SlideShare uma empresa Scribd logo
FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA
CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM




 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES PRÁTICAS
 UNIDADE DE SAÚDE DOM ANTÔNIO REIS




             Santa Maria
                2012
ROSANE C. GARCIA




   RELATÓRIO DAS ATIVIDADES PRÁTICAS
UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DOM ANTÔNIO REIS




                                 Este trabalho é referente à disciplina
                                 Saúde Coletiva I do 3° Semestre da
                                 Faculdade Integrada de Santa Maria
                                 - FISMA.




      Supervisor: Prof. Marcos Werle Simon




                  Santa Maria
                     2012
1. INTRODUÇÃO


        Segundo LIMA (2005) a enfermagem é compreendida como arte e ciência,
pessoas que convivem e cuidam das outras: uma profissão dinâmica, submetidas a
transformações contínuas e que sucessivamente esta incorporando novas reflexões,
problemas e ações, porque seu princípio ético é o de conservar ou restabelecer a
dignidade do corpo em todos os âmbitos da vida. Para realizar uma intervenção de
enfermagem, sinônimo de interação humana, além da percepção dessas tensões
permanentes, é preciso que os atos de cuidar sejam articulados com os princípios de
conservação de energia integridade pessoais, social, política e estrutural. A Enfermagem
é a ciência humana, fundamentações e práticas do cuidar dos seres humanos com amplo
conhecimento, de experiências e de pessoas que abrangem do estado de saúde aos
estados de doença, intervindos por transações pessoais, profissionais, científicas,
estéticas, éticas e políticas.
        O documento BRASIL (1994) revela que a implantação do PSF tem como
objetivo geral "melhorar o estado de saúde da população, mediante a construção de um
modelo assistencial de atenção baseado na promoção, proteção, diagnóstico precoce,
tratamento e recuperação da saúde em conformidade com os princípios e diretrizes do
Sistema Único de Saúde - SUS e dirigidos aos indivíduos, à família e à comunidade".
Trata-se de um mecanismo onde é levada a atenção à saúde e que a construção do
modelo assistencial substitui o tradicional onde possa levar a saúde mais perto da
família e com isso melhorar a qualidade de vida do brasileiro.
        RODRIGUES         (1998)   entende que o PSF possa contribuir para o
desenvolvimento dos sistemas locais de saúde, promovendo a atenção primária de boa
qualidade e a participação da comunidade na construção do setor, indicando um novo
paradigma de atenção à saúde. Aqui vejamos que na PSF a atenção à saúde é primária e
a participação da comunidade coopera para o crescimento dos sistemas locais de saúde.
        A estratégia Saúde da Família foi criada pelo ministério da saúde para reorientar
a atenção básica fortalecendo, dessa forma, o modelo assistencial do SUS (BRASIL,
1997). Ela pressupõe o princípio da Vigilância à Saúde, a inter e multidisciplinaridade e
a integralidade do cuidado sobre a população que reside na área de abrangência de suas
unidades de saúde (BRASIL, 1998). Dessa forma busca ampliar e facilitar o acesso dos
usuários ao sistema de saúde, tendo as equipes de saúde da família como eixo
estruturante e prestando uma assistência igualitária e humanizada a todos. Tendo como
direcionamento de ação da disciplina Saúde Coletiva I, assim este relato, busca dialogar
sobre a experiência vivenciada no sentido de reforçar a importância de aulas práticas
como um objeto de estudo no âmbito dos serviços de saúde, pois contribui
significativamente para a aprendizagem.
       O estágio é a oportunidade de treino prático, um período de aprendizado em uma
empresa, que permite aplicar conhecimentos teóricos através da vivencia em situações
reais do exercício da futura profissão. É obter oportunidade de se familiarizar com o
ambiente de trabalho, melhorando seu relacionamento humano que contribui para sua
formação profissional, e dessa forma propiciando a complementação do ensino e da
aprendizagem tornando-se elemento de integração em termos de treinamento prático e
aperfeiçoamento técnico, cultural e científico.
       O presente estágio do Curso de Enfermagem da Faculdade Integrada de Santa
Maria tem como intuito oportunizar mais um espaço de aproximação e integração do
aluno de Enfermagem com a realidade dos profissionais de saúde estabelecendo
conhecimentos amplos das assistências e de todas as atividades propostas ali
mencionadas. Envolve uma conduta de aprendizagem no contexto das práticas ali
realizadas com intuito de presidir seus conhecimentos através da capacidade de
interações observando as necessidades ali encontradas como um mecanismo de
empreendimento de novas atividades. As ações e trabalhos diretamente relacionados ao
estágio estão divididos em: observação e analise; atendimento em Enfermagem e bem
como atividades de palestras e discussões de atividades desenvolvidas no período.
       As atividades desse estágio de Enfermagem foram planejadas durante o período
inicial do semestre, como parte da disciplina de Saúde Coletiva I. Todas as etapas foram
supervisionadas por um profissional professor Orientador do Curso de Enfermagem da
Faculdade Integrada de Santa Maria.
       O estágio da disciplina Saúde Coletiva I do curso de Enfermagem Bacharelado
foi cumprido, levando em conta a duração de mais de um mês, correspondendo ao
calendário letivo do 2°semestre do ano de 2012, teve início no dia 17 de setembro até o
término do mês de outubro. O período de práticas foi realizado somente em dois dias da
semana durante todo o período mencionado anteriormente que cabe todas as segundas-
feiras e terças-feiras no período da manhã, tendo uma carga horária de 100hs, contando
com a participação de seis acadêmicos de Enfermagem.
       Este relatório esta sendo mencionado às atividades práticas realizadas na
Unidade de Saúde Dom Antônio Reis onde descreve todas as características baseadas a
um atendimento básico envolvendo ações assistenciais que constitui na forma de coletas
de dados, (medidas dos sinais vitais) para o procedimento das consultas, preenchimento
do SIA SUS, orientações de saúde, também como as visitas domiciliares acompanhadas
por uma enfermeira e ou uma agente.
       Segundo POTTER; PERRY (1998) os sinais vitais são um meio rápido e
eficiente para monitoramento das condições de um paciente como para identificação na
existência de problemas. As medidas de sinais vitais fornecem dados que podem ser
empregados para determinar o estado normal de saúde, assim como uma resposta, tanto
para o estresse físico e psicológico, como para o tratamento médico e de enfermagem.
Os sinais vitais fornecem dados fisiológicos, estabelecendo forma mais comum de
coleta de dados utilizada na avaliação profissional.        Para realização de medidas
rotineiras de assistência, como posicionamento e decisões na administração de
analgésicos, assim como em relação a intervenções de casos graves o profissional tem
como auxilio as medidas de sinais vitais.
       Sinais vitais são indicadores do funcionamento fisiológico, ou seja, o estado de
equilíbrio térmico, circulatório e respiratório, tais como: temperatura, pulso, respiração
e pressão arterial. Os sinais vitais têm como objetivo auxiliar no diagnóstico e
tratamento bem como acompanhar a evolução da doença. (MUSSI; OHNISHI;
UTYAMA; OLIVEIRA, 2003).
       Dentro do contexto sinais vitais vale destacar um dos problemas encontrados
entre os pacientes que geralmente procuram assistência nessa Unidade de Saúde que é a
pressão arterial sanguínea (hipertensão).
       Pressão sanguínea é a força exercida pelo sangue na parede de um vaso. A
pressão sanguínea esta relacionado a vários fatores hemodinâmicos como o débito
cardíaco, resistência vascular periférica, volume e viscosidade sanguínea e elasticidade
das artérias. Hipertensão provoca espessamento e perda da elasticidade das paredes das
artérias. Sempre que a resistência vascular periférica aumentar também aumenta a
pressão sanguínea e o fluxo sanguíneo para os órgãos vitais como coração, cérebro e
rins diminuem. Um indivíduo hipertenso pode morrer de insuficiência cardíaca, renal ou
acidente vascular cerebral, caso a hipertensão não for controlada. Há varias situações
que podem provocar a alterações na pressão sanguínea que são as seguintes: ansiedade,
medo, dor e estresse emocional, também drogas, hormônios e cotidiano, essa, por
exemplo, havendo variações da pressão sanguínea, sendo mais baixa pela manhã e
aumentar durante o dia até a noite e diminuindo a seguir. (POTTER; PERRY, 1998).
O equipamento para medição da pressão sanguínea mais preciso é o
esfigmomanômetro contendo um manômetro, um manguito de tecido que faz a oclusão
e que contém um balão de borracha inflamável e um bulbo de pressão, com uma válvula
para a liberação do ar que insufla o manguito e o estetoscópio. (POTTER; PERRY,
1998).
         O curativo é uma denominação específica que se aplica aos procedimentos e
cuidados externos com finalidade de dispensar a lesão. A finalidade do tratamento de
uma lesão com a utilização do curativo é para proteger de traumatismo mecânico, as
contaminações, absorver secreções e reduzir em proporções mínimas o acúmulo de
fluídos por compreensão e não agravar mais a contusão imobilizando-a para facilitar a
regeneração da pele.
         Existem diversos tipos de lesões e as mais frequentemente encontradas nos
serviços da rede básica de saúde são as úlceras venosas, as artérias, as hipertensivas, as
de pressão e as neurotróficas. Dentre estas, destacam-se as neurotróficas, que acometem
o sistema nervoso periférico, como a hanseníase, o alcoolismo e o da diabetes Mellitus.
         Dentro deste contexto vou destacar uma das lesões encontrada nos atendimentos
prestados no decorrer das visitas domiciliares da Unidade de Saúde Dom Antônio Reis.
Foi a lesão acometida pela diabetes Millitus, uma lesão com processo de cicatrização
muito lento, com prognósticos de perturbações por um longo período.
         Entre outras atividades desenvolvidas durante o estágio vou citar uma atividade
que compreende o método para medição da glicose no sangue. Esse método é um
sistema químico contido em uma tira de testes, onde a amostra do sangue é aplicada, e
que depois é inserido no medidor para a leitura. Podem ser feitas facilmente por
qualquer pessoa com o uso de aparelhos glicosímetros. Para o controle de pacientes
diabéticos a automonitorização da glicose sanguíneo esta sendo um método de
desenvolvimento de grande ajuda. Isso possibilita a detecção e prevenção da
hipoglicemia e hiperglicemia e a normalização dos níveis de glicose sanguínea, que
porventura reduzirão as complicações diabéticas em longo prazo. E com os resultados
obtidos da automonitorização, as pessoas com diabetes são capazes de ajustar o
tratamento para obter o controle necessário.
2. CARACTERIZAÇÃO DO CENÁRIO DAS PRÁTICAS


       A Unidade de Saúde Dom Antônio Reis localiza-se a Rua Isidoro Grassi com
Duque de Caxias, S/N , CEP 97060310, Bairro Medianeira, Santa Maria, RS.
       A Unidade de Saúde Dom Antônio Reis de Santa Maria (RS), Posto de saúde da
família, Centro de Saúde/Unidade Básica é mantida pela administração direta da
saúde (MS, SES e SMS) - Órgão Público do Poder Executivo Municipal. Prestador
Público Municipal. Estabelece o Convenio do SUS.
       Nível de atenção: Ambulatorial; Atividade: Atenção Básica; Gestão: Municipal.
Atividade: média Complexidade; Gestão: Estadual.
       Atendimento prestado em nível de clientela: Atendimento de demanda
espontânea e referenciada.
       O espaço físico da Unidade de Saúde Dom Antônio Reis de Santa Maria (RS) é
de pouca extensão e se divide em:
              2 salas de espera
              6 salas de consultas
              1 sala triagem
              1 sala de farmácia
              1 sala para lanche
              2 banheiros


       3. RECURSOS HUMANOS


       A Unidade de Saúde Dom Antônio Reis de Santa Maria (RS) possui o seguinte
quadro de profissionais:
              5 médicos
              2 dentistas
              3 enfermeiros
              2 auxiliares de enfermagem.


       4. RELATO DAS ATIVIDADES


       Participei de atividades diversas, atuando na assistência de Enfermagem às
crianças e adolescentes, às mulheres, aos adultos e aos idosos na Unidade de Saúde
Dom Antônio Reis. As atividades desenvolvidas foram as seguintes:
       O primeiro dia de estágio foi realizado o reconhecimento do campo de estágio,
observado a estrutura organizacional e averiguado as condições de trabalho, tais como,
disponibilidade de recursos físicos, materiais e humanos. Os dias seguintes eu atuei
realizando como também observando: Verificação de Pressão Arterial; Preenchimento
do SIA SUS; Nebulização; HGT; curativos; retiradas de pontos; Triagem para a
Pediatria, através de medidas antropométricas (peso e altura), e a verificação de sinais
vitais, como a temperatura. Também participei das visitas Domiciliares tendo
oportunidade de estabelecer orientações de saúde. Em acompanhamento às atividades
do Programa de Saúde da Família (PSF), participei e também colaborei juntamente com
enfermeira ou agente de saúde nos procedimentos de enfermagem ao domicilio e nesse
acompanhamento ampliei meus conhecimentos e aprimorei minhas habilidades de
relacionamento interpessoal. Também foi realizada atividade social na Praça Saturino
de Brito, promoção SESC, apoio FISMA (acadêmicos de Enfermagem). Orientações de
saúde – promoção de saúde e verificação da pressão arterial. Esse tópico traz com
detalhes a descrição das inúmeras atividades e ações de promoção de saúde, prevenção e
de cuidados curativos prestados durante o Estágio.
5. CONCLUSÃO


       O presente estágio teve como resultado o aprimoramento da teoria no
treinamento prático que busca viabilizar a aprendizagem como busca de conhecimentos,
aproximação e integração no âmbito dos serviços de saúde, trazendo a realidade dos
profissionais de saúde, assim como uma vivencia de situações autênticas do exercício da
futura profissão.
       No período do estágio pude fazer a relação teoria pratica de maneira satisfatória,
pois foi possível realizar com êxito todas as atividades ali propostas, estabelecidas e
atribuídas ao funcionamento e organização da Unidade de Saúde, onde pude assimilar
conhecimentos e habilidades. Por questionamentos e reflexões obtidas devo salientar
que o profissional de saúde em geral deve de conhecer seu potencial de modificar
comportamentos pessoais e coletivos no que se refere à saúde. Com acompanhamento
de visitas domiciliares pude constatar que muitas doenças não podem ser
compreendidas totalmente a não ser que sejam vistas exatamente no contexto pessoal,
familiar e social.
       Vale destacar que há uma grande carência entre as pessoas que procuram a
Unidade de saúde. Há pessoas que se dirigem ao posto, muitas vezes somente em busca
de conforto e atenção, ou seja, interação humana, e nem sempre são pessoas enfermas,
sinto que ali elas encontram fortalecimento de apoio moral que presume no cotidiano.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


LIMA, M. J. O que é Enfermagem. 3 ed. São Paulo – SP. Brasiliense; 2005.


SANTANA, M. L.; CARMAGNANI. M. I. Programa Saúde da Família do Brasil:
Enfoque Sobre Seus Pressupostos Básicos, Operacionalização e Vantagens. Disponível
em< http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v10n1/04.pdf> Acesso em 20 de outubro de 2012.


SANTANA, M. L.; CARMAGNANI. M I. Programa saúde da família no brasil: Um
enfoque sobre seus pressupostos básicos, operacionalização e
Vantagens. Disponível em< http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-
12902001000100004&script=sci_arttext> Acesso em 20 de outubro de 2012.


BRASIL. Ministério da Saúde. Programa de Saúde da Família. Brasília, COSAC,
1994.


FIGUEREDO, E. N. Estratégia Saúde da Família e
Núcleo de Apoio à Saúde da Família: diretrizes e fundamentos. Disponível
em<http://www.unasus.unifesp.br/biblioteca_virtual/esf/1/modulo_politico_gestor/Unid
ade_5.pdf> Acesso em: 20 de Outubro de 2012.


LOPES, C. S. G.; OLIVEIRA, L. R. A.; LEHFELD, N. A. S.; TRIMAILOVAS, M. R.
O Estágio Curricular no Curso de Engenharia Química da Universidade de
Ribeirão Preto. Disponível em
<http://www.abenge.org.br/CobengeAnteriores/2006/artigos/1_94_331.pdf> Acesso em
21 de Outubro de 2012.


POTTER, P. A.; PERRY, A. G. Grande Tratado de Enfermagem Prática – Clínica e
Prática Hospitalar. 3 ed. São Paulo.Santos;1998.


MUSSI, N. M.; OHNISHI, M; UTYAMA, I. K.; OLIVEIRA, M. M. B. V. Técnicas
Fundamentais de Enfermagem. 4 ed. São Paulo – SP. Atheneu; 2003.
DATASUS, Secretaria de Atenção a Saúde. Ministério da Saúde. Cadastro Nacional de
Estabelecimento de Saúde. CnesNet: 2003. Disponível em<
http://cnes.datasus.gov.br/Exibe_Ficha_Estabelecimento.asp?VCo_Unidade=43169022
42605> Acesso em 23 de Outubro de 2012.


DF. Ministério da Saúde. Manual de Condutas para Ulceras Neurotróficas e
Traumáticas. 1 ed. Série J. Cadernos de Reabilitação em Hanseníase; n.2. Brasília;
2002.


PORTAL. Diabetes. Notícias. 2011. Disponível em<
http://www.portaldiabetes.com.br/conteudocompleto.asp?idconteudo=10002310>
Acesso em 26 de outubro de 2012.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Luziane Costa
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
resenfe2013
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Fabricio Marques Moreira
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
Proqualis
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
MONOGRAFIA DE ENFERMAGEM
MONOGRAFIA DE ENFERMAGEMMONOGRAFIA DE ENFERMAGEM
MONOGRAFIA DE ENFERMAGEM
leidianekanall
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
Aline Bandeira
 
Relatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegemRelatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegem
joselene beatriz
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
eduardo leao
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
Jardiel7
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
resenfe2013
 
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEMPROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
joselene beatriz
 
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFAvaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Janaína Lassala
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
Centro Universitário Ages
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 

Mais procurados (20)

Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
 
Evolução pós parto
Evolução pós partoEvolução pós parto
Evolução pós parto
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
MONOGRAFIA DE ENFERMAGEM
MONOGRAFIA DE ENFERMAGEMMONOGRAFIA DE ENFERMAGEM
MONOGRAFIA DE ENFERMAGEM
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Relatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegemRelatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegem
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEMPROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
 
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFAvaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 

Semelhante a Relatório de estágio

aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
Francielttonsantos
 
Sala de espera artigo
Sala de espera artigoSala de espera artigo
Sala de espera artigo
Marta Elini Borges
 
Saúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptxSaúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptx
irisneth duarte
 
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
Eli Paula
 
Aps
ApsAps
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
naiellyrodrigues
 
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolarSessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Literacia em Saúde
 
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Angelina Lessa
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Sebástian Freire
 
Humanizacao em hospitais
Humanizacao em hospitaisHumanizacao em hospitais
Humanizacao em hospitais
Geisa Percio Prado
 
Apresentaçãoo PNPIC e PICs - histórico e conceitos
Apresentaçãoo PNPIC e PICs - histórico e conceitosApresentaçãoo PNPIC e PICs - histórico e conceitos
Apresentaçãoo PNPIC e PICs - histórico e conceitos
comunidadedepraticas
 
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagemSlaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
Rosiane Maria
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
antonio-carlos
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
antonio-1968
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
antonio-1968
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
antonio-1968
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
antonio-carlos
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
antonio-1968
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
antonio-carlos
 
Práticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidênciasPráticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidências
gisorte
 

Semelhante a Relatório de estágio (20)

aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
 
Sala de espera artigo
Sala de espera artigoSala de espera artigo
Sala de espera artigo
 
Saúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptxSaúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptx
 
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
 
Aps
ApsAps
Aps
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
 
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolarSessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
 
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
 
Humanizacao em hospitais
Humanizacao em hospitaisHumanizacao em hospitais
Humanizacao em hospitais
 
Apresentaçãoo PNPIC e PICs - histórico e conceitos
Apresentaçãoo PNPIC e PICs - histórico e conceitosApresentaçãoo PNPIC e PICs - histórico e conceitos
Apresentaçãoo PNPIC e PICs - histórico e conceitos
 
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagemSlaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
 
Tcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminadoTcc2 revisado e terminado
Tcc2 revisado e terminado
 
Práticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidênciasPráticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidências
 

Último

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 

Último (20)

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 

Relatório de estágio

  • 1. FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM RELATÓRIO DAS ATIVIDADES PRÁTICAS UNIDADE DE SAÚDE DOM ANTÔNIO REIS Santa Maria 2012
  • 2. ROSANE C. GARCIA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES PRÁTICAS UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DOM ANTÔNIO REIS Este trabalho é referente à disciplina Saúde Coletiva I do 3° Semestre da Faculdade Integrada de Santa Maria - FISMA. Supervisor: Prof. Marcos Werle Simon Santa Maria 2012
  • 3. 1. INTRODUÇÃO Segundo LIMA (2005) a enfermagem é compreendida como arte e ciência, pessoas que convivem e cuidam das outras: uma profissão dinâmica, submetidas a transformações contínuas e que sucessivamente esta incorporando novas reflexões, problemas e ações, porque seu princípio ético é o de conservar ou restabelecer a dignidade do corpo em todos os âmbitos da vida. Para realizar uma intervenção de enfermagem, sinônimo de interação humana, além da percepção dessas tensões permanentes, é preciso que os atos de cuidar sejam articulados com os princípios de conservação de energia integridade pessoais, social, política e estrutural. A Enfermagem é a ciência humana, fundamentações e práticas do cuidar dos seres humanos com amplo conhecimento, de experiências e de pessoas que abrangem do estado de saúde aos estados de doença, intervindos por transações pessoais, profissionais, científicas, estéticas, éticas e políticas. O documento BRASIL (1994) revela que a implantação do PSF tem como objetivo geral "melhorar o estado de saúde da população, mediante a construção de um modelo assistencial de atenção baseado na promoção, proteção, diagnóstico precoce, tratamento e recuperação da saúde em conformidade com os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde - SUS e dirigidos aos indivíduos, à família e à comunidade". Trata-se de um mecanismo onde é levada a atenção à saúde e que a construção do modelo assistencial substitui o tradicional onde possa levar a saúde mais perto da família e com isso melhorar a qualidade de vida do brasileiro. RODRIGUES (1998) entende que o PSF possa contribuir para o desenvolvimento dos sistemas locais de saúde, promovendo a atenção primária de boa qualidade e a participação da comunidade na construção do setor, indicando um novo paradigma de atenção à saúde. Aqui vejamos que na PSF a atenção à saúde é primária e a participação da comunidade coopera para o crescimento dos sistemas locais de saúde. A estratégia Saúde da Família foi criada pelo ministério da saúde para reorientar a atenção básica fortalecendo, dessa forma, o modelo assistencial do SUS (BRASIL, 1997). Ela pressupõe o princípio da Vigilância à Saúde, a inter e multidisciplinaridade e a integralidade do cuidado sobre a população que reside na área de abrangência de suas unidades de saúde (BRASIL, 1998). Dessa forma busca ampliar e facilitar o acesso dos usuários ao sistema de saúde, tendo as equipes de saúde da família como eixo estruturante e prestando uma assistência igualitária e humanizada a todos. Tendo como
  • 4. direcionamento de ação da disciplina Saúde Coletiva I, assim este relato, busca dialogar sobre a experiência vivenciada no sentido de reforçar a importância de aulas práticas como um objeto de estudo no âmbito dos serviços de saúde, pois contribui significativamente para a aprendizagem. O estágio é a oportunidade de treino prático, um período de aprendizado em uma empresa, que permite aplicar conhecimentos teóricos através da vivencia em situações reais do exercício da futura profissão. É obter oportunidade de se familiarizar com o ambiente de trabalho, melhorando seu relacionamento humano que contribui para sua formação profissional, e dessa forma propiciando a complementação do ensino e da aprendizagem tornando-se elemento de integração em termos de treinamento prático e aperfeiçoamento técnico, cultural e científico. O presente estágio do Curso de Enfermagem da Faculdade Integrada de Santa Maria tem como intuito oportunizar mais um espaço de aproximação e integração do aluno de Enfermagem com a realidade dos profissionais de saúde estabelecendo conhecimentos amplos das assistências e de todas as atividades propostas ali mencionadas. Envolve uma conduta de aprendizagem no contexto das práticas ali realizadas com intuito de presidir seus conhecimentos através da capacidade de interações observando as necessidades ali encontradas como um mecanismo de empreendimento de novas atividades. As ações e trabalhos diretamente relacionados ao estágio estão divididos em: observação e analise; atendimento em Enfermagem e bem como atividades de palestras e discussões de atividades desenvolvidas no período. As atividades desse estágio de Enfermagem foram planejadas durante o período inicial do semestre, como parte da disciplina de Saúde Coletiva I. Todas as etapas foram supervisionadas por um profissional professor Orientador do Curso de Enfermagem da Faculdade Integrada de Santa Maria. O estágio da disciplina Saúde Coletiva I do curso de Enfermagem Bacharelado foi cumprido, levando em conta a duração de mais de um mês, correspondendo ao calendário letivo do 2°semestre do ano de 2012, teve início no dia 17 de setembro até o término do mês de outubro. O período de práticas foi realizado somente em dois dias da semana durante todo o período mencionado anteriormente que cabe todas as segundas- feiras e terças-feiras no período da manhã, tendo uma carga horária de 100hs, contando com a participação de seis acadêmicos de Enfermagem. Este relatório esta sendo mencionado às atividades práticas realizadas na Unidade de Saúde Dom Antônio Reis onde descreve todas as características baseadas a
  • 5. um atendimento básico envolvendo ações assistenciais que constitui na forma de coletas de dados, (medidas dos sinais vitais) para o procedimento das consultas, preenchimento do SIA SUS, orientações de saúde, também como as visitas domiciliares acompanhadas por uma enfermeira e ou uma agente. Segundo POTTER; PERRY (1998) os sinais vitais são um meio rápido e eficiente para monitoramento das condições de um paciente como para identificação na existência de problemas. As medidas de sinais vitais fornecem dados que podem ser empregados para determinar o estado normal de saúde, assim como uma resposta, tanto para o estresse físico e psicológico, como para o tratamento médico e de enfermagem. Os sinais vitais fornecem dados fisiológicos, estabelecendo forma mais comum de coleta de dados utilizada na avaliação profissional. Para realização de medidas rotineiras de assistência, como posicionamento e decisões na administração de analgésicos, assim como em relação a intervenções de casos graves o profissional tem como auxilio as medidas de sinais vitais. Sinais vitais são indicadores do funcionamento fisiológico, ou seja, o estado de equilíbrio térmico, circulatório e respiratório, tais como: temperatura, pulso, respiração e pressão arterial. Os sinais vitais têm como objetivo auxiliar no diagnóstico e tratamento bem como acompanhar a evolução da doença. (MUSSI; OHNISHI; UTYAMA; OLIVEIRA, 2003). Dentro do contexto sinais vitais vale destacar um dos problemas encontrados entre os pacientes que geralmente procuram assistência nessa Unidade de Saúde que é a pressão arterial sanguínea (hipertensão). Pressão sanguínea é a força exercida pelo sangue na parede de um vaso. A pressão sanguínea esta relacionado a vários fatores hemodinâmicos como o débito cardíaco, resistência vascular periférica, volume e viscosidade sanguínea e elasticidade das artérias. Hipertensão provoca espessamento e perda da elasticidade das paredes das artérias. Sempre que a resistência vascular periférica aumentar também aumenta a pressão sanguínea e o fluxo sanguíneo para os órgãos vitais como coração, cérebro e rins diminuem. Um indivíduo hipertenso pode morrer de insuficiência cardíaca, renal ou acidente vascular cerebral, caso a hipertensão não for controlada. Há varias situações que podem provocar a alterações na pressão sanguínea que são as seguintes: ansiedade, medo, dor e estresse emocional, também drogas, hormônios e cotidiano, essa, por exemplo, havendo variações da pressão sanguínea, sendo mais baixa pela manhã e aumentar durante o dia até a noite e diminuindo a seguir. (POTTER; PERRY, 1998).
  • 6. O equipamento para medição da pressão sanguínea mais preciso é o esfigmomanômetro contendo um manômetro, um manguito de tecido que faz a oclusão e que contém um balão de borracha inflamável e um bulbo de pressão, com uma válvula para a liberação do ar que insufla o manguito e o estetoscópio. (POTTER; PERRY, 1998). O curativo é uma denominação específica que se aplica aos procedimentos e cuidados externos com finalidade de dispensar a lesão. A finalidade do tratamento de uma lesão com a utilização do curativo é para proteger de traumatismo mecânico, as contaminações, absorver secreções e reduzir em proporções mínimas o acúmulo de fluídos por compreensão e não agravar mais a contusão imobilizando-a para facilitar a regeneração da pele. Existem diversos tipos de lesões e as mais frequentemente encontradas nos serviços da rede básica de saúde são as úlceras venosas, as artérias, as hipertensivas, as de pressão e as neurotróficas. Dentre estas, destacam-se as neurotróficas, que acometem o sistema nervoso periférico, como a hanseníase, o alcoolismo e o da diabetes Mellitus. Dentro deste contexto vou destacar uma das lesões encontrada nos atendimentos prestados no decorrer das visitas domiciliares da Unidade de Saúde Dom Antônio Reis. Foi a lesão acometida pela diabetes Millitus, uma lesão com processo de cicatrização muito lento, com prognósticos de perturbações por um longo período. Entre outras atividades desenvolvidas durante o estágio vou citar uma atividade que compreende o método para medição da glicose no sangue. Esse método é um sistema químico contido em uma tira de testes, onde a amostra do sangue é aplicada, e que depois é inserido no medidor para a leitura. Podem ser feitas facilmente por qualquer pessoa com o uso de aparelhos glicosímetros. Para o controle de pacientes diabéticos a automonitorização da glicose sanguíneo esta sendo um método de desenvolvimento de grande ajuda. Isso possibilita a detecção e prevenção da hipoglicemia e hiperglicemia e a normalização dos níveis de glicose sanguínea, que porventura reduzirão as complicações diabéticas em longo prazo. E com os resultados obtidos da automonitorização, as pessoas com diabetes são capazes de ajustar o tratamento para obter o controle necessário.
  • 7. 2. CARACTERIZAÇÃO DO CENÁRIO DAS PRÁTICAS A Unidade de Saúde Dom Antônio Reis localiza-se a Rua Isidoro Grassi com Duque de Caxias, S/N , CEP 97060310, Bairro Medianeira, Santa Maria, RS. A Unidade de Saúde Dom Antônio Reis de Santa Maria (RS), Posto de saúde da família, Centro de Saúde/Unidade Básica é mantida pela administração direta da saúde (MS, SES e SMS) - Órgão Público do Poder Executivo Municipal. Prestador Público Municipal. Estabelece o Convenio do SUS. Nível de atenção: Ambulatorial; Atividade: Atenção Básica; Gestão: Municipal. Atividade: média Complexidade; Gestão: Estadual. Atendimento prestado em nível de clientela: Atendimento de demanda espontânea e referenciada. O espaço físico da Unidade de Saúde Dom Antônio Reis de Santa Maria (RS) é de pouca extensão e se divide em: 2 salas de espera 6 salas de consultas 1 sala triagem 1 sala de farmácia 1 sala para lanche 2 banheiros 3. RECURSOS HUMANOS A Unidade de Saúde Dom Antônio Reis de Santa Maria (RS) possui o seguinte quadro de profissionais: 5 médicos 2 dentistas 3 enfermeiros 2 auxiliares de enfermagem. 4. RELATO DAS ATIVIDADES Participei de atividades diversas, atuando na assistência de Enfermagem às
  • 8. crianças e adolescentes, às mulheres, aos adultos e aos idosos na Unidade de Saúde Dom Antônio Reis. As atividades desenvolvidas foram as seguintes: O primeiro dia de estágio foi realizado o reconhecimento do campo de estágio, observado a estrutura organizacional e averiguado as condições de trabalho, tais como, disponibilidade de recursos físicos, materiais e humanos. Os dias seguintes eu atuei realizando como também observando: Verificação de Pressão Arterial; Preenchimento do SIA SUS; Nebulização; HGT; curativos; retiradas de pontos; Triagem para a Pediatria, através de medidas antropométricas (peso e altura), e a verificação de sinais vitais, como a temperatura. Também participei das visitas Domiciliares tendo oportunidade de estabelecer orientações de saúde. Em acompanhamento às atividades do Programa de Saúde da Família (PSF), participei e também colaborei juntamente com enfermeira ou agente de saúde nos procedimentos de enfermagem ao domicilio e nesse acompanhamento ampliei meus conhecimentos e aprimorei minhas habilidades de relacionamento interpessoal. Também foi realizada atividade social na Praça Saturino de Brito, promoção SESC, apoio FISMA (acadêmicos de Enfermagem). Orientações de saúde – promoção de saúde e verificação da pressão arterial. Esse tópico traz com detalhes a descrição das inúmeras atividades e ações de promoção de saúde, prevenção e de cuidados curativos prestados durante o Estágio.
  • 9. 5. CONCLUSÃO O presente estágio teve como resultado o aprimoramento da teoria no treinamento prático que busca viabilizar a aprendizagem como busca de conhecimentos, aproximação e integração no âmbito dos serviços de saúde, trazendo a realidade dos profissionais de saúde, assim como uma vivencia de situações autênticas do exercício da futura profissão. No período do estágio pude fazer a relação teoria pratica de maneira satisfatória, pois foi possível realizar com êxito todas as atividades ali propostas, estabelecidas e atribuídas ao funcionamento e organização da Unidade de Saúde, onde pude assimilar conhecimentos e habilidades. Por questionamentos e reflexões obtidas devo salientar que o profissional de saúde em geral deve de conhecer seu potencial de modificar comportamentos pessoais e coletivos no que se refere à saúde. Com acompanhamento de visitas domiciliares pude constatar que muitas doenças não podem ser compreendidas totalmente a não ser que sejam vistas exatamente no contexto pessoal, familiar e social. Vale destacar que há uma grande carência entre as pessoas que procuram a Unidade de saúde. Há pessoas que se dirigem ao posto, muitas vezes somente em busca de conforto e atenção, ou seja, interação humana, e nem sempre são pessoas enfermas, sinto que ali elas encontram fortalecimento de apoio moral que presume no cotidiano.
  • 10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS LIMA, M. J. O que é Enfermagem. 3 ed. São Paulo – SP. Brasiliense; 2005. SANTANA, M. L.; CARMAGNANI. M. I. Programa Saúde da Família do Brasil: Enfoque Sobre Seus Pressupostos Básicos, Operacionalização e Vantagens. Disponível em< http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v10n1/04.pdf> Acesso em 20 de outubro de 2012. SANTANA, M. L.; CARMAGNANI. M I. Programa saúde da família no brasil: Um enfoque sobre seus pressupostos básicos, operacionalização e Vantagens. Disponível em< http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104- 12902001000100004&script=sci_arttext> Acesso em 20 de outubro de 2012. BRASIL. Ministério da Saúde. Programa de Saúde da Família. Brasília, COSAC, 1994. FIGUEREDO, E. N. Estratégia Saúde da Família e Núcleo de Apoio à Saúde da Família: diretrizes e fundamentos. Disponível em<http://www.unasus.unifesp.br/biblioteca_virtual/esf/1/modulo_politico_gestor/Unid ade_5.pdf> Acesso em: 20 de Outubro de 2012. LOPES, C. S. G.; OLIVEIRA, L. R. A.; LEHFELD, N. A. S.; TRIMAILOVAS, M. R. O Estágio Curricular no Curso de Engenharia Química da Universidade de Ribeirão Preto. Disponível em <http://www.abenge.org.br/CobengeAnteriores/2006/artigos/1_94_331.pdf> Acesso em 21 de Outubro de 2012. POTTER, P. A.; PERRY, A. G. Grande Tratado de Enfermagem Prática – Clínica e Prática Hospitalar. 3 ed. São Paulo.Santos;1998. MUSSI, N. M.; OHNISHI, M; UTYAMA, I. K.; OLIVEIRA, M. M. B. V. Técnicas Fundamentais de Enfermagem. 4 ed. São Paulo – SP. Atheneu; 2003.
  • 11. DATASUS, Secretaria de Atenção a Saúde. Ministério da Saúde. Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde. CnesNet: 2003. Disponível em< http://cnes.datasus.gov.br/Exibe_Ficha_Estabelecimento.asp?VCo_Unidade=43169022 42605> Acesso em 23 de Outubro de 2012. DF. Ministério da Saúde. Manual de Condutas para Ulceras Neurotróficas e Traumáticas. 1 ed. Série J. Cadernos de Reabilitação em Hanseníase; n.2. Brasília; 2002. PORTAL. Diabetes. Notícias. 2011. Disponível em< http://www.portaldiabetes.com.br/conteudocompleto.asp?idconteudo=10002310> Acesso em 26 de outubro de 2012.