Cancer de Tireoide

9.679 visualizações

Publicada em

Tudo sobre o Câncer de Tireoide

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.679
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6.314
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cancer de Tireoide

  1. 1. Câncer de Tireoide
  2. 2. A Glândula Tireoide Está localizada na parte anterior do pescoço, abaixo da cartilagem tireoide. Tem a forma de H, com 2 lobos (lobo direito e lobo esquerdo), unidos por uma parte estreita denominada istmo. Secreta dois hormônios, o T3 e o T4, a secreção desses dois hormônios é controlada principalmente pelo TSH (hormônio estimulante da tireoide), que por sua vez é secretado pela hipófise. A glândula tireoide tem 2 tipos principais de células: as células foliculares e as células C (claras) ou células parafoliculares.
  3. 3. Câncer de Tireoide O câncer de tireoide é aquele que se inicia na glândula tireoide. Os dois tipos mais comuns de câncer de tireoide são o carcinoma papilífero e o carcinoma folicular. Outros tipos de câncer de tireoide, como o carcinoma medular da tireoide, carcinoma anaplásico e linfoma da tireoide, ocorrem com menos frequência.
  4. 4. Sinais e Sintomas do Câncer de Tireoide Os principais sinais e sintomas do câncer de tireoide são:  Nódulo, caroço ou inchaço no pescoço, às vezes crescendo rapidamente.  Dor na parte anterior do pescoço, às vezes, atingindo a região dos ouvidos.  Rouquidão ou outras alterações na voz que não desaparecem.  Dificuldade para engolir.  Problemas respiratórios.  Tosse persistente.
  5. 5. Fatores de Risco para o Câncer de Tireoide Os fatores que podem aumentar o risco de uma pessoa desenvolver câncer de tireoide são:  Dieta pobre em iodo.  Exposição à radiação ionizante.  Câncer medular de tireoide.  Outros cânceres de tireoide.
  6. 6. Prevenção do Câncer de Tireoide A maioria das pessoas com câncer de tireoide não possui fatores de risco conhecidos, de modo que não é possível impedir a maioria dos casos desta doença. A exposição à radiação, especialmente na infância, é um fator de risco conhecido para o câncer de tireoide. Em caso de histórico familiar para câncer de tireoide medular, é importante consultar um médico especializado em aconselhamento genético.
  7. 7. Diagnóstico do Câncer de Tireoide No diagnóstico do câncer de tireoide podem ser realizados uma série de exames que ajudam também a estadiar a doença. Exames de sangue (hemograma, TSH, T3, T4, tireoglobulina calcitonina e antígeno carcinoembrionário CEA) e de imagem (radiografia, ultrassom, tomografia, ressonância, cintilografia). Alguns exames permitem determinar quais tipos de tratamentos serão mais eficazes. No entanto, para a maioria dos tipos de câncer de tireoide, a biópsia é a única maneira de fazer um diagnóstico definitivo de câncer.
  8. 8. Biópsia da Tireoide A biópsia é feita por punção aspirativa por agulha fina (PAAF), para obter algumas células do tumor, que são posteriormente enviadas para análise em um laboratório de patologia. Este tipo de biópsia pode ser realizado tanto em consultório como em uma clínica. Durante o procedimento a agulha é inserida duas ou três vezes para obter amostras de diversas áreas, a agulha é geralmente guiada por ultrassom.
  9. 9. Cintilografia de Tireoide A cintilografia da tireoide consiste na obtenção de imagens da glândula após a administração de uma pequena quantidade de iodo radioativo (131I). As áreas anormais da tireoide, que captam menos radioatividade do que o tecido normal, são denominadas nódulos frios, e as áreas que captam mais radiação são chamadas nódulos quentes. Os nódulos quentes geralmente não são cancerosos, os nódulos frios geralmente são malignos, no entanto, um nódulo frio pode também ser benigno. Quando a biópsia confirma o diagnóstico de câncer, é realizada uma cintilografia de corpo inteiro para determinar a existência (ou não) de disseminação da doença.
  10. 10. Tipos de Câncer de Tireoide Os principais tipos de câncer de tireoide são: Carcinoma Papilífero.  Câncer de Tireoide Diferenciado Carcinoma Folicular. Carcinoma de Células Hürthle.  Carcinoma Medular Carcinoma Medular Esporádico. Carcinoma Medular Hereditário. Carcinoma Anaplásico.  Outros Tipos Linfoma de Tireoide. Sarcoma de Tireoide.
  11. 11. Estadiamento do Câncer de Tireoide O estadiamento é realizado pelo sistema TNM, da American Joint Committee on Cancer, que utiliza três critérios para avaliar o estágio da doença:  T (Tumor) - Indica o tamanho do tumor primário e se disseminou para outras áreas.  N (Linfonodo) - Descreve se existe disseminação da doença para os linfonodos regionais ou se há evidência de metástases em trânsito.  M (Metástase) - Indica se existe presença de metástase em outras partes do corpo.
  12. 12. Tratamento: Cirurgia Os principais tipos de cirurgia para o câncer de tireoide são:  Lobectomia - Esta técnica é algumas vezes utilizada para o câncer diferenciado de tireoide (papilífero ou folicular), onde o lobo contendo a doença é geralmente removido, junto com o istmo. Uma vantagem desta cirurgia, é que o paciente pode não necessitar de reposição hormonal após a cirurgia.  Tireoidectomia - É o tipo de cirurgia mais comum para a remoção da glândula tireoide. Se toda a glândula é removida, é denominada tireoidectomia total. Uma das vantagens desta técnica sobre a lobectomia é que pode ser feito o acompanhamento de possíveis recidivas por meio de cintilografias da tireoide e exames de sangue para tireoglobulina.
  13. 13. Tratamento: Quimioterapia A quimioterapia é raramente utilizada para o tratamento da maioria dos tipos de câncer de tireoide. Ela pode ser combinada com radioterapia nos casos de câncer de tireoide anaplásico e às vezes é utilizada para outros cânceres avançados. Os efeitos colaterais dependem do indivíduo e estão relacionados ao tipo de medicamento quimioterápico e a dose administrada. Os mais comuns incluem: perda de cabelo, inflamações na boca, perda de apetite, náuseas e vômitos, diarreia, infecções, hematomas ou hemorragias e fadiga.
  14. 14. Tratamento: Iodoterapia A glândula tireoide absorve praticamente todo o iodo no sangue. Quando uma dose de iodo radioativo (131I) é administrada, pode destruir a glândula e quaisquer outras células cancerígenas da tireoide, com pouco ou nenhum efeito colateral para o corpo. Este tratamento pode ser utilizado para a ablação de qualquer tecido da tireoide remanescente da cirurgia ou para tratar o câncer de tireoide que se disseminou para os gânglios linfáticos ou outros órgãos. A iodoterapia é amplamente indicada para pacientes com câncer de tireoide papilar ou folicular (câncer diferenciado da tireoide). Não é indicada para tratar carcinomas anaplásicos e medulares da tireoide.
  15. 15. Tratamento: Radioterapia Se um tumor não responde a iodoterapia, a radioterapia pode ser realizada para o tratamento do câncer ou para reduzir a chance de uma recidiva local ou uma metástase. O tratamento é feito durante várias semanas sendo que, o número de sessões será determinado pelo médico. A principal desvantagem deste tratamento é que a radiação pode também destruir o tecido saudável. Alguns pacientes podem apresentar efeitos colaterais, como alterações na pele, dificuldade para engolir, rouquidão e fadiga.
  16. 16. Tratamento: Hormonioterapia O uso da hormonioterapia no tratamento do câncer de tireoide pode ter dois propósitos:  Ajudar a manter o metabolismo normal do corpo.  Impedir o crescimento das células cancerígenas remanescentes. A hormonioterapia pode ajudar a prevenir a recidiva de alguns tipos de câncer de tireoide.
  17. 17. Tratamento: Terapia Alvo  Carcinoma Medular de Tireoide - O vandetanibe é um dos primeiros medicamentos alvo usado no tratamento desse tipo de câncer. Os efeitos colaterais mais comuns incluem diarreia, erupções cutâneas, náuseas, aumento da pressão, dor de cabeça, fadiga, diminuição do apetite e dor abdominal. Raramente, pode causar efeitos colaterais mais sérios, como aumento da frequência cardíaca e infecção. Outras drogas como, sorafenib e sunitinibe, têm mostrado resultados promissores.  Câncer de Tireoide Papilar ou Folicular - A maioria desses tipos de câncer pode ser tratada eficazmente com cirurgia e iodoterapia, não necessitando de outras drogas. Mas em cânceres em que estes tratamentos não são eficazes, sorafenib, sunitinibe e pazopanib têm se mostrado úteis.
  18. 18. Vivendo com Câncer de Tireoide  Câncer Papilar ou Folicular - Pacientes que fizeram a remoção da tireoide devem realizar entre 6 a 12 meses após o término do tratamento, uma varredura com iodo radioativo, para determinar se toda a glândula foi removida. Se o resultado for negativo, não serão necessárias verificações futuras, a menos que apresente algum sintoma e os exames realizados mostrem alguma alteração. Exames de sangue, como TSH e tireoglobulina também devem ser realizados periodicamente.  Câncer Medular da Tireoide - Para pacientes com câncer medular da tireoide serão solicitados exames de sangue para determinar valores de calcitonina e antígeno carcinoembrionário (CEA).
  19. 19. Novos Tratamentos  Iodoterapia - Estudos recentes mostraram que pacientes com níveis muito baixos de tiroglobulina 3 meses após a cirurgia têm um risco muito baixo de recidiva mesmo sem fazer a iodoterapia. Entretanto, mais pesquisas nesta área ainda são necessárias.  Quimioterapia - Alguns estudos, estão testando a eficácia de medicamentos quimioterápicos, como paclitaxel e outros fármacos, bem como a quimioterapia combinada com radioterapia no câncer de tireoide anaplásico.  Terapia Alvo - Medicamentos conhecidos como inibidores específicos da tirosina quinase podem ajudar a tratar as células cancerígenas da tireoide com mutações em determinados genes, como BRAF e RET/PTC.
  20. 20. Tratamento: Cuidados Paliativos O objetivo dos cuidados paliativos é melhorar a qualidade de vida do paciente do ponto de vista físico, mental e espiritual. Para isso visam aliviar os sintomas e controlar a dor, independentemente do estágio da doença ou da necessidade de outras terapias.
  21. 21. Obtendo Apoio É fundamental poder contar com alguma forma de apoio para ajudar a lidar com os aspectos emocionais e práticos da doença. Existem muitas formas de obter apoio na comunidade, além da família e amigos. É possível também participar de grupos de pacientes seja de forma presencial ou online.

×