SlideShare uma empresa Scribd logo
GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL
SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO
COORDENAÇÃO REGIONAL DE ENSINO DE TAGUATINGA
ESCOLA CLASSE 29
PROJETO POLÍTICO
PEDAGÓGICO
2015
Direção
Coordenação
Professores
Auxiliares
Pais
Rubem Alves
“Escolas que são asas não amam pássaros
engaiolados. O que elas amam são pássaros em voo.
Existem para dar aos pássaros coragem para voar.
Ensinar o voo, isso elas não podem fazer, porque o
voo já nasce dentro dos pássaros. O voo não pode
ser ensinado. Só pode ser encorajado.”
SUMÁRIO
Apresentação
1. Historicidade
2. Diagnóstico da realidade
3. Missão
4. Princípios orientadores
5. Objetivos
6. Concepções teóricas
7. Organização do trabalho pedagógico da escola
7.1 planos de ação
8. Concepções, práticas e estratégias de avaliação
9. Organização da proposta curricular
10. Plano de ação para implementação do projeto político pedagógico
Gestão pedagógica
Gestão de resultados educacionais
Gestão participativa
Gestão de pessoas
Gestão financeira
Gestão administrativa
11. Acompanhamento e avaliação
12. Projetos específicos
Referenciais bibliográficos
APRESENTAÇÃO
A proposta básica deste trabalho é oferecer contribuições provindas da
reflexão de educadores, alunos, pais, núcleo gestor e demais funcionários da EC 29,
visando intensificar o desenvolvimento de ações cooperativas, eficazes e
renovadoras.
O Projeto Pedagógico é compreendido como processo de ação participativa
grupal com pessoas interagindo politicamente em função das necessidades,
interesses e objetivos comuns. Busca um maior envolvimento na ação educativa,
considerada responsabilidade de todos os membros da Comunidade Escolar. Em
vista disso, este projeto foi construído através de encontros com a comunidade
escolar no dia previsto para tal, no início do ano letivo de 2015, em encontros ao
longo do mês de março no espaço das coordenações coletivas com os professores
e demais funcionários e através de questionários estatísticos. No encontro com a
comunidade escolar, as pessoas puderam falar suas impressões, percepções e
opiniões acerca de vários assuntos relacionados à escola. Realizamos discussões
sobre assuntos mais diversos e os responsáveis pelos alunos fizeram suas
sugestões acerca dos projetos pedagógicos, questões financeira e administrativa.
Através de questionários, fizemos levantamentos estatísticos. Os demais partícipes
desse processo (professores e demais funcionários) também estiveram ativos nas
discussões.
A educação, em todos os tempos, e principalmente nos dias de hoje,
ressente-se de maior aprofundamento e clareza sobre o verdadeiro sentido da
aprendizagem e sobre os objetivos a serem alcançados. Não se trata simplesmente
de aprender conteúdos, mas, antes, preparar-se para o pleno exercício de sua
cidadania.
A diversidade cultural brasileira deve permear as discussões na área
educacional e na composição das diretrizes curriculares das diferentes disciplinas,
principalmente no que diz respeito às diferenças culturais.
O desafio é sair da postura reprodutiva, oferecendo indicações que facilitem o
aprender e o saber pensar. Seguindo essa linha de pensamento, na caminhada em
busca da construção do saber, o mundo sente a necessidade de incluir o pensar
próprio desde os anos iniciais da vida escolar do educando.
Para superar as dificuldades, têm sido propostas políticas públicas afirmativas
que dão ênfase à cidadania e à dignidade da pessoa humana. Nesta perspectiva a
educação é considerada um veículo privilegiado no processo da inclusão social.
A educação é essencial ao processo de transformação da sociedade,
cabendo à escola estimular a construção de valores, hábitos e comportamentos de
forma democrática e comprometida para a formação integral do ser humano.
A escola deve ser um espaço para construção do saber e integração do
indivíduo na sociedade.
“O Projeto Pedagógico é um instrumento teórico-
metodológico que visa ajudar a enfrentar os desafios do
cotidiano da escola, só que de forma refletida, consciente,
sistematizada, orgânica e, o que é essencial, participativa.
É uma metodologia de trabalho que possibilita
ressignificar a ação de todos os agentes da instituição.”
Vasconcellos (1995)
1. HISTORICIDADE
A Escola Classe 29 de Taguatinga situa-se na QNJ 18 Área Especial nº 10,
CEP:72140-180, telefone/email: 39016743/ ec29tag@gmail.com. Conta com uma
área de 6.000 metros quadrados, sendo 1.500 metros quadrados de área
construída, tendo 8 salas de aula, 1 Laboratório de Informática, 1 sala para
biblioteca, 1 sala de professores, 1 sala para o SOE, 1 banheiro adaptado, 2
banheiros para os alunos, 2 banheiros para os funcionários, 1 cantina, 1 refeitório, 1
secretaria/direção, 1 depósito para merenda.
Edificada em 1969 e inaugurada em 02/09/70. Foi criada pelo Decreto 1150
de 08/10/69, publicado na Legislação do Distrito Federal, volume VIII, página 3024.
Com autorização de funcionamento pelo Decreto nº 3547, de 03/01/77, publicado no
Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) de 11/02/77, suplemento. Reconhecimento
pela Portaria nº 17 de 07/07/80, Secretaria de Educação e Cultura, publicado no
volume I, página 142 dos Atos Normativos da Fundação Educacional do Distrito
Federal. Ato de criação pela Portaria 003 de 12/01/2004.
Vinculada à Secretaria de Estado de Educação – Coordenação Regional de
Ensino de Taguatinga a partir de setembro de 1970 vem prestando atendimento à
Comunidade ininterruptamente.
A escola já atendeu outras modalidades de acordo com a necessidade da
comunidade escolar, como a EJA (antigo Supletivo) no noturno, já atendeu Classe
Especial de TGD, Educação infantil, e já teve a Educação Integral. Com o passar do
tempo, e de acordo com as mudanças na comunidade e no sistema de ensino, tais
ofertas foram excluídas.
Atualmente atende de 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental, totalizando
aproximadamente 360 alunos no diurno. Os alunos do 1º ano advêm do CEI 05 , da
Creche Casa do caminho e de outros locais através do Sistema de matrículas 156.
A comunidade escolar é participativa nos eventos escolares. Quando são
convidados a participar de atividades e reuniões alguns se voluntariam para as
mesmas, tornando a relação escola/comunidade amistosa e cooperativa. A
participação de todos nas avaliações institucionais é significativa, o que nos dá um
feedback para a gestão, contribuindo para o aprimoramento das práticas.
2. DIAGNÓSTICO DA REALIDADE ESCOLAR
A escola conta com alunos com faixa etária entre 06 e 13 anos, os quais têm
responsáveis com nível de escolaridade de ensino médio e renda financeira de 1 a 5
salários mínimos, residem na maioria em casas alugadas, próximo à escola, a
família é composta por 4 integrantes, geralmente naturais do DF, atuam no setor
privado, a maioria não participa de programas do governo e com caráter religioso
predominantemente católico. Recebemos também crianças abrigadas da Instituição
“Casa do Caminho”.
A comunidade escolar é participativa nas reuniões propostas e festividades,
porém ainda temos algumas famílias que participam pouco da vida escolar de suas
crianças.
O espaço geográfico que a escola ocupa é cercado por um alto índice de
circulação de pessoas e automóveis, pois se encontra em área residencial e com
edificações que ofertam educação particular.
Diante de todo esse quadro acima a instituição por meio de sua equipe
gestora, professores e auxiliares educacionais e alguns pais tem buscado melhorar
a escola, tanto em sua parte física como pedagógica, buscando parcerias e novas
propostas pedagógicas que despertem nos alunos o prazer de fazer parte dessa
comunidade.
A Escola Classe 29 de Taguatinga desenvolve uma aprendizagem
significativa, oportunizando relações entre a Unidade de Ensino, comunidade e
demais manifestações culturais, regionais, étnicas, religiosas e políticas. Busca abrir
suas portas para questões da sociedade e do cotidiano demonstrando que se pode
atuar decisivamente no processo de construção da cidadania, tendo como meta o
ideal de uma crescente igualdade de direitos entre os cidadãos, baseados nos
princípios democráticos previstos nos eixos transversais propostos nos pressupostos
teóricos, Currículo em Movimento.
O uso do PDE Interativo (Plano de Desenvolvimento da Escola) também é
uma ferramenta útil para a gestão, quando analisamos os dados ano a ano,
identificando os problemas e pendências e definindo ações que ajudem a alcançar
os objetivos, aprimorando a qualidade de ensino e melhorando os resultados.
Os índices de desempenho, em 2014, podem ser observados abaixo no
Gráfico de Desempenho de Turmas:
MOVIMENTAÇÃO 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano 5ª ano
Matrícula Inicial em mar/2013 95 46 75 69 61
Afastados por Transferência 11 03 05 06 03
Matrícula final 98 44 73 71 66
Aprovados 98 42 63 69 66
Reprovados 0 2 10 2 0
Admitidos após fevereiro 14 02 03 08 08
Afastados por abandono 0 0 0 0 0
Fonte: Censo Escolar
O 1º, 2º e 3º anos, no gráfico acima, equivalem às turmas do 1º Bloco do 1º
Ciclo (6, 7 e 8 anos) respectivamente, onde se inicia o processo de alfabetização e
que tem promoção automática.
Embora estejam baixos, os índices de retenção são preocupantes e é um
ponto importante a ser melhorado através deste projeto. O desafio é manter o
padrão já alcançado na qualidade do ensino oferecido sem, no entanto, descuidar da
busca constantemente pelo aprimoramento.
Mediante tais desafios, trabalha-se para desenvolver um projeto integrado
com toda a comunidade escolar.
3. MISSÃO
Oferecer uma Educação de qualidade, pautada nos princípios de uma
democracia participativa, comunitária, inclusiva e ambiental, tornando-se um espaço
cultural de socialização e desenvolvimento do educando, preparando-o para o
exercício de sua plena cidadania.
.
4. PRINCÍPIOS ORIENTADORES
A escola, na perspectiva de construção e implementação de um currículo
integrado abre espaço para temáticas de interesse social como: sustentabilidade
ambiental, direitos humanos e complexidade das relações entre escola e sociedade.
Sendo assim esses temas permearam as atividades docentes independente dos
componentes curriculares, proporcionando às crianças, pertencentes aos diferentes
grupos sociais, o direito de aprender.
Para tanto, é necessário que no processo de ensino aprendizagem todas as
atividades pedagógicas, independente dos componentes curriculares sejam
organizadas em torno dos eixos, que estruturam o trabalho pedagógico. O currículo
em movimento da Educação Básica empenha-se para garantir não apenas o acesso
de todos e todas à educação básica, mas a permanência com qualidade
referenciada nos sujeitos sociais, em conformidade com os preceitos constitucionais
e a Lei 4.751/2012, de Gestão Democrática do Sistema de Ensino Público do Distrito
Federal.
“As escolas brasileiras, para exercerem uma função social,
precisam possibilitar o cultivo dos bens culturais e sociais
considerando as expectativas e as necessidades dos alunos,
dos pais, dos membros da comunidade, dos professores, enfim,
dos envolvidos diretamente no processo educativo”. (PCN –
2001)
A educação envolve elementos históricos, políticos, sociais, econômicos,
culturais e pedagógicos. É papel da escola garantir à comunidade as condições
necessárias para o exercício pleno da cidadania, envolvendo o aluno no processo de
construção de conhecimento, além de proporcionar a diversificação e a apropriação
dos conteúdos. Para isso, é fundamental construir práticas pedagógicas que
respeitem as diferenças, considerando essas diferenças como elementos ricos de
trabalho afim de que o educando possa conscientizar-se de sua responsabilidade no
processo de construção do conhecimento.
Num mundo de grandes desigualdades, nem sempre é fácil lidar com a
diferença. Ela está em toda parte. Por vezes, é mais simples percebê-la quando a
questão envolve times de futebol, religião, formas de agir. Na abordagem de temas
mais complexos, ou simplesmente se a proposta exige um exercício crítico rigoroso,
podemos dizer que, mesmo entre os mais semelhantes, habitam numerosas
diferenças – afinal, cada ser humano é único no conjunto de suas características.
A diversidade cultural brasileira deve permear as discussões na área
educacional e na composição das diretrizes curriculares das diferentes disciplinas,
principalmente no que diz respeito à cultura negra e sua contribuição para a
formação da cultura brasileira.
Valorizar a contribuição dos povos africanos à formação da história brasileira
é necessário principalmente a partir da criação da Lei nº 10.639/03 que determinou a
obrigatoriedade nas escolas brasileiras do ensino da HISTÓRIA E CULTURA
AFRO–BRASILEIRA, lei sancionada pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva, sendo
que o seu artigo 79-B prevê que: “O calendário escolar incluirá o dia 20 de novembro
como ‘Dia Nacional da Consciência Negra’.”.
Os objetivos e metas foram discutidos amplamente com o grupo e colocados
de maneira clara neste projeto. Assim, toda a equipe está voltada para a realização
dos mesmos.
Sabemos que a expectativa positiva em relação ao educando é muito
importante para estimulá-lo e auxiliá-lo em suas dificuldades; é por isto, e por
acreditar fortemente no potencial de nossos alunos e na capacidade que eles têm de
aprender, que a equipe desta escola trabalha em educação.
5. OBJETIVOS
GERAIS:
Promover um ensino público de qualidade, que favoreça a socialização do
aluno, priorizando seu desenvolvimento crítico-social, afetivo, psicomotor, físico e
cognitivo, segundo pressupostos básicos para a formação da cidadania,
respeitando suas diferenças sociais.
ESPECÍFICOS:
 Desenvolver capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição do
conhecimento, habilidades e a formação de hábitos, atitudes e valores.
 Fortalecer vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de
tolerância recíproca em que se assenta a vida social.
 Proporcionar aprendizagens significativas, desenvolvimento de habilidades e
domínio de competências levando o estudante à percepção sobre a relação
entre o que está aprendendo e seus próprios objetivos e interesses.
 Oportunizar a independência, a criatividade e a autoconfiança do estudante,
estimuladas em decorrência de avaliação mediadora e justa, realizada em
atmosfera de liberdade.
 Levar o aluno a interagir com gêneros de esfera do cotidiano e institucional,
tanto na leitura como na escrita.
 Discutir questões vinculadas ao meio ambiente, apresentando pontos de vista
que auxiliarão o aluno a compreender a relação entre o homem e a natureza e
a despertar o respeito pelos valores da terra.
 Buscar parcerias que possibilitem aquisição de materiais, a reorganização do
espaço físico, a ampliação do acervo da sala de leitura e melhorias no
estacionamento interno.
 Oportunizar, através de oficinas e dinâmicas, interação entre funcionários.
 Oportunizar a formação continuada dos docentes nas reuniões coletivas.
 Utilizar os resultados da Avaliação Institucional como meio de ajustar possíveis
discrepâncias.
 Estimular a participação dos pais na vida escolar dos filhos, através do
voluntariado nos trabalhos da escola.
6. CONCEPÇÕES TEÓRICAS
A Secretaria de Educação do Distrito Federal lançou em 2014 o Currículo em
Movimento com o objetivo de apoiar os sistemas de ensino na implementação da
política de educação integral. A perspectiva da educação integral propõe a
construção de projetos pedagógicos que atendam a necessidade de organização
das escolas e de desenvolvimento de práticas pedagógicas que respeitem os três
eixos norteadores: Educação para a Diversidade, Cidadania e Educação em e para
os Direitos Humanos e Educação para a Sustentabilidade.
Assim o currículo procura atender aos objetivos da Rede de Ensino do Distrito
Federal, de fomento e produção de conhecimentos, desenvolvimento e
disseminação de metodologias educacionais integradas. Este currículo foi baseado
na Teoria crítica e pós-crítica e constitui um referencial importante para a formação
dos nossos alunos no que se refere às novas práticas de uma educação na
perspectiva da educação integral, criando meios para que as crianças, jovens e
adultos se humanizem, apropriando-se da cultura, onde os conhecimentos se
dialogam entre si, estimulando a pesquisa, a inovação e a utilização de recursos e
práticas pedagógicas mais criativas, flexíveis e humanizadas.
Os estudos têm mostrado que as pessoas proclamam uma urgência e
experimentar vivências educacionais e de sobreviver socialmente. É uma espécie de
necessidade, não apenas de encontrar um modelo de vida escolar diferente, mas de
buscar a partir do contraste histórico entre desigualdades e as propostas de
inclusão, uma identidade mais definida, isto é, uma nova forma de organização para
o que já existe.
Sendo assim, as concepções teóricas que fundamentam esse Projeto
destinam-se a orientar professores que estão na busca de uma sociedade mais justa
e consequentemente mais participativa.
O interesse da Escola Classe 29 é intensificar as ações de atividades
integrais que estão ocorrendo no interior das escolas. Queremos assim, estimular
cada vez mais, a participação da comunidade escolar, pois defendemos uma
proposta educacional baseada na concepção de um ser humano integral, cujo
conhecimento se constrói nas relações históricas e sociais.
7. ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO
O Currículo em Movimento traz a oportunidade do trabalho com diferentes
formas de organização do tempo e do espaço escolar. Atendemos o 1º e o 2º ciclo
do ensino fundamental- anos iniciais. A proposta de se trabalhar com ciclos é
garantir as aprendizagens dos estudantes, sem fragmentação do tempo escolar e
das formas de avaliação. Dessa forma, os trabalhos pedagógicos devem preconizar
a proposta dos eixos transversais: Educação para a Diversidade, Cidadania e
Educação em e para os Direitos Humanos e Educação para a Sustentabilidade, bem
como os conteúdos e os processos de avaliação educacional. Atuamos com a
jornada de 5 horas diárias, por meio de atividades diversificadas que objetivam
atender as necessidades dos nossos alunos.
Procuramos estender os laços com a comunidade escolar, a fim de promover
ações e reflexões que possibilitem a troca de informações e sugestões em prol dos
nossos alunos. A parceria entre escola e família é indispensável para uma
educação de qualidade e depende de uma boa relação entre familiares, gestores,
funcionários e estudantes. Está na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional
e no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA): as escolas têm a obrigação de se
articular com as famílias e os pais têm direito a ter ciência do processo pedagógico,
bem como de participar da definição das propostas educacionais. A escola foi criada
para servir à sociedade. Por isso, ela tem a obrigação de prestar contas do seu
trabalho, explicar o que faz e como conduz a aprendizagem das crianças e criar
mecanismos para que a família acompanhe a vida escolar dos filhos. Realizamos no
mês de fevereiro uma reunião, denominada de Aula Inaugural, para discutir o
planejamento administrativo e pedagógico da Escola que será desenvolvido no ano
de 2015. Em conformidade com a organização do trabalho pedagógico segue as
práticas desenvolvidas:
7.1 PLANOS DE AÇÃO
7.1.1 COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA
Atuação:
 Subsidiar o trabalho pedagógico docente, orientando e coordenando ações
para assegurar o cumprimento das metas e objetivos propostos no Projeto Político
Pedagógico da EC 29.
 Participar da elaboração, da implementação, do acompanhamento e da
avaliação da Proposta Pedagógica da instituição educacional;
 Orientar e coordenar a participação docente nas fases de elaboração, de
execução, de implementação e de avaliação do Projeto Pedagógico da Instituição
Educacional;
 Articular ações pedagógicas entre professores, equipe de direção e da
Coordenação Regional de Ensino, assegurando o fluxo de informações;
 Divulgar e incentivar a participação dos professores em todas as ações
pedagógicas, promovidas pela Instituição Educacional, pela Coordenação Regional
de Ensino e pela Subsecretaria de Educação Básica, inclusive as de formação
continuada;
 Estimular, orientar e acompanhar o trabalho docente na implementação do
Currículo da Educação Básica das Escolas Públicas do Distrito Federal, por meio
de pesquisas, de estudos individuais e em equipe e de oficinas pedagógicas locais;
 Divulgar, estimular e propiciar o uso de recursos tecnológicos, no âmbito da
instituição educacional, com as orientações metodológicas específicas;
 Orientar os professores recém-nomeados e recém-contratados quanto ao
desenvolvimento do Projeto Pedagógico;
 Propor reflexões avaliativas da equipe, objetivando redimensionar as ações
pedagógicas.
Ações:
 Contribuir para redução dos índices de retenção.
 Articular ações para que o eixo metodológico dê ênfase às aprendizagens
significativas assegurando a melhoria da qualidade de ensino.
 Colaborar para a inserção dos alunos com defasagem idade/série e que
apresentam dificuldade e/ou lacunas de aprendizagem no Projeto de Educação
Integral.
 Estimular o envolvimento dos alunos nos projetos da UPE de forma que eles
possam se identificar como parte integrante de cada ação proposta.
 Estimular o envolvimento, através de reuniões bimestrais, de toda
comunidade, pais e Conselho Escolar no Projeto de Avaliação Institucional.
 Apoiar a implementação do Projeto Recreio Dirigido com jogos, brinquedos e
brincadeiras juntamente com o S.O.E.
 Contribuir para o acesso dos funcionários a cursos de formação continuada e
proporcionar-lhes oportunidade de estudo dentro e fora da escola.
 Articular ações pedagógicas entre professores, como desenvolvimento de
reforço, projetos interventivos, etc.
 Acompanhar o desenvolvimento dessas ações, verificando pontos positivos e
retificando pontos negativos.
 Incentivar a participação dos professores em todas as ações e propostas de
formação continuada.
 Propor estudo e reflexão avaliativa das ações da equipe docente.
 Orientar e coordenar projetos interventivos e de reforço de alunos defasado
e/ou com dificuldades de aprendizagem.
7.1.2 SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL
I. Contextualização – breve diagnóstico da realidade escolar:
A Escola Classe 29 de Taguatinga está situada na QNJ 18 Área Especial nº
10 desde o ano de 1970. Atualmente é composta por 360 alunos aproximadamente,
sendo que na sua maioria são filhos ou netos de pais ou avós que aqui estudaram, o
que a torna um referencial e diferencial desta comunidade.
Hoje possuímos 16 turmas distribuídas nos turnos matutino e vespertino,
dessas 16 turmas temos 03 turmas de Integração Inversa e 08 turmas de Classe
Comum Inclusiva.
Na Escola contamos com o apoio da Sala de Informática, Sala de Apoio
Pedagógico, Biblioteca, Sala de Atendimento Individualizado e Serviço de
Orientação Educacional.
O corpo docente é na sua grande maioria professores antigo na Escola,
muito comprometido e ciente do seu papel de educadores. Quanto à comunidade é
presente, colaboradora e sempre que solicitada responde aos chamados da escola.
É uma escola desafiadora, pois possuímos 14 alunos diagnosticados: 02 Deficientes
Físicos Leves, 02 Deficientes Intelectual/Síndrome de Down, 01 Deficiente
Intelectual, 05 TDAH, 01 DEPAC e 03 com outras necessidades.
Atendemos também as crianças do Abrigo Casa do Caminho, crianças essas
que merecem todo um atendimento diferenciado.
Devido à união e a força de vontade de todos, Direção, Supervisão
Pedagógica, Coordenação, Orientação, Professores, Auxiliares e Readaptados
temos apresentado bons resultados, mesmo diante de muitas dificuldades
encontradas no nosso dia a dia.
II. Ações / Atividades:
1. Ações para a implantação / implementação do SOE
a) Ações
A Orientação Educacional, consciente da problemática, hoje instalada em nossa
sociedade adota procedimentos onde se possa trabalhar o respeito pelo próximo, o
amor, a humildade, a justiça, a responsabilidade, a ética, o companheirismo e outros
valores essenciais à convivência harmoniosa tanto dentro do ambiente escolar com
fora dele.
b) Objetivos
Elaborar Plano de Implantação do Serviço de Orientação Educacional respaldado no
Projeto Político Pedagógico da Escola;
Apresentar para o corpo docente, discente e aos pais/responsáveis o Plano de Ação
do Orientador Educacional;
Esclarecer em reunião a comunidade escolar quanto às prioridades do Serviço de
Orientação Educacional;
Fazer levantamentos de Instrumentos de trabalho como: fichas diversificadas para
registros de ações coletivas e individuais, encaminhamentos de professores,
atendimentos a pais, livro de registros de atas e de ocorrências diárias e livro de
protocolo para registros de documentos enviados.
2. Ações no âmbito institucional
a) Ações
Sendo o Serviço de Orientação Educacional um trabalho dinâmico e continuo que se
preocupa com o desenvolvimento harmonioso do aluno em todos os seus aspectos
emocionais, intelectuais, físicos, social, e ético, é necessário que se faça que o
processo educativo seja desenvolvido de forma integrada e cooperativa entre
professores, direção, auxiliares em educação, pais e parcerias com profissionais de
outras áreas.
b) Objetivos
Conhecer o Regimento Interno da Escola;
Participar da Elaboração do Projeto Político Pedagógico da Escola;
Orientar aos pais/responsáveis sobre o ECA – Estatuto da Criança e do
Adolescente;
Participar e manifestar-se em Conselhos de Classe, Coletivas, Dias Temáticos e
Coordenações Pedagógicas.
3. Ações junto ao corpo docente
a) Ações
A ação integrada do Orientador Educacional com grupo de professores é de
fundamental importância, não havendo espaço para práticas isoladas e
fragmentadas dos ocorridos abordados no cotidiano da Escola.
b) Objetivos
Realizar ações no desenvolvimento de projetos interdisciplinares sobre valores,
saúde, educação sexual, prevenção ao uso indevido de drogas, meio ambiente,
ética, cidadania, convivência saudável, de acordo com as prioridades estabelecidas
pela escola;
Orientar os professores quanto à participação dos mesmos na identificação, no
encaminhamento e acompanhamento dos alunos que apresentam dificuldades
diversas: cognitivas, emocionais, sociais e pessoais;
Viabilizar aos professores materiais com textos, artigos entre outros que possam ser
trabalhados em suas atividades;
Viabilizar a devolutiva dos atendimentos e encaminhamentos dos alunos;
Refletir junto aos professores sobre: mediação de conflito em sala de aula
4. Ações junto ao corpo discente
a) Ações
O Orientador Educacional tem como objetivo fundamental oportunizar ao educando
o desenvolvimento pleno, visando sua autonomia intelectual e emocional. Cabe a
Orientação Educacional orientar o educando na tomada de consciência sobre seus
valores, potenciais e dificuldades, dando-lhes oportunidade de autoavaliar-se para
fazer escolhas mais apropriadas e assumir responsabilidades; mediante uma prática
sistematizada e contínua aos diversos elementos que exercem influência direta e
indiretamente a sua formação.
b) Objetivos
Desenvolver projetos que favoreçam a socialização de valores humanos e a
aquisição de atitudes/hábitos saudáveis;
Trabalhar com os alunos técnica de estudo e atenção;
Promover atividades que desenvolva nos alunos o autoconhecimento, autoimagem e
autoestima.
5. Ações junto à família
a) Ações
A integração família/comunidade/escola é uma responsabilidade de todos, só
através de um trabalho integrado dividindo responsabilidades que a escola
alcançará êxito.
b) Objetivos
Identificar e trabalhar junto à família, as causas que interferem no avanço de ensino
e de aprendizagem;
Atender individualmente e/ou coletivamente pais e/ou responsáveis;
Orientar os pais e/ou responsáveis da importância da intervenção dos mesmos
quanto à manutenção de hábitos de estudos na criança;
Registrar em livro de ata todo atendimento realizado.
6. Ações na área de estágio supervisionado em OE
a) Ações
Cabe ao Orientador Educacional proporcionar vivência teórica – prática aos
estudantes na área de Orientação Educacional.
b) Objetivos
Apresentar todo o trabalho da Orientação Educacional;
Proporcionar ao estagiário a vivência de situações reais de conflito, tomadas de
decisão que permeiam as atividades da Orientação Educacional.
7. Ações junto à rede social
a) Ações
Estabelecer parcerias com profissionais de outras instituições tendo em vista o
fortalecimento das ações desenvolvidas na Escola.
b) Objetivos
Acompanhar e realizar atividades em conjunto com os demais segmentos da Saúde,
Segurança Pública, Secretaria da Justiça Eleitoral e Conselho Tutelar para
prevenção à saúde, uso indevido de drogas, valor do voto consciente, direitos e
deveres assegurados às crianças diante de possíveis maus tratos, vacinação.
8. CONCEPÇOES PRÁTICAS E ESTRATÉGIAS DE AVALIAÇÃO
Precisamos analisar a avaliação sob dois prismas: o da verificação e o da
avaliação propriamente dita. O termo verificar provém, etimologicamente do latim
“verum facere” e significa "fazer verdadeiro". O termo avaliar, por sua vez, também
tem sua origem no latim, provindo da composição “a-valere”, que quer dizer "dar
valor...". Porém, o conceito de avaliação é formulado a partir das determinações da
conduta de "atribuir um valor ou qualidade a alguma coisa, que, por si, implica um
posicionamento positivo ou negativo em relação ao objeto, ato ou curso de ação
avaliado".
A verificação se encerra no momento que fazemos uma determinada
constatação. Ela, em si, não leva o sujeito a tirar consequência novas e
significativas.
A avaliação implica numa tomada de posição e exige, como consequência,
uma decisão de ação.
É importante planejar cuidadosamente as ações, o que só se sustenta no
coletivo. Porém, tanto quanto planejar, é preciso avaliar o desencadeamento das
ações, levando-se em conta as mudanças que ocorrerão no ambiente escolar; bem
como as realizações já alcançadas na atuação dos profissionais, dos pais e,
principalmente, dos alunos.
Experiências de anos anteriores indicavam que a avaliação é um ato de
crescimento para todo o grupo. E, das reflexões coletivas, ante os erros e os
acertos, o Projeto Pedagógico foi sendo melhorado; foi-se buscando o
aperfeiçoamento das ações pedagógicas, administrativas e das relações pessoais.
A partir das avaliações ocorridas em 2014, nas reuniões pedagógicas bimestrais, o
Projeto Pedagógico deste Estabelecimento de Ensino sofreu adaptações para o ano
de 2015. Há, na escola, uma consciência ampla de que é necessário continuar
fazendo educação de forma coletiva e de ajuda mútua, ciente de duas coisas: na
E.C. 29 já se alcançaram grandes vitórias, entretanto, ainda há muito a se realizar.
A verificação do rendimento escolar compreende a avaliação da
aprendizagem; tem como objetivo diagnosticar a situação de aprendizagem de cada
aluno e identificar em que medida os conteúdos significativos necessários ao
domínio das competências e habilidades da programação curricular foram
alcançados.
Os resultados da avaliação do rendimento escolar do aluno são expressos,
bimestralmente, por meio de instrumento próprio.
O Conselho de Classe tem como objetivo primordial acompanhar e avaliar o
processo de educação, de ensino e de aprendizagem dos educandos. Essa reunião
é realizada bimestralmente para análise do rendimento de cada turma e tomada de
providências para sanar as dificuldades de aprendizagem.
No intuito de melhor atender aos alunos e de proporcionar à família maior
acompanhamento da vida escolar da criança, a escola envia o cronograma de
atividades de avaliação e solicita a assinatura dos responsáveis, podendo adiar a
avaliação do discente até que este apresente o cronograma com o ciente dos
responsáveis.
9. ORGANIZAÇÃO DA PROPOSTA CURRICULAR
QUADRO DEMONSTRATIVO:
MODALIDADE DE ENSINO
Ensino Fundamental
NÚMERO DE TURMAS NÚMEROS DE ALUNOS
1º ANO (06 anos) 04 82
2º ANO (07 anos) 04 100
3º ANO (08 anos) 03 52
4º ANO 03 65
5º ANO 02 61
16 360
Objetivando desenvolver habilidades e competências previstas no Currículo
da Educação Básica, a Unidade de Ensino está organizada com o Ensino
Fundamental de 09 anos, a saber: 1º Bloco do 1º ao 3º ano, ofertado nos dois
turnos; 2º Bloco do 4º e 5º ano , sendo o 4º ano ofertado nos dois turnos e o 5º ano
somente no turno matutino.
O regime anual é composto por 200 dias letivos. A carga horária é de 1.000
horas anuais, conforme o artigo 24 da Lei nº 9.394, de 1996. Os professores têm
formação inicial em cursos de nível superior, conforme prevê o Parecer nº 09/01 do
Conselho Nacional de Educação. Não oferecemos em 2015 a Educação Integral,
pois a escola não possui espaço físico e recursos humanos para tal.
As ações pedagógicas estão organizadas através de projetos (inseridos, na
íntegra, ao final deste Projeto Pedagógico).
Todos os alunos da escola recebem, de acordo com sua necessidade
individual, atendimento em contra turno de regência com o próprio professor
regente. Efetua-se o projeto interventivo com coordenadores, supervisora
pedagógica e vice-diretora, além dos reagrupamentos e da recuperação contínua.
Ainda visando o aproveitamento dos alunos e o cumprimento dos dias letivos a que
todos têm direito; os docentes, em seus afastamentos legais, preparam atividades
para serem feitas em casa. A Direção adota tal medida apenas nos casos de
afastamentos curtos em que não se consegue um substituto no quadro de
professores temporários.
As avaliações diagnósticas são feitas com regularidade em cada bimestre
pelas professoras e, a partir dos resultados obtidos, as ações interventivas, já
previstas, são intensificadas ou amenizadas ou ainda, adotadas novas estratégias.
Os alunos da EC 29 participam de avaliações externas: Provinha Brasil, Prova
Brasil e SAEB, além de contribuir para a pesquisa de bloco de questões das
avaliações da UnB.
Todos os procedimentos de rotina, inclusive os administrativos, revestem-se
de uma dimensão educativa. Para isso, torna-se importante que todos os
profissionais que atuam na escola estejam imbuídos de seu papel de educadores.
Essa forma de olhar o cotidiano da escola, a consciência do papel desempenhado
individualmente, nas relações escolares, propicia o desenvolvimento do princípio de
justiça na sociedade.
Os professores do 1º Bloco participam do curso PNAIC que faz parte do Pacto
Nacional pela Alfabetização na Idade Certa que é um compromisso formal assumido
pelos governos federal, do Distrito Federal, dos estados e municípios de assegurar
que todas as crianças estejam alfabetizadas até os oito anos de idade, ao final do 3º
ano do ensino fundamental.
A representatividade , bem como os membros das Instituições Escolares , é
escolhida através de eleição segundo o estatuto próprio de cada uma. A Instituição
Educacional conta com o Conselho Escolar e a Caixa Escolar.
O Conselho Escolar é formado por dois representantes do segmento pais, um
do segmento professores e dois do segmento auxiliares. A Caixa Escolar é
composta por representantes dos servidores, professores e pais/responsáveis.
10. PLANO DE AÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO
PEDAGÓGICO
GESTÃO PEDAGÓGICA
Objetivos:
 Reduzir os índices de retenção, chegando-se ao nível máximo de aprovação.
 Adotar como eixo metodológico a ênfase nas aprendizagens significativas
assegurando a melhoria da qualidade de ensino de modo que todos os alunos
avancem e obtenham aproveitamento.
 Inserir 100% dos alunos com defasagem idade/série e que apresentam
dificuldade e/ou lacunas de aprendizagem no Projeto Interventivo e em atividades
diversificadas.
 Envolver 100% dos alunos nos projetos de forma que eles possam se
identificar como parte integrante de cada ação proposta. Envolver, através de
reuniões bimestrais, a comunidade, pais e Conselho Escolar no Projeto de Avaliação
Institucional.
 Fortalecer Projeto Recreio Dirigido com jogos, brinquedos e brincadeiras.
 Expor anualmente os dados estatísticos referentes aos resultados obtidos das
provas: IDEB , SAEB e Provinha Brasil a toda comunidade escolar.
Ações/ metas:
 Realização de projetos, acompanhamento sistemático dos índices de
rendimento através de testes de sondagem e de desempenho e avaliações
externas.
 Atendimento individualizado, trabalho diversificado, reforço e outros recursos
didático–pedagógicos.
 Projeto de Avaliação Institucional
GESTÃO DE RESULTADOS EDUCACIONAIS
 Dar condições do educando sanar suas dificuldades de aprendizagem por
meio da Equipe Especializada de Apoio a Aprendizagem e Recuperação Paralela.
 Evitar que os alunos faltem às aulas pedindo ajuda aos pais, acionando o
Conselho Tutelar.
 Estimular por meio de projetos e atividades pedagógicas atrativas a vinda do
aluno à escola.
GESTÃO PARTICIPATIVA
 Assegurar o cumprimento do Regimento Escolar, através de encontros
periódicos com professores e equipe pedagógica para efetivação da aprendizagem e
permanência do aluno.
 Promover uma efetiva participação da comunidade escolar para trabalhar em
prol do desenvolvimento dos alunos dentro do processo de ensino aprendizagem.
 Organizar os Conselhos de Classe nos finais de bimestres, diagnosticando os
pontos positivos e negativos, buscando soluções dentro da proposta pedagógica.
 Socializar com a equipe pedagógica, funcionários e professores todas as
informações obtidas: Leis, instruções, Normas que regulamentam o processo
educacional.
 Manter com a comunidade escolar mecanismos de comunicação eficientes
como circulares, bilhetes, blog.
GESTÃO DE PESSOAS
 Possibilitar aos funcionários o acesso a cursos de formação continuada e
proporcionar-lhes oportunidades de estudo dentro e fora da escola com cursos da
EAPE, coordenações coletivas, seminários, simpósios, congressos e palestras
oportunizados pela SEE e pela IE.
 lmplementar oficinas de aprendizagem estimulando a exposição dos talentos
individuais dentre professores e demais funcionários da IE.
 Montar grupos de estudos para discutir as propostas vindas da SEEDF.
 Proporcionar ao corpo docente e funcionários, momentos de integração para
dinâmica de grupo, socialização de experiências para estimulá-los a buscar sempre
novos desafios.
 Aproveitar as coordenações coletivas dos professores para discutir proposta
que venham contribuir na melhoria da qualidade de ensino.
 Promover momentos de estudos sobre as leis que regem as carreiras,
destacando seus direitos e deveres.
 Realizar reuniões pedagógicas, conscientizando os professores e funcionários
da necessidade de encontrar caminhos mais prazerosos para concretização do
processo ensino aprendizagem, construindo uma pedagogia centrada no aluno e
não só nos conteúdos.
 Realizar semestralmente avaliações institucionais, através de reuniões,
autoavaliações, discussões em grupos, apresentação de pontos de vistas,
promovendo assim uma avaliação de desempenho a partir da visão de si mesmo e
dos seus pares.
 Estabelecer uma parceria com o batalhão escolar que assista a escola em
suas necessidades, inibindo a indisciplina e minimizando os impactos da violência
na escola.
GESTÃO FINANCEIRA
 Adquirir, de acordo com as leis regulamentares, material pedagógico, bens
permanentes e de consumo para subsidiar a prática educativa.
 Ampliar o acervo da sala de leitura e da videoteca com aquisição de novos
livros e filmes de finalidade pedagógica e lúdica.
 Recursos: PDDE e PDAF. Utilizados em consonância com as normas
vigentes, visando sempre o bom funcionamento da escola no âmbito administrativo
(gás para merenda, material de limpeza e higiene, material de expediente, material
para mecanografia, entre outros) e no âmbito pedagógico (jogos educativos, livros
para o acervo da biblioteca e o cantinho da leitura, material para subsidiar a prática
pedagógica em sala de aula e, entre outros).
GESTÃO ADMINISTRATIVA
 Solicitar sistematicamente à engenharia da Secretaria de Estado de
Educação do Distrito Federal a reforma da unidade de Ensino contemplando os
seguintes aspectos:
– reconstrução do prédio da escola, adaptando-o para alunos ANEE;
– construção de uma quadra ou área adequada para a prática de esportes;
– instalação de circuito de TV para monitoramento de segurança na área
interna da escola
 Oportunizar melhorias no setor administrativo, incrementando o atendimento
ao público.
 Manter em bom estado as instalações físicas em geral para conservação do
patrimônio e preservar a segurança dos alunos.
 Providenciar reparos e consertos nos equipamentos da escola quando
necessários, estando a par dos aspectos técnicos e legais, zelando pelo todo.
 Ampliar o sistema de segurança (câmeras), com o objetivo de assegurar o
bem estar dos alunos e evitar a entrada de estranhos inibindo atos de vandalismo no
patrimônio escolar.
 Propiciar aos educandos uma alimentação saudável e balanceada seguindo
as instruções da nutricionista responsável.
 Conservar o ambiente escolar organizado, limpo e arejado para o bem estar
de todos.
 Cumprir rigorosamente o Calendário escolar, conforme a elaboração e
instruções recebidas pela mantenedora.
 Prestar contas em tempo hábil e descrever gastos das verbas recebidas dos
diversos órgãos como: MEC, SEEDF. Fazer o plano de aplicação das verbas
juntamente com as instâncias colegiadas de maneira transparente para que seja
aplicada para o bem comum.
Recursos: Engenharia da SEE e parceiros.
11. ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO-
PEDAGÓGICO
A elaboração, acompanhamento e avaliação do projeto político-pedagógico
ocorreram no âmbito do Conselho Escolar, em que os diferentes segmentos da
comunidade estão representados, e também com a participação individual e coletiva
dos funcionários nas coordenações, através de registro em atas e observações
verbalizadas pelos professores. A redação final do documento ocorreu de forma
democrática junto à equipe responsável pela elaboração, que disponibilizou o
documento a todos os funcionários da escola via email, e a comunidade escolar via
o blog da escola.
No decorrer do ano letivo, à medida que os projetos são praticados ou
ocorrem demandas ais específicas são feitas reuniões bimestrais em que são
avaliadas se as práticas estão de acordo com o PPP elaborado inicialmente,
podendo haver adaptações de acordo com a realidade da escola.
PROJETOS ESPECÍFICOS
12.1. PROJETO CIDADANIA - RESPEITO/CONHECIMENTO/VALORIZAÇÃO
JUSTIFICATIVA:
O respeito aos símbolos da pátria se tornou algo ridicularizado, é como se as
pessoas tivessem vergonha de parar e ficar em posição de sentido para ouvir o Hino
Nacional. Observamos também que alguns alunos não sabiam como se comportar
nesses momentos; muitos não conheciam os brasões e as armas nacionais. Diante
desse quadro, veio a necessidade de trabalhar dentro da escola tais temas, resgatar
o amor à pátria e a valorização dos símbolos do país tendo orgulho de ser brasileiro
apesar das dificuldades que a nação atravessa em relação à moralidade de alguns
governantes, de alguns componentes do poder judiciário e de alguns representantes
do povo no Congresso Nacional. Valorizar a cultura e a diversidade do povo
brasileiro para que se desenvolva na criança o amor ao Brasil e a coragem de
defendê-lo dos maus políticos e dos corruptos.
OBJETIVO GERAL:
Desenvolver a valorização social e cultural do Brasil, resgatando o amor
incondicional à Pátria.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
 Promover horas cívicas desenvolvendo valores e respeito à Pátria;
 Explorar a importância do cidadão, seus direitos e deveres para com o País;
 Desmistificar conceitos e preconceitos referentes ao povo brasileiro;
 Divulgar os símbolos nacionais;
 Conhecer a cultura das diferentes regiões do país.
DESENVOLVIMENTO
Canto do Hino Nacional;
Apresentação às 2ª feiras da Bandeira Nacional, do DF e da escola;
Promover momentos culturais (evidenciando as datas cívicas);
Preparar murais periódicos de notícias atuais;
Apresentações de danças e cantos folclóricos.
ESTRATÉGIAS:
Organização semanal do evento, planejamento de cada hora cívica a ser
feita e estímulo à participação de todos.
Escolha dos alunos que irão transportar as bandeiras e escolha das
atividades que serão apresentadas, enfatizando a cooperação, a participação e a
solidariedade.
PÚBLICO-ALVO:
Toda a comunidade escolar da Escola Classe 29
RECURSOS:
 Humanos: equipe da direção, professores e demais funcionários e pais de
alunos;
 Materiais: bandeiras, CD do Hino Nacional.
CRONOGRAMA
Ocorrerá durante todo o ano letivo às segundas-feiras e em sala de aula
quando necessário.
AVALIAÇÃO:
Avaliação através da participação da comunidade em cada evento, e avalia-
se ainda a mudança no comportamento dos alunos relativamente ao momento da
execução do Hino Nacional.
12.2. PROJETO: BULLYING NÃO TEM GRAÇA!
JUSTIFICATIVA
A prática do Bullying tornou-se algo comum nos espaços educacionais, provocando
cada vez mais atitudes violentas, tantos dos agressores, como das vitimas.
Discutir as questões ligadas à prática do bullying com toda a comunidade escolar é
importante, pois, proporciona a reflexão e evita que novos casos de bullying ocorram
nas unidades escolares. Este projeto pretende atuar, tanto com os alunos, como
pais e responsáveis, buscando medidas educativas que combatam as ações de
violência na escola. A popularidade do fenômeno cresceu com a influência dos
meios eletrônicos, como a internet e as reportagens na televisão, pois os apelidos
pejorativos e as brincadeiras ofensivas foram tomando proporções maiores. "O fato
de ter consequências trágicas - como mortes e suicídios - e a impunidade
proporcionaram a necessidade de se discutir de forma mais séria o tema", aponta
Guilherme Schelb, procurador da República e autor do livro Violência e
Criminalidade Infanto-Juvenil
OBJETIVO GERAL
Pesquisar e refletir sobre as causas e consequências do bullying, tomando
como ponto de partida as narrativas de alunos, professores, pais e responsáveis.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
 Conhecer o fenômeno bullying, refletindo sobre suas consequências na vida
dos alunos.
 Divulgar o conceito de bullying não só no ambiente escolar e familiar, mas
também para a sociedade.
 Oferecer atividades que trabalhem valores como tolerância e solidariedade.
 Ensinar os alunos a conviver com as diferenças.
 Promover o diálogo entre os alunos, despertando-lhes a consciência crítica.
 Resgatar as regras principais de convivência.
 Reforçar o valor da ética nos dias atuais e a necessidade de exercitá-la em
nossas atitudes diárias.
 Estimular o companheirismo, a amizade e o respeito ao outro.
DESENVOLVIMENTO:
Através de leituras, discussão de textos, trabalhos em grupos, proporcionando
uma reflexividade sobre as causas e consequências do Bullying. Também serão
utilizadas as seguintes estratégias metodológicas:
Apresentação de Filmes: Ponte para Terabítia; Meninas malvadas; Te pego lá
fora; Harry Potter; Lucas um intruso no formigueiro; Happy feet; A princesinha; O
patinho feio; A era do Gelo; vídeos do Youtube.
Dinâmicas de Grupo: DINÂMICA DAS CORES, CAIXA COM ESPELHO,
PROCURAR SEU PAR, O QUE SEI SOBRE VOCÊ
Produção de textos
Textos e palestra para os pais e responsáveis
Leituras variadas:
** Famosos que sofreram bullying
** O Diário de Davi Satil: uma vítima de Bullying
** Bullying: a brincadeira que não tem graça
** Matéria “Brasília é campeã de bullying”, do DFTV
** Texto “Bullying: o exercício da intimidação”
** Texto “Eu sei o que é bullying”
** Texto “Brasília, capital do bullying”
** Depoimentos dos alunos relacionados à prática do bullying
** LIVROS – NÃO TEM DOIS IGUAIS (Carmem Lúcia Campos)
COLEÇÃO TODOS CONTRA O BULLYING (Rose E. Machado)
DIVERSIDADE (Tatiana Belinky)
E SE FOSSE COM VOCÊ? (Sandra Saruê)
DIÁRIO DE UMA VÍTIMA DE BULLYING (Lélio Braga Calhau)
Confecção de painel com a “Árvore da amizade”, para valorizar o
companheirismo entre os alunos.
PÚBLICO-ALVO:
A comunidade escolar.
RECURSOS:
 Humanos: equipe da direção, professores e demais funcionários e pais de alunos;
 Materiais: livros, CDs, DVDs, textos.
CRONOGRAMA:
As atividades serão aplicadas durante 3 semanas, sendo reforçado o tema
durante todo o ano letivo.
AVALIAÇÃO:
Avaliação através da participação dos alunos, e avalia-se ainda a mudança no
comportamento dos alunos.
12.3. HORA DA LEITURA/ HISTÓRIAS NA SACOLA
JUSTIFICATIVA:
Observamos que os alunos só liam quando eram obrigados a fazê-lo para
realizar provas ou testes. Sentimos daí, a necessidade de despertar o gosto pela
leitura por prazer, a leitura como fonte de crescimento intelectual.
OBJETIVO GERAL:
Despertar o prazer pela leitura em todos os segmentos da escola e o hábito
de ler.
OBJETIVO ESPECÍFICO:
Desenvolver o hábito e o gosto pela leitura também como fonte de distração,
informação e lazer.
DESENVOLVIMENTO:
Os alunos são convidados a deixar as salas, com o material de leitura
escolhido (livro, gibi, revistas – adequados à idade), escolherem local tranquilo para
ler o material. Essa atividade é desenvolvida com todos os segmentos, para que
esse momento de lazer seja compartilhado com todos.
Os alunos levam para casa, dentro de uma sacola, livros de literatura que
devem ser lidos e compartilhados com a família e depois devolvidos. Em sala, a
professora trabalha as obras lidas através de recontagem da história, desenhos ou
dramatizações.
ESTRATÉGIAS:
 Estímulo à leitura;
 Escolha dos livros a serem lidos;
 Reforço positivo para o hábito de ler por prazer;
 Leitura silenciosa;
 Prática de leitura e interpretação individual;
 Leitura compartilhada em casa.
PROCEDIMENTOS:
 Orientação aos alunos quanto à escolha do livro a ser lido;
 Organização da caixa de leitura de forma a facilitar o acesso das
crianças aos livros;
 Escolha dos livros a serem levados na sacola.
PÚBLICO-ALVO:
Alunos, professores e demais funcionários da escola.
RECURSOS:
 Humanos: professores, equipe de gestão, secretaria, professores da
sala de leitura e demais funcionários.
 Materiais: livros, jornais, revistas, gibis, encartes e demais materiais
impressos.
CRONOGRAMA:
Será desenvolvido durante todo o ano letivo
Duração: Uma vez por semana (às sextas-feiras), durante 20 minutos para
cada turno. Uma vez por semana a criança escolhe o livro, leva-o para casa, lê com
seus familiares e devolve antes de pegar outro.
AVALIAÇÃO:
Durante as reuniões coletivas, através dos relatórios orais feitos pelas
professoras e através de entrevista informal feita com os demais funcionários.
12.4. PROJETO LABORATÓRIO DE ESTUDOS COGNITIVOS
JUSTIFICATIVA:
O trabalho de atendimento aos alunos com defasagens tem que ser sério e
sistemático. É grande a responsabilidade de garantir que esses alunos não
fracassem mais. Isto motivou a criação deste projeto que atende os alunos para
atividade de reforço escolar e atividades de resgate dos pré-requisitos.
OBJETIVO GERAL:
Efetivação do Ensino Fundamental de nove anos, garantindo às crianças de
1º ao 5º ano, a aquisição da leitura/escrita/letramento, raciocínio lógico matemático e
o seu desenvolvimento integral no tempo estabelecido em lei.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
 Estabelecer uma reorganização do tempo e do espaço escolar, visando o
desenvolvimento integral da criança e sua efetiva alfabetização/ letramento;
 Organizar o currículo escolar em eixos de trabalho, orientados para a
construção de diferentes linguagens e para as relações que essa construção
estabelece com os objetos de natureza e sociedade, artes visuais, músicas e
linguagem oral e escrita;
 Reestruturar o processo de ensino-aprendizagem de forma que a criança
vivencie experiências prazerosas; percebendo o espaço escolar como ambiente
cooperativo, acolhedor, desafiador.
DESENVOLVIMENTO:
Escolha dos temas a serem trabalhados;
Identificação das habilidades a serem desenvolvidas;
Seleção dos textos a serem apresentados aos alunos;
Reagrupamento visando facilitar o avanço individual do aluno;
Escolha dos exercícios de matemática a serem feitos pelos alunos;
Atividades escritas;
Jogos pedagógicos;
Atividades lúdicas;
Trabalho com fábulas, contos e histórias em quadrinhos;
Situação problema baseada em ações cotidianas executadas pelos alunos.
PÚBLICO-ALVO:
Alunos com defasagem idade/série e/ou cognitiva
RECURSOS:
 Humanos: professores regentes, vice-direção e coordenação
 Materiais: material concreto e material impresso.
CRONOGRAMA:
Durante todo o ano letivo
AVALIAÇÃO:
Avaliação processual com base nos testes da psicogênese que são aplicados
mensalmente e testes de matemática. Alunos que forem alcançando os objetivos e
demonstrando capacidade de acompanhar a turma, serão substituídos no projeto
por outros que demonstrem necessidade.
12.5. PROJETO EDUCAÇÃO FINANCEIRA
JUSTIFICATIVA
Nos países considerados “desenvolvidos” a Educação Financeira é dada,
desde cedo no seio familiar, cabendo às escolas o reforço e embasamento teórico
necessário para desenvolver uma mente madura e previdente economicamente.
No Brasil, infelizmente, observa-se que a família não só não fornece esse tipo
de ensinamento, como muitas delas atravessam crises financeiras por não saber
administrar suas economias.
OBJETIVO GERAL:
Conscientizar os alunos e seus pais da importância de se criar hábitos
corretos para administrar economias.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
 Promover debates sobre a importância do dinheiro na vida diária;
 Desenvolver o hábito de planejar gastos;
 Estimular a consciência sobre a importância de se poupar dinheiro;
 Formar uma consciência econômica coletiva, onde planejamento e controle
sejam prioridade diante dos gastos;
 Sensibilizar para a necessidade se desenvolver uma mente organizada em
relação ao trato com o dinheiro.
DESENVOLVIMENTO:
Prática de atividades que compreendam planejamento e gastos;
Estudo dos prejuízos que a falta de organização financeira podem acarretar à
pessoa, à família e à sociedade;
Estudo de estratégias para estimular a poupança financeira;
Visita ao Banco Central;
Avaliação do trabalho realizado dentro da escola;
Uso do material “Descobrindo o valor das coisas” (Maurício de Sousa e
Gustavo Cerbasi);
Pesquisa sobre o tema nos diversos meios de comunicação;
Sensibilização, através de diferentes fontes, para o uso consciente do
dinheiro.
PÚBLICO-ALVO:
Comunidade escolar
RECURSOS:
 Humanos: professoras, alunos, funcionários da escola e parceiros
(palestrantes, etc.) que possam ser recrutados para o desenvolvimento do projeto.
 Materiais: material impresso e recursos multimídia; guia e atividades:
“Descobrindo o valor das coisas” (Maurício de Sousa e Gustavo Cerbasi)
CRONOGRAMA:
As atividades serão aplicadas em um mês, porém o tema será abordado
sempre que necessário.
AVALIAÇÃO:
A avaliação será através da observação do comportamento dos alunos e as
mudanças que se espera que ocorram; uso adequado de dinheiro (através de
relatos) e a sensibilização que cada um deverá fazer dentro da própria da família.
12.6. LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA
JUSTIFICATIVA
O momento atual é de extrema informatização e aberto às mudanças. O que
é agora pode ser outra coisa daqui alguns minutos. A escola não pode ser diferente
e deve propiciar aos alunos o que o mundo lá fora propicia – a informação minuto a
minuto. Sabemos que o Brasil é um dos países que contém um dos maiores índices
de internautas do mundo, porém possuem em sua maioria alguns operadores ainda
leigos no que diz respeito aos programas básicos, com exceção dos browsers de
navegação da Internet, ou seja, não dominam totalmente o recurso tecnológico.
Sabe-se também que o governo Federal está à medida do possível alargando seu
processo de "Inclusão Digital", desta forma devemos orientar nossos alunos acerca
das novas tecnologias que a escola dispõe; além disso, apostar na Inclusão Digital
é proveitoso para aquisição de conhecimento, "[...] o acesso à rede mundial de
Internet melhora em 5,5 pontos no desempenho dos alunos (Revista Nova Escola, p.
24, 2007)" e já que, a informática é uma das áreas que mais cresce no Brasil e no
Mundo, os alunos devem estar preparados e capacitados para as transformações
que o mundo vem sofrendo, e compreender melhor o progresso no qual o homem
tem trilhado.
OBJETIVO GERAL
Democratizar o acesso aos meios de comunicação moderna, incentivando o
desenvolvimento dos processos cognitivos, sociais e afetivos.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
 Possibilitar o acesso dos alunos e comunidade local às novas tecnologias da
informação como forma de inclusão social;
 Utilizar o computador como uma ferramenta de ensino e aprendizagem para
os alunos e comunidade local.
METODOLOGIA:
O desenvolvimento das atividades na sala de Informática se inicia mais
diretamente no diálogo com as partes que compõem a comunidade escolar desde a
direção, coordenação, professores e alunos. Este diálogo busca descobrir
finalidades e objetivos que envolvem a aprendizagem do aluno e necessidades da
escola e apresentar possibilidades de uso do laboratório de informática.
Com o início do ano letivo, entra neste contexto a participação direta do aluno.
Começa, então a ser visualizada uma direção mais específica das atividades a
serem desenvolvidas dentro do perfil mais evidenciado. Temos então reuniões com
professores, reelaboramos regras para o uso do laboratório, onde buscamos
identificar problemas ligados ao laboratório para serem sanados, procuramos
adequar as expectativas dos professores com as possibilidades de uso das
Tecnologias da informação e comunicação, como construção de blogs, por exemplo.
Temos a oportunidade de organizar oficinas que atendam necessidades para
aplicação de programas a trabalhos e orientamos continuamente a pesquisa que o
aluno busca desenvolver no laboratório, além de orientação para elaboração de
apresentação de slides, vídeos, trabalhos em texto, gravação de áudios e a
utilização de software livre por meio do Linux Educacional, já implantado e utilizado
no atual laboratório.
Esta Metodologia possibilita:
 Envolver a comunidade escolar na utilização de recursos que ampliem as
formas de acesso ao conhecimento, comunicação e pesquisa;
 Oferecer à comunidade escolar o acesso à sala de informática para execução de
projetos pedagógicos interdisciplinares ou não, priorizando a participação de
professores na concretização de suas aulas e de pesquisas com seus alunos;
 Identificar a sala de informática como sala de aula para o desenvolvimento do
processo ensino-aprendizagem;
 Favorecer o aceso às informações, estabelecendo relações com temas de
interesse da educação;
 Formar o indivíduo para que seja crítico na construção de conhecimentos;
 Direcionar o uso da internet com discernimento para aproveitar o potencial educativo
que se aplica ao universo da educação.
 Zelar pelo espírito colaborativo na construção de trabalhos coletivos.
PÚBLICO ALVO
Professores, alunos e comunidade local.
CRONOGRAMA
As atividades serão desenvolvidas se adequando às necessidades dos
professores, alunos e comunidade escolar.
As atividades variam desde o desenvolvimento de aulas, atendimento à
pesquisa até a elaboração em conjunto de forma colaborativa de trabalhos
diversificados como apresentação de slides, vídeos, gravação de áudios e vídeos,
construção e ou participação em blogs e sites, participação em reuniões gerais, de
áreas, orientação aos professores, sugestões de uso de programas, simuladores,
repositórios entre outros como o uso de redes sociais.
FUNCIONAMENTO:
O dia-a-dia da sala de informática nos propicia um diálogo contínuo em um
ambiente dinâmico, diversificado e interessante, encontrando compreensões
diferenciadas e criativas para a realização dos trabalhos numa aprendizagem
colaborativa.
A organização para funcionamento da sala de informática fixa regras para o
uso por parte de alunos, professores e comunidade escolar.
Observamos a prioridade de desenvolvimento de aulas mediante a
administração das mesmas e acessórias do professor responsável.
Consideramos a necessidade de pesquisa e produção de trabalhos na sala
por parte dos alunos, também sob a assistência e orientação do professor
multiplicador.
Por fim, o professor deve oferecer oficinas de rádio, vídeo, apresentação de
slides, entre outras, atendendo às necessidades educacionais com o uso das TICs
(Tecnologia da Informação e comunicação).
As atividades desenvolvidas seguem prioritariamente um agendamento para a
utilização dos computadores e contam com uma orientação prévia por parte do
professor que solicitou o trabalho e por parte do professor de informática no
desenvolvimento deste trabalho, sempre buscando atender aos objetivos
educacionais do professor regente.
MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO
Temos no funcionamento da sala de informática, o monitoramento realizado
através da observação e orientação direta feita pelo Professor de informática
responsável, que deverá atuar obedecendo a um agendamento de aulas, realização
de trabalhos e pesquisas e às regras de funcionamento da mesma com alunos e
professores para direção da ação educacional com o uso dos recursos tecnológicos.
Estas regras são estabelecidas pelo professor de informática juntamente com a
coordenação, sendo apresentadas à direção da Escola Classe 29.
A avaliação será realizada pelo acompanhamento da direção, professores,
alunos e supervisão pedagógica escolar, observando o atendimento ao esperado
pelos professores e alunos. Avaliação é também realizada pelas turmas em
conselho de classe através de fichas e explanação mostrando o qualitativo e o
quantitativo no desempenho dos trabalhos.
RECURSOS
 Humanos: Técnico em informática, professores e coordenadores.
 Materiais: Laboratório de informática já instalado com 19 máquinas em rede
com acesso internet, máquina fotográfica, data-show, impressora, computador
portátil
12.7. PROERD
JUSTIFICATIVA
A sociedade moderna se vê refém de organizações voltadas para o
aliciamento de jovens para o uso e tráfico de drogas.
A escola deve, em parceria com a família, conscientizar crianças e jovens para
os perigos do uso de drogas e para a convivência consciente em grupo, visto que a
necessidade de socialização faz com que muitos jovens acabem adentrando ao
mundo ilícito para se sentirem aceitos.
É por esse motivo que a EC29 participa do programa PROERD, permitindo
que os alunos tenham acesso às aulas.
OBJETIVO GERAL:
Possibilitar aos alunos o reconhecimento de situações que possam
comprometer sua segurança e saúde, quanto ao uso indevido de drogas.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
 Promover aulas sobre a segurança e saúde;
 Desenvolver o sentimento de auto-preservação;
 Estimular a consciência sobre a importância de se evitar situações de risco;
 Formar uma consciência preventiva e multiplicadora
 Sensibilizar para a necessidade de se refletir sobre segurança e saúde.
DESENVOLVIMENTO:
Sensibilização dos alunos quanto à importância de se auto preservar e evitar
situações de risco à segurança e à saúde;
Participação e interatividade nas discussões e no desenvolvimento de
habilidades que os conduza a solução de problemas e dificuldades;
Ensino de procedimentos a adotar em situações de emergência ou
inesperados;
Ensino de noções de habilidades vitais essenciais, como dizer não e pedir
ajuda.
PROCEDIMENTOS:
Reunião com pais dos alunos envolvidos para conscientização e
estabelecimento de parceria.
Aulas ministradas semanalmente por policial treinado para o programa.
Uso do material impresso e audiovisual próprio do programa.
Formatura dos alunos ao final do programa.
PÚBLICO-ALVO:
Todos os alunos dos 5º anos.
RECURSOS:
 Humanos: professores, alunos e policial treinado para o programa.
 Materiais: material impresso e recursos multimídia.
CRONOGRAMA:
Aulas semanais de 45 minutos ao longo de 4 meses.
AVALIAÇÃO:
A avaliação será através da observação do comportamento dos alunos e as
mudanças que se espera que ocorram, e a sensibilização que cada um deverá fazer
dentro própria da família.
12.8. PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL
JUSTIFICATIVA
Em 2006 foi feita a primeira experiência no sentido de se avaliar a escola bem
como o trabalho nela desenvolvido. O resultado foi surpreendente, a participação de
todos os segmentos foi grande. Decidiu-se então, que a Avaliação Institucional seria
parte integrante do calendário da escola, pois os dados coletados apontavam para a
necessidade de se ouvir mais a comunidade. Esta se tornou a oportunidade de
interagir com a comunidade, de integrá-la com a escola, para atendê-la ainda melhor
e, assim, atingir a excelência em termos educacionais.
OBJETIVO GERAL:
Conhecer de forma sistemática e aprofundada a realidade da E.C. 29 de
Taguatinga com vistas a atingir excelência no ensino oferecido, nos relacionamentos
interpessoais e nas condições de trabalho na escola.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
 Avaliar a qualidade do ensino prestado à comunidade;
 Aferir o índice de participação e satisfação da comunidade escolar;
 Traçar estratégias de melhoria da I.E. com base nos dados coletados;
 Avaliar a qualidade dos serviços prestados à comunidade pela escola.
DESENVOLVIMENTO:
Criação do Grupo de Trabalho (GT) para a elaboração do questionário de
avaliação
Elaboração da Avaliação Institucional pelo GT
Aplicação do questionário para comunidade escolar (pais, e funcionários)
Análise e tabulação dos dados
Apresentação dos resultados através de tabelas e gráficos
Reflexões conclusivas com o coletivo da escola
PROCEDIMENTOS:
Confecção de questionário que irá indicar as passíveis falhas e sucessos do
trabalho desenvolvido pela escola
Sensibilização dos pais, professores e demais funcionários da escola para
participarem da avaliação de forma consciente e objetivando a melhoria do ensino e
dos serviços prestados pela escola.
PÚBLICO-ALVO:
Pais e funcionários da Escola Classe 29 de Taguatinga.
RECURSOS:
 Humanos: Professores e representantes dos auxiliares para o Grupo de
Trabalho
 Materiais: material impresso dos questionários
CRONOGRAMA:
Semestralmente
AVALIAÇÃO:
Após a tabulação dos dados o Grupo de Trabalho se reúne e faz um relatório
expondo as dificuldades enfrentadas no processo todo da Avaliação Institucional e
propondo mudanças e/ou adaptações para o ano seguinte.
Os resultados obtidos pelos questionários e as possíveis falhas encontradas
são expostos ao corpo de funcionários da escola para que sejam adotadas as
necessárias medidas de correção.
12.9. PROJETO AFRO BRASILIDADE
Por Rosália Miguel dos Anjos
OBJETIVO GERAL
Estudar sobre ensino de História e Cultura Afro Brasileira e Africana para
Educação das Relações Étnico Raciais baseado na Lei 10639/2003 da LDB.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
 Trabalhar África e Brasil para desmistificar a ideia de que negro é inferior
(Construção de uma pedagogia antirracista).
 Levar o conhecimento da cultura afro-brasileira.
 Conhecer a Constituição da República Federativa do Brasil –Art. 5º
 Adquirir autoafirmação e reconhecimento como componente integrante de
uma sociedade miscigenada.
 Identificar a hereditariedade africana através dos costumes, hábitos, músicas,
expressões, vocábulos etc.
META
Desenvolver em 90% dos alunos o pensamento crítico de mudança de hábito e
atitudes a favor da igualdade racial.
SISTEMATIZAÇÃO
Contos africanos e brasileiros.
Utilização de mapas (Mundi, Brasil, Continente Africano).
Ampliação do vocabulário.
Artes plástica, cênicas e musicais.
Interdisciplinaridade.
Culinária africana e sua influência na culinária brasileira
ESTRATÉGIA
Ideia central, reflexão, discussão.
Dramatização.
Confecção de trabalhos artísticos (ilustrações, esculturas, etc.)
Produção de frases, textos coletivos e ou individuais.
Explorar quantidade de países, nomes enfatizando letra inicial e final,
quantidade de letras e sílabas, pronuncia.
Explorar formas
Ouvir contos relacionados
Palavras brasileiras de origem africanas e Palavras africanas
Confecção de máscaras, molduras, tecidos, etc.
Dramatização e danças
Leitura e interpretação de músicas
Confecção de instrumentos musicais
Execução de receita
PÚBLICO ALVO
Todos os alunos da escola.
RECURSOS
 Humanos: Professor / Alunos Visitantes
 Materiais: material impresso e recursos multimídia
CRONOGRAMA
No decorrer de todo ano letivo
AVALIAÇÃO
Acontecerá paralelamente ao longo do processo, conforme forem aplicadas as
atividades.
Através da observação na participação dos alunos nas atividades propostas.
Através das produções escritas coletivas ou individualmente realizadas pelos
alunos. Este projeto poderá ser redimensionado baseando-se nos resultados
obtidos na avaliação.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
o ANTUNES, Celso. A grande jogada: manual construtivista de como estudar.
Petrópolis: Vozes, 1996.
o BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: 1988. Cap. III, seção
I art. 205 a 214.
o ____ Lei nº. 9394, de 23 de Dezembro de 1996. Diretrizes e Bases da
Educação Nacional.
o ____ Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares
Nacionais – ensino de 1ª a 4ª série. Brasília: MEC/SEF, 2002.
o KATO, M. (Org.) A concepção da escrita pela criança. Campina: Pontes,
1988.
o LUCKESI, Carlos Cipriano. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e
proposições. 6. ed. São Paulo: Cortez, 1997.
o SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO. Currículo de Educação Básica.
Distrito Federal, 2002.
o ____ Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares
Nacionais – ensino de 1ª a 4ª série. Volume 5- História e Geografia. Brasília:
MEC/SEF, 2002.
o http://www.netkids.com.br/v4.0/arquivos/institucional/metodologia.asp
o Livro de Africanidades – Ed. Nova Leitura
o http://www.acordacultura.org.br/
o FERNANDES, Maria Estrela Araújo. Progestão: como desenvolver a
avaliação institucional na escola? Módulo IX. Brasília: CONSED – Conselho
Nacional de Secretários de Educação, 2001.
o SILVA, Ana Beatriz Barbosa. Bullying – mentes perigosas nas escolas.
FONTANAR, 2010
o VASCONCELLOS, C.S. Planejamento: plano de ensino-aprendizagem e
projeto educativo. São Paulo: Libertat, 1995.
o http://pacto.mec.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

“Escola educada, escola bem cuidada. Conscientização e conservação do patrimô...
“Escola educada, escola bem cuidada. Conscientização e conservação do patrimô...“Escola educada, escola bem cuidada. Conscientização e conservação do patrimô...
“Escola educada, escola bem cuidada. Conscientização e conservação do patrimô...
Seduc MT
 
Datas comemorativas de outubro
Datas comemorativas de outubroDatas comemorativas de outubro
Datas comemorativas de outubro
SimoneHelenDrumond
 
PPP
PPPPPP
Planejamento 2015 - proposta de trabalho para sala de leitura
Planejamento 2015 - proposta de trabalho para sala de leituraPlanejamento 2015 - proposta de trabalho para sala de leitura
Planejamento 2015 - proposta de trabalho para sala de leitura
Luciane tonete
 
Pluralidade cultural lei 10639.03
Pluralidade cultural lei 10639.03Pluralidade cultural lei 10639.03
Pluralidade cultural lei 10639.03
Tamiris Morroni
 
Plano de gestão feito
Plano de gestão feitoPlano de gestão feito
Plano de gestão feito
Antonio Carneiro
 
Diretrizes do programa ensino integral
Diretrizes do programa ensino integralDiretrizes do programa ensino integral
Diretrizes do programa ensino integral
Rogerio Alexandre Garcia
 
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogicomodelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
José Antonio Ferreira da Silva
 
Estagio gestão
Estagio gestãoEstagio gestão
Estagio gestão
magrid
 
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
renatalguterres
 
17 projeto escola limpa
17  projeto escola limpa17  projeto escola limpa
17 projeto escola limpa
juniorfuleragem
 
Dimensoes apresentacao
Dimensoes apresentacaoDimensoes apresentacao
Dimensoes apresentacao
Hyedda Rocha
 
Projeto festa junina
Projeto festa juninaProjeto festa junina
Projeto festa junina
cebpaulofreire
 
11 projeto conhecendo a história de mossoro
11 projeto conhecendo a história de mossoro11 projeto conhecendo a história de mossoro
11 projeto conhecendo a história de mossoro
juniorfuleragem
 
Plano de ação 2014 escola
Plano de ação 2014 escolaPlano de ação 2014 escola
Plano de ação 2014 escola
Polivalente Linhares
 
Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
MellitaLobenweinBras
 
Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolar
Maryanne Monteiro
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
Daniela Marckevitz
 
Plano de aula matemática
Plano de aula   matemáticaPlano de aula   matemática
Plano de aula matemática
Amanda Freitas
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Arivaldom
 

Mais procurados (20)

“Escola educada, escola bem cuidada. Conscientização e conservação do patrimô...
“Escola educada, escola bem cuidada. Conscientização e conservação do patrimô...“Escola educada, escola bem cuidada. Conscientização e conservação do patrimô...
“Escola educada, escola bem cuidada. Conscientização e conservação do patrimô...
 
Datas comemorativas de outubro
Datas comemorativas de outubroDatas comemorativas de outubro
Datas comemorativas de outubro
 
PPP
PPPPPP
PPP
 
Planejamento 2015 - proposta de trabalho para sala de leitura
Planejamento 2015 - proposta de trabalho para sala de leituraPlanejamento 2015 - proposta de trabalho para sala de leitura
Planejamento 2015 - proposta de trabalho para sala de leitura
 
Pluralidade cultural lei 10639.03
Pluralidade cultural lei 10639.03Pluralidade cultural lei 10639.03
Pluralidade cultural lei 10639.03
 
Plano de gestão feito
Plano de gestão feitoPlano de gestão feito
Plano de gestão feito
 
Diretrizes do programa ensino integral
Diretrizes do programa ensino integralDiretrizes do programa ensino integral
Diretrizes do programa ensino integral
 
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogicomodelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
 
Estagio gestão
Estagio gestãoEstagio gestão
Estagio gestão
 
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
 
17 projeto escola limpa
17  projeto escola limpa17  projeto escola limpa
17 projeto escola limpa
 
Dimensoes apresentacao
Dimensoes apresentacaoDimensoes apresentacao
Dimensoes apresentacao
 
Projeto festa junina
Projeto festa juninaProjeto festa junina
Projeto festa junina
 
11 projeto conhecendo a história de mossoro
11 projeto conhecendo a história de mossoro11 projeto conhecendo a história de mossoro
11 projeto conhecendo a história de mossoro
 
Plano de ação 2014 escola
Plano de ação 2014 escolaPlano de ação 2014 escola
Plano de ação 2014 escola
 
Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
 
Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolar
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
 
Plano de aula matemática
Plano de aula   matemáticaPlano de aula   matemática
Plano de aula matemática
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 

Destaque

PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de TaguatingaPPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
Ana Silva
 
Projeto PolíTico PedagóGico Ec18
Projeto PolíTico PedagóGico Ec18Projeto PolíTico PedagóGico Ec18
Projeto PolíTico PedagóGico Ec18
guestd36b23
 
PPP 2011 EC 29 de Taguatinga
PPP 2011 EC 29 de TaguatingaPPP 2011 EC 29 de Taguatinga
PPP 2011 EC 29 de Taguatinga
anapedro44
 
Projeto Político Pedagógico EC10 2016
Projeto Político Pedagógico EC10 2016 Projeto Político Pedagógico EC10 2016
Projeto Político Pedagógico EC10 2016
QUEDMA SILVA
 
Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012
Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012
Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012
emebgr
 
Projeto Político Pedagógico 2014
Projeto Político Pedagógico 2014 Projeto Político Pedagógico 2014
Projeto Político Pedagógico 2014
Karen Dechering
 
Dia da criança na EC 29
Dia da criança na EC 29Dia da criança na EC 29
Dia da criança na EC 29
Ana Silva
 
Afro brasilidade
Afro brasilidadeAfro brasilidade
Afro brasilidade
Ana Silva
 
Africa
AfricaAfrica
Africa
Ana Silva
 
Projeto Político Pedagógico - E.B.M. Henrique Alfarth
Projeto Político Pedagógico - E.B.M. Henrique AlfarthProjeto Político Pedagógico - E.B.M. Henrique Alfarth
Projeto Político Pedagógico - E.B.M. Henrique Alfarth
Fernando Heringer
 
IV mostra cultural
IV mostra culturalIV mostra cultural
IV mostra culturalanapedro44
 
Projeto educacao inclusiva2
Projeto educacao inclusiva2 Projeto educacao inclusiva2
Projeto educacao inclusiva2
Renata Louchard
 
Projeto tcc rev00
Projeto tcc   rev00Projeto tcc   rev00
Projeto tcc rev00
Cesar Braz
 
PPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
PPP 2014 - EC 29 de TaguatingaPPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
PPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
Ana Silva
 
Projeto Político Pedagógico 2014
Projeto Político Pedagógico 2014Projeto Político Pedagógico 2014
Projeto Político Pedagógico 2014
emeblaurogomes
 
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
planetaaspie
 
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumondProjeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Oficina de brinquedos populares
Oficina de brinquedos popularesOficina de brinquedos populares
Oficina de brinquedos populares
Criarte7
 
PROJETO CONSTRUINDO MEU BRINQUEDO COM SUCATA
PROJETO CONSTRUINDO MEU BRINQUEDO COM SUCATAPROJETO CONSTRUINDO MEU BRINQUEDO COM SUCATA
PROJETO CONSTRUINDO MEU BRINQUEDO COM SUCATA
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Como fosse dinheiro
Como fosse dinheiroComo fosse dinheiro
Como fosse dinheiro
escolaodeteribaroli
 

Destaque (20)

PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de TaguatingaPPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
 
Projeto PolíTico PedagóGico Ec18
Projeto PolíTico PedagóGico Ec18Projeto PolíTico PedagóGico Ec18
Projeto PolíTico PedagóGico Ec18
 
PPP 2011 EC 29 de Taguatinga
PPP 2011 EC 29 de TaguatingaPPP 2011 EC 29 de Taguatinga
PPP 2011 EC 29 de Taguatinga
 
Projeto Político Pedagógico EC10 2016
Projeto Político Pedagógico EC10 2016 Projeto Político Pedagógico EC10 2016
Projeto Político Pedagógico EC10 2016
 
Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012
Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012
Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012
 
Projeto Político Pedagógico 2014
Projeto Político Pedagógico 2014 Projeto Político Pedagógico 2014
Projeto Político Pedagógico 2014
 
Dia da criança na EC 29
Dia da criança na EC 29Dia da criança na EC 29
Dia da criança na EC 29
 
Afro brasilidade
Afro brasilidadeAfro brasilidade
Afro brasilidade
 
Africa
AfricaAfrica
Africa
 
Projeto Político Pedagógico - E.B.M. Henrique Alfarth
Projeto Político Pedagógico - E.B.M. Henrique AlfarthProjeto Político Pedagógico - E.B.M. Henrique Alfarth
Projeto Político Pedagógico - E.B.M. Henrique Alfarth
 
IV mostra cultural
IV mostra culturalIV mostra cultural
IV mostra cultural
 
Projeto educacao inclusiva2
Projeto educacao inclusiva2 Projeto educacao inclusiva2
Projeto educacao inclusiva2
 
Projeto tcc rev00
Projeto tcc   rev00Projeto tcc   rev00
Projeto tcc rev00
 
PPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
PPP 2014 - EC 29 de TaguatingaPPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
PPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
 
Projeto Político Pedagógico 2014
Projeto Político Pedagógico 2014Projeto Político Pedagógico 2014
Projeto Político Pedagógico 2014
 
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
 
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumondProjeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
 
Oficina de brinquedos populares
Oficina de brinquedos popularesOficina de brinquedos populares
Oficina de brinquedos populares
 
PROJETO CONSTRUINDO MEU BRINQUEDO COM SUCATA
PROJETO CONSTRUINDO MEU BRINQUEDO COM SUCATAPROJETO CONSTRUINDO MEU BRINQUEDO COM SUCATA
PROJETO CONSTRUINDO MEU BRINQUEDO COM SUCATA
 
Como fosse dinheiro
Como fosse dinheiroComo fosse dinheiro
Como fosse dinheiro
 

Semelhante a PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA

Projeto Político Pedagógico Escola Ney Braga 2014
Projeto Político Pedagógico Escola Ney Braga 2014Projeto Político Pedagógico Escola Ney Braga 2014
Projeto Político Pedagógico Escola Ney Braga 2014
Adilson P Motta Motta
 
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio FrançaProjeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Socorro Vasconcelos
 
PTE_Apresentacao_final_para_ler_o_mundo.pdf
PTE_Apresentacao_final_para_ler_o_mundo.pdfPTE_Apresentacao_final_para_ler_o_mundo.pdf
PTE_Apresentacao_final_para_ler_o_mundo.pdf
danielle50811770
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICAPROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
Lidia Carvalho
 
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
Instituto Consciência GO
 
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
Thais Araujo
 
Projeto Político Pedagógico (PPP) CE Governador José Sarney
Projeto Político Pedagógico (PPP)  CE Governador José SarneyProjeto Político Pedagógico (PPP)  CE Governador José Sarney
Projeto Político Pedagógico (PPP) CE Governador José Sarney
Adilson P Motta Motta
 
Modelo do dossiê 2013
Modelo do dossiê 2013Modelo do dossiê 2013
Modelo do dossiê 2013
em_raimundofernandes
 
Articulador Pedagógico
Articulador PedagógicoArticulador Pedagógico
Articulador Pedagógico
Graciane Volotao
 
Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
Ppp 2012   3ª versão com assinaturasPpp 2012   3ª versão com assinaturas
Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
Marcos Lima
 
PPP do Ens. Fundamental
PPP do Ens. FundamentalPPP do Ens. Fundamental
PPP do Ens. Fundamental
João Gomes
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
LOCIMAR MASSALAI
 
QUADRO DE METAS E INDICADORES Fundamental 1 - EMMRA 2023- FINAL (1).pdf
QUADRO DE METAS E INDICADORES Fundamental 1 - EMMRA 2023- FINAL (1).pdfQUADRO DE METAS E INDICADORES Fundamental 1 - EMMRA 2023- FINAL (1).pdf
QUADRO DE METAS E INDICADORES Fundamental 1 - EMMRA 2023- FINAL (1).pdf
professoradrianadeli
 
Atps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidadeAtps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidade
mkbariotto
 
Ensino fundamental 9anos_orientaciones
Ensino fundamental 9anos_orientacionesEnsino fundamental 9anos_orientaciones
Ensino fundamental 9anos_orientaciones
Escola Jovem
 
in8014 36638-1-pb
in8014 36638-1-pbin8014 36638-1-pb
in8014 36638-1-pb
Carlos Correia
 
E.m. jornalista alberto torres tra final
E.m. jornalista alberto torres tra finalE.m. jornalista alberto torres tra final
E.m. jornalista alberto torres tra final
Ester Resende
 
Documento PEDAGOGIA
Documento PEDAGOGIADocumento PEDAGOGIA
Documento PEDAGOGIA
cellia sena sena
 
Plano de ação nilda auseli
Plano de ação nilda auseliPlano de ação nilda auseli
Plano de ação nilda auseli
Daniela F Almenara
 
Ppp
PppPpp

Semelhante a PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA (20)

Projeto Político Pedagógico Escola Ney Braga 2014
Projeto Político Pedagógico Escola Ney Braga 2014Projeto Político Pedagógico Escola Ney Braga 2014
Projeto Político Pedagógico Escola Ney Braga 2014
 
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio FrançaProjeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
 
PTE_Apresentacao_final_para_ler_o_mundo.pdf
PTE_Apresentacao_final_para_ler_o_mundo.pdfPTE_Apresentacao_final_para_ler_o_mundo.pdf
PTE_Apresentacao_final_para_ler_o_mundo.pdf
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICAPROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
 
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
 
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
Ministério da educação secretaria de educação básica departamento de política...
 
Projeto Político Pedagógico (PPP) CE Governador José Sarney
Projeto Político Pedagógico (PPP)  CE Governador José SarneyProjeto Político Pedagógico (PPP)  CE Governador José Sarney
Projeto Político Pedagógico (PPP) CE Governador José Sarney
 
Modelo do dossiê 2013
Modelo do dossiê 2013Modelo do dossiê 2013
Modelo do dossiê 2013
 
Articulador Pedagógico
Articulador PedagógicoArticulador Pedagógico
Articulador Pedagógico
 
Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
Ppp 2012   3ª versão com assinaturasPpp 2012   3ª versão com assinaturas
Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
 
PPP do Ens. Fundamental
PPP do Ens. FundamentalPPP do Ens. Fundamental
PPP do Ens. Fundamental
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
 
QUADRO DE METAS E INDICADORES Fundamental 1 - EMMRA 2023- FINAL (1).pdf
QUADRO DE METAS E INDICADORES Fundamental 1 - EMMRA 2023- FINAL (1).pdfQUADRO DE METAS E INDICADORES Fundamental 1 - EMMRA 2023- FINAL (1).pdf
QUADRO DE METAS E INDICADORES Fundamental 1 - EMMRA 2023- FINAL (1).pdf
 
Atps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidadeAtps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidade
 
Ensino fundamental 9anos_orientaciones
Ensino fundamental 9anos_orientacionesEnsino fundamental 9anos_orientaciones
Ensino fundamental 9anos_orientaciones
 
in8014 36638-1-pb
in8014 36638-1-pbin8014 36638-1-pb
in8014 36638-1-pb
 
E.m. jornalista alberto torres tra final
E.m. jornalista alberto torres tra finalE.m. jornalista alberto torres tra final
E.m. jornalista alberto torres tra final
 
Documento PEDAGOGIA
Documento PEDAGOGIADocumento PEDAGOGIA
Documento PEDAGOGIA
 
Plano de ação nilda auseli
Plano de ação nilda auseliPlano de ação nilda auseli
Plano de ação nilda auseli
 
Ppp
PppPpp
Ppp
 

Mais de Ana Silva

Carnaval 2019
Carnaval 2019Carnaval 2019
Carnaval 2019
Ana Silva
 
Feira Cultural 2018
Feira Cultural 2018Feira Cultural 2018
Feira Cultural 2018
Ana Silva
 
Festa junina 2018
Festa junina 2018Festa junina 2018
Festa junina 2018
Ana Silva
 
VI Mostra Cultural e Educativa
VI Mostra Cultural e EducativaVI Mostra Cultural e Educativa
VI Mostra Cultural e Educativa
Ana Silva
 
Passeio ao zoológico
Passeio ao zoológicoPasseio ao zoológico
Passeio ao zoológico
Ana Silva
 
Dia da família EC 29
Dia da família EC 29Dia da família EC 29
Dia da família EC 29
Ana Silva
 
Ec 29 de taguatinga
Ec 29 de taguatingaEc 29 de taguatinga
Ec 29 de taguatinga
Ana Silva
 
Festa junina 2016
Festa junina 2016Festa junina 2016
Festa junina 2016
Ana Silva
 
IV Mostra Cultural e Educativa
IV Mostra Cultural e EducativaIV Mostra Cultural e Educativa
IV Mostra Cultural e Educativa
Ana Silva
 
O bairro do Marcelo
O bairro do MarceloO bairro do Marcelo
O bairro do Marcelo
Ana Silva
 
III Mostra Cultural e Educativa EC 29 de Taguatinga
III Mostra Cultural e Educativa EC 29 de Taguatinga III Mostra Cultural e Educativa EC 29 de Taguatinga
III Mostra Cultural e Educativa EC 29 de Taguatinga
Ana Silva
 
Diretrizes de avaliação do DF
Diretrizes de avaliação do DFDiretrizes de avaliação do DF
Diretrizes de avaliação do DF
Ana Silva
 
II Mostra Cultural e Educativa da EC 29 de Taguatinga - DF
II Mostra Cultural e Educativa da EC 29 de Taguatinga - DFII Mostra Cultural e Educativa da EC 29 de Taguatinga - DF
II Mostra Cultural e Educativa da EC 29 de Taguatinga - DF
Ana Silva
 
Animais da África
Animais da ÁfricaAnimais da África
Animais da África
Ana Silva
 
O gato, o porco e a porcaria - Sergio Merli
O gato, o porco e a porcaria - Sergio MerliO gato, o porco e a porcaria - Sergio Merli
O gato, o porco e a porcaria - Sergio Merli
Ana Silva
 
O camelo, o burro e a água - Sergio Merli
O camelo, o burro e a água - Sergio MerliO camelo, o burro e a água - Sergio Merli
O camelo, o burro e a água - Sergio Merli
Ana Silva
 
Encontro com a família 2013
Encontro com a família 2013Encontro com a família 2013
Encontro com a família 2013
Ana Silva
 
Bandeiras
BandeirasBandeiras
Bandeiras
Ana Silva
 
Festa junina 2013
Festa junina 2013Festa junina 2013
Festa junina 2013
Ana Silva
 
NOSSO COMPROMISSO PARA UM RECREIO BEM LEGAL!
NOSSO COMPROMISSO  PARA UM RECREIO BEM LEGAL!NOSSO COMPROMISSO  PARA UM RECREIO BEM LEGAL!
NOSSO COMPROMISSO PARA UM RECREIO BEM LEGAL!
Ana Silva
 

Mais de Ana Silva (20)

Carnaval 2019
Carnaval 2019Carnaval 2019
Carnaval 2019
 
Feira Cultural 2018
Feira Cultural 2018Feira Cultural 2018
Feira Cultural 2018
 
Festa junina 2018
Festa junina 2018Festa junina 2018
Festa junina 2018
 
VI Mostra Cultural e Educativa
VI Mostra Cultural e EducativaVI Mostra Cultural e Educativa
VI Mostra Cultural e Educativa
 
Passeio ao zoológico
Passeio ao zoológicoPasseio ao zoológico
Passeio ao zoológico
 
Dia da família EC 29
Dia da família EC 29Dia da família EC 29
Dia da família EC 29
 
Ec 29 de taguatinga
Ec 29 de taguatingaEc 29 de taguatinga
Ec 29 de taguatinga
 
Festa junina 2016
Festa junina 2016Festa junina 2016
Festa junina 2016
 
IV Mostra Cultural e Educativa
IV Mostra Cultural e EducativaIV Mostra Cultural e Educativa
IV Mostra Cultural e Educativa
 
O bairro do Marcelo
O bairro do MarceloO bairro do Marcelo
O bairro do Marcelo
 
III Mostra Cultural e Educativa EC 29 de Taguatinga
III Mostra Cultural e Educativa EC 29 de Taguatinga III Mostra Cultural e Educativa EC 29 de Taguatinga
III Mostra Cultural e Educativa EC 29 de Taguatinga
 
Diretrizes de avaliação do DF
Diretrizes de avaliação do DFDiretrizes de avaliação do DF
Diretrizes de avaliação do DF
 
II Mostra Cultural e Educativa da EC 29 de Taguatinga - DF
II Mostra Cultural e Educativa da EC 29 de Taguatinga - DFII Mostra Cultural e Educativa da EC 29 de Taguatinga - DF
II Mostra Cultural e Educativa da EC 29 de Taguatinga - DF
 
Animais da África
Animais da ÁfricaAnimais da África
Animais da África
 
O gato, o porco e a porcaria - Sergio Merli
O gato, o porco e a porcaria - Sergio MerliO gato, o porco e a porcaria - Sergio Merli
O gato, o porco e a porcaria - Sergio Merli
 
O camelo, o burro e a água - Sergio Merli
O camelo, o burro e a água - Sergio MerliO camelo, o burro e a água - Sergio Merli
O camelo, o burro e a água - Sergio Merli
 
Encontro com a família 2013
Encontro com a família 2013Encontro com a família 2013
Encontro com a família 2013
 
Bandeiras
BandeirasBandeiras
Bandeiras
 
Festa junina 2013
Festa junina 2013Festa junina 2013
Festa junina 2013
 
NOSSO COMPROMISSO PARA UM RECREIO BEM LEGAL!
NOSSO COMPROMISSO  PARA UM RECREIO BEM LEGAL!NOSSO COMPROMISSO  PARA UM RECREIO BEM LEGAL!
NOSSO COMPROMISSO PARA UM RECREIO BEM LEGAL!
 

Último

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 

Último (20)

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 

PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA

  • 1. GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO REGIONAL DE ENSINO DE TAGUATINGA ESCOLA CLASSE 29 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 2015 Direção Coordenação Professores Auxiliares Pais
  • 2. Rubem Alves “Escolas que são asas não amam pássaros engaiolados. O que elas amam são pássaros em voo. Existem para dar aos pássaros coragem para voar. Ensinar o voo, isso elas não podem fazer, porque o voo já nasce dentro dos pássaros. O voo não pode ser ensinado. Só pode ser encorajado.”
  • 3. SUMÁRIO Apresentação 1. Historicidade 2. Diagnóstico da realidade 3. Missão 4. Princípios orientadores 5. Objetivos 6. Concepções teóricas 7. Organização do trabalho pedagógico da escola 7.1 planos de ação 8. Concepções, práticas e estratégias de avaliação 9. Organização da proposta curricular 10. Plano de ação para implementação do projeto político pedagógico Gestão pedagógica Gestão de resultados educacionais Gestão participativa Gestão de pessoas Gestão financeira Gestão administrativa 11. Acompanhamento e avaliação 12. Projetos específicos Referenciais bibliográficos
  • 4. APRESENTAÇÃO A proposta básica deste trabalho é oferecer contribuições provindas da reflexão de educadores, alunos, pais, núcleo gestor e demais funcionários da EC 29, visando intensificar o desenvolvimento de ações cooperativas, eficazes e renovadoras. O Projeto Pedagógico é compreendido como processo de ação participativa grupal com pessoas interagindo politicamente em função das necessidades, interesses e objetivos comuns. Busca um maior envolvimento na ação educativa, considerada responsabilidade de todos os membros da Comunidade Escolar. Em vista disso, este projeto foi construído através de encontros com a comunidade escolar no dia previsto para tal, no início do ano letivo de 2015, em encontros ao longo do mês de março no espaço das coordenações coletivas com os professores e demais funcionários e através de questionários estatísticos. No encontro com a comunidade escolar, as pessoas puderam falar suas impressões, percepções e opiniões acerca de vários assuntos relacionados à escola. Realizamos discussões sobre assuntos mais diversos e os responsáveis pelos alunos fizeram suas sugestões acerca dos projetos pedagógicos, questões financeira e administrativa. Através de questionários, fizemos levantamentos estatísticos. Os demais partícipes desse processo (professores e demais funcionários) também estiveram ativos nas discussões. A educação, em todos os tempos, e principalmente nos dias de hoje, ressente-se de maior aprofundamento e clareza sobre o verdadeiro sentido da aprendizagem e sobre os objetivos a serem alcançados. Não se trata simplesmente de aprender conteúdos, mas, antes, preparar-se para o pleno exercício de sua cidadania. A diversidade cultural brasileira deve permear as discussões na área educacional e na composição das diretrizes curriculares das diferentes disciplinas, principalmente no que diz respeito às diferenças culturais. O desafio é sair da postura reprodutiva, oferecendo indicações que facilitem o aprender e o saber pensar. Seguindo essa linha de pensamento, na caminhada em busca da construção do saber, o mundo sente a necessidade de incluir o pensar próprio desde os anos iniciais da vida escolar do educando.
  • 5. Para superar as dificuldades, têm sido propostas políticas públicas afirmativas que dão ênfase à cidadania e à dignidade da pessoa humana. Nesta perspectiva a educação é considerada um veículo privilegiado no processo da inclusão social. A educação é essencial ao processo de transformação da sociedade, cabendo à escola estimular a construção de valores, hábitos e comportamentos de forma democrática e comprometida para a formação integral do ser humano. A escola deve ser um espaço para construção do saber e integração do indivíduo na sociedade. “O Projeto Pedagógico é um instrumento teórico- metodológico que visa ajudar a enfrentar os desafios do cotidiano da escola, só que de forma refletida, consciente, sistematizada, orgânica e, o que é essencial, participativa. É uma metodologia de trabalho que possibilita ressignificar a ação de todos os agentes da instituição.” Vasconcellos (1995) 1. HISTORICIDADE A Escola Classe 29 de Taguatinga situa-se na QNJ 18 Área Especial nº 10, CEP:72140-180, telefone/email: 39016743/ ec29tag@gmail.com. Conta com uma área de 6.000 metros quadrados, sendo 1.500 metros quadrados de área construída, tendo 8 salas de aula, 1 Laboratório de Informática, 1 sala para biblioteca, 1 sala de professores, 1 sala para o SOE, 1 banheiro adaptado, 2 banheiros para os alunos, 2 banheiros para os funcionários, 1 cantina, 1 refeitório, 1 secretaria/direção, 1 depósito para merenda. Edificada em 1969 e inaugurada em 02/09/70. Foi criada pelo Decreto 1150 de 08/10/69, publicado na Legislação do Distrito Federal, volume VIII, página 3024. Com autorização de funcionamento pelo Decreto nº 3547, de 03/01/77, publicado no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) de 11/02/77, suplemento. Reconhecimento pela Portaria nº 17 de 07/07/80, Secretaria de Educação e Cultura, publicado no volume I, página 142 dos Atos Normativos da Fundação Educacional do Distrito Federal. Ato de criação pela Portaria 003 de 12/01/2004. Vinculada à Secretaria de Estado de Educação – Coordenação Regional de Ensino de Taguatinga a partir de setembro de 1970 vem prestando atendimento à Comunidade ininterruptamente. A escola já atendeu outras modalidades de acordo com a necessidade da comunidade escolar, como a EJA (antigo Supletivo) no noturno, já atendeu Classe
  • 6. Especial de TGD, Educação infantil, e já teve a Educação Integral. Com o passar do tempo, e de acordo com as mudanças na comunidade e no sistema de ensino, tais ofertas foram excluídas. Atualmente atende de 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental, totalizando aproximadamente 360 alunos no diurno. Os alunos do 1º ano advêm do CEI 05 , da Creche Casa do caminho e de outros locais através do Sistema de matrículas 156. A comunidade escolar é participativa nos eventos escolares. Quando são convidados a participar de atividades e reuniões alguns se voluntariam para as mesmas, tornando a relação escola/comunidade amistosa e cooperativa. A participação de todos nas avaliações institucionais é significativa, o que nos dá um feedback para a gestão, contribuindo para o aprimoramento das práticas. 2. DIAGNÓSTICO DA REALIDADE ESCOLAR A escola conta com alunos com faixa etária entre 06 e 13 anos, os quais têm responsáveis com nível de escolaridade de ensino médio e renda financeira de 1 a 5 salários mínimos, residem na maioria em casas alugadas, próximo à escola, a família é composta por 4 integrantes, geralmente naturais do DF, atuam no setor privado, a maioria não participa de programas do governo e com caráter religioso predominantemente católico. Recebemos também crianças abrigadas da Instituição “Casa do Caminho”. A comunidade escolar é participativa nas reuniões propostas e festividades, porém ainda temos algumas famílias que participam pouco da vida escolar de suas crianças. O espaço geográfico que a escola ocupa é cercado por um alto índice de circulação de pessoas e automóveis, pois se encontra em área residencial e com edificações que ofertam educação particular. Diante de todo esse quadro acima a instituição por meio de sua equipe gestora, professores e auxiliares educacionais e alguns pais tem buscado melhorar a escola, tanto em sua parte física como pedagógica, buscando parcerias e novas propostas pedagógicas que despertem nos alunos o prazer de fazer parte dessa comunidade. A Escola Classe 29 de Taguatinga desenvolve uma aprendizagem significativa, oportunizando relações entre a Unidade de Ensino, comunidade e
  • 7. demais manifestações culturais, regionais, étnicas, religiosas e políticas. Busca abrir suas portas para questões da sociedade e do cotidiano demonstrando que se pode atuar decisivamente no processo de construção da cidadania, tendo como meta o ideal de uma crescente igualdade de direitos entre os cidadãos, baseados nos princípios democráticos previstos nos eixos transversais propostos nos pressupostos teóricos, Currículo em Movimento. O uso do PDE Interativo (Plano de Desenvolvimento da Escola) também é uma ferramenta útil para a gestão, quando analisamos os dados ano a ano, identificando os problemas e pendências e definindo ações que ajudem a alcançar os objetivos, aprimorando a qualidade de ensino e melhorando os resultados. Os índices de desempenho, em 2014, podem ser observados abaixo no Gráfico de Desempenho de Turmas: MOVIMENTAÇÃO 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano 5ª ano Matrícula Inicial em mar/2013 95 46 75 69 61 Afastados por Transferência 11 03 05 06 03 Matrícula final 98 44 73 71 66 Aprovados 98 42 63 69 66 Reprovados 0 2 10 2 0 Admitidos após fevereiro 14 02 03 08 08 Afastados por abandono 0 0 0 0 0 Fonte: Censo Escolar O 1º, 2º e 3º anos, no gráfico acima, equivalem às turmas do 1º Bloco do 1º Ciclo (6, 7 e 8 anos) respectivamente, onde se inicia o processo de alfabetização e que tem promoção automática. Embora estejam baixos, os índices de retenção são preocupantes e é um ponto importante a ser melhorado através deste projeto. O desafio é manter o padrão já alcançado na qualidade do ensino oferecido sem, no entanto, descuidar da busca constantemente pelo aprimoramento. Mediante tais desafios, trabalha-se para desenvolver um projeto integrado com toda a comunidade escolar.
  • 8. 3. MISSÃO Oferecer uma Educação de qualidade, pautada nos princípios de uma democracia participativa, comunitária, inclusiva e ambiental, tornando-se um espaço cultural de socialização e desenvolvimento do educando, preparando-o para o exercício de sua plena cidadania. . 4. PRINCÍPIOS ORIENTADORES A escola, na perspectiva de construção e implementação de um currículo integrado abre espaço para temáticas de interesse social como: sustentabilidade ambiental, direitos humanos e complexidade das relações entre escola e sociedade. Sendo assim esses temas permearam as atividades docentes independente dos componentes curriculares, proporcionando às crianças, pertencentes aos diferentes grupos sociais, o direito de aprender. Para tanto, é necessário que no processo de ensino aprendizagem todas as atividades pedagógicas, independente dos componentes curriculares sejam organizadas em torno dos eixos, que estruturam o trabalho pedagógico. O currículo em movimento da Educação Básica empenha-se para garantir não apenas o acesso de todos e todas à educação básica, mas a permanência com qualidade referenciada nos sujeitos sociais, em conformidade com os preceitos constitucionais e a Lei 4.751/2012, de Gestão Democrática do Sistema de Ensino Público do Distrito Federal. “As escolas brasileiras, para exercerem uma função social, precisam possibilitar o cultivo dos bens culturais e sociais considerando as expectativas e as necessidades dos alunos, dos pais, dos membros da comunidade, dos professores, enfim, dos envolvidos diretamente no processo educativo”. (PCN – 2001) A educação envolve elementos históricos, políticos, sociais, econômicos, culturais e pedagógicos. É papel da escola garantir à comunidade as condições
  • 9. necessárias para o exercício pleno da cidadania, envolvendo o aluno no processo de construção de conhecimento, além de proporcionar a diversificação e a apropriação dos conteúdos. Para isso, é fundamental construir práticas pedagógicas que respeitem as diferenças, considerando essas diferenças como elementos ricos de trabalho afim de que o educando possa conscientizar-se de sua responsabilidade no processo de construção do conhecimento. Num mundo de grandes desigualdades, nem sempre é fácil lidar com a diferença. Ela está em toda parte. Por vezes, é mais simples percebê-la quando a questão envolve times de futebol, religião, formas de agir. Na abordagem de temas mais complexos, ou simplesmente se a proposta exige um exercício crítico rigoroso, podemos dizer que, mesmo entre os mais semelhantes, habitam numerosas diferenças – afinal, cada ser humano é único no conjunto de suas características. A diversidade cultural brasileira deve permear as discussões na área educacional e na composição das diretrizes curriculares das diferentes disciplinas, principalmente no que diz respeito à cultura negra e sua contribuição para a formação da cultura brasileira. Valorizar a contribuição dos povos africanos à formação da história brasileira é necessário principalmente a partir da criação da Lei nº 10.639/03 que determinou a obrigatoriedade nas escolas brasileiras do ensino da HISTÓRIA E CULTURA AFRO–BRASILEIRA, lei sancionada pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva, sendo que o seu artigo 79-B prevê que: “O calendário escolar incluirá o dia 20 de novembro como ‘Dia Nacional da Consciência Negra’.”. Os objetivos e metas foram discutidos amplamente com o grupo e colocados de maneira clara neste projeto. Assim, toda a equipe está voltada para a realização dos mesmos. Sabemos que a expectativa positiva em relação ao educando é muito importante para estimulá-lo e auxiliá-lo em suas dificuldades; é por isto, e por acreditar fortemente no potencial de nossos alunos e na capacidade que eles têm de aprender, que a equipe desta escola trabalha em educação.
  • 10. 5. OBJETIVOS GERAIS: Promover um ensino público de qualidade, que favoreça a socialização do aluno, priorizando seu desenvolvimento crítico-social, afetivo, psicomotor, físico e cognitivo, segundo pressupostos básicos para a formação da cidadania, respeitando suas diferenças sociais. ESPECÍFICOS:  Desenvolver capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição do conhecimento, habilidades e a formação de hábitos, atitudes e valores.  Fortalecer vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social.  Proporcionar aprendizagens significativas, desenvolvimento de habilidades e domínio de competências levando o estudante à percepção sobre a relação entre o que está aprendendo e seus próprios objetivos e interesses.  Oportunizar a independência, a criatividade e a autoconfiança do estudante, estimuladas em decorrência de avaliação mediadora e justa, realizada em atmosfera de liberdade.  Levar o aluno a interagir com gêneros de esfera do cotidiano e institucional, tanto na leitura como na escrita.  Discutir questões vinculadas ao meio ambiente, apresentando pontos de vista que auxiliarão o aluno a compreender a relação entre o homem e a natureza e a despertar o respeito pelos valores da terra.  Buscar parcerias que possibilitem aquisição de materiais, a reorganização do espaço físico, a ampliação do acervo da sala de leitura e melhorias no estacionamento interno.  Oportunizar, através de oficinas e dinâmicas, interação entre funcionários.  Oportunizar a formação continuada dos docentes nas reuniões coletivas.  Utilizar os resultados da Avaliação Institucional como meio de ajustar possíveis discrepâncias.  Estimular a participação dos pais na vida escolar dos filhos, através do voluntariado nos trabalhos da escola.
  • 11. 6. CONCEPÇÕES TEÓRICAS A Secretaria de Educação do Distrito Federal lançou em 2014 o Currículo em Movimento com o objetivo de apoiar os sistemas de ensino na implementação da política de educação integral. A perspectiva da educação integral propõe a construção de projetos pedagógicos que atendam a necessidade de organização das escolas e de desenvolvimento de práticas pedagógicas que respeitem os três eixos norteadores: Educação para a Diversidade, Cidadania e Educação em e para os Direitos Humanos e Educação para a Sustentabilidade. Assim o currículo procura atender aos objetivos da Rede de Ensino do Distrito Federal, de fomento e produção de conhecimentos, desenvolvimento e disseminação de metodologias educacionais integradas. Este currículo foi baseado na Teoria crítica e pós-crítica e constitui um referencial importante para a formação dos nossos alunos no que se refere às novas práticas de uma educação na perspectiva da educação integral, criando meios para que as crianças, jovens e adultos se humanizem, apropriando-se da cultura, onde os conhecimentos se dialogam entre si, estimulando a pesquisa, a inovação e a utilização de recursos e práticas pedagógicas mais criativas, flexíveis e humanizadas. Os estudos têm mostrado que as pessoas proclamam uma urgência e experimentar vivências educacionais e de sobreviver socialmente. É uma espécie de necessidade, não apenas de encontrar um modelo de vida escolar diferente, mas de buscar a partir do contraste histórico entre desigualdades e as propostas de inclusão, uma identidade mais definida, isto é, uma nova forma de organização para o que já existe. Sendo assim, as concepções teóricas que fundamentam esse Projeto destinam-se a orientar professores que estão na busca de uma sociedade mais justa e consequentemente mais participativa. O interesse da Escola Classe 29 é intensificar as ações de atividades integrais que estão ocorrendo no interior das escolas. Queremos assim, estimular cada vez mais, a participação da comunidade escolar, pois defendemos uma proposta educacional baseada na concepção de um ser humano integral, cujo conhecimento se constrói nas relações históricas e sociais.
  • 12. 7. ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO O Currículo em Movimento traz a oportunidade do trabalho com diferentes formas de organização do tempo e do espaço escolar. Atendemos o 1º e o 2º ciclo do ensino fundamental- anos iniciais. A proposta de se trabalhar com ciclos é garantir as aprendizagens dos estudantes, sem fragmentação do tempo escolar e das formas de avaliação. Dessa forma, os trabalhos pedagógicos devem preconizar a proposta dos eixos transversais: Educação para a Diversidade, Cidadania e Educação em e para os Direitos Humanos e Educação para a Sustentabilidade, bem como os conteúdos e os processos de avaliação educacional. Atuamos com a jornada de 5 horas diárias, por meio de atividades diversificadas que objetivam atender as necessidades dos nossos alunos. Procuramos estender os laços com a comunidade escolar, a fim de promover ações e reflexões que possibilitem a troca de informações e sugestões em prol dos nossos alunos. A parceria entre escola e família é indispensável para uma educação de qualidade e depende de uma boa relação entre familiares, gestores, funcionários e estudantes. Está na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA): as escolas têm a obrigação de se articular com as famílias e os pais têm direito a ter ciência do processo pedagógico, bem como de participar da definição das propostas educacionais. A escola foi criada para servir à sociedade. Por isso, ela tem a obrigação de prestar contas do seu trabalho, explicar o que faz e como conduz a aprendizagem das crianças e criar mecanismos para que a família acompanhe a vida escolar dos filhos. Realizamos no mês de fevereiro uma reunião, denominada de Aula Inaugural, para discutir o planejamento administrativo e pedagógico da Escola que será desenvolvido no ano de 2015. Em conformidade com a organização do trabalho pedagógico segue as práticas desenvolvidas: 7.1 PLANOS DE AÇÃO 7.1.1 COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Atuação:
  • 13.  Subsidiar o trabalho pedagógico docente, orientando e coordenando ações para assegurar o cumprimento das metas e objetivos propostos no Projeto Político Pedagógico da EC 29.  Participar da elaboração, da implementação, do acompanhamento e da avaliação da Proposta Pedagógica da instituição educacional;  Orientar e coordenar a participação docente nas fases de elaboração, de execução, de implementação e de avaliação do Projeto Pedagógico da Instituição Educacional;  Articular ações pedagógicas entre professores, equipe de direção e da Coordenação Regional de Ensino, assegurando o fluxo de informações;  Divulgar e incentivar a participação dos professores em todas as ações pedagógicas, promovidas pela Instituição Educacional, pela Coordenação Regional de Ensino e pela Subsecretaria de Educação Básica, inclusive as de formação continuada;  Estimular, orientar e acompanhar o trabalho docente na implementação do Currículo da Educação Básica das Escolas Públicas do Distrito Federal, por meio de pesquisas, de estudos individuais e em equipe e de oficinas pedagógicas locais;  Divulgar, estimular e propiciar o uso de recursos tecnológicos, no âmbito da instituição educacional, com as orientações metodológicas específicas;  Orientar os professores recém-nomeados e recém-contratados quanto ao desenvolvimento do Projeto Pedagógico;  Propor reflexões avaliativas da equipe, objetivando redimensionar as ações pedagógicas. Ações:  Contribuir para redução dos índices de retenção.  Articular ações para que o eixo metodológico dê ênfase às aprendizagens significativas assegurando a melhoria da qualidade de ensino.  Colaborar para a inserção dos alunos com defasagem idade/série e que apresentam dificuldade e/ou lacunas de aprendizagem no Projeto de Educação Integral.  Estimular o envolvimento dos alunos nos projetos da UPE de forma que eles possam se identificar como parte integrante de cada ação proposta.
  • 14.  Estimular o envolvimento, através de reuniões bimestrais, de toda comunidade, pais e Conselho Escolar no Projeto de Avaliação Institucional.  Apoiar a implementação do Projeto Recreio Dirigido com jogos, brinquedos e brincadeiras juntamente com o S.O.E.  Contribuir para o acesso dos funcionários a cursos de formação continuada e proporcionar-lhes oportunidade de estudo dentro e fora da escola.  Articular ações pedagógicas entre professores, como desenvolvimento de reforço, projetos interventivos, etc.  Acompanhar o desenvolvimento dessas ações, verificando pontos positivos e retificando pontos negativos.  Incentivar a participação dos professores em todas as ações e propostas de formação continuada.  Propor estudo e reflexão avaliativa das ações da equipe docente.  Orientar e coordenar projetos interventivos e de reforço de alunos defasado e/ou com dificuldades de aprendizagem. 7.1.2 SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL I. Contextualização – breve diagnóstico da realidade escolar: A Escola Classe 29 de Taguatinga está situada na QNJ 18 Área Especial nº 10 desde o ano de 1970. Atualmente é composta por 360 alunos aproximadamente, sendo que na sua maioria são filhos ou netos de pais ou avós que aqui estudaram, o que a torna um referencial e diferencial desta comunidade. Hoje possuímos 16 turmas distribuídas nos turnos matutino e vespertino, dessas 16 turmas temos 03 turmas de Integração Inversa e 08 turmas de Classe Comum Inclusiva. Na Escola contamos com o apoio da Sala de Informática, Sala de Apoio Pedagógico, Biblioteca, Sala de Atendimento Individualizado e Serviço de Orientação Educacional. O corpo docente é na sua grande maioria professores antigo na Escola, muito comprometido e ciente do seu papel de educadores. Quanto à comunidade é presente, colaboradora e sempre que solicitada responde aos chamados da escola.
  • 15. É uma escola desafiadora, pois possuímos 14 alunos diagnosticados: 02 Deficientes Físicos Leves, 02 Deficientes Intelectual/Síndrome de Down, 01 Deficiente Intelectual, 05 TDAH, 01 DEPAC e 03 com outras necessidades. Atendemos também as crianças do Abrigo Casa do Caminho, crianças essas que merecem todo um atendimento diferenciado. Devido à união e a força de vontade de todos, Direção, Supervisão Pedagógica, Coordenação, Orientação, Professores, Auxiliares e Readaptados temos apresentado bons resultados, mesmo diante de muitas dificuldades encontradas no nosso dia a dia. II. Ações / Atividades: 1. Ações para a implantação / implementação do SOE a) Ações A Orientação Educacional, consciente da problemática, hoje instalada em nossa sociedade adota procedimentos onde se possa trabalhar o respeito pelo próximo, o amor, a humildade, a justiça, a responsabilidade, a ética, o companheirismo e outros valores essenciais à convivência harmoniosa tanto dentro do ambiente escolar com fora dele. b) Objetivos Elaborar Plano de Implantação do Serviço de Orientação Educacional respaldado no Projeto Político Pedagógico da Escola; Apresentar para o corpo docente, discente e aos pais/responsáveis o Plano de Ação do Orientador Educacional; Esclarecer em reunião a comunidade escolar quanto às prioridades do Serviço de Orientação Educacional; Fazer levantamentos de Instrumentos de trabalho como: fichas diversificadas para registros de ações coletivas e individuais, encaminhamentos de professores, atendimentos a pais, livro de registros de atas e de ocorrências diárias e livro de protocolo para registros de documentos enviados.
  • 16. 2. Ações no âmbito institucional a) Ações Sendo o Serviço de Orientação Educacional um trabalho dinâmico e continuo que se preocupa com o desenvolvimento harmonioso do aluno em todos os seus aspectos emocionais, intelectuais, físicos, social, e ético, é necessário que se faça que o processo educativo seja desenvolvido de forma integrada e cooperativa entre professores, direção, auxiliares em educação, pais e parcerias com profissionais de outras áreas. b) Objetivos Conhecer o Regimento Interno da Escola; Participar da Elaboração do Projeto Político Pedagógico da Escola; Orientar aos pais/responsáveis sobre o ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente; Participar e manifestar-se em Conselhos de Classe, Coletivas, Dias Temáticos e Coordenações Pedagógicas. 3. Ações junto ao corpo docente a) Ações A ação integrada do Orientador Educacional com grupo de professores é de fundamental importância, não havendo espaço para práticas isoladas e fragmentadas dos ocorridos abordados no cotidiano da Escola. b) Objetivos Realizar ações no desenvolvimento de projetos interdisciplinares sobre valores, saúde, educação sexual, prevenção ao uso indevido de drogas, meio ambiente, ética, cidadania, convivência saudável, de acordo com as prioridades estabelecidas pela escola; Orientar os professores quanto à participação dos mesmos na identificação, no encaminhamento e acompanhamento dos alunos que apresentam dificuldades diversas: cognitivas, emocionais, sociais e pessoais; Viabilizar aos professores materiais com textos, artigos entre outros que possam ser trabalhados em suas atividades; Viabilizar a devolutiva dos atendimentos e encaminhamentos dos alunos; Refletir junto aos professores sobre: mediação de conflito em sala de aula
  • 17. 4. Ações junto ao corpo discente a) Ações O Orientador Educacional tem como objetivo fundamental oportunizar ao educando o desenvolvimento pleno, visando sua autonomia intelectual e emocional. Cabe a Orientação Educacional orientar o educando na tomada de consciência sobre seus valores, potenciais e dificuldades, dando-lhes oportunidade de autoavaliar-se para fazer escolhas mais apropriadas e assumir responsabilidades; mediante uma prática sistematizada e contínua aos diversos elementos que exercem influência direta e indiretamente a sua formação. b) Objetivos Desenvolver projetos que favoreçam a socialização de valores humanos e a aquisição de atitudes/hábitos saudáveis; Trabalhar com os alunos técnica de estudo e atenção; Promover atividades que desenvolva nos alunos o autoconhecimento, autoimagem e autoestima. 5. Ações junto à família a) Ações A integração família/comunidade/escola é uma responsabilidade de todos, só através de um trabalho integrado dividindo responsabilidades que a escola alcançará êxito. b) Objetivos Identificar e trabalhar junto à família, as causas que interferem no avanço de ensino e de aprendizagem; Atender individualmente e/ou coletivamente pais e/ou responsáveis; Orientar os pais e/ou responsáveis da importância da intervenção dos mesmos quanto à manutenção de hábitos de estudos na criança; Registrar em livro de ata todo atendimento realizado. 6. Ações na área de estágio supervisionado em OE a) Ações Cabe ao Orientador Educacional proporcionar vivência teórica – prática aos estudantes na área de Orientação Educacional.
  • 18. b) Objetivos Apresentar todo o trabalho da Orientação Educacional; Proporcionar ao estagiário a vivência de situações reais de conflito, tomadas de decisão que permeiam as atividades da Orientação Educacional. 7. Ações junto à rede social a) Ações Estabelecer parcerias com profissionais de outras instituições tendo em vista o fortalecimento das ações desenvolvidas na Escola. b) Objetivos Acompanhar e realizar atividades em conjunto com os demais segmentos da Saúde, Segurança Pública, Secretaria da Justiça Eleitoral e Conselho Tutelar para prevenção à saúde, uso indevido de drogas, valor do voto consciente, direitos e deveres assegurados às crianças diante de possíveis maus tratos, vacinação. 8. CONCEPÇOES PRÁTICAS E ESTRATÉGIAS DE AVALIAÇÃO Precisamos analisar a avaliação sob dois prismas: o da verificação e o da avaliação propriamente dita. O termo verificar provém, etimologicamente do latim “verum facere” e significa "fazer verdadeiro". O termo avaliar, por sua vez, também tem sua origem no latim, provindo da composição “a-valere”, que quer dizer "dar valor...". Porém, o conceito de avaliação é formulado a partir das determinações da conduta de "atribuir um valor ou qualidade a alguma coisa, que, por si, implica um posicionamento positivo ou negativo em relação ao objeto, ato ou curso de ação avaliado". A verificação se encerra no momento que fazemos uma determinada constatação. Ela, em si, não leva o sujeito a tirar consequência novas e significativas. A avaliação implica numa tomada de posição e exige, como consequência, uma decisão de ação. É importante planejar cuidadosamente as ações, o que só se sustenta no coletivo. Porém, tanto quanto planejar, é preciso avaliar o desencadeamento das ações, levando-se em conta as mudanças que ocorrerão no ambiente escolar; bem
  • 19. como as realizações já alcançadas na atuação dos profissionais, dos pais e, principalmente, dos alunos. Experiências de anos anteriores indicavam que a avaliação é um ato de crescimento para todo o grupo. E, das reflexões coletivas, ante os erros e os acertos, o Projeto Pedagógico foi sendo melhorado; foi-se buscando o aperfeiçoamento das ações pedagógicas, administrativas e das relações pessoais. A partir das avaliações ocorridas em 2014, nas reuniões pedagógicas bimestrais, o Projeto Pedagógico deste Estabelecimento de Ensino sofreu adaptações para o ano de 2015. Há, na escola, uma consciência ampla de que é necessário continuar fazendo educação de forma coletiva e de ajuda mútua, ciente de duas coisas: na E.C. 29 já se alcançaram grandes vitórias, entretanto, ainda há muito a se realizar. A verificação do rendimento escolar compreende a avaliação da aprendizagem; tem como objetivo diagnosticar a situação de aprendizagem de cada aluno e identificar em que medida os conteúdos significativos necessários ao domínio das competências e habilidades da programação curricular foram alcançados. Os resultados da avaliação do rendimento escolar do aluno são expressos, bimestralmente, por meio de instrumento próprio. O Conselho de Classe tem como objetivo primordial acompanhar e avaliar o processo de educação, de ensino e de aprendizagem dos educandos. Essa reunião é realizada bimestralmente para análise do rendimento de cada turma e tomada de providências para sanar as dificuldades de aprendizagem. No intuito de melhor atender aos alunos e de proporcionar à família maior acompanhamento da vida escolar da criança, a escola envia o cronograma de atividades de avaliação e solicita a assinatura dos responsáveis, podendo adiar a avaliação do discente até que este apresente o cronograma com o ciente dos responsáveis.
  • 20. 9. ORGANIZAÇÃO DA PROPOSTA CURRICULAR QUADRO DEMONSTRATIVO: MODALIDADE DE ENSINO Ensino Fundamental NÚMERO DE TURMAS NÚMEROS DE ALUNOS 1º ANO (06 anos) 04 82 2º ANO (07 anos) 04 100 3º ANO (08 anos) 03 52 4º ANO 03 65 5º ANO 02 61 16 360 Objetivando desenvolver habilidades e competências previstas no Currículo da Educação Básica, a Unidade de Ensino está organizada com o Ensino Fundamental de 09 anos, a saber: 1º Bloco do 1º ao 3º ano, ofertado nos dois turnos; 2º Bloco do 4º e 5º ano , sendo o 4º ano ofertado nos dois turnos e o 5º ano somente no turno matutino. O regime anual é composto por 200 dias letivos. A carga horária é de 1.000 horas anuais, conforme o artigo 24 da Lei nº 9.394, de 1996. Os professores têm formação inicial em cursos de nível superior, conforme prevê o Parecer nº 09/01 do Conselho Nacional de Educação. Não oferecemos em 2015 a Educação Integral, pois a escola não possui espaço físico e recursos humanos para tal. As ações pedagógicas estão organizadas através de projetos (inseridos, na íntegra, ao final deste Projeto Pedagógico). Todos os alunos da escola recebem, de acordo com sua necessidade individual, atendimento em contra turno de regência com o próprio professor regente. Efetua-se o projeto interventivo com coordenadores, supervisora pedagógica e vice-diretora, além dos reagrupamentos e da recuperação contínua. Ainda visando o aproveitamento dos alunos e o cumprimento dos dias letivos a que todos têm direito; os docentes, em seus afastamentos legais, preparam atividades para serem feitas em casa. A Direção adota tal medida apenas nos casos de afastamentos curtos em que não se consegue um substituto no quadro de professores temporários.
  • 21. As avaliações diagnósticas são feitas com regularidade em cada bimestre pelas professoras e, a partir dos resultados obtidos, as ações interventivas, já previstas, são intensificadas ou amenizadas ou ainda, adotadas novas estratégias. Os alunos da EC 29 participam de avaliações externas: Provinha Brasil, Prova Brasil e SAEB, além de contribuir para a pesquisa de bloco de questões das avaliações da UnB. Todos os procedimentos de rotina, inclusive os administrativos, revestem-se de uma dimensão educativa. Para isso, torna-se importante que todos os profissionais que atuam na escola estejam imbuídos de seu papel de educadores. Essa forma de olhar o cotidiano da escola, a consciência do papel desempenhado individualmente, nas relações escolares, propicia o desenvolvimento do princípio de justiça na sociedade. Os professores do 1º Bloco participam do curso PNAIC que faz parte do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa que é um compromisso formal assumido pelos governos federal, do Distrito Federal, dos estados e municípios de assegurar que todas as crianças estejam alfabetizadas até os oito anos de idade, ao final do 3º ano do ensino fundamental. A representatividade , bem como os membros das Instituições Escolares , é escolhida através de eleição segundo o estatuto próprio de cada uma. A Instituição Educacional conta com o Conselho Escolar e a Caixa Escolar. O Conselho Escolar é formado por dois representantes do segmento pais, um do segmento professores e dois do segmento auxiliares. A Caixa Escolar é composta por representantes dos servidores, professores e pais/responsáveis. 10. PLANO DE AÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO PEDAGÓGICA Objetivos:  Reduzir os índices de retenção, chegando-se ao nível máximo de aprovação.  Adotar como eixo metodológico a ênfase nas aprendizagens significativas assegurando a melhoria da qualidade de ensino de modo que todos os alunos avancem e obtenham aproveitamento.
  • 22.  Inserir 100% dos alunos com defasagem idade/série e que apresentam dificuldade e/ou lacunas de aprendizagem no Projeto Interventivo e em atividades diversificadas.  Envolver 100% dos alunos nos projetos de forma que eles possam se identificar como parte integrante de cada ação proposta. Envolver, através de reuniões bimestrais, a comunidade, pais e Conselho Escolar no Projeto de Avaliação Institucional.  Fortalecer Projeto Recreio Dirigido com jogos, brinquedos e brincadeiras.  Expor anualmente os dados estatísticos referentes aos resultados obtidos das provas: IDEB , SAEB e Provinha Brasil a toda comunidade escolar. Ações/ metas:  Realização de projetos, acompanhamento sistemático dos índices de rendimento através de testes de sondagem e de desempenho e avaliações externas.  Atendimento individualizado, trabalho diversificado, reforço e outros recursos didático–pedagógicos.  Projeto de Avaliação Institucional GESTÃO DE RESULTADOS EDUCACIONAIS  Dar condições do educando sanar suas dificuldades de aprendizagem por meio da Equipe Especializada de Apoio a Aprendizagem e Recuperação Paralela.  Evitar que os alunos faltem às aulas pedindo ajuda aos pais, acionando o Conselho Tutelar.  Estimular por meio de projetos e atividades pedagógicas atrativas a vinda do aluno à escola. GESTÃO PARTICIPATIVA  Assegurar o cumprimento do Regimento Escolar, através de encontros periódicos com professores e equipe pedagógica para efetivação da aprendizagem e permanência do aluno.  Promover uma efetiva participação da comunidade escolar para trabalhar em prol do desenvolvimento dos alunos dentro do processo de ensino aprendizagem.  Organizar os Conselhos de Classe nos finais de bimestres, diagnosticando os pontos positivos e negativos, buscando soluções dentro da proposta pedagógica.
  • 23.  Socializar com a equipe pedagógica, funcionários e professores todas as informações obtidas: Leis, instruções, Normas que regulamentam o processo educacional.  Manter com a comunidade escolar mecanismos de comunicação eficientes como circulares, bilhetes, blog. GESTÃO DE PESSOAS  Possibilitar aos funcionários o acesso a cursos de formação continuada e proporcionar-lhes oportunidades de estudo dentro e fora da escola com cursos da EAPE, coordenações coletivas, seminários, simpósios, congressos e palestras oportunizados pela SEE e pela IE.  lmplementar oficinas de aprendizagem estimulando a exposição dos talentos individuais dentre professores e demais funcionários da IE.  Montar grupos de estudos para discutir as propostas vindas da SEEDF.  Proporcionar ao corpo docente e funcionários, momentos de integração para dinâmica de grupo, socialização de experiências para estimulá-los a buscar sempre novos desafios.  Aproveitar as coordenações coletivas dos professores para discutir proposta que venham contribuir na melhoria da qualidade de ensino.  Promover momentos de estudos sobre as leis que regem as carreiras, destacando seus direitos e deveres.  Realizar reuniões pedagógicas, conscientizando os professores e funcionários da necessidade de encontrar caminhos mais prazerosos para concretização do processo ensino aprendizagem, construindo uma pedagogia centrada no aluno e não só nos conteúdos.  Realizar semestralmente avaliações institucionais, através de reuniões, autoavaliações, discussões em grupos, apresentação de pontos de vistas, promovendo assim uma avaliação de desempenho a partir da visão de si mesmo e dos seus pares.  Estabelecer uma parceria com o batalhão escolar que assista a escola em suas necessidades, inibindo a indisciplina e minimizando os impactos da violência na escola.
  • 24. GESTÃO FINANCEIRA  Adquirir, de acordo com as leis regulamentares, material pedagógico, bens permanentes e de consumo para subsidiar a prática educativa.  Ampliar o acervo da sala de leitura e da videoteca com aquisição de novos livros e filmes de finalidade pedagógica e lúdica.  Recursos: PDDE e PDAF. Utilizados em consonância com as normas vigentes, visando sempre o bom funcionamento da escola no âmbito administrativo (gás para merenda, material de limpeza e higiene, material de expediente, material para mecanografia, entre outros) e no âmbito pedagógico (jogos educativos, livros para o acervo da biblioteca e o cantinho da leitura, material para subsidiar a prática pedagógica em sala de aula e, entre outros). GESTÃO ADMINISTRATIVA  Solicitar sistematicamente à engenharia da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal a reforma da unidade de Ensino contemplando os seguintes aspectos: – reconstrução do prédio da escola, adaptando-o para alunos ANEE; – construção de uma quadra ou área adequada para a prática de esportes; – instalação de circuito de TV para monitoramento de segurança na área interna da escola  Oportunizar melhorias no setor administrativo, incrementando o atendimento ao público.  Manter em bom estado as instalações físicas em geral para conservação do patrimônio e preservar a segurança dos alunos.  Providenciar reparos e consertos nos equipamentos da escola quando necessários, estando a par dos aspectos técnicos e legais, zelando pelo todo.  Ampliar o sistema de segurança (câmeras), com o objetivo de assegurar o bem estar dos alunos e evitar a entrada de estranhos inibindo atos de vandalismo no patrimônio escolar.  Propiciar aos educandos uma alimentação saudável e balanceada seguindo as instruções da nutricionista responsável.  Conservar o ambiente escolar organizado, limpo e arejado para o bem estar de todos.
  • 25.  Cumprir rigorosamente o Calendário escolar, conforme a elaboração e instruções recebidas pela mantenedora.  Prestar contas em tempo hábil e descrever gastos das verbas recebidas dos diversos órgãos como: MEC, SEEDF. Fazer o plano de aplicação das verbas juntamente com as instâncias colegiadas de maneira transparente para que seja aplicada para o bem comum. Recursos: Engenharia da SEE e parceiros. 11. ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO- PEDAGÓGICO A elaboração, acompanhamento e avaliação do projeto político-pedagógico ocorreram no âmbito do Conselho Escolar, em que os diferentes segmentos da comunidade estão representados, e também com a participação individual e coletiva dos funcionários nas coordenações, através de registro em atas e observações verbalizadas pelos professores. A redação final do documento ocorreu de forma democrática junto à equipe responsável pela elaboração, que disponibilizou o documento a todos os funcionários da escola via email, e a comunidade escolar via o blog da escola. No decorrer do ano letivo, à medida que os projetos são praticados ou ocorrem demandas ais específicas são feitas reuniões bimestrais em que são avaliadas se as práticas estão de acordo com o PPP elaborado inicialmente, podendo haver adaptações de acordo com a realidade da escola. PROJETOS ESPECÍFICOS 12.1. PROJETO CIDADANIA - RESPEITO/CONHECIMENTO/VALORIZAÇÃO JUSTIFICATIVA: O respeito aos símbolos da pátria se tornou algo ridicularizado, é como se as pessoas tivessem vergonha de parar e ficar em posição de sentido para ouvir o Hino Nacional. Observamos também que alguns alunos não sabiam como se comportar nesses momentos; muitos não conheciam os brasões e as armas nacionais. Diante desse quadro, veio a necessidade de trabalhar dentro da escola tais temas, resgatar o amor à pátria e a valorização dos símbolos do país tendo orgulho de ser brasileiro
  • 26. apesar das dificuldades que a nação atravessa em relação à moralidade de alguns governantes, de alguns componentes do poder judiciário e de alguns representantes do povo no Congresso Nacional. Valorizar a cultura e a diversidade do povo brasileiro para que se desenvolva na criança o amor ao Brasil e a coragem de defendê-lo dos maus políticos e dos corruptos. OBJETIVO GERAL: Desenvolver a valorização social e cultural do Brasil, resgatando o amor incondicional à Pátria. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:  Promover horas cívicas desenvolvendo valores e respeito à Pátria;  Explorar a importância do cidadão, seus direitos e deveres para com o País;  Desmistificar conceitos e preconceitos referentes ao povo brasileiro;  Divulgar os símbolos nacionais;  Conhecer a cultura das diferentes regiões do país. DESENVOLVIMENTO Canto do Hino Nacional; Apresentação às 2ª feiras da Bandeira Nacional, do DF e da escola; Promover momentos culturais (evidenciando as datas cívicas); Preparar murais periódicos de notícias atuais; Apresentações de danças e cantos folclóricos. ESTRATÉGIAS: Organização semanal do evento, planejamento de cada hora cívica a ser feita e estímulo à participação de todos. Escolha dos alunos que irão transportar as bandeiras e escolha das atividades que serão apresentadas, enfatizando a cooperação, a participação e a solidariedade. PÚBLICO-ALVO: Toda a comunidade escolar da Escola Classe 29
  • 27. RECURSOS:  Humanos: equipe da direção, professores e demais funcionários e pais de alunos;  Materiais: bandeiras, CD do Hino Nacional. CRONOGRAMA Ocorrerá durante todo o ano letivo às segundas-feiras e em sala de aula quando necessário. AVALIAÇÃO: Avaliação através da participação da comunidade em cada evento, e avalia- se ainda a mudança no comportamento dos alunos relativamente ao momento da execução do Hino Nacional. 12.2. PROJETO: BULLYING NÃO TEM GRAÇA! JUSTIFICATIVA A prática do Bullying tornou-se algo comum nos espaços educacionais, provocando cada vez mais atitudes violentas, tantos dos agressores, como das vitimas. Discutir as questões ligadas à prática do bullying com toda a comunidade escolar é importante, pois, proporciona a reflexão e evita que novos casos de bullying ocorram nas unidades escolares. Este projeto pretende atuar, tanto com os alunos, como pais e responsáveis, buscando medidas educativas que combatam as ações de violência na escola. A popularidade do fenômeno cresceu com a influência dos meios eletrônicos, como a internet e as reportagens na televisão, pois os apelidos pejorativos e as brincadeiras ofensivas foram tomando proporções maiores. "O fato de ter consequências trágicas - como mortes e suicídios - e a impunidade proporcionaram a necessidade de se discutir de forma mais séria o tema", aponta Guilherme Schelb, procurador da República e autor do livro Violência e Criminalidade Infanto-Juvenil
  • 28. OBJETIVO GERAL Pesquisar e refletir sobre as causas e consequências do bullying, tomando como ponto de partida as narrativas de alunos, professores, pais e responsáveis. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:  Conhecer o fenômeno bullying, refletindo sobre suas consequências na vida dos alunos.  Divulgar o conceito de bullying não só no ambiente escolar e familiar, mas também para a sociedade.  Oferecer atividades que trabalhem valores como tolerância e solidariedade.  Ensinar os alunos a conviver com as diferenças.  Promover o diálogo entre os alunos, despertando-lhes a consciência crítica.  Resgatar as regras principais de convivência.  Reforçar o valor da ética nos dias atuais e a necessidade de exercitá-la em nossas atitudes diárias.  Estimular o companheirismo, a amizade e o respeito ao outro. DESENVOLVIMENTO: Através de leituras, discussão de textos, trabalhos em grupos, proporcionando uma reflexividade sobre as causas e consequências do Bullying. Também serão utilizadas as seguintes estratégias metodológicas: Apresentação de Filmes: Ponte para Terabítia; Meninas malvadas; Te pego lá fora; Harry Potter; Lucas um intruso no formigueiro; Happy feet; A princesinha; O patinho feio; A era do Gelo; vídeos do Youtube. Dinâmicas de Grupo: DINÂMICA DAS CORES, CAIXA COM ESPELHO, PROCURAR SEU PAR, O QUE SEI SOBRE VOCÊ Produção de textos Textos e palestra para os pais e responsáveis Leituras variadas: ** Famosos que sofreram bullying ** O Diário de Davi Satil: uma vítima de Bullying ** Bullying: a brincadeira que não tem graça ** Matéria “Brasília é campeã de bullying”, do DFTV
  • 29. ** Texto “Bullying: o exercício da intimidação” ** Texto “Eu sei o que é bullying” ** Texto “Brasília, capital do bullying” ** Depoimentos dos alunos relacionados à prática do bullying ** LIVROS – NÃO TEM DOIS IGUAIS (Carmem Lúcia Campos) COLEÇÃO TODOS CONTRA O BULLYING (Rose E. Machado) DIVERSIDADE (Tatiana Belinky) E SE FOSSE COM VOCÊ? (Sandra Saruê) DIÁRIO DE UMA VÍTIMA DE BULLYING (Lélio Braga Calhau) Confecção de painel com a “Árvore da amizade”, para valorizar o companheirismo entre os alunos. PÚBLICO-ALVO: A comunidade escolar. RECURSOS:  Humanos: equipe da direção, professores e demais funcionários e pais de alunos;  Materiais: livros, CDs, DVDs, textos. CRONOGRAMA: As atividades serão aplicadas durante 3 semanas, sendo reforçado o tema durante todo o ano letivo. AVALIAÇÃO: Avaliação através da participação dos alunos, e avalia-se ainda a mudança no comportamento dos alunos. 12.3. HORA DA LEITURA/ HISTÓRIAS NA SACOLA JUSTIFICATIVA: Observamos que os alunos só liam quando eram obrigados a fazê-lo para realizar provas ou testes. Sentimos daí, a necessidade de despertar o gosto pela leitura por prazer, a leitura como fonte de crescimento intelectual.
  • 30. OBJETIVO GERAL: Despertar o prazer pela leitura em todos os segmentos da escola e o hábito de ler. OBJETIVO ESPECÍFICO: Desenvolver o hábito e o gosto pela leitura também como fonte de distração, informação e lazer. DESENVOLVIMENTO: Os alunos são convidados a deixar as salas, com o material de leitura escolhido (livro, gibi, revistas – adequados à idade), escolherem local tranquilo para ler o material. Essa atividade é desenvolvida com todos os segmentos, para que esse momento de lazer seja compartilhado com todos. Os alunos levam para casa, dentro de uma sacola, livros de literatura que devem ser lidos e compartilhados com a família e depois devolvidos. Em sala, a professora trabalha as obras lidas através de recontagem da história, desenhos ou dramatizações. ESTRATÉGIAS:  Estímulo à leitura;  Escolha dos livros a serem lidos;  Reforço positivo para o hábito de ler por prazer;  Leitura silenciosa;  Prática de leitura e interpretação individual;  Leitura compartilhada em casa. PROCEDIMENTOS:  Orientação aos alunos quanto à escolha do livro a ser lido;  Organização da caixa de leitura de forma a facilitar o acesso das crianças aos livros;  Escolha dos livros a serem levados na sacola.
  • 31. PÚBLICO-ALVO: Alunos, professores e demais funcionários da escola. RECURSOS:  Humanos: professores, equipe de gestão, secretaria, professores da sala de leitura e demais funcionários.  Materiais: livros, jornais, revistas, gibis, encartes e demais materiais impressos. CRONOGRAMA: Será desenvolvido durante todo o ano letivo Duração: Uma vez por semana (às sextas-feiras), durante 20 minutos para cada turno. Uma vez por semana a criança escolhe o livro, leva-o para casa, lê com seus familiares e devolve antes de pegar outro. AVALIAÇÃO: Durante as reuniões coletivas, através dos relatórios orais feitos pelas professoras e através de entrevista informal feita com os demais funcionários. 12.4. PROJETO LABORATÓRIO DE ESTUDOS COGNITIVOS JUSTIFICATIVA: O trabalho de atendimento aos alunos com defasagens tem que ser sério e sistemático. É grande a responsabilidade de garantir que esses alunos não fracassem mais. Isto motivou a criação deste projeto que atende os alunos para atividade de reforço escolar e atividades de resgate dos pré-requisitos. OBJETIVO GERAL: Efetivação do Ensino Fundamental de nove anos, garantindo às crianças de 1º ao 5º ano, a aquisição da leitura/escrita/letramento, raciocínio lógico matemático e o seu desenvolvimento integral no tempo estabelecido em lei.
  • 32. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:  Estabelecer uma reorganização do tempo e do espaço escolar, visando o desenvolvimento integral da criança e sua efetiva alfabetização/ letramento;  Organizar o currículo escolar em eixos de trabalho, orientados para a construção de diferentes linguagens e para as relações que essa construção estabelece com os objetos de natureza e sociedade, artes visuais, músicas e linguagem oral e escrita;  Reestruturar o processo de ensino-aprendizagem de forma que a criança vivencie experiências prazerosas; percebendo o espaço escolar como ambiente cooperativo, acolhedor, desafiador. DESENVOLVIMENTO: Escolha dos temas a serem trabalhados; Identificação das habilidades a serem desenvolvidas; Seleção dos textos a serem apresentados aos alunos; Reagrupamento visando facilitar o avanço individual do aluno; Escolha dos exercícios de matemática a serem feitos pelos alunos; Atividades escritas; Jogos pedagógicos; Atividades lúdicas; Trabalho com fábulas, contos e histórias em quadrinhos; Situação problema baseada em ações cotidianas executadas pelos alunos. PÚBLICO-ALVO: Alunos com defasagem idade/série e/ou cognitiva RECURSOS:  Humanos: professores regentes, vice-direção e coordenação  Materiais: material concreto e material impresso. CRONOGRAMA: Durante todo o ano letivo AVALIAÇÃO: Avaliação processual com base nos testes da psicogênese que são aplicados mensalmente e testes de matemática. Alunos que forem alcançando os objetivos e
  • 33. demonstrando capacidade de acompanhar a turma, serão substituídos no projeto por outros que demonstrem necessidade. 12.5. PROJETO EDUCAÇÃO FINANCEIRA JUSTIFICATIVA Nos países considerados “desenvolvidos” a Educação Financeira é dada, desde cedo no seio familiar, cabendo às escolas o reforço e embasamento teórico necessário para desenvolver uma mente madura e previdente economicamente. No Brasil, infelizmente, observa-se que a família não só não fornece esse tipo de ensinamento, como muitas delas atravessam crises financeiras por não saber administrar suas economias. OBJETIVO GERAL: Conscientizar os alunos e seus pais da importância de se criar hábitos corretos para administrar economias. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:  Promover debates sobre a importância do dinheiro na vida diária;  Desenvolver o hábito de planejar gastos;  Estimular a consciência sobre a importância de se poupar dinheiro;  Formar uma consciência econômica coletiva, onde planejamento e controle sejam prioridade diante dos gastos;  Sensibilizar para a necessidade se desenvolver uma mente organizada em relação ao trato com o dinheiro. DESENVOLVIMENTO: Prática de atividades que compreendam planejamento e gastos; Estudo dos prejuízos que a falta de organização financeira podem acarretar à pessoa, à família e à sociedade; Estudo de estratégias para estimular a poupança financeira; Visita ao Banco Central; Avaliação do trabalho realizado dentro da escola;
  • 34. Uso do material “Descobrindo o valor das coisas” (Maurício de Sousa e Gustavo Cerbasi); Pesquisa sobre o tema nos diversos meios de comunicação; Sensibilização, através de diferentes fontes, para o uso consciente do dinheiro. PÚBLICO-ALVO: Comunidade escolar RECURSOS:  Humanos: professoras, alunos, funcionários da escola e parceiros (palestrantes, etc.) que possam ser recrutados para o desenvolvimento do projeto.  Materiais: material impresso e recursos multimídia; guia e atividades: “Descobrindo o valor das coisas” (Maurício de Sousa e Gustavo Cerbasi) CRONOGRAMA: As atividades serão aplicadas em um mês, porém o tema será abordado sempre que necessário. AVALIAÇÃO: A avaliação será através da observação do comportamento dos alunos e as mudanças que se espera que ocorram; uso adequado de dinheiro (através de relatos) e a sensibilização que cada um deverá fazer dentro da própria da família. 12.6. LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA JUSTIFICATIVA O momento atual é de extrema informatização e aberto às mudanças. O que é agora pode ser outra coisa daqui alguns minutos. A escola não pode ser diferente e deve propiciar aos alunos o que o mundo lá fora propicia – a informação minuto a minuto. Sabemos que o Brasil é um dos países que contém um dos maiores índices de internautas do mundo, porém possuem em sua maioria alguns operadores ainda leigos no que diz respeito aos programas básicos, com exceção dos browsers de navegação da Internet, ou seja, não dominam totalmente o recurso tecnológico. Sabe-se também que o governo Federal está à medida do possível alargando seu
  • 35. processo de "Inclusão Digital", desta forma devemos orientar nossos alunos acerca das novas tecnologias que a escola dispõe; além disso, apostar na Inclusão Digital é proveitoso para aquisição de conhecimento, "[...] o acesso à rede mundial de Internet melhora em 5,5 pontos no desempenho dos alunos (Revista Nova Escola, p. 24, 2007)" e já que, a informática é uma das áreas que mais cresce no Brasil e no Mundo, os alunos devem estar preparados e capacitados para as transformações que o mundo vem sofrendo, e compreender melhor o progresso no qual o homem tem trilhado. OBJETIVO GERAL Democratizar o acesso aos meios de comunicação moderna, incentivando o desenvolvimento dos processos cognitivos, sociais e afetivos. OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Possibilitar o acesso dos alunos e comunidade local às novas tecnologias da informação como forma de inclusão social;  Utilizar o computador como uma ferramenta de ensino e aprendizagem para os alunos e comunidade local. METODOLOGIA: O desenvolvimento das atividades na sala de Informática se inicia mais diretamente no diálogo com as partes que compõem a comunidade escolar desde a direção, coordenação, professores e alunos. Este diálogo busca descobrir finalidades e objetivos que envolvem a aprendizagem do aluno e necessidades da escola e apresentar possibilidades de uso do laboratório de informática. Com o início do ano letivo, entra neste contexto a participação direta do aluno. Começa, então a ser visualizada uma direção mais específica das atividades a serem desenvolvidas dentro do perfil mais evidenciado. Temos então reuniões com professores, reelaboramos regras para o uso do laboratório, onde buscamos identificar problemas ligados ao laboratório para serem sanados, procuramos adequar as expectativas dos professores com as possibilidades de uso das Tecnologias da informação e comunicação, como construção de blogs, por exemplo. Temos a oportunidade de organizar oficinas que atendam necessidades para aplicação de programas a trabalhos e orientamos continuamente a pesquisa que o
  • 36. aluno busca desenvolver no laboratório, além de orientação para elaboração de apresentação de slides, vídeos, trabalhos em texto, gravação de áudios e a utilização de software livre por meio do Linux Educacional, já implantado e utilizado no atual laboratório. Esta Metodologia possibilita:  Envolver a comunidade escolar na utilização de recursos que ampliem as formas de acesso ao conhecimento, comunicação e pesquisa;  Oferecer à comunidade escolar o acesso à sala de informática para execução de projetos pedagógicos interdisciplinares ou não, priorizando a participação de professores na concretização de suas aulas e de pesquisas com seus alunos;  Identificar a sala de informática como sala de aula para o desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem;  Favorecer o aceso às informações, estabelecendo relações com temas de interesse da educação;  Formar o indivíduo para que seja crítico na construção de conhecimentos;  Direcionar o uso da internet com discernimento para aproveitar o potencial educativo que se aplica ao universo da educação.  Zelar pelo espírito colaborativo na construção de trabalhos coletivos. PÚBLICO ALVO Professores, alunos e comunidade local. CRONOGRAMA As atividades serão desenvolvidas se adequando às necessidades dos professores, alunos e comunidade escolar. As atividades variam desde o desenvolvimento de aulas, atendimento à pesquisa até a elaboração em conjunto de forma colaborativa de trabalhos diversificados como apresentação de slides, vídeos, gravação de áudios e vídeos, construção e ou participação em blogs e sites, participação em reuniões gerais, de áreas, orientação aos professores, sugestões de uso de programas, simuladores, repositórios entre outros como o uso de redes sociais. FUNCIONAMENTO: O dia-a-dia da sala de informática nos propicia um diálogo contínuo em um
  • 37. ambiente dinâmico, diversificado e interessante, encontrando compreensões diferenciadas e criativas para a realização dos trabalhos numa aprendizagem colaborativa. A organização para funcionamento da sala de informática fixa regras para o uso por parte de alunos, professores e comunidade escolar. Observamos a prioridade de desenvolvimento de aulas mediante a administração das mesmas e acessórias do professor responsável. Consideramos a necessidade de pesquisa e produção de trabalhos na sala por parte dos alunos, também sob a assistência e orientação do professor multiplicador. Por fim, o professor deve oferecer oficinas de rádio, vídeo, apresentação de slides, entre outras, atendendo às necessidades educacionais com o uso das TICs (Tecnologia da Informação e comunicação). As atividades desenvolvidas seguem prioritariamente um agendamento para a utilização dos computadores e contam com uma orientação prévia por parte do professor que solicitou o trabalho e por parte do professor de informática no desenvolvimento deste trabalho, sempre buscando atender aos objetivos educacionais do professor regente. MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Temos no funcionamento da sala de informática, o monitoramento realizado através da observação e orientação direta feita pelo Professor de informática responsável, que deverá atuar obedecendo a um agendamento de aulas, realização de trabalhos e pesquisas e às regras de funcionamento da mesma com alunos e professores para direção da ação educacional com o uso dos recursos tecnológicos. Estas regras são estabelecidas pelo professor de informática juntamente com a coordenação, sendo apresentadas à direção da Escola Classe 29. A avaliação será realizada pelo acompanhamento da direção, professores, alunos e supervisão pedagógica escolar, observando o atendimento ao esperado pelos professores e alunos. Avaliação é também realizada pelas turmas em conselho de classe através de fichas e explanação mostrando o qualitativo e o quantitativo no desempenho dos trabalhos.
  • 38. RECURSOS  Humanos: Técnico em informática, professores e coordenadores.  Materiais: Laboratório de informática já instalado com 19 máquinas em rede com acesso internet, máquina fotográfica, data-show, impressora, computador portátil 12.7. PROERD JUSTIFICATIVA A sociedade moderna se vê refém de organizações voltadas para o aliciamento de jovens para o uso e tráfico de drogas. A escola deve, em parceria com a família, conscientizar crianças e jovens para os perigos do uso de drogas e para a convivência consciente em grupo, visto que a necessidade de socialização faz com que muitos jovens acabem adentrando ao mundo ilícito para se sentirem aceitos. É por esse motivo que a EC29 participa do programa PROERD, permitindo que os alunos tenham acesso às aulas. OBJETIVO GERAL: Possibilitar aos alunos o reconhecimento de situações que possam comprometer sua segurança e saúde, quanto ao uso indevido de drogas. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:  Promover aulas sobre a segurança e saúde;  Desenvolver o sentimento de auto-preservação;  Estimular a consciência sobre a importância de se evitar situações de risco;  Formar uma consciência preventiva e multiplicadora  Sensibilizar para a necessidade de se refletir sobre segurança e saúde. DESENVOLVIMENTO: Sensibilização dos alunos quanto à importância de se auto preservar e evitar situações de risco à segurança e à saúde;
  • 39. Participação e interatividade nas discussões e no desenvolvimento de habilidades que os conduza a solução de problemas e dificuldades; Ensino de procedimentos a adotar em situações de emergência ou inesperados; Ensino de noções de habilidades vitais essenciais, como dizer não e pedir ajuda. PROCEDIMENTOS: Reunião com pais dos alunos envolvidos para conscientização e estabelecimento de parceria. Aulas ministradas semanalmente por policial treinado para o programa. Uso do material impresso e audiovisual próprio do programa. Formatura dos alunos ao final do programa. PÚBLICO-ALVO: Todos os alunos dos 5º anos. RECURSOS:  Humanos: professores, alunos e policial treinado para o programa.  Materiais: material impresso e recursos multimídia. CRONOGRAMA: Aulas semanais de 45 minutos ao longo de 4 meses. AVALIAÇÃO: A avaliação será através da observação do comportamento dos alunos e as mudanças que se espera que ocorram, e a sensibilização que cada um deverá fazer dentro própria da família. 12.8. PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL JUSTIFICATIVA Em 2006 foi feita a primeira experiência no sentido de se avaliar a escola bem como o trabalho nela desenvolvido. O resultado foi surpreendente, a participação de
  • 40. todos os segmentos foi grande. Decidiu-se então, que a Avaliação Institucional seria parte integrante do calendário da escola, pois os dados coletados apontavam para a necessidade de se ouvir mais a comunidade. Esta se tornou a oportunidade de interagir com a comunidade, de integrá-la com a escola, para atendê-la ainda melhor e, assim, atingir a excelência em termos educacionais. OBJETIVO GERAL: Conhecer de forma sistemática e aprofundada a realidade da E.C. 29 de Taguatinga com vistas a atingir excelência no ensino oferecido, nos relacionamentos interpessoais e nas condições de trabalho na escola. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:  Avaliar a qualidade do ensino prestado à comunidade;  Aferir o índice de participação e satisfação da comunidade escolar;  Traçar estratégias de melhoria da I.E. com base nos dados coletados;  Avaliar a qualidade dos serviços prestados à comunidade pela escola. DESENVOLVIMENTO: Criação do Grupo de Trabalho (GT) para a elaboração do questionário de avaliação Elaboração da Avaliação Institucional pelo GT Aplicação do questionário para comunidade escolar (pais, e funcionários) Análise e tabulação dos dados Apresentação dos resultados através de tabelas e gráficos Reflexões conclusivas com o coletivo da escola PROCEDIMENTOS: Confecção de questionário que irá indicar as passíveis falhas e sucessos do trabalho desenvolvido pela escola Sensibilização dos pais, professores e demais funcionários da escola para participarem da avaliação de forma consciente e objetivando a melhoria do ensino e dos serviços prestados pela escola.
  • 41. PÚBLICO-ALVO: Pais e funcionários da Escola Classe 29 de Taguatinga. RECURSOS:  Humanos: Professores e representantes dos auxiliares para o Grupo de Trabalho  Materiais: material impresso dos questionários CRONOGRAMA: Semestralmente AVALIAÇÃO: Após a tabulação dos dados o Grupo de Trabalho se reúne e faz um relatório expondo as dificuldades enfrentadas no processo todo da Avaliação Institucional e propondo mudanças e/ou adaptações para o ano seguinte. Os resultados obtidos pelos questionários e as possíveis falhas encontradas são expostos ao corpo de funcionários da escola para que sejam adotadas as necessárias medidas de correção. 12.9. PROJETO AFRO BRASILIDADE Por Rosália Miguel dos Anjos OBJETIVO GERAL Estudar sobre ensino de História e Cultura Afro Brasileira e Africana para Educação das Relações Étnico Raciais baseado na Lei 10639/2003 da LDB. OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Trabalhar África e Brasil para desmistificar a ideia de que negro é inferior (Construção de uma pedagogia antirracista).  Levar o conhecimento da cultura afro-brasileira.  Conhecer a Constituição da República Federativa do Brasil –Art. 5º  Adquirir autoafirmação e reconhecimento como componente integrante de uma sociedade miscigenada.
  • 42.  Identificar a hereditariedade africana através dos costumes, hábitos, músicas, expressões, vocábulos etc. META Desenvolver em 90% dos alunos o pensamento crítico de mudança de hábito e atitudes a favor da igualdade racial. SISTEMATIZAÇÃO Contos africanos e brasileiros. Utilização de mapas (Mundi, Brasil, Continente Africano). Ampliação do vocabulário. Artes plástica, cênicas e musicais. Interdisciplinaridade. Culinária africana e sua influência na culinária brasileira ESTRATÉGIA Ideia central, reflexão, discussão. Dramatização. Confecção de trabalhos artísticos (ilustrações, esculturas, etc.) Produção de frases, textos coletivos e ou individuais. Explorar quantidade de países, nomes enfatizando letra inicial e final, quantidade de letras e sílabas, pronuncia. Explorar formas Ouvir contos relacionados Palavras brasileiras de origem africanas e Palavras africanas Confecção de máscaras, molduras, tecidos, etc. Dramatização e danças Leitura e interpretação de músicas Confecção de instrumentos musicais Execução de receita PÚBLICO ALVO Todos os alunos da escola.
  • 43. RECURSOS  Humanos: Professor / Alunos Visitantes  Materiais: material impresso e recursos multimídia CRONOGRAMA No decorrer de todo ano letivo AVALIAÇÃO Acontecerá paralelamente ao longo do processo, conforme forem aplicadas as atividades. Através da observação na participação dos alunos nas atividades propostas. Através das produções escritas coletivas ou individualmente realizadas pelos alunos. Este projeto poderá ser redimensionado baseando-se nos resultados obtidos na avaliação. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS o ANTUNES, Celso. A grande jogada: manual construtivista de como estudar. Petrópolis: Vozes, 1996. o BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: 1988. Cap. III, seção I art. 205 a 214. o ____ Lei nº. 9394, de 23 de Dezembro de 1996. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. o ____ Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais – ensino de 1ª a 4ª série. Brasília: MEC/SEF, 2002. o KATO, M. (Org.) A concepção da escrita pela criança. Campina: Pontes, 1988. o LUCKESI, Carlos Cipriano. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 6. ed. São Paulo: Cortez, 1997. o SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO. Currículo de Educação Básica. Distrito Federal, 2002. o ____ Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais – ensino de 1ª a 4ª série. Volume 5- História e Geografia. Brasília: MEC/SEF, 2002.
  • 44. o http://www.netkids.com.br/v4.0/arquivos/institucional/metodologia.asp o Livro de Africanidades – Ed. Nova Leitura o http://www.acordacultura.org.br/ o FERNANDES, Maria Estrela Araújo. Progestão: como desenvolver a avaliação institucional na escola? Módulo IX. Brasília: CONSED – Conselho Nacional de Secretários de Educação, 2001. o SILVA, Ana Beatriz Barbosa. Bullying – mentes perigosas nas escolas. FONTANAR, 2010 o VASCONCELLOS, C.S. Planejamento: plano de ensino-aprendizagem e projeto educativo. São Paulo: Libertat, 1995. o http://pacto.mec.gov.br