SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
FÁCIES
Profa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz
                       Sousa-
          rilva@ccm.ufpb.br
Fácies
• Designa o aspecto da face
   modificada pela doença
• Características morfológicas da
   face + expressão fisionômica
  • É um latinismo: fácies é
 singular e plural; palavra latina
       do gênero feminino.
Fácies
  • A grande maioria das fácies
  características é expressiva de
      endocrinopatia, doença
     metabólica ou doenças do
         sistema nervoso
• Atenção: exagerar na valorização da
     fácies pode conduzir a erros;
   observar traços constitucionais do
               paciente.
Fácies
• Incaracterística (atípica; compósita)
• Exemplos de fácies características de
  doenças:
 Fácies mixedematosa   Fácies tetânica
 Fácies basedowiana    Fácies depressiva
 Fácies leonina        Fácies lúpica
 Fácies cushingóide    Fácies mongolóide
 Fácies acromegálica   Fácies esclerodérmica
 Fácies miastênica     Fácies adenoidiana
 Fácies hipocrática    Fácies etílica
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Fácies mixedematosa
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Fácies Basedowiana
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Fácies Basedowiana
Fácies acromegálica
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Fácies acromegálica
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Fácies leonina
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Fácies cushingoide
Fácies cushingoide
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Fácies lúpica
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Fácies renal
Fácies renal
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Fácies miastênica
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Fácies miastênica
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Fácies miopática
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Fácies mitral
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Fácies esclerodérmica
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Heliotropo
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Heliotropo
Fácies de paralisia facial
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Fácies de paralisia facial
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Fácies adenoidiana
SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia




Fácies depressiva
Fácies hipocrática
Redução da bola gordurosa de
    Bichat (Desnutrição)
Fácies Parkinsoniana
Fácies Addisoniana
Fácies demencial
Fácies alcoólica
Red Face – Uso contínuo de
    corticosteroide tópico
Fácies acondroplásica
Fácies de síndrome genética
Fácies de síndrome genética
Angioedema desfigurante
Sinal de Romaña
Fácies ???...
          Não; fisionomia ou rosto.
  Fácies é uma expressão desprovida de qualquer
significado quando empregada para indicar o rosto do
    indivíduo sadio: o emprego do termo “fácies”
            restringe-se ao contexto clínico.
A mesma pessoa, um ano depois:
      Fácies hipocrática
“O corpo vai bem ou mal segundo
              anunciam os olhos”
                          (Hipócrates)


http://semiologiamedica.blogspot.com/
As fotos apresentadas nesta aula foram
         obtidas de duas formas:
(1) De pacientes, com assinatura do Termo de
Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) por
   escrito, informando que poderiam ser
 publicadas sem sua identificação (modelo do
         TCLE usado – slide seguinte).
   (2) Publicadas por outros autores, com
referências apresentadas ao final desta aula.

        http://semiologiamedica.blogspot.com/
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO PARA OBTENÇÃO E UTILIZAÇÃO
DE IMAGENS
EU, _______________________________________________________, RG N.
_____________________, residente à Av./Rua ____________________________ n. _______,
complemento _________, Bairro ____________________, na cidade de
____________________________________, por meio deste Termo de Consentimento Livre e
Esclarecido, consinto que a Dra. ____________________ tire fotografias, faça vídeos e outros
tipos de imagens de mim, sobre o meu caso clínico. Consinto que estas imagens sejam utilizadas
para finalidade didática e científica, divulgadas em aulas, palestras, conferências, cursos,
congressos, etc... e também publicadas em livros, artigos, portais de internet, revistas científicas
e similares, podendo inclusive ser mostrado o meu rosto, usando-se formas para que não haja
minha identificação.
Este consentimento pode ser revogado, sem qualquer ônus ou prejuízo à minha pessoa, a meu
pedido ou solicitação, desde que a revogação ocorra antes da publicação.
Fui esclarecido de que não receberei nenhum ressarcimento ou pagamento pelo uso das minhas
imagens e também compreendi que o Dr. ___________________ e a equipe de profissionais
que me atende e atenderá durante todo o tratamento não terá qualquer tipo de ganhos
financeiros com a exposição da minha imagem nas referidas publicações.

Local, _______ de _________________ de 2___.
Assinatura*: ____________________________________
Paciente
CPF
RG
Créditos das Imagens Obtidas de Outros autores
ASOCIACIÓN LUPUS CHACO – ALUCHA. 2008. Jornadas médicas sobre lupus y enfermedades reumáticas.
Disponível em: <http://www.chacoonline.com.ar/noticia.php?nro_nota=3470>.Acesso em: 05 fev 2009.
CALVO, J. I. P. Acromegalia. 2006. Disponível em: <http://www.imagenmed.com/FMPro?-db=img.fp5&-
format=imagenmed%2fpaginai.html&-lay=intro&-sortfield=desc%5fimg%5f1&palabras%5fclave=Acromegalia&-max=20&-
recid=33377&-find> Acesso em: 20 fev 2009.
CALVO, J. I. P. Desnutricion. 2006. Disponível em: <http://www.imagenmed.com/especiales/ie1/sf0029.html> Acesso em:
22 mar 2009.
CASALES, S. Hipotiroidismo: manejo ambulatorio. 2003. Disponível em:
<http://www.medspain.com/pautas/hipotiroidismo.html>. Acesso em: 22 mar 2009.
FERREIRA, G. N.; VALENTE, N. Y. S.; ROMITI, R. Você conhece esta síndrome?. An. Bras. Dermatol. 81 (4): 381-383,
2006.
FOTOSEARCH BANCO DE IMAGENS. Banco de imagens. 2005. Diponível em:
http://www.fotosearch.com.br/SBY287/56386004/. Acesso em: 23 jul 2008.
GIORDANI, E. E. Exame físico geral. 2005. Disponível em:
<http://www.unifesp.br/dmed/climed/liga/cursos/ixcilacm/exame_fisico.ppt.> Acesso em: 04 abr 2009.
GUTIERREZ, A. Semiologia Qururgica. Disponível em: http://aleana-semiologiaquirurgica-
utesa.blogspot.com.br/2012/02/observacion-del-paciente.html. Acesso em: 13 fev. 2012.
LAMBERTUCCI, J.; OTONI, A.; REIS, M. A. Nephrotic syndrome in hepatosplenic schistosomiasis mansoni. Rev. Soc. Bras.
Med. Trop. 40 (4): 492-493, 2007.
LEITE, Rubens Marcelo Souza; LEITE, Adriana Aragão Craveiro; FRIEDMAN, Horácio and FRIEDMAN, Isabel. A síndrome
do respirador bucal como fator de risco para queilite actínica. An. Bras. Dermatol. vol.78, n.1 [cited 2013-02-13], pp. 73-
78, 2003 .
MENDES, B. Sistema endócrino. 2007. Disponível em: <http://crentinho.wordpress.com/2007/10/> Acesso em 10 jan
2009.
PAPAPORT MJ, RAPAPORT V. Eyelid dermatitis to red face syndrome to cure: clinical experience in 100 cases. J Am Acad
Dermatol. 1999 Sep;41(3 Pt 1):435-42.
PEREIRA, L. B.; GONTIJO, J. R.V. Você conhece esta síndrome? An. Bras. Dermatol. 83, (6): 575-577, 2008.
VARELA, C. Semiologia y Propedeutica Clinica 3ra edición. Disponível em:
https://rapidshare.com/#!download|633p2|282450782|Semiologia_y_propedeutica_Clinica_Varela_PF_Med.part1.rar|17825
7|0|0|Download permission denied by uploader. (0b67c2f5)
O direito à imagem é constitucional, protegido
explicitamente na Constituição da República Federativa
                    do Brasil de 1988.
   Código de Ética Médica: “Art. 104 - É vedado ao médico
 fazer referencia a casos clínicos identificáveis, exibir pacientes
ou seus retratos em anúncios profissionais ou na divulgação de
 assuntos médicos em programas de rádio, televisão ou cinema
e em artigos, entrevistas ou reportagens em jornais, revistas ou
                    outras publicações leigas”
   Expor imagens de pacientes (por meio de fotos, vídeos, etc)
 sem consentimento livre e esclarecido é ferir a sua dignidade,
               com implicações éticas e legais.
   A Constituição Federal estabelece em seu Art. 5º, inciso X:
   “são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a
 imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo
   dano material ou moral decorrente de sua violação;”(...).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Prova 1 - dermatologia (lesões elementares, semiologia, exames e sinais)
Prova 1 - dermatologia (lesões elementares, semiologia, exames e sinais)Prova 1 - dermatologia (lesões elementares, semiologia, exames e sinais)
Prova 1 - dermatologia (lesões elementares, semiologia, exames e sinais)Guilherme Sicuto
 
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioresenfe2013
 
Semiologia Básica: Exame Físico Neurológico
Semiologia Básica: Exame Físico NeurológicoSemiologia Básica: Exame Físico Neurológico
Semiologia Básica: Exame Físico NeurológicoDr. Rafael Higashi
 
Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxJucie Vasconcelos
 
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)Gustavo Oliveira
 
Síndromes pulmonares
Síndromes pulmonaresSíndromes pulmonares
Síndromes pulmonarespauloalambert
 
Propedêutica torácica
Propedêutica torácicaPropedêutica torácica
Propedêutica torácicapauloalambert
 
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxSinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxBrenda Lahlou
 
Avaliação Cardiovascular
Avaliação CardiovascularAvaliação Cardiovascular
Avaliação Cardiovascularresenfe2013
 
Exame Físico Cabeça e Pescoço
Exame Físico Cabeça e PescoçoExame Físico Cabeça e Pescoço
Exame Físico Cabeça e PescoçoPaulo Alambert
 
Nervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
Nervos Cranianos - Funções dos 12 ParesNervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
Nervos Cranianos - Funções dos 12 ParesAndré Milioli Martins
 
Semiologia vascular periférica
Semiologia vascular periféricaSemiologia vascular periférica
Semiologia vascular periféricapauloalambert
 
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0Brenda Lahlou
 

Mais procurados (20)

Prova 1 - dermatologia (lesões elementares, semiologia, exames e sinais)
Prova 1 - dermatologia (lesões elementares, semiologia, exames e sinais)Prova 1 - dermatologia (lesões elementares, semiologia, exames e sinais)
Prova 1 - dermatologia (lesões elementares, semiologia, exames e sinais)
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
 
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratório
 
Exame físico geral
Exame físico geralExame físico geral
Exame físico geral
 
Semiologia Básica: Exame Físico Neurológico
Semiologia Básica: Exame Físico NeurológicoSemiologia Básica: Exame Físico Neurológico
Semiologia Básica: Exame Físico Neurológico
 
Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tórax
 
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de AlmeidaLesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
 
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
 
Síndromes pulmonares
Síndromes pulmonaresSíndromes pulmonares
Síndromes pulmonares
 
Sensibilidade 14
Sensibilidade 14Sensibilidade 14
Sensibilidade 14
 
Propedêutica torácica
Propedêutica torácicaPropedêutica torácica
Propedêutica torácica
 
Diagnóstico clínico
Diagnóstico clínicoDiagnóstico clínico
Diagnóstico clínico
 
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxSinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de Tórax
 
Avaliação Cardiovascular
Avaliação CardiovascularAvaliação Cardiovascular
Avaliação Cardiovascular
 
Exame físico geral
Exame físico geralExame físico geral
Exame físico geral
 
Semiologia Cardiovascular
Semiologia CardiovascularSemiologia Cardiovascular
Semiologia Cardiovascular
 
Exame Físico Cabeça e Pescoço
Exame Físico Cabeça e PescoçoExame Físico Cabeça e Pescoço
Exame Físico Cabeça e Pescoço
 
Nervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
Nervos Cranianos - Funções dos 12 ParesNervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
Nervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
 
Semiologia vascular periférica
Semiologia vascular periféricaSemiologia vascular periférica
Semiologia vascular periférica
 
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
 

Semelhante a Fácies médicas

Dicas para Clinica de Oftalmologia no Brasil em 2019
Dicas para Clinica de Oftalmologia no Brasil em 2019Dicas para Clinica de Oftalmologia no Brasil em 2019
Dicas para Clinica de Oftalmologia no Brasil em 2019JespersenCotton75
 
TECSOMA - Paracatú - MG - 2010 - A possivel atuacao do biomedico na estetica
TECSOMA - Paracatú - MG - 2010 - A possivel atuacao do biomedico na esteticaTECSOMA - Paracatú - MG - 2010 - A possivel atuacao do biomedico na estetica
TECSOMA - Paracatú - MG - 2010 - A possivel atuacao do biomedico na esteticaDra. Ana Carolin Puga
 
NOVAFAPI - Terezina-PI - 2010 - A possivel atuacao do biomedico na estetica
NOVAFAPI - Terezina-PI - 2010 - A possivel atuacao do biomedico na esteticaNOVAFAPI - Terezina-PI - 2010 - A possivel atuacao do biomedico na estetica
NOVAFAPI - Terezina-PI - 2010 - A possivel atuacao do biomedico na esteticaDra. Ana Carolin Puga
 
Síndrome de Marfan
Síndrome de MarfanSíndrome de Marfan
Síndrome de MarfanAnaGomes40
 
Contribuição de Radioisótopos para Diagnóstico de Alzheimer - JPR2013
Contribuição de Radioisótopos para Diagnóstico de Alzheimer - JPR2013Contribuição de Radioisótopos para Diagnóstico de Alzheimer - JPR2013
Contribuição de Radioisótopos para Diagnóstico de Alzheimer - JPR2013Teacher Renato
 
DoençAs Neuromusculares
DoençAs NeuromuscularesDoençAs Neuromusculares
DoençAs NeuromuscularesRodrigo Biondi
 
Perfil dos portadores de alzheimer
Perfil dos portadores de alzheimerPerfil dos portadores de alzheimer
Perfil dos portadores de alzheimerTCC_FARMACIA_FEF
 
Perfil dos portadores de alzheimer
Perfil dos portadores de alzheimerPerfil dos portadores de alzheimer
Perfil dos portadores de alzheimerTCC_FARMACIA_FEF
 
Tese Paralisia Facial
Tese Paralisia FacialTese Paralisia Facial
Tese Paralisia Facialrenataformiga
 
Tese de Doutoramento -- Viviana Rita Rodrigues
Tese de Doutoramento -- Viviana Rita RodriguesTese de Doutoramento -- Viviana Rita Rodrigues
Tese de Doutoramento -- Viviana Rita RodriguesJoão Antônio Granzotti
 
Atenção integral ao portador de pé diabético
Atenção integral ao portador de pé diabéticoAtenção integral ao portador de pé diabético
Atenção integral ao portador de pé diabéticoadrianomedico
 
Manual do Espondilítico
Manual do EspondilíticoManual do Espondilítico
Manual do Espondilíticopepontocom
 

Semelhante a Fácies médicas (18)

Dicas para Clinica de Oftalmologia no Brasil em 2019
Dicas para Clinica de Oftalmologia no Brasil em 2019Dicas para Clinica de Oftalmologia no Brasil em 2019
Dicas para Clinica de Oftalmologia no Brasil em 2019
 
Maria Helena S. Mandelbaum
Maria Helena S. MandelbaumMaria Helena S. Mandelbaum
Maria Helena S. Mandelbaum
 
TECSOMA - Paracatú - MG - 2010 - A possivel atuacao do biomedico na estetica
TECSOMA - Paracatú - MG - 2010 - A possivel atuacao do biomedico na esteticaTECSOMA - Paracatú - MG - 2010 - A possivel atuacao do biomedico na estetica
TECSOMA - Paracatú - MG - 2010 - A possivel atuacao do biomedico na estetica
 
Ementas II
Ementas IIEmentas II
Ementas II
 
NOVAFAPI - Terezina-PI - 2010 - A possivel atuacao do biomedico na estetica
NOVAFAPI - Terezina-PI - 2010 - A possivel atuacao do biomedico na esteticaNOVAFAPI - Terezina-PI - 2010 - A possivel atuacao do biomedico na estetica
NOVAFAPI - Terezina-PI - 2010 - A possivel atuacao do biomedico na estetica
 
Síndrome de Marfan
Síndrome de MarfanSíndrome de Marfan
Síndrome de Marfan
 
Semiologia ortopedica exame
Semiologia ortopedica   exameSemiologia ortopedica   exame
Semiologia ortopedica exame
 
Contribuição de Radioisótopos para Diagnóstico de Alzheimer - JPR2013
Contribuição de Radioisótopos para Diagnóstico de Alzheimer - JPR2013Contribuição de Radioisótopos para Diagnóstico de Alzheimer - JPR2013
Contribuição de Radioisótopos para Diagnóstico de Alzheimer - JPR2013
 
Led materia
Led materiaLed materia
Led materia
 
DoençAs Neuromusculares
DoençAs NeuromuscularesDoençAs Neuromusculares
DoençAs Neuromusculares
 
Perfil dos portadores de alzheimer
Perfil dos portadores de alzheimerPerfil dos portadores de alzheimer
Perfil dos portadores de alzheimer
 
Perfil dos portadores de alzheimer
Perfil dos portadores de alzheimerPerfil dos portadores de alzheimer
Perfil dos portadores de alzheimer
 
Tese Paralisia Facial
Tese Paralisia FacialTese Paralisia Facial
Tese Paralisia Facial
 
Tese de Doutoramento -- Viviana Rita Rodrigues
Tese de Doutoramento -- Viviana Rita RodriguesTese de Doutoramento -- Viviana Rita Rodrigues
Tese de Doutoramento -- Viviana Rita Rodrigues
 
Uso Racional Antibioticos Idosos
Uso Racional Antibioticos IdososUso Racional Antibioticos Idosos
Uso Racional Antibioticos Idosos
 
122091438 revistapodologia-com-022pt
122091438 revistapodologia-com-022pt122091438 revistapodologia-com-022pt
122091438 revistapodologia-com-022pt
 
Atenção integral ao portador de pé diabético
Atenção integral ao portador de pé diabéticoAtenção integral ao portador de pé diabético
Atenção integral ao portador de pé diabético
 
Manual do Espondilítico
Manual do EspondilíticoManual do Espondilítico
Manual do Espondilítico
 

Mais de Rilva Lopes de Sousa Muñoz

Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOSA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOSRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICAORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICARilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMEElaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMEValidade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaMedicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaNoções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaPesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 

Mais de Rilva Lopes de Sousa Muñoz (20)

Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
 
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOSA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
 
História da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no BrasilHistória da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no Brasil
 
História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1
 
História da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das DoençasHistória da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das Doenças
 
História da Medicina no Brasil
História da Medicina no BrasilHistória da Medicina no Brasil
História da Medicina no Brasil
 
História da Cirurgia
História da CirurgiaHistória da Cirurgia
História da Cirurgia
 
História do Ensino Médico
História do Ensino MédicoHistória do Ensino Médico
História do Ensino Médico
 
Teorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em MedicinaTeorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em Medicina
 
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICAORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
 
História das Doenças Negligenciadas
História das Doenças NegligenciadasHistória das Doenças Negligenciadas
História das Doenças Negligenciadas
 
Semiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em EvidênciasSemiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em Evidências
 
Aula "Atestados Médicos"
Aula "Atestados Médicos" Aula "Atestados Médicos"
Aula "Atestados Médicos"
 
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMEElaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
 
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMEValidade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
 
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaMedicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
 
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaNoções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
 
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESMETeoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
 
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaPesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
 

Último

A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 

Último (20)

A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 

Fácies médicas

  • 1. FÁCIES Profa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz Sousa- rilva@ccm.ufpb.br
  • 2. Fácies • Designa o aspecto da face modificada pela doença • Características morfológicas da face + expressão fisionômica • É um latinismo: fácies é singular e plural; palavra latina do gênero feminino.
  • 3. Fácies • A grande maioria das fácies características é expressiva de endocrinopatia, doença metabólica ou doenças do sistema nervoso • Atenção: exagerar na valorização da fácies pode conduzir a erros; observar traços constitucionais do paciente.
  • 4. Fácies • Incaracterística (atípica; compósita) • Exemplos de fácies características de doenças: Fácies mixedematosa Fácies tetânica Fácies basedowiana Fácies depressiva Fácies leonina Fácies lúpica Fácies cushingóide Fácies mongolóide Fácies acromegálica Fácies esclerodérmica Fácies miastênica Fácies adenoidiana Fácies hipocrática Fácies etílica
  • 5. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Fácies mixedematosa
  • 6. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Fácies Basedowiana
  • 7. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Fácies Basedowiana
  • 9. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Fácies acromegálica
  • 10. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Fácies leonina
  • 11. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Fácies cushingoide
  • 13. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Fácies lúpica
  • 14.
  • 15. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Fácies renal
  • 17. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Fácies miastênica
  • 18. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Fácies miastênica
  • 19. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Fácies miopática
  • 20. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Fácies mitral
  • 21. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Fácies esclerodérmica
  • 22. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Heliotropo
  • 23. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Heliotropo
  • 25. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Fácies de paralisia facial
  • 26. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Fácies adenoidiana
  • 27. SEMIOLOGIA MÉDICA – Ectoscopia Fácies depressiva
  • 29. Redução da bola gordurosa de Bichat (Desnutrição)
  • 34. Red Face – Uso contínuo de corticosteroide tópico
  • 36. Fácies de síndrome genética
  • 37. Fácies de síndrome genética
  • 40. Fácies ???... Não; fisionomia ou rosto. Fácies é uma expressão desprovida de qualquer significado quando empregada para indicar o rosto do indivíduo sadio: o emprego do termo “fácies” restringe-se ao contexto clínico.
  • 41. A mesma pessoa, um ano depois: Fácies hipocrática
  • 42. “O corpo vai bem ou mal segundo anunciam os olhos” (Hipócrates) http://semiologiamedica.blogspot.com/
  • 43. As fotos apresentadas nesta aula foram obtidas de duas formas: (1) De pacientes, com assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) por escrito, informando que poderiam ser publicadas sem sua identificação (modelo do TCLE usado – slide seguinte). (2) Publicadas por outros autores, com referências apresentadas ao final desta aula. http://semiologiamedica.blogspot.com/
  • 44. TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO PARA OBTENÇÃO E UTILIZAÇÃO DE IMAGENS EU, _______________________________________________________, RG N. _____________________, residente à Av./Rua ____________________________ n. _______, complemento _________, Bairro ____________________, na cidade de ____________________________________, por meio deste Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, consinto que a Dra. ____________________ tire fotografias, faça vídeos e outros tipos de imagens de mim, sobre o meu caso clínico. Consinto que estas imagens sejam utilizadas para finalidade didática e científica, divulgadas em aulas, palestras, conferências, cursos, congressos, etc... e também publicadas em livros, artigos, portais de internet, revistas científicas e similares, podendo inclusive ser mostrado o meu rosto, usando-se formas para que não haja minha identificação. Este consentimento pode ser revogado, sem qualquer ônus ou prejuízo à minha pessoa, a meu pedido ou solicitação, desde que a revogação ocorra antes da publicação. Fui esclarecido de que não receberei nenhum ressarcimento ou pagamento pelo uso das minhas imagens e também compreendi que o Dr. ___________________ e a equipe de profissionais que me atende e atenderá durante todo o tratamento não terá qualquer tipo de ganhos financeiros com a exposição da minha imagem nas referidas publicações. Local, _______ de _________________ de 2___. Assinatura*: ____________________________________ Paciente CPF RG
  • 45. Créditos das Imagens Obtidas de Outros autores ASOCIACIÓN LUPUS CHACO – ALUCHA. 2008. Jornadas médicas sobre lupus y enfermedades reumáticas. Disponível em: <http://www.chacoonline.com.ar/noticia.php?nro_nota=3470>.Acesso em: 05 fev 2009. CALVO, J. I. P. Acromegalia. 2006. Disponível em: <http://www.imagenmed.com/FMPro?-db=img.fp5&- format=imagenmed%2fpaginai.html&-lay=intro&-sortfield=desc%5fimg%5f1&palabras%5fclave=Acromegalia&-max=20&- recid=33377&-find> Acesso em: 20 fev 2009. CALVO, J. I. P. Desnutricion. 2006. Disponível em: <http://www.imagenmed.com/especiales/ie1/sf0029.html> Acesso em: 22 mar 2009. CASALES, S. Hipotiroidismo: manejo ambulatorio. 2003. Disponível em: <http://www.medspain.com/pautas/hipotiroidismo.html>. Acesso em: 22 mar 2009. FERREIRA, G. N.; VALENTE, N. Y. S.; ROMITI, R. Você conhece esta síndrome?. An. Bras. Dermatol. 81 (4): 381-383, 2006. FOTOSEARCH BANCO DE IMAGENS. Banco de imagens. 2005. Diponível em: http://www.fotosearch.com.br/SBY287/56386004/. Acesso em: 23 jul 2008. GIORDANI, E. E. Exame físico geral. 2005. Disponível em: <http://www.unifesp.br/dmed/climed/liga/cursos/ixcilacm/exame_fisico.ppt.> Acesso em: 04 abr 2009. GUTIERREZ, A. Semiologia Qururgica. Disponível em: http://aleana-semiologiaquirurgica- utesa.blogspot.com.br/2012/02/observacion-del-paciente.html. Acesso em: 13 fev. 2012. LAMBERTUCCI, J.; OTONI, A.; REIS, M. A. Nephrotic syndrome in hepatosplenic schistosomiasis mansoni. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 40 (4): 492-493, 2007. LEITE, Rubens Marcelo Souza; LEITE, Adriana Aragão Craveiro; FRIEDMAN, Horácio and FRIEDMAN, Isabel. A síndrome do respirador bucal como fator de risco para queilite actínica. An. Bras. Dermatol. vol.78, n.1 [cited 2013-02-13], pp. 73- 78, 2003 . MENDES, B. Sistema endócrino. 2007. Disponível em: <http://crentinho.wordpress.com/2007/10/> Acesso em 10 jan 2009. PAPAPORT MJ, RAPAPORT V. Eyelid dermatitis to red face syndrome to cure: clinical experience in 100 cases. J Am Acad Dermatol. 1999 Sep;41(3 Pt 1):435-42. PEREIRA, L. B.; GONTIJO, J. R.V. Você conhece esta síndrome? An. Bras. Dermatol. 83, (6): 575-577, 2008. VARELA, C. Semiologia y Propedeutica Clinica 3ra edición. Disponível em: https://rapidshare.com/#!download|633p2|282450782|Semiologia_y_propedeutica_Clinica_Varela_PF_Med.part1.rar|17825 7|0|0|Download permission denied by uploader. (0b67c2f5)
  • 46. O direito à imagem é constitucional, protegido explicitamente na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Código de Ética Médica: “Art. 104 - É vedado ao médico fazer referencia a casos clínicos identificáveis, exibir pacientes ou seus retratos em anúncios profissionais ou na divulgação de assuntos médicos em programas de rádio, televisão ou cinema e em artigos, entrevistas ou reportagens em jornais, revistas ou outras publicações leigas” Expor imagens de pacientes (por meio de fotos, vídeos, etc) sem consentimento livre e esclarecido é ferir a sua dignidade, com implicações éticas e legais. A Constituição Federal estabelece em seu Art. 5º, inciso X: “são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação;”(...).