DISCIPLINA DE CLÍNICA MÉDICA l 
2014 
Alambert, PA
PROPEDEUTICA DE ABDOME II
PPrrooppeeddêêuuttiiccaa FFííssiiccaa ddoo FFííggaaddoo 
 INSPEÇÃO 
 PALPAÇÃO 
 PERCUSSÃO 
 AUSCULTA
IINNSSPPEEÇÇÃÃOO 
 HHEEPPAATTOOMMEEGGAALLIIAASSAA hheeppaattoommeeggaalliiaa éé uummaa ccoonnddiiççããoo nnaa 
qquuaall o...
HHeeppaattoommeeggaalliiaa
HHeeppaattoommeeggaalliiaa 
Normal HEPATOMEGALIA
HHeeppaattoommeeggaalliiaa 
Hepatomegalia/Distensão 
abdominal
HHeeppaattoommeeggaalliiaa 
Elevação de ambas as hemi-cúpulas. 
Observar o deslocamentos das alças 
intestinais na imagem ...
HHeeppaattoommeeggaalliiaa
Palpação 
 1-Palpação “em garra” ou Processo de 
Mathieu 
 2-Palpação hepática “bimanual” ou 
Processo de Lemos Torres 
...
HEPATOMEGALIA 
 Quando o aauummeennttoo ddee vvoolluummee ddoo ffííggaaddoo 
ooccoorrrree rraappiiddaammeennttee,, oo ffí...
HEPATOMEGALIA 
 Quando aumentado de vvoolluummee ddeevviiddoo aa uummaa 
hheeppaattiittee aagguuddaa,, aa uummaa iinnffii...
Processo de Mathieu 
 As mãos paralelas, no abdome, dispostas 
com os dedos “em garra”, pesquisando, 
desde a fossa ilíac...
Processo de Mathieu
Processo de Mathieu
Processo de Lemos Torres 
 A mão esquerda do examinador é utilizada 
na tração anterior enquanto a direita palpa 
buscand...
Processo de Lemos Torres
PPeerrccuussssããoo ddoo FFííggaaddoo 
 1-Determina o limite superior do fígado (5º EICD) 
 2-A macicez absoluta marca o ...
Percussão do Fígado
AAuussccuullttaa ddoo FFííggaaddoo 
 Atrito Inflamação fibrinosa da cápsula de 
Glisson e do peritônio correspondente no...
PPrrooppeeddêêuuttiiccaa FFííssiiccaa ddaa 
VVeessííccuullaa BBiilliiaarr
Propedêutica Física ddaa VVeessííccuullaa BBiilliiaarr 
 INSPEÇÃO 
 PALPAÇÃO
IINNSSPPEEÇÇÃÃOO DDAA VVEESSÍÍCCUULLAA BBIILLIIAARR 
 Normalmente, a vesícula biliar não é visível 
à inspeção da parede ...
PPaallppaaççããoo ddaa VVeessííccuullaa BBiilliiaarr 
 1-A vesícula normal é iimmppaallppáávveell e somente se torna 
palp...
Processo de Chiray e Pavel 
 Paciente em decúbito lateral esquerdo à 
45º O médico à direita do mesmo e com a 
mão direit...
Processo de Chiray e Pavel
SSiinnaall ddee MMuurrpphhyy 
AAppóóss eexxppiirraaççããoo,, oo eexxaammiinnaaddoorr aapprrooffuunnddaa aa mmããoo oouu oo p...
Sinal ou rreeggrraa ddee CCoouurrvvooiissiieerr--TTeerrrriieerr 
 Ocorre quando em um paciente ictérico,ao 
palparmos o h...
Sinal ou regra de Courvoisier-Terrier
PPrrooppeeddêêuuttiiccaa FFííssiiccaa ddoo BBaaççoo
PPrrooppeeddêêuuttiiccaa FFííssiiccaa ddoo BBaaççoo 
 INSPEÇÃO 
 PALPAÇÃO 
 PERCUSSÃO 
 AUSCULTA
IINNSSPPEEÇÇÃÃOO DDOO BBAAÇÇOO 
 1-Em condições normais não há abaulamento 
na área esplênica 
 2-Nas esplenomegalias o ...
HHiippeerreesspplleenniissmmoo 
 Quando o baço aumenta de tamanho, a sua 
capacidade de reter e armazenar células 
sangüí...
Causas de esplenomegalias 
 HHiippeerrttrrooffiiaa do baço por estímulo a resposta imune devido à 
infecção, como na eenn...
IINNSSPPEEÇÇÃÃOO DDOO BBAAÇÇOO
PPAALLPPAAÇÇÃÃOO DDOO BBAAÇÇOO 
 1-Palpação “em garra” ou Processo de 
Mathieu-Cardarelli 
 2-Processo bimanual 
 3-Pos...
PPrroocceessssoo ddee MMaatthhiieeuu--CCaarrddaarreellllii 
O examinador fica à esquerda do paciente;com as mãos “em garra...
Processo bimanual
PPoossiiççããoo ddee SScchhuusstteerr
PPeerrccuussssããoo ddoo BBaaççoo 
 O baço não é percutível 
 Todo baço que se mostra percutível está 
aumentado de volum...
PPeerrccuussssããoo ddoo BBaaççoo
AAUUSSCCUULLTTAA DDOO BBAAÇÇOO 
 Atrito nas peri-esplenites
Propedêutica física renal 
 PALPAÇÃO RENAL: Normalmente não são 
palpáveis, mas podem ser em condições 
patológicas como ...
Método de Guyon 
 Com o paciente em decúbito dorsal, para se 
examinar o rim direito põe-se a mão 
esquerda na região dor...
Método de Guyon
Manobra de Israel 
 Paciente em decúbito lateral e membros 
superiores por a cabeça e rim tentando ser 
palpado anteropos...
Manobra de Israel
Método de Goelet 
 Com o paciente em ortostase, flete-se o 
joelho do lado que deseja-lhe palpar, 
apoiando-se sobre uma ...
Método de Goelet
TTeessttee ddaa hhiippeerrsseennssiibbiilliiddaaddee rreennaall 
 Pesquisado através da punho percussão 
(manobra de perc...
Teste ddaa hhiippeerrsseennssiibbiilliiddaaddee rreennaall
PPAALLPPAAÇÇÃÃOO DDAA AAOORRTTAA 
AABBDDOOMMIINNAALL 
A direção da pulsação 
indica se ela é 
oriunda diretamente 
da aort...
PROPEDÊUTICA DE ABDOME 2-Prof.Alambert
PROPEDÊUTICA DE ABDOME 2-Prof.Alambert
PROPEDÊUTICA DE ABDOME 2-Prof.Alambert
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

PROPEDÊUTICA DE ABDOME 2-Prof.Alambert

3.027 visualizações

Publicada em

Aula do curso de medicina d aUnilus Santos

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.027
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
525
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
49
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PROPEDÊUTICA DE ABDOME 2-Prof.Alambert

  1. 1. DISCIPLINA DE CLÍNICA MÉDICA l 2014 Alambert, PA
  2. 2. PROPEDEUTICA DE ABDOME II
  3. 3. PPrrooppeeddêêuuttiiccaa FFííssiiccaa ddoo FFííggaaddoo  INSPEÇÃO  PALPAÇÃO  PERCUSSÃO  AUSCULTA
  4. 4. IINNSSPPEEÇÇÃÃOO  HHEEPPAATTOOMMEEGGAALLIIAASSAA hheeppaattoommeeggaalliiaa éé uummaa ccoonnddiiççããoo nnaa qquuaall oo ttaammaannhhoo ddoo ffííggaaddoo eessttáá aauummeennttaaddoo.. GGeerraallmmeennttee iinnddiiccaa aa eexxiissttêênncciiaa ddee uummaa hheeppaattooppaattiiaa ((ddooeennççaa ddoo ffííggaaddoo)).. NNoo eennttaannttoo,, mmuuiittooss iinnddiivvíídduuooss ccoomm hheeppaattooppaattiiaa aapprreesseennttaamm uumm ffííggaaddoo ddee ttaammaannhhoo nnoorrmmaall oouu mmeessmmoo mmeennoorr ddoo qquuee oo nnoorrmmaall..  NNoorrmmaallmmeennttee aa hheeppaattoommeeggaalliiaa éé aassssiinnttoommááttiiccaa ((nnããoo pprroodduuzz ssiinnttoommaass)).. EEnnttrreettaannttoo,, qquuaannddoo oo aauummeennttoo ddee vvoolluummee éé aacceennttuuaaddoo,, eellee ppooddee ccaauussaarr ddeessccoonnffoorrttoo aabbddoommiinnaall oouu uummaa sseennssaaççããoo ddee pplleenniittuuddee..  AAbbaauullaammeennttoo eemm ttooddaa aa áárreeaa ddee pprroojjeeççããoo hheeppááttiiccaa:: hheeppaattoommeeggaalliiaass  IImmoobbiilliiddaaddee rreessppiirraattóórriiaa nnaass ggrraannddeess hheeppaattoommeeggaalliiaass
  5. 5. HHeeppaattoommeeggaalliiaa
  6. 6. HHeeppaattoommeeggaalliiaa Normal HEPATOMEGALIA
  7. 7. HHeeppaattoommeeggaalliiaa Hepatomegalia/Distensão abdominal
  8. 8. HHeeppaattoommeeggaalliiaa Elevação de ambas as hemi-cúpulas. Observar o deslocamentos das alças intestinais na imagem B
  9. 9. HHeeppaattoommeeggaalliiaa
  10. 10. Palpação  1-Palpação “em garra” ou Processo de Mathieu  2-Palpação hepática “bimanual” ou Processo de Lemos Torres  Objetivo: descrever as características do limite inferior: borda fina? granulosa? “em saco de batatas? Cortante ?romba? dura? mole? dolorosa? indolor?
  11. 11. HEPATOMEGALIA  Quando o aauummeennttoo ddee vvoolluummee ddoo ffííggaaddoo ooccoorrrree rraappiiddaammeennttee,, oo ffííggaaddoo ppooddee ttoorrnnaassssee sseennssíívveell àà ppaallppaaççããoo.. OO mmééddiiccoo ccoommuummeennttee aavvaalliiaa oo ttaammaannhhoo ddoo ffííggaaddoo ppaallppaannddoo--oo aattrraavvééss ddaa ppaarreeddee aabbddoommiinnaall dduurraannttee oo eexxaammee ffííssiiccoo.. AAoo ppaallppaarr oo ffííggaaddoo,, oo mmééddiiccoo ttaammbbéémm oobbsseerrvvaa aa ssuuaa tteexxttuurraa..
  12. 12. HEPATOMEGALIA  Quando aumentado de vvoolluummee ddeevviiddoo aa uummaa hheeppaattiittee aagguuddaa,, aa uummaa iinnffiillttrraaççããoo ggoorrdduurroossaa,, aa uummaa ccoonnggeessttããoo ssaanngguuíínneeaa oouu aa uummaa oobbssttrruuççããoo iinniicciiaall ddaass vviiaass bbiilliiaarreess,, oo ffííggaaddoo nnoorrmmaallmmeennttee éé mmaacciioo.. QQuuaannddoo aa ddiimmiinnuuiiççããoo éé ccaauussaaddaa ppoorr uummaa cciirrrroossee,, oo ffííggaaddoo éé ffiirrmmee ee iirrrreegguullaarr.. AA pprreesseennççaa ddee nnóódduullooss bbeemm ddeeffiinniiddooss nnoorrmmaallmmeennttee ssuuggeerree uumm ccâânncceerr..
  13. 13. Processo de Mathieu  As mãos paralelas, no abdome, dispostas com os dedos “em garra”, pesquisando, desde a fossa ilíaca direita, a borda inferior do fígado durante as inspirações.
  14. 14. Processo de Mathieu
  15. 15. Processo de Mathieu
  16. 16. Processo de Lemos Torres  A mão esquerda do examinador é utilizada na tração anterior enquanto a direita palpa buscando a borda hepática.
  17. 17. Processo de Lemos Torres
  18. 18. PPeerrccuussssããoo ddoo FFííggaaddoo  1-Determina o limite superior do fígado (5º EICD)  2-A macicez absoluta marca o contato direto do fígado com a parede torácica.  3-Timpanismo 1:Sinal de Jobertperfuração gastro-intestinal ou da vesícula biliar.  4-Timpanismo 2:Inter-posição de uma porção do colo transverso entre o fígado e o gradeado costal.  5-Dor à percussão:hepatomegalias ou abscesso hepático (Sinal de Torres-Homem)
  19. 19. Percussão do Fígado
  20. 20. AAuussccuullttaa ddoo FFííggaaddoo  Atrito Inflamação fibrinosa da cápsula de Glisson e do peritônio correspondente nos processos inflamatórios ou neoplásicos do parênquima hepático, ou fazendo parte da peritonite generalizada.
  21. 21. PPrrooppeeddêêuuttiiccaa FFííssiiccaa ddaa VVeessííccuullaa BBiilliiaarr
  22. 22. Propedêutica Física ddaa VVeessííccuullaa BBiilliiaarr  INSPEÇÃO  PALPAÇÃO
  23. 23. IINNSSPPEEÇÇÃÃOO DDAA VVEESSÍÍCCUULLAA BBIILLIIAARR  Normalmente, a vesícula biliar não é visível à inspeção da parede anterior do abdome.  A vesícula em condições patológicas é raramente visível, somente na distensão pronunciada em casos de empiema, colecistite aguda. Aparece como tumor móvel com os movimentos respiratórios, ocupando a situação da sua projeção anatõmica.
  24. 24. PPaallppaaççããoo ddaa VVeessííccuullaa BBiilliiaarr  1-A vesícula normal é iimmppaallppáávveell e somente se torna palpável quando obstruída e distendida pela bile  2-Todos os processos descritos para a palpação do fígado são indicados para a palpação da vesícula biliar, devendo, é claro, a mão ou as mãos estarem situadas na região vesicular.  3-Processo de Chiray e Pavel  4-Sinal de Murphy  5-Lei de Courvoisier-Terrier
  25. 25. Processo de Chiray e Pavel  Paciente em decúbito lateral esquerdo à 45º O médico à direita do mesmo e com a mão direita “em garra” procura palpar a vesícula biliar, ou provocar , sem compressão excessiva, a dor nessa região, comparando, sempre que houver dor, com as regiões vizinhas da borda anterior do fígado, para não confundir coma dor de toda a borda anterior do fígado.
  26. 26. Processo de Chiray e Pavel
  27. 27. SSiinnaall ddee MMuurrpphhyy AAppóóss eexxppiirraaççããoo,, oo eexxaammiinnaaddoorr aapprrooffuunnddaa aa mmããoo oouu oo ppoolleeggaarr nnaa jjuunnççããoo ddoo RReebboorrddoo ccoossttaall ccoomm oo rreettoo aabbddoommiinnaall ee ,, nnaa iinnssppiirraaççããoo,, oobbsseerrvvaa--ssee ssee ooccoorrrreerráá aa ppaarraaddaa nnaa iinnssppiirraaççããoo..
  28. 28. Sinal ou rreeggrraa ddee CCoouurrvvooiissiieerr--TTeerrrriieerr  Ocorre quando em um paciente ictérico,ao palparmos o hipocôndrio direito encontramos uma massa ovalada ,que é a vesícula biliar distendida que se torna palpável por efeito de massa de nneeooppllaassiiaa ddee vviiaass bbiilliiaarreess eexxttrraa-- hheeppááttiiccaass-- ttuummoorreess ppeerriiaammppuullaarreess (principalmente câncer de cabeça de pancreas).  Portanto,a presença de iicctteerríícciiaa associada a vveessííccuullaa ppaallppáávveell constitui a regra de Courvoisier-Terrier.
  29. 29. Sinal ou regra de Courvoisier-Terrier
  30. 30. PPrrooppeeddêêuuttiiccaa FFííssiiccaa ddoo BBaaççoo
  31. 31. PPrrooppeeddêêuuttiiccaa FFííssiiccaa ddoo BBaaççoo  INSPEÇÃO  PALPAÇÃO  PERCUSSÃO  AUSCULTA
  32. 32. IINNSSPPEEÇÇÃÃOO DDOO BBAAÇÇOO  1-Em condições normais não há abaulamento na área esplênica  2-Nas esplenomegalias o abaulamento no hipocôndrio esquerdo pode estender-se para epigástrio, flanco esquerdo , região umbilical e até a fossa ilíaca esquerda.  A esplenomegalia, também denominada megalosplenia , consiste no aumento do volume do baço, que normalmente pesa 150 g e tem até 13 cm de comprimento em seu maior eixo.
  33. 33. HHiippeerreesspplleenniissmmoo  Quando o baço aumenta de tamanho, a sua capacidade de reter e armazenar células sangüíneas aumenta. A esplenomegalia pode reduzir o número de eritrócitos, de leucócitos e de plaquetas circulantes (levando, respectivamente,a aanneemmiiaa, lleeuuccooppeenniiaa e ppllaaqquueettooppeenniiaa, condição denominada hhiippeerreesspplleenniissmmoo).
  34. 34. Causas de esplenomegalias  HHiippeerrttrrooffiiaa do baço por estímulo a resposta imune devido à infecção, como na eennddooccaarrddiittee bacteriana subaguda ou na mmoonnoonnuucclleeoossee  HHiippeerrttrrooffiiaa por aumento na destruição de eerriittrróócciittooss como na eessffeerroocciittoossee hheerreeddiittáárriiaa ou ttaallaasssseemmiiaa mmaaiioorr  Doença mieloproliferativa  Doença infiltrativa, como a ssaarrccooiiddoossee e algumas nneeooppllaassiiaass  NNeeooppllaassiiaass como lliinnffoommaa e lleeuucceemmiiaa linfocítica crônica  Doença de Chagas  Leishmaniose viceral (Calazar)  Aumento na pressão venosa, como na cciirrrroossee, no ccâânncceerr de ppâânnccrreeaass (que pode levar a trombose da veia eessppllêênniiccaa) e na iinnssuuffiicciiêênncciiaa ccaarrddííaaccaa ccoonnggeessttiivvaa  Doenças de depósito, como a ddooeennççaa ddee GGaauucchheerr e a aammiillooiiddoossee
  35. 35. IINNSSPPEEÇÇÃÃOO DDOO BBAAÇÇOO
  36. 36. PPAALLPPAAÇÇÃÃOO DDOO BBAAÇÇOO  1-Palpação “em garra” ou Processo de Mathieu-Cardarelli  2-Processo bimanual  3-Posição de SScchhuusstteerr Objetivo Verificar se o baço é palpável, borda dura? lisa?mole? Cortante ou romba? dolorosa?
  37. 37. PPrroocceessssoo ddee MMaatthhiieeuu--CCaarrddaarreellllii O examinador fica à esquerda do paciente;com as mãos “em garra”,, a cada Inspiração,e a borda do baço será percebida pelas polpas digitais,quando o Baço estiver aumentado de volume.
  38. 38. Processo bimanual
  39. 39. PPoossiiççããoo ddee SScchhuusstteerr
  40. 40. PPeerrccuussssããoo ddoo BBaaççoo  O baço não é percutível  Todo baço que se mostra percutível está aumentado de volume, o que nem sempre se identifica pela palpação.  Portanto,nem todo baço percutível é palpável,porém todo baço palpável é percutível
  41. 41. PPeerrccuussssããoo ddoo BBaaççoo
  42. 42. AAUUSSCCUULLTTAA DDOO BBAAÇÇOO  Atrito nas peri-esplenites
  43. 43. Propedêutica física renal  PALPAÇÃO RENAL: Normalmente não são palpáveis, mas podem ser em condições patológicas como a hidronefrose, rim policístico (geralmente aumento bilateral) tumores.
  44. 44. Método de Guyon  Com o paciente em decúbito dorsal, para se examinar o rim direito põe-se a mão esquerda na região dorsal tracionando para frente enquanto a mão direita entra abaixo do rebordo costal durante a inspiração ao encontro da mão esquerda, tentando “pegar” o rim entre as duas mãos. Para o rim esquerdo deve-se passar para o lado esquerdo e realizar a mesma manobra.
  45. 45. Método de Guyon
  46. 46. Manobra de Israel  Paciente em decúbito lateral e membros superiores por a cabeça e rim tentando ser palpado anteroposteriormente com as duas mãos em pinça
  47. 47. Manobra de Israel
  48. 48. Método de Goelet  Com o paciente em ortostase, flete-se o joelho do lado que deseja-lhe palpar, apoiando-se sobre uma cadeira. A seguir, faz-se uma tração anterior com uma das mãos enquanto a outra é usada na tentativa de palpar o polo inferior do rim
  49. 49. Método de Goelet
  50. 50. TTeessttee ddaa hhiippeerrsseennssiibbiilliiddaaddee rreennaall  Pesquisado através da punho percussão (manobra de percussão de Murphy) ou da percussão com a borda ulnar da mão (manobra de Giordano),realizada na junção do rebordo costal com a musculatura paravertebral.Neste ponto, põe-se uma mão espalmada e com a outra se percute em cima, em um movimento único,firme,sem chicotear (punho percussão) ou através da percussão direta da borda ulnar da mão aberta neste ângulo costovertebral.
  51. 51. Teste ddaa hhiippeerrsseennssiibbiilliiddaaddee rreennaall
  52. 52. PPAALLPPAAÇÇÃÃOO DDAA AAOORRTTAA AABBDDOOMMIINNAALL A direção da pulsação indica se ela é oriunda diretamente da aorta (acima) ou se transmitida por massa localizada sobre os tecidos (abaixo)

×