SlideShare uma empresa Scribd logo
Memórias de um sargento de milíciasMemórias de um sargento de milícias
 RESUMORESUMO
•• Memórias de umMemórias de um
Sargento de Milícias –Sargento de Milícias –
Manoel Antônio de AlmeidaManoel Antônio de Almeida
 18521852
 Autor:Autor:
Manuel Antônio de AlmeidaManuel Antônio de Almeida
O autorO autor
 Manuel Antônio de Almeida, jornalista,Manuel Antônio de Almeida, jornalista,
cronista, romancista, crítico literário,cronista, romancista, crítico literário,
nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 17nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 17
de novembro de 1831, e faleceu emde novembro de 1831, e faleceu em
Macaé, RJ, em 28 de novembro deMacaé, RJ, em 28 de novembro de
1861. É o patrono da Cadeira n. 28,1861. É o patrono da Cadeira n. 28,
por escolha do fundador Inglês depor escolha do fundador Inglês de
Sousa.Sousa.
O autorO autor
 Era filho do tenente Antônio de Almeida eEra filho do tenente Antônio de Almeida e
de Josefina Maria de Almeida. Órfão de paide Josefina Maria de Almeida. Órfão de pai
aos 11 anos, pouco se sabe dos seusaos 11 anos, pouco se sabe dos seus
estudos elementares e preparatórios;estudos elementares e preparatórios;
aprovado em 1848 nas matériasaprovado em 1848 nas matérias
necessárias ao ingresso na Faculdade denecessárias ao ingresso na Faculdade de
Medicina, cursou o 1o ano em 49 e sóMedicina, cursou o 1o ano em 49 e só
concluiu o curso em 1855. As dificuldadesconcluiu o curso em 1855. As dificuldades
financeiras o levaram ao jornalismo e àsfinanceiras o levaram ao jornalismo e às
letras.letras.
O autorO autor
 De junho de 1852 a julho de 1853 publicou,De junho de 1852 a julho de 1853 publicou,
anonimamente e aos poucos, os folhetinsanonimamente e aos poucos, os folhetins
que compõem as Memórias de um sargentoque compõem as Memórias de um sargento
de milícias, reunidas em livro em 1854 (1ode milícias, reunidas em livro em 1854 (1o
volume) e 1855 (2o volume) com ovolume) e 1855 (2o volume) com o
pseudônimo de "Um Brasileiro". O seupseudônimo de "Um Brasileiro". O seu
nome apareceu apenas na 3a edição, jánome apareceu apenas na 3a edição, já
póstuma, em 1863. Da mesma época datapóstuma, em 1863. Da mesma época data
ainda a peça Dois amores e a composiçãoainda a peça Dois amores e a composição
de versos esparsos.de versos esparsos.
O autorO autor
 Em 1858 foi nomeado Administrador daEm 1858 foi nomeado Administrador da
Tipografia Nacional, quando encontrouTipografia Nacional, quando encontrou
Machado de Assis, que lá trabalhava comoMachado de Assis, que lá trabalhava como
aprendiz de tipógrafo. Em 59, foi nomeadoaprendiz de tipógrafo. Em 59, foi nomeado
2o oficial da Secretaria da Fazenda e, em2o oficial da Secretaria da Fazenda e, em
1861, desejou candidatar-se à Assembléia1861, desejou candidatar-se à Assembléia
Provincial do Rio de Janeiro. Dirigia-se aProvincial do Rio de Janeiro. Dirigia-se a
Campos, para iniciar as consultas eleitorais,Campos, para iniciar as consultas eleitorais,
quando morreu no naufrágio do navioquando morreu no naufrágio do navio
Hermes, próximo a Macaé.Hermes, próximo a Macaé.
O autorO autor
 Além do romance, publicou a tese deAlém do romance, publicou a tese de
doutoramento em Medicina e um libreto dedoutoramento em Medicina e um libreto de
ópera. A sua produção jornalística -ópera. A sua produção jornalística -
crônicas, críticas literárias - permanececrônicas, críticas literárias - permanece
dispersa. O seu livro teve grande êxito dedispersa. O seu livro teve grande êxito de
público, embora a crítica só mais tardepúblico, embora a crítica só mais tarde
viesse a compreendê-lo devidamente,viesse a compreendê-lo devidamente,
reservando-lhe um lugar de relevo nareservando-lhe um lugar de relevo na
literatura, como o primeiro romance urbanoliteratura, como o primeiro romance urbano
brasileiro.brasileiro.
Importância para aImportância para a
literaturaliteratura
 Esse romance merece destaque eEsse romance merece destaque e
ocupa um lugar ímpar na história daocupa um lugar ímpar na história da
literatura brasileira.literatura brasileira.
Tema:Tema:
 Retrata as classes baixa, média e alta,Retrata as classes baixa, média e alta,
traçando um painel da sociedadetraçando um painel da sociedade
carioca do séc. XIX.carioca do séc. XIX.
 Mostra o grupo dos portugueses queMostra o grupo dos portugueses que
povoam o Rio de Janeiro da época,povoam o Rio de Janeiro da época,
com seus costumes e peculiaridades.com seus costumes e peculiaridades.
Época - cenárioÉpoca - cenário
 O romance tem início no começo doO romance tem início no começo do
século XIX, em uma viagem de navioséculo XIX, em uma viagem de navio
PeríodoPeríodo
 O romance se passaO romance se passa
na época de Domna época de Dom
João VIJoão VI
PeríodoPeríodo
 Fala-se do período da vinda da famíliaFala-se do período da vinda da família
real para o Brasil, do tempo em quereal para o Brasil, do tempo em que
D.João VI refugiou-se no Rio deD.João VI refugiou-se no Rio de
Janeiro, ou seja, do início do séculoJaneiro, ou seja, do início do século
XIX.XIX.
EspaçosEspaços
 Apresenta-se a vida suburbana do RioApresenta-se a vida suburbana do Rio
de Janeiro, os subúrbios cariocasde Janeiro, os subúrbios cariocas
constituem o espaço estilizado, emconstituem o espaço estilizado, em
contraste com a vida da corte.contraste com a vida da corte.
LinguagemLinguagem
 A linguagem éA linguagem é popularpopular,, coloquialcoloquial, mais, mais
de acordo com pessoas de nívelde acordo com pessoas de nível
cultural inferior, pertencente acultural inferior, pertencente a
camadas sociais simples.camadas sociais simples.
 Uso da linguagem conotativa ouUso da linguagem conotativa ou
figurada.figurada.
MetalinguagemMetalinguagem
 Aparecem diversas explicações sobreAparecem diversas explicações sobre
a obra na própria obra, o quea obra na própria obra, o que
demonstra o uso da metalinguagemdemonstra o uso da metalinguagem
pelo autor.pelo autor.
 São tentativas de explicar o porquê deSão tentativas de explicar o porquê de
se contar essa história.se contar essa história.
Foco narrativoFoco narrativo
 O foco narrativo é em terceira pessoa,O foco narrativo é em terceira pessoa,
com um narrador onisciente quecom um narrador onisciente que
interfere no texto, faz observações einterfere no texto, faz observações e
busca contato com o leitor (tentativabusca contato com o leitor (tentativa
de diálogo).de diálogo).
ContrasteContraste
 Contraste entre posturas moralizantesContraste entre posturas moralizantes
e atitudes que vão contra os preceitose atitudes que vão contra os preceitos
morais (Aristocracia vs. Populacho).morais (Aristocracia vs. Populacho).
 A crítica social pode ser sentida noA crítica social pode ser sentida no
desenvolvimento da trama.desenvolvimento da trama.
Humor na obraHumor na obra
 Forte presença do humor na obra. OForte presença do humor na obra. O
caricatural, o que faz rir, a ironia,caricatural, o que faz rir, a ironia,
misturam-se em um conjunto quemisturam-se em um conjunto que
retrata o ridículo de diversas situaçõesretrata o ridículo de diversas situações
retratadas.retratadas.
Não-linearNão-linear
 Não há o predomínio da linearidadeNão há o predomínio da linearidade
na obra, pois acontecem digressões ena obra, pois acontecem digressões e
a quebra do enredo para comentários.a quebra do enredo para comentários.
As tramasAs tramas
 Várias tramas desenvolvem-se aoVárias tramas desenvolvem-se ao
mesmo tempo, sendo Leonardo, omesmo tempo, sendo Leonardo, o
personagem central, responsável porpersonagem central, responsável por
atá-las tornando-se o elo entre elas, oatá-las tornando-se o elo entre elas, o
que permite que seja denominadaque permite que seja denominada
também de novela.também de novela.
Visão de mundoVisão de mundo
 se distancia muito dos modelosse distancia muito dos modelos
românticos que prevaleciam na épocaromânticos que prevaleciam na época
de sua publicação: a visão de mundode sua publicação: a visão de mundo
que ele expressa não é marcada porque ele expressa não é marcada por
traços idealizados e sentimentalistas.traços idealizados e sentimentalistas.
Estilo de textoEstilo de texto
 O autor se vale de um estilo objetivo eO autor se vale de um estilo objetivo e
realista, semelhantes ao das crônicasrealista, semelhantes ao das crônicas
históricas e de costumes.históricas e de costumes.
Objetivo e realistaObjetivo e realista
 Isso pode ser visto desde as primeirasIsso pode ser visto desde as primeiras
linhas do texto, onde o jovem Manuellinhas do texto, onde o jovem Manuel
Antônio, que tinha 21 anos, ao escrevê-lo,Antônio, que tinha 21 anos, ao escrevê-lo,
faz questão de deixar claros a data ("Era nofaz questão de deixar claros a data ("Era no
tempo do rei." - no caso, dom João 6o) e otempo do rei." - no caso, dom João 6o) e o
local ("Uma das quatro esquinas quelocal ("Uma das quatro esquinas que
formam as Ruas do Ouvidor e da Quitandaformam as Ruas do Ouvidor e da Quitanda
[...]" - no centro do Rio de Janeiro) onde sua[...]" - no centro do Rio de Janeiro) onde sua
história vai se desenrolar.história vai se desenrolar.
Tipos popularesTipos populares
 O romance põe em foco, com traçosO romance põe em foco, com traços
caricaturais, oscaricaturais, os tipos popularestipos populares , a "arraia, a "arraia
miúda", do Rio de então. A sociedademiúda", do Rio de então. A sociedade
brasileira (que mal começava a se esboçarbrasileira (que mal começava a se esboçar
naquele momento)naquele momento) é vista pelaé vista pela
perspectiva dos pobresperspectiva dos pobres , ao contrário do, ao contrário do
que acontece nas obras de Joaquim Manuelque acontece nas obras de Joaquim Manuel
de Macedo ou dos romances urbanos dede Macedo ou dos romances urbanos de
José de Alencar.José de Alencar.
Personagem principalPersonagem principal
 Personagem principal umPersonagem principal um anti-heróianti-herói, que, que
se chamase chama LeonardoLeonardo
 relata seus esforços pararelata seus esforços para driblar asdriblar as
adversidades de sua condição socialadversidades de sua condição social e, aoe, ao
mesmo tempo, se aproveitar ao máximomesmo tempo, se aproveitar ao máximo
dos intervalos de sorte que tem na vida.dos intervalos de sorte que tem na vida.
São esses os mesmos motivos queSão esses os mesmos motivos que
impelem a grande maioria das personagensimpelem a grande maioria das personagens
do romance.do romance.
Romance picarescoRomance picaresco
 "Memórias de um Sargento de"Memórias de um Sargento de
Milícias" se filia à tradição doMilícias" se filia à tradição do romanceromance
picarescopicaresco, que se origina na Espanha,, que se origina na Espanha,
com a publicação de "Lazarillo decom a publicação de "Lazarillo de
Tormes", de 1554.Tormes", de 1554.
A origem da expressãoA origem da expressão
“picareta”“picareta”
 A expressãoA expressão "pícaro""pícaro" refere-serefere-se
"àqueles que vivem de astúcias,"àqueles que vivem de astúcias,
trapaças" e, nesse sentido, deutrapaças" e, nesse sentido, deu
origem a um dos sentidos da palavraorigem a um dos sentidos da palavra
"picareta", muito usada ainda hoje."picareta", muito usada ainda hoje.
Pícaro ou picaretaPícaro ou picareta
 OO pícaro ou picaretapícaro ou picareta se vale dessesse vale desses
expedientes para garantir suaexpedientes para garantir sua
sobrevivência e tem, com todasobrevivência e tem, com toda
certeza, uma visão cínica da realidadecerteza, uma visão cínica da realidade
que o cerca.que o cerca.
LeonardoLeonardo
 Enjeitado pelos pais pouco depois doEnjeitado pelos pais pouco depois do
nascimento, criado pelo padrinho e,nascimento, criado pelo padrinho e,
depois, pela madrinha, e que logo dádepois, pela madrinha, e que logo dá
mostras de seu verdadeiro caráter.mostras de seu verdadeiro caráter.
A históriaA história
 O romance narra suasO romance narra suas aventuras eaventuras e
desventurasdesventuras na "baixa sociedade"na "baixa sociedade"
fluminense, até que ele é preso pelofluminense, até que ele é preso pelo
Major Vidigal - um personagem queMajor Vidigal - um personagem que
existiu mesmo: Miguel Nunes Vidigal,existiu mesmo: Miguel Nunes Vidigal,
chefe da Guarda Real, criada pelo reichefe da Guarda Real, criada pelo rei
em 1809, para policiar o Rio deem 1809, para policiar o Rio de
Janeiro.Janeiro.
VidigalVidigal
 Símbolo daSímbolo da repressão arbitráriarepressão arbitrária ee
socialmente injusta, temida por todossocialmente injusta, temida por todos
aqueles que - tenham ou nãoaqueles que - tenham ou não
problemas com a lei -problemas com a lei - são pobres esão pobres e
não dispõem de recursosnão dispõem de recursos, nem, nem
contam com a amizade de algumcontam com a amizade de algum
poderoso que eventualmente possapoderoso que eventualmente possa
ampará-los num momento deampará-los num momento de
necessidade.necessidade.
Reviravoltas na históriaReviravoltas na história
 O que não falta são reviravoltas àO que não falta são reviravoltas à
narrativa de "Memórias de umnarrativa de "Memórias de um
Sargento de Milícias"Sargento de Milícias"
Sargento da milíciaSargento da milícia
 Graças à intervenção da madrinha deGraças à intervenção da madrinha de
Leonardo e de uma amiga suaLeonardo e de uma amiga sua
- ex-amante do major Vidigal - o- ex-amante do major Vidigal - o
anti-herói acaba por ingressar naanti-herói acaba por ingressar na
milícia e ser promovido ao cargo demilícia e ser promovido ao cargo de
sargentosargento a que se refere o título.a que se refere o título.
Valor da obraValor da obra
 Valor documental e sociológico;Valor documental e sociológico;
 Valor literário (romantismo realista emValor literário (romantismo realista em
uma narrativa divertida e bemuma narrativa divertida e bem
humorada.humorada.
Resumo da obraResumo da obra
 A obra conta as aventuras de Leonardo ouA obra conta as aventuras de Leonardo ou
Leonardinho, filho dos portuguesesLeonardinho, filho dos portugueses
Leonardo Pataca e Maria da Hortaliça.Leonardo Pataca e Maria da Hortaliça.
Como os pais não desejassem criá-lo,Como os pais não desejassem criá-lo,
Leonardo fica por conta de seu padrinhoLeonardo fica por conta de seu padrinho
(um barbeiro) e de sua madrinha (uma(um barbeiro) e de sua madrinha (uma
parteira), após a separação dos seusparteira), após a separação dos seus
progenitores.progenitores.
Resumo da obraResumo da obra
 Sempre metido em travessuras, desdeSempre metido em travessuras, desde
cedo Leonardo mostra-se um grandecedo Leonardo mostra-se um grande
malandro. Já moço, apaixona-se pormalandro. Já moço, apaixona-se por
Luisinha, mas põe o romance a perderLuisinha, mas põe o romance a perder
quando se envolve com a mulataquando se envolve com a mulata
Vidinha. A primeira decide, então,Vidinha. A primeira decide, então,
casar-se com outro.casar-se com outro.
Resumo da obraResumo da obra
 Tempos depois, Leonardo é presoTempos depois, Leonardo é preso
pelo Major Vidigal, enfrenta diversospelo Major Vidigal, enfrenta diversos
problemas, mas acaba sargento deproblemas, mas acaba sargento de
milícias. Quando da viuvez demilícias. Quando da viuvez de
Luisinha, reaproxima-se da moça. OsLuisinha, reaproxima-se da moça. Os
dois casam-se e Leonardo édois casam-se e Leonardo é
reabilitado.reabilitado.
Análise do livroAnálise do livro
 Queda da idealização romântica dosQueda da idealização romântica dos
personagens, mostrando-nos,personagens, mostrando-nos,
inclusive, a figura de uminclusive, a figura de um anti-heróianti-herói
como protagonista do enredo.como protagonista do enredo.
Suplemento literárioSuplemento literário
 Memórias de um Sargento de Milícias", deMemórias de um Sargento de Milícias", de
Manuel Antônio de Almeida, foi lançadoManuel Antônio de Almeida, foi lançado
originalmente sob a forma de folhetim, emoriginalmente sob a forma de folhetim, em
"A Pacotilha" - o suplemento literário do"A Pacotilha" - o suplemento literário do
jornal "Correio Mercantil", do Rio dejornal "Correio Mercantil", do Rio de
Janeiro, entre 27 de junho de 1852 e 31 deJaneiro, entre 27 de junho de 1852 e 31 de
julho de 1853. Só nos dois anos seguintesjulho de 1853. Só nos dois anos seguintes
se transformaria num livro, publicado emse transformaria num livro, publicado em
dois volumes. Divertido, o romance mostradois volumes. Divertido, o romance mostra
a vida da "baixa sociedade" no Rio antigo.a vida da "baixa sociedade" no Rio antigo.
Final da obraFinal da obra
 Ao final da obra, o que impera é a ordem sobre aAo final da obra, o que impera é a ordem sobre a
desordem, fechando-se o processo dedesordem, fechando-se o processo de
carnavalização.carnavalização.
 Curiosidade: Leonardo foi um precursor deCuriosidade: Leonardo foi um precursor de
Macunaíma, o qual só surgiria no Modernismo.Macunaíma, o qual só surgiria no Modernismo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2 tempo modernista
2 tempo modernista2 tempo modernista
2 tempo modernista
Gustavo Caracho
 
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro AbertoBiografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
valdeniDinamizador
 
O romance de 1930
O romance de 1930O romance de 1930
O romance de 1930
alinesantana1422
 
Literatura aula 20 - vanguarda européia
Literatura   aula 20 - vanguarda européiaLiteratura   aula 20 - vanguarda européia
Literatura aula 20 - vanguarda européia
Juliana Oliveira
 
Romantismo no Brasil
Romantismo  no BrasilRomantismo  no Brasil
Romantismo no Brasil
NathalyNara
 
Macunaíma
MacunaímaMacunaíma
Macunaíma
Marcos Torquato
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 
Modernismo – 1ª fase – de 22 a 30
Modernismo – 1ª fase – de 22 a 30Modernismo – 1ª fase – de 22 a 30
Modernismo – 1ª fase – de 22 a 30
guest276c9
 
APOSTILA DE LITERATURA
APOSTILA DE LITERATURAAPOSTILA DE LITERATURA
APOSTILA DE LITERATURA
Evandro Batista
 
Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)
claudia murta
 
Modernismo ii fase
Modernismo ii faseModernismo ii fase
Modernismo ii fase
Emerson Castro
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Alguns riscos da caricatura no teatro de revista
Alguns riscos da caricatura no teatro de revistaAlguns riscos da caricatura no teatro de revista
Alguns riscos da caricatura no teatro de revista
+ Aloisio Magalhães
 
Geração de 1945
Geração de 1945Geração de 1945
Geração de 1945
Lourdinas
 
2ª geração modenista (POESIA)
2ª geração modenista (POESIA)2ª geração modenista (POESIA)
2ª geração modenista (POESIA)
Nathaly Caldas Costa
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
José Ricardo Lima
 
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Hadassa Castro
 
A segunda geração modernista no brasil
A segunda geração modernista no brasilA segunda geração modernista no brasil
A segunda geração modernista no brasil
Maria De Lourdes Ramos
 
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Andriane Cursino
 

Mais procurados (20)

2 tempo modernista
2 tempo modernista2 tempo modernista
2 tempo modernista
 
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro AbertoBiografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
 
O romance de 1930
O romance de 1930O romance de 1930
O romance de 1930
 
Literatura aula 20 - vanguarda européia
Literatura   aula 20 - vanguarda européiaLiteratura   aula 20 - vanguarda européia
Literatura aula 20 - vanguarda européia
 
Romantismo no Brasil
Romantismo  no BrasilRomantismo  no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Macunaíma
MacunaímaMacunaíma
Macunaíma
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Modernismo – 1ª fase – de 22 a 30
Modernismo – 1ª fase – de 22 a 30Modernismo – 1ª fase – de 22 a 30
Modernismo – 1ª fase – de 22 a 30
 
APOSTILA DE LITERATURA
APOSTILA DE LITERATURAAPOSTILA DE LITERATURA
APOSTILA DE LITERATURA
 
Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)
 
Modernismo ii fase
Modernismo ii faseModernismo ii fase
Modernismo ii fase
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Alguns riscos da caricatura no teatro de revista
Alguns riscos da caricatura no teatro de revistaAlguns riscos da caricatura no teatro de revista
Alguns riscos da caricatura no teatro de revista
 
Geração de 1945
Geração de 1945Geração de 1945
Geração de 1945
 
2ª geração modenista (POESIA)
2ª geração modenista (POESIA)2ª geração modenista (POESIA)
2ª geração modenista (POESIA)
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
 
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
 
A segunda geração modernista no brasil
A segunda geração modernista no brasilA segunda geração modernista no brasil
A segunda geração modernista no brasil
 
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
 

Destaque

Dossier sobre Assamblearisme Infantil
 Dossier sobre Assamblearisme Infantil Dossier sobre Assamblearisme Infantil
Dossier sobre Assamblearisme Infantil
El Senyor Croqueta
 
M1a Bart
M1a BartM1a Bart
M1a Bart
edmondvincent
 
Presentación1 (2)
Presentación1 (2)Presentación1 (2)
Presentación1 (2)
jamesve1
 
Sedimentary rocks
Sedimentary rocks Sedimentary rocks
Sedimentary rocks
aver othman
 
Varia linguí
Varia linguíVaria linguí
Varia linguí
Roberta Savana
 
Автоматизированное тестирование верстки веб-сайтов, используя сравнение с диз...
Автоматизированное тестирование верстки веб-сайтов, используя сравнение с диз...Автоматизированное тестирование верстки веб-сайтов, используя сравнение с диз...
Автоматизированное тестирование верстки веб-сайтов, используя сравнение с диз...
SQALab
 
Простой QA аудит
Простой QA аудитПростой QA аудит
Простой QA аудит
SQALab
 
Основа отдела тестирования. Ценности
Основа отдела тестирования. ЦенностиОснова отдела тестирования. Ценности
Основа отдела тестирования. Ценности
SQALab
 
Хороший тестировщик может всё
Хороший тестировщик может всёХороший тестировщик может всё
Хороший тестировщик может всё
SQALab
 

Destaque (9)

Dossier sobre Assamblearisme Infantil
 Dossier sobre Assamblearisme Infantil Dossier sobre Assamblearisme Infantil
Dossier sobre Assamblearisme Infantil
 
M1a Bart
M1a BartM1a Bart
M1a Bart
 
Presentación1 (2)
Presentación1 (2)Presentación1 (2)
Presentación1 (2)
 
Sedimentary rocks
Sedimentary rocks Sedimentary rocks
Sedimentary rocks
 
Varia linguí
Varia linguíVaria linguí
Varia linguí
 
Автоматизированное тестирование верстки веб-сайтов, используя сравнение с диз...
Автоматизированное тестирование верстки веб-сайтов, используя сравнение с диз...Автоматизированное тестирование верстки веб-сайтов, используя сравнение с диз...
Автоматизированное тестирование верстки веб-сайтов, используя сравнение с диз...
 
Простой QA аудит
Простой QA аудитПростой QA аудит
Простой QA аудит
 
Основа отдела тестирования. Ценности
Основа отдела тестирования. ЦенностиОснова отдела тестирования. Ценности
Основа отдела тестирования. Ценности
 
Хороший тестировщик может всё
Хороший тестировщик может всёХороший тестировщик может всё
Хороший тестировщик может всё
 

Semelhante a Obra para estudar

Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
guest276c9
 
Segunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoSegunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismo
Nádia França
 
Realismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completoRealismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completo
lucasmota251
 
Érico Veríssimo
Érico VeríssimoÉrico Veríssimo
Érico Veríssimo
Milanda Gonçalo
 
Realismo no brasil
Realismo no brasil  Realismo no brasil
Realismo no brasil
AnneCaroline164
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
VivianeSilva230677
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
VivianeSilva230677
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Jonatas Carlos
 
Romantismo no brasil geral
Romantismo no brasil   geralRomantismo no brasil   geral
Romantismo no brasil geral
VIVIAN TROMBINI
 
Apresentação dos livros
Apresentação dos livrosApresentação dos livros
Apresentação dos livros
Mariááh Almeida Jsm
 
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdfromantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
GANHADODINHEIRO
 
Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações. Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações.
Jéssica Moresi
 
Romantismo II
Romantismo IIRomantismo II
Romantismo II
CarlaRosario
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
Marcos Souza
 
10 livros
10 livros10 livros
10 livros
Luiz Fernando
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
ricardocarvalho992180
 
Modernismo autores e obras
Modernismo autores e obrasModernismo autores e obras
Modernismo autores e obras
Marina Alessandra
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Josie Ubiali
 
Trabalho erico verissimo
Trabalho erico verissimoTrabalho erico verissimo
Trabalho erico verissimo
Valkiria Marks
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
Clarice Menezes
 

Semelhante a Obra para estudar (20)

Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Segunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoSegunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismo
 
Realismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completoRealismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completo
 
Érico Veríssimo
Érico VeríssimoÉrico Veríssimo
Érico Veríssimo
 
Realismo no brasil
Realismo no brasil  Realismo no brasil
Realismo no brasil
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Romantismo no brasil geral
Romantismo no brasil   geralRomantismo no brasil   geral
Romantismo no brasil geral
 
Apresentação dos livros
Apresentação dos livrosApresentação dos livros
Apresentação dos livros
 
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdfromantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
 
Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações. Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações.
 
Romantismo II
Romantismo IIRomantismo II
Romantismo II
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
10 livros
10 livros10 livros
10 livros
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Modernismo autores e obras
Modernismo autores e obrasModernismo autores e obras
Modernismo autores e obras
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 
Trabalho erico verissimo
Trabalho erico verissimoTrabalho erico verissimo
Trabalho erico verissimo
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
 

Mais de Roberta Savana

Conteúdo para Prova Parcial C2 2016
Conteúdo para Prova Parcial C2 2016Conteúdo para Prova Parcial C2 2016
Conteúdo para Prova Parcial C2 2016
Roberta Savana
 
Para parcial C2 2016
Para parcial C2 2016Para parcial C2 2016
Para parcial C2 2016
Roberta Savana
 
Fun. da ling.
Fun. da ling.Fun. da ling.
Fun. da ling.
Roberta Savana
 
Gera do roman
Gera do romanGera do roman
Gera do roman
Roberta Savana
 
Barroco!1 1
Barroco!1 1Barroco!1 1
Barroco!1 1
Roberta Savana
 
Classicismo 2. revisado
Classicismo 2. revisadoClassicismo 2. revisado
Classicismo 2. revisado
Roberta Savana
 
Linguagem poética e versificação
Linguagem poética e versificaçãoLinguagem poética e versificação
Linguagem poética e versificação
Roberta Savana
 
G. Literários
G. LiteráriosG. Literários
G. Literários
Roberta Savana
 
Colocação pronominal - terceiro tri
Colocação pronominal - terceiro triColocação pronominal - terceiro tri
Colocação pronominal - terceiro tri
Roberta Savana
 
Colocação pronominal
Colocação pronominalColocação pronominal
Colocação pronominal
Roberta Savana
 
Regência - rsrr
Regência - rsrrRegência - rsrr
Regência - rsrr
Roberta Savana
 

Mais de Roberta Savana (11)

Conteúdo para Prova Parcial C2 2016
Conteúdo para Prova Parcial C2 2016Conteúdo para Prova Parcial C2 2016
Conteúdo para Prova Parcial C2 2016
 
Para parcial C2 2016
Para parcial C2 2016Para parcial C2 2016
Para parcial C2 2016
 
Fun. da ling.
Fun. da ling.Fun. da ling.
Fun. da ling.
 
Gera do roman
Gera do romanGera do roman
Gera do roman
 
Barroco!1 1
Barroco!1 1Barroco!1 1
Barroco!1 1
 
Classicismo 2. revisado
Classicismo 2. revisadoClassicismo 2. revisado
Classicismo 2. revisado
 
Linguagem poética e versificação
Linguagem poética e versificaçãoLinguagem poética e versificação
Linguagem poética e versificação
 
G. Literários
G. LiteráriosG. Literários
G. Literários
 
Colocação pronominal - terceiro tri
Colocação pronominal - terceiro triColocação pronominal - terceiro tri
Colocação pronominal - terceiro tri
 
Colocação pronominal
Colocação pronominalColocação pronominal
Colocação pronominal
 
Regência - rsrr
Regência - rsrrRegência - rsrr
Regência - rsrr
 

Último

oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 

Último (20)

oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 

Obra para estudar

  • 1. Memórias de um sargento de milíciasMemórias de um sargento de milícias  RESUMORESUMO
  • 2. •• Memórias de umMemórias de um Sargento de Milícias –Sargento de Milícias – Manoel Antônio de AlmeidaManoel Antônio de Almeida  18521852  Autor:Autor: Manuel Antônio de AlmeidaManuel Antônio de Almeida
  • 3. O autorO autor  Manuel Antônio de Almeida, jornalista,Manuel Antônio de Almeida, jornalista, cronista, romancista, crítico literário,cronista, romancista, crítico literário, nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 17nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 17 de novembro de 1831, e faleceu emde novembro de 1831, e faleceu em Macaé, RJ, em 28 de novembro deMacaé, RJ, em 28 de novembro de 1861. É o patrono da Cadeira n. 28,1861. É o patrono da Cadeira n. 28, por escolha do fundador Inglês depor escolha do fundador Inglês de Sousa.Sousa.
  • 4. O autorO autor  Era filho do tenente Antônio de Almeida eEra filho do tenente Antônio de Almeida e de Josefina Maria de Almeida. Órfão de paide Josefina Maria de Almeida. Órfão de pai aos 11 anos, pouco se sabe dos seusaos 11 anos, pouco se sabe dos seus estudos elementares e preparatórios;estudos elementares e preparatórios; aprovado em 1848 nas matériasaprovado em 1848 nas matérias necessárias ao ingresso na Faculdade denecessárias ao ingresso na Faculdade de Medicina, cursou o 1o ano em 49 e sóMedicina, cursou o 1o ano em 49 e só concluiu o curso em 1855. As dificuldadesconcluiu o curso em 1855. As dificuldades financeiras o levaram ao jornalismo e àsfinanceiras o levaram ao jornalismo e às letras.letras.
  • 5. O autorO autor  De junho de 1852 a julho de 1853 publicou,De junho de 1852 a julho de 1853 publicou, anonimamente e aos poucos, os folhetinsanonimamente e aos poucos, os folhetins que compõem as Memórias de um sargentoque compõem as Memórias de um sargento de milícias, reunidas em livro em 1854 (1ode milícias, reunidas em livro em 1854 (1o volume) e 1855 (2o volume) com ovolume) e 1855 (2o volume) com o pseudônimo de "Um Brasileiro". O seupseudônimo de "Um Brasileiro". O seu nome apareceu apenas na 3a edição, jánome apareceu apenas na 3a edição, já póstuma, em 1863. Da mesma época datapóstuma, em 1863. Da mesma época data ainda a peça Dois amores e a composiçãoainda a peça Dois amores e a composição de versos esparsos.de versos esparsos.
  • 6. O autorO autor  Em 1858 foi nomeado Administrador daEm 1858 foi nomeado Administrador da Tipografia Nacional, quando encontrouTipografia Nacional, quando encontrou Machado de Assis, que lá trabalhava comoMachado de Assis, que lá trabalhava como aprendiz de tipógrafo. Em 59, foi nomeadoaprendiz de tipógrafo. Em 59, foi nomeado 2o oficial da Secretaria da Fazenda e, em2o oficial da Secretaria da Fazenda e, em 1861, desejou candidatar-se à Assembléia1861, desejou candidatar-se à Assembléia Provincial do Rio de Janeiro. Dirigia-se aProvincial do Rio de Janeiro. Dirigia-se a Campos, para iniciar as consultas eleitorais,Campos, para iniciar as consultas eleitorais, quando morreu no naufrágio do navioquando morreu no naufrágio do navio Hermes, próximo a Macaé.Hermes, próximo a Macaé.
  • 7. O autorO autor  Além do romance, publicou a tese deAlém do romance, publicou a tese de doutoramento em Medicina e um libreto dedoutoramento em Medicina e um libreto de ópera. A sua produção jornalística -ópera. A sua produção jornalística - crônicas, críticas literárias - permanececrônicas, críticas literárias - permanece dispersa. O seu livro teve grande êxito dedispersa. O seu livro teve grande êxito de público, embora a crítica só mais tardepúblico, embora a crítica só mais tarde viesse a compreendê-lo devidamente,viesse a compreendê-lo devidamente, reservando-lhe um lugar de relevo nareservando-lhe um lugar de relevo na literatura, como o primeiro romance urbanoliteratura, como o primeiro romance urbano brasileiro.brasileiro.
  • 8. Importância para aImportância para a literaturaliteratura  Esse romance merece destaque eEsse romance merece destaque e ocupa um lugar ímpar na história daocupa um lugar ímpar na história da literatura brasileira.literatura brasileira.
  • 9. Tema:Tema:  Retrata as classes baixa, média e alta,Retrata as classes baixa, média e alta, traçando um painel da sociedadetraçando um painel da sociedade carioca do séc. XIX.carioca do séc. XIX.  Mostra o grupo dos portugueses queMostra o grupo dos portugueses que povoam o Rio de Janeiro da época,povoam o Rio de Janeiro da época, com seus costumes e peculiaridades.com seus costumes e peculiaridades.
  • 10. Época - cenárioÉpoca - cenário  O romance tem início no começo doO romance tem início no começo do século XIX, em uma viagem de navioséculo XIX, em uma viagem de navio
  • 11. PeríodoPeríodo  O romance se passaO romance se passa na época de Domna época de Dom João VIJoão VI
  • 12. PeríodoPeríodo  Fala-se do período da vinda da famíliaFala-se do período da vinda da família real para o Brasil, do tempo em quereal para o Brasil, do tempo em que D.João VI refugiou-se no Rio deD.João VI refugiou-se no Rio de Janeiro, ou seja, do início do séculoJaneiro, ou seja, do início do século XIX.XIX.
  • 13. EspaçosEspaços  Apresenta-se a vida suburbana do RioApresenta-se a vida suburbana do Rio de Janeiro, os subúrbios cariocasde Janeiro, os subúrbios cariocas constituem o espaço estilizado, emconstituem o espaço estilizado, em contraste com a vida da corte.contraste com a vida da corte.
  • 14. LinguagemLinguagem  A linguagem éA linguagem é popularpopular,, coloquialcoloquial, mais, mais de acordo com pessoas de nívelde acordo com pessoas de nível cultural inferior, pertencente acultural inferior, pertencente a camadas sociais simples.camadas sociais simples.  Uso da linguagem conotativa ouUso da linguagem conotativa ou figurada.figurada.
  • 15. MetalinguagemMetalinguagem  Aparecem diversas explicações sobreAparecem diversas explicações sobre a obra na própria obra, o quea obra na própria obra, o que demonstra o uso da metalinguagemdemonstra o uso da metalinguagem pelo autor.pelo autor.  São tentativas de explicar o porquê deSão tentativas de explicar o porquê de se contar essa história.se contar essa história.
  • 16. Foco narrativoFoco narrativo  O foco narrativo é em terceira pessoa,O foco narrativo é em terceira pessoa, com um narrador onisciente quecom um narrador onisciente que interfere no texto, faz observações einterfere no texto, faz observações e busca contato com o leitor (tentativabusca contato com o leitor (tentativa de diálogo).de diálogo).
  • 17. ContrasteContraste  Contraste entre posturas moralizantesContraste entre posturas moralizantes e atitudes que vão contra os preceitose atitudes que vão contra os preceitos morais (Aristocracia vs. Populacho).morais (Aristocracia vs. Populacho).  A crítica social pode ser sentida noA crítica social pode ser sentida no desenvolvimento da trama.desenvolvimento da trama.
  • 18. Humor na obraHumor na obra  Forte presença do humor na obra. OForte presença do humor na obra. O caricatural, o que faz rir, a ironia,caricatural, o que faz rir, a ironia, misturam-se em um conjunto quemisturam-se em um conjunto que retrata o ridículo de diversas situaçõesretrata o ridículo de diversas situações retratadas.retratadas.
  • 19. Não-linearNão-linear  Não há o predomínio da linearidadeNão há o predomínio da linearidade na obra, pois acontecem digressões ena obra, pois acontecem digressões e a quebra do enredo para comentários.a quebra do enredo para comentários.
  • 20. As tramasAs tramas  Várias tramas desenvolvem-se aoVárias tramas desenvolvem-se ao mesmo tempo, sendo Leonardo, omesmo tempo, sendo Leonardo, o personagem central, responsável porpersonagem central, responsável por atá-las tornando-se o elo entre elas, oatá-las tornando-se o elo entre elas, o que permite que seja denominadaque permite que seja denominada também de novela.também de novela.
  • 21. Visão de mundoVisão de mundo  se distancia muito dos modelosse distancia muito dos modelos românticos que prevaleciam na épocaromânticos que prevaleciam na época de sua publicação: a visão de mundode sua publicação: a visão de mundo que ele expressa não é marcada porque ele expressa não é marcada por traços idealizados e sentimentalistas.traços idealizados e sentimentalistas.
  • 22. Estilo de textoEstilo de texto  O autor se vale de um estilo objetivo eO autor se vale de um estilo objetivo e realista, semelhantes ao das crônicasrealista, semelhantes ao das crônicas históricas e de costumes.históricas e de costumes.
  • 23. Objetivo e realistaObjetivo e realista  Isso pode ser visto desde as primeirasIsso pode ser visto desde as primeiras linhas do texto, onde o jovem Manuellinhas do texto, onde o jovem Manuel Antônio, que tinha 21 anos, ao escrevê-lo,Antônio, que tinha 21 anos, ao escrevê-lo, faz questão de deixar claros a data ("Era nofaz questão de deixar claros a data ("Era no tempo do rei." - no caso, dom João 6o) e otempo do rei." - no caso, dom João 6o) e o local ("Uma das quatro esquinas quelocal ("Uma das quatro esquinas que formam as Ruas do Ouvidor e da Quitandaformam as Ruas do Ouvidor e da Quitanda [...]" - no centro do Rio de Janeiro) onde sua[...]" - no centro do Rio de Janeiro) onde sua história vai se desenrolar.história vai se desenrolar.
  • 24. Tipos popularesTipos populares  O romance põe em foco, com traçosO romance põe em foco, com traços caricaturais, oscaricaturais, os tipos popularestipos populares , a "arraia, a "arraia miúda", do Rio de então. A sociedademiúda", do Rio de então. A sociedade brasileira (que mal começava a se esboçarbrasileira (que mal começava a se esboçar naquele momento)naquele momento) é vista pelaé vista pela perspectiva dos pobresperspectiva dos pobres , ao contrário do, ao contrário do que acontece nas obras de Joaquim Manuelque acontece nas obras de Joaquim Manuel de Macedo ou dos romances urbanos dede Macedo ou dos romances urbanos de José de Alencar.José de Alencar.
  • 25. Personagem principalPersonagem principal  Personagem principal umPersonagem principal um anti-heróianti-herói, que, que se chamase chama LeonardoLeonardo  relata seus esforços pararelata seus esforços para driblar asdriblar as adversidades de sua condição socialadversidades de sua condição social e, aoe, ao mesmo tempo, se aproveitar ao máximomesmo tempo, se aproveitar ao máximo dos intervalos de sorte que tem na vida.dos intervalos de sorte que tem na vida. São esses os mesmos motivos queSão esses os mesmos motivos que impelem a grande maioria das personagensimpelem a grande maioria das personagens do romance.do romance.
  • 26. Romance picarescoRomance picaresco  "Memórias de um Sargento de"Memórias de um Sargento de Milícias" se filia à tradição doMilícias" se filia à tradição do romanceromance picarescopicaresco, que se origina na Espanha,, que se origina na Espanha, com a publicação de "Lazarillo decom a publicação de "Lazarillo de Tormes", de 1554.Tormes", de 1554.
  • 27. A origem da expressãoA origem da expressão “picareta”“picareta”  A expressãoA expressão "pícaro""pícaro" refere-serefere-se "àqueles que vivem de astúcias,"àqueles que vivem de astúcias, trapaças" e, nesse sentido, deutrapaças" e, nesse sentido, deu origem a um dos sentidos da palavraorigem a um dos sentidos da palavra "picareta", muito usada ainda hoje."picareta", muito usada ainda hoje.
  • 28. Pícaro ou picaretaPícaro ou picareta  OO pícaro ou picaretapícaro ou picareta se vale dessesse vale desses expedientes para garantir suaexpedientes para garantir sua sobrevivência e tem, com todasobrevivência e tem, com toda certeza, uma visão cínica da realidadecerteza, uma visão cínica da realidade que o cerca.que o cerca.
  • 29. LeonardoLeonardo  Enjeitado pelos pais pouco depois doEnjeitado pelos pais pouco depois do nascimento, criado pelo padrinho e,nascimento, criado pelo padrinho e, depois, pela madrinha, e que logo dádepois, pela madrinha, e que logo dá mostras de seu verdadeiro caráter.mostras de seu verdadeiro caráter.
  • 30. A históriaA história  O romance narra suasO romance narra suas aventuras eaventuras e desventurasdesventuras na "baixa sociedade"na "baixa sociedade" fluminense, até que ele é preso pelofluminense, até que ele é preso pelo Major Vidigal - um personagem queMajor Vidigal - um personagem que existiu mesmo: Miguel Nunes Vidigal,existiu mesmo: Miguel Nunes Vidigal, chefe da Guarda Real, criada pelo reichefe da Guarda Real, criada pelo rei em 1809, para policiar o Rio deem 1809, para policiar o Rio de Janeiro.Janeiro.
  • 31. VidigalVidigal  Símbolo daSímbolo da repressão arbitráriarepressão arbitrária ee socialmente injusta, temida por todossocialmente injusta, temida por todos aqueles que - tenham ou nãoaqueles que - tenham ou não problemas com a lei -problemas com a lei - são pobres esão pobres e não dispõem de recursosnão dispõem de recursos, nem, nem contam com a amizade de algumcontam com a amizade de algum poderoso que eventualmente possapoderoso que eventualmente possa ampará-los num momento deampará-los num momento de necessidade.necessidade.
  • 32. Reviravoltas na históriaReviravoltas na história  O que não falta são reviravoltas àO que não falta são reviravoltas à narrativa de "Memórias de umnarrativa de "Memórias de um Sargento de Milícias"Sargento de Milícias"
  • 33. Sargento da milíciaSargento da milícia  Graças à intervenção da madrinha deGraças à intervenção da madrinha de Leonardo e de uma amiga suaLeonardo e de uma amiga sua - ex-amante do major Vidigal - o- ex-amante do major Vidigal - o anti-herói acaba por ingressar naanti-herói acaba por ingressar na milícia e ser promovido ao cargo demilícia e ser promovido ao cargo de sargentosargento a que se refere o título.a que se refere o título.
  • 34. Valor da obraValor da obra  Valor documental e sociológico;Valor documental e sociológico;  Valor literário (romantismo realista emValor literário (romantismo realista em uma narrativa divertida e bemuma narrativa divertida e bem humorada.humorada.
  • 35. Resumo da obraResumo da obra  A obra conta as aventuras de Leonardo ouA obra conta as aventuras de Leonardo ou Leonardinho, filho dos portuguesesLeonardinho, filho dos portugueses Leonardo Pataca e Maria da Hortaliça.Leonardo Pataca e Maria da Hortaliça. Como os pais não desejassem criá-lo,Como os pais não desejassem criá-lo, Leonardo fica por conta de seu padrinhoLeonardo fica por conta de seu padrinho (um barbeiro) e de sua madrinha (uma(um barbeiro) e de sua madrinha (uma parteira), após a separação dos seusparteira), após a separação dos seus progenitores.progenitores.
  • 36. Resumo da obraResumo da obra  Sempre metido em travessuras, desdeSempre metido em travessuras, desde cedo Leonardo mostra-se um grandecedo Leonardo mostra-se um grande malandro. Já moço, apaixona-se pormalandro. Já moço, apaixona-se por Luisinha, mas põe o romance a perderLuisinha, mas põe o romance a perder quando se envolve com a mulataquando se envolve com a mulata Vidinha. A primeira decide, então,Vidinha. A primeira decide, então, casar-se com outro.casar-se com outro.
  • 37. Resumo da obraResumo da obra  Tempos depois, Leonardo é presoTempos depois, Leonardo é preso pelo Major Vidigal, enfrenta diversospelo Major Vidigal, enfrenta diversos problemas, mas acaba sargento deproblemas, mas acaba sargento de milícias. Quando da viuvez demilícias. Quando da viuvez de Luisinha, reaproxima-se da moça. OsLuisinha, reaproxima-se da moça. Os dois casam-se e Leonardo édois casam-se e Leonardo é reabilitado.reabilitado.
  • 38. Análise do livroAnálise do livro  Queda da idealização romântica dosQueda da idealização romântica dos personagens, mostrando-nos,personagens, mostrando-nos, inclusive, a figura de uminclusive, a figura de um anti-heróianti-herói como protagonista do enredo.como protagonista do enredo.
  • 39. Suplemento literárioSuplemento literário  Memórias de um Sargento de Milícias", deMemórias de um Sargento de Milícias", de Manuel Antônio de Almeida, foi lançadoManuel Antônio de Almeida, foi lançado originalmente sob a forma de folhetim, emoriginalmente sob a forma de folhetim, em "A Pacotilha" - o suplemento literário do"A Pacotilha" - o suplemento literário do jornal "Correio Mercantil", do Rio dejornal "Correio Mercantil", do Rio de Janeiro, entre 27 de junho de 1852 e 31 deJaneiro, entre 27 de junho de 1852 e 31 de julho de 1853. Só nos dois anos seguintesjulho de 1853. Só nos dois anos seguintes se transformaria num livro, publicado emse transformaria num livro, publicado em dois volumes. Divertido, o romance mostradois volumes. Divertido, o romance mostra a vida da "baixa sociedade" no Rio antigo.a vida da "baixa sociedade" no Rio antigo.
  • 40. Final da obraFinal da obra  Ao final da obra, o que impera é a ordem sobre aAo final da obra, o que impera é a ordem sobre a desordem, fechando-se o processo dedesordem, fechando-se o processo de carnavalização.carnavalização.  Curiosidade: Leonardo foi um precursor deCuriosidade: Leonardo foi um precursor de Macunaíma, o qual só surgiria no Modernismo.Macunaíma, o qual só surgiria no Modernismo.