SlideShare uma empresa Scribd logo
Carla Cristiane de O.Pinheiro
 Diminuição da mortalidade infantil nas
últimas décadas
 Mortalidade neonatal está aquém do
desejado
 Mortes por causas evitáveis no que diz
respeito á assistência (pré-natal,intra-parto
e neonatal)
 Aumento dos casos de sífilis,e da hipertensão
arterial sistêmica(causa mais freqüente de
morbi-mortalidade materna e neonatal)
 A rede Cegonha
 Conjunto de iniciativas que envolvem
mudanças:
-No processo de gravidez,parto e nascimento
-Articulação em pontos de atenção em rede
e regulação da assistência obstétrica
-Qualificação Técnica das equipes
- Melhoria da ambiência dos serviços de saúde
-Ampliação dos serviços
-Humanização do parto e do nascimento
 Humanização do parto e do nascimento, com
ampliação das ppler baseadas em evidência;
 Organização dos serviços de saúde enquanto
uma rede de atenção à saúde (RAS);
 Acolhimento da gestante e do bebê, com
classificação de risco em todos os pontos de
atenção;
 Vinculação da gestante à maternidade;
 Gestante não peregrina;
 Realização de exames de rotina com resultados
em tempo oportuno
 O Brasil tem registrado redução na
mortalidade materna desde 1990. Naquele
ano, a razão de mortalidade materna (RMM)
corrigida era de 140 óbitos por 100 mil
nascidos vivos (NV),
 Enquanto em 2007 declinou para 75 óbitos
por 100 mil NV, o que representa uma
diminuição de aproximadamente a metade.
 As mortes maternas podem ser classificadas
como obstétricas diretas ou indiretas.
 As mortes diretas resultam de complicações
surgidas durante a gravidez, o parto ou o
puerpério (período de até 42 dias após o parto),
decorrentes de intervenções, omissões,
tratamento incorreto ou de uma cadeia de
eventos associados a qualquer um desses fatores.
 As mortes indiretas decorrem de doenças
preexistentes ou que se desenvolveram durante a
gestação e que foram agravadas pelos efeitos
fisiológicos da gestação, como problemas
circulatórios e respiratórios.
 Assistência pré-natal adequada
 Detecção precoce de situações de risco
 Sistema ágil de referência hospitalar
 Direito á acompanhante
 Boas práticas,
 Acolhimento com classificação de risco
 Tem potencial de diminuir a morbi-
mortalidade materna e fetal
 Entende-se por avaliação pré-concepcional a
consulta que o casal faz antes de uma
gravidez,objetivando identificar fatores de
risco ou doenças que possam alterar a
evolução normal de uma futura gestação.
 Constitui, assim, instrumento importante na
melhoria dos índices de morbidade e
mortalidade materna e infantil.
 História reprodutiva-diagnosticar e tratar
condições pré-existentes
 Revisar a história obstétrica
 Registro da história menstrual
 História familiar para risco genético-beta
talassemia,anemia falsiforme,síndrome de
down..
 Avaliação médica-hipertensão pulmonar
primária,diabetes mellitus,doenças auto-
imunes
 Rastreamento para doenças infecto-
contagiosas - rubéola, vírus da hepatite B,
citomegalovírus, toxoplasmose, anti-hiv I e II
 Determinação da exposição á medicamentos
 Avaliação nutricional - IMC, discutir hábitos
alimentares, ác. fólico 4mg
 Avaliação social-uso de álcool, tabaco,
expositores ambientais, cafeína, violência
domestica, dificuldades financeiras
 O objetivo do acompanhamento pré-natal é
assegurar o desenvolvimento da gestação,
permitindo o parto de um recém-nascido
saudável, sem impacto para a saúde
materna, inclusive abordando aspectos
psicossociais e as atividades educativas e
preventivas.
 Principal indicador do prognóstico ao
nascimento
 Segundo OMS o número ideal de consultas
seria igual ou superior a seis:
Consultas mensais até 28 semanas
Quinzenais de 28 a 36 semanas
Semanais até o parto
Após 41 semanas encaminhar para avaliação do
bem-estar fetal e indução de parto
 1° PASSO: Iniciar o pré-natal na Atenção Primária à
Saúde até a 12ª semana de gestação(captação precoce)
 2° PASSO: Garantir os recursos humanos, físicos,
materiais e técnicos necessários à atenção pré-natal.
 3° PASSO: Toda gestante deve ter assegurado a
solicitação, realização e avaliação em termo oportuno do
resultado dos exames preconizados no atendimento pré-
natal.
 4° PASSO: Promover a escuta ativa da gestante e de
seus(suas) acompanhantes, considerando aspectos
intelectuais, emocionais, sociais e culturais e não somente
um cuidado biológico: "rodas de gestantes".
 5° PASSO: Garantir o transporte público gratuito da
gestante para o atendimento pré-natal, quando
necessário.
 6° PASSO: É direito do(a) parceiro(a) ser cuidado
(realização de consultas, exames e ter acesso a
informações) antes, durante e depois da gestação: "pré-
natal do(a) parceiro(a)".
 7° PASSO: Garantir o acesso à unidade de referência
especializada, caso seja necessário.
 8° PASSO: Estimular e informar sobre os benefícios do
parto fisiológico, incluindo a elaboração do "Plano de
Parto".
 9° PASSO: Toda gestante tem direito de conhecer e
visitar previamente o serviço de saúde no qual irá dar à
luz (vinculação).
 10° PASSO: As mulheres devem conhecer e exercer os
direitos garantidos por lei no período gravídico-
puerperal.
 Após a confirmação da gravidez, em consulta
médica ou de enfermagem, dá-se início ao
acompanhamento da gestante, com seu
cadastramento no SisPreNatal.
 Os procedimentos e as condutas que se
seguem devem ser realizados
sistematicamente e avaliados em toda
consulta de pré-natal. As condutas e os
achados diagnósticos sempre devem ser
anotados na Ficha de Pré-Natal e no Cartão
da Gestante.
 A sequência de consultas (mensalmente, se
possível)visitas domiciliares e grupos educativos.
 O Cartão da Gestante, com a identificação
preenchida, o número do Cartão Nacional da
Saúde
 O hospital de referência para o parto e as
orientações sobre este;
 O calendário de vacinas e suas orientações;
 A solicitação dos exames de rotina;
 As orientações sobre a participação nas
atividades educativas (reuniões e visitas
domiciliares).
 Idade menor do que 15 e maior do que 35
anos;
 Ocupação: esforço físico excessivo, carga
horária extensa, rotatividade de horário,
exposição a agentes físicos, químicos e
biológicos, estresse;
 Situação familiar insegura e não aceitação da
gravidez, principalmente em se tratando de
adolescente;
 Situação conjugal insegura;
 Baixa escolaridade (menor do que cinco anos
de estudo regular);
 Condições ambientais desfavoráveis;
 Altura menor do que 1,45m;
 IMC que evidencie baixo peso, sobrepeso ou
obesidade.
 Fatores relacionados à história reprodutiva
anterior: Recém-nascido com restrição de
crescimento, pré-termo ou malformado;
Macrossomia fetal;
 Síndromes hemorrágicas ou hipertensivas;
 Intervalo interpartal menor do que dois anos ou
maior do que cinco anos;
 Nuliparidade e multiparidade (cinco ou mais
partos);
 Cirurgia uterina anterior;
 Três ou mais cesarianas.
 Fatores relacionados à gravidez atual:
 Ganho ponderal inadequado;
 Infecção urinária;
 Anemia.
 Fatores relacionados às condições prévias:
 Cardiopatias;
 Pneumopatias graves (incluindo asma
brônquica);
 Nefropatias graves (como insuficiência renal
crônica e em casos de transplantados);
 Endocrinopatias (especialmente diabetes
mellitus, hipotireoidismo e hipertireoidismo
 Doenças hematológicas (inclusive doença
falciforme e talassemia);
 Hipertensão arterial crônica e/ou caso de
paciente que faça uso de anti-hipertensivo
(PA>140/90mmHg antes de 20 semanas de
idade gestacional – IG);
 Doenças neurológicas (como epilepsia);
 Doenças psiquiátricas que necessitam de
acompanhamento (psicoses, depressão grave
etc.);
 Doenças autoimunes (lúpus eritematoso
sistêmico, outras colagenoses);
 Alterações genéticas maternas;
 Antecedente de trombose venosa profunda
ou embolia pulmonar;
 Ginecopatias (malformação uterina,
miomatose, tumores anexiais e outras);
 Portadoras de doenças infecciosas como
hepatites, toxoplasmose, infecção pelo HIV,
sífilis
 terciária (USG com malformação fetal) e
outras DSTs (condiloma);
 Hanseníase;
 Tuberculose;
 Dependência de drogas lícitas ou ilícitas;
 Restrição do crescimento intrauterino;
 Polidrâmnio ou oligoidrâmnio;
 Gemelaridade;
 Malformações fetais ou arritmia fetal;
 Distúrbios hipertensivos da gestação
 Sindromes hemorrágicas
 Pré-eclampsia
 Eclampsia
 Crise hipertensiva
 Amniorexe prematura
 Isoimunização rh
 Anemia grave
 Trabalho de parto prematuro
 Gestação acima de 41 semanas
 Hipertermia
 Abdomen agudo
 Pielonefrite
 Trombose
 Icterícia
 Hiperemese
 Ciur
 Oligodramnio
 Obito fetal
 ANAMNESE-IDENTIFICAÇÃO,ANTECEDENTES
PESSOAIS E FAMILIARES
 ANTECEDENTES MENTRUAIS
 ANTECEDENTES OBSTÉTRICOS COM ENFASE
NA GESTAÇÃO ATUAL
 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL
 MEDIDA DA PRESSÃO ARTERIAL
 PALPAÇÃO ABDOMINAL COM PERCEPÇÃO DA
DINÂMICA
 MEDIDA DE ALTURA UTERINA
 AUSCULTA DE BATIMENTOS CÁRDIO-FETAIS
 VERIFICAÇÃO DA PRESENÇA DE EDEMAS
 EXAME GINECOLÓGICO COM COLETA DE
MATERIAL PARA COLPOCITOLÓGICO
 EXAME DAS MAMAS
 TOQUE VAGINAL
 No exame físico, os mais importantes
componentes que precisam ser incluídos na
primeira visita pré-natal são os seguintes:
peso, altura, pressão arterial, avaliação de
mucosas, da tireoide,das mamas, dos
pulmões, do coração, do abdome e das
extremidades
 No exame ginecológico/obstétrico, deve-se
avaliar a genitália externa, a vagina, o colo
uterino e, no toque bidigital, o útero e os
anexos. Após a 12ª semana, deve-se medir a
altura do fundo uterino no abdome. A
ausculta fetal será possível após a 10ª-12ª
semana, com o sonnar-doppler.
 Datação clínica-através da regra de
Nagelle,medida de fundo uterino(20 semanas
na cicatriz umbilical),ausculta de batimentos
cardio-fetais,percepção de movimentos
fetais
 Datação pela ultrassonogafia- mais acurada
nas primeiras 12 semanas
 Nutrição balanceada- suplementação de
ferro
 Controle de peso- baseia-se no IMC pré-
gestacional normalmente o ganho de peso
total é de 11 a 15 quilos para IMC normal;
IMC baixo até 18; acima do peso no máximo
11 quilos
 1 a 2.5 quilos primeiro trimestre, depois 300
a 400g por semana
 Se até a metade da gestação não tiver ganho
4.5 kg deve ser reavaliado o estado
nutricional
 Náuseas e vômitos recomendações não
farmacológicas- evitar alimentos gordurosos
e apimentados, se alimentar em intervalos
curtos e em pequenas quantidades; fazer um
lanche á noite que contenha proteína
 Exercícios aeróbicos- Contra-indicações-
DHEG, rotura prematura das membranas,
TPP, Incompetência istmo-cervical, CIUR,
SANGRAMENTO PERSISTENTE.
 Hemograma
 Tipagem sanguínea e fator Rh
 Coombs indireto (se for Rh negativo)
 Glicemia em jejum
 Teste rápido de triagem para sífilis e/ou VDRL/RPR
 Teste rápido diagnóstico anti-HIV
 Anti-HIV
 Toxoplasmose IgM e IgG
 Sorologia para hepatite B (HbsAg)
 Urocultura + urina tipo I (sumário de urina – SU, EQU)
 Ultrassonografia obstétrica
 Citopatológico de colo de útero (se for necessário)
 Exame da secreção vaginal (se houver indicação clínica)
 Parasitológico de fezes (se houver indicação clínica)
 Teste de tolerância para glicose com 75g, se
a glicemia estiver acima de 85mg/dl ou se
houver fator de risco (realize este
examepreferencialmente entre a 24ª e a 28ª
semana)
 Coombs indireto (se for Rh negativo)
 Hemograma
 Glicemia em jejum
 Coombs indireto (se for Rh negativo)
 VDRL
 Anti-HIV
 Sorologia para hepatite B (HbsAg)
 Repita o exame de toxoplasmose se o IgG não for
reagente
 Urocultura + urina tipo I (sumário de urina – SU)
 Bacterioscopia de secreção vaginal (a partir de
37 semanas de gestação)
 HEPATITE B
 TÉTANO
 INFLUENZA
 COQUELUXE-DTPA
 Tipagem sanguínea Rh negativo e parceiro Rh
positivo ou fator Rh desconhecido
 Solicite o teste de Coombs indireto:
Se for negativo, deve-se repeti-lo a cada 4
semanas, a partir da 24ª semana;
 Quando for positivo, deve-se referir a
gestante ao pré-natal de alto risco.
 VDRL POSITIVO- TRATE A GESTANTE E O
PARCEIRO
 VDRL NEGATIVO REPETE NO TERCEIRO
TRIMESTRE
 Trate a gestante para infecção do trato urinário
(ITU) empiricamente, até o resultado do
antibiograma.
 Solicite o exame de urina tipo I (sumário de
urina) após o término do tratamento.
 Em caso de ITU de repetição ou refratária ao
tratamento, após ajuste da medicação com o
resultado do antibiograma, é necessário referir a
gestante ao pré-natal de alto risco.
 Caso haja suspeita de pielonefrite, é necessário
referir a gestante ao hospital de referência
De 109 óbitos 47 genitoras tiveram ITU na gestação (43,12%)
 >11 ausência de anemia-suplementação de
ferro 40 mg dia a partir de 20 semanas
 8 a 11 anemia leve a moderada-investigue
parasitoses,suplementaçaõ com120-240 mg
de ferro,repetir com 60 dias
 <8 encaminhamento ao pré-natal de alto
risco
 Jejum -85 a 119 realizar o TTG 75 g de 24 a
28 semanas
 Glicemia de jejum>110 DM GESTACIONAL
 TTG 75G -0,1,2 HORAS-VALORES 92,180,153
JUNTOS
PODEMOS
MAIS!!!!
carla_pinheiro3@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Enfermagem Obstétrica - Diretrizes Assistenciais
Enfermagem Obstétrica - Diretrizes AssistenciaisEnfermagem Obstétrica - Diretrizes Assistenciais
Enfermagem Obstétrica - Diretrizes Assistenciais
Centro Universitário Ages
 
Exames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-NatalExames de Rotina do Pré-Natal
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
Cleidenisia Daiana
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
Stefanny Corrêa
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
Rodrigo Abreu
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
Karen Lira
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Cuidados na gravidez
Cuidados na gravidezCuidados na gravidez
Cuidados na gravidez
joselene beatriz
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
LASM_UIT
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
blogped1
 
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Viviane da Silva
 
Pre Natal
Pre NatalPre Natal
Pre Natal
ITPAC PORTO
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
chirlei ferreira
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
blogped1
 
Paism slider
Paism sliderPaism slider
Paism slider
Dessa Reis
 
Nova CADERNETA da GESTANTE - Ministério da Saúde
Nova CADERNETA da GESTANTE - Ministério da SaúdeNova CADERNETA da GESTANTE - Ministério da Saúde
Nova CADERNETA da GESTANTE - Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo UterinoColeta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 

Mais procurados (20)

Enfermagem Obstétrica - Diretrizes Assistenciais
Enfermagem Obstétrica - Diretrizes AssistenciaisEnfermagem Obstétrica - Diretrizes Assistenciais
Enfermagem Obstétrica - Diretrizes Assistenciais
 
Exames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-NatalExames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-Natal
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APS
 
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Pré-Natal
 
Cuidados na gravidez
Cuidados na gravidezCuidados na gravidez
Cuidados na gravidez
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Pre Natal
Pre NatalPre Natal
Pre Natal
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
 
Paism slider
Paism sliderPaism slider
Paism slider
 
Nova CADERNETA da GESTANTE - Ministério da Saúde
Nova CADERNETA da GESTANTE - Ministério da SaúdeNova CADERNETA da GESTANTE - Ministério da Saúde
Nova CADERNETA da GESTANTE - Ministério da Saúde
 
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo UterinoColeta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
 

Semelhante a Consulta de pre natal

slides 2.ppt
slides 2.pptslides 2.ppt
slides 2.ppt
ClarahFreitas
 
pre natal- classificação de risco osbtetrico
pre natal- classificação  de risco  osbtetricopre natal- classificação  de risco  osbtetrico
pre natal- classificação de risco osbtetrico
MarcosRicardoLeite
 
slides.ppt
slides.pptslides.ppt
slides.ppt
MichelSantos814684
 
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Auro Gonçalves
 
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdfAULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf
EllenSantos73107
 
Rede Cegonha Carmem.ppt
Rede Cegonha  Carmem.pptRede Cegonha  Carmem.ppt
Rede Cegonha Carmem.ppt
DonCorleone22
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
MARY SOUSA
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
MARY SOUSA
 
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomarGravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Luana Ortencio
 
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomarGravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
febrasgo
 
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptxTRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
douglas870578
 
materno-infantil.pptx
materno-infantil.pptxmaterno-infantil.pptx
materno-infantil.pptx
jgbkjbjhvhchgfcgh
 
4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf
Livia Santana
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
JhivagoOliveira
 
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptxAssistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
VitriaMaria56
 
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Osmarino Gomes Pereira
 
Pré-natal.pdf
Pré-natal.pdfPré-natal.pdf
Pré-natal.pdf
Soma Urbanismo
 
Pre natal de alto e baixo risco na atenção básica
Pre natal de alto e baixo risco na atenção básicaPre natal de alto e baixo risco na atenção básica
Pre natal de alto e baixo risco na atenção básica
EvertonMonteiro19
 
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
Tania Fonseca
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
Danubia7410
 

Semelhante a Consulta de pre natal (20)

slides 2.ppt
slides 2.pptslides 2.ppt
slides 2.ppt
 
pre natal- classificação de risco osbtetrico
pre natal- classificação  de risco  osbtetricopre natal- classificação  de risco  osbtetrico
pre natal- classificação de risco osbtetrico
 
slides.ppt
slides.pptslides.ppt
slides.ppt
 
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
 
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdfAULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf
 
Rede Cegonha Carmem.ppt
Rede Cegonha  Carmem.pptRede Cegonha  Carmem.ppt
Rede Cegonha Carmem.ppt
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
 
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomarGravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
 
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomarGravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
 
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptxTRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
 
materno-infantil.pptx
materno-infantil.pptxmaterno-infantil.pptx
materno-infantil.pptx
 
4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
 
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptxAssistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
 
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
 
Pré-natal.pdf
Pré-natal.pdfPré-natal.pdf
Pré-natal.pdf
 
Pre natal de alto e baixo risco na atenção básica
Pre natal de alto e baixo risco na atenção básicaPre natal de alto e baixo risco na atenção básica
Pre natal de alto e baixo risco na atenção básica
 
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
 

Mais de ilanaseixasladeia

Síndromes demênciais
Síndromes demênciaisSíndromes demênciais
Síndromes demênciais
ilanaseixasladeia
 
Sepse
SepseSepse
Cartilha hipertensao sbhas
Cartilha hipertensao sbhasCartilha hipertensao sbhas
Cartilha hipertensao sbhas
ilanaseixasladeia
 
Homeopatia 3 pratica
Homeopatia 3 praticaHomeopatia 3 pratica
Homeopatia 3 pratica
ilanaseixasladeia
 
Homeopatia 3 teórica
Homeopatia 3 teóricaHomeopatia 3 teórica
Homeopatia 3 teórica
ilanaseixasladeia
 
Homeopatia 2 teórica
Homeopatia   2 teóricaHomeopatia   2 teórica
Homeopatia 2 teórica
ilanaseixasladeia
 
Homeopatia 1 teórica
Homeopatia   1 teóricaHomeopatia   1 teórica
Homeopatia 1 teórica
ilanaseixasladeia
 
Farmacologia
FarmacologiaFarmacologia
Farmacologia
ilanaseixasladeia
 
Exercícios físicos para diabéticos
Exercícios físicos para diabéticosExercícios físicos para diabéticos
Exercícios físicos para diabéticos
ilanaseixasladeia
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
ilanaseixasladeia
 
Síndrome coronária. aguda e crônica miguel modificado
Síndrome coronária. aguda e crônica miguel modificadoSíndrome coronária. aguda e crônica miguel modificado
Síndrome coronária. aguda e crônica miguel modificado
ilanaseixasladeia
 
Apresentação diabetes
Apresentação diabetesApresentação diabetes
Apresentação diabetes
ilanaseixasladeia
 

Mais de ilanaseixasladeia (12)

Síndromes demênciais
Síndromes demênciaisSíndromes demênciais
Síndromes demênciais
 
Sepse
SepseSepse
Sepse
 
Cartilha hipertensao sbhas
Cartilha hipertensao sbhasCartilha hipertensao sbhas
Cartilha hipertensao sbhas
 
Homeopatia 3 pratica
Homeopatia 3 praticaHomeopatia 3 pratica
Homeopatia 3 pratica
 
Homeopatia 3 teórica
Homeopatia 3 teóricaHomeopatia 3 teórica
Homeopatia 3 teórica
 
Homeopatia 2 teórica
Homeopatia   2 teóricaHomeopatia   2 teórica
Homeopatia 2 teórica
 
Homeopatia 1 teórica
Homeopatia   1 teóricaHomeopatia   1 teórica
Homeopatia 1 teórica
 
Farmacologia
FarmacologiaFarmacologia
Farmacologia
 
Exercícios físicos para diabéticos
Exercícios físicos para diabéticosExercícios físicos para diabéticos
Exercícios físicos para diabéticos
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Síndrome coronária. aguda e crônica miguel modificado
Síndrome coronária. aguda e crônica miguel modificadoSíndrome coronária. aguda e crônica miguel modificado
Síndrome coronária. aguda e crônica miguel modificado
 
Apresentação diabetes
Apresentação diabetesApresentação diabetes
Apresentação diabetes
 

Consulta de pre natal

  • 1. Carla Cristiane de O.Pinheiro
  • 2.  Diminuição da mortalidade infantil nas últimas décadas  Mortalidade neonatal está aquém do desejado  Mortes por causas evitáveis no que diz respeito á assistência (pré-natal,intra-parto e neonatal)  Aumento dos casos de sífilis,e da hipertensão arterial sistêmica(causa mais freqüente de morbi-mortalidade materna e neonatal)  A rede Cegonha
  • 3.  Conjunto de iniciativas que envolvem mudanças: -No processo de gravidez,parto e nascimento -Articulação em pontos de atenção em rede e regulação da assistência obstétrica -Qualificação Técnica das equipes - Melhoria da ambiência dos serviços de saúde -Ampliação dos serviços -Humanização do parto e do nascimento
  • 4.  Humanização do parto e do nascimento, com ampliação das ppler baseadas em evidência;  Organização dos serviços de saúde enquanto uma rede de atenção à saúde (RAS);  Acolhimento da gestante e do bebê, com classificação de risco em todos os pontos de atenção;  Vinculação da gestante à maternidade;  Gestante não peregrina;  Realização de exames de rotina com resultados em tempo oportuno
  • 5.  O Brasil tem registrado redução na mortalidade materna desde 1990. Naquele ano, a razão de mortalidade materna (RMM) corrigida era de 140 óbitos por 100 mil nascidos vivos (NV),  Enquanto em 2007 declinou para 75 óbitos por 100 mil NV, o que representa uma diminuição de aproximadamente a metade.
  • 6.  As mortes maternas podem ser classificadas como obstétricas diretas ou indiretas.  As mortes diretas resultam de complicações surgidas durante a gravidez, o parto ou o puerpério (período de até 42 dias após o parto), decorrentes de intervenções, omissões, tratamento incorreto ou de uma cadeia de eventos associados a qualquer um desses fatores.  As mortes indiretas decorrem de doenças preexistentes ou que se desenvolveram durante a gestação e que foram agravadas pelos efeitos fisiológicos da gestação, como problemas circulatórios e respiratórios.
  • 7.  Assistência pré-natal adequada  Detecção precoce de situações de risco  Sistema ágil de referência hospitalar  Direito á acompanhante  Boas práticas,  Acolhimento com classificação de risco  Tem potencial de diminuir a morbi- mortalidade materna e fetal
  • 8.  Entende-se por avaliação pré-concepcional a consulta que o casal faz antes de uma gravidez,objetivando identificar fatores de risco ou doenças que possam alterar a evolução normal de uma futura gestação.  Constitui, assim, instrumento importante na melhoria dos índices de morbidade e mortalidade materna e infantil.
  • 9.  História reprodutiva-diagnosticar e tratar condições pré-existentes  Revisar a história obstétrica  Registro da história menstrual  História familiar para risco genético-beta talassemia,anemia falsiforme,síndrome de down..  Avaliação médica-hipertensão pulmonar primária,diabetes mellitus,doenças auto- imunes
  • 10.  Rastreamento para doenças infecto- contagiosas - rubéola, vírus da hepatite B, citomegalovírus, toxoplasmose, anti-hiv I e II  Determinação da exposição á medicamentos  Avaliação nutricional - IMC, discutir hábitos alimentares, ác. fólico 4mg  Avaliação social-uso de álcool, tabaco, expositores ambientais, cafeína, violência domestica, dificuldades financeiras
  • 11.  O objetivo do acompanhamento pré-natal é assegurar o desenvolvimento da gestação, permitindo o parto de um recém-nascido saudável, sem impacto para a saúde materna, inclusive abordando aspectos psicossociais e as atividades educativas e preventivas.
  • 12.  Principal indicador do prognóstico ao nascimento  Segundo OMS o número ideal de consultas seria igual ou superior a seis: Consultas mensais até 28 semanas Quinzenais de 28 a 36 semanas Semanais até o parto Após 41 semanas encaminhar para avaliação do bem-estar fetal e indução de parto
  • 13.  1° PASSO: Iniciar o pré-natal na Atenção Primária à Saúde até a 12ª semana de gestação(captação precoce)  2° PASSO: Garantir os recursos humanos, físicos, materiais e técnicos necessários à atenção pré-natal.  3° PASSO: Toda gestante deve ter assegurado a solicitação, realização e avaliação em termo oportuno do resultado dos exames preconizados no atendimento pré- natal.  4° PASSO: Promover a escuta ativa da gestante e de seus(suas) acompanhantes, considerando aspectos intelectuais, emocionais, sociais e culturais e não somente um cuidado biológico: "rodas de gestantes".  5° PASSO: Garantir o transporte público gratuito da gestante para o atendimento pré-natal, quando necessário.
  • 14.  6° PASSO: É direito do(a) parceiro(a) ser cuidado (realização de consultas, exames e ter acesso a informações) antes, durante e depois da gestação: "pré- natal do(a) parceiro(a)".  7° PASSO: Garantir o acesso à unidade de referência especializada, caso seja necessário.  8° PASSO: Estimular e informar sobre os benefícios do parto fisiológico, incluindo a elaboração do "Plano de Parto".  9° PASSO: Toda gestante tem direito de conhecer e visitar previamente o serviço de saúde no qual irá dar à luz (vinculação).  10° PASSO: As mulheres devem conhecer e exercer os direitos garantidos por lei no período gravídico- puerperal.
  • 15.  Após a confirmação da gravidez, em consulta médica ou de enfermagem, dá-se início ao acompanhamento da gestante, com seu cadastramento no SisPreNatal.  Os procedimentos e as condutas que se seguem devem ser realizados sistematicamente e avaliados em toda consulta de pré-natal. As condutas e os achados diagnósticos sempre devem ser anotados na Ficha de Pré-Natal e no Cartão da Gestante.
  • 16.  A sequência de consultas (mensalmente, se possível)visitas domiciliares e grupos educativos.  O Cartão da Gestante, com a identificação preenchida, o número do Cartão Nacional da Saúde  O hospital de referência para o parto e as orientações sobre este;  O calendário de vacinas e suas orientações;  A solicitação dos exames de rotina;  As orientações sobre a participação nas atividades educativas (reuniões e visitas domiciliares).
  • 17.  Idade menor do que 15 e maior do que 35 anos;  Ocupação: esforço físico excessivo, carga horária extensa, rotatividade de horário, exposição a agentes físicos, químicos e biológicos, estresse;  Situação familiar insegura e não aceitação da gravidez, principalmente em se tratando de adolescente;
  • 18.  Situação conjugal insegura;  Baixa escolaridade (menor do que cinco anos de estudo regular);  Condições ambientais desfavoráveis;  Altura menor do que 1,45m;  IMC que evidencie baixo peso, sobrepeso ou obesidade.  Fatores relacionados à história reprodutiva anterior: Recém-nascido com restrição de crescimento, pré-termo ou malformado; Macrossomia fetal;
  • 19.  Síndromes hemorrágicas ou hipertensivas;  Intervalo interpartal menor do que dois anos ou maior do que cinco anos;  Nuliparidade e multiparidade (cinco ou mais partos);  Cirurgia uterina anterior;  Três ou mais cesarianas.  Fatores relacionados à gravidez atual:  Ganho ponderal inadequado;  Infecção urinária;  Anemia.
  • 20.  Fatores relacionados às condições prévias:  Cardiopatias;  Pneumopatias graves (incluindo asma brônquica);  Nefropatias graves (como insuficiência renal crônica e em casos de transplantados);  Endocrinopatias (especialmente diabetes mellitus, hipotireoidismo e hipertireoidismo
  • 21.  Doenças hematológicas (inclusive doença falciforme e talassemia);  Hipertensão arterial crônica e/ou caso de paciente que faça uso de anti-hipertensivo (PA>140/90mmHg antes de 20 semanas de idade gestacional – IG);  Doenças neurológicas (como epilepsia);  Doenças psiquiátricas que necessitam de acompanhamento (psicoses, depressão grave etc.);
  • 22.  Doenças autoimunes (lúpus eritematoso sistêmico, outras colagenoses);  Alterações genéticas maternas;  Antecedente de trombose venosa profunda ou embolia pulmonar;  Ginecopatias (malformação uterina, miomatose, tumores anexiais e outras);  Portadoras de doenças infecciosas como hepatites, toxoplasmose, infecção pelo HIV, sífilis
  • 23.  terciária (USG com malformação fetal) e outras DSTs (condiloma);  Hanseníase;  Tuberculose;  Dependência de drogas lícitas ou ilícitas;
  • 24.  Restrição do crescimento intrauterino;  Polidrâmnio ou oligoidrâmnio;  Gemelaridade;  Malformações fetais ou arritmia fetal;  Distúrbios hipertensivos da gestação
  • 25.  Sindromes hemorrágicas  Pré-eclampsia  Eclampsia  Crise hipertensiva  Amniorexe prematura  Isoimunização rh  Anemia grave  Trabalho de parto prematuro  Gestação acima de 41 semanas
  • 26.  Hipertermia  Abdomen agudo  Pielonefrite  Trombose  Icterícia  Hiperemese  Ciur  Oligodramnio  Obito fetal
  • 27.
  • 28.  ANAMNESE-IDENTIFICAÇÃO,ANTECEDENTES PESSOAIS E FAMILIARES  ANTECEDENTES MENTRUAIS  ANTECEDENTES OBSTÉTRICOS COM ENFASE NA GESTAÇÃO ATUAL
  • 29.  AVALIAÇÃO NUTRICIONAL  MEDIDA DA PRESSÃO ARTERIAL  PALPAÇÃO ABDOMINAL COM PERCEPÇÃO DA DINÂMICA  MEDIDA DE ALTURA UTERINA  AUSCULTA DE BATIMENTOS CÁRDIO-FETAIS  VERIFICAÇÃO DA PRESENÇA DE EDEMAS  EXAME GINECOLÓGICO COM COLETA DE MATERIAL PARA COLPOCITOLÓGICO  EXAME DAS MAMAS  TOQUE VAGINAL
  • 30.  No exame físico, os mais importantes componentes que precisam ser incluídos na primeira visita pré-natal são os seguintes: peso, altura, pressão arterial, avaliação de mucosas, da tireoide,das mamas, dos pulmões, do coração, do abdome e das extremidades
  • 31.  No exame ginecológico/obstétrico, deve-se avaliar a genitália externa, a vagina, o colo uterino e, no toque bidigital, o útero e os anexos. Após a 12ª semana, deve-se medir a altura do fundo uterino no abdome. A ausculta fetal será possível após a 10ª-12ª semana, com o sonnar-doppler.
  • 32.  Datação clínica-através da regra de Nagelle,medida de fundo uterino(20 semanas na cicatriz umbilical),ausculta de batimentos cardio-fetais,percepção de movimentos fetais  Datação pela ultrassonogafia- mais acurada nas primeiras 12 semanas
  • 33.  Nutrição balanceada- suplementação de ferro  Controle de peso- baseia-se no IMC pré- gestacional normalmente o ganho de peso total é de 11 a 15 quilos para IMC normal; IMC baixo até 18; acima do peso no máximo 11 quilos  1 a 2.5 quilos primeiro trimestre, depois 300 a 400g por semana  Se até a metade da gestação não tiver ganho 4.5 kg deve ser reavaliado o estado nutricional
  • 34.  Náuseas e vômitos recomendações não farmacológicas- evitar alimentos gordurosos e apimentados, se alimentar em intervalos curtos e em pequenas quantidades; fazer um lanche á noite que contenha proteína  Exercícios aeróbicos- Contra-indicações- DHEG, rotura prematura das membranas, TPP, Incompetência istmo-cervical, CIUR, SANGRAMENTO PERSISTENTE.
  • 35.  Hemograma  Tipagem sanguínea e fator Rh  Coombs indireto (se for Rh negativo)  Glicemia em jejum  Teste rápido de triagem para sífilis e/ou VDRL/RPR  Teste rápido diagnóstico anti-HIV  Anti-HIV  Toxoplasmose IgM e IgG  Sorologia para hepatite B (HbsAg)  Urocultura + urina tipo I (sumário de urina – SU, EQU)  Ultrassonografia obstétrica  Citopatológico de colo de útero (se for necessário)  Exame da secreção vaginal (se houver indicação clínica)  Parasitológico de fezes (se houver indicação clínica)
  • 36.  Teste de tolerância para glicose com 75g, se a glicemia estiver acima de 85mg/dl ou se houver fator de risco (realize este examepreferencialmente entre a 24ª e a 28ª semana)  Coombs indireto (se for Rh negativo)
  • 37.  Hemograma  Glicemia em jejum  Coombs indireto (se for Rh negativo)  VDRL  Anti-HIV  Sorologia para hepatite B (HbsAg)  Repita o exame de toxoplasmose se o IgG não for reagente  Urocultura + urina tipo I (sumário de urina – SU)  Bacterioscopia de secreção vaginal (a partir de 37 semanas de gestação)
  • 38.  HEPATITE B  TÉTANO  INFLUENZA  COQUELUXE-DTPA
  • 39.  Tipagem sanguínea Rh negativo e parceiro Rh positivo ou fator Rh desconhecido  Solicite o teste de Coombs indireto: Se for negativo, deve-se repeti-lo a cada 4 semanas, a partir da 24ª semana;  Quando for positivo, deve-se referir a gestante ao pré-natal de alto risco.
  • 40.  VDRL POSITIVO- TRATE A GESTANTE E O PARCEIRO  VDRL NEGATIVO REPETE NO TERCEIRO TRIMESTRE
  • 41.
  • 42.  Trate a gestante para infecção do trato urinário (ITU) empiricamente, até o resultado do antibiograma.  Solicite o exame de urina tipo I (sumário de urina) após o término do tratamento.  Em caso de ITU de repetição ou refratária ao tratamento, após ajuste da medicação com o resultado do antibiograma, é necessário referir a gestante ao pré-natal de alto risco.  Caso haja suspeita de pielonefrite, é necessário referir a gestante ao hospital de referência
  • 43. De 109 óbitos 47 genitoras tiveram ITU na gestação (43,12%)
  • 44.
  • 45.
  • 46.  >11 ausência de anemia-suplementação de ferro 40 mg dia a partir de 20 semanas  8 a 11 anemia leve a moderada-investigue parasitoses,suplementaçaõ com120-240 mg de ferro,repetir com 60 dias  <8 encaminhamento ao pré-natal de alto risco
  • 47.  Jejum -85 a 119 realizar o TTG 75 g de 24 a 28 semanas  Glicemia de jejum>110 DM GESTACIONAL  TTG 75G -0,1,2 HORAS-VALORES 92,180,153
  • 48.