SlideShare uma empresa Scribd logo
E Governo Napoleônico
Inicio da Revolução Francesa
 O começo da revolução Francesa aconteceu em 1789, onde a
França enfrentava uma grande crise econômica.
 O Rei Luis XVI, convoca os 3 estados para uma assembléia dos
Estados gerais.
 A Assembléia dos Estados Gerais reuniu-se no Palácio de
Versalhes, para discutir o interesse dos 3 Estados.
 O 1° e 2° Estado, representavam o Alto Clero e a
Nobreza,defendiam o voto por ordem social, e o 3° Estado que
representava a burguesia, reinvidicava o voto por cabeça, pois sabia
que se não fosse dessa forma estaria sempre em desvantagem.
 Sem os Estados entrarem em um acordo, o 3° Estado se retira,
iniciando então a revolução Francesa.
A Assembléia Nacional Constituinte
 Com a retirada do 3° estado e feita uma assembléia constituinte,
com objetivo de elaborar um constituição para a França.
 A assembléia nacional decretou novas leis, e aprovou a Declaração
dos Direitos do Homem e do Cidadão.
 A Assembléia votou a Constituição Civil do Clero.
 Em Setembro de 1791, Luis XVI jurou respeitar a constituição, que
estabelecia a monarquia constitucional
 Os membros republicanos da Assembléia acusaram o rei Luis XVI
de estar traindo a revolução. A família real foi presa. A Assembleia
depois o rei e elegeu a Convenção Nacional eleita por voto universal
masculino. No dia 22 de setembro, foi proclamada a republica.
Convenção Nacional
 Após a proclamação da republica, os revolucionários dividiram-se em:
 Girondinos-grupo majoritário, representante da alta burguesia;
 Jacobinos ou montanheses- grupo radical liderado por Robespierre,
Danton e Marat, representantes da média e pequena burguesia.
 Planície- também representantes da alta burguesia.
 Nesse período houve grandes conflitos entre os Jacobinos e
Girondinos, um deles foi o período conhecido como Terror em 1794,
chefiado por Robespierre, no qual houve violenta perseguição aos
girondinos, com a morte de muitos deles, além de nobres e da rainha
Maria Antonieta.
 Em 27 de julho de 1794, Robespierre foi preso e guilhotinado pelos
girondinos, terminando o Terror.
 Os girondinos voltaram ao poder, instalando um novo governo o
Diretório.
O Diretório
 Em 1795, foi promulgada outra constituição, que instalou um novo
governo: O Diretório.
 O poder executivo foi dado a cinco diretores escolhidos por uma
assembleia eleita por voto censitário.
 A alta burguesia, que dominava o Diretório, tratou de defender os seus
interesses, sufocando as oposições internas. Nessa época a França
enfrentava a Primeira Coligação, formada pela Inglaterra e seus
aliados. Na guerra, destacou-se o general Napoleão Bonaparte, que
derrotou a Itália, assinou a paz com a Áustria e dirigiu a Campanha do
Egito contra os ingleses.
 Napoleão foi chamado de volta a França por alguns políticos do
Diretório. Retirou-se secretamente do Egito e no dia 18 Brumário ( 9 de
novembro) de 1799, deu um golpe de Estado, e instalou um governo na
França chamado consulado. A Revolução Francesa chegava ao fim.
Governo Napoleônico e Império
Na, favorecendo os ,Napoleônico
 Ao governar a França, Napoleão Bonaparte deu inicio a consolidação
das conquistas da burguesia no país. Além disso, empreendeu
campanhas militares que provocaram a desorganização das
monarquias absolutistas da Europa, favorecendo os movimentos
liberais.
 Em 1799, o Diretório convocou Napoleão para participar do governo.
 No dia 9 de novembro desse mesmo ano, com o Golpe do 18 Brumário,
foi elaborado nova Constituição, que instaurava o Consulado como
forma de governo, inaugurando assim a Era Napoleônica.
 A chamada era Napoleônica envolveu dois períodos:
• Consulado (1799-1804)- caracterizado pela recuperação econômica da
França e também pela estabilização do poder politico.
• Império ( 1804-1815)- Napoleão Bonaparte desenvolveu sua corrida
imperialista e dominou grande parte da Europa.
O Consulado
 No consulado, o poder Executivo era exercido por três cônsules, e o
legislativo ficava a cargo das assembleias. Napoleão era o primeiro-
cônsul e tinha em suas mãos amplos poderes.
 Napoleão promoveu a reforma do Direito, elaborando o código Civil
Napoleônico, o que consolidou as conquistas da burguesia ocorridas
durante a Revolução Francesa, tais como a laicização do Estado, a
igualdade entre todos perante a lei, a propriedade privada, a
liberdade econômica, a proibição das graves e da organização
sindical e o restabelecimento da escravidão nas colônias.
 Com o apoio da burguesia, em 1802, Napoleão fez um plebiscito e
tornou se cônsul vitalício.
O Império
 Em 1804, Napoleão fez realizar novo plebiscito, no qual 60% dos votantes
confirmaram a instituição do regime politico monárquico, e ele tornou-se
imperador da França.
 No plano interno, ocorreu o incentivo a agricultura e a indústria.
 No plano externo, Napoleão disputou com a Inglaterra a hegemonia política e
econômica da Europa. Em 1805, enfrentou a terceira coligação contra a França,
formada pela Inglaterra, pela Áustria e pela Rússia.
 Para derrotar a Inglaterra, em 1806, Napoleão promulgou o Decreto de Berlim,
fechando todos os portos europeus aos navios e as mercadorias que vinham da
Inglaterra, ato conhecido como Bloqueio Continental.
 Os países que não aderiram ao bloqueio sofreram intervenção de Bonaparte.
 Portugal, ligado aos ingleses por interesses comerciais, também, não fechou
seus portos a Inglaterra. Para manter o bloqueio, Napoleão resolveu invadir
Portugal. Assinou com a Espanha o Tratado de Fontainebleau (1807) que deu
as tropas francesas o direito de atravessar terras espanholas para invadir
Portugal.
Continuação do slide anterior
 O príncipe regente desse país, Dom João, com o apoio inglês,
transferiu a sede da Corte portuguesa para o Brasil. Napoleão
dominava praticamente toda a Europa, com exceção da Inglaterra.
Tornou-se senhor absoluto da política europeia.
O fim do Império Napoleônico
 A politica napoleônica começou a ser contestada até mesmo pela
burguesia.
 Enquanto a Inglaterra intensificou seu comércio com as colônias da
América Latina, dos EUA e do Oriente.
 O Bloqueio Continental prejudicou a economia francesa e a dos
países aliados, em razão da falta de produtos manufaturados e da
paralisação dos portos.
 Em 1812, a Rússia rompeu o Bloqueio.
 Como reação, em 1812, Napoleão empreendeu a Campanha da
Rússia, mobilizando um exercito de quase 600 mil homens para
invadir esse país. Quando o exercito francês chegou a Moscou,
nada encontrou, pois czar havia retirado toda a população da capital
e ateado fogo na cidade. Sem abrigo e sem alimento, Napoleão
resolveu retornar a França.
Continuação do slide anterior
 Na viagem contudo, Napoleão defrontou-se com seu pior inimigo: o
inverno. Em face do frio e dos ataques russos, Napoleão perdeu quase
todo seu exercito.
 Em 1813, em Leipzig, Napoleão foi derrotado. Assinou o Tratado de
Fontainebleau, abdicando do trono francês Luís XVIII, da dinastia,
Bourbon, foi convidado a retomar o poder.
 Napoleão recebeu a soberania Elba, no mediterranio,mas não foi muito
longo no seu exilio. Em fevereiro de 1815, conseguiu fugir da ilha, foi
para Paris e retomou o poder, sendo novamente aclamado imperador.
O rei Luís XVIII, fugiu para a Bélgica.
 Napoleão realizou o Governo dos Cem Dias. Foi definitivamente
derrotado pelo duque de Wellington, na Batalha de Waterloo, na
Bélgica. Aprisionado, foi deportado para a ilha de Santa Helena , onde
faleceu em 1821.
 Com a derrota de Napoleão, a monarquia absolutista foi restaurada na
França, sob o governo de Luís XVIII.
O Congresso de Viena
 Logo depois da primeira derrota de Napoleão, em 1814, organizou-
se na Europa um movimento conservador. As forças tradicionais
absolutistas retomaram o antigo modelo de governo. Monarcas e
ministros reuniram se no Congresso de Viena (1814-1815), com a
finalidade de restabelecer o antigo equilíbrio politico da Europa que
havia sido bastante alterado como conquistas napoleônicas.
 Os principais participantes do congresso foram: Alexandre I, da
Rússia; Frederico Guilherme, da Prússia ; Wellington, da Inglaterra;
Talleyrand, da França; e o príncipe Metternich da Áustria.
 Três princípios nortearam o Congresso: Restauração, legitimidade e
solidariedade.
 Talleyrand defendeu o Principio da Legitimidade, segundo o qual:
• As nações europeias voltariam aos limites geográficos anteriores a
Revolução Francesa.
Continuação do slide anterior
 As dinastias derrubadas retornariam ao poder. As
fronteiras dos países europeus não voltaram a ser as
mesmas. A França retornou a seus limites Territoriais. A
Áustria, a Rússia e a Prússia aumentaram seus
territórios, em prejuízo dos Estados Unidos mais fracos.
A Santa Aliança
 Por proposta do czar Alexandre I, a Rússia, a Áustria e a Prússia
formaram a Santa Aliança. O objetivo era defender as monarquias
absolutistas, em nome dos princípios cristãos. Matternich introduziu
na Santa Aliança o direito de intervenção. Seguindo ele, a Santa
Aliança teria o direito de intervir nos países onde houvesse
revoluções liberais e tentativas de emancipação política. A
Inglaterra, entretanto, defendeu o Principio de não-intervenção. Essa
coligação, apoiava os movimentos de independência da América
Latina, com vistas a conquistar novos mercados para sua indústria.
 Na década de 1830, irromperam revoluções liberais e nacionalistas
dentro e fora do continente europeu, o que provocou o
enfraquecimento da Santa Aliança.
Instituto Teresa Valsé
Professor: Flávia Velasco Toledo de Carvalho
Alunos: Deivid Borges Dairell
Rafael Zardo Matias
Série: 8º ano ‘B’

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História 2º ano 3º
História   2º ano 3ºHistória   2º ano 3º
História 2º ano 3º
dinicmax
 
O período napoleônico
O período napoleônicoO período napoleônico
O período napoleônico
Geovane Lima da Silva
 
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro LimaPower Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
alunoitv
 
Julia e Ana Vitória
Julia e Ana VitóriaJulia e Ana Vitória
Julia e Ana Vitória
alunoitv
 
Revolução Francesa ao Fim da Era Napoleônica
Revolução Francesa ao Fim da Era NapoleônicaRevolução Francesa ao Fim da Era Napoleônica
Revolução Francesa ao Fim da Era Napoleônica
alunoitv
 
Era napoleonica
Era napoleonicaEra napoleonica
Era napoleonica
Priscila Azeredo
 
Revolução francesa
Revolução francesa Revolução francesa
Revolução francesa
alunoitv
 
Era Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de VienaEra Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de Viena
seixasmarianas
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Isabella Silva
 
Congresso de viena (1814 1815 ) pdf
Congresso de viena (1814   1815 ) pdfCongresso de viena (1814   1815 ) pdf
Congresso de viena (1814 1815 ) pdf
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Era napoleônica
Era napoleônicaEra napoleônica
Era napoleônica
Matheus Alves
 
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônicoAmanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
AmandaKikuti
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
Edenilson Morais
 
Período napoleônico 2º C
Período napoleônico 2º CPeríodo napoleônico 2º C
Período napoleônico 2º C
Victoria Reis
 
Aula Consolidação da Ordem Liberal Intensivo
Aula Consolidação da Ordem Liberal Intensivo Aula Consolidação da Ordem Liberal Intensivo
Aula Consolidação da Ordem Liberal Intensivo
CarlosNazar1
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Jguiler
 
Napoleão Bonaparte
Napoleão BonaparteNapoleão Bonaparte
Napoleão Bonaparte
CRIATIVO
 
A queda de napoleão e o congresso de viena
A queda de napoleão e o congresso de vienaA queda de napoleão e o congresso de viena
A queda de napoleão e o congresso de viena
araujombarbara
 
C:\fakepath\periodo napoleonico
C:\fakepath\periodo napoleonicoC:\fakepath\periodo napoleonico
C:\fakepath\periodo napoleonico
Professor Duda - História
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
eduardosalgdo
 

Mais procurados (20)

História 2º ano 3º
História   2º ano 3ºHistória   2º ano 3º
História 2º ano 3º
 
O período napoleônico
O período napoleônicoO período napoleônico
O período napoleônico
 
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro LimaPower Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
 
Julia e Ana Vitória
Julia e Ana VitóriaJulia e Ana Vitória
Julia e Ana Vitória
 
Revolução Francesa ao Fim da Era Napoleônica
Revolução Francesa ao Fim da Era NapoleônicaRevolução Francesa ao Fim da Era Napoleônica
Revolução Francesa ao Fim da Era Napoleônica
 
Era napoleonica
Era napoleonicaEra napoleonica
Era napoleonica
 
Revolução francesa
Revolução francesa Revolução francesa
Revolução francesa
 
Era Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de VienaEra Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de Viena
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Congresso de viena (1814 1815 ) pdf
Congresso de viena (1814   1815 ) pdfCongresso de viena (1814   1815 ) pdf
Congresso de viena (1814 1815 ) pdf
 
Era napoleônica
Era napoleônicaEra napoleônica
Era napoleônica
 
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônicoAmanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
 
Período napoleônico 2º C
Período napoleônico 2º CPeríodo napoleônico 2º C
Período napoleônico 2º C
 
Aula Consolidação da Ordem Liberal Intensivo
Aula Consolidação da Ordem Liberal Intensivo Aula Consolidação da Ordem Liberal Intensivo
Aula Consolidação da Ordem Liberal Intensivo
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Napoleão Bonaparte
Napoleão BonaparteNapoleão Bonaparte
Napoleão Bonaparte
 
A queda de napoleão e o congresso de viena
A queda de napoleão e o congresso de vienaA queda de napoleão e o congresso de viena
A queda de napoleão e o congresso de viena
 
C:\fakepath\periodo napoleonico
C:\fakepath\periodo napoleonicoC:\fakepath\periodo napoleonico
C:\fakepath\periodo napoleonico
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 

Semelhante a Revolução francesa 8° b

Revolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo NapoleônicoRevolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
alunoitv
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império NapoleônicoRevolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império Napoleônico
alunoitv
 
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo NapoleônicoRevolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
alunoitv
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de História
alunoitv
 
8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberais
borgia
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
alunoitv
 
Revolução Francesa ate o fim da era Napolêonica
Revolução Francesa ate o fim da era NapolêonicaRevolução Francesa ate o fim da era Napolêonica
Revolução Francesa ate o fim da era Napolêonica
alunoitv
 
Era napoleônica
Era napoleônica Era napoleônica
Era napoleônica
Carlos Zaranza
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
Carlos Zaranza
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptxRevolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
KarinedeParisGaspari
 
Idade contemporânea revolução francesa e napoleão
Idade contemporânea   revolução francesa e napoleão Idade contemporânea   revolução francesa e napoleão
Idade contemporânea revolução francesa e napoleão
Wendell Leonardo .
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
ceufaias
 
Historia
HistoriaHistoria
Historia
alunoitv
 
Questões sobre a rev francesa
Questões sobre a rev francesaQuestões sobre a rev francesa
Questões sobre a rev francesa
Funvic - Fundação de Ensino de Mococa
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
Ariel Prado
 
Revolução Francesa - Arthur Rezende e Yuri Galdiano - 8B Teresa Valsé
Revolução Francesa - Arthur Rezende e Yuri Galdiano - 8B Teresa ValséRevolução Francesa - Arthur Rezende e Yuri Galdiano - 8B Teresa Valsé
Revolução Francesa - Arthur Rezende e Yuri Galdiano - 8B Teresa Valsé
jairmrf
 
A era napoleonica_1799_1814
A era napoleonica_1799_1814A era napoleonica_1799_1814
A era napoleonica_1799_1814
Marcelo Ferreira Boia
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
alunoitv
 
Periodo napoleonico
Periodo napoleonicoPeriodo napoleonico
Periodo napoleonico
profabiorodrigues
 
Trabalho de h
Trabalho de hTrabalho de h
Trabalho de h
joel-msg
 

Semelhante a Revolução francesa 8° b (20)

Revolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo NapoleônicoRevolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império NapoleônicoRevolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império Napoleônico
 
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo NapoleônicoRevolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de História
 
8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberais
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução Francesa ate o fim da era Napolêonica
Revolução Francesa ate o fim da era NapolêonicaRevolução Francesa ate o fim da era Napolêonica
Revolução Francesa ate o fim da era Napolêonica
 
Era napoleônica
Era napoleônica Era napoleônica
Era napoleônica
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptxRevolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
 
Idade contemporânea revolução francesa e napoleão
Idade contemporânea   revolução francesa e napoleão Idade contemporânea   revolução francesa e napoleão
Idade contemporânea revolução francesa e napoleão
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
Historia
HistoriaHistoria
Historia
 
Questões sobre a rev francesa
Questões sobre a rev francesaQuestões sobre a rev francesa
Questões sobre a rev francesa
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Revolução Francesa - Arthur Rezende e Yuri Galdiano - 8B Teresa Valsé
Revolução Francesa - Arthur Rezende e Yuri Galdiano - 8B Teresa ValséRevolução Francesa - Arthur Rezende e Yuri Galdiano - 8B Teresa Valsé
Revolução Francesa - Arthur Rezende e Yuri Galdiano - 8B Teresa Valsé
 
A era napoleonica_1799_1814
A era napoleonica_1799_1814A era napoleonica_1799_1814
A era napoleonica_1799_1814
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Periodo napoleonico
Periodo napoleonicoPeriodo napoleonico
Periodo napoleonico
 
Trabalho de h
Trabalho de hTrabalho de h
Trabalho de h
 

Mais de alunoitv

Revolução francesa power point - Ana CLara
Revolução francesa power point - Ana CLaraRevolução francesa power point - Ana CLara
Revolução francesa power point - Ana CLara
alunoitv
 
Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
alunoitv
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
alunoitv
 
trabalho de historia- marcela e mariana 8°B
trabalho de historia- marcela e mariana 8°Btrabalho de historia- marcela e mariana 8°B
trabalho de historia- marcela e mariana 8°B
alunoitv
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
alunoitv
 
Revolução francesa ana vitoria
Revolução francesa ana vitoriaRevolução francesa ana vitoria
Revolução francesa ana vitoria
alunoitv
 
Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
alunoitv
 
Revolução francesa (1)
Revolução francesa (1)Revolução francesa (1)
Revolução francesa (1)
alunoitv
 
Revoluçao Francesa Felipe Rezende
Revoluçao Francesa Felipe RezendeRevoluçao Francesa Felipe Rezende
Revoluçao Francesa Felipe Rezende
alunoitv
 
Gustavo vogel e Gabriel Avelar
Gustavo vogel e Gabriel AvelarGustavo vogel e Gabriel Avelar
Gustavo vogel e Gabriel Avelar
alunoitv
 
Revoluã§ao francesa luisa alvim e gabriela morais
Revoluã§ao francesa luisa alvim e gabriela moraisRevoluã§ao francesa luisa alvim e gabriela morais
Revoluã§ao francesa luisa alvim e gabriela morais
alunoitv
 
Jose Gabriel Gotardo Soares e Cassiano B
Jose Gabriel Gotardo Soares e Cassiano BJose Gabriel Gotardo Soares e Cassiano B
Jose Gabriel Gotardo Soares e Cassiano B
alunoitv
 
Revolução Francesa João Pedro Leal 8°ano B
Revolução Francesa João Pedro Leal 8°ano BRevolução Francesa João Pedro Leal 8°ano B
Revolução Francesa João Pedro Leal 8°ano B
alunoitv
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
alunoitv
 
Revolução Francesa Juliana e Stella 8ºA
Revolução Francesa Juliana e Stella 8ºARevolução Francesa Juliana e Stella 8ºA
Revolução Francesa Juliana e Stella 8ºA
alunoitv
 
Revolução francesa ate fim do Governo Napoleônico
Revolução francesa ate fim do Governo Napoleônico Revolução francesa ate fim do Governo Napoleônico
Revolução francesa ate fim do Governo Napoleônico
alunoitv
 
revolucao francesa pedro paulo 8 b
revolucao francesa pedro paulo 8 brevolucao francesa pedro paulo 8 b
revolucao francesa pedro paulo 8 b
alunoitv
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
alunoitv
 
Revolução francesa (1)
Revolução francesa (1)Revolução francesa (1)
Revolução francesa (1)
alunoitv
 
Revolução francesa (1)
Revolução francesa (1)Revolução francesa (1)
Revolução francesa (1)
alunoitv
 

Mais de alunoitv (20)

Revolução francesa power point - Ana CLara
Revolução francesa power point - Ana CLaraRevolução francesa power point - Ana CLara
Revolução francesa power point - Ana CLara
 
Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
trabalho de historia- marcela e mariana 8°B
trabalho de historia- marcela e mariana 8°Btrabalho de historia- marcela e mariana 8°B
trabalho de historia- marcela e mariana 8°B
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução francesa ana vitoria
Revolução francesa ana vitoriaRevolução francesa ana vitoria
Revolução francesa ana vitoria
 
Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
 
Revolução francesa (1)
Revolução francesa (1)Revolução francesa (1)
Revolução francesa (1)
 
Revoluçao Francesa Felipe Rezende
Revoluçao Francesa Felipe RezendeRevoluçao Francesa Felipe Rezende
Revoluçao Francesa Felipe Rezende
 
Gustavo vogel e Gabriel Avelar
Gustavo vogel e Gabriel AvelarGustavo vogel e Gabriel Avelar
Gustavo vogel e Gabriel Avelar
 
Revoluã§ao francesa luisa alvim e gabriela morais
Revoluã§ao francesa luisa alvim e gabriela moraisRevoluã§ao francesa luisa alvim e gabriela morais
Revoluã§ao francesa luisa alvim e gabriela morais
 
Jose Gabriel Gotardo Soares e Cassiano B
Jose Gabriel Gotardo Soares e Cassiano BJose Gabriel Gotardo Soares e Cassiano B
Jose Gabriel Gotardo Soares e Cassiano B
 
Revolução Francesa João Pedro Leal 8°ano B
Revolução Francesa João Pedro Leal 8°ano BRevolução Francesa João Pedro Leal 8°ano B
Revolução Francesa João Pedro Leal 8°ano B
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução Francesa Juliana e Stella 8ºA
Revolução Francesa Juliana e Stella 8ºARevolução Francesa Juliana e Stella 8ºA
Revolução Francesa Juliana e Stella 8ºA
 
Revolução francesa ate fim do Governo Napoleônico
Revolução francesa ate fim do Governo Napoleônico Revolução francesa ate fim do Governo Napoleônico
Revolução francesa ate fim do Governo Napoleônico
 
revolucao francesa pedro paulo 8 b
revolucao francesa pedro paulo 8 brevolucao francesa pedro paulo 8 b
revolucao francesa pedro paulo 8 b
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução francesa (1)
Revolução francesa (1)Revolução francesa (1)
Revolução francesa (1)
 
Revolução francesa (1)
Revolução francesa (1)Revolução francesa (1)
Revolução francesa (1)
 

Último

Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 

Revolução francesa 8° b

  • 2. Inicio da Revolução Francesa  O começo da revolução Francesa aconteceu em 1789, onde a França enfrentava uma grande crise econômica.  O Rei Luis XVI, convoca os 3 estados para uma assembléia dos Estados gerais.  A Assembléia dos Estados Gerais reuniu-se no Palácio de Versalhes, para discutir o interesse dos 3 Estados.  O 1° e 2° Estado, representavam o Alto Clero e a Nobreza,defendiam o voto por ordem social, e o 3° Estado que representava a burguesia, reinvidicava o voto por cabeça, pois sabia que se não fosse dessa forma estaria sempre em desvantagem.  Sem os Estados entrarem em um acordo, o 3° Estado se retira, iniciando então a revolução Francesa.
  • 3. A Assembléia Nacional Constituinte  Com a retirada do 3° estado e feita uma assembléia constituinte, com objetivo de elaborar um constituição para a França.  A assembléia nacional decretou novas leis, e aprovou a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.  A Assembléia votou a Constituição Civil do Clero.  Em Setembro de 1791, Luis XVI jurou respeitar a constituição, que estabelecia a monarquia constitucional  Os membros republicanos da Assembléia acusaram o rei Luis XVI de estar traindo a revolução. A família real foi presa. A Assembleia depois o rei e elegeu a Convenção Nacional eleita por voto universal masculino. No dia 22 de setembro, foi proclamada a republica.
  • 4. Convenção Nacional  Após a proclamação da republica, os revolucionários dividiram-se em:  Girondinos-grupo majoritário, representante da alta burguesia;  Jacobinos ou montanheses- grupo radical liderado por Robespierre, Danton e Marat, representantes da média e pequena burguesia.  Planície- também representantes da alta burguesia.  Nesse período houve grandes conflitos entre os Jacobinos e Girondinos, um deles foi o período conhecido como Terror em 1794, chefiado por Robespierre, no qual houve violenta perseguição aos girondinos, com a morte de muitos deles, além de nobres e da rainha Maria Antonieta.  Em 27 de julho de 1794, Robespierre foi preso e guilhotinado pelos girondinos, terminando o Terror.  Os girondinos voltaram ao poder, instalando um novo governo o Diretório.
  • 5. O Diretório  Em 1795, foi promulgada outra constituição, que instalou um novo governo: O Diretório.  O poder executivo foi dado a cinco diretores escolhidos por uma assembleia eleita por voto censitário.  A alta burguesia, que dominava o Diretório, tratou de defender os seus interesses, sufocando as oposições internas. Nessa época a França enfrentava a Primeira Coligação, formada pela Inglaterra e seus aliados. Na guerra, destacou-se o general Napoleão Bonaparte, que derrotou a Itália, assinou a paz com a Áustria e dirigiu a Campanha do Egito contra os ingleses.  Napoleão foi chamado de volta a França por alguns políticos do Diretório. Retirou-se secretamente do Egito e no dia 18 Brumário ( 9 de novembro) de 1799, deu um golpe de Estado, e instalou um governo na França chamado consulado. A Revolução Francesa chegava ao fim.
  • 6. Governo Napoleônico e Império Na, favorecendo os ,Napoleônico  Ao governar a França, Napoleão Bonaparte deu inicio a consolidação das conquistas da burguesia no país. Além disso, empreendeu campanhas militares que provocaram a desorganização das monarquias absolutistas da Europa, favorecendo os movimentos liberais.  Em 1799, o Diretório convocou Napoleão para participar do governo.  No dia 9 de novembro desse mesmo ano, com o Golpe do 18 Brumário, foi elaborado nova Constituição, que instaurava o Consulado como forma de governo, inaugurando assim a Era Napoleônica.  A chamada era Napoleônica envolveu dois períodos: • Consulado (1799-1804)- caracterizado pela recuperação econômica da França e também pela estabilização do poder politico. • Império ( 1804-1815)- Napoleão Bonaparte desenvolveu sua corrida imperialista e dominou grande parte da Europa.
  • 7. O Consulado  No consulado, o poder Executivo era exercido por três cônsules, e o legislativo ficava a cargo das assembleias. Napoleão era o primeiro- cônsul e tinha em suas mãos amplos poderes.  Napoleão promoveu a reforma do Direito, elaborando o código Civil Napoleônico, o que consolidou as conquistas da burguesia ocorridas durante a Revolução Francesa, tais como a laicização do Estado, a igualdade entre todos perante a lei, a propriedade privada, a liberdade econômica, a proibição das graves e da organização sindical e o restabelecimento da escravidão nas colônias.  Com o apoio da burguesia, em 1802, Napoleão fez um plebiscito e tornou se cônsul vitalício.
  • 8. O Império  Em 1804, Napoleão fez realizar novo plebiscito, no qual 60% dos votantes confirmaram a instituição do regime politico monárquico, e ele tornou-se imperador da França.  No plano interno, ocorreu o incentivo a agricultura e a indústria.  No plano externo, Napoleão disputou com a Inglaterra a hegemonia política e econômica da Europa. Em 1805, enfrentou a terceira coligação contra a França, formada pela Inglaterra, pela Áustria e pela Rússia.  Para derrotar a Inglaterra, em 1806, Napoleão promulgou o Decreto de Berlim, fechando todos os portos europeus aos navios e as mercadorias que vinham da Inglaterra, ato conhecido como Bloqueio Continental.  Os países que não aderiram ao bloqueio sofreram intervenção de Bonaparte.  Portugal, ligado aos ingleses por interesses comerciais, também, não fechou seus portos a Inglaterra. Para manter o bloqueio, Napoleão resolveu invadir Portugal. Assinou com a Espanha o Tratado de Fontainebleau (1807) que deu as tropas francesas o direito de atravessar terras espanholas para invadir Portugal.
  • 9. Continuação do slide anterior  O príncipe regente desse país, Dom João, com o apoio inglês, transferiu a sede da Corte portuguesa para o Brasil. Napoleão dominava praticamente toda a Europa, com exceção da Inglaterra. Tornou-se senhor absoluto da política europeia.
  • 10. O fim do Império Napoleônico  A politica napoleônica começou a ser contestada até mesmo pela burguesia.  Enquanto a Inglaterra intensificou seu comércio com as colônias da América Latina, dos EUA e do Oriente.  O Bloqueio Continental prejudicou a economia francesa e a dos países aliados, em razão da falta de produtos manufaturados e da paralisação dos portos.  Em 1812, a Rússia rompeu o Bloqueio.  Como reação, em 1812, Napoleão empreendeu a Campanha da Rússia, mobilizando um exercito de quase 600 mil homens para invadir esse país. Quando o exercito francês chegou a Moscou, nada encontrou, pois czar havia retirado toda a população da capital e ateado fogo na cidade. Sem abrigo e sem alimento, Napoleão resolveu retornar a França.
  • 11. Continuação do slide anterior  Na viagem contudo, Napoleão defrontou-se com seu pior inimigo: o inverno. Em face do frio e dos ataques russos, Napoleão perdeu quase todo seu exercito.  Em 1813, em Leipzig, Napoleão foi derrotado. Assinou o Tratado de Fontainebleau, abdicando do trono francês Luís XVIII, da dinastia, Bourbon, foi convidado a retomar o poder.  Napoleão recebeu a soberania Elba, no mediterranio,mas não foi muito longo no seu exilio. Em fevereiro de 1815, conseguiu fugir da ilha, foi para Paris e retomou o poder, sendo novamente aclamado imperador. O rei Luís XVIII, fugiu para a Bélgica.  Napoleão realizou o Governo dos Cem Dias. Foi definitivamente derrotado pelo duque de Wellington, na Batalha de Waterloo, na Bélgica. Aprisionado, foi deportado para a ilha de Santa Helena , onde faleceu em 1821.  Com a derrota de Napoleão, a monarquia absolutista foi restaurada na França, sob o governo de Luís XVIII.
  • 12. O Congresso de Viena  Logo depois da primeira derrota de Napoleão, em 1814, organizou- se na Europa um movimento conservador. As forças tradicionais absolutistas retomaram o antigo modelo de governo. Monarcas e ministros reuniram se no Congresso de Viena (1814-1815), com a finalidade de restabelecer o antigo equilíbrio politico da Europa que havia sido bastante alterado como conquistas napoleônicas.  Os principais participantes do congresso foram: Alexandre I, da Rússia; Frederico Guilherme, da Prússia ; Wellington, da Inglaterra; Talleyrand, da França; e o príncipe Metternich da Áustria.  Três princípios nortearam o Congresso: Restauração, legitimidade e solidariedade.  Talleyrand defendeu o Principio da Legitimidade, segundo o qual: • As nações europeias voltariam aos limites geográficos anteriores a Revolução Francesa.
  • 13. Continuação do slide anterior  As dinastias derrubadas retornariam ao poder. As fronteiras dos países europeus não voltaram a ser as mesmas. A França retornou a seus limites Territoriais. A Áustria, a Rússia e a Prússia aumentaram seus territórios, em prejuízo dos Estados Unidos mais fracos.
  • 14. A Santa Aliança  Por proposta do czar Alexandre I, a Rússia, a Áustria e a Prússia formaram a Santa Aliança. O objetivo era defender as monarquias absolutistas, em nome dos princípios cristãos. Matternich introduziu na Santa Aliança o direito de intervenção. Seguindo ele, a Santa Aliança teria o direito de intervir nos países onde houvesse revoluções liberais e tentativas de emancipação política. A Inglaterra, entretanto, defendeu o Principio de não-intervenção. Essa coligação, apoiava os movimentos de independência da América Latina, com vistas a conquistar novos mercados para sua indústria.  Na década de 1830, irromperam revoluções liberais e nacionalistas dentro e fora do continente europeu, o que provocou o enfraquecimento da Santa Aliança.
  • 15. Instituto Teresa Valsé Professor: Flávia Velasco Toledo de Carvalho Alunos: Deivid Borges Dairell Rafael Zardo Matias Série: 8º ano ‘B’