SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 88
Baixar para ler offline
PRÉ-NATAL DE BAIXO
RISCO
ENFA ESP. ELLEN SANTOS
SINAIS DA GRAVIDEZ
Sinais de
presunção de
gravidez
(sinais
inespecíficos que
podem estar
presentes na
gestação ou em
outras
circunstâncias)
> Atraso menstrual (amenorréia)
> Manifestações clínicas ( náuseas,
vômitos, tonturas, salivação
excessiva, mudança de apetite,
aumento da frequência urinária e
sonolência);
> Modificações anatômicas ( aumento
do volume das mamas,
hipersensibilidade dos mamilos,
tubérculos de Montgomery, saída
de colostro pelo mamilo, coloração
violácea vulvar, cianose vaginal e
cervical, aumento do volume
abdominal)
SINAIS DA GRAVIDEZ
Sinais de
probabilidade
(indicam grandes
chances de
gravidez)
> Amolecimento da cérvice
uterina (sinal de Goodell), com
posterior aumento de seu volume;
> Paredes vaginais aumentadas,
com aumento da vascularização
(pode-se observar pulsação da
artéria vaginal nos fundos de
sacos laterais);
> Positividade da fração beta do
HCG no soro materno a partir do
oitavo ou nono dia depois da
fertilização.
SINAIS DA GRAVIDEZ
Sinais de
certeza
> Presença dos batimentos cardíacos
fetais (BCF), que são detectados
pelo SONAR, a partir de 10 a 12
semanas, e pelo PINARD, a partir de
20 semanas.
➢ Percepção dos movimentos fetais
( de 18 a 20 semanas);
> Ultrassonografia: o saco
gestacional pode ser observado por
via transvaginal com apenas 4 a 5
semanas gestacionais, e a atividade
cardíaca é a primeira manifestação do
embrião com 6 semanas gestacionais.
9 PASSOS PARA O PRÉ-NATAL
DE QUALIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA
1° PASSO: Iniciar o pré-natal na Atenção Primária à Saúde até a
12ª semana de gestação (captação precoce).
2° PASSO: Garantir os recursos humanos, físicos, materiais e
técnicos necessários à atenção pré-natal.
3° PASSO: Toda gestante deve ter assegurado a solicitação,
realização e avaliação em termo oportuno do resultado dos
exames preconizados no atendimento pré-natal.
4° PASSO: Garantir o transporte público gratuito da gestante
para o atendimento pré-natal, quando necessário.
5° PASSO: É direito do(a) parceiro(a) ser cuidado (realização de
consultas, exames e ter acesso a informações) antes, durante e
depois da gestação: "pré-natal do(a) parceiro(a)".
6° PASSO: Garantir o acesso à unidade de referência
especializada, caso seja necessário.
7° PASSO: Estimular e informar sobre os benefícios do parto
fisiológico, incluindo a elaboração do "Plano de Parto".
8° PASSO: Toda gestante tem direito de conhecer e visitar
previamente o serviço de saúde no qual irá dar à luz (vinculação).
9° PASSO: As mulheres devem conhecer e exercer os direitos
garantidos por lei no período gravídico-puerperal.
9 PASSOS PARA O PRÉ-NATAL
DE QUALIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA
Parâmetros Estabelecidos na Atenção Pré-
Natal e Puerperal
Captação precoce das gestantes com realização da
primeira consulta de pré-natal até 120 dias da gestação;
Realização de, no mínimo, 6 (seis) consultas de pré-natal,
sendo, preferencialmente,uma no primeiro trimestre,
duas no segundo trimestre e três no terceiro trimestre
da gestação;
Escuta da mulher e de seus(suas) acompanhantes,
esclarecendo dúvidas e informando sobre o que vai ser
feito durante a consulta e as condutas a serem adotadas.
Atividades ou Procedimentos durante a
Atenção Pré-Natal
Atividades educativas a serem realizadas em grupo
ou individualmente, com linguagem clara e
compreensível, proporcionando respostas às
indagações da mulher ou da família e as informações
ecessárias;
Anamnese e exame clínico-obstétrico da gestante;
Exames laboratoriais:
Imunização dT / dTpa / Influenza / Hepatite B/ COVID-
19
Avaliação do estado nutricional
Prevenção ou diagnóstico precoce do câncer de colo
uterino e de mama.
Tratamento das intercorrências da gestação.
Classificação de risco gestacional.
Registro em prontuário e cartão da gestante.
Atenção à mulher e ao recém-nascido na primeira semana
após o parto.
Atividades ou Procedimentos durante a
Atenção Pré-Natal
FLUXOGRAMA PARA DIAGNÓSTICO DA
GRAVIDEZ
Condutas adotadas após a confirmação da
gravidez em consulta
As condutas e os achados diagnósticos sempre devem ser
anotados no prontuário e no cartão da gestante que deve
ser preenchido, e o nome hospital de referência para o
parto.
Fornecer o calendário de vacinas e orientar sobre este.
Solicitar dos exames de rotina
FATORES DE RISCO PARA GRAVIDEZ
Relacionadas as Características individuais e
condições sociodemográficas desfavoráveis
Idade menor ;que 15 e maior que 35 anos
Ocupação: esforço físico excessivo, carga horária
extensa, rotatividade de horário, exposição a
agentes físicos, químicos e biológicos, estress;
Situação familiar insegura e não aceitação da
gravidez, principalmente em se tratando de
adolescente;
Situação conjugal insegura;
Baixa escolaridade (menor que cinco anos de estudo
regular);
Condições ambientais desfavoráveis;
Altura menor que 1,45m;
Peso menor que 45kg e maior que 75kg;
Dependência de drogas lícitas ou ilícitas
FATORES DE RISCO PARA GRAVIDEZ
Relacionadas a História Reprodutiva Anterior
Morte perinatal explicada ou inexplicada;
Recém-nascido com restrição de crescimento, pré-
termo ou malformado;
Abortamento habitual;
Esterilidade/infertilidade;
Intervalo interpartal menor que dois anos ou maior
que cinco anos;
Nuliparidade e multiparidade;
Síndromes hemorrágicas;
Pré-eclâmpsia/eclâmpsia;
Cirurgia uterina anterior;
Macrossomia fetal.
FATORES DE RISCO PARA GRAVIDEZ
Relacionadas a Intercorrências clínicas crônicas
Cardiopatias;
Pneumopatias;
Nefropatias;
Endocrinopatias (especialmente diabetes mellitus);
Hemopatias;
Hipertensão arterial moderada ou grave e/ou em uso
de anti-hipertensivo;
Epilepsia;
Infecção urinária;
Portadoras de doenças infecciosas (hepatites,
toxoplasmose, infecção pelo HIV, sífilis e outras
DST);
Doenças auto-imunes (lupus eritematoso sistêmico,
outras colagenoses);
Ginecopatias (malformação uterina, miomatose,
tumores anexiais e outras).
FATORES DE RISCO PARA GRAVIDEZ
Relacionadas à Doença obstétrica na
gravidez atual
Trabalho de parto prematuro e gravidez prolongada;
Ganho ponderal inadequado;
Pré-eclâmpsia/eclâmpsia;
Amniorrexe prematura;
Hemorragias da gestação;
Óbito fetal.
CONSULTAS
Na primeira consulta de pré-natal deve ser realizada
anamnese, abordando aspectos epidemiológicos, além
dos antecedentes familiares, pessoais, ginecológicos
e obstétricos e a situação da gravidez atual.
O exame físico deverá ser completo,constando
avaliação de cabeça e pescoço, tórax, abdômen,
membros e inspeção de pele e mucosas, seguido por
exame ginecológico e obstétrico.
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
I. HISTÓRIA CLÍNICA (observar cartão da
gestante)
Identificação;
Dados socioe-conômicos;
Antecedentes familiars;
Antecedentes pessoais;
Antecedentes ginecológicos;
Sexualidade;
Antecedentes obstétricos;
Gestação atual.
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
II. EXAME FÍSICO ( Geral) :
determinação do peso e da altura;
medida da pressão arterial
inspeção da pele e das mucosas;
palpação da tireóide e de todo o pescoço, região
cervical e axilar (pesquisa de nódulos ou outras
anormalidades);
ausculta cardiopulmonar;
determinação da freqüência cardíaca;
exame do abdômen;
exame dos membros inferiores;
pesquisa de edema (face, tronco, membros).
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
II. EXAME FÍSICO (Específico (gineco-obstétrico)
Exame das mamas
Palpação obstétrica e identificação da situação e
apresentação fetal;
Medida da altura uterina (AFU);
Ausculta dos batimentos cardíacos fetais;
Inspeção dos genitais externos;
Exame especular (Não está contraindicada a
realização deste exame em mulheres grávidas,
podendo ser feito em qualquer período da gestação,
preferencialmente até o 7º mês).
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
III. EXAMES COMPLEMENTARES (Na primeira
consulta solicitar) :
dosagem de hemoglobina e hematócrito (Hb/Ht);
grupo sangüíneo e fator Rh;
sorologia para sífilis (VDRL): repetir próximo à 30ª
semana
glicemia em jejum : repetir próximo à 30ª semana;
exame sumário de urina (Tipo I): repetir próxima à
30ª semana;
sorologia anti-HIV, com o consentimento da mulher
após o “aconselhamento pré-teste”;
sorologia para hepatite B (HBsAg, de preferência
próximo à 30ª semana de gestação);
sorologia para toxoplasmose (IgM para todas as
gestantes e IgG, quando houver disponibilidade para
realização
A ULTRASSONOGRAFIA DE ROTINA
DURANTE A GESTAÇÃO
OMS preconiza a realização de três exames
ultrassonográficos na gestação:
- Primeiro trimestre: entre 11 e 14 semanas.
- Segundo trimestre: entre 20 e 24 semanas
( morfológica).
- Terceiro trimestre: entre 32 e 36 semanas
Reforçar a orientação com a gestante sobre
alimentação e fazer o acompanhamento do ganho de
peso gestacional;
Incentivar o AME até os seis meses;
Orientar a gestante sobre os sinais de risco e a
necessidade de assistência em cada caso;
Fazer o acompanhamento das condutas adotadas em
serviços especializados, pois a mulher deverá
continuar a ser acompanhada pela equipe da atenção
básica;
Proceder à realização de ações e práticas educativas
individuais e coletivas;
Fazer o agendamento das consultas subsequentes;
Até 28ª semanas – mensalmente;
28ª até a 36ª semanas – quinzenalmente;
36ª até a 41ª semanas – semanalmente.
ROTEIRO DAS CONSULTAS SUBSEQUENTES
I. CONTROLES MATERNOS:
Cálculo e anotação da idade gestacional;
Determinação do peso para avaliação do índice de
massa corporal (IMC). Anotar no gráfico e observar
o sentido da curva para avaliação do estado
nutricional;
Medida da pressão arterial (observar a aferição da
PA com técnica adequada);
Palpação obstétrica e medida da altura uterina.
Anotar no gráfico e observar o sentido da curva
para avaliação do crescimento fetal;
Pesquisa de edema;
Verificação dos resultados dos testes;
Avaliação dos outros resultados de exames
laboratoriais.
ROTEIRO DAS CONSULTAS SUBSEQUENTES
II. CONTROLES FETAIS:
Ausculta dos batimentos cardíacos;
Avaliação dos movimentos percebidos pela mulher
e/ou detectados no exame obstétrico.
ATENÇÃO!!!!
O acompanhamento da mulher, no ciclo grávido-
puerperal, deve ser iniciado o mais
precocemente possível e só se encerra após o
42º dia de puerpério, período em que deverá ter
sido realizada a consulta de puerpério.
MÉTODOS PARA CÁLCULO DA IDADE
GESTACIONAL (IG)
OBJETIVO: estimar o tempo de gravidez/a idade
do feto.
Quando a data da última menstruação (DUM) é
conhecida e de certeza:
-Uso do calendário: somar o número de dias do
intervalo entre a DUM e a data da consulta, dividindo o
total por sete (resultado em semanas);
- Uso de disco (gestograma): colocar a seta sobre o
dia e mês correspondente ao primeiro dia da última
menstruação e observar o número de semanas indicado
no dia e mês da consulta atual.
Quando a DUM é desconhecida, mas se conhece o
período do mês em que ela ocorreu:
- Se o período foi no início, meio ou fim do mês,
considerar como DUM os dias 5, 15 e 25,
respectivamente. Proceder, então, à utilização de um
dos métodos já descritos .
Quando a data e o período da última menstruação
são desconhecidos:
- Quando a data e o período do mês não forem
conhecidos, a IG e a DPP serão, inicialmente,
determinadas por aproximação, basicamente pela
medida da AU e pelo toque vaginal, além da informação
sobre a data de início dos movimentos fetais, que
habitualmente ocorrem entre 18 e 20 semanas.
- Pode-se utilizar a AU e o toque vaginal,
considerando-se os seguintes parâmetros:
* Até a 6ª semana, não ocorre alteração do tamanho
uterino;
* Na 8ª semana, o útero corresponde ao dobro do
tamanho normal;
* Na 10ª semana, o útero corresponde a três vezes
o tamanho habitual;
* Na 12ª semana, o útero enche a pelve, de modo que
é palpável na sínfise púbica;
* Na 16ª semana, o fundo uterino encontra-se entre
a sínfise púbica e a cicatriz umbilical;
* Na 20ª semana, o fundo do útero encontra-se na
altura da cicatriz umbilical;
* A partir da 20ª semana, existe relação direta
entre as semanas da gestação e a medida da AU.
Porém, este parâmetro torna-se menos fiel a partir
da 30ª semana de IG.
OBS: Quando não for possível determinar
clinicamente a IG, solicitar o mais precocemente
possível a USG obstétrica.
OBJETIVO: estimar o período provável para o
nascimento.
MÉTODO: somar sete dias ao primeiro dia da última
menstruação e subtrair três meses ao mês em que
ocorreu a última menstruação (ou adicionar nove
meses, se corresponder aos meses de janeiro a março)
– Regra de Näegele.
Exemplos:
1- DUM : 13/9/21
DPP: 20/6/22 (13+7=20 / 9-3=6)
2- DUM: 27/01/21
DPP: 03/11/21 (27+7=34 / 34-31=3 / 1+9+1=11)
MÉTODOS PARA CÁLCULO DA DATA PROVÁVEL
DO PARTO ( DPP)
PALPAÇÃO OBSTÉTRICA E MEDIDA DA
ALTURA UTERINA (AFU)
OBJETIVOS:
Identificar o crescimento fetal;
Diagnosticar os desvios da normalidade a partir da
relação entre a altura uterina e a idade
gestacional;
Identificar a situação e a apresentação fetal.
PALPAÇÃO OBSTÉTRICA
A palpação obstétrica deve ser realizada antes da
medida da altura uterina. Ela deve iniciar-se pela
delimitação do fundo uterino, bem como de todo o
contorno da superfície uterina (esse procedimento
reduz o risco de erro da medida da altura uterina).
A identificação da situação e da apresentação fetal
é feita por meio da palpação obstétrica,procurando
identificar os pólos cefálico e pélvico e o dorso
fetal, facilmente identificados a partir do terceiro
trimestre. Pode-se, ainda, estimar a quantidade de
líquido amniótico.
MANOBRAS DE PALPAÇÃO (LEOPOLD)
ATENÇÃO!
O feto pode estar em situação longitudinal (mais comum) ou
transversa. A situação transversa reduz a medida de altura
uterina, podendo falsear sua relação com a idade gestacional. As
apresentações mais freqüentes são a cefálica e a pélvica.
ATENÇÃO!
A situação transversa e a apresentação pélvica em fim de
gestação podem significar risco no momento do parto.
Nessas condições, a mulher deve ser, sempre, referida
para unidade hospitalar com condições de atender
distocia.
TÉCNICA DE MEDIDA DA ALTURA
UTERINA
Posicionar a gestante em decúbito dorsal, com o
abdômen descoberto; Delimitar a borda superior da
sínfise púbica e o fundo uterino; Por meio da
palpação, procurar corrigir a comum dextroversão
uterina;
Fixar a extremidade inicial (0cm) da fita métrica,
flexível e não extensível, na borda superior da
sínfise púbica, passando-a entre os dedos indicador
e médio;
Proceder à leitura quando a borda cubital da mão
atingir o fundo uterino;
Anotar a medida, em centímetros, na ficha e no
cartão, e marcar o ponto na curva da altura uterina.
AUSCULTA DOS BATIMENTOS CARDÍACOS
FETAIS (BCF)
É considerada normal a freqüência cardíaca fetal entre
120 a 160 batimentos por minuto.
DETECÇÃO DE EDEMA
Nos membros inferiores:
• Posicionar a gestante em decúbito dorsal ou
sentada, sem meias;
• Pressionar a pele na altura do tornozelo
(região perimaleolar) e na perna,no nível do
seu terço médio, face anterior (região pré-
tibial).
CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS
FREQUENTES
1- NÁUSEAS, VÔMITOS E TONTURAS:
Explicar que esses são sintomas comuns no início
da gestação;
Orientar a mulher para: alimentação fracionada
(seis refeições leves ao dia 3/3h);
Evitar frituras, gorduras e alimentos com cheiros
fortes ou desagradáveis;
Evitar líquidos durante as refeições, dando
preferência à ingestão nos intervalos; ingerir
alimentos sólidos antes de levantar-se pela manhã;
Agendar consulta médica para avaliar a
necessidade de usar medicamentos ou referir ao
pré-natal de alto risco, em caso de vômitos
frequentes;
CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS
FREQUENTES
2- PIROSE (AZIA)
❑Alimentação fracionada, evitando-se frituras;
❑Evitar café, chá preto, mates, doces, alimentos
gordurosos, picantes e irritantes da mucosa gástrica,
álcool e fumo.
Obs.: Em alguns casos, a critério médico, a gestante
pode fazer uso de medicamentos antiácidos.
CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS
FREQUENTES
3- SIALORRÉIA (SALIVAÇÃO EXCESSIVA):
Explicar que esse é um sintoma comum no início
da gestação;
Orientar alimentação semelhante à indicada para
náuseas e vômitos;
CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS
FREQUENTES
4- FRAQUEZAS E DESMAIOS:
Orientar a gestante para que não faça mudanças
bruscas de posição e evite a inatividade;
Indicar alimentação fracionada, evitando jejum
prolongado e grandes intervalos entre as refeições;
Explicar à gestante que sentar com a cabeça
abaixada ou deitar em decúbito lateral, respirando
profunda e pausadamente, melhora a sensação de
fraqueza e desmaio.
CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS
FREQUENTES
5- DOR ABDOMINAL, CÓLICAS, FLATULÊNCIA E
OBSTIPAÇÃO INTESTINAL:
Certificar-se de que não sejam contrações uterinas;
Se a gestante apresentar flacidez da parede
abdominal, sugerir exercícios apropriados;
Se houver flatulências (gases) e/ou obstipação
intestinal: orientar alimentação rica em fibras:
consumo de frutas laxativas e com bagaço, verduras
de preferência cruas e cereais integrais;
recomendar que aumente a ingestão de água e evite
alimentos de alta fermentação;
Recomendar caminhadas, movimentação e
regularização do hábito intestinal;
Solicitar exame parasitológico de fezes, se
necessário.
CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS
FREQUENTES
6- HEMORRÓIDAS
Recomendar à gestante: alimentação rica em fibras,
a fim de evitar a obstipação intestinal. Se
necessário, prescrever supositórios de glicerina;
Não usar papel higiênico colorido ou áspero (molhá-
lo) e fazer higiene perianal com água e sabão neutro,
após evacuação;
Fazer banhos de vapor ou compressas mornas;
Agendar consulta médica, caso haja dor ou
sangramento anal persistente.
CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS
FREQUENTES
7- QUEIXAS URINÁRIAS:
Explicar que, geralmente, o aumento da freqüência
de micções é comum no início e no fim da gestação
(aumento do útero e compressão da bexiga);
Solicitar exame de urina tipo I e orientar segundo o
resultado.
8- FALTA DE AR E DIFICULDADE PARA
RESPIRAR
Esses sintomas são freqüentes na gestação, em
decorrência do aumento do útero ou ansiedade da
gestante:
Recomendar repouso em decúbito lateral esquerdo;
Ouvir a gestante e conversar sobre suas angústias,
se for o caso;
Estar atento para outros sintomas associados e para
achados no exame cardiopulmonar. Agendar a
consulta médica, caso haja dúvida ou suspeita de
problema clínico.
CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS
FREQUENTES
9- CÂIMBRAS
Recomendar à gestante: Massagear o músculo
contraído e dolorido e aplicar calor local;
Aumentar o consumo de alimentos ricos em
potássio, cálcio e vitamina B1;
Evitar excesso de exercícios.
10- CLOASMA GRAVÍDICO (MANCHAS ESCURAS
NO ROSTO):
Explicar que é comum na gravidez e que costuma
diminuir ou desaparecer, em tempo variável, após o
parto;
Recomendar a não exposição do rosto diretamente
ao sol;
Recomendar o uso de filtro solar tópico, se possível.
CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS
FREQUENTES
11- ESTRIAS:
Explicar que são resultado da distensão dos
tecidos e que não existe método eficaz de
prevenção.
As estrias, que no início apresentam cor
arroxeada, tendem, com o tempo, a ficar de cor
semelhante à da pele;
OBS: Ainda que controversas, podem ser
utilizadas massagens locais, com substâncias
oleosas, na tentativa de preveni-las.
ATENÇÃO NO PUERPÉRIO
OBJETIVOS:
Avaliar o estado de saúde da mulher e do RN;
Avaliar o retorno às condições pré-gravídicas;
Avaliar e apoiar o aleitamento materno;
Orientar o planejamento familiar;
Identificar situações de risco ou intercorrências e
conduzi-las;
Avaliar interação da mãe com o RN;
Complementar ou realizar ações não executadas no
pré-natal;
Acolhimento da mulher e do RN por profissional de
saúde habilitado.
“Ações a serem desenvolvidas no puerpério”
EM RELAÇÃO À PUÉRPERA:
VERIFICAR O CARTÃO DA GESTANTE OU PERGUNTAR À
MULHER SOBRE:
Condições da gestação;
Condições do atendimento ao parto e ao recém-nascido;
Dados do parto (data; tipo de parto; se cesárea, qual a
indicação);
Se houve alguma intercorrência na gestação, no parto
ou no pós-parto (febre, hemorragia, hipertensão,
diabetes, convulsões, sensibilização Rh);
Se recebeu aconselhamento e realizou testagem para
sífilis ou HIV durante a gestação e/ou parto;
Uso de medicamentos (ferro, ácido fólico, vitamina A,
outros).
“Ações a serem desenvolvidas no puerpério”
PERGUNTAR COMO SE SENTE E INDAGAR SOBRE:
Aleitamento (freqüência das mamadas – dia e noite ,
dificuldades na amamentação, satisfação do RN com
as mamadas, condições das mamas);
Alimentação, sono, atividades;
Dor, fluxo vaginal, sangramento, queixas urinárias,
febre;
Planejamento familiar (desejo de ter mais filhos,
desejo de usar método contraceptivo, métodos já
utilizados, método de preferência);
Condições psicoemocionais (estado de humor,
preocupações, desânimo,fadiga, outros);
Condições sociais (pessoas de apoio, enxoval do
bebê, condições para atendimento de necessidades
básicas).
“Ações a serem desenvolvidas no puerpério “
EM RELAÇÃO AO RECÉM-NASCIDO:
Verificar a existência do cartão da criança e, caso
não haja, providenciar abertura imediata;
Verificar os dados do recém-nascido ao nascer
(peso, estatura, apgar, capurro,condições de
vitalidade); Observar as condições de alta da
maternidade/unidade de assistência do RN;
Observar e orientar a mamada, reforçando as
orientações dadas durante o pré- natal e na
maternidade, destacando a necessidade do AME até
o sexto mês de vida do bebê;
Observar e avaliar a mamada para garantia de
adequado posicionamento e pega da aréola;
Observar a criança no geral: peso, postura, atividade
espontânea, padrão respiratório, estado de
hidratação, eliminações e aleitamento materno.
USO DE MÉTODO ANTICONCEPCIONAL
DURANTE O ALEITAMENTO
A escolha do método deve ser sempre
personalizada. Para orientar o uso de
métodos anticoncepcionais no pós-parto,
deve-se considerar: o tempo pós-parto, o
padrão da amamentação, o retorno ou não
da menstruação, os possíveis efeitos dos
anticoncepcionais hormonais sobre a
lactação e o lactante.
USO DE MÉTODO ANTICONCEPCIONAL
DURANTE O ALEITAMENTO
1. A associação amenorréia e lactação exclusiva com livre
demanda (LAM) tem alta eficácia como método
contraceptivo nos primeiros seis meses após oparto, ou
até que apareça a primeira menstruação pós-parto, o
que ocorrer primeiro. A mulher que passa da
amamentação exclusiva para a parcial deve iniciar o uso
de outro método, se o parto tiver ocorrido há mais de
45 dias,pois nessa circunstância aumenta o risco de
gravidez;
2. A mulher que está amamentando e necessita, ou deseja,
proteção adicional para prevenir a gravidez deve
primeiro considerar os métodos sem hormônios(DIU e
métodos de barreira);
3. O DIU pode ser opção para a mulher na fase de
amamentação e pode ser inserido imediatamente após o
parto, ou a partir de quatro semanas após este. O
DIU está contra-indicado para os casos que cursaram
com infecção puerperal, até três meses após a cura;
USO DE MÉTODO ANTICONCEPCIONAL
DURANTE O ALEITAMENTO
4. O anticoncepcional hormonal oral apenas de
progestogênio (minipílula) é boa opção para a mulher
que está amamentando e pode oferecer proteção
extra,se a mulher assim o desejar. O seu uso deve ser
iniciado após seis semanas do parto;
5. Injetável trimestral (com progestogênio isolado) –
acetato demedroxiprogesterona 150mg: deve-se
indicar o início do uso desse método, nas lactantes, a
partir de seis semanas após o parto. Seu uso tem sido
preferencial nas situações de doenças maternas como
diabetes, hipertensão e outras;
6. O anticoncepcional hormonal oral combinado não deve
ser utilizado em lactantes, pois interfere na qualidade
e quantidade do leite materno, e pode afetar
adversamente a saúde do bebê.
CARTÃO DA GESTANTE
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
resenfe2013
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Cleiton Ribeiro Alves
 

Mais procurados (20)

Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
 
Prevenção da infecção de sítio cirúrgico
Prevenção da infecção de sítio cirúrgicoPrevenção da infecção de sítio cirúrgico
Prevenção da infecção de sítio cirúrgico
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
 
Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
 
Enfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idosoEnfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idoso
 
Infecção do Trato Urinário durante a Gestação
Infecção do Trato Urinário durante a GestaçãoInfecção do Trato Urinário durante a Gestação
Infecção do Trato Urinário durante a Gestação
 
Aula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam VidasAula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
 
Caso Clínico SAE
Caso Clínico SAECaso Clínico SAE
Caso Clínico SAE
 
Aula de reanimação pediatrica
Aula de reanimação pediatricaAula de reanimação pediatrica
Aula de reanimação pediatrica
 
Exames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-NatalExames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-Natal
 
Paism slider
Paism sliderPaism slider
Paism slider
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
SAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEMSAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEM
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 

Semelhante a AULA PRE NATAL.pdf

Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoAssistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
yasminroriz3
 
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdfSlide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf
arymurilo123
 
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptxAssistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
VitriaMaria56
 

Semelhante a AULA PRE NATAL.pdf (20)

Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
 
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
 
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoAssistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Curso mulher b
Curso mulher  bCurso mulher  b
Curso mulher b
 
7333906.ppt
7333906.ppt7333906.ppt
7333906.ppt
 
Consulta de pre natal
Consulta de pre natalConsulta de pre natal
Consulta de pre natal
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Pré-Natal
 
puerp-period.LM.ppt
puerp-period.LM.pptpuerp-period.LM.ppt
puerp-period.LM.ppt
 
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo riscoProtocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
 
Pré Natal
Pré  NatalPré  Natal
Pré Natal
 
Blog Pré Natal Slayd
Blog Pré Natal SlaydBlog Pré Natal Slayd
Blog Pré Natal Slayd
 
PNBR 2016
PNBR 2016PNBR 2016
PNBR 2016
 
admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptx
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
 
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdfSlide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf
 
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptxAssistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
 
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptxTRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 

AULA PRE NATAL.pdf

  • 1. PRÉ-NATAL DE BAIXO RISCO ENFA ESP. ELLEN SANTOS
  • 2. SINAIS DA GRAVIDEZ Sinais de presunção de gravidez (sinais inespecíficos que podem estar presentes na gestação ou em outras circunstâncias) > Atraso menstrual (amenorréia) > Manifestações clínicas ( náuseas, vômitos, tonturas, salivação excessiva, mudança de apetite, aumento da frequência urinária e sonolência); > Modificações anatômicas ( aumento do volume das mamas, hipersensibilidade dos mamilos, tubérculos de Montgomery, saída de colostro pelo mamilo, coloração violácea vulvar, cianose vaginal e cervical, aumento do volume abdominal)
  • 3. SINAIS DA GRAVIDEZ Sinais de probabilidade (indicam grandes chances de gravidez) > Amolecimento da cérvice uterina (sinal de Goodell), com posterior aumento de seu volume; > Paredes vaginais aumentadas, com aumento da vascularização (pode-se observar pulsação da artéria vaginal nos fundos de sacos laterais); > Positividade da fração beta do HCG no soro materno a partir do oitavo ou nono dia depois da fertilização.
  • 4. SINAIS DA GRAVIDEZ Sinais de certeza > Presença dos batimentos cardíacos fetais (BCF), que são detectados pelo SONAR, a partir de 10 a 12 semanas, e pelo PINARD, a partir de 20 semanas. ➢ Percepção dos movimentos fetais ( de 18 a 20 semanas); > Ultrassonografia: o saco gestacional pode ser observado por via transvaginal com apenas 4 a 5 semanas gestacionais, e a atividade cardíaca é a primeira manifestação do embrião com 6 semanas gestacionais.
  • 5.
  • 6. 9 PASSOS PARA O PRÉ-NATAL DE QUALIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA 1° PASSO: Iniciar o pré-natal na Atenção Primária à Saúde até a 12ª semana de gestação (captação precoce). 2° PASSO: Garantir os recursos humanos, físicos, materiais e técnicos necessários à atenção pré-natal. 3° PASSO: Toda gestante deve ter assegurado a solicitação, realização e avaliação em termo oportuno do resultado dos exames preconizados no atendimento pré-natal. 4° PASSO: Garantir o transporte público gratuito da gestante para o atendimento pré-natal, quando necessário.
  • 7. 5° PASSO: É direito do(a) parceiro(a) ser cuidado (realização de consultas, exames e ter acesso a informações) antes, durante e depois da gestação: "pré-natal do(a) parceiro(a)". 6° PASSO: Garantir o acesso à unidade de referência especializada, caso seja necessário. 7° PASSO: Estimular e informar sobre os benefícios do parto fisiológico, incluindo a elaboração do "Plano de Parto". 8° PASSO: Toda gestante tem direito de conhecer e visitar previamente o serviço de saúde no qual irá dar à luz (vinculação). 9° PASSO: As mulheres devem conhecer e exercer os direitos garantidos por lei no período gravídico-puerperal. 9 PASSOS PARA O PRÉ-NATAL DE QUALIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA
  • 8. Parâmetros Estabelecidos na Atenção Pré- Natal e Puerperal Captação precoce das gestantes com realização da primeira consulta de pré-natal até 120 dias da gestação; Realização de, no mínimo, 6 (seis) consultas de pré-natal, sendo, preferencialmente,uma no primeiro trimestre, duas no segundo trimestre e três no terceiro trimestre da gestação; Escuta da mulher e de seus(suas) acompanhantes, esclarecendo dúvidas e informando sobre o que vai ser feito durante a consulta e as condutas a serem adotadas.
  • 9. Atividades ou Procedimentos durante a Atenção Pré-Natal Atividades educativas a serem realizadas em grupo ou individualmente, com linguagem clara e compreensível, proporcionando respostas às indagações da mulher ou da família e as informações ecessárias; Anamnese e exame clínico-obstétrico da gestante; Exames laboratoriais:
  • 10. Imunização dT / dTpa / Influenza / Hepatite B/ COVID- 19 Avaliação do estado nutricional Prevenção ou diagnóstico precoce do câncer de colo uterino e de mama. Tratamento das intercorrências da gestação. Classificação de risco gestacional. Registro em prontuário e cartão da gestante. Atenção à mulher e ao recém-nascido na primeira semana após o parto. Atividades ou Procedimentos durante a Atenção Pré-Natal
  • 12. Condutas adotadas após a confirmação da gravidez em consulta As condutas e os achados diagnósticos sempre devem ser anotados no prontuário e no cartão da gestante que deve ser preenchido, e o nome hospital de referência para o parto. Fornecer o calendário de vacinas e orientar sobre este. Solicitar dos exames de rotina
  • 13. FATORES DE RISCO PARA GRAVIDEZ Relacionadas as Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis Idade menor ;que 15 e maior que 35 anos Ocupação: esforço físico excessivo, carga horária extensa, rotatividade de horário, exposição a agentes físicos, químicos e biológicos, estress; Situação familiar insegura e não aceitação da gravidez, principalmente em se tratando de adolescente; Situação conjugal insegura; Baixa escolaridade (menor que cinco anos de estudo regular); Condições ambientais desfavoráveis; Altura menor que 1,45m; Peso menor que 45kg e maior que 75kg; Dependência de drogas lícitas ou ilícitas
  • 14. FATORES DE RISCO PARA GRAVIDEZ Relacionadas a História Reprodutiva Anterior Morte perinatal explicada ou inexplicada; Recém-nascido com restrição de crescimento, pré- termo ou malformado; Abortamento habitual; Esterilidade/infertilidade; Intervalo interpartal menor que dois anos ou maior que cinco anos; Nuliparidade e multiparidade; Síndromes hemorrágicas; Pré-eclâmpsia/eclâmpsia; Cirurgia uterina anterior; Macrossomia fetal.
  • 15. FATORES DE RISCO PARA GRAVIDEZ Relacionadas a Intercorrências clínicas crônicas Cardiopatias; Pneumopatias; Nefropatias; Endocrinopatias (especialmente diabetes mellitus); Hemopatias; Hipertensão arterial moderada ou grave e/ou em uso de anti-hipertensivo; Epilepsia; Infecção urinária; Portadoras de doenças infecciosas (hepatites, toxoplasmose, infecção pelo HIV, sífilis e outras DST); Doenças auto-imunes (lupus eritematoso sistêmico, outras colagenoses); Ginecopatias (malformação uterina, miomatose, tumores anexiais e outras).
  • 16. FATORES DE RISCO PARA GRAVIDEZ Relacionadas à Doença obstétrica na gravidez atual Trabalho de parto prematuro e gravidez prolongada; Ganho ponderal inadequado; Pré-eclâmpsia/eclâmpsia; Amniorrexe prematura; Hemorragias da gestação; Óbito fetal.
  • 17. CONSULTAS Na primeira consulta de pré-natal deve ser realizada anamnese, abordando aspectos epidemiológicos, além dos antecedentes familiares, pessoais, ginecológicos e obstétricos e a situação da gravidez atual. O exame físico deverá ser completo,constando avaliação de cabeça e pescoço, tórax, abdômen, membros e inspeção de pele e mucosas, seguido por exame ginecológico e obstétrico.
  • 18. ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA I. HISTÓRIA CLÍNICA (observar cartão da gestante) Identificação; Dados socioe-conômicos; Antecedentes familiars; Antecedentes pessoais; Antecedentes ginecológicos; Sexualidade; Antecedentes obstétricos; Gestação atual.
  • 19. ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA II. EXAME FÍSICO ( Geral) : determinação do peso e da altura; medida da pressão arterial inspeção da pele e das mucosas; palpação da tireóide e de todo o pescoço, região cervical e axilar (pesquisa de nódulos ou outras anormalidades); ausculta cardiopulmonar; determinação da freqüência cardíaca; exame do abdômen; exame dos membros inferiores; pesquisa de edema (face, tronco, membros).
  • 20. ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA II. EXAME FÍSICO (Específico (gineco-obstétrico) Exame das mamas Palpação obstétrica e identificação da situação e apresentação fetal; Medida da altura uterina (AFU); Ausculta dos batimentos cardíacos fetais; Inspeção dos genitais externos; Exame especular (Não está contraindicada a realização deste exame em mulheres grávidas, podendo ser feito em qualquer período da gestação, preferencialmente até o 7º mês).
  • 21. ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA III. EXAMES COMPLEMENTARES (Na primeira consulta solicitar) : dosagem de hemoglobina e hematócrito (Hb/Ht); grupo sangüíneo e fator Rh; sorologia para sífilis (VDRL): repetir próximo à 30ª semana glicemia em jejum : repetir próximo à 30ª semana; exame sumário de urina (Tipo I): repetir próxima à 30ª semana; sorologia anti-HIV, com o consentimento da mulher após o “aconselhamento pré-teste”; sorologia para hepatite B (HBsAg, de preferência próximo à 30ª semana de gestação); sorologia para toxoplasmose (IgM para todas as gestantes e IgG, quando houver disponibilidade para realização
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31. A ULTRASSONOGRAFIA DE ROTINA DURANTE A GESTAÇÃO OMS preconiza a realização de três exames ultrassonográficos na gestação: - Primeiro trimestre: entre 11 e 14 semanas. - Segundo trimestre: entre 20 e 24 semanas ( morfológica). - Terceiro trimestre: entre 32 e 36 semanas
  • 32. Reforçar a orientação com a gestante sobre alimentação e fazer o acompanhamento do ganho de peso gestacional; Incentivar o AME até os seis meses; Orientar a gestante sobre os sinais de risco e a necessidade de assistência em cada caso; Fazer o acompanhamento das condutas adotadas em serviços especializados, pois a mulher deverá continuar a ser acompanhada pela equipe da atenção básica;
  • 33. Proceder à realização de ações e práticas educativas individuais e coletivas; Fazer o agendamento das consultas subsequentes; Até 28ª semanas – mensalmente; 28ª até a 36ª semanas – quinzenalmente; 36ª até a 41ª semanas – semanalmente.
  • 34. ROTEIRO DAS CONSULTAS SUBSEQUENTES I. CONTROLES MATERNOS: Cálculo e anotação da idade gestacional; Determinação do peso para avaliação do índice de massa corporal (IMC). Anotar no gráfico e observar o sentido da curva para avaliação do estado nutricional; Medida da pressão arterial (observar a aferição da PA com técnica adequada); Palpação obstétrica e medida da altura uterina. Anotar no gráfico e observar o sentido da curva para avaliação do crescimento fetal; Pesquisa de edema; Verificação dos resultados dos testes; Avaliação dos outros resultados de exames laboratoriais.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38. ROTEIRO DAS CONSULTAS SUBSEQUENTES II. CONTROLES FETAIS: Ausculta dos batimentos cardíacos; Avaliação dos movimentos percebidos pela mulher e/ou detectados no exame obstétrico.
  • 39. ATENÇÃO!!!! O acompanhamento da mulher, no ciclo grávido- puerperal, deve ser iniciado o mais precocemente possível e só se encerra após o 42º dia de puerpério, período em que deverá ter sido realizada a consulta de puerpério.
  • 40. MÉTODOS PARA CÁLCULO DA IDADE GESTACIONAL (IG) OBJETIVO: estimar o tempo de gravidez/a idade do feto. Quando a data da última menstruação (DUM) é conhecida e de certeza: -Uso do calendário: somar o número de dias do intervalo entre a DUM e a data da consulta, dividindo o total por sete (resultado em semanas); - Uso de disco (gestograma): colocar a seta sobre o dia e mês correspondente ao primeiro dia da última menstruação e observar o número de semanas indicado no dia e mês da consulta atual.
  • 41. Quando a DUM é desconhecida, mas se conhece o período do mês em que ela ocorreu: - Se o período foi no início, meio ou fim do mês, considerar como DUM os dias 5, 15 e 25, respectivamente. Proceder, então, à utilização de um dos métodos já descritos .
  • 42. Quando a data e o período da última menstruação são desconhecidos: - Quando a data e o período do mês não forem conhecidos, a IG e a DPP serão, inicialmente, determinadas por aproximação, basicamente pela medida da AU e pelo toque vaginal, além da informação sobre a data de início dos movimentos fetais, que habitualmente ocorrem entre 18 e 20 semanas.
  • 43. - Pode-se utilizar a AU e o toque vaginal, considerando-se os seguintes parâmetros: * Até a 6ª semana, não ocorre alteração do tamanho uterino; * Na 8ª semana, o útero corresponde ao dobro do tamanho normal; * Na 10ª semana, o útero corresponde a três vezes o tamanho habitual; * Na 12ª semana, o útero enche a pelve, de modo que é palpável na sínfise púbica; * Na 16ª semana, o fundo uterino encontra-se entre a sínfise púbica e a cicatriz umbilical;
  • 44. * Na 20ª semana, o fundo do útero encontra-se na altura da cicatriz umbilical; * A partir da 20ª semana, existe relação direta entre as semanas da gestação e a medida da AU. Porém, este parâmetro torna-se menos fiel a partir da 30ª semana de IG. OBS: Quando não for possível determinar clinicamente a IG, solicitar o mais precocemente possível a USG obstétrica.
  • 45. OBJETIVO: estimar o período provável para o nascimento. MÉTODO: somar sete dias ao primeiro dia da última menstruação e subtrair três meses ao mês em que ocorreu a última menstruação (ou adicionar nove meses, se corresponder aos meses de janeiro a março) – Regra de Näegele. Exemplos: 1- DUM : 13/9/21 DPP: 20/6/22 (13+7=20 / 9-3=6) 2- DUM: 27/01/21 DPP: 03/11/21 (27+7=34 / 34-31=3 / 1+9+1=11) MÉTODOS PARA CÁLCULO DA DATA PROVÁVEL DO PARTO ( DPP)
  • 46.
  • 47. PALPAÇÃO OBSTÉTRICA E MEDIDA DA ALTURA UTERINA (AFU) OBJETIVOS: Identificar o crescimento fetal; Diagnosticar os desvios da normalidade a partir da relação entre a altura uterina e a idade gestacional; Identificar a situação e a apresentação fetal.
  • 48. PALPAÇÃO OBSTÉTRICA A palpação obstétrica deve ser realizada antes da medida da altura uterina. Ela deve iniciar-se pela delimitação do fundo uterino, bem como de todo o contorno da superfície uterina (esse procedimento reduz o risco de erro da medida da altura uterina). A identificação da situação e da apresentação fetal é feita por meio da palpação obstétrica,procurando identificar os pólos cefálico e pélvico e o dorso fetal, facilmente identificados a partir do terceiro trimestre. Pode-se, ainda, estimar a quantidade de líquido amniótico.
  • 50. ATENÇÃO! O feto pode estar em situação longitudinal (mais comum) ou transversa. A situação transversa reduz a medida de altura uterina, podendo falsear sua relação com a idade gestacional. As apresentações mais freqüentes são a cefálica e a pélvica.
  • 51. ATENÇÃO! A situação transversa e a apresentação pélvica em fim de gestação podem significar risco no momento do parto. Nessas condições, a mulher deve ser, sempre, referida para unidade hospitalar com condições de atender distocia.
  • 52. TÉCNICA DE MEDIDA DA ALTURA UTERINA Posicionar a gestante em decúbito dorsal, com o abdômen descoberto; Delimitar a borda superior da sínfise púbica e o fundo uterino; Por meio da palpação, procurar corrigir a comum dextroversão uterina; Fixar a extremidade inicial (0cm) da fita métrica, flexível e não extensível, na borda superior da sínfise púbica, passando-a entre os dedos indicador e médio; Proceder à leitura quando a borda cubital da mão atingir o fundo uterino; Anotar a medida, em centímetros, na ficha e no cartão, e marcar o ponto na curva da altura uterina.
  • 53.
  • 54.
  • 55. AUSCULTA DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS (BCF) É considerada normal a freqüência cardíaca fetal entre 120 a 160 batimentos por minuto.
  • 56.
  • 57.
  • 58. DETECÇÃO DE EDEMA Nos membros inferiores: • Posicionar a gestante em decúbito dorsal ou sentada, sem meias; • Pressionar a pele na altura do tornozelo (região perimaleolar) e na perna,no nível do seu terço médio, face anterior (região pré- tibial).
  • 59.
  • 60.
  • 61. CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS FREQUENTES 1- NÁUSEAS, VÔMITOS E TONTURAS: Explicar que esses são sintomas comuns no início da gestação; Orientar a mulher para: alimentação fracionada (seis refeições leves ao dia 3/3h); Evitar frituras, gorduras e alimentos com cheiros fortes ou desagradáveis; Evitar líquidos durante as refeições, dando preferência à ingestão nos intervalos; ingerir alimentos sólidos antes de levantar-se pela manhã; Agendar consulta médica para avaliar a necessidade de usar medicamentos ou referir ao pré-natal de alto risco, em caso de vômitos frequentes;
  • 62. CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS FREQUENTES 2- PIROSE (AZIA) ❑Alimentação fracionada, evitando-se frituras; ❑Evitar café, chá preto, mates, doces, alimentos gordurosos, picantes e irritantes da mucosa gástrica, álcool e fumo. Obs.: Em alguns casos, a critério médico, a gestante pode fazer uso de medicamentos antiácidos.
  • 63. CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS FREQUENTES 3- SIALORRÉIA (SALIVAÇÃO EXCESSIVA): Explicar que esse é um sintoma comum no início da gestação; Orientar alimentação semelhante à indicada para náuseas e vômitos;
  • 64. CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS FREQUENTES 4- FRAQUEZAS E DESMAIOS: Orientar a gestante para que não faça mudanças bruscas de posição e evite a inatividade; Indicar alimentação fracionada, evitando jejum prolongado e grandes intervalos entre as refeições; Explicar à gestante que sentar com a cabeça abaixada ou deitar em decúbito lateral, respirando profunda e pausadamente, melhora a sensação de fraqueza e desmaio.
  • 65. CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS FREQUENTES 5- DOR ABDOMINAL, CÓLICAS, FLATULÊNCIA E OBSTIPAÇÃO INTESTINAL: Certificar-se de que não sejam contrações uterinas; Se a gestante apresentar flacidez da parede abdominal, sugerir exercícios apropriados; Se houver flatulências (gases) e/ou obstipação intestinal: orientar alimentação rica em fibras: consumo de frutas laxativas e com bagaço, verduras de preferência cruas e cereais integrais; recomendar que aumente a ingestão de água e evite alimentos de alta fermentação; Recomendar caminhadas, movimentação e regularização do hábito intestinal; Solicitar exame parasitológico de fezes, se necessário.
  • 66. CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS FREQUENTES 6- HEMORRÓIDAS Recomendar à gestante: alimentação rica em fibras, a fim de evitar a obstipação intestinal. Se necessário, prescrever supositórios de glicerina; Não usar papel higiênico colorido ou áspero (molhá- lo) e fazer higiene perianal com água e sabão neutro, após evacuação; Fazer banhos de vapor ou compressas mornas; Agendar consulta médica, caso haja dor ou sangramento anal persistente.
  • 67. CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS FREQUENTES 7- QUEIXAS URINÁRIAS: Explicar que, geralmente, o aumento da freqüência de micções é comum no início e no fim da gestação (aumento do útero e compressão da bexiga); Solicitar exame de urina tipo I e orientar segundo o resultado. 8- FALTA DE AR E DIFICULDADE PARA RESPIRAR Esses sintomas são freqüentes na gestação, em decorrência do aumento do útero ou ansiedade da gestante: Recomendar repouso em decúbito lateral esquerdo; Ouvir a gestante e conversar sobre suas angústias, se for o caso; Estar atento para outros sintomas associados e para achados no exame cardiopulmonar. Agendar a consulta médica, caso haja dúvida ou suspeita de problema clínico.
  • 68. CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS FREQUENTES 9- CÂIMBRAS Recomendar à gestante: Massagear o músculo contraído e dolorido e aplicar calor local; Aumentar o consumo de alimentos ricos em potássio, cálcio e vitamina B1; Evitar excesso de exercícios. 10- CLOASMA GRAVÍDICO (MANCHAS ESCURAS NO ROSTO): Explicar que é comum na gravidez e que costuma diminuir ou desaparecer, em tempo variável, após o parto; Recomendar a não exposição do rosto diretamente ao sol; Recomendar o uso de filtro solar tópico, se possível.
  • 69. CONDUTAS NAS QUEIXAS MAIS FREQUENTES 11- ESTRIAS: Explicar que são resultado da distensão dos tecidos e que não existe método eficaz de prevenção. As estrias, que no início apresentam cor arroxeada, tendem, com o tempo, a ficar de cor semelhante à da pele; OBS: Ainda que controversas, podem ser utilizadas massagens locais, com substâncias oleosas, na tentativa de preveni-las.
  • 70. ATENÇÃO NO PUERPÉRIO OBJETIVOS: Avaliar o estado de saúde da mulher e do RN; Avaliar o retorno às condições pré-gravídicas; Avaliar e apoiar o aleitamento materno; Orientar o planejamento familiar; Identificar situações de risco ou intercorrências e conduzi-las; Avaliar interação da mãe com o RN; Complementar ou realizar ações não executadas no pré-natal; Acolhimento da mulher e do RN por profissional de saúde habilitado.
  • 71. “Ações a serem desenvolvidas no puerpério” EM RELAÇÃO À PUÉRPERA: VERIFICAR O CARTÃO DA GESTANTE OU PERGUNTAR À MULHER SOBRE: Condições da gestação; Condições do atendimento ao parto e ao recém-nascido; Dados do parto (data; tipo de parto; se cesárea, qual a indicação); Se houve alguma intercorrência na gestação, no parto ou no pós-parto (febre, hemorragia, hipertensão, diabetes, convulsões, sensibilização Rh); Se recebeu aconselhamento e realizou testagem para sífilis ou HIV durante a gestação e/ou parto; Uso de medicamentos (ferro, ácido fólico, vitamina A, outros).
  • 72. “Ações a serem desenvolvidas no puerpério” PERGUNTAR COMO SE SENTE E INDAGAR SOBRE: Aleitamento (freqüência das mamadas – dia e noite , dificuldades na amamentação, satisfação do RN com as mamadas, condições das mamas); Alimentação, sono, atividades; Dor, fluxo vaginal, sangramento, queixas urinárias, febre; Planejamento familiar (desejo de ter mais filhos, desejo de usar método contraceptivo, métodos já utilizados, método de preferência); Condições psicoemocionais (estado de humor, preocupações, desânimo,fadiga, outros); Condições sociais (pessoas de apoio, enxoval do bebê, condições para atendimento de necessidades básicas).
  • 73. “Ações a serem desenvolvidas no puerpério “ EM RELAÇÃO AO RECÉM-NASCIDO: Verificar a existência do cartão da criança e, caso não haja, providenciar abertura imediata; Verificar os dados do recém-nascido ao nascer (peso, estatura, apgar, capurro,condições de vitalidade); Observar as condições de alta da maternidade/unidade de assistência do RN; Observar e orientar a mamada, reforçando as orientações dadas durante o pré- natal e na maternidade, destacando a necessidade do AME até o sexto mês de vida do bebê; Observar e avaliar a mamada para garantia de adequado posicionamento e pega da aréola; Observar a criança no geral: peso, postura, atividade espontânea, padrão respiratório, estado de hidratação, eliminações e aleitamento materno.
  • 74. USO DE MÉTODO ANTICONCEPCIONAL DURANTE O ALEITAMENTO A escolha do método deve ser sempre personalizada. Para orientar o uso de métodos anticoncepcionais no pós-parto, deve-se considerar: o tempo pós-parto, o padrão da amamentação, o retorno ou não da menstruação, os possíveis efeitos dos anticoncepcionais hormonais sobre a lactação e o lactante.
  • 75. USO DE MÉTODO ANTICONCEPCIONAL DURANTE O ALEITAMENTO 1. A associação amenorréia e lactação exclusiva com livre demanda (LAM) tem alta eficácia como método contraceptivo nos primeiros seis meses após oparto, ou até que apareça a primeira menstruação pós-parto, o que ocorrer primeiro. A mulher que passa da amamentação exclusiva para a parcial deve iniciar o uso de outro método, se o parto tiver ocorrido há mais de 45 dias,pois nessa circunstância aumenta o risco de gravidez; 2. A mulher que está amamentando e necessita, ou deseja, proteção adicional para prevenir a gravidez deve primeiro considerar os métodos sem hormônios(DIU e métodos de barreira); 3. O DIU pode ser opção para a mulher na fase de amamentação e pode ser inserido imediatamente após o parto, ou a partir de quatro semanas após este. O DIU está contra-indicado para os casos que cursaram com infecção puerperal, até três meses após a cura;
  • 76. USO DE MÉTODO ANTICONCEPCIONAL DURANTE O ALEITAMENTO 4. O anticoncepcional hormonal oral apenas de progestogênio (minipílula) é boa opção para a mulher que está amamentando e pode oferecer proteção extra,se a mulher assim o desejar. O seu uso deve ser iniciado após seis semanas do parto; 5. Injetável trimestral (com progestogênio isolado) – acetato demedroxiprogesterona 150mg: deve-se indicar o início do uso desse método, nas lactantes, a partir de seis semanas após o parto. Seu uso tem sido preferencial nas situações de doenças maternas como diabetes, hipertensão e outras; 6. O anticoncepcional hormonal oral combinado não deve ser utilizado em lactantes, pois interfere na qualidade e quantidade do leite materno, e pode afetar adversamente a saúde do bebê.
  • 77.
  • 78.