SlideShare uma empresa Scribd logo
Estado do Tocantins
             PREFEITURA MUNICIPAL DE SAMPAIO
           SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
                 CNPJ Nº 25.086.828/0001-35


   ESCOLA MUNICIPAL ANTONIO FIRMINO DA SILVA
        ESCOLA MUNICIPAL SÃO RAIMUNDO




PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO
 “Construindo e Reconstruindo a Ação Educativa”




                   SAMPAIO-TO.
                 NOVEMBRO/2011
Estado do Tocantins
                 PREFEITURA MUNICIPAL DE SAMPAIO
               SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
                     CNPJ Nº 25.086.828/0001-35



                      EXPEDIENTE


                  LUIZ ANACLETO DA SILVA
                     PREFEITO DE SAMPAIO


                JAILSON MARQUES DA SILVA
SECRETÁRIO MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, PLANEJAMENTO E FINANÇAS


          MARIA DAS DORES MARTINS DOS SANTOS
              SECRETÁRIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO


                    EQUIPE PEDÁGOGICA
              TEREZINHA LOPES DA SILVA VALADARES
                      Coordenação Pedagógica


                MARIA APARECIDA FURTADO BARROS
                  Supervisora do Programa Escola Ativa


                    ERASMO CARLOS DA SILVA
                         Apoio Pedagógico


                   JORNADEL PEREIRA DA SILVA
                  ELIZANGELIA CARVALHO FREIRE
                        Assist. Administrativo
SUMÁRO

1. APRESENTAÇÃO ..............................................................................4

2. BREVE HISTÓRICO DAS UNIDADES ESCOLARES ........................6
  2.1. Caracterização das Escolas.......... .......................................... ... 6
  2.2. Caracterização da comunidade ................................................ 11

3. DIAGNÓSTICO ESCOLAR ...............................................................13

4. VISÃO ESTRATÉGICA .....................................................................21

5. PLANO DE SUPORTE ESTRATÉGICO ...........................................38

6. AVALIAÇÃO .................................................................................... 45

7. BIBLIOGRAFIA.................................................................................46

8. ANEXOS ...........................................................................................48
4

                             APRESENTAÇÃO


     O Projeto Político Pedagógico é um documento que norteia o processo de ensino
e aprendizagem nas unidades escolares. Portanto, o mesmo vai além de um simples
agrupamento de palavras e de atividades diversas. O Projeto não é algo a ser
construído para arquivo, mas para ser vivenciado em todos os momentos, por todos
os envolvidos com o processo educativo.
     Dentre os problemas que estão presentes nas escolas do campo, destaca-se a
baixa qualidade da aprendizagem, em virtude das classes multisseriadas e ausência
dos pais e comunidade nas atividades realizadas no dia a dia escolar.
     Portanto, o PPP (Projeto Político Pedagógico) das Escolas do Campo (Escolas
Municipais Antonio Firmino da Silva e São Raimundo) direciona ações que visam
melhorar a qualidade do ensino, primam pela permanência do aluno na escola com
sucesso, estimulam a participação dos pais e da comunidade, envolvendo-se de
forma significativa nas atividades educativas.
     O trabalho nas referidas escolas é realizado com responsabilidade, colocando o
educando como protagonista de sua formação, cujas atividades desenvolvidas
focalizam a Educação Infantil - Pré-Escola, com atendimento a crianças 4 e 5 anos e
Ensino Fundamental de 1º ao 5º anos, cuja faixa etária é de 6 a 10 anos de idade.
     O PPP das escolas do campo, sendo uma construção coletiva, conta com a
participação de todos os atores, ou seja, de todos os envolvidos com o processo
educativo (alunos, servidores, pais e comunidade). Este está sendo construído para o
período de 2011 a 2016, portanto, é fruto de várias reuniões, momentos de estudo,
pesquisas e entrevistas, pois entende-se que a fundamentação e base legal são
fundamentais para a sua construção, já que o mesmo orienta todas as ações
educativas a serem concretizadas no contexto escolar.
     Neste sentido, pode-se afirmar que a construção do projeto político pedagógico é
um momento para reflexão da prática pedagógica, onde todos da escola determinam
valores e expectativas, sempre atendendo o interesse coletivo. Portanto, este projeto
é um instrumento que mostra a realidade da escola, apresenta as finalidades,
concepções e diretrizes, a partir das quais surgem novas ações, tornando assim um
norte para as ações pedagógicas e instrumentos de articulação da rede de ensino.
Como afirma Celso Vasconcelos:
                                         “O projeto Político Pedagógico é o plano global da
                                         instituição. Pode ser entendido como sistematização,
5

                                         nunca definida, de um processo de planejamento
                                         participativo que se aperfeiçoa e se objetiva na
                                         caminhada, que define claramente o tipo de ação
                                         educativa que se quer realizar”. (p.107).

       Sendo assim este Projeto Político Pedagógico vem mostrar a realidade das
Escolas do Campo, visando seu desenvolvimento social, político e cognitivo, estando
organizado da seguinte forma:
   •   Apresentação, com uma visão geral do que consta no Projeto;
   •   Breve histórico das Unidades Escolares, com a caracterização das mesmas e
       da comunidade;
   •   Diagnóstico, que constitui a identidade da escola;
   •   Visão estratégica, direcionando o futuro ao qual se pretende chegar;
   •   Objetivos estratégicos, alvos a serem atingidos;
   •   Concepção do coletivo, a partir da fundamentação teórica;
   •   Plano de suporte estratégico, em que constam as atividades que visam à
       melhoria do processo educativo;
   •   Avaliação, indicando os critérios de acompanhamento;
   •   Anexos, instrumentos que ajudarão a compreensão do Projeto.
   Portanto, acredita-se que as Escolas Municipais: Antonio Firmino da Silva e São
Raimundo terão dias melhores a partir da concretização deste Projeto, pois a
organização do trabalho pedagógico constitui a base para o sucesso, renovação e
sustentação do processo educativo.
6

    BREVE HISTÓRICO DAS UNIDADES ESCOLARES


                    CARACTERIZAÇÃO DAS ESCOLAS


•   Escola Municipal Antonio Firmino da Silva


     A Escola Municipal Antonio Firmino da Silva está localizada na área rural,
Povoado Caxeado, no município de Sampaio – TO. Surgiu a partir da necessidade de
um espaço físico adequado, considerando o número de habitantes e crianças em
idade escolar, tendo sido construída na administração do senhor Manoel Marinho,
Prefeito do município de Augustinópolis ao qual o povoado pertencia na época.
     Convém lembrar que antes da construção da escola os alunos eram atendidos
em barracos, casas alugadas ou espaços cedidos, como a casa do professor e
recebia o nome de Escola Municipal São José, em razão do nome do padroeiro local.
Após a construção, o nome dado à escola, o qual permanece até hoje, foi em
homenagem ao morador mais velho da localidade, o senhor Antonio Firmino da Silva.
     Hoje a escola atende uma clientela de 12 alunos de 4 e 5 anos de idade, na Pré-
Escola e 42 de 6 a 14 anos do Ensino Fundamental de 1º ao 5º anos, nas
modalidades de Educação Infantil e Ensino Regular, distribuídos em 04 turmas
multisseriadas, nas quais trabalha-se com a metodologia do Programa Escola Ativa,
nos turnos matutino e vespertino.
     Em 04 de julho de 1989 foi aprovada na Câmara Municipal e sancionada pelo
prefeito Pedro Lopes da Silva a Lei nº 008/89 na qual “dispõe sobre a criação,
denominação e localização da Escola Municipal Antonio Firmino da Silva”.
     A referida escola começou a funcionar no dia 01 de setembro de 1989 com
atendimento a alunos de Pré-Escola e 1ª a 3ª séries do Ensino Fundamental, sendo
Irene Almeida Marinho a primeira professora, a qual era responsável pelas questões
pedagógicas e administrativas. Periodicamente havia acompanhamento escolar pela
Secretaria Municipal de Educação.
     Dentre os fatos importantes que marcaram a educação no povoado Caxeado,
pode-se destacar a emancipação política do município de Sampaio, construção da
escola, organização da SME (Secretaria Municipal de Educação), criação da
Associação de apoio e Conselhos, bem como a Formação Continuada dos
professores.
7

     Na Escola Municipal Antonio Firmino da Silva trabalha-se avaliação contínua e
recuperação paralela, visando sempre a melhoria do processo educativo. E
analisando os indicadores de desempenho dos últimos três anos, percebe-se que
houve avanço de 2008 para 2009, com uma queda em 2010 no que se refere à
aprovação, não há abandono na escola e a distorção idade/série diminuiu em 2009,
mas teve um acréscimo em 2010, conforme quadro a seguir:


   Indicador       Taxa de                                                Taxa de
                                      Taxa de           Taxa de
Ano               Aprovação                                              Distorção
                                    Reprovação         Abandono
                     (%)                                                Idade/Série
                                        (%)               (%)
                                                                            (%)
     2008            91,7%             8,3%                 -               15%
     2009             97%               3%                  -               9%
     2010            88,4%             11,5%                -              15,3%


     É importante ressaltar que 70% dos alunos da Escola Municipal Antonio Firmino
da Silva são cadastrados em Programas Sociais, sendo os seguintes: Programa de
Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), Bolsa Família e Programa Pioneiros Mirins.
Quanto aos pais dos alunos desta escola, 89% são lavradores; 7.7%, servidores
públicos; 1.1%, motorista, 1.1% mecânico e 1.1% construtor.
     A Escola Municipal Antonio Firmino da Silva é arejada e tem a seguinte estrutura
física: 02 salas de aula, 01 sala multiuso para diretoria, secretaria e professores, 01
cantina, 01 banheiro masculino e 01 banheiro feminino para os alunos. O prédio está
em boas condições, porém faz-se necessário a construção de 01 secretaria, 01
diretoria, 01 biblioteca, 01 depósito, 01 quadra de esporte, pátio coberto e ampliação
da cantina.
     Em junho de 2007 foi elaborado o Plano de Ações Articuladas (PAR), no qual
contempla a criação de uma política de construção, recuperação e manutenção do
espaço e equipamento escolar obedecendo aos padrões mínimos. Com isso foi
realizado o Levantamento Situacional da Escola (LSE), visando melhoria da mesma,
no que diz respeito ao espaço físico escolar, composto pelo ambiente educativo,
mobiliário, equipamento escolar e material didático/pedagógico.
8

      A escola tem um total de 10 servidores, conforme quadro a seguir:
              NOME                        FORMAÇÃO              CARGO/FUNÇÃO
Antonia Pereira Neto                  Pedagogia (cursando)    Auxiliar Operacional
Cosmo Félix Dias Gomes                Ensino Médio Básico     Auxiliar   Operacional
                                                              (VN)
Ducilene Pereira de Almeida Santos    Ensino Fundamental      Auxiliar Operacional
Edilson Morais Pereira                Normal Superior         Professor
Eles Brito Melo                       Normal Superior         Professor
Francisca Teixeira da Cunha           Ensino Médio Básico     Auxiliar Operacional
Maria Antonia Soares da Silva Brito   Ensino Médio Básico     Auxiliar Operacional
Maria Aparecida Furtado Barros        Pedagogia               Professora
                                                              Responsável
Maria Elze Pereira Araújo             Ensino Médio Básico     Professora
Bernardino
Maria Rita Nunes Pereira              Ensino Médio Normal     Professora

•   Escola Municipal São Raimundo
    A Escola Municipal São Raimundo está localizada na área rural, Povoado São
Raimundo, no município de Sampaio – TO. Surgiu a partir da necessidade de um
espaço físico adequado, considerando o número de habitantes e crianças em idade
escolar, sendo construída na administração do senhor Pedro Lopes da Silva, Prefeito
do município de Sampaio.
    Convém lembrar que antes da construção da escola os alunos eram atendidos em
barracos, casas alugadas ou espaços cedidos, como a casa do professor. O nome
dado à escola (Escola Municipal são Raimundo), o qual permanece até hoje, foi em
homenagem ao Padroeiro da localidade.
    Hoje a escola atende uma clientela de 07 alunos de 4 e 5 anos de idade, na Pré-
Escola e 13 de 6 a 09 anos do Ensino Fundamental de 1º ao 3º anos, nas
modalidades de Educação Infantil e Ensino Regular, organizados em 01 turma
multisseriada, na qual trabalha-se com a metodologia do Programa Escola Ativa, nos
turnos matutino e vespertino.
     Em 11 de maio de 1990 foi aprovada pela Câmara Municipal e sancionada pelo
prefeito Pedro Lopes da Silva a Lei nº 22/90 na qual “dispõe sobre a criação,
denominação e localização da Escola Municipal São Raimundo”. A mesma começou
a funcionar em gosto do mesmo ano, com alunos da Pré-Escola, 1ª e 2ª séries do
Ensino Fundamental, sendo Antonia Pereira de Sousa a primeira professora, a qual
era responsável pelas questões pedagógicas e administrativas. Periodicamente havia
acompanhamento escolar pela Secretaria Municipal de Educação.
9

   Dentre os fatos importantes que marcaram a educação no povoado São
Raimundo, pode-se destacar a construção da escola, pois foi um grande sonho
realizado, tanto dos alunos quanto dos pais e comunidade.
   Na Escola Municipal São Raimundo trabalha-se avaliação contínua e recuperação
paralela, visando sempre a melhoria do processo educativo. E analisando os
indicadores de desempenho dos últimos três anos, percebe-se que não houve
reprovação nem abandono de 2008 a 2010 e apenas 6,2% dos alunos da escola
estão em distorção idade/série no ano de 2010, conforme quadro a seguir:
   Indicador       Taxa de                                               Taxa de
                                     Taxa de            Taxa de
Ano               Aprovação                                             Distorção
                                   Reprovação          Abandono
                     (%)                                               Idade/Série
                                       (%)                (%)
                                                                           (%)
     2008            100%                 -                 -               -
     2009            100%                 -                 -               -
     2010            100%                 -                 -              6,2%


     É importante ressaltar que 83% dos alunos da Escola Municipal São Raimundo
são cadastrados em Programas Sociais, sendo os seguintes: Programa de
Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), Bolsa Família e Programa Pioneiros Mirins.
     A Escola Municipal São Raimundo é arejada e tem a seguinte estrutura física: 01
sala de aula, 01 sala multiuso para diretoria, secretaria e professor, 01 cantina, 01
banheiro masculino e 01 banheiro feminino para os alunos. O prédio está em boas
condições. Porém faz-se necessário a construção de 01 secretaria/diretoria, 01
biblioteca, 01 depósito, 01 quadra de esporte, pátio coberto e ampliação da cantina.
   Em junho de 2007 foi elaborado o Plano de Ações Articuladas (PAR), no qual
contempla a criação de uma política de construção, recuperação e manutenção do
espaço e equipamento escolar obedecendo aos padrões mínimos. Com isso foi
realizado o Levantamento Situacional da Escola (LSE), visando melhoria da mesma,
no que diz respeito ao espaço físico escolar, composto pelo ambiente educativo,
mobiliário, equipamento escolar e material didático/pedagógico.
   A escola tem um total de 03 servidores, conforme quadro a seguir:
               NOME                           FORMAÇÃO            CARGO/FUNÇÃO
Antonia Pereira de Sousa              Ensino          Fund. Auxiliar Operacional
                                      Incompleto
Janete Cléia Gomes                    Ensino          Fund. Auxiliar Operacional
                                      Incompleto
Maria do Rosário Sousa dos Santos     Normal Superior       Professora
França
10

       Sabe-se que a escola do campo atualmente é espaço em que a educação
acontece de forma dinâmica e com utilização de meios próprios, como a Proposta
Curricular e Programa Escola Ativa.
       Portanto, a Escola Municipal Antonio Firmino da Silva e Escola Municipal São
Raimundo não reproduzem vivências urbanas, mas seguem ou adaptam orientações,
uma vez que as mesmas só trabalham com Educação Infantil e Ensino Fundamental
de 1º ao 5º anos e os alunos ingressarão posteriormente numa escola urbana.
       As referidas escolas trabalham conforme as Diretrizes da educação do campo,
a qual adota como alicerce teórico a concepção sociointeracionista, que busca
interagir com as condições sociais em que todo educando encontra-se inserido. Esta
possibilita o reconhecimento do educando como “sujeito” ativo, pois escola é lugar de
projeção na perspectiva de cidadania e dignidade humana.
       É importante lembrar que fazem parte da história da educação deste município
todos que assumiram a Secretaria Municipal de Educação, portanto convém lembrar:
   •   Aldenira Freitas Campos;
   •   Sabina Pereira Fernandes;
   •   Domingos Acrizano Barros;
   •   Coracy Paula de Melo Lopes;
   •   José de Ribamar Correia;
   •   Carlos Luna;
   •   Vandernilde da Silva Castro;
   •   Maria das Dores Martins dos Santos (atual).
   É importante lembrar que as escolas do campo contam com a equipe da SME –
Secretaria Municipal de Educação tanto nas questões administrativas quanto
pedagógicas e atualmente a mesma possui 10 servidores, os quais constam no
quadro a seguir:
            NOME                      FORMAÇÃO                CARGO/FUNÇÃO
Eliselma Frazão Chaves Melo    Normal Superior           Assistente Administrativo
Elizangelia Carvalho Freire    Pedagogia                 Assistente Administrativo
                               (cursando)
Erasmo Carlos da Silva         Normal Superior           Apoio Pedagógico
Genir Monteiro Silva           Ensino Fundamental        Auxiliar Operacional
Jornadel Pereira da Silva      Administração             Assistente Administrativo
                               (cursando)
Luzinete Lima                  Normal Superior           Assist. Administrativo (COC)
Maria Aparecida Furtado Barros Pedagogia                 Superv. do Prog. Esc. Ativa
Maria das Dores Martins dos    Normal Superior           Sec. Municipal de Educação
11

Santos
Terezinha Lopes da Silva          Pedagogia              Coordenadora Pedagógica
Valadares
Valmicélia Maria de Jesus         Pedagogia              Assist.Administrativa/Sec.
                                  (cursando)             COC




                   CARACTERIZAÇÃO DA COMUNIDADE


•   Povoado Caxeado
    O povoado Caxeado, localizado no município de Sampaio, considerado de baixo
nível socioeconômico, possui 380 habitantes, os quais sobrevivem das seguintes
atividades: Serviço público, cultivo de arroz, mandioca, milho, feijão, melancia,
hortaliças, frutas diversas e fava, produção de farinha, extração de babaçu, criação
de gado bovino, suíno e aves. Há aproximadamente 26% de aposentados e
pensionistas na comunidade.
    Os moradores do povoado participam do processo de escolha dos seus
representantes, através do voto, porém não há sessão nesta localidade, em virtude do
número de eleitores. Os mesmos deslocam-se para a sede do município para este
exercício de cidadania.
    São realizadas na comunidade algumas atividades recreativas, esportivas,
artísticas e culturais, sendo: gincanas, ruas de lazer, torneios de futsal e handebol,
festa em comemoração ao Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia da Criança,
Independência do Brasil e Festas juninas, sob a organização da Escola Municipal
Antonio Firmino da Silva, Secretaria Municipal de Educação e Secretaria Municipal de
Ação social.
    Quanto ao carnaval, grande festa popular brasileira, não há a prática no povoado,
no entanto, adolescentes, jovens e adultos procuram a sede para participarem,
optando pelo momento que melhor lhe convém, já que são quatro dias com bastante
badalação e animação, com diferentes bandas, organizadas para matinê e baile
noturno. A festa carnavalesca em Sampaio é organizada pela Secretaria Municipal de
Ação Social, com apoio das demais secretarias municipais.
    Quanto à religiosidade, uma média de 87% dos moradores do povoado pertencem
à Igreja Católica e 13% à Assembleia de Deus SIADSETA. A comunidade católica
reúne-se a cada semana para Celebração da Palavra ou Terço, mensalmente para
celebrar a Santa Missa e anualmente festejam o Padroeiro local, São José Operário,
12

com celebração da Palavra, missas, leilões, vendas na barraca da comunidade. Já os
evangélicos reúnem-se diariamente para celebração de cultos, encontros com as
senhoras, visitas domiciliares, realizam periodicamente cruzadas evangélicas com a
participação de igrejas de outras localidades, estudos bíblicos e anualmente
comemoram o aniversário do Círculo de Oração “Lírio dos Vales”.
    É importante ressaltar que a Escola Municipal Antonio Firmino da Silva, igrejas e
comunidade contam com o apoio financeiro da Prefeitura de Sampaio para realização
de todas as ações, sejam elas culturais, artísticas ou religiosas.
    Quanto à escolaridade dos membros da comunidade, 46% possuem Ensino
Fundamental incompleto; 9.7%, Fundamental Completo; 8.3%, Médio incompleto;
18%, Médio completo; 1.3%, Superior incompleto e 2.8%, Superior completo e 13.9%
apenas assina ou analfabetos.


•   Povoado São Raimundo
    O povoado São Raimundo, localizado no município de Sampaio, considerado de
baixo nível socioeconômico, possui 96 habitantes, os quais sobrevivem das seguintes
atividades: Serviço público, cultivo de arroz, mandioca, milho, feijão, melancia,
abóbora e fava, produção de farinha, extração de babaçu, criação de gado bovino,
suíno e aves. Há aproximadamente 27% de aposentados e pensionistas na
comunidade.
    Os moradores do povoado participam do processo de escolha dos seus
representantes, através do voto, porém não há sessão nesta localidade, em virtude do
número de eleitores. Os mesmos deslocam-se para a sede do município para este
exercício de cidadania.
    São realizadas na comunidade algumas atividades recreativas, esportivas,
artísticas e culturais, sendo: gincanas, ruas de lazer, futebol, atividades em
comemoração ao Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia da Criança, Independência do
Brasil e Festas juninas, sob a organização da Escola Municipal São Raimundo,
Secretaria Municipal de Educação e Secretaria Municipal de Ação social.
    Quanto ao carnaval, grande festa popular brasileira, não há a prática no povoado,
no entanto, adolescentes, jovens e adultos procuram a sede para participarem,
optando pelo momento que melhor lhe convém, já que são quatro dias com bastante
badalação e animação, com diferentes bandas, organizadas para matinê e baile
noturno. A festa carnavalesca em Sampaio é organizada pela Secretaria Municipal de
Ação Social, com apoio das demais secretarias municipais.
13

   Quanto à religiosidade, uma média de 93% dos moradores do povoado pertencem
à Igreja Católica e 7% à Assembleia de Deus SIADSETA. A comunidade católica
reúne-se a cada semana para Celebração da Palavra ou Terço, mensalmente para
celebrar a Santa Missa e anualmente festejam o Padroeiro local, São Raimundo, com
celebração da Palavra, missas, leilões, vendas na barraca da comunidade. Já os
evangélicos reúnem-se periodicamente para celebração de cultos e visitas
domiciliares no povoado. Costumam deslocar-se para Sampaio (sede) para
participarem de cultos semanalmente.
     Quanto à escolaridade dos pais, 68% possuem Ensino Fundamental incompleto;
8%, Fundamental Completo; 16%, Médio incompleto; 8%, Médio completo. Falando
de profissão (dos pais), 93.4% são lavradores; 3.3%, Técnica em Enfermagem; 3.3%,
pedreiro.
   É importante ressaltar que a Escola Municipal São Raimundo e Escola Municipal
Antonio Firmino da Silva, igrejas e comunidade contam com o apoio cultural e
financeiro da Prefeitura de Sampaio para realização de todas as ações, sejam elas
artísticas, esportivas ou religiosas.


                        DIAGNÓSTICO ESCOLAR

       As escolas do campo atendem alunos de educação infantil (pré-escola) e do
ensino fundamental (1ºano ao 5º anos), no turno diurno, sendo que a Escola
Municipal São Raimundo trabalha apenas com uma turma multisseriada no matutino e
a Escola Municipal Antonio Firmino da Silva possui 02 turmas no matutino e 02
vespertino, todas multisseriadas. Em ambas, o horário de funcionamento (sala de
aula) é das 7h 15min às 11h 30min e das 13h30 min às 17h 30min.

       A equipe de professores fazem planejamento anual e semanal, na Secretaria
Municipal de Educação, com o acompanhamento da Coordenação Pedagógica e
supervisão. O planejamento é coletivo, o que possibilita a socialização de ideias e
troca de experiências, tornando a ação enriquecedora e produtiva.

       As escolas do campo trabalham com a metodologia do Programa Escola Ativa,
o qual disponibiliza os cadernos de aprendizagem de Língua Portuguesa, Matemática,
Ciências, História e Geografia. Para complementação e inserção das demais
disciplinas, são utilizados conteúdos extra modulares, retirados de outras fontes. Os
alunos têm frequência regular e o desempenho da maioria é bom, o que é percebido
14

através de avaliação qualitativa, uma vez que o programa não admite notas, mas os
seguintes conceitos: EP, PC, APT e AP, que significam respectivamente: Em
processo na mesma serie, progressão continuada para a série seguinte, apto e
aprovado para o 6º ano.
      Os alunos que não apresentam desempenho satisfatório são atendidos no
contraturno uma vez por semana com aulas de reforço, ministradas pela professora e
um apoio pedagógico. Esta ação tem sido bastante significativa, pois o atendimento
acontece com pequenos grupos ou individualmente. As escolas realizam atividades
complementares como: gincanas, ruas de lazer, palestras educativas e jogos
esportivos.
      A formação Continuada dos professores acontece através de encontros
periódicos para estudo e reflexão da prática nos dias pedagógicos, em oficinas de
aprendizagem, juntamente com os professores da sede e capacitação específica para
os professores do campo, oferecida pela SEDUC. Há ainda os microcentros,
mensalmente, sendo que os professores deste município participam com os de Praia
Norte e Augustinópolis (pólo).
      No final de cada bimestre acontece o Conselho de Classe, momento em que os
professores das Escolas Municipais Antonio Firmino da Silva e São Raimundo
reúnem-se na Secretaria Municipal de Educação para avaliarem o trabalho realizado
no decorrer do período letivo, apontando sucessos e insucessos, com apresentação
de propostas para melhoria do processo educativo. Participam dos conselhos de
classe, além dos professores regentes, a Secretária Municipal de Educação, a
Coordenadora Pedagógica, a Supervisora do Programa Escola Ativa (e responsável
pela Escola Municipal Antonio Firmino da Silva) e os servidores de apoio pedagógico
e administrativo da Secretaria.
      Após a realização e organização do resultado do Conselho de Classe
(discussões), Faz-se reunião com os pais para repasse e ampliação das propostas e
apresentação dos resultados (aprendizagem). Convém ressaltar que tanto a Escola
Municipal Antonio Firmino da Silva, quanto a São Raimundo, conta com uma boa
participação, embora isso não aconteça no dia a dia, pois a maioria só comparece na
escola quando há solicitação.
      As atividades pedagógicas nas escolas do campo acontecem apenas nas salas
de aula e em áreas livres, no entanto existem vários materiais e equipamentos
pedagógicos que enriquecem as aulas tanto nas turmas de Educação Infantil quanto
do Ensino Fundamental, podendo citar: alfabeto móvel, jogos educativos diversos
15

(memória, sílabas, dominó, números, bingos, quebra cabeças, mais uma, troca letras,
caça-palavras, dado sonoro, trinca mágica, batalha de palavras, quem escreve sou
eu, palavra dentro de palavra, caça rimas, dado sonoro, blocos lógicos, etc), revistas
(Ciências hoje para crianças), DVD, TV, microssyster, data show, globos, mapas,
esqueletos, ábacos, jogos de xadrez, tangran, bússola, boliches, livros de literatura
juvenil e coleções pedagógicas com sugestões de metodologia e atividades.
      É importante ressaltar que os recursos pedagógicos mais utilizados estão
organizados na sala de aula, no espaço chamado Cantinho de Aprendizagem,
seguindo a orientação do programa Escola Ativa, o qual funciona nas escolas do
campo.
      As referidas escolas são acompanhadas pela equipe da SME, estando no dia a
dia da Escola Municipal Antonio Firmino da Silva, a supervisora do Programa Escola
Ativa, a qual responde pela Direção da mesma. Os demais fazem visitas nas escolas,
apoiam em sala de aula, promovem eou participam de encontros, reuniões, Conselho
de Classe, momentos de estudo e outros com os professores.
      O serviço de Secretaria, ou seja, a organização dos documentos, tanto de
alunos quanto de servidores, incluindo matrícula, movimentação de alunos, dossiê,
diários de Classe, Livro de Ponto, atas de resultados finais e outros, fica por conta da
equipe da SME. Há previsão para que a partir de 2012, cada escola tenha a sua
secretaria organizada com um funcionário responsável pela documentação.
      A Escola Municipal Antonio Firmino da Silva conta com 04 auxiliares
operacionais para limpeza e preparação da merenda escolar, 02 em cada turno e 01
vigia noturno. Já a Escola Municipal São Raimundo possui apenas 02 auxiliares no
matutino, uma vez que a mesma funciona apenas neste turno.
      As escolas do campo primam pelo trabalho coletivo e procuram envolver pais e
comunidade em suas ações, tanto no planejamento quanto na execução. Buscam
trabalhar em parceria com outras instituições, podendo citar os seguintes parceiros:
Secretaria de Ação Social, Polícia Militar (com o Programa PROERD), Secretaria
Municipal de Saúde, Igrejas, Escola Municipal 1º de junho e a própria comunidade.
      As escolas do campo procuram construir suas identidades de acordo com a
legalidade e em busca de uma educação de qualidade, a fim de conquistarem a sua
autonomia. Para elaboração e execução de seus projetos e ações e principalmente
para o desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem, baseiam-se em Leis,
especificamente em artigos que tratam da educação, a citar:
16

      Constituição Federal de 1988 - Capítulo III – Da Educação, da Cultura e do
      Desporto
      Art. 205 — A educação, direito de todos e dever do Estado e da família,
será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno
desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua
qualificação para o trabalho.
      Art. 206 — O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:
              I. igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;
             II. liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a
      arte e o saber;
             III. pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, e coexistência de
      instituições públicas e privadas de ensino;
             IV. gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais;
             V. valorização dos profissionais do ensino, garantidos, na forma de lei,
      planos de carreira para o magistério público, com piso salarial profissional e
      ingresso exclusivamente por concurso público e provas de títulos;
      VI. gestão democrática do ensino público, na forma de lei.


      Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional (LDB)
      Art. 12 — Os estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e as
do seu sistema de ensino, terão a incumbência de:
             I. elaborar e executar sua proposta pedagógica;
             II. administrar seu pessoal e seus recursos materiais e financeiros;
             III. assegurar o cumprimento dos dias letivos e horas-aula estabelecidos;
             IV. velar pelo cumprimento do plano de trabalho de cada docente;
             V. articular-se com as famílias e a comunidade, criando processos de
      integração da sociedade com a escola;
             VI. informar os pais e responsáveis sobre a freqüência e o rendimento
      dos alunos, bem como sobre a execução de sua proposta pedagógica.
      Art. 13 — Os docentes incumbir-se-ão de:
             I.   participar    da   elaboração     da   proposta   pedagógica     do
      estabelecimento de ensino;
             II. elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a proposta pedagógica
      do estabelecimento de ensino;
             III. zelar pela aprendizagem dos alunos;
17

             IV. estabelecer estratégias de recuperação para os alunos de menor
      rendimento;
             V. ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos, além de participar
      integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao
      desenvolvimento profissional;
             VI. colaborar com as atividades de articulação da escola com as famílias
      e a comunidade.
      Art.14 — Os sistemas de ensino definirão as normas da gestão democrática do
ensino público na educação básica, de acordo com as suas peculiaridades e
conforme os seguintes princípios:
             I. participação dos profissionais da educação na elaboração do projeto
      pedagógico da escola;
             II. participação das comunidades escolar e local em conselhos escolares
      ou equivalentes.


      Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs)
      Artigo 3°
             I. As escolas deverão estabelecer como norteadores de suas ações
      pedagógicas:
             a) os Princípios Éticos da Autonomia, da Responsabilidade, da
      Solidariedade e do Respeito ao Bem Comum;
             b) os Princípios Políticos dos Direitos e Deveres de Cidadania, do
      exercício da criticidade e do respeito à Ordem Democrática;
             c) os Princípios Estéticos da Sensibilidade, da Criatividade, e da
      diversidade de Manifestações Artísticas e Culturais;
             II. Ao definir suas Propostas Pedagógicas, as escolas deverão explicitar
      o reconhecimento da identidade pessoal de alunos, professores e outros
      profissionais e a identidade de cada unidade escolar e de seus respectivos
      sistemas de ensino;
             III. As escolas deverão explicitar, em suas propostas curriculares,
      processos de ensino voltados para as relações com sua comunidade local,
      regional e planetária, visando à interação entre a Educação Fundamental e a
      Vida Cidadã; os alunos ao aprenderem os conhecimentos e valores da Base
      Nacional Comum e, da Parte Diversificada, estarão também constituindo sua
      identidade como cidadãos, capazes de serem protagonistas de ações
18

responsáveis, solidárias e autônomas em relação a si próprios, às suas famílias
e às comunidades.
Regimento Escolar Padrão da SEDUC – TO


                                   TÍTULO IV
                             Da Organização Didática
                                   Capítulo I
                           Dos Cursos e seus Objetivos

Art. 54 - O Ensino Fundamental tem por objetivos específicos:
       I – o domínio progressivo da leitura, da escrita e do cálculo, enquanto
instrumentos para a compreensão e solução dos problemas humanos e o
acesso sistemático aos conhecimentos;
       II – a compreensão das leis que regem a natureza e as relações sociais
na sociedade contemporânea;
       III – o desenvolvimento da capacidade de reflexão e criação, em busca
de uma participação consciente no meio social.


                                  Capítulo II
                               Do Currículo


Art. 56. Os currículos do ensino fundamental e médio abrangerão,
obrigatoriamente:
       I – o estudo da língua portuguesa e da matemática;
       II – o estudo da língua estrangeira;
       III – o ensino da arte e da educação física como componente curricular
obrigatório da educação básica;
       IV – o conhecimento do mundo físico e natural e da realidade social-
cultural e política, especialmente do Brasil.
       § 1º O tratamento dos conteúdos curriculares:
       I – é pautado na perspectiva sociointeracionista;
       II – visa a desenvolver habilidades e competências.
       § 2º Cabe ao educador orientar-se pelos eixos norteadores do
referencial curricular.
       § 3º O ensino religioso:
       I – é de matrícula facultativa para o aluno, sendo, porém, de oferta
obrigatória para a UE;
19

             II – terá como objeto de estudo o fenômeno religioso;
             III – será ministrado sem quaisquer formas de proselitismo.


      Lei Municipal nº 239/2008 de 08 de abril de 2008 – Capítulo VIII – Dos
      Direitos e dos Deveres dos Profissionais da Educação Básica


                                          Dos Direitos

      Art. 38 – Além dos direitos previstos nesta lei, são direitos dos Profissionais da
Educação Básica:
             I - ter a seu alcance informações educacionais, biblioteca, material
      didático-pedagógico, instrumentos de trabalho, bem como contar com
      assistência técnica que auxilie e estimule a melhoria de seu desempenho
      profissional e ampliação de seus conhecimentos;
             II - dispor, no ambiente de trabalho, de instalações adequadas e
      materiais técnico e pedagógicos suficientes e adequados para que possam
      exercer com eficiência as suas funções;
             III - ter liberdade de escolha e utilização de materiais e procedimentos
      didáticos e de instrumento de avaliação do processo ensino-aprendizagem,
      dentro dos princípios estabelecidos pelo Projeto Político Pedagógico,
      objetivando alcançar o respeito à pessoa humana e a construção do bem
      comum;
             IV - não sofrer qualquer tipo de discriminação moral ou material
      decorrente de sua opção profissional, ficando o infrator sujeito às penalidades
      previstas na Constituição Federal, Artigo 5º, incisos V e VII;
             V - reunir-se na unidade escolar para tratar de assuntos de interesse da
      categoria e da educação geral, sem prejuízo das atividades escolares.
             VI - congregar-se em sindicato ou associação de classe, na defesa dos
      seus direitos, nos termos da Constituição da República.


                                          Dos Deveres


      Art. 41 – Aos integrantes do quadro dos Profissionais da Educação Básica no
desempenho de suas atividades, além dos deveres comuns aos funcionários públicos
civis do município, cumpre:
20

            I - preservar as finalidades da Educação Nacional inspirada nos
      princípios da liberdade e nos ideais de solidariedade humana;
            II - promover e/ou participar das atividades educacionais, sociais e
      culturais, escolares e extraescolares em benefício dos alunos e da coletividade
      a que serve a escola;
            III - esforçar-se em prol da educação integral do aluno, utilizando
      processo que acompanhe o avanço científico e tecnológico e sugerindo
      também medidas tendentes ao aperfeiçoamento dos serviços educacionais;
            IV - comparecer ao local de trabalho com assiduidade e pontualidade,
      executando as tarefas com zelo e presteza;
            V - fornecer elementos para permanente atualização de dados junto aos
      órgãos da Administração;
            VI - assegurar o desenvolvimento do senso crítico e da consciência
      política do educando;
            VII - respeitar o aluno como sujeito do processo educativo e
      comprometer-se com a eficácia do seu aprendizado;
            VIII - comprometer-se com o aprimoramento pessoal e profissional
      através da atualização e aperfeiçoamento dos conhecimentos, assim como da
      observância aos princípios morais e éticos;
            IX - manter em dia registros, escriturações e documentação inerentes à
      função desenvolvida e à vida profissional;
            X - preservar os princípios democráticos da participação, da cooperação,
      do diálogo, do respeito à liberdade e da justiça social.
      As escolas do campo não administram recursos próprios, periodicamente a
Secretaria Municipal de Educação solicita da administração Pública Municipal,
mediante as necessidades, o que se refere à material pedagógico e de limpeza.
Anualmente recebem recursos do PDDE – Programa Dinheiro Direto na Escola,
sendo que até 2010 a Escola Municipal Antonio Firmino da Silva recebeu através da
Associação de Apoio à Escola Municipal 1º de Junho e a Escola Municipal São
Raimundo por meio da Prefeitura de Sampaio.
      Convém ressaltar que a organização da Associação de Apoio às escolas do
campo está em fase de conclusão, portanto, conta-se que em 2012 a mesma estará
funcionando normalmente e assim, o recurso acima referido (PDDE), cairá em conta
própria.
21

                          VISÃO ESTRATÉGICA

       Analisando e refletindo a prática educativa das Escolas do campo, a equipe
definiu os valores, a visão de futuro, a missão e os objetivos, considerando os
aspectos pedagógicos, administrativos, jurídicos e financeiros, bem como a formação
docente e discente e a organização dos espaços de aprendizagem, visando às
condições de acesso, participação, permanência e processo de ensino e
aprendizagem. Houve dessa forma, a definição de sua visão estratégica, levando em
consideração todo ambiente escolar.
       Sabe-se que a visão estratégica representa as convicções em que a maioria
das pessoas no ambiente escolar acredita, e que as mesmas estejam presentes em
todas as atividades e relações existentes na escola, família e comunidade, tudo isso
objetivando a melhoria do processo educativo.
       Sendo assim é importante destacar que as convicções e princípios estão
definidos e serão citados a seguir:

Nossos Valores
  • Compromisso: Temos compromisso com uma educação de qualidade, para
       formar cidadãos críticos e conscientes na sociedade;
   •   Participação: Trabalhamos em equipe com comprometimento e solidariedade,
       primando pelo trabalho coletivo;
   •   Respeito: desenvolvemos um trabalho com dignidade, respeitando os direitos
       de cada pessoa na escola.


Nossa Visão de Futuro
   •   Formamos uma equipe voltada para a qualidade no atendimento a todos que
       necessitam de nossos serviços, realizando um trabalho de maneira eficaz e
       organizada, respeitando a individualidade e interesse dos educandos,
       educadores, pais e comunidade, para o fortalecimento das ações educativas.


Nossa Missão
   •   As escolas do campo têm por missão assegurar um ensino de qualidade,
       contribuir para a melhoria das condições educacionais, formar cidadãos de
       bem, conscientes dos seus direitos e deveres, que saibam interagir no meio
22

      social, com capacidade para construir conhecimentos e valores, no que se
      refere à formação do caráter e desenvolvimento de conceitos éticos e políticos.


Nossos objetivos
    • Elevar o nível de aprendizagem dos alunos;
     • Fortalecer a participação dos pais na escola.


Nossas metas
     • Elevar em 5% o índice de aprovação no Ensino Fundamental na Escola
        Municipal Antonio Firmino da Silva (2011 a 2016);
     • Desenvolver um Programa com 03 atividades para melhorar a qualidade da
        aprendizagem na Escola Municipal São Raimundo (2011 a 2016);
     • Desenvolver 07 atividades para intensificar a Proposta Pedagógica da Escola;
     • Implementar um Programa com 03 atividades para integração entre escola –
        família – comunidade.


Concepções da Equipe


                           PROGRAMA ESCOLA ATIVA


      O programa Escola Ativa é uma estratégia metodológica criada pelo Governo
Federal que objetiva atender os alunos das escolas rurais das regiões Norte,
Nordeste, Centro-Oeste. Foi      desenvolvido especificamente para as classes
multisseriadas, onde alunos de diferentes idades, séries/anos realizam suas
atividades escolares na mesma sala de aula.
      Possui como estratégia o investimento na formação de educadores, na
melhoria da infraestrutura das escolas e no oferecimento de material pedagógico.
      A implantação da estratégia metodológica Escola Ativa no Brasil ocorreu no
ano de 1997, com assistência técnica e financeira do projeto Nordeste/MEC, nos
estados da Região Nordeste. Em meados de 1999 o Projeto Nordeste chegou ao
final, dando lugar a um novo momento, o surgimento do programa FUNDESCOLA
(Programa Fundo de Fortalecimento da Escola), o que não acarretou descontinuidade
nas ações de implantação do programa Escola Ativa que já consolidava nos Estados.
      A Escola Ativa, então, passou a fazer parte das ações do Programa
FUNDESCOLA. Para melhor compreensão, o processo de implementação do
23

Programa Escola Ativa no Brasil pode ser dividido em fases que representam o
processo percorrido pelo mesmo desde a sua implantação.
FASE I – Implantação e testagem;
FASE II – Expansão I;
FASE III – Consolidação;
FASE IV – Expansão II;
FASE V – Disseminação e Monitoramento.
      Em 2008, o programa Escola Ativa foi implantado no município de Sampaio,
sendo um desafio para todos os envolvidos com o processo ensino aprendizagem,
pois trouxe metodologias inovadoras através de uma série de ações envolvendo
capacitações, com o apoio da SEDUC (Secretaria da Educação do Estado do
Tocantins) e SME (Secretaria Municipal de Educação).


                                EDUCAÇÃO NO CAMPO


      Na década de quarenta, a população brasileira era formada por mais de 40
milhões de habitantes, cerca de 70% viviam na área rural e de 30%, nas áreas
urbanas. Na década de oitenta, a população havia triplicado, chegando a mais de 120
milhões, 68% - mais de 81 milhões de pessoas – já residentes nas cidades. Em
apenas cinco décadas, a proporção inverteu-se drasticamente: hoje, o Brasil tem mais
de 185 milhões de habitantes, 75% nas áreas urbanas e 25%, nas áreas rurais.
      Recentemente, vê-se surgir no campo, novas alternativas de trabalho nos
setores de prestação de serviços, construção civil, comércio e área social que têm
contribuído para reter o processo de êxodo rural. Segundo dados da Pesquisa por
Amostra Domiciliar (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE),
da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e da Empresa Brasileira de
Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), a quantidade de empregos não agrícolas
criados na zona rural aumenta 35% entre 1990 e 2000, o que equivale a 1,2 milhões
de novas vagas.
      A educação do campo não pode importar de forma nenhuma um modelo
pedagógico-curricular urbanizado. A educação para a população do campo incorpora
uma realidade histórica variada, englobando as mais diversas práticas da “vida
campestre”, tais como os espaços onde vivem os povos tradicionalmente agricultores,
extrativistas, caçadores, ribeirinhos, pescadores, indígenas, quilombolas, posseiros,
arrendatários meeiros e fazendeiros. Ela expressa a luta dos povos do campo por
24

políticas públicas que garantam o direito à educação, a uma educação que seja no
campo e do campo.
       Hoje, existe consenso de que uma política de desenvolvimento rural deve
integrar a Reforma Agrária, o fortalecimento da pequena propriedade e da agricultura
familiar, assim como a geração de mais e melhores postos de trabalho e renda no
campo. A educação torna-se imprescindível para a formação do capital, humana e
social que possibilitará a gestão na direção do desenvolvimento sustentável.
       Uma proposta curricular de Educação do Campo adota como alicerce teórico a
concepção sociointeracionista, fundamentalmente por uma questão de coerência
pedagógica, haja vista que se busca nesta, a superação de um modelo de educação
brasileira no meio ao processo de transmissão de saberes. A Educação do Campo
que vem sendo proposta a partir de um trabalho coletivo, envolvendo os próprios
educadores a equacionar saberes científicos às práticas cotidianas no campo. “Para
ser grande, sê inteiro: nada teu exagera ou exclui. Sê todo em cada coisa. Põe quanto és no
mínimo que fazes. Assim em cada lago a lua toda brilha, porque alta vive” (Fernando
Pessoa).
       A Educação do Campo deve convocar para si a responsabilidade social, ou
seja, a escola é o lugar de projeção social, não se tratando aqui de uma projeção
meramente capitalista/materialista, mas projeção na perspectiva de cidadania e
dignidade humana, como trata os quatro eixos estruturais da educação proposta pela
UNESCO:
APRENDER A SER – que deve ser entendido e vivenciado como a valorização da
auto-estima, atitudes e interesses particulares dos educandos como condição de
torná-los sujeitos do processo de ensino-aprendizagem, considerando a identidade
própria do campo, estabelecendo como resultado esperado do processo de ensino-
aprendizagem: educandos participativos, responsáveis, ativos socialmente no meio
em que vivem, abordando os valores culturais, por meio de discussões transversais,
para uma construção da individualidade e da vida no campo.
APRENDER A CONVIVER – eixo extremamente importante numa sociedade
contemporânea marcada pela intolerância, logo deve ser abordado no contexto
escolar como valorização das regras de convivência pautadas na disciplina, no
respeito mútuo, na tolerância, levando os educandos a qualificar a relação humana
entre os mesmos, valorizando as particularidades linguísticas do campo.
APRENDER A FAZER – eixo que deve ser valorizado em razão da necessidade
produtiva a que a vida exige de cada ser humano. Nesta perspectiva os conteúdos
25

curriculares devem ser contextualizados, como condição de relacionar a dimensão
teórica do conhecimento com a prática, principalmente no exercício de atividades no
campo.
APRENDER A APRENDER – eixo que subsidia todos os demais, haja visto que
oferece condições didáticas para que o educando esteja permanentemente
produzindo ou problematizando os conhecimentos. Deve possibilitar o educando a
atitude de provocador e instigador. Adotar o conhecimento como meio e não como
fim, de modo que esteja o próprio vetor na construção da autonomia intelectual.

                             SALAS MULTISSERIADAS

      A educação escolar constitui um direito social e cabe ao Estado garantir as
condições e os recursos para a sua efetivação. Isto pressupõe, entre outras
condições, realizar no campo a inclusão de crianças, jovens e adultos na formação
básica em condições igualitárias de acesso e permanência, rompendo com formas
seletivas de privilégio ainda vigentes na educação escolar.
      Atualmente professores das escolas que atuam no campo e trabalham com
salas multisseriadas enfrentam dificuldades para trabalhar com crianças com
diferentes idades e níveis de aprendizagem na mesma classe, pois as mesmas
apresentam algumas especificidades. Essas especificidades, segundo ROSA (2008,
p. 224), “exigem do educador saberes necessários para se trabalhar com a
diversidade.” Assim, se faz necessário ao professor, considerar que não existem
classes homogêneas e que o planejamento das atividades deve contemplar todos os
estudantes independentes de seu nível de conhecimento.
      É interessante ressaltar que as especificidades identificadas nas classes
multisseriadas não trazem apenas dificuldades para o trabalho docente, trazem
também possibilidades para a formação de grupo na sala de aula. ROSA (2008, p.
228) explica ainda que: Há diferenças quando se consideram as séries, as idades, o
sexo, os sonhos, as expectativas, as condições financeiras e socioculturais.
      As semelhanças ocorrem no desejo dos alunos de ter acesso a um sistema de
educação com boa qualidade de ensino; acesso aos meios de comunicação e
conhecimentos. Nesse sentido, o planejamento pedagógico é um fator valiosíssimo
para identificar os problemas de aprendizagem nas escolas que atendem salas
multisseriadas. É capaz de criar estratégias para desenvolver seu currículo levando
em consideração principalmente o trabalho dos alunos em equipe.
26

      A lógica dessa organização é interessante pelo fato de haver interação entre os
grupos. As crianças que ainda não se apropriaram do conteúdo, por exemplo, serão
capazes de discutir as relações que determinam os conceitos e assimilar as formas
de construção das frases (nominais e verbais) se for o caso e interpretar ainda, as
imagens, a partir do ponto de vista coletivo.
      A maior dificuldade apresentada pelo professor das turmas multisseriadas
seria: atender a todos os alunos, pois, o marco dessas turmas é a heterogeneidade. É
certo que não existem turmas homogêneas, no entanto, só o fato de haver alunos de
idades diferentes dificulta ainda mais a prática docente.
      Outro ponto em questão de muitas escolas é a falta de recursos didáticos, visto
que as escolas rurais estão situadas em lugares distantes e acabam em sua grande
maioria esquecidas pelas políticas públicas. O professor, diante disso, precisa criar
estratégias para oferecer o mínimo de condição que atenda a todos os alunos.
      Estudiosos afirmam que 92% dos educadores apontaram ser um grande
desafio ensinar diferentes conteúdos a grupos tão distintos e 52% afirmaram que a
principal dificuldade é preparar uma aula em que todos possam participar.
      Para Jaqueline Freire.
                                          “O problema não é a multissérie, mas a falta de
                                          conhecimento para lidar com saberes diferenciados. O
                                          professor que trabalha numa classe multisseriada
                                          precisa de atendimento contínuo para aprender a lidar
                                          com as questões pedagógicas que envolvem grupos
                                          tão diversificados.” Revista Nova Escola, P. 18.


      Diante das considerações do trabalho docente com as classes multisseriadas,
é possível realizar um planejamento capaz de alcançar todos os envolvidos no
processo de ensino e aprendizagem das escolas do campo, certificando-se que, a
diversidade contribui para que haja interação, cooperação e construções mútuas dos
saberes escolares.
      Portanto, acredita-se que apesar das dificuldades encontradas, os docentes
das turmas multisseriadas poderão articular a sua prática docente com a formação de
grupos, para assim, trabalhar o currículo escolar. Tendo em vista que, a
heterogeneidade existente nas salas, é capaz de promover a cooperação dos sujeitos
a fim de alcançar aprendizagens consideravelmente significativas.
27

                                EDUCAÇÃO ESPECIAL

       As pessoas com Necessidades Educacionais Especiais no Brasil têm seus
direitos garantidos pela Constituição Federal que elegeu como fundamentos da
República a cidadania e a dignidade da pessoa humana (art. 1º, incisos II e III), A
mesma prevê, a promoção do bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo,
cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação (art. 3º, inciso IV).
       A Lei garante ainda o direito à igualdade (art. 5º), e os artigos 205 e seguintes,
esclarecem que todos têm direito à educação. Esse direito deve visar ao pleno
desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua
qualificação para o trabalho (art. 205).    Além disso, elege como um dos princípios
para o ensino, a igualdade de condições de acesso e permanência na escola (art.
206, inciso I).
       No entanto, a inclusão de pessoas com necessidades educacionais especiais
no ensino regular começou a ser aclamada após a Conferência Mundial sobre
Necessidades Especiais que aconteceu na Espanha em 1994. Nesse encontro surge
então a Declaração de Salamanca, que é em um importante documento que dispõe
sobre os princípios, políticas e práticas relativas às necessidades especiais.
       O referido documento esclarece que as pessoas com necessidades
educacionais especiais, assim como as pessoas consideradas “normais” têm direito
ao acesso às escolas comuns que deverão oferecer uma educação centrada nas
necessidades do público em questão, sendo capaz de atender as mesmas,
oferecendo um ensino inclusivo e de qualidade, onde as crianças possam permanecer
sem qualquer tipo de descriminação.
       A inclusão escolar, de acordo com essa declaração, consiste em que as
escolas reconheçam as diversas necessidades dos alunos e lhes ofereçam
aprendizagem      por   meio   de   currículo   apropriado   e   promova      modificações
organizacionais, estratégias de ensino e uso de recursos, dentre outros quesitos.
(UNESCO apud MENDES, 2002).
       As escolas têm um importante papel no processo de inclusão social, pois
quando as crianças com necessidades educacionais especiais passam a frequentar
as salas de aula de ensino regular, novos horizontes são abertos e possibilitam
mostrar que são capazes de desenvolver atividades que os integram na sociedade e
isso os motivam a lutarem por seus direitos. mesma no Brasil tem assumido uma
posição importante nos debates educacionais.
28

      Vários autores de obras que tratam sobre inclusão destacam muitos fatores
que dificultam a concretização da inclusão escolar tais como, a ausência nos cursos
de formação de professores e a falta de conteúdos específicos sobre o processo de
ensino e aprendizagem das pessoas com necessidades especiais. Afirmam ainda que
o processo de inclusão não deve ser apenas educacional, mas também social e para
que isso possa acontecer, há a necessidade de se valorizar e capacitar os
professores, promovendo assim o acesso e a permanência do aluno na escola com
sucesso e qualidade.
      Gandhi afirma que “se queremos progredir, não devemos repetir a história, mas
fazer uma nova história” e cabe aos seres humanos aprender a conviver com as
diferenças, respeitando e valorizando-as, pois por muito tempo as pessoas com
necessidades especiais foram condenadas a viver de forma isolada e tiveram seus
direitos fundamentais negados vivendo sem nenhuma qualidade de vida. Neste
sentido, convém lembrar que:
                                        "Somos diferentes, mas não queremos ser
                                        transformados em desiguais. As nossas vidas só
                                        precisam ser acrescidas de recursos especiais".
                                        (Peça de teatro: Vozes da Consciência,BH)



                            FORMAÇÃO CONTINUADA


      A Formação inicia-se com o conhecimento teórico adquirido na formação
acadêmica (inicial) e deve ser continuada, pois o processo refere-se à ligação
teoria/prática e seu aperfeiçoamento.
      Formação continuada é um conjunto de estudos que se transformam em ideias
que são socializadas de forma que os grupos possam interagir, tendo como ponto de
partida a experiência de cada um. Assim nos afirma Vera Maria N. de Souza: “o ponto
de partida é a experiência, prática que ele traz – não como constatação, como relato,
mas como instrumento a ser analisado, confrontado e transformado” (p.118).
      “A formação continuada é um processo de aprendizagem fundamental na vida
do ser humano. Pois o conhecimento é uma busca constante, está sempre em
construção. O profissional deve ter consciência do seu papel diante da sociedade,
como formador de opinião. A sua finalidade é fazer com que o indivíduo tenha um
despertar para mudanças que ocorrem em sua volta, melhorar a prática educativa e a
qualidade do ensino.” (equipe de professores).
29

       Neste sentido, Carlos Eduardo Ferraço diz que: ”a formação continuada está
inserida no processo de ampliação das possibilidades de conhecimento, tanto dos
educadores quanto dos estudantes” (p.20).
       Devido às influências de uma época globalizada e tecnológica, temos uma
clientela informada e com modificações de comportamento intelectual. No paradigma
produtivo, o professor deve estar se adequando às inovações, sabendo que sua
formação inicial e continuada constituem condição para uma aprendizagem
permanente, tanto para vida pessoal quanto profissional, caso contrário, não terá
espaço no mercado de trabalho.
       É de interesse municipal, estadual e nacional a formação do professor, pois
estão contemplados na Lei de Diretrizes e bases da Educação Nacional, no Art. 61
Titulo Vl (p.37), o qual nos diz que o desenvolvimento do educando terá como
fundamentos, associação entre a teoria e a prática mediante capacitação em serviço,
aproveitamento da formação e experiências anteriores. Pois teoria e prática resultam
na práxis, transformando a realidade da escola com respaldo na sociedade em geral.
       É de suma importância a valorização dos programas de Formação Continuada,
aos quais as escolas do campo têm acesso: Capacitação do programa Escola Ativa,
microcentros   (mensalmente),    Dias    Pedagógicos    (bimestralmente),   oficinas
pedagógicas, seminários e Grupos de Estudo.
       Dessa forma, saber administrar sua própria Formação Continuada é ação útil e
necessária da escola, pois atualmente o professor está sendo convidado a participar
de um novo espaço educacional, formando uma nova escola, onde exige de seus
educadores compromisso ético e político e que todos estejam possibilitando a
construção do conhecimento, promovendo assim, um ambiente de reflexão das ações
e atitudes.


                                   CURRÍCULO


       O currículo escolar se focaliza como um Projeto educativo globalizado, que
agrupa a adversidade cultural e desenvolvimento pessoal e social dos indivíduos,
para seu desenvolvimento em sociedade.
       Quer dizer que o mesmo é mais que seleção de conhecimento ou saber
elaborado e formalizado. Os princípios que devem embasar o currículo escolar deve-
se fundamentar por meio da autonomia, responsabilidade, solidariedade e do respeito
ao bem comum, que fazem parte da vida cidadã dos alunos.
30

      A Secretaria de Educação do Tocantins através do seu Planejamento
Estratégico vem adotando medidas e empreendendo esforços para enfrentar as
questões que afligem a educação pública do estado, que tem como objetivo minimizar
o analfabetismo, reprovação, evasão escolar, promovendo assim um ensino de
qualidade para todos os alunos.
      Dentre essas medidas aponta-se a construção da Proposta Curricular para o
Ensino Fundamental, Proposta Curricular para a Educação do Campo que constituem
ação coletiva a qual mobiliza professores e técnicos, tornando-se um momento de
discussão e de comprometimento com a melhoria da escola pública.
      Neste contexto as escolas do campo buscam organizar o planejamento de
acordo com as necessidades dos educandos, seguindo, além das Propostas
Curriculares e Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, a metodologia
do Programa Escola Ativa, com uso dos cadernos de Aprendizagem. Assim, pode-se
afirmar que:
                                        “Currículo é um importante elemento constitutivo
                                        da organização escolar. Currículo implica,
                                        necessariamente, a interação entre sujeitos que
                                        têm um mesmo objetivo e a opção por um
                                        referencial teórico que o sustente”. (Ilma, P. 26).


      Neste sentido a escola procura colocar em prática as sugestões e
procedimentos metodológicos discutidos e adquiridos nos estudos, dias pedagógicos
e encontros de formação continuada e cumprir com sua atribuição legal e busca atuar
na formação de cidadãos capazes de entender e interpretar a ciência, as tecnologias,
as artes, a diversidade humana e os valores éticos e políticos, contribuindo de fato na
construção de uma sociedade mais justa e igualitária.


                               EDUCAÇAO INFANTIL


      O desenvolvimento da Educação Infantil no Brasil e no mundo tem tomado
maior dimensão e com grande rapidez, devido à intensa participação da mulher no
mercado de trabalho. Em contra partida a sociedade está mais consciente da
importância das experiências na primeira infância, o que motiva investimentos por
uma educação institucional para crianças de zero a cinco anos.
      Neste sentido a sociedade civil e órgãos governamentais reconheceram sua
importância, o movimento da sociedade resultou no reconhecimento legal na
constituição de 1988, onde consta que a Educação Infantil em Creches e Pré –
31

Escolas passou a ser um direito da criança (artigo 208 inciso lV). O estatuto da
criança e adolescente de 1990, também destaca o direito da criança a esse
atendimento.
       O direito à educação dessas crianças é visto de forma diferente do Ensino
Fundamental, ou seja, a educação não é obrigatória. A educação infantil está
centrada na experiência da criança, no processo, e não no resultado. Os profissionais
de pré-escola são responsáveis pela formação da criança, socialização e integração
da mesma no meio social, buscando assim, a construção da infância, do coletivo
infantil, da diversidade.
       Nos dias atuais podemos dizer que cada vez mais, meninos e meninas têm
acesso à educação infantil, chegam á escola mais cedo. Felizmente a política
educativa vem sendo direcionada no sentido de que todas as crianças, independente
do meio familiar e social de origem, tenham acesso à escola. Neste sentido, pode-se
concordar com Regina Leite quando fala sobre o compromisso que a escola deve ter
com o projeto da classe trabalhadora, desde a educação infantil á universidade.
                                        “O desafio que se coloca, portanto, para a escola é o
                                        que fazer e como fazer, no sentido de contribuir para
                                        que cada aluno, independentemente de sua condição
                                        de classe, raça ou gênero, vá se capacitando para
                                        poder pretender se tornar governante; ou seja, que
                                        cada aluno da classe trabalhadora desenvolva, no
                                        decorrer de sua escolaridade, as condições gerais de
                                        poder governar.”(p.12)

      É importante ressaltar que com o acesso maior à escola das diferentes crianças
e tipos de famílias, faz-se necessário refletir, quanto à formação permanente e
disposição em modificar, se necessária, a ação educativa, pois surgem várias
possibilidades, visto que as crianças são diferentes umas das outras em muitas
dimensões. Atualmente não tem espaço, nem alternativa, senão uma escola inclusiva,
que considera a diversidade como fonte de riqueza.
       As escolas do campo alunos na educação infantil na faixa etária de 4 e 5 anos.
E tem como objetivos gerais:
           Desenvolver a coordenação voluntária dos pequenos e grandes músculos
           (coordenação motora fina e grossa);
           Desenvolver a comunicação e atribuir significados às diferentes situações
           do cotidiano, preparando-se para a inserção no mundo da leitura e escrita;
           Construir conhecimentos matemáticos a partir de interações com diferentes
           objetos e o ambiente em que vive;
32

         Adquirir conhecimento social, estabelecendo relações de convivência,
         interação e respeito mútuo com o outro, bem como respeito a si e ao meio;
         Desenvolver as habilidades artísticas, tornando-se capaz de perceber a arte
         no real e imaginário.
      Acredita-se que no processo de construção do conhecimento, as crianças
possam utilizar de diversas linguagens e terem a capacidade de formar hipóteses e
ideias sobre o que buscam desvendar. Assim, necessitamos de objetivos claros e
precisos que direcionem para formação de seres humanos capazes de viver bem em
sociedade.


                    ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS



      O ensino fundamental de nove anos tornou-se obrigatório, com a inclusão das
crianças de seis anos de idade, através da Lei 11274/2006. Para tanto, exige-se um
tratamento político, administrativo e pedagógico, sendo que precisa assegurar um
convívio escolar com maior oportunidade de aprendizagem.
      Partindo deste principio, necessário se faz que haja recursos físicos e
humanos, a fim de garantir um ensino de qualidade. Os espaços educativos, os
materiais didáticos, o mobiliário e o equipamento devem ser repensados para atender
as crianças com essa faixa etária. É fundamental, que haja uma política de formação
continuada, possibilitando o profissional, a capacidade de atuar de maneira que
aconteça uma aprendizagem significativa.
      Neste sentido, não se pode esquecer a ludicidade, considerando que os alunos
de 1º ano, antes estavam inseridos na Pré-Escola, onde há espaço para o brincar, e
esse brincar faz parte de sua vida. Portanto, é de grande relevância que esse
momento de brincadeira não seja deixado de lado.
      Pensando na Proposta Curricular, as crianças de seis anos precisam de um
currículo que atenda suas características e potencialidades específicas. Deve ser
pensado não só o caráter da alfabetização e do letramento, mas valorizá-las como um
todo, capaz de desenvolver habilidades que vão além da leitura e da escrita,
necessários para a formação do estudante do Ensino Fundamental.
      Para cumprimento à Lei e melhor atendimento às crianças de 6 anos de idade,
as escolas do campo implantaram o Ensino Fundamental de 9 anos a partir de 2007,
lembrando que até então os alunos deste nível nas escolas da rede municipal são
apenas de 1º ao 5º anos.
33

                               TRABALHO COLETIVO

      Ao longo da história das escolas do campo, pode-se afirmar que a comunidade,
embora não participe ativamente do dia a dia escolar, atende convites e se faz
presente nas reuniões e demais ações das. Percebe-se que essa participação vem
aumentando a cada dia e isto graças ao trabalho das equipes da SME e escolas, que
buscam cada vez mais melhorar a qualidades das atividades escolares, conquistando
assim, a confiança de alunos, pais e comunidade.
      Hoje acredita-se que com a elaboração do Projeto Político Pedagógico, o
trabalho coletivo será impulsionado ao sucesso, concretizando a participação efetiva
da comunidade escolar e local nas atividades escolares.
      Quanto ao trabalho realizado dentro das Unidades Escolares, não há dúvida de
que o mesmo acontece meio à colaboração e solidariedade, uma vez que todos
procuram servir o outro de acordo com as possibilidades. As ações contam com a
participação ativa de todos os servidores desde o planejamento à execução e
avaliação.
      O trabalho coletivo possibilita a soma de capacidades em função de finalidades
comuns. Este tem sido apontado por pesquisadores e estudiosos como o caminho
mais eficaz para o alcance das novas finalidades da educação escolar e para que
aconteça de forma eficaz, deve envolver o espaço público de discussão e troca de
conhecimentos no qual participam as diferentes        instâncias sociais, tais como a
família, o governo, a igreja, os sindicatos, além dos profissionais da educação.
      No entanto, reconhece – se que o trabalho coletivo não é tarefa simples, uma
vez que a humanidade durante séculos, em sua história, acostumou-se a formas de
vida individualista. No entanto, é preciso que haja a participação de todos os “atores”,
objetivando o crescimento educacional e transformação da sociedade. Somente a
partir desta integração é possível desenvolver um trabalho com sucesso.


                    PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM


      O processo ensino e aprendizagem não se dá de modo mecânico, ele acontece
na relação entre professor e aluno. Essa relação possibilita a apropriação e
sistematização dos conhecimentos, situação em que o professor ensina e aprende.
      Sendo assim, convém afirmar que a aprendizagem é um processo no qual
incorporamos novos padrões, novos costumes, novas formas de perceber a vida, de
agir frente a diferentes situações do cotidiano. A aprendizagem possibilita uma
34

relação cognitiva entre o sujeito e o objeto do conhecimento. O sujeito age sobre o
mundo com o intuito de apropriá-lo, transformá-lo. Nesse processo de aprendizagem,
o homem vai se transformando a cada nova experiência.
       As escolas do campo compreendem que o processo de ensino e aprendizagem
serve para o homem como linear de seus atos, num contexto histórico. Seja ele
social, cultural ou político. Dessa forma, ensinar e aprender, sem dúvida, determinam
a vida intelectual e participativa do homem na sociedade.
       Com esse entendimento, estas Unidades de Ensino vêm realizando o seu
trabalho a partir de um Planejamento coletivo, seja para as atividades docentes ou em
contexto geral. Os professores são lotados com uma carga horária semanal de 40
horas, sendo 20 em regência e 20 horas atividades, destinadas ao planejamento de
aulas, reforço escolar, estudos, pesquisas e acompanhamento familiar.
       As escolas têm trabalhado o reforço escolar no contraturno, apenas uma vez
por semana, já que a maioria dos professores que trabalham no campo moram na
sede do município, o que dificulta a permanência dos mesmos do turno contrário à
regência. Além de fazerem o Planejamento Anual, os professores reúnem-se
semanalmente na sede da SME para planejamento, organização das atividades
pedagógicas e confecção de material, com acompanhamento da coordenação,
supervisão e equipe de apoio pedagógico/administrativo da SME.
       Analisando a forma como acontece o processo de ensino e aprendizagem nas
escolas e em observação à Proposta Curricular de Educação para o Campo, a equipe
definiu como linha de trabalho, a partir deste Projeto Político pedagógico a concepção
sociointeracionista, já que esta reconhece o educando como sujeito ativo e não
apenas como mero expectador. O aluno do campo tem voz e vez e os conhecimentos
trazidos por eles são ampliados, fazendo com que a aprendizagem seja de fato
significativa.
       Assim sendo, as escolas do campo realizam um trabalho com responsabilidade
e compromisso, procurando valorizar, além do conhecimento prévio do educando, as
experiências de cada servidor, buscando melhorar a cada dia, o seu fazer
pedagógico, em prol de uma educação de qualidade.
35

                                PLANEJAMENTO


                                       “Uma das tarefas mais importantes para garantir o
                                       sucesso de qualquer iniciativa é planejar. Na escola
                                       não é diferente. O único jeito de garantir que todos os
                                       alunos aprendam é preparar corretamente o terreno
                                       (saber onde se quer chegar, definir prioridades,
                                       organizar os espaços físicos e a infraestrutura
                                       necessária para alcançar os objetivos) e, claro, colocar
                                       tudo            isso            em              prática”.
                                       (Gabriel P. Grossi, Revista N. Escola, dez. 2006, P. 6).


      Já se sabe que toda atividade a ser realizada, necessita de uma prévia
organização. Não sendo diferente nas atividades educativas, ao assumir uma
disciplina ou série, o professor sente a necessidade de tomar várias decisões, como
seleção das competências e habilidades a serem desenvolvidas, relação de
conteúdos que atendam os anseios dos seus alunos, que recursos vai utilizar para
que facilite a aprendizagem, tornando-a mais significativa e que metodologia adotar
para cada conteúdo.
      Planejamento, portanto, é um processo contínuo, permanente e dinâmico, é de
fundamental importância para nortear a prática pedagógica, pois todo fazer exige o
ato de planejar, não é possível realizar um trabalho sem pensar ou traçar caminhos e
metas.
      Neste sentido, a ação de planejar não pode estar reduzida ao simples
preenchimento de formulários para controle administrativo, mas é um instrumento que
orienta os caminhos a serem percorridos em um determinado período. O
planejamento deve ser claro, completo e estar de acordo com a realidade, pois
através do mesmo pode-se evitar repetições de ações e que alguns conhecimentos
essenciais deixem de ser tratados com os educandos.
      A equipe de professores das escolas do campo considera o planejamento ação
imprescindível para o sucesso de todo e qualquer trabalho, de modo especial da
regência, uma vez que este é realizado diretamente com a criança, adolescente ou
jovem, o que torna a responsabilidade de que quem conduz a atividade, bem maior.
No entanto, não perde de vista a importância que o planejamento tem também para
organização e execução das atividades educativas de modo geral.
      Assim, os educadores das referidas escolas elaboram o planejamento anual no
início do ano letivo de forma coletiva e reúnem-se semanalmente para o planejamento
semanal, o qual é mais detalhado, com definição das atividades diárias. Em ambos
36

destacam-se, dentre outros pontos considerados relevantes, as habilidades, os
conteúdos, a metodologia, os recursos pedagógicos e avaliação.
      Convém ressaltar que o dia de planejamento semanal é bastante enriquecedor,
pois durante o mesmo ocorre a troca de experiência e discussão sobre diferentes
formas de ensinar e aprender que auxiliam o professor no seu fazer pedagógico. “O
planejamento é feito com acompanhamento pedagógico, o que é fundamental para
que o educador possa realizar um trabalho de qualidade”. (Equipe de professores)


                                   AVALIAÇÃO


                                        “A avaliação é um instrumento poderoso a serviço do
                                       professor, da escola, dos alunos e das famílias, para
                                       melhorar e redirecionar o trabalho pedagógico”. (LUCK,
                                       Revista Gestão em Rede, 2006, P. 19).



      A avaliação é constante em nosso dia-a-dia, pois avaliamos impressões e
sentimentos. Nas interações cotidianas, em casa, em nossa trajetória profissional e
durante o lazer, a avaliação sempre se faz presente e inclui um julgamento de valores
sobre nós mesmos, sobre o que estamos fazendo e sobre o resultado de trabalhos.
Já na ação escolar, a avaliação incide sobre ações ou sobre objetos específicos, no
caso, o aproveitamento do aluno.
      Trabalhar com o processo avaliativo é importante no sentido de que é uma
prática educacional necessária para que se saiba como está a Unidade Escolar.
Neste sentido, é importante que pais, professores e alunos participem da mesma.
      A avaliação fundamenta-se em aprendizagens significativas e funcionais que
se aplicam em diversos contextos e se atualizam o quanto for preciso para que se
continue a aprender. Este enfoque tem um princípio fundamental: Deve-se avaliar o
que se ensina, realizando assim, um balanço do processo de ensino-aprendizagem.
      Portanto, usando esse principio é possível falar em avaliar para conhecer
melhor o aluno e contribuir para o desenvolvimento das capacidades dos mesmos.
Pode-se dizer que ela se converte em uma ferramenta pedagógica e um elemento
que melhora a aprendizagem do educando e consequentemente a qualidade do
ensino das escolas. Este é, portanto, o sentido definitivo de um processo de
avaliação.
      Com esta concepção as escolas do campo trabalham a avaliação de forma
contínua, ou seja, faz acompanhamento do processo educativo no dia a dia, tendo em
37

vista o desempenho do aluno. Faz as interferências necessárias, para que os alunos
possam continuar crescendo, ou seja, aplica a recuperação paralela.
      Convém ressaltar que este processo (avaliação contínua e recuperação
paralela) ocorre de forma qualitativa, uma vez que as referidas escolas não trabalham
com notas, conforme a metodologia do Programa Escola Ativa, destinado às classes
multisseriadas, específicas das escolas do campo.
38

PLANO DE SUPORTE ESTRATÉGICO
NOME DA ESCOLA: Escola Municipal Antonio Firmino da Silva/Escola Municipal São Raimundo
OBJETIVO ESTRATÉGICO: 1. Elevar o nível de aprendizagem dos alunos.
LÍDER DO OBJETIVO: Maria Aparecida Furtado Barros
ESTRATÉGIA: 1.1. Adotar estratégias de ensino diferenciadas, inovadoras e criativas.
META: 1.1.1. Elevar em 5% o índice de aprovação no Ensino Fundamental na Escola Municipal Antonio Firmino da Silva (2011 a 2016);
                Desenvolver um Programa com 03 atividades para melhorar a qualidade da aprendizagem na Escola Municipal São Raimundo
               (2011 a 2016);
INDICADOR DA META: Documento contendo as ações pedagógicas.
GERENTE DO PLANO DE AÇÃO: Maria Elze Pereira Cunha Bernardino e Maria do Rosário Sousa dos Santos França
INÍCIO: Fevereiro                       REVISÃO: Bimestral                         TÉRMINO: Dezembro
                                                  Período                            Resultado                      Custo         Quem
Nº Situação-                     Ação        Início   Término  Responsável            Esperado      Indicador Capital Custeio financia
     Problema
01 Dificuldade de        Realizar um         FEV/ DEZ/                           Um encontro
     leitura e escrita   encontro com os     2011 2011        Professores de     realizado           Relatório
                         alunos que                           Ed. Infantil e     semanalmente                    -         -         -
                         apresentam                           Ens.               (Melhoria na
                         dificuldade de                       Fundamental        leitura e escrita)
                         leitura
                         semanalmente no
                         contraturno;

03   Dificuldade de      Desenvolver o        FEV/   DEZ/   Professores de   Projeto de leitura   Cópia do
     leitura e escrita   Projeto de Leitura   2011   2011   Ed. Infantil e   desenvolvido          Projeto    -        -         -
                         “Lendo e                           Ens.             (Melhoria na
                         Interpretando”;                    Fundamental      leitura, escrita e
                                                                             interpretação)
39

04   Dificuldade de      Organizar uma         FEV/   DEZ/   Professor da   Uma coletânea    Coletânea
     leitura e escrita   coletânea com         2011   2011   turma e SME    organizada                   -   -   -
                         textos produzidos                                  (Melhoria na
                         pelos alunos de 5º                                 escrita)
                         ano da Escola
                         Municipal Antonio
                         Firmino da silva;
05   Baixo nível de      Realizar              FEV/   DEZ/   Professor da   Uma avaliação    Cópia de
     proficiência dos    bimestralmente uma    2011   2011   turma e SME    da               avaliação   -   -   -
     alunos              avaliação da                                       aprendizagem
                         aprendizagem de                                    realizada
                         Língua Portuguesa                                  bimestralmente
                         e Matemática com                                   (Melhoria na
                         os alunos do 5º ano                                escrita)
                         do Ensino
                         Fundamental ano
                         da Escola Municipal
                         Antonio Firmino da
                         silva.
40

PLANO DE SUPORTE ESTRATÉGICO
NOME DA ESCOLA: Escola Municipal Antonio Firmino da Silva/Escola Municipal São Raimundo
OBJETIVO ESTRATÉGICO: 1. Elevar o nível de aprendizagem dos alunos.
LÍDER DO OBJETIVO: Maria Aparecida Furtado Barros
ESTRATÉGIA: 1.1. Adotar estratégias de ensino diferenciadas, inovadoras e criativas.
META: 1.1.2. Desenvolver 07 atividades para intensificar a Proposta Pedagógica da Escola;
INDICADOR DA META: Documento contendo as ações pedagógicas.
GERENTE DO PLANO DE AÇÃO: Edilson Morais Pereira e Eles Brito Melo
INÍCIO: Fevereiro                      REVISÃO: Bimestral                          TÉRMINO: Dezembro
                                                   Período                        Resultado                        Custo          Quem
Nº Situação-                 Ação             Início  Término    Responsável      Esperado     Indicador     Capital  Custeio   financia
     Problema
01 Proposta          Realizar                 FEV/ DEZ/          SME            Um Dia
     pedagógica      bimestralmente um        2011 2011                         pedagógico
     pouco eficaz    Dia Pedagógico com                                         bimestralmen Relatório/Fre      -        -         -
                     professores e equipe                                       te realizado    quência
                     de apoio;



02   Dificuldade de    Realizar anualmente        FEV/   DEZ/   SME           Um encontro
     relacionamento    um encontro com            2011   2011                 com alunos
     entre os alunos   alunos: “cidadania                                     realizado        Relatório        -        -         -
                       em ação”, para                                         anualmente
                       refletir sobre direitos,
                       deveres e
                       convivência com o
                       outro;
41

03   Dificuldade de   Desenvolver              FEV/   DEZ/   SME            O Proerd       Documentos
     relacionamento   anualmente o Proerd      2011   2011                  desenvolvido   contendo o
     entre os alunos  – Programa                                            anualmente      Programa     -   -   -
                      Educacional de
                      Resistência às
                      Drogas e à Violência,
                      com os alunos de 4º
                      e 5º anos;
04   Pouca            Promover um torneio      FEV/   DEZ/   SME e Equipe   Um torneio
     participação nas esportivo                2011   2011   Escolar        esportivo
     atividades       semestralmente com                                    realizado      Regulamento   -   -   -
     esportivas       a participação de                                     semestralme
                      alunos de outras                                      nte
                      escolas;

05   Poucas práticas   Promover                FEV/   DEZ/   SME e Equipe   A Semana de
     de conservação    anualmente a            2011   2011   Escolar        Educação
     da saúde e        Semana de                                            para a Vida     Relatório    -   -   -
     meio ambiente     Educação para a                                      realizada
                       Vida;                                                anualmente
06   Dificuldade de    Desenvolver um          FEV/   DEZ/   Equipe         Um programa
     relacionamento    Programa na escola      2011   2011   Escolar        desenvolvido
     entre os alunos   na Semana da                                         na Semana       Projeto/     -   -   -
                       Consciência Negra,                                   da              Relatório
                       com culminância no                                   Consciência
                       dia 20/11 (Leitura de                                Negra
                       textos, recital –
                       poemas, produção de
                       frases, textos e
                       confecção de mural);
42

07   Deficiência de   Adquirir um kit com   FEV/   DEZ/   SME   17 coleções    Nota Fiscal
     material         17 coleções para      2011   2011         adquiridas                   -   R$       Prefeitura
     impresso para    apoio ao professor no                     (Melhoria na                     7.347,36
     apoio ao         planejamento e                            escrita)
     professor        realização das
                      atividades
                      pedagógicas, 01
                      exemplar da Nova
                      Gramática e
                      Literatura, 40
                      Dicionários Escolares
                      da Língua
                      Portuguesa e 30
                      exemplares da
                      coleção Tic Tac: É
                      tempo de Aprender.

.
43

PLANO DE SUPORTE ESTRATÉGICO
NOME DA ESCOLA: Escola Municipal Antonio Firmino da Silva/Escola Municipal São Raimundo
OBJETIVO ESTRATÉGICO: 2. Fortalecer a participação dos pais na escola.
LÍDER DO OBJETIVO: Terezinha Lopes da Silva Valadares
ESTRATÉGIA: 2.1. Dinamizar a atuação da comunidade escolar e local.
META: 2.1.1. Implementar um Programa com 03 atividades para integração entre escola – família – comunidade.
INDICADOR DA META: Documento contendo as ações de integração.
GERENTE DO PLANO DE AÇÃO: Maria Rita Nunes Pereira e Maria Aparecida Furtado Barros
INÍCIO: Fevereiro                    REVISÃO: Bimestral                         TÉRMINO: Dezembro

                                                  Período                           Resultado                       Custo        Quem
Nº   Situação-                 Ação           Início   Término    Responsável       Esperado      Indicador   Capital  Custeio   financia
     Problema
01   Pouca               Realizar             FEV/     DEZ/      SME e Equipe     Uma reunião    Atas das
     participação dos    bimestralmente uma   2011     2011      escolar          realizada      reuniões
     pais no dia a dia   reunião educativa                                        bimestralmente                 -        -         -
     da escola           com pais;
02   Pouca               Desenvolver um       FEV/     DEZ/      Equipe escolar   Um programa    Relatórios
     participação dos    Programa com         2011     2011      e SME            desenvolvido
     pais e              alunos, pais e                                           com alunos,                    -        -         -
     comunidade nas      comunidade para                                          pais e
     ações escola        comemoração das                                          comunidade
                         seguintes datas:
                         • Páscoa;
                         • Dia das Mães;
                         • Aniversário da
                            cidade;
                         • Dia dos Pais;
                         • Independência
                            do Brasil;
                         • Dia da Criança;
                         • Natal.
44

03   Pouca              Desenvolver um       FEV/   DEZ/   SME   Um programa    Ata
     participação dos   programa com pais 2011      2011         desenvolvido
     pais e             e comunidade para                        com pais e           -   -   -
     comunidade nas     sensibilização                           comunidade.
     ações escola       quanto à
                        participação nas
                        atividades escolares
                        e criação da
                        Associação de
                        Apoio às Escolas do
                        Campo (visitas
                        domiciliares,
                        Exibição de filme e
                        reunião).
45

                                AVALIAÇÃO

       Sabe-se que a avaliação é um instrumento poderoso a serviço da escola, do
professor, dos alunos e das famílias, para melhorar conduzir ou redirecionar o
trabalho, de modo especial o pedagógico.
        É através da mesma que o educador busca obter dados sobre o processo de
aprendizagem de cada criança, procura melhorar a sua prática, propondo situações
capazes de gerar novos avanços no processo de ensino e aprendizagem. A avaliação
deve ser contínua e acontecerá ao longo de todo processo, para que haja de fato
sucesso no dia a dia.
        Nesta perspectiva não é diferente com o Projeto Político pedagógico, já que o
mesmo é resultado de uma ação coletiva, ou seja, a sua construção conta com o
envolvimento de todos os segmentos envolvidos com o processo educacional e
norteia todas as ações educativas.
        Assim, a avaliação do Projeto Político pedagógico das escolas do campo
“Construindo e Reconstruindo a Ação Educativa”, acontecerá no decorrer de sua
execução, com a participação de todos os envolvidos, através de:
   •   Reuniões com a comunidade escolar;
   •   Reuniões com líderes de objetivos, gerentes e responsáveis por ações;
   •   Conversas individuais;
   •   Utilização de instrumento de acompanhamento do Plano de Ação;
   •   Elaboração de relatórios das ações executadas;
   •   Organização de notas fiscais.

       É importante ressaltar que a avaliação de um Projeto, de modo especial, O
PPP, deve levar em conta a ação reflexiva, para que haja replanejamento para cada
erro ou insucesso, buscando, dessa forma nossos caminhos para a melhoria da
prática pedagógica.
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
Plano de ação pedagógica 2009   anandreiaPlano de ação pedagógica 2009   anandreia
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO VILHENA
 
Ficha de conselho de classe
Ficha de conselho de classeFicha de conselho de classe
Ficha de conselho de classe
SimoneHelenDrumond
 
Plano gestão 2015 2018
Plano gestão 2015  2018Plano gestão 2015  2018
Modelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivoModelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivo
SimoneHelenDrumond
 
Ap. plano de ação
Ap. plano de açãoAp. plano de ação
Ap. plano de ação
aparecidalavagnoli521
 
Reunião de pais 3º bimestre
Reunião de pais   3º bimestreReunião de pais   3º bimestre
Reunião de pais 3º bimestre
flaviacrm
 
Pareceres do 1º ano 2º semestre
Pareceres do 1º ano    2º semestrePareceres do 1º ano    2º semestre
Pareceres do 1º ano 2º semestre
Araceli Kleemann
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
Maria da C.A.Versiani
 
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
LOCIMAR MASSALAI
 
Parecer de um aluno inteligênte mas agitado
Parecer de um aluno inteligênte mas agitadoParecer de um aluno inteligênte mas agitado
Parecer de um aluno inteligênte mas agitado
SimoneHelenDrumond
 
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
Selma Coimbra
 
Reunião de pais educação infantil
Reunião de pais educação infantilReunião de pais educação infantil
Reunião de pais educação infantil
Jeovany Anjos
 
Relatório de Estágio de Prática Docente II - Séries Iniciais
Relatório de Estágio de Prática Docente II - Séries IniciaisRelatório de Estágio de Prática Docente II - Séries Iniciais
Relatório de Estágio de Prática Docente II - Séries Iniciais
pedagogianh
 
Apresentação fluência revisado
Apresentação fluência revisadoApresentação fluência revisado
Apresentação fluência revisado
angelafreire
 
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestreFicha descritiva 1 ano 3 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestre
Naysa Taboada
 
1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais
Colmanetti
 
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogicomodelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
José Antonio Ferreira da Silva
 
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
Coordenação Pedagógica, Entre Rios-BA
 
Estagio regencia de sala
Estagio regencia de salaEstagio regencia de sala
Estagio regencia de sala
Alessandra Alves
 
Ficha descritiva 1 ano 2 trimestre
Ficha descritiva 1 ano   2 trimestreFicha descritiva 1 ano   2 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 2 trimestre
Naysa Taboada
 

Mais procurados (20)

Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
Plano de ação pedagógica 2009   anandreiaPlano de ação pedagógica 2009   anandreia
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
 
Ficha de conselho de classe
Ficha de conselho de classeFicha de conselho de classe
Ficha de conselho de classe
 
Plano gestão 2015 2018
Plano gestão 2015  2018Plano gestão 2015  2018
Plano gestão 2015 2018
 
Modelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivoModelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivo
 
Ap. plano de ação
Ap. plano de açãoAp. plano de ação
Ap. plano de ação
 
Reunião de pais 3º bimestre
Reunião de pais   3º bimestreReunião de pais   3º bimestre
Reunião de pais 3º bimestre
 
Pareceres do 1º ano 2º semestre
Pareceres do 1º ano    2º semestrePareceres do 1º ano    2º semestre
Pareceres do 1º ano 2º semestre
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
 
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
 
Parecer de um aluno inteligênte mas agitado
Parecer de um aluno inteligênte mas agitadoParecer de um aluno inteligênte mas agitado
Parecer de um aluno inteligênte mas agitado
 
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
 
Reunião de pais educação infantil
Reunião de pais educação infantilReunião de pais educação infantil
Reunião de pais educação infantil
 
Relatório de Estágio de Prática Docente II - Séries Iniciais
Relatório de Estágio de Prática Docente II - Séries IniciaisRelatório de Estágio de Prática Docente II - Séries Iniciais
Relatório de Estágio de Prática Docente II - Séries Iniciais
 
Apresentação fluência revisado
Apresentação fluência revisadoApresentação fluência revisado
Apresentação fluência revisado
 
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestreFicha descritiva 1 ano 3 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestre
 
1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais
 
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogicomodelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
 
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
 
Estagio regencia de sala
Estagio regencia de salaEstagio regencia de sala
Estagio regencia de sala
 
Ficha descritiva 1 ano 2 trimestre
Ficha descritiva 1 ano   2 trimestreFicha descritiva 1 ano   2 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 2 trimestre
 

Destaque

Construção da proposta pedagógica da escola
Construção da proposta pedagógica da escolaConstrução da proposta pedagógica da escola
Construção da proposta pedagógica da escola
Marcelo Assis
 
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de TaguatingaPPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
Ana Silva
 
Orientacoes PPP
Orientacoes PPPOrientacoes PPP
Orientacoes PPP
Bia Bernardino
 
4.planejamento pedagógico do ensino
4.planejamento pedagógico do ensino4.planejamento pedagógico do ensino
4.planejamento pedagógico do ensino
elannialins
 
PPP Escola Soneca
PPP Escola SonecaPPP Escola Soneca
PPP Escola Soneca
Leonardo
 
Projeto Político Pedagógico - Prof. Amábile
Projeto Político Pedagógico - Prof. AmábileProjeto Político Pedagógico - Prof. Amábile
Projeto Político Pedagógico - Prof. Amábile
Carmina Monteiro
 
PPP Lauro Gomes 2015
PPP Lauro Gomes 2015PPP Lauro Gomes 2015
PPP Lauro Gomes 2015
emeblaurogomes
 
Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Joaquim Teixeira Camargos
Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Joaquim Teixeira CamargosProjeto Político Pedagógico da Escola Municipal Joaquim Teixeira Camargos
Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Joaquim Teixeira Camargos
Paula Tannus
 
Projeto Político Pedagógico (PPP 2014)/EMEF Olavo Bilac
Projeto Político Pedagógico (PPP 2014)/EMEF Olavo BilacProjeto Político Pedagógico (PPP 2014)/EMEF Olavo Bilac
Projeto Político Pedagógico (PPP 2014)/EMEF Olavo Bilac
bilac02
 

Destaque (9)

Construção da proposta pedagógica da escola
Construção da proposta pedagógica da escolaConstrução da proposta pedagógica da escola
Construção da proposta pedagógica da escola
 
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de TaguatingaPPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
 
Orientacoes PPP
Orientacoes PPPOrientacoes PPP
Orientacoes PPP
 
4.planejamento pedagógico do ensino
4.planejamento pedagógico do ensino4.planejamento pedagógico do ensino
4.planejamento pedagógico do ensino
 
PPP Escola Soneca
PPP Escola SonecaPPP Escola Soneca
PPP Escola Soneca
 
Projeto Político Pedagógico - Prof. Amábile
Projeto Político Pedagógico - Prof. AmábileProjeto Político Pedagógico - Prof. Amábile
Projeto Político Pedagógico - Prof. Amábile
 
PPP Lauro Gomes 2015
PPP Lauro Gomes 2015PPP Lauro Gomes 2015
PPP Lauro Gomes 2015
 
Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Joaquim Teixeira Camargos
Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Joaquim Teixeira CamargosProjeto Político Pedagógico da Escola Municipal Joaquim Teixeira Camargos
Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Joaquim Teixeira Camargos
 
Projeto Político Pedagógico (PPP 2014)/EMEF Olavo Bilac
Projeto Político Pedagógico (PPP 2014)/EMEF Olavo BilacProjeto Político Pedagógico (PPP 2014)/EMEF Olavo Bilac
Projeto Político Pedagógico (PPP 2014)/EMEF Olavo Bilac
 

Semelhante a Projeto político pedagógico escolas do campo 2011

Projeto político pedagógico 2011
Projeto político pedagógico 2011Projeto político pedagógico 2011
Projeto político pedagógico 2011
proinfoalda
 
Projeto Político Pedagógico
Projeto Político PedagógicoProjeto Político Pedagógico
Projeto Político Pedagógico
professorfj2012
 
Slides deplage 2010 net
Slides deplage 2010 netSlides deplage 2010 net
Slides deplage 2010 net
deplage
 
PPP-CORONEL.doc
PPP-CORONEL.docPPP-CORONEL.doc
PPP-CORONEL.doc
ElaineFontoura
 
Conheça nosso Plano de Ação
Conheça  nosso Plano de AçãoConheça  nosso Plano de Ação
Conheça nosso Plano de Ação
guest90f41f
 
Modelo do dossiê 2014 - pronto
Modelo do dossiê  2014 - prontoModelo do dossiê  2014 - pronto
Modelo do dossiê 2014 - pronto
nayanapaula3
 
Referencial Curricular das Escolas de Franca-SP
Referencial Curricular das Escolas de Franca-SPReferencial Curricular das Escolas de Franca-SP
Referencial Curricular das Escolas de Franca-SP
eliscabral
 
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio FrançaProjeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Socorro Vasconcelos
 
P.p.p.4 josé batista de oliveira 2014
P.p.p.4   josé batista de oliveira 2014P.p.p.4   josé batista de oliveira 2014
P.p.p.4 josé batista de oliveira 2014
Professora Silvia
 
Ppp noeme borges 2012 2013
Ppp noeme borges 2012 2013Ppp noeme borges 2012 2013
Ppp noeme borges 2012 2013
ueinoemeborgesdeandrade
 
Ensino Fundamental
Ensino Fundamental Ensino Fundamental
Ensino Fundamental
propostas
 
Relatório gestão educação-itapetininga-2005-2012
Relatório gestão educação-itapetininga-2005-2012Relatório gestão educação-itapetininga-2005-2012
Relatório gestão educação-itapetininga-2005-2012
Ramalho15
 
Pap1
Pap1Pap1
Plano de Ação participativo_vol1
Plano de Ação participativo_vol1Plano de Ação participativo_vol1
Plano de Ação participativo_vol1
sitedcoeste
 
Bia
BiaBia
Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aqu...
Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aqu...Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aqu...
Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aqu...
Cejar Ribeiro
 
Expandindo a qualidade da educação pública de minas gerais
Expandindo a qualidade da educação pública de minas geraisExpandindo a qualidade da educação pública de minas gerais
Expandindo a qualidade da educação pública de minas gerais
Eunice Mendes de Oliveira
 
PPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
PPP 2014 - EC 29 de TaguatingaPPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
PPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
Ana Silva
 
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGAPPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
Ana Silva
 
Projeto Político Pedagógico (PPP) CE Governador José Sarney
Projeto Político Pedagógico (PPP)  CE Governador José SarneyProjeto Político Pedagógico (PPP)  CE Governador José Sarney
Projeto Político Pedagógico (PPP) CE Governador José Sarney
Adilson P Motta Motta
 

Semelhante a Projeto político pedagógico escolas do campo 2011 (20)

Projeto político pedagógico 2011
Projeto político pedagógico 2011Projeto político pedagógico 2011
Projeto político pedagógico 2011
 
Projeto Político Pedagógico
Projeto Político PedagógicoProjeto Político Pedagógico
Projeto Político Pedagógico
 
Slides deplage 2010 net
Slides deplage 2010 netSlides deplage 2010 net
Slides deplage 2010 net
 
PPP-CORONEL.doc
PPP-CORONEL.docPPP-CORONEL.doc
PPP-CORONEL.doc
 
Conheça nosso Plano de Ação
Conheça  nosso Plano de AçãoConheça  nosso Plano de Ação
Conheça nosso Plano de Ação
 
Modelo do dossiê 2014 - pronto
Modelo do dossiê  2014 - prontoModelo do dossiê  2014 - pronto
Modelo do dossiê 2014 - pronto
 
Referencial Curricular das Escolas de Franca-SP
Referencial Curricular das Escolas de Franca-SPReferencial Curricular das Escolas de Franca-SP
Referencial Curricular das Escolas de Franca-SP
 
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio FrançaProjeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
 
P.p.p.4 josé batista de oliveira 2014
P.p.p.4   josé batista de oliveira 2014P.p.p.4   josé batista de oliveira 2014
P.p.p.4 josé batista de oliveira 2014
 
Ppp noeme borges 2012 2013
Ppp noeme borges 2012 2013Ppp noeme borges 2012 2013
Ppp noeme borges 2012 2013
 
Ensino Fundamental
Ensino Fundamental Ensino Fundamental
Ensino Fundamental
 
Relatório gestão educação-itapetininga-2005-2012
Relatório gestão educação-itapetininga-2005-2012Relatório gestão educação-itapetininga-2005-2012
Relatório gestão educação-itapetininga-2005-2012
 
Pap1
Pap1Pap1
Pap1
 
Plano de Ação participativo_vol1
Plano de Ação participativo_vol1Plano de Ação participativo_vol1
Plano de Ação participativo_vol1
 
Bia
BiaBia
Bia
 
Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aqu...
Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aqu...Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aqu...
Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aqu...
 
Expandindo a qualidade da educação pública de minas gerais
Expandindo a qualidade da educação pública de minas geraisExpandindo a qualidade da educação pública de minas gerais
Expandindo a qualidade da educação pública de minas gerais
 
PPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
PPP 2014 - EC 29 de TaguatingaPPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
PPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
 
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGAPPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
 
Projeto Político Pedagógico (PPP) CE Governador José Sarney
Projeto Político Pedagógico (PPP)  CE Governador José SarneyProjeto Político Pedagógico (PPP)  CE Governador José Sarney
Projeto Político Pedagógico (PPP) CE Governador José Sarney
 

Mais de Jornadel Pereira da Silva

Artigo - Progestão
Artigo - ProgestãoArtigo - Progestão
Artigo - Progestão
Jornadel Pereira da Silva
 
Novo PAR, novos desafios
Novo PAR, novos desafiosNovo PAR, novos desafios
Novo PAR, novos desafios
Jornadel Pereira da Silva
 
Equipe local PAR
Equipe  local PAREquipe  local PAR
Equipe local PAR
Jornadel Pereira da Silva
 
Comitê local PAR
Comitê  local PARComitê  local PAR
Comitê local PAR
Jornadel Pereira da Silva
 
Escola municipal 1º de junho
Escola municipal 1º de junhoEscola municipal 1º de junho
Escola municipal 1º de junho
Jornadel Pereira da Silva
 
Feliz natal
Feliz natalFeliz natal

Mais de Jornadel Pereira da Silva (10)

Artigo - Progestão
Artigo - ProgestãoArtigo - Progestão
Artigo - Progestão
 
Pauta
PautaPauta
Pauta
 
Novo PAR, novos desafios
Novo PAR, novos desafiosNovo PAR, novos desafios
Novo PAR, novos desafios
 
Equipe local PAR
Equipe  local PAREquipe  local PAR
Equipe local PAR
 
Comitê local PAR
Comitê  local PARComitê  local PAR
Comitê local PAR
 
Termo de Compromisso PSE
Termo de Compromisso PSETermo de Compromisso PSE
Termo de Compromisso PSE
 
Escola municipal 1º de junho
Escola municipal 1º de junhoEscola municipal 1º de junho
Escola municipal 1º de junho
 
Formulári..
Formulári..Formulári..
Formulári..
 
Sam 4648 (1)
Sam 4648 (1)Sam 4648 (1)
Sam 4648 (1)
 
Feliz natal
Feliz natalFeliz natal
Feliz natal
 

Projeto político pedagógico escolas do campo 2011

  • 1. Estado do Tocantins PREFEITURA MUNICIPAL DE SAMPAIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CNPJ Nº 25.086.828/0001-35 ESCOLA MUNICIPAL ANTONIO FIRMINO DA SILVA ESCOLA MUNICIPAL SÃO RAIMUNDO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO “Construindo e Reconstruindo a Ação Educativa” SAMPAIO-TO. NOVEMBRO/2011
  • 2. Estado do Tocantins PREFEITURA MUNICIPAL DE SAMPAIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CNPJ Nº 25.086.828/0001-35 EXPEDIENTE LUIZ ANACLETO DA SILVA PREFEITO DE SAMPAIO JAILSON MARQUES DA SILVA SECRETÁRIO MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, PLANEJAMENTO E FINANÇAS MARIA DAS DORES MARTINS DOS SANTOS SECRETÁRIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EQUIPE PEDÁGOGICA TEREZINHA LOPES DA SILVA VALADARES Coordenação Pedagógica MARIA APARECIDA FURTADO BARROS Supervisora do Programa Escola Ativa ERASMO CARLOS DA SILVA Apoio Pedagógico JORNADEL PEREIRA DA SILVA ELIZANGELIA CARVALHO FREIRE Assist. Administrativo
  • 3. SUMÁRO 1. APRESENTAÇÃO ..............................................................................4 2. BREVE HISTÓRICO DAS UNIDADES ESCOLARES ........................6 2.1. Caracterização das Escolas.......... .......................................... ... 6 2.2. Caracterização da comunidade ................................................ 11 3. DIAGNÓSTICO ESCOLAR ...............................................................13 4. VISÃO ESTRATÉGICA .....................................................................21 5. PLANO DE SUPORTE ESTRATÉGICO ...........................................38 6. AVALIAÇÃO .................................................................................... 45 7. BIBLIOGRAFIA.................................................................................46 8. ANEXOS ...........................................................................................48
  • 4. 4 APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico é um documento que norteia o processo de ensino e aprendizagem nas unidades escolares. Portanto, o mesmo vai além de um simples agrupamento de palavras e de atividades diversas. O Projeto não é algo a ser construído para arquivo, mas para ser vivenciado em todos os momentos, por todos os envolvidos com o processo educativo. Dentre os problemas que estão presentes nas escolas do campo, destaca-se a baixa qualidade da aprendizagem, em virtude das classes multisseriadas e ausência dos pais e comunidade nas atividades realizadas no dia a dia escolar. Portanto, o PPP (Projeto Político Pedagógico) das Escolas do Campo (Escolas Municipais Antonio Firmino da Silva e São Raimundo) direciona ações que visam melhorar a qualidade do ensino, primam pela permanência do aluno na escola com sucesso, estimulam a participação dos pais e da comunidade, envolvendo-se de forma significativa nas atividades educativas. O trabalho nas referidas escolas é realizado com responsabilidade, colocando o educando como protagonista de sua formação, cujas atividades desenvolvidas focalizam a Educação Infantil - Pré-Escola, com atendimento a crianças 4 e 5 anos e Ensino Fundamental de 1º ao 5º anos, cuja faixa etária é de 6 a 10 anos de idade. O PPP das escolas do campo, sendo uma construção coletiva, conta com a participação de todos os atores, ou seja, de todos os envolvidos com o processo educativo (alunos, servidores, pais e comunidade). Este está sendo construído para o período de 2011 a 2016, portanto, é fruto de várias reuniões, momentos de estudo, pesquisas e entrevistas, pois entende-se que a fundamentação e base legal são fundamentais para a sua construção, já que o mesmo orienta todas as ações educativas a serem concretizadas no contexto escolar. Neste sentido, pode-se afirmar que a construção do projeto político pedagógico é um momento para reflexão da prática pedagógica, onde todos da escola determinam valores e expectativas, sempre atendendo o interesse coletivo. Portanto, este projeto é um instrumento que mostra a realidade da escola, apresenta as finalidades, concepções e diretrizes, a partir das quais surgem novas ações, tornando assim um norte para as ações pedagógicas e instrumentos de articulação da rede de ensino. Como afirma Celso Vasconcelos: “O projeto Político Pedagógico é o plano global da instituição. Pode ser entendido como sistematização,
  • 5. 5 nunca definida, de um processo de planejamento participativo que se aperfeiçoa e se objetiva na caminhada, que define claramente o tipo de ação educativa que se quer realizar”. (p.107). Sendo assim este Projeto Político Pedagógico vem mostrar a realidade das Escolas do Campo, visando seu desenvolvimento social, político e cognitivo, estando organizado da seguinte forma: • Apresentação, com uma visão geral do que consta no Projeto; • Breve histórico das Unidades Escolares, com a caracterização das mesmas e da comunidade; • Diagnóstico, que constitui a identidade da escola; • Visão estratégica, direcionando o futuro ao qual se pretende chegar; • Objetivos estratégicos, alvos a serem atingidos; • Concepção do coletivo, a partir da fundamentação teórica; • Plano de suporte estratégico, em que constam as atividades que visam à melhoria do processo educativo; • Avaliação, indicando os critérios de acompanhamento; • Anexos, instrumentos que ajudarão a compreensão do Projeto. Portanto, acredita-se que as Escolas Municipais: Antonio Firmino da Silva e São Raimundo terão dias melhores a partir da concretização deste Projeto, pois a organização do trabalho pedagógico constitui a base para o sucesso, renovação e sustentação do processo educativo.
  • 6. 6 BREVE HISTÓRICO DAS UNIDADES ESCOLARES CARACTERIZAÇÃO DAS ESCOLAS • Escola Municipal Antonio Firmino da Silva A Escola Municipal Antonio Firmino da Silva está localizada na área rural, Povoado Caxeado, no município de Sampaio – TO. Surgiu a partir da necessidade de um espaço físico adequado, considerando o número de habitantes e crianças em idade escolar, tendo sido construída na administração do senhor Manoel Marinho, Prefeito do município de Augustinópolis ao qual o povoado pertencia na época. Convém lembrar que antes da construção da escola os alunos eram atendidos em barracos, casas alugadas ou espaços cedidos, como a casa do professor e recebia o nome de Escola Municipal São José, em razão do nome do padroeiro local. Após a construção, o nome dado à escola, o qual permanece até hoje, foi em homenagem ao morador mais velho da localidade, o senhor Antonio Firmino da Silva. Hoje a escola atende uma clientela de 12 alunos de 4 e 5 anos de idade, na Pré- Escola e 42 de 6 a 14 anos do Ensino Fundamental de 1º ao 5º anos, nas modalidades de Educação Infantil e Ensino Regular, distribuídos em 04 turmas multisseriadas, nas quais trabalha-se com a metodologia do Programa Escola Ativa, nos turnos matutino e vespertino. Em 04 de julho de 1989 foi aprovada na Câmara Municipal e sancionada pelo prefeito Pedro Lopes da Silva a Lei nº 008/89 na qual “dispõe sobre a criação, denominação e localização da Escola Municipal Antonio Firmino da Silva”. A referida escola começou a funcionar no dia 01 de setembro de 1989 com atendimento a alunos de Pré-Escola e 1ª a 3ª séries do Ensino Fundamental, sendo Irene Almeida Marinho a primeira professora, a qual era responsável pelas questões pedagógicas e administrativas. Periodicamente havia acompanhamento escolar pela Secretaria Municipal de Educação. Dentre os fatos importantes que marcaram a educação no povoado Caxeado, pode-se destacar a emancipação política do município de Sampaio, construção da escola, organização da SME (Secretaria Municipal de Educação), criação da Associação de apoio e Conselhos, bem como a Formação Continuada dos professores.
  • 7. 7 Na Escola Municipal Antonio Firmino da Silva trabalha-se avaliação contínua e recuperação paralela, visando sempre a melhoria do processo educativo. E analisando os indicadores de desempenho dos últimos três anos, percebe-se que houve avanço de 2008 para 2009, com uma queda em 2010 no que se refere à aprovação, não há abandono na escola e a distorção idade/série diminuiu em 2009, mas teve um acréscimo em 2010, conforme quadro a seguir: Indicador Taxa de Taxa de Taxa de Taxa de Ano Aprovação Distorção Reprovação Abandono (%) Idade/Série (%) (%) (%) 2008 91,7% 8,3% - 15% 2009 97% 3% - 9% 2010 88,4% 11,5% - 15,3% É importante ressaltar que 70% dos alunos da Escola Municipal Antonio Firmino da Silva são cadastrados em Programas Sociais, sendo os seguintes: Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), Bolsa Família e Programa Pioneiros Mirins. Quanto aos pais dos alunos desta escola, 89% são lavradores; 7.7%, servidores públicos; 1.1%, motorista, 1.1% mecânico e 1.1% construtor. A Escola Municipal Antonio Firmino da Silva é arejada e tem a seguinte estrutura física: 02 salas de aula, 01 sala multiuso para diretoria, secretaria e professores, 01 cantina, 01 banheiro masculino e 01 banheiro feminino para os alunos. O prédio está em boas condições, porém faz-se necessário a construção de 01 secretaria, 01 diretoria, 01 biblioteca, 01 depósito, 01 quadra de esporte, pátio coberto e ampliação da cantina. Em junho de 2007 foi elaborado o Plano de Ações Articuladas (PAR), no qual contempla a criação de uma política de construção, recuperação e manutenção do espaço e equipamento escolar obedecendo aos padrões mínimos. Com isso foi realizado o Levantamento Situacional da Escola (LSE), visando melhoria da mesma, no que diz respeito ao espaço físico escolar, composto pelo ambiente educativo, mobiliário, equipamento escolar e material didático/pedagógico.
  • 8. 8 A escola tem um total de 10 servidores, conforme quadro a seguir: NOME FORMAÇÃO CARGO/FUNÇÃO Antonia Pereira Neto Pedagogia (cursando) Auxiliar Operacional Cosmo Félix Dias Gomes Ensino Médio Básico Auxiliar Operacional (VN) Ducilene Pereira de Almeida Santos Ensino Fundamental Auxiliar Operacional Edilson Morais Pereira Normal Superior Professor Eles Brito Melo Normal Superior Professor Francisca Teixeira da Cunha Ensino Médio Básico Auxiliar Operacional Maria Antonia Soares da Silva Brito Ensino Médio Básico Auxiliar Operacional Maria Aparecida Furtado Barros Pedagogia Professora Responsável Maria Elze Pereira Araújo Ensino Médio Básico Professora Bernardino Maria Rita Nunes Pereira Ensino Médio Normal Professora • Escola Municipal São Raimundo A Escola Municipal São Raimundo está localizada na área rural, Povoado São Raimundo, no município de Sampaio – TO. Surgiu a partir da necessidade de um espaço físico adequado, considerando o número de habitantes e crianças em idade escolar, sendo construída na administração do senhor Pedro Lopes da Silva, Prefeito do município de Sampaio. Convém lembrar que antes da construção da escola os alunos eram atendidos em barracos, casas alugadas ou espaços cedidos, como a casa do professor. O nome dado à escola (Escola Municipal são Raimundo), o qual permanece até hoje, foi em homenagem ao Padroeiro da localidade. Hoje a escola atende uma clientela de 07 alunos de 4 e 5 anos de idade, na Pré- Escola e 13 de 6 a 09 anos do Ensino Fundamental de 1º ao 3º anos, nas modalidades de Educação Infantil e Ensino Regular, organizados em 01 turma multisseriada, na qual trabalha-se com a metodologia do Programa Escola Ativa, nos turnos matutino e vespertino. Em 11 de maio de 1990 foi aprovada pela Câmara Municipal e sancionada pelo prefeito Pedro Lopes da Silva a Lei nº 22/90 na qual “dispõe sobre a criação, denominação e localização da Escola Municipal São Raimundo”. A mesma começou a funcionar em gosto do mesmo ano, com alunos da Pré-Escola, 1ª e 2ª séries do Ensino Fundamental, sendo Antonia Pereira de Sousa a primeira professora, a qual era responsável pelas questões pedagógicas e administrativas. Periodicamente havia acompanhamento escolar pela Secretaria Municipal de Educação.
  • 9. 9 Dentre os fatos importantes que marcaram a educação no povoado São Raimundo, pode-se destacar a construção da escola, pois foi um grande sonho realizado, tanto dos alunos quanto dos pais e comunidade. Na Escola Municipal São Raimundo trabalha-se avaliação contínua e recuperação paralela, visando sempre a melhoria do processo educativo. E analisando os indicadores de desempenho dos últimos três anos, percebe-se que não houve reprovação nem abandono de 2008 a 2010 e apenas 6,2% dos alunos da escola estão em distorção idade/série no ano de 2010, conforme quadro a seguir: Indicador Taxa de Taxa de Taxa de Taxa de Ano Aprovação Distorção Reprovação Abandono (%) Idade/Série (%) (%) (%) 2008 100% - - - 2009 100% - - - 2010 100% - - 6,2% É importante ressaltar que 83% dos alunos da Escola Municipal São Raimundo são cadastrados em Programas Sociais, sendo os seguintes: Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), Bolsa Família e Programa Pioneiros Mirins. A Escola Municipal São Raimundo é arejada e tem a seguinte estrutura física: 01 sala de aula, 01 sala multiuso para diretoria, secretaria e professor, 01 cantina, 01 banheiro masculino e 01 banheiro feminino para os alunos. O prédio está em boas condições. Porém faz-se necessário a construção de 01 secretaria/diretoria, 01 biblioteca, 01 depósito, 01 quadra de esporte, pátio coberto e ampliação da cantina. Em junho de 2007 foi elaborado o Plano de Ações Articuladas (PAR), no qual contempla a criação de uma política de construção, recuperação e manutenção do espaço e equipamento escolar obedecendo aos padrões mínimos. Com isso foi realizado o Levantamento Situacional da Escola (LSE), visando melhoria da mesma, no que diz respeito ao espaço físico escolar, composto pelo ambiente educativo, mobiliário, equipamento escolar e material didático/pedagógico. A escola tem um total de 03 servidores, conforme quadro a seguir: NOME FORMAÇÃO CARGO/FUNÇÃO Antonia Pereira de Sousa Ensino Fund. Auxiliar Operacional Incompleto Janete Cléia Gomes Ensino Fund. Auxiliar Operacional Incompleto Maria do Rosário Sousa dos Santos Normal Superior Professora França
  • 10. 10 Sabe-se que a escola do campo atualmente é espaço em que a educação acontece de forma dinâmica e com utilização de meios próprios, como a Proposta Curricular e Programa Escola Ativa. Portanto, a Escola Municipal Antonio Firmino da Silva e Escola Municipal São Raimundo não reproduzem vivências urbanas, mas seguem ou adaptam orientações, uma vez que as mesmas só trabalham com Educação Infantil e Ensino Fundamental de 1º ao 5º anos e os alunos ingressarão posteriormente numa escola urbana. As referidas escolas trabalham conforme as Diretrizes da educação do campo, a qual adota como alicerce teórico a concepção sociointeracionista, que busca interagir com as condições sociais em que todo educando encontra-se inserido. Esta possibilita o reconhecimento do educando como “sujeito” ativo, pois escola é lugar de projeção na perspectiva de cidadania e dignidade humana. É importante lembrar que fazem parte da história da educação deste município todos que assumiram a Secretaria Municipal de Educação, portanto convém lembrar: • Aldenira Freitas Campos; • Sabina Pereira Fernandes; • Domingos Acrizano Barros; • Coracy Paula de Melo Lopes; • José de Ribamar Correia; • Carlos Luna; • Vandernilde da Silva Castro; • Maria das Dores Martins dos Santos (atual). É importante lembrar que as escolas do campo contam com a equipe da SME – Secretaria Municipal de Educação tanto nas questões administrativas quanto pedagógicas e atualmente a mesma possui 10 servidores, os quais constam no quadro a seguir: NOME FORMAÇÃO CARGO/FUNÇÃO Eliselma Frazão Chaves Melo Normal Superior Assistente Administrativo Elizangelia Carvalho Freire Pedagogia Assistente Administrativo (cursando) Erasmo Carlos da Silva Normal Superior Apoio Pedagógico Genir Monteiro Silva Ensino Fundamental Auxiliar Operacional Jornadel Pereira da Silva Administração Assistente Administrativo (cursando) Luzinete Lima Normal Superior Assist. Administrativo (COC) Maria Aparecida Furtado Barros Pedagogia Superv. do Prog. Esc. Ativa Maria das Dores Martins dos Normal Superior Sec. Municipal de Educação
  • 11. 11 Santos Terezinha Lopes da Silva Pedagogia Coordenadora Pedagógica Valadares Valmicélia Maria de Jesus Pedagogia Assist.Administrativa/Sec. (cursando) COC CARACTERIZAÇÃO DA COMUNIDADE • Povoado Caxeado O povoado Caxeado, localizado no município de Sampaio, considerado de baixo nível socioeconômico, possui 380 habitantes, os quais sobrevivem das seguintes atividades: Serviço público, cultivo de arroz, mandioca, milho, feijão, melancia, hortaliças, frutas diversas e fava, produção de farinha, extração de babaçu, criação de gado bovino, suíno e aves. Há aproximadamente 26% de aposentados e pensionistas na comunidade. Os moradores do povoado participam do processo de escolha dos seus representantes, através do voto, porém não há sessão nesta localidade, em virtude do número de eleitores. Os mesmos deslocam-se para a sede do município para este exercício de cidadania. São realizadas na comunidade algumas atividades recreativas, esportivas, artísticas e culturais, sendo: gincanas, ruas de lazer, torneios de futsal e handebol, festa em comemoração ao Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia da Criança, Independência do Brasil e Festas juninas, sob a organização da Escola Municipal Antonio Firmino da Silva, Secretaria Municipal de Educação e Secretaria Municipal de Ação social. Quanto ao carnaval, grande festa popular brasileira, não há a prática no povoado, no entanto, adolescentes, jovens e adultos procuram a sede para participarem, optando pelo momento que melhor lhe convém, já que são quatro dias com bastante badalação e animação, com diferentes bandas, organizadas para matinê e baile noturno. A festa carnavalesca em Sampaio é organizada pela Secretaria Municipal de Ação Social, com apoio das demais secretarias municipais. Quanto à religiosidade, uma média de 87% dos moradores do povoado pertencem à Igreja Católica e 13% à Assembleia de Deus SIADSETA. A comunidade católica reúne-se a cada semana para Celebração da Palavra ou Terço, mensalmente para celebrar a Santa Missa e anualmente festejam o Padroeiro local, São José Operário,
  • 12. 12 com celebração da Palavra, missas, leilões, vendas na barraca da comunidade. Já os evangélicos reúnem-se diariamente para celebração de cultos, encontros com as senhoras, visitas domiciliares, realizam periodicamente cruzadas evangélicas com a participação de igrejas de outras localidades, estudos bíblicos e anualmente comemoram o aniversário do Círculo de Oração “Lírio dos Vales”. É importante ressaltar que a Escola Municipal Antonio Firmino da Silva, igrejas e comunidade contam com o apoio financeiro da Prefeitura de Sampaio para realização de todas as ações, sejam elas culturais, artísticas ou religiosas. Quanto à escolaridade dos membros da comunidade, 46% possuem Ensino Fundamental incompleto; 9.7%, Fundamental Completo; 8.3%, Médio incompleto; 18%, Médio completo; 1.3%, Superior incompleto e 2.8%, Superior completo e 13.9% apenas assina ou analfabetos. • Povoado São Raimundo O povoado São Raimundo, localizado no município de Sampaio, considerado de baixo nível socioeconômico, possui 96 habitantes, os quais sobrevivem das seguintes atividades: Serviço público, cultivo de arroz, mandioca, milho, feijão, melancia, abóbora e fava, produção de farinha, extração de babaçu, criação de gado bovino, suíno e aves. Há aproximadamente 27% de aposentados e pensionistas na comunidade. Os moradores do povoado participam do processo de escolha dos seus representantes, através do voto, porém não há sessão nesta localidade, em virtude do número de eleitores. Os mesmos deslocam-se para a sede do município para este exercício de cidadania. São realizadas na comunidade algumas atividades recreativas, esportivas, artísticas e culturais, sendo: gincanas, ruas de lazer, futebol, atividades em comemoração ao Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia da Criança, Independência do Brasil e Festas juninas, sob a organização da Escola Municipal São Raimundo, Secretaria Municipal de Educação e Secretaria Municipal de Ação social. Quanto ao carnaval, grande festa popular brasileira, não há a prática no povoado, no entanto, adolescentes, jovens e adultos procuram a sede para participarem, optando pelo momento que melhor lhe convém, já que são quatro dias com bastante badalação e animação, com diferentes bandas, organizadas para matinê e baile noturno. A festa carnavalesca em Sampaio é organizada pela Secretaria Municipal de Ação Social, com apoio das demais secretarias municipais.
  • 13. 13 Quanto à religiosidade, uma média de 93% dos moradores do povoado pertencem à Igreja Católica e 7% à Assembleia de Deus SIADSETA. A comunidade católica reúne-se a cada semana para Celebração da Palavra ou Terço, mensalmente para celebrar a Santa Missa e anualmente festejam o Padroeiro local, São Raimundo, com celebração da Palavra, missas, leilões, vendas na barraca da comunidade. Já os evangélicos reúnem-se periodicamente para celebração de cultos e visitas domiciliares no povoado. Costumam deslocar-se para Sampaio (sede) para participarem de cultos semanalmente. Quanto à escolaridade dos pais, 68% possuem Ensino Fundamental incompleto; 8%, Fundamental Completo; 16%, Médio incompleto; 8%, Médio completo. Falando de profissão (dos pais), 93.4% são lavradores; 3.3%, Técnica em Enfermagem; 3.3%, pedreiro. É importante ressaltar que a Escola Municipal São Raimundo e Escola Municipal Antonio Firmino da Silva, igrejas e comunidade contam com o apoio cultural e financeiro da Prefeitura de Sampaio para realização de todas as ações, sejam elas artísticas, esportivas ou religiosas. DIAGNÓSTICO ESCOLAR As escolas do campo atendem alunos de educação infantil (pré-escola) e do ensino fundamental (1ºano ao 5º anos), no turno diurno, sendo que a Escola Municipal São Raimundo trabalha apenas com uma turma multisseriada no matutino e a Escola Municipal Antonio Firmino da Silva possui 02 turmas no matutino e 02 vespertino, todas multisseriadas. Em ambas, o horário de funcionamento (sala de aula) é das 7h 15min às 11h 30min e das 13h30 min às 17h 30min. A equipe de professores fazem planejamento anual e semanal, na Secretaria Municipal de Educação, com o acompanhamento da Coordenação Pedagógica e supervisão. O planejamento é coletivo, o que possibilita a socialização de ideias e troca de experiências, tornando a ação enriquecedora e produtiva. As escolas do campo trabalham com a metodologia do Programa Escola Ativa, o qual disponibiliza os cadernos de aprendizagem de Língua Portuguesa, Matemática, Ciências, História e Geografia. Para complementação e inserção das demais disciplinas, são utilizados conteúdos extra modulares, retirados de outras fontes. Os alunos têm frequência regular e o desempenho da maioria é bom, o que é percebido
  • 14. 14 através de avaliação qualitativa, uma vez que o programa não admite notas, mas os seguintes conceitos: EP, PC, APT e AP, que significam respectivamente: Em processo na mesma serie, progressão continuada para a série seguinte, apto e aprovado para o 6º ano. Os alunos que não apresentam desempenho satisfatório são atendidos no contraturno uma vez por semana com aulas de reforço, ministradas pela professora e um apoio pedagógico. Esta ação tem sido bastante significativa, pois o atendimento acontece com pequenos grupos ou individualmente. As escolas realizam atividades complementares como: gincanas, ruas de lazer, palestras educativas e jogos esportivos. A formação Continuada dos professores acontece através de encontros periódicos para estudo e reflexão da prática nos dias pedagógicos, em oficinas de aprendizagem, juntamente com os professores da sede e capacitação específica para os professores do campo, oferecida pela SEDUC. Há ainda os microcentros, mensalmente, sendo que os professores deste município participam com os de Praia Norte e Augustinópolis (pólo). No final de cada bimestre acontece o Conselho de Classe, momento em que os professores das Escolas Municipais Antonio Firmino da Silva e São Raimundo reúnem-se na Secretaria Municipal de Educação para avaliarem o trabalho realizado no decorrer do período letivo, apontando sucessos e insucessos, com apresentação de propostas para melhoria do processo educativo. Participam dos conselhos de classe, além dos professores regentes, a Secretária Municipal de Educação, a Coordenadora Pedagógica, a Supervisora do Programa Escola Ativa (e responsável pela Escola Municipal Antonio Firmino da Silva) e os servidores de apoio pedagógico e administrativo da Secretaria. Após a realização e organização do resultado do Conselho de Classe (discussões), Faz-se reunião com os pais para repasse e ampliação das propostas e apresentação dos resultados (aprendizagem). Convém ressaltar que tanto a Escola Municipal Antonio Firmino da Silva, quanto a São Raimundo, conta com uma boa participação, embora isso não aconteça no dia a dia, pois a maioria só comparece na escola quando há solicitação. As atividades pedagógicas nas escolas do campo acontecem apenas nas salas de aula e em áreas livres, no entanto existem vários materiais e equipamentos pedagógicos que enriquecem as aulas tanto nas turmas de Educação Infantil quanto do Ensino Fundamental, podendo citar: alfabeto móvel, jogos educativos diversos
  • 15. 15 (memória, sílabas, dominó, números, bingos, quebra cabeças, mais uma, troca letras, caça-palavras, dado sonoro, trinca mágica, batalha de palavras, quem escreve sou eu, palavra dentro de palavra, caça rimas, dado sonoro, blocos lógicos, etc), revistas (Ciências hoje para crianças), DVD, TV, microssyster, data show, globos, mapas, esqueletos, ábacos, jogos de xadrez, tangran, bússola, boliches, livros de literatura juvenil e coleções pedagógicas com sugestões de metodologia e atividades. É importante ressaltar que os recursos pedagógicos mais utilizados estão organizados na sala de aula, no espaço chamado Cantinho de Aprendizagem, seguindo a orientação do programa Escola Ativa, o qual funciona nas escolas do campo. As referidas escolas são acompanhadas pela equipe da SME, estando no dia a dia da Escola Municipal Antonio Firmino da Silva, a supervisora do Programa Escola Ativa, a qual responde pela Direção da mesma. Os demais fazem visitas nas escolas, apoiam em sala de aula, promovem eou participam de encontros, reuniões, Conselho de Classe, momentos de estudo e outros com os professores. O serviço de Secretaria, ou seja, a organização dos documentos, tanto de alunos quanto de servidores, incluindo matrícula, movimentação de alunos, dossiê, diários de Classe, Livro de Ponto, atas de resultados finais e outros, fica por conta da equipe da SME. Há previsão para que a partir de 2012, cada escola tenha a sua secretaria organizada com um funcionário responsável pela documentação. A Escola Municipal Antonio Firmino da Silva conta com 04 auxiliares operacionais para limpeza e preparação da merenda escolar, 02 em cada turno e 01 vigia noturno. Já a Escola Municipal São Raimundo possui apenas 02 auxiliares no matutino, uma vez que a mesma funciona apenas neste turno. As escolas do campo primam pelo trabalho coletivo e procuram envolver pais e comunidade em suas ações, tanto no planejamento quanto na execução. Buscam trabalhar em parceria com outras instituições, podendo citar os seguintes parceiros: Secretaria de Ação Social, Polícia Militar (com o Programa PROERD), Secretaria Municipal de Saúde, Igrejas, Escola Municipal 1º de junho e a própria comunidade. As escolas do campo procuram construir suas identidades de acordo com a legalidade e em busca de uma educação de qualidade, a fim de conquistarem a sua autonomia. Para elaboração e execução de seus projetos e ações e principalmente para o desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem, baseiam-se em Leis, especificamente em artigos que tratam da educação, a citar:
  • 16. 16 Constituição Federal de 1988 - Capítulo III – Da Educação, da Cultura e do Desporto Art. 205 — A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. Art. 206 — O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: I. igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; II. liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber; III. pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, e coexistência de instituições públicas e privadas de ensino; IV. gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais; V. valorização dos profissionais do ensino, garantidos, na forma de lei, planos de carreira para o magistério público, com piso salarial profissional e ingresso exclusivamente por concurso público e provas de títulos; VI. gestão democrática do ensino público, na forma de lei. Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional (LDB) Art. 12 — Os estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e as do seu sistema de ensino, terão a incumbência de: I. elaborar e executar sua proposta pedagógica; II. administrar seu pessoal e seus recursos materiais e financeiros; III. assegurar o cumprimento dos dias letivos e horas-aula estabelecidos; IV. velar pelo cumprimento do plano de trabalho de cada docente; V. articular-se com as famílias e a comunidade, criando processos de integração da sociedade com a escola; VI. informar os pais e responsáveis sobre a freqüência e o rendimento dos alunos, bem como sobre a execução de sua proposta pedagógica. Art. 13 — Os docentes incumbir-se-ão de: I. participar da elaboração da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino; II. elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a proposta pedagógica do estabelecimento de ensino; III. zelar pela aprendizagem dos alunos;
  • 17. 17 IV. estabelecer estratégias de recuperação para os alunos de menor rendimento; V. ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos, além de participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional; VI. colaborar com as atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade. Art.14 — Os sistemas de ensino definirão as normas da gestão democrática do ensino público na educação básica, de acordo com as suas peculiaridades e conforme os seguintes princípios: I. participação dos profissionais da educação na elaboração do projeto pedagógico da escola; II. participação das comunidades escolar e local em conselhos escolares ou equivalentes. Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) Artigo 3° I. As escolas deverão estabelecer como norteadores de suas ações pedagógicas: a) os Princípios Éticos da Autonomia, da Responsabilidade, da Solidariedade e do Respeito ao Bem Comum; b) os Princípios Políticos dos Direitos e Deveres de Cidadania, do exercício da criticidade e do respeito à Ordem Democrática; c) os Princípios Estéticos da Sensibilidade, da Criatividade, e da diversidade de Manifestações Artísticas e Culturais; II. Ao definir suas Propostas Pedagógicas, as escolas deverão explicitar o reconhecimento da identidade pessoal de alunos, professores e outros profissionais e a identidade de cada unidade escolar e de seus respectivos sistemas de ensino; III. As escolas deverão explicitar, em suas propostas curriculares, processos de ensino voltados para as relações com sua comunidade local, regional e planetária, visando à interação entre a Educação Fundamental e a Vida Cidadã; os alunos ao aprenderem os conhecimentos e valores da Base Nacional Comum e, da Parte Diversificada, estarão também constituindo sua identidade como cidadãos, capazes de serem protagonistas de ações
  • 18. 18 responsáveis, solidárias e autônomas em relação a si próprios, às suas famílias e às comunidades. Regimento Escolar Padrão da SEDUC – TO TÍTULO IV Da Organização Didática Capítulo I Dos Cursos e seus Objetivos Art. 54 - O Ensino Fundamental tem por objetivos específicos: I – o domínio progressivo da leitura, da escrita e do cálculo, enquanto instrumentos para a compreensão e solução dos problemas humanos e o acesso sistemático aos conhecimentos; II – a compreensão das leis que regem a natureza e as relações sociais na sociedade contemporânea; III – o desenvolvimento da capacidade de reflexão e criação, em busca de uma participação consciente no meio social. Capítulo II Do Currículo Art. 56. Os currículos do ensino fundamental e médio abrangerão, obrigatoriamente: I – o estudo da língua portuguesa e da matemática; II – o estudo da língua estrangeira; III – o ensino da arte e da educação física como componente curricular obrigatório da educação básica; IV – o conhecimento do mundo físico e natural e da realidade social- cultural e política, especialmente do Brasil. § 1º O tratamento dos conteúdos curriculares: I – é pautado na perspectiva sociointeracionista; II – visa a desenvolver habilidades e competências. § 2º Cabe ao educador orientar-se pelos eixos norteadores do referencial curricular. § 3º O ensino religioso: I – é de matrícula facultativa para o aluno, sendo, porém, de oferta obrigatória para a UE;
  • 19. 19 II – terá como objeto de estudo o fenômeno religioso; III – será ministrado sem quaisquer formas de proselitismo. Lei Municipal nº 239/2008 de 08 de abril de 2008 – Capítulo VIII – Dos Direitos e dos Deveres dos Profissionais da Educação Básica Dos Direitos Art. 38 – Além dos direitos previstos nesta lei, são direitos dos Profissionais da Educação Básica: I - ter a seu alcance informações educacionais, biblioteca, material didático-pedagógico, instrumentos de trabalho, bem como contar com assistência técnica que auxilie e estimule a melhoria de seu desempenho profissional e ampliação de seus conhecimentos; II - dispor, no ambiente de trabalho, de instalações adequadas e materiais técnico e pedagógicos suficientes e adequados para que possam exercer com eficiência as suas funções; III - ter liberdade de escolha e utilização de materiais e procedimentos didáticos e de instrumento de avaliação do processo ensino-aprendizagem, dentro dos princípios estabelecidos pelo Projeto Político Pedagógico, objetivando alcançar o respeito à pessoa humana e a construção do bem comum; IV - não sofrer qualquer tipo de discriminação moral ou material decorrente de sua opção profissional, ficando o infrator sujeito às penalidades previstas na Constituição Federal, Artigo 5º, incisos V e VII; V - reunir-se na unidade escolar para tratar de assuntos de interesse da categoria e da educação geral, sem prejuízo das atividades escolares. VI - congregar-se em sindicato ou associação de classe, na defesa dos seus direitos, nos termos da Constituição da República. Dos Deveres Art. 41 – Aos integrantes do quadro dos Profissionais da Educação Básica no desempenho de suas atividades, além dos deveres comuns aos funcionários públicos civis do município, cumpre:
  • 20. 20 I - preservar as finalidades da Educação Nacional inspirada nos princípios da liberdade e nos ideais de solidariedade humana; II - promover e/ou participar das atividades educacionais, sociais e culturais, escolares e extraescolares em benefício dos alunos e da coletividade a que serve a escola; III - esforçar-se em prol da educação integral do aluno, utilizando processo que acompanhe o avanço científico e tecnológico e sugerindo também medidas tendentes ao aperfeiçoamento dos serviços educacionais; IV - comparecer ao local de trabalho com assiduidade e pontualidade, executando as tarefas com zelo e presteza; V - fornecer elementos para permanente atualização de dados junto aos órgãos da Administração; VI - assegurar o desenvolvimento do senso crítico e da consciência política do educando; VII - respeitar o aluno como sujeito do processo educativo e comprometer-se com a eficácia do seu aprendizado; VIII - comprometer-se com o aprimoramento pessoal e profissional através da atualização e aperfeiçoamento dos conhecimentos, assim como da observância aos princípios morais e éticos; IX - manter em dia registros, escriturações e documentação inerentes à função desenvolvida e à vida profissional; X - preservar os princípios democráticos da participação, da cooperação, do diálogo, do respeito à liberdade e da justiça social. As escolas do campo não administram recursos próprios, periodicamente a Secretaria Municipal de Educação solicita da administração Pública Municipal, mediante as necessidades, o que se refere à material pedagógico e de limpeza. Anualmente recebem recursos do PDDE – Programa Dinheiro Direto na Escola, sendo que até 2010 a Escola Municipal Antonio Firmino da Silva recebeu através da Associação de Apoio à Escola Municipal 1º de Junho e a Escola Municipal São Raimundo por meio da Prefeitura de Sampaio. Convém ressaltar que a organização da Associação de Apoio às escolas do campo está em fase de conclusão, portanto, conta-se que em 2012 a mesma estará funcionando normalmente e assim, o recurso acima referido (PDDE), cairá em conta própria.
  • 21. 21 VISÃO ESTRATÉGICA Analisando e refletindo a prática educativa das Escolas do campo, a equipe definiu os valores, a visão de futuro, a missão e os objetivos, considerando os aspectos pedagógicos, administrativos, jurídicos e financeiros, bem como a formação docente e discente e a organização dos espaços de aprendizagem, visando às condições de acesso, participação, permanência e processo de ensino e aprendizagem. Houve dessa forma, a definição de sua visão estratégica, levando em consideração todo ambiente escolar. Sabe-se que a visão estratégica representa as convicções em que a maioria das pessoas no ambiente escolar acredita, e que as mesmas estejam presentes em todas as atividades e relações existentes na escola, família e comunidade, tudo isso objetivando a melhoria do processo educativo. Sendo assim é importante destacar que as convicções e princípios estão definidos e serão citados a seguir: Nossos Valores • Compromisso: Temos compromisso com uma educação de qualidade, para formar cidadãos críticos e conscientes na sociedade; • Participação: Trabalhamos em equipe com comprometimento e solidariedade, primando pelo trabalho coletivo; • Respeito: desenvolvemos um trabalho com dignidade, respeitando os direitos de cada pessoa na escola. Nossa Visão de Futuro • Formamos uma equipe voltada para a qualidade no atendimento a todos que necessitam de nossos serviços, realizando um trabalho de maneira eficaz e organizada, respeitando a individualidade e interesse dos educandos, educadores, pais e comunidade, para o fortalecimento das ações educativas. Nossa Missão • As escolas do campo têm por missão assegurar um ensino de qualidade, contribuir para a melhoria das condições educacionais, formar cidadãos de bem, conscientes dos seus direitos e deveres, que saibam interagir no meio
  • 22. 22 social, com capacidade para construir conhecimentos e valores, no que se refere à formação do caráter e desenvolvimento de conceitos éticos e políticos. Nossos objetivos • Elevar o nível de aprendizagem dos alunos; • Fortalecer a participação dos pais na escola. Nossas metas • Elevar em 5% o índice de aprovação no Ensino Fundamental na Escola Municipal Antonio Firmino da Silva (2011 a 2016); • Desenvolver um Programa com 03 atividades para melhorar a qualidade da aprendizagem na Escola Municipal São Raimundo (2011 a 2016); • Desenvolver 07 atividades para intensificar a Proposta Pedagógica da Escola; • Implementar um Programa com 03 atividades para integração entre escola – família – comunidade. Concepções da Equipe PROGRAMA ESCOLA ATIVA O programa Escola Ativa é uma estratégia metodológica criada pelo Governo Federal que objetiva atender os alunos das escolas rurais das regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste. Foi desenvolvido especificamente para as classes multisseriadas, onde alunos de diferentes idades, séries/anos realizam suas atividades escolares na mesma sala de aula. Possui como estratégia o investimento na formação de educadores, na melhoria da infraestrutura das escolas e no oferecimento de material pedagógico. A implantação da estratégia metodológica Escola Ativa no Brasil ocorreu no ano de 1997, com assistência técnica e financeira do projeto Nordeste/MEC, nos estados da Região Nordeste. Em meados de 1999 o Projeto Nordeste chegou ao final, dando lugar a um novo momento, o surgimento do programa FUNDESCOLA (Programa Fundo de Fortalecimento da Escola), o que não acarretou descontinuidade nas ações de implantação do programa Escola Ativa que já consolidava nos Estados. A Escola Ativa, então, passou a fazer parte das ações do Programa FUNDESCOLA. Para melhor compreensão, o processo de implementação do
  • 23. 23 Programa Escola Ativa no Brasil pode ser dividido em fases que representam o processo percorrido pelo mesmo desde a sua implantação. FASE I – Implantação e testagem; FASE II – Expansão I; FASE III – Consolidação; FASE IV – Expansão II; FASE V – Disseminação e Monitoramento. Em 2008, o programa Escola Ativa foi implantado no município de Sampaio, sendo um desafio para todos os envolvidos com o processo ensino aprendizagem, pois trouxe metodologias inovadoras através de uma série de ações envolvendo capacitações, com o apoio da SEDUC (Secretaria da Educação do Estado do Tocantins) e SME (Secretaria Municipal de Educação). EDUCAÇÃO NO CAMPO Na década de quarenta, a população brasileira era formada por mais de 40 milhões de habitantes, cerca de 70% viviam na área rural e de 30%, nas áreas urbanas. Na década de oitenta, a população havia triplicado, chegando a mais de 120 milhões, 68% - mais de 81 milhões de pessoas – já residentes nas cidades. Em apenas cinco décadas, a proporção inverteu-se drasticamente: hoje, o Brasil tem mais de 185 milhões de habitantes, 75% nas áreas urbanas e 25%, nas áreas rurais. Recentemente, vê-se surgir no campo, novas alternativas de trabalho nos setores de prestação de serviços, construção civil, comércio e área social que têm contribuído para reter o processo de êxodo rural. Segundo dados da Pesquisa por Amostra Domiciliar (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), a quantidade de empregos não agrícolas criados na zona rural aumenta 35% entre 1990 e 2000, o que equivale a 1,2 milhões de novas vagas. A educação do campo não pode importar de forma nenhuma um modelo pedagógico-curricular urbanizado. A educação para a população do campo incorpora uma realidade histórica variada, englobando as mais diversas práticas da “vida campestre”, tais como os espaços onde vivem os povos tradicionalmente agricultores, extrativistas, caçadores, ribeirinhos, pescadores, indígenas, quilombolas, posseiros, arrendatários meeiros e fazendeiros. Ela expressa a luta dos povos do campo por
  • 24. 24 políticas públicas que garantam o direito à educação, a uma educação que seja no campo e do campo. Hoje, existe consenso de que uma política de desenvolvimento rural deve integrar a Reforma Agrária, o fortalecimento da pequena propriedade e da agricultura familiar, assim como a geração de mais e melhores postos de trabalho e renda no campo. A educação torna-se imprescindível para a formação do capital, humana e social que possibilitará a gestão na direção do desenvolvimento sustentável. Uma proposta curricular de Educação do Campo adota como alicerce teórico a concepção sociointeracionista, fundamentalmente por uma questão de coerência pedagógica, haja vista que se busca nesta, a superação de um modelo de educação brasileira no meio ao processo de transmissão de saberes. A Educação do Campo que vem sendo proposta a partir de um trabalho coletivo, envolvendo os próprios educadores a equacionar saberes científicos às práticas cotidianas no campo. “Para ser grande, sê inteiro: nada teu exagera ou exclui. Sê todo em cada coisa. Põe quanto és no mínimo que fazes. Assim em cada lago a lua toda brilha, porque alta vive” (Fernando Pessoa). A Educação do Campo deve convocar para si a responsabilidade social, ou seja, a escola é o lugar de projeção social, não se tratando aqui de uma projeção meramente capitalista/materialista, mas projeção na perspectiva de cidadania e dignidade humana, como trata os quatro eixos estruturais da educação proposta pela UNESCO: APRENDER A SER – que deve ser entendido e vivenciado como a valorização da auto-estima, atitudes e interesses particulares dos educandos como condição de torná-los sujeitos do processo de ensino-aprendizagem, considerando a identidade própria do campo, estabelecendo como resultado esperado do processo de ensino- aprendizagem: educandos participativos, responsáveis, ativos socialmente no meio em que vivem, abordando os valores culturais, por meio de discussões transversais, para uma construção da individualidade e da vida no campo. APRENDER A CONVIVER – eixo extremamente importante numa sociedade contemporânea marcada pela intolerância, logo deve ser abordado no contexto escolar como valorização das regras de convivência pautadas na disciplina, no respeito mútuo, na tolerância, levando os educandos a qualificar a relação humana entre os mesmos, valorizando as particularidades linguísticas do campo. APRENDER A FAZER – eixo que deve ser valorizado em razão da necessidade produtiva a que a vida exige de cada ser humano. Nesta perspectiva os conteúdos
  • 25. 25 curriculares devem ser contextualizados, como condição de relacionar a dimensão teórica do conhecimento com a prática, principalmente no exercício de atividades no campo. APRENDER A APRENDER – eixo que subsidia todos os demais, haja visto que oferece condições didáticas para que o educando esteja permanentemente produzindo ou problematizando os conhecimentos. Deve possibilitar o educando a atitude de provocador e instigador. Adotar o conhecimento como meio e não como fim, de modo que esteja o próprio vetor na construção da autonomia intelectual. SALAS MULTISSERIADAS A educação escolar constitui um direito social e cabe ao Estado garantir as condições e os recursos para a sua efetivação. Isto pressupõe, entre outras condições, realizar no campo a inclusão de crianças, jovens e adultos na formação básica em condições igualitárias de acesso e permanência, rompendo com formas seletivas de privilégio ainda vigentes na educação escolar. Atualmente professores das escolas que atuam no campo e trabalham com salas multisseriadas enfrentam dificuldades para trabalhar com crianças com diferentes idades e níveis de aprendizagem na mesma classe, pois as mesmas apresentam algumas especificidades. Essas especificidades, segundo ROSA (2008, p. 224), “exigem do educador saberes necessários para se trabalhar com a diversidade.” Assim, se faz necessário ao professor, considerar que não existem classes homogêneas e que o planejamento das atividades deve contemplar todos os estudantes independentes de seu nível de conhecimento. É interessante ressaltar que as especificidades identificadas nas classes multisseriadas não trazem apenas dificuldades para o trabalho docente, trazem também possibilidades para a formação de grupo na sala de aula. ROSA (2008, p. 228) explica ainda que: Há diferenças quando se consideram as séries, as idades, o sexo, os sonhos, as expectativas, as condições financeiras e socioculturais. As semelhanças ocorrem no desejo dos alunos de ter acesso a um sistema de educação com boa qualidade de ensino; acesso aos meios de comunicação e conhecimentos. Nesse sentido, o planejamento pedagógico é um fator valiosíssimo para identificar os problemas de aprendizagem nas escolas que atendem salas multisseriadas. É capaz de criar estratégias para desenvolver seu currículo levando em consideração principalmente o trabalho dos alunos em equipe.
  • 26. 26 A lógica dessa organização é interessante pelo fato de haver interação entre os grupos. As crianças que ainda não se apropriaram do conteúdo, por exemplo, serão capazes de discutir as relações que determinam os conceitos e assimilar as formas de construção das frases (nominais e verbais) se for o caso e interpretar ainda, as imagens, a partir do ponto de vista coletivo. A maior dificuldade apresentada pelo professor das turmas multisseriadas seria: atender a todos os alunos, pois, o marco dessas turmas é a heterogeneidade. É certo que não existem turmas homogêneas, no entanto, só o fato de haver alunos de idades diferentes dificulta ainda mais a prática docente. Outro ponto em questão de muitas escolas é a falta de recursos didáticos, visto que as escolas rurais estão situadas em lugares distantes e acabam em sua grande maioria esquecidas pelas políticas públicas. O professor, diante disso, precisa criar estratégias para oferecer o mínimo de condição que atenda a todos os alunos. Estudiosos afirmam que 92% dos educadores apontaram ser um grande desafio ensinar diferentes conteúdos a grupos tão distintos e 52% afirmaram que a principal dificuldade é preparar uma aula em que todos possam participar. Para Jaqueline Freire. “O problema não é a multissérie, mas a falta de conhecimento para lidar com saberes diferenciados. O professor que trabalha numa classe multisseriada precisa de atendimento contínuo para aprender a lidar com as questões pedagógicas que envolvem grupos tão diversificados.” Revista Nova Escola, P. 18. Diante das considerações do trabalho docente com as classes multisseriadas, é possível realizar um planejamento capaz de alcançar todos os envolvidos no processo de ensino e aprendizagem das escolas do campo, certificando-se que, a diversidade contribui para que haja interação, cooperação e construções mútuas dos saberes escolares. Portanto, acredita-se que apesar das dificuldades encontradas, os docentes das turmas multisseriadas poderão articular a sua prática docente com a formação de grupos, para assim, trabalhar o currículo escolar. Tendo em vista que, a heterogeneidade existente nas salas, é capaz de promover a cooperação dos sujeitos a fim de alcançar aprendizagens consideravelmente significativas.
  • 27. 27 EDUCAÇÃO ESPECIAL As pessoas com Necessidades Educacionais Especiais no Brasil têm seus direitos garantidos pela Constituição Federal que elegeu como fundamentos da República a cidadania e a dignidade da pessoa humana (art. 1º, incisos II e III), A mesma prevê, a promoção do bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação (art. 3º, inciso IV). A Lei garante ainda o direito à igualdade (art. 5º), e os artigos 205 e seguintes, esclarecem que todos têm direito à educação. Esse direito deve visar ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho (art. 205). Além disso, elege como um dos princípios para o ensino, a igualdade de condições de acesso e permanência na escola (art. 206, inciso I). No entanto, a inclusão de pessoas com necessidades educacionais especiais no ensino regular começou a ser aclamada após a Conferência Mundial sobre Necessidades Especiais que aconteceu na Espanha em 1994. Nesse encontro surge então a Declaração de Salamanca, que é em um importante documento que dispõe sobre os princípios, políticas e práticas relativas às necessidades especiais. O referido documento esclarece que as pessoas com necessidades educacionais especiais, assim como as pessoas consideradas “normais” têm direito ao acesso às escolas comuns que deverão oferecer uma educação centrada nas necessidades do público em questão, sendo capaz de atender as mesmas, oferecendo um ensino inclusivo e de qualidade, onde as crianças possam permanecer sem qualquer tipo de descriminação. A inclusão escolar, de acordo com essa declaração, consiste em que as escolas reconheçam as diversas necessidades dos alunos e lhes ofereçam aprendizagem por meio de currículo apropriado e promova modificações organizacionais, estratégias de ensino e uso de recursos, dentre outros quesitos. (UNESCO apud MENDES, 2002). As escolas têm um importante papel no processo de inclusão social, pois quando as crianças com necessidades educacionais especiais passam a frequentar as salas de aula de ensino regular, novos horizontes são abertos e possibilitam mostrar que são capazes de desenvolver atividades que os integram na sociedade e isso os motivam a lutarem por seus direitos. mesma no Brasil tem assumido uma posição importante nos debates educacionais.
  • 28. 28 Vários autores de obras que tratam sobre inclusão destacam muitos fatores que dificultam a concretização da inclusão escolar tais como, a ausência nos cursos de formação de professores e a falta de conteúdos específicos sobre o processo de ensino e aprendizagem das pessoas com necessidades especiais. Afirmam ainda que o processo de inclusão não deve ser apenas educacional, mas também social e para que isso possa acontecer, há a necessidade de se valorizar e capacitar os professores, promovendo assim o acesso e a permanência do aluno na escola com sucesso e qualidade. Gandhi afirma que “se queremos progredir, não devemos repetir a história, mas fazer uma nova história” e cabe aos seres humanos aprender a conviver com as diferenças, respeitando e valorizando-as, pois por muito tempo as pessoas com necessidades especiais foram condenadas a viver de forma isolada e tiveram seus direitos fundamentais negados vivendo sem nenhuma qualidade de vida. Neste sentido, convém lembrar que: "Somos diferentes, mas não queremos ser transformados em desiguais. As nossas vidas só precisam ser acrescidas de recursos especiais". (Peça de teatro: Vozes da Consciência,BH) FORMAÇÃO CONTINUADA A Formação inicia-se com o conhecimento teórico adquirido na formação acadêmica (inicial) e deve ser continuada, pois o processo refere-se à ligação teoria/prática e seu aperfeiçoamento. Formação continuada é um conjunto de estudos que se transformam em ideias que são socializadas de forma que os grupos possam interagir, tendo como ponto de partida a experiência de cada um. Assim nos afirma Vera Maria N. de Souza: “o ponto de partida é a experiência, prática que ele traz – não como constatação, como relato, mas como instrumento a ser analisado, confrontado e transformado” (p.118). “A formação continuada é um processo de aprendizagem fundamental na vida do ser humano. Pois o conhecimento é uma busca constante, está sempre em construção. O profissional deve ter consciência do seu papel diante da sociedade, como formador de opinião. A sua finalidade é fazer com que o indivíduo tenha um despertar para mudanças que ocorrem em sua volta, melhorar a prática educativa e a qualidade do ensino.” (equipe de professores).
  • 29. 29 Neste sentido, Carlos Eduardo Ferraço diz que: ”a formação continuada está inserida no processo de ampliação das possibilidades de conhecimento, tanto dos educadores quanto dos estudantes” (p.20). Devido às influências de uma época globalizada e tecnológica, temos uma clientela informada e com modificações de comportamento intelectual. No paradigma produtivo, o professor deve estar se adequando às inovações, sabendo que sua formação inicial e continuada constituem condição para uma aprendizagem permanente, tanto para vida pessoal quanto profissional, caso contrário, não terá espaço no mercado de trabalho. É de interesse municipal, estadual e nacional a formação do professor, pois estão contemplados na Lei de Diretrizes e bases da Educação Nacional, no Art. 61 Titulo Vl (p.37), o qual nos diz que o desenvolvimento do educando terá como fundamentos, associação entre a teoria e a prática mediante capacitação em serviço, aproveitamento da formação e experiências anteriores. Pois teoria e prática resultam na práxis, transformando a realidade da escola com respaldo na sociedade em geral. É de suma importância a valorização dos programas de Formação Continuada, aos quais as escolas do campo têm acesso: Capacitação do programa Escola Ativa, microcentros (mensalmente), Dias Pedagógicos (bimestralmente), oficinas pedagógicas, seminários e Grupos de Estudo. Dessa forma, saber administrar sua própria Formação Continuada é ação útil e necessária da escola, pois atualmente o professor está sendo convidado a participar de um novo espaço educacional, formando uma nova escola, onde exige de seus educadores compromisso ético e político e que todos estejam possibilitando a construção do conhecimento, promovendo assim, um ambiente de reflexão das ações e atitudes. CURRÍCULO O currículo escolar se focaliza como um Projeto educativo globalizado, que agrupa a adversidade cultural e desenvolvimento pessoal e social dos indivíduos, para seu desenvolvimento em sociedade. Quer dizer que o mesmo é mais que seleção de conhecimento ou saber elaborado e formalizado. Os princípios que devem embasar o currículo escolar deve- se fundamentar por meio da autonomia, responsabilidade, solidariedade e do respeito ao bem comum, que fazem parte da vida cidadã dos alunos.
  • 30. 30 A Secretaria de Educação do Tocantins através do seu Planejamento Estratégico vem adotando medidas e empreendendo esforços para enfrentar as questões que afligem a educação pública do estado, que tem como objetivo minimizar o analfabetismo, reprovação, evasão escolar, promovendo assim um ensino de qualidade para todos os alunos. Dentre essas medidas aponta-se a construção da Proposta Curricular para o Ensino Fundamental, Proposta Curricular para a Educação do Campo que constituem ação coletiva a qual mobiliza professores e técnicos, tornando-se um momento de discussão e de comprometimento com a melhoria da escola pública. Neste contexto as escolas do campo buscam organizar o planejamento de acordo com as necessidades dos educandos, seguindo, além das Propostas Curriculares e Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, a metodologia do Programa Escola Ativa, com uso dos cadernos de Aprendizagem. Assim, pode-se afirmar que: “Currículo é um importante elemento constitutivo da organização escolar. Currículo implica, necessariamente, a interação entre sujeitos que têm um mesmo objetivo e a opção por um referencial teórico que o sustente”. (Ilma, P. 26). Neste sentido a escola procura colocar em prática as sugestões e procedimentos metodológicos discutidos e adquiridos nos estudos, dias pedagógicos e encontros de formação continuada e cumprir com sua atribuição legal e busca atuar na formação de cidadãos capazes de entender e interpretar a ciência, as tecnologias, as artes, a diversidade humana e os valores éticos e políticos, contribuindo de fato na construção de uma sociedade mais justa e igualitária. EDUCAÇAO INFANTIL O desenvolvimento da Educação Infantil no Brasil e no mundo tem tomado maior dimensão e com grande rapidez, devido à intensa participação da mulher no mercado de trabalho. Em contra partida a sociedade está mais consciente da importância das experiências na primeira infância, o que motiva investimentos por uma educação institucional para crianças de zero a cinco anos. Neste sentido a sociedade civil e órgãos governamentais reconheceram sua importância, o movimento da sociedade resultou no reconhecimento legal na constituição de 1988, onde consta que a Educação Infantil em Creches e Pré –
  • 31. 31 Escolas passou a ser um direito da criança (artigo 208 inciso lV). O estatuto da criança e adolescente de 1990, também destaca o direito da criança a esse atendimento. O direito à educação dessas crianças é visto de forma diferente do Ensino Fundamental, ou seja, a educação não é obrigatória. A educação infantil está centrada na experiência da criança, no processo, e não no resultado. Os profissionais de pré-escola são responsáveis pela formação da criança, socialização e integração da mesma no meio social, buscando assim, a construção da infância, do coletivo infantil, da diversidade. Nos dias atuais podemos dizer que cada vez mais, meninos e meninas têm acesso à educação infantil, chegam á escola mais cedo. Felizmente a política educativa vem sendo direcionada no sentido de que todas as crianças, independente do meio familiar e social de origem, tenham acesso à escola. Neste sentido, pode-se concordar com Regina Leite quando fala sobre o compromisso que a escola deve ter com o projeto da classe trabalhadora, desde a educação infantil á universidade. “O desafio que se coloca, portanto, para a escola é o que fazer e como fazer, no sentido de contribuir para que cada aluno, independentemente de sua condição de classe, raça ou gênero, vá se capacitando para poder pretender se tornar governante; ou seja, que cada aluno da classe trabalhadora desenvolva, no decorrer de sua escolaridade, as condições gerais de poder governar.”(p.12) É importante ressaltar que com o acesso maior à escola das diferentes crianças e tipos de famílias, faz-se necessário refletir, quanto à formação permanente e disposição em modificar, se necessária, a ação educativa, pois surgem várias possibilidades, visto que as crianças são diferentes umas das outras em muitas dimensões. Atualmente não tem espaço, nem alternativa, senão uma escola inclusiva, que considera a diversidade como fonte de riqueza. As escolas do campo alunos na educação infantil na faixa etária de 4 e 5 anos. E tem como objetivos gerais: Desenvolver a coordenação voluntária dos pequenos e grandes músculos (coordenação motora fina e grossa); Desenvolver a comunicação e atribuir significados às diferentes situações do cotidiano, preparando-se para a inserção no mundo da leitura e escrita; Construir conhecimentos matemáticos a partir de interações com diferentes objetos e o ambiente em que vive;
  • 32. 32 Adquirir conhecimento social, estabelecendo relações de convivência, interação e respeito mútuo com o outro, bem como respeito a si e ao meio; Desenvolver as habilidades artísticas, tornando-se capaz de perceber a arte no real e imaginário. Acredita-se que no processo de construção do conhecimento, as crianças possam utilizar de diversas linguagens e terem a capacidade de formar hipóteses e ideias sobre o que buscam desvendar. Assim, necessitamos de objetivos claros e precisos que direcionem para formação de seres humanos capazes de viver bem em sociedade. ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS O ensino fundamental de nove anos tornou-se obrigatório, com a inclusão das crianças de seis anos de idade, através da Lei 11274/2006. Para tanto, exige-se um tratamento político, administrativo e pedagógico, sendo que precisa assegurar um convívio escolar com maior oportunidade de aprendizagem. Partindo deste principio, necessário se faz que haja recursos físicos e humanos, a fim de garantir um ensino de qualidade. Os espaços educativos, os materiais didáticos, o mobiliário e o equipamento devem ser repensados para atender as crianças com essa faixa etária. É fundamental, que haja uma política de formação continuada, possibilitando o profissional, a capacidade de atuar de maneira que aconteça uma aprendizagem significativa. Neste sentido, não se pode esquecer a ludicidade, considerando que os alunos de 1º ano, antes estavam inseridos na Pré-Escola, onde há espaço para o brincar, e esse brincar faz parte de sua vida. Portanto, é de grande relevância que esse momento de brincadeira não seja deixado de lado. Pensando na Proposta Curricular, as crianças de seis anos precisam de um currículo que atenda suas características e potencialidades específicas. Deve ser pensado não só o caráter da alfabetização e do letramento, mas valorizá-las como um todo, capaz de desenvolver habilidades que vão além da leitura e da escrita, necessários para a formação do estudante do Ensino Fundamental. Para cumprimento à Lei e melhor atendimento às crianças de 6 anos de idade, as escolas do campo implantaram o Ensino Fundamental de 9 anos a partir de 2007, lembrando que até então os alunos deste nível nas escolas da rede municipal são apenas de 1º ao 5º anos.
  • 33. 33 TRABALHO COLETIVO Ao longo da história das escolas do campo, pode-se afirmar que a comunidade, embora não participe ativamente do dia a dia escolar, atende convites e se faz presente nas reuniões e demais ações das. Percebe-se que essa participação vem aumentando a cada dia e isto graças ao trabalho das equipes da SME e escolas, que buscam cada vez mais melhorar a qualidades das atividades escolares, conquistando assim, a confiança de alunos, pais e comunidade. Hoje acredita-se que com a elaboração do Projeto Político Pedagógico, o trabalho coletivo será impulsionado ao sucesso, concretizando a participação efetiva da comunidade escolar e local nas atividades escolares. Quanto ao trabalho realizado dentro das Unidades Escolares, não há dúvida de que o mesmo acontece meio à colaboração e solidariedade, uma vez que todos procuram servir o outro de acordo com as possibilidades. As ações contam com a participação ativa de todos os servidores desde o planejamento à execução e avaliação. O trabalho coletivo possibilita a soma de capacidades em função de finalidades comuns. Este tem sido apontado por pesquisadores e estudiosos como o caminho mais eficaz para o alcance das novas finalidades da educação escolar e para que aconteça de forma eficaz, deve envolver o espaço público de discussão e troca de conhecimentos no qual participam as diferentes instâncias sociais, tais como a família, o governo, a igreja, os sindicatos, além dos profissionais da educação. No entanto, reconhece – se que o trabalho coletivo não é tarefa simples, uma vez que a humanidade durante séculos, em sua história, acostumou-se a formas de vida individualista. No entanto, é preciso que haja a participação de todos os “atores”, objetivando o crescimento educacional e transformação da sociedade. Somente a partir desta integração é possível desenvolver um trabalho com sucesso. PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM O processo ensino e aprendizagem não se dá de modo mecânico, ele acontece na relação entre professor e aluno. Essa relação possibilita a apropriação e sistematização dos conhecimentos, situação em que o professor ensina e aprende. Sendo assim, convém afirmar que a aprendizagem é um processo no qual incorporamos novos padrões, novos costumes, novas formas de perceber a vida, de agir frente a diferentes situações do cotidiano. A aprendizagem possibilita uma
  • 34. 34 relação cognitiva entre o sujeito e o objeto do conhecimento. O sujeito age sobre o mundo com o intuito de apropriá-lo, transformá-lo. Nesse processo de aprendizagem, o homem vai se transformando a cada nova experiência. As escolas do campo compreendem que o processo de ensino e aprendizagem serve para o homem como linear de seus atos, num contexto histórico. Seja ele social, cultural ou político. Dessa forma, ensinar e aprender, sem dúvida, determinam a vida intelectual e participativa do homem na sociedade. Com esse entendimento, estas Unidades de Ensino vêm realizando o seu trabalho a partir de um Planejamento coletivo, seja para as atividades docentes ou em contexto geral. Os professores são lotados com uma carga horária semanal de 40 horas, sendo 20 em regência e 20 horas atividades, destinadas ao planejamento de aulas, reforço escolar, estudos, pesquisas e acompanhamento familiar. As escolas têm trabalhado o reforço escolar no contraturno, apenas uma vez por semana, já que a maioria dos professores que trabalham no campo moram na sede do município, o que dificulta a permanência dos mesmos do turno contrário à regência. Além de fazerem o Planejamento Anual, os professores reúnem-se semanalmente na sede da SME para planejamento, organização das atividades pedagógicas e confecção de material, com acompanhamento da coordenação, supervisão e equipe de apoio pedagógico/administrativo da SME. Analisando a forma como acontece o processo de ensino e aprendizagem nas escolas e em observação à Proposta Curricular de Educação para o Campo, a equipe definiu como linha de trabalho, a partir deste Projeto Político pedagógico a concepção sociointeracionista, já que esta reconhece o educando como sujeito ativo e não apenas como mero expectador. O aluno do campo tem voz e vez e os conhecimentos trazidos por eles são ampliados, fazendo com que a aprendizagem seja de fato significativa. Assim sendo, as escolas do campo realizam um trabalho com responsabilidade e compromisso, procurando valorizar, além do conhecimento prévio do educando, as experiências de cada servidor, buscando melhorar a cada dia, o seu fazer pedagógico, em prol de uma educação de qualidade.
  • 35. 35 PLANEJAMENTO “Uma das tarefas mais importantes para garantir o sucesso de qualquer iniciativa é planejar. Na escola não é diferente. O único jeito de garantir que todos os alunos aprendam é preparar corretamente o terreno (saber onde se quer chegar, definir prioridades, organizar os espaços físicos e a infraestrutura necessária para alcançar os objetivos) e, claro, colocar tudo isso em prática”. (Gabriel P. Grossi, Revista N. Escola, dez. 2006, P. 6). Já se sabe que toda atividade a ser realizada, necessita de uma prévia organização. Não sendo diferente nas atividades educativas, ao assumir uma disciplina ou série, o professor sente a necessidade de tomar várias decisões, como seleção das competências e habilidades a serem desenvolvidas, relação de conteúdos que atendam os anseios dos seus alunos, que recursos vai utilizar para que facilite a aprendizagem, tornando-a mais significativa e que metodologia adotar para cada conteúdo. Planejamento, portanto, é um processo contínuo, permanente e dinâmico, é de fundamental importância para nortear a prática pedagógica, pois todo fazer exige o ato de planejar, não é possível realizar um trabalho sem pensar ou traçar caminhos e metas. Neste sentido, a ação de planejar não pode estar reduzida ao simples preenchimento de formulários para controle administrativo, mas é um instrumento que orienta os caminhos a serem percorridos em um determinado período. O planejamento deve ser claro, completo e estar de acordo com a realidade, pois através do mesmo pode-se evitar repetições de ações e que alguns conhecimentos essenciais deixem de ser tratados com os educandos. A equipe de professores das escolas do campo considera o planejamento ação imprescindível para o sucesso de todo e qualquer trabalho, de modo especial da regência, uma vez que este é realizado diretamente com a criança, adolescente ou jovem, o que torna a responsabilidade de que quem conduz a atividade, bem maior. No entanto, não perde de vista a importância que o planejamento tem também para organização e execução das atividades educativas de modo geral. Assim, os educadores das referidas escolas elaboram o planejamento anual no início do ano letivo de forma coletiva e reúnem-se semanalmente para o planejamento semanal, o qual é mais detalhado, com definição das atividades diárias. Em ambos
  • 36. 36 destacam-se, dentre outros pontos considerados relevantes, as habilidades, os conteúdos, a metodologia, os recursos pedagógicos e avaliação. Convém ressaltar que o dia de planejamento semanal é bastante enriquecedor, pois durante o mesmo ocorre a troca de experiência e discussão sobre diferentes formas de ensinar e aprender que auxiliam o professor no seu fazer pedagógico. “O planejamento é feito com acompanhamento pedagógico, o que é fundamental para que o educador possa realizar um trabalho de qualidade”. (Equipe de professores) AVALIAÇÃO “A avaliação é um instrumento poderoso a serviço do professor, da escola, dos alunos e das famílias, para melhorar e redirecionar o trabalho pedagógico”. (LUCK, Revista Gestão em Rede, 2006, P. 19). A avaliação é constante em nosso dia-a-dia, pois avaliamos impressões e sentimentos. Nas interações cotidianas, em casa, em nossa trajetória profissional e durante o lazer, a avaliação sempre se faz presente e inclui um julgamento de valores sobre nós mesmos, sobre o que estamos fazendo e sobre o resultado de trabalhos. Já na ação escolar, a avaliação incide sobre ações ou sobre objetos específicos, no caso, o aproveitamento do aluno. Trabalhar com o processo avaliativo é importante no sentido de que é uma prática educacional necessária para que se saiba como está a Unidade Escolar. Neste sentido, é importante que pais, professores e alunos participem da mesma. A avaliação fundamenta-se em aprendizagens significativas e funcionais que se aplicam em diversos contextos e se atualizam o quanto for preciso para que se continue a aprender. Este enfoque tem um princípio fundamental: Deve-se avaliar o que se ensina, realizando assim, um balanço do processo de ensino-aprendizagem. Portanto, usando esse principio é possível falar em avaliar para conhecer melhor o aluno e contribuir para o desenvolvimento das capacidades dos mesmos. Pode-se dizer que ela se converte em uma ferramenta pedagógica e um elemento que melhora a aprendizagem do educando e consequentemente a qualidade do ensino das escolas. Este é, portanto, o sentido definitivo de um processo de avaliação. Com esta concepção as escolas do campo trabalham a avaliação de forma contínua, ou seja, faz acompanhamento do processo educativo no dia a dia, tendo em
  • 37. 37 vista o desempenho do aluno. Faz as interferências necessárias, para que os alunos possam continuar crescendo, ou seja, aplica a recuperação paralela. Convém ressaltar que este processo (avaliação contínua e recuperação paralela) ocorre de forma qualitativa, uma vez que as referidas escolas não trabalham com notas, conforme a metodologia do Programa Escola Ativa, destinado às classes multisseriadas, específicas das escolas do campo.
  • 38. 38 PLANO DE SUPORTE ESTRATÉGICO NOME DA ESCOLA: Escola Municipal Antonio Firmino da Silva/Escola Municipal São Raimundo OBJETIVO ESTRATÉGICO: 1. Elevar o nível de aprendizagem dos alunos. LÍDER DO OBJETIVO: Maria Aparecida Furtado Barros ESTRATÉGIA: 1.1. Adotar estratégias de ensino diferenciadas, inovadoras e criativas. META: 1.1.1. Elevar em 5% o índice de aprovação no Ensino Fundamental na Escola Municipal Antonio Firmino da Silva (2011 a 2016); Desenvolver um Programa com 03 atividades para melhorar a qualidade da aprendizagem na Escola Municipal São Raimundo (2011 a 2016); INDICADOR DA META: Documento contendo as ações pedagógicas. GERENTE DO PLANO DE AÇÃO: Maria Elze Pereira Cunha Bernardino e Maria do Rosário Sousa dos Santos França INÍCIO: Fevereiro REVISÃO: Bimestral TÉRMINO: Dezembro Período Resultado Custo Quem Nº Situação- Ação Início Término Responsável Esperado Indicador Capital Custeio financia Problema 01 Dificuldade de Realizar um FEV/ DEZ/ Um encontro leitura e escrita encontro com os 2011 2011 Professores de realizado Relatório alunos que Ed. Infantil e semanalmente - - - apresentam Ens. (Melhoria na dificuldade de Fundamental leitura e escrita) leitura semanalmente no contraturno; 03 Dificuldade de Desenvolver o FEV/ DEZ/ Professores de Projeto de leitura Cópia do leitura e escrita Projeto de Leitura 2011 2011 Ed. Infantil e desenvolvido Projeto - - - “Lendo e Ens. (Melhoria na Interpretando”; Fundamental leitura, escrita e interpretação)
  • 39. 39 04 Dificuldade de Organizar uma FEV/ DEZ/ Professor da Uma coletânea Coletânea leitura e escrita coletânea com 2011 2011 turma e SME organizada - - - textos produzidos (Melhoria na pelos alunos de 5º escrita) ano da Escola Municipal Antonio Firmino da silva; 05 Baixo nível de Realizar FEV/ DEZ/ Professor da Uma avaliação Cópia de proficiência dos bimestralmente uma 2011 2011 turma e SME da avaliação - - - alunos avaliação da aprendizagem aprendizagem de realizada Língua Portuguesa bimestralmente e Matemática com (Melhoria na os alunos do 5º ano escrita) do Ensino Fundamental ano da Escola Municipal Antonio Firmino da silva.
  • 40. 40 PLANO DE SUPORTE ESTRATÉGICO NOME DA ESCOLA: Escola Municipal Antonio Firmino da Silva/Escola Municipal São Raimundo OBJETIVO ESTRATÉGICO: 1. Elevar o nível de aprendizagem dos alunos. LÍDER DO OBJETIVO: Maria Aparecida Furtado Barros ESTRATÉGIA: 1.1. Adotar estratégias de ensino diferenciadas, inovadoras e criativas. META: 1.1.2. Desenvolver 07 atividades para intensificar a Proposta Pedagógica da Escola; INDICADOR DA META: Documento contendo as ações pedagógicas. GERENTE DO PLANO DE AÇÃO: Edilson Morais Pereira e Eles Brito Melo INÍCIO: Fevereiro REVISÃO: Bimestral TÉRMINO: Dezembro Período Resultado Custo Quem Nº Situação- Ação Início Término Responsável Esperado Indicador Capital Custeio financia Problema 01 Proposta Realizar FEV/ DEZ/ SME Um Dia pedagógica bimestralmente um 2011 2011 pedagógico pouco eficaz Dia Pedagógico com bimestralmen Relatório/Fre - - - professores e equipe te realizado quência de apoio; 02 Dificuldade de Realizar anualmente FEV/ DEZ/ SME Um encontro relacionamento um encontro com 2011 2011 com alunos entre os alunos alunos: “cidadania realizado Relatório - - - em ação”, para anualmente refletir sobre direitos, deveres e convivência com o outro;
  • 41. 41 03 Dificuldade de Desenvolver FEV/ DEZ/ SME O Proerd Documentos relacionamento anualmente o Proerd 2011 2011 desenvolvido contendo o entre os alunos – Programa anualmente Programa - - - Educacional de Resistência às Drogas e à Violência, com os alunos de 4º e 5º anos; 04 Pouca Promover um torneio FEV/ DEZ/ SME e Equipe Um torneio participação nas esportivo 2011 2011 Escolar esportivo atividades semestralmente com realizado Regulamento - - - esportivas a participação de semestralme alunos de outras nte escolas; 05 Poucas práticas Promover FEV/ DEZ/ SME e Equipe A Semana de de conservação anualmente a 2011 2011 Escolar Educação da saúde e Semana de para a Vida Relatório - - - meio ambiente Educação para a realizada Vida; anualmente 06 Dificuldade de Desenvolver um FEV/ DEZ/ Equipe Um programa relacionamento Programa na escola 2011 2011 Escolar desenvolvido entre os alunos na Semana da na Semana Projeto/ - - - Consciência Negra, da Relatório com culminância no Consciência dia 20/11 (Leitura de Negra textos, recital – poemas, produção de frases, textos e confecção de mural);
  • 42. 42 07 Deficiência de Adquirir um kit com FEV/ DEZ/ SME 17 coleções Nota Fiscal material 17 coleções para 2011 2011 adquiridas - R$ Prefeitura impresso para apoio ao professor no (Melhoria na 7.347,36 apoio ao planejamento e escrita) professor realização das atividades pedagógicas, 01 exemplar da Nova Gramática e Literatura, 40 Dicionários Escolares da Língua Portuguesa e 30 exemplares da coleção Tic Tac: É tempo de Aprender. .
  • 43. 43 PLANO DE SUPORTE ESTRATÉGICO NOME DA ESCOLA: Escola Municipal Antonio Firmino da Silva/Escola Municipal São Raimundo OBJETIVO ESTRATÉGICO: 2. Fortalecer a participação dos pais na escola. LÍDER DO OBJETIVO: Terezinha Lopes da Silva Valadares ESTRATÉGIA: 2.1. Dinamizar a atuação da comunidade escolar e local. META: 2.1.1. Implementar um Programa com 03 atividades para integração entre escola – família – comunidade. INDICADOR DA META: Documento contendo as ações de integração. GERENTE DO PLANO DE AÇÃO: Maria Rita Nunes Pereira e Maria Aparecida Furtado Barros INÍCIO: Fevereiro REVISÃO: Bimestral TÉRMINO: Dezembro Período Resultado Custo Quem Nº Situação- Ação Início Término Responsável Esperado Indicador Capital Custeio financia Problema 01 Pouca Realizar FEV/ DEZ/ SME e Equipe Uma reunião Atas das participação dos bimestralmente uma 2011 2011 escolar realizada reuniões pais no dia a dia reunião educativa bimestralmente - - - da escola com pais; 02 Pouca Desenvolver um FEV/ DEZ/ Equipe escolar Um programa Relatórios participação dos Programa com 2011 2011 e SME desenvolvido pais e alunos, pais e com alunos, - - - comunidade nas comunidade para pais e ações escola comemoração das comunidade seguintes datas: • Páscoa; • Dia das Mães; • Aniversário da cidade; • Dia dos Pais; • Independência do Brasil; • Dia da Criança; • Natal.
  • 44. 44 03 Pouca Desenvolver um FEV/ DEZ/ SME Um programa Ata participação dos programa com pais 2011 2011 desenvolvido pais e e comunidade para com pais e - - - comunidade nas sensibilização comunidade. ações escola quanto à participação nas atividades escolares e criação da Associação de Apoio às Escolas do Campo (visitas domiciliares, Exibição de filme e reunião).
  • 45. 45 AVALIAÇÃO Sabe-se que a avaliação é um instrumento poderoso a serviço da escola, do professor, dos alunos e das famílias, para melhorar conduzir ou redirecionar o trabalho, de modo especial o pedagógico. É através da mesma que o educador busca obter dados sobre o processo de aprendizagem de cada criança, procura melhorar a sua prática, propondo situações capazes de gerar novos avanços no processo de ensino e aprendizagem. A avaliação deve ser contínua e acontecerá ao longo de todo processo, para que haja de fato sucesso no dia a dia. Nesta perspectiva não é diferente com o Projeto Político pedagógico, já que o mesmo é resultado de uma ação coletiva, ou seja, a sua construção conta com o envolvimento de todos os segmentos envolvidos com o processo educacional e norteia todas as ações educativas. Assim, a avaliação do Projeto Político pedagógico das escolas do campo “Construindo e Reconstruindo a Ação Educativa”, acontecerá no decorrer de sua execução, com a participação de todos os envolvidos, através de: • Reuniões com a comunidade escolar; • Reuniões com líderes de objetivos, gerentes e responsáveis por ações; • Conversas individuais; • Utilização de instrumento de acompanhamento do Plano de Ação; • Elaboração de relatórios das ações executadas; • Organização de notas fiscais. É importante ressaltar que a avaliação de um Projeto, de modo especial, O PPP, deve levar em conta a ação reflexiva, para que haja replanejamento para cada erro ou insucesso, buscando, dessa forma nossos caminhos para a melhoria da prática pedagógica.