SlideShare uma empresa Scribd logo
CUIDADOS
PALIATIVOS
DRA ELIANE SANTOS
DEFINIÇÃO
Segundo a Organização Mundial de
Saúde (OMS, 2002), "Cuidados Paliativos
consistem na assistência promovida por
uma equipe multidisciplinar, que
objetiva a melhoria da qualidade de vida
do paciente e seus familiares, diante de
uma doença que ameace a vida, por
meio da prevenção e alívio do
sofrimento, da identificação precoce,
avaliação impecável e tratamento de dor
e demais sintomas físicos, sociais,
psicológicos e espirituais".
CUIDADOS PALIATIVOS
O Cuidado Paliativo se confunde historicamente com o
termo hospice, que definia abrigos (hospedarias)
destinados a receber e cuidar de peregrinos e viajantes.
Os pacientes fora de possibilidade de cura acumulam-
se nos hospitais, recebendo invariavelmente assistência
inadequada, quase sempre focada na tentativa de
recuperação, utilizando métodos invasivos e alta
tecnologia.
Conhecimento científico e humanismo para resgatar a
dignidade da vida e a possibilidade de se morrer em paz.
Os Cuidados Paliativos despontam como alternativa
para preencher a lacuna dos cuidados ativos aos
pacientes
CUIDADOS PALIATIVOS
Baseado em princípios
Terminalidade x Doença que ameaça a
vida
Desde o diagnóstico
Possibilidade de cura x “Não ter mais o
que fazer”
Espiritualidade
Família
CUIDADOS PALIATIVOS
Somente na década de 1960, os códigos de ética profissional
passaram a reconhecer o enfermo como agente autônomo”.
Principio bioético da autonomia do paciente por meio do
consentimento informado, possibilitando que ele tome suas
próprias decisões, no principio da beneficência e da não
maleficência, os Cuidados Paliativos desenvolvem o cuidado ao
paciente visando a qualidade de vida e a manutenção da dignidade
humana no decorrer da doença, na terminalidade da vida, na morte
e no período de luto.
Em 1982, o Comitê de Câncer da OMS criou um grupo de trabalho
responsável por definir politicas para o alivio da dor e cuidados do
tipo hospice que fossem recomendados em todos os países para
pacientes com câncer.
1990 – Definição: “cuidado ativo e total para pacientes cuja doença
não e responsiva a tratamento de cura.
OBJETIVO - Proporcionar a melhor qualidade de vida possível para
pacientes e familiares”.
PRINCÍPIOS
1. Promover o alívio da dor e de outros
sintomas desagradáveis - Sintoma total -
Medicalização / Não medicalização - Aspectos
Psicossociais e espirituais
2. Afirmar a vida e considerar a morte um
processo normal da vida - Resgate a
possibilidade de morte como evento natural -
Ênfase a vida
PRINCÍPIOS
3. Não acelerar nem adiar a morte - Eutanásia
- Diagnóstico objetivo e bem embasado, o
conhecimento da história natural da doença,
um acompanhamento ativo, acolhedor e
respeitoso e uma relação empática com o
paciente e seus familiares nos ajudarão nas
decisões.
4. Integrar os aspectos psicológicos e
espirituais no cuidado ao paciente - Perdas –
Angústia, Depressão e desesperança (evolução
da doença) - O espírito conecta o ser humano a
PRINCÍPIOS
5. Oferecer um sistema de suporte que possibilite ao
paciente viver tão ativamente quanto possível até o
momento da sua morte - Qualidade de vida e bem-estar
implicam observância de vários aspectos da vida. -
Facilitadores para a resolução dos problemas do nosso
paciente.
6. Oferecer sistema de suporte para auxiliar os familiares
durante a doença do paciente e o luto - Todo o núcleo
familiar e social do paciente também “adoece”. - Da
mesma forma, essas pessoas também sofrem, e seu
sofrimento deve ser acolhido e paliado.
PRINCÍPIOS
7. Oferecer abordagem multiprofissional para focar as
necessidades dos pacientes e seus familiares, incluindo
acompanhamento no luto - A equipe multiprofissional,
com seus múltiplos “olhares” e sua percepção individual,
pode realizar esse trabalho de forma abrangente.
8. Melhorar a qualidade de vida e influenciar
positivamente o curso da doença - Abordagem Holística
- Respeitar seus sintomas impecavelmente controlados,
seus desejos e suas necessidades atendidas, podendo
conviver com seus familiares e resgatando pendências,
com certeza nossos pacientes também viverão mais.
PRINCÍPIOS
9. Iniciar o mais precocemente possível o Cuidado
Paliativo, juntamente com outras medidas de
prolongamento da vida, como quimioterapia e
radioterapia, e incluir todas as investigações necessárias
para melhor compreender e controlar situações clínicas
estressantes - Cuidar do paciente em diferentes
momentos da evolução da sua doença, portanto não
devemos priva-lo dos recursos diagnósticos e
terapêuticos que o conhecimento médico pode oferecer.
- Benefícios e Malefícios
INDICAÇÃO
Todos os pacientes portadores de doenças graves, progressivas
e incuráveis, que ameacem a continuidade da vida, deveriam
receber a abordagem dos Cuidados Paliativos desde o seu
diagnóstico.
Um dos critérios mais discutidos e o que se refere ao
prognóstico de tempo de vida do paciente. O limite designado
em seis meses de expectativa de vida poderia ser utilizado para
indicação de Cuidados Paliativos:
• a expectativa de vida avaliada e menor ou igual a seis meses;
• o paciente deve fazer a opção por Cuidados Paliativos
exclusivos e abrir mão dos tratamentos de prolongamento da
vida;
AVALIAÇÃO DO PACIENTE
SOB CUIDADOS PALIATIVOS
Deve conter elementos fundamentais que possibilitem a
compreender quem e a pessoa doente, o que facilita identificar
preferencias e dificuldades, qual a cronologia da evolução de
sua doença e os tratamentos já realizados, as necessidades
atuais e os sintomas, o exame físico, os medicamentos
propostos, as demais decisões clínicas e a impressão a respeito
da evolução, do prognostico e das expectativas em relação ao
tratamento proposto.
Demais evoluções: registrar o impacto do tratamento proposto,
a avaliação dos sintomas, o exame físico, os resultados de
eventuais exames e as novas propostas, assim como as
informações trocadas com o paciente e seus familiares.
A conclusão do caso clínico deve resumir os principais fatos da
internação e, quando for o caso, estabelecer um plano de
cuidados que contemple as necessidades do doente nas
próximas semanas, ate a próxima vista ou consulta.
AVALIAÇÃO DO PACIENTE
SOB CUIDADOS PALIATIVOS
Dados biográficos devem conter:
• nome e forma como gosta de ser chamado;
• sexo e idade;
• estado marital, filhos e netos, se os tiver;
• trabalho que realizou por mais tempo ou com o qual mais
se identificou;
• local de nascimento e região de moradia;
• com quem mora e por quem e cuidado a maior parte do
tempo;
• religião e crenças;
• o que gosta de fazer;
• o que sabe sobre sua doença e o quanto quer saber.
CRONOLOGIA DA DOENÇA
ATUAL E TRATAMENTOS
REALIZADOSExemplo:
• Câncer de mama – outubro/1998 – mastectomia +
radioterapia + quimioterapia;
• metástase óssea – maio/2007 – radioterapia;
• metástases pulmonar e pleural – setembro/2008 –
quimioterapia, pleurodese;
• metástase para o sistema nervoso central (SNC) atual –
neurocirurgia + radioterapia finalizada ha uma semana;
• trombose venosa profunda de membro inferior direito
(MID) – janeiro/2009 – anticoagulantes;
• outros: hipertensão leve, controlada.
AVALIAÇÃO FUNCIONAL
É fundamental para a vigilância da
curva evolutiva da doença e se constitui
em elemento valioso na tomada de
decisões, na previsão de prognostico e
no diagnostico da terminalidade.
EXAMES FÍSICO E
COMPLEMENTARES E
AVALIAÇÕES DE
ESPECIALISTAS
Avaliações e procedimentos
especializados que não tragam beneficio
para o doente não devem ser solicitados
DECISÕES TERAPÊUTICAS
Um prontuário em Cuidados Paliativos deve conter
todas as decisões terapêuticas tomadas a partir de uma
avaliação clínica:
• medicamentos e doses;
• inicio ou suspensão de medidas;
• solicitações de exames e avaliações;
• necessidades de intervenções psíquicas;
• necessidades sociais;
• intervenções realizadas ou solicitadas com a família;
• necessidades espirituais;
• efeito esperado das ações.
IMPRESSÃO E PROGNÓSTICO
Uma forma simplificada de fazer o registro e
comunicar o prognóstico e estabelecer prazos:
• horas a dias (pacientes com perfil de últimas
48 horas);
• dias a semanas (perfil de últimas semanas de
vida);
• semanas a meses (habitualmente até seis
meses de expectativa);
• meses a anos (para expectativas superiores a
seis meses).
PLANO
Exemplo:
• Manter curativos das feridas
com Metronidazol tópico;
• Verificar se há exames
solicitados e orientar o preparo.
• Vigiar capacidade de
alimentação e deglutição;
• Vigiar sintomas de
Hipercalcemia;
• Ter atenção a filha mais nova
e as netas cuidadoras;
• Providenciar isenção de
transporte para a filha
cuidadora.
• Verificar alterações no estado
geral
MODALIDADES DE ATUAÇÃO E
MODELOS DE ASSISTÊNCIA EM
CUIDADOS PALIATIVOS
HOSPITALAR
MODALIDADES DE ATUAÇÃO E
MODELOS DE ASSISTÊNCIA EM
CUIDADOS PALIATIVOS
DOMICILIAR
CONTROLE DA DOR
Dor é uma sensação ou experiência emocional desagradável,
associada com dano tecidual real ou potencial, ou descrito nos
termos de tal dano.
“Dor é sempre subjetiva e pessoal”
A severidade da dor não é diretamente proporcional à
quantidade de tecido lesado e muitos fatores podem
influenciar a percepção deste sintoma:
• fadiga;
• depressão;
• raiva;
• medo/ ansiedade doença;
• sentimentos de falta de esperança e amparo.
AVALIAÇÃO DO PACIENTE COM
DOR
ACREDITAR NA QUEIXA
CONHECER A HISTÓRIA E A CARACTERÍSTICA
DA DOR
LEVANTAR OS ASPECTOS PSICOLÓGICOS E
SOCIAIS
REALIZAR EXAME FÍSICO E SOLICITAR EXAMES
S/N
TRATAR CAUSA PRIMÁRIA
PRINCÍPIOS GERAIS DE
CONTROLE DA DOR
1.PELA BOCA;
2.PELO RELÓGIO;
3.PELA ESCADA;
4.PARA O INDIVÍDUO;
5.USO DE ADJUVANTES;
6.ATENÇÃO AOS DETALHES.
USO DE MEDICAMENTOS
Codeína:
Tramadol:
Morfina:
Fentanil
Metadona
Oxicodona
ADJUVANTES
Antidepressivos
Anticonvulsivantes
Anestésicos locais
Corticosteróides
Antiespasmódicos
MODALIDADES FÍSICAS
MÉTODOS MECÂNICOS
MASSAGEM
EXERCÍCIOS E ATIVIDADE FÍSICA
MÉTODOS COGNITIVOS
 RELAXAMENTO E DISTRAÇÃO DIRIGIDA
Pensamento
CondutaEmoção
COMUNICAÇÃO
Extremamente importante
Priorizar a escuta na maioria das vezes
Acreditar em seu paciente
Se interessar pela história de vida
Proporcionar ambiente tranquilo para facilitar
a comunicação
Olhar nos olhos de seu paciente
Externar a importância de viver com qualidade
CUIDADOS À FAMÍLIA
A família faz parte do processo
Precisa de informações para ajudar nos
cuidados
Precisa ser ouvida
Precisa ser cuidada
Precisa ser preparada para a finitude do
ente naturalmente
OS PONTOS CONSIDERADOS
FUNDAMENTAIS
· A unidade de tratamento compreende o paciente e sua
família.
· Os sintomas do paciente devem ser avaliados
rotineiramente e gerenciados de forma eficaz através de
consultas frequentes e intervenções ativas.
· As decisões relacionadas à assistência e tratamentos
médicos devem ser feitos com base em princípios éticos.
· Os cuidados paliativos devem ser fornecidos por uma
equipe interdisciplinar, fundamental na avaliação de
sintomas em todas as suas dimensões, na definição e
condução dos tratamentos farmacológicos e não
farmacológicos, imprescindíveis para o controle de todo e
qualquer sintoma.
· A comunicação adequada entre equipe de saúde e
familiares e pacientes é a base para o esclarecimento e
favorecimento da adesão ao tratamento e aceitação da
proximidade da morte.
Cuidados paliativos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Enfermagem o papel e a importância
Enfermagem   o papel e a importânciaEnfermagem   o papel e a importância
Enfermagem o papel e a importância
Célia Costa
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
Renatbar
 
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Cintia Colotoni
 
Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados Paliativos
Oncoguia
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
Aline Bandeira
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
Aroldo Gavioli
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do caps
Adriana Emidio
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Mario Gandra
 
Uti
UtiUti
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
Socorro Carneiro
 
Etapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemEtapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de Enfermagem
Paulo Aragão
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
resenfe2013
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No BrasilHistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
Eduardo Gomes da Silva
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Aline Bandeira
 
Aula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_examesAula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_exames
Marci Oliveira
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
eduardo leao
 

Mais procurados (20)

Enfermagem o papel e a importância
Enfermagem   o papel e a importânciaEnfermagem   o papel e a importância
Enfermagem o papel e a importância
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
 
Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados Paliativos
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do caps
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
 
Uti
UtiUti
Uti
 
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
 
Etapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemEtapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de Enfermagem
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No BrasilHistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Aula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_examesAula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_exames
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 

Destaque

Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados Paliativos
MrKokamus
 
Palestra "cuidados paliativos"
Palestra "cuidados paliativos" Palestra "cuidados paliativos"
Palestra "cuidados paliativos"
areacuidadospaliativos
 
Cuidados Paliativos - Morrer com dignidade
Cuidados Paliativos - Morrer com dignidadeCuidados Paliativos - Morrer com dignidade
Cuidados Paliativos - Morrer com dignidade
Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda (ESTGA)
 
PPT Cuidados paliativos
PPT Cuidados paliativosPPT Cuidados paliativos
PPT Cuidados paliativos
mokitocriminal
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
Ana Ríos
 
Cuidados paliativos 2012
Cuidados paliativos 2012Cuidados paliativos 2012
Cuadados paliativos
Cuadados paliativosCuadados paliativos
Cuadados paliativos
Blankis Bonni
 
CUIDADOS PALIATIVOS
CUIDADOS PALIATIVOSCUIDADOS PALIATIVOS
CUIDADOS PALIATIVOS
Ana Balcarce
 
Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados Paliativos
galegoo
 
Paciente terminal
Paciente terminalPaciente terminal
Paciente terminal
marte03
 
Cuidados paliativos...uma missão
Cuidados paliativos...uma missãoCuidados paliativos...uma missão
Cuidados paliativos...uma missão
eccifafe
 
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúdeComo trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Associação Viva e Deixe Viver
 
Cuidados Paliativos (TCC)
Cuidados Paliativos (TCC)Cuidados Paliativos (TCC)
Cuidados Paliativos (TCC)
GlauciaAS
 
Cuidados paliativos em pacientes oncológicos
Cuidados paliativos em pacientes oncológicos Cuidados paliativos em pacientes oncológicos
Cuidados paliativos em pacientes oncológicos
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Ética em cuidados paliativos
Ética em cuidados paliativosÉtica em cuidados paliativos
Cuidados Paliativos em Pediatria
Cuidados Paliativos em PediatriaCuidados Paliativos em Pediatria
Cuidados Paliativos em Pediatria
Mônica Firmida
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
GEDRBRASIL_ESTUDANDORARAS
 
Enfermeria en los cuidados paliativos
Enfermeria en los cuidados paliativosEnfermeria en los cuidados paliativos
Enfermeria en los cuidados paliativos
Centro de Salud El Coto
 
CUIDADOS DEL ENFERMO TERMINAL
CUIDADOS DEL ENFERMO TERMINALCUIDADOS DEL ENFERMO TERMINAL
CUIDADOS DEL ENFERMO TERMINAL
prometeo39
 

Destaque (20)

Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados Paliativos
 
Palestra "cuidados paliativos"
Palestra "cuidados paliativos" Palestra "cuidados paliativos"
Palestra "cuidados paliativos"
 
Cuidados Paliativos - Morrer com dignidade
Cuidados Paliativos - Morrer com dignidadeCuidados Paliativos - Morrer com dignidade
Cuidados Paliativos - Morrer com dignidade
 
PPT Cuidados paliativos
PPT Cuidados paliativosPPT Cuidados paliativos
PPT Cuidados paliativos
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 
Cuidados paliativos 2012
Cuidados paliativos 2012Cuidados paliativos 2012
Cuidados paliativos 2012
 
Cuadados paliativos
Cuadados paliativosCuadados paliativos
Cuadados paliativos
 
CUIDADOS PALIATIVOS
CUIDADOS PALIATIVOSCUIDADOS PALIATIVOS
CUIDADOS PALIATIVOS
 
Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados Paliativos
 
Paciente terminal
Paciente terminalPaciente terminal
Paciente terminal
 
Cuidados paliativos...uma missão
Cuidados paliativos...uma missãoCuidados paliativos...uma missão
Cuidados paliativos...uma missão
 
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúdeComo trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
 
Cuidados Paliativos (TCC)
Cuidados Paliativos (TCC)Cuidados Paliativos (TCC)
Cuidados Paliativos (TCC)
 
Cuidados paliativos em pacientes oncológicos
Cuidados paliativos em pacientes oncológicos Cuidados paliativos em pacientes oncológicos
Cuidados paliativos em pacientes oncológicos
 
Ética em cuidados paliativos
Ética em cuidados paliativosÉtica em cuidados paliativos
Ética em cuidados paliativos
 
Cuidados Paliativos em Pediatria
Cuidados Paliativos em PediatriaCuidados Paliativos em Pediatria
Cuidados Paliativos em Pediatria
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
 
Enfermeria en los cuidados paliativos
Enfermeria en los cuidados paliativosEnfermeria en los cuidados paliativos
Enfermeria en los cuidados paliativos
 
CUIDADOS DEL ENFERMO TERMINAL
CUIDADOS DEL ENFERMO TERMINALCUIDADOS DEL ENFERMO TERMINAL
CUIDADOS DEL ENFERMO TERMINAL
 

Semelhante a Cuidados paliativos

Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados PaliativosConceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
Mariana Valle Gusmão
 
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'Alverne
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'AlvernePaciente Terminal - Rodrigo Mont'Alverne
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'Alverne
Rodrigo Mont'Alverne
 
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdfCUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
cspmgenf
 
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdfcuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
Rodrigo Lima
 
Cap 01anamnese
Cap 01anamneseCap 01anamnese
Cap 01anamnese
Amanda Berçam
 
I.P.O.
I.P.O.I.P.O.
Gislaine Cresmashi Lima Padovan
Gislaine Cresmashi Lima PadovanGislaine Cresmashi Lima Padovan
Gislaine Cresmashi Lima Padovan
Sobragen-VIIIEnenge
 
19th Congress of the SPMI
19th Congress of the SPMI19th Congress of the SPMI
19th Congress of the SPMI
Javier Rodríguez-Vera
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)
Fernanda Marinho
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
Fernanda Marinho
 
Programa de controle da tuberculose
Programa de controle da tuberculosePrograma de controle da tuberculose
Programa de controle da tuberculose
Antônio Silva
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
leiafrocha
 
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúdeTerapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
lucassoares41810
 
fabrício Aula 1
fabrício Aula 1fabrício Aula 1
fabrício Aula 1
Fabrício Santana da Silva
 
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós BariátricaAderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Simone Marchesini
 
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Luciane Santana
 
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Leonardo Savassi
 
Aula cuidados paliativos pdf.pdf
Aula cuidados paliativos pdf.pdfAula cuidados paliativos pdf.pdf
Aula cuidados paliativos pdf.pdf
CarlaMarcelaFaedda
 
Aula sobre sistematização de enfermagem conceito e sua funcionalidade
Aula sobre sistematização de enfermagem conceito e sua funcionalidadeAula sobre sistematização de enfermagem conceito e sua funcionalidade
Aula sobre sistematização de enfermagem conceito e sua funcionalidade
repositorioenfermage
 
4 terminalidade da vida e cuidados paliativos
4  terminalidade da vida e cuidados paliativos4  terminalidade da vida e cuidados paliativos
4 terminalidade da vida e cuidados paliativos
Almeida Almeida
 

Semelhante a Cuidados paliativos (20)

Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados PaliativosConceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
 
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'Alverne
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'AlvernePaciente Terminal - Rodrigo Mont'Alverne
Paciente Terminal - Rodrigo Mont'Alverne
 
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdfCUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
 
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdfcuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
 
Cap 01anamnese
Cap 01anamneseCap 01anamnese
Cap 01anamnese
 
I.P.O.
I.P.O.I.P.O.
I.P.O.
 
Gislaine Cresmashi Lima Padovan
Gislaine Cresmashi Lima PadovanGislaine Cresmashi Lima Padovan
Gislaine Cresmashi Lima Padovan
 
19th Congress of the SPMI
19th Congress of the SPMI19th Congress of the SPMI
19th Congress of the SPMI
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA)
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
 
Programa de controle da tuberculose
Programa de controle da tuberculosePrograma de controle da tuberculose
Programa de controle da tuberculose
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúdeTerapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
 
fabrício Aula 1
fabrício Aula 1fabrício Aula 1
fabrício Aula 1
 
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós BariátricaAderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
 
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
 
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
 
Aula cuidados paliativos pdf.pdf
Aula cuidados paliativos pdf.pdfAula cuidados paliativos pdf.pdf
Aula cuidados paliativos pdf.pdf
 
Aula sobre sistematização de enfermagem conceito e sua funcionalidade
Aula sobre sistematização de enfermagem conceito e sua funcionalidadeAula sobre sistematização de enfermagem conceito e sua funcionalidade
Aula sobre sistematização de enfermagem conceito e sua funcionalidade
 
4 terminalidade da vida e cuidados paliativos
4  terminalidade da vida e cuidados paliativos4  terminalidade da vida e cuidados paliativos
4 terminalidade da vida e cuidados paliativos
 

Mais de Eliane Santos

Situação epidemiológica brasileira sobre as hepatites B e C no período de 200...
Situação epidemiológica brasileira sobre as hepatites B e C no período de 200...Situação epidemiológica brasileira sobre as hepatites B e C no período de 200...
Situação epidemiológica brasileira sobre as hepatites B e C no período de 200...
Eliane Santos
 
REDE CEGONHA: Avanços e Desafios para Gestão em Saúde no Brasil
 REDE CEGONHA: Avanços e Desafios para Gestão em Saúde no Brasil REDE CEGONHA: Avanços e Desafios para Gestão em Saúde no Brasil
REDE CEGONHA: Avanços e Desafios para Gestão em Saúde no Brasil
Eliane Santos
 
Resumen de medicina legal del patito
Resumen de medicina legal del patito Resumen de medicina legal del patito
Resumen de medicina legal del patito
Eliane Santos
 
Lesiones por arma de fuego
Lesiones por arma de fuegoLesiones por arma de fuego
Lesiones por arma de fuego
Eliane Santos
 
Anatomia Ocular
Anatomia OcularAnatomia Ocular
Anatomia Ocular
Eliane Santos
 
Prolapso rectal
Prolapso rectalProlapso rectal
Prolapso rectal
Eliane Santos
 
Colitis pseudomembranosa
Colitis pseudomembranosaColitis pseudomembranosa
Colitis pseudomembranosa
Eliane Santos
 
Ca de mama e de colo uterino
Ca de mama e de colo uterinoCa de mama e de colo uterino
Ca de mama e de colo uterino
Eliane Santos
 
Residuos
ResiduosResiduos
Residuos
Eliane Santos
 
Esterilizacion y Desinfeccion
Esterilizacion y DesinfeccionEsterilizacion y Desinfeccion
Esterilizacion y Desinfeccion
Eliane Santos
 
Radiaciones
Radiaciones Radiaciones
Radiaciones
Eliane Santos
 
Toxoplasmosis
ToxoplasmosisToxoplasmosis
Toxoplasmosis
Eliane Santos
 
Enfermidad de chagas
Enfermidad de chagasEnfermidad de chagas
Enfermidad de chagas
Eliane Santos
 
Amiloidosis
Amiloidosis Amiloidosis
Amiloidosis
Eliane Santos
 
Aspectos psicologicos do paciente oncológico
Aspectos psicologicos do paciente oncológicoAspectos psicologicos do paciente oncológico
Aspectos psicologicos do paciente oncológico
Eliane Santos
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
Eliane Santos
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
Eliane Santos
 

Mais de Eliane Santos (17)

Situação epidemiológica brasileira sobre as hepatites B e C no período de 200...
Situação epidemiológica brasileira sobre as hepatites B e C no período de 200...Situação epidemiológica brasileira sobre as hepatites B e C no período de 200...
Situação epidemiológica brasileira sobre as hepatites B e C no período de 200...
 
REDE CEGONHA: Avanços e Desafios para Gestão em Saúde no Brasil
 REDE CEGONHA: Avanços e Desafios para Gestão em Saúde no Brasil REDE CEGONHA: Avanços e Desafios para Gestão em Saúde no Brasil
REDE CEGONHA: Avanços e Desafios para Gestão em Saúde no Brasil
 
Resumen de medicina legal del patito
Resumen de medicina legal del patito Resumen de medicina legal del patito
Resumen de medicina legal del patito
 
Lesiones por arma de fuego
Lesiones por arma de fuegoLesiones por arma de fuego
Lesiones por arma de fuego
 
Anatomia Ocular
Anatomia OcularAnatomia Ocular
Anatomia Ocular
 
Prolapso rectal
Prolapso rectalProlapso rectal
Prolapso rectal
 
Colitis pseudomembranosa
Colitis pseudomembranosaColitis pseudomembranosa
Colitis pseudomembranosa
 
Ca de mama e de colo uterino
Ca de mama e de colo uterinoCa de mama e de colo uterino
Ca de mama e de colo uterino
 
Residuos
ResiduosResiduos
Residuos
 
Esterilizacion y Desinfeccion
Esterilizacion y DesinfeccionEsterilizacion y Desinfeccion
Esterilizacion y Desinfeccion
 
Radiaciones
Radiaciones Radiaciones
Radiaciones
 
Toxoplasmosis
ToxoplasmosisToxoplasmosis
Toxoplasmosis
 
Enfermidad de chagas
Enfermidad de chagasEnfermidad de chagas
Enfermidad de chagas
 
Amiloidosis
Amiloidosis Amiloidosis
Amiloidosis
 
Aspectos psicologicos do paciente oncológico
Aspectos psicologicos do paciente oncológicoAspectos psicologicos do paciente oncológico
Aspectos psicologicos do paciente oncológico
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
 

Último

A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 

Último (8)

A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 

Cuidados paliativos

  • 2. DEFINIÇÃO Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS, 2002), "Cuidados Paliativos consistem na assistência promovida por uma equipe multidisciplinar, que objetiva a melhoria da qualidade de vida do paciente e seus familiares, diante de uma doença que ameace a vida, por meio da prevenção e alívio do sofrimento, da identificação precoce, avaliação impecável e tratamento de dor e demais sintomas físicos, sociais, psicológicos e espirituais".
  • 3. CUIDADOS PALIATIVOS O Cuidado Paliativo se confunde historicamente com o termo hospice, que definia abrigos (hospedarias) destinados a receber e cuidar de peregrinos e viajantes. Os pacientes fora de possibilidade de cura acumulam- se nos hospitais, recebendo invariavelmente assistência inadequada, quase sempre focada na tentativa de recuperação, utilizando métodos invasivos e alta tecnologia. Conhecimento científico e humanismo para resgatar a dignidade da vida e a possibilidade de se morrer em paz. Os Cuidados Paliativos despontam como alternativa para preencher a lacuna dos cuidados ativos aos pacientes
  • 4. CUIDADOS PALIATIVOS Baseado em princípios Terminalidade x Doença que ameaça a vida Desde o diagnóstico Possibilidade de cura x “Não ter mais o que fazer” Espiritualidade Família
  • 5. CUIDADOS PALIATIVOS Somente na década de 1960, os códigos de ética profissional passaram a reconhecer o enfermo como agente autônomo”. Principio bioético da autonomia do paciente por meio do consentimento informado, possibilitando que ele tome suas próprias decisões, no principio da beneficência e da não maleficência, os Cuidados Paliativos desenvolvem o cuidado ao paciente visando a qualidade de vida e a manutenção da dignidade humana no decorrer da doença, na terminalidade da vida, na morte e no período de luto. Em 1982, o Comitê de Câncer da OMS criou um grupo de trabalho responsável por definir politicas para o alivio da dor e cuidados do tipo hospice que fossem recomendados em todos os países para pacientes com câncer. 1990 – Definição: “cuidado ativo e total para pacientes cuja doença não e responsiva a tratamento de cura. OBJETIVO - Proporcionar a melhor qualidade de vida possível para pacientes e familiares”.
  • 6. PRINCÍPIOS 1. Promover o alívio da dor e de outros sintomas desagradáveis - Sintoma total - Medicalização / Não medicalização - Aspectos Psicossociais e espirituais 2. Afirmar a vida e considerar a morte um processo normal da vida - Resgate a possibilidade de morte como evento natural - Ênfase a vida
  • 7. PRINCÍPIOS 3. Não acelerar nem adiar a morte - Eutanásia - Diagnóstico objetivo e bem embasado, o conhecimento da história natural da doença, um acompanhamento ativo, acolhedor e respeitoso e uma relação empática com o paciente e seus familiares nos ajudarão nas decisões. 4. Integrar os aspectos psicológicos e espirituais no cuidado ao paciente - Perdas – Angústia, Depressão e desesperança (evolução da doença) - O espírito conecta o ser humano a
  • 8. PRINCÍPIOS 5. Oferecer um sistema de suporte que possibilite ao paciente viver tão ativamente quanto possível até o momento da sua morte - Qualidade de vida e bem-estar implicam observância de vários aspectos da vida. - Facilitadores para a resolução dos problemas do nosso paciente. 6. Oferecer sistema de suporte para auxiliar os familiares durante a doença do paciente e o luto - Todo o núcleo familiar e social do paciente também “adoece”. - Da mesma forma, essas pessoas também sofrem, e seu sofrimento deve ser acolhido e paliado.
  • 9. PRINCÍPIOS 7. Oferecer abordagem multiprofissional para focar as necessidades dos pacientes e seus familiares, incluindo acompanhamento no luto - A equipe multiprofissional, com seus múltiplos “olhares” e sua percepção individual, pode realizar esse trabalho de forma abrangente. 8. Melhorar a qualidade de vida e influenciar positivamente o curso da doença - Abordagem Holística - Respeitar seus sintomas impecavelmente controlados, seus desejos e suas necessidades atendidas, podendo conviver com seus familiares e resgatando pendências, com certeza nossos pacientes também viverão mais.
  • 10. PRINCÍPIOS 9. Iniciar o mais precocemente possível o Cuidado Paliativo, juntamente com outras medidas de prolongamento da vida, como quimioterapia e radioterapia, e incluir todas as investigações necessárias para melhor compreender e controlar situações clínicas estressantes - Cuidar do paciente em diferentes momentos da evolução da sua doença, portanto não devemos priva-lo dos recursos diagnósticos e terapêuticos que o conhecimento médico pode oferecer. - Benefícios e Malefícios
  • 11. INDICAÇÃO Todos os pacientes portadores de doenças graves, progressivas e incuráveis, que ameacem a continuidade da vida, deveriam receber a abordagem dos Cuidados Paliativos desde o seu diagnóstico. Um dos critérios mais discutidos e o que se refere ao prognóstico de tempo de vida do paciente. O limite designado em seis meses de expectativa de vida poderia ser utilizado para indicação de Cuidados Paliativos: • a expectativa de vida avaliada e menor ou igual a seis meses; • o paciente deve fazer a opção por Cuidados Paliativos exclusivos e abrir mão dos tratamentos de prolongamento da vida;
  • 12. AVALIAÇÃO DO PACIENTE SOB CUIDADOS PALIATIVOS Deve conter elementos fundamentais que possibilitem a compreender quem e a pessoa doente, o que facilita identificar preferencias e dificuldades, qual a cronologia da evolução de sua doença e os tratamentos já realizados, as necessidades atuais e os sintomas, o exame físico, os medicamentos propostos, as demais decisões clínicas e a impressão a respeito da evolução, do prognostico e das expectativas em relação ao tratamento proposto. Demais evoluções: registrar o impacto do tratamento proposto, a avaliação dos sintomas, o exame físico, os resultados de eventuais exames e as novas propostas, assim como as informações trocadas com o paciente e seus familiares. A conclusão do caso clínico deve resumir os principais fatos da internação e, quando for o caso, estabelecer um plano de cuidados que contemple as necessidades do doente nas próximas semanas, ate a próxima vista ou consulta.
  • 13. AVALIAÇÃO DO PACIENTE SOB CUIDADOS PALIATIVOS Dados biográficos devem conter: • nome e forma como gosta de ser chamado; • sexo e idade; • estado marital, filhos e netos, se os tiver; • trabalho que realizou por mais tempo ou com o qual mais se identificou; • local de nascimento e região de moradia; • com quem mora e por quem e cuidado a maior parte do tempo; • religião e crenças; • o que gosta de fazer; • o que sabe sobre sua doença e o quanto quer saber.
  • 14. CRONOLOGIA DA DOENÇA ATUAL E TRATAMENTOS REALIZADOSExemplo: • Câncer de mama – outubro/1998 – mastectomia + radioterapia + quimioterapia; • metástase óssea – maio/2007 – radioterapia; • metástases pulmonar e pleural – setembro/2008 – quimioterapia, pleurodese; • metástase para o sistema nervoso central (SNC) atual – neurocirurgia + radioterapia finalizada ha uma semana; • trombose venosa profunda de membro inferior direito (MID) – janeiro/2009 – anticoagulantes; • outros: hipertensão leve, controlada.
  • 15. AVALIAÇÃO FUNCIONAL É fundamental para a vigilância da curva evolutiva da doença e se constitui em elemento valioso na tomada de decisões, na previsão de prognostico e no diagnostico da terminalidade.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19. EXAMES FÍSICO E COMPLEMENTARES E AVALIAÇÕES DE ESPECIALISTAS Avaliações e procedimentos especializados que não tragam beneficio para o doente não devem ser solicitados
  • 20. DECISÕES TERAPÊUTICAS Um prontuário em Cuidados Paliativos deve conter todas as decisões terapêuticas tomadas a partir de uma avaliação clínica: • medicamentos e doses; • inicio ou suspensão de medidas; • solicitações de exames e avaliações; • necessidades de intervenções psíquicas; • necessidades sociais; • intervenções realizadas ou solicitadas com a família; • necessidades espirituais; • efeito esperado das ações.
  • 21. IMPRESSÃO E PROGNÓSTICO Uma forma simplificada de fazer o registro e comunicar o prognóstico e estabelecer prazos: • horas a dias (pacientes com perfil de últimas 48 horas); • dias a semanas (perfil de últimas semanas de vida); • semanas a meses (habitualmente até seis meses de expectativa); • meses a anos (para expectativas superiores a seis meses).
  • 22. PLANO Exemplo: • Manter curativos das feridas com Metronidazol tópico; • Verificar se há exames solicitados e orientar o preparo. • Vigiar capacidade de alimentação e deglutição; • Vigiar sintomas de Hipercalcemia; • Ter atenção a filha mais nova e as netas cuidadoras; • Providenciar isenção de transporte para a filha cuidadora. • Verificar alterações no estado geral
  • 23. MODALIDADES DE ATUAÇÃO E MODELOS DE ASSISTÊNCIA EM CUIDADOS PALIATIVOS HOSPITALAR
  • 24. MODALIDADES DE ATUAÇÃO E MODELOS DE ASSISTÊNCIA EM CUIDADOS PALIATIVOS DOMICILIAR
  • 25. CONTROLE DA DOR Dor é uma sensação ou experiência emocional desagradável, associada com dano tecidual real ou potencial, ou descrito nos termos de tal dano. “Dor é sempre subjetiva e pessoal” A severidade da dor não é diretamente proporcional à quantidade de tecido lesado e muitos fatores podem influenciar a percepção deste sintoma: • fadiga; • depressão; • raiva; • medo/ ansiedade doença; • sentimentos de falta de esperança e amparo.
  • 26. AVALIAÇÃO DO PACIENTE COM DOR ACREDITAR NA QUEIXA CONHECER A HISTÓRIA E A CARACTERÍSTICA DA DOR LEVANTAR OS ASPECTOS PSICOLÓGICOS E SOCIAIS REALIZAR EXAME FÍSICO E SOLICITAR EXAMES S/N TRATAR CAUSA PRIMÁRIA
  • 27. PRINCÍPIOS GERAIS DE CONTROLE DA DOR 1.PELA BOCA; 2.PELO RELÓGIO; 3.PELA ESCADA; 4.PARA O INDIVÍDUO; 5.USO DE ADJUVANTES; 6.ATENÇÃO AOS DETALHES.
  • 32. MÉTODOS COGNITIVOS  RELAXAMENTO E DISTRAÇÃO DIRIGIDA Pensamento CondutaEmoção
  • 33. COMUNICAÇÃO Extremamente importante Priorizar a escuta na maioria das vezes Acreditar em seu paciente Se interessar pela história de vida Proporcionar ambiente tranquilo para facilitar a comunicação Olhar nos olhos de seu paciente Externar a importância de viver com qualidade
  • 34. CUIDADOS À FAMÍLIA A família faz parte do processo Precisa de informações para ajudar nos cuidados Precisa ser ouvida Precisa ser cuidada Precisa ser preparada para a finitude do ente naturalmente
  • 35.
  • 36. OS PONTOS CONSIDERADOS FUNDAMENTAIS · A unidade de tratamento compreende o paciente e sua família. · Os sintomas do paciente devem ser avaliados rotineiramente e gerenciados de forma eficaz através de consultas frequentes e intervenções ativas. · As decisões relacionadas à assistência e tratamentos médicos devem ser feitos com base em princípios éticos. · Os cuidados paliativos devem ser fornecidos por uma equipe interdisciplinar, fundamental na avaliação de sintomas em todas as suas dimensões, na definição e condução dos tratamentos farmacológicos e não farmacológicos, imprescindíveis para o controle de todo e qualquer sintoma. · A comunicação adequada entre equipe de saúde e familiares e pacientes é a base para o esclarecimento e favorecimento da adesão ao tratamento e aceitação da proximidade da morte.