SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Almeida Garret
 Iniciador do Romantismo, refundador do teatro português, criador do lirismo
moderno, criador da prosa moderna, jornalista, político e legislador, Garret é um
exemplo de aliança inseparável entre o homem político e o escritor, o cidadão e o
poeta. É considerado, por muitos autores, como o escritor português mais
completo de todo o século XIX, nos deixou obras-primas na poesia, no teatro e na
prosa, inovando a escrita e a composição em cada um destes gêneros literários.
 Almeida Garrett nasceu na cidade do Porto, Portugal, em 1799, com o nome de
batismo de João Leitão da Silva. Durante sua época de estudante de Direito, em
Coimbra, passou a adotar o nome que o tornaria célebre: Almeida Garrett.
Participou da revolução liberal e ficou exilado na Inglaterra em 1823. Durante esse
tempo, casou-se e teve contato com o movimento romântico inglês. Em 1824
mudou-se para França e escreveu Camões e Dona Branca, obras que inauguraram
o romantismo português. Ávido defensor do liberalismo, Almeida enfrenta outros
diversos exílios ao longo dos anos.
Após retornar definitivamente a Portugal, passa a incentivar a literatura e o teatro, escrevendo inúmeros
livros e peças teatrais. É dele, por exemplo, a iniciativa de criar o Conservatório de Arte Dramática e o Teatro
Normal (atualmente Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa). Faleceu em Lisboa no dia 9 de dezembro de
1854.
Suas principais obras são: "Camões" (1825), "Dona Branca" (1826), "Romanceiro" (1843), "Cancioneiro
Geral" (1843), "Frei Luis de Sousa" (1844), "D’o Arco de Santana" (1845) e "Viagens na minha terra" (1846).
 Para entender os conflitos pelos quais o autor se depara, e que são a base de toda a sua crítica e tese, é primordial
compreender a fase Histórica que Portugal vivencia na época descrita – A Revolução Liberal.
 De um modo geral, as Ideias liberais surgiram em oposição à monarquia absoluta, ao mercantilismo, e
às diversas formas de ortodoxia religiosa e clericalismo. Isso levou o clero a declarar que a revolução era
“inimiga do trono e do altar”. Em Portugal, o patriotismo identificava se com o antiliberalismo e tradicionalismo católico,
assim qualquer tendência progressista era considerada como antinacional.
 Nesta época havia uma disputa politico-ideológica entre os Conservadores (Absolutistas) e os Liberais (Constitucionais) que
foi antecedida por uma grande crise (invasões francesas napoleônicas e crise do colonialismo no Brasil o qual fora elevado
a condição de Reino Unido a Portugal apos a Vinda da Família Real).
 A Situação portuguesa se agrava, e em 1830 culminou com uma Guerra Civil (pela reação Monárquica Absolutista
que não aceitava as restrições ao poder régio) em que opunham-se Partido Constitucionalista (liderado pela Rainha D.ª
Maria II e o Imperador D. Pedro I) e o Partido Tradicionalista (liderado por D. Miguel I), terminando com a vitoria Liberal.
 Gênero: Possui gênero textual híbrido, pois é composto de
relatos autobiográficos, anotações da viagem que o autor
realiza, crônica histórica e social, reflexões literárias e filosóficas, além de
Novela sentimental.
 Escola literária: Romantismo
 A obra é composta por dois eixos narrativos: No primeiro, o narrador conta suas
impressões de viagens, intercalando citações literárias, filosóficas e históricas das
mais diversas, com um tom fortemente subjetivo e repleto de digressões e
intertextualidades. Dentre as referências literárias, podemos levantar citações a
Willian Shakespeare, Luis de Camões, Miguel de Cervantes, Johann Goethe e
Homero. Já dentre as citações históricas e filosóficas, temos Napoleão Bonaparte,
D. Fernando, Bacon e outros.
Já o segundo eixo, que é interposto no meio dos relatos de viagem, conta o drama
amoroso que envolve cinco personagens. Essa narrativa amorosa tem como pano
de fundo as lutas entre liberais e miguelistas (1830 a 1834).
O que sabemos a respeito das outras personagens (incluindo seus pensamentos e sentimentos), ou nos é passado
através dela mesma, ou através de outra personagem que conta algo ao narrador (em Viagens temos Frei Dinis
contando o drama de Carlos e Joaninha). Essas informações podem ser, ainda, inferências feitas pelo narrador-
protagonista.
As personagens de "Viagens na Minha Terra" funcionam como uma visão simbólica de Portugal, buscando-se
através disso as causas da decadência do Império Português. O final do drama, que culmina na morte de Joaninha
e na fuga de Carlos para tornar-se barão, representa a própria crise de valores em que o apego à materialidade e
ao imediatismo acaba por fechar um ciclo de mutações de caráter duvidoso e instável.
Temos, então, as seguintes personagens e suas possíveis interpretações simbólicas dentro da obra:
Carlos: é um homem instável que não consegue se decidir sobre suas relações amorosas, podendo ser ligado às
características biográficas do próprio Almeida Garrett.
Georgina: namorada inglesa de Carlos, é a estrangeira de visão ingênua, que escolhe a reclusão religiosa como
justificativa para não participar dos dilemas e conflitos históricos que motivaram sua decepção amorosa.
Joaninha: prima e amada de Carlos. Meiga e singela, é a típica heroína campestre do Romantismo. Simboliza uma
visão ingênua de Portugal, que não se sustenta diante da realidade histórica.
D. Francisca: velha cega avó de Joaninha. Mostra-nos a imprudência e a falta de planejamento com que Portugal
se colocava no governo dos liberalistas, levando a nação à decadência.
Frei Dinis: é a própria tradição calcada num passado histórico glorioso, que no entanto, não é mais capaz de
justificar-se sem uma revisão de valores e de perspectivas.
 O Romantismo foi encarado como uma nova maneira de se expressar, enfrentar os problemas
da vida e do pensamento.
 Esta escola, repudiava os clássicos, opondo-se às regras e modelos, procurando a total
liberdade de criação, além de defender a "impureza" dos gêneros literários. Com o domínio
burguês, ocorre a profissionalização do escritor, que recebe uma remuneração para produzir a
obra, enquanto o público paga para consumi-la.
 O escritor romântico projetava-se para dentro de si, tendo como fonte o eu-lírico, do qual fluía
um diverso conteúdo sentimentalista e, muitas vezes, melancólico da vida, do amor e, às
vezes, exageradamente, da própria morte. A introversão era característica essencialmente
romântica.
 A natureza, assim como a mulher são importantes pontos desse momento. O homem,
idealizava a mulher como uma deusa, coisa divina e, com isso, retornava ao passado, no
trovadorismo, onde as "madames" eram tão sonhadas e desejadas, mesmo que fossem
inatingíveis.
 Ao procurar a mulher de seus sonhos e, então, frustrar-se por não encontrá-la ou, muitas
vezes, por encontrá-la e perdê-la, o romântico entrava em constante devaneio. Para amenizar
a situação, ao escrever despojava todos os seus anseios, procurando fugir da realidade,
usando do escapismo, onde, não raramente, tinha a natureza como confidente. Outra forma de
escapismo utilizada, era o escapismo pela obscuridade, onde buscavam o bem-estar nos
ambientes fúnebres e obscuros.
 Essas frustrações tidas por amores ou simples desilusões com a vida, provocaram muitos
suicídios. Daí a grande freqüência dos temas de morte nos poemas românticos, o que
caracteriza o mal-do-século.
 http://www.coladaweb.com/literatura/romantismo-em-portugal
 http://www.escola24h.com.br/fichas/files/viagens_da_minha_terra.pdf
 http://www.slideshare.net/clauheloisa/viagens-na-minha-terra
 http://www.abcdamedicina.com.br/viagens-na-minha-terra-almeida-
garrett-resumo-caracteristicas-livro.html
 http://www.objetivo.br/arquivos/resumos_obras_literarias/Viagens_na_
Minha_Terra.pdf
 http://jpn.c2com.up.pt/2005/01/13/almeida_garrett_uma_breve_biogra
fia.html
 http://www.brasilescola.com/literatura/caracteristicas-romantismo.htm
 http://www.coladaweb.com/literatura/romantismo-em-portugal
 http://www.abcdamedicina.com.br/viagens-na-minha-terra-almeida-
garrett-resumo-caracteristicas-livro.html
 http://teleliteraturateen.blogspot.com.br/2012/11/resumo-viagens-
na-minha-terra_5538.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A rede ferroviária portuguesa
A rede ferroviária portuguesaA rede ferroviária portuguesa
A rede ferroviária portuguesa
Miguel Jesus
 
Viagens a Minha Terra - 2ª A - 2011
Viagens a Minha Terra - 2ª A - 2011Viagens a Minha Terra - 2ª A - 2011
Viagens a Minha Terra - 2ª A - 2011
Daniel Leitão
 
Resumo do conto george
Resumo do conto georgeResumo do conto george
Resumo do conto george
estado
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
balolas
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Lurdes Augusto
 

Mais procurados (20)

Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
 
O desejado
O desejadoO desejado
O desejado
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
 
A rede ferroviária portuguesa
A rede ferroviária portuguesaA rede ferroviária portuguesa
A rede ferroviária portuguesa
 
Viagens a Minha Terra - 2ª A - 2011
Viagens a Minha Terra - 2ª A - 2011Viagens a Minha Terra - 2ª A - 2011
Viagens a Minha Terra - 2ª A - 2011
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Resumo do conto george
Resumo do conto georgeResumo do conto george
Resumo do conto george
 
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
Viagens na minha terra 3ª B -  2013Viagens na minha terra 3ª B -  2013
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
 
Simbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do ConventoSimbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do Convento
 
Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto
Áreas Metropolitanas de Lisboa e PortoÁreas Metropolitanas de Lisboa e Porto
Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto
 
Os maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analiseOs maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analise
 
Os Maias-Capitulo 9
Os Maias-Capitulo 9Os Maias-Capitulo 9
Os Maias-Capitulo 9
 

Destaque

Frade versus barão
Frade versus barãoFrade versus barão
Frade versus barão
Ana Relvas
 
Tomás antonio gonzaga cartas chilenas
Tomás antonio gonzaga   cartas chilenasTomás antonio gonzaga   cartas chilenas
Tomás antonio gonzaga cartas chilenas
ProfessoresColeguium
 
A poesia de tomás antônio gonzaga
A poesia de tomás antônio gonzagaA poesia de tomás antônio gonzaga
A poesia de tomás antônio gonzaga
ma.no.el.ne.ves
 
A poesia de cláudio manuel da costa
A poesia de cláudio manuel da costaA poesia de cláudio manuel da costa
A poesia de cláudio manuel da costa
ma.no.el.ne.ves
 
Almeida Garrett
Almeida Garrett Almeida Garrett
Almeida Garrett
andreaires
 
Poesia de Almeida Garret
Poesia de Almeida GarretPoesia de Almeida Garret
Poesia de Almeida Garret
becresforte
 

Destaque (20)

Viagens na minha terra
Viagens na minha terraViagens na minha terra
Viagens na minha terra
 
Viagens na Minha Terra - Slides
Viagens na Minha Terra - SlidesViagens na Minha Terra - Slides
Viagens na Minha Terra - Slides
 
Viagens na Minha Terra - Almeida Garrett
Viagens na Minha Terra - Almeida Garrett Viagens na Minha Terra - Almeida Garrett
Viagens na Minha Terra - Almeida Garrett
 
Viagens a minha Terra - 2ª A - 2011
Viagens a minha Terra - 2ª A - 2011Viagens a minha Terra - 2ª A - 2011
Viagens a minha Terra - 2ª A - 2011
 
Eurico, o presbítero
Eurico, o presbíteroEurico, o presbítero
Eurico, o presbítero
 
Viagens na minha terra
Viagens na minha terra Viagens na minha terra
Viagens na minha terra
 
Eurico, o presbitero
 Eurico, o presbitero Eurico, o presbitero
Eurico, o presbitero
 
Frade versus barão
Frade versus barãoFrade versus barão
Frade versus barão
 
Tomás antonio gonzaga cartas chilenas
Tomás antonio gonzaga   cartas chilenasTomás antonio gonzaga   cartas chilenas
Tomás antonio gonzaga cartas chilenas
 
A poesia de tomás antônio gonzaga
A poesia de tomás antônio gonzagaA poesia de tomás antônio gonzaga
A poesia de tomás antônio gonzaga
 
Cartas chilenas
Cartas chilenasCartas chilenas
Cartas chilenas
 
ROMANTISMO EM PORTUGAL
ROMANTISMO EM PORTUGAL ROMANTISMO EM PORTUGAL
ROMANTISMO EM PORTUGAL
 
Alexandre herculano
Alexandre herculanoAlexandre herculano
Alexandre herculano
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
A poesia de cláudio manuel da costa
A poesia de cláudio manuel da costaA poesia de cláudio manuel da costa
A poesia de cláudio manuel da costa
 
Romantismo em Portugal - Romanticism in Portugal
Romantismo em Portugal  -  Romanticism in PortugalRomantismo em Portugal  -  Romanticism in Portugal
Romantismo em Portugal - Romanticism in Portugal
 
Almeida Garrett
Almeida Garrett Almeida Garrett
Almeida Garrett
 
Poesia de Almeida Garret
Poesia de Almeida GarretPoesia de Almeida Garret
Poesia de Almeida Garret
 
Prosa e verso
Prosa e versoProsa e verso
Prosa e verso
 
Alexandre herculano
Alexandre herculanoAlexandre herculano
Alexandre herculano
 

Semelhante a Viagens na minha terra (Garrett)

O romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalO romantismo em_portugal
O romantismo em_portugal
DaianniSilv
 
Português - A estética romântica: idealização e arrebatamento.
Português - A estética romântica: idealização e arrebatamento.Português - A estética romântica: idealização e arrebatamento.
Português - A estética romântica: idealização e arrebatamento.
Viviane Dilkin Endler
 
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
WandersonBarros16
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Alexandre Barbosa
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
Lilian Lima
 
Romantismo no brasil geral
Romantismo no brasil   geralRomantismo no brasil   geral
Romantismo no brasil geral
VIVIAN TROMBINI
 

Semelhante a Viagens na minha terra (Garrett) (20)

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalO romantismo em_portugal
O romantismo em_portugal
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Português - A estética romântica: idealização e arrebatamento.
Português - A estética romântica: idealização e arrebatamento.Português - A estética romântica: idealização e arrebatamento.
Português - A estética romântica: idealização e arrebatamento.
 
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.docROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
 
Romantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoRomantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geração
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
 
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdfromantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
 
Romantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicasRomantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicas
 
Romantismo no brasil geral
Romantismo no brasil   geralRomantismo no brasil   geral
Romantismo no brasil geral
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 

Mais de maariane27

Ameaça terrorista
Ameaça terroristaAmeaça terrorista
Ameaça terrorista
maariane27
 
Sindrome de turner
Sindrome de turnerSindrome de turner
Sindrome de turner
maariane27
 

Mais de maariane27 (19)

Volver  Pedro Almodóvar
Volver  Pedro AlmodóvarVolver  Pedro Almodóvar
Volver  Pedro Almodóvar
 
Fibras têxteis
Fibras têxteis Fibras têxteis
Fibras têxteis
 
Folder Manuel Bandeira
Folder Manuel BandeiraFolder Manuel Bandeira
Folder Manuel Bandeira
 
Manuel Bandeira
Manuel BandeiraManuel Bandeira
Manuel Bandeira
 
Ap bandeira
Ap bandeiraAp bandeira
Ap bandeira
 
Novelas Caballeria
Novelas CaballeriaNovelas Caballeria
Novelas Caballeria
 
Formas de produção de energia
Formas de produção de energiaFormas de produção de energia
Formas de produção de energia
 
Ameaça terrorista
Ameaça terrorista Ameaça terrorista
Ameaça terrorista
 
Ameaça terrorista
Ameaça terroristaAmeaça terrorista
Ameaça terrorista
 
Nanotecnologia
NanotecnologiaNanotecnologia
Nanotecnologia
 
Romanceiro da Inconfidência
Romanceiro da InconfidênciaRomanceiro da Inconfidência
Romanceiro da Inconfidência
 
Artrópodes
Artrópodes Artrópodes
Artrópodes
 
Isótopos e suas aplicações
Isótopos e suas aplicaçõesIsótopos e suas aplicações
Isótopos e suas aplicações
 
Células tronco (2012)
Células tronco (2012)Células tronco (2012)
Células tronco (2012)
 
História da Comédia Grega
História da Comédia GregaHistória da Comédia Grega
História da Comédia Grega
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
 
Síndrome de turner X0
Síndrome de turner X0Síndrome de turner X0
Síndrome de turner X0
 
Expressionismo e o Contexto Social Alemão
Expressionismo e o Contexto Social AlemãoExpressionismo e o Contexto Social Alemão
Expressionismo e o Contexto Social Alemão
 
Sindrome de turner
Sindrome de turnerSindrome de turner
Sindrome de turner
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
FLAVIA LEZAN
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
lbgsouza
 

Último (20)

Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
 

Viagens na minha terra (Garrett)

  • 2.  Iniciador do Romantismo, refundador do teatro português, criador do lirismo moderno, criador da prosa moderna, jornalista, político e legislador, Garret é um exemplo de aliança inseparável entre o homem político e o escritor, o cidadão e o poeta. É considerado, por muitos autores, como o escritor português mais completo de todo o século XIX, nos deixou obras-primas na poesia, no teatro e na prosa, inovando a escrita e a composição em cada um destes gêneros literários.  Almeida Garrett nasceu na cidade do Porto, Portugal, em 1799, com o nome de batismo de João Leitão da Silva. Durante sua época de estudante de Direito, em Coimbra, passou a adotar o nome que o tornaria célebre: Almeida Garrett. Participou da revolução liberal e ficou exilado na Inglaterra em 1823. Durante esse tempo, casou-se e teve contato com o movimento romântico inglês. Em 1824 mudou-se para França e escreveu Camões e Dona Branca, obras que inauguraram o romantismo português. Ávido defensor do liberalismo, Almeida enfrenta outros diversos exílios ao longo dos anos. Após retornar definitivamente a Portugal, passa a incentivar a literatura e o teatro, escrevendo inúmeros livros e peças teatrais. É dele, por exemplo, a iniciativa de criar o Conservatório de Arte Dramática e o Teatro Normal (atualmente Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa). Faleceu em Lisboa no dia 9 de dezembro de 1854. Suas principais obras são: "Camões" (1825), "Dona Branca" (1826), "Romanceiro" (1843), "Cancioneiro Geral" (1843), "Frei Luis de Sousa" (1844), "D’o Arco de Santana" (1845) e "Viagens na minha terra" (1846).
  • 3.  Para entender os conflitos pelos quais o autor se depara, e que são a base de toda a sua crítica e tese, é primordial compreender a fase Histórica que Portugal vivencia na época descrita – A Revolução Liberal.  De um modo geral, as Ideias liberais surgiram em oposição à monarquia absoluta, ao mercantilismo, e às diversas formas de ortodoxia religiosa e clericalismo. Isso levou o clero a declarar que a revolução era “inimiga do trono e do altar”. Em Portugal, o patriotismo identificava se com o antiliberalismo e tradicionalismo católico, assim qualquer tendência progressista era considerada como antinacional.  Nesta época havia uma disputa politico-ideológica entre os Conservadores (Absolutistas) e os Liberais (Constitucionais) que foi antecedida por uma grande crise (invasões francesas napoleônicas e crise do colonialismo no Brasil o qual fora elevado a condição de Reino Unido a Portugal apos a Vinda da Família Real).  A Situação portuguesa se agrava, e em 1830 culminou com uma Guerra Civil (pela reação Monárquica Absolutista que não aceitava as restrições ao poder régio) em que opunham-se Partido Constitucionalista (liderado pela Rainha D.ª Maria II e o Imperador D. Pedro I) e o Partido Tradicionalista (liderado por D. Miguel I), terminando com a vitoria Liberal.
  • 4.
  • 5.  Gênero: Possui gênero textual híbrido, pois é composto de relatos autobiográficos, anotações da viagem que o autor realiza, crônica histórica e social, reflexões literárias e filosóficas, além de Novela sentimental.  Escola literária: Romantismo
  • 6.  A obra é composta por dois eixos narrativos: No primeiro, o narrador conta suas impressões de viagens, intercalando citações literárias, filosóficas e históricas das mais diversas, com um tom fortemente subjetivo e repleto de digressões e intertextualidades. Dentre as referências literárias, podemos levantar citações a Willian Shakespeare, Luis de Camões, Miguel de Cervantes, Johann Goethe e Homero. Já dentre as citações históricas e filosóficas, temos Napoleão Bonaparte, D. Fernando, Bacon e outros. Já o segundo eixo, que é interposto no meio dos relatos de viagem, conta o drama amoroso que envolve cinco personagens. Essa narrativa amorosa tem como pano de fundo as lutas entre liberais e miguelistas (1830 a 1834).
  • 7. O que sabemos a respeito das outras personagens (incluindo seus pensamentos e sentimentos), ou nos é passado através dela mesma, ou através de outra personagem que conta algo ao narrador (em Viagens temos Frei Dinis contando o drama de Carlos e Joaninha). Essas informações podem ser, ainda, inferências feitas pelo narrador- protagonista. As personagens de "Viagens na Minha Terra" funcionam como uma visão simbólica de Portugal, buscando-se através disso as causas da decadência do Império Português. O final do drama, que culmina na morte de Joaninha e na fuga de Carlos para tornar-se barão, representa a própria crise de valores em que o apego à materialidade e ao imediatismo acaba por fechar um ciclo de mutações de caráter duvidoso e instável. Temos, então, as seguintes personagens e suas possíveis interpretações simbólicas dentro da obra: Carlos: é um homem instável que não consegue se decidir sobre suas relações amorosas, podendo ser ligado às características biográficas do próprio Almeida Garrett. Georgina: namorada inglesa de Carlos, é a estrangeira de visão ingênua, que escolhe a reclusão religiosa como justificativa para não participar dos dilemas e conflitos históricos que motivaram sua decepção amorosa. Joaninha: prima e amada de Carlos. Meiga e singela, é a típica heroína campestre do Romantismo. Simboliza uma visão ingênua de Portugal, que não se sustenta diante da realidade histórica. D. Francisca: velha cega avó de Joaninha. Mostra-nos a imprudência e a falta de planejamento com que Portugal se colocava no governo dos liberalistas, levando a nação à decadência. Frei Dinis: é a própria tradição calcada num passado histórico glorioso, que no entanto, não é mais capaz de justificar-se sem uma revisão de valores e de perspectivas.
  • 8.  O Romantismo foi encarado como uma nova maneira de se expressar, enfrentar os problemas da vida e do pensamento.  Esta escola, repudiava os clássicos, opondo-se às regras e modelos, procurando a total liberdade de criação, além de defender a "impureza" dos gêneros literários. Com o domínio burguês, ocorre a profissionalização do escritor, que recebe uma remuneração para produzir a obra, enquanto o público paga para consumi-la.  O escritor romântico projetava-se para dentro de si, tendo como fonte o eu-lírico, do qual fluía um diverso conteúdo sentimentalista e, muitas vezes, melancólico da vida, do amor e, às vezes, exageradamente, da própria morte. A introversão era característica essencialmente romântica.  A natureza, assim como a mulher são importantes pontos desse momento. O homem, idealizava a mulher como uma deusa, coisa divina e, com isso, retornava ao passado, no trovadorismo, onde as "madames" eram tão sonhadas e desejadas, mesmo que fossem inatingíveis.  Ao procurar a mulher de seus sonhos e, então, frustrar-se por não encontrá-la ou, muitas vezes, por encontrá-la e perdê-la, o romântico entrava em constante devaneio. Para amenizar a situação, ao escrever despojava todos os seus anseios, procurando fugir da realidade, usando do escapismo, onde, não raramente, tinha a natureza como confidente. Outra forma de escapismo utilizada, era o escapismo pela obscuridade, onde buscavam o bem-estar nos ambientes fúnebres e obscuros.  Essas frustrações tidas por amores ou simples desilusões com a vida, provocaram muitos suicídios. Daí a grande freqüência dos temas de morte nos poemas românticos, o que caracteriza o mal-do-século.
  • 9.  http://www.coladaweb.com/literatura/romantismo-em-portugal  http://www.escola24h.com.br/fichas/files/viagens_da_minha_terra.pdf  http://www.slideshare.net/clauheloisa/viagens-na-minha-terra  http://www.abcdamedicina.com.br/viagens-na-minha-terra-almeida- garrett-resumo-caracteristicas-livro.html  http://www.objetivo.br/arquivos/resumos_obras_literarias/Viagens_na_ Minha_Terra.pdf  http://jpn.c2com.up.pt/2005/01/13/almeida_garrett_uma_breve_biogra fia.html  http://www.brasilescola.com/literatura/caracteristicas-romantismo.htm  http://www.coladaweb.com/literatura/romantismo-em-portugal  http://www.abcdamedicina.com.br/viagens-na-minha-terra-almeida- garrett-resumo-caracteristicas-livro.html  http://teleliteraturateen.blogspot.com.br/2012/11/resumo-viagens- na-minha-terra_5538.html