SlideShare uma empresa Scribd logo
Projeto Político-Pedagógico
EE CEL. JOSÉ ALVES RIBEIRO
PPP 2012
1 - Identificação
ESCOLA ESTADUAL CEL. JOSÉ ALVES RIBEIRO
Rua: José Bonifácio nº 595 - Bairro Alto
CEP 79.200 – 000 - Aquidauana - MS
Telefones:
(67) 3241.2226
(67) 3241.2608
E-mail: eecjar@sed.ms.gov.br / eecjar.coordenacao@gmail.com
facebook: eecjar.coordenacao@gmail.com
Blog: eecejar.blogspot.com
2 - Apresentação do PPP
A Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro, conhecida por CEJAR, sediada à Rua José Bonifácio, nº 595, Bairro Alto, município
de Aquidauana – MS, bem próxima ao centro da cidade, destaca-se pelo amplo espaço físico e sua estrutura arquitetônica,
considerada pioneira na época, em nossa região, em que o arquiteto buscou estabelecer um conceito regional que
pudesse aliar a tradição (uso de tijolos à vista) às novas tendências mundiais (uso excessivo de vidro e concreto aparente)
apresentando ainda, fachada expressiva de linhas retas e marcantes.
Sua localização no município favorece o fácil acesso por diferentes vias, meios de transporte e de comunicação. Além disso,
é contemplada por inúmeros serviços existentes nas suas imediações como: hospital, casas comerciais em geral, parque
gráfico, emissora de rádio, provedor de internet, entre outros e instituições educacionais privadas.
Considerada uma Escola de grande porte, conforme classificação de sua entidade mantenedora, e apresentando uma
infraestrutura considerável em termos de espaço físico, equipamentos e localização geográfica, esta Unidade de Ensino é
constantemente utilizada para sediar eventos de cunho político, educacional, cultural, esportivo, religioso e muitos outros
de grande relevância para a Escola, município de Aquidauana e circunvizinhos. Atende a uma demanda proveniente de
diferentes classes sociais cuja residência, em sua maioria, localiza-se em bairros e vilas da cidade, além de alguns oriundos
de zona rural, aldeias indígenas, os quais utilizam transporte escolar, e outros do vizinho município de Anastácio.
A Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro, relevante pelo seu papel educacional, articulado com uma prática social
transformadora, respaldada pela legislação vigente, por este Projeto Político Pedagógico, Regimento Escolar, PDE-Escola
(Plano de Desenvolvimento da Escola), avaliações institucionais e outras diretrizes educacionais norteadoras, tem como
desafio reduzir a taxa de evasão escolar em 10% e elevar a taxa de aprovação da escola em 15% nos níveis fundamental e
médio num período de dois anos, a contar de 2012. Para tanto, será necessária a adoção de paradigmas que venham ao
encontro do acelerado processo de mudanças, decorrentes de avanços científicos, tecnológicos, da comunicação e da
globalização, na busca de melhorias constantes no fazer pedagógico.
Por isso, este Projeto Político e Pedagógico não é um documento pronto e acabado, mas sujeito a mudanças e adequações,
anualmente, visando um processo educativo de melhor qualidade e que procure atender às necessidades da demanda
escolar.
3 - Missão
Desenvolver um trabalho de qualidade, participativo e comprometido com o respeito, a solidariedade, a responsabilidade,
a ética, a cooperação e a justiça, com a finalidade de solidificar o princípio da cidadania.
4 - Visão
Continuar sendo reconhecidos em nossa região pelo resgate da qualidade de nossas práticas educativas, do respeito da
comunidade escolar e da sociedade e pela nossa responsabilidade social.
5 - Valores
Respeito, solidariedade, responsabilidade, ética, cooperação, justiça, excelência.
6 - Diagnóstico
6.1 - Situação socioeconômica e educacional da comunidade
O município de Aquidauana, compreende uma área de 16.958,5 km², ocupada por 45.614 habitantes (IBGE/2010), possui 4
distritos (Camisão, Cipolândia, Piraputanga e Taunay) e aldeias indígenas do povo Terena (Ipegue, Água Branca, Morrinho,
Imbirussu, Lagoinha, Bananal, Colônia Nova, Limão Verde e Córrego Seco), onde está concentrada a maior comunidade
indígena do Estado.
No setor econômico, encontram-se o comércio, a pecuária e o potencial turístico; no educacional: campi das Universidades
Federal e Estadual, pólos universitários de EADs – educação à distância (privadas), CEPA (Centro de Educação Profissional
de Aquidauana), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Mato Grosso do Sul – Campus Aquidauana, além do
atendimento oferecido pela rede pública (estadual e municipal) e instituições privadas. Existem as escolas indígenas e
pantaneiras com o ensino fundamental, mantido pelo município, e o médio, pelo Governo do Estado.
Com 42 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO, a Escola CEJAR possui uma equipe de profissionais, que prestam serviços a esta
Unidade Escolar, atendendo a uma demanda em torno de 1600 estudantes, distribuídos no Ensino Fundamental e Médio –
Regular e Educação de Jovens e Adultos e atendimento educacional especializado, através do oferecimento de Salas de
Recursos/DA e Multifuncional, Brinquedoteca e Curso Normal Médio – Habilitação em Educação Infantil e Anos Iniciais do
Ensino Fundamental, a que se somam o Programa Jovem Condutor, cursos oferecidos pelo PRONATEC (Programa Nacional
de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego), em parceria com DETRAN-MS e Governo Federal, respectivamente, e a parceria
com a UFMS na execução do PIBID (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à
Docência) pelo curso de Biologia junto a estudantes e professores do Ensino Fundamental e Médio.
O trabalho desenvolvido é norteado pelo Regimento Escolar, Projeto Político Pedagógico e Plano PDE-Escola,
fundamentado na legislação federal e estadual vigentes, Programas e Projetos da Secretaria de Estado de Educação/MS,
Referencial Curricular da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul (Ensino Fundamental e Médio), projetos da
Escola, resultados das Avaliações Institucionais (SAEB – Sistema de Avaliação da Educação Básica-, Prova Brasil, ENEM -
Exame Nacional do Ensino Médio, IDEB – Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, SAEMS – Sistema de Avaliação da
Educação da Rede Pública de Mato Grosso do Sul, Avaliações Diagnósticas do Programa Além das Palavras, Atas de
Resultados Finais, Resultados Bimestrais e avaliação em processo) e outros fundamentos teórico-metodológicos, além das
TICs (Tecnologias da Informação e Comunicação) e dos recursos midiáticos.
Em 2011, esta Unidade Escolar atingiu os seguintes resultados no IDEB:
5º ano do Ensino Fundamental – 4.5, tendo sido projetado 3.5;
9º ano do Ensino Fundamental – 3.4, tendo sido projetado 3.1.
Quanto ao 3º ano do Ensino Médio, foi divulgado apenas o resultado estadual, observando 4.9 no IDEB, tendo sido
projetado 4.0 para 2011.
6.2 - Histórico da escola
Foi fundada no dia 09 de junho de 1970, através da Lei nº 2993, que criava os Centros Educacionais de Ensino Integrados,
em Aquidauana, entre outros municípios do Estado de Mato Grosso, cujas atividades tiveram início em 1º de março do
mesmo ano e as dependências físicas foram inauguradas em 15 de agosto daquele ano (dia do aniversário de fundação
deste município). Recebeu a denominação de “Cel. José Alves Ribeiro”, através do Decreto nº 1207 datado de agosto de
1970, em homenagem ao cidadão que ajudou na construção da história do município. Com a denominação Centro
Educacional Cel. José Alves Ribeiro, resultou a sigla CEJAR, tornando-a representativa e forte na comunidade
aquidauanense, desde a década de 70 até os dias atuais.
Ao longo de sua trajetória, ocorreram os seguintes atos: a elevação para o ensino de 2º grau e a integração física da Casa
Escola “O Infantil do Bom Senso”, passando a denominar-se Escola Estadual de Pré-Escolar, 1º e 2º graus “Cel. José Alves
Ribeiro”; a implantação em 1981 da Habilitação Técnico de Secretariado, tendo sido desativado em abril de 1990; a
integração da Escola Estadual de 2º grau “Jango de Castro” em fevereiro de 1987, que oferecia a Habilitação Específica para
o Magistério, cujo curso funcionou até o ano de 2000; a implantação do PROFORMAÇÃO (Programa de Formação de
professores em Exercício), Programa do Ministério de Educação em parceria com o Estado e municípios, funcionando no
período de 1999 a 2002, habilitando professores ao exercício da função, lotados nas séries iniciais do ensino fundamental,
em diferentes municípios do Estado de Mato Grosso do Sul; a junção da Escola Estadual “Laudelino Barcelos” em janeiro de
2005; a autorização como Unidade Executora do Projeto Experimental PROFUNCIONÁRIO (Convênio MEC x SED x
Municípios de Aquidauana e Anastácio), oferecendo os cursos: Técnico em Secretaria Escolar, Técnico em Multimeios
Didáticos, Técnico em Alimentação Escolar e Técnico em Infraestrutura Material e Ambiental, a partir de abril de 2008,
tendo início suas atividades em outubro do mesmo ano. Em decorrência da extinção das Agências Educacionais, através do
Decreto nº 9.317 de 6 de janeiro de 1999, as quais integravam a estrutura básica da Secretaria de Estado de Educação/MS,
esta instituição de ensino foi designada Unidade Escolar de Referência, conforme Resolução/SED nº 1320 de 12 de janeiro
de 1999. Em 08 de dezembro de 2010, através da Resolução/SED nº 2.384/2010, esta Instituição de Ensino foi credenciada
e autorizada o funcionamento do Curso Normal Médio – Habilitação em Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino
Fundamental.
Atualmente, oferece o Ensino Fundamental e Médio, nas modalidades regular e educação de jovens e adultos, além do
atendimento especializado através da sala de recursos/DA e da sala multifuncional, brinquedoteca e Curso Normal Médio,
distribuídos nos turnos diurno e noturno, cuja demanda anual gira em torno de 1600 estudantes. Também operacionaliza o
Programa Jovem Condutor, em parceria com o DETRAN/MS, além do funcionamento de cursos técnicos do PRONATEC,
oferecidos pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – Campus de Aquidauana.
BIOGRAFIA DO CEL. JOSÉ ALVES RIBEIRO
José Alves Ribeiro, conhecido como Coronel Joselito, nasceu em Miranda, no dia 10 de dezembro de 1884. Concluiu o curso
primário, nessa mesma cidade, mudou-se para Cuiabá a fim de fazer um curso preparatório e depois ir para o Rio Grande
do Sul, cursar Engenharia. Quando voltou, para se despedir de seus pais, resolveu ficar, por um ano, morando na fazenda,
acabou gostando dos passeios, das pessoas e desistiu de sua graduação.
Em 1915, regressou para Cuiabá e lá conheceu Maria Constança, filha de Pedro Celestino. Casaram e vieram morar em
Aquidauana. Como genro de chefe político, conquistou amigos e se tornou influente. Como governista, participou,
ativamente, da Revolução do Gomes, às margens do ribeirão Água Amarela, em Bela Vista, no ano de 1916. Entretanto, não
obteve êxito, sua tropa foi derrotada e emigrou para terras paraguaias, mais precisamente em Barro Preto. Em 04 de
fevereiro de 1917, venceu a batalha. Neste episódio, toma, ainda, mais gosto pela política. Torna-se chefe de partido em
Aquidauana e adjacências e assume, pouco tempo depois, a cadeira de Deputado Estadual em Cuiabá. Em 1924, assume o
posto de tenente coronel e organiza o 1º Batalhão de Infantes Pioneiros contra a invasão do Estado pela Coluna Prestes.
Com isso, recebeu o título com o qual ficou conhecido, Coronel Joselito. Logo depois, foi eleito intendente de Aquidauana,
inaugurando a ponte de madeira sobre o rio Taquarussu e a represa da Lagoa Comprida, beneficiando moradores e animais
da região. Participou da Aliança Liberal, cujo candidato era Getúlio Vargas. Mais tarde, ingressou na UDN (União
Democrática Nacional), como chefe político em Aquidauana, derrotou por muitas vezes o PSD-PTB, e elegeu prefeitos como
Delfino Correa, Dr. Estácio Muniz, Moisés de Albuquerque, Fernando Ribeiro, deputado Fernando Corrêa e seu genro José
Fragelli, duas vezes governador entre outros. O Coronel Joselito vivia para a política. Lutou contra duas poderosas forças: a
Estrada de Ferro Noroeste do Brasil e os índios de Taunay, cujos votos eram todos fiscalizados. Foi graças ao Padre
Henrique que deixou um pouco a alma de político para elevá-la a Deus e praticar o cristianismo, mas jamais deixou a
política: visitava, ouvia e mediava as dificuldades das pessoas e preparava seu eleitorado. Quando não havia eleições,
viajava. Foi à Europa, Israel, Síria, Estados Unidos, Ceará, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro onde comprou um apartamento.
Todavia, sua maior alegria era viver na fazenda, montar a cavalo, ver uma ponta de bois, uma invernada, ou seja, um
autêntico homem pantaneiro. Em 18 de abril de 1970, aos 85 anos, descobriu casualmente quando foi visitar sua esposa
enferma no hospital São Silvestre, no Rio de Janeiro, que estava com leucemia. Três meses depois, em 27 de julho, falece.
6.3 - Situação física da escola
Divide-se na parte térrea com vários blocos e piso superior, conforme descrição abaixo. Apresenta estado de conservação
satisfatório, com instalações elétricas, hidráulicas e sanitárias em condições de uso, boa iluminação, equipamentos como
aparelhos de ar condicionado, ventiladores, quadros brancos.
Em 2012, foi construído mais um bloco e reformado outro (reservado à brinquedoteca), destinados ao funcionamento de
cinco laboratórios (Matemática, Física, Química, Biologia e Informática Básica), aguardando serem equipados para sua
utilização a partir de 2013.
Possui um amplo pátio arborizado, cujo ambiente favorece o desenvolvimento de inúmeras atividades extraclasses, além
de uma praça externa, que dá acesso ao interior, inclusive, com a acessibilidade garantida na parte térrea.
Atualmente, dispõe das seguintes dependências, utilizadas no seu funcionamento administrativo e pedagógico:
diretoria – 01;
secretaria - 01;
sala de professores – 01;
sala de coordenador pedagógico – 02;
sala de recursos humanos – 01;
sala de recursos/DA – 01;
sala de recursos multifuncional – 01;
sala de brinquedoteca – 01;
biblioteca - 01
laboratório de tecnologias – 01;
laboratório de matemática – 01;
laboratório de física – 01;
laboratório de biologia – 01;
laboratório de química – 01;
sala de tecnologias educacionais – 01;
sala de vídeo - 01
anfiteatro – 01;
salas de aula – 19;
hall de entrada – 01;
áreas de circulação – 04;
quadra de esporte coberta – 01;
vestiário – 02;
sanitários para professores e funcionários – 06;
sanitários para estudantes – 18;
sanitários para estudantes com necessidades especiais – 04;
cozinha – 01;
despensa – 01;
depósitos – 03;
arquivos (escola e escolas extintas) – 04;
refeitório – 01;
almoxarifado – 01;
piscina – 01 ( revestimento com vazamento, sem condições de uso);
amplo pátio.
6.4 - Corpo docente / pedagógico / técnico / administrativo
Corpo Técnico-Pedagógico e Administrativo
Diretora Matilde de Oliveira
Diretora Adjunta Cristiane Niz Barcelos
Coordenadores Pedagógicos
Lindinaldo João da Costa
Maria Aparecida Barbosa
Maria Goretti de Souza Gama
Coordenadora de Área de Língua Portuguesa Ramona Valdez Santos
Coordenadora de Área de Matemática Daniela Berti Teixeira
Coordenadora do Curso Normal Médio Janaína Nogueira Maia Carvalho
Gerenciador de Tecnologias Educacionais e Recursos Midiáticos João Pereira de Oliveira
Secretária de Escola Maria José Escobar Santos
Gestora de Atividades Educacionais Maria Madalena Alves da Cunha
Assistentes de Atividades Educacionais
Arthur Padilha
Djanira de Fátima Andrade Goes
Giselle Paiva Lopes Farias
Maria Lúcia Bossay Batista Corrêa
Rosângela Nepomuceno Amorim
Rosimeire da Silva Tomicha
Suziane Kátia Catto
Agentes de Atividades Educacionais
Soraia da Conceição Silva
Selviria Cristina Oliveira Souza
Agentes de Limpeza/Auxiliares
Cecília Pereira do Nacimento Romero
Cristiane Aparecida Quevedo Carneiro
Diva Aparecida Avalhaes de Góis Serra
Elenice Dervalho de Arruda
Hermínia Belmonte Barbosa
Juscelino Corrêa Lipu
Keila da Silva Gonçalves
Luzia Mendes Dittmar
Margarida de Souza Ramos
Maria José Inverso Elias
Sandro Aparecido Pedroso
Técnico em Biblioteca Cibele Avalhaes Ramires
Agentes de Merenda
Elza Pereira Constantino Fialho
Elienay de Souza Arruda Oliveira
Neiva da Silva Oliveira Fogaça
Marcelo Mianutti Gonçalves
Inspeção de Alunos Calebe Pinheiro Ávila
Assistente / Agente / Auxiliar
Agente de Recepção e Portaria
Eva Leite de Arruda
Francisco Costa
Izabel Inajossa
Dulce Marli Sparrenberger
CORPO DOCENTE
Nº
NOME DO PROFESSOR
HABILITAÇÃO AREA DE ATUAÇÃO
SITUAÇÃO
FUNCIONAL
(efetivo/convocado)
01 Adevilson Godoy Licenc. Educação Fisica Ens. Fund. e Médio
Efetivo
02
Adriana Azevedo Gomes
Santos
Licenc. Plena Pedagogia Ens. Fund.Reg. Convocada
03
Alessandro Peixoto
Ferreira
Licenc. Educação Fisica Ens. Fund.Reg.
Convocado
04
Almerinda de Fátima
Carpinedo
Licenc. Letras Ens. Fund. Reg. Efetiva
05
Ana Célia Benevides de
Oliveira
Pedagogia Intérprete Convocada
06 Ana Lúcia de Carvalho Licenc. História Ens. Médio Reg. Convocada
07
Angela Maria de Assis
Martins
Magistério Ens. Fund.Reg.
Efetiva
08 Arilda Castro dos Santos Licenc. Geografia Ens. Médio Regular e EJA Efetiva
09
Aurea Eliza Carpinedo de
Oliveira
Licenc. Letras EJA Ens. Fund. Convocada
10
Bernadete Lúcia Fernandes
Castilho
Licenc. Curta
Ciências/Hab.Biologia
EJA Ens. Fund.
Efetiva
11 Carla Caroline Cavallari Licenc.Plena Química Ens. Médio Regular e EJA
Convocada
12
CarmenVelasco Mazacote
Zenteno
Biologia/Licenciatura Plena Ens. Fund. Regular Efetiva
13
Claudia Areco Muniz
Ferreira
Licenc. Letras Ens. Fund. Reg. Convocada
14 Cleusa Maria Carvalho Licenc. Geografia Ens. Fund. Reg. Convocada
15
Conceição Aparecida de
Araújo Benites
Estudos Sociais/Curta/História/
Pós Graduação
Ens. Fund. Reg.
Efetiva
16 Dannyara Ribeiro Moraes Licenc. Matematica Ens. Médio Reg. Convocada
17
Deoclecilene Aparecida
Sodre Cardoso
Licenc. Ciencias Biológicas Ens. Fund. e Médio Reg. Convocada
18 Elcia Carpinedo Licenc.Plena -Port/Literatura
Ens. Fund.e Médio Reg.
EJA Ens. Fund.
Convocada
19
Elenil Maria Ferreira de
Souza
Licenc.Plena Pedagogia Ens. Fund.Reg. Convocada
20 Elieser Molina Braz
Licenciado em Ciências
Curta/Matemática
Ens. Médio Regular/EJA Ens.
Médio
Efetivo
21
Elizabete Aparecida de
Lima
Licenc.Plena Pedagogia Ens. Fund.Reg. Convocada
22 Enilva Maciel Ribeiro
Licenc. Plena
Letras/Licenciatura
Português/Inglês
Ens. Fund.
Efetiva
23
Evileide Areco Torres
Siqueira
Pedagogia Brinquedoteca Convocada
24 Félix Maciel dos Santos Ciências/ Biologia Curso Normal Médio Convocado
25 Fernando Brunet de Freitas Licenc.Plena Matematica Ensino Médio Regular e EJA
Convocado
26
Franci Ellen Dias dos
Santos Albrea
Licenc.Plena Pedagogia Ens. Fund.Reg.
Convocada
27
Gleide Godoy Veloso
Gomes
Licenc. Curta Ciências/Licenc.
Plena Biologia/Pós Graduação
Ens. Fund., Regular e EJA
Efetiva
28 Gustavo Gauto Licenc. Plena História EJA Ens. Fund. Efetivo
29
Helen Cristina Arguelho da
Silva
Ciências Biológicas/ Licenc.
Plena
Ens. Fund. e Médio Reg.
Efetiva
30 Inês Eustáquio Pedagogia Professor Itinerante Convocada
31 Isa Aparecida dos Reis Dias Licenc. Plena Geografia Ens. Fund. Reg
Efetiva
32
Izabel Cristina Bazana
Barbosa
Licenc.Plena História Ens. Fund. Regular, Ens.
Médio, Reg. e EJA
Convocada
33
Janice Dagher Arce
Pinkernelle
Licenc. Plena
Letras/Licenciatura/
Português/Inglês
Ens. Fund., Reg. E EJA Efetiva
34 Joana da Silva C Rodrigues Licenc. Geografia Ens. Médio Reg. e EJA Convocada
35
João Fernando dos Reis
Franco
Licenc. Geografia EJA, Ens. Fund e Médio Convocado
36 José Américo Fiori Grance
Licenc. Plena Biologia/Pós
Graduação
Ens. Médio, Reg. e EJA
Efetivo
37 Lauriana Barcelos de Lara Licenc. Letras Ens. Fund. Reg. Convocada
38 Leidiane Velasques Pedagogia Curso Normal Médio Convocada
39
Líria do Carmo Góes
Ferreira
Pedagogia Sala de Recursos Convocada
40
Lucimara dos Santos
Ferreira
Pedagogia Professora Itinerante Convocada
41 Luzia Maria Wetter Pinto LP Matemática Ens. Médio Reg. Efetiva
42 Mara Souza Marquez Licenc. Plena Educação Artística
Ens. Fund. Reg. e EJA Ens.
Fund., Reg. e EJA
Efetiva
43 Marcelo da Silva Duarte Licenc. História Ens. Fund.Reg. Efetivo
44
Marcelo Rodolfo dos
Santos
Licenc. Plena Ciências
Ens. Fund.Reg. e Ens. Médio,
Reg. e EJA
Efetivo
45
Maria Alzira Gomes
Pinheiro
Licenc. Plena Letras -
Port/Lit/Pós Graduação
Ens. Médio Reg. e EJA Efetiva
46
Maria Inês Garajo de
Moura
Licenc. Letras EJA Ens. Médio Efetiva
47
Maria Inez Bertolini
Liparotti
LP História/Pós Graduação Ens. Fund.Reg. Efetiva
Maria José Carpinedo Licenc. Letras Intérprete Convocada
48
Maria Macilene de Lima
Carvalho
Licenc. Plena Pedagogia Ens. Fund. Reg.
Convocada
49 Marlei Balbuena História Professora Itinerante Convocada
50
Marileide Saravi Nunes
Araújo
Zootecnia Intérprete Convocada
51
Mariza Oliveira da Silva
Alves
Geografia/Licenciatura Plena Ens. Médio Reg.
Efetiva
52 Micilene Teodoro Ventura Pedagogia Curso Normal Médio Convocada
53 Nair Maria de Souza Licenc. Matemática Ens. Fund., Reg. e EJA
Convocada
54
Nanci de Santis Guimarães
Garcia
Licenc. Geografia Ens. Fund.Reg. e EJA Efetiva
55 Nereida Pereira Oliveira Pedagogia Curso Normal Médio Convocada
56
Nilda Fátima Moraes de
Oliveira Silva
História Licenciatura Plena/ Pós
Graduação
Ens. Médio Reg. E EJA Efetiva
57 Olanda de Jesus Couto Geografia Sala de Recursos Convocada
585
Norma de Figueiredo
Gentil
Licenc. Plena Biologia/Pós
Graduação
Ens. Fund., Reg. e EJA Efetiva
59 Ramão Medina Vieira
Letras Plena/Hábil.Em
Português/Literatura
Ens.. Médio, Reg. e EJA Efetivo
60 Ramona Eliza Gaeta Xavier Licenc.Plena Letras-Port/Lit Ens. Fund. e Ens. Médio Reg. Convocada
61 Roseli Barbosa Ramos
Licenc. Plena
Letras/Português/Literatura/
Pedagogia/Pós Graduação
Ens. Fund. Reg. Efetiva
62 Rosely Elias de Souza Vera Licenc. Plena Geografia Ens.Fund. Reg. Efetiva
63 Sergio Luiz Hohmann Licenciado em Filosofia EJA Ens. Médio Efetivo
64
Silvia Amorim Ramos Letras/Licenciatura/
Português/Inglês
Ens. Fund., Reg. e EJA Ens.
Fund.
Efetiva
65 Silvia Kelly Velasques Matemática Curso Normal Médio Convocada
66
Sonia Alessandra Vicentini
Barata
Licenc. Plena Pedagogia Ens.Fund. Reg. Convocada
67
Sonia Regina dos Santos
Fachin
Licenc. Plena Educação
Física/Pós Graduação
Ens. Fund. Reg.
Efetiva
68 Sueli Alves Vicente Licenc. Plena Pedagogia Ens.Fund. Reg. Convocada
69
Tania Regina Pires de
Oliveira
Licenc..Letras Ens. Médio Reg. Convocada
70
Terezinha Graça Franco
Fernandes
Pedagogia Plena/Pós
Graduação
Ens. Fund. Reg. Efetiva
71
Thaila Maria Coelho
Genova
Licenc. Pedagogia Ens.Fund. Reg. Convocada
72 Valdeli Nogueira Mendes Arte Música/Coral Convocada
73 Vania Lucia Morais da Silva Licenc. Letras EJA Ens.Fund. Convocada
74
Walquiria do Nascimento
Ovando
Licenc. Letras EJA Ens.Fund. Convocada
75 Walmor Siqueira Torres Licenc. Plena Pedagogia Ens.Fund. Reg. Convocado
76 Weliton de Oliveira Pisano Licenc. Educação Fisica
Ens. Fund.e Médio, Reg. e
EJA
Convocado
77
Wilson Dales Galando
Mendes
História/Licenciatura Plena EJA Ens. Fund. Efetivo
78 Zenilda Moreira Lopes
Licenc. PlenaLetras-
Português/Literatura/
Pós Graduação
Ens. Médio Reg. Efetivo
Apoio Técnico:
Chefias e técnicos da SED/MS;
Chefia e técnicos do NTE-Aquidauana;
Supervisor de Gestão: Nélio Lima dos Santos;
Técnicas da NUESP: Nívea Mara Quelho Rossi e Sara Rúbia da Silva Balbuena
6.5 - Recursos materiais e tecnológicos disponíveis e sua adequação, móveis,
equipamentos e material didático.
Recursos didáticos-pedagógicos:
Espaço físico – além da estrutura física construída, a mesma possui um amplo pátio externo;
Quadra de esporte coberta – para o desenvolvimento de atividades esportivas e apresentações culturais,
envolvendo grande público;
Auditório “Júlia Teixeira Pinheiro” - espaço físico comportando 180 lugares para o desenvolvimento de atividades
variadas, equipado com ventiladores, ar condicionado, aparelhagem de som, computador(Notebook), data-show,
tela de projeção retrátil, cortinas e cadeiras;
Biblioteca “Professora Neuza Batista de Assis”- possui um bom acervo bibliográfico, principalmente com livros de
literatura infanto-juvenil e para adultos, além de paradidáticos e alguns clássicos da literatura universal.
Periodicamente recebe livros do Programa Nacional de Biblioteca Escolar;
Laboratórios de Matemática, Física, Química, Biologia e Informática Básica – espaço físico construído em 2012
aguardando ser equipado;
Salas de aula – possui quadro branco, jogos escolares, mesa para o professor, ventiladores e ar condicionado;
Videoteca - possui um bom acervo de fitas de VHS e DVDs que poderão subsidiar todas as disciplinas e/ou
componentes curriculares do ensino fundamental e médio;
Programa Nacional do Livro Didático - possui um quantitativo de livros recebidos do MEC-FNDE, substituídos a
cada 3 (três) anos, para atender a demanda do ensino fundamental e médio;
Programa Além das Palavras: adota livros do Instituto IAB (Instituto Alfa e Beto) – e materiais didático-
pedagógicos destinados aos alunos do 1º ao 5º anos na disciplina de Língua Portuguesa;
Programa Além das Palavras; adota livros da Editora Positivo (Matemática com Alegria)- destinados aos alunos do
1º ao 5º anos na disciplina de Matemática;
Globo terrestre e mapas – possui mapas físico e político – Brasil e Mundo;
Jogos didáticos – possui várias unidades de jogos lúdicos como damas, xadrez, dominó, torre de hanoi, ábaco,
blocos lógicos, discos de frações, trilhas, encaixes, tabuada, loto gramatical e muitos outros;
Materiais de consumo - papel sulfite, xérox, papel de cores variadas, TNT, EVA, tinta guache (cores variadas) cola,
durex, pincel, etc.;
Esporte – colchonetes, cones, fitas, bambolês, bolas, redes, skates, jogos, etc.
Recursos tecnológicos:
Sala de Vídeo – possui os seguintes equipamentos: TV LCD de 37”, datashow, vídeo cassete, DVD, etc.;
Sala de Tecnologias Educacionais – possui os seguintes equipamentos: computadores, scanner, impressora, data-
show, multimídia, máquinas fotográficas digitais, filmadora, telões, equipamentos de som, retroprojetores, caixas
de som, etc.;
Auditório “Júlia Teixeira Pinheiro” – possui os seguintes equipamentos: mesa de som, amplificador, caixas de som,
caixa de som com amplificador, computador(Notebook), data-show, tela de projeção retrátil, microfones com e
sem fio, teclado, etc.;
Sala de Recursos/DA – possui os seguintes equipamentos: computadores, scanner, etc. Aguardando autorização
para se tornar multifuncional;
Sala Multifuncional – possui os seguintes equipamentos: computadores, impressora, aparelho de som, scanner,
TV, etc;
Sala da Brinquedoteca – possui TV, DVD, etc.
Sala dos Professores – TV, computador e impressora/multifuncional;
Outras Dependências – computadores, impressoras, TV, telefones, etc.
6.6 - Existência de sala de recursos multifuncional.
Multifuncionais:
O serviço de natureza pedagógica é realizado por profissionais especializados, tendo como função suplementar ou
complementar a escolarização do estudante com deficiências, altas habilidades/superdotação e transtornos globais do
desenvolvimento, eliminando barreiras que impeçam sua plena participação com autonomia e independência, no ambiente
educacional e social, com equipamentos, recursos de acessibilidade, materiais pedagógicos e estratégias para o
desenvolvimento de sua aprendizagem.
Atende estudantes da própria escola e de outras, nas quais ainda não há esse tipo de atendimento. Pode ser realizado
individualmente ou em pequenos grupos, no turno inverso da escolarização, de acordo com as orientações emanadas da
SED/MS.
Os estudantes encaminhados são avaliados pelas técnicas do Núcleo de Educação Especial e após um parecer passam a
frequentar a Sala Multifuncional.
Deficientes Auditivos/DA:
Em funcionamento para atender os estudantes portadores de deficiência auditiva, porém aguardando autorização da
SED/MS para torná-la multifuncional.
Brinquedoteca:
O Atendimento da Educação Especial desenvolvido na brinquedoteca é um espaço de descobertas, onde o brinquedo, os
jogos e as brincadeiras são recursos lúdicos que favorecem o processo de ensino e aprendizagem e o desenvolvimento
infantil, buscando a evolução do saber no aprimoramento de suas habilidades cognitivas, afetivas e psicomotoras.
Atende estudantes da própria escola ou outras, nas quais ainda não há esse tipo de atendimento. É realizado em pequenos
grupos, no turno inverso da escolarização, conforme orientações vigentes.
A clientela é formada por estudantes regularmente matriculados na rede Estadual de Ensino, com deficiência física,
intelectual, auditiva e visual, além dos transtornos globais do desenvolvimento, altas habilidades/superdotação, TDAH,
síndromes e quando houver disponibilidade de horário, poderá atender também alunos com dificuldades acentuadas de
aprendizagem.
7 - Organização da escola
7.1 - Gestão escolar
A gestão escolar é o processo que rege o funcionamento desta Unidade de Ensino, compreendendo a tomada de decisão
conjunta no planejamento, na execução, no acompanhamento e na avaliação das questões administrativas, pedagógicas e
financeiras, baseando-se neste Projeto Político Pedagógico, no Regimento Escolar, Plano de Desenvolvimento da Escola –
PDE/Escola e Planos de Ação do SAEMS, articulados entre si e em consonância com as diretrizes emanadas da entidade
mantenedora e demais órgãos competentes.
A gestão escolar desta Instituição de Ensino abrange direção, colegiado escolar, gerenciamento de recursos materiais e
financeiros, gerenciamento dos recursos tecnológicos e midiáticos, funcionamento da biblioteca e, em breve, de
laboratórios pedagógicos, funcionamento da secretaria escolar, operacionalização dos sistemas implantados pela SED/MS -
Sistema de Gestão Pedagógica/ Projeto Político Pedagógico e Planejamento online e offline, SGDE(Sistema Gestão de
Dados Escolares), SGI(Superintendência de Gestão da Informação), GSI(Gestão de Segurança Integrada), etc,
operacionalização do currículo escolar, desenvolvimento de diversos planos de ação, utilização dos livros didáticos,
atendimento de demanda, entre outras situações.
Diante dos grandes desafios enfrentados diariamente no sentido de oferecer um ensino de qualidade e garantir uma
formação cidadã, focada na diminuição da evasão escolar e elevação da taxa de aprovação do ensino fundamental e médio,
nas suas respectivas modalidades, faz-se necessário observar os seguintes princípios norteadores:
compartilhamento de autoridade;
delegação de poder;
responsabilidades assumidas em conjunto;
desenvolvimento do trabalho em equipe;
articulação dos interesses coletivos de forma a melhorar a qualidade do ensino e do clima organizacional;
estabelecimento de procedimentos institucionais adequados à igualdade de participação de todos os segmentos da
comunidade escolar, desenvolvendo um processo de comunicação e de informação constante, aberto e eficiente.
7.2 - Organização do tempo e espaço
Organização do tempo:
A organização do tempo dar-se-á através de calendários e horários escolares específicos para cada modalidade de ensino
oferecida, em consonância com a legislação vigente e demais orientações emanadas da Secretaria de Estado de
Educação/MS, além de planos de ação e cronogramas de trabalho para o desenvolvimento de atividades diversas, ao longo
do ano escolar, envolvendo a comunidade escolar.
Organização do espaço:
A organização do espaço desta Escola dar-se-á em função da operacionalização da proposta pedagógica do ensino
fundamental e médio e respectivas modalidades, em funcionamento nos períodos matutino, vespertino e noturno, cuja
distribuição de turmas por turno, ocorre conforme as matrículas dos estudantes, realizadas anualmente.
8 - Relações entre a escola e a comunidade
Esta Instituição de Ensino, representada pela Direção Colegiada e Associação de Pais e Mestres, tenta assegurar uma
gestão democrática participativa, comprometida, sempre procurando envolver todos os segmentos da sua comunidade em
ações que fortaleçam o vínculo da escola x comunidade, através do desenvolvimento de atividades educacionais, culturais
e esportivas, participação em eventos promovidos por diferentes instituições públicas e religiosas, parcerias com o
DETRAN/MS, UFMS - PIBID do curso de Biologia, com Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – Campus de
Aquidauana, no sentido de ministrarem cursos que muito poderão contribuir para formação de nossos estudantes, além
dos contatos formais e informais com todas as pessoas, instituições públicas, filantrópicas e privadas que a procuram.
Diante da relevância desta Escola dentro do contexto social, educacional, religioso, esportista em âmbito municipal,
regional e estadual, assim como pela sua ampla estrutura física, muitas instituições sempre solicitam a cedência de parte
das suas instalações físicas e equipamentos para sediar eventos, concursos que contribuem para formação integral da
comunidade escolar e da sociedade como um todo.
9 - Concepções teóricas
Educação
A educação no século XXI está a serviço do desenvolvimento humano, que tem por finalidade oferecer uma formação
integral aos estudantes, através do desenvolvimento de suas potencialidades, dotando-os de competências e habilidades
necessárias para conviver diante de um processo acelerado de mudanças decorrentes da globalização e dos avanços
científicos e tecnológicos.
Em consulta aos fundamentos da educação abaixo transcritos, observa-se o que se segue para o desenvolvimento do
processo educativo no interior de cada Escola:
A Lei nº 9394 de 20/12/1996, que trata das diretrizes e bases da educação nacional, estabelece no seu Art. 1º “A educação
abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, nas instituições de ensino e
pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais”.
A Deliberação CEE/MS nº 9191 de 26/11/2009, publicada no Diário Oficial de 25/03/2010, estabelece no seu art. 2º “A
educação básica tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, assegurando-lhe a formação indispensável para
o exercício da cidadania, os meios para atuação participativa na sociedade, a inserção no mundo do trabalho e a
autorrealização”.
O Referencial Curricular da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul, publicado em 2012, delimita: “A educação
escolar, comprometida com os instrumentos de socialização de seus estudantes, atende a alguns pressupostos de
qualidade social em seu oferecimento, pautados no desenvolvimento de competências para a vida em sociedade, no
atendimento à diversidade e à igualdade de direito na participação e acesso aos bens culturais”.
A RESOLUÇÃO/SED n.2.162, de 24 de março de 2008, publicada no Diário Oficial de 25/03/2008, n.7.179, “dispõe sobre a
implementação do Projeto Além das Palavras componentes curriculares/disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática nas
unidades escolares da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul, abrangendo os anos iniciais do Ensino Fundamental,
compreendendo do 3º ao 5º ano”.
A RESOLUÇÃO/SED n.2.230, de 20 de fevereiro de 2009, publicada no Diário Oficial de 25/02/2009, n.7.407, “dispõe sobre
o Projeto Além das Palavras para os componentes curriculares/disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática nas unidades
escolares da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul, abrangendo os anos iniciais do Ensino Fundamental,
compreendendo do 1º e 2º ano/alfabetização e 3º ao 5º ano”.
A RESOLUÇÃO/SED n.2.528, de 20 de janeiro de 2012, publicada no Diário Oficial de 24/01/2012, n.8.117, “dispõe sobre a
implementação do Projeto de Coordenação de Área para os componentes curriculares/disciplinas de Língua Portuguesa e
Matemática nas unidades escolares da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul, abrangendo a Educação Básica”.
Escola
A escola é a instituição de ensino onde o desenvolvimento do processo educativo deve estar centrado na formação integral
do estudante, fundamentada na concepção de educação em evidência, na legislação, nas políticas e diretrizes educacionais
vigentes, emanadas dos órgãos competentes, cujas ações se concretizam mediante a execução do seu Projeto Político
Pedagógico.
Currículo
O currículo é o instrumento que conduz o desenvolvimento humano e a formação escolar integral do estudante, apoiado
nos quatro pilares propostos pela Unesco (aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a ser),
cuja prática pedagógica deve ser estruturada para o desenvolvimento de competências básicas relacionadas a essas
dimensões e às áreas de conhecimento fixadas pela legislação vigente.
Segundo o Art. 26 da LDB, “Os currículos do ensino fundamental e médio devem ter uma base nacional comum a ser
contemplada, em cada sistema de ensino e estabelecimento escolar, por uma parte diversificada, exigida pelas
características regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e da clientela”.
Por outro lado, o Art. 13 da Resolução CNE/CEB nº4/2010, com seus respectivos parágrafos e incisos, estabelece formas
para a organização curricular que deverão ser observadas por todas as instituições de ensino que oferecem a Educação
Básica.
A Secretaria de Estado de Educação, através do Referencial Curricular da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul
(2012), “propõe um currículo em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica
(Resolução CNE/CEB nº 4, de 13/07/2010), que contempla todos os aspectos essenciais para a formação dos estudantes”.
Com relação às modalidades de ensino, é proposto um currículo diferenciado, organizado sob a forma de projeto,
elaborado e aprovado pela SED/MS e operacionalizado pelas escolas credenciadas da rede estadual de ensino.
A Matriz Curricular a ser operacionalizada referente a cada curso oferecido por esta Escola é fixada pela SED/MS através de
Resolução, estendida para toda Rede Estadual de Ensino.
O Programa Além das Palavras e o Projeto de Coordenação de Área para os componentes curriculares/disciplinas de Língua
Portuguesa e Matemática nas unidades escolares da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul, foram
implementados nesta unidade escolar conforme Resoluções/SED n.2.162, de 24 /03/2008, n. 2.230, de 20/02/2009 e
n.2.528, de 20/01/2012, com seus respectivos parágrafos e incisos que estabelecem abrangência, estrutura operacional e
atribuições, a serem observados por todas as instituições de ensino que ofereçam a Educação Básica.
Quanto à operacionalização do currículo de cursos técnicos de nível médio, serão observadas as especificidades contidas
no Projeto do Curso e fundamentado na legislação vigente e nas orientações emanadas da SED/MS.
Esta Escola, tendo como referência os fundamentos acima mencionados, também levará em conta para operacionalização
do seu currículo escolar, os estudos dos fundamentos teórico-metodológicos, a diversidade sociocultural da população
escolar, as desigualdades sociais, os interesses e necessidades apresentados pelos estudantes no desenvolvimento de
metodologias e estratégias variadas que melhor respondam às diferenças de aprendizagem entre os alunos e às suas
demandas.
Ensino e Aprendizagem
A comparação entre a prática pedagógica desenvolvida por esta Unidade Escolar e o quadro de tendências pedagógicas
constituído pelas pedagogias liberal e progressista com suas respectivas subdivisões, em consonância com o que estabelece
a Resolução CNE/CEB nº 4, de 13/07/2010, evidencia que não se adota uma pedagogia específica, porém a Escola tenta
assimilar os seguintes princípios mencionados no Referencial Curricular da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul
(2012), sendo os mesmos fundamentados no § 3º do art. 13 da Resolução CNE/CEB nº 4/2010, assim transcritos: a)
considerar diferentes concepções e organizações de tempos e espaços físicos e curriculares; b) ampliar e diversificar o
currículo por meio de responsabilidade compartilhada com outros segmentos da sociedade; c) adotar uma abordagem
didático-pedagógica interdisciplinar e transversal, que busque superar a fragmentação das áreas, visando ao caráter
integrador dos conteúdos, o que torna a aquisição do conhecimento mais significativa; d) articular o desenvolvimento do
conjunto de atividades educativas com os diferentes campos do conhecimento; e) obter gestão centrada na abordagem
interdisciplinar (tempo do trabalho docente e espaço de desenvolvimento das atividades); f) concretizar o trabalho
pedagógico por temas e eixos temáticos; g) utilizar recursos tecnológicos de informação e comunicação no cotidiano
escolar; h) construir redes de aprendizagem. (Referencial Curricular da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul,
2012, p.12).
Esta Escola tenta desenvolver o seu trabalho pedagógico em equipe, compromissada com a aprendizagem dos estudantes
e os resultados a serem alcançados, cujo planejamento de aula, postado mensalmente em sistema disponibilizado pela
SED/MS, deve: observar competências/habilidades e conteúdos fixados pela entidade mantenedora; adotar uma
metodologia de ensino com atividades diversificadas, recursos variados; abordar os conteúdos de forma contextualizada; e
apoiar-se na interdisciplinaridade e transversalidade, no sentido de assegurar uma aprendizagem relevante e socialmente
significativa, em que se cultivem o diálogo e a relação de parceria com as famílias.
Avaliação da Aprendizagem
A avaliação da aprendizagem (nos termos do Art. 47, em seu §2º, da Resolução do CNE/CEB nº 4, de 13/07/2010),baseia-se
na concepção de educação que norteia a relação professor-estudante-conhecimento-vida em movimento, devendo ser um
ato reflexivo de reconstrução da prática pedagógica avaliativa, premissa básica e fundamental para se questionar o educar,
transformando a mudança em ato, acima de tudo, político.
Em nível operacional, a avaliação da aprendizagem tem como referência o conjunto de conhecimentos, habilidades,
atitudes, valores, emoções que são os sujeitos do processo educativo, projetam para si de modo integrado e articulado
com aqueles princípios definidos para a Educação Básica, redimensionados para cada uma de suas etapas, bem como assim
no projeto político-pedagógico da escola (Resolução CNE/CEB nº 4, 2010).
A avaliação da aprendizagem, conforme mencionado no Referencial Curricular da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso
do Sul, deve compreender como um dos itens do processo de ensinar e aprender, não se resumindo apenas na realização
de provas e testes, na atribuição de notas ou conceitos e, sim, como uma atividade orientadora para o futuro.
Esta Escola adotará a avaliação da aprendizagem dos estudantes de forma processual, formativa e somativa, além de ser
contínua, cumulativa e diagnóstica, cujo resultado deverá expressar o rendimento bimestral, anual e final.
10 - Critérios e formas de avaliação de aprendizagem
A avaliação dos processos de ensino e aprendizagem dar-se-á através das seguintes modalidades:
avaliação diagnóstica - realizada, geralmente, no início de cada etapa e/ou na introdução de novos temas, objetiva
identificar os conhecimentos prévios que os estudantes já possuem numa determinada etapa de ensino (pré-requisitos),
mediante a utilização de pré-testes, questões abertas, entrevistas, entre outras situações;
avaliação formativa – realizada no decorrer de todo o bimestre letivo – avaliação contínua – objetiva fornecer informações
sistemáticas sobre o processo de aprendizagem do estudante, em termos de conteúdos de natureza conceitual,
procedimental e atitudinal, orientando o professor no desenvolvimento do seu trabalho docente, através da utilização de
fichas e/ou registros de acompanhamento, relatórios, portfolios, contrato de trabalho/desempenho, caderno de registro
dos estudantes, apresentação de trabalhos, avaliações escritas e orais, entre outros instrumentos, com vistas as
intervenções, sempre que houver necessidade;
avaliação somativa - realizada ao final de cada bimestre letivo, objetiva identificar o conhecimento construído e/ou
assimilado pelos estudantes, em termos de conteúdos de natureza conceitual, procedimental e atitudinal, demonstrado
através da aquisição de competências e habilidades, tendo como foco os descritores estabelecidos, cuja atribuição de
pontos ou notas dar-se-á mediante aplicação de diferentes instrumentos de avaliação, definidos pelo professor de cada
componente curricular ou disciplina, através do seu plano de aula. O resultado da avaliação somativa dar-se-á através da
aplicação obrigatória, dos seguintes instrumentos avaliativos, cuja pontuação em cada um, variará de zero a dez: produção
em sala (participação efetiva nas aulas expositivas, trabalho em grupo/ equipe, debates, leitura e interpretação de textos
variados, participação em oficinas, resolução de exercícios, etc.; realização de outras atividades propostas, incluindo as
tarefas; frequência e pontualidade; uso adequado e constante do livro didático; organização dos cadernos de registro; a
interação entre os estudantes, etc.), realização de trabalho (pesquisa; seminários; projetos; releitura de obras;
apresentações teatrais, de danças, de musicais, etc.; produção de textos variados, vídeos, slides, etc.; realização de
experimentos; relatório individual ou em grupo; montagem de maquetes, murais, etc.; e prova bimestral com questões
objetivas e/ou subjetivas, contextualizadas, abrangendo as competências/habilidades e os conteúdos trabalhados no
decorrer do bimestre. A referida prova bimestral deverá ser submetida à apreciação do coordenador pedagógico e/ou
coordenador de área, no período previsto em Calendário Escolar.
Em caso opcional, poderá ser aplicada prova mensal, cuja nota pode ou não substituir a nota mais baixa atribuída na
produção em sala ou realização de trabalho, observando critérios estabelecidos pelo professor.
No decorrer de cada bimestre deverão ser aplicadas, no mínimo, três avaliações e a nota bimestral será resultante de
média aritmética. No caso de estudante proveniente de outra instituição de ensino, no decorrer do bimestre, serão
consideradas as notas parciais apresentadas e/ou realizado estudo de caso para fechamento da nota bimestral. Outras
situações atípicas/ adversas poderão ser analisadas/ resolvidas através do estudo de caso.
A prova de exame final deverá ser elaboradas com questões objetivas e contextualizadas com base nas
competências/habilidades e nos conteúdos mínimos indispensáveis à continuidade de estudos do estudante, os quais
deverão ser divulgados pelos professores em sala de aula e no mural da Escola, na última quinzena do quarto bimestre e
que deverão estar contempladas no planejamento do exame final.
Nas situações limítrofes, quando o estudante não obtiver a sua aprovação após o exame final, em um ou dois componentes
curriculares ou disciplinas, o mesmo será submetido ao Conselho de Classe, porém observando os seguintes critérios: nota
final a partir de quatro vírgula cinco, anotações contidas na ficha de acompanhamento, não frequência às aulas decorrente
da falta de transporte escolar, situações de saúde e/ou regime domiciliar, atendimento itinerante e outras situações que
poderão ser ou não analisadas/consideradas.
A recuperação da aprendizagem dar-se-á ao longo de cada bimestre, pelo professor titular e/ ou através de acadêmicos ou
voluntários mediante: aulas de reforço no contraturno, tarefas para casa, retomada de conteúdo com resolução de
exercícios, monitorias, grupo de estudo, etc.
O resultado avaliativo da recuperação da aprendizagem dar-se-á em função da aquisição/ domínio das
competências/habilidades e dos conteúdos foco da recuperação.
11 - Acompanhamento do processo de ensino e aprendizagem
O acompanhamento do processo ensino e aprendizagem dar-se-á mediante a análise e aprovação dos planos de aula pelos
coordenadores pedagógicos, inseridos no Sistema de Gestão Pedagógica – Planejamentos online e offline, o seu
desenvolvimento em sala de aula através de visitas, observação de cadernos dos estudantes, análise de avaliações a serem
aplicadas, registros nos diários de classe, contatos com os professores e os estudantes em diferentes momentos/situações,
tabulação de testes aplicados, resultados bimestrais do rendimento contidos em relatório e boletim escolar. Os resultados
das avaliações institucionais externas também são consideradas para o acompanhamento do processo ensino e
aprendizagem, além de direcionar o redimensionamento, as intervenções pedagógicas necessárias para melhoria do
trabalho didático-pedagógico.
O Conselho de Classe será uma das ferramentas utilizadas para o acompanhamento e avaliação bimestral do
desenvolvimento do processo ensino e aprendizagem, cujas reuniões ordinárias estarão previstas no Calendário Escolar e
realizadas observando o Regimento da Escola.
11.1 INTEGRAÇÃO DAS TICs NO COTIDIANO ESCOLAR
11.1.1. JUSTIFICATIVA:
A Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro, sediada na cidade de Aquidauana – MS, funcionando nos períodos matutino,
vespertino e noturno, atendendo uma demanda de 1.600 estudantes, distribuídos nos diferentes níveis e modalidades
(Ensino Fundamental e Médio – Regular e Educação de Jovens e Adultos, Cursos Técnicos – Normal Médio e Transações
Imobiliárias, Educação Especial – Salas de Recursos Multifuncionais e Brinquedoteca e Curso Estadual Preparatório para o
Ingresso na Educação Superior/CIES).
O presente projeto faz-se necessário para atender o disposto no Projeto Político Pedagógico, além de Programas e Projetos
instituídos pela Secretaria de Estado de Educação/MS, em funcionamento nesta Unidade Escolar, estabelecendo como foco
principal o investimento e o aprimoramento de ações que possibilitem a melhoria da metodologia de ensino adotada por
esta Escola, com vista a elevação do índice de aprovação e diminuição da evasão escolar, diagnosticados pelo PDE-Escola e
SAEMS.
Dada a sua importância e não se tratando de um projeto pronto e acabado, mas sempre sujeito as alterações
/adequações e/ou implementações, à medida que as TICs vão se integrando no fazer pedagógico, tendo como referência os
quatro pilares da tecnologia: “aprender a partir da tecnologia, aprender acerca da tecnologia, aprender através da
tecnologia e aprender com a tecnologia”, conforme pensamento de Fernando Costa (2004).
11.1.2. OBJETIVOS:
11.1.2.1. GERAL:
Desencadear ações pedagógicas, sistematizadas e contínuas, utilizando a integração das TICs no cotidiano escolar,
de modo que contribuam para melhoria no desenvolvimento dos processos de ensino e aprendizagem, com vista à
elevação dos índices de aprovação e diminuição da evasão escolar, diagnosticados pelo PDE-Escola e SAEMS.
11.1.2.2. ESPECÍFICOS:
Viabilizar e/ou realizar formação continuada específica, para equipe pedagógica através do Proinfo Integrado/MEC,
NTE-Aquidauana e PROGETEC/Escola sobre a utilização contínua dos recursos tecnológicos e midiáticos no fazer
pedagógico;
Acompanhar a inclusão dos recursos tecnológicos e midiáticos nos planejamentos de aula dos professores e
projetos interdisciplinares e multidisciplinares, visando à implementação da metodologia de ensino e do alcance de
melhores resultados em motivação e aprendizagem dos estudantes, na apropriação e/ou construção do
conhecimento;
Avaliar o desempenho bimestral e anual da equipe pedagógica, professores e estudantes, através do rendimento
escolar alcançado, mediante uso constante dos recursos tecnológicos e midiáticos para operacionalização do
currículo escolar, além da incorporação dos quatro pilares da tecnologia.
11.1.3. METODOLOGIA:
Tendo em vista a diversidade de cursos e modalidades de ensino, em funcionamento nesta Unidade Escolar, será adotada a
seguinte metodologia de trabalho para operacionalização deste projeto:
Equipe pedagógica x professores:
Viabilização e/ou realização de formação continuada específica para capacitação dos professores, através do
Proinfo Integrado, NTE-Aquidauana, PROGETEC/oficinas e reuniões pedagógicas/estudos sob a coordenação da
Escola, quanto ao uso contínuo dos recursos tecnológicos e midiáticos no desenvolvimento de suas ações
docentes;
Socialização/divulgação de sites/links informativos, de pesquisa e apoio didático como ferramentas que poderão
auxiliar na ação docente, experiências pedagógicas e outras situações que possam contribuir para melhorar o
desempenho dos professores em sala de aula;
Acompanhamento da utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos através da sua inclusão constante nos
planejamentos de aula e projetos interdisciplinares e/ou multidisciplinares;
Acompanhamento e avaliação do desempenho dos professores através da mudança de comportamento no fazer
pedagógico e resultados avaliativos alcançados.
Professores x estudantes/turmas:
Utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos como ferramenta para efetivação do processo de aprendizagem;
Oferecimento aos professores e estudantes momentos/situações de aprendizagem, considerando os quatro pilares
da tecnologia educacional ( aprender a partir da tecnologia, aprender acerca da tecnologia , aprender através da
tecnologia e aprender com a tecnologia).
11.1.4. RECURSOS UTILIZADOS:
Humanos: Direção, coordenadores pedagógicos, coordenadores de área, coordenadores de cursos técnicos,
professor gerenciador dos recursos tecnológicos e midiáticos, professores e estudantes;
Espaço físico: salas de aula, sala de vídeo, sala de tecnologias educacionais e anfiteatro;
Tecnológicos: computadores, impressoras, datashow, projetor multimídia, scanner, mesa de som, amplificador de
som, câmera fotográfica digital, TV, DVD player, CD player, tela de projeção, etc.;
Midiáticos: Kits de DVDs da TV Escola e DVDs com conteúdos das diversas disciplinas;
Internet Banda Larga: sites educacionais e de pesquisa, redes sociais, etc.
Outros recursos utilizados pelos professores e estudantes: notebooks, tablets, celulares, câmeras fotográficas
digitais, pendrives, etc.
11.1.5. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO E AVALIAÇÃO:
Ações Atividades Período Responsável
Equipe Pedagógica x Professores:
Formação
Continuada
Jornada Pedagógica.
Fevereiro Equipe Pedagógica
Estudos e elaboração de Projeto sobre “O Uso dos
Recursos Tecnológicos e Midiáticos no Cotidiano
Escolar”.
Abril Equipe Pedagógica
Capacitação/Oficinas via E-Proinfo/
PROGETEC:
1ª Oficina – Criação de Vídeos;
2ª Oficina – Webquest;
3ª Oficina – Redes Sociais;
4ª Oficina – Objetos de Aprendizagem.
Abril a Dezembro
1º bimestre
2º bimestre
3º bimestre
4º bimestre
MEC/SED/NTE/
PROGETEC
Projeto NTE Itinerante:
Reunião Pedagógica;
Ações técnicas, administrativas,
pedagógicas e formação continuada;
Palestras e grupos de estudos.
Agosto a novembro
NTE – Aquidauana
Socialização de
Ferramentas e/ou
Experiências
Pedagógicas
Socialização/divulgação de sites/links
informativos, de pesquisa e de apoio com
ferramentas, além de experiências pedagógicas,
entre outras, que poderão auxiliar na ação
docente / melhoria do desempenho dentro de
sala de aula, através de: informativos nos murais,
comunicação nos intervalos e/ou horas-
atividades, reuniões e/ou oficinas pedagógicas, e-
mail dos professores, Facebook, blog da Escola,
etc.
Fevereiro a dezembro Equipe Pedagógica
Orientação,
Acompanhamento e
Avaliação do
Desempenho dos
Orientação, acompanhamento e avaliação da
utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos
pelos professores, através:
Inclusão nos planejamentos de aula e/ou
projetos interdisciplinares e/ou
multidisciplinares;
Fevereiro a dezembro Equipe pedagógica
Professores Agendamento constante para utilização
dos recursos tecnológicos e midiáticos nas
salas de aula, vídeo, tecnologias
educacionais, no anfiteatro da Escola,
etc.;
Acompanhamento e avaliação do desempenho
dos professores em sala de aula pela sua mudança
de comportamento, apoiando-se nos quatro
pilares da tecnologia (aprender a partir da
tecnologia, aprender acerca da tecnologia,
aprender através da tecnologia e aprender com a
tecnologia) e resultados avaliativos alcançados
com suas turmas de estudantes.
Fevereiro a dezembro Equipe Pedagógica
Professores x Estudantes/Turmas:
Tecnologia Educacional
Utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos
como ferramenta para efetivação do processo de
aprendizagem dos estudantes/turmas;
Fevereiro a dezembro Professores
Utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos
para o desenvolvimento dos projetos
interdisciplinares e multidisciplinares.
Fevereiro a dezembro Professores
Aproveitamento dos momentos/situações de
aprendizagem pelos professores e
estudantes/turmas, favorecidos pelo uso
constante da tecnologia educacional apoiando-se
nos quatro pilares da tecnologia: aprender a partir
da tecnologia, aprender a cerca da tecnologia,
aprender através da tecnologia e aprender com a
tecnologia.
Fevereiro a dezembro Professores
11.1.6. AVALIAÇÃO:
A avaliação será feita sob a orientação, acompanhamento e avaliação da utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos
pelos professores, através de:
inclusão nos planejamentos de aula e/ou projetos interdisciplinares e/ou multidisciplinares;
agendamento constante para utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos nas salas de aula, vídeo, tecnologias
educacionais e anfiteatro;
resultados obtidos pelos alunos nas avaliações institucionais internas e externas.
11.2 - INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM
11.2.1. JUSTIFICATIVA:
A Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro, sediada na cidade de Aquidauana – MS, funcionando nos períodos matutino,
vespertino e noturno, atendendo uma demanda de 1.600 estudantes, distribuídos nos diferentes níveis e modalidades
(Ensino Fundamental e Médio – Regular e Educação de Jovens e Adultos, Cursos Técnicos – Normal Médio e Técnico em
Transações Imobiliárias, Educação Especial – Salas de Recursos Multifuncionais e Brinquedoteca, Projeto “Avance Mais” e
Curso Estadual Preparatório para o Ingresso na Educação Superior/CIES).
O presente projeto faz-se necessário para atender o disposto no Projeto Político Pedagógico, além de Programas e Projetos
instituídos pela Secretaria de Estado de Educação/MS, em funcionamento nesta Unidade Escolar, estabelecendo como foco
principal o investimento e o aprimoramento de ações que possibilitem a melhoria da metodologia de ensino adotada por
esta Escola, com vista a elevação do índice de aprovação e diminuição da evasão escolar, diagnosticados pelo PDE-Escola e
SAEMS.
Diante do exposto e atendo ao disposto na Comunicação Interna Circular nº 027/2013 de 16/05/2013 da Superintendência
de Políticas de Educação/SED/MS elaborou-se o presente projeto de intervenção pedagógica no processo ensino-
aprendizagem, o qual não será considerado pronto e acabado, mas que poderá ser alterado/adequado sempre que houver
necessidade.
11.2.2. OBJETIVOS:
11.2.2.1. GERAL:
Desencadear ações pedagógicas, sistematizadas e contínuas, utilizando a integração das TICs no cotidiano escolar,
além de outras práticas docentes que possam contribuir para melhoria no desenvolvimento do processo ensino-
aprendizagem, com vista à elevação dos índices de aprovação e diminuição da evasão escolar, diagnosticados pelo
PDE-Escola e SAEMS.
11.2.2.2. ESPECÍFICOS:
Viabilizar e/ou realizar formação continuada específica, para equipe pedagógica através do Proinfo Integrado/MEC,
NTE-Aquidauana e PROGETEC/Escola sobre a utilização contínua dos recursos tecnológicos e midiáticos no fazer
pedagógico;
Viabilizar e/ou realizar a inclusão dos recursos tecnológicos e midiáticos nos planejamentos de aula dos professores
e projetos interdisciplinares e multidisciplinares, além de outras práticas inovadoras, visando à implementação da
metodologia de ensino e do alcance de melhores resultados em motivação e aprendizagem dos estudantes, na
apropriação e/ou construção do conhecimento;
Acompanhar e avaliar o desempenho bimestral e anual da equipe pedagógica, professores e estudantes, através do
rendimento escolar alcançado, mediante uso constante dos recursos tecnológicos e midiáticos para
operacionalização do currículo escolar, além de outras práticas docentes adotadas no exercício da função.
11.2.3. METODOLOGIA:
Tendo em vista a diversidade de cursos e modalidades de ensino, em funcionamento nesta Unidade Escolar, será adotada a
seguinte metodologia de trabalho para operacionalização deste projeto:
Equipe pedagógica x professores:
Viabilização e/ou realização de formação continuada específica para capacitação dos professores, através do
Proinfo Integrado, NTE-Aquidauana, PROGETEC/oficinas e reuniões pedagógicas/estudos sob a coordenação da
Escola, quanto ao uso contínuo dos recursos tecnológicos e midiáticos no desenvolvimento de suas ações
docentes;
Socialização/divulgação de sites/links informativos, de pesquisa e apoio didático como ferramentas que poderão
auxiliar na ação docente, experiências pedagógicas e outras situações que possam contribuir para melhorar o
desempenho dos professores em sala de aula;
Acompanhamento da utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos através da sua inclusão constante nos
planejamentos de aula e projetos interdisciplinares e/ou multidisciplinares;
Acompanhamento e avaliação do desempenho dos professores através da mudança de comportamento no fazer
pedagógico e resultados avaliativos alcançados.
Professores x estudantes/turmas:
Utilização de uma prática de ensino diferenciada, conforme estabelecido no planejamento de aula de cada
professor, que possam atender as intervenções pedagógicas necessárias junto aos estudantes do ensino
fundamental e médio matriculados nesta Unidade Escolar.
Utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos como ferramenta para efetivação do processo de aprendizagem;
Oferecimento de momentos/situações de aprendizagem aos estudantes de modo que possibilitem a apropriação
do conhecimento.
11.2.4. RECURSOS UTILIZADOS:
Humanos: Direção, coordenadores pedagógicos, coordenadores de área, coordenadores de cursos técnicos,
professor gerenciador dos recursos tecnológicos e midiáticos, professores e estudantes;
Espaço físico: salas de aula, sala de vídeo, sala de tecnologias educacionais e anfiteatro;
Tecnológicos: computadores, impressoras, datashow, projetor multimídia, scanner, mesa de som, amplificador de
som, câmera fotográfica digital, TV, DVD player, CD player, tela de projeção, etc.;
Midiáticos: Kits de DVDs da TV Escola e DVDs com conteúdos das diversas disciplinas;
Internet Banda Larga: sites educacionais e de pesquisa, redes sociais, etc.
Outros recursos utilizados pelos professores e estudantes: notebooks, tablets, celulares, câmeras fotográficas
digitais, pendrives, etc.
11.2.5. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO:
Ações Atividades Período Responsável
Equipe Pedagógica x Professores:
Formação
Continuada
Formação Continuada estabelecida pela SED/MS,
sob a coordenação da equipe técnico-pedagógica
da Escola.
Fevereiro, abril, maio,
agosto e novembro
/2013.
Equipe técnico-
pedagógica da Escola
(diretora-adjunta,
coordenadores e
professor gerenciador
das tecnologias
educacionais e recursos
midiáticos).
Reuniões e/ou oficinas pedagógicas,
assessoramento pedagógico nas horas-atividades,
orientações disponibilizadas no blog e facebook
da Escola, email dos professores, etc.
Fevereiro a
dezembro/2013.
Equipe técnico-
pedagógica da Escola.
Capacitação/Oficinas via E-Proinfo/
PROGETEC:
1ª Oficina – Criação de Vídeos;
2ª Oficina – Webquest;
3ª Oficina – Redes Sociais;
4ª Oficina – Objetos de Aprendizagem.
Abril a
dezembro/2013:
2º bimestre;
3º bimestre;
4º bimestre.
MEC/SED/NTE/
PROGETEC.
Projeto NTE Itinerante:
Reunião Pedagógica;
Ações técnicas, administrativas,
pedagógicas e formação continuada;
Agosto a novembro/
2013.
NTE – Aquidauana
Palestras e grupos de estudos.
Socialização de
Ferramentas e/ou
Experiências
Pedagógicas
Socialização/divulgação de sites/links
informativos, de pesquisa e de apoio com
ferramentas, além de experiências pedagógicas,
entre outras, que poderão auxiliar na ação
docente / melhoria do desempenho dentro de
sala de aula, através de: informativos nos murais,
comunicação nos intervalos e/ou horas-
atividades, reuniões e/ou oficinas pedagógicas, e-
mail dos professores, facebook, blog da Escola,
etc.
Fevereiro a
dezembro/2013.
Equipe técnico-
pedagógica da Escola.
Orientação,
Acompanhamento e
Avaliação do
Desempenho dos
Professores
Orientação, acompanhamento e avaliação da
utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos e
outras práticas pedagógicas adotadas pelos
professores, através:
inclusão nos planejamentos de aula e/ou
projetos interdisciplinares e/ou
multidisciplinares;
agendamento constante para utilização
dos recursos tecnológicos e midiáticos nas
salas de aula, vídeo, tecnologias
educacionais, no anfiteatro da Escola,
etc.;
aulas práticas, oficinas e outras dinâmicas
que vem contribuir para aquisição de
competências/habilidades, através dos
conteúdos previstos/selecionados.
Fevereiro a
dezembro/2013.
Equipe técnico-
pedagógica.
Acompanhamento e avaliação do desempenho
dos professores em sala de aula pela sua mudança
de comportamento, compatibilização da prática
docente e resultados avaliativos alcançados, com
vista as intervenções necessárias.
Fevereiro a
dezembro/2013.
Equipe técnico-
pedagógica da Escola.
Professores x Estudantes/Turmas:
Prática Docente
Utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos,
livros didáticos, etc., como ferramenta de
trabalho para o desenvolvimento do processo de
ensino-aprendizagem dos estudantes/turmas;
Fevereiro a
dezembro/2013.
Professores
Desenvolvimento de projetos interdisciplinares
sobre leitura, matemática aplicada, temas
transversais, datas comemorativas, atividades
esportivas e culturais, etc.
Fevereiro a
dezembro/2013.
Professores
Desenvolvimento de aulas diversificadas, com
recursos variados, conforme especificados nos
planejamentos de aulas, postados, analisados e
avaliados, previamente, pela coordenação
Fevereiro a
dezembro/2013.
‘
pedagógica, que possam contribuir para aquisição
das competências/habilidades dos estudantes
através dos conteúdos que serão
trabalhados/estudados.
11.2.6. AVALIAÇÃO:
A avaliação deste trabalho dar-se-á através:
execução dos planejamentos de aula e/ou projetos interdisciplinares, mediante a apresentação de atividades
diversificadas, utilização de recursos variados e envolvimento/articulação com os estudantes;
utilização constante dos recursos tecnológicos e midiáticos nas salas de aula, vídeo, tecnologias educacionais e
anfiteatro;
resultados obtidos pelos estudantes nas avaliações institucionais internas e externas.
12 - Indicadores de qualidade
Os indicadores de qualidade e respectivas especificações que serão observadas para efeito de avaliação do processo
educativo desenvolvido por esta Escola, tendo como foco o alcance dos índices percentuais nas avaliações institucionais
externas e interna (IDEB, SAEB, Prova Brasil, SAEMS, PDE-Escola, FIMA, resultados bimestrais e anual) são os seguintes:
ambientes físico e educativo, gestão escolar democrática, prática pedagógica, avaliação escolar, acesso e permanência dos
estudantes na Escola.
13 - Formação continuada
A formação continuada destinada à equipe escolar tem por finalidade propiciar momentos de estudos, reflexão e avaliação
da prática educativa, visando a melhoria qualitativa do trabalho desenvolvido por cada segmento, redimensionando-o e/ou
implementando-o sempre que houver necessidade.
A formação continuada dar-se-á dentro e fora da jornada de trabalho, sendo oferecida pelas esferas federal, estadual,
municipal e escolar, através da educação a distância e/ou presencial, mediante o desenvolvimento de atividades
diferenciadas, para atender as necessidades da equipe escolar e das exigências das diretrizes educacionais vigentes.
No Calendário Escolar são previstos alguns dias para formação continuada, orientados pela SED/MS e coordenados pela
equipe técnico-pedagógica destinada a todos os professores da Escola, focando temáticas específicas, e em outros
momentos são trabalhadas oficinas pedagógicas para superação de dificuldades coletivas ou ainda atendimento individual
nas horas-atividades.
14 - Avaliação Interna
A Avaliação Interna, considerada como mecanismo de acompanhamento sistemático e contínuo das condições estruturais,
pedagógicas e de funcionamento da Escola, deverá ocorrer anualmente, sob a coordenação da Direção Colegiada,
observando os seguintes aspectos e/ou indicadores:
estrutura organizacional da Escola como um todo;
organização pedagógica;
estrutura específica de cada curso oferecido;
operacionalização dos projetos, planos de ação do PDE-Escola e SAEMS e Projeto Político Pedagógico da Escola,
Referencial Curricular da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul – Ensino Fundamental e Médio, Programa
Além das Palavras e Projetos da SED/MS;
observação dos índices de aprovação, reprovação, evasão e de conclusão de curso;
desempenho dos estudantes frente as competências/habilidades e conteúdos trabalhados;
desempenho dos dirigentes, coordenadores, docentes e técnico-administrativo frente às suas atribuições;
realização da formação continuada da equipe profissional;
condições das instalações físicas, equipamentos e materiais didáticos e suas adequações às necessidades de cada
curso oferecido;
articulação com os estudantes e as famílias;
cumprimento da legislação vigente.
15 - Avaliação do Projeto Político Pedagógico
O Projeto Político Pedagógico será avaliado através de estratégias e instrumentos variados, quando da divulgação dos
resultados:
Levantamentos estatísticos para montagem do PDE-Escola;
Relatórios bimestrais emitidos pelo SGDE;
FIMA;
Execução dos Planos de Ação do PDE-Escola e SAEMS;
Resultados da Avaliação Interna da Escola (anual);
Atas de Resultados Finais da cada curso oferecido;
Resultados das avaliações institucionais externas (IDEB, SAEB, Prova Brasil, SAEMS, etc);
Envolvimento da comunidade escolar nas atividades promovidas pela Escola;
Outras situações não previstas.
16 - Comissões de elaboração do Projeto Político Pedagógico
1ª - Comissão de mobilização, divulgação e acervo:
Carla Caroline Cavallari;
Elenil Maria Ferreira;
Izabel Cristina Bazana Barbosa;
Janaína Nogueira Maia Carvalho;
João Pereira de Oliveira;
Lindinaldo João da Costa;
Maria Aparecida Barboza;
Maria Goretti de Souza Gama;
Sônia Regina dos Santos Fachin;
Sueli Alves Vicente.
Walmor Siqueira Torres.
2ª - Comissão de diagnóstico:
Daniela Berti Teixeira;
Fernando Brunet Freitas;
Janaína Nogueira Maia Carvalho;
Lindinaldo João Teixeira;
Maria Aparecida Barboza;
Maria Goretti de Souza Gama;
Ramona Valdez Santos;
Thaila Maria Coelho Gênova.
3ª - Comissão de organização da escola:
Cristiane Niz Barcelos;
Daniela Berti Teixeira;
Elizabete Aparecida de Lima;
Janaína Nogueira Maia Carvalho;
Lindinaldo João da Costa;
Maria Aparecida Barboza;
Maria Goretti de Souza Gama;
Ramona Valdez Santos;
Silvia Amorim Ramos Troina.
4ª - Comissão de concepções teóricas:
Adriana Azevedo Gomes Santos;
Alessandro Peixoto Ferreira;
Daniela Berti Teixeira;
Elenil Maria Ferreira;
Franci Ellen Dias dos Santos;
Janaína Nogueira Maia Carvalho;
João Fernando dos Reis Franco;
Lindinaldo João da Costa;
Luzia Maria Wetter Pinto;
Maria Aparecida Barboza;
Maria Goretti de Souza Gama;
Ramona Valdez Santos;
Weliton de Oliveira Pisano;
5ª - Comissão de correção e revisão:
Cristiane Niz Barcelos;
Elcia Carpinedo;
Enilva Maciel Ribeiro
Lindinaldo João da Costa;
Maria Aparecida Barboza;
Ramão Medina Vieira;
Ramona Elisa Gaeta Xavier;
Ramona Valdez Santos;
Tânia Regina Pires;
Zenilda Moreira Lopes;
6ª - Comissão de lançamento e tratamento das informações;
João Pereira de Oliveira;
Lindinaldo João da Costa;
Maria Aparecida Barboza;
Maria Goretti de Souza Gama.
7ª - Comissão permanente:
Diretora-Adjunta – Cristiane Niz Barcelos;
Presidente do Colegiado – Maria Goretti de Souza Gama;
Supervisor de Gestão – Nélio Lima dos Santos;
Coordenadores Pedagógicos – Lindinaldo João da Costa e Maria Aparecida Barboza.
17 - Equipe responsável pela aprovação do Projeto Político Pedagógico da escola
Diretora-Adjunta – Cristiane Niz Barcelos;
Coordenador - Maria Goretti de Souza Gama;
Supervisor de Gestão – Nélio Lima dos Santos;
Presidente do Colegiado Escolar – Maria Goretti de Souza Gama.
18 - Referências
ALVES, Gilberto Luiz. O Trabalho Didático na Escola Moderna: formas históricas. Campinas,SP: Autores Associados, 2005.
BRASIL. Lei de diretrizes e Bases da Educação nacional – LDB nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes
e bases da educação nacional. Brasília: Congresso Nacional, 1996.
_______. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB nº 07/2010, de 07 de abril de 2010. Diretrizes Curriculares Nacionais
Gerais para a Educação Básica. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2010.
_______. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB nº 11/2010, de 07 de julho de 2010. Diretrizes Nacionais para o Ensino
Fundamental de 9 (nove) Anos. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2010.
_______. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB nº 05/2011, de 05 de maio de 2011. Diretrizes Nacionais para o Ensino
Médio. Brasília:MEC/CNE/CEB, 2011.
_______. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 01/2000, de 05 de julho de 2000. Estabelece as Diretrizes
Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2000.
_______. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 04/2009, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes
Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica. Modalidade Educação Especial. Brasília:
MEC/CNE/CEB, 2009.
_______. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 4/2010, de 13 de julho de 2010. Define Diretrizes Curriculares
Nacionais Gerais para a Educação Básica. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2010.
_______. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 7/2010, de 14 de dezembro de 2010. Define Diretrizes
Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) Anos. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2010.
_______. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 2/2012, de 30 de janeiro de 2012. Define Diretrizes Curriculares
para o Ensino Médio. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2012.
CHAVES, Eduardo. Org. Sua Escola a 2000 por Hora – Educação para o desenvolvimento humano pela tecnologia digital.
São Paulo: Saraiva: Instituto Ayrton Senna, 2004.
LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da Escola Pública: a pedagogia crítico-social dos conteúdos. 5 ed. São Paulo: Ed.
Loyola, 1987.
____________________.Organização e Gestão da Escola: Teoria e Prática. 5 ed. revista e ampliada.Goiânia: Editora
Alternativa, 2004.
MATO GROSSO DO SUL. Secretaria de Estado de Educação. Formação Continuada: Conhecimento em Foco. Campo
Grande: SED/MS, s.d.
________________________. Secretaria de Estado de Educação. Referencial Curricular da Rede Estadual de Mato Grosso
do Sul – Ensino Fundamental. Campo Grande: SED/MS, 2012;
________________________. Secretaria de Estado de Educação. Referencial Curricular da Rede Estadual de Mato Grosso
do Sul – Ensino Médio. Campo Grande:SED/MS, 2012.
_______. Secretaria do Estado de Educação. Resolução/SED nº 2.162, de 24 de março de 2008. Define implementação do
Projeto Além das Palavras. Campo Grande: SED/MS, 2008.
_______. Secretaria do Estado de Educação. Resolução/SED nº 2.230, de 20 de fevereiro de 2009. Define sobre o Projeto
Além das Palavras. Campo Grande: SED/MS, 2009.
_______. Secretaria do Estado de Educação. Resolução/SED nº 2.518, de 20 de janeiro de 2012. Define implementação do
Projeto de Coordenação de Área para os componentes curriculares/disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática. Campo
Grande: SED/MS, 2012.
_______. Secretaria de Estado de Educação. Formação Continuada em Atendimento Especializado para Professores de
Salas de Recursos. Campo Grande: SED/MS, 2008.
_______. Secretaria de Estado de Educação/Conselho Estadual de Educação. Deliberação/ CEEnº
9195, de 30 de novembro de 2009. Fixa normas para a oferta da educação profissional técnica de nível médio. Campo
Grande: SED/CEE/MS, 2009.
________________________. Secretaria de Estado de Educação.
Regimento Escolar. Escola Estadual Coronel José Alves Ribeiro. Aquidauana, MS, 2010.
Webconferência.webconf2.rnp.br/p69371mzp5o/?launcher=false&fcsContent=true&pbMode=normal. Acesso em Nov.
2012

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
SimoneHelenDrumond
 
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas EscolasO Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
guest3d615bd
 
Ficha de acompanhamento bimestral do aluno por nível
Ficha de acompanhamento bimestral do aluno por nívelFicha de acompanhamento bimestral do aluno por nível
Ficha de acompanhamento bimestral do aluno por nível
Alekson Morais
 
Perfil turma pnaic
Perfil turma pnaicPerfil turma pnaic
Perfil turma pnaic
Daniela Menezes
 
Ficha de atendimento do aee
Ficha de atendimento do aeeFicha de atendimento do aee
Ficha de atendimento do aee
Lima Pedagoga
 
Relatorios individuais do desempenho ed infantil 2ºsemestre_mundinhodacrianca...
Relatorios individuais do desempenho ed infantil 2ºsemestre_mundinhodacrianca...Relatorios individuais do desempenho ed infantil 2ºsemestre_mundinhodacrianca...
Relatorios individuais do desempenho ed infantil 2ºsemestre_mundinhodacrianca...
Alexandre Bandoch
 
I avaliação institucional formulario pais 2013
I avaliação  institucional formulario  pais 2013I avaliação  institucional formulario  pais 2013
I avaliação institucional formulario pais 2013
QUEDMA SILVA
 
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021 Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
muni2014
 
Plano de aee
Plano de aeePlano de aee
Plano de aee
ceciliaconserva
 
Mini Projeto de Meio Ambiente
Mini Projeto de Meio AmbienteMini Projeto de Meio Ambiente
Mini Projeto de Meio Ambiente
Rodger Rocha
 
Plano gestão 2015 2018
Plano gestão 2015  2018Plano gestão 2015  2018
Diário de classe
Diário de classeDiário de classe
Rotina escolar
Rotina escolarRotina escolar
Rotina escolar
Anaí Peña
 
Projeto Festa da Primavera, Escola Eunice, 2014
Projeto Festa da Primavera, Escola Eunice, 2014Projeto Festa da Primavera, Escola Eunice, 2014
Projeto Festa da Primavera, Escola Eunice, 2014
Seduc MT
 
AEE
AEEAEE
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.
Erkv
 
Plano de Ação - Laboratório de Informática - Ensino Fundamental II
Plano de Ação - Laboratório de Informática - Ensino Fundamental IIPlano de Ação - Laboratório de Informática - Ensino Fundamental II
Plano de Ação - Laboratório de Informática - Ensino Fundamental II
Moisés Ferreira Barreto
 
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemática
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemáticaParecer de uma aluno com dificuldade em matemática
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemática
SimoneHelenDrumond
 
1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais
Colmanetti
 
Modelo relatório pedagogico aluno especial
Modelo relatório pedagogico aluno especialModelo relatório pedagogico aluno especial
Modelo relatório pedagogico aluno especial
straraposa
 

Mais procurados (20)

Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
 
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas EscolasO Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
 
Ficha de acompanhamento bimestral do aluno por nível
Ficha de acompanhamento bimestral do aluno por nívelFicha de acompanhamento bimestral do aluno por nível
Ficha de acompanhamento bimestral do aluno por nível
 
Perfil turma pnaic
Perfil turma pnaicPerfil turma pnaic
Perfil turma pnaic
 
Ficha de atendimento do aee
Ficha de atendimento do aeeFicha de atendimento do aee
Ficha de atendimento do aee
 
Relatorios individuais do desempenho ed infantil 2ºsemestre_mundinhodacrianca...
Relatorios individuais do desempenho ed infantil 2ºsemestre_mundinhodacrianca...Relatorios individuais do desempenho ed infantil 2ºsemestre_mundinhodacrianca...
Relatorios individuais do desempenho ed infantil 2ºsemestre_mundinhodacrianca...
 
I avaliação institucional formulario pais 2013
I avaliação  institucional formulario  pais 2013I avaliação  institucional formulario  pais 2013
I avaliação institucional formulario pais 2013
 
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021 Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
 
Plano de aee
Plano de aeePlano de aee
Plano de aee
 
Mini Projeto de Meio Ambiente
Mini Projeto de Meio AmbienteMini Projeto de Meio Ambiente
Mini Projeto de Meio Ambiente
 
Plano gestão 2015 2018
Plano gestão 2015  2018Plano gestão 2015  2018
Plano gestão 2015 2018
 
Diário de classe
Diário de classeDiário de classe
Diário de classe
 
Rotina escolar
Rotina escolarRotina escolar
Rotina escolar
 
Projeto Festa da Primavera, Escola Eunice, 2014
Projeto Festa da Primavera, Escola Eunice, 2014Projeto Festa da Primavera, Escola Eunice, 2014
Projeto Festa da Primavera, Escola Eunice, 2014
 
AEE
AEEAEE
AEE
 
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.
 
Plano de Ação - Laboratório de Informática - Ensino Fundamental II
Plano de Ação - Laboratório de Informática - Ensino Fundamental IIPlano de Ação - Laboratório de Informática - Ensino Fundamental II
Plano de Ação - Laboratório de Informática - Ensino Fundamental II
 
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemática
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemáticaParecer de uma aluno com dificuldade em matemática
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemática
 
1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais
 
Modelo relatório pedagogico aluno especial
Modelo relatório pedagogico aluno especialModelo relatório pedagogico aluno especial
Modelo relatório pedagogico aluno especial
 

Semelhante a Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aquidauana - MS - 2012

Orientações de planejamento iinicio das aulas 2011
Orientações de planejamento iinicio das aulas 2011Orientações de planejamento iinicio das aulas 2011
Orientações de planejamento iinicio das aulas 2011
educacaomesquita
 
Projeto político pedagógico 2011
Projeto político pedagógico 2011Projeto político pedagógico 2011
Projeto político pedagógico 2011
proinfoalda
 
Ppp 2014 cee
Ppp 2014 ceePpp 2014 cee
Ppp 2014 cee
heder oliveira silva
 
Ee. paulo coelho plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienalEe. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho plano quadrienal
brgsto
 
Ee. santa rita do pontal plano quadrienal
Ee. santa rita do pontal   plano quadrienalEe. santa rita do pontal   plano quadrienal
Ee. santa rita do pontal plano quadrienal
brgsto
 
Relatório estágio na EJA (Para Érica UVA)
Relatório estágio na EJA (Para Érica UVA)Relatório estágio na EJA (Para Érica UVA)
Relatório estágio na EJA (Para Érica UVA)
Ius 95
 
[Artigo original]escolas do campo no estado do rio grande do sul
[Artigo original]escolas do campo no estado do rio grande do sul[Artigo original]escolas do campo no estado do rio grande do sul
[Artigo original]escolas do campo no estado do rio grande do sul
pibidsociais
 
Projeto Político Pedagógico
Projeto Político PedagógicoProjeto Político Pedagógico
Projeto Político Pedagógico
professorfj2012
 
Informativo GRE Mata Sul - Abril de 2020 - nº12
Informativo GRE Mata Sul - Abril de 2020 - nº12Informativo GRE Mata Sul - Abril de 2020 - nº12
Informativo GRE Mata Sul - Abril de 2020 - nº12
Governo do Estado de Pernambuco - Secretaria de Educação
 
Proposta de Governo - João Bosco
Proposta de Governo - João BoscoProposta de Governo - João Bosco
Proposta de Governo - João Bosco
zedalegnas
 
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Jornadel Pereira da Silva
 
Plano de gestão travassos 2014 atualizado
Plano de gestão travassos 2014  atualizadoPlano de gestão travassos 2014  atualizado
Plano de gestão travassos 2014 atualizado
Josefa Martins
 
Projeto Político Pedagógico 2018
Projeto Político Pedagógico 2018Projeto Político Pedagógico 2018
Projeto Político Pedagógico 2018
Suziany Ihan Xavier Gaspar
 
PPP 2018 Escola Estadual Aral Moreira
PPP 2018 Escola Estadual Aral MoreiraPPP 2018 Escola Estadual Aral Moreira
PPP 2018 Escola Estadual Aral Moreira
Suziany Ihan Xavier Gaspar
 
Relatório gestão educação-itapetininga-2005-2012
Relatório gestão educação-itapetininga-2005-2012Relatório gestão educação-itapetininga-2005-2012
Relatório gestão educação-itapetininga-2005-2012
Ramalho15
 
09164831 reestruturacao-curricular-ensino-fundamental-e-medio-2016-documento-...
09164831 reestruturacao-curricular-ensino-fundamental-e-medio-2016-documento-...09164831 reestruturacao-curricular-ensino-fundamental-e-medio-2016-documento-...
09164831 reestruturacao-curricular-ensino-fundamental-e-medio-2016-documento-...
Leandro Schuck
 
Dora landolfi programa mais educação
Dora landolfi programa mais educaçãoDora landolfi programa mais educação
Dora landolfi programa mais educação
eder ratier alves de oliveira
 
11 passo a_passo-_mais_educacao_seb
11 passo a_passo-_mais_educacao_seb11 passo a_passo-_mais_educacao_seb
11 passo a_passo-_mais_educacao_seb
Eliana Menezes
 
Projeto Político Pedagógico 2021 versão final
Projeto Político Pedagógico 2021 versão finalProjeto Político Pedagógico 2021 versão final
Projeto Político Pedagógico 2021 versão final
QUEDMA SILVA
 
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Ana Paula Silva
 

Semelhante a Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aquidauana - MS - 2012 (20)

Orientações de planejamento iinicio das aulas 2011
Orientações de planejamento iinicio das aulas 2011Orientações de planejamento iinicio das aulas 2011
Orientações de planejamento iinicio das aulas 2011
 
Projeto político pedagógico 2011
Projeto político pedagógico 2011Projeto político pedagógico 2011
Projeto político pedagógico 2011
 
Ppp 2014 cee
Ppp 2014 ceePpp 2014 cee
Ppp 2014 cee
 
Ee. paulo coelho plano quadrienal
Ee. paulo coelho   plano quadrienalEe. paulo coelho   plano quadrienal
Ee. paulo coelho plano quadrienal
 
Ee. santa rita do pontal plano quadrienal
Ee. santa rita do pontal   plano quadrienalEe. santa rita do pontal   plano quadrienal
Ee. santa rita do pontal plano quadrienal
 
Relatório estágio na EJA (Para Érica UVA)
Relatório estágio na EJA (Para Érica UVA)Relatório estágio na EJA (Para Érica UVA)
Relatório estágio na EJA (Para Érica UVA)
 
[Artigo original]escolas do campo no estado do rio grande do sul
[Artigo original]escolas do campo no estado do rio grande do sul[Artigo original]escolas do campo no estado do rio grande do sul
[Artigo original]escolas do campo no estado do rio grande do sul
 
Projeto Político Pedagógico
Projeto Político PedagógicoProjeto Político Pedagógico
Projeto Político Pedagógico
 
Informativo GRE Mata Sul - Abril de 2020 - nº12
Informativo GRE Mata Sul - Abril de 2020 - nº12Informativo GRE Mata Sul - Abril de 2020 - nº12
Informativo GRE Mata Sul - Abril de 2020 - nº12
 
Proposta de Governo - João Bosco
Proposta de Governo - João BoscoProposta de Governo - João Bosco
Proposta de Governo - João Bosco
 
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
Projeto político pedagógico escolas do campo 2011
 
Plano de gestão travassos 2014 atualizado
Plano de gestão travassos 2014  atualizadoPlano de gestão travassos 2014  atualizado
Plano de gestão travassos 2014 atualizado
 
Projeto Político Pedagógico 2018
Projeto Político Pedagógico 2018Projeto Político Pedagógico 2018
Projeto Político Pedagógico 2018
 
PPP 2018 Escola Estadual Aral Moreira
PPP 2018 Escola Estadual Aral MoreiraPPP 2018 Escola Estadual Aral Moreira
PPP 2018 Escola Estadual Aral Moreira
 
Relatório gestão educação-itapetininga-2005-2012
Relatório gestão educação-itapetininga-2005-2012Relatório gestão educação-itapetininga-2005-2012
Relatório gestão educação-itapetininga-2005-2012
 
09164831 reestruturacao-curricular-ensino-fundamental-e-medio-2016-documento-...
09164831 reestruturacao-curricular-ensino-fundamental-e-medio-2016-documento-...09164831 reestruturacao-curricular-ensino-fundamental-e-medio-2016-documento-...
09164831 reestruturacao-curricular-ensino-fundamental-e-medio-2016-documento-...
 
Dora landolfi programa mais educação
Dora landolfi programa mais educaçãoDora landolfi programa mais educação
Dora landolfi programa mais educação
 
11 passo a_passo-_mais_educacao_seb
11 passo a_passo-_mais_educacao_seb11 passo a_passo-_mais_educacao_seb
11 passo a_passo-_mais_educacao_seb
 
Projeto Político Pedagógico 2021 versão final
Projeto Político Pedagógico 2021 versão finalProjeto Político Pedagógico 2021 versão final
Projeto Político Pedagógico 2021 versão final
 
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
 

Último

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 

Último (20)

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 

Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro de Aquidauana - MS - 2012

  • 1. Projeto Político-Pedagógico EE CEL. JOSÉ ALVES RIBEIRO PPP 2012
  • 2. 1 - Identificação ESCOLA ESTADUAL CEL. JOSÉ ALVES RIBEIRO Rua: José Bonifácio nº 595 - Bairro Alto CEP 79.200 – 000 - Aquidauana - MS Telefones: (67) 3241.2226 (67) 3241.2608 E-mail: eecjar@sed.ms.gov.br / eecjar.coordenacao@gmail.com facebook: eecjar.coordenacao@gmail.com Blog: eecejar.blogspot.com 2 - Apresentação do PPP A Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro, conhecida por CEJAR, sediada à Rua José Bonifácio, nº 595, Bairro Alto, município de Aquidauana – MS, bem próxima ao centro da cidade, destaca-se pelo amplo espaço físico e sua estrutura arquitetônica, considerada pioneira na época, em nossa região, em que o arquiteto buscou estabelecer um conceito regional que pudesse aliar a tradição (uso de tijolos à vista) às novas tendências mundiais (uso excessivo de vidro e concreto aparente) apresentando ainda, fachada expressiva de linhas retas e marcantes. Sua localização no município favorece o fácil acesso por diferentes vias, meios de transporte e de comunicação. Além disso, é contemplada por inúmeros serviços existentes nas suas imediações como: hospital, casas comerciais em geral, parque gráfico, emissora de rádio, provedor de internet, entre outros e instituições educacionais privadas. Considerada uma Escola de grande porte, conforme classificação de sua entidade mantenedora, e apresentando uma infraestrutura considerável em termos de espaço físico, equipamentos e localização geográfica, esta Unidade de Ensino é constantemente utilizada para sediar eventos de cunho político, educacional, cultural, esportivo, religioso e muitos outros de grande relevância para a Escola, município de Aquidauana e circunvizinhos. Atende a uma demanda proveniente de diferentes classes sociais cuja residência, em sua maioria, localiza-se em bairros e vilas da cidade, além de alguns oriundos de zona rural, aldeias indígenas, os quais utilizam transporte escolar, e outros do vizinho município de Anastácio. A Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro, relevante pelo seu papel educacional, articulado com uma prática social transformadora, respaldada pela legislação vigente, por este Projeto Político Pedagógico, Regimento Escolar, PDE-Escola (Plano de Desenvolvimento da Escola), avaliações institucionais e outras diretrizes educacionais norteadoras, tem como desafio reduzir a taxa de evasão escolar em 10% e elevar a taxa de aprovação da escola em 15% nos níveis fundamental e médio num período de dois anos, a contar de 2012. Para tanto, será necessária a adoção de paradigmas que venham ao encontro do acelerado processo de mudanças, decorrentes de avanços científicos, tecnológicos, da comunicação e da globalização, na busca de melhorias constantes no fazer pedagógico. Por isso, este Projeto Político e Pedagógico não é um documento pronto e acabado, mas sujeito a mudanças e adequações, anualmente, visando um processo educativo de melhor qualidade e que procure atender às necessidades da demanda escolar. 3 - Missão Desenvolver um trabalho de qualidade, participativo e comprometido com o respeito, a solidariedade, a responsabilidade, a ética, a cooperação e a justiça, com a finalidade de solidificar o princípio da cidadania. 4 - Visão
  • 3. Continuar sendo reconhecidos em nossa região pelo resgate da qualidade de nossas práticas educativas, do respeito da comunidade escolar e da sociedade e pela nossa responsabilidade social. 5 - Valores Respeito, solidariedade, responsabilidade, ética, cooperação, justiça, excelência. 6 - Diagnóstico 6.1 - Situação socioeconômica e educacional da comunidade O município de Aquidauana, compreende uma área de 16.958,5 km², ocupada por 45.614 habitantes (IBGE/2010), possui 4 distritos (Camisão, Cipolândia, Piraputanga e Taunay) e aldeias indígenas do povo Terena (Ipegue, Água Branca, Morrinho, Imbirussu, Lagoinha, Bananal, Colônia Nova, Limão Verde e Córrego Seco), onde está concentrada a maior comunidade indígena do Estado. No setor econômico, encontram-se o comércio, a pecuária e o potencial turístico; no educacional: campi das Universidades Federal e Estadual, pólos universitários de EADs – educação à distância (privadas), CEPA (Centro de Educação Profissional de Aquidauana), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Mato Grosso do Sul – Campus Aquidauana, além do atendimento oferecido pela rede pública (estadual e municipal) e instituições privadas. Existem as escolas indígenas e pantaneiras com o ensino fundamental, mantido pelo município, e o médio, pelo Governo do Estado. Com 42 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO, a Escola CEJAR possui uma equipe de profissionais, que prestam serviços a esta Unidade Escolar, atendendo a uma demanda em torno de 1600 estudantes, distribuídos no Ensino Fundamental e Médio – Regular e Educação de Jovens e Adultos e atendimento educacional especializado, através do oferecimento de Salas de Recursos/DA e Multifuncional, Brinquedoteca e Curso Normal Médio – Habilitação em Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental, a que se somam o Programa Jovem Condutor, cursos oferecidos pelo PRONATEC (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego), em parceria com DETRAN-MS e Governo Federal, respectivamente, e a parceria com a UFMS na execução do PIBID (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência) pelo curso de Biologia junto a estudantes e professores do Ensino Fundamental e Médio. O trabalho desenvolvido é norteado pelo Regimento Escolar, Projeto Político Pedagógico e Plano PDE-Escola, fundamentado na legislação federal e estadual vigentes, Programas e Projetos da Secretaria de Estado de Educação/MS, Referencial Curricular da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul (Ensino Fundamental e Médio), projetos da Escola, resultados das Avaliações Institucionais (SAEB – Sistema de Avaliação da Educação Básica-, Prova Brasil, ENEM - Exame Nacional do Ensino Médio, IDEB – Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, SAEMS – Sistema de Avaliação da Educação da Rede Pública de Mato Grosso do Sul, Avaliações Diagnósticas do Programa Além das Palavras, Atas de Resultados Finais, Resultados Bimestrais e avaliação em processo) e outros fundamentos teórico-metodológicos, além das TICs (Tecnologias da Informação e Comunicação) e dos recursos midiáticos. Em 2011, esta Unidade Escolar atingiu os seguintes resultados no IDEB: 5º ano do Ensino Fundamental – 4.5, tendo sido projetado 3.5; 9º ano do Ensino Fundamental – 3.4, tendo sido projetado 3.1. Quanto ao 3º ano do Ensino Médio, foi divulgado apenas o resultado estadual, observando 4.9 no IDEB, tendo sido projetado 4.0 para 2011. 6.2 - Histórico da escola
  • 4. Foi fundada no dia 09 de junho de 1970, através da Lei nº 2993, que criava os Centros Educacionais de Ensino Integrados, em Aquidauana, entre outros municípios do Estado de Mato Grosso, cujas atividades tiveram início em 1º de março do mesmo ano e as dependências físicas foram inauguradas em 15 de agosto daquele ano (dia do aniversário de fundação deste município). Recebeu a denominação de “Cel. José Alves Ribeiro”, através do Decreto nº 1207 datado de agosto de 1970, em homenagem ao cidadão que ajudou na construção da história do município. Com a denominação Centro Educacional Cel. José Alves Ribeiro, resultou a sigla CEJAR, tornando-a representativa e forte na comunidade aquidauanense, desde a década de 70 até os dias atuais. Ao longo de sua trajetória, ocorreram os seguintes atos: a elevação para o ensino de 2º grau e a integração física da Casa Escola “O Infantil do Bom Senso”, passando a denominar-se Escola Estadual de Pré-Escolar, 1º e 2º graus “Cel. José Alves Ribeiro”; a implantação em 1981 da Habilitação Técnico de Secretariado, tendo sido desativado em abril de 1990; a integração da Escola Estadual de 2º grau “Jango de Castro” em fevereiro de 1987, que oferecia a Habilitação Específica para o Magistério, cujo curso funcionou até o ano de 2000; a implantação do PROFORMAÇÃO (Programa de Formação de professores em Exercício), Programa do Ministério de Educação em parceria com o Estado e municípios, funcionando no período de 1999 a 2002, habilitando professores ao exercício da função, lotados nas séries iniciais do ensino fundamental, em diferentes municípios do Estado de Mato Grosso do Sul; a junção da Escola Estadual “Laudelino Barcelos” em janeiro de 2005; a autorização como Unidade Executora do Projeto Experimental PROFUNCIONÁRIO (Convênio MEC x SED x Municípios de Aquidauana e Anastácio), oferecendo os cursos: Técnico em Secretaria Escolar, Técnico em Multimeios Didáticos, Técnico em Alimentação Escolar e Técnico em Infraestrutura Material e Ambiental, a partir de abril de 2008, tendo início suas atividades em outubro do mesmo ano. Em decorrência da extinção das Agências Educacionais, através do Decreto nº 9.317 de 6 de janeiro de 1999, as quais integravam a estrutura básica da Secretaria de Estado de Educação/MS, esta instituição de ensino foi designada Unidade Escolar de Referência, conforme Resolução/SED nº 1320 de 12 de janeiro de 1999. Em 08 de dezembro de 2010, através da Resolução/SED nº 2.384/2010, esta Instituição de Ensino foi credenciada e autorizada o funcionamento do Curso Normal Médio – Habilitação em Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Atualmente, oferece o Ensino Fundamental e Médio, nas modalidades regular e educação de jovens e adultos, além do atendimento especializado através da sala de recursos/DA e da sala multifuncional, brinquedoteca e Curso Normal Médio, distribuídos nos turnos diurno e noturno, cuja demanda anual gira em torno de 1600 estudantes. Também operacionaliza o Programa Jovem Condutor, em parceria com o DETRAN/MS, além do funcionamento de cursos técnicos do PRONATEC, oferecidos pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – Campus de Aquidauana. BIOGRAFIA DO CEL. JOSÉ ALVES RIBEIRO José Alves Ribeiro, conhecido como Coronel Joselito, nasceu em Miranda, no dia 10 de dezembro de 1884. Concluiu o curso primário, nessa mesma cidade, mudou-se para Cuiabá a fim de fazer um curso preparatório e depois ir para o Rio Grande do Sul, cursar Engenharia. Quando voltou, para se despedir de seus pais, resolveu ficar, por um ano, morando na fazenda, acabou gostando dos passeios, das pessoas e desistiu de sua graduação. Em 1915, regressou para Cuiabá e lá conheceu Maria Constança, filha de Pedro Celestino. Casaram e vieram morar em Aquidauana. Como genro de chefe político, conquistou amigos e se tornou influente. Como governista, participou, ativamente, da Revolução do Gomes, às margens do ribeirão Água Amarela, em Bela Vista, no ano de 1916. Entretanto, não obteve êxito, sua tropa foi derrotada e emigrou para terras paraguaias, mais precisamente em Barro Preto. Em 04 de fevereiro de 1917, venceu a batalha. Neste episódio, toma, ainda, mais gosto pela política. Torna-se chefe de partido em Aquidauana e adjacências e assume, pouco tempo depois, a cadeira de Deputado Estadual em Cuiabá. Em 1924, assume o posto de tenente coronel e organiza o 1º Batalhão de Infantes Pioneiros contra a invasão do Estado pela Coluna Prestes. Com isso, recebeu o título com o qual ficou conhecido, Coronel Joselito. Logo depois, foi eleito intendente de Aquidauana, inaugurando a ponte de madeira sobre o rio Taquarussu e a represa da Lagoa Comprida, beneficiando moradores e animais da região. Participou da Aliança Liberal, cujo candidato era Getúlio Vargas. Mais tarde, ingressou na UDN (União Democrática Nacional), como chefe político em Aquidauana, derrotou por muitas vezes o PSD-PTB, e elegeu prefeitos como Delfino Correa, Dr. Estácio Muniz, Moisés de Albuquerque, Fernando Ribeiro, deputado Fernando Corrêa e seu genro José Fragelli, duas vezes governador entre outros. O Coronel Joselito vivia para a política. Lutou contra duas poderosas forças: a Estrada de Ferro Noroeste do Brasil e os índios de Taunay, cujos votos eram todos fiscalizados. Foi graças ao Padre Henrique que deixou um pouco a alma de político para elevá-la a Deus e praticar o cristianismo, mas jamais deixou a
  • 5. política: visitava, ouvia e mediava as dificuldades das pessoas e preparava seu eleitorado. Quando não havia eleições, viajava. Foi à Europa, Israel, Síria, Estados Unidos, Ceará, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro onde comprou um apartamento. Todavia, sua maior alegria era viver na fazenda, montar a cavalo, ver uma ponta de bois, uma invernada, ou seja, um autêntico homem pantaneiro. Em 18 de abril de 1970, aos 85 anos, descobriu casualmente quando foi visitar sua esposa enferma no hospital São Silvestre, no Rio de Janeiro, que estava com leucemia. Três meses depois, em 27 de julho, falece. 6.3 - Situação física da escola Divide-se na parte térrea com vários blocos e piso superior, conforme descrição abaixo. Apresenta estado de conservação satisfatório, com instalações elétricas, hidráulicas e sanitárias em condições de uso, boa iluminação, equipamentos como aparelhos de ar condicionado, ventiladores, quadros brancos. Em 2012, foi construído mais um bloco e reformado outro (reservado à brinquedoteca), destinados ao funcionamento de cinco laboratórios (Matemática, Física, Química, Biologia e Informática Básica), aguardando serem equipados para sua utilização a partir de 2013. Possui um amplo pátio arborizado, cujo ambiente favorece o desenvolvimento de inúmeras atividades extraclasses, além de uma praça externa, que dá acesso ao interior, inclusive, com a acessibilidade garantida na parte térrea. Atualmente, dispõe das seguintes dependências, utilizadas no seu funcionamento administrativo e pedagógico: diretoria – 01; secretaria - 01; sala de professores – 01; sala de coordenador pedagógico – 02; sala de recursos humanos – 01; sala de recursos/DA – 01; sala de recursos multifuncional – 01; sala de brinquedoteca – 01; biblioteca - 01 laboratório de tecnologias – 01; laboratório de matemática – 01; laboratório de física – 01; laboratório de biologia – 01; laboratório de química – 01; sala de tecnologias educacionais – 01; sala de vídeo - 01 anfiteatro – 01; salas de aula – 19; hall de entrada – 01; áreas de circulação – 04; quadra de esporte coberta – 01; vestiário – 02; sanitários para professores e funcionários – 06; sanitários para estudantes – 18; sanitários para estudantes com necessidades especiais – 04; cozinha – 01; despensa – 01; depósitos – 03; arquivos (escola e escolas extintas) – 04; refeitório – 01; almoxarifado – 01; piscina – 01 ( revestimento com vazamento, sem condições de uso); amplo pátio.
  • 6. 6.4 - Corpo docente / pedagógico / técnico / administrativo Corpo Técnico-Pedagógico e Administrativo Diretora Matilde de Oliveira Diretora Adjunta Cristiane Niz Barcelos Coordenadores Pedagógicos Lindinaldo João da Costa Maria Aparecida Barbosa Maria Goretti de Souza Gama Coordenadora de Área de Língua Portuguesa Ramona Valdez Santos Coordenadora de Área de Matemática Daniela Berti Teixeira Coordenadora do Curso Normal Médio Janaína Nogueira Maia Carvalho Gerenciador de Tecnologias Educacionais e Recursos Midiáticos João Pereira de Oliveira Secretária de Escola Maria José Escobar Santos Gestora de Atividades Educacionais Maria Madalena Alves da Cunha Assistentes de Atividades Educacionais Arthur Padilha Djanira de Fátima Andrade Goes Giselle Paiva Lopes Farias Maria Lúcia Bossay Batista Corrêa Rosângela Nepomuceno Amorim Rosimeire da Silva Tomicha Suziane Kátia Catto Agentes de Atividades Educacionais Soraia da Conceição Silva Selviria Cristina Oliveira Souza Agentes de Limpeza/Auxiliares Cecília Pereira do Nacimento Romero Cristiane Aparecida Quevedo Carneiro Diva Aparecida Avalhaes de Góis Serra Elenice Dervalho de Arruda Hermínia Belmonte Barbosa Juscelino Corrêa Lipu Keila da Silva Gonçalves Luzia Mendes Dittmar Margarida de Souza Ramos Maria José Inverso Elias Sandro Aparecido Pedroso Técnico em Biblioteca Cibele Avalhaes Ramires Agentes de Merenda Elza Pereira Constantino Fialho Elienay de Souza Arruda Oliveira Neiva da Silva Oliveira Fogaça
  • 7. Marcelo Mianutti Gonçalves Inspeção de Alunos Calebe Pinheiro Ávila Assistente / Agente / Auxiliar Agente de Recepção e Portaria Eva Leite de Arruda Francisco Costa Izabel Inajossa Dulce Marli Sparrenberger CORPO DOCENTE Nº NOME DO PROFESSOR HABILITAÇÃO AREA DE ATUAÇÃO SITUAÇÃO FUNCIONAL (efetivo/convocado) 01 Adevilson Godoy Licenc. Educação Fisica Ens. Fund. e Médio Efetivo 02 Adriana Azevedo Gomes Santos Licenc. Plena Pedagogia Ens. Fund.Reg. Convocada 03 Alessandro Peixoto Ferreira Licenc. Educação Fisica Ens. Fund.Reg. Convocado 04 Almerinda de Fátima Carpinedo Licenc. Letras Ens. Fund. Reg. Efetiva 05 Ana Célia Benevides de Oliveira Pedagogia Intérprete Convocada 06 Ana Lúcia de Carvalho Licenc. História Ens. Médio Reg. Convocada 07 Angela Maria de Assis Martins Magistério Ens. Fund.Reg. Efetiva 08 Arilda Castro dos Santos Licenc. Geografia Ens. Médio Regular e EJA Efetiva 09 Aurea Eliza Carpinedo de Oliveira Licenc. Letras EJA Ens. Fund. Convocada 10 Bernadete Lúcia Fernandes Castilho Licenc. Curta Ciências/Hab.Biologia EJA Ens. Fund. Efetiva 11 Carla Caroline Cavallari Licenc.Plena Química Ens. Médio Regular e EJA Convocada 12 CarmenVelasco Mazacote Zenteno Biologia/Licenciatura Plena Ens. Fund. Regular Efetiva
  • 8. 13 Claudia Areco Muniz Ferreira Licenc. Letras Ens. Fund. Reg. Convocada 14 Cleusa Maria Carvalho Licenc. Geografia Ens. Fund. Reg. Convocada 15 Conceição Aparecida de Araújo Benites Estudos Sociais/Curta/História/ Pós Graduação Ens. Fund. Reg. Efetiva 16 Dannyara Ribeiro Moraes Licenc. Matematica Ens. Médio Reg. Convocada 17 Deoclecilene Aparecida Sodre Cardoso Licenc. Ciencias Biológicas Ens. Fund. e Médio Reg. Convocada 18 Elcia Carpinedo Licenc.Plena -Port/Literatura Ens. Fund.e Médio Reg. EJA Ens. Fund. Convocada 19 Elenil Maria Ferreira de Souza Licenc.Plena Pedagogia Ens. Fund.Reg. Convocada 20 Elieser Molina Braz Licenciado em Ciências Curta/Matemática Ens. Médio Regular/EJA Ens. Médio Efetivo 21 Elizabete Aparecida de Lima Licenc.Plena Pedagogia Ens. Fund.Reg. Convocada 22 Enilva Maciel Ribeiro Licenc. Plena Letras/Licenciatura Português/Inglês Ens. Fund. Efetiva 23 Evileide Areco Torres Siqueira Pedagogia Brinquedoteca Convocada 24 Félix Maciel dos Santos Ciências/ Biologia Curso Normal Médio Convocado 25 Fernando Brunet de Freitas Licenc.Plena Matematica Ensino Médio Regular e EJA Convocado 26 Franci Ellen Dias dos Santos Albrea Licenc.Plena Pedagogia Ens. Fund.Reg. Convocada 27 Gleide Godoy Veloso Gomes Licenc. Curta Ciências/Licenc. Plena Biologia/Pós Graduação Ens. Fund., Regular e EJA Efetiva 28 Gustavo Gauto Licenc. Plena História EJA Ens. Fund. Efetivo 29 Helen Cristina Arguelho da Silva Ciências Biológicas/ Licenc. Plena Ens. Fund. e Médio Reg. Efetiva 30 Inês Eustáquio Pedagogia Professor Itinerante Convocada 31 Isa Aparecida dos Reis Dias Licenc. Plena Geografia Ens. Fund. Reg Efetiva
  • 9. 32 Izabel Cristina Bazana Barbosa Licenc.Plena História Ens. Fund. Regular, Ens. Médio, Reg. e EJA Convocada 33 Janice Dagher Arce Pinkernelle Licenc. Plena Letras/Licenciatura/ Português/Inglês Ens. Fund., Reg. E EJA Efetiva 34 Joana da Silva C Rodrigues Licenc. Geografia Ens. Médio Reg. e EJA Convocada 35 João Fernando dos Reis Franco Licenc. Geografia EJA, Ens. Fund e Médio Convocado 36 José Américo Fiori Grance Licenc. Plena Biologia/Pós Graduação Ens. Médio, Reg. e EJA Efetivo 37 Lauriana Barcelos de Lara Licenc. Letras Ens. Fund. Reg. Convocada 38 Leidiane Velasques Pedagogia Curso Normal Médio Convocada 39 Líria do Carmo Góes Ferreira Pedagogia Sala de Recursos Convocada 40 Lucimara dos Santos Ferreira Pedagogia Professora Itinerante Convocada 41 Luzia Maria Wetter Pinto LP Matemática Ens. Médio Reg. Efetiva 42 Mara Souza Marquez Licenc. Plena Educação Artística Ens. Fund. Reg. e EJA Ens. Fund., Reg. e EJA Efetiva 43 Marcelo da Silva Duarte Licenc. História Ens. Fund.Reg. Efetivo 44 Marcelo Rodolfo dos Santos Licenc. Plena Ciências Ens. Fund.Reg. e Ens. Médio, Reg. e EJA Efetivo 45 Maria Alzira Gomes Pinheiro Licenc. Plena Letras - Port/Lit/Pós Graduação Ens. Médio Reg. e EJA Efetiva 46 Maria Inês Garajo de Moura Licenc. Letras EJA Ens. Médio Efetiva 47 Maria Inez Bertolini Liparotti LP História/Pós Graduação Ens. Fund.Reg. Efetiva Maria José Carpinedo Licenc. Letras Intérprete Convocada 48 Maria Macilene de Lima Carvalho Licenc. Plena Pedagogia Ens. Fund. Reg. Convocada 49 Marlei Balbuena História Professora Itinerante Convocada 50 Marileide Saravi Nunes Araújo Zootecnia Intérprete Convocada 51 Mariza Oliveira da Silva Alves Geografia/Licenciatura Plena Ens. Médio Reg. Efetiva
  • 10. 52 Micilene Teodoro Ventura Pedagogia Curso Normal Médio Convocada 53 Nair Maria de Souza Licenc. Matemática Ens. Fund., Reg. e EJA Convocada 54 Nanci de Santis Guimarães Garcia Licenc. Geografia Ens. Fund.Reg. e EJA Efetiva 55 Nereida Pereira Oliveira Pedagogia Curso Normal Médio Convocada 56 Nilda Fátima Moraes de Oliveira Silva História Licenciatura Plena/ Pós Graduação Ens. Médio Reg. E EJA Efetiva 57 Olanda de Jesus Couto Geografia Sala de Recursos Convocada 585 Norma de Figueiredo Gentil Licenc. Plena Biologia/Pós Graduação Ens. Fund., Reg. e EJA Efetiva 59 Ramão Medina Vieira Letras Plena/Hábil.Em Português/Literatura Ens.. Médio, Reg. e EJA Efetivo 60 Ramona Eliza Gaeta Xavier Licenc.Plena Letras-Port/Lit Ens. Fund. e Ens. Médio Reg. Convocada 61 Roseli Barbosa Ramos Licenc. Plena Letras/Português/Literatura/ Pedagogia/Pós Graduação Ens. Fund. Reg. Efetiva 62 Rosely Elias de Souza Vera Licenc. Plena Geografia Ens.Fund. Reg. Efetiva 63 Sergio Luiz Hohmann Licenciado em Filosofia EJA Ens. Médio Efetivo 64 Silvia Amorim Ramos Letras/Licenciatura/ Português/Inglês Ens. Fund., Reg. e EJA Ens. Fund. Efetiva 65 Silvia Kelly Velasques Matemática Curso Normal Médio Convocada 66 Sonia Alessandra Vicentini Barata Licenc. Plena Pedagogia Ens.Fund. Reg. Convocada 67 Sonia Regina dos Santos Fachin Licenc. Plena Educação Física/Pós Graduação Ens. Fund. Reg. Efetiva 68 Sueli Alves Vicente Licenc. Plena Pedagogia Ens.Fund. Reg. Convocada 69 Tania Regina Pires de Oliveira Licenc..Letras Ens. Médio Reg. Convocada 70 Terezinha Graça Franco Fernandes Pedagogia Plena/Pós Graduação Ens. Fund. Reg. Efetiva 71 Thaila Maria Coelho Genova Licenc. Pedagogia Ens.Fund. Reg. Convocada 72 Valdeli Nogueira Mendes Arte Música/Coral Convocada 73 Vania Lucia Morais da Silva Licenc. Letras EJA Ens.Fund. Convocada
  • 11. 74 Walquiria do Nascimento Ovando Licenc. Letras EJA Ens.Fund. Convocada 75 Walmor Siqueira Torres Licenc. Plena Pedagogia Ens.Fund. Reg. Convocado 76 Weliton de Oliveira Pisano Licenc. Educação Fisica Ens. Fund.e Médio, Reg. e EJA Convocado 77 Wilson Dales Galando Mendes História/Licenciatura Plena EJA Ens. Fund. Efetivo 78 Zenilda Moreira Lopes Licenc. PlenaLetras- Português/Literatura/ Pós Graduação Ens. Médio Reg. Efetivo Apoio Técnico: Chefias e técnicos da SED/MS; Chefia e técnicos do NTE-Aquidauana; Supervisor de Gestão: Nélio Lima dos Santos; Técnicas da NUESP: Nívea Mara Quelho Rossi e Sara Rúbia da Silva Balbuena 6.5 - Recursos materiais e tecnológicos disponíveis e sua adequação, móveis, equipamentos e material didático. Recursos didáticos-pedagógicos: Espaço físico – além da estrutura física construída, a mesma possui um amplo pátio externo; Quadra de esporte coberta – para o desenvolvimento de atividades esportivas e apresentações culturais, envolvendo grande público; Auditório “Júlia Teixeira Pinheiro” - espaço físico comportando 180 lugares para o desenvolvimento de atividades variadas, equipado com ventiladores, ar condicionado, aparelhagem de som, computador(Notebook), data-show, tela de projeção retrátil, cortinas e cadeiras; Biblioteca “Professora Neuza Batista de Assis”- possui um bom acervo bibliográfico, principalmente com livros de literatura infanto-juvenil e para adultos, além de paradidáticos e alguns clássicos da literatura universal. Periodicamente recebe livros do Programa Nacional de Biblioteca Escolar; Laboratórios de Matemática, Física, Química, Biologia e Informática Básica – espaço físico construído em 2012 aguardando ser equipado; Salas de aula – possui quadro branco, jogos escolares, mesa para o professor, ventiladores e ar condicionado; Videoteca - possui um bom acervo de fitas de VHS e DVDs que poderão subsidiar todas as disciplinas e/ou componentes curriculares do ensino fundamental e médio; Programa Nacional do Livro Didático - possui um quantitativo de livros recebidos do MEC-FNDE, substituídos a cada 3 (três) anos, para atender a demanda do ensino fundamental e médio; Programa Além das Palavras: adota livros do Instituto IAB (Instituto Alfa e Beto) – e materiais didático- pedagógicos destinados aos alunos do 1º ao 5º anos na disciplina de Língua Portuguesa; Programa Além das Palavras; adota livros da Editora Positivo (Matemática com Alegria)- destinados aos alunos do 1º ao 5º anos na disciplina de Matemática; Globo terrestre e mapas – possui mapas físico e político – Brasil e Mundo; Jogos didáticos – possui várias unidades de jogos lúdicos como damas, xadrez, dominó, torre de hanoi, ábaco, blocos lógicos, discos de frações, trilhas, encaixes, tabuada, loto gramatical e muitos outros; Materiais de consumo - papel sulfite, xérox, papel de cores variadas, TNT, EVA, tinta guache (cores variadas) cola, durex, pincel, etc.; Esporte – colchonetes, cones, fitas, bambolês, bolas, redes, skates, jogos, etc. Recursos tecnológicos:
  • 12. Sala de Vídeo – possui os seguintes equipamentos: TV LCD de 37”, datashow, vídeo cassete, DVD, etc.; Sala de Tecnologias Educacionais – possui os seguintes equipamentos: computadores, scanner, impressora, data- show, multimídia, máquinas fotográficas digitais, filmadora, telões, equipamentos de som, retroprojetores, caixas de som, etc.; Auditório “Júlia Teixeira Pinheiro” – possui os seguintes equipamentos: mesa de som, amplificador, caixas de som, caixa de som com amplificador, computador(Notebook), data-show, tela de projeção retrátil, microfones com e sem fio, teclado, etc.; Sala de Recursos/DA – possui os seguintes equipamentos: computadores, scanner, etc. Aguardando autorização para se tornar multifuncional; Sala Multifuncional – possui os seguintes equipamentos: computadores, impressora, aparelho de som, scanner, TV, etc; Sala da Brinquedoteca – possui TV, DVD, etc. Sala dos Professores – TV, computador e impressora/multifuncional; Outras Dependências – computadores, impressoras, TV, telefones, etc. 6.6 - Existência de sala de recursos multifuncional. Multifuncionais: O serviço de natureza pedagógica é realizado por profissionais especializados, tendo como função suplementar ou complementar a escolarização do estudante com deficiências, altas habilidades/superdotação e transtornos globais do desenvolvimento, eliminando barreiras que impeçam sua plena participação com autonomia e independência, no ambiente educacional e social, com equipamentos, recursos de acessibilidade, materiais pedagógicos e estratégias para o desenvolvimento de sua aprendizagem. Atende estudantes da própria escola e de outras, nas quais ainda não há esse tipo de atendimento. Pode ser realizado individualmente ou em pequenos grupos, no turno inverso da escolarização, de acordo com as orientações emanadas da SED/MS. Os estudantes encaminhados são avaliados pelas técnicas do Núcleo de Educação Especial e após um parecer passam a frequentar a Sala Multifuncional. Deficientes Auditivos/DA: Em funcionamento para atender os estudantes portadores de deficiência auditiva, porém aguardando autorização da SED/MS para torná-la multifuncional. Brinquedoteca: O Atendimento da Educação Especial desenvolvido na brinquedoteca é um espaço de descobertas, onde o brinquedo, os jogos e as brincadeiras são recursos lúdicos que favorecem o processo de ensino e aprendizagem e o desenvolvimento infantil, buscando a evolução do saber no aprimoramento de suas habilidades cognitivas, afetivas e psicomotoras. Atende estudantes da própria escola ou outras, nas quais ainda não há esse tipo de atendimento. É realizado em pequenos grupos, no turno inverso da escolarização, conforme orientações vigentes. A clientela é formada por estudantes regularmente matriculados na rede Estadual de Ensino, com deficiência física, intelectual, auditiva e visual, além dos transtornos globais do desenvolvimento, altas habilidades/superdotação, TDAH, síndromes e quando houver disponibilidade de horário, poderá atender também alunos com dificuldades acentuadas de aprendizagem. 7 - Organização da escola 7.1 - Gestão escolar
  • 13. A gestão escolar é o processo que rege o funcionamento desta Unidade de Ensino, compreendendo a tomada de decisão conjunta no planejamento, na execução, no acompanhamento e na avaliação das questões administrativas, pedagógicas e financeiras, baseando-se neste Projeto Político Pedagógico, no Regimento Escolar, Plano de Desenvolvimento da Escola – PDE/Escola e Planos de Ação do SAEMS, articulados entre si e em consonância com as diretrizes emanadas da entidade mantenedora e demais órgãos competentes. A gestão escolar desta Instituição de Ensino abrange direção, colegiado escolar, gerenciamento de recursos materiais e financeiros, gerenciamento dos recursos tecnológicos e midiáticos, funcionamento da biblioteca e, em breve, de laboratórios pedagógicos, funcionamento da secretaria escolar, operacionalização dos sistemas implantados pela SED/MS - Sistema de Gestão Pedagógica/ Projeto Político Pedagógico e Planejamento online e offline, SGDE(Sistema Gestão de Dados Escolares), SGI(Superintendência de Gestão da Informação), GSI(Gestão de Segurança Integrada), etc, operacionalização do currículo escolar, desenvolvimento de diversos planos de ação, utilização dos livros didáticos, atendimento de demanda, entre outras situações. Diante dos grandes desafios enfrentados diariamente no sentido de oferecer um ensino de qualidade e garantir uma formação cidadã, focada na diminuição da evasão escolar e elevação da taxa de aprovação do ensino fundamental e médio, nas suas respectivas modalidades, faz-se necessário observar os seguintes princípios norteadores: compartilhamento de autoridade; delegação de poder; responsabilidades assumidas em conjunto; desenvolvimento do trabalho em equipe; articulação dos interesses coletivos de forma a melhorar a qualidade do ensino e do clima organizacional; estabelecimento de procedimentos institucionais adequados à igualdade de participação de todos os segmentos da comunidade escolar, desenvolvendo um processo de comunicação e de informação constante, aberto e eficiente. 7.2 - Organização do tempo e espaço Organização do tempo: A organização do tempo dar-se-á através de calendários e horários escolares específicos para cada modalidade de ensino oferecida, em consonância com a legislação vigente e demais orientações emanadas da Secretaria de Estado de Educação/MS, além de planos de ação e cronogramas de trabalho para o desenvolvimento de atividades diversas, ao longo do ano escolar, envolvendo a comunidade escolar. Organização do espaço: A organização do espaço desta Escola dar-se-á em função da operacionalização da proposta pedagógica do ensino fundamental e médio e respectivas modalidades, em funcionamento nos períodos matutino, vespertino e noturno, cuja distribuição de turmas por turno, ocorre conforme as matrículas dos estudantes, realizadas anualmente. 8 - Relações entre a escola e a comunidade Esta Instituição de Ensino, representada pela Direção Colegiada e Associação de Pais e Mestres, tenta assegurar uma gestão democrática participativa, comprometida, sempre procurando envolver todos os segmentos da sua comunidade em ações que fortaleçam o vínculo da escola x comunidade, através do desenvolvimento de atividades educacionais, culturais e esportivas, participação em eventos promovidos por diferentes instituições públicas e religiosas, parcerias com o DETRAN/MS, UFMS - PIBID do curso de Biologia, com Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – Campus de Aquidauana, no sentido de ministrarem cursos que muito poderão contribuir para formação de nossos estudantes, além dos contatos formais e informais com todas as pessoas, instituições públicas, filantrópicas e privadas que a procuram.
  • 14. Diante da relevância desta Escola dentro do contexto social, educacional, religioso, esportista em âmbito municipal, regional e estadual, assim como pela sua ampla estrutura física, muitas instituições sempre solicitam a cedência de parte das suas instalações físicas e equipamentos para sediar eventos, concursos que contribuem para formação integral da comunidade escolar e da sociedade como um todo. 9 - Concepções teóricas Educação A educação no século XXI está a serviço do desenvolvimento humano, que tem por finalidade oferecer uma formação integral aos estudantes, através do desenvolvimento de suas potencialidades, dotando-os de competências e habilidades necessárias para conviver diante de um processo acelerado de mudanças decorrentes da globalização e dos avanços científicos e tecnológicos. Em consulta aos fundamentos da educação abaixo transcritos, observa-se o que se segue para o desenvolvimento do processo educativo no interior de cada Escola: A Lei nº 9394 de 20/12/1996, que trata das diretrizes e bases da educação nacional, estabelece no seu Art. 1º “A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais”. A Deliberação CEE/MS nº 9191 de 26/11/2009, publicada no Diário Oficial de 25/03/2010, estabelece no seu art. 2º “A educação básica tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, assegurando-lhe a formação indispensável para o exercício da cidadania, os meios para atuação participativa na sociedade, a inserção no mundo do trabalho e a autorrealização”. O Referencial Curricular da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul, publicado em 2012, delimita: “A educação escolar, comprometida com os instrumentos de socialização de seus estudantes, atende a alguns pressupostos de qualidade social em seu oferecimento, pautados no desenvolvimento de competências para a vida em sociedade, no atendimento à diversidade e à igualdade de direito na participação e acesso aos bens culturais”. A RESOLUÇÃO/SED n.2.162, de 24 de março de 2008, publicada no Diário Oficial de 25/03/2008, n.7.179, “dispõe sobre a implementação do Projeto Além das Palavras componentes curriculares/disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática nas unidades escolares da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul, abrangendo os anos iniciais do Ensino Fundamental, compreendendo do 3º ao 5º ano”. A RESOLUÇÃO/SED n.2.230, de 20 de fevereiro de 2009, publicada no Diário Oficial de 25/02/2009, n.7.407, “dispõe sobre o Projeto Além das Palavras para os componentes curriculares/disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática nas unidades escolares da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul, abrangendo os anos iniciais do Ensino Fundamental, compreendendo do 1º e 2º ano/alfabetização e 3º ao 5º ano”. A RESOLUÇÃO/SED n.2.528, de 20 de janeiro de 2012, publicada no Diário Oficial de 24/01/2012, n.8.117, “dispõe sobre a implementação do Projeto de Coordenação de Área para os componentes curriculares/disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática nas unidades escolares da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul, abrangendo a Educação Básica”. Escola A escola é a instituição de ensino onde o desenvolvimento do processo educativo deve estar centrado na formação integral do estudante, fundamentada na concepção de educação em evidência, na legislação, nas políticas e diretrizes educacionais vigentes, emanadas dos órgãos competentes, cujas ações se concretizam mediante a execução do seu Projeto Político Pedagógico. Currículo O currículo é o instrumento que conduz o desenvolvimento humano e a formação escolar integral do estudante, apoiado nos quatro pilares propostos pela Unesco (aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a ser),
  • 15. cuja prática pedagógica deve ser estruturada para o desenvolvimento de competências básicas relacionadas a essas dimensões e às áreas de conhecimento fixadas pela legislação vigente. Segundo o Art. 26 da LDB, “Os currículos do ensino fundamental e médio devem ter uma base nacional comum a ser contemplada, em cada sistema de ensino e estabelecimento escolar, por uma parte diversificada, exigida pelas características regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e da clientela”. Por outro lado, o Art. 13 da Resolução CNE/CEB nº4/2010, com seus respectivos parágrafos e incisos, estabelece formas para a organização curricular que deverão ser observadas por todas as instituições de ensino que oferecem a Educação Básica. A Secretaria de Estado de Educação, através do Referencial Curricular da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul (2012), “propõe um currículo em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica (Resolução CNE/CEB nº 4, de 13/07/2010), que contempla todos os aspectos essenciais para a formação dos estudantes”. Com relação às modalidades de ensino, é proposto um currículo diferenciado, organizado sob a forma de projeto, elaborado e aprovado pela SED/MS e operacionalizado pelas escolas credenciadas da rede estadual de ensino. A Matriz Curricular a ser operacionalizada referente a cada curso oferecido por esta Escola é fixada pela SED/MS através de Resolução, estendida para toda Rede Estadual de Ensino. O Programa Além das Palavras e o Projeto de Coordenação de Área para os componentes curriculares/disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática nas unidades escolares da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul, foram implementados nesta unidade escolar conforme Resoluções/SED n.2.162, de 24 /03/2008, n. 2.230, de 20/02/2009 e n.2.528, de 20/01/2012, com seus respectivos parágrafos e incisos que estabelecem abrangência, estrutura operacional e atribuições, a serem observados por todas as instituições de ensino que ofereçam a Educação Básica. Quanto à operacionalização do currículo de cursos técnicos de nível médio, serão observadas as especificidades contidas no Projeto do Curso e fundamentado na legislação vigente e nas orientações emanadas da SED/MS. Esta Escola, tendo como referência os fundamentos acima mencionados, também levará em conta para operacionalização do seu currículo escolar, os estudos dos fundamentos teórico-metodológicos, a diversidade sociocultural da população escolar, as desigualdades sociais, os interesses e necessidades apresentados pelos estudantes no desenvolvimento de metodologias e estratégias variadas que melhor respondam às diferenças de aprendizagem entre os alunos e às suas demandas. Ensino e Aprendizagem A comparação entre a prática pedagógica desenvolvida por esta Unidade Escolar e o quadro de tendências pedagógicas constituído pelas pedagogias liberal e progressista com suas respectivas subdivisões, em consonância com o que estabelece a Resolução CNE/CEB nº 4, de 13/07/2010, evidencia que não se adota uma pedagogia específica, porém a Escola tenta assimilar os seguintes princípios mencionados no Referencial Curricular da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul (2012), sendo os mesmos fundamentados no § 3º do art. 13 da Resolução CNE/CEB nº 4/2010, assim transcritos: a) considerar diferentes concepções e organizações de tempos e espaços físicos e curriculares; b) ampliar e diversificar o currículo por meio de responsabilidade compartilhada com outros segmentos da sociedade; c) adotar uma abordagem didático-pedagógica interdisciplinar e transversal, que busque superar a fragmentação das áreas, visando ao caráter integrador dos conteúdos, o que torna a aquisição do conhecimento mais significativa; d) articular o desenvolvimento do conjunto de atividades educativas com os diferentes campos do conhecimento; e) obter gestão centrada na abordagem interdisciplinar (tempo do trabalho docente e espaço de desenvolvimento das atividades); f) concretizar o trabalho pedagógico por temas e eixos temáticos; g) utilizar recursos tecnológicos de informação e comunicação no cotidiano escolar; h) construir redes de aprendizagem. (Referencial Curricular da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul, 2012, p.12). Esta Escola tenta desenvolver o seu trabalho pedagógico em equipe, compromissada com a aprendizagem dos estudantes e os resultados a serem alcançados, cujo planejamento de aula, postado mensalmente em sistema disponibilizado pela SED/MS, deve: observar competências/habilidades e conteúdos fixados pela entidade mantenedora; adotar uma metodologia de ensino com atividades diversificadas, recursos variados; abordar os conteúdos de forma contextualizada; e
  • 16. apoiar-se na interdisciplinaridade e transversalidade, no sentido de assegurar uma aprendizagem relevante e socialmente significativa, em que se cultivem o diálogo e a relação de parceria com as famílias. Avaliação da Aprendizagem A avaliação da aprendizagem (nos termos do Art. 47, em seu §2º, da Resolução do CNE/CEB nº 4, de 13/07/2010),baseia-se na concepção de educação que norteia a relação professor-estudante-conhecimento-vida em movimento, devendo ser um ato reflexivo de reconstrução da prática pedagógica avaliativa, premissa básica e fundamental para se questionar o educar, transformando a mudança em ato, acima de tudo, político. Em nível operacional, a avaliação da aprendizagem tem como referência o conjunto de conhecimentos, habilidades, atitudes, valores, emoções que são os sujeitos do processo educativo, projetam para si de modo integrado e articulado com aqueles princípios definidos para a Educação Básica, redimensionados para cada uma de suas etapas, bem como assim no projeto político-pedagógico da escola (Resolução CNE/CEB nº 4, 2010). A avaliação da aprendizagem, conforme mencionado no Referencial Curricular da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul, deve compreender como um dos itens do processo de ensinar e aprender, não se resumindo apenas na realização de provas e testes, na atribuição de notas ou conceitos e, sim, como uma atividade orientadora para o futuro. Esta Escola adotará a avaliação da aprendizagem dos estudantes de forma processual, formativa e somativa, além de ser contínua, cumulativa e diagnóstica, cujo resultado deverá expressar o rendimento bimestral, anual e final. 10 - Critérios e formas de avaliação de aprendizagem A avaliação dos processos de ensino e aprendizagem dar-se-á através das seguintes modalidades: avaliação diagnóstica - realizada, geralmente, no início de cada etapa e/ou na introdução de novos temas, objetiva identificar os conhecimentos prévios que os estudantes já possuem numa determinada etapa de ensino (pré-requisitos), mediante a utilização de pré-testes, questões abertas, entrevistas, entre outras situações; avaliação formativa – realizada no decorrer de todo o bimestre letivo – avaliação contínua – objetiva fornecer informações sistemáticas sobre o processo de aprendizagem do estudante, em termos de conteúdos de natureza conceitual, procedimental e atitudinal, orientando o professor no desenvolvimento do seu trabalho docente, através da utilização de fichas e/ou registros de acompanhamento, relatórios, portfolios, contrato de trabalho/desempenho, caderno de registro dos estudantes, apresentação de trabalhos, avaliações escritas e orais, entre outros instrumentos, com vistas as intervenções, sempre que houver necessidade; avaliação somativa - realizada ao final de cada bimestre letivo, objetiva identificar o conhecimento construído e/ou assimilado pelos estudantes, em termos de conteúdos de natureza conceitual, procedimental e atitudinal, demonstrado através da aquisição de competências e habilidades, tendo como foco os descritores estabelecidos, cuja atribuição de pontos ou notas dar-se-á mediante aplicação de diferentes instrumentos de avaliação, definidos pelo professor de cada componente curricular ou disciplina, através do seu plano de aula. O resultado da avaliação somativa dar-se-á através da aplicação obrigatória, dos seguintes instrumentos avaliativos, cuja pontuação em cada um, variará de zero a dez: produção em sala (participação efetiva nas aulas expositivas, trabalho em grupo/ equipe, debates, leitura e interpretação de textos variados, participação em oficinas, resolução de exercícios, etc.; realização de outras atividades propostas, incluindo as tarefas; frequência e pontualidade; uso adequado e constante do livro didático; organização dos cadernos de registro; a interação entre os estudantes, etc.), realização de trabalho (pesquisa; seminários; projetos; releitura de obras; apresentações teatrais, de danças, de musicais, etc.; produção de textos variados, vídeos, slides, etc.; realização de experimentos; relatório individual ou em grupo; montagem de maquetes, murais, etc.; e prova bimestral com questões objetivas e/ou subjetivas, contextualizadas, abrangendo as competências/habilidades e os conteúdos trabalhados no decorrer do bimestre. A referida prova bimestral deverá ser submetida à apreciação do coordenador pedagógico e/ou coordenador de área, no período previsto em Calendário Escolar. Em caso opcional, poderá ser aplicada prova mensal, cuja nota pode ou não substituir a nota mais baixa atribuída na produção em sala ou realização de trabalho, observando critérios estabelecidos pelo professor.
  • 17. No decorrer de cada bimestre deverão ser aplicadas, no mínimo, três avaliações e a nota bimestral será resultante de média aritmética. No caso de estudante proveniente de outra instituição de ensino, no decorrer do bimestre, serão consideradas as notas parciais apresentadas e/ou realizado estudo de caso para fechamento da nota bimestral. Outras situações atípicas/ adversas poderão ser analisadas/ resolvidas através do estudo de caso. A prova de exame final deverá ser elaboradas com questões objetivas e contextualizadas com base nas competências/habilidades e nos conteúdos mínimos indispensáveis à continuidade de estudos do estudante, os quais deverão ser divulgados pelos professores em sala de aula e no mural da Escola, na última quinzena do quarto bimestre e que deverão estar contempladas no planejamento do exame final. Nas situações limítrofes, quando o estudante não obtiver a sua aprovação após o exame final, em um ou dois componentes curriculares ou disciplinas, o mesmo será submetido ao Conselho de Classe, porém observando os seguintes critérios: nota final a partir de quatro vírgula cinco, anotações contidas na ficha de acompanhamento, não frequência às aulas decorrente da falta de transporte escolar, situações de saúde e/ou regime domiciliar, atendimento itinerante e outras situações que poderão ser ou não analisadas/consideradas. A recuperação da aprendizagem dar-se-á ao longo de cada bimestre, pelo professor titular e/ ou através de acadêmicos ou voluntários mediante: aulas de reforço no contraturno, tarefas para casa, retomada de conteúdo com resolução de exercícios, monitorias, grupo de estudo, etc. O resultado avaliativo da recuperação da aprendizagem dar-se-á em função da aquisição/ domínio das competências/habilidades e dos conteúdos foco da recuperação. 11 - Acompanhamento do processo de ensino e aprendizagem O acompanhamento do processo ensino e aprendizagem dar-se-á mediante a análise e aprovação dos planos de aula pelos coordenadores pedagógicos, inseridos no Sistema de Gestão Pedagógica – Planejamentos online e offline, o seu desenvolvimento em sala de aula através de visitas, observação de cadernos dos estudantes, análise de avaliações a serem aplicadas, registros nos diários de classe, contatos com os professores e os estudantes em diferentes momentos/situações, tabulação de testes aplicados, resultados bimestrais do rendimento contidos em relatório e boletim escolar. Os resultados das avaliações institucionais externas também são consideradas para o acompanhamento do processo ensino e aprendizagem, além de direcionar o redimensionamento, as intervenções pedagógicas necessárias para melhoria do trabalho didático-pedagógico. O Conselho de Classe será uma das ferramentas utilizadas para o acompanhamento e avaliação bimestral do desenvolvimento do processo ensino e aprendizagem, cujas reuniões ordinárias estarão previstas no Calendário Escolar e realizadas observando o Regimento da Escola. 11.1 INTEGRAÇÃO DAS TICs NO COTIDIANO ESCOLAR 11.1.1. JUSTIFICATIVA: A Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro, sediada na cidade de Aquidauana – MS, funcionando nos períodos matutino, vespertino e noturno, atendendo uma demanda de 1.600 estudantes, distribuídos nos diferentes níveis e modalidades (Ensino Fundamental e Médio – Regular e Educação de Jovens e Adultos, Cursos Técnicos – Normal Médio e Transações Imobiliárias, Educação Especial – Salas de Recursos Multifuncionais e Brinquedoteca e Curso Estadual Preparatório para o Ingresso na Educação Superior/CIES). O presente projeto faz-se necessário para atender o disposto no Projeto Político Pedagógico, além de Programas e Projetos instituídos pela Secretaria de Estado de Educação/MS, em funcionamento nesta Unidade Escolar, estabelecendo como foco principal o investimento e o aprimoramento de ações que possibilitem a melhoria da metodologia de ensino adotada por esta Escola, com vista a elevação do índice de aprovação e diminuição da evasão escolar, diagnosticados pelo PDE-Escola e SAEMS. Dada a sua importância e não se tratando de um projeto pronto e acabado, mas sempre sujeito as alterações /adequações e/ou implementações, à medida que as TICs vão se integrando no fazer pedagógico, tendo como referência os
  • 18. quatro pilares da tecnologia: “aprender a partir da tecnologia, aprender acerca da tecnologia, aprender através da tecnologia e aprender com a tecnologia”, conforme pensamento de Fernando Costa (2004). 11.1.2. OBJETIVOS: 11.1.2.1. GERAL: Desencadear ações pedagógicas, sistematizadas e contínuas, utilizando a integração das TICs no cotidiano escolar, de modo que contribuam para melhoria no desenvolvimento dos processos de ensino e aprendizagem, com vista à elevação dos índices de aprovação e diminuição da evasão escolar, diagnosticados pelo PDE-Escola e SAEMS. 11.1.2.2. ESPECÍFICOS: Viabilizar e/ou realizar formação continuada específica, para equipe pedagógica através do Proinfo Integrado/MEC, NTE-Aquidauana e PROGETEC/Escola sobre a utilização contínua dos recursos tecnológicos e midiáticos no fazer pedagógico; Acompanhar a inclusão dos recursos tecnológicos e midiáticos nos planejamentos de aula dos professores e projetos interdisciplinares e multidisciplinares, visando à implementação da metodologia de ensino e do alcance de melhores resultados em motivação e aprendizagem dos estudantes, na apropriação e/ou construção do conhecimento; Avaliar o desempenho bimestral e anual da equipe pedagógica, professores e estudantes, através do rendimento escolar alcançado, mediante uso constante dos recursos tecnológicos e midiáticos para operacionalização do currículo escolar, além da incorporação dos quatro pilares da tecnologia. 11.1.3. METODOLOGIA: Tendo em vista a diversidade de cursos e modalidades de ensino, em funcionamento nesta Unidade Escolar, será adotada a seguinte metodologia de trabalho para operacionalização deste projeto: Equipe pedagógica x professores: Viabilização e/ou realização de formação continuada específica para capacitação dos professores, através do Proinfo Integrado, NTE-Aquidauana, PROGETEC/oficinas e reuniões pedagógicas/estudos sob a coordenação da Escola, quanto ao uso contínuo dos recursos tecnológicos e midiáticos no desenvolvimento de suas ações docentes; Socialização/divulgação de sites/links informativos, de pesquisa e apoio didático como ferramentas que poderão auxiliar na ação docente, experiências pedagógicas e outras situações que possam contribuir para melhorar o desempenho dos professores em sala de aula; Acompanhamento da utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos através da sua inclusão constante nos planejamentos de aula e projetos interdisciplinares e/ou multidisciplinares; Acompanhamento e avaliação do desempenho dos professores através da mudança de comportamento no fazer pedagógico e resultados avaliativos alcançados. Professores x estudantes/turmas: Utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos como ferramenta para efetivação do processo de aprendizagem; Oferecimento aos professores e estudantes momentos/situações de aprendizagem, considerando os quatro pilares da tecnologia educacional ( aprender a partir da tecnologia, aprender acerca da tecnologia , aprender através da tecnologia e aprender com a tecnologia). 11.1.4. RECURSOS UTILIZADOS: Humanos: Direção, coordenadores pedagógicos, coordenadores de área, coordenadores de cursos técnicos, professor gerenciador dos recursos tecnológicos e midiáticos, professores e estudantes; Espaço físico: salas de aula, sala de vídeo, sala de tecnologias educacionais e anfiteatro;
  • 19. Tecnológicos: computadores, impressoras, datashow, projetor multimídia, scanner, mesa de som, amplificador de som, câmera fotográfica digital, TV, DVD player, CD player, tela de projeção, etc.; Midiáticos: Kits de DVDs da TV Escola e DVDs com conteúdos das diversas disciplinas; Internet Banda Larga: sites educacionais e de pesquisa, redes sociais, etc. Outros recursos utilizados pelos professores e estudantes: notebooks, tablets, celulares, câmeras fotográficas digitais, pendrives, etc. 11.1.5. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO E AVALIAÇÃO: Ações Atividades Período Responsável Equipe Pedagógica x Professores: Formação Continuada Jornada Pedagógica. Fevereiro Equipe Pedagógica Estudos e elaboração de Projeto sobre “O Uso dos Recursos Tecnológicos e Midiáticos no Cotidiano Escolar”. Abril Equipe Pedagógica Capacitação/Oficinas via E-Proinfo/ PROGETEC: 1ª Oficina – Criação de Vídeos; 2ª Oficina – Webquest; 3ª Oficina – Redes Sociais; 4ª Oficina – Objetos de Aprendizagem. Abril a Dezembro 1º bimestre 2º bimestre 3º bimestre 4º bimestre MEC/SED/NTE/ PROGETEC Projeto NTE Itinerante: Reunião Pedagógica; Ações técnicas, administrativas, pedagógicas e formação continuada; Palestras e grupos de estudos. Agosto a novembro NTE – Aquidauana Socialização de Ferramentas e/ou Experiências Pedagógicas Socialização/divulgação de sites/links informativos, de pesquisa e de apoio com ferramentas, além de experiências pedagógicas, entre outras, que poderão auxiliar na ação docente / melhoria do desempenho dentro de sala de aula, através de: informativos nos murais, comunicação nos intervalos e/ou horas- atividades, reuniões e/ou oficinas pedagógicas, e- mail dos professores, Facebook, blog da Escola, etc. Fevereiro a dezembro Equipe Pedagógica Orientação, Acompanhamento e Avaliação do Desempenho dos Orientação, acompanhamento e avaliação da utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos pelos professores, através: Inclusão nos planejamentos de aula e/ou projetos interdisciplinares e/ou multidisciplinares; Fevereiro a dezembro Equipe pedagógica
  • 20. Professores Agendamento constante para utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos nas salas de aula, vídeo, tecnologias educacionais, no anfiteatro da Escola, etc.; Acompanhamento e avaliação do desempenho dos professores em sala de aula pela sua mudança de comportamento, apoiando-se nos quatro pilares da tecnologia (aprender a partir da tecnologia, aprender acerca da tecnologia, aprender através da tecnologia e aprender com a tecnologia) e resultados avaliativos alcançados com suas turmas de estudantes. Fevereiro a dezembro Equipe Pedagógica Professores x Estudantes/Turmas: Tecnologia Educacional Utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos como ferramenta para efetivação do processo de aprendizagem dos estudantes/turmas; Fevereiro a dezembro Professores Utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos para o desenvolvimento dos projetos interdisciplinares e multidisciplinares. Fevereiro a dezembro Professores Aproveitamento dos momentos/situações de aprendizagem pelos professores e estudantes/turmas, favorecidos pelo uso constante da tecnologia educacional apoiando-se nos quatro pilares da tecnologia: aprender a partir da tecnologia, aprender a cerca da tecnologia, aprender através da tecnologia e aprender com a tecnologia. Fevereiro a dezembro Professores 11.1.6. AVALIAÇÃO: A avaliação será feita sob a orientação, acompanhamento e avaliação da utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos pelos professores, através de: inclusão nos planejamentos de aula e/ou projetos interdisciplinares e/ou multidisciplinares; agendamento constante para utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos nas salas de aula, vídeo, tecnologias educacionais e anfiteatro; resultados obtidos pelos alunos nas avaliações institucionais internas e externas. 11.2 - INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM 11.2.1. JUSTIFICATIVA: A Escola Estadual Cel. José Alves Ribeiro, sediada na cidade de Aquidauana – MS, funcionando nos períodos matutino, vespertino e noturno, atendendo uma demanda de 1.600 estudantes, distribuídos nos diferentes níveis e modalidades (Ensino Fundamental e Médio – Regular e Educação de Jovens e Adultos, Cursos Técnicos – Normal Médio e Técnico em
  • 21. Transações Imobiliárias, Educação Especial – Salas de Recursos Multifuncionais e Brinquedoteca, Projeto “Avance Mais” e Curso Estadual Preparatório para o Ingresso na Educação Superior/CIES). O presente projeto faz-se necessário para atender o disposto no Projeto Político Pedagógico, além de Programas e Projetos instituídos pela Secretaria de Estado de Educação/MS, em funcionamento nesta Unidade Escolar, estabelecendo como foco principal o investimento e o aprimoramento de ações que possibilitem a melhoria da metodologia de ensino adotada por esta Escola, com vista a elevação do índice de aprovação e diminuição da evasão escolar, diagnosticados pelo PDE-Escola e SAEMS. Diante do exposto e atendo ao disposto na Comunicação Interna Circular nº 027/2013 de 16/05/2013 da Superintendência de Políticas de Educação/SED/MS elaborou-se o presente projeto de intervenção pedagógica no processo ensino- aprendizagem, o qual não será considerado pronto e acabado, mas que poderá ser alterado/adequado sempre que houver necessidade. 11.2.2. OBJETIVOS: 11.2.2.1. GERAL: Desencadear ações pedagógicas, sistematizadas e contínuas, utilizando a integração das TICs no cotidiano escolar, além de outras práticas docentes que possam contribuir para melhoria no desenvolvimento do processo ensino- aprendizagem, com vista à elevação dos índices de aprovação e diminuição da evasão escolar, diagnosticados pelo PDE-Escola e SAEMS. 11.2.2.2. ESPECÍFICOS: Viabilizar e/ou realizar formação continuada específica, para equipe pedagógica através do Proinfo Integrado/MEC, NTE-Aquidauana e PROGETEC/Escola sobre a utilização contínua dos recursos tecnológicos e midiáticos no fazer pedagógico; Viabilizar e/ou realizar a inclusão dos recursos tecnológicos e midiáticos nos planejamentos de aula dos professores e projetos interdisciplinares e multidisciplinares, além de outras práticas inovadoras, visando à implementação da metodologia de ensino e do alcance de melhores resultados em motivação e aprendizagem dos estudantes, na apropriação e/ou construção do conhecimento; Acompanhar e avaliar o desempenho bimestral e anual da equipe pedagógica, professores e estudantes, através do rendimento escolar alcançado, mediante uso constante dos recursos tecnológicos e midiáticos para operacionalização do currículo escolar, além de outras práticas docentes adotadas no exercício da função. 11.2.3. METODOLOGIA: Tendo em vista a diversidade de cursos e modalidades de ensino, em funcionamento nesta Unidade Escolar, será adotada a seguinte metodologia de trabalho para operacionalização deste projeto: Equipe pedagógica x professores: Viabilização e/ou realização de formação continuada específica para capacitação dos professores, através do Proinfo Integrado, NTE-Aquidauana, PROGETEC/oficinas e reuniões pedagógicas/estudos sob a coordenação da Escola, quanto ao uso contínuo dos recursos tecnológicos e midiáticos no desenvolvimento de suas ações docentes; Socialização/divulgação de sites/links informativos, de pesquisa e apoio didático como ferramentas que poderão auxiliar na ação docente, experiências pedagógicas e outras situações que possam contribuir para melhorar o desempenho dos professores em sala de aula; Acompanhamento da utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos através da sua inclusão constante nos planejamentos de aula e projetos interdisciplinares e/ou multidisciplinares; Acompanhamento e avaliação do desempenho dos professores através da mudança de comportamento no fazer pedagógico e resultados avaliativos alcançados.
  • 22. Professores x estudantes/turmas: Utilização de uma prática de ensino diferenciada, conforme estabelecido no planejamento de aula de cada professor, que possam atender as intervenções pedagógicas necessárias junto aos estudantes do ensino fundamental e médio matriculados nesta Unidade Escolar. Utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos como ferramenta para efetivação do processo de aprendizagem; Oferecimento de momentos/situações de aprendizagem aos estudantes de modo que possibilitem a apropriação do conhecimento. 11.2.4. RECURSOS UTILIZADOS: Humanos: Direção, coordenadores pedagógicos, coordenadores de área, coordenadores de cursos técnicos, professor gerenciador dos recursos tecnológicos e midiáticos, professores e estudantes; Espaço físico: salas de aula, sala de vídeo, sala de tecnologias educacionais e anfiteatro; Tecnológicos: computadores, impressoras, datashow, projetor multimídia, scanner, mesa de som, amplificador de som, câmera fotográfica digital, TV, DVD player, CD player, tela de projeção, etc.; Midiáticos: Kits de DVDs da TV Escola e DVDs com conteúdos das diversas disciplinas; Internet Banda Larga: sites educacionais e de pesquisa, redes sociais, etc. Outros recursos utilizados pelos professores e estudantes: notebooks, tablets, celulares, câmeras fotográficas digitais, pendrives, etc. 11.2.5. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO: Ações Atividades Período Responsável Equipe Pedagógica x Professores: Formação Continuada Formação Continuada estabelecida pela SED/MS, sob a coordenação da equipe técnico-pedagógica da Escola. Fevereiro, abril, maio, agosto e novembro /2013. Equipe técnico- pedagógica da Escola (diretora-adjunta, coordenadores e professor gerenciador das tecnologias educacionais e recursos midiáticos). Reuniões e/ou oficinas pedagógicas, assessoramento pedagógico nas horas-atividades, orientações disponibilizadas no blog e facebook da Escola, email dos professores, etc. Fevereiro a dezembro/2013. Equipe técnico- pedagógica da Escola. Capacitação/Oficinas via E-Proinfo/ PROGETEC: 1ª Oficina – Criação de Vídeos; 2ª Oficina – Webquest; 3ª Oficina – Redes Sociais; 4ª Oficina – Objetos de Aprendizagem. Abril a dezembro/2013: 2º bimestre; 3º bimestre; 4º bimestre. MEC/SED/NTE/ PROGETEC. Projeto NTE Itinerante: Reunião Pedagógica; Ações técnicas, administrativas, pedagógicas e formação continuada; Agosto a novembro/ 2013. NTE – Aquidauana
  • 23. Palestras e grupos de estudos. Socialização de Ferramentas e/ou Experiências Pedagógicas Socialização/divulgação de sites/links informativos, de pesquisa e de apoio com ferramentas, além de experiências pedagógicas, entre outras, que poderão auxiliar na ação docente / melhoria do desempenho dentro de sala de aula, através de: informativos nos murais, comunicação nos intervalos e/ou horas- atividades, reuniões e/ou oficinas pedagógicas, e- mail dos professores, facebook, blog da Escola, etc. Fevereiro a dezembro/2013. Equipe técnico- pedagógica da Escola. Orientação, Acompanhamento e Avaliação do Desempenho dos Professores Orientação, acompanhamento e avaliação da utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos e outras práticas pedagógicas adotadas pelos professores, através: inclusão nos planejamentos de aula e/ou projetos interdisciplinares e/ou multidisciplinares; agendamento constante para utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos nas salas de aula, vídeo, tecnologias educacionais, no anfiteatro da Escola, etc.; aulas práticas, oficinas e outras dinâmicas que vem contribuir para aquisição de competências/habilidades, através dos conteúdos previstos/selecionados. Fevereiro a dezembro/2013. Equipe técnico- pedagógica. Acompanhamento e avaliação do desempenho dos professores em sala de aula pela sua mudança de comportamento, compatibilização da prática docente e resultados avaliativos alcançados, com vista as intervenções necessárias. Fevereiro a dezembro/2013. Equipe técnico- pedagógica da Escola. Professores x Estudantes/Turmas: Prática Docente Utilização dos recursos tecnológicos e midiáticos, livros didáticos, etc., como ferramenta de trabalho para o desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem dos estudantes/turmas; Fevereiro a dezembro/2013. Professores Desenvolvimento de projetos interdisciplinares sobre leitura, matemática aplicada, temas transversais, datas comemorativas, atividades esportivas e culturais, etc. Fevereiro a dezembro/2013. Professores Desenvolvimento de aulas diversificadas, com recursos variados, conforme especificados nos planejamentos de aulas, postados, analisados e avaliados, previamente, pela coordenação Fevereiro a dezembro/2013. ‘
  • 24. pedagógica, que possam contribuir para aquisição das competências/habilidades dos estudantes através dos conteúdos que serão trabalhados/estudados. 11.2.6. AVALIAÇÃO: A avaliação deste trabalho dar-se-á através: execução dos planejamentos de aula e/ou projetos interdisciplinares, mediante a apresentação de atividades diversificadas, utilização de recursos variados e envolvimento/articulação com os estudantes; utilização constante dos recursos tecnológicos e midiáticos nas salas de aula, vídeo, tecnologias educacionais e anfiteatro; resultados obtidos pelos estudantes nas avaliações institucionais internas e externas. 12 - Indicadores de qualidade Os indicadores de qualidade e respectivas especificações que serão observadas para efeito de avaliação do processo educativo desenvolvido por esta Escola, tendo como foco o alcance dos índices percentuais nas avaliações institucionais externas e interna (IDEB, SAEB, Prova Brasil, SAEMS, PDE-Escola, FIMA, resultados bimestrais e anual) são os seguintes: ambientes físico e educativo, gestão escolar democrática, prática pedagógica, avaliação escolar, acesso e permanência dos estudantes na Escola. 13 - Formação continuada A formação continuada destinada à equipe escolar tem por finalidade propiciar momentos de estudos, reflexão e avaliação da prática educativa, visando a melhoria qualitativa do trabalho desenvolvido por cada segmento, redimensionando-o e/ou implementando-o sempre que houver necessidade. A formação continuada dar-se-á dentro e fora da jornada de trabalho, sendo oferecida pelas esferas federal, estadual, municipal e escolar, através da educação a distância e/ou presencial, mediante o desenvolvimento de atividades diferenciadas, para atender as necessidades da equipe escolar e das exigências das diretrizes educacionais vigentes. No Calendário Escolar são previstos alguns dias para formação continuada, orientados pela SED/MS e coordenados pela equipe técnico-pedagógica destinada a todos os professores da Escola, focando temáticas específicas, e em outros momentos são trabalhadas oficinas pedagógicas para superação de dificuldades coletivas ou ainda atendimento individual nas horas-atividades. 14 - Avaliação Interna A Avaliação Interna, considerada como mecanismo de acompanhamento sistemático e contínuo das condições estruturais, pedagógicas e de funcionamento da Escola, deverá ocorrer anualmente, sob a coordenação da Direção Colegiada, observando os seguintes aspectos e/ou indicadores: estrutura organizacional da Escola como um todo; organização pedagógica; estrutura específica de cada curso oferecido;
  • 25. operacionalização dos projetos, planos de ação do PDE-Escola e SAEMS e Projeto Político Pedagógico da Escola, Referencial Curricular da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul – Ensino Fundamental e Médio, Programa Além das Palavras e Projetos da SED/MS; observação dos índices de aprovação, reprovação, evasão e de conclusão de curso; desempenho dos estudantes frente as competências/habilidades e conteúdos trabalhados; desempenho dos dirigentes, coordenadores, docentes e técnico-administrativo frente às suas atribuições; realização da formação continuada da equipe profissional; condições das instalações físicas, equipamentos e materiais didáticos e suas adequações às necessidades de cada curso oferecido; articulação com os estudantes e as famílias; cumprimento da legislação vigente. 15 - Avaliação do Projeto Político Pedagógico O Projeto Político Pedagógico será avaliado através de estratégias e instrumentos variados, quando da divulgação dos resultados: Levantamentos estatísticos para montagem do PDE-Escola; Relatórios bimestrais emitidos pelo SGDE; FIMA; Execução dos Planos de Ação do PDE-Escola e SAEMS; Resultados da Avaliação Interna da Escola (anual); Atas de Resultados Finais da cada curso oferecido; Resultados das avaliações institucionais externas (IDEB, SAEB, Prova Brasil, SAEMS, etc); Envolvimento da comunidade escolar nas atividades promovidas pela Escola; Outras situações não previstas. 16 - Comissões de elaboração do Projeto Político Pedagógico 1ª - Comissão de mobilização, divulgação e acervo: Carla Caroline Cavallari; Elenil Maria Ferreira; Izabel Cristina Bazana Barbosa; Janaína Nogueira Maia Carvalho; João Pereira de Oliveira; Lindinaldo João da Costa; Maria Aparecida Barboza; Maria Goretti de Souza Gama; Sônia Regina dos Santos Fachin; Sueli Alves Vicente. Walmor Siqueira Torres. 2ª - Comissão de diagnóstico: Daniela Berti Teixeira; Fernando Brunet Freitas; Janaína Nogueira Maia Carvalho; Lindinaldo João Teixeira; Maria Aparecida Barboza; Maria Goretti de Souza Gama; Ramona Valdez Santos; Thaila Maria Coelho Gênova.
  • 26. 3ª - Comissão de organização da escola: Cristiane Niz Barcelos; Daniela Berti Teixeira; Elizabete Aparecida de Lima; Janaína Nogueira Maia Carvalho; Lindinaldo João da Costa; Maria Aparecida Barboza; Maria Goretti de Souza Gama; Ramona Valdez Santos; Silvia Amorim Ramos Troina. 4ª - Comissão de concepções teóricas: Adriana Azevedo Gomes Santos; Alessandro Peixoto Ferreira; Daniela Berti Teixeira; Elenil Maria Ferreira; Franci Ellen Dias dos Santos; Janaína Nogueira Maia Carvalho; João Fernando dos Reis Franco; Lindinaldo João da Costa; Luzia Maria Wetter Pinto; Maria Aparecida Barboza; Maria Goretti de Souza Gama; Ramona Valdez Santos; Weliton de Oliveira Pisano; 5ª - Comissão de correção e revisão: Cristiane Niz Barcelos; Elcia Carpinedo; Enilva Maciel Ribeiro Lindinaldo João da Costa; Maria Aparecida Barboza; Ramão Medina Vieira; Ramona Elisa Gaeta Xavier; Ramona Valdez Santos; Tânia Regina Pires; Zenilda Moreira Lopes; 6ª - Comissão de lançamento e tratamento das informações; João Pereira de Oliveira; Lindinaldo João da Costa; Maria Aparecida Barboza; Maria Goretti de Souza Gama. 7ª - Comissão permanente: Diretora-Adjunta – Cristiane Niz Barcelos; Presidente do Colegiado – Maria Goretti de Souza Gama; Supervisor de Gestão – Nélio Lima dos Santos; Coordenadores Pedagógicos – Lindinaldo João da Costa e Maria Aparecida Barboza.
  • 27. 17 - Equipe responsável pela aprovação do Projeto Político Pedagógico da escola Diretora-Adjunta – Cristiane Niz Barcelos; Coordenador - Maria Goretti de Souza Gama; Supervisor de Gestão – Nélio Lima dos Santos; Presidente do Colegiado Escolar – Maria Goretti de Souza Gama. 18 - Referências ALVES, Gilberto Luiz. O Trabalho Didático na Escola Moderna: formas históricas. Campinas,SP: Autores Associados, 2005. BRASIL. Lei de diretrizes e Bases da Educação nacional – LDB nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Congresso Nacional, 1996. _______. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB nº 07/2010, de 07 de abril de 2010. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2010. _______. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB nº 11/2010, de 07 de julho de 2010. Diretrizes Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) Anos. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2010. _______. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB nº 05/2011, de 05 de maio de 2011. Diretrizes Nacionais para o Ensino Médio. Brasília:MEC/CNE/CEB, 2011. _______. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 01/2000, de 05 de julho de 2000. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2000. _______. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 04/2009, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica. Modalidade Educação Especial. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2009. _______. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 4/2010, de 13 de julho de 2010. Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2010. _______. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 7/2010, de 14 de dezembro de 2010. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) Anos. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2010. _______. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 2/2012, de 30 de janeiro de 2012. Define Diretrizes Curriculares para o Ensino Médio. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2012. CHAVES, Eduardo. Org. Sua Escola a 2000 por Hora – Educação para o desenvolvimento humano pela tecnologia digital. São Paulo: Saraiva: Instituto Ayrton Senna, 2004. LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da Escola Pública: a pedagogia crítico-social dos conteúdos. 5 ed. São Paulo: Ed. Loyola, 1987. ____________________.Organização e Gestão da Escola: Teoria e Prática. 5 ed. revista e ampliada.Goiânia: Editora Alternativa, 2004. MATO GROSSO DO SUL. Secretaria de Estado de Educação. Formação Continuada: Conhecimento em Foco. Campo Grande: SED/MS, s.d. ________________________. Secretaria de Estado de Educação. Referencial Curricular da Rede Estadual de Mato Grosso do Sul – Ensino Fundamental. Campo Grande: SED/MS, 2012; ________________________. Secretaria de Estado de Educação. Referencial Curricular da Rede Estadual de Mato Grosso do Sul – Ensino Médio. Campo Grande:SED/MS, 2012. _______. Secretaria do Estado de Educação. Resolução/SED nº 2.162, de 24 de março de 2008. Define implementação do Projeto Além das Palavras. Campo Grande: SED/MS, 2008. _______. Secretaria do Estado de Educação. Resolução/SED nº 2.230, de 20 de fevereiro de 2009. Define sobre o Projeto Além das Palavras. Campo Grande: SED/MS, 2009. _______. Secretaria do Estado de Educação. Resolução/SED nº 2.518, de 20 de janeiro de 2012. Define implementação do Projeto de Coordenação de Área para os componentes curriculares/disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática. Campo Grande: SED/MS, 2012. _______. Secretaria de Estado de Educação. Formação Continuada em Atendimento Especializado para Professores de
  • 28. Salas de Recursos. Campo Grande: SED/MS, 2008. _______. Secretaria de Estado de Educação/Conselho Estadual de Educação. Deliberação/ CEEnº 9195, de 30 de novembro de 2009. Fixa normas para a oferta da educação profissional técnica de nível médio. Campo Grande: SED/CEE/MS, 2009. ________________________. Secretaria de Estado de Educação. Regimento Escolar. Escola Estadual Coronel José Alves Ribeiro. Aquidauana, MS, 2010. Webconferência.webconf2.rnp.br/p69371mzp5o/?launcher=false&fcsContent=true&pbMode=normal. Acesso em Nov. 2012