SlideShare uma empresa Scribd logo
A concepção
didática da aula
no ERE:
planejamento, mediação
e avaliação
Prof. Leonardo Severo
Profa. Jeane Félix
Depto. de Habilitações Pedagógicas e Programa de Pós-
Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba
Terceiro encontro
Avaliar para conhecer e
promover a aprendizagem no
ERE
Para início de conversa
• Como foi a experiência de trabalho/reflexão no Ateliê
Individual?
• Os porquês da avaliação da aprendizagem no
Ensino Remoto Emergencial (ERE);
• Objetivo do encontro:
Conhecer perspectivas metodológicas que auxiliam a
organização do processo avaliativo no ERE, com
ênfase em uma visão multidimensional da
aprendizagem.
Organizadores conceituais
Avaliação da
aprendizagem
O erro como
oportunidade de
aprendizagem
- O que caracteriza a avaliação da aprendizagem
como um processo didático?
- Que movimentos configuram esse processo e quais
os parâmetros para desenho de instrumentos e uso
de resultados avaliativos como recursos de
melhoria da prática docente?
- Qual a potência do erro no processo educativo?
- O que errar nos permite aprender?
- Como transformar o erro em ferramenta de
aprendizagens?
- Até que ponto refletimos sobre os nossos próprios
erros na avaliação das aprendizagens de nossos(as)
estudantes?
Avaliar a aprendizagem depende...
... Da concepção de educação do(a) docente;
... Da formação e cultura profissional do(a)
docente;
....Da cultura institucional;
... Da compreensão que o(a) docente tem sobre a
finalidade da aprendizagem, como ela ocorre e a
partir de que elementos se sabe que ocorreu;
...Do posicionamento ético do(a) docente na
relação pedagógica.
Avaliação e aprendizagem
•Dois processos distintos: avaliação (normalmente
conduzida pelo/a docente) e aprendizagem (intrínseca
ao/à estudante).
Avaliar: entre ditos e não ditos
(FERNANDES; FREITAS, 2007, p. 23)
•Avaliar é um processo em que realizar provas e testes, atribuir notas ou
conceitos é apenas parte do todo.
•A avaliação é uma atividade orientada para o futuro. Avalia-se para tentar
manter ou melhorar nossa atuação futura. Essa é a base da distinção
entre medir e avaliar.
•Medir refere-se ao presente e ao passado e visa obter informações a
respeito do progresso efetuado pelos estudantes. Avaliar refere-se à
reflexão sobre as informações obtidas com vistas a planejar o futuro.
•Portanto, medir não é avaliar, ainda que o medir faça parte do processo de
avaliação. Avaliar a aprendizagem do estudante não começa e muito menos
termina quando atribuímos uma nota à aprendizagem.
•Dimensão democrática da avaliação educacional: a avaliação incide na
cultura institucional (até que ponto refletimos sobre nossas práticas
cotidianas?)
Propósitos da avaliação na relação
com o/a estudante
(RUSSEL; AIRASIAN, 2014)
•Estabelecer situações de ensino que apoiam e promovem a
aprendizagem;
•Organizar os(as) estudantes de acordo com seu status de
desempenho em relação aos objetivos da disciplina;
•Diagnosticar e fornecer feedbacks que estimulem a
metacognição;
•Criar um ambiente democrático de incentivo a diferentes
formas de expressão da aprendizagem;
•Produzir memória sobre o que professores(as) e estudantes
constroem colaborativamente.
Transformar a prática avaliativa
em prática de aprendizagem
(BAIN, 2007)
•Quais são as atitudes em relação à aprendizagem
que as práticas avaliativas do(a) docente ensinam ou
induzem? O que as práticas avaliativas informam para
o(a) estudante sobre as prioridades do ensino?
Erro(s) como oportunidade de
aprendizagens:
- Aprendemos a classificar as aprendizagens em certas ou
erradas
- Com isso: segregamos, hierarquizamos e excluímos
- É preciso tomar o(s) erro(s) como parte do processo de
aprendizagem
- Cada um(a) de nós possui seu próprio ritmo para
aprender
- Para aprender com o(s) erro(s), a avaliação precisa ser
integrante do processo formativo
- É preciso dar feedback qualitativo aos(as) estudantes
(Fernandes & Freitas, 2007)
Movimentos avaliativos
Assumir a dimensão
de processualidade da
avaliação em nossas
práticas nos engaja a
desenvolver um olhar
mais atento às
aprendizagens dos(as)
estudantes na lógica
do conhecer para
acolher, para intervir
e para promover.
Movimento diagnóstico
- Mais do que nunca, o imperativo da inclusão se expõe
como uma demanda pedagógica no ERE;
- Os intervalo nas rotinas acadêmicas dos(as) estudantes
pode ter provocado lacunas que precisam ser conhecidas;
- A sondagem de repertório é pressuposto para
diversificação do/no ensino, a partir de estratégias de
trabalho com diferentes grupos de estudantes
(possibilidade assíncrona);
- Alguns instrumentos: formulário, teste de múltipla escolha,
lista de atividades preparatórias, etc.
Movimento formativo
- A avaliação como estratégia para fornecer informações
acerca das ações de aprendizagens;
- O(a) professor(a) fica atento aos processos de
aprendizagens de seus(suas) estudantes;
- Cria-se de estratégias para construção da autonomia
dos(as) estudantes
- O(A) estudante é sujeito ativo de seu processo de
aprender
- Responsabilidade compartilhada entre professor(a) e
aluno(a) com os avanços e necessidades de
aprendizagem
- A nota é consequência e não o centro da avaliação
(Fernandes & Freitas, 2007)
Movimento certificatório
- Pensar a nota em um contexto mais dinâmico de registros
de aprendizagem;
- Critérios, datas e instrumentos podem ser negociados
com os(as) estudantes (estratégia de engajamento);
- Evitar a sobrecarga de atividades com finalidade
certificatória, especialmente se forem formatadas em um
mesmo padrão de instrumento;
- Importância de articular desempenho individual e
desempenho em atividades coletivas;
- Necessidade de definir rubricas avaliativas e oferecer
feedback de qualidade aos(às) estudantes.
Orientações ou conselhos da
experiência
- Explicar o motivo pedagógico da escolha por esse
instrumento;
- Para diminuir a ansiedade dos(as) estudantes,
flexibilize o peso das avaliações, dando oportunidade
para revisão da nota conforme a evolução do seu
desempenho ao logo das aulas;
- Dê segundas chances;
- Durante a aplicação do instrumento, não economize em
explicações que ajudem os(as) estudantes a
compreenderem o foco da questão;
- Ofereça sugestões de como os(as) estudantes podem
se preparar mental e fisicamente para a atividade.
Com a palavra...os/as
professores/as
Desenho de uma matriz básica de
avaliação
Organizando rubricas avaliativas
Alguns instrumentos
Representação gráfica de
conceitos
Mapas mentais, conceituais,
esquemas e outras formas
imagéticas que mostrem como
o(a) estudante é capaz de
ordenar e correlacionar
informações.
Avaliação de desempenho
simulado
Estudos de caso prático,
resolução de problemas...
Pesquisas
Estudos individuais e
colaborativos baseados na
busca por evidências e
tratamento analítico de dados
que, normalmente, se
apresentam na forma de
artigos.
Portfólio
-Coletânea de atividades
(estudos dirigidos, sínteses
de leitura, relatórios de
práticas) e registros
reflexivos (notas de
experiências, destaques e
fragilidades de
aprendizagem, etc.) do(a)
estudante ao longo de um
curso/disciplina.
Autoavaliativos
-Instrumentos objetivos e/ou
dissertativos que abarcam o
olhar do(a) próprio(a)
estudante sobre seu processo
de aprendizagem,
incentivando o engajamento
e favorecendo a
metacognição.
Atividades coletivas
Seminários, painéis e outras
formas de produção que engajem
os(as) estudantes em práticas de
estudo colaborativo, resultando
em avaliação de desempenho
coletivo; grupos
tutoriais/operativos.
Ética da/na avaliação
- Os critérios precisam ser explícitos desde o início do
curso/componente curricular e precisam ser seguidos;
- Caso sejam necessários ajustes nos instrumentos e/ou
critérios: é necessário pactuar com os(as) estudantes
- Avaliar apenas o que foi abordado (nunca a mais)
- Simplicidade ou complexidade na avaliação devem
sempre estar em acordo com o que foi abordado
- Se os(as) estudantes se sentem enganados(as):
aprendem a enganar
- Ser justo(a), seguir os critérios, considerar os contextos
de aprendizagem
Teste seus esquemas conceituais
Orientações para a finalização do
Ateliê
- O processo avaliativo incorpora os movimentos
diagnóstico, formativo e certificatório?
- Os instrumentos usados para operacionalizar esses
movimentos são pontuados?
- Há diversificação de instrumentos?
- Os instrumentos favorecem uma aprendizagem mais
significativa?
- As concepções de aprendizagem que fundamentam o
plano são coerentes com as escolhas avaliativas?
- O programa de avaliações se distribui em um roteiro de
atividades articuladas a partir dos objetivos da disciplina?
Referências
BAIN, Ken. Lo que hacen los mejores profesores de
universidad. Valencia: Publicaciones de la Universidad de
Valencia, 2007
FERNANDES, Cláudia de Oliveira; FREITAS, Luís Carlos.
Indagações sobre currículo : currículo e avaliação. Brasília
: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica,
2007.
RUSSELL, Michael K; AIRASIAN, Peter W. Avaliação em
sala de aula: conceitos e aplicações. 7 ed. Porto Alegre:
AMGH,2014.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Orientações para Tutoria Online
Orientações para Tutoria OnlineOrientações para Tutoria Online
Orientações para Tutoria Online
Márcia Castilho de Sales
 
O papel da tutoria no desenvolvimento curricular
O papel da tutoria no desenvolvimento curricularO papel da tutoria no desenvolvimento curricular
O papel da tutoria no desenvolvimento curricular
Maria Casanova
 
Características dos Sistemas de Tutoria
Características dos Sistemas de TutoriaCaracterísticas dos Sistemas de Tutoria
Características dos Sistemas de Tutoria
ANATED
 
Orientacao tutor
Orientacao tutorOrientacao tutor
Orientacao tutor
luzamar12
 
Perfis de tutoria
Perfis de tutoriaPerfis de tutoria
Perfis de tutoria
Ana Loureiro
 
Educação digital e internet. desafios ao professor de aprender, ensinar e apr...
Educação digital e internet. desafios ao professor de aprender, ensinar e apr...Educação digital e internet. desafios ao professor de aprender, ensinar e apr...
Educação digital e internet. desafios ao professor de aprender, ensinar e apr...
Telma da Silva Barbosa
 
PIGEAD - STCD - Tarefa 1: Três características da função do tutor em EaD.
PIGEAD - STCD - Tarefa 1: Três características da função do tutor em EaD.PIGEAD - STCD - Tarefa 1: Três características da função do tutor em EaD.
PIGEAD - STCD - Tarefa 1: Três características da função do tutor em EaD.
Jovert Freire
 
Educação a Distância, modalidade ou metodologia
Educação a Distância, modalidade ou metodologiaEducação a Distância, modalidade ou metodologia
Educação a Distância, modalidade ou metodologia
Luciano Sathler
 
Tutoria de EAD
Tutoria de EADTutoria de EAD
Tutoria de EAD
EAD Amazon
 
Conceito de Tutoria
Conceito de TutoriaConceito de Tutoria
Conceito de Tutoria
joao jose saraiva da fonseca
 
Tutor EaD - importância e funções
Tutor EaD - importância e funçõesTutor EaD - importância e funções
Tutor EaD - importância e funções
Norton Guimarães
 
ABED
ABEDABED
A Importância da Tutoria Motivacional na EAD
A Importância da Tutoria Motivacional na EADA Importância da Tutoria Motivacional na EAD
A Importância da Tutoria Motivacional na EAD
ANATED
 
C:\documents and settings\chayana\desktop\pós graduação\o tutor e a ead compe...
C:\documents and settings\chayana\desktop\pós graduação\o tutor e a ead compe...C:\documents and settings\chayana\desktop\pós graduação\o tutor e a ead compe...
C:\documents and settings\chayana\desktop\pós graduação\o tutor e a ead compe...
Chayana
 
Aspectos Mais Relevantes em Desenho de Aprendizagem e de Atividades On Line
Aspectos Mais Relevantes em Desenho de Aprendizagem e de Atividades On LineAspectos Mais Relevantes em Desenho de Aprendizagem e de Atividades On Line
Aspectos Mais Relevantes em Desenho de Aprendizagem e de Atividades On Line
Luciana Grof
 
Atribuições do professor formador slide
Atribuições do professor formador slideAtribuições do professor formador slide
Atribuições do professor formador slide
Aparecida Ferreira
 
Desenho de uma atividade on line
Desenho de uma atividade on lineDesenho de uma atividade on line
Desenho de uma atividade on line
Luciana Grof
 
Como adquirir conhecimento por meio do conceito h e pbl
Como adquirir conhecimento por meio do conceito h e pblComo adquirir conhecimento por meio do conceito h e pbl
Como adquirir conhecimento por meio do conceito h e pbl
Luciana Grof
 
ARTIGO - TOONDOO E TDAH
ARTIGO - TOONDOO E TDAHARTIGO - TOONDOO E TDAH
ARTIGO - TOONDOO E TDAH
gepoteriko
 
O papel do professor – tutor no ensino
O papel do professor – tutor no ensinoO papel do professor – tutor no ensino
O papel do professor – tutor no ensino
Marly Gonçalves
 

Mais procurados (20)

Orientações para Tutoria Online
Orientações para Tutoria OnlineOrientações para Tutoria Online
Orientações para Tutoria Online
 
O papel da tutoria no desenvolvimento curricular
O papel da tutoria no desenvolvimento curricularO papel da tutoria no desenvolvimento curricular
O papel da tutoria no desenvolvimento curricular
 
Características dos Sistemas de Tutoria
Características dos Sistemas de TutoriaCaracterísticas dos Sistemas de Tutoria
Características dos Sistemas de Tutoria
 
Orientacao tutor
Orientacao tutorOrientacao tutor
Orientacao tutor
 
Perfis de tutoria
Perfis de tutoriaPerfis de tutoria
Perfis de tutoria
 
Educação digital e internet. desafios ao professor de aprender, ensinar e apr...
Educação digital e internet. desafios ao professor de aprender, ensinar e apr...Educação digital e internet. desafios ao professor de aprender, ensinar e apr...
Educação digital e internet. desafios ao professor de aprender, ensinar e apr...
 
PIGEAD - STCD - Tarefa 1: Três características da função do tutor em EaD.
PIGEAD - STCD - Tarefa 1: Três características da função do tutor em EaD.PIGEAD - STCD - Tarefa 1: Três características da função do tutor em EaD.
PIGEAD - STCD - Tarefa 1: Três características da função do tutor em EaD.
 
Educação a Distância, modalidade ou metodologia
Educação a Distância, modalidade ou metodologiaEducação a Distância, modalidade ou metodologia
Educação a Distância, modalidade ou metodologia
 
Tutoria de EAD
Tutoria de EADTutoria de EAD
Tutoria de EAD
 
Conceito de Tutoria
Conceito de TutoriaConceito de Tutoria
Conceito de Tutoria
 
Tutor EaD - importância e funções
Tutor EaD - importância e funçõesTutor EaD - importância e funções
Tutor EaD - importância e funções
 
ABED
ABEDABED
ABED
 
A Importância da Tutoria Motivacional na EAD
A Importância da Tutoria Motivacional na EADA Importância da Tutoria Motivacional na EAD
A Importância da Tutoria Motivacional na EAD
 
C:\documents and settings\chayana\desktop\pós graduação\o tutor e a ead compe...
C:\documents and settings\chayana\desktop\pós graduação\o tutor e a ead compe...C:\documents and settings\chayana\desktop\pós graduação\o tutor e a ead compe...
C:\documents and settings\chayana\desktop\pós graduação\o tutor e a ead compe...
 
Aspectos Mais Relevantes em Desenho de Aprendizagem e de Atividades On Line
Aspectos Mais Relevantes em Desenho de Aprendizagem e de Atividades On LineAspectos Mais Relevantes em Desenho de Aprendizagem e de Atividades On Line
Aspectos Mais Relevantes em Desenho de Aprendizagem e de Atividades On Line
 
Atribuições do professor formador slide
Atribuições do professor formador slideAtribuições do professor formador slide
Atribuições do professor formador slide
 
Desenho de uma atividade on line
Desenho de uma atividade on lineDesenho de uma atividade on line
Desenho de uma atividade on line
 
Como adquirir conhecimento por meio do conceito h e pbl
Como adquirir conhecimento por meio do conceito h e pblComo adquirir conhecimento por meio do conceito h e pbl
Como adquirir conhecimento por meio do conceito h e pbl
 
ARTIGO - TOONDOO E TDAH
ARTIGO - TOONDOO E TDAHARTIGO - TOONDOO E TDAH
ARTIGO - TOONDOO E TDAH
 
O papel do professor – tutor no ensino
O papel do professor – tutor no ensinoO papel do professor – tutor no ensino
O papel do professor – tutor no ensino
 

Semelhante a Didática e Ensino Remoto: avaliação da aprendizagem

Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptxApresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
SupervisoEMAC
 
Avaliacao formativa
Avaliacao formativaAvaliacao formativa
Avaliacao formativa
Marcelo Brito
 
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagemEstudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
Ana Rita S de Souza
 
Avaliação em cursos remotos.pdf
Avaliação em cursos remotos.pdfAvaliação em cursos remotos.pdf
Avaliação em cursos remotos.pdf
AlessandraRodrigues800177
 
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagemEstudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
Ana Rita S de Souza
 
SFormação_AFA_Sessão de formação sobre avaliação formativa.
SFormação_AFA_Sessão de formação sobre avaliação formativa.SFormação_AFA_Sessão de formação sobre avaliação formativa.
SFormação_AFA_Sessão de formação sobre avaliação formativa.
ureaSofiaCruzMedeiro
 
Aval formativa
Aval formativaAval formativa
Aval formativa
ziquinha
 
Tipos de avaliações
Tipos de avaliaçõesTipos de avaliações
Tipos de avaliações
Lauri Rene Reis Filho
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação Escolar
Avaliação EscolarAvaliação Escolar
Avaliação Escolar
Cursos Profissionalizantes
 
Comunicaçao portas abertas slides
Comunicaçao portas abertas slidesComunicaçao portas abertas slides
Comunicaçao portas abertas slides
Almeida Meque Gomundanhe
 
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
dilaina maria araujo maria
 
Avaliação - Evaluation
Avaliação - EvaluationAvaliação - Evaluation
Avaliação - Evaluation
Elomar Barilli
 
Avaliação como promoção da aprendizagem
Avaliação como promoção da aprendizagemAvaliação como promoção da aprendizagem
Avaliação como promoção da aprendizagem
Maria Casanova
 
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - AvaliaçãoATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
Claudia Elisabete Silva
 
4.2 EM_Volume 4_ Gestão do Ensino e da Aprendizagem.pdf
4.2 EM_Volume 4_ Gestão do Ensino e da Aprendizagem.pdf4.2 EM_Volume 4_ Gestão do Ensino e da Aprendizagem.pdf
4.2 EM_Volume 4_ Gestão do Ensino e da Aprendizagem.pdf
Flavio de Souza
 
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
aline totti
 
Auto aval
Auto avalAuto aval
Auto aval
ziquinha
 
Supervisão
SupervisãoSupervisão
Supervisão
Helena Zanotto
 
Avaliação em EAD
Avaliação em EADAvaliação em EAD

Semelhante a Didática e Ensino Remoto: avaliação da aprendizagem (20)

Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptxApresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
 
Avaliacao formativa
Avaliacao formativaAvaliacao formativa
Avaliacao formativa
 
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagemEstudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
 
Avaliação em cursos remotos.pdf
Avaliação em cursos remotos.pdfAvaliação em cursos remotos.pdf
Avaliação em cursos remotos.pdf
 
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagemEstudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
 
SFormação_AFA_Sessão de formação sobre avaliação formativa.
SFormação_AFA_Sessão de formação sobre avaliação formativa.SFormação_AFA_Sessão de formação sobre avaliação formativa.
SFormação_AFA_Sessão de formação sobre avaliação formativa.
 
Aval formativa
Aval formativaAval formativa
Aval formativa
 
Tipos de avaliações
Tipos de avaliaçõesTipos de avaliações
Tipos de avaliações
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Avaliação Escolar
Avaliação EscolarAvaliação Escolar
Avaliação Escolar
 
Comunicaçao portas abertas slides
Comunicaçao portas abertas slidesComunicaçao portas abertas slides
Comunicaçao portas abertas slides
 
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
 
Avaliação - Evaluation
Avaliação - EvaluationAvaliação - Evaluation
Avaliação - Evaluation
 
Avaliação como promoção da aprendizagem
Avaliação como promoção da aprendizagemAvaliação como promoção da aprendizagem
Avaliação como promoção da aprendizagem
 
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - AvaliaçãoATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
 
4.2 EM_Volume 4_ Gestão do Ensino e da Aprendizagem.pdf
4.2 EM_Volume 4_ Gestão do Ensino e da Aprendizagem.pdf4.2 EM_Volume 4_ Gestão do Ensino e da Aprendizagem.pdf
4.2 EM_Volume 4_ Gestão do Ensino e da Aprendizagem.pdf
 
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
 
Auto aval
Auto avalAuto aval
Auto aval
 
Supervisão
SupervisãoSupervisão
Supervisão
 
Avaliação em EAD
Avaliação em EADAvaliação em EAD
Avaliação em EAD
 

Último

Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

Didática e Ensino Remoto: avaliação da aprendizagem

  • 1. A concepção didática da aula no ERE: planejamento, mediação e avaliação Prof. Leonardo Severo Profa. Jeane Félix Depto. de Habilitações Pedagógicas e Programa de Pós- Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba Terceiro encontro Avaliar para conhecer e promover a aprendizagem no ERE
  • 2. Para início de conversa • Como foi a experiência de trabalho/reflexão no Ateliê Individual? • Os porquês da avaliação da aprendizagem no Ensino Remoto Emergencial (ERE); • Objetivo do encontro: Conhecer perspectivas metodológicas que auxiliam a organização do processo avaliativo no ERE, com ênfase em uma visão multidimensional da aprendizagem.
  • 3. Organizadores conceituais Avaliação da aprendizagem O erro como oportunidade de aprendizagem - O que caracteriza a avaliação da aprendizagem como um processo didático? - Que movimentos configuram esse processo e quais os parâmetros para desenho de instrumentos e uso de resultados avaliativos como recursos de melhoria da prática docente? - Qual a potência do erro no processo educativo? - O que errar nos permite aprender? - Como transformar o erro em ferramenta de aprendizagens? - Até que ponto refletimos sobre os nossos próprios erros na avaliação das aprendizagens de nossos(as) estudantes?
  • 4. Avaliar a aprendizagem depende... ... Da concepção de educação do(a) docente; ... Da formação e cultura profissional do(a) docente; ....Da cultura institucional; ... Da compreensão que o(a) docente tem sobre a finalidade da aprendizagem, como ela ocorre e a partir de que elementos se sabe que ocorreu; ...Do posicionamento ético do(a) docente na relação pedagógica.
  • 5. Avaliação e aprendizagem •Dois processos distintos: avaliação (normalmente conduzida pelo/a docente) e aprendizagem (intrínseca ao/à estudante).
  • 6. Avaliar: entre ditos e não ditos (FERNANDES; FREITAS, 2007, p. 23) •Avaliar é um processo em que realizar provas e testes, atribuir notas ou conceitos é apenas parte do todo. •A avaliação é uma atividade orientada para o futuro. Avalia-se para tentar manter ou melhorar nossa atuação futura. Essa é a base da distinção entre medir e avaliar. •Medir refere-se ao presente e ao passado e visa obter informações a respeito do progresso efetuado pelos estudantes. Avaliar refere-se à reflexão sobre as informações obtidas com vistas a planejar o futuro. •Portanto, medir não é avaliar, ainda que o medir faça parte do processo de avaliação. Avaliar a aprendizagem do estudante não começa e muito menos termina quando atribuímos uma nota à aprendizagem. •Dimensão democrática da avaliação educacional: a avaliação incide na cultura institucional (até que ponto refletimos sobre nossas práticas cotidianas?)
  • 7. Propósitos da avaliação na relação com o/a estudante (RUSSEL; AIRASIAN, 2014) •Estabelecer situações de ensino que apoiam e promovem a aprendizagem; •Organizar os(as) estudantes de acordo com seu status de desempenho em relação aos objetivos da disciplina; •Diagnosticar e fornecer feedbacks que estimulem a metacognição; •Criar um ambiente democrático de incentivo a diferentes formas de expressão da aprendizagem; •Produzir memória sobre o que professores(as) e estudantes constroem colaborativamente.
  • 8. Transformar a prática avaliativa em prática de aprendizagem (BAIN, 2007) •Quais são as atitudes em relação à aprendizagem que as práticas avaliativas do(a) docente ensinam ou induzem? O que as práticas avaliativas informam para o(a) estudante sobre as prioridades do ensino?
  • 9. Erro(s) como oportunidade de aprendizagens: - Aprendemos a classificar as aprendizagens em certas ou erradas - Com isso: segregamos, hierarquizamos e excluímos - É preciso tomar o(s) erro(s) como parte do processo de aprendizagem - Cada um(a) de nós possui seu próprio ritmo para aprender - Para aprender com o(s) erro(s), a avaliação precisa ser integrante do processo formativo - É preciso dar feedback qualitativo aos(as) estudantes (Fernandes & Freitas, 2007)
  • 10. Movimentos avaliativos Assumir a dimensão de processualidade da avaliação em nossas práticas nos engaja a desenvolver um olhar mais atento às aprendizagens dos(as) estudantes na lógica do conhecer para acolher, para intervir e para promover.
  • 11. Movimento diagnóstico - Mais do que nunca, o imperativo da inclusão se expõe como uma demanda pedagógica no ERE; - Os intervalo nas rotinas acadêmicas dos(as) estudantes pode ter provocado lacunas que precisam ser conhecidas; - A sondagem de repertório é pressuposto para diversificação do/no ensino, a partir de estratégias de trabalho com diferentes grupos de estudantes (possibilidade assíncrona); - Alguns instrumentos: formulário, teste de múltipla escolha, lista de atividades preparatórias, etc.
  • 12. Movimento formativo - A avaliação como estratégia para fornecer informações acerca das ações de aprendizagens; - O(a) professor(a) fica atento aos processos de aprendizagens de seus(suas) estudantes; - Cria-se de estratégias para construção da autonomia dos(as) estudantes - O(A) estudante é sujeito ativo de seu processo de aprender - Responsabilidade compartilhada entre professor(a) e aluno(a) com os avanços e necessidades de aprendizagem - A nota é consequência e não o centro da avaliação (Fernandes & Freitas, 2007)
  • 13. Movimento certificatório - Pensar a nota em um contexto mais dinâmico de registros de aprendizagem; - Critérios, datas e instrumentos podem ser negociados com os(as) estudantes (estratégia de engajamento); - Evitar a sobrecarga de atividades com finalidade certificatória, especialmente se forem formatadas em um mesmo padrão de instrumento; - Importância de articular desempenho individual e desempenho em atividades coletivas; - Necessidade de definir rubricas avaliativas e oferecer feedback de qualidade aos(às) estudantes.
  • 14. Orientações ou conselhos da experiência - Explicar o motivo pedagógico da escolha por esse instrumento; - Para diminuir a ansiedade dos(as) estudantes, flexibilize o peso das avaliações, dando oportunidade para revisão da nota conforme a evolução do seu desempenho ao logo das aulas; - Dê segundas chances; - Durante a aplicação do instrumento, não economize em explicações que ajudem os(as) estudantes a compreenderem o foco da questão; - Ofereça sugestões de como os(as) estudantes podem se preparar mental e fisicamente para a atividade.
  • 16. Desenho de uma matriz básica de avaliação
  • 18. Alguns instrumentos Representação gráfica de conceitos Mapas mentais, conceituais, esquemas e outras formas imagéticas que mostrem como o(a) estudante é capaz de ordenar e correlacionar informações. Avaliação de desempenho simulado Estudos de caso prático, resolução de problemas... Pesquisas Estudos individuais e colaborativos baseados na busca por evidências e tratamento analítico de dados que, normalmente, se apresentam na forma de artigos. Portfólio -Coletânea de atividades (estudos dirigidos, sínteses de leitura, relatórios de práticas) e registros reflexivos (notas de experiências, destaques e fragilidades de aprendizagem, etc.) do(a) estudante ao longo de um curso/disciplina. Autoavaliativos -Instrumentos objetivos e/ou dissertativos que abarcam o olhar do(a) próprio(a) estudante sobre seu processo de aprendizagem, incentivando o engajamento e favorecendo a metacognição. Atividades coletivas Seminários, painéis e outras formas de produção que engajem os(as) estudantes em práticas de estudo colaborativo, resultando em avaliação de desempenho coletivo; grupos tutoriais/operativos.
  • 19. Ética da/na avaliação - Os critérios precisam ser explícitos desde o início do curso/componente curricular e precisam ser seguidos; - Caso sejam necessários ajustes nos instrumentos e/ou critérios: é necessário pactuar com os(as) estudantes - Avaliar apenas o que foi abordado (nunca a mais) - Simplicidade ou complexidade na avaliação devem sempre estar em acordo com o que foi abordado - Se os(as) estudantes se sentem enganados(as): aprendem a enganar - Ser justo(a), seguir os critérios, considerar os contextos de aprendizagem
  • 20. Teste seus esquemas conceituais
  • 21. Orientações para a finalização do Ateliê - O processo avaliativo incorpora os movimentos diagnóstico, formativo e certificatório? - Os instrumentos usados para operacionalizar esses movimentos são pontuados? - Há diversificação de instrumentos? - Os instrumentos favorecem uma aprendizagem mais significativa? - As concepções de aprendizagem que fundamentam o plano são coerentes com as escolhas avaliativas? - O programa de avaliações se distribui em um roteiro de atividades articuladas a partir dos objetivos da disciplina?
  • 22. Referências BAIN, Ken. Lo que hacen los mejores profesores de universidad. Valencia: Publicaciones de la Universidad de Valencia, 2007 FERNANDES, Cláudia de Oliveira; FREITAS, Luís Carlos. Indagações sobre currículo : currículo e avaliação. Brasília : Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007. RUSSELL, Michael K; AIRASIAN, Peter W. Avaliação em sala de aula: conceitos e aplicações. 7 ed. Porto Alegre: AMGH,2014.