SlideShare uma empresa Scribd logo
Romantismo
Profª Andriane
Período de transição (1808 -1836)
Simultaneamente ao final das últimas produções do movimento árcade, ocorreu a vinda da
Família Real portuguesa para o Brasil. Esse acontecimento, no ano de 1808, significou, o início do
processo de Independencia da Colônia. O período compreendido entre 1808 e 1836 é considerado de
transição na literatura brasileira devido à transferência do poder de Portugal para as terras brasileiras
que trouxe consigo, além da corte e da realeza, as novidades e modelos literários do Velho
Continente nos moldes franceses e ingleses. Houve também a mudança de foco artístico e cultural,
da Bahia para o Rio de Janeiro, capital da colônia desde o ano de 1763.
Com a vinda da Família Real, os livros puderam ser impressos no território, dando início não
apenas ao desenvolvimento da literatura mas, também, a um sentimento de nacionalidade no
território, uma das principais características do período romântico brasileiro.
Considera-se que o período romântico no Brasil inicia em 1836, com a publicação da obra
Suspiros Poéticos e Saudades, do poeta Gonçalves de Magalhães e vai até o ano de 1881, com
a publicação do romance realista Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis.
Contexto histórico europeu
- a ascensão da tipografia, inventada pelo alemão Johannes Gutenberg, que possibilitou o
desenvolvimento da impressão em grandes quantidades de jornais e romances;
- ascensão dos romances impressos, popularizando o artefato e proporcionando um largo alcance da
literatura às camadas inferiores da sociedade;
- considera-se o marco inicial do romantismo na Europa a publicação do romance Os sofrimentos do
jovem Werther, do escritor alemão Johann Wolfgang von Goethe no ano de 1774. Nessa obra, Goethe
apresenta a ideia central do Romantismo: a de que a força mais poderosa da vida é o sentimento, e
não a razão. Por isso, o movimento romântico pode ser entendido como uma reação contra a onda de
racionalismo provocada pelo Iluminismo;
- Com o processo de industrialização dos grandes centros, houve um delineamento das classes sociais:
a burguesia, com riquezas provenientes do comércio, e os operários das indústrias. Logo, a literatura
do período foi produzida pela classe dominante e para a classe dominante, deixando claro qual a
ideologia defendida por seus autores.
Contexto histórico no Brasil
- a vinda da Família Real para o Rio de Janeiro gerou um forte desenvolvimento artístico e
cultural na colônia, agora afinado com a produção literária europeia. Porém, a insatisfação das
classes dominantes com o Império fez com que surgissem tentativas de independência da
metrópole, produzindo um sentimento de nacionalismo que culminaria com a Declaração da
Independência, em 1822, por Dom Pedro I;
- escravidão dos negros: o Brasil era uma das poucas colônias americanas que ainda sustentava
o sistema econômico baseado do trabalho escravo, o que gerou opiniões controversas por parte
dos autores daquela época;
Chegada da Família Real Portuguesa a Bahia (1952), de Candido Portinari
Contexto histórico no Brasil
- A independência das colônias latino-americanas impulsionou um sentimento de nacionalidade
diretamente refletida pela literatura. A formação dessas literaturas esteve a cargo de autores
que projetavam os ideais de uma nação em crescimento e desenvolvimento e que até hoje são
considerados constitutivos da história da nação;
- O que causa uma sensação de estranhamento é o paradoxo observado no período: ao mesmo
tempo em que ideias sobre o sentimento de nacionalidade aflorava nos corações dos brasileiros
(e demais latino-americanos), parte da população permanecia na miséria e/ou em situações de
escravidão, sem acesso à emancipação e aos direitos humanos básicos.
INFLUÊNCIAS
• Mito do bom selvagem de J.J. Rousseau
• Movimento Sturm und Drang (Tempestade e
Ímpeto), na Alemanha, valorizando o
nacional
• Publicação do romance Os Sofrimentos do
Jovem Werther, de Goethe, externando a
força de uma paixão.
Principais características
• Liberdade de criação e de expressão;
• Nacionalismo (exaltação dos valores e os heróis nacionais, ambientando
seu passado histórico, principalmente o período medieval);
• Historicismo;
• Medievalismo;
• Tradições populares (os autores buscavam inspiração nas narrativas
orais e nas canções populares, manifestação do nacionalismo romântico);
• Individualismo, egocentrismo;
• Confessionalismo (os sentimentos pessoais do autor em dado momento
de sua vida são expressos nas obras);
Principais características
• Pessimismo - A melancolia do poeta inglês Lord Byron se faz presente em
todas as literaturas, portanto a presença do individualismo e do egocentrismo
adquirem traços doentios de adaptação.
O “mal do século” ou tédio de viver conduz:
- ambiente exótico ou passado misterioso.
- narrativas fantásticas (envolvendo o sobrenatural)
- morte (como última solução);
• Escapismo;
• Crítica social (o Romantismo pode assumir um caráter combativo de
oposição e crítica social, observamos sua ocorrência na sua última fase).
Lord Byron
Conceitos importantes
a) Subjetivismo e Individualismo - A
individualidade como refúgio proporciona
também a evasão para mundos distantes
como forma de escapar a sua realidade.
Essa característica está associada,
principalmente, aos autores da chamada
Geração Mal-do-Século - autores
acometidos pela tuberculose (a doença
considerada o mal do século XIX) - que
almejavam uma vida de prazeres em países
e territórios distantes para escapar à dor e
à morte.
Conceitos importantes
b) Patriarcalismo - o século XIX também é conhecido por refletir em sua literatura
canônica uma sociedade conservadora e patriarcalista. Neste modelo, a família é o
núcleo da sociedade burguesa, cujo poder está centrado na figura do pai. Os enredo
giram basicamente em torno dela, de suas relações, seus costumes e seus desejos.
Embora no Brasil o modelo de sociedade patriarcal sempre esteve presente desde o
início da colonização, aparecia na literatura como reflexo da ideologia dominante e para
estabelecer os costumes esperados na sociedade e destinados principalmente às
mulheres.
Com o advento do Realismo (movimento literário seguinte) muitos autores
dedicam-se a criticar este modelo e a retratar (da forma mais realista possível) as
mazelas que se encontravam por trás da família burguesa, como a submissão das
mulheres, a violência praticada contra esposas e filhas e a própria condição dessas
personagens, moedas de troca a fim de garantir a situação financeira das famílias.
Conceitos importantes
c) Nacionalismo - Nas colônias, o sentimento
de nacionalidade surgiu como reação à política
mercantil restritiva das metrópoles e do desejo
de liberdade econômica e política. No Brasil, os
escritores produziram obras importantes
motivadas pelo ideal nacionalista no sentido de
delinear uma literatura que fosse considerada
brasileira e não mais submissa à colônia.
Romantismo em Portugal
1825 - “Camões” - Almeida Garret
3 momentos
1º Prisão ao Neoclassicismo (Almeida Garret e Alexandre
Herculano)
2º Inicío dos exageros (Soares de Passos e Camilo Castelo
Branco)
3º Início das características realistas (João de Deus e Júlio
Dinis)
Romantismo em Portugal
Almeida Garret
- “Camões”
- Fundador do Teatro Português Popular
- “Sebastianismo”
Alexandre Herculano
- Romance histórico português
- “Eurico, o Presbítero”
- Amor proibido
Romantismo em Portugal
Camilo Castelo Branco
- Escrita por encomenda
- “Amor de perdição”
Soares de Passos
- “Noivado no sepulcro”
João de Deus
- “Campo de Flores”
Julio Dinis
- “As pupilas do Senhor
Reitor”
Primeira metade do século XIX
As primeiras manifestações do período romântico aconteceram em forma de
poesia. Suspiros poéticos e saudades, de Gonçalves de Magalhães inaugura o
movimento romântico no Brasil, no ano de 1836. Além disso, diversos outros autores
desenvolveram suas temáticas por meio da poesia, o que permitiu aos críticos
agruparem as manifestações literárias do gênero em três principais gerações.
1ª geração romântica:
nacionalista ou indianista
Nessa geração, os temas principais giram em torno da nova pátria, com menções ao passado
histórico do país. Também estão presentes temas como a exaltação do índio, considerado o herói
nacional por excelência, que deu nome à geração. O mito do bom selvagem, do filósofo Rousseau é
aqui traduzido na figura do índio que, além de valente e defensor da sua terra, é livre e incorruptível.
Seus principais autores são Gonçalves de Magalhães, Gonçalves Dias e Araújo Porto-Alegre.
Gonçalves de Magalhães (1811 - 1882)
Estudou Medicina e viajou para a Europa, onde exerce a função de
diplomata e passa a ter contato com a produção literária do velho continente e
funda, em Paris, a revista literária Niterói, revista brasiliense, um dos marcos
iniciais do movimento romântico no país.
Suspiros poéticos e saudades (1836) inaugura o movimento com uma
literatura ufanista, celebrando a nacionalidade e também com temas religiosos,
repudiando a estética clássica e a temática da mitologia pagã. Além da poesia
lírica voltada para o sentimentalismo, nacionalismo e religiosidade, Magalhães
escreveu a Confederação dos Tamoios (1856), poema em dez cantos,
inspirado nos poemas épicos, em que versa sobre a rebelião dos indígenas
contra os colonizadores portugueses ocorrida entre os anos de 1554 e 1567.
Nele, o poeta defende os índios como bravos guerreiros empenhados na
defesa de sua terra. Logo, os índios seriam os primeiros heróis nacionais.
Gonçalves de
Magalhães nasceu em
Niterói (RJ) em 1811 e
faleceu em Roma, onde
exercia cargos
diplomáticos, no ano
de 1882.
Confederação dos Tamoios (1856)
O último tamoio (1883), de Rodolfo Amoedo
Obras - Gonçalves de Magalhães
● Suspiros poéticos e saudades, poesia (1836) — Considerada a obra inaugural do romantismo brasileiro
● Discurso sobre a história da literatura do Brasil, manifesto publicado na revista Nictheroy (1836)
● Antônio José ou O poeta e a Inquisição, peça de teatro (1838)
● A confederação dos Tamoios, poema épico (1856)
● Os mistérios, poesias (1857)
● Os fatos do espírito humano, tratado filosófico (1858) — Considerada obra pioneira da filosofia no Brasil
● Os indígenas do Brasil perante a História (1860)
● Urânia, poesias (1862)
● Cânticos fúnebres, poesias (1864)
● A alma e o cérebro, ensaios (1876)
● Comentários e pensamentos (1880)
Gonçalves Dias (1823-1864)
Gonçalves Dias nasceu em Caxias, no Maranhão e, com quinze anos,
vai a Coimbra estudar Direito. Longe do Brasil, toma contato com poetas
portugueses que cultivavam a Idade Média. É considerado o primeiro poeta
de fato brasileiro por dar vazão aos sentimentos de um povo com relação à
pátria.
Em 1843 escreve seu famoso poema Canção do Exílio, onde se
percebe algumas das principais características do Romantismo:
saudosismo, nacionalismo, exaltação da natureza, visão idealizada da pátria
e religiosidade.
Gonçalves Dias nasceu em
Caxias (MA) em 1823 e morre
em 1864, vítima do naufrágio
do navio Ville de Boulogne
quando retornava da Europa
para o Brasil.
I - Juca Pirama (1851)
Também fazem parte de seu trabalho a poesia indianista, representada pelo conhecido I-Juca
Pirama, e a poesia lírica, pelo poema Se se morre de amor!
O poema I-Juca Pirama é dividido em dez cantos e conta a história de um guerreiro tupi
capturado pela tribo inimiga, os Timbiras. Como seu pai estava velho e doente, o guerreiro chora e
pede clemência à tribo para que sua vida seja poupada e ele possa voltar à companhia do velho. Ao
saber disso, o pai, decepcionado, alega que seu filho é fraco e covarde por não ter aceitado seu
destino de morrer lutando como um verdadeiro guerreiro nas mãos da tribo inimiga.
Obras - Gonçalves Dias
Do próprio autor (cronológica)
● Primeiros Cantos, Rio de Janeiro, Laemmert, 1846.
● Leonor de Mendonça, Rio de Janeiro, J. Villeneuve & Cia, 1846.
● Segundos Cantos, Rio de Janeiro, Typographia Classica, 1848. (contém às Sextilhas de Frei Antão).
● Meditação (fragmentos in Guanabara, Rio de Janeiro, Ferreira Monteiro, 1848. (publicada completo postumamente).
● Últimos Cantos, Rio de Janeiro, Typographia de F. de Paula Brito, 1851.
● Cantos: collecção de poezias,2ª ed. Leipzig, Brockhaus, 1857. (todos os poemas e 16 inéditos).
● Os Tymbiras, Leipzig, Brockhaus, 1857.
● Dicionácio da Língua Tupi, Leipzig, Brockhaus, 1858.
Póstumas
● Obras posthumas de A. Gonçalves Dias, 6 Vls., Org. Antônio Henriques Leal, São Luís, B. de Matos, 1868.
● O Brazil e a Oceania, Rio de Janeiro, H. Garnier, 1909.
● Gonçalves Dias: Poesia e prosa completas, Org. Alexei Bueno, Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 1998.
Araújo Porto Alegre (1806 - 1879)
Um dos principais autores da primeira geração romântica,
Manuel de Araújo Porto Alegre acompanhou Gonçalves de
Magalhães na Niterói, revista brasiliense, publicando poemas
desvelando um forte sentimento nacionalista. Porto Alegre também
era um conhecido pintor e cartunista, fazendo caricaturas e
desenhos satíricos sobre o Brasil.
Homem das artes e das Letras, deixou aproximadamente 150
obras entre poesias, peças de teatro e traduções. Dentre elas, as
mais famosas são: o livro de poesias Brasilianas (1863), o poema
épico Colombo (1866), e a peça de teatro Angélica e Firmino
(1845).
Araújo Porto Alegre (1848),
por Ferdinand Krumholz. O
autor nasceu em 1806, em
Rio Pardo e faleceu em
Lisboa no ano de 1879.
Araújo Porto Alegre (1806 - 1879)
Selva Brasileira, pintura de Araújo Porto-Alegre, representante da literatura e da pintura romântica brasileira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaRomantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Tim Bagatelas
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
nagelaviana
 
2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica
Andriane Cursino
 
Romantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicasRomantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicas
Sirlene Rosa Santos
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
Andréia Peixoto
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
NathalyNara
 
Teoria literária
Teoria literáriaTeoria literária
Teoria literária
Claudia Ribeiro
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
Cláudia Heloísa
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
Fernando Henning
 
Slide realismo
Slide realismoSlide realismo
Slide realismo
JulianaBibiano
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
Gênero épico
Gênero épicoGênero épico
Gênero épico
Isabella Neves Silva
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
Ana Sales
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Andriane Cursino
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
jairanselmo
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
martinsramon
 
A literatura do século xix
A literatura do século xixA literatura do século xix
A literatura do século xix
José Alexandre Dos Santos
 
Romantismo no Brasil
Romantismo  no BrasilRomantismo  no Brasil
Romantismo no Brasil
NathalyNara
 

Mais procurados (20)

Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaRomantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
 
2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica
 
Romantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicasRomantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicas
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Romantismo - aula
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Teoria literária
Teoria literáriaTeoria literária
Teoria literária
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
Slide realismo
Slide realismoSlide realismo
Slide realismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Gênero épico
Gênero épicoGênero épico
Gênero épico
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
 
A literatura do século xix
A literatura do século xixA literatura do século xix
A literatura do século xix
 
Romantismo no Brasil
Romantismo  no BrasilRomantismo  no Brasil
Romantismo no Brasil
 

Semelhante a Romantismo - introdução e 1ª geração

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Amanda Resende
 
Romantismo - Toda Matéria.PDF
Romantismo - Toda Matéria.PDFRomantismo - Toda Matéria.PDF
Romantismo - Toda Matéria.PDF
LeandraLima23
 
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.docROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ValeriaCristina51
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Evandro Batista
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Evandro Batista
 
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
MoniqueSousa25
 
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
WandersonBarros16
 
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdfromantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
ANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Alexandre Barbosa
 
webnode
webnodewebnode
webnode
pauloyjosiele
 
O guarani - José de Alencar
O guarani - José de AlencarO guarani - José de Alencar
O guarani - José de Alencar
jasonrplima
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
Davison Assis
 
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europaRomantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Igor Moura
 
1262447.ppt
1262447.ppt1262447.ppt
Romantismo
RomantismoRomantismo
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
Lilian Lima
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagensRomantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagens
kacau
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
Nathaly Caldas Costa
 
Literatura do brasil
Literatura do brasilLiteratura do brasil
Literatura do brasil
Erika Renata
 

Semelhante a Romantismo - introdução e 1ª geração (20)

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo - Toda Matéria.PDF
Romantismo - Toda Matéria.PDFRomantismo - Toda Matéria.PDF
Romantismo - Toda Matéria.PDF
 
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.docROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
 
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
 
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdfromantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
 
webnode
webnodewebnode
webnode
 
O guarani - José de Alencar
O guarani - José de AlencarO guarani - José de Alencar
O guarani - José de Alencar
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
 
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europaRomantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
 
1262447.ppt
1262447.ppt1262447.ppt
1262447.ppt
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagensRomantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagens
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Literatura do brasil
Literatura do brasilLiteratura do brasil
Literatura do brasil
 

Mais de Andriane Cursino

Resumos obras - Romantismo
Resumos obras - RomantismoResumos obras - Romantismo
Resumos obras - Romantismo
Andriane Cursino
 
Simple present tense - Answers
Simple present tense - AnswersSimple present tense - Answers
Simple present tense - Answers
Andriane Cursino
 
Gabarito - Romantismo
Gabarito -  RomantismoGabarito -  Romantismo
Gabarito - Romantismo
Andriane Cursino
 
Romantismo - Prosa
Romantismo - ProsaRomantismo - Prosa
Romantismo - Prosa
Andriane Cursino
 
Exercises simple past - Answers
Exercises simple past - AnswersExercises simple past - Answers
Exercises simple past - Answers
Andriane Cursino
 
Gabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ ArcadismoGabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ Arcadismo
Andriane Cursino
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
Andriane Cursino
 
Camões / Os Lusíadas
Camões / Os LusíadasCamões / Os Lusíadas
Camões / Os Lusíadas
Andriane Cursino
 
Classicismo / Renascimento
Classicismo / RenascimentoClassicismo / Renascimento
Classicismo / Renascimento
Andriane Cursino
 
O velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil VicenteO velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil Vicente
Andriane Cursino
 
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil VicenteFarsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Andriane Cursino
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
Andriane Cursino
 
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Andriane Cursino
 
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAXO PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
Andriane Cursino
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Andriane Cursino
 
Exercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literáriosExercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literários
Andriane Cursino
 
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / ConcretismoModernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Andriane Cursino
 
2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) 2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945)
Andriane Cursino
 
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Andriane Cursino
 
Modernismo 1ª fase
Modernismo 1ª faseModernismo 1ª fase
Modernismo 1ª fase
Andriane Cursino
 

Mais de Andriane Cursino (20)

Resumos obras - Romantismo
Resumos obras - RomantismoResumos obras - Romantismo
Resumos obras - Romantismo
 
Simple present tense - Answers
Simple present tense - AnswersSimple present tense - Answers
Simple present tense - Answers
 
Gabarito - Romantismo
Gabarito -  RomantismoGabarito -  Romantismo
Gabarito - Romantismo
 
Romantismo - Prosa
Romantismo - ProsaRomantismo - Prosa
Romantismo - Prosa
 
Exercises simple past - Answers
Exercises simple past - AnswersExercises simple past - Answers
Exercises simple past - Answers
 
Gabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ ArcadismoGabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ Arcadismo
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Camões / Os Lusíadas
Camões / Os LusíadasCamões / Os Lusíadas
Camões / Os Lusíadas
 
Classicismo / Renascimento
Classicismo / RenascimentoClassicismo / Renascimento
Classicismo / Renascimento
 
O velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil VicenteO velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil Vicente
 
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil VicenteFarsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
 
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
 
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAXO PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Exercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literáriosExercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literários
 
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / ConcretismoModernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
 
2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) 2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945)
 
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
 
Modernismo 1ª fase
Modernismo 1ª faseModernismo 1ª fase
Modernismo 1ª fase
 

Último

Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 

Último (20)

Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 

Romantismo - introdução e 1ª geração

  • 2. Período de transição (1808 -1836) Simultaneamente ao final das últimas produções do movimento árcade, ocorreu a vinda da Família Real portuguesa para o Brasil. Esse acontecimento, no ano de 1808, significou, o início do processo de Independencia da Colônia. O período compreendido entre 1808 e 1836 é considerado de transição na literatura brasileira devido à transferência do poder de Portugal para as terras brasileiras que trouxe consigo, além da corte e da realeza, as novidades e modelos literários do Velho Continente nos moldes franceses e ingleses. Houve também a mudança de foco artístico e cultural, da Bahia para o Rio de Janeiro, capital da colônia desde o ano de 1763. Com a vinda da Família Real, os livros puderam ser impressos no território, dando início não apenas ao desenvolvimento da literatura mas, também, a um sentimento de nacionalidade no território, uma das principais características do período romântico brasileiro. Considera-se que o período romântico no Brasil inicia em 1836, com a publicação da obra Suspiros Poéticos e Saudades, do poeta Gonçalves de Magalhães e vai até o ano de 1881, com a publicação do romance realista Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis.
  • 3. Contexto histórico europeu - a ascensão da tipografia, inventada pelo alemão Johannes Gutenberg, que possibilitou o desenvolvimento da impressão em grandes quantidades de jornais e romances; - ascensão dos romances impressos, popularizando o artefato e proporcionando um largo alcance da literatura às camadas inferiores da sociedade; - considera-se o marco inicial do romantismo na Europa a publicação do romance Os sofrimentos do jovem Werther, do escritor alemão Johann Wolfgang von Goethe no ano de 1774. Nessa obra, Goethe apresenta a ideia central do Romantismo: a de que a força mais poderosa da vida é o sentimento, e não a razão. Por isso, o movimento romântico pode ser entendido como uma reação contra a onda de racionalismo provocada pelo Iluminismo; - Com o processo de industrialização dos grandes centros, houve um delineamento das classes sociais: a burguesia, com riquezas provenientes do comércio, e os operários das indústrias. Logo, a literatura do período foi produzida pela classe dominante e para a classe dominante, deixando claro qual a ideologia defendida por seus autores.
  • 4. Contexto histórico no Brasil - a vinda da Família Real para o Rio de Janeiro gerou um forte desenvolvimento artístico e cultural na colônia, agora afinado com a produção literária europeia. Porém, a insatisfação das classes dominantes com o Império fez com que surgissem tentativas de independência da metrópole, produzindo um sentimento de nacionalismo que culminaria com a Declaração da Independência, em 1822, por Dom Pedro I; - escravidão dos negros: o Brasil era uma das poucas colônias americanas que ainda sustentava o sistema econômico baseado do trabalho escravo, o que gerou opiniões controversas por parte dos autores daquela época; Chegada da Família Real Portuguesa a Bahia (1952), de Candido Portinari
  • 5. Contexto histórico no Brasil - A independência das colônias latino-americanas impulsionou um sentimento de nacionalidade diretamente refletida pela literatura. A formação dessas literaturas esteve a cargo de autores que projetavam os ideais de uma nação em crescimento e desenvolvimento e que até hoje são considerados constitutivos da história da nação; - O que causa uma sensação de estranhamento é o paradoxo observado no período: ao mesmo tempo em que ideias sobre o sentimento de nacionalidade aflorava nos corações dos brasileiros (e demais latino-americanos), parte da população permanecia na miséria e/ou em situações de escravidão, sem acesso à emancipação e aos direitos humanos básicos.
  • 6. INFLUÊNCIAS • Mito do bom selvagem de J.J. Rousseau • Movimento Sturm und Drang (Tempestade e Ímpeto), na Alemanha, valorizando o nacional • Publicação do romance Os Sofrimentos do Jovem Werther, de Goethe, externando a força de uma paixão.
  • 7. Principais características • Liberdade de criação e de expressão; • Nacionalismo (exaltação dos valores e os heróis nacionais, ambientando seu passado histórico, principalmente o período medieval); • Historicismo; • Medievalismo; • Tradições populares (os autores buscavam inspiração nas narrativas orais e nas canções populares, manifestação do nacionalismo romântico); • Individualismo, egocentrismo; • Confessionalismo (os sentimentos pessoais do autor em dado momento de sua vida são expressos nas obras);
  • 8. Principais características • Pessimismo - A melancolia do poeta inglês Lord Byron se faz presente em todas as literaturas, portanto a presença do individualismo e do egocentrismo adquirem traços doentios de adaptação. O “mal do século” ou tédio de viver conduz: - ambiente exótico ou passado misterioso. - narrativas fantásticas (envolvendo o sobrenatural) - morte (como última solução); • Escapismo; • Crítica social (o Romantismo pode assumir um caráter combativo de oposição e crítica social, observamos sua ocorrência na sua última fase). Lord Byron
  • 9. Conceitos importantes a) Subjetivismo e Individualismo - A individualidade como refúgio proporciona também a evasão para mundos distantes como forma de escapar a sua realidade. Essa característica está associada, principalmente, aos autores da chamada Geração Mal-do-Século - autores acometidos pela tuberculose (a doença considerada o mal do século XIX) - que almejavam uma vida de prazeres em países e territórios distantes para escapar à dor e à morte.
  • 10. Conceitos importantes b) Patriarcalismo - o século XIX também é conhecido por refletir em sua literatura canônica uma sociedade conservadora e patriarcalista. Neste modelo, a família é o núcleo da sociedade burguesa, cujo poder está centrado na figura do pai. Os enredo giram basicamente em torno dela, de suas relações, seus costumes e seus desejos. Embora no Brasil o modelo de sociedade patriarcal sempre esteve presente desde o início da colonização, aparecia na literatura como reflexo da ideologia dominante e para estabelecer os costumes esperados na sociedade e destinados principalmente às mulheres. Com o advento do Realismo (movimento literário seguinte) muitos autores dedicam-se a criticar este modelo e a retratar (da forma mais realista possível) as mazelas que se encontravam por trás da família burguesa, como a submissão das mulheres, a violência praticada contra esposas e filhas e a própria condição dessas personagens, moedas de troca a fim de garantir a situação financeira das famílias.
  • 11. Conceitos importantes c) Nacionalismo - Nas colônias, o sentimento de nacionalidade surgiu como reação à política mercantil restritiva das metrópoles e do desejo de liberdade econômica e política. No Brasil, os escritores produziram obras importantes motivadas pelo ideal nacionalista no sentido de delinear uma literatura que fosse considerada brasileira e não mais submissa à colônia.
  • 12. Romantismo em Portugal 1825 - “Camões” - Almeida Garret 3 momentos 1º Prisão ao Neoclassicismo (Almeida Garret e Alexandre Herculano) 2º Inicío dos exageros (Soares de Passos e Camilo Castelo Branco) 3º Início das características realistas (João de Deus e Júlio Dinis)
  • 13. Romantismo em Portugal Almeida Garret - “Camões” - Fundador do Teatro Português Popular - “Sebastianismo” Alexandre Herculano - Romance histórico português - “Eurico, o Presbítero” - Amor proibido
  • 14. Romantismo em Portugal Camilo Castelo Branco - Escrita por encomenda - “Amor de perdição” Soares de Passos - “Noivado no sepulcro” João de Deus - “Campo de Flores” Julio Dinis - “As pupilas do Senhor Reitor”
  • 15. Primeira metade do século XIX As primeiras manifestações do período romântico aconteceram em forma de poesia. Suspiros poéticos e saudades, de Gonçalves de Magalhães inaugura o movimento romântico no Brasil, no ano de 1836. Além disso, diversos outros autores desenvolveram suas temáticas por meio da poesia, o que permitiu aos críticos agruparem as manifestações literárias do gênero em três principais gerações.
  • 16. 1ª geração romântica: nacionalista ou indianista Nessa geração, os temas principais giram em torno da nova pátria, com menções ao passado histórico do país. Também estão presentes temas como a exaltação do índio, considerado o herói nacional por excelência, que deu nome à geração. O mito do bom selvagem, do filósofo Rousseau é aqui traduzido na figura do índio que, além de valente e defensor da sua terra, é livre e incorruptível. Seus principais autores são Gonçalves de Magalhães, Gonçalves Dias e Araújo Porto-Alegre.
  • 17. Gonçalves de Magalhães (1811 - 1882) Estudou Medicina e viajou para a Europa, onde exerce a função de diplomata e passa a ter contato com a produção literária do velho continente e funda, em Paris, a revista literária Niterói, revista brasiliense, um dos marcos iniciais do movimento romântico no país. Suspiros poéticos e saudades (1836) inaugura o movimento com uma literatura ufanista, celebrando a nacionalidade e também com temas religiosos, repudiando a estética clássica e a temática da mitologia pagã. Além da poesia lírica voltada para o sentimentalismo, nacionalismo e religiosidade, Magalhães escreveu a Confederação dos Tamoios (1856), poema em dez cantos, inspirado nos poemas épicos, em que versa sobre a rebelião dos indígenas contra os colonizadores portugueses ocorrida entre os anos de 1554 e 1567. Nele, o poeta defende os índios como bravos guerreiros empenhados na defesa de sua terra. Logo, os índios seriam os primeiros heróis nacionais. Gonçalves de Magalhães nasceu em Niterói (RJ) em 1811 e faleceu em Roma, onde exercia cargos diplomáticos, no ano de 1882.
  • 18. Confederação dos Tamoios (1856) O último tamoio (1883), de Rodolfo Amoedo
  • 19. Obras - Gonçalves de Magalhães ● Suspiros poéticos e saudades, poesia (1836) — Considerada a obra inaugural do romantismo brasileiro ● Discurso sobre a história da literatura do Brasil, manifesto publicado na revista Nictheroy (1836) ● Antônio José ou O poeta e a Inquisição, peça de teatro (1838) ● A confederação dos Tamoios, poema épico (1856) ● Os mistérios, poesias (1857) ● Os fatos do espírito humano, tratado filosófico (1858) — Considerada obra pioneira da filosofia no Brasil ● Os indígenas do Brasil perante a História (1860) ● Urânia, poesias (1862) ● Cânticos fúnebres, poesias (1864) ● A alma e o cérebro, ensaios (1876) ● Comentários e pensamentos (1880)
  • 20. Gonçalves Dias (1823-1864) Gonçalves Dias nasceu em Caxias, no Maranhão e, com quinze anos, vai a Coimbra estudar Direito. Longe do Brasil, toma contato com poetas portugueses que cultivavam a Idade Média. É considerado o primeiro poeta de fato brasileiro por dar vazão aos sentimentos de um povo com relação à pátria. Em 1843 escreve seu famoso poema Canção do Exílio, onde se percebe algumas das principais características do Romantismo: saudosismo, nacionalismo, exaltação da natureza, visão idealizada da pátria e religiosidade. Gonçalves Dias nasceu em Caxias (MA) em 1823 e morre em 1864, vítima do naufrágio do navio Ville de Boulogne quando retornava da Europa para o Brasil.
  • 21. I - Juca Pirama (1851) Também fazem parte de seu trabalho a poesia indianista, representada pelo conhecido I-Juca Pirama, e a poesia lírica, pelo poema Se se morre de amor! O poema I-Juca Pirama é dividido em dez cantos e conta a história de um guerreiro tupi capturado pela tribo inimiga, os Timbiras. Como seu pai estava velho e doente, o guerreiro chora e pede clemência à tribo para que sua vida seja poupada e ele possa voltar à companhia do velho. Ao saber disso, o pai, decepcionado, alega que seu filho é fraco e covarde por não ter aceitado seu destino de morrer lutando como um verdadeiro guerreiro nas mãos da tribo inimiga.
  • 22. Obras - Gonçalves Dias Do próprio autor (cronológica) ● Primeiros Cantos, Rio de Janeiro, Laemmert, 1846. ● Leonor de Mendonça, Rio de Janeiro, J. Villeneuve & Cia, 1846. ● Segundos Cantos, Rio de Janeiro, Typographia Classica, 1848. (contém às Sextilhas de Frei Antão). ● Meditação (fragmentos in Guanabara, Rio de Janeiro, Ferreira Monteiro, 1848. (publicada completo postumamente). ● Últimos Cantos, Rio de Janeiro, Typographia de F. de Paula Brito, 1851. ● Cantos: collecção de poezias,2ª ed. Leipzig, Brockhaus, 1857. (todos os poemas e 16 inéditos). ● Os Tymbiras, Leipzig, Brockhaus, 1857. ● Dicionácio da Língua Tupi, Leipzig, Brockhaus, 1858. Póstumas ● Obras posthumas de A. Gonçalves Dias, 6 Vls., Org. Antônio Henriques Leal, São Luís, B. de Matos, 1868. ● O Brazil e a Oceania, Rio de Janeiro, H. Garnier, 1909. ● Gonçalves Dias: Poesia e prosa completas, Org. Alexei Bueno, Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 1998.
  • 23. Araújo Porto Alegre (1806 - 1879) Um dos principais autores da primeira geração romântica, Manuel de Araújo Porto Alegre acompanhou Gonçalves de Magalhães na Niterói, revista brasiliense, publicando poemas desvelando um forte sentimento nacionalista. Porto Alegre também era um conhecido pintor e cartunista, fazendo caricaturas e desenhos satíricos sobre o Brasil. Homem das artes e das Letras, deixou aproximadamente 150 obras entre poesias, peças de teatro e traduções. Dentre elas, as mais famosas são: o livro de poesias Brasilianas (1863), o poema épico Colombo (1866), e a peça de teatro Angélica e Firmino (1845). Araújo Porto Alegre (1848), por Ferdinand Krumholz. O autor nasceu em 1806, em Rio Pardo e faleceu em Lisboa no ano de 1879.
  • 24. Araújo Porto Alegre (1806 - 1879) Selva Brasileira, pintura de Araújo Porto-Alegre, representante da literatura e da pintura romântica brasileira