SlideShare uma empresa Scribd logo
A poesia de Tomás Antônio Gonzaga
            Manoel Neves
ARCADISMO
                                                 marcos literários
                           1768                                                              1836
          Obras,	
  Cláudio	
  Manuel	
  da	
  Costa	
            Suspiros	
  poé-cos	
  e	
  saudades,	
  G.	
  de	
  Magalhães	
  
        livro	
  de	
  sonetos	
  à	
  moda	
  camoniana	
                         obra	
  pouco	
  consistente	
  
     perfeição	
  formal	
  e	
  temá9ca	
  neoclássica	
            seu	
  valor	
  é	
  mais	
  histórico	
  do	
  que	
  literário	
  
[bucolismo,	
  fugere	
  urbem,	
  aurea	
  mediocritas...]	
           na9vismo,	
  religiosidade,	
  subje9vismo	
  
ETIMOLOGIA
                                                literatura colonial

                                                      arcadismo
A	
   arcádia	
   era	
   uma	
   região	
   montanhosa	
   onde	
   habitavam	
   deuses	
   e	
   pastores,	
   que	
   celebravam	
  
constantemente	
  o	
  amor	
  e	
  prazer	
  e	
  cul9vavam	
  o	
  	
  ideal	
  de	
  vida	
  simples	
  e	
  natural.	
  

                                                 neoclassicismo
O	
   ambiente	
   árcade	
   [grego]	
   foi	
   resgatado	
   primeiramente	
   pelos	
   escritores	
   do	
   Classicismo	
  
renascen9sta	
  e	
  depois	
  pelos	
  poetas	
  do	
  século	
  XVIII	
  [Neoclassicismo].	
  
ASPECTOS FORMAIS
                      arcadismo

                  vocabulário simples;
                 frases na ordem direta;
              poucas figuras de linguagem;
preferência pelo metro decassílabo e por formas clássicas.
ASPECTOS TEMÁTICOS
            arcadismo
           pastoralismo;
             bucolismo;
         aurea mediocritas;
           fugere urbem;
          locus amoenus;
      mito do bom selvagem;
            carpe diem;
    convencionalismo amoroso;
influência da mitologia greco-latina.
TOMÁS ANTÔNIO GONZAGA
                                                lirismo e participação
                                                               LIVROS	
  
                MARÍLIA DE DIRCEU                                                        CARTAS CHILENAS
                       [lirismo amoroso]                                                          [lirismo social]


poemas	
  líricos	
  que	
  celebram	
  a	
  amada	
  e	
  o	
  amor	
          poema	
  saOrico	
  estruturado	
  em	
  13	
  cartas	
  
                    notações	
  biográficas	
                                   Cri9lo	
  envia	
  as	
  cartas	
  a	
  seu	
  amigo	
  Doroteu	
  
               [namoro,	
  prisão,	
  degredo]	
                           c/	
  a	
  métrica	
  semelhante	
  à	
  da	
  epopeia,	
  as	
  Cartas	
  
  segue	
  as	
  convenções	
  poé9cas	
  do	
  Arcadismo	
                  cri9cam	
  os	
  desmandos	
  do	
  Fanfarrão	
  Minésio	
  
O LIRISMO SOCIAL
poesia e participação política
FRAGMENTO DE CARTAS CHILENAS
                                 Tomás Antônio Gonzaga
                                Soberbo	
  e	
  louco	
  chefe,	
  que	
  proveito	
  
                                     Tiraste	
  em	
  gastar	
  em	
  frias	
  festas	
  
                                Imenso	
  cabedal,	
  que	
  o	
  bom	
  Senado	
  
                                  Devia	
  consumir	
  em	
  coisas	
  santas?	
  
                                 Suspiram	
  pobres	
  amas	
  e	
  padecem	
  
                                       Crianças	
  inocentes,	
  e	
  tu	
  podes	
  
                              Com	
  rosto	
  enxuto	
  ver	
  tamanhos	
  males?	
  
                                 Embora!	
  Sacrifica	
  ao	
  próprio	
  gosto	
  
                                As	
  fortunas	
  dos	
  povos	
  que	
  governas;	
  
                               Virá	
  dia	
  em	
  que	
  mão	
  robusta	
  e	
  santa,	
  
                                  Depois	
  de	
  cas9gar-­‐nos	
  se	
  condoa	
  
                                 E	
  lance	
  na	
  fogueira	
  as	
  varas	
  torpes.	
  
                                 Então	
  rirão	
  aqueles	
  que	
  choraram,	
  
                               Então	
  talvez	
  que	
  chores,	
  mas	
  debalde,	
  
                                Que	
  suspiros	
  e	
  prantos	
  nada	
  lucram	
  
                                A	
  quem	
  os	
  guarda	
  para	
  muito	
  tarde.	
  	
  
                    GONZAGA,	
  Tomás	
  Antônio.	
  Cartas	
  chilenas.	
  São	
  Paulo:	
  Á9ca,	
  1996.	
  

        sá9ra:	
  referência	
  crí9ca	
  ao	
  contexto	
  histórico	
  de	
  fins	
  do	
  século	
  XVIII	
  
apesar	
  do	
  tom	
  contestatório,	
  não	
  se	
  ques9ona	
  o	
  pacto	
  colonial	
  [versos	
  11	
  e	
  12]	
  
MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE I
o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE I
o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
                       Tu,	
  Marília,	
  agora	
  vendo	
  
                       Do	
  Amor	
  o	
  lindo	
  retrato	
  
                       Con9go	
  estarás	
  dizendo	
  
                       Que	
  é	
  este	
  o	
  retrato	
  teu.	
  
                      Sim,	
  Marília,	
  a	
  cópia	
  é	
  tua,	
  
                     Que	
  Cupido	
  é	
  Deus	
  suposto:	
  	
  
                     Se	
  há	
  Cupido,	
  é	
  só	
  teu	
  rosto	
  
                     Que	
  ele	
  foi	
  quem	
  me	
  venceu.	
  	
  
     poeta	
  cheio	
  de	
  esperanças	
  fazendo	
  projetos	
  conjugais	
  
 convencionalismo	
  amoroso,	
  presença	
  da	
  mitologia,	
  bucolismo;	
  
 sen9mentos	
  enquadrados	
  nas	
  convenções	
  mitológicas	
  árcades.	
  
              forma:	
  oitavas	
  com	
  versos	
  heptassílabos	
  
MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE I
             o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
                                   Os	
  teus	
  olhos	
  espalham	
  luz	
  divina,	
  
                               A	
  quem	
  a	
  luz	
  do	
  Sol	
  em	
  vão	
  se	
  atreve;	
  
                                     Papoula,	
  ou	
  rosa	
  delicada,	
  e	
  fina,	
  	
  
                               Te	
  cobre	
  as	
  faces,	
  que	
  são	
  cor	
  de	
  neve.	
  
                                Os	
  teus	
  cabelos	
  são	
  uns	
  fios	
  d'ouro;	
  
                                    Teu	
  lindo	
  corpo	
  bálsamos	
  vapora.	
  
                               Ah!	
  não,	
  não	
  fez	
  o	
  Céu,	
  gen9l	
  Pastora,	
  
                                    Para	
  glória	
  de	
  Amor	
  igual	
  tesouro.	
  
                                                      	
  	
  	
  	
  Graças,	
  Marília	
  bela,	
  
                                          	
  	
  	
  	
  Graças	
  à	
  minha	
  Estrela!	
  	
  
                      engajamento	
  no	
  convencionalismo	
  amoroso	
  árcade	
  
Marília,	
  morena	
  de	
  cabelos	
  negros,	
  é	
  apresentada	
  segundo	
  padrões	
  esté9cos	
  europeus	
  
                       [a	
  amada	
  aparece	
  nívea,	
  de	
  cabelos	
  longos	
  e	
  loiros]	
  
                         forma:	
  decima	
  com	
  decassílabos	
  e	
  hexassílabos.	
  
MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE I
                       o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
                                                         Já	
  viste,	
  minha	
  Marília,	
  
                                                     Avezinhas,	
  que	
  não	
  façam	
  
                                                     Os	
  seus	
  ninhos	
  no	
  verão?	
  
                                                   Aquelas,	
  com	
  quem	
  se	
  enlaçam,	
  
                                                    Não	
  vão	
  cantar-­‐lhes	
  defronte	
  
                                                   De	
  mole	
  pouso,	
  em	
  que	
  estão?	
  
                                                         Todos	
  amam:	
  só	
  Marília	
  
                                                          Desta	
  Lei	
  da	
  Natureza	
  
                                                           Queria	
  ter	
  isenção?	
  	
  
 Se	
  os	
  peixes,	
  Marília,	
  geram	
           As	
  grandes	
  Deusas	
  do	
  Céu	
            Desiste,	
  Marília	
  bela,	
  
  Nos	
  bravos	
  mares,	
  e	
  rios,	
                  Sentem	
  a	
  seta	
  9rana	
            De	
  uma	
  queixa	
  sustentada	
  
  Tudo	
  efeitos	
  de	
  Amor	
  são.	
              Da	
  amorosa	
  inclinação.	
                      Só	
  na	
  al9va	
  opinião.	
  
   Amam	
  os	
  brutos	
  ímpios,	
                    Diana,	
  com	
  ser	
  Diana,	
               Esta	
  chama	
  é	
  inspirada	
  
       A	
  serpente	
  venenosa,	
                   Não	
  se	
  abrasa,	
  não	
  suspira	
       Pelo	
  Céu;	
  pois	
  nela	
  assenta	
  
      A	
  onça,	
  o	
  9gre,	
  o	
  leão.	
         Pelo	
  amor	
  de	
  Endimião?	
                A	
  nossa	
  conservação.	
  
   Todos	
  amam:	
  só	
  Marília	
                   Todos	
  amam:	
  só	
  Marília	
              Todos	
  amam:	
  só	
  Marília	
  
       Desta	
  Lei	
  da	
  Natureza	
                 Desta	
  Lei	
  da	
  Natureza	
                Desta	
  Lei	
  da	
  Natureza	
  
        Queria	
  ter	
  isenção?	
                         Queria	
  ter	
  isenção?	
                 Não	
  deve	
  ter	
  isenção.	
  
                           forma:	
  ausência	
  de	
  figuras	
  –	
  linguagem	
  clara,	
  límpida	
  e	
  direta	
  
conteúdo:	
  por	
  intermédio	
  de	
  imagens	
  delicadas,	
  extraídas	
  da	
  natureza,	
  o	
  poeta	
  fala	
  de	
  seu	
  amor	
  
MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE I
          o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
 Eu,	
  Marília,	
  não	
  sou	
  algum	
  vaqueiro,	
              Eu	
  vi	
  meu	
  semblante	
  numa	
  fonte,	
  
      Que	
  viva	
  de	
  guardar	
  alheio	
  gado;	
              Dos	
  anos	
  inda	
  não	
  está	
  cortado:	
  
De	
  tosco	
  trato,	
  d expressões	
  grosseiro,	
   Os	
  Pastores,	
  que	
  habitam	
  este	
  monte,	
  
 Dos	
  frios	
  gelos,	
  e	
  dos	
  sóis	
  queimado,	
         Respeitam	
  o	
  poder	
  do	
  meu	
  cajado:	
  
  Tenho	
  próprio	
  casal,	
  e	
  nele	
  assisto;	
            Com	
  tal	
  destreza	
  toco	
  a	
  sanfoninha,	
  
  Dá-­‐me	
  vinho,	
  legume,	
  fruta,	
  azeite;	
   Que	
  inveja	
  até	
  me	
  tem	
  o	
  próprio	
  Alceste:	
  
  Das	
  brancas	
  ovelhinhas	
  9ro	
  o	
  leite,	
             Ao	
  som	
  dela	
  conserto	
  a	
  voz	
  celeste;	
  
 E	
  mais	
  as	
  finas	
  lãs,	
  de	
  que	
  me	
  visto.	
   Nem	
  canto	
  letra,	
  que	
  não	
  seja	
  minha.	
  
               Graças,	
  Marília	
  bela,	
                                     Graças,	
  Marília	
  bela,	
  
            Graças	
  à	
  minha	
  Estrela!	
  	
                            Graças	
  à	
  minha	
  Estrela!	
  	
  
                     engajamento	
  no	
  convencionalismo	
  amoroso	
  árcade	
  
                                 pastoralismo,	
  bucolismo,	
  carpe	
  diem	
  
                         forma:	
  decima	
  com	
  decassílabos	
  e	
  hexassílabos.	
  
MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE II
o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE II
            o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
                                           Tu,	
  Marília,	
  se	
  ouvires	
  
                                       Que	
  diante	
  de	
  teu	
  rosto	
  aflito	
  
                                          O	
  meu	
  nome	
  se	
  ultraja	
  
                                              Co'o	
  suspeito	
  delito,	
  
                                 Dize	
  severa,	
  assim,	
  em	
  meu	
  abono:	
  
                               Não	
  toma	
  as	
  armas	
  contra	
  um	
  certo	
  justo	
  
                                         Alma	
  digna	
  de	
  um	
  trono.	
  
        dias	
  na	
  masmorra:	
  longe	
  da	
  pastora	
  amada,	
  o	
  locutor	
  curte	
  a	
  amargura	
  
afastamento	
  da	
  amada,	
  co9diano	
  terrível	
  da	
  prisão	
  [fusão	
  do	
  lírico	
  com	
  o	
  biográfico]	
  
MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE II
            o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
                                      Deixo	
  a	
  cama	
  ao	
  romper	
  d'alva;	
  
                                           O	
  meio	
  dia	
  tem	
  dado	
  
                                              E	
  cabelo	
  inda	
  flutua	
  
                                        Pelas	
  costas	
  desgrenhado.	
  
                                       Não	
  tenho	
  valor,	
  não	
  tenho	
  
                                         Nem	
  para	
  de	
  mim	
  cuidar.	
  
                                       Vem	
  um	
  tabuleiro	
  entrando	
  
                                        De	
  vários	
  manjares	
  cheio.	
  
                                         Põe-­‐se	
  na	
  mesa	
  a	
  toalha	
  
                                          E	
  eu	
  pensa9vo	
  passeio.	
  
                                          De	
  todo,	
  o	
  comer	
  esfria	
  
                                          Sem	
  nele	
  poder	
  tocar.	
  	
  
        dias	
  na	
  masmorra:	
  longe	
  da	
  pastora	
  amada,	
  o	
  locutor	
  curte	
  a	
  amargura	
  
afastamento	
  da	
  amada,	
  co9diano	
  terrível	
  da	
  prisão	
  [fusão	
  do	
  lírico	
  com	
  o	
  biográfico]	
  
MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE II
o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
                                     Assim	
  vivia...	
  
                                   Hoje	
  os	
  suspiros	
  
                                   O	
  canto	
  mudo;	
  
                                    Assim,	
  Marília,	
  
                                    Se	
  acaba	
  tudo.	
  
diante	
  da	
  impossibilidade	
  de	
  se	
  ter	
  a	
  amada,	
  surge	
  a	
  melancolia	
  
    sen9mentos	
  pré-­‐român9cos:	
  melancolia,	
  saudade,	
  tristeza	
  
MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE II
    o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
                                        A	
  quanto	
  chega	
  
                                         A	
  pena	
  forte!	
  
                                        Pesa-­‐me	
  a	
  vida,	
  
                                        Desejo	
  a	
  morte,	
  
                                         A	
  Jove	
  acuso,	
  
                                        Maldigo	
  a	
  sorte,	
  
                                        Trato	
  a	
  Cupido	
  
                                        Por	
  um	
  traidor.	
  
                                        Eu	
  já	
  não	
  sofro	
  
                                             A	
  viva	
  dor.	
  	
  
     diante	
  da	
  impossibilidade	
  de	
  se	
  ter	
  a	
  amada,	
  surge	
  a	
  melancolia	
  
paradoxo:	
  sen9mentalismo	
  pré-­‐român9co	
  x	
  convenção	
  mitológica	
  árcade.	
  
MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE II
    o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
                          Ah!	
  minha	
  Bela;	
  se	
  a	
  Fortuna	
  volta,	
  
                     Se	
  o	
  bem,	
  que	
  já	
  perdi,	
  alcanço,	
  e	
  provo;	
  
                     Por	
  essas	
  brancas	
  mãos,	
  por	
  	
  essa	
  faces	
  
                           Te	
  juro	
  renascer	
  um	
  homem	
  novo;	
  
                    Romper	
  a	
  nuvem,	
  que	
  os	
  meus	
  olhos	
  cerra,	
  
                           Amar	
  no	
  Céu	
  a	
  Jove,	
  e	
  a	
  9	
  na	
  terra.	
  
     diante	
  da	
  impossibilidade	
  de	
  se	
  ter	
  a	
  amada,	
  surge	
  a	
  melancolia	
  
paradoxo:	
  sen9mentalismo	
  pré-­‐român9co	
  x	
  convenção	
  mitológica	
  árcade.	
  
MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE III
o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE III
                       o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
  Tu	
  não	
  verás,	
  Marília,	
  cem	
  ca9vos	
                                          Verás	
  em	
  cima	
  da	
  espaçosa	
  mesa	
  
  Tirarem	
  o	
  cascalho,	
  e	
  a	
  rica,	
  terra,	
                                  Altos	
  volumes	
  de	
  enredados	
  feitos;	
  
  Ou	
  dos	
  cercos	
  dos	
  rios	
  caudalosos,	
                                        Ver-­‐me-­‐ás	
  folhear	
  os	
  grande	
  livros,	
  
                Ou	
  da	
  minada	
  serra.	
                                                            E	
  decidir	
  os	
  pleitos.	
  	
  
   Não	
  verás	
  separar	
  ao	
  hábil	
  negro	
                                       Enquanto	
  revolver	
  os	
  meus	
  consultos.	
  
   Do	
  pesado	
  esmeril	
  a	
  grossa	
  areia,	
                                          Tu	
  me	
  farás	
  gostosa	
  companhia,	
  
  E	
  já	
  brilharem	
  os	
  granetes	
  de	
  ouro	
                                  Lendo	
  os	
  fatos	
  da	
  sábia	
  mestra	
  história,	
  
                 No	
  fundo	
  da	
  bateia.	
  	
                                                     E	
  os	
  cantos	
  da	
  poesia.	
  
 Não	
  verás	
  derrubar	
  os	
  virgens	
  matos;	
                                        Lerás	
  em	
  alta	
  voz	
  a	
  imagem	
  bela,	
  
  Queimar	
  as	
  capoeiras	
  ainda	
  novas;	
                                          Eu	
  vendo	
  que	
  lhe	
  dás	
  o	
  justo	
  apreço,	
  
 Servir	
  de	
  adubo	
  à	
  terra	
  a	
  fér9l	
  cinza;	
                                   Gostoso	
  tornarei	
  a	
  ler	
  de	
  novo	
  
            Lançar	
  os	
  grãos	
  nas	
  covas.	
  	
                                                 O	
  cansado	
  processo.	
  
  Não	
  verás	
  enrolar	
  negros	
  pacotes	
                                            Se	
  encontrares	
  louvada	
  uma	
  beleza,	
  
  Das	
  secas	
  folhas	
  do	
  cheiroso	
  fumo;	
                                        Marília,	
  não	
  lhe	
  invejes	
  a	
  ventura,	
  
Nem	
  espremer	
  entre	
  as	
  dentadas	
  rodas	
                                    Que	
  tens	
  quem	
  leve	
  à	
  mais	
  remota	
  idade	
  
               Da	
  doce	
  cana	
  o	
  sumo.	
  	
                                                         A	
  tua	
  formosura.	
  
                 no	
  exílio,	
  o	
  poeta	
  se	
  recorda	
  dos	
  dias	
  felizes	
  que	
  vivera	
  ao	
  lado	
  da	
  amada	
  
                                  volta	
  o	
  caráter	
  solar,	
  o9mista,	
  da	
  poesia	
  gonzagueana	
  
                  forma:	
  a	
  estrutura	
  será	
  extremamente	
  irregular	
  [sonetos,	
  quadras,	
  liras...]	
  
DESVIOS TEMÁTICOS
o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
DESVIOS TEMÁTICOS
               o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
                                  Ornemos	
  nossas	
  testas	
  com	
  as	
  flores,	
  
                                   E	
  façamos	
  de	
  feno	
  um	
  brando	
  leito;	
  
                                 Prendamo-­‐nos,	
  Marília,	
  em	
  laço	
  estreito,	
  
                                   Gozemos	
  do	
  prazer	
  de	
  sãos	
  Amores.	
  
                                            Sobre	
  as	
  nossas	
  cabeças,	
  
                                 Sem	
  que	
  o	
  possam	
  deter,	
  o	
  tempo	
  corre;	
  
                                    E	
  para	
  nós	
  o	
  tempo,	
  que	
  se	
  passa,	
  
                                            Também,	
  Marília,	
  morre.	
  
                                                     desvio	
  sensual	
  
o	
  amor	
  é	
  tratado	
  de	
  forma	
  direta,	
  contrariamente	
  ao	
  que	
  pregam	
  as	
  convenções	
  árcades	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
7 de Setembro
 
Realismo e Naturalismo
Realismo e NaturalismoRealismo e Naturalismo
Realismo e Naturalismo
Priscila Hilária
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Adrielle Itaparica
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoaModernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Andréia Peixoto
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
Fernando Moreira
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
Gerlane Galvao
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
Rayane Anchieta
 
Romance regionalista
Romance regionalistaRomance regionalista
Romance regionalista
Renata Silva Nunes Ribeiro
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Gleidson Luis
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
MissBlackBerryBush
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
Faell Vasconcelos
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
Andriane Cursino
 
Realismo Machado de Assis
Realismo   Machado de AssisRealismo   Machado de Assis
Realismo Machado de Assis
Daniele dos Santos Souza Onodera
 
Teoria literária
Teoria literáriaTeoria literária
Teoria literária
Claudia Ribeiro
 
Realismo no brasil ll
Realismo no brasil llRealismo no brasil ll
Realismo no brasil ll
Thais Oliveira
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
Luciene Gomes
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
Faell Vasconcelos
 

Mais procurados (20)

Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Realismo e Naturalismo
Realismo e NaturalismoRealismo e Naturalismo
Realismo e Naturalismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoaModernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoa
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Romance regionalista
Romance regionalistaRomance regionalista
Romance regionalista
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
 
Realismo Machado de Assis
Realismo   Machado de AssisRealismo   Machado de Assis
Realismo Machado de Assis
 
Teoria literária
Teoria literáriaTeoria literária
Teoria literária
 
Realismo no brasil ll
Realismo no brasil llRealismo no brasil ll
Realismo no brasil ll
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 

Destaque

A poesia de cláudio manuel da costa
A poesia de cláudio manuel da costaA poesia de cláudio manuel da costa
A poesia de cláudio manuel da costa
ma.no.el.ne.ves
 
Tomás antônio gonzaga
Tomás antônio gonzagaTomás antônio gonzaga
Tomás antônio gonzaga
Igor Vinicius
 
Claudio manuel da costa
Claudio manuel da costaClaudio manuel da costa
Claudio manuel da costa
Fernando Moreira
 
Tomás antonio gonzaga cartas chilenas
Tomás antonio gonzaga   cartas chilenasTomás antonio gonzaga   cartas chilenas
Tomás antonio gonzaga cartas chilenas
ProfessoresColeguium
 
Revisional de estilos de época 03, arcadismo
Revisional de estilos de época 03, arcadismoRevisional de estilos de época 03, arcadismo
Revisional de estilos de época 03, arcadismo
ma.no.el.ne.ves
 
Where is the Wisdom we lost in knowledge: security issues and human relation...
Where is the Wisdom we lost in knowledge: security issues and human relation...Where is the Wisdom we lost in knowledge: security issues and human relation...
Where is the Wisdom we lost in knowledge: security issues and human relation...
Luis Borges Gouveia
 
Pensamentos
PensamentosPensamentos
Pensamentos
Eduardo Pitta
 
8 de março
8 de março8 de março
8 de março
Eduardo Pitta
 
68ª cipm 07 07 - 2014
68ª cipm  07 07 - 201468ª cipm  07 07 - 2014
68ª cipm 07 07 - 2014
Roberto Rabat Chame
 
Romance regional FB
Romance regional FBRomance regional FB
Romance regional FB
Andresa Soeiro
 
Florbela Espanca
Florbela EspancaFlorbela Espanca
Florbela Espanca
Pedro Pires
 
Florbela Espanca
Florbela EspancaFlorbela Espanca
Florbela Espanca
Gina Vidal
 
Cláudio manuel da costa
Cláudio manuel da costaCláudio manuel da costa
Cláudio manuel da costa
Carolina Peterle
 
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismoArcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
ma.no.el.ne.ves
 
Florbela espanca 2
Florbela espanca 2Florbela espanca 2
Florbela espanca 2
Rosário Cunha
 
History Of Portugal
History Of PortugalHistory Of Portugal
History Of Portugal
KT12
 
I1 a07alcroeweylferna
I1 a07alcroeweylfernaI1 a07alcroeweylferna
I1 a07alcroeweylferna
Januário Esteves
 
Florbela Espanca
Florbela EspancaFlorbela Espanca
Florbela Espanca
Ana Tapadas
 
Romance regionalista
Romance regionalistaRomance regionalista
Romance regionalista
Pedro Gervásio
 
Características do romance regionalista
Características do romance regionalistaCaracterísticas do romance regionalista
Características do romance regionalista
Patrícia Viana
 

Destaque (20)

A poesia de cláudio manuel da costa
A poesia de cláudio manuel da costaA poesia de cláudio manuel da costa
A poesia de cláudio manuel da costa
 
Tomás antônio gonzaga
Tomás antônio gonzagaTomás antônio gonzaga
Tomás antônio gonzaga
 
Claudio manuel da costa
Claudio manuel da costaClaudio manuel da costa
Claudio manuel da costa
 
Tomás antonio gonzaga cartas chilenas
Tomás antonio gonzaga   cartas chilenasTomás antonio gonzaga   cartas chilenas
Tomás antonio gonzaga cartas chilenas
 
Revisional de estilos de época 03, arcadismo
Revisional de estilos de época 03, arcadismoRevisional de estilos de época 03, arcadismo
Revisional de estilos de época 03, arcadismo
 
Where is the Wisdom we lost in knowledge: security issues and human relation...
Where is the Wisdom we lost in knowledge: security issues and human relation...Where is the Wisdom we lost in knowledge: security issues and human relation...
Where is the Wisdom we lost in knowledge: security issues and human relation...
 
Pensamentos
PensamentosPensamentos
Pensamentos
 
8 de março
8 de março8 de março
8 de março
 
68ª cipm 07 07 - 2014
68ª cipm  07 07 - 201468ª cipm  07 07 - 2014
68ª cipm 07 07 - 2014
 
Romance regional FB
Romance regional FBRomance regional FB
Romance regional FB
 
Florbela Espanca
Florbela EspancaFlorbela Espanca
Florbela Espanca
 
Florbela Espanca
Florbela EspancaFlorbela Espanca
Florbela Espanca
 
Cláudio manuel da costa
Cláudio manuel da costaCláudio manuel da costa
Cláudio manuel da costa
 
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismoArcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
 
Florbela espanca 2
Florbela espanca 2Florbela espanca 2
Florbela espanca 2
 
History Of Portugal
History Of PortugalHistory Of Portugal
History Of Portugal
 
I1 a07alcroeweylferna
I1 a07alcroeweylfernaI1 a07alcroeweylferna
I1 a07alcroeweylferna
 
Florbela Espanca
Florbela EspancaFlorbela Espanca
Florbela Espanca
 
Romance regionalista
Romance regionalistaRomance regionalista
Romance regionalista
 
Características do romance regionalista
Características do romance regionalistaCaracterísticas do romance regionalista
Características do romance regionalista
 

Semelhante a A poesia de tomás antônio gonzaga

Arcadismo
ArcadismoArcadismo
O romance romântico
O romance românticoO romance romântico
O romance romântico
ma.no.el.ne.ves
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
VIVIAN TROMBINI
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
Josi Motta
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Myrtes Folegatti
 
José de alencar e o romance romântico
José de alencar e o romance românticoJosé de alencar e o romance romântico
José de alencar e o romance romântico
ma.no.el.ne.ves
 
Bocage
BocageBocage
Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.
Ajudar Pessoas
 
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obraLuís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
mariacosta
 
Poesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileiraPoesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileira
Fabricio Souza
 
eletiva 25_09 (1).pdf
eletiva 25_09 (1).pdfeletiva 25_09 (1).pdf
eletiva 25_09 (1).pdf
ProfessoraTiciana
 
Terceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia românticaTerceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia romântica
ma.no.el.ne.ves
 
Arcadismo Site
Arcadismo SiteArcadismo Site
Arcadismo Site
andreguerra
 
Arcadismo 2010
Arcadismo 2010Arcadismo 2010
Arcadismo e Neoclassicismo
Arcadismo e NeoclassicismoArcadismo e Neoclassicismo
Arcadismo e Neoclassicismo
Tiago Lott
 
Análise de o desertor, de silva alvarenga
Análise de o desertor, de silva alvarengaAnálise de o desertor, de silva alvarenga
Análise de o desertor, de silva alvarenga
ma.no.el.ne.ves
 
Marilia De Dirceu
Marilia De DirceuMarilia De Dirceu
Marilia De Dirceu
KatitaKatita
 
Nayara
NayaraNayara
Revisando o romantismo, 05
Revisando o romantismo, 05Revisando o romantismo, 05
Revisando o romantismo, 05
ma.no.el.ne.ves
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo

Semelhante a A poesia de tomás antônio gonzaga (20)

Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
O romance romântico
O romance românticoO romance romântico
O romance romântico
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
José de alencar e o romance romântico
José de alencar e o romance românticoJosé de alencar e o romance romântico
José de alencar e o romance romântico
 
Bocage
BocageBocage
Bocage
 
Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.
 
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obraLuís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
 
Poesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileiraPoesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileira
 
eletiva 25_09 (1).pdf
eletiva 25_09 (1).pdfeletiva 25_09 (1).pdf
eletiva 25_09 (1).pdf
 
Terceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia românticaTerceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia romântica
 
Arcadismo Site
Arcadismo SiteArcadismo Site
Arcadismo Site
 
Arcadismo 2010
Arcadismo 2010Arcadismo 2010
Arcadismo 2010
 
Arcadismo e Neoclassicismo
Arcadismo e NeoclassicismoArcadismo e Neoclassicismo
Arcadismo e Neoclassicismo
 
Análise de o desertor, de silva alvarenga
Análise de o desertor, de silva alvarengaAnálise de o desertor, de silva alvarenga
Análise de o desertor, de silva alvarenga
 
Marilia De Dirceu
Marilia De DirceuMarilia De Dirceu
Marilia De Dirceu
 
Nayara
NayaraNayara
Nayara
 
Revisando o romantismo, 05
Revisando o romantismo, 05Revisando o romantismo, 05
Revisando o romantismo, 05
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 

Mais de ma.no.el.ne.ves

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: LiteraturaENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: Literatura
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Física
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textual
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Artes
ENEM-2019: ArtesENEM-2019: Artes
ENEM-2019: Artes
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
ma.no.el.ne.ves
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
ma.no.el.ne.ves
 

Mais de ma.no.el.ne.ves (20)

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
 
ENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: LiteraturaENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: Literatura
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Física
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textual
 
ENEM-2019: Artes
ENEM-2019: ArtesENEM-2019: Artes
ENEM-2019: Artes
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
 

A poesia de tomás antônio gonzaga

  • 1. A poesia de Tomás Antônio Gonzaga Manoel Neves
  • 2. ARCADISMO marcos literários 1768 1836 Obras,  Cláudio  Manuel  da  Costa   Suspiros  poé-cos  e  saudades,  G.  de  Magalhães   livro  de  sonetos  à  moda  camoniana   obra  pouco  consistente   perfeição  formal  e  temá9ca  neoclássica   seu  valor  é  mais  histórico  do  que  literário   [bucolismo,  fugere  urbem,  aurea  mediocritas...]   na9vismo,  religiosidade,  subje9vismo  
  • 3. ETIMOLOGIA literatura colonial arcadismo A   arcádia   era   uma   região   montanhosa   onde   habitavam   deuses   e   pastores,   que   celebravam   constantemente  o  amor  e  prazer  e  cul9vavam  o    ideal  de  vida  simples  e  natural.   neoclassicismo O   ambiente   árcade   [grego]   foi   resgatado   primeiramente   pelos   escritores   do   Classicismo   renascen9sta  e  depois  pelos  poetas  do  século  XVIII  [Neoclassicismo].  
  • 4. ASPECTOS FORMAIS arcadismo vocabulário simples; frases na ordem direta; poucas figuras de linguagem; preferência pelo metro decassílabo e por formas clássicas.
  • 5. ASPECTOS TEMÁTICOS arcadismo pastoralismo; bucolismo; aurea mediocritas; fugere urbem; locus amoenus; mito do bom selvagem; carpe diem; convencionalismo amoroso; influência da mitologia greco-latina.
  • 6. TOMÁS ANTÔNIO GONZAGA lirismo e participação LIVROS   MARÍLIA DE DIRCEU CARTAS CHILENAS [lirismo amoroso] [lirismo social] poemas  líricos  que  celebram  a  amada  e  o  amor   poema  saOrico  estruturado  em  13  cartas   notações  biográficas   Cri9lo  envia  as  cartas  a  seu  amigo  Doroteu   [namoro,  prisão,  degredo]   c/  a  métrica  semelhante  à  da  epopeia,  as  Cartas   segue  as  convenções  poé9cas  do  Arcadismo   cri9cam  os  desmandos  do  Fanfarrão  Minésio  
  • 7. O LIRISMO SOCIAL poesia e participação política
  • 8. FRAGMENTO DE CARTAS CHILENAS Tomás Antônio Gonzaga Soberbo  e  louco  chefe,  que  proveito   Tiraste  em  gastar  em  frias  festas   Imenso  cabedal,  que  o  bom  Senado   Devia  consumir  em  coisas  santas?   Suspiram  pobres  amas  e  padecem   Crianças  inocentes,  e  tu  podes   Com  rosto  enxuto  ver  tamanhos  males?   Embora!  Sacrifica  ao  próprio  gosto   As  fortunas  dos  povos  que  governas;   Virá  dia  em  que  mão  robusta  e  santa,   Depois  de  cas9gar-­‐nos  se  condoa   E  lance  na  fogueira  as  varas  torpes.   Então  rirão  aqueles  que  choraram,   Então  talvez  que  chores,  mas  debalde,   Que  suspiros  e  prantos  nada  lucram   A  quem  os  guarda  para  muito  tarde.     GONZAGA,  Tomás  Antônio.  Cartas  chilenas.  São  Paulo:  Á9ca,  1996.   sá9ra:  referência  crí9ca  ao  contexto  histórico  de  fins  do  século  XVIII   apesar  do  tom  contestatório,  não  se  ques9ona  o  pacto  colonial  [versos  11  e  12]  
  • 9. MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE I o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
  • 10. MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE I o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga Tu,  Marília,  agora  vendo   Do  Amor  o  lindo  retrato   Con9go  estarás  dizendo   Que  é  este  o  retrato  teu.   Sim,  Marília,  a  cópia  é  tua,   Que  Cupido  é  Deus  suposto:     Se  há  Cupido,  é  só  teu  rosto   Que  ele  foi  quem  me  venceu.     poeta  cheio  de  esperanças  fazendo  projetos  conjugais   convencionalismo  amoroso,  presença  da  mitologia,  bucolismo;   sen9mentos  enquadrados  nas  convenções  mitológicas  árcades.   forma:  oitavas  com  versos  heptassílabos  
  • 11. MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE I o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga Os  teus  olhos  espalham  luz  divina,   A  quem  a  luz  do  Sol  em  vão  se  atreve;   Papoula,  ou  rosa  delicada,  e  fina,     Te  cobre  as  faces,  que  são  cor  de  neve.   Os  teus  cabelos  são  uns  fios  d'ouro;   Teu  lindo  corpo  bálsamos  vapora.   Ah!  não,  não  fez  o  Céu,  gen9l  Pastora,   Para  glória  de  Amor  igual  tesouro.          Graças,  Marília  bela,          Graças  à  minha  Estrela!     engajamento  no  convencionalismo  amoroso  árcade   Marília,  morena  de  cabelos  negros,  é  apresentada  segundo  padrões  esté9cos  europeus   [a  amada  aparece  nívea,  de  cabelos  longos  e  loiros]   forma:  decima  com  decassílabos  e  hexassílabos.  
  • 12. MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE I o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga Já  viste,  minha  Marília,   Avezinhas,  que  não  façam   Os  seus  ninhos  no  verão?   Aquelas,  com  quem  se  enlaçam,   Não  vão  cantar-­‐lhes  defronte   De  mole  pouso,  em  que  estão?   Todos  amam:  só  Marília   Desta  Lei  da  Natureza   Queria  ter  isenção?     Se  os  peixes,  Marília,  geram   As  grandes  Deusas  do  Céu   Desiste,  Marília  bela,   Nos  bravos  mares,  e  rios,   Sentem  a  seta  9rana   De  uma  queixa  sustentada   Tudo  efeitos  de  Amor  são.   Da  amorosa  inclinação.   Só  na  al9va  opinião.   Amam  os  brutos  ímpios,   Diana,  com  ser  Diana,   Esta  chama  é  inspirada   A  serpente  venenosa,   Não  se  abrasa,  não  suspira   Pelo  Céu;  pois  nela  assenta   A  onça,  o  9gre,  o  leão.   Pelo  amor  de  Endimião?   A  nossa  conservação.   Todos  amam:  só  Marília   Todos  amam:  só  Marília   Todos  amam:  só  Marília   Desta  Lei  da  Natureza   Desta  Lei  da  Natureza   Desta  Lei  da  Natureza   Queria  ter  isenção?   Queria  ter  isenção?   Não  deve  ter  isenção.   forma:  ausência  de  figuras  –  linguagem  clara,  límpida  e  direta   conteúdo:  por  intermédio  de  imagens  delicadas,  extraídas  da  natureza,  o  poeta  fala  de  seu  amor  
  • 13. MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE I o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga Eu,  Marília,  não  sou  algum  vaqueiro,   Eu  vi  meu  semblante  numa  fonte,   Que  viva  de  guardar  alheio  gado;   Dos  anos  inda  não  está  cortado:   De  tosco  trato,  d expressões  grosseiro,   Os  Pastores,  que  habitam  este  monte,   Dos  frios  gelos,  e  dos  sóis  queimado,   Respeitam  o  poder  do  meu  cajado:   Tenho  próprio  casal,  e  nele  assisto;   Com  tal  destreza  toco  a  sanfoninha,   Dá-­‐me  vinho,  legume,  fruta,  azeite;   Que  inveja  até  me  tem  o  próprio  Alceste:   Das  brancas  ovelhinhas  9ro  o  leite,   Ao  som  dela  conserto  a  voz  celeste;   E  mais  as  finas  lãs,  de  que  me  visto.   Nem  canto  letra,  que  não  seja  minha.   Graças,  Marília  bela,   Graças,  Marília  bela,   Graças  à  minha  Estrela!     Graças  à  minha  Estrela!     engajamento  no  convencionalismo  amoroso  árcade   pastoralismo,  bucolismo,  carpe  diem   forma:  decima  com  decassílabos  e  hexassílabos.  
  • 14. MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE II o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
  • 15. MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE II o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga Tu,  Marília,  se  ouvires   Que  diante  de  teu  rosto  aflito   O  meu  nome  se  ultraja   Co'o  suspeito  delito,   Dize  severa,  assim,  em  meu  abono:   Não  toma  as  armas  contra  um  certo  justo   Alma  digna  de  um  trono.   dias  na  masmorra:  longe  da  pastora  amada,  o  locutor  curte  a  amargura   afastamento  da  amada,  co9diano  terrível  da  prisão  [fusão  do  lírico  com  o  biográfico]  
  • 16. MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE II o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga Deixo  a  cama  ao  romper  d'alva;   O  meio  dia  tem  dado   E  cabelo  inda  flutua   Pelas  costas  desgrenhado.   Não  tenho  valor,  não  tenho   Nem  para  de  mim  cuidar.   Vem  um  tabuleiro  entrando   De  vários  manjares  cheio.   Põe-­‐se  na  mesa  a  toalha   E  eu  pensa9vo  passeio.   De  todo,  o  comer  esfria   Sem  nele  poder  tocar.     dias  na  masmorra:  longe  da  pastora  amada,  o  locutor  curte  a  amargura   afastamento  da  amada,  co9diano  terrível  da  prisão  [fusão  do  lírico  com  o  biográfico]  
  • 17. MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE II o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga Assim  vivia...   Hoje  os  suspiros   O  canto  mudo;   Assim,  Marília,   Se  acaba  tudo.   diante  da  impossibilidade  de  se  ter  a  amada,  surge  a  melancolia   sen9mentos  pré-­‐român9cos:  melancolia,  saudade,  tristeza  
  • 18. MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE II o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga A  quanto  chega   A  pena  forte!   Pesa-­‐me  a  vida,   Desejo  a  morte,   A  Jove  acuso,   Maldigo  a  sorte,   Trato  a  Cupido   Por  um  traidor.   Eu  já  não  sofro   A  viva  dor.     diante  da  impossibilidade  de  se  ter  a  amada,  surge  a  melancolia   paradoxo:  sen9mentalismo  pré-­‐român9co  x  convenção  mitológica  árcade.  
  • 19. MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE II o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga Ah!  minha  Bela;  se  a  Fortuna  volta,   Se  o  bem,  que  já  perdi,  alcanço,  e  provo;   Por  essas  brancas  mãos,  por    essa  faces   Te  juro  renascer  um  homem  novo;   Romper  a  nuvem,  que  os  meus  olhos  cerra,   Amar  no  Céu  a  Jove,  e  a  9  na  terra.   diante  da  impossibilidade  de  se  ter  a  amada,  surge  a  melancolia   paradoxo:  sen9mentalismo  pré-­‐român9co  x  convenção  mitológica  árcade.  
  • 20. MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE III o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
  • 21. MARÍLIA DE DIRCEU: PARTE III o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga Tu  não  verás,  Marília,  cem  ca9vos   Verás  em  cima  da  espaçosa  mesa   Tirarem  o  cascalho,  e  a  rica,  terra,   Altos  volumes  de  enredados  feitos;   Ou  dos  cercos  dos  rios  caudalosos,   Ver-­‐me-­‐ás  folhear  os  grande  livros,   Ou  da  minada  serra.   E  decidir  os  pleitos.     Não  verás  separar  ao  hábil  negro   Enquanto  revolver  os  meus  consultos.   Do  pesado  esmeril  a  grossa  areia,   Tu  me  farás  gostosa  companhia,   E  já  brilharem  os  granetes  de  ouro   Lendo  os  fatos  da  sábia  mestra  história,   No  fundo  da  bateia.     E  os  cantos  da  poesia.   Não  verás  derrubar  os  virgens  matos;   Lerás  em  alta  voz  a  imagem  bela,   Queimar  as  capoeiras  ainda  novas;   Eu  vendo  que  lhe  dás  o  justo  apreço,   Servir  de  adubo  à  terra  a  fér9l  cinza;   Gostoso  tornarei  a  ler  de  novo   Lançar  os  grãos  nas  covas.     O  cansado  processo.   Não  verás  enrolar  negros  pacotes   Se  encontrares  louvada  uma  beleza,   Das  secas  folhas  do  cheiroso  fumo;   Marília,  não  lhe  invejes  a  ventura,   Nem  espremer  entre  as  dentadas  rodas   Que  tens  quem  leve  à  mais  remota  idade   Da  doce  cana  o  sumo.     A  tua  formosura.   no  exílio,  o  poeta  se  recorda  dos  dias  felizes  que  vivera  ao  lado  da  amada   volta  o  caráter  solar,  o9mista,  da  poesia  gonzagueana   forma:  a  estrutura  será  extremamente  irregular  [sonetos,  quadras,  liras...]  
  • 22. DESVIOS TEMÁTICOS o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga
  • 23. DESVIOS TEMÁTICOS o lirismo amoroso de Tomás Antônio Gonzaga Ornemos  nossas  testas  com  as  flores,   E  façamos  de  feno  um  brando  leito;   Prendamo-­‐nos,  Marília,  em  laço  estreito,   Gozemos  do  prazer  de  sãos  Amores.   Sobre  as  nossas  cabeças,   Sem  que  o  possam  deter,  o  tempo  corre;   E  para  nós  o  tempo,  que  se  passa,   Também,  Marília,  morre.   desvio  sensual   o  amor  é  tratado  de  forma  direta,  contrariamente  ao  que  pregam  as  convenções  árcades