SlideShare uma empresa Scribd logo
DIAGNÓSTICO DE
GRAVIDEZ, ASSISTÊNCIA
PRÉ-NATAL E PUERPÉRIO
Disciplina: Supervisionado II
Profª: Esp. Adriana Bione
Alunos: Aliusca Santos, Camila Vieira, Douglas Vinicius, Eline Rocha,
Marise Bittencourt, Talita Andrade.
DIAGNÓSTICO
DE GRAVIDEZ
Disciplina: Supervisionado II
Profª: Esp. Adriana Bione
Alunos: Douglas Vinicius
DIANÓSTICO DE GRAVIDEZ
O diagnóstico de gravidez baseia-se:
 Na história;
 No exame físico;
 Nos testes laboratoriais;
Se ocorrer amenorreia ou atraso menstrual, deve-se, antes de tudo, suspeitar da
possibilidade de uma gestação.
Na prática, para as mulheres que procuram os serviços com atraso menstrual que não
ultrapassa 16 semanas, a confirmação do diagnóstico da gravidez pode ser feita pelo
profissional de saúde da unidade básica, por meio de um teste imunológico para gravidez
(TIG).
(BRASIL, 2012)
DIANÓSTICO DE GRAVIDEZ
 O Ministério da Saúde, por intermédio da rede cegonha, incluiu o Teste Rápido
de Gravidez nos exames de rotina realizados nas Unidades Básicas de Saúde
(UBS).
O objetivo da inclusão deste
teste nas UBS, é acelerar o
processo para confirmação da
gravidez e inicio precoce do pré-
natal.
(BRASIL,
2012)
DIANÓSTICO DE GRAVIDEZ
 Além do Teste Rápido de Gravidez, toda mulher da área de abrangência da unidade de
saúde e com histórico de atraso menstrual de mais de 15 dias deverá ser orientada a
realizar o Teste Imunológico de Gravidez (TIG), que será solicitado pelo Médico ou
Enfermeiro.
 TIG: Baseia-se no encontro na urina ou no sangue do hormônio gonadotrófico coriônico
humano (HCG). É considerado o método mais sensível e confiável.
 Na gravidez normal, a secreção de HCG é detectável entre 8 a 11 dias após a
fecundação. Os níveis plasmáticos aumentam rapidamente até atingir o pico entre 60 a
90 dias de gravidez (entre 8 a 12 semanas de gestação).
(BRASIL, 2012)
DIANÓSTICO CLINICO: SINAIS E
SINTOMAS
 Os sinais e sintomas da gravidez são agrupados nas seguintes categorias: de
presunção, de probabilidade e de certeza (positivos).
 No entanto, os únicos sinais que podem determinar uma gravidez positiva com
100% de acurácia são os sinais positivos.
SINAIS DE PRESUNÇÃO
 Sinais de presunção: são os sinais sentidos pela própria mulher;
Atraso menstrual
Manifestações clínicas :
Náusea, vômitos, tonturas, salivação
excessiva, alteração apetite, polaciúria,
sonolência
Modificações anatômicas:
aumento volume mamas, hipersensibilidade
mamilos, saída de colostro pelo mamilo,
coloração violácea vulvar, cianose vaginal e
cervical, aumento volume abdominal
SINAIS DE PROBABILIDADE DE
GRAVIDEZ
 Sinais de probabilidade:
São aqueles detectados no exame físico realizado pelo profissional de saúde.
Amolecimento do colo uterino (sinal
goodell), com posterior aumento de seu
volume.
Paredes vaginais aumentadas com
aumento de vascularização ( sinal
klüge) + pulsação da artéria vaginal nos
fundos de saco laterais
Beta hcg sérico positivo a
partir do oitavo ou nono dia
após fertilização.
SINAIS DE CERTEZA DE GRAVIDEZ
 Sinais de certeza (positivos):
São aqueles que confirmam que existe um feto em crescimento.
Presença de batimentos cardíacos fetais
(sonar – 12 semanas e pinard – 20
semanas)
Percepção movimentos fetais (18
a 20 semanas)
Ultrassonografia: saco gestacional (4
a 5 semanas gestacionais – via
transvaginal) e atividade cardíaca do
embrião (6 semanas)
FLUXOGRAMA DIAGNÓSTICO DE
GRAVIDEZ
Atraso ou irregularidade
menstrual, náuseas e
aumento do volume
abdominal
Avaliar:
 Ciclo menstrual;
 Data da ultima Menstruação;
 Atividade sexual
Atraso menstrual em mulheres
maiores que 10 anos com atividade
sexual
SOLICITAR TESTE IMUNOLOGICO
DE GRAVIDEZ (TIG)
Resultado positivo
Gravidez confirmada
Iniciar
acompanhamento da
gestante
Resultado negativo
Repetir TIG após 15
dias
Resultado negativo
Persistindo amenorreia – encaminhar
para avaliação clinico-ginecológica
QUESTÃO DE FIXAÇÃO
1º) Existem diversos sinais e sintomas que podem estar relacionados com uma gestação em
curso. Estas manifestações são divididas em três categorias: sinais de presunção, probabilidade
e de certeza. Assinale a alternativa abaixo que se refere à um sinal de certeza de uma gestação
em desenvolvimento.
a) Fração do hormônio gonadotrófico coriônico humano (HCG) elevado.
b) Atraso menstrual superior a 15 dias.
c) Saída de colostro pelo mamilo.
d) Percepção de movimentos fetais.
e) Aumento do volume abdominal.
LETRA
“D”
ASSISTÊNCIA PRÉ-
NATAL
Disciplina: Supervisionado II
Profª: Esp. Adriana Bione
Alunos: Aliusca Santos
Eline Rocha
Marise Bittencourt
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
CONCEITO
O pré-natal é um acompanhamento médico ou de
enfermagem oferecido à gestante desde a concepção até o
início do trabalho de parto, é o momento onde a mulher
deve receber informações sobre a própria saúde e a saúde
do bebê, apoio emocional e preparo para a maternidade.
(Rezende, 2002).
OBJETIVO
O principal objetivo da atenção pré-natal é
acolher a mulher desde o início da gestação,
assegurando o nascimento de uma criança saudável e
a garantia do bem-estar materno e neonatal.
(BRASIL, 2006a).
FINALIDADES
• Evitar complicações no parto;
• Evitar gravidez de alto risco;
• Orientar os hábitos de vida e higiene pré- natal;
• Tratar os pequenos distúrbios habituais da gravidez;
• Preparar a gestante para a maternidade.
• Confirmação da gravidez;
• Cadastro no SIS pré- natal;
• Ficha pré- natal;
• Cartão da gestante;
• Orientações quanto ao pré- natal.
A GESTAÇÃO É DIVIDIDA EM:
1º trimestre
1º ao 3º mês
1ª a 13ª semana
2º trimestre
4º ao 6º mês
14ª a 26ª semana
3º trimestre
7º ao 9º mês
27ª até o parto
 A gestação pode chegar à 42ª semana
ROTEIRO DAS CONSULTAS
• O ministério da saúde preconiza o mínimo de 6 consultas.
• Intercaladas entre médicos e enfermeiros.
• Até 28ª semanas = mensal
• Entre 28 e 36ª semanas = quinzenal
• Entre 36 a 41ª = semanal
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
INFORMAÇÕES PESSOAIS
Nome:
Endereço: Telefone:
Data de Nascimento: Idade: Escolaridade:
Raça: ( )Branco ( )Preta ( )Parda ( )Amarela ( )Indígena
Estado civil: ( ) Casada ( ) solteira ( ) união estável ( ) Viúva
Profissão/ocupação: Renda familiar:
Número e idade de dependentes:
Reside próximo à UBS: ( )Sim ( )Não ( ) Número de pessoas que moram na casa:
Condições de moradia (tipo, nº de cômodos):
Condições de saneamento (água, esgoto, coleta de lixo):
Cartão SUS:
Tabagista ( )Sim ( )Não ( ) Etilista ( )Sim ( )Não ( ) Uso de drogas ( )Sim ( )Não ( )
Alergias ( )Sim ( )Não ( ) Qual?
Gestação planejada: ( )Sim ( )Não ( ) Gestação desejada: ( )Sim ( )Não ( )
Peso anterior: Peso atual: Altura: IMC:
SSVV: T: P: R: PA:
Antecedentes Familiares: HAS/DM/Gemelar/ Malformações congênitas/Epilepsia/Outros:
Quem?
Uso de medicações prévias:
Antecedentes Pessoais:
Antecedentes Ginecológicos/ Sexuais: Menarca: Ciclo: ( ) Regular ( ) irregular
Dias?_____
Coitarca: Parceiro fixo ( )Sim ( )Não Tempo?___________
Quantidade de parceiros? Antecedentes de ISTs: ( )Sim ( )Não ( ) Qual?
Antecedentes Obstétricos: G P A DUM:____/____/_____ IG:
(DUM)
IG: (USG ____/____/_____) DPP:____/____/____
Filhos Vivos: Tipos de partos: Idade dos Filhos:
Pesos dos RNs:
Idade na primeira gestação: Intervalo entre as gestações (em meses):
Amamentou ( )Sim ( )Não ( ) Tempo/Porque?
Complicações/Internações:
Último exame citopatológico:
Vacinas: dT 1ª dose ( )___________ dTpa ( ) ________Hepatite B 1ª dose ( )___________
2ª dose ( )___________ H1N1 ( ) _________ 2ª dose ( )___________
3ª dose ( )___________ 3ª dose ( )___________
AS CONSULTAS DE PRÉ-NATAL
DEVEM SER REALIZADOS
• Anamnese com todos os componentes da história clínica da gestante;
• Exame físico geral e específico;
• Prescrição de medicamentos (ácido fólico e sulfato ferroso);
• Solicitação dos exames complementares;
• Condutas gerais.
ROTEIRO DA 1ª CONSULTA
 História clínica
1- Identificação:
• idade;
• cor;
• naturalidade;
• procedência;
• endereço atual;
• situação conjugal;
• profissão/ocupação;
• prática religiosa.
2 - Dados sócio-econômicos e culturais:
• grau de instrução;
• renda familiar;
• número de dependentes;
• número de pessoas na família que participam da força de trabalho;
• condições de moradia (tipo, n° de cômodos) alugada/própria.
• condições de saneamento (água, esgoto, coleta de lixo);
3 - Motivos da consulta:
Se é uma consulta de rotina ou se há algum outro motivo para o comparecimento;
nesse caso, descrever as queixas.
4 - Antecedentes familiares, especial atenção para:
• hipertensão;
• diabetes;
• doenças congênitas;
• gemelaridade;
• câncer de mama;
• hanseníase;
• tuberculose e outros contatos domiciliares (anotar a doença e o grau de
parentesco).
5 - Antecedentes pessoais - especial atenção para:
• hipertensão arterial;
• cardiopatias;
• diabetes;
• doenças renais crônicas;
• anemia;
• transfusões de sangue;
• doenças neuropsiquiátricas;
• viroses (rubéola e herpes);
• cirurgia (tipo e data);
• alergias;
• hanseníase;
• tuberculose.
6 - Antecedentes ginecológicos:
• ciclos menstruais (duração, intervalo e regularidade);
• uso de métodos anticoncepcionais (quais, por quanto tempo e motivo do
abandono);
• infertilidade e esterilidade (tratamento);
• doenças sexualmente transmissíveis (tratamentos realizados, inclusive do
parceiro);
• cirurgias ginecológicas (idade e motivo);
• mamas (alteração e tratamento);
• última colpocitologia oncótica (Papanicolau ou "preventivo", data e resultado).
7 - SEXUALIDADE
• início da atividade sexual (idade e situação frente a
• primeira relação);
• desejo sexual (libido);
• orgasmo (prazer);
• dispareunia (dor ou desconforto durante o ato sexual);
• sexualidade na gestação atual;
• número de parceiros.
8 - Antecedentes obstétricos:
• número de gestações (incluindo abortamentos, gravidez ectópica, mola
hidatiforme);
• número de partos (domiciliares, hospitalares, vaginais espontâneos, fórceps,
cesáreas - indicações);
• número de abortamentos (espontâneos, provocados, complicados por infecções,
curetagem pós-abortamento);
• número de filhos vivos;
• idade da primeira gestação;
• intervalo entre as gestações (em meses);
• número de recém-nascidos: pré-termo (antes da 37ª semana de gestação), pós-
termo (igual ou mais de 42 semanas de gestação);
• experiência em aleitamento materno;
• data do primeiro dia da última menstruação - DUM (anotar certeza ou dúvida);
EXEMPLO:
REGRA DE NAEGELE: consiste em somar 7 ao 1° dia do último período menstrual
e diminuir 3 meses DUM = 10 / 06 / 2018
+ 7/ –3/
DPP = 17 / 03 / 2019
• data provável do parto – DPP
• data da percepção dos primeiros movimentos fetais.
9 - Gestação atual:
• nomes dos medicamentos usados na gestação;
• a gestação foi ou não desejada;
• hábitos: fumo (número de cigarros/dia), álcool e uso de drogas;
• ocupação habitual (esforço físico intenso, exposição a agentes químicos e
físicos potencialmente nocivos, estresse).
EXAME FÍSICO
1 - Geral:
• determinação do peso e avaliação do estado nutricional da gestante;
• medida e estatura;
• determinação da freqüência do pulso arterial;
• medida da temperatura axilar;
• medida da pressão arterial; inspeção da pele e das mucosas;
• palpação da tireóide;
• ausculta cardiopulmonar;
• exame do abdome;
• exame dos membros inferiores;
• pesquisa de edema (face, tronco, membros).
2 - ESPECÍFICO: GINECO-
OBSTÉTRICO
• exame mamas (orientado, também, para o aleitamento materno);
• medida da altura uterina;
• ausculta dos batimentos cardiofetais (após a 20ª semana) *; *entre a 7ª e 10ª com auxílio
do Sonar Doppler e após a 20° semana com Pinnar).
• identificação da situação e apresentação fetal (3° trimestre);
• palpação dos gânglios inguinais;
• inspeção dos genitais externos;
• exame especular;
a) inspeção das paredes vaginais;
b) inspeção do conteúdo vaginal;
c) inspeção do colo uterino;
d) coleta de material para exame colpocitológico (preventivo de câncer), conforme Manual de
prevenção de câncer cérvico-uterino e de mama;
TESTES REALIZADOS NA UBS
• Teste rápido de gravidez;
• Teste rápido de triagem para sífilis e sorologia para sífilis (VDRL);
• Teste rápido diagnóstico para HIV e sorologia para HIV I e II;
• Teste rápido de diagnóstico para hepatite B e C
EXAMES SOLICITADOS NO 1º
TRIMESTE
01ª À 13ª SEMANA
• Hemograma;
• Tipagem sanguínea e fator RH;
• Coombs indireto (se for RH negativo);
• Glicemia em jejum;
• Teste rápido de triagem para sífilis e/ou VDRL/RPR;
• Teste rápido diagnóstico anti/HIV;
• Toxoplasmose IgM e IgG;
• Sorologia para hepatite B (HbsAg);
• Urocultura + urina tipo I (sumário de urina;
• Ultrassonografia obstétrica;
• Citopatológico de colo de útero (se for necessário);
• Exame de secreção vaginal(se houver indicação clínica);
• Parasitológico de fezes (se houVer indicação clínica).
EXAMES SOLICITADOS NO 2º
TRIMESTRE
14ª À 26 SEMANAS
• Teste de tolerância para glicose com 75g. (Se a glicemia estiver acima de 85
mg/dl), ou se houver fator de risco (realizar este exame preferencialmente entre
24ª à 28ª semanas;
• Coombs indireto (se for Rh negativo);
• Proteinúria na 24ª semana.
EXAMES SOLICITADOS NO 3º
TRIMESTRE
27ª À 40ª SEMANAS
 Hemograma;
 Glicemia de jejum;
 Coombs indireto (se o Rh for negativo);
 VDRL;
 Anti-HIV;
 Sorologia para hepatite B (HbsAg);
 Repetir o exame de toxoplasmose se IgM e /IgG, não for reagente;
 Urocultura + urina tipo I (sumário de urina –SU + EQU);
 Bacterioscopia de secreção vaginal (à partir de 37ª semanas de gestação);
VACINAÇÃO
1- Vacina contra influenza:
(qualquer idade gestacional)
2- Vacina dTpa :
A partir da 20ª semana
3- Vacina dT ( diftéria e tétano):
• 1ª dose – Na primeira consulta
• 2ª dose de 30 à 60 dias após a 1ª dose
• 3ª dose de 30 à 60 dias após a 2ª dose
4- Vacina contra hepatite B
Três doses e intervalo de 30 dias na 1ª e 2ª dose e 180 dias entre a 1ª e a 3ª.
É recomendada em qualquer período gestacional;
EXAME FÍSICO OBSTÉTRICO ESPECÍFICO
Medida da altura uterina(AU)
•Fita Métrica
•Posicionar em decúbito dorsal na maca com o abdome descoberto por
completo, protegendo as mamas e as pernas
•Delimitar a borda superior da sínfise púbica e o fundo uterino.Colocando a
mão esquerda lateralizada , você define o fundo do útero e com o dedo
indicador define à sínfise púbica.
•Colocar a extremidade inicial da fita( 0 cm) na borda superior da sínfise
púbica,passando-a entre os dedos indicadores e médio da mão esquerda,
alcançando o fundo uterino
TÉCNICA DE LEOPOLD-ZWEIFEL
PRIMEIRO TEMPO:
• Delimitamos o fundo do útero com ambas as mãos
deprimindo a parede abdominal com a borda cubitais (
polo pélvico, crista elíaca ou cefálico).
SEGUNDO TEMPO:
• Deslizar as mãos do fundo uterino, em direção ao polo inferior do
orgão, sentindo o dorso fetal e pequenas parte os membros de
lado para outro do útero.
TERCEIRO TEMPO:
• Explora a mobilidade do polo que se apresenta em relação com o estreito superior.
• Procura-se imprimir movimentos com o polegar e com dedo médio da mão direita com
movimentos de lateralidade que indicam o grau de penetração na bacia.
• Observa-se quando ela está alta e móvel
• Este polo balança de um lado para o outro.
QUARTO TEMPO:
• Exploramos o polo cefálico;
• O examinador deve voltar suas costas para a cabeço da paciente, colocando as mãos
sobre as fossas ilíacas;
• Procura-se com as mãos penetrar na pelve com as mãos afastadas cerca de 10 cm;
• Verificando se o polo é cefálico ou pélvico ou transverso.
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
AUSCULTA CLÍNICA
• BCF são geralmente percebidos em torno de 20 semanas de gravidez;
• Utiliza-se o PINARD:
Auricular
Coletora
Condutora do som
• SONAR-DOPPLER- 10-12 sem do cordão umbilical ou grandes vasos fetal;
• Batimentos fetais entre 120 a 160 bpm Média 140 bpm;
• Na apresentação fetal é única( ouve-se uma só em cada revolução. TUM ou TA;
• Deve-se auscultar os batimentos da mãe e depois fetal.
• Manter a gestante deitada;
• Identificar o dorso fetal pela técnica de palpação;
• Questionar sobre o lado que ela sente mais os movimentos fetais. O dorso
estará do lado oposto aos batimentos;
• Colocar o instrumentos no local;
• Identificar o batimento materno e depois fetal.
TÉCNICA PARA AUSCULTA DOS BATIMENTOS CARDIOFETAIS
■ Posicione a gestante em decúbito dorsal, com o abdômen descoberto;
■ Identifique o dorso fetal. Além de realizar a palpação, deve-se perguntar à
gestante em qual lado ela sente mais os movimentos fetais; o dorso estará no
lado oposto;
■ Quando disponível, utilize o sonar doppler;
■ Procure o ponto de melhor ausculta dos BCF na região do dorso fetal;
■ Controle o pulso da gestante para certificar-se de que os batimentos ouvidos
são os do feto, já que as frequências são diferentes;
■ Conte os BCF por um minuto, observando sua frequência e seu ritmo;
■ Registre os BCF na ficha perinatal e no Cartão da Gestante;
■ Avalie resultados da ausculta dos BCF.
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
PUERPÉRIO
Disciplina: Supervisionado II
Profª: Esp. Adriana Bione
Alunos: Camila Vieira
Talita Andrade
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
INTRODUÇÃO
A atenção à mulher e ao recém-nascido (RN) no
pós-parto imediato e nas primeiras semanas após
o parto é fundamental para a saúde materna e
neonatal. Esse atendimento deve ser o mais
criterioso possível no âmbito hospitalar e na
avaliação posterior, na unidade de saúde.
OBJETIVOS
• Avaliar o estado de saúde da mulher e do recém-nascido.
• Orientar e apoiar a família para a amamentação.
• Orientar os cuidados básicos com o recém-nascido.
• Avaliar a interação da mãe com o recém-nascido.
• Identificar situações de risco ou intercorrências e conduzi-las.
• Orientar o planejamento familiar.
CUIDADOS NECESSÁRIOS DURANTE O PUERPÉRIO
No puerpério imediato é importante levantar e andar
logo nas primeiras horas depois do parto para:
• Diminuir o risco de trombose;
• Melhorar o trânsito intestinal;
• Contribuir para o bem-estar da mulher.
ACOLHIMENTO DA MULHER E DO
RN
Deve ser realizado por profissional de saúde habilitado, de
acordo com as seguintes condutas:
• Apresentar-se, perguntar o nome da mulher e do recém-
nascido e atendê-los com respeito e gentileza;
• Escutar o que a mulher tem a dizer, incluindo possíveis
queixas, e estimulá-la a fazer perguntas;
• Informar sobre os passos da consulta e esclarecer
dúvidas.
ATENÇÃO À PUÉRPERA
Na anamnese, verificar o cartão da gestante e o resumo de alta hospitalar e/ou
perguntar à mulher sobre:
• Condições da gestação;
• Condições do atendimento ao parto e ao recém-nascido;
• Dados do parto (data, tipo de parto, se cesárea, qual a indicação);
• Se houve alguma intercorrência na gestação, no parto ou no pós-parto (febre,
hemorragia, hipertensão, diabetes, convulsões, sensibilização Rh);
• Se recebeu aconselhamento e realizou testagem para sífilis ou HIV durante a
gestação e/ou parto;
• Uso de medicamentos (ferro, ácido fólico, outros)
CONDIÇÕES PSICOEMOCIONAIS
• Tristeza materna, blues puerperal ou baby blues – manifestação
mais frequente, acometendo de 50 a 70% das puérperas no 3º dia
do pós-parto e tem duração aproximada de 2 semanas
• Depressão pós-parto – menos frequente, manifesta-se em 10 a
15% das puérperas.
• Psicose puerperal – manifestação mais rara. O início é abrupto,
os sintomas surgem até 2 ou 3 semanas pós-parto, ou seja,
quando a puérpera já se encontra fora da maternidade.
AVALIAÇÃO CLÍNICO-GINECOLÓGICA
Verificar dados vitais.
• Avaliar o estado psíquico da mulher.
• Observar estado geral – pele, mucosas, presença de edema, cicatriz (parto
normal com episiotomia ou laceração/cesárea) e membros inferiores.
• Examinar mamas, verificando a presença de ingurgitamento, sinais
inflamatórios, infecciosos ou cicatrizes que dificultem a amamentação.
• Examinar abdômen, verificando a condição do útero e se há dor à palpação.
• Examinar períneo e genitais externos (verificar sinais de infecção, presença e
características de lóquios).
AVALIAÇÃO CLÍNICO-
GINECOLÓGICA
• Retirar os pontos da cicatriz cirúrgica, quando necessário, e
orientar sobre os cuidados locais.
• Verificar possíveis intercorrências
• Observar formação do vínculo entre mãe e filho.
• Observar e avaliar a mamada para garantia do adequado
posicionamento e pega da aréola. O posicionamento errado do
bebê, além de dificultar a sucção, comprometendo a quantidade
de leite ingerido, é uma das causas mais frequentes de problemas
nos mamilos.
ASSISTÊNCIA AO RECÉM-NASCIDO NA PRIMEIRA CONSULTA
• Verificar a existência da Caderneta de Saúde da Criança e, caso não haja,
providenciar abertura imediata.
• Verificar se a Caderneta de Saúde da Criança está preenchida com os dados
da maternidade.
• Verificar as condições de alta da mulher e do RN.
• Observar e orientar a mamada, reforçando as orientações dadas durante o pré-
natal e na maternidade, com destaque para a necessidade de aleitamento
materno exclusivo até o 6º mês de vida do bebê, não havendo necessidade de
oferecer água, chá, ou qualquer outro alimento.
• Observar e avaliar a mamada para garantir o adequado posicionamento e pega
da aréola.
• Observar a criança no geral – peso, postura, atividade espontânea, padrão
respiratório, estado de hidratação, eliminações e aleitamento materno,
características da pele (presença de palidez, icterícia e cianose), crânio,
orelhas, olhos, nariz, boca, pescoço, tórax, abdômen (condições do coto
umbilical), genitália, extremidades e coluna vertebral. Caso seja detectada
alguma alteração, solicitar avaliação médica imediatamente.
AÇÕES NECESSÁRIAS NA CONSULTA PUERPERAL
Orientar sobre:
• Higiene, alimentação, atividades físicas;
• Atividade sexual, informando sobre prevenção de DST/Aids;
• Cuidado com as mamas, reforçando a orientação sobre o aleitamento (e
considerando a situação das mulheres que não puderem amamentar);
• Cuidados com o recém-nascido;
• Direitos da mulher (direitos reprodutivos, sociais e trabalhistas);
Orientar sobre planejamento familiar e uso de método
contraceptivo, se for o caso:
• informação geral sobre os métodos que podem ser
utilizados no pós-parto;
• disponibilização do método escolhido pela mulher com
instruções para seu uso e para o seguimento.
Uso de método anticoncepcional
durante o aleitamento
O DIU pode ser inserido imediatamente após o parto, ou a partir de 6 a 8 semanas
pósparto. O DIU está contraindicado para os casos que cursaram com infecção
puerperal, até 3 meses após a cura. O uso do preservativo masculino ou
feminino deve ser sempre incentivado pois além de boa eficácia contraceptiva,
confere proteção contra as doenças de transmissão sexual. O anticoncepcional
hormonal oral só de progesterona (minipílula) pode ser utilizado pela mulher
que está amamentando. Seu uso deve ser iniciado após 6 semanas do parto.
Mulheres portadoras do HIV/HTLV –
contra-indicação para o aleitamento
O risco de transmissão do HIV pelo leite materno é elevado. A transmissão ocorre
tanto pelas mães sintomáticas quanto pelas assintomáticas. O risco de
transmissão do HTLV1 e 2 (vírus linfotrófico humano de células T) pela
amamentação é variável e bastante alto, sendo mais preocupante pelo HTLV1.
Há referências que apontam para risco de 13% a 22%. Quanto mais tempo a
criança mama, maior será a chance de ela ser infectada. Assim, as gestantes
HIV+ e HTLV+ deverão ser orientadas para não amamentar. Quando, por falta
de informação, o aleitamento materno tiver sido iniciado, torna-se necessário
orientar a mãe para suspender a amamentação o mais rapidamente possível,
mesmo em mulheres em uso de terapia antirretroviral.
Dificuldades com o aleitamento no
período puerperal
• Pega incorreta do mamilo;
• Fissuras (rachaduras);
• Mamas ingurgitadas ;
• Mastite ;
• Ordenha manual.
REFERÊNCIAS
AMARAL, E; SOUSA, F; CECATTI, J. Manual Técnico do Pré-natal e Puerpério.
Secretaria Estadual da Saúde, São Paulo, 2010.
BRASIL, Ministério da Saúde. Assistência Pré -Natal. Secretaria de Políticas de
Saúde, Manual Técnico, 3ª edição. 66p. 2000.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de
Ações Programáticas e Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal
e puerpério: atenção qualificada e humanizada - manual ténico. Brasília, 2005e.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 569/GM, de 1º de junho de 2000. Institui
o Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento. Brasília: Ministério
da Saúde, 2000c.
BRASIL. Ministério da Saúde. Assistência pré-natal: manual técnico. 3. ed.
Brasília, 2000b.
REZENDE, Jorge - Obstetrícia Ed. Guanabara Koogan, 11ª edição, 2010.
OBRIGADO !!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dheg
Dheg Dheg
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
Edna Rúbia Paulino de Oliveira
 
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção BásicaDiagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
marianagusmao39
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Viviane da Silva
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
Alinebrauna Brauna
 
Complicações na gestação
Complicações na gestaçãoComplicações na gestação
Complicações na gestação
Alinebrauna Brauna
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Adriana Saraiva
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
jusantos_
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
Rejane Durães
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Enfº Ícaro Araújo
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo UterinoColeta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdfAssistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Jackeline Moraes
 
Fôlder sobre Violência Obstétrica
Fôlder sobre Violência ObstétricaFôlder sobre Violência Obstétrica
Fôlder sobre Violência Obstétrica
Ministério Público de Santa Catarina
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
TesisMaster
 
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptx
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptxALOJAMENTO CONJUNTO.pptx
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptx
ssuser51d27c1
 

Mais procurados (20)

Dheg
Dheg Dheg
Dheg
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
 
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção BásicaDiagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
 
Complicações na gestação
Complicações na gestaçãoComplicações na gestação
Complicações na gestação
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
 
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo UterinoColeta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APS
 
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdfAssistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
 
Fôlder sobre Violência Obstétrica
Fôlder sobre Violência ObstétricaFôlder sobre Violência Obstétrica
Fôlder sobre Violência Obstétrica
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptx
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptxALOJAMENTO CONJUNTO.pptx
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptx
 

Semelhante a TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx

Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
chirlei ferreira
 
Consulta de pre natal
Consulta de pre natalConsulta de pre natal
Consulta de pre natal
ilanaseixasladeia
 
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdfAULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf
EllenSantos73107
 
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoAssistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
yasminroriz3
 
aulaprenatalbaixorisco..................
aulaprenatalbaixorisco..................aulaprenatalbaixorisco..................
aulaprenatalbaixorisco..................
domingoscarlos757
 
aula3prnatal-160525004253 (1).pdf
aula3prnatal-160525004253 (1).pdfaula3prnatal-160525004253 (1).pdf
aula3prnatal-160525004253 (1).pdf
bianca375788
 
Assistência pré natal
Assistência pré  natalAssistência pré  natal
Assistência pré natal
Lucas Ferreira
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
PNBR 2016
PNBR 2016PNBR 2016
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Auro Gonçalves
 
Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5
Nayara Wanderley
 
slides 2.ppt
slides 2.pptslides 2.ppt
slides 2.ppt
ClarahFreitas
 
pre natal- classificação de risco osbtetrico
pre natal- classificação  de risco  osbtetricopre natal- classificação  de risco  osbtetrico
pre natal- classificação de risco osbtetrico
MarcosRicardoLeite
 
slides.ppt
slides.pptslides.ppt
slides.ppt
MichelSantos814684
 
4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf
Livia Santana
 
pré natal da atenção básica de saúde da mulher gestante-170704193002.pptx
pré natal da atenção básica de saúde da mulher gestante-170704193002.pptxpré natal da atenção básica de saúde da mulher gestante-170704193002.pptx
pré natal da atenção básica de saúde da mulher gestante-170704193002.pptx
LeudhySilva
 
Pre natal de baixo risco parte 2 Uesc Medicina
Pre natal de baixo risco parte 2  Uesc MedicinaPre natal de baixo risco parte 2  Uesc Medicina
Pre natal de baixo risco parte 2 Uesc Medicina
Auro Gonçalves
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
MARY SOUSA
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
MARY SOUSA
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
LASM_UIT
 

Semelhante a TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx (20)

Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Consulta de pre natal
Consulta de pre natalConsulta de pre natal
Consulta de pre natal
 
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdfAULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf
 
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoAssistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
 
aulaprenatalbaixorisco..................
aulaprenatalbaixorisco..................aulaprenatalbaixorisco..................
aulaprenatalbaixorisco..................
 
aula3prnatal-160525004253 (1).pdf
aula3prnatal-160525004253 (1).pdfaula3prnatal-160525004253 (1).pdf
aula3prnatal-160525004253 (1).pdf
 
Assistência pré natal
Assistência pré  natalAssistência pré  natal
Assistência pré natal
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Pré-Natal
 
PNBR 2016
PNBR 2016PNBR 2016
PNBR 2016
 
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
 
Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5
 
slides 2.ppt
slides 2.pptslides 2.ppt
slides 2.ppt
 
pre natal- classificação de risco osbtetrico
pre natal- classificação  de risco  osbtetricopre natal- classificação  de risco  osbtetrico
pre natal- classificação de risco osbtetrico
 
slides.ppt
slides.pptslides.ppt
slides.ppt
 
4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf
 
pré natal da atenção básica de saúde da mulher gestante-170704193002.pptx
pré natal da atenção básica de saúde da mulher gestante-170704193002.pptxpré natal da atenção básica de saúde da mulher gestante-170704193002.pptx
pré natal da atenção básica de saúde da mulher gestante-170704193002.pptx
 
Pre natal de baixo risco parte 2 Uesc Medicina
Pre natal de baixo risco parte 2  Uesc MedicinaPre natal de baixo risco parte 2  Uesc Medicina
Pre natal de baixo risco parte 2 Uesc Medicina
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 

Mais de douglas870578

aula 02 - dores - sinais sintomas.pptx ahah
aula 02 - dores - sinais sintomas.pptx ahahaula 02 - dores - sinais sintomas.pptx ahah
aula 02 - dores - sinais sintomas.pptx ahah
douglas870578
 
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICA
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICAGRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICA
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICA
douglas870578
 
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORALTERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
douglas870578
 
PRIMEIRA CONSULTA DE ENFERMAGEM - AMBULATORIAL - PUERICULTURA.pptx
PRIMEIRA CONSULTA DE ENFERMAGEM - AMBULATORIAL - PUERICULTURA.pptxPRIMEIRA CONSULTA DE ENFERMAGEM - AMBULATORIAL - PUERICULTURA.pptx
PRIMEIRA CONSULTA DE ENFERMAGEM - AMBULATORIAL - PUERICULTURA.pptx
douglas870578
 
Exame físico cardiovascular- uso de técnicas propedêuticas
Exame físico cardiovascular- uso de técnicas propedêuticasExame físico cardiovascular- uso de técnicas propedêuticas
Exame físico cardiovascular- uso de técnicas propedêuticas
douglas870578
 
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptxFUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
douglas870578
 
slidenormasdaabnt-150603220000-lva1-app6891.pdf
slidenormasdaabnt-150603220000-lva1-app6891.pdfslidenormasdaabnt-150603220000-lva1-app6891.pdf
slidenormasdaabnt-150603220000-lva1-app6891.pdf
douglas870578
 
Exame físico Pele e Fâneros.pdf
Exame físico Pele e Fâneros.pdfExame físico Pele e Fâneros.pdf
Exame físico Pele e Fâneros.pdf
douglas870578
 
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESTRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
douglas870578
 
tuberculose - princípios e formas
tuberculose - princípios e formastuberculose - princípios e formas
tuberculose - princípios e formas
douglas870578
 
Aula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.pptAula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.ppt
douglas870578
 
APRESENTAÇÃO CERIMÔNIA DO JALECO.pptx
APRESENTAÇÃO CERIMÔNIA DO JALECO.pptxAPRESENTAÇÃO CERIMÔNIA DO JALECO.pptx
APRESENTAÇÃO CERIMÔNIA DO JALECO.pptx
douglas870578
 
AULA 01.PARTE 01 - SAÚDE PÚBLICA - ENF DOUGLAS.pdf
AULA 01.PARTE 01 - SAÚDE PÚBLICA - ENF DOUGLAS.pdfAULA 01.PARTE 01 - SAÚDE PÚBLICA - ENF DOUGLAS.pdf
AULA 01.PARTE 01 - SAÚDE PÚBLICA - ENF DOUGLAS.pdf
douglas870578
 
Aula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.pptAula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.ppt
douglas870578
 

Mais de douglas870578 (14)

aula 02 - dores - sinais sintomas.pptx ahah
aula 02 - dores - sinais sintomas.pptx ahahaula 02 - dores - sinais sintomas.pptx ahah
aula 02 - dores - sinais sintomas.pptx ahah
 
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICA
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICAGRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICA
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICA
 
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORALTERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
 
PRIMEIRA CONSULTA DE ENFERMAGEM - AMBULATORIAL - PUERICULTURA.pptx
PRIMEIRA CONSULTA DE ENFERMAGEM - AMBULATORIAL - PUERICULTURA.pptxPRIMEIRA CONSULTA DE ENFERMAGEM - AMBULATORIAL - PUERICULTURA.pptx
PRIMEIRA CONSULTA DE ENFERMAGEM - AMBULATORIAL - PUERICULTURA.pptx
 
Exame físico cardiovascular- uso de técnicas propedêuticas
Exame físico cardiovascular- uso de técnicas propedêuticasExame físico cardiovascular- uso de técnicas propedêuticas
Exame físico cardiovascular- uso de técnicas propedêuticas
 
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptxFUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
 
slidenormasdaabnt-150603220000-lva1-app6891.pdf
slidenormasdaabnt-150603220000-lva1-app6891.pdfslidenormasdaabnt-150603220000-lva1-app6891.pdf
slidenormasdaabnt-150603220000-lva1-app6891.pdf
 
Exame físico Pele e Fâneros.pdf
Exame físico Pele e Fâneros.pdfExame físico Pele e Fâneros.pdf
Exame físico Pele e Fâneros.pdf
 
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESTRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
 
tuberculose - princípios e formas
tuberculose - princípios e formastuberculose - princípios e formas
tuberculose - princípios e formas
 
Aula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.pptAula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.ppt
 
APRESENTAÇÃO CERIMÔNIA DO JALECO.pptx
APRESENTAÇÃO CERIMÔNIA DO JALECO.pptxAPRESENTAÇÃO CERIMÔNIA DO JALECO.pptx
APRESENTAÇÃO CERIMÔNIA DO JALECO.pptx
 
AULA 01.PARTE 01 - SAÚDE PÚBLICA - ENF DOUGLAS.pdf
AULA 01.PARTE 01 - SAÚDE PÚBLICA - ENF DOUGLAS.pdfAULA 01.PARTE 01 - SAÚDE PÚBLICA - ENF DOUGLAS.pdf
AULA 01.PARTE 01 - SAÚDE PÚBLICA - ENF DOUGLAS.pdf
 
Aula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.pptAula-1-Epidemiologia.ppt
Aula-1-Epidemiologia.ppt
 

TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx

  • 1. DIAGNÓSTICO DE GRAVIDEZ, ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL E PUERPÉRIO Disciplina: Supervisionado II Profª: Esp. Adriana Bione Alunos: Aliusca Santos, Camila Vieira, Douglas Vinicius, Eline Rocha, Marise Bittencourt, Talita Andrade.
  • 2. DIAGNÓSTICO DE GRAVIDEZ Disciplina: Supervisionado II Profª: Esp. Adriana Bione Alunos: Douglas Vinicius
  • 3. DIANÓSTICO DE GRAVIDEZ O diagnóstico de gravidez baseia-se:  Na história;  No exame físico;  Nos testes laboratoriais; Se ocorrer amenorreia ou atraso menstrual, deve-se, antes de tudo, suspeitar da possibilidade de uma gestação. Na prática, para as mulheres que procuram os serviços com atraso menstrual que não ultrapassa 16 semanas, a confirmação do diagnóstico da gravidez pode ser feita pelo profissional de saúde da unidade básica, por meio de um teste imunológico para gravidez (TIG). (BRASIL, 2012)
  • 4. DIANÓSTICO DE GRAVIDEZ  O Ministério da Saúde, por intermédio da rede cegonha, incluiu o Teste Rápido de Gravidez nos exames de rotina realizados nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). O objetivo da inclusão deste teste nas UBS, é acelerar o processo para confirmação da gravidez e inicio precoce do pré- natal. (BRASIL, 2012)
  • 5. DIANÓSTICO DE GRAVIDEZ  Além do Teste Rápido de Gravidez, toda mulher da área de abrangência da unidade de saúde e com histórico de atraso menstrual de mais de 15 dias deverá ser orientada a realizar o Teste Imunológico de Gravidez (TIG), que será solicitado pelo Médico ou Enfermeiro.  TIG: Baseia-se no encontro na urina ou no sangue do hormônio gonadotrófico coriônico humano (HCG). É considerado o método mais sensível e confiável.  Na gravidez normal, a secreção de HCG é detectável entre 8 a 11 dias após a fecundação. Os níveis plasmáticos aumentam rapidamente até atingir o pico entre 60 a 90 dias de gravidez (entre 8 a 12 semanas de gestação). (BRASIL, 2012)
  • 6. DIANÓSTICO CLINICO: SINAIS E SINTOMAS  Os sinais e sintomas da gravidez são agrupados nas seguintes categorias: de presunção, de probabilidade e de certeza (positivos).  No entanto, os únicos sinais que podem determinar uma gravidez positiva com 100% de acurácia são os sinais positivos.
  • 7. SINAIS DE PRESUNÇÃO  Sinais de presunção: são os sinais sentidos pela própria mulher; Atraso menstrual Manifestações clínicas : Náusea, vômitos, tonturas, salivação excessiva, alteração apetite, polaciúria, sonolência Modificações anatômicas: aumento volume mamas, hipersensibilidade mamilos, saída de colostro pelo mamilo, coloração violácea vulvar, cianose vaginal e cervical, aumento volume abdominal
  • 8. SINAIS DE PROBABILIDADE DE GRAVIDEZ  Sinais de probabilidade: São aqueles detectados no exame físico realizado pelo profissional de saúde. Amolecimento do colo uterino (sinal goodell), com posterior aumento de seu volume. Paredes vaginais aumentadas com aumento de vascularização ( sinal klüge) + pulsação da artéria vaginal nos fundos de saco laterais Beta hcg sérico positivo a partir do oitavo ou nono dia após fertilização.
  • 9. SINAIS DE CERTEZA DE GRAVIDEZ  Sinais de certeza (positivos): São aqueles que confirmam que existe um feto em crescimento. Presença de batimentos cardíacos fetais (sonar – 12 semanas e pinard – 20 semanas) Percepção movimentos fetais (18 a 20 semanas) Ultrassonografia: saco gestacional (4 a 5 semanas gestacionais – via transvaginal) e atividade cardíaca do embrião (6 semanas)
  • 10. FLUXOGRAMA DIAGNÓSTICO DE GRAVIDEZ Atraso ou irregularidade menstrual, náuseas e aumento do volume abdominal Avaliar:  Ciclo menstrual;  Data da ultima Menstruação;  Atividade sexual Atraso menstrual em mulheres maiores que 10 anos com atividade sexual SOLICITAR TESTE IMUNOLOGICO DE GRAVIDEZ (TIG) Resultado positivo Gravidez confirmada Iniciar acompanhamento da gestante Resultado negativo Repetir TIG após 15 dias Resultado negativo Persistindo amenorreia – encaminhar para avaliação clinico-ginecológica
  • 11. QUESTÃO DE FIXAÇÃO 1º) Existem diversos sinais e sintomas que podem estar relacionados com uma gestação em curso. Estas manifestações são divididas em três categorias: sinais de presunção, probabilidade e de certeza. Assinale a alternativa abaixo que se refere à um sinal de certeza de uma gestação em desenvolvimento. a) Fração do hormônio gonadotrófico coriônico humano (HCG) elevado. b) Atraso menstrual superior a 15 dias. c) Saída de colostro pelo mamilo. d) Percepção de movimentos fetais. e) Aumento do volume abdominal. LETRA “D”
  • 12. ASSISTÊNCIA PRÉ- NATAL Disciplina: Supervisionado II Profª: Esp. Adriana Bione Alunos: Aliusca Santos Eline Rocha Marise Bittencourt
  • 14. CONCEITO O pré-natal é um acompanhamento médico ou de enfermagem oferecido à gestante desde a concepção até o início do trabalho de parto, é o momento onde a mulher deve receber informações sobre a própria saúde e a saúde do bebê, apoio emocional e preparo para a maternidade. (Rezende, 2002).
  • 15. OBJETIVO O principal objetivo da atenção pré-natal é acolher a mulher desde o início da gestação, assegurando o nascimento de uma criança saudável e a garantia do bem-estar materno e neonatal. (BRASIL, 2006a).
  • 16. FINALIDADES • Evitar complicações no parto; • Evitar gravidez de alto risco; • Orientar os hábitos de vida e higiene pré- natal; • Tratar os pequenos distúrbios habituais da gravidez; • Preparar a gestante para a maternidade. • Confirmação da gravidez; • Cadastro no SIS pré- natal; • Ficha pré- natal; • Cartão da gestante; • Orientações quanto ao pré- natal.
  • 17. A GESTAÇÃO É DIVIDIDA EM: 1º trimestre 1º ao 3º mês 1ª a 13ª semana 2º trimestre 4º ao 6º mês 14ª a 26ª semana 3º trimestre 7º ao 9º mês 27ª até o parto  A gestação pode chegar à 42ª semana
  • 18. ROTEIRO DAS CONSULTAS • O ministério da saúde preconiza o mínimo de 6 consultas. • Intercaladas entre médicos e enfermeiros. • Até 28ª semanas = mensal • Entre 28 e 36ª semanas = quinzenal • Entre 36 a 41ª = semanal
  • 20. INFORMAÇÕES PESSOAIS Nome: Endereço: Telefone: Data de Nascimento: Idade: Escolaridade: Raça: ( )Branco ( )Preta ( )Parda ( )Amarela ( )Indígena Estado civil: ( ) Casada ( ) solteira ( ) união estável ( ) Viúva Profissão/ocupação: Renda familiar: Número e idade de dependentes: Reside próximo à UBS: ( )Sim ( )Não ( ) Número de pessoas que moram na casa: Condições de moradia (tipo, nº de cômodos): Condições de saneamento (água, esgoto, coleta de lixo): Cartão SUS: Tabagista ( )Sim ( )Não ( ) Etilista ( )Sim ( )Não ( ) Uso de drogas ( )Sim ( )Não ( ) Alergias ( )Sim ( )Não ( ) Qual? Gestação planejada: ( )Sim ( )Não ( ) Gestação desejada: ( )Sim ( )Não ( ) Peso anterior: Peso atual: Altura: IMC: SSVV: T: P: R: PA: Antecedentes Familiares: HAS/DM/Gemelar/ Malformações congênitas/Epilepsia/Outros: Quem?
  • 21. Uso de medicações prévias: Antecedentes Pessoais: Antecedentes Ginecológicos/ Sexuais: Menarca: Ciclo: ( ) Regular ( ) irregular Dias?_____ Coitarca: Parceiro fixo ( )Sim ( )Não Tempo?___________ Quantidade de parceiros? Antecedentes de ISTs: ( )Sim ( )Não ( ) Qual? Antecedentes Obstétricos: G P A DUM:____/____/_____ IG: (DUM) IG: (USG ____/____/_____) DPP:____/____/____ Filhos Vivos: Tipos de partos: Idade dos Filhos: Pesos dos RNs: Idade na primeira gestação: Intervalo entre as gestações (em meses): Amamentou ( )Sim ( )Não ( ) Tempo/Porque? Complicações/Internações: Último exame citopatológico: Vacinas: dT 1ª dose ( )___________ dTpa ( ) ________Hepatite B 1ª dose ( )___________ 2ª dose ( )___________ H1N1 ( ) _________ 2ª dose ( )___________ 3ª dose ( )___________ 3ª dose ( )___________
  • 22. AS CONSULTAS DE PRÉ-NATAL DEVEM SER REALIZADOS • Anamnese com todos os componentes da história clínica da gestante; • Exame físico geral e específico; • Prescrição de medicamentos (ácido fólico e sulfato ferroso); • Solicitação dos exames complementares; • Condutas gerais.
  • 23. ROTEIRO DA 1ª CONSULTA  História clínica 1- Identificação: • idade; • cor; • naturalidade; • procedência; • endereço atual; • situação conjugal; • profissão/ocupação; • prática religiosa.
  • 24. 2 - Dados sócio-econômicos e culturais: • grau de instrução; • renda familiar; • número de dependentes; • número de pessoas na família que participam da força de trabalho; • condições de moradia (tipo, n° de cômodos) alugada/própria. • condições de saneamento (água, esgoto, coleta de lixo);
  • 25. 3 - Motivos da consulta: Se é uma consulta de rotina ou se há algum outro motivo para o comparecimento; nesse caso, descrever as queixas. 4 - Antecedentes familiares, especial atenção para: • hipertensão; • diabetes; • doenças congênitas; • gemelaridade; • câncer de mama; • hanseníase; • tuberculose e outros contatos domiciliares (anotar a doença e o grau de parentesco).
  • 26. 5 - Antecedentes pessoais - especial atenção para: • hipertensão arterial; • cardiopatias; • diabetes; • doenças renais crônicas; • anemia; • transfusões de sangue; • doenças neuropsiquiátricas; • viroses (rubéola e herpes); • cirurgia (tipo e data); • alergias; • hanseníase; • tuberculose.
  • 27. 6 - Antecedentes ginecológicos: • ciclos menstruais (duração, intervalo e regularidade); • uso de métodos anticoncepcionais (quais, por quanto tempo e motivo do abandono); • infertilidade e esterilidade (tratamento); • doenças sexualmente transmissíveis (tratamentos realizados, inclusive do parceiro); • cirurgias ginecológicas (idade e motivo); • mamas (alteração e tratamento); • última colpocitologia oncótica (Papanicolau ou "preventivo", data e resultado).
  • 28. 7 - SEXUALIDADE • início da atividade sexual (idade e situação frente a • primeira relação); • desejo sexual (libido); • orgasmo (prazer); • dispareunia (dor ou desconforto durante o ato sexual); • sexualidade na gestação atual; • número de parceiros.
  • 29. 8 - Antecedentes obstétricos: • número de gestações (incluindo abortamentos, gravidez ectópica, mola hidatiforme); • número de partos (domiciliares, hospitalares, vaginais espontâneos, fórceps, cesáreas - indicações); • número de abortamentos (espontâneos, provocados, complicados por infecções, curetagem pós-abortamento); • número de filhos vivos; • idade da primeira gestação; • intervalo entre as gestações (em meses); • número de recém-nascidos: pré-termo (antes da 37ª semana de gestação), pós- termo (igual ou mais de 42 semanas de gestação); • experiência em aleitamento materno;
  • 30. • data do primeiro dia da última menstruação - DUM (anotar certeza ou dúvida); EXEMPLO: REGRA DE NAEGELE: consiste em somar 7 ao 1° dia do último período menstrual e diminuir 3 meses DUM = 10 / 06 / 2018 + 7/ –3/ DPP = 17 / 03 / 2019 • data provável do parto – DPP • data da percepção dos primeiros movimentos fetais.
  • 31. 9 - Gestação atual: • nomes dos medicamentos usados na gestação; • a gestação foi ou não desejada; • hábitos: fumo (número de cigarros/dia), álcool e uso de drogas; • ocupação habitual (esforço físico intenso, exposição a agentes químicos e físicos potencialmente nocivos, estresse).
  • 32. EXAME FÍSICO 1 - Geral: • determinação do peso e avaliação do estado nutricional da gestante; • medida e estatura; • determinação da freqüência do pulso arterial; • medida da temperatura axilar; • medida da pressão arterial; inspeção da pele e das mucosas; • palpação da tireóide; • ausculta cardiopulmonar; • exame do abdome; • exame dos membros inferiores; • pesquisa de edema (face, tronco, membros).
  • 33. 2 - ESPECÍFICO: GINECO- OBSTÉTRICO • exame mamas (orientado, também, para o aleitamento materno); • medida da altura uterina; • ausculta dos batimentos cardiofetais (após a 20ª semana) *; *entre a 7ª e 10ª com auxílio do Sonar Doppler e após a 20° semana com Pinnar). • identificação da situação e apresentação fetal (3° trimestre); • palpação dos gânglios inguinais; • inspeção dos genitais externos; • exame especular; a) inspeção das paredes vaginais; b) inspeção do conteúdo vaginal; c) inspeção do colo uterino; d) coleta de material para exame colpocitológico (preventivo de câncer), conforme Manual de prevenção de câncer cérvico-uterino e de mama;
  • 34. TESTES REALIZADOS NA UBS • Teste rápido de gravidez; • Teste rápido de triagem para sífilis e sorologia para sífilis (VDRL); • Teste rápido diagnóstico para HIV e sorologia para HIV I e II; • Teste rápido de diagnóstico para hepatite B e C
  • 35. EXAMES SOLICITADOS NO 1º TRIMESTE 01ª À 13ª SEMANA • Hemograma; • Tipagem sanguínea e fator RH; • Coombs indireto (se for RH negativo); • Glicemia em jejum; • Teste rápido de triagem para sífilis e/ou VDRL/RPR; • Teste rápido diagnóstico anti/HIV; • Toxoplasmose IgM e IgG; • Sorologia para hepatite B (HbsAg);
  • 36. • Urocultura + urina tipo I (sumário de urina; • Ultrassonografia obstétrica; • Citopatológico de colo de útero (se for necessário); • Exame de secreção vaginal(se houver indicação clínica); • Parasitológico de fezes (se houVer indicação clínica).
  • 37. EXAMES SOLICITADOS NO 2º TRIMESTRE 14ª À 26 SEMANAS • Teste de tolerância para glicose com 75g. (Se a glicemia estiver acima de 85 mg/dl), ou se houver fator de risco (realizar este exame preferencialmente entre 24ª à 28ª semanas; • Coombs indireto (se for Rh negativo); • Proteinúria na 24ª semana.
  • 38. EXAMES SOLICITADOS NO 3º TRIMESTRE 27ª À 40ª SEMANAS  Hemograma;  Glicemia de jejum;  Coombs indireto (se o Rh for negativo);  VDRL;  Anti-HIV;  Sorologia para hepatite B (HbsAg);  Repetir o exame de toxoplasmose se IgM e /IgG, não for reagente;  Urocultura + urina tipo I (sumário de urina –SU + EQU);  Bacterioscopia de secreção vaginal (à partir de 37ª semanas de gestação);
  • 39. VACINAÇÃO 1- Vacina contra influenza: (qualquer idade gestacional) 2- Vacina dTpa : A partir da 20ª semana 3- Vacina dT ( diftéria e tétano): • 1ª dose – Na primeira consulta • 2ª dose de 30 à 60 dias após a 1ª dose • 3ª dose de 30 à 60 dias após a 2ª dose 4- Vacina contra hepatite B Três doses e intervalo de 30 dias na 1ª e 2ª dose e 180 dias entre a 1ª e a 3ª. É recomendada em qualquer período gestacional;
  • 40. EXAME FÍSICO OBSTÉTRICO ESPECÍFICO Medida da altura uterina(AU) •Fita Métrica •Posicionar em decúbito dorsal na maca com o abdome descoberto por completo, protegendo as mamas e as pernas •Delimitar a borda superior da sínfise púbica e o fundo uterino.Colocando a mão esquerda lateralizada , você define o fundo do útero e com o dedo indicador define à sínfise púbica. •Colocar a extremidade inicial da fita( 0 cm) na borda superior da sínfise púbica,passando-a entre os dedos indicadores e médio da mão esquerda, alcançando o fundo uterino
  • 41. TÉCNICA DE LEOPOLD-ZWEIFEL PRIMEIRO TEMPO: • Delimitamos o fundo do útero com ambas as mãos deprimindo a parede abdominal com a borda cubitais ( polo pélvico, crista elíaca ou cefálico).
  • 42. SEGUNDO TEMPO: • Deslizar as mãos do fundo uterino, em direção ao polo inferior do orgão, sentindo o dorso fetal e pequenas parte os membros de lado para outro do útero.
  • 43. TERCEIRO TEMPO: • Explora a mobilidade do polo que se apresenta em relação com o estreito superior. • Procura-se imprimir movimentos com o polegar e com dedo médio da mão direita com movimentos de lateralidade que indicam o grau de penetração na bacia. • Observa-se quando ela está alta e móvel • Este polo balança de um lado para o outro.
  • 44. QUARTO TEMPO: • Exploramos o polo cefálico; • O examinador deve voltar suas costas para a cabeço da paciente, colocando as mãos sobre as fossas ilíacas; • Procura-se com as mãos penetrar na pelve com as mãos afastadas cerca de 10 cm; • Verificando se o polo é cefálico ou pélvico ou transverso.
  • 46. AUSCULTA CLÍNICA • BCF são geralmente percebidos em torno de 20 semanas de gravidez; • Utiliza-se o PINARD: Auricular Coletora Condutora do som • SONAR-DOPPLER- 10-12 sem do cordão umbilical ou grandes vasos fetal; • Batimentos fetais entre 120 a 160 bpm Média 140 bpm; • Na apresentação fetal é única( ouve-se uma só em cada revolução. TUM ou TA; • Deve-se auscultar os batimentos da mãe e depois fetal.
  • 47. • Manter a gestante deitada; • Identificar o dorso fetal pela técnica de palpação; • Questionar sobre o lado que ela sente mais os movimentos fetais. O dorso estará do lado oposto aos batimentos; • Colocar o instrumentos no local; • Identificar o batimento materno e depois fetal.
  • 48. TÉCNICA PARA AUSCULTA DOS BATIMENTOS CARDIOFETAIS ■ Posicione a gestante em decúbito dorsal, com o abdômen descoberto; ■ Identifique o dorso fetal. Além de realizar a palpação, deve-se perguntar à gestante em qual lado ela sente mais os movimentos fetais; o dorso estará no lado oposto; ■ Quando disponível, utilize o sonar doppler; ■ Procure o ponto de melhor ausculta dos BCF na região do dorso fetal; ■ Controle o pulso da gestante para certificar-se de que os batimentos ouvidos são os do feto, já que as frequências são diferentes; ■ Conte os BCF por um minuto, observando sua frequência e seu ritmo; ■ Registre os BCF na ficha perinatal e no Cartão da Gestante; ■ Avalie resultados da ausculta dos BCF.
  • 50. PUERPÉRIO Disciplina: Supervisionado II Profª: Esp. Adriana Bione Alunos: Camila Vieira Talita Andrade
  • 52. INTRODUÇÃO A atenção à mulher e ao recém-nascido (RN) no pós-parto imediato e nas primeiras semanas após o parto é fundamental para a saúde materna e neonatal. Esse atendimento deve ser o mais criterioso possível no âmbito hospitalar e na avaliação posterior, na unidade de saúde.
  • 53. OBJETIVOS • Avaliar o estado de saúde da mulher e do recém-nascido. • Orientar e apoiar a família para a amamentação. • Orientar os cuidados básicos com o recém-nascido. • Avaliar a interação da mãe com o recém-nascido. • Identificar situações de risco ou intercorrências e conduzi-las. • Orientar o planejamento familiar.
  • 54. CUIDADOS NECESSÁRIOS DURANTE O PUERPÉRIO No puerpério imediato é importante levantar e andar logo nas primeiras horas depois do parto para: • Diminuir o risco de trombose; • Melhorar o trânsito intestinal; • Contribuir para o bem-estar da mulher.
  • 55. ACOLHIMENTO DA MULHER E DO RN Deve ser realizado por profissional de saúde habilitado, de acordo com as seguintes condutas: • Apresentar-se, perguntar o nome da mulher e do recém- nascido e atendê-los com respeito e gentileza; • Escutar o que a mulher tem a dizer, incluindo possíveis queixas, e estimulá-la a fazer perguntas; • Informar sobre os passos da consulta e esclarecer dúvidas.
  • 56. ATENÇÃO À PUÉRPERA Na anamnese, verificar o cartão da gestante e o resumo de alta hospitalar e/ou perguntar à mulher sobre: • Condições da gestação; • Condições do atendimento ao parto e ao recém-nascido; • Dados do parto (data, tipo de parto, se cesárea, qual a indicação); • Se houve alguma intercorrência na gestação, no parto ou no pós-parto (febre, hemorragia, hipertensão, diabetes, convulsões, sensibilização Rh); • Se recebeu aconselhamento e realizou testagem para sífilis ou HIV durante a gestação e/ou parto; • Uso de medicamentos (ferro, ácido fólico, outros)
  • 57. CONDIÇÕES PSICOEMOCIONAIS • Tristeza materna, blues puerperal ou baby blues – manifestação mais frequente, acometendo de 50 a 70% das puérperas no 3º dia do pós-parto e tem duração aproximada de 2 semanas • Depressão pós-parto – menos frequente, manifesta-se em 10 a 15% das puérperas. • Psicose puerperal – manifestação mais rara. O início é abrupto, os sintomas surgem até 2 ou 3 semanas pós-parto, ou seja, quando a puérpera já se encontra fora da maternidade.
  • 58. AVALIAÇÃO CLÍNICO-GINECOLÓGICA Verificar dados vitais. • Avaliar o estado psíquico da mulher. • Observar estado geral – pele, mucosas, presença de edema, cicatriz (parto normal com episiotomia ou laceração/cesárea) e membros inferiores. • Examinar mamas, verificando a presença de ingurgitamento, sinais inflamatórios, infecciosos ou cicatrizes que dificultem a amamentação. • Examinar abdômen, verificando a condição do útero e se há dor à palpação. • Examinar períneo e genitais externos (verificar sinais de infecção, presença e características de lóquios).
  • 59. AVALIAÇÃO CLÍNICO- GINECOLÓGICA • Retirar os pontos da cicatriz cirúrgica, quando necessário, e orientar sobre os cuidados locais. • Verificar possíveis intercorrências • Observar formação do vínculo entre mãe e filho. • Observar e avaliar a mamada para garantia do adequado posicionamento e pega da aréola. O posicionamento errado do bebê, além de dificultar a sucção, comprometendo a quantidade de leite ingerido, é uma das causas mais frequentes de problemas nos mamilos.
  • 60. ASSISTÊNCIA AO RECÉM-NASCIDO NA PRIMEIRA CONSULTA • Verificar a existência da Caderneta de Saúde da Criança e, caso não haja, providenciar abertura imediata. • Verificar se a Caderneta de Saúde da Criança está preenchida com os dados da maternidade. • Verificar as condições de alta da mulher e do RN. • Observar e orientar a mamada, reforçando as orientações dadas durante o pré- natal e na maternidade, com destaque para a necessidade de aleitamento materno exclusivo até o 6º mês de vida do bebê, não havendo necessidade de oferecer água, chá, ou qualquer outro alimento.
  • 61. • Observar e avaliar a mamada para garantir o adequado posicionamento e pega da aréola. • Observar a criança no geral – peso, postura, atividade espontânea, padrão respiratório, estado de hidratação, eliminações e aleitamento materno, características da pele (presença de palidez, icterícia e cianose), crânio, orelhas, olhos, nariz, boca, pescoço, tórax, abdômen (condições do coto umbilical), genitália, extremidades e coluna vertebral. Caso seja detectada alguma alteração, solicitar avaliação médica imediatamente.
  • 62. AÇÕES NECESSÁRIAS NA CONSULTA PUERPERAL Orientar sobre: • Higiene, alimentação, atividades físicas; • Atividade sexual, informando sobre prevenção de DST/Aids; • Cuidado com as mamas, reforçando a orientação sobre o aleitamento (e considerando a situação das mulheres que não puderem amamentar); • Cuidados com o recém-nascido; • Direitos da mulher (direitos reprodutivos, sociais e trabalhistas);
  • 63. Orientar sobre planejamento familiar e uso de método contraceptivo, se for o caso: • informação geral sobre os métodos que podem ser utilizados no pós-parto; • disponibilização do método escolhido pela mulher com instruções para seu uso e para o seguimento.
  • 64. Uso de método anticoncepcional durante o aleitamento O DIU pode ser inserido imediatamente após o parto, ou a partir de 6 a 8 semanas pósparto. O DIU está contraindicado para os casos que cursaram com infecção puerperal, até 3 meses após a cura. O uso do preservativo masculino ou feminino deve ser sempre incentivado pois além de boa eficácia contraceptiva, confere proteção contra as doenças de transmissão sexual. O anticoncepcional hormonal oral só de progesterona (minipílula) pode ser utilizado pela mulher que está amamentando. Seu uso deve ser iniciado após 6 semanas do parto.
  • 65. Mulheres portadoras do HIV/HTLV – contra-indicação para o aleitamento O risco de transmissão do HIV pelo leite materno é elevado. A transmissão ocorre tanto pelas mães sintomáticas quanto pelas assintomáticas. O risco de transmissão do HTLV1 e 2 (vírus linfotrófico humano de células T) pela amamentação é variável e bastante alto, sendo mais preocupante pelo HTLV1. Há referências que apontam para risco de 13% a 22%. Quanto mais tempo a criança mama, maior será a chance de ela ser infectada. Assim, as gestantes HIV+ e HTLV+ deverão ser orientadas para não amamentar. Quando, por falta de informação, o aleitamento materno tiver sido iniciado, torna-se necessário orientar a mãe para suspender a amamentação o mais rapidamente possível, mesmo em mulheres em uso de terapia antirretroviral.
  • 66. Dificuldades com o aleitamento no período puerperal • Pega incorreta do mamilo; • Fissuras (rachaduras); • Mamas ingurgitadas ; • Mastite ; • Ordenha manual.
  • 67. REFERÊNCIAS AMARAL, E; SOUSA, F; CECATTI, J. Manual Técnico do Pré-natal e Puerpério. Secretaria Estadual da Saúde, São Paulo, 2010. BRASIL, Ministério da Saúde. Assistência Pré -Natal. Secretaria de Políticas de Saúde, Manual Técnico, 3ª edição. 66p. 2000. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada - manual ténico. Brasília, 2005e.
  • 68. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 569/GM, de 1º de junho de 2000. Institui o Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento. Brasília: Ministério da Saúde, 2000c. BRASIL. Ministério da Saúde. Assistência pré-natal: manual técnico. 3. ed. Brasília, 2000b. REZENDE, Jorge - Obstetrícia Ed. Guanabara Koogan, 11ª edição, 2010.