SlideShare uma empresa Scribd logo
Obra Vidas Secas Trabalho de Português
Obra Vidas Secas 2010 E.E.Ant ô nio Nunes Lopes da Silva Aluno : César Augusto Dos Anjos Cordeiro  Nº.02  Aluno :Beatriz Megda  Nº.28 3º F
03 Introdução O romance de 30 ofereceu uma visão alternativa do Brasil e buscou uma maior inserção da literatura nos problemas do seu tempo. Em oposição ao classicismo, o romance regionalista sempre dialogou com o presente, denunciando suas feridas e envolvendo-se nas grandes questões sociais. Vidas Secas, de Graciliano Ramos, sem dúvida foi uma das maiores obras dessa época. Publicado em 1938, a obra aborda a problemática da seca e da opressão social no Nordeste brasileiro, denunciando a miséria que aflige as pessoas do sertão. Penetrando no mundo introspectivo dos personagens, a obra tem um caráter fragmentário, apresentando os capítulos de uma forma independente, mas com certas conexões entre si. O objetivo deste trabalho é realizar um estudo acerca da obra de Graciliano Ramos, e também saber um pouco sobre o autor , trama e Personagens.
04 Sumário Vida e Obra do Autor............................................................................. 05 Momento Histórico................................................................................. 06 Característica do Modernismo 2º Fase...................................................07 Trama e Personagens.............................................................................09 Conclusão................................................................................................11 Bibliografia.............................................................................................. 12 Anexos  ....................................................................................................13
05 Vida  e Obra do Autor Nasceu em 27 de outubro de 1892 em Quebrangulo, nas Alagoas. Já em 1909 inicia sua colaboração no Jornal de Alagoas, de Maceió, com a publicação do soneto "Céptico", onde colaborou até 1913. Trabalhou como jornalista, comerciante e diretor da Instrução Pública de Alagoas. Em 1928, é eleito prefeito de Palmeira dos Índios no mesmo estado, cidade para a qual mudou-se ao completar 18 anos, renunciando dois anos depois. Representa a Geração de 30 do Modernismo Brasileiro.  Em 1933, lança seu primeiro romance, ''Caetés''. Na ocasião, mantém contato com escritores da vanguarda nordestina, como José Lins do Rego e Rachel de Queiroz. Em 1934, publica uma de suas obras-primas, ''São Bernardo''. Acusado de subversão comunista em 1936, fica preso por 11 meses no Rio de Janeiro, experiência que narra em ''Memórias do Cárcere''. Quando é solto continua na capital como jornalista e inspetor de ensino. Na década de 40, filia-se ao Partido Comunista. Em 26 janeiro de 1953 interna-se na casa de saúde e maternidade São Vitor, na Praia de Botafogo, Rio de Janeiro, vindo a falecer em 20 de março de 1953. Obras Romances:  Caetés (1933); São Bernardo (1934); Angústia (1936); Vidas secas (1938). Escreveu ainda parte do romance Brandão entre o mar e o amor, em parceria com Rachei de Queiroz, José Lins do Rego, Jorge Amado e Aníbal Machado. Conto:  Insônia (1947). Memórias:  Infância (1945); Memórias do cárcere (1953); Viagem (1954); Linhas tortas (1962). Crônica :  Viventes das Alagoas (1962).  Literatura infanto-juvenil:  A terra dos meninos pelados (1937); Histórias de Alexandre (1944); Histórias incompletas (1946)
06 Momento Hist ó rico Os abalos sofridos pelo povo brasileiro em torno dos acontecimentos de 1930, a crise econômica provocada pela quebra da bolsa de valores de Nova Iorque, a crise cafeeira, a Revolução de 1930, o acelerado declínio do nordeste condicionaram um novo estilo ficcional, notadamente mais adulto, mais amadurecido, mais moderno que se marcaria pela rudeza, por uma linguagem mais brasileira, por um enfoque direto dos fatos, por uma retomada do naturalismo, principalmente no plano da narrativa documental, temos também o romance nordestino, liberdade temática e rigor estilístico. Os romancistas de 30 caracterizavam-se por adotarem visão crítica das relações sociais, regionalismo ressaltando o homem hostilizado pelo ambiente, pela terra, cidade, o homem devorado pelos problemas que o meio lhe impõe. Graciliano Ramos (1892-1953) nasceu em Quebrângulo, Alagoas. Estudou em Maceió, mas não cursou nenhuma faculdade. Após breve estada no Rio de Janeiro como revisor dos jornais "Correio da Manhã e A Tarde", passou a fazer jornalismo e política elegendo-se prefeito em 1927. Foi preso em 1936 sob acusação de comunista e nesta fase escreveu "Memórias do Cárcere", um sério depoimento sobre a realidade brasileira. Depois do cárcere morou no Rio de Janeiro. Em 1945, integrou-se no Partido Comunista Brasileiro. Graciliano estreou em 1933 com "Caetés", mas é São Berdado, verdadeira obra prima da literatura brasileira. Depois vieram "Angustia" (1936) e Vidas Secas (1938) inspirando-se em Machado de Assis. Podemos justificar isto com passagens do texto: "Os infelizes tinham caminhado o dia inteiro, estavam cansados e famintos." "A caatinga estendia-se de um vermelho indeciso salpicado de manchas brancas que eram ossadas" "Resolvera de supetão aproveitá-lo (papagaio) como alimento..." "Miudinhos, perdidos no deserto queimado, os fugitivos agarraram-se, somaram as suas desgraças e os seus  pavores". ESTUDO DOS PERSONAGENS Baleia - cadela da família, tratado como gente, muito querido pelas crianças. Sinhá Vitória - mulher de Fabiano, sofrida, mãe de 2 filhos, lutadora e inconformada com a miséria em que vivem, trabalha muito na vida. Fabiano - nordestino pobre, ignorante que desesperadamente procura trabalho, bebe muito e perde dinheiro no jogo. Filhos - crianças pobres sofridas e que não tem noção da própria miséria que vivem. Patrão - contratou Fabiano para trabalhar em sua fazenda, era desonesto e explorava os empregados. Outros personagens: o soldado, seu Inácio (dono do bar).
07 Característica do Modernismo 2º Fase Regionalismo A prosa da 2ª fase modernista caracteriza-se pelo  regionalismo , pela relação do homem com o meio em que vive. A Literatura Brasileira já apresentava uma tendência regionalista. Desde o Romantismo, a busca de traços particulares da realidade brasileira já estava presente em algumas obras, entretanto, neste período, a partir das conquistas da primeira fase modernista e das idéias socialistas, os autores dão um novo tom a esse regionalismo. O livro  A bagaceira  de José Américo é considerado o primeiro romance regionalista do Modernismo. Mas seu valor deve-se mais à temática histórica da seca, dos retirantes e ao aspecto social do que aos aspectos literários. Veja os principais autores da prosa dessa segunda fase: * Raquel de Queirós * Graciliano Ramos * Jorge Amado * Érico Veríssimo * José Lins do Rego Quase todos esses autores voltaram-se basicamente para os temas do  Nordeste , como  a seca ,  o cangaço  e  o ciclo açucareiro .Com exceção de  Érico Veríssimo  que apresentou uma obra voltada para as relações do homem e a paisagem do  Sul do Brasil. Graciliano Ramos  é considerado pela crítica literária o melhor ficcionista dessa segunda fase. Sua obra é marcada pela ausência de sentimentalismo e por um  forte poder de síntese , refletida na  linguagem direta e precisa . Entre seus livros destacam-se  Memórias do Cárcere  e  São Bernardo .  Memórias do Cárcere  é uma narrativa autobiográfica que analisa as atrocidades cometidas pela Ditadura Vargas. Por suas ligações com o partido comunista Graciliano Ramos foi realmente preso durante um ano. Em  São Bernardo , Graciliano Ramos ao contar a história de Paulo Honório, rico proprietário da fazenda São Bernardo, que se casa com a professora Madalena, personagem fortemente influenciada por idéias progressistas, faz uma reflexão sobre o processo de coisificação do ser humano, (“muitas vezes mais preocupado com o ter e do que com o ser”). Mas é com outro livro que Graciliano Ramos alcança maior notoriedade:
08 Menino Morto  e  Família de Retirantes  apresentam o tema central de  Vidas Secas  -  grande livro de Graciliano Ramos. Vidas Secas  é um romance que narra a história de uma família de retirantes que abandona sua terra atingida por uma forte seca. A família é formada por Sinhá Vitória, a mãe; Fabiano, o pai; seus dois filhos, denominados apenas como menino mais velho e menino mais novo e os animais: o papagaio e a cachorra Baleia. Veja um fragmento de  Vidas Secas  em que a família inicia a viagem em busca de uma vida melhor: “ A caatinga estendia-se, de um vermelho indeciso salpicado de manchas brancas que eram ossadas. O vôo negro dos urubus fazia círculos altos em redor dos bichos moribundos. -  Anda, excomungado. O pirralho não se mexeu, e Fabiano desejou matá-lo. Tinha o coração grosso, queria responsabilizar alguém pela sua desgraça. A seca aparecia-lhe como um fato necessário – e a obstinação da criança irritava-o. Certamente esse obstáculo miúdo não era culpado, mas dificultava a marcha, e o vaqueiro precisava chegar, não sabia onde. (...) Pelo espírito atribulado do sertanejo passou a idéia de abandonar o filho naquele descampado. Pensou nos urubus, nas ossadas, coçou a barba ruiva e suja, irresoluto, examinou os arredores. Sinhá Vitória estirou o beiço indicando vagamente uma direção e afirmou com alguns sons  guturais  que estavam perto. Fabiano meteu a faca na bainha, guardou-a no cinturão, acocorou-se, pegou no pulso do menino, que se encolhia, os joelhos encostados no estômago, frio como um defunto. Aí a cólera desapareceu e Fabiano teve pena. Impossível abandonar o anjinho aos bichos do mato. Entregou a espingarda a Sinhá Vitória, pôs o filho no cangote, levantou-se, agarrou os bracinhos que caíam sobre o peito, moles, finos como  cambitos . Sinhá Vitória aprovou esse arranjo, lançou de novo a interjeição gutural, designou os juazeiros invisíveis. E a viagem prosseguiu, mais lenta, mais arrastada, num silêncio grande”. Graciliano Ramos A secura do ambiente e a dureza da vida aos poucos iam embrutecendo as personagens.
09 Trama e Personagens O romance “Vidas Secas” narra o episódio de uma família de retirantes em busca de um lugar que lhes ofereça meios de melhorar suas condições de vida. Essa família é composta  por Fabiano, homem humilde e trabalhador; Sinhá Vitória, esposa resignada e fiel; o Menino mais novo e o Menino mais velho, crianças inocentes, representantes do anonimato social ; além da cachorra Baleia, animal que se humaniza em relação à dura realidade por que passa Fabiano e sua família. Durante um longo percurso por um caminho que parece interminável, os personagens enfrentam atrocidades várias, entre as quais, a fome, a sede e a falta de um lugar onde pudessem se estabelecer. Depois de andarem muito, os retirantes encontram uma casa que parecia abandonada. Eles se aproximam e entram nela, mas logo chega o dono, para quem  Fabiano, depois de oferecer seus préstimos , começa a trabalhar, sendo vítima da seca, sua maior antagonista, e da exploração por parte do proprietário das terras. Na fazenda, a família permanece por algum tempo, cuidando do rebanho do proprietário até que, desiludidos com o aparecimento das arribações que, para eles “eram coisas da seca”, deixam a fazenda  numa manhã bem cedo e continuam sua busca estrada a fora,na tentativa de um dia encontrarem um alento para suas vidas. Personagens Fabiano –  vaqueiro rude e lacônico. É o chefe da família dos retirantes. O nome do personagem já indica rusticidade e rudeza (o  Dicionário Aurélio  dá como sinônimos possíveis da palavra Fabiano: “indivíduo inofensivo; pobre-diabo”).   Sinhá Vitória–  mulher de Fabiano. É um pouco mais dotada de conhecimentos do que o marido, pois ainda consegue, por meio de métodos rústicos, fazer contas. Humilde, seu maior sonho é ter uma cama igual à do Seu Tomás da Bolandeira.  O Menino mais velho e o menino mais novo –  filhos do casal. Por não terem o nome citado pelo narrador, os dois personagens acabam sendo caracterizados por causa dos pais. Essa falta de pessoalidade no tratamento é eloquente, pois batiza os garotos com a impessoalidade.
10 Baleia  –   personagem curiosa. É a cadela da família, que, no meio de personagens animalizados – zoomorfizados –, acaba por sofrer o processo inverso, de humanização – ou antropomorfização. Baleia, assim, demonstra um comportamento humano em muitas passagens, sobretudo no momento de sua morte.   Seu Tomas da Bolandeira  – por votar e ser alfabetizado, é o modelo de erudição e de conhecimento dos demais personagens.  O Soldado Amarelo  – antagonista mais direto de Fabiano, representa, assim como o fiscal da prefeitura e o dono da fazenda, a opressão do poder institucional.
11 Conclusão É indiscutível a genialidade Graciliano Ramos, mostrada em Vidas Secas.O trabalho impressiona não só pela temática como também pelo enfoque dado à linguagem, a importância dessa no processo de comunicação e sistematização de nossas idéias. Enfim, o inter-relacionamento entre a situação social e o psicologismos dado as personagens fazem de Vidas Secas um dos mais relevantes romances de nossa literatura. Em vidas secas podemos observar a dura e sofrida realidade nordestina. Sim como Fabiano é explorado, milhões de nordestinos também são pisados e vitimados por inúmeras forças. Os personagens mostram bem a falta de informação e a alienação das pessoas. A falta de perspectiva de um futuro é predominante, a seca que destrói sonhos, e destrói vidas. Um governo injusto que não se preocupa com sua população, e o fim mostra bem o que a maioria dos nordestinos já sem nenhuma esperança fazem, migram a procura de novos horizontes.
12 Bibliografia
13 Anexos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Graciliano Ramos
Graciliano RamosGraciliano Ramos
Graciliano Ramos
Miih Moura
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
DalaDelane
 
Sobre vidas secas -Graciliano Ramos
Sobre vidas secas -Graciliano RamosSobre vidas secas -Graciliano Ramos
Sobre vidas secas -Graciliano Ramos
julykathy
 
Vidas secas - Graciliano Ramos
Vidas secas - Graciliano RamosVidas secas - Graciliano Ramos
Vidas secas - Graciliano Ramos
Gustavo de Melo
 
Vidas secas graciliano ramos (1)
Vidas secas   graciliano ramos (1)Vidas secas   graciliano ramos (1)
Vidas secas graciliano ramos (1)
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
José Ricardo Lima
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
Gabriela Pupo
 
Respostas do roteiro de vidas secas
Respostas do roteiro de vidas secasRespostas do roteiro de vidas secas
Respostas do roteiro de vidas secas
BriefCase
 
Vidas secas (2)
Vidas secas (2)Vidas secas (2)
Vidas secas (2)
Professoranda
 
Análise da obra vidas secas
Análise da obra vidas secasAnálise da obra vidas secas
Análise da obra vidas secas
CamileBMoura
 
Vidas Secas - Contexto Histório
Vidas Secas - Contexto HistórioVidas Secas - Contexto Histório
Vidas Secas - Contexto Histório
Gabriella Bueno
 
Resumo vidas secas
Resumo   vidas secasResumo   vidas secas
Resumo vidas secas
Deia1975
 
Vidas secas slides
Vidas secas slidesVidas secas slides
Vidas secas slides
fgomes42 Lima
 
Vidas Secas - Graciliano Ramos
Vidas Secas - Graciliano RamosVidas Secas - Graciliano Ramos
Vidas Secas - Graciliano Ramos
Marden Rodrigues
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
Tim Bagatelas
 
Vidas secas- Graciliano Ramos
Vidas secas- Graciliano RamosVidas secas- Graciliano Ramos
Vidas secas- Graciliano Ramos
Fernanda Pantoja
 
Vidas secas - slides - Gênesis
Vidas secas - slides - GênesisVidas secas - slides - Gênesis
Vidas secas - slides - Gênesis
jasonrplima
 
Roteiro de vidas secas
Roteiro de vidas secasRoteiro de vidas secas
Roteiro de vidas secas
BriefCase
 
Til José de Alencar
Til José de AlencarTil José de Alencar
Til José de Alencar
Cláudia Heloísa
 
São Bernardo
São BernardoSão Bernardo
São Bernardo
Ana Batista
 

Mais procurados (20)

Graciliano Ramos
Graciliano RamosGraciliano Ramos
Graciliano Ramos
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
Sobre vidas secas -Graciliano Ramos
Sobre vidas secas -Graciliano RamosSobre vidas secas -Graciliano Ramos
Sobre vidas secas -Graciliano Ramos
 
Vidas secas - Graciliano Ramos
Vidas secas - Graciliano RamosVidas secas - Graciliano Ramos
Vidas secas - Graciliano Ramos
 
Vidas secas graciliano ramos (1)
Vidas secas   graciliano ramos (1)Vidas secas   graciliano ramos (1)
Vidas secas graciliano ramos (1)
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
Respostas do roteiro de vidas secas
Respostas do roteiro de vidas secasRespostas do roteiro de vidas secas
Respostas do roteiro de vidas secas
 
Vidas secas (2)
Vidas secas (2)Vidas secas (2)
Vidas secas (2)
 
Análise da obra vidas secas
Análise da obra vidas secasAnálise da obra vidas secas
Análise da obra vidas secas
 
Vidas Secas - Contexto Histório
Vidas Secas - Contexto HistórioVidas Secas - Contexto Histório
Vidas Secas - Contexto Histório
 
Resumo vidas secas
Resumo   vidas secasResumo   vidas secas
Resumo vidas secas
 
Vidas secas slides
Vidas secas slidesVidas secas slides
Vidas secas slides
 
Vidas Secas - Graciliano Ramos
Vidas Secas - Graciliano RamosVidas Secas - Graciliano Ramos
Vidas Secas - Graciliano Ramos
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
Vidas secas- Graciliano Ramos
Vidas secas- Graciliano RamosVidas secas- Graciliano Ramos
Vidas secas- Graciliano Ramos
 
Vidas secas - slides - Gênesis
Vidas secas - slides - GênesisVidas secas - slides - Gênesis
Vidas secas - slides - Gênesis
 
Roteiro de vidas secas
Roteiro de vidas secasRoteiro de vidas secas
Roteiro de vidas secas
 
Til José de Alencar
Til José de AlencarTil José de Alencar
Til José de Alencar
 
São Bernardo
São BernardoSão Bernardo
São Bernardo
 

Destaque

Apresentação vidas secas
Apresentação vidas secasApresentação vidas secas
Apresentação vidas secas
elaine8697
 
Projeto de Leitura - " Vidas Secas"
Projeto de Leitura - " Vidas Secas"Projeto de Leitura - " Vidas Secas"
Projeto de Leitura - " Vidas Secas"
Cirlei Santos
 
Projeto Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
Projeto  Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias FreireProjeto  Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
Projeto Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
Cirlei Santos
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
Roberta Torres
 
Sagarana (1946)
Sagarana (1946)Sagarana (1946)
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
Andre Guerra
 
Saudade - Patativa do Assaré
Saudade - Patativa do AssaréSaudade - Patativa do Assaré
Saudade - Patativa do Assaré
Mima Badan
 
Patativa do Assaré
Patativa do AssaréPatativa do Assaré
Patativa do Assaré
klauddia
 
Análise literária obra "Sagarana" de Guimarães Rosa. FUVEST 2017
Análise literária obra "Sagarana" de Guimarães Rosa. FUVEST 2017Análise literária obra "Sagarana" de Guimarães Rosa. FUVEST 2017
Análise literária obra "Sagarana" de Guimarães Rosa. FUVEST 2017
Larissa Barreis
 
Patativa Do Assaré
Patativa Do AssaréPatativa Do Assaré
Patativa Do Assaré
klauddia
 
Patativa do assaré
Patativa do assaréPatativa do assaré
Patativa do assaré
Gabriella Bezerra de Lima
 
ProjetFábula: Projeto fábulas
ProjetFábula: Projeto  fábulas ProjetFábula: Projeto  fábulas
ProjetFábula: Projeto fábulas
Salomé Rocha
 
Resumo detalhado
Resumo detalhadoResumo detalhado
Resumo detalhado
Íris Ferreira
 
Macunaíma
MacunaímaMacunaíma
Macunaíma
poradinhaa
 
Morte e vida severina (jéssica)
Morte e vida severina (jéssica)Morte e vida severina (jéssica)
Morte e vida severina (jéssica)
Francisco Rodrigo Jr.
 
WDL 7 dicas para fazer panfletos você mesmo
WDL 7 dicas para fazer panfletos você mesmoWDL 7 dicas para fazer panfletos você mesmo
WDL 7 dicas para fazer panfletos você mesmo
We Do Logos
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
Matheus Beleboni
 

Destaque (17)

Apresentação vidas secas
Apresentação vidas secasApresentação vidas secas
Apresentação vidas secas
 
Projeto de Leitura - " Vidas Secas"
Projeto de Leitura - " Vidas Secas"Projeto de Leitura - " Vidas Secas"
Projeto de Leitura - " Vidas Secas"
 
Projeto Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
Projeto  Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias FreireProjeto  Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
Projeto Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Sagarana (1946)
Sagarana (1946)Sagarana (1946)
Sagarana (1946)
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
Saudade - Patativa do Assaré
Saudade - Patativa do AssaréSaudade - Patativa do Assaré
Saudade - Patativa do Assaré
 
Patativa do Assaré
Patativa do AssaréPatativa do Assaré
Patativa do Assaré
 
Análise literária obra "Sagarana" de Guimarães Rosa. FUVEST 2017
Análise literária obra "Sagarana" de Guimarães Rosa. FUVEST 2017Análise literária obra "Sagarana" de Guimarães Rosa. FUVEST 2017
Análise literária obra "Sagarana" de Guimarães Rosa. FUVEST 2017
 
Patativa Do Assaré
Patativa Do AssaréPatativa Do Assaré
Patativa Do Assaré
 
Patativa do assaré
Patativa do assaréPatativa do assaré
Patativa do assaré
 
ProjetFábula: Projeto fábulas
ProjetFábula: Projeto  fábulas ProjetFábula: Projeto  fábulas
ProjetFábula: Projeto fábulas
 
Resumo detalhado
Resumo detalhadoResumo detalhado
Resumo detalhado
 
Macunaíma
MacunaímaMacunaíma
Macunaíma
 
Morte e vida severina (jéssica)
Morte e vida severina (jéssica)Morte e vida severina (jéssica)
Morte e vida severina (jéssica)
 
WDL 7 dicas para fazer panfletos você mesmo
WDL 7 dicas para fazer panfletos você mesmoWDL 7 dicas para fazer panfletos você mesmo
WDL 7 dicas para fazer panfletos você mesmo
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 

Semelhante a Obra Vidas Secas

Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosaAula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Connce Santana
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Jonatas Carlos
 
GRACILIANO RAMOS.pptx
GRACILIANO RAMOS.pptxGRACILIANO RAMOS.pptx
GRACILIANO RAMOS.pptx
EdinliaCruz
 
Prosa Neorrealista Regionalista
Prosa Neorrealista Regionalista Prosa Neorrealista Regionalista
Prosa Neorrealista Regionalista
Wanderson Farias
 
Graciliano Ramos - Pesquisa 301
Graciliano Ramos - Pesquisa 301Graciliano Ramos - Pesquisa 301
Graciliano Ramos - Pesquisa 301
Júnior Souza
 
Segunda Geração da prosa
Segunda Geração da prosa Segunda Geração da prosa
Segunda Geração da prosa
Dhay Lima
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
VivianeSilva230677
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
VivianeSilva230677
 
Atividade 02
Atividade 02Atividade 02
Atividade 02
Reberth Siqueira
 
Modernismo da Geração de 30
Modernismo da Geração de 30Modernismo da Geração de 30
Modernismo da Geração de 30
Karina Cunha
 
Vanguardas européias
Vanguardas européiasVanguardas européias
Vanguardas européias
Silvanalucineisouto
 
Livros essências da leitura brasileira
Livros essências da leitura brasileiraLivros essências da leitura brasileira
Livros essências da leitura brasileira
Ana Borges
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
CLAUDEMIRJOSE
 
Fogo morto, de José Lins do Rego - análise
Fogo morto, de José Lins do Rego - análiseFogo morto, de José Lins do Rego - análise
Fogo morto, de José Lins do Rego - análise
jasonrplima
 
Primeiras estórias, de Guimarães Rosa - análise
Primeiras estórias, de Guimarães Rosa - análisePrimeiras estórias, de Guimarães Rosa - análise
Primeiras estórias, de Guimarães Rosa - análise
jasonrplima
 
Resumo do Livro Vidas Secas
Resumo do Livro Vidas Secas Resumo do Livro Vidas Secas
Resumo do Livro Vidas Secas
Gabriel Siqueira
 
Fogomorto
FogomortoFogomorto
Fogomorto
Edjeynne Velez
 
10 livros
10 livros10 livros
10 livros
Luiz Fernando
 
2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)
rillaryalvesj
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Newltemberg Santos
 

Semelhante a Obra Vidas Secas (20)

Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosaAula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
GRACILIANO RAMOS.pptx
GRACILIANO RAMOS.pptxGRACILIANO RAMOS.pptx
GRACILIANO RAMOS.pptx
 
Prosa Neorrealista Regionalista
Prosa Neorrealista Regionalista Prosa Neorrealista Regionalista
Prosa Neorrealista Regionalista
 
Graciliano Ramos - Pesquisa 301
Graciliano Ramos - Pesquisa 301Graciliano Ramos - Pesquisa 301
Graciliano Ramos - Pesquisa 301
 
Segunda Geração da prosa
Segunda Geração da prosa Segunda Geração da prosa
Segunda Geração da prosa
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
 
Atividade 02
Atividade 02Atividade 02
Atividade 02
 
Modernismo da Geração de 30
Modernismo da Geração de 30Modernismo da Geração de 30
Modernismo da Geração de 30
 
Vanguardas européias
Vanguardas européiasVanguardas européias
Vanguardas européias
 
Livros essências da leitura brasileira
Livros essências da leitura brasileiraLivros essências da leitura brasileira
Livros essências da leitura brasileira
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
 
Fogo morto, de José Lins do Rego - análise
Fogo morto, de José Lins do Rego - análiseFogo morto, de José Lins do Rego - análise
Fogo morto, de José Lins do Rego - análise
 
Primeiras estórias, de Guimarães Rosa - análise
Primeiras estórias, de Guimarães Rosa - análisePrimeiras estórias, de Guimarães Rosa - análise
Primeiras estórias, de Guimarães Rosa - análise
 
Resumo do Livro Vidas Secas
Resumo do Livro Vidas Secas Resumo do Livro Vidas Secas
Resumo do Livro Vidas Secas
 
Fogomorto
FogomortoFogomorto
Fogomorto
 
10 livros
10 livros10 livros
10 livros
 
2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 

Obra Vidas Secas

  • 1. Obra Vidas Secas Trabalho de Português
  • 2. Obra Vidas Secas 2010 E.E.Ant ô nio Nunes Lopes da Silva Aluno : César Augusto Dos Anjos Cordeiro Nº.02 Aluno :Beatriz Megda Nº.28 3º F
  • 3. 03 Introdução O romance de 30 ofereceu uma visão alternativa do Brasil e buscou uma maior inserção da literatura nos problemas do seu tempo. Em oposição ao classicismo, o romance regionalista sempre dialogou com o presente, denunciando suas feridas e envolvendo-se nas grandes questões sociais. Vidas Secas, de Graciliano Ramos, sem dúvida foi uma das maiores obras dessa época. Publicado em 1938, a obra aborda a problemática da seca e da opressão social no Nordeste brasileiro, denunciando a miséria que aflige as pessoas do sertão. Penetrando no mundo introspectivo dos personagens, a obra tem um caráter fragmentário, apresentando os capítulos de uma forma independente, mas com certas conexões entre si. O objetivo deste trabalho é realizar um estudo acerca da obra de Graciliano Ramos, e também saber um pouco sobre o autor , trama e Personagens.
  • 4. 04 Sumário Vida e Obra do Autor............................................................................. 05 Momento Histórico................................................................................. 06 Característica do Modernismo 2º Fase...................................................07 Trama e Personagens.............................................................................09 Conclusão................................................................................................11 Bibliografia.............................................................................................. 12 Anexos ....................................................................................................13
  • 5. 05 Vida e Obra do Autor Nasceu em 27 de outubro de 1892 em Quebrangulo, nas Alagoas. Já em 1909 inicia sua colaboração no Jornal de Alagoas, de Maceió, com a publicação do soneto "Céptico", onde colaborou até 1913. Trabalhou como jornalista, comerciante e diretor da Instrução Pública de Alagoas. Em 1928, é eleito prefeito de Palmeira dos Índios no mesmo estado, cidade para a qual mudou-se ao completar 18 anos, renunciando dois anos depois. Representa a Geração de 30 do Modernismo Brasileiro. Em 1933, lança seu primeiro romance, ''Caetés''. Na ocasião, mantém contato com escritores da vanguarda nordestina, como José Lins do Rego e Rachel de Queiroz. Em 1934, publica uma de suas obras-primas, ''São Bernardo''. Acusado de subversão comunista em 1936, fica preso por 11 meses no Rio de Janeiro, experiência que narra em ''Memórias do Cárcere''. Quando é solto continua na capital como jornalista e inspetor de ensino. Na década de 40, filia-se ao Partido Comunista. Em 26 janeiro de 1953 interna-se na casa de saúde e maternidade São Vitor, na Praia de Botafogo, Rio de Janeiro, vindo a falecer em 20 de março de 1953. Obras Romances: Caetés (1933); São Bernardo (1934); Angústia (1936); Vidas secas (1938). Escreveu ainda parte do romance Brandão entre o mar e o amor, em parceria com Rachei de Queiroz, José Lins do Rego, Jorge Amado e Aníbal Machado. Conto: Insônia (1947). Memórias: Infância (1945); Memórias do cárcere (1953); Viagem (1954); Linhas tortas (1962). Crônica : Viventes das Alagoas (1962). Literatura infanto-juvenil: A terra dos meninos pelados (1937); Histórias de Alexandre (1944); Histórias incompletas (1946)
  • 6. 06 Momento Hist ó rico Os abalos sofridos pelo povo brasileiro em torno dos acontecimentos de 1930, a crise econômica provocada pela quebra da bolsa de valores de Nova Iorque, a crise cafeeira, a Revolução de 1930, o acelerado declínio do nordeste condicionaram um novo estilo ficcional, notadamente mais adulto, mais amadurecido, mais moderno que se marcaria pela rudeza, por uma linguagem mais brasileira, por um enfoque direto dos fatos, por uma retomada do naturalismo, principalmente no plano da narrativa documental, temos também o romance nordestino, liberdade temática e rigor estilístico. Os romancistas de 30 caracterizavam-se por adotarem visão crítica das relações sociais, regionalismo ressaltando o homem hostilizado pelo ambiente, pela terra, cidade, o homem devorado pelos problemas que o meio lhe impõe. Graciliano Ramos (1892-1953) nasceu em Quebrângulo, Alagoas. Estudou em Maceió, mas não cursou nenhuma faculdade. Após breve estada no Rio de Janeiro como revisor dos jornais "Correio da Manhã e A Tarde", passou a fazer jornalismo e política elegendo-se prefeito em 1927. Foi preso em 1936 sob acusação de comunista e nesta fase escreveu "Memórias do Cárcere", um sério depoimento sobre a realidade brasileira. Depois do cárcere morou no Rio de Janeiro. Em 1945, integrou-se no Partido Comunista Brasileiro. Graciliano estreou em 1933 com "Caetés", mas é São Berdado, verdadeira obra prima da literatura brasileira. Depois vieram "Angustia" (1936) e Vidas Secas (1938) inspirando-se em Machado de Assis. Podemos justificar isto com passagens do texto: "Os infelizes tinham caminhado o dia inteiro, estavam cansados e famintos." "A caatinga estendia-se de um vermelho indeciso salpicado de manchas brancas que eram ossadas" "Resolvera de supetão aproveitá-lo (papagaio) como alimento..." "Miudinhos, perdidos no deserto queimado, os fugitivos agarraram-se, somaram as suas desgraças e os seus pavores". ESTUDO DOS PERSONAGENS Baleia - cadela da família, tratado como gente, muito querido pelas crianças. Sinhá Vitória - mulher de Fabiano, sofrida, mãe de 2 filhos, lutadora e inconformada com a miséria em que vivem, trabalha muito na vida. Fabiano - nordestino pobre, ignorante que desesperadamente procura trabalho, bebe muito e perde dinheiro no jogo. Filhos - crianças pobres sofridas e que não tem noção da própria miséria que vivem. Patrão - contratou Fabiano para trabalhar em sua fazenda, era desonesto e explorava os empregados. Outros personagens: o soldado, seu Inácio (dono do bar).
  • 7. 07 Característica do Modernismo 2º Fase Regionalismo A prosa da 2ª fase modernista caracteriza-se pelo regionalismo , pela relação do homem com o meio em que vive. A Literatura Brasileira já apresentava uma tendência regionalista. Desde o Romantismo, a busca de traços particulares da realidade brasileira já estava presente em algumas obras, entretanto, neste período, a partir das conquistas da primeira fase modernista e das idéias socialistas, os autores dão um novo tom a esse regionalismo. O livro A bagaceira de José Américo é considerado o primeiro romance regionalista do Modernismo. Mas seu valor deve-se mais à temática histórica da seca, dos retirantes e ao aspecto social do que aos aspectos literários. Veja os principais autores da prosa dessa segunda fase: * Raquel de Queirós * Graciliano Ramos * Jorge Amado * Érico Veríssimo * José Lins do Rego Quase todos esses autores voltaram-se basicamente para os temas do Nordeste , como a seca , o cangaço e o ciclo açucareiro .Com exceção de Érico Veríssimo que apresentou uma obra voltada para as relações do homem e a paisagem do Sul do Brasil. Graciliano Ramos é considerado pela crítica literária o melhor ficcionista dessa segunda fase. Sua obra é marcada pela ausência de sentimentalismo e por um forte poder de síntese , refletida na linguagem direta e precisa . Entre seus livros destacam-se Memórias do Cárcere e São Bernardo . Memórias do Cárcere é uma narrativa autobiográfica que analisa as atrocidades cometidas pela Ditadura Vargas. Por suas ligações com o partido comunista Graciliano Ramos foi realmente preso durante um ano. Em São Bernardo , Graciliano Ramos ao contar a história de Paulo Honório, rico proprietário da fazenda São Bernardo, que se casa com a professora Madalena, personagem fortemente influenciada por idéias progressistas, faz uma reflexão sobre o processo de coisificação do ser humano, (“muitas vezes mais preocupado com o ter e do que com o ser”). Mas é com outro livro que Graciliano Ramos alcança maior notoriedade:
  • 8. 08 Menino Morto e Família de Retirantes apresentam o tema central de Vidas Secas - grande livro de Graciliano Ramos. Vidas Secas é um romance que narra a história de uma família de retirantes que abandona sua terra atingida por uma forte seca. A família é formada por Sinhá Vitória, a mãe; Fabiano, o pai; seus dois filhos, denominados apenas como menino mais velho e menino mais novo e os animais: o papagaio e a cachorra Baleia. Veja um fragmento de Vidas Secas em que a família inicia a viagem em busca de uma vida melhor: “ A caatinga estendia-se, de um vermelho indeciso salpicado de manchas brancas que eram ossadas. O vôo negro dos urubus fazia círculos altos em redor dos bichos moribundos. - Anda, excomungado. O pirralho não se mexeu, e Fabiano desejou matá-lo. Tinha o coração grosso, queria responsabilizar alguém pela sua desgraça. A seca aparecia-lhe como um fato necessário – e a obstinação da criança irritava-o. Certamente esse obstáculo miúdo não era culpado, mas dificultava a marcha, e o vaqueiro precisava chegar, não sabia onde. (...) Pelo espírito atribulado do sertanejo passou a idéia de abandonar o filho naquele descampado. Pensou nos urubus, nas ossadas, coçou a barba ruiva e suja, irresoluto, examinou os arredores. Sinhá Vitória estirou o beiço indicando vagamente uma direção e afirmou com alguns sons guturais que estavam perto. Fabiano meteu a faca na bainha, guardou-a no cinturão, acocorou-se, pegou no pulso do menino, que se encolhia, os joelhos encostados no estômago, frio como um defunto. Aí a cólera desapareceu e Fabiano teve pena. Impossível abandonar o anjinho aos bichos do mato. Entregou a espingarda a Sinhá Vitória, pôs o filho no cangote, levantou-se, agarrou os bracinhos que caíam sobre o peito, moles, finos como cambitos . Sinhá Vitória aprovou esse arranjo, lançou de novo a interjeição gutural, designou os juazeiros invisíveis. E a viagem prosseguiu, mais lenta, mais arrastada, num silêncio grande”. Graciliano Ramos A secura do ambiente e a dureza da vida aos poucos iam embrutecendo as personagens.
  • 9. 09 Trama e Personagens O romance “Vidas Secas” narra o episódio de uma família de retirantes em busca de um lugar que lhes ofereça meios de melhorar suas condições de vida. Essa família é composta por Fabiano, homem humilde e trabalhador; Sinhá Vitória, esposa resignada e fiel; o Menino mais novo e o Menino mais velho, crianças inocentes, representantes do anonimato social ; além da cachorra Baleia, animal que se humaniza em relação à dura realidade por que passa Fabiano e sua família. Durante um longo percurso por um caminho que parece interminável, os personagens enfrentam atrocidades várias, entre as quais, a fome, a sede e a falta de um lugar onde pudessem se estabelecer. Depois de andarem muito, os retirantes encontram uma casa que parecia abandonada. Eles se aproximam e entram nela, mas logo chega o dono, para quem Fabiano, depois de oferecer seus préstimos , começa a trabalhar, sendo vítima da seca, sua maior antagonista, e da exploração por parte do proprietário das terras. Na fazenda, a família permanece por algum tempo, cuidando do rebanho do proprietário até que, desiludidos com o aparecimento das arribações que, para eles “eram coisas da seca”, deixam a fazenda numa manhã bem cedo e continuam sua busca estrada a fora,na tentativa de um dia encontrarem um alento para suas vidas. Personagens Fabiano – vaqueiro rude e lacônico. É o chefe da família dos retirantes. O nome do personagem já indica rusticidade e rudeza (o Dicionário Aurélio dá como sinônimos possíveis da palavra Fabiano: “indivíduo inofensivo; pobre-diabo”). Sinhá Vitória– mulher de Fabiano. É um pouco mais dotada de conhecimentos do que o marido, pois ainda consegue, por meio de métodos rústicos, fazer contas. Humilde, seu maior sonho é ter uma cama igual à do Seu Tomás da Bolandeira. O Menino mais velho e o menino mais novo – filhos do casal. Por não terem o nome citado pelo narrador, os dois personagens acabam sendo caracterizados por causa dos pais. Essa falta de pessoalidade no tratamento é eloquente, pois batiza os garotos com a impessoalidade.
  • 10. 10 Baleia – personagem curiosa. É a cadela da família, que, no meio de personagens animalizados – zoomorfizados –, acaba por sofrer o processo inverso, de humanização – ou antropomorfização. Baleia, assim, demonstra um comportamento humano em muitas passagens, sobretudo no momento de sua morte. Seu Tomas da Bolandeira – por votar e ser alfabetizado, é o modelo de erudição e de conhecimento dos demais personagens. O Soldado Amarelo – antagonista mais direto de Fabiano, representa, assim como o fiscal da prefeitura e o dono da fazenda, a opressão do poder institucional.
  • 11. 11 Conclusão É indiscutível a genialidade Graciliano Ramos, mostrada em Vidas Secas.O trabalho impressiona não só pela temática como também pelo enfoque dado à linguagem, a importância dessa no processo de comunicação e sistematização de nossas idéias. Enfim, o inter-relacionamento entre a situação social e o psicologismos dado as personagens fazem de Vidas Secas um dos mais relevantes romances de nossa literatura. Em vidas secas podemos observar a dura e sofrida realidade nordestina. Sim como Fabiano é explorado, milhões de nordestinos também são pisados e vitimados por inúmeras forças. Os personagens mostram bem a falta de informação e a alienação das pessoas. A falta de perspectiva de um futuro é predominante, a seca que destrói sonhos, e destrói vidas. Um governo injusto que não se preocupa com sua população, e o fim mostra bem o que a maioria dos nordestinos já sem nenhuma esperança fazem, migram a procura de novos horizontes.