SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
PODER
NAS
ORGANIZAÇÕES
______________________________________________________________
Professora: Camilla Rodovalho
Setembro/2017.
PODER
______________________________________________________________
CONCEITO DE PODER
FORÇA DO DESEJO
SEGURANÇA
DISPUTA
RELAÇÃO
SOBREVIVÊNCIA
POLÍTICA
Nas organizações, os indivíduos sempre têm algum poder,
alguma capacidade de influenciar.
Negativo e positivo são os fins para qual o poder é usado.
PODER é a probabilidade de uma pessoa exercer a
sua vontade a despeito de qualquer resistência.
(Max Weber)
CONCEITO DE PODER
PODER EM AMBIENTES DE INCERTEZA
 Toda organização opera em um ambiente de
incerteza. Sendo assim, qualquer um que tenha
habilidade para diminuir as incertezas, adquirem
poder.
 Incertezas ambientais – mercado, fontes de
matéria-prima ou financeira.
 Incertezas operacionais dentro da organização –
quebra de maquinário crítico
CHAVE PARA O PODER:
 Quanto mais alguém é dependente de uma pessoa,
maior o poder dessa pessoa nesta relação.
 A dependência aumenta quando o recurso que você
controla é importante, escasso ou insubstituível.
(Robbins)
BASES DO PODER
Coercitivo
Recompensa
Legitimo
Perícia
Referência
John French e Bertran Raven, 1959, revisado por
Raven, 1993.
Quais recursos uma pessoa pode utilizar para exercer
influência?
 Baseado na cultura do medo, reagimos a este poder por
temer as consequências negativas decorrentes da
desobediência.
 Aplicações de sanções fiscais
 Dor
 Frustrações
 Controle da satisfação das necessidades fisiológicas e de
segurança
PODER PELA COERSÃO (COERCITIVO)
 O poder de recompensa baseia-se no Poder do líder de
recompensar os outros, que acreditam que o cumprimento
de suas ordens lhes trará incentivos em termos de salário,
promoção ou reconhecimento social/ status.
 Estar consciente de que há disponibilidade para oferecer algo
em troca do que se pretende obter.
PODER PELA RECOMPENSA
 Baseia-se na posição ocupada.
 O poder que se delega a uma pessoa como resultado de sua
posição na hierarquia formal da organização.
 É a aceitação pelos membros da organização da autoridade
inerente a um cargo.
PODER PELA LEGITIMIDADE
 É a influência que exerce como resultado da perícia, da
habilidade específica ou do conhecimento.
 Tem como base o conhecimento ou a perícia de O em certa
área de interesse.
PODER PELO TALENTO (OU PERÍCIA)
 É a identificação com uma pessoa que possua recursos ou
traços pessoais desejáveis.
PODER PELA REFERÊNCIA
PODER é a capacidade de influenciar os resultados da
organização.
Os elementos básicos do poder são os influenciadores
(jogadores) que usam meios e sistemas de influência
para controlar as decisões nas organizações.
(Teoria do Poder Organizacional de Mintzberg)
CONCEITO DE PODER
(Teoria do Poder Organizacional de Mintzberg)
Premissa: “o comportamento organizacional é um
jogo de poder no qual vários jogadores, chamados
influenciadores, tentam controlar as ações e as
decisões da organização”.
CONCEITO DE PODER
BASES DO PODER
Controle de recursos
Competência ou habilidade técnica (especialistas)
Controle de informações
Prerrogativas legais
Acesso aos poderosos
Mintzberg, 1983
CONFIGURAÇÕES DE PODER
AUTOCRACIA
INSTRUMENTO
• Um só influenciador
• Não há espaço para jogos políticos
• Subordinados expressam lealdade
ou saem da organização
• Coalizão Interna: Personalizada
• Coalizão Externa: Passiva
• Organização como instrumento de
alcance de objetivos
• Meta ditada pelo influenciador
externo
• Hierarquia rígida
• Comprometimento calculativo
baseado em trocas
• Coalizão Interna: Burocrática
• Coalizão Externa: Dominadora
Mintzberg
CONFIGURAÇÕES DE PODER
MISSIONÁRIA
MERITOCRACIA
• Influenciador: ideologia
• Membros atuam de forma passiva
• Dinâmica organizacional centrada
em uma missão
• Líderes carismáticos exercem
grande influência.
• Coalizão Interna: Ideológica
• Coalizão Externa: Passiva
• Coração do sistema: especialistas
• Poder mais fluido e difuso
• Chefias superiores com poder
configurado
• Ideologia profissional forte
• Metas pessoais dos especialistas
• Coalizão Interna: Profissional
• Coalizão Externa: Passiva
CONFIGURAÇÕES DE PODER
SISTEMA
AUTÔNOMO
ARENA POLÍTICA
• Influenciadores: próprios membros
das organizações
• Padrões burocráticos
• Estrutura hierárquica mais achata e
flexível
• Espaço para jogos políticos
• Coalizão Externa: Passiva
• Coalizão Interna: Burocrática
• Organização em crise
• Atividade política aumentada
• Conflito predominante
• Política sobrepõe à habilidade
técnica
• Coalizão Externa: Dividida
• Coalizão Interna: Politizada
ESTÁGIO DE DESENVOLVIMENTO
ORGANIZACIONAL TRADICIONAL
AUTOCRACIA INSTRUMENTO SISTEMA
AUTÔNOMO
ESTÁGIO DE DESENVOLVIMENTO
ORGANIZACIONAL REVISADO
ARENA POLÍTICA
AUTOCRACIA
INSTRUMENTO
MISSIONÁRIA
SISTEMA
AUTÔNOMO
MERITOCRACIA
PODER COMO COMPONENTE DA CULTURA
ORGANIZACIONAL
Ritos
Valores
Mitos
Mecanismos
de poder
Cultura
Organizacional
Poder
invisível Pensar, sentir e
agir das
organizações
PERFIL CULTURAL NA PERSPECTIVA DO PODER
Culturas
Autocráticas
Burocráticas,
conservadores,
controladoras e resistente
a mudanças
Culturas
Instrumentais
Resistente as mudanças,
autoridade é fraco,
dominação pela ideologia
Poder centrado na cúpula
da organização
Culturas
Missionárias
PERFIL CULTURAL NA PERSPECTIVA DO PODER
Culturas
Meritocracias
Integração interna,
autonomia, poder
centrado nos próprios
membros organizacionais
Especialistas como tomadores de
decisão, busca por desafios,
autonomia pessoal, inovação
Culturas
Autônomas
Comportamento Político: atividades que não
são requeridas como parte do papel formal nas
organizações, mas que influenciam ou tentar
influenciar, a distribuição de vantagens e
desvantagens dentro dela.
POLÍTICA: PODER EM AÇÃO
 Legítimo – política normal do dia-a-dia.
Exemplos: Reclamar com o chefe, ultrapassar a cadeia de comando,
contatos fora da empresa por meio das atividades profissionais, etc.
 Ilegítimos– comportamento extremado
que viola as regras dos jogos
estabelecidas.
Exemplos: sabotagens, denúncias dos colegas, retenção de
informações importantes, divulgação de boatos.
POLÍTICA: PODER EM AÇÃO
RESPOSTA DOS COLABORADORES
Percepção da
política na
organização
Redução da satisfação no
trabalho
Aumento da ansiedade e
estresse
Aumento da rotatividade
Declínio do desempenho
EXERCÍCIO
1. Quem são os influenciadores internos e externos que estão presentes na
organização?
2. Quais são as características da configuração de poder instrumento?
3. Quais são as características da configuração de poder sistema fechado?
4. Quais são as características da configuração de poder autocracia?
5. Quais são as características da configuração de poder missionária?
6. Quais são as características da configuração de poder meritocracia?
7. Quais são as características da configuração de poder arena política?
8. Como seria as etapas do modelo revisado dos estágios do
desenvolvimento organizacional proposto por Mintzberg?
Referências Bibliográficas:
Chiavenato, I. (2014). Comportamento Organizacional: A dinâmica do sucesso das
organizações. 3ª Ed. São Paulo: Editora Manole.
Robbins, S. (2011). Comportamento Organizacional. São Paulo: Person Prentice Hall.
Zanelli, J. C., Borges-Andrade, J. E. & Bastos, A. V. B. (2014). Psicologia, organizações e
trabalho no Brasil. 2ª Ed. Porto Alegre: Artmed.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
Prof. Leonardo Rocha
 
Pesquisa de Clima Organizacional
Pesquisa de Clima OrganizacionalPesquisa de Clima Organizacional
Pesquisa de Clima Organizacional
Boog Consultoria
 
Aula 3 teoria do desenvolvimento organizacional
Aula 3   teoria do desenvolvimento organizacionalAula 3   teoria do desenvolvimento organizacional
Aula 3 teoria do desenvolvimento organizacional
Niloar Bissani
 
Abordagens sistêmica e contingencial
Abordagens sistêmica e contingencialAbordagens sistêmica e contingencial
Abordagens sistêmica e contingencial
Celia Carvalho
 

Mais procurados (20)

Cultura Organizacional
Cultura OrganizacionalCultura Organizacional
Cultura Organizacional
 
O papel do administrador
O papel do administradorO papel do administrador
O papel do administrador
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
 
Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1
 
Pesquisa de Clima Organizacional
Pesquisa de Clima OrganizacionalPesquisa de Clima Organizacional
Pesquisa de Clima Organizacional
 
Teoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração pptTeoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração ppt
 
Gestão de equipes e sistema de Liderança
Gestão de equipes e sistema de LiderançaGestão de equipes e sistema de Liderança
Gestão de equipes e sistema de Liderança
 
Aula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreiraAula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreira
 
Cultura e clima organizacionais 4
Cultura e clima organizacionais 4Cultura e clima organizacionais 4
Cultura e clima organizacionais 4
 
Teoria da contingência 2012_01
Teoria da contingência 2012_01Teoria da contingência 2012_01
Teoria da contingência 2012_01
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Práticas Administrativas - Aulas 1 e 2
Práticas Administrativas - Aulas 1 e 2Práticas Administrativas - Aulas 1 e 2
Práticas Administrativas - Aulas 1 e 2
 
Aula 3 teoria do desenvolvimento organizacional
Aula 3   teoria do desenvolvimento organizacionalAula 3   teoria do desenvolvimento organizacional
Aula 3 teoria do desenvolvimento organizacional
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
 
Teoria da Contingência
Teoria da ContingênciaTeoria da Contingência
Teoria da Contingência
 
Abordagens sistêmica e contingencial
Abordagens sistêmica e contingencialAbordagens sistêmica e contingencial
Abordagens sistêmica e contingencial
 
Gestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- IntroduçãoGestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- Introdução
 
Avaliação De Desempenho
Avaliação De DesempenhoAvaliação De Desempenho
Avaliação De Desempenho
 

Semelhante a Poder nas organizações slides

06. Debora Miceli: Imagens da Organização - Sistemas Políticos
06. Debora Miceli: Imagens da Organização - Sistemas Políticos06. Debora Miceli: Imagens da Organização - Sistemas Políticos
06. Debora Miceli: Imagens da Organização - Sistemas Políticos
Debora Miceli
 
O poder nas organizações
O poder nas organizaçõesO poder nas organizações
O poder nas organizações
Elaine Barbosa
 
Aula01 comportamento organizac (1)
Aula01 comportamento organizac (1)Aula01 comportamento organizac (1)
Aula01 comportamento organizac (1)
Vanessa Rodrigues
 
Ciência política nota-de-aula-5
Ciência política nota-de-aula-5Ciência política nota-de-aula-5
Ciência política nota-de-aula-5
Cris Lanferdini
 

Semelhante a Poder nas organizações slides (20)

Aula ii unidade
Aula ii unidadeAula ii unidade
Aula ii unidade
 
06. Debora Miceli: Imagens da Organização - Sistemas Políticos
06. Debora Miceli: Imagens da Organização - Sistemas Políticos06. Debora Miceli: Imagens da Organização - Sistemas Políticos
06. Debora Miceli: Imagens da Organização - Sistemas Políticos
 
5 culturaorganizacional-100204173944-phpapp01
5 culturaorganizacional-100204173944-phpapp015 culturaorganizacional-100204173944-phpapp01
5 culturaorganizacional-100204173944-phpapp01
 
Apresentação Motivação e Liderança de Grupos
Apresentação Motivação e Liderança de GruposApresentação Motivação e Liderança de Grupos
Apresentação Motivação e Liderança de Grupos
 
TGA e o Comportamento Organizacional - Adm. Alexandre Rolim
TGA e o Comportamento Organizacional - Adm. Alexandre RolimTGA e o Comportamento Organizacional - Adm. Alexandre Rolim
TGA e o Comportamento Organizacional - Adm. Alexandre Rolim
 
O poder nas organizações
O poder nas organizaçõesO poder nas organizações
O poder nas organizações
 
AULA - TEORIA COMPORTAMENTALISTA.pptx
AULA - TEORIA COMPORTAMENTALISTA.pptxAULA - TEORIA COMPORTAMENTALISTA.pptx
AULA - TEORIA COMPORTAMENTALISTA.pptx
 
Aula01 comportamento organizac (1)
Aula01 comportamento organizac (1)Aula01 comportamento organizac (1)
Aula01 comportamento organizac (1)
 
Insights sobre a gestão de vendas complexas
Insights sobre a gestão de vendas complexasInsights sobre a gestão de vendas complexas
Insights sobre a gestão de vendas complexas
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
 
14787
1478714787
14787
 
Perfis de Motivação
Perfis de MotivaçãoPerfis de Motivação
Perfis de Motivação
 
Curso Introdutório de RH (ALR_Consultoria)
Curso Introdutório de RH (ALR_Consultoria)Curso Introdutório de RH (ALR_Consultoria)
Curso Introdutório de RH (ALR_Consultoria)
 
Ciência política nota-de-aula-5
Ciência política nota-de-aula-5Ciência política nota-de-aula-5
Ciência política nota-de-aula-5
 
Personalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudesPersonalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudes
 
3m organiz --
3m organiz --3m organiz --
3m organiz --
 
Teoria estruturalista 2012_01
Teoria estruturalista 2012_01Teoria estruturalista 2012_01
Teoria estruturalista 2012_01
 
.10.10.intelig.emocional.
.10.10.intelig.emocional..10.10.intelig.emocional.
.10.10.intelig.emocional.
 
Características básicas das organizações formais modernas apostila
Características básicas das organizações formais modernas   apostilaCaracterísticas básicas das organizações formais modernas   apostila
Características básicas das organizações formais modernas apostila
 
Aula 07 recursos humano
Aula 07 recursos humanoAula 07 recursos humano
Aula 07 recursos humano
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 

Último (20)

Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 

Poder nas organizações slides

  • 3. CONCEITO DE PODER FORÇA DO DESEJO SEGURANÇA DISPUTA RELAÇÃO SOBREVIVÊNCIA POLÍTICA
  • 4. Nas organizações, os indivíduos sempre têm algum poder, alguma capacidade de influenciar. Negativo e positivo são os fins para qual o poder é usado. PODER é a probabilidade de uma pessoa exercer a sua vontade a despeito de qualquer resistência. (Max Weber) CONCEITO DE PODER
  • 5. PODER EM AMBIENTES DE INCERTEZA  Toda organização opera em um ambiente de incerteza. Sendo assim, qualquer um que tenha habilidade para diminuir as incertezas, adquirem poder.  Incertezas ambientais – mercado, fontes de matéria-prima ou financeira.  Incertezas operacionais dentro da organização – quebra de maquinário crítico
  • 6. CHAVE PARA O PODER:  Quanto mais alguém é dependente de uma pessoa, maior o poder dessa pessoa nesta relação.  A dependência aumenta quando o recurso que você controla é importante, escasso ou insubstituível. (Robbins)
  • 7. BASES DO PODER Coercitivo Recompensa Legitimo Perícia Referência John French e Bertran Raven, 1959, revisado por Raven, 1993. Quais recursos uma pessoa pode utilizar para exercer influência?
  • 8.  Baseado na cultura do medo, reagimos a este poder por temer as consequências negativas decorrentes da desobediência.  Aplicações de sanções fiscais  Dor  Frustrações  Controle da satisfação das necessidades fisiológicas e de segurança PODER PELA COERSÃO (COERCITIVO)
  • 9.  O poder de recompensa baseia-se no Poder do líder de recompensar os outros, que acreditam que o cumprimento de suas ordens lhes trará incentivos em termos de salário, promoção ou reconhecimento social/ status.  Estar consciente de que há disponibilidade para oferecer algo em troca do que se pretende obter. PODER PELA RECOMPENSA
  • 10.  Baseia-se na posição ocupada.  O poder que se delega a uma pessoa como resultado de sua posição na hierarquia formal da organização.  É a aceitação pelos membros da organização da autoridade inerente a um cargo. PODER PELA LEGITIMIDADE
  • 11.  É a influência que exerce como resultado da perícia, da habilidade específica ou do conhecimento.  Tem como base o conhecimento ou a perícia de O em certa área de interesse. PODER PELO TALENTO (OU PERÍCIA)
  • 12.  É a identificação com uma pessoa que possua recursos ou traços pessoais desejáveis. PODER PELA REFERÊNCIA
  • 13. PODER é a capacidade de influenciar os resultados da organização. Os elementos básicos do poder são os influenciadores (jogadores) que usam meios e sistemas de influência para controlar as decisões nas organizações. (Teoria do Poder Organizacional de Mintzberg) CONCEITO DE PODER
  • 14. (Teoria do Poder Organizacional de Mintzberg) Premissa: “o comportamento organizacional é um jogo de poder no qual vários jogadores, chamados influenciadores, tentam controlar as ações e as decisões da organização”. CONCEITO DE PODER
  • 15. BASES DO PODER Controle de recursos Competência ou habilidade técnica (especialistas) Controle de informações Prerrogativas legais Acesso aos poderosos Mintzberg, 1983
  • 16. CONFIGURAÇÕES DE PODER AUTOCRACIA INSTRUMENTO • Um só influenciador • Não há espaço para jogos políticos • Subordinados expressam lealdade ou saem da organização • Coalizão Interna: Personalizada • Coalizão Externa: Passiva • Organização como instrumento de alcance de objetivos • Meta ditada pelo influenciador externo • Hierarquia rígida • Comprometimento calculativo baseado em trocas • Coalizão Interna: Burocrática • Coalizão Externa: Dominadora Mintzberg
  • 17. CONFIGURAÇÕES DE PODER MISSIONÁRIA MERITOCRACIA • Influenciador: ideologia • Membros atuam de forma passiva • Dinâmica organizacional centrada em uma missão • Líderes carismáticos exercem grande influência. • Coalizão Interna: Ideológica • Coalizão Externa: Passiva • Coração do sistema: especialistas • Poder mais fluido e difuso • Chefias superiores com poder configurado • Ideologia profissional forte • Metas pessoais dos especialistas • Coalizão Interna: Profissional • Coalizão Externa: Passiva
  • 18. CONFIGURAÇÕES DE PODER SISTEMA AUTÔNOMO ARENA POLÍTICA • Influenciadores: próprios membros das organizações • Padrões burocráticos • Estrutura hierárquica mais achata e flexível • Espaço para jogos políticos • Coalizão Externa: Passiva • Coalizão Interna: Burocrática • Organização em crise • Atividade política aumentada • Conflito predominante • Política sobrepõe à habilidade técnica • Coalizão Externa: Dividida • Coalizão Interna: Politizada
  • 19. ESTÁGIO DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL TRADICIONAL AUTOCRACIA INSTRUMENTO SISTEMA AUTÔNOMO
  • 20. ESTÁGIO DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL REVISADO ARENA POLÍTICA AUTOCRACIA INSTRUMENTO MISSIONÁRIA SISTEMA AUTÔNOMO MERITOCRACIA
  • 21. PODER COMO COMPONENTE DA CULTURA ORGANIZACIONAL Ritos Valores Mitos Mecanismos de poder Cultura Organizacional Poder invisível Pensar, sentir e agir das organizações
  • 22. PERFIL CULTURAL NA PERSPECTIVA DO PODER Culturas Autocráticas Burocráticas, conservadores, controladoras e resistente a mudanças Culturas Instrumentais Resistente as mudanças, autoridade é fraco, dominação pela ideologia Poder centrado na cúpula da organização Culturas Missionárias
  • 23. PERFIL CULTURAL NA PERSPECTIVA DO PODER Culturas Meritocracias Integração interna, autonomia, poder centrado nos próprios membros organizacionais Especialistas como tomadores de decisão, busca por desafios, autonomia pessoal, inovação Culturas Autônomas
  • 24. Comportamento Político: atividades que não são requeridas como parte do papel formal nas organizações, mas que influenciam ou tentar influenciar, a distribuição de vantagens e desvantagens dentro dela. POLÍTICA: PODER EM AÇÃO
  • 25.  Legítimo – política normal do dia-a-dia. Exemplos: Reclamar com o chefe, ultrapassar a cadeia de comando, contatos fora da empresa por meio das atividades profissionais, etc.  Ilegítimos– comportamento extremado que viola as regras dos jogos estabelecidas. Exemplos: sabotagens, denúncias dos colegas, retenção de informações importantes, divulgação de boatos. POLÍTICA: PODER EM AÇÃO
  • 26. RESPOSTA DOS COLABORADORES Percepção da política na organização Redução da satisfação no trabalho Aumento da ansiedade e estresse Aumento da rotatividade Declínio do desempenho
  • 27.
  • 28. EXERCÍCIO 1. Quem são os influenciadores internos e externos que estão presentes na organização? 2. Quais são as características da configuração de poder instrumento? 3. Quais são as características da configuração de poder sistema fechado? 4. Quais são as características da configuração de poder autocracia? 5. Quais são as características da configuração de poder missionária? 6. Quais são as características da configuração de poder meritocracia? 7. Quais são as características da configuração de poder arena política? 8. Como seria as etapas do modelo revisado dos estágios do desenvolvimento organizacional proposto por Mintzberg?
  • 29. Referências Bibliográficas: Chiavenato, I. (2014). Comportamento Organizacional: A dinâmica do sucesso das organizações. 3ª Ed. São Paulo: Editora Manole. Robbins, S. (2011). Comportamento Organizacional. São Paulo: Person Prentice Hall. Zanelli, J. C., Borges-Andrade, J. E. & Bastos, A. V. B. (2014). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. 2ª Ed. Porto Alegre: Artmed.