O slideshow foi denunciado.

Aula - O que é PODER - Michel Foucault

227 visualizações

Publicada em

Aula elaborada para o 3 ano do ensino médio do módulo de Filosofia do Colégio Estadual Roselândia - Barra Mansa - RJ.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Aula - O que é PODER - Michel Foucault

  1. 1. Núcleo de Filosofia e Sociologia Colégio Estadual Roselândia – Barra Mansa – RJ Prof. Noe Assunção
  2. 2. Discussão coletiva da turma.
  3. 3. “Na sociedade, há milhares e milhares de relações de poder e, por conseguinte, relações de forças de pequenos enfrentamentos, microlutas, de algum modo. Se é verdade que essas pequenas relações de poder são com frequência comandadas, induzidas do alto pelos grandes poderes do Estado ou pelas grandes dominações de classe, é preciso ainda dizer que, em sentido inverso, uma dominação de classe ou uma estrutura de Estado só pode funcionar se há, na base, essas pequenas relações de poder. O que seria o poder do Estado, aquele que impõe, por exemplo, o serviço militar, se não houvesse, em torno de cada indivíduo, todo um feixe de relações de poder que o liga a seus pais, a seu patrão, a seu professor — àquele que sabe, àquele que lhe enfiou na cabeça tal ou tal ideia?” (FOUCAULT, Michel. “Poder e Saber” – entrevista com S. Hasumi, 1977, in Ditos e Escritos, Vol. IV. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006, pp.231-232 Michel Foucault - 1926 – 1984 - França
  4. 4.  Seguindo os passos de Foucault, aprendemos que: →O poder se exerce! → as relações de poder não estão em posição de superestrutura, com um simples papel de proibição ou de recondução; possuem, lá, onde atuam um papel diretamente produtor. –→que o poder vem de baixo. →não há poder que se exerça sem uma série de miras e objetivos. O poder é intencional e não subjetivo. Isso não quer dizer que provém de uma determinada pessoa, de um indivíduo.  Lembre-se de que estamos no âmbito das relações de poder e não de um poder central. →onde há poder há resistência. Nenhum poder se manteria sem uma multiplicidade de resistências. E a resistência também não nasce de um foco central revolucionário
  5. 5. A antiga era que o poder tem um centro e vem de cima. A que apresentamos hoje, para você, mostra que o poder é múltiplo, está em todos os lugares, é reversível .Pode haver resistência e conflito.
  6. 6. “Os focos de resistência disseminam-se com mais ou menos densidade no tempo e no espaço, às vezes provocando o levante de grupos ou indivíduos de maneira definitiva, inflamando certos pontos de corpo, certos momentos da vida, certos tipos de comportamento.” (FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade 1, A Vontade de Saber. Rio de Janeiro: Graal, 1987. p. 88-97.
  7. 7.  Questão 01- Cite pelo menos duas diferenças entre a concepção de poder para Foucault e a concepção mais tradicional de poder. _________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ _________
  8. 8.  Questão 02- Em junho de 2013, as ruas das principais cidades brasileiras foram tomadas pela população, em sua maioria, jovens, em uma grande mobilização popular. O protesto foi, inicialmente, contra o aumento das passagens de ônibus. Mas o levante popular trouxe outras importantes reinvindicações da sociedade brasileira. As novas tecnologias exerceram um papel fundamental no movimento que alguns chamam de a Primavera Brasileira, em comparação à primavera árabe que derrubou governos ditatoriais no oriente. Comente essa afirmação à luz da concepção de poder da aula de hoje. _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ ____________________________________________
  9. 9.  Questão 03-(FGV) A imagem que nos foi transmitida do povo brasileiro como submisso, ignorante e fanático é uma construção recente das minorias dirigentes e de seus intelectuais. (...) É necessário se aproximar do povo comum com um mínimo de realismo. Ele não pediu licença às elites para lutar por seus direitos e mostrar ser mais consciente mais politizado e mais agressivo do que as minorias esclarecidas gostariam. (Aquino, R.et.al. BRASIL: uma história popular. Rio de Janeiro: Record 2003)  De acordo com o trecho é possível afirmar que:  a) Somente as minorias são submissas.  b) A elite intelectual ajuda a desfazer a imagem do brasileiro como submisso.  C) O brasileiro não é submisso, a má qualidade da educação leva à ignorância.  d) O povo comum é submisso diferente da minoria intelectual que o dirige  e) A imagem do brasileiro como submisso é falsa

×