
Prática curricular iv fontes escritas...
 

Portfolio

  • 1. UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADE E TECNOLOGIAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO MODULO DISCIPLINAR: “DIDÁTICA NO ENSINO SUPERIOR ”. DOCENTE PROFª. MESTRE MARISA PASCARELLI AGRELLO Portfólio Cruz, março de 2012
  • 2. UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADE E TECNOLOGIAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO MODULO DISCIPLINAR: “DIDÁTICA NO ENSINO SUPERIOR ”. DOCENTE PROFª. MESTRE MARISA PASCARELLI AGRELLO ALUNOS: JOSÉ CLAUDENIR SILVEIRA SOUSA MARIA VALDENIR ALVES NEILIANA LINO ALVES RAIMUNDO VALDEMIR LOPES Portfólio Cruz, março de 2012
  • 3. INTRODUÇÃO Neste trabalho abordaremos as temáticas sobre o processo ensino aprendizagem ministrado durante a docência na disciplina Didática do Ensino do Superior no curso de mestrado em ciências da educação. Percebe-se que a Didática passou por um processo de adaptação até que estudiosos convenceram que a mesma é uma ferramenta essencial em sala de aula, devido a evolução no que diz respeito à percepção de conhecimentos, assim certifica-se de que ela não pode faltar em hipótese alguma na prática educacional, bem como na utilização dos meios pedagógicos, em pesquisas e por fim na avaliação. A didática em sua amplitude deve ajudar de forma precisa na formação do educador, viabilizando ao mesmo a capacidade de formular seus objetivos a serem atingidos no decorrer de sua carreira. Segundo (Candau 1999, p.26) “O papel da didática destina-se a atingir um fim a formação do educador”. Assim percebe-se que o educador não pode deixar de trabalhar a didática em hipótese alguma, uma vez que ela faz parte da sua prática profissional. Nesse contexto os professores são parte integrante do processo educativo, sendo importantes para a formação das gerações e para os padrões de sociedade que buscamos. Libâneo situa a educação como fenômeno social universal determinando o caráter existencial e essencial da mesma. Estuda também os tipos de educação, a não intencional, refere-se a influências do contexto social e do meio ambiente sobre os indivíduos. Já a intencional refere-se àquelas que têm objetivos e intenções definidos. A educação pode ser também, formal ou não-formal, dependendo sempre dos objetivos. Assim afirma-se que o principal objetivo deste trabalho é a aquisição de conhecimentos voltados para o ramo educacional, podendo contribuir de forma sensível com os parceiros deste grande bem da humanidade. Para a realização desse trabalho utilizamos o portfólio, uma metodologia bastante usada nos cursos de Ensino superior. O objetivo é o de compreender como estes podem ser empregados de modo a contribuir com a aprendizagem dos discentes, oportunizando a regulação e a autorregulação constante de cada discente e da turma como um todo.
  • 4. “A EDUCAÇÃO EXIGE OS MAIORES CUIDADOS PORQUE INFLUI SOBRE TODA VIDA”. Séneca No Painel de expectativas De forma dinâmica fomos convidados a refletir um pouco sobre nossa infância e buscarmos no painel de nossa memória um brinquedo querido e fazer ponte com nossa profissão. Todos nos apresentamos dizendo o nome, onde trabalha e fazendo ponte entre o brinquedo de infância e a profissão docente uma vez que todos na turma são educadores. Ensinar. O que é ensinar? O ato de ensinar é muito mais difícil do que aprender porque exige que deixe que aprenda. E neste processo o professor não deve deixar que nada mais seja aprendido a não ser a própria aprendizagem, sendo que ele próprio tem muito a aprender. O homem é um ser constituído humanamente como um ser inacabado e como educador deve sempre ter em mente que tornar-se um mestre é muito diferente de tornar-se um professor famoso, e que sua postura de respeito e atenção pelo aluno faz total diferença.
  • 5. Ensinar é dividir sabedoria, transmitindo o que se sabe a quem quer, e ao contrário das leis matemáticas nesta divisão o conhecimento não diminui, pelo contrário ganha-se sempre algo a mais. Sendo o ato de ensinar um ato coletivo o professor deve disponibilizar a todos igual oportunidade de aprendizagem para que dentro de suas capacidades, que são individuais para que cada aluno possa desenvolver-se de forma integral. E a didática? A didática deve ser para o educador a mola mestra para o bom desenvolvimento do seu trabalho docente levando em consideração toda sua trajetória. Ensinar é uma realidade de natureza relacional, podendo ser interrogada e pesquisada não somente pela percepção de atos visíveis, mas também pela reflexão sobre seu significado na formação da personalidade e suas consequências na vida social. Missão do educador. A missão do educador é delicada exigente, permitindo que o estudante aprenda, alimentando sua curiosidade e criatividade. Nesta missão não deve haver espaço para o autoritarismo.
  • 6. E como se dá a aprendizagem? O ser humano aprende o tempo todo. O aprender é um processo pessoal que acontece dentro da cabeça de cada um, exigindo que cada um pense por si próprio. O educador deve ser o mediador desse processo, respeitando os limites e possibilidades de cada estudante. Há docência sem deiscência? Ensinar inexiste sem aprender e vice versa e foi aprendendo socialmente, que os seres humanos descobriram esta possibilidade. Quem ensina, ensina alguma coisa a alguém. Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender.
  • 7. O poder da visão. Para viver nesse novo mundo temos que ser ousados, trocar os sonhos em realizações, trocar o medo pela coragem. É preciso usar a força que muitas vezes está escondida dentro de nós e nos perguntar sempre: O que tenho feito de realmente bom na minha vida? E o que tenho feito de novo para engrandecê-la? Não estamos nesta vida para sermos meros espectadores, podemos e devemos fazer diferente, tornando-nos atores principais e não apenas coadjuvantes. JÚRI SIMULADO Analisamos o artigo sobre a vida d e Anísio Teixeira. Nesse percebemos que Anísio teve uma vida bastante paradoxal, entre a doutrina católica e sua filosofia de vida. Em forma de júri, se comportou a classe, para entender o seu posicionamento. Foi de riquíssima importância esse método de apresentação tanto para, aqueles que não conheciam, descobrir como funciona o desenrolar dos trabalhos em uma audiência de condenação ou absolvição de um réu. Como contou com grande envolvimento da turma e debate inflamado de que não poderíamos simplesmente julgá-lo hoje, olhando apenas o texto. Existe todo um contexto histórico impossível de ser retratado e subsidiado apenas pelo artigo estudado, seria desonesto e arriscado. Porém a metodologia do trabalhado abordado pela professora tornou o entendimento do conteúdo prazeroso e bem mais contundente.
  • 8. QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Esta é uma historinha tirada do livro de Spence Johnson ( Who Moved My Cheese?, ) poderia ser um peixe, uma fruta e animais quaisquer, mais interessantemente são ratinhos ilustrando a fábula com duendes que em um labirinto acharam comida em quantidade, a priori suficiente, para o resto de suas vidas, Os ratinhos sempre fiscalizavam o estoque de comida e diferente dos companheiros duendes, percebiam que a comida estava ficando escassa. Sempre com os sapatos amarrados em volta do pescoço mostrando, embora que ainda implicitamente, consciência que a qualquer momentos estariam sujeitos a mudanças. E como previam os ratinhos, esse dia chegou. Absorveram com certa naturalidade e partiram correndo com seus sapatinhos em busca de novo alimento. Enquanto isso os duendes se lamentavam indagado, “Quem mexeu no meu queijo?” regados de insatisfação e angustiados porque seu queijo não durara para sempre. Até que um dos duendes deixa as lamentações de lado e passa a procurar comida, deixando um rastro para que seu companheiro quando desistir de reclamar e resolver correr atrás do objetivo, que seu caminho seja mais curto. Essa fábula é contada com a moral de despertas nos humanos a observação do mundo que estar ao seu redor, que o mesmo é mutável e precisamos nos adapta , comodismo e reclamações de oportunidades que ficaram no passado de nada adianta, ao contrario , como diz Darwin, quem sobreviverá não são os mais inteligente, nem os mais forte, todavia os mais adaptado.
  • 9. HABITUS PROFESSORAL A apresentação dos trabalhos foi uma discussão comparativa com os estudos científicos do artigo habitus professoral: o objeto dos estudo sobre o ato de ensinar na sala de aula de Marilda da silva, e sua semelhança com os acontecidos no município de cruz . A principal discussão girou em torno do próprio relato de professores que afirmam só aprender realmente a lecionar na sala de aula e que o estágio e cursos que fizera, em quase nada lhe auxiliaram na arte de atuar na sala de aula. Claro que isso seria mais uma fala de impulso, visto que hoje se deparam com situações nas quais não fora preparado para resolver. Os curso de preparação do magistério não se atentaram ou fecharam os olhos para a evolução, ou involução social que houve no pais. A violência chegou as salas de aulas, as famílias já não são aquela composição velha de pai ,mãe e filho. A escola perde atenção para novas tecnologias que estão na causada da mesma , porém na própria ainda engatinham na luta para adaptação de seus próprios professores ao mundo digital. O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM N Neste texto foi trabalhado através de uma reflexão crítica, onde foi discutido sobre o processo de ensino aprendizagem e que a prática correta do professor de ensino superior deve estar assentada em três pontos principais_ o conteúdo da área na qual é um especialista, sua visão de educação, de homem e de mundo e as habilidades e conhecimentos que lhe permitem uma efetiva ação pedagógica em sala de aula. E que na prática observamos uma lacuna no desempenho do docente de ensino superior, pois o mesmo se denomina como um especialista, mas não domina a área educacional pedagógica. E que apesar da aprendizagem e ensino não serem indissociável, as orientações das escolas são diversificadas. E que conhecendo somente os interesses e necessidades dos seus alunos é que os professores poderão criar situações de ensino que atendam às características de aprendizagem dos estudantes e com isso garantirão a eficácia do seu papel de educador. Pois essa diversidade deriva das formas singulares de nos adaptarmos cognitivamente a um dado conteúdo e da possibilidade de nos expressarmos pela autorização do outro e do acreditar em nossas potencialidades.
  • 10. DINÂMICA: TENDÊNCIAS E TALENTOS No desenvolvimento desse trabalho houve uma auto reflexão, onde foram trabalhados os pontos da personalidade de cada um. E nessa dinâmica tinham três pontos cruciais: a) PERSONALIDADE ESSENCIAL_ Nesse ponto a pessoa descreveria a si mesmo, e diria se era uma pessoa comunicativa, extrovertida ou se tinha tendência para alguma coisa. Sendo assim destacados alguns pontos como: _nesse ponto foram trabalhados os pontos em que a pessoa tem tendência para a timidez e introspecção, natureza cautelosa, que aprecia estabilização ou prefere correr riscos e ser ousado; _ se uma pessoa era desafiadora, que toma atitudes agressivas, ou se é uma pessoa conciliadora e acha difícil e desagradável adotar uma postura agressiva; _ se após uma decepção a pessoa se tornava resistente, se reagia ou se a recuperação era rápida ou se ainda precisava de tempo para se recuperar; _ outro ponto era o que a pessoa gostava de fazer no seu tempo livre, se gostava de praticar esporte, fazer exercícios físicos, se gostava de ler, escrever, pesquisar, entre outros; _ se planejava e preparava com antecedência suas coisas ou se reagia por impulso do momento; _ se era um pensador linear ou se suas reflexões se moviam simultaneamente em diversas direções. b) INFLUÊNCIAS FAMILIARES_ Nesse ponto era trabalhado se a pessoa era amável, inteligente, estudiosa; se agia bem ou explosivamente. Sendo assim trabalhados os pontos: _ se a pessoa recordava das palavras de seus pais e dos principais elogios;
  • 11. _ e as situações em que os pais mais brigavam. c) INFLUÊNCIAS SOCIAIS_ Nesse ponto foram trabalhados: _ quais os termos que as pessoas mais próximas usavam para elogiá-la, que termos eram esses e que papel desempenhava em sua vida; _ quando essas mesmas pessoas o corrigiam ou criticavam que palavras usavam; _quais os professores que mais lhe incentivaram; _ que palavras descreveriam para seguir sua carreira; _ se a pessoa já tinha aceitado uma promoção mesmo sabendo que não seria bom pra si; _ que experiência positiva ou não que contribuíra para a sua carreira. FOTOS TIRADAS DURANTE A APRESENTAÇÃO DO DEBATE
  • 12. FILME: A PAREDE Este filme trata da historia de um rapaz, Pink astro do rock que vive em um quarto de hotel e aos poucos enlouquece com suas próprias lembranças. Ele é um menino igual a muitos da época, brincando de militar com as roupas do pai morto durante a 2ª Guerra Mundial. É uma criança sofrida pela ausência paterna e por represália na escola. Quando adulto, um homem casada com uma mulher mas que lhe trai e lhe abandona. O filme tem uma característica depressiva e sombrio. O passado e o presente se cruzam durante todo o filme. Sua música é subjetiva e relata temas críticos como relacionamento, drogas, guerra, educação e relação mãe e filho. Numa visão educacional do filme a escola mostrada é a tradicional. Crianças não passam de carne moída, sem diferenças. O professor repreende a brincadeiras nos trilhos. Na sala de aula o professor dirige a imagem dos alunos como todos sendo inferiores a ele, não passando de taboas rasas.
  • 13. O CASO DE HEINZ (ESTUDO DO CASO) REFLITAM! VAMOS EMITIR NOSSA OPINIÃO DIREITO A RÉPLICA E TRÉPLICA O Dilema de Heinz Imagem de Autor Desconhecido “Este é um texto sobre a virtude. Mas não fora apenas de uma virtude que se esperava que a comunicação tratasse? Que estranha mudança é essa, dirão, se o tema da comunicação é “A justiça”? O que é a justiça, se eu a identifico com a virtude? E como podemos então definir as outras virtudes? Que dizer da coragem, da temperança e da prudência, para ficarmos apenas com as virtudes cardeais se chama a virtude de justiça, e a justiça de virtude? Reduzir-se-ão, elas também, à justiça?”. Este é um do texto “O dilema de Heinz”. Nele foram trabalhado vários pontos como: por que deve aplicar a lei contra Heinz e não contra o farmacêutico? Entre outros. Foi aberta uma discussão em que cada equipe defendia seu ponto de vista. Alguns defendiam Heinz por precisar do remédio tão caro e não ter meios em adquiri-lo, outros defendiam o farmacêutico por cobrar tão caro devido aos custos e a raridade do remédio. E assim prosseguiu o debate por algumas horas.
  • 14.
  • 15. DINÂMICA DOS QUEBRA-CABEÇAS Nessa dinâmica foram distribuídos encartes em que cada um iria procurar sua metade. Ao encontrar sua metade, na junção das mesmas tinha uma pergunta reflexiva em que a dupla teria que comentar sobre o assunto em questão. Podemos apreciar em seguida várias fotos tiradas durante a apresentação de cada dupla. VALDENIR E GLAICIANE NEILIANA E MAURA VALDEMIR E LOURDES CLAUDENIR E RAI
  • 16. ENCERRAMENTO A professora fez o encerramento da disciplina com uma adaptação do texto “Gaiolas e Asas”, de Ruben Alves, que por sinal foi muito bonito e bastante reflexivo; como também ao final apresentou o vídeo, com uma mensagem motivacional” Sapateado”, de J Rocha, no qual podemos compará-lo a nossa vida de educadores, aprendizado, determinação, criatividade, persistência, sincronia, trabalho em equipe, liderança, disciplina, motivação, harmonia e superação. VALEU, PROFESSORA MARISA...