SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Ms. Enf. José Ribeiro
dos Santos
• Suporte Básico
de Vida (SBV) .
• Disciplina:
Assistência de Enf.
a Pacientes Graves
Lembrando...
Este material não deve ser utilizado como ÚNICA fonte
de estudo. Ele é um guia de desenvolvimento para o
treinamento, por tanto, o aluno deve estudar, copiar seu
conteúdo no caderno, fazer buscas em outras fontes para
aprofundar e aperfeiçoar suas competências e habilidades
técnicas.
Prof. José Ribeiro
Abordaremos:
SBV
SAV
Introdução
 Deixar de prestar socorro SIGNIFICA não dar nenhuma
assistência à vítima.
 A pessoa que chama por socorro especializado, por
exemplo, já está prestando e providenciando socorro.
 Qualquer pessoa que deixe de prestar ou providenciar
socorro à vítima, podendo fazê-lo, estará cometendo o
crime de omissão de socorro.
 O artigo 135 do Código Penal Brasileiro é bem claro:
deixar de prestar socorro à vítima de acidentes ou
pessoas em perigo eminente, podendo fazê-lo, é crime.
SUPORTE BÁSICO DE VIDA
(SBV)
 É o conjunto de medidas e procedimentos
técnicos que objetivam manter
oxigenação e, principalmente, perfusão
dos órgãos vitais por meio de manobras
contínuas.
 É vital até a chegada do SAV
(Suporte Avançado de vida)
PRIMEIROS SOCORROS
O QUE SÃO PRIMEIROS
SOCORROS?
Primeiros Socorros
Como o próprio nome sugere, são os
procedimentos de emergência que devem ser
aplicados à uma pessoa em perigo de vida,
visando manter os sinais vitaisos sinais vitais e evitando o
agravamento, até que ela receba assistência
definitiva.
Prestar socorro sempre que a vítima não tiver
condições de cuidar de si própria.
VISANDO MANTER OSVISANDO MANTER OS
SINAIS VITAIS...SINAIS VITAIS...
O que são sinais vitais?
Sinais Vitais
São aqueles que evidenciam o
funcionamento e alterações da função
corporal.
Parada
Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
A parada cardíaca é a cessação súbita da
circulação sistêmica e atividade ventricular
útil, em um indivíduo com expectativa de
restauração da função cardiopulmonar e
cerebral, não portador de doença intratável
ou em fase terminal.
Em conjunto a este evento interrompe-se a
atividade respiratória, definindo-se, então,
a parada cardiorrespiratória (PCR).
Quais são os aspectos Fundamentais
do SBV?
I. Reconhecimento
imediato da parada
cardíaca;
II. Acionar o serviço de
Emergência;
III. RCP Precoce;
IV. Desfibrilação Rápida.
Quais são as principais causas
que poderão levar um individuo
a uma PCR?
causas de parada cardiorrespiratória
 Afogamento ou Inalação de fumaça;
 Acidentes por eletricidade;
 Trauma/ Forte pancada na cabeça;
 Envenenamento;
 Hemorragias graves;
 Bradicardia/ou hipóxia;
 Overdose por drogas;
 Acidente Cardiovascular.
Quais são os Sinais Clínicos
de uma PCR?
 O reconhecimento da PCR baseia-se na tríade:
inconsciência, ausência da respiração(movimentos
torácicos) e ausência de pulso central (carotídeo).
RCP
 A reanimação tem sido uma aspiração humana
há séculos.
 No século passado a reanimação foi uma prática
comum na Europa, pela técnica de rolar vítimas
inconscientes sobre barris, na tentativa de mover
o ar para dentro e para fora dos pulmões.
 Apesar da ventilação boca-a-boca estar descrita
na Bíblia (usada em recém nascidos por
parteiras) somente no início dos anos 50 ela foi
redescoberta pelos Dr. James Elam e Peter Safar
nos Estados Unidos.
• 1960, um grupo de pioneiros estudiosos
da ressuscitação combinou respiração
boca a boca com compressões torácicas
para criar a ressuscitação
cardiopulmonar, a ação de salvamento
que hoje chamamos de “RCP”;
• 1992 Com a evolução, foi criado, o
International Liaison Committee on
Resuscitation (ILCOR),
Aliança Internacional
 1993 foi formada uma Aliança Internacional
dos Comitês em Ressuscitação (ILCOR)
 Sociedade de Cardiologia Americana
(AHA);
 Conselho Europeu em Ressuscitação
(ERC);
 Comitê Australiano em Ressuscitação com
o intuito de realizar estudos a partir de
evidências cientificas.
American Heart Association
(AHA)
 É responsável pela publicação científica
Diretrizes para Ressuscitação
Cardiopulmonar (RCP);
 Atendimento Cardiovascular de
Emergência (ACE),
[que é a base dos protocolos de salvamento utilizados por profissionais
de saúde].
OBJETIVO DO PROTOCOLO
Padronizar o atendimento à parada
cardiorrespiratória (PCR) para um
atendimento rápido e organizado, com o
intuito de aumentar a chance de sucesso
das manobras de ressuscitação
cardiopulmonar (RCP).
Diretrizes.
 2000, o ILCOR realizou a primeira Conferência
para um Consenso em RCP e em conjunto com
a AHA lançou uma nova diretriz para
ressuscitação cardiopulmonar (RCP).
 2005, após uma nova Conferência de
Consenso, a AHA lançou outra diretriz com
diversas mudanças para (RCP) baseadas em
evidências científicas, dentre as quais a
principal é a mudança da taxa de compressão-
ventilação de 30:2, sendo que anteriormente era
de 15:2.
PROTOCLO da American Heart
Association
Até 2010
A -Airway- Vias aéreas;
B -Breathing-respiração
C –Circulation-Circulação
2015
C – Circulation-Circulação
A -Airway- Vias aéreas;
B -Breathing-respiração
Protocolo de 2015
 C= Circulação- verificar pulso em grandes
vasos /estancar sangramento;
 A= Vias aéreas – Verificar obstrução das
vias, estabilizar a coluna cervical;
 B= Boa respiração/ expansibilidade torácica;
[Compressão/ ventilação].
Guidelines CPR 2015- American Heart Association
Compressões Torácica mínino 100/
minuto e máximo 120.
com 1 socorrista
Ventilação boca-a-boca
Quantas compressões torácicas/
ventilação deverá ser realizada quando
estiver com 2 socorristas?
Modelos de DEA
Posicionamento das Placas-pás
O DEA é igual ao Desfibrilador utilizado nos
hospitais?
Qual é a principal diferença entre eles?
DEA
I. Desfibrilador Externo
Automâtico, o próprio
equipamento dispara
o choque conforme
identificação do ritmo
de choque.
II. Pode ser utilizados
por pessoas treinadas
[leigas].
DESFIBRILADOR
• Ele não é automático;
• Só pode ser usado
pelo profissional
médico;
• Quem dispara o
choque é o
profissional.
Tipos de modalidades
de desfibriladores.
Modelos X Modalidades
Bifásico 200J
Monofásico 360J
Posicionamento correto
Quando iniciar as manobras
de RCP?
Quando iniciar as manobras de
RCP?
I. Quando identificar os sinais clínicos de
RCP;
II. Quando as manobras forem realmente
beneficiar o paciente;
Como agir
Após identificar a parada chame imediatamente o
serviço médico de emergência;
Deite a vítima de costas e verifique o pulso dela;
Na ausência dos 3 sinais. [tríade]
I. Inconsciência;
II.Ausência de pulso nos grandes vasos;
III.Ausência de movimentos torácicos
 solicite  ajuda  e  Inicie os procedimentos de
(RCP);
SBV
•1º Checar responsividade. Chamar à vítima. (sem
resposta)?
•2º Verificar pulso em grandes vasos. (se estiver
ausente). Solicitar ajuda
•3º Verificar permeabilidade de VAS
•4º Verificar expansibilidade torácica. (Se estiver
ausente). Inicia-se as compressões torácicas. RCP
 Mínimo 100 compressões/min. E máximo 120.
Em qual situação eu não devo
reanimar o individuo?
Situação em que eu não devo
reanimar o individuo
I. Pacientes Carbonizados;
II. Pacientes Decapitados;
III. Pacientes em Fase Terminal;
IV. Esmagamento de tórax;
V. Rigidez;
VI. Corte de pélvico;
VII.Perda de massa cefálica.
Qualidade da PCR
 Checar pulso em 5 a 10 segundos, nunca ultrapassar 10
segundos;
 Comprima o centro do tórax (metade inferior do esterno)
com força e rapidez, com no mínimo 100 compressões por
minuto e máximo 120 por minutos, com 1 socorrista;
 Comprima com profundidade mínima de 5 cm, máximo 6
cm ou 2,4 polegadas;
 Permita retorno total do tórax após cada compressão;
 Minimize as interrupções nas compressões (10 segundos
ou menos)
 Alterar os profissionais a cada 2 minutos.
Quando interromper as
manobras de RCP?
Quando interromper as manobras de RCP?
I. Vários fatores influenciarão a decisão de interromper as
manobras de reanimação. Nesses fatores estão incluídos a
história da patologia do paciente e seu prognóstico
antecipado
II. O período que transcorreu entre a parada cardíaca e o
início das manobras de reanimação;
III. O intervalo de tempo entre a parada cardíaca e a
desfibrilação;
IV. O tempo em que são realizadas as manobras avançadas
de vida com a continuação da assistolia e a não
identificação ou não reversão da causa da parada
cardíaca;
V. De maneira geral a reanimação deve ser continuada
enquanto a fibrilação ventricular persistir.
Suporte avançado de vida
(SAV)
PROF. José Ribeiro
Suporte Avançado de Vida
(SAV)
 No suporte avançado de vida as
compressões cardíacas são realizadas
com 2 socorristas (30x2) 5 ciclos.
 As ventilações com bolsa-valva-máscara
são assincrônicas com as compressões,
sendo realizadas 1 ventilação a cada10
segundos.
Atribuição de cada profissional
no atendimento à PCR
De acordo com a orientação da
American Heart Association (AHA), a
equipe de atendimento deve dispor de
cinco elementos assim distribuídos:
Equipe de Atendimento
I. - Um na ventilação;
II. - Um na compressão torácica;
III. Um anotador de medicamentose de tempo;
IV.- Um na manipulação dos medicamentos;
V.- Um no comando, próximo ao monitor/ECG.
Ritmos desfibRiláveis xRitmos desfibRiláveis x
não desfibRiláveisnão desfibRiláveis
 Fibrilação Ventricular e Taquicardia
Ventricular Sem pulso; (choque)
Atividade elétrica sem pulso (AESP) e
Assistolia. (não pode dar choque)
Obs: DEA reconhece o ritmo de choque e
ele mesmo dispara o choque (SBV)
Causas de atividade elétrica sem pulso
e assistolia
Causa Tratamento
Hipovolemia Volume
Hipoxia Oxigênio (intubação endotraqueal)
Hipo/hipercalemia Cloreto de potássio/bicarbonato de sódio 1 mEq/kg
H+ (acidose metabólica) Bicarbonato de sódio 1 mEq/kg
Hipotermia Reaquecimento
Tamponamento cardíaco Punção pericárdica (Marfan)
Tromboembolismo pulmonar Volume + reversão da PCR
Trombose de coronariana Volume + reversão da PCR
Pneumotórax hipertensivo Punção torácica de alívio
Tóxicos (drogas) Antagonista específico
Fibrilação Ventricular
FV
Taquicardia Ventricular
TV
Atividade elétrica sem pulsoAtividade elétrica sem pulso
(AESP)(AESP)
Diferença entre desfibrilação e
cardioversão
A desfibrilação e a cardioversão elétrica são
procedimentos terapêuticos que salvam vidas e
seu uso não se limita apenas a profissionais da
área da saúde, podendo ser utilizados também
por leigos treinados. (desfibrilação
externa automática DEA).
A desfibrilação elétrica é indicada apenas nas
situações de FV e TV sem pulso. Neste caso o
desfibrilador deve estar em modo
ASSINCRONIZADO.
Cardioversão
A cardioversão elétrica é um procedimento na
maioria das vezes eletivo, em que se aplica o choque
elétrico de maneira SINCRONIZADA, ou seja, o paciente
deve estar monitorado no cardioversor e este deve
estar com o botão de sincronismo ativado, pois a descarga
elétrica é liberada na onda R, ou seja, no período refratário.
 A cardioversão elétrica é indicada nas situações de
taquiarritmias como a fibrilação atrial (FA), flutter atrial,
taquicardia paroxística supraventricular e taquicardias com
complexo largo e com pulso.
Desfibrilação
Cardioversão
Choque / afastem-se
Intubação orotraqueal
Intubação orotraqueal
 ATLS-
(Advanced Trauma Life Support-
/ Suporte
Avançado de Vida no Trauma). Específico para médicos
formados.
 TLSN - (Trauma life support for nurses). Suporte
Avançado de Vida no Trauma). ATCN e TLSN são
específicos para enfermeiros formados.
 PHTLS-
(Prehospital Trauma Life Support-
ou Suporte Pré-
Hospitalar de Vida no Trauma). Bombeiros, seguranças,
enfermeiros,médicos, estudantes da área da saúde,
técnicos de enfermagem.
 ACLS- Advanced Cardiac Life Support . (suporte
avançado de vida). Enfermeiros, médicos e estudantes.
 BLS - Basic Life Support (Suporte Básico de Vida)
Público em geral
Dúvidas?Dúvidas?
Ai, vamos praticar?
Referências
I. Guimarães HP. Registro Brasileiro de Ressuscitação Cardiopulmonar Intra-
Hospitalar: Fatores Prognósticos de Sobrevivência Pós-ressuscitação. Teses
apresentada ao Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia para obtenção do título de
Doutor em Ciências.
II. Guidelines CPR 2010- American Heart Association
III. O leigo e o suporte básico de vida – SciELO. Pergola, Aline Maino. Araujo, Izilda
Esmenina Muglia. Mestrandas em Enfermagem. Disponível em:
WWW.U.USP.br/ruusp. [acesso dia 17/03/16] São Paulo
www.scielo.br/pdf/reeusp/v43n2/a12v43n2.pdf.
IV. Diretrizes da American Heart Association 2010, para RCP e ACE. Disponível em:
www.ftp.medicina.ufmg.br/.../Destaques_das_Diretrizes_da_American_Heart
[acesso dia 20/03/2016]. São Paulo.
V. Protocolos de Suporte Básico de Vida. Ministério da Saúde. Manual SBV, com o
Suporte Básico de Vida. (SBV) a pretender garantir o primeiro reconhecimento.
Disponível em: WWW.u.saude.gov.br/images/pdf/2015/maio/26/basico-full.pdf.
[acesso dia 22/03/2016]. São Paulo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
Markus Fiuza
 
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Prof Silvio Rosa
 
Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória
Leila Daniele
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
Ricardo Augusto
 
RCP
RCPRCP
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
Prof Silvio Rosa
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
Rui Amorim
 
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
Francismar Prestes Leal
 
Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)
Elisabeth Ayala
 
RCP/DEA
RCP/DEARCP/DEA
RCP/DEA
Tiago_gja
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
Paula Oliveira
 
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxUrgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
EnfermeiraLuciana1
 
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROSTREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
Julio Jayme
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
Rocha Neto
 
Suporte Básico Vida
Suporte Básico VidaSuporte Básico Vida
Suporte Básico Vida
Professor Robson
 
Crise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedasCrise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedas
Natalia Mikaele Vasconcellos
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
2ª aula slides avaliação inicial da vitima
2ª aula slides   avaliação inicial da vitima2ª aula slides   avaliação inicial da vitima
2ª aula slides avaliação inicial da vitima
Simone Alvarenga
 
Parada cardíaca
Parada cardíacaParada cardíaca
Parada cardíaca
Marco Aguiar
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
pryloock
 

Mais procurados (20)

Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
 
Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
RCP
RCPRCP
RCP
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
 
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
 
Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)
 
RCP/DEA
RCP/DEARCP/DEA
RCP/DEA
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxUrgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
 
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROSTREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
 
Suporte Básico Vida
Suporte Básico VidaSuporte Básico Vida
Suporte Básico Vida
 
Crise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedasCrise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedas
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
2ª aula slides avaliação inicial da vitima
2ª aula slides   avaliação inicial da vitima2ª aula slides   avaliação inicial da vitima
2ª aula slides avaliação inicial da vitima
 
Parada cardíaca
Parada cardíacaParada cardíaca
Parada cardíaca
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
 

Semelhante a Primeiros socorros SBV

BLV 1.pptx
BLV 1.pptxBLV 1.pptx
BLV 1.pptx
ThaisBarbosaSouza
 
Suporte-Básico-de-Vida-Adulto (2019_02_01 16_08_35 UTC).pdf
Suporte-Básico-de-Vida-Adulto (2019_02_01 16_08_35 UTC).pdfSuporte-Básico-de-Vida-Adulto (2019_02_01 16_08_35 UTC).pdf
Suporte-Básico-de-Vida-Adulto (2019_02_01 16_08_35 UTC).pdf
Vítor Pires
 
Rcp
RcpRcp
Rcp
RcpRcp
Cap 09-rcp
Cap 09-rcpCap 09-rcp
Cap 09-rcp
Prof Silvio Rosa
 
Suporte Básico de Vida 2019
Suporte Básico de Vida 2019Suporte Básico de Vida 2019
Suporte Básico de Vida 2019
Walber Alves Frazão Júnior
 
Manual dea 2010
Manual dea 2010Manual dea 2010
PCR - RCP
PCR - RCPPCR - RCP
Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
Suporte básico de vida 9ºFS.pptx
Suporte básico de vida 9ºFS.pptxSuporte básico de vida 9ºFS.pptx
Suporte básico de vida 9ºFS.pptx
Marcoleonardo8
 
Suporte básico para estudos e apriimoramento.pptx
Suporte básico para estudos e apriimoramento.pptxSuporte básico para estudos e apriimoramento.pptx
Suporte básico para estudos e apriimoramento.pptx
WilsonAlbuquerque5
 
3 parada cardiorrespiratoria
3 parada cardiorrespiratoria3 parada cardiorrespiratoria
3 parada cardiorrespiratoria
bombeiro89
 
Manual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEM
Manual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEMManual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEM
Manual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEM
Emergência Médica
 
Suporte basico de vida em pediatria
Suporte basico de vida em pediatriaSuporte basico de vida em pediatria
Suporte basico de vida em pediatria
FlaviaMota33
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
Suporte básico de vida
Licínia Simões
 
Primeiros socorrosbombeiro civil
Primeiros socorrosbombeiro civilPrimeiros socorrosbombeiro civil
Primeiros socorrosbombeiro civil
Marco Antonio Correia Viana
 
Diretriz de ressuscitação cardiopulmonar e cuidados cardiovasculares de emerg...
Diretriz de ressuscitação cardiopulmonar e cuidados cardiovasculares de emerg...Diretriz de ressuscitação cardiopulmonar e cuidados cardiovasculares de emerg...
Diretriz de ressuscitação cardiopulmonar e cuidados cardiovasculares de emerg...
José Ripardo
 
M10 Suporte Basico de Vida.pptx
M10 Suporte Basico de Vida.pptxM10 Suporte Basico de Vida.pptx
M10 Suporte Basico de Vida.pptx
soniaalmeida38
 
Aula PCR.pptx
Aula PCR.pptxAula PCR.pptx
Aula PCR.pptx
FrancielleConstantin
 
cartilha_rcp.pdf
cartilha_rcp.pdfcartilha_rcp.pdf
cartilha_rcp.pdf
IgorMartinsMartins
 

Semelhante a Primeiros socorros SBV (20)

BLV 1.pptx
BLV 1.pptxBLV 1.pptx
BLV 1.pptx
 
Suporte-Básico-de-Vida-Adulto (2019_02_01 16_08_35 UTC).pdf
Suporte-Básico-de-Vida-Adulto (2019_02_01 16_08_35 UTC).pdfSuporte-Básico-de-Vida-Adulto (2019_02_01 16_08_35 UTC).pdf
Suporte-Básico-de-Vida-Adulto (2019_02_01 16_08_35 UTC).pdf
 
Rcp
RcpRcp
Rcp
 
Rcp
RcpRcp
Rcp
 
Cap 09-rcp
Cap 09-rcpCap 09-rcp
Cap 09-rcp
 
Suporte Básico de Vida 2019
Suporte Básico de Vida 2019Suporte Básico de Vida 2019
Suporte Básico de Vida 2019
 
Manual dea 2010
Manual dea 2010Manual dea 2010
Manual dea 2010
 
PCR - RCP
PCR - RCPPCR - RCP
PCR - RCP
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
Suporte básico de vida
 
Suporte básico de vida 9ºFS.pptx
Suporte básico de vida 9ºFS.pptxSuporte básico de vida 9ºFS.pptx
Suporte básico de vida 9ºFS.pptx
 
Suporte básico para estudos e apriimoramento.pptx
Suporte básico para estudos e apriimoramento.pptxSuporte básico para estudos e apriimoramento.pptx
Suporte básico para estudos e apriimoramento.pptx
 
3 parada cardiorrespiratoria
3 parada cardiorrespiratoria3 parada cardiorrespiratoria
3 parada cardiorrespiratoria
 
Manual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEM
Manual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEMManual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEM
Manual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEM
 
Suporte basico de vida em pediatria
Suporte basico de vida em pediatriaSuporte basico de vida em pediatria
Suporte basico de vida em pediatria
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
Suporte básico de vida
 
Primeiros socorrosbombeiro civil
Primeiros socorrosbombeiro civilPrimeiros socorrosbombeiro civil
Primeiros socorrosbombeiro civil
 
Diretriz de ressuscitação cardiopulmonar e cuidados cardiovasculares de emerg...
Diretriz de ressuscitação cardiopulmonar e cuidados cardiovasculares de emerg...Diretriz de ressuscitação cardiopulmonar e cuidados cardiovasculares de emerg...
Diretriz de ressuscitação cardiopulmonar e cuidados cardiovasculares de emerg...
 
M10 Suporte Basico de Vida.pptx
M10 Suporte Basico de Vida.pptxM10 Suporte Basico de Vida.pptx
M10 Suporte Basico de Vida.pptx
 
Aula PCR.pptx
Aula PCR.pptxAula PCR.pptx
Aula PCR.pptx
 
cartilha_rcp.pdf
cartilha_rcp.pdfcartilha_rcp.pdf
cartilha_rcp.pdf
 

Mais de Zeca Ribeiro

5a aula eletrocardiograma_(1)
5a aula eletrocardiograma_(1)5a aula eletrocardiograma_(1)
5a aula eletrocardiograma_(1)
Zeca Ribeiro
 
Particularidades do centro_cirurgico_(1)
Particularidades do centro_cirurgico_(1)Particularidades do centro_cirurgico_(1)
Particularidades do centro_cirurgico_(1)
Zeca Ribeiro
 
Saúde do Adulto
Saúde do AdultoSaúde do Adulto
Saúde do Adulto
Zeca Ribeiro
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgico
Zeca Ribeiro
 
DVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVCDVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVC
Zeca Ribeiro
 
O IMPACTO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOS A...
O IMPACTO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOS A...O IMPACTO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOS A...
O IMPACTO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOS A...
Zeca Ribeiro
 
Sistema Nervoso Central e SNP
Sistema Nervoso Central e SNPSistema Nervoso Central e SNP
Sistema Nervoso Central e SNP
Zeca Ribeiro
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
Zeca Ribeiro
 
Histologia Tecido Tegumentar.
Histologia Tecido Tegumentar.Histologia Tecido Tegumentar.
Histologia Tecido Tegumentar.
Zeca Ribeiro
 
Sistema Esquelético.
Sistema Esquelético.Sistema Esquelético.
Sistema Esquelético.
Zeca Ribeiro
 
Sistema Respiratório.
Sistema Respiratório.Sistema Respiratório.
Sistema Respiratório.
Zeca Ribeiro
 
Tanatologia Necrósia
Tanatologia Necrósia Tanatologia Necrósia
Tanatologia Necrósia
Zeca Ribeiro
 
ÉTica x Moral e Bioética
ÉTica x Moral e BioéticaÉTica x Moral e Bioética
ÉTica x Moral e Bioética
Zeca Ribeiro
 
Necrópsia ii livores de hipóstases
Necrópsia ii livores de hipóstasesNecrópsia ii livores de hipóstases
Necrópsia ii livores de hipóstases
Zeca Ribeiro
 

Mais de Zeca Ribeiro (14)

5a aula eletrocardiograma_(1)
5a aula eletrocardiograma_(1)5a aula eletrocardiograma_(1)
5a aula eletrocardiograma_(1)
 
Particularidades do centro_cirurgico_(1)
Particularidades do centro_cirurgico_(1)Particularidades do centro_cirurgico_(1)
Particularidades do centro_cirurgico_(1)
 
Saúde do Adulto
Saúde do AdultoSaúde do Adulto
Saúde do Adulto
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgico
 
DVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVCDVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVC
 
O IMPACTO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOS A...
O IMPACTO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOS A...O IMPACTO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOS A...
O IMPACTO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOS A...
 
Sistema Nervoso Central e SNP
Sistema Nervoso Central e SNPSistema Nervoso Central e SNP
Sistema Nervoso Central e SNP
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
 
Histologia Tecido Tegumentar.
Histologia Tecido Tegumentar.Histologia Tecido Tegumentar.
Histologia Tecido Tegumentar.
 
Sistema Esquelético.
Sistema Esquelético.Sistema Esquelético.
Sistema Esquelético.
 
Sistema Respiratório.
Sistema Respiratório.Sistema Respiratório.
Sistema Respiratório.
 
Tanatologia Necrósia
Tanatologia Necrósia Tanatologia Necrósia
Tanatologia Necrósia
 
ÉTica x Moral e Bioética
ÉTica x Moral e BioéticaÉTica x Moral e Bioética
ÉTica x Moral e Bioética
 
Necrópsia ii livores de hipóstases
Necrópsia ii livores de hipóstasesNecrópsia ii livores de hipóstases
Necrópsia ii livores de hipóstases
 

Último

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 

Último (20)

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 

Primeiros socorros SBV

  • 1. Prof. Ms. Enf. José Ribeiro dos Santos • Suporte Básico de Vida (SBV) . • Disciplina: Assistência de Enf. a Pacientes Graves
  • 2. Lembrando... Este material não deve ser utilizado como ÚNICA fonte de estudo. Ele é um guia de desenvolvimento para o treinamento, por tanto, o aluno deve estudar, copiar seu conteúdo no caderno, fazer buscas em outras fontes para aprofundar e aperfeiçoar suas competências e habilidades técnicas. Prof. José Ribeiro
  • 4. Introdução  Deixar de prestar socorro SIGNIFICA não dar nenhuma assistência à vítima.  A pessoa que chama por socorro especializado, por exemplo, já está prestando e providenciando socorro.  Qualquer pessoa que deixe de prestar ou providenciar socorro à vítima, podendo fazê-lo, estará cometendo o crime de omissão de socorro.  O artigo 135 do Código Penal Brasileiro é bem claro: deixar de prestar socorro à vítima de acidentes ou pessoas em perigo eminente, podendo fazê-lo, é crime.
  • 5. SUPORTE BÁSICO DE VIDA (SBV)  É o conjunto de medidas e procedimentos técnicos que objetivam manter oxigenação e, principalmente, perfusão dos órgãos vitais por meio de manobras contínuas.  É vital até a chegada do SAV (Suporte Avançado de vida)
  • 6. PRIMEIROS SOCORROS O QUE SÃO PRIMEIROS SOCORROS?
  • 7. Primeiros Socorros Como o próprio nome sugere, são os procedimentos de emergência que devem ser aplicados à uma pessoa em perigo de vida, visando manter os sinais vitaisos sinais vitais e evitando o agravamento, até que ela receba assistência definitiva. Prestar socorro sempre que a vítima não tiver condições de cuidar de si própria.
  • 8. VISANDO MANTER OSVISANDO MANTER OS SINAIS VITAIS...SINAIS VITAIS... O que são sinais vitais?
  • 9. Sinais Vitais São aqueles que evidenciam o funcionamento e alterações da função corporal.
  • 11. Parada Cardiorrespiratória A parada cardíaca é a cessação súbita da circulação sistêmica e atividade ventricular útil, em um indivíduo com expectativa de restauração da função cardiopulmonar e cerebral, não portador de doença intratável ou em fase terminal. Em conjunto a este evento interrompe-se a atividade respiratória, definindo-se, então, a parada cardiorrespiratória (PCR).
  • 12. Quais são os aspectos Fundamentais do SBV? I. Reconhecimento imediato da parada cardíaca; II. Acionar o serviço de Emergência; III. RCP Precoce; IV. Desfibrilação Rápida.
  • 13. Quais são as principais causas que poderão levar um individuo a uma PCR?
  • 14. causas de parada cardiorrespiratória  Afogamento ou Inalação de fumaça;  Acidentes por eletricidade;  Trauma/ Forte pancada na cabeça;  Envenenamento;  Hemorragias graves;  Bradicardia/ou hipóxia;  Overdose por drogas;  Acidente Cardiovascular.
  • 15. Quais são os Sinais Clínicos de uma PCR?
  • 16.  O reconhecimento da PCR baseia-se na tríade: inconsciência, ausência da respiração(movimentos torácicos) e ausência de pulso central (carotídeo).
  • 17. RCP  A reanimação tem sido uma aspiração humana há séculos.  No século passado a reanimação foi uma prática comum na Europa, pela técnica de rolar vítimas inconscientes sobre barris, na tentativa de mover o ar para dentro e para fora dos pulmões.  Apesar da ventilação boca-a-boca estar descrita na Bíblia (usada em recém nascidos por parteiras) somente no início dos anos 50 ela foi redescoberta pelos Dr. James Elam e Peter Safar nos Estados Unidos.
  • 18. • 1960, um grupo de pioneiros estudiosos da ressuscitação combinou respiração boca a boca com compressões torácicas para criar a ressuscitação cardiopulmonar, a ação de salvamento que hoje chamamos de “RCP”; • 1992 Com a evolução, foi criado, o International Liaison Committee on Resuscitation (ILCOR),
  • 19. Aliança Internacional  1993 foi formada uma Aliança Internacional dos Comitês em Ressuscitação (ILCOR)  Sociedade de Cardiologia Americana (AHA);  Conselho Europeu em Ressuscitação (ERC);  Comitê Australiano em Ressuscitação com o intuito de realizar estudos a partir de evidências cientificas.
  • 20. American Heart Association (AHA)  É responsável pela publicação científica Diretrizes para Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP);  Atendimento Cardiovascular de Emergência (ACE), [que é a base dos protocolos de salvamento utilizados por profissionais de saúde].
  • 21. OBJETIVO DO PROTOCOLO Padronizar o atendimento à parada cardiorrespiratória (PCR) para um atendimento rápido e organizado, com o intuito de aumentar a chance de sucesso das manobras de ressuscitação cardiopulmonar (RCP).
  • 22. Diretrizes.  2000, o ILCOR realizou a primeira Conferência para um Consenso em RCP e em conjunto com a AHA lançou uma nova diretriz para ressuscitação cardiopulmonar (RCP).  2005, após uma nova Conferência de Consenso, a AHA lançou outra diretriz com diversas mudanças para (RCP) baseadas em evidências científicas, dentre as quais a principal é a mudança da taxa de compressão- ventilação de 30:2, sendo que anteriormente era de 15:2.
  • 23. PROTOCLO da American Heart Association Até 2010 A -Airway- Vias aéreas; B -Breathing-respiração C –Circulation-Circulação 2015 C – Circulation-Circulação A -Airway- Vias aéreas; B -Breathing-respiração
  • 24. Protocolo de 2015  C= Circulação- verificar pulso em grandes vasos /estancar sangramento;  A= Vias aéreas – Verificar obstrução das vias, estabilizar a coluna cervical;  B= Boa respiração/ expansibilidade torácica; [Compressão/ ventilação]. Guidelines CPR 2015- American Heart Association
  • 25.
  • 26. Compressões Torácica mínino 100/ minuto e máximo 120. com 1 socorrista
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31. Quantas compressões torácicas/ ventilação deverá ser realizada quando estiver com 2 socorristas?
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 37.
  • 38.
  • 39. O DEA é igual ao Desfibrilador utilizado nos hospitais? Qual é a principal diferença entre eles?
  • 40. DEA I. Desfibrilador Externo Automâtico, o próprio equipamento dispara o choque conforme identificação do ritmo de choque. II. Pode ser utilizados por pessoas treinadas [leigas].
  • 41. DESFIBRILADOR • Ele não é automático; • Só pode ser usado pelo profissional médico; • Quem dispara o choque é o profissional.
  • 42. Tipos de modalidades de desfibriladores. Modelos X Modalidades Bifásico 200J Monofásico 360J
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 49. Quando iniciar as manobras de RCP?
  • 50. Quando iniciar as manobras de RCP? I. Quando identificar os sinais clínicos de RCP; II. Quando as manobras forem realmente beneficiar o paciente;
  • 51. Como agir Após identificar a parada chame imediatamente o serviço médico de emergência; Deite a vítima de costas e verifique o pulso dela; Na ausência dos 3 sinais. [tríade] I. Inconsciência; II.Ausência de pulso nos grandes vasos; III.Ausência de movimentos torácicos  solicite  ajuda  e  Inicie os procedimentos de (RCP);
  • 52. SBV •1º Checar responsividade. Chamar à vítima. (sem resposta)? •2º Verificar pulso em grandes vasos. (se estiver ausente). Solicitar ajuda •3º Verificar permeabilidade de VAS •4º Verificar expansibilidade torácica. (Se estiver ausente). Inicia-se as compressões torácicas. RCP  Mínimo 100 compressões/min. E máximo 120.
  • 53. Em qual situação eu não devo reanimar o individuo?
  • 54. Situação em que eu não devo reanimar o individuo I. Pacientes Carbonizados; II. Pacientes Decapitados; III. Pacientes em Fase Terminal; IV. Esmagamento de tórax; V. Rigidez; VI. Corte de pélvico; VII.Perda de massa cefálica.
  • 55. Qualidade da PCR  Checar pulso em 5 a 10 segundos, nunca ultrapassar 10 segundos;  Comprima o centro do tórax (metade inferior do esterno) com força e rapidez, com no mínimo 100 compressões por minuto e máximo 120 por minutos, com 1 socorrista;  Comprima com profundidade mínima de 5 cm, máximo 6 cm ou 2,4 polegadas;  Permita retorno total do tórax após cada compressão;  Minimize as interrupções nas compressões (10 segundos ou menos)  Alterar os profissionais a cada 2 minutos.
  • 57. Quando interromper as manobras de RCP? I. Vários fatores influenciarão a decisão de interromper as manobras de reanimação. Nesses fatores estão incluídos a história da patologia do paciente e seu prognóstico antecipado II. O período que transcorreu entre a parada cardíaca e o início das manobras de reanimação; III. O intervalo de tempo entre a parada cardíaca e a desfibrilação; IV. O tempo em que são realizadas as manobras avançadas de vida com a continuação da assistolia e a não identificação ou não reversão da causa da parada cardíaca; V. De maneira geral a reanimação deve ser continuada enquanto a fibrilação ventricular persistir.
  • 58. Suporte avançado de vida (SAV) PROF. José Ribeiro
  • 59. Suporte Avançado de Vida (SAV)  No suporte avançado de vida as compressões cardíacas são realizadas com 2 socorristas (30x2) 5 ciclos.  As ventilações com bolsa-valva-máscara são assincrônicas com as compressões, sendo realizadas 1 ventilação a cada10 segundos.
  • 60. Atribuição de cada profissional no atendimento à PCR De acordo com a orientação da American Heart Association (AHA), a equipe de atendimento deve dispor de cinco elementos assim distribuídos:
  • 61. Equipe de Atendimento I. - Um na ventilação; II. - Um na compressão torácica; III. Um anotador de medicamentose de tempo; IV.- Um na manipulação dos medicamentos; V.- Um no comando, próximo ao monitor/ECG.
  • 62.
  • 63. Ritmos desfibRiláveis xRitmos desfibRiláveis x não desfibRiláveisnão desfibRiláveis  Fibrilação Ventricular e Taquicardia Ventricular Sem pulso; (choque) Atividade elétrica sem pulso (AESP) e Assistolia. (não pode dar choque) Obs: DEA reconhece o ritmo de choque e ele mesmo dispara o choque (SBV)
  • 64. Causas de atividade elétrica sem pulso e assistolia Causa Tratamento Hipovolemia Volume Hipoxia Oxigênio (intubação endotraqueal) Hipo/hipercalemia Cloreto de potássio/bicarbonato de sódio 1 mEq/kg H+ (acidose metabólica) Bicarbonato de sódio 1 mEq/kg Hipotermia Reaquecimento Tamponamento cardíaco Punção pericárdica (Marfan) Tromboembolismo pulmonar Volume + reversão da PCR Trombose de coronariana Volume + reversão da PCR Pneumotórax hipertensivo Punção torácica de alívio Tóxicos (drogas) Antagonista específico
  • 67. Atividade elétrica sem pulsoAtividade elétrica sem pulso (AESP)(AESP)
  • 68.
  • 69. Diferença entre desfibrilação e cardioversão A desfibrilação e a cardioversão elétrica são procedimentos terapêuticos que salvam vidas e seu uso não se limita apenas a profissionais da área da saúde, podendo ser utilizados também por leigos treinados. (desfibrilação externa automática DEA). A desfibrilação elétrica é indicada apenas nas situações de FV e TV sem pulso. Neste caso o desfibrilador deve estar em modo ASSINCRONIZADO.
  • 70. Cardioversão A cardioversão elétrica é um procedimento na maioria das vezes eletivo, em que se aplica o choque elétrico de maneira SINCRONIZADA, ou seja, o paciente deve estar monitorado no cardioversor e este deve estar com o botão de sincronismo ativado, pois a descarga elétrica é liberada na onda R, ou seja, no período refratário.  A cardioversão elétrica é indicada nas situações de taquiarritmias como a fibrilação atrial (FA), flutter atrial, taquicardia paroxística supraventricular e taquicardias com complexo largo e com pulso.
  • 74.
  • 75.
  • 78.
  • 79.
  • 80.  ATLS- (Advanced Trauma Life Support- / Suporte Avançado de Vida no Trauma). Específico para médicos formados.  TLSN - (Trauma life support for nurses). Suporte Avançado de Vida no Trauma). ATCN e TLSN são específicos para enfermeiros formados.  PHTLS- (Prehospital Trauma Life Support- ou Suporte Pré- Hospitalar de Vida no Trauma). Bombeiros, seguranças, enfermeiros,médicos, estudantes da área da saúde, técnicos de enfermagem.  ACLS- Advanced Cardiac Life Support . (suporte avançado de vida). Enfermeiros, médicos e estudantes.  BLS - Basic Life Support (Suporte Básico de Vida) Público em geral
  • 83. Referências I. Guimarães HP. Registro Brasileiro de Ressuscitação Cardiopulmonar Intra- Hospitalar: Fatores Prognósticos de Sobrevivência Pós-ressuscitação. Teses apresentada ao Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia para obtenção do título de Doutor em Ciências. II. Guidelines CPR 2010- American Heart Association III. O leigo e o suporte básico de vida – SciELO. Pergola, Aline Maino. Araujo, Izilda Esmenina Muglia. Mestrandas em Enfermagem. Disponível em: WWW.U.USP.br/ruusp. [acesso dia 17/03/16] São Paulo www.scielo.br/pdf/reeusp/v43n2/a12v43n2.pdf. IV. Diretrizes da American Heart Association 2010, para RCP e ACE. Disponível em: www.ftp.medicina.ufmg.br/.../Destaques_das_Diretrizes_da_American_Heart [acesso dia 20/03/2016]. São Paulo. V. Protocolos de Suporte Básico de Vida. Ministério da Saúde. Manual SBV, com o Suporte Básico de Vida. (SBV) a pretender garantir o primeiro reconhecimento. Disponível em: WWW.u.saude.gov.br/images/pdf/2015/maio/26/basico-full.pdf. [acesso dia 22/03/2016]. São Paulo.