SlideShare uma empresa Scribd logo
YURI MOREIRA ASSIS
ESPECIALISTA EM MEDICINA INTENSIVA AMIB
MÉDICO ROTINEIRO UTI HTLF E HOSPITAL SÃO DOMIINGOS
REPOSIÇÃO VOLÊMICA
EM CIRURGIA DE ALTO
RISCO – ESCOLHENDO
UMA ESTRATÉGIA
DADOS EPIDEMIOLÓGICOS
Fonte: DATASUS -
http://tabnet.datasus.gov.br/tabdata/cadernos/cadernosmap.htm
DADOS EPIDEMIOLÓGICOS
Fonte: DATASUS -
http://tabnet.datasus.gov.br/tabdata/cadernos/cadernosmap.htm
DADOS EPIDEMIOLÓGICOS
• 21 Unidades de Terapia Intensiva, 885 pacientes
– Cirurgia de alto risco eletivas: 66,4%
– Mortalidade na UTI: 15%
– Complicações pós-operatórias: 38%
2008
DADOS EPIDEMIOLÓGICOS
• DADOS UTI HTLF 2012:
– Pacientes clínicos: 42%
– Pacientes cirúrgicos eletivos: 48%
– Pacientes cirúrgicos de urgência: 10%
• 2013 – 1° trimestre:
– 48,4% dos pacientes em POI eletivo
– 25,7% em POI de cirurgia de urgência
PACIENTES CIRÚRGICOS
• Proporção vem aumentando
progressivamente
• Alto custo
• Ocupam grande parte dos leitos de UTI
• Demandam alta rotatividade
• Incidência de complicações é proporcional ao
tempo de internação
TRAUMA CIRURGICO FISIOPATOLOGIA
FASES DA RESPOSTA AO TRAUMA
- Fase “Ebb” (redução)
 2 a 3 dias de duração
 Hipovolemia, hipotensão
 Diminuição do fluxo
sangüíneo
 Aumento da RVS
 Aumento das
catecolaminas,glico e
mineralocorticóides,
 Diminuição da insulina
 Aumento do Glucagon
 Hiperglicemia
- Fase “Flow” (fluxo)
 Estado hiperdinâmico
 Retenção fluídica
 Aumento da
permeabilidade vascular
 Diminuição da RVS
 Hipermetabolismo
 Aumento das
catecolaminas e
glicocorticóides
 Aumento da insulina
 Hiperglicemia
SIRS X CARS
SIRS CARS
IL-1, IL-6, TNF
Ativação de macrófagos, linfócitos
Th-1, NK,
IL-10, IL-2
Linfócitos Th-2
Apoptose
ESTRATIFICAÇÃO DO RISCO
• Status do paciente versus complexidade do
procedimento
• Risco cirúrgico cardiovascular e anestésico de
cirurgias eletivas
• Cirurgias cardíacas, vasculares de grande porte,
oncológicas – pela própria complexidade já se
enquadram no alto risco
• Cirurgias de urgência – politraumatizados,
paciente sépticos, grandes hemorragias –
representam o grupo de maior risco
REPOSIÇÃO VOLÊMICA
• ESTRATÉGIA TRADICIONAL:
– Na S.O. 20 ml/kg de peso seco na primeira hora,
seguido por 6 ml/kg/h a cada hora subsequente –
Ringer com lactato
– No P.O.I. 20 a 30 ml/kg nas primeiras 24 horas –
Solução fisiológica ou glicosada com acréscimo de
eletrólitos
– Observar diurese, pressão arterial, frequência
cardíaca, perdas por sondas e drenos – reposição
das perdas
(WHO - Surgical Care at the Hopital, 2003)
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
• METODOLOGIA: 62 pacientes randomizados
– Grupo intervenção: terapia guiada por metas
precoces (GDT) para ÍNDICE DE ENTREGA DE
OXIGÊNIO de 600 ml/min/m2 – CONTROLE POR
LidCo e VARIAÇÃO DE PRESSÃO DE PULSO (Δpp)
– Grupo controle: estratégia tradicional
– Seguimento por 60 dias
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
• RESULTADOS:
– O grupo GDT recebeu mais colóide – 1907 ± 878 ml X
1204 ± 898 ml (p < 0,0001)
– Complicações: 27 pacientes (44%) no grupo GDT X 41
pacientes (68%) no grupo controle
– Tempo de internação: mediana – 11 dias (GDT) X 14
dias (controle)
– Mortalidade: sem diferença significativa (11,3% X 15%
(p= 0,59)
• CONCLUSÕES:
– GDT intra e pós operatório foi associado com REDUÇÃO
DE COMPLICAÇÕES PÓS OPERATÓRIAS E TEMPO DE
INTERNAÇÃO
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
• RESULTADOS:
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
• Estudo prospectivo, randomizado e controlado, com 135
pacientes de alto risco submetidos a grande cirurgia abdominal
• 2 grupos, ambos submetidos a otimização perioperatória ( PAM >
80 mmHg, diurese > 0.5 ml/kg/h, PVC 8 – 12 mmHg)
• Grupo “protocolo”: manejados para manter extração de oxigênio
(ErO2) < 27% - ErO2 = SaO2 – SvcO2/SaO2
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
• Intervenções:
- Fluidos
- Concentrado
de hemácias
- Dobutamina
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
• Resultados:
- Redução de
disfunção
orgânica – pelo
menos uma: 11,8
X 29,8% (p < 0,05)
- Redução no
tempo de 11, 3 ±
3,8 x 13,4 ± 6,1
dias, p < 0,05
- Não houve
alteração da
mortalidade
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
• METODOLOGIA: estudo cego randomizado, selecionou 62
pacientes (ASA I-III) submetidos a cirurgia abdominal de alto
risco eletiva
- GRUPO RESTRITIVO: pacientes receberam estratégia
restritiva de fluidos nas primeiras 24 horas – 1,5 l
- GRUPO CONTROLE: seguimento padrão – 2,5 l de fluídos
em 24 horas
- Desfecho primário – tempo de internação PO
- Desfechos secundários – complicações pós-operatórias e
tempo para normalização do trato GI
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
• RESULTADOS: após seguimento por 1 ano:
– Estudo interrompido devido a grande número de violações do
protocolo por piora do quadro clínico, sendo realizada análise
interina
– Tempo de internação: 12,3 grupo restritivo X 8,3 grupo controle (p
= 0,049)
– Complicações maiores: 12 em 30 (40%) X 5 em 32 (16%) no grupo
controle - RI = 0,24 (IC95% = 0.03 A 0,46)
– NNH (number needed to harm) = 4
• CONCLUSÕES: a estratégia restritiva de fluídos como
efetuada neste estudo em pacientes submetidos a grande
cirurgia abdominal parece ser prejudicial e ser
acompanhada por aumento no risco de complicações
maiores e prolongamento do tempo de internação
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
“In patients undergoing major surgery, GDT, by maintaining an adequate systemic
oxygenation, can protect organs particularly at risk of perioperative hypoperfusion
and is effective in reducing GI complications.”
Em pacientes submetidos a grande cirurgia, o manejo por metas, por
manter uma oxigenação sistêmica adequada, pode proteger órgãos
particularmente em risco de hipoperfusão perioperatória e é efetivo em
reduzir complicações gastrointestinais.
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
“In high-risk patients undergoing major abdominal surgery, implementation of an intraoperative
goal directed hemodynamic optimization protocol using the FloTrac/Vigileo device was
associated with a reduced length of hospital stay and a lower incidence of complications
compared to a standard management protocol.”
Em pacientes de alto risco submetidos a cirurgia abdominal de grande
porte, a implementação de um protocolo de otimização hemodinâmica
baseada em metas intra-operatório usando o sistema FloTrac/Vigileo foi
associado com redução de tempo de hospitalização e incidência de
complicações comparado a um protocolo de manejo padrão.
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
Abril 2010, ahead of print
A sobrevida a longo prazo após cirurgia de grande porte está relacionada
a um número de fatores, incluindo idade e ausência de complicações
perioperatórias. Terapia basada em metas de curto prazo no
peroperatório pode melhorar os desfechos de longo prazo em parte
devido a sua habilidade de reduzir o número de complicações
perioperatórias.
“Long-term survival after major surgery is related to a number of factors, including
patient age and avoidance of perioperative complications. Short-term goal-
directed therapy in the perioperative period may improve long-term outcomes, in
part due to its ability to reduce the number of perioperative complications.”
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
“CONCLUSION: Perioperative outcomes favored a GD therapy rather than liberal fluid
therapy without hemodynamic goals. Whether GD therapy is superior to a
restrictive fluid strategy remain’s uncertain. (Anesth Analg 2012;114:640–51).
Desfechos perioperatórios favorecem uma terapia baseada em metas
mais do que terapia hídrica liberal sem metas hemodinâmicas. Ser a
terapia baseada em metas superior a estratégia hídrica restritiva ainda
permanece incerto.
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
Figura 2: A influência
dos regimes liberal
versus restritivo no
risco de (A)
pneumonia e (B)
edema pulmonar.
Figura 3: A influência
da estratégia restritiva
versus liberal em (A)
tempo para primeiro
movimento do
intestino (dias) e (B)
tempo da passagem
do primeiro flato.
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
Figura 4: Efeito de (A)
estratégia restritiva
versus liberal e (B)
estratégia GDT em
tempo de internação
(dias).
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
Figura 5: O efeito de
(A) estratégia restritiva
e (B) estratégia GDT
na mortalidade.
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
- Metanálise com 32 trabalhos, 2.808 pacientes. Cinco foram excluídos
por dados incompletos sobre complicações. Os pacientes foram
divididos em 3 grupos pelo risco de óbito: alto risco (> 20%), risco
intermediário (5 a 20%) e baixo risco (<5%)
- Conclusões:
• A redução de mortalidade é confinada apenas ao subgrupo de
extremo alto risco
• A redução de complicações foi vista em todos os grupos GDT
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
Figura 2: Efeito da
estratégia baseada em
metas (GDT) no grupo
protocolo versus grupo
controle, na taxa de
mortalidade, agrupada
pelo risco de óbito do
grupo controle.
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
Figura 3: Efeito da
estratégia baseada em
metas (GDT) no grupo
protocolo versus grupo
controle, no número de
complicações pós
operatórias, agrupados
pelo risco de óbito do
grupo controle.
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
“For patients at a higher risk of complications and death, the maximization of DO2 is
associated with better outcomes. In the ICU, additional therapy titrated to increase
ScvO2 or the venous-to-arterial carbon dioxide difference and to decrease serum lactate
concentrations may be necessary to restore adequate systemic oxygenation.”
Para pacientes com um risco maior de complicações e morte, a
maximização do DO2 é associada com melhores desfechos. Na UTI,
terapia adicional titulada para aumentar a SVcO2 ou a diferença veno-
arterial de dióxido de carbono e a redução da concentração do lactato
sérico pode ser necessária para restaurar a adequada oxigenação
sistêmica.
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
• REVISÃO 2006
– Redução da SvcO2 foi considerada
fator independente de pior
prognóstico
– A medida da SvcO2 é considerada
método eficaz e pouco invasivo
– A SvO2 TEM BOA CORRELAÇÃO COM
SvcO2
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
“Key messages:
• HES parece causar dano e deve ser evitado na população em choque
séptico e em pacientes de alto risco para injúria renal.
• O tempo para administração de fluidos é tão importante (se não mais) do que
a quantidade dada.
• Terapia baseada em metas desenhada para otimizar tanto a fração de
ejeção quanto a pré-carga está bem estabelecida no grupo de pacientes
de alto risco e deve ser considerado para pacientes críticos.
• Novas modalidades para o acesso dos índices hemodinâmicos oferecem
opções não invasivas para guiar a terapia de fluidos e acompanhar a resposta
hemodinâmica a administração de volume.
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
• Revisão sistemática com 78 estudos randomizados controlados, incluindo
comparações entre albumina ou fração proteica do plasma (24), hidroxetilamido
(25), gelatina (11), dextrans (9) e dextrans em solução cristalóide hipertônica (9)
versus salina, com um total de 22.392 pacientes
CONCLUSÃO DOS AUTORES: “There is no evidence from randomised
controlled trials that resuscitation with colloids reduces the risk of death,
compared to resuscitation with crystalloids, in patients with trauma, burns or
following surgery. Furthermore, the use of hydroxyethyl starch might increase
mortality. As colloids are not associated with an improvement in survival and
are considerably more expensive than crystalloids, it is hard to see how their
continued use in clinical practice can be justified.”
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
- CONTROVÉRSIAS
 Estudos com baixo número de casos, centros únicos.
 O trabalho de PEARSE foi contestado por trabalho de
grande porte do grupo do St. George´s Hospital e por
SHANDHAN et al, que concluiu não haver beneficio no
sistema GDT, por metas hemodinâmicas, com CAP
 Dificuldades com pareamento de pacientes devido a
grande variação de grau de gravidade, tipos de
procedimentos e condução no pré e perioperatório,
inviabilizando estudos multicêntricos com poder
estatístico suficiente
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
- CONTROVÉRSIAS
• Não há relação entre prescrição de fluídos e eletrólitos
e peso pré-operatório, níveis séricos de eletrólitos ou
balanço hídrico
• Pacientes acabam desenvolvendo complicações –
sobrecarga hídrica, arritmias, distúrbios
hidroeletrolíticos devido a prescrições inadequadas de
fluidos e eletrólitos – em torno de 17%
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
CONCLUSÕES:
• Pacientes em POI representam grande parte
das internações em UTI, com tendência de
crescimento
• Pacientes nem sempre chegam na UTI em
condições ideais
• A condução do POI muitas vezes é feita de
forma empírica
• Há fortes evidências que suportam
modificações neste manejo
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
CONCLUSÕES:
• A estratégia GDT ainda necessita de maior
validação, porém já há evidências de redução
de complicações e tempo de internação
• A redução de mortalidade parece estar
associada a maior risco cirúrgico
• A implantação da estratégia GDT é factível,
mesmo em menores níveis de complexidade
• A elaboração de protocolos bem definidos está
associada a melhoria dos desfechos
ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
CONCLUSÕES:
• O método ideal para monitorização não está
estabelecido. A literatura atual ainda estuda
CAP, métodos minimamente invasivos e
métodos perfusionais
• O importante é estratificar riscos, e baseado
nisso utilizar algum método para monitorizar
• Firma-se cada vez mais o conceito de
individualização da terapêutica
FLUXOGRAMA UTILIZADO NA UTI DO HTLF
GASOMETRIA OK?
LACTATO OK?
SvcO2 OK?
DIURESE OK?
Δ pCO2 OK? SIM
NÃO
MANUTENÇÃO: SF0,9% 20
a 30 ml/kg em 24 h
EXPANSÃO: RINGER
LACTATO 20 ml/kg em 1
hora.
EVITAR AMIDO – RISCO
AUMENTADO DE IRnA
NOVA
GASOMETRIA A-V E
LACTATO
ACIDOSE
PERSISTENTE
HIPERLACTATEMIA
SvcO2 < 70%
DIURESE < 0,5
ml/kg/h
EXPANSÃO:
DESAFIO
HÍDRICO –
OBSERVAR
INFLEXÃO DA
PVC
INFLEXÃO DA PVC (+)
PERSISTE ACIDOSE,
HIPERLACTATEMIA,
DIURESE < 0,5
ml/kg/h OU SvcO2 <
65%
INICIAR
DOBUTAMINA
HIPOTENSÃO EM
QUALQUER MOMENTO:
INICIAR NORADRENALINA
METAS
ATINGIDAS:
GASO. A-V E
LACTATO 6/6h
ADMISSÃO EM POI:
• Rotina de
admissão: HC,
GASOMETRIA A-V,
LACTATO, IONS, Ur,
Cr, TAP, TTPA, BI,
ALT, AST
• Monitorizar diurese
• Acesso venoso
central se não
houver
+ Monitorizar PVC
OBRIGADOObrigado!
Associe-se a AMIB – a associação a SOTIMA
é automática. Informações no Blog da
SOTIMA – sotima.blogspot.com e na nossa
página do facebook – Sotima – Sociedade de
Terapia Intensiva do Maranhão.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...
2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...
2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Avaliação pré anestésica 2015
Avaliação pré anestésica 2015Avaliação pré anestésica 2015
Avaliação pré anestésica 2015
Fabricio Mendonca
 
Risco operatóro
Risco operatóroRisco operatóro
Risco operatóro
Tassia Lemos
 
Câncer gástrico
Câncer gástricoCâncer gástrico
Câncer gástrico
kalinine
 
LTO RMC.pdf
LTO RMC.pdfLTO RMC.pdf
LTO RMC.pdf
RafaelPereira518015
 
Aula pre-op
Aula pre-opAula pre-op
Aula pre-op
Markley Pereira
 
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações CirúrgicasPós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Francisco Doria
 
Avaliação pré-operatória.pptx
Avaliação pré-operatória.pptxAvaliação pré-operatória.pptx
Avaliação pré-operatória.pptx
raylandias
 
XABCDE.pptx
XABCDE.pptxXABCDE.pptx
XABCDE.pptx
EnfSampy
 
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultosSuporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Aroldo Gavioli
 
Caso Clinico de Hipertensão Arterial
Caso Clinico de Hipertensão ArterialCaso Clinico de Hipertensão Arterial
Caso Clinico de Hipertensão Arterial
Professor Robson
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização Hemodinamica
Rodrigo Biondi
 
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascularPós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
Paulo Sérgio
 
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca ArtificialAssistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
resenfe2013
 
Cirurgia segura
Cirurgia seguraCirurgia segura
Cirurgia segura
Anestesiador
 
Virologia Clínica Parte 3 Viroses Humanas [Profa.Zilka]
Virologia Clínica Parte 3  Viroses Humanas [Profa.Zilka]Virologia Clínica Parte 3  Viroses Humanas [Profa.Zilka]
Virologia Clínica Parte 3 Viroses Humanas [Profa.Zilka]
Profª. Zilka Nanes Lima - UEPB - Microbiologia e Imunologia
 
Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar
resenfe2013
 
Aula endocardite
Aula endocarditeAula endocardite
Aula endocardite
Alberto Las Casas Jr.
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
Moniele Tavares
 
Valvulopatia Aórtica e Pulmonar
Valvulopatia Aórtica e PulmonarValvulopatia Aórtica e Pulmonar
Valvulopatia Aórtica e Pulmonar
resenfe2013
 

Mais procurados (20)

2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...
2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...
2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...
 
Avaliação pré anestésica 2015
Avaliação pré anestésica 2015Avaliação pré anestésica 2015
Avaliação pré anestésica 2015
 
Risco operatóro
Risco operatóroRisco operatóro
Risco operatóro
 
Câncer gástrico
Câncer gástricoCâncer gástrico
Câncer gástrico
 
LTO RMC.pdf
LTO RMC.pdfLTO RMC.pdf
LTO RMC.pdf
 
Aula pre-op
Aula pre-opAula pre-op
Aula pre-op
 
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações CirúrgicasPós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
 
Avaliação pré-operatória.pptx
Avaliação pré-operatória.pptxAvaliação pré-operatória.pptx
Avaliação pré-operatória.pptx
 
XABCDE.pptx
XABCDE.pptxXABCDE.pptx
XABCDE.pptx
 
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultosSuporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
 
Caso Clinico de Hipertensão Arterial
Caso Clinico de Hipertensão ArterialCaso Clinico de Hipertensão Arterial
Caso Clinico de Hipertensão Arterial
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização Hemodinamica
 
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascularPós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
 
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca ArtificialAssistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
 
Cirurgia segura
Cirurgia seguraCirurgia segura
Cirurgia segura
 
Virologia Clínica Parte 3 Viroses Humanas [Profa.Zilka]
Virologia Clínica Parte 3  Viroses Humanas [Profa.Zilka]Virologia Clínica Parte 3  Viroses Humanas [Profa.Zilka]
Virologia Clínica Parte 3 Viroses Humanas [Profa.Zilka]
 
Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar
 
Aula endocardite
Aula endocarditeAula endocardite
Aula endocardite
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
Valvulopatia Aórtica e Pulmonar
Valvulopatia Aórtica e PulmonarValvulopatia Aórtica e Pulmonar
Valvulopatia Aórtica e Pulmonar
 

Semelhante a Reposição volêmica em cirurgia de alto risco

Controle GlicêMico Estrito Na Ti
Controle GlicêMico Estrito Na TiControle GlicêMico Estrito Na Ti
Controle GlicêMico Estrito Na Ti
Rodrigo Biondi
 
Sleeve resultados de longo prazo
Sleeve resultados de longo prazoSleeve resultados de longo prazo
Sleeve resultados de longo prazo
Aluisio Stoll
 
cepeti-goal-directed-pos-op-6e662230.pptx
cepeti-goal-directed-pos-op-6e662230.pptxcepeti-goal-directed-pos-op-6e662230.pptx
cepeti-goal-directed-pos-op-6e662230.pptx
Marcelo Ocampos
 
IMPACTO DE UM PROTOCOLO DE DIAGNOSTICO GUIADO POR ULTRASSOM NO INCIO DA INTER...
IMPACTO DE UM PROTOCOLO DE DIAGNOSTICO GUIADO POR ULTRASSOM NO INCIO DA INTER...IMPACTO DE UM PROTOCOLO DE DIAGNOSTICO GUIADO POR ULTRASSOM NO INCIO DA INTER...
IMPACTO DE UM PROTOCOLO DE DIAGNOSTICO GUIADO POR ULTRASSOM NO INCIO DA INTER...
jacquesveronica5d
 
Perfil dos pacientes com hipertireoidismo submetidos a radiodoterapia com dos...
Perfil dos pacientes com hipertireoidismo submetidos a radiodoterapia com dos...Perfil dos pacientes com hipertireoidismo submetidos a radiodoterapia com dos...
Perfil dos pacientes com hipertireoidismo submetidos a radiodoterapia com dos...
adrianomedico
 
Cancer de mama-sergio_mendes-111105
Cancer de mama-sergio_mendes-111105Cancer de mama-sergio_mendes-111105
Cancer de mama-sergio_mendes-111105
ALESP - Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo
 
Cancerdemama sergiomendes-111105-120717132029-phpapp02
Cancerdemama sergiomendes-111105-120717132029-phpapp02Cancerdemama sergiomendes-111105-120717132029-phpapp02
Cancerdemama sergiomendes-111105-120717132029-phpapp02
Claudia Tanaami
 
Atualização sobre pneumonia associada a ventilação mecânica, novas definições...
Atualização sobre pneumonia associada a ventilação mecânica, novas definições...Atualização sobre pneumonia associada a ventilação mecânica, novas definições...
Atualização sobre pneumonia associada a ventilação mecânica, novas definições...
Yuri Assis
 
Compra de Serviços Hospitalares e de Atenção Primária
Compra de Serviços Hospitalares e de Atenção PrimáriaCompra de Serviços Hospitalares e de Atenção Primária
Compra de Serviços Hospitalares e de Atenção Primária
Gesaworld do Brasil
 
Avaliação pré operatória
Avaliação pré operatóriaAvaliação pré operatória
Avaliação pré operatória
Fernando de Oliveira Dutra
 
Anais do XIX Congresso Brasileiro de Oncologia Clínica 2015
Anais do XIX Congresso Brasileiro de Oncologia Clínica 2015Anais do XIX Congresso Brasileiro de Oncologia Clínica 2015
Anais do XIX Congresso Brasileiro de Oncologia Clínica 2015
Francisco H C Felix
 
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve in
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve inTranscatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve in
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve in
Thiago Henrique
 
SLIDE- A Randomized Trial of Intensive versus Standard Blood-Pressure Control...
SLIDE- A Randomized Trial of Intensive versus Standard Blood-Pressure Control...SLIDE- A Randomized Trial of Intensive versus Standard Blood-Pressure Control...
SLIDE- A Randomized Trial of Intensive versus Standard Blood-Pressure Control...
YasminBittar
 
Artigo Qualidade de vida e recorrencia de diverticulite no tratamento cirurgi...
Artigo Qualidade de vida e recorrencia de diverticulite no tratamento cirurgi...Artigo Qualidade de vida e recorrencia de diverticulite no tratamento cirurgi...
Artigo Qualidade de vida e recorrencia de diverticulite no tratamento cirurgi...
mariavfm97
 
Vivendo Rio
Vivendo RioVivendo Rio
Vivendo Rio
Pela Vidda - RJ
 
Revista SPC 36 - Artigo Original - Ana T. Bernardo
Revista SPC 36 - Artigo Original - Ana T. BernardoRevista SPC 36 - Artigo Original - Ana T. Bernardo
Revista SPC 36 - Artigo Original - Ana T. Bernardo
Ana Teresa Bernardo
 
Cirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade MorbidaCirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade Morbida
Adriana Rickli
 
Análise de registros de medicamentos oncológicos. Desenhos e desfechos consid...
Análise de registros de medicamentos oncológicos. Desenhos e desfechos consid...Análise de registros de medicamentos oncológicos. Desenhos e desfechos consid...
Análise de registros de medicamentos oncológicos. Desenhos e desfechos consid...
Oncoguia
 
Anestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler Júnior
Anestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler JúniorAnestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler Júnior
Anestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler Júnior
SMA - Serviços Médicos de Anestesia
 
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
Socorro Carneiro
 

Semelhante a Reposição volêmica em cirurgia de alto risco (20)

Controle GlicêMico Estrito Na Ti
Controle GlicêMico Estrito Na TiControle GlicêMico Estrito Na Ti
Controle GlicêMico Estrito Na Ti
 
Sleeve resultados de longo prazo
Sleeve resultados de longo prazoSleeve resultados de longo prazo
Sleeve resultados de longo prazo
 
cepeti-goal-directed-pos-op-6e662230.pptx
cepeti-goal-directed-pos-op-6e662230.pptxcepeti-goal-directed-pos-op-6e662230.pptx
cepeti-goal-directed-pos-op-6e662230.pptx
 
IMPACTO DE UM PROTOCOLO DE DIAGNOSTICO GUIADO POR ULTRASSOM NO INCIO DA INTER...
IMPACTO DE UM PROTOCOLO DE DIAGNOSTICO GUIADO POR ULTRASSOM NO INCIO DA INTER...IMPACTO DE UM PROTOCOLO DE DIAGNOSTICO GUIADO POR ULTRASSOM NO INCIO DA INTER...
IMPACTO DE UM PROTOCOLO DE DIAGNOSTICO GUIADO POR ULTRASSOM NO INCIO DA INTER...
 
Perfil dos pacientes com hipertireoidismo submetidos a radiodoterapia com dos...
Perfil dos pacientes com hipertireoidismo submetidos a radiodoterapia com dos...Perfil dos pacientes com hipertireoidismo submetidos a radiodoterapia com dos...
Perfil dos pacientes com hipertireoidismo submetidos a radiodoterapia com dos...
 
Cancer de mama-sergio_mendes-111105
Cancer de mama-sergio_mendes-111105Cancer de mama-sergio_mendes-111105
Cancer de mama-sergio_mendes-111105
 
Cancerdemama sergiomendes-111105-120717132029-phpapp02
Cancerdemama sergiomendes-111105-120717132029-phpapp02Cancerdemama sergiomendes-111105-120717132029-phpapp02
Cancerdemama sergiomendes-111105-120717132029-phpapp02
 
Atualização sobre pneumonia associada a ventilação mecânica, novas definições...
Atualização sobre pneumonia associada a ventilação mecânica, novas definições...Atualização sobre pneumonia associada a ventilação mecânica, novas definições...
Atualização sobre pneumonia associada a ventilação mecânica, novas definições...
 
Compra de Serviços Hospitalares e de Atenção Primária
Compra de Serviços Hospitalares e de Atenção PrimáriaCompra de Serviços Hospitalares e de Atenção Primária
Compra de Serviços Hospitalares e de Atenção Primária
 
Avaliação pré operatória
Avaliação pré operatóriaAvaliação pré operatória
Avaliação pré operatória
 
Anais do XIX Congresso Brasileiro de Oncologia Clínica 2015
Anais do XIX Congresso Brasileiro de Oncologia Clínica 2015Anais do XIX Congresso Brasileiro de Oncologia Clínica 2015
Anais do XIX Congresso Brasileiro de Oncologia Clínica 2015
 
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve in
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve inTranscatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve in
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve in
 
SLIDE- A Randomized Trial of Intensive versus Standard Blood-Pressure Control...
SLIDE- A Randomized Trial of Intensive versus Standard Blood-Pressure Control...SLIDE- A Randomized Trial of Intensive versus Standard Blood-Pressure Control...
SLIDE- A Randomized Trial of Intensive versus Standard Blood-Pressure Control...
 
Artigo Qualidade de vida e recorrencia de diverticulite no tratamento cirurgi...
Artigo Qualidade de vida e recorrencia de diverticulite no tratamento cirurgi...Artigo Qualidade de vida e recorrencia de diverticulite no tratamento cirurgi...
Artigo Qualidade de vida e recorrencia de diverticulite no tratamento cirurgi...
 
Vivendo Rio
Vivendo RioVivendo Rio
Vivendo Rio
 
Revista SPC 36 - Artigo Original - Ana T. Bernardo
Revista SPC 36 - Artigo Original - Ana T. BernardoRevista SPC 36 - Artigo Original - Ana T. Bernardo
Revista SPC 36 - Artigo Original - Ana T. Bernardo
 
Cirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade MorbidaCirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade Morbida
 
Análise de registros de medicamentos oncológicos. Desenhos e desfechos consid...
Análise de registros de medicamentos oncológicos. Desenhos e desfechos consid...Análise de registros de medicamentos oncológicos. Desenhos e desfechos consid...
Análise de registros de medicamentos oncológicos. Desenhos e desfechos consid...
 
Anestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler Júnior
Anestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler JúniorAnestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler Júnior
Anestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler Júnior
 
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
 

Mais de Yuri Assis

VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICAVENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
Yuri Assis
 
PREVENÇÃO DA INFECÇÃO URINÁRIA ASSOCIADA AO CUIDADO DE SAÚDE
PREVENÇÃO DA INFECÇÃO URINÁRIA ASSOCIADA AO CUIDADO DE SAÚDEPREVENÇÃO DA INFECÇÃO URINÁRIA ASSOCIADA AO CUIDADO DE SAÚDE
PREVENÇÃO DA INFECÇÃO URINÁRIA ASSOCIADA AO CUIDADO DE SAÚDE
Yuri Assis
 
REDUZINDO O RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE INFUSÕES
REDUZINDO O RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE INFUSÕESREDUZINDO O RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE INFUSÕES
REDUZINDO O RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE INFUSÕES
Yuri Assis
 
RESPOSTA A FLUIDOTERAPIA NA SEPSE
RESPOSTA A FLUIDOTERAPIA NA SEPSERESPOSTA A FLUIDOTERAPIA NA SEPSE
RESPOSTA A FLUIDOTERAPIA NA SEPSE
Yuri Assis
 
HEMORRAGIA SUBARACNOIDE ATUALIZAÇÕES E CONTROVÉRSIAS
HEMORRAGIA SUBARACNOIDE ATUALIZAÇÕES E CONTROVÉRSIASHEMORRAGIA SUBARACNOIDE ATUALIZAÇÕES E CONTROVÉRSIAS
HEMORRAGIA SUBARACNOIDE ATUALIZAÇÕES E CONTROVÉRSIAS
Yuri Assis
 
Sepse para dia da sepse
Sepse para dia da sepseSepse para dia da sepse
Sepse para dia da sepse
Yuri Assis
 
Ventilação Mecânica 2013: tópicos especiais
Ventilação Mecânica 2013: tópicos especiaisVentilação Mecânica 2013: tópicos especiais
Ventilação Mecânica 2013: tópicos especiais
Yuri Assis
 
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios BásicosVentilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Yuri Assis
 
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGNATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN
Yuri Assis
 
MANEJO HÍDRICO PÓS OPERATÓRIO
MANEJO HÍDRICO PÓS OPERATÓRIOMANEJO HÍDRICO PÓS OPERATÓRIO
MANEJO HÍDRICO PÓS OPERATÓRIO
Yuri Assis
 
Semiologia aplicada ao paciente grave
Semiologia aplicada ao paciente graveSemiologia aplicada ao paciente grave
Semiologia aplicada ao paciente grave
Yuri Assis
 
Atualização em SDRA após as novas Definições de Berlim
Atualização em SDRA após as novas Definições de BerlimAtualização em SDRA após as novas Definições de Berlim
Atualização em SDRA após as novas Definições de Berlim
Yuri Assis
 
Ave agudo aula para jornada
Ave agudo aula para jornadaAve agudo aula para jornada
Ave agudo aula para jornada
Yuri Assis
 
Abordagem choque
Abordagem choqueAbordagem choque
Abordagem choque
Yuri Assis
 
Fast hug para hupd
Fast hug para hupdFast hug para hupd
Fast hug para hupd
Yuri Assis
 
Fisiopatologia da cirurgia
Fisiopatologia da cirurgiaFisiopatologia da cirurgia
Fisiopatologia da cirurgia
Yuri Assis
 
A paciente obstétrica na uti
A paciente obstétrica na utiA paciente obstétrica na uti
A paciente obstétrica na uti
Yuri Assis
 

Mais de Yuri Assis (17)

VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICAVENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
 
PREVENÇÃO DA INFECÇÃO URINÁRIA ASSOCIADA AO CUIDADO DE SAÚDE
PREVENÇÃO DA INFECÇÃO URINÁRIA ASSOCIADA AO CUIDADO DE SAÚDEPREVENÇÃO DA INFECÇÃO URINÁRIA ASSOCIADA AO CUIDADO DE SAÚDE
PREVENÇÃO DA INFECÇÃO URINÁRIA ASSOCIADA AO CUIDADO DE SAÚDE
 
REDUZINDO O RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE INFUSÕES
REDUZINDO O RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE INFUSÕESREDUZINDO O RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE INFUSÕES
REDUZINDO O RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE INFUSÕES
 
RESPOSTA A FLUIDOTERAPIA NA SEPSE
RESPOSTA A FLUIDOTERAPIA NA SEPSERESPOSTA A FLUIDOTERAPIA NA SEPSE
RESPOSTA A FLUIDOTERAPIA NA SEPSE
 
HEMORRAGIA SUBARACNOIDE ATUALIZAÇÕES E CONTROVÉRSIAS
HEMORRAGIA SUBARACNOIDE ATUALIZAÇÕES E CONTROVÉRSIASHEMORRAGIA SUBARACNOIDE ATUALIZAÇÕES E CONTROVÉRSIAS
HEMORRAGIA SUBARACNOIDE ATUALIZAÇÕES E CONTROVÉRSIAS
 
Sepse para dia da sepse
Sepse para dia da sepseSepse para dia da sepse
Sepse para dia da sepse
 
Ventilação Mecânica 2013: tópicos especiais
Ventilação Mecânica 2013: tópicos especiaisVentilação Mecânica 2013: tópicos especiais
Ventilação Mecânica 2013: tópicos especiais
 
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios BásicosVentilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
 
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGNATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN
 
MANEJO HÍDRICO PÓS OPERATÓRIO
MANEJO HÍDRICO PÓS OPERATÓRIOMANEJO HÍDRICO PÓS OPERATÓRIO
MANEJO HÍDRICO PÓS OPERATÓRIO
 
Semiologia aplicada ao paciente grave
Semiologia aplicada ao paciente graveSemiologia aplicada ao paciente grave
Semiologia aplicada ao paciente grave
 
Atualização em SDRA após as novas Definições de Berlim
Atualização em SDRA após as novas Definições de BerlimAtualização em SDRA após as novas Definições de Berlim
Atualização em SDRA após as novas Definições de Berlim
 
Ave agudo aula para jornada
Ave agudo aula para jornadaAve agudo aula para jornada
Ave agudo aula para jornada
 
Abordagem choque
Abordagem choqueAbordagem choque
Abordagem choque
 
Fast hug para hupd
Fast hug para hupdFast hug para hupd
Fast hug para hupd
 
Fisiopatologia da cirurgia
Fisiopatologia da cirurgiaFisiopatologia da cirurgia
Fisiopatologia da cirurgia
 
A paciente obstétrica na uti
A paciente obstétrica na utiA paciente obstétrica na uti
A paciente obstétrica na uti
 

Reposição volêmica em cirurgia de alto risco

  • 1. YURI MOREIRA ASSIS ESPECIALISTA EM MEDICINA INTENSIVA AMIB MÉDICO ROTINEIRO UTI HTLF E HOSPITAL SÃO DOMIINGOS REPOSIÇÃO VOLÊMICA EM CIRURGIA DE ALTO RISCO – ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA
  • 2. DADOS EPIDEMIOLÓGICOS Fonte: DATASUS - http://tabnet.datasus.gov.br/tabdata/cadernos/cadernosmap.htm
  • 3. DADOS EPIDEMIOLÓGICOS Fonte: DATASUS - http://tabnet.datasus.gov.br/tabdata/cadernos/cadernosmap.htm
  • 4. DADOS EPIDEMIOLÓGICOS • 21 Unidades de Terapia Intensiva, 885 pacientes – Cirurgia de alto risco eletivas: 66,4% – Mortalidade na UTI: 15% – Complicações pós-operatórias: 38% 2008
  • 5. DADOS EPIDEMIOLÓGICOS • DADOS UTI HTLF 2012: – Pacientes clínicos: 42% – Pacientes cirúrgicos eletivos: 48% – Pacientes cirúrgicos de urgência: 10% • 2013 – 1° trimestre: – 48,4% dos pacientes em POI eletivo – 25,7% em POI de cirurgia de urgência
  • 6. PACIENTES CIRÚRGICOS • Proporção vem aumentando progressivamente • Alto custo • Ocupam grande parte dos leitos de UTI • Demandam alta rotatividade • Incidência de complicações é proporcional ao tempo de internação
  • 8. FASES DA RESPOSTA AO TRAUMA - Fase “Ebb” (redução)  2 a 3 dias de duração  Hipovolemia, hipotensão  Diminuição do fluxo sangüíneo  Aumento da RVS  Aumento das catecolaminas,glico e mineralocorticóides,  Diminuição da insulina  Aumento do Glucagon  Hiperglicemia - Fase “Flow” (fluxo)  Estado hiperdinâmico  Retenção fluídica  Aumento da permeabilidade vascular  Diminuição da RVS  Hipermetabolismo  Aumento das catecolaminas e glicocorticóides  Aumento da insulina  Hiperglicemia
  • 9. SIRS X CARS SIRS CARS IL-1, IL-6, TNF Ativação de macrófagos, linfócitos Th-1, NK, IL-10, IL-2 Linfócitos Th-2 Apoptose
  • 10. ESTRATIFICAÇÃO DO RISCO • Status do paciente versus complexidade do procedimento • Risco cirúrgico cardiovascular e anestésico de cirurgias eletivas • Cirurgias cardíacas, vasculares de grande porte, oncológicas – pela própria complexidade já se enquadram no alto risco • Cirurgias de urgência – politraumatizados, paciente sépticos, grandes hemorragias – representam o grupo de maior risco
  • 11. REPOSIÇÃO VOLÊMICA • ESTRATÉGIA TRADICIONAL: – Na S.O. 20 ml/kg de peso seco na primeira hora, seguido por 6 ml/kg/h a cada hora subsequente – Ringer com lactato – No P.O.I. 20 a 30 ml/kg nas primeiras 24 horas – Solução fisiológica ou glicosada com acréscimo de eletrólitos – Observar diurese, pressão arterial, frequência cardíaca, perdas por sondas e drenos – reposição das perdas (WHO - Surgical Care at the Hopital, 2003)
  • 12. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA • METODOLOGIA: 62 pacientes randomizados – Grupo intervenção: terapia guiada por metas precoces (GDT) para ÍNDICE DE ENTREGA DE OXIGÊNIO de 600 ml/min/m2 – CONTROLE POR LidCo e VARIAÇÃO DE PRESSÃO DE PULSO (Δpp) – Grupo controle: estratégia tradicional – Seguimento por 60 dias
  • 13. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA • RESULTADOS: – O grupo GDT recebeu mais colóide – 1907 ± 878 ml X 1204 ± 898 ml (p < 0,0001) – Complicações: 27 pacientes (44%) no grupo GDT X 41 pacientes (68%) no grupo controle – Tempo de internação: mediana – 11 dias (GDT) X 14 dias (controle) – Mortalidade: sem diferença significativa (11,3% X 15% (p= 0,59) • CONCLUSÕES: – GDT intra e pós operatório foi associado com REDUÇÃO DE COMPLICAÇÕES PÓS OPERATÓRIAS E TEMPO DE INTERNAÇÃO
  • 15. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA • Estudo prospectivo, randomizado e controlado, com 135 pacientes de alto risco submetidos a grande cirurgia abdominal • 2 grupos, ambos submetidos a otimização perioperatória ( PAM > 80 mmHg, diurese > 0.5 ml/kg/h, PVC 8 – 12 mmHg) • Grupo “protocolo”: manejados para manter extração de oxigênio (ErO2) < 27% - ErO2 = SaO2 – SvcO2/SaO2
  • 16. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA • Intervenções: - Fluidos - Concentrado de hemácias - Dobutamina
  • 17. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA • Resultados: - Redução de disfunção orgânica – pelo menos uma: 11,8 X 29,8% (p < 0,05) - Redução no tempo de 11, 3 ± 3,8 x 13,4 ± 6,1 dias, p < 0,05 - Não houve alteração da mortalidade
  • 18. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA • METODOLOGIA: estudo cego randomizado, selecionou 62 pacientes (ASA I-III) submetidos a cirurgia abdominal de alto risco eletiva - GRUPO RESTRITIVO: pacientes receberam estratégia restritiva de fluidos nas primeiras 24 horas – 1,5 l - GRUPO CONTROLE: seguimento padrão – 2,5 l de fluídos em 24 horas - Desfecho primário – tempo de internação PO - Desfechos secundários – complicações pós-operatórias e tempo para normalização do trato GI
  • 19. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA • RESULTADOS: após seguimento por 1 ano: – Estudo interrompido devido a grande número de violações do protocolo por piora do quadro clínico, sendo realizada análise interina – Tempo de internação: 12,3 grupo restritivo X 8,3 grupo controle (p = 0,049) – Complicações maiores: 12 em 30 (40%) X 5 em 32 (16%) no grupo controle - RI = 0,24 (IC95% = 0.03 A 0,46) – NNH (number needed to harm) = 4 • CONCLUSÕES: a estratégia restritiva de fluídos como efetuada neste estudo em pacientes submetidos a grande cirurgia abdominal parece ser prejudicial e ser acompanhada por aumento no risco de complicações maiores e prolongamento do tempo de internação
  • 21. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA “In patients undergoing major surgery, GDT, by maintaining an adequate systemic oxygenation, can protect organs particularly at risk of perioperative hypoperfusion and is effective in reducing GI complications.” Em pacientes submetidos a grande cirurgia, o manejo por metas, por manter uma oxigenação sistêmica adequada, pode proteger órgãos particularmente em risco de hipoperfusão perioperatória e é efetivo em reduzir complicações gastrointestinais.
  • 22. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA “In high-risk patients undergoing major abdominal surgery, implementation of an intraoperative goal directed hemodynamic optimization protocol using the FloTrac/Vigileo device was associated with a reduced length of hospital stay and a lower incidence of complications compared to a standard management protocol.” Em pacientes de alto risco submetidos a cirurgia abdominal de grande porte, a implementação de um protocolo de otimização hemodinâmica baseada em metas intra-operatório usando o sistema FloTrac/Vigileo foi associado com redução de tempo de hospitalização e incidência de complicações comparado a um protocolo de manejo padrão.
  • 23. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA Abril 2010, ahead of print A sobrevida a longo prazo após cirurgia de grande porte está relacionada a um número de fatores, incluindo idade e ausência de complicações perioperatórias. Terapia basada em metas de curto prazo no peroperatório pode melhorar os desfechos de longo prazo em parte devido a sua habilidade de reduzir o número de complicações perioperatórias. “Long-term survival after major surgery is related to a number of factors, including patient age and avoidance of perioperative complications. Short-term goal- directed therapy in the perioperative period may improve long-term outcomes, in part due to its ability to reduce the number of perioperative complications.”
  • 24. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA “CONCLUSION: Perioperative outcomes favored a GD therapy rather than liberal fluid therapy without hemodynamic goals. Whether GD therapy is superior to a restrictive fluid strategy remain’s uncertain. (Anesth Analg 2012;114:640–51). Desfechos perioperatórios favorecem uma terapia baseada em metas mais do que terapia hídrica liberal sem metas hemodinâmicas. Ser a terapia baseada em metas superior a estratégia hídrica restritiva ainda permanece incerto.
  • 25. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA Figura 2: A influência dos regimes liberal versus restritivo no risco de (A) pneumonia e (B) edema pulmonar. Figura 3: A influência da estratégia restritiva versus liberal em (A) tempo para primeiro movimento do intestino (dias) e (B) tempo da passagem do primeiro flato.
  • 26. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA Figura 4: Efeito de (A) estratégia restritiva versus liberal e (B) estratégia GDT em tempo de internação (dias).
  • 27. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA Figura 5: O efeito de (A) estratégia restritiva e (B) estratégia GDT na mortalidade.
  • 28. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA - Metanálise com 32 trabalhos, 2.808 pacientes. Cinco foram excluídos por dados incompletos sobre complicações. Os pacientes foram divididos em 3 grupos pelo risco de óbito: alto risco (> 20%), risco intermediário (5 a 20%) e baixo risco (<5%) - Conclusões: • A redução de mortalidade é confinada apenas ao subgrupo de extremo alto risco • A redução de complicações foi vista em todos os grupos GDT
  • 29. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA Figura 2: Efeito da estratégia baseada em metas (GDT) no grupo protocolo versus grupo controle, na taxa de mortalidade, agrupada pelo risco de óbito do grupo controle.
  • 30. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA Figura 3: Efeito da estratégia baseada em metas (GDT) no grupo protocolo versus grupo controle, no número de complicações pós operatórias, agrupados pelo risco de óbito do grupo controle.
  • 31. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA “For patients at a higher risk of complications and death, the maximization of DO2 is associated with better outcomes. In the ICU, additional therapy titrated to increase ScvO2 or the venous-to-arterial carbon dioxide difference and to decrease serum lactate concentrations may be necessary to restore adequate systemic oxygenation.” Para pacientes com um risco maior de complicações e morte, a maximização do DO2 é associada com melhores desfechos. Na UTI, terapia adicional titulada para aumentar a SVcO2 ou a diferença veno- arterial de dióxido de carbono e a redução da concentração do lactato sérico pode ser necessária para restaurar a adequada oxigenação sistêmica.
  • 34. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA • REVISÃO 2006 – Redução da SvcO2 foi considerada fator independente de pior prognóstico – A medida da SvcO2 é considerada método eficaz e pouco invasivo – A SvO2 TEM BOA CORRELAÇÃO COM SvcO2
  • 35. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA “Key messages: • HES parece causar dano e deve ser evitado na população em choque séptico e em pacientes de alto risco para injúria renal. • O tempo para administração de fluidos é tão importante (se não mais) do que a quantidade dada. • Terapia baseada em metas desenhada para otimizar tanto a fração de ejeção quanto a pré-carga está bem estabelecida no grupo de pacientes de alto risco e deve ser considerado para pacientes críticos. • Novas modalidades para o acesso dos índices hemodinâmicos oferecem opções não invasivas para guiar a terapia de fluidos e acompanhar a resposta hemodinâmica a administração de volume.
  • 36. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA • Revisão sistemática com 78 estudos randomizados controlados, incluindo comparações entre albumina ou fração proteica do plasma (24), hidroxetilamido (25), gelatina (11), dextrans (9) e dextrans em solução cristalóide hipertônica (9) versus salina, com um total de 22.392 pacientes CONCLUSÃO DOS AUTORES: “There is no evidence from randomised controlled trials that resuscitation with colloids reduces the risk of death, compared to resuscitation with crystalloids, in patients with trauma, burns or following surgery. Furthermore, the use of hydroxyethyl starch might increase mortality. As colloids are not associated with an improvement in survival and are considerably more expensive than crystalloids, it is hard to see how their continued use in clinical practice can be justified.”
  • 37. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA - CONTROVÉRSIAS  Estudos com baixo número de casos, centros únicos.  O trabalho de PEARSE foi contestado por trabalho de grande porte do grupo do St. George´s Hospital e por SHANDHAN et al, que concluiu não haver beneficio no sistema GDT, por metas hemodinâmicas, com CAP  Dificuldades com pareamento de pacientes devido a grande variação de grau de gravidade, tipos de procedimentos e condução no pré e perioperatório, inviabilizando estudos multicêntricos com poder estatístico suficiente
  • 38. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA - CONTROVÉRSIAS • Não há relação entre prescrição de fluídos e eletrólitos e peso pré-operatório, níveis séricos de eletrólitos ou balanço hídrico • Pacientes acabam desenvolvendo complicações – sobrecarga hídrica, arritmias, distúrbios hidroeletrolíticos devido a prescrições inadequadas de fluidos e eletrólitos – em torno de 17%
  • 39. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA CONCLUSÕES: • Pacientes em POI representam grande parte das internações em UTI, com tendência de crescimento • Pacientes nem sempre chegam na UTI em condições ideais • A condução do POI muitas vezes é feita de forma empírica • Há fortes evidências que suportam modificações neste manejo
  • 40. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA CONCLUSÕES: • A estratégia GDT ainda necessita de maior validação, porém já há evidências de redução de complicações e tempo de internação • A redução de mortalidade parece estar associada a maior risco cirúrgico • A implantação da estratégia GDT é factível, mesmo em menores níveis de complexidade • A elaboração de protocolos bem definidos está associada a melhoria dos desfechos
  • 41. ESCOLHENDO UMA ESTRATÉGIA CONCLUSÕES: • O método ideal para monitorização não está estabelecido. A literatura atual ainda estuda CAP, métodos minimamente invasivos e métodos perfusionais • O importante é estratificar riscos, e baseado nisso utilizar algum método para monitorizar • Firma-se cada vez mais o conceito de individualização da terapêutica
  • 42. FLUXOGRAMA UTILIZADO NA UTI DO HTLF GASOMETRIA OK? LACTATO OK? SvcO2 OK? DIURESE OK? Δ pCO2 OK? SIM NÃO MANUTENÇÃO: SF0,9% 20 a 30 ml/kg em 24 h EXPANSÃO: RINGER LACTATO 20 ml/kg em 1 hora. EVITAR AMIDO – RISCO AUMENTADO DE IRnA NOVA GASOMETRIA A-V E LACTATO ACIDOSE PERSISTENTE HIPERLACTATEMIA SvcO2 < 70% DIURESE < 0,5 ml/kg/h EXPANSÃO: DESAFIO HÍDRICO – OBSERVAR INFLEXÃO DA PVC INFLEXÃO DA PVC (+) PERSISTE ACIDOSE, HIPERLACTATEMIA, DIURESE < 0,5 ml/kg/h OU SvcO2 < 65% INICIAR DOBUTAMINA HIPOTENSÃO EM QUALQUER MOMENTO: INICIAR NORADRENALINA METAS ATINGIDAS: GASO. A-V E LACTATO 6/6h ADMISSÃO EM POI: • Rotina de admissão: HC, GASOMETRIA A-V, LACTATO, IONS, Ur, Cr, TAP, TTPA, BI, ALT, AST • Monitorizar diurese • Acesso venoso central se não houver + Monitorizar PVC
  • 43. OBRIGADOObrigado! Associe-se a AMIB – a associação a SOTIMA é automática. Informações no Blog da SOTIMA – sotima.blogspot.com e na nossa página do facebook – Sotima – Sociedade de Terapia Intensiva do Maranhão.