SlideShare uma empresa Scribd logo
PROFESSORES REGENTES
COORDENADORES PEDAGÓGICOS DAS UNIDADES EDUCACIONAIS
      EQUIPE GESTORA DAS UNIDADES EDUCACIONAIS
        EQUIPE PEDAGÓGICA DAS SUBSECRETARIAS
      EQUIPE PEDAGÓGICA DAS SUPERINTENDÊNCIAS




    PROPOSTA DE AVALIAÇÃO
              FORMATIVA




                         Proposta discutida por toda a rede
                         estadual     de    ensino      de     Goiás,
                         sistematizada pela equipe pedagógica
                         das    Subsecretarias       Regionais       de
                         Educação      do   Estado    de     Goiás    e
                         consolidada pelo Núcleo de Orientação
                         Pedagógica.




                    Estado de Goiás
                         2011
1.   Justificativa


        É consenso que o processo avaliativo deve ser realizado continuamente, com o
objetivo de garantir o acompanhamento das aprendizagens dos educandos. Tal
procedimento é validado, no âmbito nacional, pela LDB, em seu Artigo nº 25, e, no
âmbito estadual, pela Resolução nº 194/2005 do Conselho Estadual de Educação do
Estado de Goiás. Ambos documentos versam sobre a pertinência de um processo
avaliativo que seja contínuo e cumulativo, privilegiando os fatores qualitativos sobre
os quantitativos e tendo como objetivo principal o acompanhamento das
aprendizagens dos educandos. Com o intuito primordial de garantir o cumprimento
das leis que regem a educação no Estado de Goiás, apresenta-se essa proposta de
implementação da avaliação formativa em todas as Unidades Educacionais da rede.
        O benefício desse tipo de avaliação se torna ainda maior quando levamos em
conta o fato de que a provaé apenas um instrumento entre vários, e não deve ser
considerado como único instrumento de avaliação (da mesma forma que não pode ser
deixada de lado). Quando se avalia continuamente, as conferências de aprendizagens
são realizadas a todo momento, possibilitando o acompanhamentodo processo de
aprendizagem dos educandos e evitando que grande parte da nota do aluno seja
aferida em apenas um dia, com um único instrumento, a cada bimestre.
        Como a avaliação acompanha as aprendizagens e sabemos que estas ocorrem
de maneira variada em cada sujeito presente na sala de aula, torna-se necessário que a
cada elemento avaliado, também se tenha o elemento recuperado, para que a
avaliação não recaia na punição, mas que o aluno tenha a oportunidade de rever o que
foi ensinado e, consequentemente, recuperar a nota do critério aplicado.
        A grande maioria das Unidades Educacionais da Secretaria de Estado da
Educação, quiçá todas, possuem a avaliação e a recuperação contínua como processos
recorrentes e constantes de seus PPP’s. Entretanto, há ainda divergência no que refere
à implementação efetiva desse tipo de avaliação. A maior dificuldade vê-se presente
nos critérios passíveis de avaliação. Tornou-se senso comum que se dê nota para
assiduidade, participação, que se contem os vistos ao fim do bimestre, entre outros
procedimentos que erroneamente consideram-se como pertinentes a um processo de
avaliação contínua. Assiduidade, participação e realização de atividades são pré-
requisitos do processo de ensino aprendizagem, por isso, deve-se questionar a
validade da mensuração de tais elementos. Esses pré-requisitos precisam ser


                                                                                    2
considerados e discutidos a todo o momento, afinal, o processo avaliativo deve levar
em conta o sujeito como um todo. Mas a nota ou conceito deve ser conferido através
dos instrumentos que percebam a aprendizagem do aluno e o método de ensino do
professor.
        A avaliação formativa deve ser capaz de identificar os alunos que apresentem
aprendizagens insatisfatórias e cabe ao professor, juntamente com o coordenador
pedagógico da Unidade Educacional, analisar tais resultados para identificar o real
motivo da dificuldade do aluno. “Ele não está se esforçando o suficiente?” “Falta
explicação?” “Esse aluno precisa de mais atividades?” “O professor deve lançar mão
de outro instrumento ou de outras metodologias?” “O problema está na base do
aluno?”A avaliação diagnóstica nos auxilia a identificar essas especificidades no
aprendizado de cada sujeito, e a partir dos resultados pode-se tomar providências
preventivas (no início do ano), tais quais: reenturmação 1 , nivelamento 2 , aulas de
reforço3, motivação, incentivo à leitura, entre outras ações. Já durante o ano letivo, o
acompanhamento individual do aluno, sem prejuízo para as aulas (ou seja, o aluno
não deve ser retirado de sala para acompanhamento), é a melhor maneira de garantir
aprendizagens significativas.
        Com relação à recuperação, que se quer como contínua, o que se tem como
consenso é que seja realizada apenas ao fim do bimestre e, algumas vezes, apenas ao
fim do ano letivo. Dessa forma, tem-se a oportunidade de recuperar a nota do
educando, mas torna-se praticamente inviável a recuperação da aprendizagem. Uma


1
  Promover novos caminhos de aprendizagem para alunos com necessidades semelhantes. Organizar os
alunos por critérios de dificuldades, em classes que têm uma semana de aulas de reforço ao final de
cada bimestre. Os alunos que precisam de maior apoio devem passar parte das aulas diárias – em geral,
o período após o recreio – em uma única classe. Alcançado um nível satisfatório de rendimento, as
turmas retomam sua formação original. Não podemos caracterizar a velha prática da “turma forte” e
“turma fraca”, mas esse movimento esporádico muitas vezes, se bem planejado, reverte-se em bons
resultados. Sugere-se que na primeira fase do Ensino Fundamental este trabalho seja realizado com
maior frequência.
2
 Dispor de aulas para retomar os conhecimentos básicos das séries posteriores, de modo a corrigir as
deficiências na base de aprendizado do aluno detectadas pela avaliação diagnóstica.
3
 Aulas de reforço ou aulões de revisão devem ser realizadas no horário de aula e, também, no turno de
ampliação ou até mesmo nos finais de semana. Cabe ao Gestor da Unidade Educacional a
sensibilização da comunidade e dos professores para que esse trabalho seja realizado de maneira
satisfatória. Temos depoimentos de experiências de sucesso em algumas unidades de nosso Estado.Um
exemplo é o que acontece no Colégio Estadual Zico Monteiro, localizado na cidade de Uruana. Lá há
ampla mobilização de professores que se dispõem a desenvolver este trabalho. Nesta organização,
sugere-se criar horário diferenciado, com aulas de maior duração e com turmas menores, de tal forma
que a cada dia/semana, no máximo, dois professores sejam destacados para esta ação. Isso faz com que
não haja sobrecarga de trabalho e os resultados sejam positivos.


                                                                                                       3
recuperação que não leve em conta as características específicas de cada educando,
não poderá combater a dificuldade do aluno, reduzindo-se a apenas evitar a
reprovação.
       Desse modo, é preciso que fique claro o objetivo dessa proposta: não se trata
de um procedimento que vise “dar chances” aos alunos para que eles tenham boa nota
e nenhum aprendizado. Pelo contrário, é necessário que se instigue nos educandos e
em seus responsáveis a responsabilidade nesse processo, para que consigam avançar
no desenvolvimento cognitivo, tendo a nota como a consequência natural e não o fim.
       E por entender que a escola é a instituição social responsável pela formação e
o desenvolvimento do sujeito com foco na aprendizagem que se apresenta essa
proposta de avaliação formativa, visando explanar de maneira objetiva e clara os
procedimentos a serem seguidos para que essa avaliação contínua verdadeiramente
favoreça ao aprendizado e não unicamente a nota do educando.




                                                                                   4
2.   Metodologia


         Em primeiro lugar, deve-se deixar claro para os alunos qual o objetivo de cada
uma das aulas, para que se possa estabelecer precisamente quais os critérios da
avaliação subsequente e, também, para que o aluno seja capaz de se autoavaliar,
sabendo precisamente quais pontos ele deveria ter alcançado, bem como explanar
sobre os motivos que acarretaram em uma aprendizagem insatisfatória. Aliás, apontar
precisamente o que é ensinado, e o que se espera que o aluno aprenda, deve se tornar
rotina, inclusive documentada no Diário de Bordo4, pois, com esse procedimento, o
professor, aluno e o coordenador pedagógico serão capazes de analisar precisamente o
desempenho obtido/esperado.
         Cabem ao Gestor da Unidade Educacional e ao Coordenador Pedagógico
garantir que o processo avaliativo seja efetivamente formativo e cumulativo,
resguardando o direito do aluno de ter uma avaliação que acompanhe sua
aprendizagem e o recupere, tendo em vista a especificidade de sua dificuldade. Dessa
forma, haverá a efetiva implementação da Resolução CEE Nº 194, de 19 de agosto de
2005, que versa sobre a aplicação de uma avaliação contínua, formativa e cumulativa,
que privilegie os fatores qualitativos aos quantitativos. Por isso, os gestores
educacionais devem ter o cuidado de orientar/acompanhar o registro da realização da
avaliação formativa em diários, atas, planilhas ou outros tipos de registros que
documentem o trabalho da Unidade Educacional nesse sentido.



4
 O Caderno de anotação ou Diário de bordo é uma ferramenta simples de auxílio ao professor no
registro e acompanhamento do desempenho das atividades realizadas em cada turma. É um instrumento
que se destina a três finalidades:
• Registro de tarefas (sala e casa), comportamento e algumas imposturas
    Procedimento: cria-se um código para registro de cada situação passível de acontecer em sala de
    aula. Constrói-se uma planilha com o número e nome dos alunos na primeira e segunda coluna,
    respectivamente, e espaço como os da chamada para serem colocados as aulas (1ª, 2ª , 3ª, 4ª, 5ª e 6ª)
    para cada dia. A planilha pode ser trocada a cada semana ou a cada quinze dias. Nestes espaços, o
    professor anota as inobservâncias de cada aluno em sua aula, de acordo com o código. Isso é
    interessante, pois o professor tem uma noção de como o aluno está nas outras disciplinas.
• Registro de aula
    Procedimento: em uma outra planilha do mesmo caderno, o representante da turma fará a anotação
    do objetivo de cada uma das aulas no dia. Isso é interessante, pois o aluno passa a saber qual o
    objetivo de cada aula, podendo assim avaliar se aprendeu ou não.
• Avaliação do dia
    Procedimento: o representante de turma realiza diariamente a avaliação simples e objetiva daquele
    dia específico. Isso é interessante, pois o professor tem a oportunidade de ter o feedback dos alunos
    praticamente de imediato, possibilitando a adoção de outras metodologias, caso necessário.



                                                                                                       5
Uma planilha de avaliação pode ser usada para consolidar os resultados
obtidos pelos educandos nos instrumentos avaliativos implementados, o objetivo é
que a cada conteúdo trabalhado, sejaprocedido deavaliação/mensuração. Dessa forma,
sugere-se estabelecer uma diversidade de instrumentos avaliativos, de modo que
acompanhe o processo de ensino aprendizagem. Esta planilha sistematiza os
resultados alcançados e possibilita a identificação das falhas do processo, norteando
os pontos específicos de intervenção. Apresenta-se aqui um modelo de planilha, mas a
Unidade Educacional tem a liberdade de adotar seu próprio documento, só aconselha-
se que não sejam usados pesos, para que não se corra o risco de privilegiar certos
instrumentos avaliativos (prova/teste) em detrimento de outros.
       Mas apenas a planilha não é suficiente, os resultados dos alunos devem ser
analisados pelo professor e coordenador pedagógico, de modo a estabelecer os pontos
específicos de intervenção, visto que uma recuperação genérica, que não leve em
consideração a dificuldade específica do educando, não possui validade no que se
refere ao aprendizado do mesmo. A avaliação possibilita alguns questionamentos:
“Por que o meu aluno não aprende?” “São apenas pelos fatores externos?” “O que
ensino e como ensino é significativo?”. E tais questionamentos precisam de respostas,
para que o processo de ensino aprendizagem efetivamente ocorra.
       A recuperação contínua deve, portanto, ser feita a partir de intervenções
pedagógicas, a cada resultado negativo em um dos critérios, não devendo esperar o
fim do bimestre para sua realização, para que se recupere a aprendizagem e não a
nota. Essas intervenções podem ser implementadas através de atividades individuais e
coletivas, orais e escritas, sempre se preocupando em retomar o conteúdo no qual o
aluno está com dificuldade, acompanhando com bastante atenção aos educandos que
recorrentemente apresentarem resultados ruins, para que se percebam as
especificidades de aprendizagem de cada um dos educandos.
       Os elementos socioafetivos não são mensuráveis, mas analisados e debatidos
no Conselho de Classe ou em reuniões com o coordenador pedagógico, objetivando a
compreensão das especificidades de aprendizagem/comportamento/interação de cada
educando. O Vice-diretor também pode auxiliar na análise dos elementos
socioafetivos, visto que convive diariamente com os educandos. Apenas com a visão
plena do sujeito para o qual se ensina, é possível identificar as dificuldades
apresentadas e saná-las em tempo hábil. O registro dos elementos socioafetivos de



                                                                                   6
cada educando deve ser efetivado pelo Professor Padrinho da Turma 5 e os dados
coletados discutidos de forma coletiva, principalmente para que se tomem decisões
importantes com relação a reenturmação, nivelamento, promoção etc.




5
 Aquele que ficará responsável por dar especial atenção a uma turma específica da escola. Será
atribuição dele, naquela turma, o acompanhamento, orientação e aconselhamento de cada educando, no
que se refere ao aprendizado e às posturas positivas ou negativas em sala de aula. O professor padrinho
é o responsável pelo desempenho da turma e sua análise e discussão nos conselhos de classe. Essa
iniciativa facilita o acompanhamento dos alunos do 6º ano ao Ensino Médio, visto que nesse nível há
vários professores por turma com tempo restrito em cada uma, dificultando, assim, o trabalho
especializado do professor com cada aluno.Na cidade de Sobral - CE, esta prática ocorre com muito
êxito, sob a terminologia de Diretor de turma ao invés de Professor padrinho de turma, lá os índices de
evasão foram reduzidos a praticamente zero. Ou seja, é uma iniciativa que deve ser reproduzida, para
que possamos também reduzir nossos índices de evasão e melhorar as aprendizagens significativas.



                                                                                                     7
3.   Instrumentos avaliativos


      Cada instrumento avaliativo possui um objetivo específico e critérios diversos.
Desse modo, para se atender a uma diversidade de sujeitos, deve-se implementar a
maior variedade possível de instrumentos. Segue uma lista com os instrumentos
avaliativos mais comuns e seus respectivos objetivos:
•     Prova objetiva: série de perguntas diretas para respostas curtas com apenas
      uma solução possível.
      Objetivo: avaliar o quanto o educando apreendeu sobre dados singulares e
      específicos do conteúdo.
•     Prova dissertativa: série de perguntas que exigem capacidade de estabelecer
      relações, resumos, análises e julgamentos.
      Objetivo: verificar a capacidade de analisar o problema central, formular ideias
      e redigi-las.
•     Seminário e exposições: exposição oral para um público, utilizando a fala e
      materiais de apoio próprios ao tema.
      Objetivo: identificar os conhecimentos apreendidos, a capacidade de síntese, a
      habilidade de uso da linguagem oral e a metodologia da exposição.
•     Debates: afere o conhecimento a partir da argumentação.
      Objetivo: identificar os conhecimentos apreendidos, a capacidade de síntese, a
      habilidade de uso da linguagem oral, as estratégias de convencimento e o
      respeito à diversidade de opiniões.
•     Auto avaliação: análise oral ou escrita que o aluno faz do próprio processo de
      aprendizagem.
      Objetivo: fazer o aluno adquirir a capacidade de analisar o que aprendeu e os
      motivos de aprendizagens insatisfatórias.




                                                                                    8
4.   Resultados esperados


       Espera-se que seja resgatado o objetivo primordial da avaliação, que é o de
acompanhar as aprendizagens dos educandos, em detrimento da prática usual de
apenas pontuar o aluno para encerrar o bimestre. Ao acompanhar as aprendizagens
através da avaliação contínua, torna-se necessário intervir nos resultados alcançados,
em especial aos estudantes que não tenham obtido aprendizagens significativas em
cada um dos instrumentos aplicados, sendo necessário a recuperação, não ao final do
bimestre, mas no momento imediato de cada um dos resultados considerados
insatisfatórios, garantindo dessa forma a aprendizagem efetiva.




                                                                                    9
5.   Cronograma de execução


     • 04 a 11/07: construção coletiva da versão preliminar com a participação de
         gestores de algumas Unidades Educacionais do Estado.
     • 21/07: apresentação da versão preliminar da proposta aos coordenadores
         pedagógicos das Subsecretarias Regionais da Educação.
     • 1º a 15/08: discussão com toda a rede estadual de ensino (responsáveis: tutores
         e coordenadores pedagógicos das Unidades Educacionais).
     • 17/08: envio da sistematização das propostas das Unidades Educacionais ao
         Núcleo de Orientação Pedagógica (uma proposta por subsecretaria).
     • 18 a 25/08: finalização da proposta tendo em vista as contribuições da rede.
     • 26/08: divulgação da versão final da proposta no site da Secretaria de Estado
         da Educação de Goiás.




                                                                                      10
6.   Referências bibliográficas


ARAUJO, João Batista; CHADWICK, Oliveira Clifton. Aprender e ensinar. 9a Ed.
Belo Horizonte: Instituto Alfa e Beto, 2008.
BRASIL. Lei de diretrizes e bases da educação nacional – 9.394/96. Brasília, 1996.
ESTADO DE GOIÁS. Conselho Estadual de Educação. “Resolução CEE Nº 194, de
19 de agosto de 2005”. Goiás, 2005.
MARTINS, João Carlos. “Vygotsky e o papel das interações sociais na sala de aula:
reconhecer        e        desvendar           o     mundo”.         Disponívelem:
http://www.crmariocovas.sp.gov.br. Acesso em: 18/07/2011 às 18:00.
Relatóriosenviadospelas 38 SubsecretariasRegionais da Educação.




                                                                                 11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Criterios avaliacao-fernando pessoa 2012-13
Criterios avaliacao-fernando pessoa 2012-13Criterios avaliacao-fernando pessoa 2012-13
Criterios avaliacao-fernando pessoa 2012-13
Pedro Costa
 
2014 imp-crit.aval-horta
2014 imp-crit.aval-horta2014 imp-crit.aval-horta
2014 imp-crit.aval-horta
etelvinacastro
 
Manual com os objetivos do curso de enfermagem - pppppd
Manual com os objetivos do curso de enfermagem - pppppdManual com os objetivos do curso de enfermagem - pppppd
Manual com os objetivos do curso de enfermagem - pppppd
Mikael Figueredo Gonçalves
 
Decreto - Lei
Decreto - LeiDecreto - Lei
Decreto - Lei
Ministerio_Educacao
 
Trabalho final medidas educativas para alunos com nee
Trabalho final   medidas educativas para alunos com neeTrabalho final   medidas educativas para alunos com nee
Trabalho final medidas educativas para alunos com nee
cacildatavares
 
Avaliação diagnóstica. textos.
Avaliação diagnóstica.   textos.Avaliação diagnóstica.   textos.
Avaliação diagnóstica. textos.
rbellonia
 
A avaliação deve orientar a aprendizagem
A avaliação deve orientar a aprendizagemA avaliação deve orientar a aprendizagem
A avaliação deve orientar a aprendizagem
Roberto Costa
 
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
aninhaw2
 
Apresentação avaliação romilda
Apresentação avaliação romildaApresentação avaliação romilda
Apresentação avaliação romilda
gracykf
 
3ciclo. (1)
3ciclo. (1)3ciclo. (1)
3ciclo. (1)
Socorro Barros
 
Avaliação em perrenoud
Avaliação em perrenoudAvaliação em perrenoud
Avaliação em perrenoud
FranciscaLidianeArau
 
Critérios de avaliação 1º ciclo
Critérios de avaliação 1º cicloCritérios de avaliação 1º ciclo
Critérios de avaliação 1º ciclo
Marisa Luna
 
Dl 54 2018 m.a.p resumo
Dl 54 2018 m.a.p  resumoDl 54 2018 m.a.p  resumo
Dl 54 2018 m.a.p resumo
GildaMarisa
 
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...
SEEDUC-RJ
 
Circular gestao do curriculo
Circular gestao do curriculoCircular gestao do curriculo
Circular gestao do curriculo
Bela Catarina
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
ninadohelio Dias Marinho Coelho
 
Texto avaliação
Texto avaliaçãoTexto avaliação
Texto avaliação
elannialins
 
Auto aval
Auto avalAuto aval
Auto aval
ziquinha
 
Indicadores de Qualidade na Escola
Indicadores de Qualidade na EscolaIndicadores de Qualidade na Escola
Indicadores de Qualidade na Escola
Raffael Bottoli Schemmer
 
Avaliação recuperação
Avaliação recuperaçãoAvaliação recuperação
Avaliação recuperação
Gilson Trajano
 

Mais procurados (20)

Criterios avaliacao-fernando pessoa 2012-13
Criterios avaliacao-fernando pessoa 2012-13Criterios avaliacao-fernando pessoa 2012-13
Criterios avaliacao-fernando pessoa 2012-13
 
2014 imp-crit.aval-horta
2014 imp-crit.aval-horta2014 imp-crit.aval-horta
2014 imp-crit.aval-horta
 
Manual com os objetivos do curso de enfermagem - pppppd
Manual com os objetivos do curso de enfermagem - pppppdManual com os objetivos do curso de enfermagem - pppppd
Manual com os objetivos do curso de enfermagem - pppppd
 
Decreto - Lei
Decreto - LeiDecreto - Lei
Decreto - Lei
 
Trabalho final medidas educativas para alunos com nee
Trabalho final   medidas educativas para alunos com neeTrabalho final   medidas educativas para alunos com nee
Trabalho final medidas educativas para alunos com nee
 
Avaliação diagnóstica. textos.
Avaliação diagnóstica.   textos.Avaliação diagnóstica.   textos.
Avaliação diagnóstica. textos.
 
A avaliação deve orientar a aprendizagem
A avaliação deve orientar a aprendizagemA avaliação deve orientar a aprendizagem
A avaliação deve orientar a aprendizagem
 
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
 
Apresentação avaliação romilda
Apresentação avaliação romildaApresentação avaliação romilda
Apresentação avaliação romilda
 
3ciclo. (1)
3ciclo. (1)3ciclo. (1)
3ciclo. (1)
 
Avaliação em perrenoud
Avaliação em perrenoudAvaliação em perrenoud
Avaliação em perrenoud
 
Critérios de avaliação 1º ciclo
Critérios de avaliação 1º cicloCritérios de avaliação 1º ciclo
Critérios de avaliação 1º ciclo
 
Dl 54 2018 m.a.p resumo
Dl 54 2018 m.a.p  resumoDl 54 2018 m.a.p  resumo
Dl 54 2018 m.a.p resumo
 
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...
Manual de Operacionalização da Portaria SEEDUC 419-2013 - AVALIAÇÃO ESCOLA PÚ...
 
Circular gestao do curriculo
Circular gestao do curriculoCircular gestao do curriculo
Circular gestao do curriculo
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Texto avaliação
Texto avaliaçãoTexto avaliação
Texto avaliação
 
Auto aval
Auto avalAuto aval
Auto aval
 
Indicadores de Qualidade na Escola
Indicadores de Qualidade na EscolaIndicadores de Qualidade na Escola
Indicadores de Qualidade na Escola
 
Avaliação recuperação
Avaliação recuperaçãoAvaliação recuperação
Avaliação recuperação
 

Destaque

Prévia - Kirby and The Rainbow Curse (WiiU)
Prévia - Kirby and The Rainbow Curse (WiiU)Prévia - Kirby and The Rainbow Curse (WiiU)
Prévia - Kirby and The Rainbow Curse (WiiU)
Gabriel Leles
 
El uso de las TIC en la educacion.
El uso de las TIC en la educacion.El uso de las TIC en la educacion.
El uso de las TIC en la educacion.
Hector Perlaza
 
Programacion 8 agosto
Programacion 8 agostoProgramacion 8 agosto
Programacion 8 agosto
COPE Pérez
 
Da Almedina à Feliz Lusitânia: personagens do patrimônio
Da Almedina à Feliz Lusitânia: personagens do patrimônioDa Almedina à Feliz Lusitânia: personagens do patrimônio
Da Almedina à Feliz Lusitânia: personagens do patrimônio
Laboratório de Memória e Patrimônio Cultural
 
Trabajo 2
Trabajo  2Trabajo  2
Trabajo 2
waltercami
 
Transitores
TransitoresTransitores
Transitores
caely_03
 
Producción expo
Producción expoProducción expo
Producción expo
Eta Carinae
 
Leoye educativos
Leoye educativosLeoye educativos
Leoye educativos
Oscar Reynaga
 
Denatravel
DenatravelDenatravel
Denatravel
M Rouss GM
 
Skinner, b. f._ciãªncia_e_comportamento_humano
Skinner, b. f._ciãªncia_e_comportamento_humanoSkinner, b. f._ciãªncia_e_comportamento_humano
Skinner, b. f._ciãªncia_e_comportamento_humano
Documenta Treinamentos
 
Marc 006
Marc 006Marc 006
Marc 006
PrimerosSuenos
 
El verbo a
El verbo aEl verbo a
El verbo a
angelruiz2002
 
Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
Kathlin Tandazo
 
Privacidad en internet doble visión
Privacidad en internet  doble visiónPrivacidad en internet  doble visión
Privacidad en internet doble visión
PrivacidadZGZ
 
Cursos de Idiomas en el Extranjero Mosaico Idiomas
Cursos de Idiomas en el Extranjero Mosaico IdiomasCursos de Idiomas en el Extranjero Mosaico Idiomas
Cursos de Idiomas en el Extranjero Mosaico Idiomas
Jose María Zambrano Ruiz
 
Pesquisa Irbem Ibope 2013 Tabelas
Pesquisa Irbem Ibope 2013 TabelasPesquisa Irbem Ibope 2013 Tabelas
Pesquisa Irbem Ibope 2013 Tabelas
GerryConfort
 
Samsung galaxy ace s5830 m
Samsung galaxy ace s5830 mSamsung galaxy ace s5830 m
Samsung galaxy ace s5830 m
Carlos Erazo
 
Bioinfo - Grad - 8
Bioinfo - Grad - 8Bioinfo - Grad - 8
Bioinfo - Grad - 8
Gabriel Fernandes
 
Santana do Bujaru: lugar de memória ou não-lugar?
Santana do Bujaru: lugar de memória ou não-lugar?Santana do Bujaru: lugar de memória ou não-lugar?
Santana do Bujaru: lugar de memória ou não-lugar?
Laboratório de Memória e Patrimônio Cultural
 

Destaque (20)

Prévia - Kirby and The Rainbow Curse (WiiU)
Prévia - Kirby and The Rainbow Curse (WiiU)Prévia - Kirby and The Rainbow Curse (WiiU)
Prévia - Kirby and The Rainbow Curse (WiiU)
 
El uso de las TIC en la educacion.
El uso de las TIC en la educacion.El uso de las TIC en la educacion.
El uso de las TIC en la educacion.
 
Programacion 8 agosto
Programacion 8 agostoProgramacion 8 agosto
Programacion 8 agosto
 
Da Almedina à Feliz Lusitânia: personagens do patrimônio
Da Almedina à Feliz Lusitânia: personagens do patrimônioDa Almedina à Feliz Lusitânia: personagens do patrimônio
Da Almedina à Feliz Lusitânia: personagens do patrimônio
 
Trabajo 2
Trabajo  2Trabajo  2
Trabajo 2
 
Transitores
TransitoresTransitores
Transitores
 
Producción expo
Producción expoProducción expo
Producción expo
 
En svenskklassiker diplom
En svenskklassiker diplomEn svenskklassiker diplom
En svenskklassiker diplom
 
Leoye educativos
Leoye educativosLeoye educativos
Leoye educativos
 
Denatravel
DenatravelDenatravel
Denatravel
 
Skinner, b. f._ciãªncia_e_comportamento_humano
Skinner, b. f._ciãªncia_e_comportamento_humanoSkinner, b. f._ciãªncia_e_comportamento_humano
Skinner, b. f._ciãªncia_e_comportamento_humano
 
Marc 006
Marc 006Marc 006
Marc 006
 
El verbo a
El verbo aEl verbo a
El verbo a
 
Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
 
Privacidad en internet doble visión
Privacidad en internet  doble visiónPrivacidad en internet  doble visión
Privacidad en internet doble visión
 
Cursos de Idiomas en el Extranjero Mosaico Idiomas
Cursos de Idiomas en el Extranjero Mosaico IdiomasCursos de Idiomas en el Extranjero Mosaico Idiomas
Cursos de Idiomas en el Extranjero Mosaico Idiomas
 
Pesquisa Irbem Ibope 2013 Tabelas
Pesquisa Irbem Ibope 2013 TabelasPesquisa Irbem Ibope 2013 Tabelas
Pesquisa Irbem Ibope 2013 Tabelas
 
Samsung galaxy ace s5830 m
Samsung galaxy ace s5830 mSamsung galaxy ace s5830 m
Samsung galaxy ace s5830 m
 
Bioinfo - Grad - 8
Bioinfo - Grad - 8Bioinfo - Grad - 8
Bioinfo - Grad - 8
 
Santana do Bujaru: lugar de memória ou não-lugar?
Santana do Bujaru: lugar de memória ou não-lugar?Santana do Bujaru: lugar de memória ou não-lugar?
Santana do Bujaru: lugar de memória ou não-lugar?
 

Semelhante a Proposta da rede estadual de avaliação formativa formatado 29 08-11

Avalaciação educacional: Um tema recorrente na Educação Brasileira
Avalaciação educacional: Um tema recorrente na Educação BrasileiraAvalaciação educacional: Um tema recorrente na Educação Brasileira
Avalaciação educacional: Um tema recorrente na Educação Brasileira
Gustavo Lisboa
 
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - rea
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - reaA avaliação no processo de ensino aprendizagem - rea
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - rea
Elizeu Gomes de Faria
 
Avaliacao formativa
Avaliacao formativaAvaliacao formativa
Avaliacao formativa
Marcelo Brito
 
1 artigo simone helen drumond fund. sócio, político e filosófico da educação...
1 artigo simone helen drumond  fund. sócio, político e filosófico da educação...1 artigo simone helen drumond  fund. sócio, político e filosófico da educação...
1 artigo simone helen drumond fund. sócio, político e filosófico da educação...
SimoneHelenDrumond
 
Supervisão
SupervisãoSupervisão
Supervisão
Helena Zanotto
 
Ideias 22 p089-090_c
Ideias 22 p089-090_cIdeias 22 p089-090_c
Ideias 22 p089-090_c
Selmy Araujo
 
Slide avaliação
Slide avaliação Slide avaliação
Slide avaliação
raul6coite
 
Cartilha de avaliação
Cartilha de avaliaçãoCartilha de avaliação
Cartilha de avaliação
janetnery
 
Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptxApresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
SupervisoEMAC
 
Atividades relativas ao livro 06 1ª etapa
Atividades relativas ao livro 06 1ª etapaAtividades relativas ao livro 06 1ª etapa
Atividades relativas ao livro 06 1ª etapa
heder oliveira silva
 
finalização de semestre.pptx
finalização de semestre.pptxfinalização de semestre.pptx
finalização de semestre.pptx
MARCIOJOSEMARTIRE
 
Avaliação em cursos remotos.pdf
Avaliação em cursos remotos.pdfAvaliação em cursos remotos.pdf
Avaliação em cursos remotos.pdf
AlessandraRodrigues800177
 
Didática e Ensino Remoto: avaliação da aprendizagem
Didática e Ensino Remoto: avaliação da aprendizagemDidática e Ensino Remoto: avaliação da aprendizagem
Didática e Ensino Remoto: avaliação da aprendizagem
Leonardo Severo
 
Limites
LimitesLimites
Projeto
ProjetoProjeto
Ivanildo tcc especialização
Ivanildo tcc especializaçãoIvanildo tcc especialização
Ivanildo tcc especialização
ivanildopontinha
 
Tipos de avaliações
Tipos de avaliaçõesTipos de avaliações
Tipos de avaliações
Lauri Rene Reis Filho
 
Folha avaliação formativa[15433]
Folha   avaliação formativa[15433]Folha   avaliação formativa[15433]
Folha avaliação formativa[15433]
pereyras
 
AVALIAÇÃO FORMATIVA artigo.docx
AVALIAÇÃO FORMATIVA artigo.docxAVALIAÇÃO FORMATIVA artigo.docx
AVALIAÇÃO FORMATIVA artigo.docx
MirianCes
 
AvaliaçãO
AvaliaçãOAvaliaçãO
AvaliaçãO
Maristela Couto
 

Semelhante a Proposta da rede estadual de avaliação formativa formatado 29 08-11 (20)

Avalaciação educacional: Um tema recorrente na Educação Brasileira
Avalaciação educacional: Um tema recorrente na Educação BrasileiraAvalaciação educacional: Um tema recorrente na Educação Brasileira
Avalaciação educacional: Um tema recorrente na Educação Brasileira
 
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - rea
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - reaA avaliação no processo de ensino aprendizagem - rea
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - rea
 
Avaliacao formativa
Avaliacao formativaAvaliacao formativa
Avaliacao formativa
 
1 artigo simone helen drumond fund. sócio, político e filosófico da educação...
1 artigo simone helen drumond  fund. sócio, político e filosófico da educação...1 artigo simone helen drumond  fund. sócio, político e filosófico da educação...
1 artigo simone helen drumond fund. sócio, político e filosófico da educação...
 
Supervisão
SupervisãoSupervisão
Supervisão
 
Ideias 22 p089-090_c
Ideias 22 p089-090_cIdeias 22 p089-090_c
Ideias 22 p089-090_c
 
Slide avaliação
Slide avaliação Slide avaliação
Slide avaliação
 
Cartilha de avaliação
Cartilha de avaliaçãoCartilha de avaliação
Cartilha de avaliação
 
Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptxApresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
 
Atividades relativas ao livro 06 1ª etapa
Atividades relativas ao livro 06 1ª etapaAtividades relativas ao livro 06 1ª etapa
Atividades relativas ao livro 06 1ª etapa
 
finalização de semestre.pptx
finalização de semestre.pptxfinalização de semestre.pptx
finalização de semestre.pptx
 
Avaliação em cursos remotos.pdf
Avaliação em cursos remotos.pdfAvaliação em cursos remotos.pdf
Avaliação em cursos remotos.pdf
 
Didática e Ensino Remoto: avaliação da aprendizagem
Didática e Ensino Remoto: avaliação da aprendizagemDidática e Ensino Remoto: avaliação da aprendizagem
Didática e Ensino Remoto: avaliação da aprendizagem
 
Limites
LimitesLimites
Limites
 
Projeto
ProjetoProjeto
Projeto
 
Ivanildo tcc especialização
Ivanildo tcc especializaçãoIvanildo tcc especialização
Ivanildo tcc especialização
 
Tipos de avaliações
Tipos de avaliaçõesTipos de avaliações
Tipos de avaliações
 
Folha avaliação formativa[15433]
Folha   avaliação formativa[15433]Folha   avaliação formativa[15433]
Folha avaliação formativa[15433]
 
AVALIAÇÃO FORMATIVA artigo.docx
AVALIAÇÃO FORMATIVA artigo.docxAVALIAÇÃO FORMATIVA artigo.docx
AVALIAÇÃO FORMATIVA artigo.docx
 
AvaliaçãO
AvaliaçãOAvaliaçãO
AvaliaçãO
 

Mais de Linna Braga

Ficha de ..
Ficha de ..Ficha de ..
Ficha de ..
Linna Braga
 
Cadastro simec
Cadastro simecCadastro simec
Cadastro simec
Linna Braga
 
Bolsa futuro
Bolsa futuroBolsa futuro
Bolsa futuro
Linna Braga
 
Cartilha
CartilhaCartilha
Cartilha
Linna Braga
 
Orientacoes cadastro escola nova - simec 2012
Orientacoes cadastro   escola nova - simec  2012Orientacoes cadastro   escola nova - simec  2012
Orientacoes cadastro escola nova - simec 2012
Linna Braga
 
Oficio circular n 048 2011
Oficio circular n 048 2011Oficio circular n 048 2011
Oficio circular n 048 2011Linna Braga
 
Expansao sre uruaçu
Expansao sre uruaçuExpansao sre uruaçu
Expansao sre uruaçuLinna Braga
 
Planilha ensino medio
Planilha ensino medioPlanilha ensino medio
Planilha ensino medioLinna Braga
 
Planilha ensino fundamental
Planilha ensino fundamentalPlanilha ensino fundamental
Planilha ensino fundamentalLinna Braga
 
Ensino fundamental 2012
Ensino fundamental 2012Ensino fundamental 2012
Ensino fundamental 2012
Linna Braga
 
Ensino m edio 2012
Ensino m edio 2012Ensino m edio 2012
Ensino m edio 2012
Linna Braga
 
Matricula2012
Matricula2012Matricula2012
Matricula2012
Linna Braga
 
Saude vocal
Saude vocalSaude vocal
Saude vocal
Linna Braga
 
Fomulário escolas
Fomulário escolasFomulário escolas
Fomulário escolasLinna Braga
 
Fomulário habilitação das escolas
Fomulário habilitação das escolasFomulário habilitação das escolas
Fomulário habilitação das escolasLinna Braga
 
Chamada pública habilitação das escolas
Chamada pública habilitação das escolasChamada pública habilitação das escolas
Chamada pública habilitação das escolas
Linna Braga
 
Matricula2012
Matricula2012Matricula2012
Matricula2012
Linna Braga
 
Portaria 5786 gabseduc
Portaria 5786 gabseducPortaria 5786 gabseduc
Portaria 5786 gabseduc
Linna Braga
 

Mais de Linna Braga (20)

Ficha de ..
Ficha de ..Ficha de ..
Ficha de ..
 
Cadastro simec
Cadastro simecCadastro simec
Cadastro simec
 
Bolsa futuro
Bolsa futuroBolsa futuro
Bolsa futuro
 
Cartilha
CartilhaCartilha
Cartilha
 
Orientacoes cadastro escola nova - simec 2012
Orientacoes cadastro   escola nova - simec  2012Orientacoes cadastro   escola nova - simec  2012
Orientacoes cadastro escola nova - simec 2012
 
Oficio circular n 048 2011
Oficio circular n 048 2011Oficio circular n 048 2011
Oficio circular n 048 2011
 
Expansao sre uruaçu
Expansao sre uruaçuExpansao sre uruaçu
Expansao sre uruaçu
 
Planilha ensino medio
Planilha ensino medioPlanilha ensino medio
Planilha ensino medio
 
Planilha ensino fundamental
Planilha ensino fundamentalPlanilha ensino fundamental
Planilha ensino fundamental
 
Ofício see 79
Ofício see 79Ofício see 79
Ofício see 79
 
Ensino fundamental 2012
Ensino fundamental 2012Ensino fundamental 2012
Ensino fundamental 2012
 
Ensino m edio 2012
Ensino m edio 2012Ensino m edio 2012
Ensino m edio 2012
 
Matricula2012
Matricula2012Matricula2012
Matricula2012
 
Saude vocal
Saude vocalSaude vocal
Saude vocal
 
Fomulário escolas
Fomulário escolasFomulário escolas
Fomulário escolas
 
Fomulário habilitação das escolas
Fomulário habilitação das escolasFomulário habilitação das escolas
Fomulário habilitação das escolas
 
Chamada pública habilitação das escolas
Chamada pública habilitação das escolasChamada pública habilitação das escolas
Chamada pública habilitação das escolas
 
Ofício 039
Ofício 039Ofício 039
Ofício 039
 
Matricula2012
Matricula2012Matricula2012
Matricula2012
 
Portaria 5786 gabseduc
Portaria 5786 gabseducPortaria 5786 gabseduc
Portaria 5786 gabseduc
 

Último

Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 

Último (20)

Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 

Proposta da rede estadual de avaliação formativa formatado 29 08-11

  • 1. PROFESSORES REGENTES COORDENADORES PEDAGÓGICOS DAS UNIDADES EDUCACIONAIS EQUIPE GESTORA DAS UNIDADES EDUCACIONAIS EQUIPE PEDAGÓGICA DAS SUBSECRETARIAS EQUIPE PEDAGÓGICA DAS SUPERINTENDÊNCIAS PROPOSTA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA Proposta discutida por toda a rede estadual de ensino de Goiás, sistematizada pela equipe pedagógica das Subsecretarias Regionais de Educação do Estado de Goiás e consolidada pelo Núcleo de Orientação Pedagógica. Estado de Goiás 2011
  • 2. 1. Justificativa É consenso que o processo avaliativo deve ser realizado continuamente, com o objetivo de garantir o acompanhamento das aprendizagens dos educandos. Tal procedimento é validado, no âmbito nacional, pela LDB, em seu Artigo nº 25, e, no âmbito estadual, pela Resolução nº 194/2005 do Conselho Estadual de Educação do Estado de Goiás. Ambos documentos versam sobre a pertinência de um processo avaliativo que seja contínuo e cumulativo, privilegiando os fatores qualitativos sobre os quantitativos e tendo como objetivo principal o acompanhamento das aprendizagens dos educandos. Com o intuito primordial de garantir o cumprimento das leis que regem a educação no Estado de Goiás, apresenta-se essa proposta de implementação da avaliação formativa em todas as Unidades Educacionais da rede. O benefício desse tipo de avaliação se torna ainda maior quando levamos em conta o fato de que a provaé apenas um instrumento entre vários, e não deve ser considerado como único instrumento de avaliação (da mesma forma que não pode ser deixada de lado). Quando se avalia continuamente, as conferências de aprendizagens são realizadas a todo momento, possibilitando o acompanhamentodo processo de aprendizagem dos educandos e evitando que grande parte da nota do aluno seja aferida em apenas um dia, com um único instrumento, a cada bimestre. Como a avaliação acompanha as aprendizagens e sabemos que estas ocorrem de maneira variada em cada sujeito presente na sala de aula, torna-se necessário que a cada elemento avaliado, também se tenha o elemento recuperado, para que a avaliação não recaia na punição, mas que o aluno tenha a oportunidade de rever o que foi ensinado e, consequentemente, recuperar a nota do critério aplicado. A grande maioria das Unidades Educacionais da Secretaria de Estado da Educação, quiçá todas, possuem a avaliação e a recuperação contínua como processos recorrentes e constantes de seus PPP’s. Entretanto, há ainda divergência no que refere à implementação efetiva desse tipo de avaliação. A maior dificuldade vê-se presente nos critérios passíveis de avaliação. Tornou-se senso comum que se dê nota para assiduidade, participação, que se contem os vistos ao fim do bimestre, entre outros procedimentos que erroneamente consideram-se como pertinentes a um processo de avaliação contínua. Assiduidade, participação e realização de atividades são pré- requisitos do processo de ensino aprendizagem, por isso, deve-se questionar a validade da mensuração de tais elementos. Esses pré-requisitos precisam ser 2
  • 3. considerados e discutidos a todo o momento, afinal, o processo avaliativo deve levar em conta o sujeito como um todo. Mas a nota ou conceito deve ser conferido através dos instrumentos que percebam a aprendizagem do aluno e o método de ensino do professor. A avaliação formativa deve ser capaz de identificar os alunos que apresentem aprendizagens insatisfatórias e cabe ao professor, juntamente com o coordenador pedagógico da Unidade Educacional, analisar tais resultados para identificar o real motivo da dificuldade do aluno. “Ele não está se esforçando o suficiente?” “Falta explicação?” “Esse aluno precisa de mais atividades?” “O professor deve lançar mão de outro instrumento ou de outras metodologias?” “O problema está na base do aluno?”A avaliação diagnóstica nos auxilia a identificar essas especificidades no aprendizado de cada sujeito, e a partir dos resultados pode-se tomar providências preventivas (no início do ano), tais quais: reenturmação 1 , nivelamento 2 , aulas de reforço3, motivação, incentivo à leitura, entre outras ações. Já durante o ano letivo, o acompanhamento individual do aluno, sem prejuízo para as aulas (ou seja, o aluno não deve ser retirado de sala para acompanhamento), é a melhor maneira de garantir aprendizagens significativas. Com relação à recuperação, que se quer como contínua, o que se tem como consenso é que seja realizada apenas ao fim do bimestre e, algumas vezes, apenas ao fim do ano letivo. Dessa forma, tem-se a oportunidade de recuperar a nota do educando, mas torna-se praticamente inviável a recuperação da aprendizagem. Uma 1 Promover novos caminhos de aprendizagem para alunos com necessidades semelhantes. Organizar os alunos por critérios de dificuldades, em classes que têm uma semana de aulas de reforço ao final de cada bimestre. Os alunos que precisam de maior apoio devem passar parte das aulas diárias – em geral, o período após o recreio – em uma única classe. Alcançado um nível satisfatório de rendimento, as turmas retomam sua formação original. Não podemos caracterizar a velha prática da “turma forte” e “turma fraca”, mas esse movimento esporádico muitas vezes, se bem planejado, reverte-se em bons resultados. Sugere-se que na primeira fase do Ensino Fundamental este trabalho seja realizado com maior frequência. 2 Dispor de aulas para retomar os conhecimentos básicos das séries posteriores, de modo a corrigir as deficiências na base de aprendizado do aluno detectadas pela avaliação diagnóstica. 3 Aulas de reforço ou aulões de revisão devem ser realizadas no horário de aula e, também, no turno de ampliação ou até mesmo nos finais de semana. Cabe ao Gestor da Unidade Educacional a sensibilização da comunidade e dos professores para que esse trabalho seja realizado de maneira satisfatória. Temos depoimentos de experiências de sucesso em algumas unidades de nosso Estado.Um exemplo é o que acontece no Colégio Estadual Zico Monteiro, localizado na cidade de Uruana. Lá há ampla mobilização de professores que se dispõem a desenvolver este trabalho. Nesta organização, sugere-se criar horário diferenciado, com aulas de maior duração e com turmas menores, de tal forma que a cada dia/semana, no máximo, dois professores sejam destacados para esta ação. Isso faz com que não haja sobrecarga de trabalho e os resultados sejam positivos. 3
  • 4. recuperação que não leve em conta as características específicas de cada educando, não poderá combater a dificuldade do aluno, reduzindo-se a apenas evitar a reprovação. Desse modo, é preciso que fique claro o objetivo dessa proposta: não se trata de um procedimento que vise “dar chances” aos alunos para que eles tenham boa nota e nenhum aprendizado. Pelo contrário, é necessário que se instigue nos educandos e em seus responsáveis a responsabilidade nesse processo, para que consigam avançar no desenvolvimento cognitivo, tendo a nota como a consequência natural e não o fim. E por entender que a escola é a instituição social responsável pela formação e o desenvolvimento do sujeito com foco na aprendizagem que se apresenta essa proposta de avaliação formativa, visando explanar de maneira objetiva e clara os procedimentos a serem seguidos para que essa avaliação contínua verdadeiramente favoreça ao aprendizado e não unicamente a nota do educando. 4
  • 5. 2. Metodologia Em primeiro lugar, deve-se deixar claro para os alunos qual o objetivo de cada uma das aulas, para que se possa estabelecer precisamente quais os critérios da avaliação subsequente e, também, para que o aluno seja capaz de se autoavaliar, sabendo precisamente quais pontos ele deveria ter alcançado, bem como explanar sobre os motivos que acarretaram em uma aprendizagem insatisfatória. Aliás, apontar precisamente o que é ensinado, e o que se espera que o aluno aprenda, deve se tornar rotina, inclusive documentada no Diário de Bordo4, pois, com esse procedimento, o professor, aluno e o coordenador pedagógico serão capazes de analisar precisamente o desempenho obtido/esperado. Cabem ao Gestor da Unidade Educacional e ao Coordenador Pedagógico garantir que o processo avaliativo seja efetivamente formativo e cumulativo, resguardando o direito do aluno de ter uma avaliação que acompanhe sua aprendizagem e o recupere, tendo em vista a especificidade de sua dificuldade. Dessa forma, haverá a efetiva implementação da Resolução CEE Nº 194, de 19 de agosto de 2005, que versa sobre a aplicação de uma avaliação contínua, formativa e cumulativa, que privilegie os fatores qualitativos aos quantitativos. Por isso, os gestores educacionais devem ter o cuidado de orientar/acompanhar o registro da realização da avaliação formativa em diários, atas, planilhas ou outros tipos de registros que documentem o trabalho da Unidade Educacional nesse sentido. 4 O Caderno de anotação ou Diário de bordo é uma ferramenta simples de auxílio ao professor no registro e acompanhamento do desempenho das atividades realizadas em cada turma. É um instrumento que se destina a três finalidades: • Registro de tarefas (sala e casa), comportamento e algumas imposturas Procedimento: cria-se um código para registro de cada situação passível de acontecer em sala de aula. Constrói-se uma planilha com o número e nome dos alunos na primeira e segunda coluna, respectivamente, e espaço como os da chamada para serem colocados as aulas (1ª, 2ª , 3ª, 4ª, 5ª e 6ª) para cada dia. A planilha pode ser trocada a cada semana ou a cada quinze dias. Nestes espaços, o professor anota as inobservâncias de cada aluno em sua aula, de acordo com o código. Isso é interessante, pois o professor tem uma noção de como o aluno está nas outras disciplinas. • Registro de aula Procedimento: em uma outra planilha do mesmo caderno, o representante da turma fará a anotação do objetivo de cada uma das aulas no dia. Isso é interessante, pois o aluno passa a saber qual o objetivo de cada aula, podendo assim avaliar se aprendeu ou não. • Avaliação do dia Procedimento: o representante de turma realiza diariamente a avaliação simples e objetiva daquele dia específico. Isso é interessante, pois o professor tem a oportunidade de ter o feedback dos alunos praticamente de imediato, possibilitando a adoção de outras metodologias, caso necessário. 5
  • 6. Uma planilha de avaliação pode ser usada para consolidar os resultados obtidos pelos educandos nos instrumentos avaliativos implementados, o objetivo é que a cada conteúdo trabalhado, sejaprocedido deavaliação/mensuração. Dessa forma, sugere-se estabelecer uma diversidade de instrumentos avaliativos, de modo que acompanhe o processo de ensino aprendizagem. Esta planilha sistematiza os resultados alcançados e possibilita a identificação das falhas do processo, norteando os pontos específicos de intervenção. Apresenta-se aqui um modelo de planilha, mas a Unidade Educacional tem a liberdade de adotar seu próprio documento, só aconselha- se que não sejam usados pesos, para que não se corra o risco de privilegiar certos instrumentos avaliativos (prova/teste) em detrimento de outros. Mas apenas a planilha não é suficiente, os resultados dos alunos devem ser analisados pelo professor e coordenador pedagógico, de modo a estabelecer os pontos específicos de intervenção, visto que uma recuperação genérica, que não leve em consideração a dificuldade específica do educando, não possui validade no que se refere ao aprendizado do mesmo. A avaliação possibilita alguns questionamentos: “Por que o meu aluno não aprende?” “São apenas pelos fatores externos?” “O que ensino e como ensino é significativo?”. E tais questionamentos precisam de respostas, para que o processo de ensino aprendizagem efetivamente ocorra. A recuperação contínua deve, portanto, ser feita a partir de intervenções pedagógicas, a cada resultado negativo em um dos critérios, não devendo esperar o fim do bimestre para sua realização, para que se recupere a aprendizagem e não a nota. Essas intervenções podem ser implementadas através de atividades individuais e coletivas, orais e escritas, sempre se preocupando em retomar o conteúdo no qual o aluno está com dificuldade, acompanhando com bastante atenção aos educandos que recorrentemente apresentarem resultados ruins, para que se percebam as especificidades de aprendizagem de cada um dos educandos. Os elementos socioafetivos não são mensuráveis, mas analisados e debatidos no Conselho de Classe ou em reuniões com o coordenador pedagógico, objetivando a compreensão das especificidades de aprendizagem/comportamento/interação de cada educando. O Vice-diretor também pode auxiliar na análise dos elementos socioafetivos, visto que convive diariamente com os educandos. Apenas com a visão plena do sujeito para o qual se ensina, é possível identificar as dificuldades apresentadas e saná-las em tempo hábil. O registro dos elementos socioafetivos de 6
  • 7. cada educando deve ser efetivado pelo Professor Padrinho da Turma 5 e os dados coletados discutidos de forma coletiva, principalmente para que se tomem decisões importantes com relação a reenturmação, nivelamento, promoção etc. 5 Aquele que ficará responsável por dar especial atenção a uma turma específica da escola. Será atribuição dele, naquela turma, o acompanhamento, orientação e aconselhamento de cada educando, no que se refere ao aprendizado e às posturas positivas ou negativas em sala de aula. O professor padrinho é o responsável pelo desempenho da turma e sua análise e discussão nos conselhos de classe. Essa iniciativa facilita o acompanhamento dos alunos do 6º ano ao Ensino Médio, visto que nesse nível há vários professores por turma com tempo restrito em cada uma, dificultando, assim, o trabalho especializado do professor com cada aluno.Na cidade de Sobral - CE, esta prática ocorre com muito êxito, sob a terminologia de Diretor de turma ao invés de Professor padrinho de turma, lá os índices de evasão foram reduzidos a praticamente zero. Ou seja, é uma iniciativa que deve ser reproduzida, para que possamos também reduzir nossos índices de evasão e melhorar as aprendizagens significativas. 7
  • 8. 3. Instrumentos avaliativos Cada instrumento avaliativo possui um objetivo específico e critérios diversos. Desse modo, para se atender a uma diversidade de sujeitos, deve-se implementar a maior variedade possível de instrumentos. Segue uma lista com os instrumentos avaliativos mais comuns e seus respectivos objetivos: • Prova objetiva: série de perguntas diretas para respostas curtas com apenas uma solução possível. Objetivo: avaliar o quanto o educando apreendeu sobre dados singulares e específicos do conteúdo. • Prova dissertativa: série de perguntas que exigem capacidade de estabelecer relações, resumos, análises e julgamentos. Objetivo: verificar a capacidade de analisar o problema central, formular ideias e redigi-las. • Seminário e exposições: exposição oral para um público, utilizando a fala e materiais de apoio próprios ao tema. Objetivo: identificar os conhecimentos apreendidos, a capacidade de síntese, a habilidade de uso da linguagem oral e a metodologia da exposição. • Debates: afere o conhecimento a partir da argumentação. Objetivo: identificar os conhecimentos apreendidos, a capacidade de síntese, a habilidade de uso da linguagem oral, as estratégias de convencimento e o respeito à diversidade de opiniões. • Auto avaliação: análise oral ou escrita que o aluno faz do próprio processo de aprendizagem. Objetivo: fazer o aluno adquirir a capacidade de analisar o que aprendeu e os motivos de aprendizagens insatisfatórias. 8
  • 9. 4. Resultados esperados Espera-se que seja resgatado o objetivo primordial da avaliação, que é o de acompanhar as aprendizagens dos educandos, em detrimento da prática usual de apenas pontuar o aluno para encerrar o bimestre. Ao acompanhar as aprendizagens através da avaliação contínua, torna-se necessário intervir nos resultados alcançados, em especial aos estudantes que não tenham obtido aprendizagens significativas em cada um dos instrumentos aplicados, sendo necessário a recuperação, não ao final do bimestre, mas no momento imediato de cada um dos resultados considerados insatisfatórios, garantindo dessa forma a aprendizagem efetiva. 9
  • 10. 5. Cronograma de execução • 04 a 11/07: construção coletiva da versão preliminar com a participação de gestores de algumas Unidades Educacionais do Estado. • 21/07: apresentação da versão preliminar da proposta aos coordenadores pedagógicos das Subsecretarias Regionais da Educação. • 1º a 15/08: discussão com toda a rede estadual de ensino (responsáveis: tutores e coordenadores pedagógicos das Unidades Educacionais). • 17/08: envio da sistematização das propostas das Unidades Educacionais ao Núcleo de Orientação Pedagógica (uma proposta por subsecretaria). • 18 a 25/08: finalização da proposta tendo em vista as contribuições da rede. • 26/08: divulgação da versão final da proposta no site da Secretaria de Estado da Educação de Goiás. 10
  • 11. 6. Referências bibliográficas ARAUJO, João Batista; CHADWICK, Oliveira Clifton. Aprender e ensinar. 9a Ed. Belo Horizonte: Instituto Alfa e Beto, 2008. BRASIL. Lei de diretrizes e bases da educação nacional – 9.394/96. Brasília, 1996. ESTADO DE GOIÁS. Conselho Estadual de Educação. “Resolução CEE Nº 194, de 19 de agosto de 2005”. Goiás, 2005. MARTINS, João Carlos. “Vygotsky e o papel das interações sociais na sala de aula: reconhecer e desvendar o mundo”. Disponívelem: http://www.crmariocovas.sp.gov.br. Acesso em: 18/07/2011 às 18:00. Relatóriosenviadospelas 38 SubsecretariasRegionais da Educação. 11