SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Sociologia Roberto Mosca Junior
Desigualdades sociais no Brasil Existem desigualdades sociais de várias ordens. Alguns cenários sobre a desigualdade: Segregação espacial No Brasil, conforme o IBGE  até o final de 2006 temos: 40 milhões de domicílios registrados. 10 milhões são considerados insalubres (sem condições mínimas para viver dignamente)
Segregação espacial 	Nas cidades aos menos favorecidos são reservadas as áreas mais insalubres e sujeitas a toda sorte de riscos, como enchentes e deslizamentos de terra, violência crônica. 	Afinal de contas onde podemos encontrar a segregação espacial: Nas Favelas Nos Cortiços Nos Casebres Nas Palafitas Nos Alagados
Dados sobre as favelas 6,5 milhões de pessoas. 65% nas capitais São Paulo (2,07 milhões) Rio de Janeiro (1,38 milhões) Belém  maior população favelada proporcionalmente 35% (581 mil)
Palafitas
Tarsila do Amaral 'Morro da Favela'-1924
óleo/tela 64 X 76cm
Assin:"Tarsila 1924" 
Col. JoãoEstéfano, SP
“Cultura do medo” A existência de uma massa de pessoas vivendo precariamente alimenta uma crescente “cultura do medo”, presente em muitos segmentos da sociedade, e justifica os movimentos de abandono da cidade e a busca de isolamento, traduzido na multiplicação de condomínios fechados.
Condomínios Barra da Tijuca
Vida social desigual  Nestes condomínios temos uma vida social marcada pelo isolamento: Escola específica Lazer próprio Regulamento e guardas particulares Delimitando o espaço  E criando uma cultura desigual
Sociabilidade violenta Definição de Estado de Max Weber: “uma comunidade humana que pretende, com êxito, o monopólio do uso legítimo da força física dentro de determinado território”. Será que o Estado perdeu o monopólio da força? “Estado Paralelo” ou “para estado”
Sociabilidade violenta Luis Antonio Machado Silva Os comandos não tem de ser visto como: “Estado dentro do Estado” e nem em um contexto de “Ausência de Estado” O problema é de convivência entre a ordem institucional legal e uma ordem cujo princípio norteador é a violência.
Sociabilidade violenta Estamos vivendo uma nova sociabilidade – uma sociabilidade violenta - que rege o corpo social, afetando de forma ainda mais direta e profunda as áreas  desfavorecidas economicamente. Característica da SV: Transformação da força, de meio de obtenção de interesses, no próprio princípio de coordenação das ações.
Sociabilidade violenta Não há princípios da honra, amizade e laços de sangue. Esta Sociabilidade é fragmentada (lógica do cada um por si) “Cadeia de submissão formada pelo reconhecimento do desequilíbrio da força” (comandos) O poder não se dá por meio da negociação ou convencimento.
Sociabilidade violenta Mas sim pelo uso da força, no mais das vezes, letal , imposta aos demais. Violência é usada para fora do grupo (cidadãos e grupos rivais) bem como no interior do próprio grupo.
Protesto no Rio
Sociabilidade violenta Dois criminosos assaltam um caixa eletrônico. Sob efeito de drogas e um deles está com uma pistola automática. Eles não tem exatamente um plano. A única coisa que sabem é que precisam escapar da polícia. O sinal de trânsito fecha e caminham na direção de um carro qualquer.
Sociabilidade violenta Não tem interesse no carro como tal, apenas precisam de um veículo para a fuga. Na lógica da sociabilidade violenta, sempre extremamente imprevisível, há vários desfechos possíveis para essa história: Os criminosos ameaçam o motorista do carro com a pistola, este lhe entrega o carro e os criminosos conseguem escapar.
Sociabilidade violenta O motorista do carro, paralisado de medo, não consegue sair do carro rapidamente. Os criminosos se exaltam e matam o motorista- perceba que de início não estava previsto o assassinato – e seguem em fuga. O motorista do carro também está armado e ocorre uma troca de tiros. Zona de incerteza – ninguém sabe exatamente como agir, nem mesmo os criminosos, o que acaba gerando nos cidadãos de bem uma profunda insegurança.
Reflexões finais Não faz sentido as noções de “criminalidade organizada” e “Estado paralelo”. Muito menos que o indivíduo já nasça violento para explicar o problema da violência no Brasil. Ninguém nasce cidadão é preciso aprender a sê-lo. Da mesma maneira ninguém nasce “portador” de sociabilidade violenta. Não se trata de uma questão de caráter ou índole. Justamente porque não se trata de uma questão natural, alguém que no presente é criminoso, no futuro pode deixar de sê-lo.
Manchetes de jornais (a violência está em todo lugar) Briga em festa de condomínio na Barra deixa seis feridos: Estudante é preso acusado de esfaquear pai e filho no Barra Summer Dream. Vítima de pitboys recebe ameaça por telefone
Questão
Questão ENEM Esta foto, do fotógrafo mexicano Carlos Cazalis, flagra, na porta de um prédio comercial, um morador de rua que passa a noite no centro de São Paulo. (imagem premiada no World Press Photo 2009).  A partir da foto e considerando as condições de vida nas grandes cidades no Brasil, é possível afirmar que a questão incorretamente é:
Questão modelo ENEM O acesso a boas condições de moradia no Brasil está relacionado ao alto poder econômico das grandes cidades, que tende a ter um valor de custo de vida elevado nas áreas centrais e urbanizadas. Há uma tendência nas grandes cidades brasileiras, devido ao alto valor do custo de vida nas áreas centrais e urbanizadas, de isolamento das populações, confinadas a bolsões de miséria. Nas grandes cidades brasileiras, com a prática de tarifas de transportes caras e falta de integração de vários meios de transporte, a mobilidade social é dificultada e, com isso, a ascensão social das pessoas por meio de estudo e aumento de renda é um sonho distante para muitos. As favelas surgem e crescem sem planos de  lotes e ruas, com frequência em terrenos públicos, às vezes acidentados e sem condições de segurança, e os governos encontram várias dificuldades para regularizar as moradias, pois cabe ao poder público cumprir as normas que ele mesmo estabeleceu . Com o processo de favelização das grandes cidades brasileiras, os moradores destas são assistidos e tem pleno acesso a direitos humanos básicos (comida, trabalho e moradia).  
Naturalização da pobreza Justificativa no perfil da população para a condição de subalternidade: São pobres e violentos por questões “naturais” e biológicas, esta explicação apresenta um caráter preconceituoso, desconsidera o caráter sócio-cultural do indivíduo e as características do meio social no qual ele vive.
Relação entre pobreza e violência
Relação entre pobreza e violência
Pena de morte
Segregação espacial
Quem é o responsável?
Quem é o responsável?
Quem é o responsável?
Desemprego estrutural
Desemprego estrutural
Desemprego estrutural
A solução
Violência Não uma única causa, existe um conjunto de de situações que geram a violência. Barreiras culturais para controle de natalidade,  a desestruturação dos laços familiares, a a redução de oportunidades por ineficiência do sistema escolar e falta de uma política de trabalho.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

2º Ano - Sociologia: Movimentos Sociais
2º Ano - Sociologia: Movimentos Sociais2º Ano - Sociologia: Movimentos Sociais
2º Ano - Sociologia: Movimentos Sociais
 
Os modos de produção
Os modos de produçãoOs modos de produção
Os modos de produção
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Pobreza e exclusão
Pobreza e exclusãoPobreza e exclusão
Pobreza e exclusão
 
Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.
 
Socialização
SocializaçãoSocialização
Socialização
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Diversidade etnica
Diversidade etnicaDiversidade etnica
Diversidade etnica
 
Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democracia
 
Socialismo
SocialismoSocialismo
Socialismo
 
Território
TerritórioTerritório
Território
 
Desenvolvimento e subdesenvolvimento
Desenvolvimento e subdesenvolvimentoDesenvolvimento e subdesenvolvimento
Desenvolvimento e subdesenvolvimento
 
Favelização
FavelizaçãoFavelização
Favelização
 
Pirâmide etária
Pirâmide etáriaPirâmide etária
Pirâmide etária
 
Sociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambienteSociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambiente
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
O MUNDO DO TRABALHO
O MUNDO DO TRABALHO O MUNDO DO TRABALHO
O MUNDO DO TRABALHO
 
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 

Destaque

DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL
DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL
DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL Cibele Machado
 
Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1orlandoguedess
 
Espaços da cidade e segregação social
Espaços da cidade e segregação socialEspaços da cidade e segregação social
Espaços da cidade e segregação socialGrupo Educacional Opet
 
pobreza e exclusão social
pobreza e exclusão socialpobreza e exclusão social
pobreza e exclusão socialguest009f91
 
Desigualdades sociais
Desigualdades sociaisDesigualdades sociais
Desigualdades sociaislolada_4
 
Power point
Power pointPower point
Power pointPTAI
 
O espaço urbano e o processo de urbanização
O espaço urbano e o processo de urbanizaçãoO espaço urbano e o processo de urbanização
O espaço urbano e o processo de urbanizaçãoDenner Edson
 
São Paulo: Segregação urbana e desigualdade
São Paulo: Segregação urbana e desigualdadeSão Paulo: Segregação urbana e desigualdade
São Paulo: Segregação urbana e desigualdadeGabrieldibernardi
 
Sociologia - Segregação
Sociologia - SegregaçãoSociologia - Segregação
Sociologia - SegregaçãoAnderson Silva
 
Exclusão social
Exclusão socialExclusão social
Exclusão socialstcnsaidjv
 
Violência Na Escola
Violência Na EscolaViolência Na Escola
Violência Na Escolabethbal
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Socialandreatlc
 
Processos sociais urbanos
Processos sociais urbanosProcessos sociais urbanos
Processos sociais urbanosHávila Said
 

Destaque (20)

DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL
DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL
DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL
 
Desigualdades sociais
Desigualdades sociaisDesigualdades sociais
Desigualdades sociais
 
Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1
 
Espaços da cidade e segregação social
Espaços da cidade e segregação socialEspaços da cidade e segregação social
Espaços da cidade e segregação social
 
pobreza e exclusão social
pobreza e exclusão socialpobreza e exclusão social
pobreza e exclusão social
 
Desigualdades sociais
Desigualdades sociaisDesigualdades sociais
Desigualdades sociais
 
Desigualdades sociais
Desigualdades sociaisDesigualdades sociais
Desigualdades sociais
 
Power point
Power pointPower point
Power point
 
O espaço urbano e o processo de urbanização
O espaço urbano e o processo de urbanizaçãoO espaço urbano e o processo de urbanização
O espaço urbano e o processo de urbanização
 
São Paulo: Segregação urbana e desigualdade
São Paulo: Segregação urbana e desigualdadeSão Paulo: Segregação urbana e desigualdade
São Paulo: Segregação urbana e desigualdade
 
Sociologia - Segregação
Sociologia - SegregaçãoSociologia - Segregação
Sociologia - Segregação
 
Desigualdades Socias
Desigualdades SociasDesigualdades Socias
Desigualdades Socias
 
Promoção e educação em saúde bucal
Promoção e educação em saúde bucalPromoção e educação em saúde bucal
Promoção e educação em saúde bucal
 
Exclusão social
Exclusão socialExclusão social
Exclusão social
 
Desigualdades Sociais
Desigualdades SociaisDesigualdades Sociais
Desigualdades Sociais
 
Saude bucal1.ppt odonto soc
Saude bucal1.ppt odonto socSaude bucal1.ppt odonto soc
Saude bucal1.ppt odonto soc
 
Violência Na Escola
Violência Na EscolaViolência Na Escola
Violência Na Escola
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
 
Processos sociais urbanos
Processos sociais urbanosProcessos sociais urbanos
Processos sociais urbanos
 
Democracia X Fome
 Democracia  X  Fome Democracia  X  Fome
Democracia X Fome
 

Semelhante a Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.

Violência, crime e justiça no Brasil
Violência, crime e justiça no BrasilViolência, crime e justiça no Brasil
Violência, crime e justiça no Brasilisameucci
 
Juventude e cidadania
Juventude e cidadaniaJuventude e cidadania
Juventude e cidadaniaJonas Araújo
 
Cap 20 violência, crime e justiça no brasil
Cap 20 violência, crime e justiça no brasilCap 20 violência, crime e justiça no brasil
Cap 20 violência, crime e justiça no brasilDante Galvao
 
Sobre racismo estrutural no Brasil.pdf
Sobre racismo estrutural no Brasil.pdfSobre racismo estrutural no Brasil.pdf
Sobre racismo estrutural no Brasil.pdfssuser0320e8
 
Ri etnias, grupos minoritários, nacionalismos, conflitos
Ri etnias, grupos minoritários, nacionalismos, conflitosRi etnias, grupos minoritários, nacionalismos, conflitos
Ri etnias, grupos minoritários, nacionalismos, conflitosFelix
 
violencia e desigualdade social 3 ano avaliação semanal.pptx
violencia e desigualdade social 3 ano avaliação semanal.pptxviolencia e desigualdade social 3 ano avaliação semanal.pptx
violencia e desigualdade social 3 ano avaliação semanal.pptxLuziane Santos
 
Oligarquias partidárias brasileiras
Oligarquias partidárias brasileirasOligarquias partidárias brasileiras
Oligarquias partidárias brasileirasJustino Amorim
 
Oligarquias partidárias brasileiras
Oligarquias partidárias brasileirasOligarquias partidárias brasileiras
Oligarquias partidárias brasileirasJustino Amorim
 
Movimentos sociais e a legitimação do vandalismo
Movimentos sociais e a legitimação do vandalismoMovimentos sociais e a legitimação do vandalismo
Movimentos sociais e a legitimação do vandalismoLeandro Santos da Silva
 
Violência: produto da sociedade
Violência: produto da sociedadeViolência: produto da sociedade
Violência: produto da sociedaderealvictorsouza
 
Violência: produto da sociedade
Violência: produto da sociedadeViolência: produto da sociedade
Violência: produto da sociedaderealvictorsouza
 
As desigualdade sociais
As desigualdade sociaisAs desigualdade sociais
As desigualdade sociaisjussara Souza
 
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanístico
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanísticoMaricato, e. erradicar o analfabetismo urbanístico
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanísticoFilipe Carvalho
 

Semelhante a Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência. (20)

Violência, crime e justiça no Brasil
Violência, crime e justiça no BrasilViolência, crime e justiça no Brasil
Violência, crime e justiça no Brasil
 
Juventude e cidadania
Juventude e cidadaniaJuventude e cidadania
Juventude e cidadania
 
Atividade 2 curso sociologia urbana
Atividade 2 curso sociologia urbanaAtividade 2 curso sociologia urbana
Atividade 2 curso sociologia urbana
 
Cap 20 violência, crime e justiça no brasil
Cap 20 violência, crime e justiça no brasilCap 20 violência, crime e justiça no brasil
Cap 20 violência, crime e justiça no brasil
 
Sobre racismo estrutural no Brasil.pdf
Sobre racismo estrutural no Brasil.pdfSobre racismo estrutural no Brasil.pdf
Sobre racismo estrutural no Brasil.pdf
 
Resenha sociologia
Resenha sociologiaResenha sociologia
Resenha sociologia
 
Ri etnias, grupos minoritários, nacionalismos, conflitos
Ri etnias, grupos minoritários, nacionalismos, conflitosRi etnias, grupos minoritários, nacionalismos, conflitos
Ri etnias, grupos minoritários, nacionalismos, conflitos
 
violencia e desigualdade social 3 ano avaliação semanal.pptx
violencia e desigualdade social 3 ano avaliação semanal.pptxviolencia e desigualdade social 3 ano avaliação semanal.pptx
violencia e desigualdade social 3 ano avaliação semanal.pptx
 
Projeto - Racismo e Preconceito
Projeto - Racismo e PreconceitoProjeto - Racismo e Preconceito
Projeto - Racismo e Preconceito
 
Oligarquias partidárias brasileiras
Oligarquias partidárias brasileirasOligarquias partidárias brasileiras
Oligarquias partidárias brasileiras
 
Oligarquias partidárias brasileiras
Oligarquias partidárias brasileirasOligarquias partidárias brasileiras
Oligarquias partidárias brasileiras
 
Movimentos sociais e a legitimação do vandalismo
Movimentos sociais e a legitimação do vandalismoMovimentos sociais e a legitimação do vandalismo
Movimentos sociais e a legitimação do vandalismo
 
Violência: produto da sociedade
Violência: produto da sociedadeViolência: produto da sociedade
Violência: produto da sociedade
 
As manifestções em São Paulo
As manifestções em São PauloAs manifestções em São Paulo
As manifestções em São Paulo
 
Violência: produto da sociedade
Violência: produto da sociedadeViolência: produto da sociedade
Violência: produto da sociedade
 
Juventude e Violência
Juventude e ViolênciaJuventude e Violência
Juventude e Violência
 
Criminalidade e Violência
Criminalidade e ViolênciaCriminalidade e Violência
Criminalidade e Violência
 
As desigualdade sociais
As desigualdade sociaisAs desigualdade sociais
As desigualdade sociais
 
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanístico
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanísticoMaricato, e. erradicar o analfabetismo urbanístico
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanístico
 
100 DICAS ENEM PARTE 02
100 DICAS ENEM PARTE 02100 DICAS ENEM PARTE 02
100 DICAS ENEM PARTE 02
 

Mais de roberto mosca junior

Trabalho e sociedade fordismo e toyotismo
Trabalho e sociedade   fordismo e toyotismoTrabalho e sociedade   fordismo e toyotismo
Trabalho e sociedade fordismo e toyotismoroberto mosca junior
 
Cultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria culturalCultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria culturalroberto mosca junior
 
Questões de Antropologia (livro)
Questões de Antropologia (livro)Questões de Antropologia (livro)
Questões de Antropologia (livro)roberto mosca junior
 
Aula de revisão de conteúdo – 8º ano
Aula de revisão de conteúdo – 8º anoAula de revisão de conteúdo – 8º ano
Aula de revisão de conteúdo – 8º anoroberto mosca junior
 
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoAula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoroberto mosca junior
 
Racismo e miscigenação, democracia racial.
Racismo e miscigenação, democracia racial.Racismo e miscigenação, democracia racial.
Racismo e miscigenação, democracia racial.roberto mosca junior
 
Aula preconceito e discriminação
Aula preconceito e discriminaçãoAula preconceito e discriminação
Aula preconceito e discriminaçãoroberto mosca junior
 
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociais
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociaisMosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociais
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociaisroberto mosca junior
 
Constituição da república federativa do brasil
Constituição da república federativa do brasilConstituição da república federativa do brasil
Constituição da república federativa do brasilroberto mosca junior
 
texto de apoio movimentos sociais e correção do ED
texto de apoio movimentos sociais e correção do EDtexto de apoio movimentos sociais e correção do ED
texto de apoio movimentos sociais e correção do EDroberto mosca junior
 

Mais de roberto mosca junior (20)

Trabalho e sociedade fordismo e toyotismo
Trabalho e sociedade   fordismo e toyotismoTrabalho e sociedade   fordismo e toyotismo
Trabalho e sociedade fordismo e toyotismo
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
 
Cultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria culturalCultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria cultural
 
Questões de Antropologia (livro)
Questões de Antropologia (livro)Questões de Antropologia (livro)
Questões de Antropologia (livro)
 
Questões de antropologia_01
Questões de antropologia_01Questões de antropologia_01
Questões de antropologia_01
 
Antropologia alteridade
Antropologia alteridadeAntropologia alteridade
Antropologia alteridade
 
Aula de revisão de conteúdo – 8º ano
Aula de revisão de conteúdo – 8º anoAula de revisão de conteúdo – 8º ano
Aula de revisão de conteúdo – 8º ano
 
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoAula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
 
RASCISMO CIENTIFICO
RASCISMO CIENTIFICORASCISMO CIENTIFICO
RASCISMO CIENTIFICO
 
Racismo e miscigenação, democracia racial.
Racismo e miscigenação, democracia racial.Racismo e miscigenação, democracia racial.
Racismo e miscigenação, democracia racial.
 
Aula preconceito e discriminação
Aula preconceito e discriminaçãoAula preconceito e discriminação
Aula preconceito e discriminação
 
Revisão 3º tri
Revisão 3º triRevisão 3º tri
Revisão 3º tri
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
 
Discussão doc. "Atrásdaporta"
Discussão doc. "Atrásdaporta"Discussão doc. "Atrásdaporta"
Discussão doc. "Atrásdaporta"
 
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociais
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociaisMosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociais
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociais
 
Etnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismoEtnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismo
 
Constituição da república federativa do brasil
Constituição da república federativa do brasilConstituição da república federativa do brasil
Constituição da república federativa do brasil
 
texto de apoio movimentos sociais e correção do ED
texto de apoio movimentos sociais e correção do EDtexto de apoio movimentos sociais e correção do ED
texto de apoio movimentos sociais e correção do ED
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Aula 25 09_14
Aula 25 09_14Aula 25 09_14
Aula 25 09_14
 

Último

William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 

Último (20)

William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 

Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.

  • 2. Desigualdades sociais no Brasil Existem desigualdades sociais de várias ordens. Alguns cenários sobre a desigualdade: Segregação espacial No Brasil, conforme o IBGE até o final de 2006 temos: 40 milhões de domicílios registrados. 10 milhões são considerados insalubres (sem condições mínimas para viver dignamente)
  • 3. Segregação espacial Nas cidades aos menos favorecidos são reservadas as áreas mais insalubres e sujeitas a toda sorte de riscos, como enchentes e deslizamentos de terra, violência crônica. Afinal de contas onde podemos encontrar a segregação espacial: Nas Favelas Nos Cortiços Nos Casebres Nas Palafitas Nos Alagados
  • 4. Dados sobre as favelas 6,5 milhões de pessoas. 65% nas capitais São Paulo (2,07 milhões) Rio de Janeiro (1,38 milhões) Belém maior população favelada proporcionalmente 35% (581 mil)
  • 6. Tarsila do Amaral 'Morro da Favela'-1924
óleo/tela 64 X 76cm
Assin:"Tarsila 1924" 
Col. JoãoEstéfano, SP
  • 7. “Cultura do medo” A existência de uma massa de pessoas vivendo precariamente alimenta uma crescente “cultura do medo”, presente em muitos segmentos da sociedade, e justifica os movimentos de abandono da cidade e a busca de isolamento, traduzido na multiplicação de condomínios fechados.
  • 9. Vida social desigual Nestes condomínios temos uma vida social marcada pelo isolamento: Escola específica Lazer próprio Regulamento e guardas particulares Delimitando o espaço E criando uma cultura desigual
  • 10. Sociabilidade violenta Definição de Estado de Max Weber: “uma comunidade humana que pretende, com êxito, o monopólio do uso legítimo da força física dentro de determinado território”. Será que o Estado perdeu o monopólio da força? “Estado Paralelo” ou “para estado”
  • 11. Sociabilidade violenta Luis Antonio Machado Silva Os comandos não tem de ser visto como: “Estado dentro do Estado” e nem em um contexto de “Ausência de Estado” O problema é de convivência entre a ordem institucional legal e uma ordem cujo princípio norteador é a violência.
  • 12. Sociabilidade violenta Estamos vivendo uma nova sociabilidade – uma sociabilidade violenta - que rege o corpo social, afetando de forma ainda mais direta e profunda as áreas desfavorecidas economicamente. Característica da SV: Transformação da força, de meio de obtenção de interesses, no próprio princípio de coordenação das ações.
  • 13. Sociabilidade violenta Não há princípios da honra, amizade e laços de sangue. Esta Sociabilidade é fragmentada (lógica do cada um por si) “Cadeia de submissão formada pelo reconhecimento do desequilíbrio da força” (comandos) O poder não se dá por meio da negociação ou convencimento.
  • 14. Sociabilidade violenta Mas sim pelo uso da força, no mais das vezes, letal , imposta aos demais. Violência é usada para fora do grupo (cidadãos e grupos rivais) bem como no interior do próprio grupo.
  • 16. Sociabilidade violenta Dois criminosos assaltam um caixa eletrônico. Sob efeito de drogas e um deles está com uma pistola automática. Eles não tem exatamente um plano. A única coisa que sabem é que precisam escapar da polícia. O sinal de trânsito fecha e caminham na direção de um carro qualquer.
  • 17. Sociabilidade violenta Não tem interesse no carro como tal, apenas precisam de um veículo para a fuga. Na lógica da sociabilidade violenta, sempre extremamente imprevisível, há vários desfechos possíveis para essa história: Os criminosos ameaçam o motorista do carro com a pistola, este lhe entrega o carro e os criminosos conseguem escapar.
  • 18. Sociabilidade violenta O motorista do carro, paralisado de medo, não consegue sair do carro rapidamente. Os criminosos se exaltam e matam o motorista- perceba que de início não estava previsto o assassinato – e seguem em fuga. O motorista do carro também está armado e ocorre uma troca de tiros. Zona de incerteza – ninguém sabe exatamente como agir, nem mesmo os criminosos, o que acaba gerando nos cidadãos de bem uma profunda insegurança.
  • 19. Reflexões finais Não faz sentido as noções de “criminalidade organizada” e “Estado paralelo”. Muito menos que o indivíduo já nasça violento para explicar o problema da violência no Brasil. Ninguém nasce cidadão é preciso aprender a sê-lo. Da mesma maneira ninguém nasce “portador” de sociabilidade violenta. Não se trata de uma questão de caráter ou índole. Justamente porque não se trata de uma questão natural, alguém que no presente é criminoso, no futuro pode deixar de sê-lo.
  • 20. Manchetes de jornais (a violência está em todo lugar) Briga em festa de condomínio na Barra deixa seis feridos: Estudante é preso acusado de esfaquear pai e filho no Barra Summer Dream. Vítima de pitboys recebe ameaça por telefone
  • 22. Questão ENEM Esta foto, do fotógrafo mexicano Carlos Cazalis, flagra, na porta de um prédio comercial, um morador de rua que passa a noite no centro de São Paulo. (imagem premiada no World Press Photo 2009). A partir da foto e considerando as condições de vida nas grandes cidades no Brasil, é possível afirmar que a questão incorretamente é:
  • 23. Questão modelo ENEM O acesso a boas condições de moradia no Brasil está relacionado ao alto poder econômico das grandes cidades, que tende a ter um valor de custo de vida elevado nas áreas centrais e urbanizadas. Há uma tendência nas grandes cidades brasileiras, devido ao alto valor do custo de vida nas áreas centrais e urbanizadas, de isolamento das populações, confinadas a bolsões de miséria. Nas grandes cidades brasileiras, com a prática de tarifas de transportes caras e falta de integração de vários meios de transporte, a mobilidade social é dificultada e, com isso, a ascensão social das pessoas por meio de estudo e aumento de renda é um sonho distante para muitos. As favelas surgem e crescem sem planos de lotes e ruas, com frequência em terrenos públicos, às vezes acidentados e sem condições de segurança, e os governos encontram várias dificuldades para regularizar as moradias, pois cabe ao poder público cumprir as normas que ele mesmo estabeleceu . Com o processo de favelização das grandes cidades brasileiras, os moradores destas são assistidos e tem pleno acesso a direitos humanos básicos (comida, trabalho e moradia).  
  • 24. Naturalização da pobreza Justificativa no perfil da população para a condição de subalternidade: São pobres e violentos por questões “naturais” e biológicas, esta explicação apresenta um caráter preconceituoso, desconsidera o caráter sócio-cultural do indivíduo e as características do meio social no qual ele vive.
  • 25. Relação entre pobreza e violência
  • 26. Relação entre pobreza e violência
  • 29. Quem é o responsável?
  • 30. Quem é o responsável?
  • 31. Quem é o responsável?
  • 36. Violência Não uma única causa, existe um conjunto de de situações que geram a violência. Barreiras culturais para controle de natalidade, a desestruturação dos laços familiares, a a redução de oportunidades por ineficiência do sistema escolar e falta de uma política de trabalho.