SlideShare uma empresa Scribd logo
ASSISTÊNCIA DE
ENFERMAGEM NO
PRÉ-NATAL
O PRÉ – NATAL DA GESTANTE DE BAIXO RISCO
OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL
Acolher a mulher desde o início
Promoção de saúde
Prevenção ou detecção precoce de
afecções
Melhor qualidade de vida e Cidadania
plena
REDE CEGONHA
•É uma Rede de cuidados que
assegura às MULHERES o direito
ao planejamento reprodutivo, à
atenção humanizada à gravidez,
parto e puerpério e as CRIANÇAS
o direito ao nascimento seguro,
crescimento e desenvolvimento
saudáveis.
• Ampliação do acesso, acolhimento e
melhoria da qualidade do pré-natal.
• Transporte tanto para o pré-natal quanto
para o parto.
• Vinculação da gestante à unidade de
referência para assistência ao parto -
“Gestante não peregrina!” e “Vaga sempre
para gestantes e bebês!”.
• Realização de parto e nascimento
seguros, através de boas práticas de
atenção.
• Acompanhante no parto, de livre escolha
da gestante.
• • Acompanhante no parto, de livre
escolha da gestante.
• Atenção à saúde da criança de 0 a
24 meses com qualidade e
resolutividade.
• Acesso ao planejamento reprodutivo.
OBJETIVOS
• Respeito, a proteção e a realização dos direitos
humanos;
• O respeito à diversidade cultural, étnica e racial;
• A promoção da equidade;
• O enfoque de gênero;
• A garantia dos direitos sexuais e dos direitos
reprodutivos de mulheres, homens, jovens e
adolescentes;
• A participação e a mobilização social; e
• A compatibilização com as atividades das redes
de atenção à saúde materna e infantil em
desenvolvimento nos Estados.
Diagnóstico de Gravidez e
Seguimento Pré-Natal
ATRASO MENSTRUAL
C/EXPOSIÇÃO A
RISCO DE GESTAÇÃO
RESULTADO
POSITIVO
RESULTADO
NEGATIVO
SOLICITAR EXAMES DE ROTINA
PRÉ-NATAL
ACONSELHAMENTO PRÉ-EXAMES
(OFERECIMENTO OBRIGATÓRIO)
REPETIR TESTE DE URINA
APÓS 15 DIAS de atraso
C/ 1ª URINA DA MANHÃ
BAIXO RISCO
Inserção no SISPRENATAL
RESULTADO
NEGATIVO
REPETIR VDRL, ANTI HIV E
UROCULTURA COM 28 SEMANAS
INTERCALAR CONSULTA
MÉDICA COM CONSULTA
DE ENFERMAGEM
ATÉ 27ª SEMANA
APÓS 37ª até 41 sem
CONSULTA MÉDICA E DE ENFER
MAGEM SEMANAL
PERSISTINDO AMENORRÉIA
A(O) ENFERMEIRA(O)
DEVERÁ SOLICITAR
BHCG NO SANGUE
28ª -36ªsem - CONSULTA
MÉDICA E CONSULTA DE
ENFERMAGEM QUINZENAL
INTERCALADAS OU A CADA
3 SEMANAS
UMA VISITA DOMICILIAR
DA(O) ENFERMEIRA(O)
RESULTADO
NEGATIVO
PERSISTINDO AMENORRÉIA
AGENDAR CONSULTA MÉDICA
E ORIENTAR QUANTO AO
PLANEJAMENTO FAMILIAR
RESULTADO NEGATIVO APÓS BHCG
DESEJO DE
CONTRACEPÇÃO DESEJO DE ENGRAVIDAR
SIM NÃO
GRUPO DE
PLANEJAMENTO
FAMILIAR
ORIENTAR
PREVENÇÃO
DST/AIDS
AGENDAR
CONSULTA
MÉDICA
Atenção baseada em evidências:
“ Uso consciente, criterioso e explícito das melhores evidências atuais
para tomar decisões sobre o atendimento a pacientes individuais”
Apoio às gestantes:
“Amelhor assistência não será efetiva se não estiver disponível para
aqueles que necessitam dela”
exemplos: adolescentes, imigrantes, vulnerabilidade social = adiam
assistência(sentem-se pouco à vontade)= dificuldade de
comunicação, impossível seguir recomendações, reações dos
provedores de saúde
- PRIORIZAR EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃO
- PERMITIR CONTROLE DAMULHER = CARTÃO DE P.N.
PREENCHIDOADEQUADAMENTE
- CRIAR VÍNCULO:MESMO PROVEDOR OU EQUIPE PEQUENA
As Metas de Assistência Pré-Natal
• Uma gestação com o mínimo de desconforto físico
E emocional e a máxima gratificação;
• O estabelecimento de bons hábitos de saúde, para
beneficiar a mãe e feto;
• Um nascimento que ocorra nas melhores
circunstâncias;
• Uma criança normal e saudável;
• O preparo para a maternidade precoce.
• Objetivos:
- Controle da saúde materna;
- Rastreamento da vitalidade e crescimento fetal;
- Detectar precocemente as doenças específicas do ciclo
gravídico puerperal.
CONSULTA INICIAL
- Anamnese
- Cartão da gestante
- Exame Físico
- Exames Laboratoriais
- Exames Eventuais
- Situação Vacinal
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
• Exames Laboratoriais:
- Exame de urina;
- Hemograma (Htc, Hb, tipo sangüíneo e Rh);
- HbsAg (Hepatite B);
- Glicemia de jejum;
- VDRL (Sifilis);
- Titulação de Rubéola;
- Toxoplasmose;
- Anti- HIV I e II (opcional);
- Exame papanicolau (células cervicais pré-
cancerosas).
• Exames eventuais:
- Teste de combs indireto no caso da
grávida ser Rh negativa;
- Urocultura em casos de alto risco.
• Situação Vacinal:
Deve ser avaliada na primeira consulta de
pré natal.
- Hepatite B.
- Triviral (não é recomendada).
ESQUEMAS BÁSICOS DE VACINAÇÃO dT
HISTÓRICO VACINAL CONDUTA
Sem nenhuma dose registrada. Iniciar o esquema vacinal o mais
Precocemente possível,
independentemente da idade
gestacional, com 3 doses, com
intervalo de 60 dias ou, no mínimo,
30 dias.
Menos de 3 doses. Completar as 3 doses o mais
precocemente possível, com
intervalo de 60 dias ou, no mínimo,
30 dias.
3 doses ou mais, sendo a última dose
há menos de 5 anos.
Não é necessário vacinar.
3 doses ou mais, sendo a última dose
há mais de 5 anos.
1 dose de reforço.
- Antitetânica (dT).
CONSULTAS SUBSEQUENTES
• VERIFICA-SE:
- Peso e PA;
- Presenças de Proteína e glicose na urina
(hipertensão e diabetes);
- Altura uterina;
- Verificação da situação e apresentação do
feto;
- Ausculta de BCF (Batimentos Cárdio-
fetais);
- Avaliação dos movimentos fetais;
- Queixas da paciente.
Avaliação de PA
• Técnica de aferição
• Hipertensão arterial > ou = 140x90mmHg (2x)
• PAD > ou = 110mmHg (1x)
ACHADO CONDUTA
PA conhecida,normal e
mantida
Manter calendário
Ativ. física, diminuir sal,
Aumentar líquidos
PA conhecida, normal, se eleva
(<140x90) ALERTA
Remarca consulta 7 a 15 dias
Sintomas alarmes
proteinúria
140x90 e/ou sintomas
Ou acima de 160x110
Uso de antihipertensivos
ALTO RISCO
Procedimentos no Exame Físico:
- Pesagem.
Peso
Bom estado nutricional:
Segue o calendário natural
Orientações alimentar
Insuficiente para idade
gestacional:
História alimentar, hiperêmese,
infecções, anemias,
parasitoses
Intervalos menores
Peso superior:
Obesidade, edemas,
hidrâmnios, macrossomias,
gravidez múltiplas
Ganho ponderal médio: 11 a 16 kg
Calcula-se o IMC para IG – Baixo peso, Adequado,
Sobrepeso, obesidade
- Membros inferiores e região sacra pesquisa
de edema.
- Medidas dos Dados Vitais.
- Exames das mamas e especular.
- Medida da altura uterina.
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
- Ausculta do Batimentos Cárdio-Fetais (BCF)
Utilizando o Esteto de Pinard (após 20 semanas)
Utilizando o Sonar (a partir de 10 a 12 semanas)
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
- Avaliação da Apresentação, Situação Fetal, encaixe e N°
fetal. ( manobras de Leopold)
• Outras orientações referem-se a algumas das
sintomatologias mais comuns no primeiro
trimestre:
a) Náuseas e vômitos
b) Sialorréia
c) Fraqueza, vertigens e desmaios
d) Corrimento vaginal
e) Polaciúria
f) Sangramento nas gengivas
• Podemos ainda encontrar queixas
freqüentes no segundo e até mesmo no
terceiro trimestre:
a) Pirose (azia)
b) Flatulência, constipação intestinal, dor
abdominal e cólicas
c) Hemorróidas
d) Alteração do padrão respiratório
e) Desconforto mamário
f) Lombalgia
g) Cefaléia
h) Varizes
i) Câimbras
j) Hiperpigmentação da pele
l) Estrias
m) Edemas
Ferro, Ácido Fólico, Hidróxido de
alumínio e Outras Vitaminas
• protoparasitológico: solicitado na primeira
consulta, sobretudo para mulheres de baixa renda;
• colpocitologia oncótica (papanicolau), se a mulher
não a tiver realizado nos últimos três anos ou se
houver indicação;
• bacterioscopia da secreção vaginal: em torno da
30ª semana de gestação, particularmente nas
mulheres com antecedente de prematuridade;
• sorologia para rubéola;
• urocultura para o diagnóstico de bacteriúria
assintomática, em que exista disponibilidade para
esse exame;
• ultra-sonografia obstétrica realizada
precocemente durante a gestação nas unidades já
estruturadas para isso, com o exame disponível.
Controles maternos
• Cálculo e anotação da idade gestacional;
• Determinação do peso para avaliação do
índice de massa corporal (IMC).
• Anotar no gráfico e observar o sentido da
curva para avaliação do estado nutricional;
• Medida da pressão arterial (observar a
aferição da PA com técnica adequada);
• Palpação obstétrica e medida da altura
uterina. Anotar no gráfico e
• Observar o sentido da curva para avaliação
do crescimento fetal
• Pesquisa de edema;
• Verificação dos resultados dos testes para
sífilis (VDRL e confirmatório, sempre que
possível) e, no caso de resultado positivo,
o esquema terapêutico utilizado (na
gestante e em seu parceiro), além do
resultado dos
• Exames (VDRL) realizados mensalmente
para o controle de cura;
- Desnutrição;
- A idade da mulher (> 35 anos);
- Adolescência ou pouca idade;
- História obstétrica anterior com problemas;
- Ambiente de trabalho da mulher (por
exemplo, exposição à radiação).
• Ultra sonografias:
- Detecção de retardo no crescimento fetal;
- Confirmação precoce da gestação;
- Determinação da idade gestacional;
- Identificação de fetos múltiplos;
- Detecção de anomalias fetais (hidrocefalia,
hidrâmnio, mola hidatiforme);
- Detecção do mau posicionamento fetal;
- Determinação da localização da placenta;
- Diagnóstico de gestação extra-uterina;
- Avaliação do crescimento fetal;
- Avaliação da posição e apresentação fetais;
- Avaliação da viabilidade fetal.
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Ultra som morfológico (11 semanas)
Ultra som 3 D e 4 D
•Amniocentese:
Complicações (chance de 1 %):
- Abortamento expontâneo;
- Trauma fetal;
- Infecção fetal;
- Sensibilização de uma mãe RH-, pelo
sangramento fetal.
• Indicações:
- Detecção de defeitos congênitos;
- Detecção de defeitos genéticos (S. Down,
anemia falciforme, hemofilia);
- Investigação de defeitos no tubo neural
(presença da alfa-feto-proteína) como a
espinha bífida, anencefalia e
meningomielocele.
- Para problemas genéticos é realizada entre
a 14 e 16 semanas de gestação.
- Para outras indicações entre a 34 e a 36
semanas de gestação.
•Análise do Líquido Amniótico:
- Órgãos que podem ser avaliados:
pulmões, fígado, rins e pele;
- Relação Lecitina Esfingomielina:
verifica maturidade fetal;
- Creatinina: Maturidade renaI fetal;
- Bilirrubina: função hepática;
- Células da pele fetal: algumas
anormalidades fetais.
• Procedimento:
• Cordocentese:
Este exame consiste em se introduzir uma agulha
guiada pela imagem da ultra-sonografia, através do
abdome materno até o cordão umbilical do feto, de
onde é extraída uma amostra de sangue fetal.
• Indicações:
Saber se o feto foi atingido por uma doença
contraída pela mãe, como rubéola, toxoplasmose,
ou se ele sofre de anomalias sangüíneas graves ou
de um eventual déficit imunitário.
• O exame só pode ser realizado após a 20a semana e o risco
de perder o bebê, é maior: 2%

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Assistência pre natal - gestante de baixo risco

PNBR 2016
PNBR 2016PNBR 2016
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
chirlei ferreira
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
chirlei ferreira
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Prenatal baixo risco
Prenatal baixo riscoPrenatal baixo risco
Prenatal baixo risco
Ceça Botelho
 
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptxTRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
douglas870578
 
Pre Natal
Pre NatalPre Natal
Pre Natal
ITPAC PORTO
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
Danubia7410
 
PESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASILPESQUISA NASCER NO BRASIL
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Auro Gonçalves
 
Gravidez nos CSP
Gravidez nos CSPGravidez nos CSP
Gravidez nos CSP
Eluisa Silva
 
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptxAssistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
VitriaMaria56
 
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicialDiagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5
Nayara Wanderley
 
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à SaúdeA Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
Consulta de pre natal
Consulta de pre natalConsulta de pre natal
Consulta de pre natal
ilanaseixasladeia
 
Protocolo de hepatite
Protocolo de hepatiteProtocolo de hepatite
Protocolo de hepatite
tvf
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
Heloísa Ximenes
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
Heloísa Ximenes
 

Semelhante a Assistência pre natal - gestante de baixo risco (20)

PNBR 2016
PNBR 2016PNBR 2016
PNBR 2016
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Pré-Natal
 
Prenatal baixo risco
Prenatal baixo riscoPrenatal baixo risco
Prenatal baixo risco
 
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptxTRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
 
Pre Natal
Pre NatalPre Natal
Pre Natal
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
 
PESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASILPESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASIL
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiar
 
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
 
Gravidez nos CSP
Gravidez nos CSPGravidez nos CSP
Gravidez nos CSP
 
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptxAssistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
 
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicialDiagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
 
Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5
 
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à SaúdeA Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
 
Consulta de pre natal
Consulta de pre natalConsulta de pre natal
Consulta de pre natal
 
Protocolo de hepatite
Protocolo de hepatiteProtocolo de hepatite
Protocolo de hepatite
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 

Assistência pre natal - gestante de baixo risco

  • 1. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PRÉ-NATAL O PRÉ – NATAL DA GESTANTE DE BAIXO RISCO
  • 2. OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL Acolher a mulher desde o início Promoção de saúde Prevenção ou detecção precoce de afecções Melhor qualidade de vida e Cidadania plena
  • 3. REDE CEGONHA •É uma Rede de cuidados que assegura às MULHERES o direito ao planejamento reprodutivo, à atenção humanizada à gravidez, parto e puerpério e as CRIANÇAS o direito ao nascimento seguro, crescimento e desenvolvimento saudáveis.
  • 4. • Ampliação do acesso, acolhimento e melhoria da qualidade do pré-natal. • Transporte tanto para o pré-natal quanto para o parto. • Vinculação da gestante à unidade de referência para assistência ao parto - “Gestante não peregrina!” e “Vaga sempre para gestantes e bebês!”. • Realização de parto e nascimento seguros, através de boas práticas de atenção. • Acompanhante no parto, de livre escolha da gestante.
  • 5. • • Acompanhante no parto, de livre escolha da gestante. • Atenção à saúde da criança de 0 a 24 meses com qualidade e resolutividade. • Acesso ao planejamento reprodutivo.
  • 6. OBJETIVOS • Respeito, a proteção e a realização dos direitos humanos; • O respeito à diversidade cultural, étnica e racial; • A promoção da equidade; • O enfoque de gênero; • A garantia dos direitos sexuais e dos direitos reprodutivos de mulheres, homens, jovens e adolescentes; • A participação e a mobilização social; e • A compatibilização com as atividades das redes de atenção à saúde materna e infantil em desenvolvimento nos Estados.
  • 7. Diagnóstico de Gravidez e Seguimento Pré-Natal ATRASO MENSTRUAL C/EXPOSIÇÃO A RISCO DE GESTAÇÃO RESULTADO POSITIVO RESULTADO NEGATIVO SOLICITAR EXAMES DE ROTINA PRÉ-NATAL ACONSELHAMENTO PRÉ-EXAMES (OFERECIMENTO OBRIGATÓRIO) REPETIR TESTE DE URINA APÓS 15 DIAS de atraso C/ 1ª URINA DA MANHÃ BAIXO RISCO Inserção no SISPRENATAL RESULTADO NEGATIVO
  • 8. REPETIR VDRL, ANTI HIV E UROCULTURA COM 28 SEMANAS INTERCALAR CONSULTA MÉDICA COM CONSULTA DE ENFERMAGEM ATÉ 27ª SEMANA APÓS 37ª até 41 sem CONSULTA MÉDICA E DE ENFER MAGEM SEMANAL PERSISTINDO AMENORRÉIA A(O) ENFERMEIRA(O) DEVERÁ SOLICITAR BHCG NO SANGUE 28ª -36ªsem - CONSULTA MÉDICA E CONSULTA DE ENFERMAGEM QUINZENAL INTERCALADAS OU A CADA 3 SEMANAS UMA VISITA DOMICILIAR DA(O) ENFERMEIRA(O) RESULTADO NEGATIVO PERSISTINDO AMENORRÉIA AGENDAR CONSULTA MÉDICA E ORIENTAR QUANTO AO PLANEJAMENTO FAMILIAR
  • 9. RESULTADO NEGATIVO APÓS BHCG DESEJO DE CONTRACEPÇÃO DESEJO DE ENGRAVIDAR SIM NÃO GRUPO DE PLANEJAMENTO FAMILIAR ORIENTAR PREVENÇÃO DST/AIDS AGENDAR CONSULTA MÉDICA
  • 10. Atenção baseada em evidências: “ Uso consciente, criterioso e explícito das melhores evidências atuais para tomar decisões sobre o atendimento a pacientes individuais” Apoio às gestantes: “Amelhor assistência não será efetiva se não estiver disponível para aqueles que necessitam dela” exemplos: adolescentes, imigrantes, vulnerabilidade social = adiam assistência(sentem-se pouco à vontade)= dificuldade de comunicação, impossível seguir recomendações, reações dos provedores de saúde - PRIORIZAR EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃO - PERMITIR CONTROLE DAMULHER = CARTÃO DE P.N. PREENCHIDOADEQUADAMENTE - CRIAR VÍNCULO:MESMO PROVEDOR OU EQUIPE PEQUENA
  • 11. As Metas de Assistência Pré-Natal • Uma gestação com o mínimo de desconforto físico E emocional e a máxima gratificação; • O estabelecimento de bons hábitos de saúde, para beneficiar a mãe e feto; • Um nascimento que ocorra nas melhores circunstâncias; • Uma criança normal e saudável; • O preparo para a maternidade precoce.
  • 12. • Objetivos: - Controle da saúde materna; - Rastreamento da vitalidade e crescimento fetal; - Detectar precocemente as doenças específicas do ciclo gravídico puerperal.
  • 13. CONSULTA INICIAL - Anamnese - Cartão da gestante - Exame Físico - Exames Laboratoriais - Exames Eventuais - Situação Vacinal
  • 15. • Exames Laboratoriais: - Exame de urina; - Hemograma (Htc, Hb, tipo sangüíneo e Rh); - HbsAg (Hepatite B); - Glicemia de jejum; - VDRL (Sifilis); - Titulação de Rubéola; - Toxoplasmose; - Anti- HIV I e II (opcional); - Exame papanicolau (células cervicais pré- cancerosas).
  • 16. • Exames eventuais: - Teste de combs indireto no caso da grávida ser Rh negativa; - Urocultura em casos de alto risco. • Situação Vacinal: Deve ser avaliada na primeira consulta de pré natal. - Hepatite B. - Triviral (não é recomendada).
  • 17. ESQUEMAS BÁSICOS DE VACINAÇÃO dT HISTÓRICO VACINAL CONDUTA Sem nenhuma dose registrada. Iniciar o esquema vacinal o mais Precocemente possível, independentemente da idade gestacional, com 3 doses, com intervalo de 60 dias ou, no mínimo, 30 dias. Menos de 3 doses. Completar as 3 doses o mais precocemente possível, com intervalo de 60 dias ou, no mínimo, 30 dias. 3 doses ou mais, sendo a última dose há menos de 5 anos. Não é necessário vacinar. 3 doses ou mais, sendo a última dose há mais de 5 anos. 1 dose de reforço. - Antitetânica (dT).
  • 18. CONSULTAS SUBSEQUENTES • VERIFICA-SE: - Peso e PA; - Presenças de Proteína e glicose na urina (hipertensão e diabetes); - Altura uterina; - Verificação da situação e apresentação do feto; - Ausculta de BCF (Batimentos Cárdio- fetais); - Avaliação dos movimentos fetais; - Queixas da paciente.
  • 19. Avaliação de PA • Técnica de aferição • Hipertensão arterial > ou = 140x90mmHg (2x) • PAD > ou = 110mmHg (1x) ACHADO CONDUTA PA conhecida,normal e mantida Manter calendário Ativ. física, diminuir sal, Aumentar líquidos PA conhecida, normal, se eleva (<140x90) ALERTA Remarca consulta 7 a 15 dias Sintomas alarmes proteinúria 140x90 e/ou sintomas Ou acima de 160x110 Uso de antihipertensivos ALTO RISCO
  • 20. Procedimentos no Exame Físico: - Pesagem.
  • 21. Peso Bom estado nutricional: Segue o calendário natural Orientações alimentar Insuficiente para idade gestacional: História alimentar, hiperêmese, infecções, anemias, parasitoses Intervalos menores Peso superior: Obesidade, edemas, hidrâmnios, macrossomias, gravidez múltiplas Ganho ponderal médio: 11 a 16 kg Calcula-se o IMC para IG – Baixo peso, Adequado, Sobrepeso, obesidade
  • 22. - Membros inferiores e região sacra pesquisa de edema. - Medidas dos Dados Vitais. - Exames das mamas e especular.
  • 23. - Medida da altura uterina.
  • 26. - Ausculta do Batimentos Cárdio-Fetais (BCF) Utilizando o Esteto de Pinard (após 20 semanas)
  • 27. Utilizando o Sonar (a partir de 10 a 12 semanas)
  • 29. - Avaliação da Apresentação, Situação Fetal, encaixe e N° fetal. ( manobras de Leopold)
  • 30. • Outras orientações referem-se a algumas das sintomatologias mais comuns no primeiro trimestre: a) Náuseas e vômitos b) Sialorréia c) Fraqueza, vertigens e desmaios d) Corrimento vaginal e) Polaciúria f) Sangramento nas gengivas
  • 31. • Podemos ainda encontrar queixas freqüentes no segundo e até mesmo no terceiro trimestre: a) Pirose (azia) b) Flatulência, constipação intestinal, dor abdominal e cólicas c) Hemorróidas d) Alteração do padrão respiratório e) Desconforto mamário
  • 32. f) Lombalgia g) Cefaléia h) Varizes i) Câimbras j) Hiperpigmentação da pele l) Estrias m) Edemas
  • 33. Ferro, Ácido Fólico, Hidróxido de alumínio e Outras Vitaminas
  • 34. • protoparasitológico: solicitado na primeira consulta, sobretudo para mulheres de baixa renda; • colpocitologia oncótica (papanicolau), se a mulher não a tiver realizado nos últimos três anos ou se houver indicação; • bacterioscopia da secreção vaginal: em torno da 30ª semana de gestação, particularmente nas mulheres com antecedente de prematuridade; • sorologia para rubéola; • urocultura para o diagnóstico de bacteriúria assintomática, em que exista disponibilidade para esse exame; • ultra-sonografia obstétrica realizada precocemente durante a gestação nas unidades já estruturadas para isso, com o exame disponível.
  • 35. Controles maternos • Cálculo e anotação da idade gestacional; • Determinação do peso para avaliação do índice de massa corporal (IMC). • Anotar no gráfico e observar o sentido da curva para avaliação do estado nutricional; • Medida da pressão arterial (observar a aferição da PA com técnica adequada); • Palpação obstétrica e medida da altura uterina. Anotar no gráfico e • Observar o sentido da curva para avaliação do crescimento fetal
  • 36. • Pesquisa de edema; • Verificação dos resultados dos testes para sífilis (VDRL e confirmatório, sempre que possível) e, no caso de resultado positivo, o esquema terapêutico utilizado (na gestante e em seu parceiro), além do resultado dos • Exames (VDRL) realizados mensalmente para o controle de cura;
  • 37. - Desnutrição; - A idade da mulher (> 35 anos); - Adolescência ou pouca idade; - História obstétrica anterior com problemas; - Ambiente de trabalho da mulher (por exemplo, exposição à radiação).
  • 38. • Ultra sonografias: - Detecção de retardo no crescimento fetal; - Confirmação precoce da gestação; - Determinação da idade gestacional; - Identificação de fetos múltiplos; - Detecção de anomalias fetais (hidrocefalia, hidrâmnio, mola hidatiforme); - Detecção do mau posicionamento fetal;
  • 39. - Determinação da localização da placenta; - Diagnóstico de gestação extra-uterina; - Avaliação do crescimento fetal; - Avaliação da posição e apresentação fetais; - Avaliação da viabilidade fetal.
  • 41. Ultra som morfológico (11 semanas)
  • 42. Ultra som 3 D e 4 D
  • 43. •Amniocentese: Complicações (chance de 1 %): - Abortamento expontâneo; - Trauma fetal; - Infecção fetal; - Sensibilização de uma mãe RH-, pelo sangramento fetal.
  • 44. • Indicações: - Detecção de defeitos congênitos; - Detecção de defeitos genéticos (S. Down, anemia falciforme, hemofilia); - Investigação de defeitos no tubo neural (presença da alfa-feto-proteína) como a espinha bífida, anencefalia e meningomielocele. - Para problemas genéticos é realizada entre a 14 e 16 semanas de gestação. - Para outras indicações entre a 34 e a 36 semanas de gestação.
  • 45. •Análise do Líquido Amniótico: - Órgãos que podem ser avaliados: pulmões, fígado, rins e pele; - Relação Lecitina Esfingomielina: verifica maturidade fetal; - Creatinina: Maturidade renaI fetal; - Bilirrubina: função hepática; - Células da pele fetal: algumas anormalidades fetais.
  • 47. • Cordocentese: Este exame consiste em se introduzir uma agulha guiada pela imagem da ultra-sonografia, através do abdome materno até o cordão umbilical do feto, de onde é extraída uma amostra de sangue fetal. • Indicações: Saber se o feto foi atingido por uma doença contraída pela mãe, como rubéola, toxoplasmose, ou se ele sofre de anomalias sangüíneas graves ou de um eventual déficit imunitário.
  • 48. • O exame só pode ser realizado após a 20a semana e o risco de perder o bebê, é maior: 2%