SlideShare uma empresa Scribd logo
Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
   Supremacia do mundo externo, da materialidade dos objetos; impõe o real concreto à sua poesia.

   Predomínio do cenário urbano (o favorito dos escritores realistas e naturalistas).

   Situa espácio-temporalmente as cenas apresentadas (ex: «Num Bairro Moderno» - «dez horas da
    manhã»).

   Atenção ao pormenor, ao detalhe.

   A seleção temática: a dureza do trabalho («Cristalizações» e «Num Bairro Moderno»); a doença e
    a injustiça social («Contrariedades»); a imoralidade das «impuras», a desonestidade do
    «ratoneiro» e a «miséria do velho professor» em «O Sentimento dum Ocidental».

   A presença do real histórico: a referência a Camões e o contexto socio-político em «O
    Sentimento dum Ocidental».

   A linguagem burguesa, popular, coloquial, rica em termos concretos.

   Pelo facto da sua poesia ser estimulada pelo real, que inspira o poeta, que se deixa absorver pelas
    formas materiais e concretas.
   Encontra-se já um olhar subjetivo, valorativo, pois mais do que a representação do real importa
    a impressão do real, que suplanta o real objetivo.

   Abre à poesia as portas da vida e assim traz o vulgar, o feio, a realidade trivial e quotidiana.

   Forte cruzamento de várias sensações na apreensão do real.

   Intersecção entre planos diferentes, visualização e memória, real e imaginário, etc.
   A estrutura narrativa dos seus poemas, em que encontramos acções protagonizadas por
    agentes/atores (ex: «Deslumbramentos», «Cristalizações» e «Num Bairro Moderno»).

   A exploração do espaço é feita numa perspetiva de câmara de filmar, em que se vão fixando
    vários planos. É uma espécie de olhar itinerante, que reflete o passeio obsessivo pela cidade (e
    também no campo em alguns poemas).Exemplos mais significativos são os poemas «Num Bairro
    Moderno», «O Sentimento dum Ocidental», que definem a relação do poeta com a cidade.




               Características estilísticas:
   Automatismo     psíquico:   associações   que

    sugerem   uma    acumulação,   uma   conexão
                                                       O olhar seletivo:   a descrição/evocação do
    aleatória de ideias (ex: «Contrariedades»,
                                                        espaço é filtrada por um juízo de valor
    «O Sentimento dum Ocidental).
                                                        transfigurador, (ex: «Num Bairro Moderno»).
   Adjetivação particularmente abundante e            O poeta é como um espelho em que vem
    expressiva, com dupla e tripla adjetivação.         reflectir a diversidade do mundo citadino.

                                                       O contraste luz/sombra: tanto pode ser a luz
                                                        do dia como a luz artificial, como a luz
                                                        metafórica que emana da visão da mulher. A
                                                        incidência da luz é uma forma de valorizar os
                                                        objetos, entendendo-se a luz como princípio
                                                        de vida.




                  Características estilísticas:
   Oposição cidade/campo, sendo a cidade um espaço de morte e o campo um espaço de vida –
    valorização do natural em detrimento do artificial. O campo é visto como um espaço de liberdade,
    do não isolamento; e a cidade como um espaço castrador, opressor, símbolo da morte, da
    humilhação, da doença. A esta oposição associam-se as oposições belo/feio, claro/escuro,
    força/fragilidade.

   Oposição passado/presente, em que o passado é visto como um tempo de harmonia com a
    natureza, ao contrário de um presente contaminado pelos malefícios da cidade (ex: «Nós»).
   A questão da inviabilidade do Amor na cidade.

   A humilhação (sentimental, estética, social).

   A preocupação com as injustiças sociais.

   O sentimento anti-burguês.

   O perpétuo fluir do tempo, que só trará esperança para as gerações futuras.
    Presença obsessiva da figura feminina, vista:

         → negativamente, porque contaminada pela civilização urbana:

                -    mulher opressora – mulher nórdica, fria, símbolo da eclosão do desenvolvimento da
        cidade como fenómeno urbano, (ex: «Frígida», «Deslumbramentos» e «Esplêndida»), em que se
        reconhece a influência de Baudelaire;

         → positivamente, porque relacionada com o campo, com os seus valores bons:

                     - mulher anjo – visão angelical, reflexo de uma entidade divina, símbolo de pureza
        campestre («Em Petiz», «Nós», «De Tarde» e «Setentrional») – também tem um efeito
        regenerador;

             - mulher regeneradora – mulher frágil, pura, natural, simples, representa os valores do
campo na cidade (ex: as figuras femininas de a «A Débil» e «Num Bairro Moderno»);
             - mulher oprimida – tísica, resignada, vítima da opressão social urbana, humilhada (ex:
«Contrariedades»);
             - mulher como sinédoque social – (ex: as «burguesinhas» e as varinas de «O
Sentimento dum Ocidental»
        → como objecto do estímulo:
             - mulher objecto – vista enquanto estímulo dos sentidos carnais, sensuais, como
impulso erótico (ex: actriz de «Cristalizações»).
Caracteristicas de Cesário Verde
   Contemporâneo de Antero e de Eça.

   Contemporâneo do Realismo, que influencia alguns aspetos da sua poesia:
       •   descrição objetiva do real;

       •   presença de figuras do povo;

       •   preocupação social;

       •   expressão de solidariedade social.
Aspetos específicos:
   Presença do quotidiano citadino e campestre.
   Binómio campo ( vida, pureza, felicidade, saúde, alegria, liberdade, luz)
             Carácter deambulatório. doença, infelicidade, prisão, sombra).
                cidade ( morte, tristeza,

      Aspeto cinético e de visualização:
   Nova imagem da mulher:
                   o poeta faz a apresentação de aspetos genéricos e globalizantes, descendo depois aos
    ◦       mulher do povo, sofredora e doente – “ Contrariedades” e “ Num Bairro Moderno”;
                     aspetos particulares que descreve pormenorizadamente.
    ◦       mulher leviana – “ Sentimento dum Ocidental”;
         Aspeto pictórico:
    ◦  mulher sedutora e bela – “ De tarde” e “ De Verão”.

                     influência dos movimentos e técnicas pictóricas da época ( Realismo, Impressionismo).
   Intenção crítica e a questão social.
   Mito de Anteu – o contacto com a terra, com a realidade, confere força e
    vitalidade.
    As fugas imaginativas e a pretendida objetividade.
   Vocabulário preciso, conciso e pragmático.

   Escassez de palavras eruditas.

   Valor expressivo dos diminutivos.

   Emprego de verbos sensoriais.

   Sinestesias.
   Sílvia Araújo, nº27

   Susana Martins, nº28

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
Sara Guerra
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
Fernanda Pantoja
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
guest3fc89a1
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
Paula Oliveira Cruz
 
Os Maias Episódios da Vida Romântica
Os Maias   Episódios da Vida RomânticaOs Maias   Episódios da Vida Romântica
Os Maias Episódios da Vida Romântica
Patrícia Pereira
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Margarida Tomaz
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
Paula Angelo
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
Cristina Martins
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
Ana Tapadas
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
FilipaFonseca
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
Beatriz Xavier
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
AnaGomes40
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Claudia Ribeiro
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
guest0f0d8
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
João Pedro Rodrigues
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
guestde10d2
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Paulo Vitorino
 

Mais procurados (20)

D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
Os Maias Episódios da Vida Romântica
Os Maias   Episódios da Vida RomânticaOs Maias   Episódios da Vida Romântica
Os Maias Episódios da Vida Romântica
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 

Semelhante a Caracteristicas de Cesário Verde

Ficha informativa sobre Cesário Verde
Ficha informativa sobre Cesário VerdeFicha informativa sobre Cesário Verde
Ficha informativa sobre Cesário Verde
complementoindirecto
 
Cesario verde
Cesario verdeCesario verde
Cesario verde
cnlx
 
Cesarioverde2
Cesarioverde2Cesarioverde2
Cesarioverde2
Cristina Lourenço
 
CESARIO VERDE.pdf
CESARIO VERDE.pdfCESARIO VERDE.pdf
CESARIO VERDE.pdf
maria356811
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
becresforte
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
becresforte
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
ameliapadrao
 
Cesário verde síntese
Cesário verde   sínteseCesário verde   síntese
Cesário verde síntese
quintaldasletras
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Dior FG
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Dior FG
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
manuudias
 
cesarioverde.doc
cesarioverde.doccesarioverde.doc
cesarioverde.doc
Isabel273720
 
Cesarioverde
CesarioverdeCesarioverde
Cesarioverde
Cristina Lourenço
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
Raffaella Ergün
 
Vanguardas europeias ii
Vanguardas europeias iiVanguardas europeias ii
Vanguardas europeias ii
Elina Fernandes
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
CrisBiagio
 
Revisoes sobre-cesario-verde
Revisoes sobre-cesario-verdeRevisoes sobre-cesario-verde
Revisoes sobre-cesario-verde
Cristina Lourenço
 
Realismo
RealismoRealismo
160002955 josefina-ludmer-literaturas-pos-autonomas
160002955 josefina-ludmer-literaturas-pos-autonomas160002955 josefina-ludmer-literaturas-pos-autonomas
160002955 josefina-ludmer-literaturas-pos-autonomas
Monique Comin Losina
 
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos "O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
Catarina Castro
 

Semelhante a Caracteristicas de Cesário Verde (20)

Ficha informativa sobre Cesário Verde
Ficha informativa sobre Cesário VerdeFicha informativa sobre Cesário Verde
Ficha informativa sobre Cesário Verde
 
Cesario verde
Cesario verdeCesario verde
Cesario verde
 
Cesarioverde2
Cesarioverde2Cesarioverde2
Cesarioverde2
 
CESARIO VERDE.pdf
CESARIO VERDE.pdfCESARIO VERDE.pdf
CESARIO VERDE.pdf
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Cesário verde síntese
Cesário verde   sínteseCesário verde   síntese
Cesário verde síntese
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
cesarioverde.doc
cesarioverde.doccesarioverde.doc
cesarioverde.doc
 
Cesarioverde
CesarioverdeCesarioverde
Cesarioverde
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
 
Vanguardas europeias ii
Vanguardas europeias iiVanguardas europeias ii
Vanguardas europeias ii
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Revisoes sobre-cesario-verde
Revisoes sobre-cesario-verdeRevisoes sobre-cesario-verde
Revisoes sobre-cesario-verde
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
160002955 josefina-ludmer-literaturas-pos-autonomas
160002955 josefina-ludmer-literaturas-pos-autonomas160002955 josefina-ludmer-literaturas-pos-autonomas
160002955 josefina-ludmer-literaturas-pos-autonomas
 
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos "O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
 

Mais de MariaVerde1995

Ao gas
Ao gasAo gas
O editorial
O editorialO editorial
O editorial
MariaVerde1995
 
Caracterização da imagem
Caracterização da imagemCaracterização da imagem
Caracterização da imagem
MariaVerde1995
 
As características do anúncio publicitário 1
As características do anúncio publicitário 1As características do anúncio publicitário 1
As características do anúncio publicitário 1
MariaVerde1995
 
Um cesário documental
Um cesário documentalUm cesário documental
Um cesário documental
MariaVerde1995
 
A linguagem na poesia de Cesario Verde
A linguagem na poesia de Cesario VerdeA linguagem na poesia de Cesario Verde
A linguagem na poesia de Cesario Verde
MariaVerde1995
 
O quotidiano na obra de Cesário Verde
O quotidiano na obra de Cesário VerdeO quotidiano na obra de Cesário Verde
O quotidiano na obra de Cesário Verde
MariaVerde1995
 
A mulher em Cesario Verde
A mulher em Cesario VerdeA mulher em Cesario Verde
A mulher em Cesario Verde
MariaVerde1995
 
Cesário verde língua portuguesa
Cesário verde   língua portuguesaCesário verde   língua portuguesa
Cesário verde língua portuguesa
MariaVerde1995
 
Temáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeTemáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verde
MariaVerde1995
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
MariaVerde1995
 
Realismo Vs Naturalismo
Realismo Vs NaturalismoRealismo Vs Naturalismo
Realismo Vs Naturalismo
MariaVerde1995
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
MariaVerde1995
 
Poesia lírica
Poesia líricaPoesia lírica
Poesia lírica
MariaVerde1995
 
A poetica de cesario verde
A poetica de cesario verdeA poetica de cesario verde
A poetica de cesario verde
MariaVerde1995
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
MariaVerde1995
 
Vida e obra de cesário verde
Vida e obra de cesário verdeVida e obra de cesário verde
Vida e obra de cesário verde
MariaVerde1995
 

Mais de MariaVerde1995 (17)

Ao gas
Ao gasAo gas
Ao gas
 
O editorial
O editorialO editorial
O editorial
 
Caracterização da imagem
Caracterização da imagemCaracterização da imagem
Caracterização da imagem
 
As características do anúncio publicitário 1
As características do anúncio publicitário 1As características do anúncio publicitário 1
As características do anúncio publicitário 1
 
Um cesário documental
Um cesário documentalUm cesário documental
Um cesário documental
 
A linguagem na poesia de Cesario Verde
A linguagem na poesia de Cesario VerdeA linguagem na poesia de Cesario Verde
A linguagem na poesia de Cesario Verde
 
O quotidiano na obra de Cesário Verde
O quotidiano na obra de Cesário VerdeO quotidiano na obra de Cesário Verde
O quotidiano na obra de Cesário Verde
 
A mulher em Cesario Verde
A mulher em Cesario VerdeA mulher em Cesario Verde
A mulher em Cesario Verde
 
Cesário verde língua portuguesa
Cesário verde   língua portuguesaCesário verde   língua portuguesa
Cesário verde língua portuguesa
 
Temáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeTemáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verde
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Realismo Vs Naturalismo
Realismo Vs NaturalismoRealismo Vs Naturalismo
Realismo Vs Naturalismo
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
Poesia lírica
Poesia líricaPoesia lírica
Poesia lírica
 
A poetica de cesario verde
A poetica de cesario verdeA poetica de cesario verde
A poetica de cesario verde
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Vida e obra de cesário verde
Vida e obra de cesário verdeVida e obra de cesário verde
Vida e obra de cesário verde
 

Último

Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 

Último (20)

Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 

Caracteristicas de Cesário Verde

  • 3. Supremacia do mundo externo, da materialidade dos objetos; impõe o real concreto à sua poesia.  Predomínio do cenário urbano (o favorito dos escritores realistas e naturalistas).  Situa espácio-temporalmente as cenas apresentadas (ex: «Num Bairro Moderno» - «dez horas da manhã»).  Atenção ao pormenor, ao detalhe.  A seleção temática: a dureza do trabalho («Cristalizações» e «Num Bairro Moderno»); a doença e a injustiça social («Contrariedades»); a imoralidade das «impuras», a desonestidade do «ratoneiro» e a «miséria do velho professor» em «O Sentimento dum Ocidental».  A presença do real histórico: a referência a Camões e o contexto socio-político em «O Sentimento dum Ocidental».  A linguagem burguesa, popular, coloquial, rica em termos concretos.  Pelo facto da sua poesia ser estimulada pelo real, que inspira o poeta, que se deixa absorver pelas formas materiais e concretas.
  • 4. Encontra-se já um olhar subjetivo, valorativo, pois mais do que a representação do real importa a impressão do real, que suplanta o real objetivo.  Abre à poesia as portas da vida e assim traz o vulgar, o feio, a realidade trivial e quotidiana.  Forte cruzamento de várias sensações na apreensão do real.  Intersecção entre planos diferentes, visualização e memória, real e imaginário, etc.
  • 5. A estrutura narrativa dos seus poemas, em que encontramos acções protagonizadas por agentes/atores (ex: «Deslumbramentos», «Cristalizações» e «Num Bairro Moderno»).  A exploração do espaço é feita numa perspetiva de câmara de filmar, em que se vão fixando vários planos. É uma espécie de olhar itinerante, que reflete o passeio obsessivo pela cidade (e também no campo em alguns poemas).Exemplos mais significativos são os poemas «Num Bairro Moderno», «O Sentimento dum Ocidental», que definem a relação do poeta com a cidade. Características estilísticas:
  • 6. Automatismo psíquico: associações que sugerem uma acumulação, uma conexão  O olhar seletivo: a descrição/evocação do aleatória de ideias (ex: «Contrariedades», espaço é filtrada por um juízo de valor «O Sentimento dum Ocidental). transfigurador, (ex: «Num Bairro Moderno»).  Adjetivação particularmente abundante e  O poeta é como um espelho em que vem expressiva, com dupla e tripla adjetivação. reflectir a diversidade do mundo citadino.  O contraste luz/sombra: tanto pode ser a luz do dia como a luz artificial, como a luz metafórica que emana da visão da mulher. A incidência da luz é uma forma de valorizar os objetos, entendendo-se a luz como princípio de vida. Características estilísticas:
  • 7. Oposição cidade/campo, sendo a cidade um espaço de morte e o campo um espaço de vida – valorização do natural em detrimento do artificial. O campo é visto como um espaço de liberdade, do não isolamento; e a cidade como um espaço castrador, opressor, símbolo da morte, da humilhação, da doença. A esta oposição associam-se as oposições belo/feio, claro/escuro, força/fragilidade.  Oposição passado/presente, em que o passado é visto como um tempo de harmonia com a natureza, ao contrário de um presente contaminado pelos malefícios da cidade (ex: «Nós»).
  • 8. A questão da inviabilidade do Amor na cidade.  A humilhação (sentimental, estética, social).  A preocupação com as injustiças sociais.  O sentimento anti-burguês.  O perpétuo fluir do tempo, que só trará esperança para as gerações futuras.
  • 9. Presença obsessiva da figura feminina, vista: → negativamente, porque contaminada pela civilização urbana: - mulher opressora – mulher nórdica, fria, símbolo da eclosão do desenvolvimento da cidade como fenómeno urbano, (ex: «Frígida», «Deslumbramentos» e «Esplêndida»), em que se reconhece a influência de Baudelaire; → positivamente, porque relacionada com o campo, com os seus valores bons: - mulher anjo – visão angelical, reflexo de uma entidade divina, símbolo de pureza campestre («Em Petiz», «Nós», «De Tarde» e «Setentrional») – também tem um efeito regenerador; - mulher regeneradora – mulher frágil, pura, natural, simples, representa os valores do campo na cidade (ex: as figuras femininas de a «A Débil» e «Num Bairro Moderno»); - mulher oprimida – tísica, resignada, vítima da opressão social urbana, humilhada (ex: «Contrariedades»); - mulher como sinédoque social – (ex: as «burguesinhas» e as varinas de «O Sentimento dum Ocidental» → como objecto do estímulo: - mulher objecto – vista enquanto estímulo dos sentidos carnais, sensuais, como impulso erótico (ex: actriz de «Cristalizações»).
  • 11. Contemporâneo de Antero e de Eça.  Contemporâneo do Realismo, que influencia alguns aspetos da sua poesia: • descrição objetiva do real; • presença de figuras do povo; • preocupação social; • expressão de solidariedade social.
  • 12. Aspetos específicos:  Presença do quotidiano citadino e campestre.  Binómio campo ( vida, pureza, felicidade, saúde, alegria, liberdade, luz)  Carácter deambulatório. doença, infelicidade, prisão, sombra). cidade ( morte, tristeza,  Aspeto cinético e de visualização:  Nova imagem da mulher:  o poeta faz a apresentação de aspetos genéricos e globalizantes, descendo depois aos ◦ mulher do povo, sofredora e doente – “ Contrariedades” e “ Num Bairro Moderno”; aspetos particulares que descreve pormenorizadamente. ◦ mulher leviana – “ Sentimento dum Ocidental”; Aspeto pictórico: ◦  mulher sedutora e bela – “ De tarde” e “ De Verão”.  influência dos movimentos e técnicas pictóricas da época ( Realismo, Impressionismo).  Intenção crítica e a questão social.  Mito de Anteu – o contacto com a terra, com a realidade, confere força e vitalidade.  As fugas imaginativas e a pretendida objetividade.
  • 13. Vocabulário preciso, conciso e pragmático.  Escassez de palavras eruditas.  Valor expressivo dos diminutivos.  Emprego de verbos sensoriais.  Sinestesias.
  • 14. Sílvia Araújo, nº27  Susana Martins, nº28