SlideShare uma empresa Scribd logo
Recursos Humanos
Prof. Flávio Sousa
Modelos Organizacionais
Contemporâneos
INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA
ADMINISTRAÇÃO
MUNDO DE HOJE SOCIEDADE COMPOSTA DE
ORGANIZAÇÕES
PRODUÇÃO DE BENS (PRODUTOS)
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS
PLANEJADAS
COORDENADAS
DIRIGIDAS
CONTROLADAS
ORGANIZAÇÃO qual o significado?
“Que falta de organização!?”
“Nossa organização tomou a decisão acertada!”
“Aquela organização participará do ato ecumênico.”
“Qual o lucro de nossa organização nesse ano?”
ARRUMAÇÃO, ORDENAÇÃO
SINDICATO, ASSOCIAÇÃO,
AGREMIAÇÃO, EMPRESA
Entidades formais que visam ao lucro ou não dependem da ação de pessoas para
prestar serviços, fabricar ou cuidar de seus produtos.
Objetivo social:
1. compromisso com as pessoas que dela fazem parte;
2. com a clientela;
3. com o governo;
4. com a sociedade.
Chegar a um objetivo ⇒ PLANO ⇒ BEM ADMINISTRADO
Identidade JUNTA COMERCIAL (registro) RECEITA FEDERAL PREFEITURA
Setores das atividades econômicas:
PRIMÁRIO – agricultura, exploração do solo, extração de minério, criação de gado, pesca
etc.;
SECUNDÁRIO – modifica os produtos que vêm do setor primário (Ex.: grandes
siderúrgicas que transformam alguns minérios extraídos do solo em aço);
TERCIÁRIO – distribuição e venda dos produtos dos setores primário e secundário, bem
como pela prestação de serviços.
Grupos da atividade comercial:
• Comércio atacadista;
• Comércio varejista.
LEI DA OFERTA E DA PROCURA
GLOSSÁRIO - TERMINOLOGIA
MISSÃO  razão de existir da organização no momento presente.
PRINCÍPIOS E VALORES  conjunto de premissas que norteiam o comportamento e a cultura
organizacional.
OBJETIVOS  são alvos, situações ou resultados que se pretendem alcançar. Devem ser claros, bem
divulgados e mensuráveis na forma qualitativa e quantitativa.
METAS  são marcas intermediárias a serem alcançadas para o atingimento de um objetivo.
SWOT  ferramenta para análise dos ambientes interno e externo da organização.
ESTRATÉGIA  é o caminho mais adequado a ser percorrido visando alcançar um fim (Ex.: objetivo).
BENCHMARKING  é um método para melhorar o desempenho a fim de identificar as melhores práticas
de gestão.
BRAINSTORMING  técnica de solução de problemas em grupo que visa aumentar a criatividade e a
participação de todos os membros.
CLIENTE-ALVO  atual cliente que direciona a atividade/identidade da empresa.
CORE BUSINESS  critério de definição de negócio baseado na agregação de valor que o produto ou
serviço da empresa proporciona.
DOWNSIZING  reestruturação de uma empresa através de cortes no quadro de funcionários.
EFICIÊNCIA  fazer corretamente as coisas. Orientado para a tarefa.
EFICÁCIA  fazer a coisa certa. Orientado para o resultado.
EFETIVIDADE  eficácia com eficiência. Fazer as coisas certas atingindo as metas que devem ser
atingidas.
EMPOWERMENT  é uma técnica gerencial para melhorar os processos e o rendimento da empresa.
ORGANIZAÇÃO
“Uma organização é um grupo humano, composto por especialistas que
trabalham em conjunto em uma atividade comum”.
Peter Drucker
SOCIEDADE DE
CONHECIMENTO
SOCIEDADE DE CONHECIMENTOS ALTAMENTE
ESPECIALIZADA
“Os conhecimentos por si só são estéreis. Eles só se tornam produtivos se forem
soldados em um só conhecimento unificado. Tornar isto possível é a tarefa da
organização, a razão para sua existência, a sua função”.
Peter Drucker
CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ORGANIZAÇÕES
COMPLEXAS:
GRANDE ⇒ impossibilita o contato pessoal e o conhecimento visual
entre seus membros;
FORMALIZAÇÃO ⇒ controles e normas;
RACIONALIDADE ⇒ estrutura e cargos;
HIERARQUIA ⇒ níveis de autoridade;
ORGANIZAÇÕES
RECURSOS NÃO HUMANOS
VIDA DAS PESSOAS ORGANIZAÇÕES
Recursos físicos e materiais
Recursos financeiros
Recursos tecnológicos
Recursos mercadológicos, etc.
PESSOAS
Algumas questões que as empresas buscam responder ...
 Quem pode assumir nossa nova Filial no sul do país?
 Por que não conseguimos implantar nosso processo de atendimento
de clientes?
 Quem pode substituir o Gerente de Produção da Fábrica?
 Quando vamos ter a equipe pronta para lançar nosso novo produto?
 Como nos diferenciar da concorrência?
 Qual o perfil das pessoas necessário para sermos bem sucedidos nos
próximos 5 anos?
?
A necessidade das organizações ...
• Conhecer as lacunas
• Identificar quem são os seus talentos
• Estabelecer mecanismos para superar lacunas
• Planejar e desenvolver esse esforço
• Acelerar o ganho de competências
A necessidade dos indivíduos/profissionais ...
• Atualizar seus conhecimentos e habilidades
• Aprender a desaprender, aprender a aprender
• Gerenciar a própria carreira
• Alinhar-se com seu negócio atual
• Realinhar a profissão num mundo em mudança
• Empregabilidade
Visão da
em
presa
Visão do
indivíduo
Existe uma convergência de interesses
ESFORÇOS NA MESMA DIREÇÃO
Algumas questões que as pessoas buscam responder ...
 Quais as novidades que preciso aprender para meu emprego atual?
 Como aprender de forma mais rápida?
 Onde aprender o que preciso?
 Como saber se estou de fato aprendendo o que será importante para
meu futuro?
 Como transferir a aprendizagem para o dia-a-dia profissional?
?
As pessoas como fator determinante do sucesso organizacional
ESFORÇOS NA MESMA DIREÇÃO
Gestão Estratégica de RH
Atualização e Reciclagem do Saber
Gestão das Competências
Gestão do Capital Intelectual
Gestão do Conhecimento
Gestão do Desempenho
Gestão das Competências
Gestão do Desempenho
um movimento na mesma direção
Mercado lento e físico
Mercados protegidos
Enfoque macroeconômico
Influenciar líderes
Organizações rígidas e
hierárquicas
Dependência de ajuda externa
Fatores básicos
Mercado rápido e virtual
Globalização e competição
Enfoque microeconômico
Produtividade empresarial
Organizações flexíveis,
meritocráticas
Estratégia de migração
Inovação
O Novo Meio Ambiente Globalizado
O ANTIGO MODELO O NOVO MODELO
– Conhecer o cliente
– Descobrir um posicionamento único
– Acompanhar a mudança rápida
– Envolver os funcionários no processo de estratégia
– Não corra riscos; faça escolhas informadas
Como ser um melhor estrategista
Excelente
Excelente
Ruim
Ruim
“na fronteira” da
produtividade
Eficiência
Operacional
Posicionamento
Estratégico
Eficiência
Operacional –
Como você vai competir ?
Posicionamento Estratégico –
Onde você vai competir?
 Adquirir excelência nas funções como
– Produção
– Vendas
– Distribuição
 Eliminar desperdício e adquirir mais produtividade com os recursos
 É preciso melhorar a eficiência operacional para atingir uma
lucratividade superior, mas isso não é suficiente
– Melhorias absolutas, mas não relativas
– Convergência competitiva
Eficiência
Operacional
Eficiência
Operacional
Determinantes do Desempenho da Empresa
 ⇒ Posição competitiva única para a empresa
 ⇒ Atividades feitas sob medida de acordo com a
estratégia escolhida
 ⇒ Esclarecer tradeoffs / escolhas frente à concorrência
Determinantes do Desempenho da Empresa
Posicionamento
Estratégico
Posicionamento
Estratégico
QUALIDADE DO
PRODUTO
PREOCUPAÇÃO
DAS EMPRESAS
ANTES:
DEPOIS:
QUALIDADE DE VIDA DAS PESSOAS
QUE VIVEM NA EMPRESA
CLIENTE
INTERNO
CHAVE DO SUCESSO E COMPETÊNCIA DAS
EMPRESAS:
COMPORTAMENTO HUMANO
LIDERANÇA
EQUIPE
COMUNICAÇÕES
ORGANIZAÇÕES
LUCRATIVAS EMPRESAS
NÃO-LUCRATIVAS EXÉRCITO,
IGREJA, SERVIÇOS PÚBLICOS,
ENTIDADES FILANTRÓPICAS
TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES (TO) – é o campo do conhecimento
humano que se ocupa do estudo das organizações em geral.
ADMINISTRAÇÃO é a condução racional das atividades
de uma organização, seja ela lucrativa ou não-lucrativa.
PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO (ESTRUTURAÇÃO), DIREÇÃO E
CONTROLE
Administração vem do latim ad (direção, tendência para)
minister (subordinação ou obediência)
TAREFA ATUAL DA ADMINISTRAÇÃO – interpretar os objetivos propostos pela
organização e transformá-los em ação organizacional por meio de
planejamento, organização, direção e controle de todos os esforços
realizados em todas as áreas e em todos os níveis da organização, a fim de
alcançar tais objetivos da maneira mais adequada à situação.
EDUCAÇÃO
CONTINUAD
A
INÍCIO
FIM...
ANTES:
HOJE:
APRENDER SEMPRE
APRENDIA ALGO PRODUZIR
APOSENTAR CURTIR A VIDA
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO
1759
1900
1914
1916
1918
1920
Rev. Industrial Charles Babbage Administração
Plano Prático
Adam Smith Relação Funcional
de supervisão e
disciplina
HISTÓRIA TEORIAS TEÓRICOS CARACTERÍSTICAS
Administração
Científica
Frederick
Taylor
Estudo de Tempos e
Movimentos nos
EUA
1ª Guerra
Mundial
T. Clássica Henry Ford
Fayol
Funções do
Administrador e
Princípios Gerais da
Administração
Preocupação com a
eficiência nas
organizações
EUA se firmam
como potência
mundial
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO
1929
1930
1939
1940
1945
1950
Modificações
no panorama
econômico,
político e
tecnológico
HISTÓRIA TEORIAS TEÓRICOS CARACTERÍSTICAS
Abordagem
Humanística
Elton
Mayo
Influência em
fatores psicológicos
e sociais sobre a
produtividade
Grande
Depressão
T. Matemática Pesquisa
Operacional
Modelos
Organizacionais
mais adaptados a
grandes empresas
2ª Guerra
Mundial
T. Burocracia
T. Comportamental
Max
Weber
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO
1950
1960
1970
1972
HISTÓRIA TEORIAS TEÓRICOS CARACTERÍSTICAS
T. Geral de
Sistemas
Maslow
McGregor
Chris Argyris
Rensis Likert
Kurt Lewin
Estudo do
comportamento dos
indivíduos
Motivação
Preocupação com o
todo e o
relacionamento das
partes em um todo
T. Comportamental
Amitai
Etzioni
T. Estruturalista
T. Contingência
Ludwig
Von
Bertalanffy
Organização como
um sistema total e
aberto
Albert
Chandler
Estratégia
Lawrence e
Lorsch
“Tudo é relativo”
“Acredite: eu adoraria tratá-lo como
um ser humano, mas isso vai contra a
política da empresa”.
UM POUCO DE HUMOR
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO
1973
HISTÓRIA TEORIAS TEÓRICOS CARACTERÍSTICAS
Gestão da Qualidade Total
Organização Inteligente
Reengenharia
Outras
Inovação FlexibilidadeAlvin Toffler
“Acredite: eu adoraria
tratá-lo como um ser
humano, mas isso vai
contra a política da
empresa”.
UM POUCO DE HUMOR
ADMINISTRAÇÃO- é a função de se conseguirfazeras coisas por
meio de pessoas, comos melhores resultados.
ADMINISTRAÇÃO OBJETIVOS
I
N
T
E
R
P
R
E
T
A
AÇÃO
ORGANIZACIONAL
T
R
A
N
S
F
O
R
M
A
D
E
S
E
M
P
E
N
H
A
PLANEJAMENTO
ORGANIZAÇÃO
DIREÇÃO
CONTROLE
AÇÃO
ADMINISTRATIVA
“o setor social sem fins lucrativos é aquele em que a administração é
mais necessária hoje em dia; é ali que a administração sistemática,
baseada na teoria e guiada por princípios, pode render os maiores
resultados em menos tempo. Basta pensar nos enormes problemas com
que o mundo se defronta – pobreza, saúde, educação, tensões
internacionais –, que a necessidade de soluções administrativas se
torna clara”.
PLANEJAMENTO
DIREÇÃO
ORGANIZAÇÃOCONTROLE
PROCESSO ADMINISTRATIVO
“Esse é o nosso plano. Alguma pergunta?”
“Planejamento diz respeito não
a decisões futuras, mas a
impactos futuros de decisões
presentes”
Peter Drucker
ADMINISTRADOR
Agente de mudanças e de inovação.
MAIOR MUDANÇA
MAIOR INSTABILIDADE
⇒
MAIORNECESSIDADE DE UM
ADMINISTRADOR
“nada é mais prático do que uma boa teoria”
Kurt Lewin
⇒
“Tudo que é verdadeiro deve se transformar, e somente o que se
transformapermaneceverdadeiro”.
C. J. Jung
• Administração da produção
• Administração financeira
• Administração de recursos humanos
• Administração mercadológica
• Administração geral
ADMINISTRADOR
CONDUZIR REALIZAR CONTRIBUIRGrupo Tarefas Objetivos
a) HABILIDADES b) PAPÉIS c) FUNÇÕES
a) HABILIDADES DO ADMINISTRADOR:
trabalhar participativamente na heterogeneidade organizacional;
executar as tarefas que lhe cabem, considerando a
interdependência funcional;
trabalhar em equipe, na busca da interdisciplinaridade, sem perder
a identidade;
reforçar as habilidades de comunicação, negociação e
manutenção de relações interpessoais multiculturais.
Engenharia
Manufatura
1945
Marketing
1960
Finanças
1970
Engenharia
Manufatura
1980
Manufatura
Engenharia
1990 2000
MULTI-
FUNCI-
ONALI-
DADE
CAPACITAÇÕES FUNCIONAIS
FATOR FUNDAMENTAL COMUNICAÇÃO Capacidade de expressão verbal
CONCLUSÃO DE UMA PESQUISA ...
De cada 10 horas de um executivo:
7 horas - LENDO, ESCREVENDO,
FALANDO E OUVINDO
NOSSO NEGÓCIO É COMUNICAR
MAIOR
DIFICULDADE:
FAZER-SE
ENTENDERREQUISITOS BÁSICOS PARA SER UM ORADOR
autoconfiança
determinação
conhecimento
organização mental (introdução, desenvolvimento, conclusão)
vocabulário adequado
gramática
entusiasmo
empatia
criatividade
naturalidade, expressar-se compreensivamente.
O MEDO DE FALAR EM PÚBLICO
TOPOFOBIA é o medo de falar em público.
Como vencer a topofobia?
o medo de falar em público é universal
conhecimento - assunto e técnica oratória
discurso - importância e planejamento
expressão corporal equilibrada
prática oratória
Aprenda a usar a comunicação de maneira inteligente se
quiser entender e ser entendido, a fim de, com pouco esforço,
obter resultados compatíveis.
Use linguagem e palavras compatíveis com o interlocutor.
HABILIDADES NECESSÁRIAS AO
ADMINISTRADOR EFICAZ:
a) Habilidade técnica;
b) Habilidade humana;
c) Habilidade conceitual.
ORGANIZAÇÃO 1 ORGANIZAÇÃO 2≠
CADA ORGANIZAÇÃO É ÚNICA, COM CARACTERÍSTICAS
PRÓPRIAS QUE A DIFERENCIAM DAS DEMAIS, E UM MODELO
DE ADMINISTRAÇÃO BEM-SUCEDIDO, UTILIZADO EM UMA
ORGANIZAÇÃO, NÃO SERÁ NECESSARIAMENTE O IDEAL A
SER ADOTADO EM UMA OUTRA.
NÍVEL SUPERIOR
CURSOS DE PÓS-
GRADUAÇÃO
INDÚSTRIAS
COMÉRCIO
ORGANIZAÇÕES DE SERVIÇOS
PÚBLICOS
HOSPITAIS
UNIVERSIDADES
INSTITUIÇÕES MILITARES, etc.
ADMINISTRADOR
De que depende a
EFICÁCIA com que as
pessoas trabalham?
“não existem países desenvolvidos e países subdesenvolvidos, mas sim países que
sabem administrar a tecnologia existente e seus recursos disponíveis e potenciais
e países que ainda não o sabem”. Peter Drucker
b) PAPÉIS DO ADMINISTRADOR:
PAPÉIS
INTERPESSOAIS
PAPÉIS
INFORMACIONAIS
PAPÉIS
DECISÓRIOS
Símbolo
Líder
Elemento de ligação
Coletor
Disseminador
Porta-voz
Empreendedor
Solucionador de
problemas
Alocador de recursos
Negociador
c) FUNÇÕES DO ADMINISTRADOR:
ADMINISTRADOR
PLANEJA
ORGANIZA
DIRIGE
CONTROLA
ESFORÇOS
GRUPAIS
RECURSOS
ORGANIZACIONAIS
A
L
C
A
N
Ç
A
O
B
J
E
T
I
V
O
S
ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL
ÉTICA é o estudo dos direitos e deveres das pessoas, das
regras morais que as pessoas aplicam ao tomar decisões e da
natureza das relações entre as pessoas.
RESPONSABILIDADE SOCIAL é a preocupação efetiva
demonstrada pelas empresas com a qualidade de vida das
pessoas e com a preservação do ambiente.
VOCÊ É UM PROFISSIONAL ÉTICO?
• Honestidade em qualquer situação;
• Coragem para assumir as decisões;
• Tolerante e flexível;
• Íntegro
• Humilde
ÉTICA NOS NEGÓCIOS:
respeito com que os clientes são tratados;
estilo de gestão do líder da equipe.
“Se você mudar o
mundo mudacomvocê”
COMO AS EMPRESAS CONSEGUEM SOBREVIVER NUM AMBIENTE DE
INSTABILIDADE COMO O NOSSO?
VIVER O HOJE E PLANEJAR O
AMANHÃ AO MESMO TEMPO
PARCERIA - TRABALHO EM EQUIPE
O trabalho, para bom resultado, deve
ser o produto de um esforço
harmônico, coletivo, despreocupado e
rítmico.
“Nenhum de nós pode fazer as coisas mais importantes sozinho. A
parceria, a colaboração e a aliança são as chaves para enfrentar
desafios”.
CRIANDO UM CLIMA DE PARCERIA
NÃO SE PODE
SOBREVIVER SEM
A COLOBORAÇÃO
DE PARCEIROS
NETWORKING
CLIMA DE
PARCERI
A
ouvir, ser flexível, ter humildade, gerar
confiança, ser empático/carismático, ter
paciência, trabalhar os fatos, evitar
subterfúgios, abrir novas janelas
EFICÁCIA DO PROCESSO DE MUDANÇA ORGANIZACIONAL
LIDAR COM O LADO HUMANO
“Você pode sonhar, criar, desenhar e construir o lugar mais
maravilhoso do mundo...
mas é preciso gente para fazer o sonho se tornar realidade”.
Disney
TENDÊNCIA DAS ORGANIZAÇÕES NA
ATUALIDADE
PROFISSIONAIS COM VISÃO GENERALISTA
ATUAREM EM POSIÇÕES DE
LIDERANÇA
TGA
É o campo do conhecimento humano que se ocupa do estudo
da Administração em geral, não se preocupando onde ela seja
aplicada, se nas organizações lucrativas (EMPRESAS) ou se
nas organizações não-lucrativas.
CONCEITOS BÁSICOS
Ciência descreve os fenômenos do mundo real.
Ciência pura se limita à descrição do fenômeno e a sua compreensão,
simplesmente.
Ciência aplicada quando se utiliza o conhecimento para agir.
Teoria é o network de conexões entre conceitos, juntamente com as regras de
correspondência integrando os conceitos com a realidade percebida.
“Teoria e prática são sempre inseparáveis. Como um cínico afirma: quando alguém diz
ser um homem prático, o que ele está mesmo querendo dizer é que ele está usando
teorias obsoletas”.
UM POUCO DE HUMOR
EMPRESA MODERNA ≠ EMPRESA VELHA
90 DIAS DEPOIS CONCLUSÃO DA COMISSÃO:
1ª) nada aqui se faz com prazer e amor;
2º) nunca 2 pessoas se uniram nesta empresa com objetivos comuns;
3ª) nada aqui fica pronto em apenas 9 meses;
4ª) o que se faz aqui não tem pé nem cabeça;
5º) aqui ninguém pensaria em oferecer o que quer que fosse aos
membros da DIRETORIA.
?
DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL
ESTRUTURAS organograma
SOCIOLOGIA entender os relacionamentos das pessoas e os grupos
que se formam
PSICOLOGIA
PRINCIPAIS TEORIAS ADMINISTRATIVAS E ENFOQUES:
nas tarefas Administração Científica racionalização do trabalho no
nível operacional
na estrutura Teoria Clássica organização formal; princípios gerais de
Teoria Neoclássica administração; funções do
administrador
Teoria da Burocracia organização formal burocrática
racionalidade organizacional
Teoria Estruturalista múltipla abordagem: organização
formal e informal; análise intra-
organizacional e análise
interorganizacionalnas pessoas Teoria das Relações
Humanas
organização informal; motivação,
liderança, comunicações e dinâmica de
grupo
ÊNFASE:
TEORIAS
ADMINISTRATIVAS:
PRINCIPAIS
ENFOQUES:
ÊNFASE:
TEORIAS
ADMINISTRATIVAS:
PRINCIPAIS
ENFOQUES:
nas pessoas Teoria do
Comportamento
Organizacional
estilos de administração; teoria das
decisões; integração dos objetivos
organizacionais e individuais
Teoria do Desenvolvimento
Organizacional
mudança organizacional planejada;
abordagem de sistema aberto
no ambiente Teoria Estruturalista
Teoria Neo-Estruturalista
Teoria da Contingência
análise intra-organizacional e análise
ambiental; abordagem de sistema
aberto
análise ambiental (imperativo
ambiental); abordagem de sistema
aberto
na tecnologia Teoria da Contingência administração da tecnologia
(imperativo tecnológico)
PRINCIPAIS TEORIAS ADMINISTRATIVAS E ENFOQUES:
TGA
“ÊNFASE NAS TAREFAS”
início ADMINISTRAÇÃO
CIENTÍFICA DE
TAYLOR
“ÊNFASE NA ESTRUTURA”
TEORIA CLÁSSICA
DE FAYOL
TEORIA DA
BUROCRACIA DE
WEBER
TEORIA
ESTRUTURALISTA
“ÊNFASE NAS PESSOAS”
TEORIA DAS RELAÇÕES
HUMANAS
TEORIA
COMPORTAMENTAL
TEORIA DO
DESENVOLVIMENTO
ORGANIZACIONAL
“ÊNFASE NO AMBIENTE”
TEORIA DOS
SISTEMAS
TEORIA DA
CONTINGÊNCIA
“ÊNFASE NA TECNOLOGIA”
TEORIA DA
CONTINGÊNCIA
ANOS TEORIAS
1903 Administração Científica
1909 Teoria da Burocracia
1916 Teoria Clássica
1932 Teoria das Relações Humanas
1947 Teoria Estruturalista
1951 Teoria dos Sistemas
1953 Abordagem Sociotécnica
1954 Teoria Neoclássica
1957 Teoria Comportamental
1962 Desenvolvimento Organizacional
1972 Teoria da Contingência
PRINCIPAIS TEORIAS INFLUENCIADORAS DO
ATUAL PENSAMENTO ADMINISTRATIVO
O ESTADO ATUAL DA TGA
Tarefas
Pessoas
TecnologiaAmbiente
Estrutura
ORGANIZAÇÃO
A ADMINISTRAÇÃO NA SOCIEDADE MODERNA
ENGENHEIRO
MÉDICO
ECONOMISTA
CONTABILISTA
FUNÇÃO DE SUPERVISOR, CHEFE,
GERENTE OU DIRETOR
ADMINISTRADO
RConhecimentos e posturas completamente novos
MATEMÁTICA e
ESTATÍSTICA
DIREITO
PSICOLOGIA
SOCIOLOGIA
ENGENHARIA
ECONOMIA, etc.
LIDAR COM PESSOAS
ESTAR ATENTO AOS EVENTOS PASSADOS E
PRESENTES, BEM COMO ÀS PREVISÕES FUTURAS
PRECISA LIDAR COM EVENTOS INTERNOS E
EXTERNOS
PRECISA VER MAIS LONGE QUE OS OUTROS
“EU SEMPRE VENHO PREPARADO PARA ESSAS LONGAS
REUNIÕES!”
“O ideal é não esperar pelo momento ideal”
Daniel Dantas
“Não adie pôr em prática uma boa idéia. É muito provável
que outra pessoa esteja pensando a mesma coisa”
“Difícil não é fazer o que é certo, é descobrir o
que é certo fazer”.
(Robert Henry Srour)
NOVOS PAPÉIS
GERENCIAIS
Líder
Educador Administrador de
Processos e Redes
Humanas
Agente de
Transformação
Alavancador de
ResultadosTécnico
Integrativo
Energizador
Cidadão
VALORIZA A AÇÃO
TRANSFORMADORA DO HOMEM
MELHORA A EFICIÊNCIA E PRODUTIVIDADE
GERENCIAMENTO COACH
POSTURA EDUCADORA,
INSPIRADORA, ORIENTADORA,
CENTRADA NA
TRANSFERÊNCIA DE
CONHECIMENTOS E
EXPERIÊNCIA
MODIFICA A CULTURA
ORGANIZACIONAL
MOTIVAR GERAR ATITUDES POSTURA AÇÃO TRANSFORMADORA
MODIFICA O COMPORTAMENTO DO GRUPO
E A CULTURA ORGANIZACIONAL
É medida pela utilização de seu tempo em atividades de
alto valor agregado.
SER HUMANO AVERSO A MUDANÇAS DESAFIO
MUDAR
DESARMAR O PILOTO AUTOMÁTICO
COMPORTAMENTO
CONVICÇÕES CRENÇAS
CULTURA
DELEGAÇÃO CRESCENTE DE TAREFAS
DINÂMICA DO MERCADO, DAS
TECNOLOGIAS E DOS
CONHECIMENTOS HUMANOS
PARADIGMAS - COMO VER ATRAVÉS?
IMPÕEM
DESAFIOS
MUDANÇAS PERIGO
Paradigmas são modelos que concebemos de como funciona ou é
concebido alguma coisa.
PERSPECTIVAS FUTURAS DA ADMINISTRAÇÃO:
Principais desafios:
1) Crescimento das organizações;
2) Concorrência mais aguda;
3) Sofisticação da tecnologia;
4) Taxas elevadas de inflação;
5) Globalização da economia e internacionalização dos
negócios;
6) Visibilidade maior das organizações.
EMPRESAS EM TEMPO ZERO
Funcionários que trabalham em tempo zero
FAZER AS COISAS ACONTECEREM
IMEDIATAMENTE
INTERNE
T
“NÃO CONSIGO ME
ACOSTUMAR COM ESSAS
MODERNIDADES...”
“O supercomputadorque eu
projetei concluiu que não sirvo
mais à empresa. Fui demitido”
O QUE É UMA ECONOMIA GLOBALIZADA?
É uma economia onde todos os países
do planeta estão envolvidos.
OS PAÍSES OU REGIÕES PASSARAM A CONCORRER
ENTRE SI COM SEUS PRODUTOS
PRODUTOS COM ALTA QUALIDADE,
PREÇOS BAIXOS
MARGENS DE LUCRO BAIXAS,
MAS COM ALTÍSSIMA
ROTATIVIDADE
FERRAMENTAS QUE VOCÊ É OBRIGADO A USAR NAS
ATIVIDADES ESTRATÉGICAS DENTRO DE UMA ECONOMIA
GLOBALIZADA:
VISÃO HOLÍSTICA QUALIDADE TOTAL
REENGENHARIA
ESTRATÉGIAS
VISÃO HOLÍSTICA
MINHA EMPRESA NAS
MÃOS!!
QUALIDADE TOTAL
É UMA CORRIDA SEM FIM, ONDE A PERFEIÇÃO É O LIMITE MÁXIMO
MOMENTÂNEA
CANETA A
PENAREENGENHARIA
É fazer o que já estar sendo feito, só que melhor, mais rápido
e mais barato.
É UM ESTADO DE CHOQUE.
DAR CERTO QUANDO O ENFOQUE DA EMPRESA É O MERCADO E
NÃO A PRODUÇÃO.
PRÉ-HISTÓRIA
HISTÓRIA DO DESAFIO DA QUALIDADE PREOCUPAÇÃO COM A QUALIDADE
ERAS BÁSICAS DO DESENVOLVIMENTO DA
QUALIDADE:
Processo de inspeção
Controle estatístico da qualidade
Garantia da qualidade
Gerência estratégica da qualidade
TECNOLOGIA
EDUCAÇÃO E HABILITAÇÃO
DO TRABALHADOR
GESTÃO
QUALIDADE
FILOSOFIA DA QUALIDADE ESTRATÉGIA DE CONCORRÊNCIA
Comunicação;
Serviços envolvidos no produto, e não os preços, passam a ser o
diferencial de mercado;
Conscientização para a qualidade do relacionamento das pessoas;
Todos os funcionários, e não apenas os profissionais da qualidade, devem
ser multiplicadores da qualidade, dando aulas a novos funcionários e
disseminando a missão e o processo da qualidade.
POLÍTICA DE QUALIDADE
PROGRAMA DE
REEDUCAÇÃO HUMANA
LÍDERES NATURAIS
Qualidade hoje significa produtos e
serviços com características que
atendam às expectativas dos clientes,
com margem de lucro suficiente para a
sobrevivência da empresa.
Qualidade é o pré-requisito da
melhoria da produtividade. Ou
seja, produtividade é o
resultado de um processo de
qualidade.
CONSENSO: TREINAMENTO E
QUALIFICAÇÃO DA MÃO-DE-
OBRA
MEDINDOA QUALIDADE DE UMPRODUTOOU SERVIÇO
CLIENTES
ESTATÍSTICA é 5 vezes mais barato conservaro cliente atual do
que conquistarumnovo.
“O CLIENTE PODE NOS ENSINAR “MUUUUUITAS” COISAS.
PRATICAMENTE TUDO. MAIS DO QUE NOSSOS CHEFES,
SUBORDINADOS, COLEGAS, PALESTRAS E CURSOS. DETALHE: ELE NÃO
COBRA NADA POR ISTO”.
SÓTENTEAPRENDERCOMOCLIENTESEVOCÊESTIVERDISPOSTOA
MUDARROTINAS, MÉTODOSOU MANEIRASDETRABALHAR.
Se o cliente reclama, sorte sua. É uma chance para você descobrir qual é o
problema dele. E resolvê-lo.
Jamais ignore ou subestime qualquer contato com o cliente.
“O que é melhor: um fusca ou um mercedez?
Depende de quem vai comprar. Quem vai definir isto é o cliente,
e só a ele cabe decidir o que é melhor, segundo suas
necessidades”.
QUALIDADE TOTAL
É uma filosofia de gestão, que coloca a Qualidade, ou seja, aquilo
que o cliente deseja como ponto central dos negócios da empresa.
GERENCIAR CADA PROCESSO DE TRABALHO, BUSCANDO MELHORIA
CONTÍNUA. GARANTIR A QUALIDADE EM TUDO QUE FOR FEITO
(aperfeiçoamento contínuo do Ser Humano, dos processos e dos
produtos/serviços).
RECONHECENDO AS PESSOAS COMO IGUAIS EM ESSÊNCIA, EMBORA
DIVERSAS EM MANIFESTAÇÃO, INFINITAS EM POTENCIAL, MESMO
QUANDO LIMITADAS CIRCUNSTANCIALMENTE PELAS ESTRUTURAS QUE
AS ENVOLVEM E AS CARACTERIZAM, E CAPAZES DE CRIAR SOLUÇÕES
INOVADORAS, EMBORA PARCIALMENTE IMERSAS NA ANESTESIA DA
APARENTE ROTINA.
COMO GERENCIAR RECURSOS HUMANOS EM UM ESTADO DE
QUALIDADE TOTAL?
Por que os EUA sempre deram valor à educação e importaram
“cérebros”?
INVESTIMENTOEM
CONHECIMENTO
DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO
EMPRESA COM
QUALIDADE TOTAL
TAREFAS, DESDE AS MAIS SIMPLES,
ATÉ AS MAIS ABRANGENTES
SINTONIA
BUSCA INCESSANTE DE
MELHORIA CONTÍNUA
GESTÃO DE UMA EMPRESA
QUALIDADE TOTAL
EXCELÊNCIA ANTECIPAÇÃO
“Para muitos daqueles em que o mundo parece fora de controle, pouca coisa
pode ser feita para mudar. Mas, enquanto existir pelo menos um pouco que
possa ser feito, precisamos continuar fazendo”.
R. L. Ackoff
“Administrar bem um negócio é administrar seu futuro; e administrar deu
futuro é administrar informações.”
Marion Harper Jr.
Um estudo de caso ...
GRUPO
INEPAR
CENTRO DE EXCELÊNCIA EM SERVIÇOS DE
ASSESSORIA EXECUTIVA
Diretoria 1
Diretoria 2
Diretoria 3, etc.
AS DE MAIOR CRIATIVIDADE GRUPO ESTRATÉGICO
AS DE BOA INICIATIVA GESTÃO DE RESULTADOS
AS DE FACILIDADE DE COMUNICAÇÃO E RELACIONAMENTO
GRUPO CELULAR RELACIONAL
SOLUÇÃO:
GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL
RESPONSABILIDADE SOCIAL
Desenvolvimento da técnica para reverter em benefício da
sociedade;
Satisfação do cliente e a preservação do meio ambiente.
O QUE FALTA AS EMPRESAS BRASILEIRAS?
PLANEJAMENTO A LONGO PRAZO
CORREDOR DE MARATONA
CORREDOR DE 100 METROS
MUDANÇAS DE NOMES DAS FUNÇÕES:
EMPREGADO COLABORADOR
IRETOR DE RECURSOS HUMANOS DIRETOR DE GENTE
DIRETOR DE
DESENVOLVIMENTO
DIRETOR DE TALENTOS
ASSISTENTE SOCIAL CONSULTOR DE EMOÇÕES
ADVOGADO CONSELHEIRO LEGAL INTERNO
DIRETOR DE PÓS-VENDA DIRETOR DE SERVIÇOS A CLIENTES
DIRETOR DE PLANEJAMENTO
ESTRATÉGICO
DIRETOR DE INTELIGÊNCIA E
PLANEJAMENTO
AMBIENTE
EXTERNO
PRODUTO
• Bens
• Serviços
• Outros
INSUMO (Recursos)
• Humano
• Capital
- Terreno
- Equipamento
- Construções
• Tecnologia
• Informação
PROCESSO DE
TRANSFORMAÇÃO
OU DE
CONVERSAÇÃO
FEEDBACK
ABORDAGEM SISTÊMICA DA EMPRESA
Sr. Não Consigo Dizer Não
DESCULPAS PARA NÃO MUDAR
Nós nunca fizemos isso antes
Nós fazemos isso desse jeito há 25 anos
Isso não vai funcionar na nossa empresa
O chefe jamais vai concordar
Nossos concorrentes não estão fazendo
isso
Dá muito trabalho mudar
Nossa empresa é diferente
O departamento de venda diz que isso
não é viável
O departamento de serviços não vai
gostar
Não temos pessoal
Não temos equipamento
É visionário demais
A mudança seria muito radical
Não é responsabilidade minha
Não temos tempo
Isso vai contra a política da empresa
Isso vai aumentar as despesas
Os funcionários não vão aceitar
Não podemos arriscar
Levaria muito tempo para dar lucro
Estamos bem desse jeito
Precisamos criar um grupo
de estudo
COMPETITIVIDADE
Globalização
financeira
Rápida
mudança
tecnológica
FUNDAMENTOS
SOCIAIS
• educação básica universalizada;
• elevada qualificação da força de trabalho;
• novas formas de organização do processo de produção;
• relações de trabalho cooperativas e mercados que
exigem qualidade.
“A tecnologia de importância estratégica é a aprendizagem coletiva. Essa sim, é
difícil de ser dominada. Ela se sustenta em duas premissas: conhecimento e
motivação. O conhecimento é assegurado pelo treinamento técnico e em
qualidade, e pela educação formal, que também pode e deve ser assumida pelo
patrão. Mas não é suficiente para sedimentar novos valores, criar novos hábitos. O
que transforma o conhecimento em ação e mudança é a motivação. E esta
conquista-se através do exemplo das lideranças; na definição da missão e dos
objetivos da empresa; (...) de uma política administrativa transparente onde tudo
fica claro para todos, o tempo todo”. CELSO VARGA (Presidente do Conselho
Administrativo da Freios Varga, 1996).
“Vigie seus pensamentos, porque eles se tornarão
palavras; vigie suas palavras, porque elas se tornarão atos; vigie
seus atos, porque eles se tornarão seus hábitos; vigie seus hábitos,
porque eles se tornarão seu caráter; vigie seu caráter - porque ele
será o seu destino.”
(poeta anônimo americano)
UMA LEI NA ALEMANHA TORNA AS EMPRESAS
RESPONSÁVEIS POR TODA A VIDA ÚTIL DOS CARROS:
FORMA DE PRESSÃO PELA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL
“O ideal é não esperar pelo
momento ideal”
Daniel Dantas
“SENHOR, HÁ UMA SOLUÇÃO
TECNOLÓGICA PARA O SEU
PROBLEMA. NÓS A CHAMAMOS
DE TOMADA”.
MODELO
TAYLORISTA/FORDISTA
MODELO JAPONÊS
EFICIÊNCIA
EFICIÊNCIA E
EFICÁCIA
EFETIVIDADE
EFICIÊNCIA É FAZER BEM FEITO.
EFICÁCIA É FAZER O QUE PRECISA SER FEITO.
CRIATIVIDADE
VIAS DE RACIONALIZAÇÃO DO TRABALHO
MODELO TAYLORISTA
OS TRABALHADORES NÃO
PENSAM, APENAS EXECUTAM
TAREFAS
MODELO DA
COMPETÊNCIA
( MODELO JAPONÊS )
FUNDAMENTO: TREINAMENTO (EDUCAÇÃO)
ENTULHO CULTURAL
REVOLUÇÃO CULTURAL
“O desenvolvimento está nos detalhes”
Pense nisto ...
• Por que o pedreiro não limpou o cimento que caiu sobre o azulejo na
época da construção do banheiro?
• Na reunião marcada para às 10 horas, metade chega na hora, mas é
preciso esperar o último retardatário, que chega às 10:30. Quanto vale o
tempo dos que chegaram mais cedo?
• Se ninguém está olhando, o peão pára de trabalhar. Portanto, haverá
um capataz tomando conta e subtraindo do que poderia ser o seu salário.
• Explicava-me o chofer de táxi em Cingapura que atrair turistas é fácil, o
difícil é fazer com que voltem. E no nosso caso?
PONTO DE PARTIDA CONFIAR NO SER HUMANO
“O homem é um ser capaz de se relacionar, sair de si e projetar-se nos
outros. Estas relações não se dão apenas com os outros, mas se dão no
mundo, com o mundo e pelo mundo. O animal não é um ser de relações,
mas de contatos. Está no mundo e não com o mundo”.
A pessoa não esquece ....
se...
se divertir
se...
se aprender
se...
sair da real
se...
sentir astral
SUCESSO
AMBIÇÃO
METAS
AUTO-ESTIMA
COMUNICAÇÃO
TRABALHO
ATITUDE
CIÊNCIA DO SUCESSO
AUTO-ESTIMA AUTO-CONFIANÇA
É a base do pensamento positivo e a grande responsável por
uma melhor qualidade de vida pessoal e profissional
Para ter sucesso é preciso...
Entenderque sozinho não se consegue nada;
Aprendera fazerparte de um time, seja no trabalho ou emcasa;
Sercapaz de integraro sucesso à felicidade.
ESTRUTURA OBJETIVA DA
EMPRESA
PRODUTOS
SERVIÇOS
EQUIPAMENTOS
PROCESSOS
MUNDO INTERIOR DAS
PESSOAS
REALIZAÇÃO DAS FUNÇÕES
EFETIVA CONCRETIZAÇÃO
DAS TAREFAS
“Atrás de um homem competente há sempre outros
homens” (Provérbio chinês)
1º lugar
US$ 15,000
2º lugar
US$ 5,000
SUCESSO - É MEDIDO EM
CENTÍMETROS
“A estrada para o sucesso é pavimentada
pelas “boas informações”, e pela
velocidade com que você as coloca em
prática”.
“Aqui eu só cumpro ordens ...” qualidade“Isso não é comigo ...”
Qualidade
HENRY FORD - estudou até o 2º ano de ginásio
EXEMPLO DE
SUCESSO
FUNDOU A COMPANHIA FORD, MUDOU O
PARADIGMA DE TRANSPORTES E TORNOU-SE UM DOS
HOMENS MAIS RICOS DO MUNDO
CONHECIMENTO SEM USO NÃO É FATOR DE SUCESSO
CARACTERÍSTICA DO PROFISSIONAL DE SUCESSO
Enxergar a floresta mas
reconhecer a
importância de cada
árvore
Visão holística
QUANTO MAIS PONTOS DE
VISTA DIVERGENTES MELHOR
DINÂMICA DO MERCADO, DAS
TECNOLOGIAS E DOS
CONHECIMENTOS HUMANOS
PARADIGMAS - COMO VER ATRAVÉS?
IMPÕEM
DESAFIOS
MUDANÇAS PERIGO
Paradigmas são modelos que concebemos de como funciona ou é
concebido alguma coisa.
OS NOVOS
PARADIGMAS
DO SUCESSO
GLOBALIZAÇÃO
DA ECONOMIA
EMPRESAS DAS
“LEARNING
ORGANIZATIONS
PARCERIAS E
ALIANÇAS
ESTRATÉGICAS
VELOCIDADE
CRESCENTE DAS
MUDANÇAS
A MAIOR
QUANTIDADE E
QUALIDADE DOS
CONCORRENTES
VALORIZAÇÃO
DO TALENTO,
INICIATIVA E
CRIATIVIDADE
DESCENTRALIZAÇÃO
DE TAREFAS E DE
PODER
ESPECIALIZAÇÃO
GENERALISTA
CLIENTES MAIS
CONSCIENTES,
CONSUMIDORES
MAIS EXIGENTES
EFICIÊNCIA
ECOLÓGICA
SUCESSO PROFISSIONAL
DEPENDE DE CADA PESSOA
Polivalente
Aprender de forma
contínua
Profissional
glocal
Determinação
Saúde física, mental
e emocional
Paixão pelo que
faz
Siga a
intuição
CERTA VEZ, DURANTE A CONSTRUÇÃO DO REINO MÁGICO DA
DISNEYLÂNDIA, PERGUNTARAM A SEU IDEALIZADOR, WALT DISNEY,
QUANDO A OBRA FINALMENTE ESTARIA PRONTA.
PARA SURPRESA DE SEUS INTERLOCUTORES, ELE RESPONDEU:
“JAMAIS CONCLUIREMOS ESTE TRABALHO ENQUANTO O SER
HUMANO TIVER IMAGINAÇÃO”.
CRIATIVIDADE
“A grande invenção polivalente de Deus foi o pato. Ele anda,
nada e voa. E faz tudo isso mal”.
(Rolim Amaro, presidente da TAM)
O RUMO CERTO
PARA A AQUISIÇÃO
DE COMPETÊNCIAS
Empenho individual:
Interesse
Motivação
Necessidade
Base de sustentação:
Conhecimento técnico
Domínio da tecnologia
Busca da excelência
Aplicação do conhecimento:
Melhorar relacionamentos
Estimular o conhecimento coletivo
Compartilhar idéias e fazê-las acontecer
VOCÊ ESTÁ PRONTO PARA BRILHAR?
“Quem pára de aprender envelhece, tenha 20 ou 80 anos. Quem
continua aprendendo se mantém jovem” (Henry Ford)
“Se você acredita que pode, pode. Se acredita que não pode, tem razão”(Mary Kay Ash)
Apenas 5%
das pessoas
conseguem
o sucesso
desejado
Competência e
talento + auto-
motivação =
SUCESSO
O QUE FAZER EFETIVAMENTE PARA VENCER O MEDO DE VENDER?
acabar com as velhas imagens de si próprio
investir em si próprio (aprender inglês, espanhol, computação
cuidado para não ser um ativista
comprometer-se
vencer a inveja
não dar desculpas
cumprir as promessas
FATORES IMPEDITIVOS DO SUCESSO (fazem com que a gente tenha medo de
vencer)
negatividade
fazer coisas em direção ao insucesso (trapacear, mentir, falsear)
indecisão (é preciso não ficar em cima do muro)
medo de correr riscos
perfeccionismo (ter medo de errar, não permitir o erro em si próprio)
mau humor
FATORES QUE LEVAM AO SUCESSO
positividade (visão favorável das coisas, que a gente faz das pessoas)
tomar decisões rápidas
assumir riscos
honestidade (transparente, cristalino, honesto)
bom humor
fazer as coisas diferentes (dar momentos mágicos às pessoas) – “a rotina é o maior
pecado do ser humano” → CRIATIVIDADE
escrever os seus objetivos e metas (colocar números)
saber dizer “eu não sei” e “eu não entendi”
valorizar a intuição
O QUE FAZEM AS PESSOAS QUE NÃO TÊM MEDO DE VENCER?
ouvir pessoas
capacidade de se comunicar
reinventar o que faz
entusiasmo
acabar com a presunção (pensar que tem o rei na barriga)
ser polido, educado
participar da comunidade
querer ser “herói” do cotidiano
fazer networking (visitar amigos, pessoas, estar bem relacionado com os outros)
TIPOS DE PESSOAS - de acordo com a capacidade de reagir aos fatos:
1º) MECÂNICAS - apresentam comportamento semelhante a um
robot. “eu sou assim e ninguém me muda”
2º) RE-ATIVAS - percebem as mudanças, mas apenas reagem, não
interagem com o ambiente.
“adaptam-se ao meio, mas não o mudam, não contribuem”
3º) PRO-ATIVAS - identificam uma mudança, processam as
informações, e interagem de forma a obter melhores resultados,
dando a sua contribuição mudando o ambiente.
CINCO LIÇÕES PARA CONSERTAR UM ERRO
não espere para comunicar o problema ao seu chefe amanhã;
se o equívoco partiu de sua equipe, o problema é seu também. Não
adianta fugir;
investigar os motivos que culminaram no erro é tão importante
quanto consertá-lo;
um simples equívoco pode gerar muitas lições;
muitas vezes, o melhor conserto é aquele que é feito rapidamente.
AUTO-ESTIMA AUTO-CONFIANÇA
É a base do pensamento positivo e a grande responsável por
uma melhor qualidade de vida pessoal e profissional
“Se a segurança não vem mais de ser empregado, precisa vir de ser empregável”
Rosabeth Moss Kanter
VISÃO EMPREENDEDORA CONSTANTE
Olhe, ouça, pergunte. Perceba as necessidades, analise as expectativas,
identifique o que pode ser aperfeiçoado;
Colha dados, pesquise. A sua capacidade de movimentação repousa nas
informações obtidas e na sua qualidade;
Procure a inovação dentro de um campo que você entende e domina;
Inove para o presente, não para o futuro;
Fique atento a todos os movimentos do seu ambiente operacional
(clientes, concorrentes, fornecedores). É aí que o jogo realmente ocorre;
Analise o adversário. Verifique se as expectativas do cliente são ou não
atendidas e por quem;
Em situação de conflito, se você for mais fraco, nunca oponha força contra
força. Faça com que a força do adversário volte-se contra ele próprio;
Delegue autoridade, mas tenha em mente que a responsabilidade pelo
sucesso ou fracasso é sempre sua;
Não se assuste com a simplicidade de sua inovação. Inovações simples
são aquelas que geralmente dão certo;
Não tente ser engenhoso demais;
Não diversifique, não disperse, não tente fazer coisas demais;
Não se acomode. Continue inovando;
Não perca de vista o objetivo. Não deixe que os meios superem os fins;
Não desconsidere as variáveis macroambientais mas, principalmente, não
se prenda a elas;
Não se engane com os sucesso iniciais. Eles são apenas um sinal de que
há ainda muito por fazer;
Não perca tempo com projetos que não dão resultado. Parta logo para
outros;
Não pare de se aperfeiçoar. A aprendizagem é um processo eterno;
Por mais estúpido que seu cliente possa parecer, nunca o despreze.
Você pode não atendê-lo. Mas desprezá-lo? Jamais!
Não deixe de se abastecer sistemática e periodicamente de informações.
Isto é seu oxigênio;
Jamais despreze a disciplina. Ela é fundamental à continuidade do seu
negócio;
Não deixe de praticar um esporte ou um hobby. Procure aplicar em seu
trabalho as lições aprendidas nessa atividade;
Nunca subestime um adversário. Um adversário mais forte pode esmagá-
lo; um adversário de força igual à sua pode humilhá-lo, e um mais fraco
pode surpreendê-lo;
Não tenha medo de ousar. Lembre-se de que a vida é uma aventura da
qual você jamais sairá vivo.
PERGUNTAS-CHAVE PARA O PLANEJAMENTO:
O que tem de ser feito?
Onde será feito o trabalho?
Quando o trabalho tem de ser feito?
Como será feito o trabalho?
Quem vai fazer o trabalho?
POR
QUÊ ?
Inteligência Emocional está relacionada a habilidades tais como motivar-
se a si mesmo e persistir em face a frustrações; controlar impulsos,
canalizando emoções para situações apropriadas; praticar gratificação
prorrogada; motivar pessoas, ajudando-as a liberarem seus melhores
talentos, e conseguir seu engajamento a objetivos de interesses comuns.
INTELIGÊNCIA EMOCIONAL
QUALIDADE MAIS IMPORTANTE NUMA EMPRESA
Capacidade de inovar
Recriar a proposta, de acordo com
as novas condições do mercado
Gestão do
conhecimento
Pedindo ajuda ao Marketing
Vantagem competitiva é aquilo
que é visto pelo cliente como capaz de influenciar sua
decisão de comprar
meu produto em vez do concorrente,
e que pode ser mantido por um período de tempo
relativamente longo
MARKETING É UM SEGURO CONTRA OS PREJUÍZOS
DEFINIÇÃO DE MARKETING - NOVA VISÃO
ESTAR ATENTO ÀS TENDÊNCIAS DE MERCADO PARA IDENTIFICAR
E PRODUZIR RAPIDAMENTE AQUILO QUE O CONSUMIDOR QUER.
CONSUMIDOR QUER OUVIR
ATENTO ÀS
TENDÊNCIAS DE
MERCADO
ANTENADO
“Inovação é uma mudança
que cria uma nova
dimensão de desempenho”
Peter Drucker
CLIENTE
É AQUELE QUE JÁ COMPROU ALGO DA EMPRESA.
CLIENTE FIEL
A pessoa que tem contato direto com o cliente, tem 70% da
responsabilidade sobre sua satisfação e pela reputação da
empresa;
Atender bem é uma arma eficaz de comunicação;
Qualidade também significa bom tratamento e relacionamento
com as pessoas;
A forma como você trata as pessoas mostra como você é por
dentro – cada um dá o que tem;
Tenha como desafio profissional superar as expectativas do
cliente e não apenas cumprir uma obrigação;
“Ser melhor que seu concorrente, não significa fazer a mesma
coisa de forma infinitamente melhor e sim fazer muitas coisas
pequenas apenas um pouco melhor”. O diferencial está nos
detalhes.
Procure dar informações sempre corretas, claras e seguras, para
que o cliente não se sinta perdido, confuso e desrespeitado, tendo
uma péssima impressão da empresa e, sobretudo de você;
Seja cortês, simpático e ético com os outros;
QUAL O MAIOR OBJETIVO DESTE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO?
GERENTES ....
preservam
É formar ...
Chefes – vão atrás da
equipe.
Transforma a tarefa
para a equipe passar
mais confortável. Os
resultados vêm de um
trabalho forte em
equipe.
NOVO MILÊNIO NOVA ECONOMIA NOVO CIDADÃO
A evolução do cidadão ...
Necessidades ← Produto ← Tangível
Sentimentos ← Serviços ← Intangível
Prazer ← Sonhos ← Memorável
TRANSFORMAÇÃO
DAS ORGANIZAÇÕES
Então ...
ECONOMIA baseada na: informação conhecimento
comunicação
Ambiente favorável a
CRIATIVIDADE (informal
e irreverente)
Informação – deve ser compartilhada ...
“Quando você é dono da informação e não passa a ninguém, ela não vale
nada”. “O profissional competente fala tudo o que sabe. Ele não tem medo”.
“Conhecimento é gerado nas pessoas a partir de um método”.
Informação é uma coisa ...
QUE DESTRÓI INCERTEZAS
SINÉRGICA DIFUSIVA PARTILHÁVEL SUBSTITUIDORA RESUMÍVEL
quanto mais
usa mais tem
quanto mais
sofisticada mais
ela vasa
Para isso ...
ESTRATÉGIA
QUALIDADE
INOVAÇÃO
É decidir o que você vai
fazer
Queremos então cidadãos ...
Satisfeitos
Felizes
Fiéis
Torcedores
QUALIDADE NO ATENDIMENTO
Paixão
Surpresa
“Qualidade não é simplesmente satisfazer. Ela é momentânea, percebida. Temos
que desagradar muita gente para fazer o que tem de ser feito. O mau humor é
mortal para a qualidade”.
“Não espere acabar nada para
mudar”. Ex: Pelé ≠ Garrinha
Serviço público – papel pedagógico
da qualidade
“A informação não vale nada se ela não for
compartilhada. Conhecimento é gerado nas
pessoas a partir de um método de quem
administra a informação”
NOVO MILÊNIO NOVA ECONOMIA NOVO CIDADÃO
TRÂNSITO DO PODER
meios de ...
PRODUÇÃO
COMUNICAÇÃO
COGNIÇÃO
CRIAÇÃO
geração de
conhecimentos
inovação,
idéiasEmpresa mais criativa do mundo 3M (segredo: INVESTIR NO
CAPITAL HUMANO)
Criatividade é fazer todos os dias alguma coisa que você nunca fez.
PESSOAS SÃO AUTO MOTIVÁVEIS E SOMENTE PRECISAM DAS GERÊNCIAS:
• Bom treinamento para o trabalho
• Ter as barreiras desnecessárias removidas
• Ter as conquistas reconhecidas
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO RELACIONAMENTO HUMANO:
Nunca condenar ou criticar PERDE UM COLABORADOR
Quando puder fazer um elogio sincero, faça-o
"o mais profundo princípio da natureza humana é a ânsia de ser
apreciado” William James
SER HUMANO tem sede em se sentir
importante
Interesse-se sinceramente pelas pessoas
estamos todos mais interessados acerca de nós
mesmos que em qualquer outra pessoa
NATUREZA
HUMANA
Sorria
Pessoas sérias, de grande credibilidade, auto-
confiantes e de sucesso sorriem, porque sabem
reconhecer o valor das outras pessoas.
Ouvir - A Arte do bom Comunicador Você precisa escutar
para ter feedback
PARTE 2
ANTECEDENTES HISTÓRICOS DA ADMINISTRAÇÃO
Até o final do século XIX POUCAS E PEQUENAS ORGANIZAÇÕES
• PEQUENAS OFICINAS;
• ARTESÃOS
INDEPENDENTES;
• PEQUENAS ESCOLAS;
• PROFISSIONAIS
AUTÔNOMOS;
• LAVRADOR;
• ARMAZÉM DA ESQUINA, etc.INFLUÊNCIAS OCORRIDAS NA ADMINISTRAÇÃO:
dos filósofos – René Descartes (1596-1650);
da organização da igreja católica;
da organização militar;
da revolução industrial;
dos economistas liberais;
dos pioneiros e empreendedores.
1. Princípio da Dúvida
Sistemática ou da
Evidência;
2. Princípio da Análise
ou da Decomposição;
3. Princípio da Síntese
ou da Composição;
4. Princípio da
Enumeração ou da
Verificação.
1. Princípio da unidade
de comando;
2. Escala hierárquica;
3. Centralização do
comando e a
descentralização da
execução;
4. Princípio de direção.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL provocou o aparecimento da
organização e da empresa moderna – principais fatores:
a) a ruptura das estruturas corporativas da Idade Média;
b) o avanço tecnológico, graças às aplicações dos progressos
científicos à produção, com a descoberta de novas formas de
energia e a possibilidade de uma enorme ampliação de
mercados;
c) a substituição do tipo artesanal por um tipo industrial de
produção.
Segundo BURNS:
1780 a 1860 1ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL – revolução do carvão e do ferro;
1860 a 1914 2ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL – revolução do aço e da eletricidade.
4 fases da 1ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (BURNS):
1ª fase: a mecanização da indústria e da agricultura;
2ª fase: a aplicação da força motriz à indústria;
3ª fase: o desenvolvimento do sistema fabril;
4ª fase: um espetacular aceleramento dos transportes e das comunicações.
Conseqüência da 1ª Revolução Industrial considerável controle
capitalista sobre quase todos os ramos da atividade econômica.
2ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL – acontecimentos:
desenvolvimento de novo processo de fabricação do aço (1856);
aperfeiçoamento do dínamo (1873);
invenção do motor de combustão interna (1873).
Principais características da 2ª Revolução Industrial (segundo BURNS):
1. a substituição do ferro pelo aço como material industrial básico;
2. a substituição do vapor pela eletricidade e pelos derivados de petróleo
como principais fontes de energia;
3. o desenvolvimento da maquinaria automática e um alto grau de
especialização do trabalho;
4. o crescente domínio da indústria pela ciência;
5. transformações radicais nos transportes e nas comunicações;
6. o desenvolvimento de novas formas de organização capitalista;
7. a expansão da industrialização até a Europa Central e Oriental, e até o
Extremo Oriente.
PRODUÇÃO DO
ARTESANATO
PRODUÇÃO FEITA
ATRAVÉS DE MÁQUINAS
DENTRO DE GRANDES
FÁBRICAS
com a industrialização
Mudanças provocadas:
1. a transferência da habilidade do artesão para a máquina,
que passou a produzir com maior rapidez, maior
quantidade e melhor qualidade, possibilitando uma
redução no custo da produção;
2. a substituição da força do animal ou do músculo humano
pela maior potência da máquina a vapor (e
posteriormente pelo motor), que permitia maior produção
e maior economia.
Mecanização do trabalho ⇒ divisão do trabalho;
simplificação das operações.
PARTE 3
ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO
1. INTRODUÇÃO
Início do século XX
Frederick Winslow Taylor ESCOLA DE
ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA
Henri Fayol ESCOLA DE ANATOMIA E
FISIOLOGIA DA ORGANIZAÇÃO
ENGENHEIR0S
PROBLEMA COMUM AUMENTARA EFICIÊNCIA
DA INDÚSTRIA OU EMPRESA
Taylor – AUMENTAR A EFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA POR MEIO,
INICIALMENTE, DA RACIONALIZAÇÃO DO TRABALHO DO
OPERÁRIO.
Fayol – AUMENTAR A EFICIÊNCIA DA EMPRESA POR MEIO DA SUA
ORGANIZAÇÃO E DA APLICAÇÃO DE PRINCÍPIOS GERAIS DE
ADMINISTRAÇÃO EM BASES CIENTÍFICAS.
ABORDAGEM CLÁSSICA OU TRADICIONAL DA
ADMINISTRAÇÃO:Administração
Científica
Teoria Clássica
Ênfase nas tarefas
Ênfase na estrutura
e no funcionamento
Abordagem Clássica
da Administração
Taylor
Fayol
Administração Científica:
Frederick Winslow Taylor (1856-1915)
Henry Lawrence Gantt (1861-1919)
Frank Bunker Gilbreth (1868-1924)
Harrington Emerson (1853-1931)
Henry Ford (1863-1947)
Carl Georg Lange Barth
Anatomistas e Fisiologistas da
Organização
Henri Fayol (1841-1925)
James D. Mooney
Lyndall F. Urwick (1891)
Luther Gulick
Henry Niles
Leonard White
Escola de Administração Científica:
Desenvolvida nos EUA;
Aumentar a produtividade da empresa por meio do aumento de eficiência no
nível operacional, isto é, no nível dos operários;
Ênfase na análise e na divisão do trabalho do operário – as tarefas do cargo e
o ocupante constituem a unidade fundamental da organização.
Abordagem
operário
gerente e supervisor
Operário e seus cargos
Org. empresarial
MÉTODO DE TRABALHO
MOVIMENTOS
NECESSÁRIOS À
EXECUÇÃODE UMA
TAREFA
TEMPO PADRÃO
ESPECIALIZAÇÃO DO
OPERÁRIO
“ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO” - ORT
REAGRUPAMENTO DE MOVIMENTOS,
OPERAÇÕES, TAREFAS, FUNÇÕES,
ETC.
ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS – foi uma tentativa de
sistematizar a atividade gerencial.
Corrente dos Anatomistas e Fisiologistas da Organização (Teoria
Clássica):
Desenvolvida na França (Europa);
Henri Fayol (1841-1925), James D. Mooney, Lyndall F. Urwick (n.
1891), Luther Gulick e outros;
Aumentar a eficiência da empresa por meio da forma e disposição
dos órgãos componentes da organização (departamentos) e das suas
inter-relações estruturais;
Ênfase na anatomia (estrutura) e na fisiologia (funcionamento) da
organização.
Abordagem
execução (base)
direção (topo)
Departamentos
Org. empresarial
(todo)
ESTRUTURA
ORGANIZACIONAL
CENTRALIZAÇÃO DE
UM CHEFE PRINCIPAL
SUBDIVIDIR A EMPRESA
CORRENTE EMINENTEMENTE TEÓRICA E
“ADMINISTRATIVAMENTE ORIENTADA”
DEPARTAMENTALIZAÇÃO
“O trabalho é uma oportunidade para você construir uma vida
que lhe dê prazer” Joseph Conrad
“Se o que você fez ontem ainda lhe parece muito importante,
então você ainda não fez o suficiente hoje” Earle Wilson
“A maior vitória é contra si mesmo” Platão
“As maiores oportunidades vêm para as pessoas que aproveitam
as pequenas” Provérbio alemão
2. ORIGENS DA ABORDAGEM CLÁSSICA
Conseqüências geradas pela REVOLUÇÃO INDUSTRIAL surgiu
em torno de 1700, mas tomou impulso no final do século XVIII.
Crescimento acelerado e desorganizado das empresas substituir o
empirismo e a improvisação dominantes;
Necessidade de aumentar a eficiência e a competência das organizações
aumento da concorrência entre empresas.
PRODUÇÃOEMMASSA
TAYLORISM
O
FAYOLISM
O
ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO surgiu como
uma tentativa de organizar as empresas que, a partir da
Revolução Industrial, vinham crescendo desordenadamente.
“Experiência é o nome que cada indivíduo dá aos seus
próprios erros” Oscar Wilde
“Não dá para relaxar nem um só minuto. É preciso aparar a
grama todo dia” Eugênio Staub, dono da Gradiente
3. CONCLUSÃO
PANORAMA INDUSTRIAL DO INÍCIO DO SÉCULO XX:
• grande variedade de empresas, com tamanhos altamente diferenciados;
• baixo rendimento da maquinaria utilizada;
• desperdício;
• grande número de pessoas empregadas;
• insatisfação generalizada entre os operários;
• concorrência intensa, mas com tendências pouco definidas;
• elevado volume de perdas envolvido quando as decisões eram mal
formuladas, etc.
CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO ABORDAGEM CLÁSSICA DA
ADMINISTRAÇÃO
TORNOU-SE NECESSÁRIA A ESPECIALIZAÇÃO E
A DIVISÃO DO TRABALHO
BUSCA DA EFICIÊNCIA (a melhor maneira de fazer um
trabalho)
ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA
Taylor fundador da Administração Científica
TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO DO TRABALHO OPERÁRIO
ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS
1º) O objetivo de uma boa Administração é pagar salários altos e ter
baixos custos unitários de produção;
2º) Para realizar esse objetivo, a Administração deve aplicar métodos
científicos de pesquisa e experimentos para o seu problema global, a
fim de formular princípios e estabelecer processos padronizados que
permitam o controle das operações fabris;
1º PERÍODO DE TAYLOR:
3º) Os empregados devem ser cientificamente colocados em serviços
ou postos com os materiais e condições de trabalho adequados, para
que as normas possam ser cumpridas;
4º) Os empregados devem ser cientificamente adestrados para
aperfeiçoar suas aptidões e, portanto, executar um serviço ou tarefa
de modo que a produção normal seja cumprida;
5º) uma atmosfera de íntima e cordial cooperação deve ser cultivada
entre a Administração e os trabalhadores, para garantir a continuidade
desse ambiente psicológico.
< Tempo ⇒ > produtividade > venda
2º PERÍODO DE TAYLOR:
RACIONALIZAÇÃO DO TRABALHO OPERÁRIO
ACOMPANHADA DE UMA ESTRUTURAÇÃO GERAL
DA EMPRESA E QUE TORNASSE COERENTE A
APLICAÇÃO DOS SEUS PRINCÍPIOS
ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA1º) Administradores deveriam desenvolver um método científico para
cada elemento do trabalho de um homem, a fim de substituir as velhas
regras, ou seja, planejar o trabalho do operário;
2º) Administradores deveriam selecionar cientificamente, treinando
posteriormente os trabalhadores, ou seja, formar a mão-de-obra;
3º) Administradores deveriam cooperar com os trabalhadores para
garantir que as tarefas fossem executadas de acordo com os métodos
científicos desenvolvidos, ou seja, controlar o trabalho;
4º) Deveria haver uma igual divisão de tarefas e responsabilidades
entre administradores e operários. Administradores deveriam executar
tarefas para as quais são mais indicados, tais como planejar a
execução das tarefas.
PROCESSOS
ADMINISTRATIVOS
PLANEJAMENTO
ORGANIZAÇÃO
EXECUÇÃO
CONTROLE
SISTEMA DE TAYLOR
GERÊNCIA CIENTÍFICA
ORGANIZAÇÃO CIENTÍFICA DO TRABALHO
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO
75% de análise
25% de bom senso
PREOCUPAÇÕES DE TAYLOR
OPERÁRIO: irresponsável, vadio e negligente
EFICIÊNCIA
COMPORTAMENTO DO TRABALHADOR
CRIAR UM SISTEMA EDUCATIVO BASEADO NA
INTENSIFICAÇÃO DO RITMO DE TRABALHO EM
BUSCA DA EFICIÊNCIA EMPRESARIAL
ADMINISTRAÇÃO COMO CIÊNCIA
Para Taylor
ORGANIZAÇÃO
ADMINISTRAÇÃO
TRATADOS CIENTIFICAMENTE
E NÃO EMPIRICAMENTE
IMPROVISAÇÃO ⇒ PLANEJAMENTO; EMPIRISMO ⇒ CIÊNCIA
Grande mérito: APLICAÇÃO DE UMA METODOLOGIA SISTEMÁTICA
NA ANÁLISE E NA SOLUÇÃO DOS PROBLEMAS DA
ORGANIZAÇÃO
DISCÓRDIA ⇒ HARMONIA; INDIVIDUALISMO ⇒ COOPERAÇÃO
PRODUÇÃO REDUZIDA ⇒ RENDIMENTO MÁXIMO
DESENVOLVIMENTO DE CADA HOMEM ⇒ MAIOR EFICIÊNCIA E
PROSPERIDADE
ELEMENTOS DE APLICAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO
CIENTÍFICA DE TAYLOR:
a) Estudo de tempo e padrões de produção;
b) Supervisão funcional;
c) Padronização de ferramentas e instrumentos;
d) Planejamento de tarefas e cargos;
e) Princípio da exceção;
f) Utilização da régua de cálculo e instrumentos para economizar tempo;
g) Fichas de instruções de serviço;
h) Prêmios de produção pela execução eficiente das tarefas;
i) Definição da rotina de trabalho.
EMPREGADOSEMPREGADORES Interesses
convergentes
baixo custo de produção altos salários
ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT):
1- Os operários aprendiam a maneira de executar as tarefas do trabalho por meio
da observação dos companheiros vizinhos;
2- Há diferentes maneiras (métodos) para fazer a mesma tarefa;
3- Existe sempre um método mais rápido e um instrumento mais apropriado que
os demais, que podem ser encontrados e aperfeiçoados por meio de uma análise
científica.
concepção execução
gerência (planejamento e administração das tarefas) trabalhador
separação
Principais aspectos da ORT:
1. Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos;
2. Estudo da fadiga humana;
3. Divisão do trabalho e especialização do operário;
4. Desenho de cargos e tarefas;
5. Incentivos salariais e prêmios de produção;
6. Conceito de “homo economicus”;
7. Condições ambientais de trabalho, como iluminação, conforto etc.;
8. Padronização de métodos e de máquinas;
9. Supervisão funcional.
Gerentes - controlam cada fase do
processo de trabalho – fazem o trabalho
intelectual
Operário – não tem
necessidade de pensar,
criar e controlar o trabalho
O taylorismo: divide, simplifica e desqualifica o trabalho
IDEALIZADORES E
OS ORGANIZADORES
EXECUTANTES
(trabalho manual)
separação
1. ANÁLISE DO TRABALHO E ESTUDO DOS TEMPOS E MOVIMENTOS
ANÁLISE DO
TRABALHO
Segundo Taylor e seus seguidores: racionalizar o trabalho dos operários
ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS
DIVIDIR E SUBDIVIDIR
TODOS OS MOVIMENTOS
NECESSÁRIOS À
EXECUÇÃO DE CADA
OPERAÇÃO DE UMA
TAREFA
TEMPO MÉDIO – tempo que um operário comum levaria para a execução da tarefa,
por meio da utilização de um cronômetro.
TEMPO PADRÃO = TEMPO MÉDIO + tempos elementares e mortos (esperas,
tempos destinados à saída do operário da linha para as suas necessidades pessoais
etc.).
Vantagens do estudo dos tempos e movimentos:
a) Eliminar os movimentos inúteis e substituí-los por outros mais eficazes;
b) Tornar mais racional a seleção e treinamento do pessoal;
c) Melhorar a eficiência do operário e, conseqüentemente, o rendimento da
produção;
d) Ter uma base uniforme para salários eqüitativos e para prêmios por aumento
de produção.
Franck B. Gilbreth e Lilian M. Gilbreth todo trabalho manual pode ser
reduzido a movimentos elementares (therblig, anagrama de Gilbreth):
1. Procurar
2. Escolher
3. Pegar
4. Transportar vazio
5. Transportar cheio
6. Posicionar (colocar em posição)
7. Preposicionar (preparar para
colocar em posição)
8. Unir (ligar ou anotar)
9. Separar
10. Utilizar
11. Soltar a carga
12. Inspecionar
13. Segurar
14. Esperar inevitavelmente
15. Esperar
quando evitável
16. Repousar
17. Planejar
• evitar os movimentos inúteis
• executar o mais economicamente possível – do ponto de vista
fisiológico – os movimentos úteis;
• dar a esses movimentos selecionados uma seriação apropriada
(princípios de economia, seleção e coordenação de movimentos).
ESTUDO DOS MOVIMENTOS – baseia-se: ANATOMIA e FISIOLOGIA
HUMANA
Observação: Princípio de Gilbreth - o aumento da transparência dos
processos de produção elevação da qualidade da comunicação num
ambiente de trabalho – APLICAÇÃO: CANTEIROS DE OBRA.
Eficiência – é a relação entre o que é conseguido e o que pode ser
conseguido (H. EMERSON). A conseqüência ⇒ PRODUTIVIDADE
(produção de uma unidade produtora por unidade de tempo).
Interesse pelo esforço
humano, como meio de
aumentar a produtividade.
2. ESTUDO DA FADIGA HUMANA
Gilbreth – preocupação com a adaptação do homem à
máquina e, inversamente, da máquina ao homem.
A fadiga predispõe o trabalhador para:
Diminuição da produtividade e da qualidade do trabalho;
Perda de tempo;
Aumento da rotatividade de pessoal;
Doenças e acidentes;
Diminuição da capacidade de esforço.
FADIGA
redutor da
EFICIÊNCIA.
Princípios de economia de movimentos:
a) Relativos ao corpo humano;
b) Relativos ao arranjo material do local de trabalho;
c) Relativos ao desempenho das ferramentas e do equipamento.
3. DIVISÃO DO TRABALHO E ESPECIALIZAÇÃO DO OPERÁRIO
Objetivo: PRODUTIVIDADE
O TRABALHO DE CADA PESSOA DEVERIA, TANTO QUANTO
POSSÍVEL, SE LIMITAR À EXECUÇÃO DE UMA ÚNICA
TAREFA OU DE TAREFAS SIMPLES E ELEMENTARES.
Conseqüência: o operário perdeu a liberdade e a iniciativa de
estabelecer a sua maneira de trabalhar e passou a ser confinado à
execução automática e repetitiva ⇒ trabalho padronizado.
EFICIÊNCIA ⇒ ESPECIALIZAÇÃO
4. DESENHO DE CARGOS E TAREFAS
Tarefa – toda e qualquer atividade executada por uma pessoa no seu trabalho
dentro da organização.
Cargo – conjunto de tarefas executadas de maneira cíclica ou repetitiva.
Desenhar de cargos – maneira pela qual um cargo é criado e projetado e
combinado com outros cargos para a execução de tarefas maiores.
Princípio básico no desenho dos cargos
cargo
tarefas ⇒ habilidades similares e tempo controlado
tarefas ⇒ habilidades similares e tempo controlado
tarefas ⇒ habilidades similares e tempo controlado
nº limitado
cargo
Vantagens:
a) admissão de empregados com qualificações mínimas e salários menores,
reduzindo os custos de produção;
b) minimização dos custos de treinamento;
c) redução de erros na execução, diminuindo os refugos e rejeições;
d) facilidade de supervisão, permitindo que cada supervisor possa controlar um
número maior de subordinados;
e) aumento da eficiência do trabalhador, permitindo maior produtividade.
5. INCENTIVOS SALARIAIS E PRÊMIOS DE PRODUÇÃO
Tempo padrão – tempo médio necessário para um operário normal realizar a tarefa
devidamente racionalizada = NÍVEL DE EFICIÊNCIA 100%. Quando a produção
for > 100% ⇒ PRÊMIO DE PRODUÇÃO
Remuneração
Peças produzidas e nível de eficiência
100% 110%
Prêmio de
produção
Plano de incentivo salarial: Observação: O operário de bom salário e
bom padrão de vida teve de suportar
durante décadas: trabalho simples,
repetitivo, padronizado, chato e monótono
NATUREZA HUMANA ?
6. CONCEITO DE HOMO ECONOMICUS
Toda pessoa é concebida como influenciada e
exclusivamente por recompensas salariais, econômicas e
materiais.
O homem é motivado a trabalhar não porque gosta, mas
pelo medo da fome e pela necessidade de dinheiro para
viver.
MASLOW
Auto-realização
Auto-estima
Sociais
Segurança
Fisiológicas
Necessidadespsicológicas
7. CONDIÇÕES DE TRABALHO
Eficiência = f (método de trabalho, incentivo salarial, conjunto de condições de
trabalho que garantam o bem estar físico do trabalhador e diminuam a fadiga).
adequação de instrumentos, ferramentas e equipamentos de produção;
arranjo físico das máquinas e equipamentos para racionalizar o fluxo da produção;
melhoria do ambiente físico de trabalho: ruído, ventilação, iluminação e conforto;
projeto de instrumentos e equipamentos especiais para certos cargos: reduzir movimentos
desnecessários.
8. PADRONIZAÇÃO
↓ variabilidade ↓ diversidade no processo produtivo desperdício ↑ eficiência
PADRONIZAÇÃO DOS MÉTODOS E PROCESSOS DE TRABALHO
9. SUPERVISÃO FUNCIONAL
Supervisor
de produção
Supervisor de
manutenção
Supervisor
de qualidade
Operário
A
Operário
B
Operário
C
Operário
D
Permite a máxima
utilização do princípio
da divisão do trabalho,
reduzindo ao mínimo as
funções que cada homem
deve executar.
Trabalho
mental
Trabalho
braçal
separação
PRINCÍPIOS BÁSICOS DE FORD - FORDISMO
Henry Ford – 1914 ⇒ dia de 8 horas e salário mínimo de cinco dólares (US$
5,00)Racionalização da produção PRODUÇÃO EM MASSA OU EM
SÉRIE
O produto é padronizado em seu material, mão-de-obra,
desenho e ao mínimo custo possível
Taylorismo os operários aceitavam os
princípios da prescrição e controle do trabalho
Fordismo o patronato garantia o
crescimento regular dos salários e o
acesso ao consumo.
Princípios básicos de Ford:
a) Intensificação: ↓ tempo de duração com o emprego imediato dos
equipamentos e da matéria-prima e a rápida colocação do produto no
mercado;
b) Economicidade: ↓ ao mínimo o volume do estoque da matéria-prima em
transformação;
c) Produtividade: ↑ capacidade de produção do homem no mesmo período por
meio da especialização e da linha de montagem.
Ford – na área mercadológica implantou:
• assistência técnica;
• sistema de concessionários;
• política de preços inteligente.
PRINCÍPIO DA EXCEÇÃO
Região da
normalidade
Exceções Exceções
Freqüência
Ocorrências
É um sistema de informação que apresenta seus
dados somente quando os resultados efetivamente
verificados na prática divergem ou se distanciam
dos resultados previstos em algum programa.
Q1 Q2 Q3
APRECIAÇÃO CRÍTICA DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA
Mecanismo da administração científica (teoria da máquina)
Abordagem microscópica e mecanicista da Administração Científica
Estudo dos
tempos e
movimentos
Seleção
científica do
trabalhador
Determinação
do método de
trabalho (the
best way)
Lei da
fadiga
Padrão de
produção
Plano de
incentivo
salarial
Supervisão
funcional
Condições
ambientais
de trabalho
Máxima
eficiência
Maiores
lucros e
maiores
salários
- Visão microscópica do homem tomado isoladamente como um apêndice da
maquinaria industrial;
- Superespecialização que robotiza o operário;
- Ausência de qualquer comprovação científica de suas afirmações e princípios;
- Abordagem eminentemente prescritiva e normativa e tipicamente de sistema
fechado.
“Por mais entediadas e infelizes que estejam com o seu trabalho, as pessoas
tendem a se apegar ao poder, ao dinheiro e ao status”
“Fiquei feliz por poder responder na hora. Eu disse: não sei” Mark Twain
“A verdade pura e simples raramente é pura e nunca é simples” Oscar Wilde
“Se o cliente reclama, sorte sua. É uma chance para você descobrir qual é o
problema dele. E resolvê-lo. Jamais ignore ou subestime qualquer contato com o
cliente”.
Início dos anos 20 ALFRED SLOAN – líder da GM
Motivação – bater a Ford e seu Modelo T
Ford consumidor padronizado (seu foco era o produto). Marketing era
preço, preço, preço. Em 1924 – o modelo T era vendido quase a preço de
custo (lucro por carro = 2 dólares ≅ 50 dólares a preço de hoje;
Sloan havia diferenças no bolso e na cabeça entre possíveis consumidores.
Faltava marketing, propaganda, técnicas de venda e pesquisa de mercado.
O INÍCIO DA NECESSIDADE DE UMA ESTRUTURA
ORGANIZADA DENTRO DA EMPRESA
Ford não conseguia lidar com a mudança
GM fabricava 5 modelos – cada um para um segmento específico
≠ ?
Complexo Nível de organização interna
Lições de SLOAN sobre o gerente profissional:
Profissionais não decidem com base em opiniões ou em preferências, só de
acordo com fatos;
O administrador profissional não tem de gostar de gente, não tem de tentar
mudar as pessoas, tem é de mobilizar o melhor delas para obter resultados;
Performance é mais que resultado, é também exemplo, e isso requer
integridade;
Problemas: colapso econômico externo, crise gerencial interna, alto
estoque, caixa vazio, linha de produtos confusa, necessidade de controle
sobre operações e finanças da empresa.
Discordância, conflitos mesmo, são necessários, e até desejáveis. Sem isso,
não há entendimento, e sem entendimento só se tomam decisões erradas.
Liderança não é carisma. Não é “relações públicas”, não é exibicionismo. É
performance, comportamento consistente, credibilidade;
O administrador profissional é um prestador de serviço. Seu cliente é a
empresa. Posição não confere privilégio, não dá poder, só impõe
responsabilidade.
Entre 1927 e 1937 – GM lucro acumulado de 2 bilhões de dólares;
Ford prejuízo de 100 milhões de dólares.
Modelo de organização de SLOAN OPERAÇÕES DESCENTRALIZADAS
COM CONTROLE COORDENADO
DESCENTRALIZAÇÃO CENTRALIZAÇÃO
Iniciativa, responsabilidade,
desenvolvimento de funcionários,
decisões próximas aos fatos e
flexibilidade
Coordenação: eficiência e
economias
g
e
r
ê
n
c
i
a
1911-Chevrolet 1929-Ramona 1959-Cadilac 1963-Corvette 1975-Vega 2001-GMC
Eldorado Stingray Yukon Denali

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria Behaviorismo
Teoria BehaviorismoTeoria Behaviorismo
Teoria Behaviorismo
Adm Unime
 
Teoria da burocracia 2012_01
Teoria da burocracia 2012_01Teoria da burocracia 2012_01
Teoria da burocracia 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Direito empresarial
Direito empresarialDireito empresarial
Direito empresarial
Elder Leite
 
Teoria da Administração
Teoria da AdministraçãoTeoria da Administração
Teoria da Administração
Siebra Neto
 
Ética no serviço público
Ética no serviço públicoÉtica no serviço público
Ética no serviço público
Anderson Leite
 
Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Práticas administrativas em escritório – planejamento capítulo 02
Práticas administrativas em escritório – planejamento capítulo 02Práticas administrativas em escritório – planejamento capítulo 02
Práticas administrativas em escritório – planejamento capítulo 02
Jesus Martins Oliveira Junior
 
Estruturas organizacionais-tradicionais
Estruturas organizacionais-tradicionaisEstruturas organizacionais-tradicionais
Estruturas organizacionais-tradicionais
Vanessa Teles
 
Direito Administrativo
Direito AdministrativoDireito Administrativo
Direito Administrativo
Adeildo Caboclo
 
Teoria Geral de Sistemas - Abordagem Sistêmica da Administração
Teoria Geral de Sistemas - Abordagem Sistêmica da AdministraçãoTeoria Geral de Sistemas - Abordagem Sistêmica da Administração
Teoria Geral de Sistemas - Abordagem Sistêmica da Administração
Cleidiane Martins
 
Direito Objetivo x Direito Subjetivo
Direito Objetivo x Direito SubjetivoDireito Objetivo x Direito Subjetivo
Direito Objetivo x Direito Subjetivo
Leonardo Leitão
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
Prof. Leonardo Rocha
 
Teoria geral da burocracia burocracia
Teoria geral da burocracia burocraciaTeoria geral da burocracia burocracia
Teoria geral da burocracia burocracia
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
José Antonio Ferreira da Silva
 
Principios De AdministraçãO
Principios De AdministraçãOPrincipios De AdministraçãO
Principios De AdministraçãO
themis dovera
 
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point EricaTeoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
guest3ebb133
 
Fluxograma de-processos
Fluxograma de-processosFluxograma de-processos
Fluxograma de-processos
Liliane França
 
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - TaylorPrincípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Grupo VAHALI
 
Teoria geral da administração
Teoria geral da administraçãoTeoria geral da administração
Teoria geral da administração
Denis Carlos Sodré
 
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Alexandre Conte
 

Mais procurados (20)

Teoria Behaviorismo
Teoria BehaviorismoTeoria Behaviorismo
Teoria Behaviorismo
 
Teoria da burocracia 2012_01
Teoria da burocracia 2012_01Teoria da burocracia 2012_01
Teoria da burocracia 2012_01
 
Direito empresarial
Direito empresarialDireito empresarial
Direito empresarial
 
Teoria da Administração
Teoria da AdministraçãoTeoria da Administração
Teoria da Administração
 
Ética no serviço público
Ética no serviço públicoÉtica no serviço público
Ética no serviço público
 
Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01
 
Práticas administrativas em escritório – planejamento capítulo 02
Práticas administrativas em escritório – planejamento capítulo 02Práticas administrativas em escritório – planejamento capítulo 02
Práticas administrativas em escritório – planejamento capítulo 02
 
Estruturas organizacionais-tradicionais
Estruturas organizacionais-tradicionaisEstruturas organizacionais-tradicionais
Estruturas organizacionais-tradicionais
 
Direito Administrativo
Direito AdministrativoDireito Administrativo
Direito Administrativo
 
Teoria Geral de Sistemas - Abordagem Sistêmica da Administração
Teoria Geral de Sistemas - Abordagem Sistêmica da AdministraçãoTeoria Geral de Sistemas - Abordagem Sistêmica da Administração
Teoria Geral de Sistemas - Abordagem Sistêmica da Administração
 
Direito Objetivo x Direito Subjetivo
Direito Objetivo x Direito SubjetivoDireito Objetivo x Direito Subjetivo
Direito Objetivo x Direito Subjetivo
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
 
Teoria geral da burocracia burocracia
Teoria geral da burocracia burocraciaTeoria geral da burocracia burocracia
Teoria geral da burocracia burocracia
 
Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
 
Principios De AdministraçãO
Principios De AdministraçãOPrincipios De AdministraçãO
Principios De AdministraçãO
 
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point EricaTeoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
 
Fluxograma de-processos
Fluxograma de-processosFluxograma de-processos
Fluxograma de-processos
 
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - TaylorPrincípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
 
Teoria geral da administração
Teoria geral da administraçãoTeoria geral da administração
Teoria geral da administração
 
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
 

Semelhante a 3m organiz --

Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESASApresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
Wesley Pacheco
 
Planejamento Estrategico
Planejamento EstrategicoPlanejamento Estrategico
Planejamento Estrategico
azevedoac
 
Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1
Andrey Martins
 
Pratica da Administracao nas organizações
Pratica da Administracao nas organizaçõesPratica da Administracao nas organizações
Pratica da Administracao nas organizações
artelajeans
 
Curso de Recursos Humanos
Curso de Recursos HumanosCurso de Recursos Humanos
Curso de Recursos Humanos
avanterh
 
Aula 1 - Processos Gerenciais
Aula 1 - Processos GerenciaisAula 1 - Processos Gerenciais
Aula 1 - Processos Gerenciais
Murilo Amorim
 
óTima...
óTima...óTima...
Atps tecnologias de gestão
Atps tecnologias de gestãoAtps tecnologias de gestão
Atps tecnologias de gestão
55556681
 
Planejamento empresarial e arquitetura organizacional
Planejamento empresarial e arquitetura organizacionalPlanejamento empresarial e arquitetura organizacional
Planejamento empresarial e arquitetura organizacional
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Técnicas Organizacionais
Técnicas OrganizacionaisTécnicas Organizacionais
Técnicas Organizacionais
Andrey Martins
 
AULA 03 E 04 EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO.pptx
AULA 03 E 04  EMPREENDEDORISMO  E INOVAÇÃO.pptxAULA 03 E 04  EMPREENDEDORISMO  E INOVAÇÃO.pptx
AULA 03 E 04 EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO.pptx
regissousa14
 
Recursos Humanos
Recursos Humanos Recursos Humanos
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenharia
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenhariaUm engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenharia
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenharia
Lowrrayny Franchesca
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
Prof. Leonardo Rocha
 
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48290322 acetatos%20 4374a04aa3f48
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48
Catarina Guedes
 
TD Treinamento & Desenvolvimento
TD Treinamento & Desenvolvimento TD Treinamento & Desenvolvimento
TD Treinamento & Desenvolvimento
Gulyver Palestras e Treinamentos
 
Estratégia para a competitivdade
Estratégia para a competitivdadeEstratégia para a competitivdade
Estratégia para a competitivdade
Daniel de Carvalho Luz
 
Administração
AdministraçãoAdministração
Administração
Shirlei Cardão
 
Gestao de Desempenho - Sferas Consultoria 2014
Gestao de Desempenho - Sferas Consultoria 2014Gestao de Desempenho - Sferas Consultoria 2014
Gestao de Desempenho - Sferas Consultoria 2014
SFERAS CONSULTORIA
 
Planejamento Estratégico 2017.ppt
Planejamento Estratégico 2017.pptPlanejamento Estratégico 2017.ppt
Planejamento Estratégico 2017.ppt
anacarolinaMedeiros21
 

Semelhante a 3m organiz -- (20)

Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESASApresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
 
Planejamento Estrategico
Planejamento EstrategicoPlanejamento Estrategico
Planejamento Estrategico
 
Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1
 
Pratica da Administracao nas organizações
Pratica da Administracao nas organizaçõesPratica da Administracao nas organizações
Pratica da Administracao nas organizações
 
Curso de Recursos Humanos
Curso de Recursos HumanosCurso de Recursos Humanos
Curso de Recursos Humanos
 
Aula 1 - Processos Gerenciais
Aula 1 - Processos GerenciaisAula 1 - Processos Gerenciais
Aula 1 - Processos Gerenciais
 
óTima...
óTima...óTima...
óTima...
 
Atps tecnologias de gestão
Atps tecnologias de gestãoAtps tecnologias de gestão
Atps tecnologias de gestão
 
Planejamento empresarial e arquitetura organizacional
Planejamento empresarial e arquitetura organizacionalPlanejamento empresarial e arquitetura organizacional
Planejamento empresarial e arquitetura organizacional
 
Técnicas Organizacionais
Técnicas OrganizacionaisTécnicas Organizacionais
Técnicas Organizacionais
 
AULA 03 E 04 EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO.pptx
AULA 03 E 04  EMPREENDEDORISMO  E INOVAÇÃO.pptxAULA 03 E 04  EMPREENDEDORISMO  E INOVAÇÃO.pptx
AULA 03 E 04 EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO.pptx
 
Recursos Humanos
Recursos Humanos Recursos Humanos
Recursos Humanos
 
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenharia
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenhariaUm engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenharia
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenharia
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
 
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48290322 acetatos%20 4374a04aa3f48
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48
 
TD Treinamento & Desenvolvimento
TD Treinamento & Desenvolvimento TD Treinamento & Desenvolvimento
TD Treinamento & Desenvolvimento
 
Estratégia para a competitivdade
Estratégia para a competitivdadeEstratégia para a competitivdade
Estratégia para a competitivdade
 
Administração
AdministraçãoAdministração
Administração
 
Gestao de Desempenho - Sferas Consultoria 2014
Gestao de Desempenho - Sferas Consultoria 2014Gestao de Desempenho - Sferas Consultoria 2014
Gestao de Desempenho - Sferas Consultoria 2014
 
Planejamento Estratégico 2017.ppt
Planejamento Estratégico 2017.pptPlanejamento Estratégico 2017.ppt
Planejamento Estratégico 2017.ppt
 

3m organiz --

  • 1. Recursos Humanos Prof. Flávio Sousa Modelos Organizacionais Contemporâneos
  • 2. INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO MUNDO DE HOJE SOCIEDADE COMPOSTA DE ORGANIZAÇÕES PRODUÇÃO DE BENS (PRODUTOS) PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PLANEJADAS COORDENADAS DIRIGIDAS CONTROLADAS
  • 3. ORGANIZAÇÃO qual o significado? “Que falta de organização!?” “Nossa organização tomou a decisão acertada!” “Aquela organização participará do ato ecumênico.” “Qual o lucro de nossa organização nesse ano?” ARRUMAÇÃO, ORDENAÇÃO SINDICATO, ASSOCIAÇÃO, AGREMIAÇÃO, EMPRESA Entidades formais que visam ao lucro ou não dependem da ação de pessoas para prestar serviços, fabricar ou cuidar de seus produtos. Objetivo social: 1. compromisso com as pessoas que dela fazem parte; 2. com a clientela; 3. com o governo; 4. com a sociedade. Chegar a um objetivo ⇒ PLANO ⇒ BEM ADMINISTRADO Identidade JUNTA COMERCIAL (registro) RECEITA FEDERAL PREFEITURA Setores das atividades econômicas: PRIMÁRIO – agricultura, exploração do solo, extração de minério, criação de gado, pesca etc.; SECUNDÁRIO – modifica os produtos que vêm do setor primário (Ex.: grandes siderúrgicas que transformam alguns minérios extraídos do solo em aço); TERCIÁRIO – distribuição e venda dos produtos dos setores primário e secundário, bem como pela prestação de serviços. Grupos da atividade comercial: • Comércio atacadista; • Comércio varejista. LEI DA OFERTA E DA PROCURA
  • 4. GLOSSÁRIO - TERMINOLOGIA MISSÃO  razão de existir da organização no momento presente. PRINCÍPIOS E VALORES  conjunto de premissas que norteiam o comportamento e a cultura organizacional. OBJETIVOS  são alvos, situações ou resultados que se pretendem alcançar. Devem ser claros, bem divulgados e mensuráveis na forma qualitativa e quantitativa. METAS  são marcas intermediárias a serem alcançadas para o atingimento de um objetivo. SWOT  ferramenta para análise dos ambientes interno e externo da organização. ESTRATÉGIA  é o caminho mais adequado a ser percorrido visando alcançar um fim (Ex.: objetivo). BENCHMARKING  é um método para melhorar o desempenho a fim de identificar as melhores práticas de gestão. BRAINSTORMING  técnica de solução de problemas em grupo que visa aumentar a criatividade e a participação de todos os membros. CLIENTE-ALVO  atual cliente que direciona a atividade/identidade da empresa. CORE BUSINESS  critério de definição de negócio baseado na agregação de valor que o produto ou serviço da empresa proporciona. DOWNSIZING  reestruturação de uma empresa através de cortes no quadro de funcionários. EFICIÊNCIA  fazer corretamente as coisas. Orientado para a tarefa. EFICÁCIA  fazer a coisa certa. Orientado para o resultado. EFETIVIDADE  eficácia com eficiência. Fazer as coisas certas atingindo as metas que devem ser atingidas. EMPOWERMENT  é uma técnica gerencial para melhorar os processos e o rendimento da empresa.
  • 5. ORGANIZAÇÃO “Uma organização é um grupo humano, composto por especialistas que trabalham em conjunto em uma atividade comum”. Peter Drucker SOCIEDADE DE CONHECIMENTO SOCIEDADE DE CONHECIMENTOS ALTAMENTE ESPECIALIZADA “Os conhecimentos por si só são estéreis. Eles só se tornam produtivos se forem soldados em um só conhecimento unificado. Tornar isto possível é a tarefa da organização, a razão para sua existência, a sua função”. Peter Drucker CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ORGANIZAÇÕES COMPLEXAS: GRANDE ⇒ impossibilita o contato pessoal e o conhecimento visual entre seus membros; FORMALIZAÇÃO ⇒ controles e normas; RACIONALIDADE ⇒ estrutura e cargos; HIERARQUIA ⇒ níveis de autoridade;
  • 6. ORGANIZAÇÕES RECURSOS NÃO HUMANOS VIDA DAS PESSOAS ORGANIZAÇÕES Recursos físicos e materiais Recursos financeiros Recursos tecnológicos Recursos mercadológicos, etc. PESSOAS
  • 7. Algumas questões que as empresas buscam responder ...  Quem pode assumir nossa nova Filial no sul do país?  Por que não conseguimos implantar nosso processo de atendimento de clientes?  Quem pode substituir o Gerente de Produção da Fábrica?  Quando vamos ter a equipe pronta para lançar nosso novo produto?  Como nos diferenciar da concorrência?  Qual o perfil das pessoas necessário para sermos bem sucedidos nos próximos 5 anos? ? A necessidade das organizações ... • Conhecer as lacunas • Identificar quem são os seus talentos • Estabelecer mecanismos para superar lacunas • Planejar e desenvolver esse esforço • Acelerar o ganho de competências
  • 8. A necessidade dos indivíduos/profissionais ... • Atualizar seus conhecimentos e habilidades • Aprender a desaprender, aprender a aprender • Gerenciar a própria carreira • Alinhar-se com seu negócio atual • Realinhar a profissão num mundo em mudança • Empregabilidade Visão da em presa Visão do indivíduo Existe uma convergência de interesses ESFORÇOS NA MESMA DIREÇÃO Algumas questões que as pessoas buscam responder ...  Quais as novidades que preciso aprender para meu emprego atual?  Como aprender de forma mais rápida?  Onde aprender o que preciso?  Como saber se estou de fato aprendendo o que será importante para meu futuro?  Como transferir a aprendizagem para o dia-a-dia profissional? ?
  • 9. As pessoas como fator determinante do sucesso organizacional ESFORÇOS NA MESMA DIREÇÃO Gestão Estratégica de RH Atualização e Reciclagem do Saber Gestão das Competências Gestão do Capital Intelectual Gestão do Conhecimento Gestão do Desempenho Gestão das Competências Gestão do Desempenho um movimento na mesma direção
  • 10. Mercado lento e físico Mercados protegidos Enfoque macroeconômico Influenciar líderes Organizações rígidas e hierárquicas Dependência de ajuda externa Fatores básicos Mercado rápido e virtual Globalização e competição Enfoque microeconômico Produtividade empresarial Organizações flexíveis, meritocráticas Estratégia de migração Inovação O Novo Meio Ambiente Globalizado O ANTIGO MODELO O NOVO MODELO
  • 11. – Conhecer o cliente – Descobrir um posicionamento único – Acompanhar a mudança rápida – Envolver os funcionários no processo de estratégia – Não corra riscos; faça escolhas informadas Como ser um melhor estrategista Excelente Excelente Ruim Ruim “na fronteira” da produtividade Eficiência Operacional Posicionamento Estratégico Eficiência Operacional – Como você vai competir ? Posicionamento Estratégico – Onde você vai competir?
  • 12.  Adquirir excelência nas funções como – Produção – Vendas – Distribuição  Eliminar desperdício e adquirir mais produtividade com os recursos  É preciso melhorar a eficiência operacional para atingir uma lucratividade superior, mas isso não é suficiente – Melhorias absolutas, mas não relativas – Convergência competitiva Eficiência Operacional Eficiência Operacional Determinantes do Desempenho da Empresa
  • 13.  ⇒ Posição competitiva única para a empresa  ⇒ Atividades feitas sob medida de acordo com a estratégia escolhida  ⇒ Esclarecer tradeoffs / escolhas frente à concorrência Determinantes do Desempenho da Empresa Posicionamento Estratégico Posicionamento Estratégico
  • 14. QUALIDADE DO PRODUTO PREOCUPAÇÃO DAS EMPRESAS ANTES: DEPOIS: QUALIDADE DE VIDA DAS PESSOAS QUE VIVEM NA EMPRESA CLIENTE INTERNO CHAVE DO SUCESSO E COMPETÊNCIA DAS EMPRESAS: COMPORTAMENTO HUMANO LIDERANÇA EQUIPE COMUNICAÇÕES
  • 15. ORGANIZAÇÕES LUCRATIVAS EMPRESAS NÃO-LUCRATIVAS EXÉRCITO, IGREJA, SERVIÇOS PÚBLICOS, ENTIDADES FILANTRÓPICAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES (TO) – é o campo do conhecimento humano que se ocupa do estudo das organizações em geral. ADMINISTRAÇÃO é a condução racional das atividades de uma organização, seja ela lucrativa ou não-lucrativa. PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO (ESTRUTURAÇÃO), DIREÇÃO E CONTROLE Administração vem do latim ad (direção, tendência para) minister (subordinação ou obediência) TAREFA ATUAL DA ADMINISTRAÇÃO – interpretar os objetivos propostos pela organização e transformá-los em ação organizacional por meio de planejamento, organização, direção e controle de todos os esforços realizados em todas as áreas e em todos os níveis da organização, a fim de alcançar tais objetivos da maneira mais adequada à situação.
  • 17. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO 1759 1900 1914 1916 1918 1920 Rev. Industrial Charles Babbage Administração Plano Prático Adam Smith Relação Funcional de supervisão e disciplina HISTÓRIA TEORIAS TEÓRICOS CARACTERÍSTICAS Administração Científica Frederick Taylor Estudo de Tempos e Movimentos nos EUA 1ª Guerra Mundial T. Clássica Henry Ford Fayol Funções do Administrador e Princípios Gerais da Administração Preocupação com a eficiência nas organizações EUA se firmam como potência mundial
  • 18. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO 1929 1930 1939 1940 1945 1950 Modificações no panorama econômico, político e tecnológico HISTÓRIA TEORIAS TEÓRICOS CARACTERÍSTICAS Abordagem Humanística Elton Mayo Influência em fatores psicológicos e sociais sobre a produtividade Grande Depressão T. Matemática Pesquisa Operacional Modelos Organizacionais mais adaptados a grandes empresas 2ª Guerra Mundial T. Burocracia T. Comportamental Max Weber
  • 19. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO 1950 1960 1970 1972 HISTÓRIA TEORIAS TEÓRICOS CARACTERÍSTICAS T. Geral de Sistemas Maslow McGregor Chris Argyris Rensis Likert Kurt Lewin Estudo do comportamento dos indivíduos Motivação Preocupação com o todo e o relacionamento das partes em um todo T. Comportamental Amitai Etzioni T. Estruturalista T. Contingência Ludwig Von Bertalanffy Organização como um sistema total e aberto Albert Chandler Estratégia Lawrence e Lorsch “Tudo é relativo”
  • 20. “Acredite: eu adoraria tratá-lo como um ser humano, mas isso vai contra a política da empresa”. UM POUCO DE HUMOR
  • 21. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO 1973 HISTÓRIA TEORIAS TEÓRICOS CARACTERÍSTICAS Gestão da Qualidade Total Organização Inteligente Reengenharia Outras Inovação FlexibilidadeAlvin Toffler “Acredite: eu adoraria tratá-lo como um ser humano, mas isso vai contra a política da empresa”. UM POUCO DE HUMOR
  • 22. ADMINISTRAÇÃO- é a função de se conseguirfazeras coisas por meio de pessoas, comos melhores resultados. ADMINISTRAÇÃO OBJETIVOS I N T E R P R E T A AÇÃO ORGANIZACIONAL T R A N S F O R M A D E S E M P E N H A PLANEJAMENTO ORGANIZAÇÃO DIREÇÃO CONTROLE AÇÃO ADMINISTRATIVA “o setor social sem fins lucrativos é aquele em que a administração é mais necessária hoje em dia; é ali que a administração sistemática, baseada na teoria e guiada por princípios, pode render os maiores resultados em menos tempo. Basta pensar nos enormes problemas com que o mundo se defronta – pobreza, saúde, educação, tensões internacionais –, que a necessidade de soluções administrativas se torna clara”.
  • 23. PLANEJAMENTO DIREÇÃO ORGANIZAÇÃOCONTROLE PROCESSO ADMINISTRATIVO “Esse é o nosso plano. Alguma pergunta?” “Planejamento diz respeito não a decisões futuras, mas a impactos futuros de decisões presentes” Peter Drucker
  • 24. ADMINISTRADOR Agente de mudanças e de inovação. MAIOR MUDANÇA MAIOR INSTABILIDADE ⇒ MAIORNECESSIDADE DE UM ADMINISTRADOR “nada é mais prático do que uma boa teoria” Kurt Lewin ⇒ “Tudo que é verdadeiro deve se transformar, e somente o que se transformapermaneceverdadeiro”. C. J. Jung • Administração da produção • Administração financeira • Administração de recursos humanos • Administração mercadológica • Administração geral ADMINISTRADOR CONDUZIR REALIZAR CONTRIBUIRGrupo Tarefas Objetivos a) HABILIDADES b) PAPÉIS c) FUNÇÕES
  • 25. a) HABILIDADES DO ADMINISTRADOR: trabalhar participativamente na heterogeneidade organizacional; executar as tarefas que lhe cabem, considerando a interdependência funcional; trabalhar em equipe, na busca da interdisciplinaridade, sem perder a identidade; reforçar as habilidades de comunicação, negociação e manutenção de relações interpessoais multiculturais. Engenharia Manufatura 1945 Marketing 1960 Finanças 1970 Engenharia Manufatura 1980 Manufatura Engenharia 1990 2000 MULTI- FUNCI- ONALI- DADE CAPACITAÇÕES FUNCIONAIS FATOR FUNDAMENTAL COMUNICAÇÃO Capacidade de expressão verbal
  • 26. CONCLUSÃO DE UMA PESQUISA ... De cada 10 horas de um executivo: 7 horas - LENDO, ESCREVENDO, FALANDO E OUVINDO NOSSO NEGÓCIO É COMUNICAR MAIOR DIFICULDADE: FAZER-SE ENTENDERREQUISITOS BÁSICOS PARA SER UM ORADOR autoconfiança determinação conhecimento organização mental (introdução, desenvolvimento, conclusão) vocabulário adequado gramática entusiasmo empatia criatividade naturalidade, expressar-se compreensivamente.
  • 27. O MEDO DE FALAR EM PÚBLICO TOPOFOBIA é o medo de falar em público. Como vencer a topofobia? o medo de falar em público é universal conhecimento - assunto e técnica oratória discurso - importância e planejamento expressão corporal equilibrada prática oratória Aprenda a usar a comunicação de maneira inteligente se quiser entender e ser entendido, a fim de, com pouco esforço, obter resultados compatíveis. Use linguagem e palavras compatíveis com o interlocutor.
  • 28. HABILIDADES NECESSÁRIAS AO ADMINISTRADOR EFICAZ: a) Habilidade técnica; b) Habilidade humana; c) Habilidade conceitual. ORGANIZAÇÃO 1 ORGANIZAÇÃO 2≠ CADA ORGANIZAÇÃO É ÚNICA, COM CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS QUE A DIFERENCIAM DAS DEMAIS, E UM MODELO DE ADMINISTRAÇÃO BEM-SUCEDIDO, UTILIZADO EM UMA ORGANIZAÇÃO, NÃO SERÁ NECESSARIAMENTE O IDEAL A SER ADOTADO EM UMA OUTRA. NÍVEL SUPERIOR CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO INDÚSTRIAS COMÉRCIO ORGANIZAÇÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS HOSPITAIS UNIVERSIDADES INSTITUIÇÕES MILITARES, etc. ADMINISTRADOR De que depende a EFICÁCIA com que as pessoas trabalham? “não existem países desenvolvidos e países subdesenvolvidos, mas sim países que sabem administrar a tecnologia existente e seus recursos disponíveis e potenciais e países que ainda não o sabem”. Peter Drucker
  • 29. b) PAPÉIS DO ADMINISTRADOR: PAPÉIS INTERPESSOAIS PAPÉIS INFORMACIONAIS PAPÉIS DECISÓRIOS Símbolo Líder Elemento de ligação Coletor Disseminador Porta-voz Empreendedor Solucionador de problemas Alocador de recursos Negociador c) FUNÇÕES DO ADMINISTRADOR: ADMINISTRADOR PLANEJA ORGANIZA DIRIGE CONTROLA ESFORÇOS GRUPAIS RECURSOS ORGANIZACIONAIS A L C A N Ç A O B J E T I V O S
  • 30. ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL ÉTICA é o estudo dos direitos e deveres das pessoas, das regras morais que as pessoas aplicam ao tomar decisões e da natureza das relações entre as pessoas. RESPONSABILIDADE SOCIAL é a preocupação efetiva demonstrada pelas empresas com a qualidade de vida das pessoas e com a preservação do ambiente. VOCÊ É UM PROFISSIONAL ÉTICO? • Honestidade em qualquer situação; • Coragem para assumir as decisões; • Tolerante e flexível; • Íntegro • Humilde ÉTICA NOS NEGÓCIOS: respeito com que os clientes são tratados; estilo de gestão do líder da equipe. “Se você mudar o mundo mudacomvocê”
  • 31. COMO AS EMPRESAS CONSEGUEM SOBREVIVER NUM AMBIENTE DE INSTABILIDADE COMO O NOSSO? VIVER O HOJE E PLANEJAR O AMANHÃ AO MESMO TEMPO PARCERIA - TRABALHO EM EQUIPE O trabalho, para bom resultado, deve ser o produto de um esforço harmônico, coletivo, despreocupado e rítmico. “Nenhum de nós pode fazer as coisas mais importantes sozinho. A parceria, a colaboração e a aliança são as chaves para enfrentar desafios”.
  • 32. CRIANDO UM CLIMA DE PARCERIA NÃO SE PODE SOBREVIVER SEM A COLOBORAÇÃO DE PARCEIROS NETWORKING CLIMA DE PARCERI A ouvir, ser flexível, ter humildade, gerar confiança, ser empático/carismático, ter paciência, trabalhar os fatos, evitar subterfúgios, abrir novas janelas EFICÁCIA DO PROCESSO DE MUDANÇA ORGANIZACIONAL LIDAR COM O LADO HUMANO “Você pode sonhar, criar, desenhar e construir o lugar mais maravilhoso do mundo... mas é preciso gente para fazer o sonho se tornar realidade”. Disney
  • 33. TENDÊNCIA DAS ORGANIZAÇÕES NA ATUALIDADE PROFISSIONAIS COM VISÃO GENERALISTA ATUAREM EM POSIÇÕES DE LIDERANÇA TGA É o campo do conhecimento humano que se ocupa do estudo da Administração em geral, não se preocupando onde ela seja aplicada, se nas organizações lucrativas (EMPRESAS) ou se nas organizações não-lucrativas. CONCEITOS BÁSICOS Ciência descreve os fenômenos do mundo real. Ciência pura se limita à descrição do fenômeno e a sua compreensão, simplesmente. Ciência aplicada quando se utiliza o conhecimento para agir. Teoria é o network de conexões entre conceitos, juntamente com as regras de correspondência integrando os conceitos com a realidade percebida. “Teoria e prática são sempre inseparáveis. Como um cínico afirma: quando alguém diz ser um homem prático, o que ele está mesmo querendo dizer é que ele está usando teorias obsoletas”.
  • 34. UM POUCO DE HUMOR EMPRESA MODERNA ≠ EMPRESA VELHA 90 DIAS DEPOIS CONCLUSÃO DA COMISSÃO: 1ª) nada aqui se faz com prazer e amor; 2º) nunca 2 pessoas se uniram nesta empresa com objetivos comuns; 3ª) nada aqui fica pronto em apenas 9 meses; 4ª) o que se faz aqui não tem pé nem cabeça; 5º) aqui ninguém pensaria em oferecer o que quer que fosse aos membros da DIRETORIA. ? DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL ESTRUTURAS organograma SOCIOLOGIA entender os relacionamentos das pessoas e os grupos que se formam PSICOLOGIA
  • 35. PRINCIPAIS TEORIAS ADMINISTRATIVAS E ENFOQUES: nas tarefas Administração Científica racionalização do trabalho no nível operacional na estrutura Teoria Clássica organização formal; princípios gerais de Teoria Neoclássica administração; funções do administrador Teoria da Burocracia organização formal burocrática racionalidade organizacional Teoria Estruturalista múltipla abordagem: organização formal e informal; análise intra- organizacional e análise interorganizacionalnas pessoas Teoria das Relações Humanas organização informal; motivação, liderança, comunicações e dinâmica de grupo ÊNFASE: TEORIAS ADMINISTRATIVAS: PRINCIPAIS ENFOQUES:
  • 36. ÊNFASE: TEORIAS ADMINISTRATIVAS: PRINCIPAIS ENFOQUES: nas pessoas Teoria do Comportamento Organizacional estilos de administração; teoria das decisões; integração dos objetivos organizacionais e individuais Teoria do Desenvolvimento Organizacional mudança organizacional planejada; abordagem de sistema aberto no ambiente Teoria Estruturalista Teoria Neo-Estruturalista Teoria da Contingência análise intra-organizacional e análise ambiental; abordagem de sistema aberto análise ambiental (imperativo ambiental); abordagem de sistema aberto na tecnologia Teoria da Contingência administração da tecnologia (imperativo tecnológico) PRINCIPAIS TEORIAS ADMINISTRATIVAS E ENFOQUES:
  • 37. TGA “ÊNFASE NAS TAREFAS” início ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA DE TAYLOR “ÊNFASE NA ESTRUTURA” TEORIA CLÁSSICA DE FAYOL TEORIA DA BUROCRACIA DE WEBER TEORIA ESTRUTURALISTA
  • 38. “ÊNFASE NAS PESSOAS” TEORIA DAS RELAÇÕES HUMANAS TEORIA COMPORTAMENTAL TEORIA DO DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL “ÊNFASE NO AMBIENTE” TEORIA DOS SISTEMAS TEORIA DA CONTINGÊNCIA “ÊNFASE NA TECNOLOGIA” TEORIA DA CONTINGÊNCIA
  • 39. ANOS TEORIAS 1903 Administração Científica 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica 1932 Teoria das Relações Humanas 1947 Teoria Estruturalista 1951 Teoria dos Sistemas 1953 Abordagem Sociotécnica 1954 Teoria Neoclássica 1957 Teoria Comportamental 1962 Desenvolvimento Organizacional 1972 Teoria da Contingência PRINCIPAIS TEORIAS INFLUENCIADORAS DO ATUAL PENSAMENTO ADMINISTRATIVO
  • 40. O ESTADO ATUAL DA TGA Tarefas Pessoas TecnologiaAmbiente Estrutura ORGANIZAÇÃO
  • 41. A ADMINISTRAÇÃO NA SOCIEDADE MODERNA ENGENHEIRO MÉDICO ECONOMISTA CONTABILISTA FUNÇÃO DE SUPERVISOR, CHEFE, GERENTE OU DIRETOR ADMINISTRADO RConhecimentos e posturas completamente novos MATEMÁTICA e ESTATÍSTICA DIREITO PSICOLOGIA SOCIOLOGIA ENGENHARIA ECONOMIA, etc. LIDAR COM PESSOAS ESTAR ATENTO AOS EVENTOS PASSADOS E PRESENTES, BEM COMO ÀS PREVISÕES FUTURAS PRECISA LIDAR COM EVENTOS INTERNOS E EXTERNOS PRECISA VER MAIS LONGE QUE OS OUTROS
  • 42. “EU SEMPRE VENHO PREPARADO PARA ESSAS LONGAS REUNIÕES!” “O ideal é não esperar pelo momento ideal” Daniel Dantas “Não adie pôr em prática uma boa idéia. É muito provável que outra pessoa esteja pensando a mesma coisa” “Difícil não é fazer o que é certo, é descobrir o que é certo fazer”. (Robert Henry Srour)
  • 43. NOVOS PAPÉIS GERENCIAIS Líder Educador Administrador de Processos e Redes Humanas Agente de Transformação Alavancador de ResultadosTécnico Integrativo Energizador Cidadão
  • 44. VALORIZA A AÇÃO TRANSFORMADORA DO HOMEM MELHORA A EFICIÊNCIA E PRODUTIVIDADE GERENCIAMENTO COACH POSTURA EDUCADORA, INSPIRADORA, ORIENTADORA, CENTRADA NA TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTOS E EXPERIÊNCIA MODIFICA A CULTURA ORGANIZACIONAL MOTIVAR GERAR ATITUDES POSTURA AÇÃO TRANSFORMADORA MODIFICA O COMPORTAMENTO DO GRUPO E A CULTURA ORGANIZACIONAL
  • 45. É medida pela utilização de seu tempo em atividades de alto valor agregado. SER HUMANO AVERSO A MUDANÇAS DESAFIO MUDAR DESARMAR O PILOTO AUTOMÁTICO COMPORTAMENTO CONVICÇÕES CRENÇAS CULTURA DELEGAÇÃO CRESCENTE DE TAREFAS
  • 46. DINÂMICA DO MERCADO, DAS TECNOLOGIAS E DOS CONHECIMENTOS HUMANOS PARADIGMAS - COMO VER ATRAVÉS? IMPÕEM DESAFIOS MUDANÇAS PERIGO Paradigmas são modelos que concebemos de como funciona ou é concebido alguma coisa. PERSPECTIVAS FUTURAS DA ADMINISTRAÇÃO: Principais desafios: 1) Crescimento das organizações; 2) Concorrência mais aguda; 3) Sofisticação da tecnologia; 4) Taxas elevadas de inflação; 5) Globalização da economia e internacionalização dos negócios; 6) Visibilidade maior das organizações.
  • 47. EMPRESAS EM TEMPO ZERO Funcionários que trabalham em tempo zero FAZER AS COISAS ACONTECEREM IMEDIATAMENTE INTERNE T “NÃO CONSIGO ME ACOSTUMAR COM ESSAS MODERNIDADES...” “O supercomputadorque eu projetei concluiu que não sirvo mais à empresa. Fui demitido”
  • 48. O QUE É UMA ECONOMIA GLOBALIZADA? É uma economia onde todos os países do planeta estão envolvidos. OS PAÍSES OU REGIÕES PASSARAM A CONCORRER ENTRE SI COM SEUS PRODUTOS PRODUTOS COM ALTA QUALIDADE, PREÇOS BAIXOS MARGENS DE LUCRO BAIXAS, MAS COM ALTÍSSIMA ROTATIVIDADE FERRAMENTAS QUE VOCÊ É OBRIGADO A USAR NAS ATIVIDADES ESTRATÉGICAS DENTRO DE UMA ECONOMIA GLOBALIZADA: VISÃO HOLÍSTICA QUALIDADE TOTAL REENGENHARIA ESTRATÉGIAS
  • 49. VISÃO HOLÍSTICA MINHA EMPRESA NAS MÃOS!! QUALIDADE TOTAL É UMA CORRIDA SEM FIM, ONDE A PERFEIÇÃO É O LIMITE MÁXIMO MOMENTÂNEA CANETA A PENAREENGENHARIA É fazer o que já estar sendo feito, só que melhor, mais rápido e mais barato. É UM ESTADO DE CHOQUE. DAR CERTO QUANDO O ENFOQUE DA EMPRESA É O MERCADO E NÃO A PRODUÇÃO.
  • 50. PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DO DESAFIO DA QUALIDADE PREOCUPAÇÃO COM A QUALIDADE ERAS BÁSICAS DO DESENVOLVIMENTO DA QUALIDADE: Processo de inspeção Controle estatístico da qualidade Garantia da qualidade Gerência estratégica da qualidade TECNOLOGIA EDUCAÇÃO E HABILITAÇÃO DO TRABALHADOR GESTÃO QUALIDADE FILOSOFIA DA QUALIDADE ESTRATÉGIA DE CONCORRÊNCIA Comunicação; Serviços envolvidos no produto, e não os preços, passam a ser o diferencial de mercado; Conscientização para a qualidade do relacionamento das pessoas; Todos os funcionários, e não apenas os profissionais da qualidade, devem ser multiplicadores da qualidade, dando aulas a novos funcionários e disseminando a missão e o processo da qualidade. POLÍTICA DE QUALIDADE PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO HUMANA LÍDERES NATURAIS
  • 51. Qualidade hoje significa produtos e serviços com características que atendam às expectativas dos clientes, com margem de lucro suficiente para a sobrevivência da empresa. Qualidade é o pré-requisito da melhoria da produtividade. Ou seja, produtividade é o resultado de um processo de qualidade. CONSENSO: TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DA MÃO-DE- OBRA MEDINDOA QUALIDADE DE UMPRODUTOOU SERVIÇO CLIENTES ESTATÍSTICA é 5 vezes mais barato conservaro cliente atual do que conquistarumnovo. “O CLIENTE PODE NOS ENSINAR “MUUUUUITAS” COISAS. PRATICAMENTE TUDO. MAIS DO QUE NOSSOS CHEFES, SUBORDINADOS, COLEGAS, PALESTRAS E CURSOS. DETALHE: ELE NÃO COBRA NADA POR ISTO”. SÓTENTEAPRENDERCOMOCLIENTESEVOCÊESTIVERDISPOSTOA MUDARROTINAS, MÉTODOSOU MANEIRASDETRABALHAR. Se o cliente reclama, sorte sua. É uma chance para você descobrir qual é o problema dele. E resolvê-lo. Jamais ignore ou subestime qualquer contato com o cliente.
  • 52. “O que é melhor: um fusca ou um mercedez? Depende de quem vai comprar. Quem vai definir isto é o cliente, e só a ele cabe decidir o que é melhor, segundo suas necessidades”. QUALIDADE TOTAL É uma filosofia de gestão, que coloca a Qualidade, ou seja, aquilo que o cliente deseja como ponto central dos negócios da empresa. GERENCIAR CADA PROCESSO DE TRABALHO, BUSCANDO MELHORIA CONTÍNUA. GARANTIR A QUALIDADE EM TUDO QUE FOR FEITO (aperfeiçoamento contínuo do Ser Humano, dos processos e dos produtos/serviços). RECONHECENDO AS PESSOAS COMO IGUAIS EM ESSÊNCIA, EMBORA DIVERSAS EM MANIFESTAÇÃO, INFINITAS EM POTENCIAL, MESMO QUANDO LIMITADAS CIRCUNSTANCIALMENTE PELAS ESTRUTURAS QUE AS ENVOLVEM E AS CARACTERIZAM, E CAPAZES DE CRIAR SOLUÇÕES INOVADORAS, EMBORA PARCIALMENTE IMERSAS NA ANESTESIA DA APARENTE ROTINA. COMO GERENCIAR RECURSOS HUMANOS EM UM ESTADO DE QUALIDADE TOTAL? Por que os EUA sempre deram valor à educação e importaram “cérebros”? INVESTIMENTOEM CONHECIMENTO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO
  • 53. EMPRESA COM QUALIDADE TOTAL TAREFAS, DESDE AS MAIS SIMPLES, ATÉ AS MAIS ABRANGENTES SINTONIA BUSCA INCESSANTE DE MELHORIA CONTÍNUA GESTÃO DE UMA EMPRESA QUALIDADE TOTAL EXCELÊNCIA ANTECIPAÇÃO “Para muitos daqueles em que o mundo parece fora de controle, pouca coisa pode ser feita para mudar. Mas, enquanto existir pelo menos um pouco que possa ser feito, precisamos continuar fazendo”. R. L. Ackoff “Administrar bem um negócio é administrar seu futuro; e administrar deu futuro é administrar informações.” Marion Harper Jr.
  • 54. Um estudo de caso ... GRUPO INEPAR CENTRO DE EXCELÊNCIA EM SERVIÇOS DE ASSESSORIA EXECUTIVA Diretoria 1 Diretoria 2 Diretoria 3, etc. AS DE MAIOR CRIATIVIDADE GRUPO ESTRATÉGICO AS DE BOA INICIATIVA GESTÃO DE RESULTADOS AS DE FACILIDADE DE COMUNICAÇÃO E RELACIONAMENTO GRUPO CELULAR RELACIONAL SOLUÇÃO: GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Desenvolvimento da técnica para reverter em benefício da sociedade; Satisfação do cliente e a preservação do meio ambiente.
  • 55. O QUE FALTA AS EMPRESAS BRASILEIRAS? PLANEJAMENTO A LONGO PRAZO CORREDOR DE MARATONA CORREDOR DE 100 METROS MUDANÇAS DE NOMES DAS FUNÇÕES: EMPREGADO COLABORADOR IRETOR DE RECURSOS HUMANOS DIRETOR DE GENTE DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO DIRETOR DE TALENTOS ASSISTENTE SOCIAL CONSULTOR DE EMOÇÕES ADVOGADO CONSELHEIRO LEGAL INTERNO DIRETOR DE PÓS-VENDA DIRETOR DE SERVIÇOS A CLIENTES DIRETOR DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIRETOR DE INTELIGÊNCIA E PLANEJAMENTO
  • 56. AMBIENTE EXTERNO PRODUTO • Bens • Serviços • Outros INSUMO (Recursos) • Humano • Capital - Terreno - Equipamento - Construções • Tecnologia • Informação PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO OU DE CONVERSAÇÃO FEEDBACK ABORDAGEM SISTÊMICA DA EMPRESA
  • 57. Sr. Não Consigo Dizer Não DESCULPAS PARA NÃO MUDAR Nós nunca fizemos isso antes Nós fazemos isso desse jeito há 25 anos Isso não vai funcionar na nossa empresa O chefe jamais vai concordar Nossos concorrentes não estão fazendo isso Dá muito trabalho mudar Nossa empresa é diferente O departamento de venda diz que isso não é viável O departamento de serviços não vai gostar Não temos pessoal Não temos equipamento É visionário demais A mudança seria muito radical Não é responsabilidade minha Não temos tempo Isso vai contra a política da empresa Isso vai aumentar as despesas Os funcionários não vão aceitar Não podemos arriscar Levaria muito tempo para dar lucro Estamos bem desse jeito Precisamos criar um grupo de estudo
  • 58. COMPETITIVIDADE Globalização financeira Rápida mudança tecnológica FUNDAMENTOS SOCIAIS • educação básica universalizada; • elevada qualificação da força de trabalho; • novas formas de organização do processo de produção; • relações de trabalho cooperativas e mercados que exigem qualidade. “A tecnologia de importância estratégica é a aprendizagem coletiva. Essa sim, é difícil de ser dominada. Ela se sustenta em duas premissas: conhecimento e motivação. O conhecimento é assegurado pelo treinamento técnico e em qualidade, e pela educação formal, que também pode e deve ser assumida pelo patrão. Mas não é suficiente para sedimentar novos valores, criar novos hábitos. O que transforma o conhecimento em ação e mudança é a motivação. E esta conquista-se através do exemplo das lideranças; na definição da missão e dos objetivos da empresa; (...) de uma política administrativa transparente onde tudo fica claro para todos, o tempo todo”. CELSO VARGA (Presidente do Conselho Administrativo da Freios Varga, 1996).
  • 59. “Vigie seus pensamentos, porque eles se tornarão palavras; vigie suas palavras, porque elas se tornarão atos; vigie seus atos, porque eles se tornarão seus hábitos; vigie seus hábitos, porque eles se tornarão seu caráter; vigie seu caráter - porque ele será o seu destino.” (poeta anônimo americano) UMA LEI NA ALEMANHA TORNA AS EMPRESAS RESPONSÁVEIS POR TODA A VIDA ÚTIL DOS CARROS: FORMA DE PRESSÃO PELA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL “O ideal é não esperar pelo momento ideal” Daniel Dantas “SENHOR, HÁ UMA SOLUÇÃO TECNOLÓGICA PARA O SEU PROBLEMA. NÓS A CHAMAMOS DE TOMADA”.
  • 60. MODELO TAYLORISTA/FORDISTA MODELO JAPONÊS EFICIÊNCIA EFICIÊNCIA E EFICÁCIA EFETIVIDADE EFICIÊNCIA É FAZER BEM FEITO. EFICÁCIA É FAZER O QUE PRECISA SER FEITO. CRIATIVIDADE VIAS DE RACIONALIZAÇÃO DO TRABALHO MODELO TAYLORISTA OS TRABALHADORES NÃO PENSAM, APENAS EXECUTAM TAREFAS MODELO DA COMPETÊNCIA ( MODELO JAPONÊS ) FUNDAMENTO: TREINAMENTO (EDUCAÇÃO) ENTULHO CULTURAL REVOLUÇÃO CULTURAL
  • 61. “O desenvolvimento está nos detalhes” Pense nisto ... • Por que o pedreiro não limpou o cimento que caiu sobre o azulejo na época da construção do banheiro? • Na reunião marcada para às 10 horas, metade chega na hora, mas é preciso esperar o último retardatário, que chega às 10:30. Quanto vale o tempo dos que chegaram mais cedo? • Se ninguém está olhando, o peão pára de trabalhar. Portanto, haverá um capataz tomando conta e subtraindo do que poderia ser o seu salário. • Explicava-me o chofer de táxi em Cingapura que atrair turistas é fácil, o difícil é fazer com que voltem. E no nosso caso? PONTO DE PARTIDA CONFIAR NO SER HUMANO “O homem é um ser capaz de se relacionar, sair de si e projetar-se nos outros. Estas relações não se dão apenas com os outros, mas se dão no mundo, com o mundo e pelo mundo. O animal não é um ser de relações, mas de contatos. Está no mundo e não com o mundo”. A pessoa não esquece .... se... se divertir se... se aprender se... sair da real se... sentir astral
  • 62. SUCESSO AMBIÇÃO METAS AUTO-ESTIMA COMUNICAÇÃO TRABALHO ATITUDE CIÊNCIA DO SUCESSO AUTO-ESTIMA AUTO-CONFIANÇA É a base do pensamento positivo e a grande responsável por uma melhor qualidade de vida pessoal e profissional Para ter sucesso é preciso... Entenderque sozinho não se consegue nada; Aprendera fazerparte de um time, seja no trabalho ou emcasa; Sercapaz de integraro sucesso à felicidade.
  • 63. ESTRUTURA OBJETIVA DA EMPRESA PRODUTOS SERVIÇOS EQUIPAMENTOS PROCESSOS MUNDO INTERIOR DAS PESSOAS REALIZAÇÃO DAS FUNÇÕES EFETIVA CONCRETIZAÇÃO DAS TAREFAS “Atrás de um homem competente há sempre outros homens” (Provérbio chinês) 1º lugar US$ 15,000 2º lugar US$ 5,000 SUCESSO - É MEDIDO EM CENTÍMETROS “A estrada para o sucesso é pavimentada pelas “boas informações”, e pela velocidade com que você as coloca em prática”. “Aqui eu só cumpro ordens ...” qualidade“Isso não é comigo ...” Qualidade
  • 64. HENRY FORD - estudou até o 2º ano de ginásio EXEMPLO DE SUCESSO FUNDOU A COMPANHIA FORD, MUDOU O PARADIGMA DE TRANSPORTES E TORNOU-SE UM DOS HOMENS MAIS RICOS DO MUNDO CONHECIMENTO SEM USO NÃO É FATOR DE SUCESSO CARACTERÍSTICA DO PROFISSIONAL DE SUCESSO Enxergar a floresta mas reconhecer a importância de cada árvore Visão holística QUANTO MAIS PONTOS DE VISTA DIVERGENTES MELHOR DINÂMICA DO MERCADO, DAS TECNOLOGIAS E DOS CONHECIMENTOS HUMANOS PARADIGMAS - COMO VER ATRAVÉS? IMPÕEM DESAFIOS MUDANÇAS PERIGO Paradigmas são modelos que concebemos de como funciona ou é concebido alguma coisa.
  • 65. OS NOVOS PARADIGMAS DO SUCESSO GLOBALIZAÇÃO DA ECONOMIA EMPRESAS DAS “LEARNING ORGANIZATIONS PARCERIAS E ALIANÇAS ESTRATÉGICAS VELOCIDADE CRESCENTE DAS MUDANÇAS A MAIOR QUANTIDADE E QUALIDADE DOS CONCORRENTES VALORIZAÇÃO DO TALENTO, INICIATIVA E CRIATIVIDADE DESCENTRALIZAÇÃO DE TAREFAS E DE PODER ESPECIALIZAÇÃO GENERALISTA CLIENTES MAIS CONSCIENTES, CONSUMIDORES MAIS EXIGENTES EFICIÊNCIA ECOLÓGICA
  • 66. SUCESSO PROFISSIONAL DEPENDE DE CADA PESSOA Polivalente Aprender de forma contínua Profissional glocal Determinação Saúde física, mental e emocional Paixão pelo que faz Siga a intuição CERTA VEZ, DURANTE A CONSTRUÇÃO DO REINO MÁGICO DA DISNEYLÂNDIA, PERGUNTARAM A SEU IDEALIZADOR, WALT DISNEY, QUANDO A OBRA FINALMENTE ESTARIA PRONTA. PARA SURPRESA DE SEUS INTERLOCUTORES, ELE RESPONDEU: “JAMAIS CONCLUIREMOS ESTE TRABALHO ENQUANTO O SER HUMANO TIVER IMAGINAÇÃO”. CRIATIVIDADE “A grande invenção polivalente de Deus foi o pato. Ele anda, nada e voa. E faz tudo isso mal”. (Rolim Amaro, presidente da TAM)
  • 67. O RUMO CERTO PARA A AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS Empenho individual: Interesse Motivação Necessidade Base de sustentação: Conhecimento técnico Domínio da tecnologia Busca da excelência Aplicação do conhecimento: Melhorar relacionamentos Estimular o conhecimento coletivo Compartilhar idéias e fazê-las acontecer VOCÊ ESTÁ PRONTO PARA BRILHAR? “Quem pára de aprender envelhece, tenha 20 ou 80 anos. Quem continua aprendendo se mantém jovem” (Henry Ford) “Se você acredita que pode, pode. Se acredita que não pode, tem razão”(Mary Kay Ash) Apenas 5% das pessoas conseguem o sucesso desejado Competência e talento + auto- motivação = SUCESSO
  • 68. O QUE FAZER EFETIVAMENTE PARA VENCER O MEDO DE VENDER? acabar com as velhas imagens de si próprio investir em si próprio (aprender inglês, espanhol, computação cuidado para não ser um ativista comprometer-se vencer a inveja não dar desculpas cumprir as promessas FATORES IMPEDITIVOS DO SUCESSO (fazem com que a gente tenha medo de vencer) negatividade fazer coisas em direção ao insucesso (trapacear, mentir, falsear) indecisão (é preciso não ficar em cima do muro) medo de correr riscos perfeccionismo (ter medo de errar, não permitir o erro em si próprio) mau humor FATORES QUE LEVAM AO SUCESSO positividade (visão favorável das coisas, que a gente faz das pessoas) tomar decisões rápidas assumir riscos honestidade (transparente, cristalino, honesto) bom humor fazer as coisas diferentes (dar momentos mágicos às pessoas) – “a rotina é o maior pecado do ser humano” → CRIATIVIDADE escrever os seus objetivos e metas (colocar números) saber dizer “eu não sei” e “eu não entendi” valorizar a intuição
  • 69. O QUE FAZEM AS PESSOAS QUE NÃO TÊM MEDO DE VENCER? ouvir pessoas capacidade de se comunicar reinventar o que faz entusiasmo acabar com a presunção (pensar que tem o rei na barriga) ser polido, educado participar da comunidade querer ser “herói” do cotidiano fazer networking (visitar amigos, pessoas, estar bem relacionado com os outros)
  • 70. TIPOS DE PESSOAS - de acordo com a capacidade de reagir aos fatos: 1º) MECÂNICAS - apresentam comportamento semelhante a um robot. “eu sou assim e ninguém me muda” 2º) RE-ATIVAS - percebem as mudanças, mas apenas reagem, não interagem com o ambiente. “adaptam-se ao meio, mas não o mudam, não contribuem” 3º) PRO-ATIVAS - identificam uma mudança, processam as informações, e interagem de forma a obter melhores resultados, dando a sua contribuição mudando o ambiente. CINCO LIÇÕES PARA CONSERTAR UM ERRO não espere para comunicar o problema ao seu chefe amanhã; se o equívoco partiu de sua equipe, o problema é seu também. Não adianta fugir; investigar os motivos que culminaram no erro é tão importante quanto consertá-lo; um simples equívoco pode gerar muitas lições; muitas vezes, o melhor conserto é aquele que é feito rapidamente. AUTO-ESTIMA AUTO-CONFIANÇA É a base do pensamento positivo e a grande responsável por uma melhor qualidade de vida pessoal e profissional “Se a segurança não vem mais de ser empregado, precisa vir de ser empregável” Rosabeth Moss Kanter
  • 71. VISÃO EMPREENDEDORA CONSTANTE Olhe, ouça, pergunte. Perceba as necessidades, analise as expectativas, identifique o que pode ser aperfeiçoado; Colha dados, pesquise. A sua capacidade de movimentação repousa nas informações obtidas e na sua qualidade; Procure a inovação dentro de um campo que você entende e domina; Inove para o presente, não para o futuro; Fique atento a todos os movimentos do seu ambiente operacional (clientes, concorrentes, fornecedores). É aí que o jogo realmente ocorre; Analise o adversário. Verifique se as expectativas do cliente são ou não atendidas e por quem; Em situação de conflito, se você for mais fraco, nunca oponha força contra força. Faça com que a força do adversário volte-se contra ele próprio; Delegue autoridade, mas tenha em mente que a responsabilidade pelo sucesso ou fracasso é sempre sua; Não se assuste com a simplicidade de sua inovação. Inovações simples são aquelas que geralmente dão certo; Não tente ser engenhoso demais; Não diversifique, não disperse, não tente fazer coisas demais; Não se acomode. Continue inovando; Não perca de vista o objetivo. Não deixe que os meios superem os fins; Não desconsidere as variáveis macroambientais mas, principalmente, não se prenda a elas; Não se engane com os sucesso iniciais. Eles são apenas um sinal de que há ainda muito por fazer; Não perca tempo com projetos que não dão resultado. Parta logo para outros;
  • 72. Não pare de se aperfeiçoar. A aprendizagem é um processo eterno; Por mais estúpido que seu cliente possa parecer, nunca o despreze. Você pode não atendê-lo. Mas desprezá-lo? Jamais! Não deixe de se abastecer sistemática e periodicamente de informações. Isto é seu oxigênio; Jamais despreze a disciplina. Ela é fundamental à continuidade do seu negócio; Não deixe de praticar um esporte ou um hobby. Procure aplicar em seu trabalho as lições aprendidas nessa atividade; Nunca subestime um adversário. Um adversário mais forte pode esmagá- lo; um adversário de força igual à sua pode humilhá-lo, e um mais fraco pode surpreendê-lo; Não tenha medo de ousar. Lembre-se de que a vida é uma aventura da qual você jamais sairá vivo. PERGUNTAS-CHAVE PARA O PLANEJAMENTO: O que tem de ser feito? Onde será feito o trabalho? Quando o trabalho tem de ser feito? Como será feito o trabalho? Quem vai fazer o trabalho? POR QUÊ ? Inteligência Emocional está relacionada a habilidades tais como motivar- se a si mesmo e persistir em face a frustrações; controlar impulsos, canalizando emoções para situações apropriadas; praticar gratificação prorrogada; motivar pessoas, ajudando-as a liberarem seus melhores talentos, e conseguir seu engajamento a objetivos de interesses comuns. INTELIGÊNCIA EMOCIONAL
  • 73. QUALIDADE MAIS IMPORTANTE NUMA EMPRESA Capacidade de inovar Recriar a proposta, de acordo com as novas condições do mercado Gestão do conhecimento Pedindo ajuda ao Marketing Vantagem competitiva é aquilo que é visto pelo cliente como capaz de influenciar sua decisão de comprar meu produto em vez do concorrente, e que pode ser mantido por um período de tempo relativamente longo MARKETING É UM SEGURO CONTRA OS PREJUÍZOS DEFINIÇÃO DE MARKETING - NOVA VISÃO ESTAR ATENTO ÀS TENDÊNCIAS DE MERCADO PARA IDENTIFICAR E PRODUZIR RAPIDAMENTE AQUILO QUE O CONSUMIDOR QUER. CONSUMIDOR QUER OUVIR ATENTO ÀS TENDÊNCIAS DE MERCADO ANTENADO “Inovação é uma mudança que cria uma nova dimensão de desempenho” Peter Drucker
  • 74. CLIENTE É AQUELE QUE JÁ COMPROU ALGO DA EMPRESA. CLIENTE FIEL A pessoa que tem contato direto com o cliente, tem 70% da responsabilidade sobre sua satisfação e pela reputação da empresa; Atender bem é uma arma eficaz de comunicação; Qualidade também significa bom tratamento e relacionamento com as pessoas; A forma como você trata as pessoas mostra como você é por dentro – cada um dá o que tem; Tenha como desafio profissional superar as expectativas do cliente e não apenas cumprir uma obrigação; “Ser melhor que seu concorrente, não significa fazer a mesma coisa de forma infinitamente melhor e sim fazer muitas coisas pequenas apenas um pouco melhor”. O diferencial está nos detalhes. Procure dar informações sempre corretas, claras e seguras, para que o cliente não se sinta perdido, confuso e desrespeitado, tendo uma péssima impressão da empresa e, sobretudo de você; Seja cortês, simpático e ético com os outros;
  • 75. QUAL O MAIOR OBJETIVO DESTE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO? GERENTES .... preservam É formar ... Chefes – vão atrás da equipe. Transforma a tarefa para a equipe passar mais confortável. Os resultados vêm de um trabalho forte em equipe. NOVO MILÊNIO NOVA ECONOMIA NOVO CIDADÃO A evolução do cidadão ... Necessidades ← Produto ← Tangível Sentimentos ← Serviços ← Intangível Prazer ← Sonhos ← Memorável TRANSFORMAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES Então ... ECONOMIA baseada na: informação conhecimento comunicação Ambiente favorável a CRIATIVIDADE (informal e irreverente)
  • 76. Informação – deve ser compartilhada ... “Quando você é dono da informação e não passa a ninguém, ela não vale nada”. “O profissional competente fala tudo o que sabe. Ele não tem medo”. “Conhecimento é gerado nas pessoas a partir de um método”. Informação é uma coisa ... QUE DESTRÓI INCERTEZAS SINÉRGICA DIFUSIVA PARTILHÁVEL SUBSTITUIDORA RESUMÍVEL quanto mais usa mais tem quanto mais sofisticada mais ela vasa Para isso ... ESTRATÉGIA QUALIDADE INOVAÇÃO É decidir o que você vai fazer Queremos então cidadãos ... Satisfeitos Felizes Fiéis Torcedores QUALIDADE NO ATENDIMENTO Paixão Surpresa “Qualidade não é simplesmente satisfazer. Ela é momentânea, percebida. Temos que desagradar muita gente para fazer o que tem de ser feito. O mau humor é mortal para a qualidade”. “Não espere acabar nada para mudar”. Ex: Pelé ≠ Garrinha Serviço público – papel pedagógico da qualidade “A informação não vale nada se ela não for compartilhada. Conhecimento é gerado nas pessoas a partir de um método de quem administra a informação”
  • 77. NOVO MILÊNIO NOVA ECONOMIA NOVO CIDADÃO TRÂNSITO DO PODER meios de ... PRODUÇÃO COMUNICAÇÃO COGNIÇÃO CRIAÇÃO geração de conhecimentos inovação, idéiasEmpresa mais criativa do mundo 3M (segredo: INVESTIR NO CAPITAL HUMANO) Criatividade é fazer todos os dias alguma coisa que você nunca fez. PESSOAS SÃO AUTO MOTIVÁVEIS E SOMENTE PRECISAM DAS GERÊNCIAS: • Bom treinamento para o trabalho • Ter as barreiras desnecessárias removidas • Ter as conquistas reconhecidas PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO RELACIONAMENTO HUMANO: Nunca condenar ou criticar PERDE UM COLABORADOR Quando puder fazer um elogio sincero, faça-o "o mais profundo princípio da natureza humana é a ânsia de ser apreciado” William James
  • 78. SER HUMANO tem sede em se sentir importante Interesse-se sinceramente pelas pessoas estamos todos mais interessados acerca de nós mesmos que em qualquer outra pessoa NATUREZA HUMANA Sorria Pessoas sérias, de grande credibilidade, auto- confiantes e de sucesso sorriem, porque sabem reconhecer o valor das outras pessoas. Ouvir - A Arte do bom Comunicador Você precisa escutar para ter feedback
  • 79. PARTE 2 ANTECEDENTES HISTÓRICOS DA ADMINISTRAÇÃO Até o final do século XIX POUCAS E PEQUENAS ORGANIZAÇÕES • PEQUENAS OFICINAS; • ARTESÃOS INDEPENDENTES; • PEQUENAS ESCOLAS; • PROFISSIONAIS AUTÔNOMOS; • LAVRADOR; • ARMAZÉM DA ESQUINA, etc.INFLUÊNCIAS OCORRIDAS NA ADMINISTRAÇÃO: dos filósofos – René Descartes (1596-1650); da organização da igreja católica; da organização militar; da revolução industrial; dos economistas liberais; dos pioneiros e empreendedores. 1. Princípio da Dúvida Sistemática ou da Evidência; 2. Princípio da Análise ou da Decomposição; 3. Princípio da Síntese ou da Composição; 4. Princípio da Enumeração ou da Verificação. 1. Princípio da unidade de comando; 2. Escala hierárquica; 3. Centralização do comando e a descentralização da execução; 4. Princípio de direção.
  • 80. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL provocou o aparecimento da organização e da empresa moderna – principais fatores: a) a ruptura das estruturas corporativas da Idade Média; b) o avanço tecnológico, graças às aplicações dos progressos científicos à produção, com a descoberta de novas formas de energia e a possibilidade de uma enorme ampliação de mercados; c) a substituição do tipo artesanal por um tipo industrial de produção. Segundo BURNS: 1780 a 1860 1ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL – revolução do carvão e do ferro; 1860 a 1914 2ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL – revolução do aço e da eletricidade. 4 fases da 1ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (BURNS): 1ª fase: a mecanização da indústria e da agricultura; 2ª fase: a aplicação da força motriz à indústria; 3ª fase: o desenvolvimento do sistema fabril; 4ª fase: um espetacular aceleramento dos transportes e das comunicações.
  • 81. Conseqüência da 1ª Revolução Industrial considerável controle capitalista sobre quase todos os ramos da atividade econômica. 2ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL – acontecimentos: desenvolvimento de novo processo de fabricação do aço (1856); aperfeiçoamento do dínamo (1873); invenção do motor de combustão interna (1873). Principais características da 2ª Revolução Industrial (segundo BURNS): 1. a substituição do ferro pelo aço como material industrial básico; 2. a substituição do vapor pela eletricidade e pelos derivados de petróleo como principais fontes de energia; 3. o desenvolvimento da maquinaria automática e um alto grau de especialização do trabalho; 4. o crescente domínio da indústria pela ciência; 5. transformações radicais nos transportes e nas comunicações; 6. o desenvolvimento de novas formas de organização capitalista; 7. a expansão da industrialização até a Europa Central e Oriental, e até o Extremo Oriente.
  • 82. PRODUÇÃO DO ARTESANATO PRODUÇÃO FEITA ATRAVÉS DE MÁQUINAS DENTRO DE GRANDES FÁBRICAS com a industrialização Mudanças provocadas: 1. a transferência da habilidade do artesão para a máquina, que passou a produzir com maior rapidez, maior quantidade e melhor qualidade, possibilitando uma redução no custo da produção; 2. a substituição da força do animal ou do músculo humano pela maior potência da máquina a vapor (e posteriormente pelo motor), que permitia maior produção e maior economia. Mecanização do trabalho ⇒ divisão do trabalho; simplificação das operações.
  • 83. PARTE 3 ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO 1. INTRODUÇÃO Início do século XX Frederick Winslow Taylor ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA Henri Fayol ESCOLA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA DA ORGANIZAÇÃO ENGENHEIR0S PROBLEMA COMUM AUMENTARA EFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA OU EMPRESA Taylor – AUMENTAR A EFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA POR MEIO, INICIALMENTE, DA RACIONALIZAÇÃO DO TRABALHO DO OPERÁRIO. Fayol – AUMENTAR A EFICIÊNCIA DA EMPRESA POR MEIO DA SUA ORGANIZAÇÃO E DA APLICAÇÃO DE PRINCÍPIOS GERAIS DE ADMINISTRAÇÃO EM BASES CIENTÍFICAS.
  • 84. ABORDAGEM CLÁSSICA OU TRADICIONAL DA ADMINISTRAÇÃO:Administração Científica Teoria Clássica Ênfase nas tarefas Ênfase na estrutura e no funcionamento Abordagem Clássica da Administração Taylor Fayol Administração Científica: Frederick Winslow Taylor (1856-1915) Henry Lawrence Gantt (1861-1919) Frank Bunker Gilbreth (1868-1924) Harrington Emerson (1853-1931) Henry Ford (1863-1947) Carl Georg Lange Barth Anatomistas e Fisiologistas da Organização Henri Fayol (1841-1925) James D. Mooney Lyndall F. Urwick (1891) Luther Gulick Henry Niles Leonard White Escola de Administração Científica: Desenvolvida nos EUA; Aumentar a produtividade da empresa por meio do aumento de eficiência no nível operacional, isto é, no nível dos operários; Ênfase na análise e na divisão do trabalho do operário – as tarefas do cargo e o ocupante constituem a unidade fundamental da organização.
  • 85. Abordagem operário gerente e supervisor Operário e seus cargos Org. empresarial MÉTODO DE TRABALHO MOVIMENTOS NECESSÁRIOS À EXECUÇÃODE UMA TAREFA TEMPO PADRÃO ESPECIALIZAÇÃO DO OPERÁRIO “ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO” - ORT REAGRUPAMENTO DE MOVIMENTOS, OPERAÇÕES, TAREFAS, FUNÇÕES, ETC. ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS – foi uma tentativa de sistematizar a atividade gerencial.
  • 86. Corrente dos Anatomistas e Fisiologistas da Organização (Teoria Clássica): Desenvolvida na França (Europa); Henri Fayol (1841-1925), James D. Mooney, Lyndall F. Urwick (n. 1891), Luther Gulick e outros; Aumentar a eficiência da empresa por meio da forma e disposição dos órgãos componentes da organização (departamentos) e das suas inter-relações estruturais; Ênfase na anatomia (estrutura) e na fisiologia (funcionamento) da organização. Abordagem execução (base) direção (topo) Departamentos Org. empresarial (todo)
  • 87. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL CENTRALIZAÇÃO DE UM CHEFE PRINCIPAL SUBDIVIDIR A EMPRESA CORRENTE EMINENTEMENTE TEÓRICA E “ADMINISTRATIVAMENTE ORIENTADA” DEPARTAMENTALIZAÇÃO “O trabalho é uma oportunidade para você construir uma vida que lhe dê prazer” Joseph Conrad “Se o que você fez ontem ainda lhe parece muito importante, então você ainda não fez o suficiente hoje” Earle Wilson “A maior vitória é contra si mesmo” Platão “As maiores oportunidades vêm para as pessoas que aproveitam as pequenas” Provérbio alemão
  • 88. 2. ORIGENS DA ABORDAGEM CLÁSSICA Conseqüências geradas pela REVOLUÇÃO INDUSTRIAL surgiu em torno de 1700, mas tomou impulso no final do século XVIII. Crescimento acelerado e desorganizado das empresas substituir o empirismo e a improvisação dominantes; Necessidade de aumentar a eficiência e a competência das organizações aumento da concorrência entre empresas. PRODUÇÃOEMMASSA TAYLORISM O FAYOLISM O ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO surgiu como uma tentativa de organizar as empresas que, a partir da Revolução Industrial, vinham crescendo desordenadamente. “Experiência é o nome que cada indivíduo dá aos seus próprios erros” Oscar Wilde “Não dá para relaxar nem um só minuto. É preciso aparar a grama todo dia” Eugênio Staub, dono da Gradiente
  • 89. 3. CONCLUSÃO PANORAMA INDUSTRIAL DO INÍCIO DO SÉCULO XX: • grande variedade de empresas, com tamanhos altamente diferenciados; • baixo rendimento da maquinaria utilizada; • desperdício; • grande número de pessoas empregadas; • insatisfação generalizada entre os operários; • concorrência intensa, mas com tendências pouco definidas; • elevado volume de perdas envolvido quando as decisões eram mal formuladas, etc. CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO TORNOU-SE NECESSÁRIA A ESPECIALIZAÇÃO E A DIVISÃO DO TRABALHO BUSCA DA EFICIÊNCIA (a melhor maneira de fazer um trabalho)
  • 90. ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA Taylor fundador da Administração Científica TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO DO TRABALHO OPERÁRIO ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS 1º) O objetivo de uma boa Administração é pagar salários altos e ter baixos custos unitários de produção; 2º) Para realizar esse objetivo, a Administração deve aplicar métodos científicos de pesquisa e experimentos para o seu problema global, a fim de formular princípios e estabelecer processos padronizados que permitam o controle das operações fabris; 1º PERÍODO DE TAYLOR: 3º) Os empregados devem ser cientificamente colocados em serviços ou postos com os materiais e condições de trabalho adequados, para que as normas possam ser cumpridas; 4º) Os empregados devem ser cientificamente adestrados para aperfeiçoar suas aptidões e, portanto, executar um serviço ou tarefa de modo que a produção normal seja cumprida; 5º) uma atmosfera de íntima e cordial cooperação deve ser cultivada entre a Administração e os trabalhadores, para garantir a continuidade desse ambiente psicológico. < Tempo ⇒ > produtividade > venda
  • 91. 2º PERÍODO DE TAYLOR: RACIONALIZAÇÃO DO TRABALHO OPERÁRIO ACOMPANHADA DE UMA ESTRUTURAÇÃO GERAL DA EMPRESA E QUE TORNASSE COERENTE A APLICAÇÃO DOS SEUS PRINCÍPIOS ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA1º) Administradores deveriam desenvolver um método científico para cada elemento do trabalho de um homem, a fim de substituir as velhas regras, ou seja, planejar o trabalho do operário; 2º) Administradores deveriam selecionar cientificamente, treinando posteriormente os trabalhadores, ou seja, formar a mão-de-obra; 3º) Administradores deveriam cooperar com os trabalhadores para garantir que as tarefas fossem executadas de acordo com os métodos científicos desenvolvidos, ou seja, controlar o trabalho; 4º) Deveria haver uma igual divisão de tarefas e responsabilidades entre administradores e operários. Administradores deveriam executar tarefas para as quais são mais indicados, tais como planejar a execução das tarefas. PROCESSOS ADMINISTRATIVOS PLANEJAMENTO ORGANIZAÇÃO EXECUÇÃO CONTROLE SISTEMA DE TAYLOR GERÊNCIA CIENTÍFICA ORGANIZAÇÃO CIENTÍFICA DO TRABALHO ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO 75% de análise 25% de bom senso
  • 92. PREOCUPAÇÕES DE TAYLOR OPERÁRIO: irresponsável, vadio e negligente EFICIÊNCIA COMPORTAMENTO DO TRABALHADOR CRIAR UM SISTEMA EDUCATIVO BASEADO NA INTENSIFICAÇÃO DO RITMO DE TRABALHO EM BUSCA DA EFICIÊNCIA EMPRESARIAL ADMINISTRAÇÃO COMO CIÊNCIA Para Taylor ORGANIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO TRATADOS CIENTIFICAMENTE E NÃO EMPIRICAMENTE IMPROVISAÇÃO ⇒ PLANEJAMENTO; EMPIRISMO ⇒ CIÊNCIA Grande mérito: APLICAÇÃO DE UMA METODOLOGIA SISTEMÁTICA NA ANÁLISE E NA SOLUÇÃO DOS PROBLEMAS DA ORGANIZAÇÃO DISCÓRDIA ⇒ HARMONIA; INDIVIDUALISMO ⇒ COOPERAÇÃO PRODUÇÃO REDUZIDA ⇒ RENDIMENTO MÁXIMO DESENVOLVIMENTO DE CADA HOMEM ⇒ MAIOR EFICIÊNCIA E PROSPERIDADE
  • 93. ELEMENTOS DE APLICAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA DE TAYLOR: a) Estudo de tempo e padrões de produção; b) Supervisão funcional; c) Padronização de ferramentas e instrumentos; d) Planejamento de tarefas e cargos; e) Princípio da exceção; f) Utilização da régua de cálculo e instrumentos para economizar tempo; g) Fichas de instruções de serviço; h) Prêmios de produção pela execução eficiente das tarefas; i) Definição da rotina de trabalho. EMPREGADOSEMPREGADORES Interesses convergentes baixo custo de produção altos salários ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO (ORT): 1- Os operários aprendiam a maneira de executar as tarefas do trabalho por meio da observação dos companheiros vizinhos; 2- Há diferentes maneiras (métodos) para fazer a mesma tarefa; 3- Existe sempre um método mais rápido e um instrumento mais apropriado que os demais, que podem ser encontrados e aperfeiçoados por meio de uma análise científica. concepção execução gerência (planejamento e administração das tarefas) trabalhador separação
  • 94. Principais aspectos da ORT: 1. Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos; 2. Estudo da fadiga humana; 3. Divisão do trabalho e especialização do operário; 4. Desenho de cargos e tarefas; 5. Incentivos salariais e prêmios de produção; 6. Conceito de “homo economicus”; 7. Condições ambientais de trabalho, como iluminação, conforto etc.; 8. Padronização de métodos e de máquinas; 9. Supervisão funcional. Gerentes - controlam cada fase do processo de trabalho – fazem o trabalho intelectual Operário – não tem necessidade de pensar, criar e controlar o trabalho O taylorismo: divide, simplifica e desqualifica o trabalho IDEALIZADORES E OS ORGANIZADORES EXECUTANTES (trabalho manual) separação
  • 95. 1. ANÁLISE DO TRABALHO E ESTUDO DOS TEMPOS E MOVIMENTOS ANÁLISE DO TRABALHO Segundo Taylor e seus seguidores: racionalizar o trabalho dos operários ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS DIVIDIR E SUBDIVIDIR TODOS OS MOVIMENTOS NECESSÁRIOS À EXECUÇÃO DE CADA OPERAÇÃO DE UMA TAREFA TEMPO MÉDIO – tempo que um operário comum levaria para a execução da tarefa, por meio da utilização de um cronômetro. TEMPO PADRÃO = TEMPO MÉDIO + tempos elementares e mortos (esperas, tempos destinados à saída do operário da linha para as suas necessidades pessoais etc.). Vantagens do estudo dos tempos e movimentos: a) Eliminar os movimentos inúteis e substituí-los por outros mais eficazes; b) Tornar mais racional a seleção e treinamento do pessoal; c) Melhorar a eficiência do operário e, conseqüentemente, o rendimento da produção; d) Ter uma base uniforme para salários eqüitativos e para prêmios por aumento de produção.
  • 96. Franck B. Gilbreth e Lilian M. Gilbreth todo trabalho manual pode ser reduzido a movimentos elementares (therblig, anagrama de Gilbreth): 1. Procurar 2. Escolher 3. Pegar 4. Transportar vazio 5. Transportar cheio 6. Posicionar (colocar em posição) 7. Preposicionar (preparar para colocar em posição) 8. Unir (ligar ou anotar) 9. Separar 10. Utilizar 11. Soltar a carga 12. Inspecionar 13. Segurar 14. Esperar inevitavelmente 15. Esperar quando evitável 16. Repousar 17. Planejar • evitar os movimentos inúteis • executar o mais economicamente possível – do ponto de vista fisiológico – os movimentos úteis; • dar a esses movimentos selecionados uma seriação apropriada (princípios de economia, seleção e coordenação de movimentos). ESTUDO DOS MOVIMENTOS – baseia-se: ANATOMIA e FISIOLOGIA HUMANA Observação: Princípio de Gilbreth - o aumento da transparência dos processos de produção elevação da qualidade da comunicação num ambiente de trabalho – APLICAÇÃO: CANTEIROS DE OBRA. Eficiência – é a relação entre o que é conseguido e o que pode ser conseguido (H. EMERSON). A conseqüência ⇒ PRODUTIVIDADE (produção de uma unidade produtora por unidade de tempo). Interesse pelo esforço humano, como meio de aumentar a produtividade.
  • 97. 2. ESTUDO DA FADIGA HUMANA Gilbreth – preocupação com a adaptação do homem à máquina e, inversamente, da máquina ao homem. A fadiga predispõe o trabalhador para: Diminuição da produtividade e da qualidade do trabalho; Perda de tempo; Aumento da rotatividade de pessoal; Doenças e acidentes; Diminuição da capacidade de esforço. FADIGA redutor da EFICIÊNCIA. Princípios de economia de movimentos: a) Relativos ao corpo humano; b) Relativos ao arranjo material do local de trabalho; c) Relativos ao desempenho das ferramentas e do equipamento. 3. DIVISÃO DO TRABALHO E ESPECIALIZAÇÃO DO OPERÁRIO Objetivo: PRODUTIVIDADE O TRABALHO DE CADA PESSOA DEVERIA, TANTO QUANTO POSSÍVEL, SE LIMITAR À EXECUÇÃO DE UMA ÚNICA TAREFA OU DE TAREFAS SIMPLES E ELEMENTARES. Conseqüência: o operário perdeu a liberdade e a iniciativa de estabelecer a sua maneira de trabalhar e passou a ser confinado à execução automática e repetitiva ⇒ trabalho padronizado. EFICIÊNCIA ⇒ ESPECIALIZAÇÃO
  • 98. 4. DESENHO DE CARGOS E TAREFAS Tarefa – toda e qualquer atividade executada por uma pessoa no seu trabalho dentro da organização. Cargo – conjunto de tarefas executadas de maneira cíclica ou repetitiva. Desenhar de cargos – maneira pela qual um cargo é criado e projetado e combinado com outros cargos para a execução de tarefas maiores. Princípio básico no desenho dos cargos cargo tarefas ⇒ habilidades similares e tempo controlado tarefas ⇒ habilidades similares e tempo controlado tarefas ⇒ habilidades similares e tempo controlado nº limitado cargo Vantagens: a) admissão de empregados com qualificações mínimas e salários menores, reduzindo os custos de produção; b) minimização dos custos de treinamento; c) redução de erros na execução, diminuindo os refugos e rejeições; d) facilidade de supervisão, permitindo que cada supervisor possa controlar um número maior de subordinados; e) aumento da eficiência do trabalhador, permitindo maior produtividade. 5. INCENTIVOS SALARIAIS E PRÊMIOS DE PRODUÇÃO Tempo padrão – tempo médio necessário para um operário normal realizar a tarefa devidamente racionalizada = NÍVEL DE EFICIÊNCIA 100%. Quando a produção for > 100% ⇒ PRÊMIO DE PRODUÇÃO
  • 99. Remuneração Peças produzidas e nível de eficiência 100% 110% Prêmio de produção Plano de incentivo salarial: Observação: O operário de bom salário e bom padrão de vida teve de suportar durante décadas: trabalho simples, repetitivo, padronizado, chato e monótono NATUREZA HUMANA ? 6. CONCEITO DE HOMO ECONOMICUS Toda pessoa é concebida como influenciada e exclusivamente por recompensas salariais, econômicas e materiais. O homem é motivado a trabalhar não porque gosta, mas pelo medo da fome e pela necessidade de dinheiro para viver. MASLOW Auto-realização Auto-estima Sociais Segurança Fisiológicas Necessidadespsicológicas 7. CONDIÇÕES DE TRABALHO Eficiência = f (método de trabalho, incentivo salarial, conjunto de condições de trabalho que garantam o bem estar físico do trabalhador e diminuam a fadiga). adequação de instrumentos, ferramentas e equipamentos de produção; arranjo físico das máquinas e equipamentos para racionalizar o fluxo da produção; melhoria do ambiente físico de trabalho: ruído, ventilação, iluminação e conforto; projeto de instrumentos e equipamentos especiais para certos cargos: reduzir movimentos desnecessários.
  • 100. 8. PADRONIZAÇÃO ↓ variabilidade ↓ diversidade no processo produtivo desperdício ↑ eficiência PADRONIZAÇÃO DOS MÉTODOS E PROCESSOS DE TRABALHO 9. SUPERVISÃO FUNCIONAL Supervisor de produção Supervisor de manutenção Supervisor de qualidade Operário A Operário B Operário C Operário D Permite a máxima utilização do princípio da divisão do trabalho, reduzindo ao mínimo as funções que cada homem deve executar. Trabalho mental Trabalho braçal separação PRINCÍPIOS BÁSICOS DE FORD - FORDISMO Henry Ford – 1914 ⇒ dia de 8 horas e salário mínimo de cinco dólares (US$ 5,00)Racionalização da produção PRODUÇÃO EM MASSA OU EM SÉRIE O produto é padronizado em seu material, mão-de-obra, desenho e ao mínimo custo possível Taylorismo os operários aceitavam os princípios da prescrição e controle do trabalho Fordismo o patronato garantia o crescimento regular dos salários e o acesso ao consumo.
  • 101. Princípios básicos de Ford: a) Intensificação: ↓ tempo de duração com o emprego imediato dos equipamentos e da matéria-prima e a rápida colocação do produto no mercado; b) Economicidade: ↓ ao mínimo o volume do estoque da matéria-prima em transformação; c) Produtividade: ↑ capacidade de produção do homem no mesmo período por meio da especialização e da linha de montagem. Ford – na área mercadológica implantou: • assistência técnica; • sistema de concessionários; • política de preços inteligente. PRINCÍPIO DA EXCEÇÃO Região da normalidade Exceções Exceções Freqüência Ocorrências É um sistema de informação que apresenta seus dados somente quando os resultados efetivamente verificados na prática divergem ou se distanciam dos resultados previstos em algum programa. Q1 Q2 Q3 APRECIAÇÃO CRÍTICA DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA Mecanismo da administração científica (teoria da máquina)
  • 102. Abordagem microscópica e mecanicista da Administração Científica Estudo dos tempos e movimentos Seleção científica do trabalhador Determinação do método de trabalho (the best way) Lei da fadiga Padrão de produção Plano de incentivo salarial Supervisão funcional Condições ambientais de trabalho Máxima eficiência Maiores lucros e maiores salários - Visão microscópica do homem tomado isoladamente como um apêndice da maquinaria industrial; - Superespecialização que robotiza o operário; - Ausência de qualquer comprovação científica de suas afirmações e princípios; - Abordagem eminentemente prescritiva e normativa e tipicamente de sistema fechado. “Por mais entediadas e infelizes que estejam com o seu trabalho, as pessoas tendem a se apegar ao poder, ao dinheiro e ao status” “Fiquei feliz por poder responder na hora. Eu disse: não sei” Mark Twain “A verdade pura e simples raramente é pura e nunca é simples” Oscar Wilde “Se o cliente reclama, sorte sua. É uma chance para você descobrir qual é o problema dele. E resolvê-lo. Jamais ignore ou subestime qualquer contato com o cliente”.
  • 103. Início dos anos 20 ALFRED SLOAN – líder da GM Motivação – bater a Ford e seu Modelo T Ford consumidor padronizado (seu foco era o produto). Marketing era preço, preço, preço. Em 1924 – o modelo T era vendido quase a preço de custo (lucro por carro = 2 dólares ≅ 50 dólares a preço de hoje; Sloan havia diferenças no bolso e na cabeça entre possíveis consumidores. Faltava marketing, propaganda, técnicas de venda e pesquisa de mercado. O INÍCIO DA NECESSIDADE DE UMA ESTRUTURA ORGANIZADA DENTRO DA EMPRESA Ford não conseguia lidar com a mudança GM fabricava 5 modelos – cada um para um segmento específico ≠ ? Complexo Nível de organização interna Lições de SLOAN sobre o gerente profissional: Profissionais não decidem com base em opiniões ou em preferências, só de acordo com fatos; O administrador profissional não tem de gostar de gente, não tem de tentar mudar as pessoas, tem é de mobilizar o melhor delas para obter resultados; Performance é mais que resultado, é também exemplo, e isso requer integridade; Problemas: colapso econômico externo, crise gerencial interna, alto estoque, caixa vazio, linha de produtos confusa, necessidade de controle sobre operações e finanças da empresa.
  • 104. Discordância, conflitos mesmo, são necessários, e até desejáveis. Sem isso, não há entendimento, e sem entendimento só se tomam decisões erradas. Liderança não é carisma. Não é “relações públicas”, não é exibicionismo. É performance, comportamento consistente, credibilidade; O administrador profissional é um prestador de serviço. Seu cliente é a empresa. Posição não confere privilégio, não dá poder, só impõe responsabilidade. Entre 1927 e 1937 – GM lucro acumulado de 2 bilhões de dólares; Ford prejuízo de 100 milhões de dólares. Modelo de organização de SLOAN OPERAÇÕES DESCENTRALIZADAS COM CONTROLE COORDENADO DESCENTRALIZAÇÃO CENTRALIZAÇÃO Iniciativa, responsabilidade, desenvolvimento de funcionários, decisões próximas aos fatos e flexibilidade Coordenação: eficiência e economias g e r ê n c i a 1911-Chevrolet 1929-Ramona 1959-Cadilac 1963-Corvette 1975-Vega 2001-GMC Eldorado Stingray Yukon Denali