SlideShare uma empresa Scribd logo
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
1
2020-
Física virtual
Uma sugestão de virtualização para o ensino da
Física nos cursos de ensino profissional de nível
secundário
Ana Carneirinho
2001690@estudante.uab.pt
2020-2021
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
2
Introdução
Este curso é uma proposta de trabalho para explorar os módulos de Física da disciplina
de Física e Química dos cursos profissionais de nível secundário (não serão
contempladas as extensões de cada um dos módulos).
Destina-se a professores destes cursos que pretendam hibridizar a sua prática.
Através de atividades socioconstrutivistas e conectivistas, procurando alargar a sala de
aula ao mundo que nos é aberto pela internet, a intenção é enriquecer os ambientes de
aprendizagem e as oportunidades pedagógicas que a sociedade em rede tornam
emergentes.
Não pretendendo ser um catálogo, é uma sugestão de um processo de ensino-
aprendizagem digital que os professores poderão adaptar ao seu contexto e público-
alvo, num exercício de flexibilização essencial à inovação sustentada do ensino.
I. Objetivos e Competências
A proposta de trabalho é a planificação de todos os módulos de Física da disciplina de
Física e Química dos cursos profissionais de nível secundário, em contexto de ensino
híbrido, com especial destaque para a educação digital.
Os objetivos e competências são os elencados no programa aprovado pela Agência
Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional (ANQEP).1
Através desta disciplina, os alunos poderão desenvolver aprendizagens importantes no
que respeita à formação no domínio da Ciência, mas que a extravasam largamente por
se inserirem num quadro mais vasto de Educação para a Cidadania Democrática. São
elas:
1
Programa – componente de formação científica, disciplina de Física e Química (2007).
Direção Geral de Formação Vocacional
I. Objetivos e Competências
II. Roteiro de Conteúdos
III. Metodologia de Trabalho
IV. Recursos de Aprendizagem
V. O Ambiente de Aprendizagem
VI. Sequência das Atividades de Aprendizagem
VII. A Avaliação
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
3
- • Compreender o contributo das diferentes disciplinas para a construção do
conhecimento científico e o modo como se articulam entre si.
- • Desenvolver a capacidade de selecionar, analisar, avaliar de modo crítico,
informações em situações concretas.
- • Desenvolver capacidades de trabalho em grupo: confrontação de ideias,
clarificação de pontos de vista, argumentação e contra-argumentação na resolução de
tarefas, com vista à apresentação de um produto final.
- • Desenvolver capacidades de comunicação de ideias oralmente e por escrito.
- • Ser crítico e apresentar posições fundamentadas quanto à defesa e melhoria da
qualidade de vida e do ambiente.
- • Desenvolver o gosto por aprender.
Pretende-se ainda que os alunos desenvolvam competências que contemplem, de
forma integrada, os domínios conceptual, procedimental e atitudinal, conforme se
segue (foram selecionados os domínios respeitantes à componentes de Física).
a) Do tipo conceptual:
• Caraterizar o objeto de estudo da Física enquanto Ciências.
• Compreender conceitos e a sua interligação, leis e teorias.
• Compreender a importância de ideias centrais, tais como as leis de conservação.
• Compreender o modo como alguns conceitos se desenvolveram, bem como
algumas características básicas do trabalho científico necessárias ao seu próprio
desenvolvimento.
• Conhecer marcos importantes na História da Ciência.
• Reconhecer o impacto do conhecimento da Física e da Química na sociedade.
• Diferenciar explicação científica de não científica.
• Identificar áreas de intervenção da Física em contextos pessoais, sociais, políticos,
ambientais...
• Interpretar a diversidade de materiais existentes e a fabricar.
b) Do tipo procedimental:
• Selecionar material de laboratório adequado a uma actividade experimental.
• Construir uma montagem laboratorial a partir de um esquema ou de uma
descrição.
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
4
• Identificar material e equipamento de laboratório e explicar a sua
utilização/função.
• Manipular, com correção e respeito por normas de segurança, material e
equipamento.
• Recolher, registar e organizar dados de observações (quantitativos e qualitativos)
de fontes diversas.
• Interpretar simbologia de uso corrente em Laboratórios de Física.
• Planear uma experiência para dar resposta a uma questão – problema.
• Formular uma hipótese sobre o efeito da variação de um dado parâmetro.
• Identificar parâmetros que poderão afetar um dado fenómeno e planificar
modo(s) de os controlar.
• Analisar dados recolhidos à luz de um determinado modelo ou quadro teórico.
• Interpretar os resultados obtidos e confrontá-los com as hipóteses de partida e/ou
com outros de referência.
• Discutir os limites de validade dos resultados obtidos respeitantes ao observador,
aos instrumentos e à técnica usados.
• Reformular o planeamento de uma experiência a partir dos resultados obtidos.
• Elaborar um relatório sobre uma atividade experimental por si realizada.
• Executar, com correção, técnicas previamente ilustradas ou demonstradas.
• Exprimir um resultado com um número de algarismos significativos compatíveis
com as condições da experiência.
c) do tipo social, atitudinal e axiológico:
• Desenvolver o respeito pelo cumprimento de normas de segurança: gerais, de
proteção pessoal e do ambiente.
• Apresentar e discutir na turma propostas de trabalho e resultados obtidos.
• Utilizar formatos diversos para obter e apresentar informação, nomeadamente as
TIC.
• Refletir sobre pontos de vista contrários aos seus.
• Rentabilizar o trabalho em equipa através de processos de negociação, conciliação
e ação conjunta, com vista à apresentação de um produto final.
• Assumir responsabilidade nas suas posições e atitudes.
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
5
• Adequar ritmos de trabalho aos objetivos das atividades.
II. Roteiro de conteúdos
Nota: As extensões de cada módulo não serão contempladas neste trabalho
III. Metodologia de Trabalho
A metodologia de trabalho assenta numa perspetiva construtivista e conectivista do
conhecimento.
A proposta é de virtualização das tarefas a realizar de forma assíncrona. Vários trabalhos
práticos tradicionalmente realizados em laboratório foram substituídos por atividades
que cumprem os mesmos objetivos recorrendo a simulações eletrónicas ou a materiais
a que os alunos têm facilmente acesso. Ainda assim, alguns módulos incluem material
de laboratório específico que pode ser fundamental no percurso académico do aluno
ou abordam assuntos de complexidade conceptual elevada, pelo que, nesses casos, se
considera adequado a aposta em aula / laboratório presencial.
A metodologia idealizada é híbrida, mantendo o horário presencial, com o respetivo
acompanhamento dos professores, mas rompendo com a lógica disciplinar – aos alunos
são propostas tarefas assíncronas num plano de trabalho semanal que devem cumprir
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
6
de forma flexível com os recursos da escola. A exceção seriam determinadas aulas, já
referidas para o caso de FQ mas que podem fazer sentido noutras disciplinas, inscritas
no horário dos alunos, por exigirem competências conceptuais e procedimentais que
justifiquem a aula presencial.
O número de horas por módulo deve ser considerado como referência. Ainda assim,
numa lógica de trabalho que entra em rutura com o espartilho do tempo por disciplina,
facilmente uma tarefa de um módulo poderá ser realizada envolvendo horas de várias
disciplinas (como exemplos, o trabalho em torno de um texto pode ser comum a uma
disciplina da área científica e à disciplina de Português; a interpretação de um vídeo em
inglês pode incluir a disciplina de Língua Inglesa e outra disciplina no âmbito da qual o
vídeo é analisado; qualquer produto digital pode incorporar competências de TIC…).
Este método de trabalho adequa-se ao público-alvo, jovens com pelo menos 15 anos, já
com alguma autonomia e que, por optarem com uma via de ensino mais prática e
vocacionada para o mundo de trabalho, estarão mais recetivos a estratégias de ensino
alternativas à tradicional.
Esta metodologia ganha ainda sustentação na visão geral do programa de FQ:
Não se pretende um nível de especialização muito aprofundado, mas procura-se que os alunos
alcancem um desenvolvimento intelectual e bases de conhecimento (importantes para uma
cultura científica a construir ao longo da vida) que lhes permitam aceder, com a formação
adequada, às diferentes saídas profissionais.
As aulas deverão ser organizadas de modo a que os alunos nunca deixem de realizar tarefas em
que possam discutir pontos de vista, analisar documentos, recolher dados, fazer sínteses, formular
hipóteses, fazer observações de experiências, aprender a consultar e interpretar fontes diversas
de informação, responder a questões, formular outras questões, avaliar situações, delinear
soluções para problemas, expor ideias oralmente e/ou por escrito.
Programa – componente de formação científica, disciplina de Física e Química (2007, p. 3)
A comunicação entre professor e estudantes processa-se normalmente no espaço
virtual do sistema de gestão de aprendizagem adotado (Moodle), não estando posta de
parte, por se tratar de ensino híbrido, o acompanhamento presencial do professor em
determinadas horas por semana. Caso esta componente presencial seja dificultada por
alguma razão, outras plataformas – como as de videoconferência – podem ser usadas
como recurso de comunicação.
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
7
A ação dos estudantes assenta assim no trabalho autónomo, em que se apela à
responsabilização pela própria aprendizagem.
A ação do professor é fundamental. Morgado(2001)2 aponta como fulcrais para o
sucesso de todo o processo as seguintes categorias na ação do professor:
• a visibilidade - não só presencialmente, mas na plataforma de aprendizagem);
• o feedback - fundamental para a orientação das aprendizagens dos alunos,
• os materiais - qualidade dos recursos, planificação das atividades, design
avaliativo…,
• A permanência – monitorização do nível de participação e envolvimento dos
estudantes.
IV. Recursos de Aprendizagem
Durante o decorrer do curso serão facultados recursos online em diferentes formatos e
disponibilizados na plataforma digital.
Manuais disponíveis no mercado:
Morais, A.; Parente, F. (2020). Física - Módulos F1 / F2 - Ensino
Profissional. Porto Editora
Morais, A.; Parente, F. (2020). Física - Módulos F4 / F5 - Ensino
Profissional. Porto Editora
2
Morgado, L. (2001). O papel do professor em contextos de ensino online: Problemas e virtualidades. In
Discursos, III Série, nº especial, pp.125-138. Universidade Aberta.
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
8
Morais, A.; Parente, F. (2020). Física - Módulos F3 + F6 - Ensino
Profissional. Porto Editora
Módulo F1. Forças e Movimentos
1.Material para experiências para verificar a interação entre corpos (interações magnéticas. ímanes;
interações elétricas: pêndulos elétricos, eletroscópios; interações mecânicas: raquetes e bolas de
ténis, bolas de bilhar, etc.).
2. Software para conceção de mapas concetuais (como exemplo, Lucidchart)
3. Nearpod
4.Software de edição de vídeo (como exemplo, Lighworks)
5. Plataforma para partilha de trabalhos – Padlet.
6.Vídeo: Brian Cox visits the world’s biggest vacum | Human Universe - BBC
7. Atividade experimental recorrendo a aplicação de telemóvel Phyphox: Determinação do valor da
aceleração gravítica com a aplicação phyphox
8.Simulação online PHET: Projectile Motion
Módulo F2. Hidrostática e hidrodinâmica
1. Software para concepção de wiki (como exemplo, notion)
2. Artigo: Equação da Continuidade, Brasil Escola
3. Artigo: Equação de Bernoulli, PreParaEnem
4.Software de edição de vídeo (como exemplo, Lighworks)
Módulo F3. Luz e fontes de luz
1. Friso histórico colaborativo (como exemplo, Padlet)
2. Vídeo: Espectro Eletromagnético – O que é? | Física ep.1
3. Material para atividade experimental: espectroscópio, várias fontes de luz – gases incandescentes,
LED’s de várias cores, Lâmpadas incandescentes; Lâmpada fluorescente
4. Plataforma Geniallly
Módulo F4. Circuitos elétricos
1. Simulação online: kit de Construções de Circuitos: DC – Virtual Lab
2. Plataforma para partilha de trabalhos – Padlet.
3. Software para elaboração de um glog (como exemplo, Glogster)
4.Software de edição de vídeo (como exemplo, Lighworks)
Módulo F5. Termodinâmica
1. Plataforma para partilha de trabalhos – Padlet.
2. Artigo: Calor e Temperatura, Khan Academy
3. Plataforma para comentar colaborativamente um artigo: hypotesis
4.Artigo: E se a atmosfera desaparecesse de repente?, Megacurioso
5. Simulação online PHET: Under Pressure
6.Software para conceção de mapas concetuais (como exemplo, Lucidchart)
7. Vídeo: I Cooked a Chicken by Slapping It
8.Plataforma para partilha de trabalhos – Padlet.
9.Material de apoio ao Concurso Solar Padre Hymalaia, Ciência Viva
10. Software de edição de vídeo (como exemplo, Lighworks)
11. Fórum disponível no Moodle
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
9
Módulo F6. Som
1. Atividade experimental recorrendo a aplicação de telemóvel Phyphox: Smartphone-Experiment:
Speed of Sound
2. Plataforma colaborativa para realização de esquema sobre audição dos animais e tipo de
frequências (Glogster)
3. Atividade experimental recorrendo a aplicação de telemóvel que implemente um Sonómetro
(como exemplo Decibelímetro)
4.Plataforma para criação de infrográficos (como exemplo, Genially)
5. Criação de jogo em Kahoot
V. O Ambiente de Aprendizagem
Pretende-se criar um sistema híbrido de aprendizagem, com ambientes virtuais em
simbiose com o ambiente presencial em sala de aula.
O objetivo é integrar o ambiente físico com o online, na expectativa de alcançar o
descrito por Moreira e Horta (2020, p. 5)3 “como uma estratégia dinâmica que envolve
diferentes recursos tecnológicos, distintas abordagens pedagógicas e diferentes
tempos”. A presencialidade permite um contacto mais próximo, uma maior organização
por parte dos estudantes, uma motivação mais imediata; a forte componente virtual,
que surge como a extensão da sala de aula física, permite o enriquecimento dos
ambientes de aprendizagem através da criação de um ecossistema educativo que se
quer diversificado, flexível, interativo e estimulante.
VI. Sequência das Atividades de Aprendizagem
A tabela que se segue elenca os módulos de Física da disciplina de FQ por ordem
numérica. Tratando-se o ensino profissional de um ensino em regime modular, o
número de módulos lecionados, os módulos a lecionar e a ordem por que são lecionados
é determinado pela coordenação de curso de acordo com as caraterísticas do curso e a
otimização dos recursos existentes.
A proposta de trabalho apresentada não dispensa a leitura do programa da disciplina.
De referir que a planificação dos módulos pressupõe ter existido já uma ambientação à
tecnologia e ao sistema de comunicação online, com um trabalho de mobilização à
participação por parte dos estudantes. Esta etapa inicial está prevista no modelo E-
3
Moreira, J., Horta, M. (2020). Educação e Ambientes Híbridos de Aprendizagem. Um Processo de Inovação
Sustentada. In Revista UFG. 2020, v.20: e66027.
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
10
moderating de Salmon, sendo elencadas por Moreira, A; Henriques, S; Barros, D.;
Goulão, M; Caeiro, D. (2020, p. 12)4 como atividades fundamentais nesta fase inicial
aquelas que envolvam “a familiarização com as ferramentas”, disponibilizando-se “toda
a informação relevante à unidade curricular (…) e referente ao processo).
A ambientação referida poderá ser feita através de um módulo 0, comum até a várias
disciplinas, num período de adaptação ao modelo sugerido neste trabalho.
Da mesma forma, o eportefólio referido ao longo dos módulos é considerada uma
ferramenta de trabalho pessoal do aluno e deve ser comum às várias disciplinas,
permitindo uma visão global do trabalho e da evolução do aluno ao longo do ano.
4
Moreira, Moreira, J. A., Henriques, S., Barros, D., Goulão, F., & Caeiro, D. (2020). Educação Digital em Rede:
Princípios para o Design Pedagógico em Tempos de Pandemia. Coleção Educação a Distância e eLearning.
Lisboa: Edições Universidade Aberta.
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
11
Módulo F1. Forças e movimentos (21 horas)
Competências visadas:
• interpretar o movimento uniforme e o movimento uniformemente variado quer analiticamente quer através de gráficos posição x tempo,
velocidade x tempo, aceleração x tempo;
• compreender que do ponto de vista da Mecânica se pode estudar o movimento de um corpo em translação, estudando o movimento de um
ponto onde se concentra toda a massa do corpo;
• aplicar as leis de Newton para resolver problemas algébricos de movimento unidirecional, na horizontal e na vertical, perto da superfície da
Terra, com ou sem efeito do atrito;
• interpretar os movimentos no plano, partindo da análise do movimento de um projétil lançado obliquamente;
• analisar situações em que a direção da resultante das forças não coincide com a direção da velocidade e explicar, como consequência, os
tipos de movimento e a forma das trajetórias.
Conteúdos Estratégia Avaliação Duração
1. A Física estuda interações entre corpos
1.1. Interações fundamentais
1.2. Lei das ações recíprocas
Tarefa 1
1. Verificar, em sala de aula, através de experiências
montadas em várias mesas, as interações entre corpos.
2. Criação, em pequeno grupo, de um mapa conceptual
sobre os três tipos de forças fundamentais.
3. Visualização de um Nearpod sobre a 3ª Lei de Newton
e resolução dos respetivos exercícios.
Participação na
atividade prática
Mapa conceptual
Nearpod
(formativo)
2 horas
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
12
2. Movimento unidimensional com velocidade constante
2.1. Características do movimento unidimensional
2.2. Movimento uniforme
2.3. Lei da inércia
Tarefa 2
1. Aula presencial sobre os fundamentos do movimento
unidimensional.
2. Identificação, em grupo, de um movimento
unidimensional descrevê-lo por palavras e através de um
gráfico posição-tempo. Cálculo de velocidades no
movimento descrito.
3. Pesquisar sobre o que consiste a Lei da Inércia e fazer,
em pequeno grupo, um pequeno vídeo que comprove essa
lei na prática.
4. Publicar a descrição e o vídeo na plataforma Padlet.
Participação em
sala de aula
Participação na
plataforma Padlet
6 horas
3. Movimento unidimensional com aceleração constante
3.1. Movimento uniformemente variado
3.2. Lei fundamental da Dinâmica
Tarefa 3
1. Aula presencial sobre os fundamentos do movimento
unidimensional com aceleração constante.
3. Como cairiam os corpos apenas por ação da gravidade,
sem resistência do ar? Visualizar o vídeo:
https://www.youtube.com/watch?v=E43-CfukEgs
3. Medição da aceleração gravítica recorrendo a um
telemóvel e à aplicação Phyphox.
https://www.youtube.com/watch?v=TraWBZuXZV8
4. Publicar no portefólio o relatório da atividade
experimental realizada.
Participação em
sala de aula
Relatório de
atividade
4 horas
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
13
4. Introdução ao movimento no plano Tarefa 4
1. Aula presencial sobre os fundamentos do movimento no
plano.
2. Explorar a simulação Projectile Motion:
https://phet.colorado.edu/pt/simulation/projectile-motion
3. Criar um artefacto digital que inclua os conceitos
necessários para compreender e que explique uma
situação criada em ambiente de simulação.
Participação em
sala de aula
Artefacto digital
9 horas
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
14
Módulo F2. Hidrostática e hidrodinâmica (21 horas)
Competências visadas:
• compreender a noção de fluido e a respetiva classificação, em termos das suas propriedades físicas;
• aplicar a lei fundamental da hidrostática e os princípios de Pascal e de Arquimedes a situações do dia-a-dia;
• conhecer os tipos de movimento mais comuns associados à dinâmica dos fluidos e ao seu escoamento;
• compreender a equação da continuidade e a lei de Bernoulli;
• desenvolver competências de tipo processual ligadas a equipamento diversificado (manómetros, barómetros e debitómetros - Pitot e
Venturi), cujo princípio de funcionamento se baseia nos conceitos apresentados.
Conteúdos Estratégia Avaliação Duração
1. Estática dos fluidos
1.1 Os fluidos e sua classificação
1.2 Comportamento de um gás ideal
1.3 Lei fundamental da hidrostática
1.4 Princípio de Pascal
1.5 Princípio de Arquimedes
Tarefa 1
1. Preparar, em grupo, uma apresentação oral sobre um
dos seguintes temas:
- Expansão dos gases por aquecimento.
- Isotropia dos fluidos, recorrendo a membranas
manométricas.
- Princípio de Arquimedes
- Princípio dos vasos comunicantes.
2. Apresentar oralmente o trabalho.
Apresentação
oral
6 horas
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
15
Tarefa 2
1. Construir em grupo-turma uma wiki sobre Arquimedes e
o seu contributo para a Ciência.
Participação em
wiki
6 horas
2. Dinâmica dos fluidos
2.1 Classificação do movimento de um fluido
2.2 A lei da conservação da massa e a equação da
continuidade
2.3 A lei da conservação da energia e a lei de Bernoulli
Tarefa 3
1. Aula presencial experimental onde se explique a
funcionalidade vários equipamentos como manómetros,
barómetros e debitómetros - Pitot e Venturi
2. Ler os seguintes artigos:
Equação da continuidade, Brasil escola
https://brasilescola.uol.com.br/fisica/equacao-
continuidade.htm
Equação de Bernouli, PreParaEnem
https://www.preparaenem.com/fisica/equacao-
bernoulli.htm
3. Realizar, em grupo, uma experiência em que se
verifique a lei de Bernoulli.
4. Documentar e explicar a experiência realizada em
vídeo.
Participação em
sala de aula
Vídeo
9 horas
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
16
Módulo F3. Luz e fontes de luz (12 horas)
Competências visadas:
• identificar as várias etapas do conhecimento da natureza da luz e os princípios de funcionamento de fontes de luz comuns;
• relacionar os conceitos de luz e cor.
Conteúdos Estratégia Avaliação Duração
1. Natureza da Luz
1.1 Evolução histórica dos
conhecimentos sobre a luz
1.2 Espectro electromagnético
Tarefa 1
1. Investigar sobre a evolução histórica dos conhecimentos sobre a luz e
colaborar na elaboração de um friso histórico online com os factos
recolhidos.
2. Visualizar o vídeo Espectro Eletromagnético – O que é?
https://www.youtube.com/watch?v=1Eoekw4MPAo
3. Criar em grupo um cartaz que inclua a informação do vídeo.
Participação
no friso
histórico
online
Cartaz
6 horas
2. Radiação e fontes de luz visível
2.1 Origem microscópica da luz
2.2 Tipos de fontes luminosas
Tarefa 2
1. Aula presencial experimental onde se observe com o espectroscópio de
bolso espectros de riscas emitidos por: - Gases incandescentes; LED’s de
várias cores; Lâmpada incandescente; Lâmpada fluorescente.
2. Desenvolva uma apresentação na plataforma genial.ly que contenha:
- uma lista das fontes emissoras de luz visível utilizadas na iluminação das
casas.
- a descrição do princípio de funcionamento das lâmpadas referidas.
- a indicação de quais as lâmpadas mais eficientes.
Participação
em sala de
aula
genial.ly
6 horas
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
17
Módulo F4. Circuitos elétricos (18 horas)
Competências visadas:
• compreender que a corrente elétrica constitui uma forma de transporte de energia, identificando dispositivos que permitem transformar em
energia elétrica outras formas de energia;
• compreender as leis dos circuitos elétricos que permitem transportar a energia elétrica até aos locais de consumo;
• compreender que a variação de um campo magnético pode conduzir à criação de uma corrente elétrica num circuito e que este fenómeno
está na base dos geradores existentes nas centrais hidroelétricas e térmicas.
Conteúdos Estratégia Avaliação Duração
1. A corrente eléctrica como forma de
transferência de energia
1.1 Geradores de corrente eléctrica
1.2 Potencial eléctrico
1.3 Circuitos eléctricos
1.4 Lei de Joule
Tarefa 1
1. Aula presencial sobre conceitos básicos de eletricidade.
2. Explorar a relação entre tensão, corrente e resistência através da
simulação https://phet.colorado.edu/pt/simulation/circuit-construction-kit-dc-
virtual-lab
3. Partilhar em Padlet uma imagem de um circuito obtido na simulação
anterior constituído por uma pilha, um interruptor, uma lâmpada, um
amperímetro que meça a corrente elétrica e um voltímetro que meça a
tensão elétrica aos terminais da lâmpada. Recorrer à lei de Ohm para
relacionar quantitativamente a resistência da lâmpada, a corrente que a
atravessa e a tensão aos seus terminais.
5. Criar um glog que explique em que consiste o efeito de Joule e que
apresente exemplos em que esse efeito é útil e em que é indesejável.
Participação
em sala de
aula
Partilha em
Padlet
Glog
9 horas
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
18
2. Indução electromagnética
2.1 Força magnética
2.2 Campo magnético
2.3 Fluxo do campo magnético
2.4 Corrente eléctrica induzida
2.5 Corrente eléctrica alternada
2.6 Transformadores
Tarefa 2
1. Aula presencial sobre indução eletromagnética.
2. Criar, em grupo, a maquete de um gerador ou transformador e documentar
esse trabalho em vídeo.
3. Publicar o vídeo no portefólio digital.
Participação
em sala de
aula
Genial.ly
6 horas
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
19
Módulo F5. Termodinâmica (21 horas)
Competências visadas:
• compreender a linguagem própria da Termodinâmica e interpretar as suas Leis;
• interpretar acontecimentos do dia-a-dia através das Leis da Termodinâmica;
• perspetivar a evolução histórica da Termodinâmica;
• discutir resultados experimentais.
Conteúdos Estratégia Avaliação Duração
1. Sistemas termodinâmicos
1.1 O que é um sistema
termodinâmico
1.2 Fronteiras de um sistema
termodinâmico
1.3 Processos termodinâmicos
Tarefa 1
1.Pesquisa em pequeno grupo sobre:
• O que é um sistema termodinâmico?
• O que se entende por fronteira de um sistema
termodinâmico?
• Dar dois exemplos de sistemas termodinâmicos, justificando
porque se podem considerar sistemas termodinâmicos.
2. Partilha no Padlet com o resultado da pesquisa realizada
https://padlet.com/acarneirinho/zp39xok5ipn5spr9
Participação no Padlet 2 horas
2. Variáveis de estado
2.1 Breve história da termodinâmica
2.2 Temperatura
2.3 Pressão e volume
2.4 Energia interna
Tarefa 2
1. Resumo dos conceitos adquiridos a partir da leitura de artigo
sobre calor, temperatura e história da termodinâmica. Os alunos
devem referir as ideias mais importantes do artigo e fazer
comentários às observações dos colegas.
Participação na
plataforma Hypotesis
2 horas
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
20
https://via.hypothes.is/https://pt.khanacademy.org/science/7-
ano/temperatura-calor-conducao-termica/termologia/a/calor-e-
temperatura
Tarefa 3
1. Ler o artigo E se a atmosfera desaparecesse de repente?
https://www.megacurioso.com.br/fim-do-mundo/98896-e-se-a-
atmosfera-desaparecesse-de-repente.htm
2. Explorar a simulação PHET Under Pressure:
https://phet.colorado.edu/pt/simulation/under-pressure
A partir da simulação, e recorrendo ao manómetro disponível no
simulador, verificar quais os fatores de que depende a pressão
exercida por um fluido.
3. Escrever em grupo um artigo que refira:
• A que se deve a pressão atmosférica?
• Unidade de pressão;
• Fatores de que depende a pressão exercida por um fluido.
Não esquecer a referência a fontes de informação usadas.
4. Publicar o artigo no portefólio pessoal.
Artigo realizado 2 horas
3. Transferências de energia sob a
forma de calor
3.1 Mecanismos de transferência
de energia sob a forma de calor
3.2 Condutores e isoladores do
calor
Tarefa 4
1. Aula presencial sobre mecanismos de transferência de calor.
2. Criar um mapa conceptual que relacione os mecanismos e
transferências de calor.
Mapa conceptual 2 horas
Tarefa 5
1. Aula presencial sobre 1ª e 2ª Leis da Termodinâmica.
Participação no Padlet 2 horas
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
21
3.3 Primeira Lei da Termodinâmica
3.4 Segunda Lei da Termodinâmica
2. Visualizar o vídeo I Cooked a Chicken by Slapping It
https://www.youtube.com/watch?v=LHFhnnTWMgI
3. Partilha no Padlet de um exemplo do dia a dia que ilustre a 1ª Lei
da Termodinâmica e outro exemplo que ilustre 2ª Lei da
Termodinâmica, fazendo um comentário a cada um dos exemplos
indicados.
https://padlet.com/acarneirinho/qa7fha7b5n6ij5gr
Tarefa 6
1. Criar um forno solar aplicando as aprendizagens realizadas e
justificando as suas opções relativamente a materiais e à forma do
forno.
Material de apoio:
Vídeo Solar Cooking | National Geographic:
https://www.youtube.com/watch?v=Ofn7jqPDTeY
Recorrer ao material de apoio ao Concurso Solar Padre Himalaya do
Ciência Viva
https://webstorage.cienciaviva.pt/public/pt.cienciaviva.io/
recursos/files/guia7_1517439385c1a7.pdf
2. Idealizar e aplicar na prática um teste ao forno que avalie a sua
eficiência.
3. Documentar a construção do forno através de uma produção em
forma de vídeo, onde se justifiquem as suas opções construtivas e
se explique o teste prático realizado.
4. Partilhar o link do vídeo no portefólio pessoal.
Vídeo produzido
Participação em fórum
Autoavaliação
Avaliação pelos pares
11 horas
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
22
5. Partilhar o link do vídeo no fórum e comentar os vídeos criados
pelos colegas.
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
23
Módulo F6. Som (18 horas)
Competências visadas:
• identificar as grandezas principais que descrevem as ondas sonoras;
• interpretar as impressões sonoras detectadas pela audição ou por dispositivos mecânicos ou electrónicos como resultantes de vibrações de
partículas, que se propagam no espaço através de ondas.
Conteúdos Estratégia Avaliação Duração
1. Som
1.1. Sistemas vibratórios
1.2. Ondas
1.3. A intensidade do som e a audição
1.4. Ressonância, batimentos
Tarefa 1
1. Aula presencial sobre conceitos básicos sobre ondas sonoras.
2. Medição, em grupo, da velocidade do som no ar recorrendo a um
telemóvel e à aplicação Phyphox.
https://www.youtube.com/watch?v=uoUm34CnHdE
3. Publicar no portefólio o relatório da atividade experimental realizada.
Participação
em sala de
aula
Relatório
experimental
6 horas
Tarefa 2
1. Completar, em colaboração com a turma, um espetro sonoro que inclua os
infrassons, sons audíveis e ultrassons, referindo quais as frequências
ouvidas por diferentes animais.
Participação
em espetro
sonoro
2 horas
Tarefa 3
1. Recorrendo a uma aplicação de telemóvel que inclua um sonómetro,
medir a intensidade sonora de diversos locais (estrada movimentada, sala de
aula, café…) e criar um infográfico com os resultados indicando os efeitos de
tais intensidades sonoras na saúde humana.
Infográfico 6 horas
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
24
Tarefa 4
1. Realizar um kahoot que inclua perguntas relacionadas com a matéria
explorada neste módulo.
Kahoot 4 horas
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
25
VII. Avaliação
A avaliação assume o regime de avaliação contínua com especial relevância para a
avaliação formativa.
Na metodologia proposta, a avaliação formativa pode ser dada por qualquer professor
à medida que as tarefas são desenvolvidas em tempo de escola, não se limitando ao
feedback (necessário e fundamental para a orientação das aprendizagens) que o
professor da disciplina deve fornecer no final de cada tarefa.
Tratando-se do ensino profissional, a avaliação deve ser modular e respeitar os critérios
de avaliação gerais da escola.
É dado um exemplo possível de critérios de avaliação específicos para o módulo F5.
Termodinâmica. O recurso a rubricas para proceder à avaliação dos diversos
instrumentos de avaliação justifica-se por se considerar que este é um método de
avaliação que agiliza o processo de feedback, permitindo ao aluno não só compreender
o que se espera dele no início da aprendizagem, como “nivelar” a sua prestação
identificando as suas fragilidades e o que deve melhorar, potenciando um processo de
metacognição por parte do estudante.
Objeto de
avaliação
Atitudes
(10%)
Trabalhos realizados
ao longo do módulo
(40%)
Projeto
(50%)
Intrumentos
de avaliação
Grelha de
observação
holística
• Participação em
Padlet (2X)
• Participação na
plataforma Hypotesis
• Redação de artigo
• Mapa conceptual
• Vídeo (30%)
• Comentários
em fórum (10%)
• Autoavaliação
e avaliação pelos
pares (10%)
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
26
Rubricas para avaliação dos instrumentos utilizados
Atitudes – grelha de observação holística
Critérios
Atitudes
Classificação
Muito Bom
O aluno realiza o trabalho de forma empenhada e concentrada, é cumpridor, relaciona-se
muito adequadamente com os colegas e professores
Bom
O aluno realiza o trabalho de forma empenhada, mas distrai-se com facilidade, tendo de ser
chamado por vezes à atenção para se focar no trabalho. É cumpridor e relaciona-se muito
adequadamente com os colegas e professores
Suficiente
O aluno realiza o trabalho de forma empenhada, mas distrai-se com facilidade, tendo de ser
chamado muitas vezes à atenção para se focar no trabalho. Nem sempre é cumpridor mas
relaciona-se adequadamente com os colegas e professores
Insuficiente
O aluno realiza o trabalho de forma pouco empenhada. Distrai-se facilmente. Nem sempre é
cumpridor e por vezes não se relaciona de forma adequada com os colegas e professores
Muito
insuficiente
O aluno não se empenha no trabalho
OU
O aluno relaciona-se geralmente de forma desadequada com os colegas e/ou professores.
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
27
Rubrica para avaliar a participação no Padlet, Fórum e Hypotesis
Critérios Iniciativa e prontidão
10%
Relevância dos conteúdos
40%
Clareza das respostas
20%
Correção linguística
10%
Contribuição para a comunidade de
aprendizagem
20%
Classificação
Muito Bom
Responde por sua iniciativa a todos os tópicos
apresentados para discussão. Cumpre sempre os
prazos definidos. Em cada tópico apresentado,
comenta, pelo menos, duas publicações dos
colegas sem reduzir o seu contributo a uma mera
concordância ou discordância ou a “emojis”. (10)
As respostas e os comentários dados
relacionam-se com os tópicos apresentados
e mobilizam conhecimento articulado,
relevante e aprofundado e com recursos a
fontes variadas.
Apresenta uma perspetiva crítica dos temas
explorados. (40)
Exprime sempre as
ideias e opiniões de
forma clara, concisa e
articulada. (20)
Redige com correção
linguística, vocabulário
adequado e variado, e
num registo de língua
adequado. (10)
Motiva e reorienta a discussão do
grupo de forma eficaz, contribuindo
muito positivamente para a criação
de uma comunidade de
aprendizagem colaborativa. Resolve
conflitos com eficácia (se aplicável).
(20)
Bom
Responde por sua iniciativa a todos os tópicos
apresentados para discussão. Cumpre quase
sempre os prazos definidos. Em cada tópico
apresentado, comenta, pelo menos, uma
publicação de um colega sem reduzir o seu
contributo a uma mera concordância ou
discordância ou a “emojis”. (8)
As respostas e os comentários dados
relacionam-se com os tópicos apresentados
e mobilizam conhecimento articulado,
relevante e globalmente aprofundado.
Por vezes, apresenta uma perspetiva crítica
dos temas explorados. (30)
Exprime ideias e
opiniões de forma
clara, concisa e
globalmente articulada.
(15)
Embora com falhas
pontuais, redige com
correção linguística,
vocabulário apropriado,
mas pouco variado, e
num registo de língua
adequado. (8)
Motiva e reorienta a discussão do
grupo, muitas vezes de forma eficaz,
contribuindo para a criação de uma
comunidade de aprendizagem
colaborativa. Ajuda a resolver
conflitos (se aplicável). (15)
Suficiente
Responde à maioria dos tópicos apresentados para
discussão. Na maior parte das vezes, cumpre os
prazos definidos. (5)
As respostas e os comentários dados
relacionam-se com os tópicos apresentados
e mobilizam informação relevante, mas nem
sempre aprofundada. (20)
Exprime ideias e
opiniões de forma
globalmente clara, mas
nem sempre concisa e,
por vezes, com lacunas
que não afetam a
compreensão. (10)
Embora com algumas
falhas recorrentes, redige
com correção linguística,
vocabulário apropriado,
mas pouco variado, e
num registo de língua
nem sempre adequado.
(5)
Por vezes, motiva ou reorienta a
discussão do grupo. Por vezes,
ajuda a resolver conflitos (se
aplicável). (10)
Insuficiente
Responde pontualmente a alguns dos tópicos
apresentados para discussão. Poucas vezes
cumpre os prazos. (3)
A maior parte dos contributos mobiliza pouca
informação, é superficial e não contribui para
a compreensão dos temas tratados. (10)
Exprime ideias e
opiniões de forma
pouco clara e concisa,
com lacunas que
afetam a compreensão.
(5)
Redige com pouca
correção linguística, com
vocabulário e num registo
de língua geralmente
inadequados. (3)
Contribui muito pontualmente para o
esforço do grupo.
OU
É conflituoso (no teor dos
comentários e/ou na linguagem
utilizada). (5)
Muito
insuficiente
Não responde nem comenta a(os) tópicos
apresentados e (a) publicações dos colegas.
OU
Responde muito pontualmente e de forma
desajustada. (0)
Não responde ou comenta.
OU
Os contributos não se relacionam com o
tema tratado ou são superficiais. (0)
As ideias e opiniões,
quando apresentadas,
são confusas e
desconexas. (0)
Redige com falhas graves
ao nível linguístico, com
vocabulário e num registo
de língua inadequados.
(0)
Não participa.
OU
Participa muito pontualmente sem
contribuir para a discussão do
grupo.
Provoca ou gera conflitos. (0)
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
28
Rubrica para avaliar a produção escrita
Critérios Qualidadade da informação
50%
Correção linguística
30%
Referências bibliográficas
20%
Classificação
Muito Bom
Sumaria o artigo de forma clara e
sintética.
Identifica os conceitos
fundamentais. (50)
Utiliza os termos de forma precisa.
Redige com correção ortográfica,
gramatical e de pontuação ou
comete erros muito pontuais. (30)
Respeita as normas de citação e
de referenciação bibliográfica. (20)
Bom
Sumaria o artigo de forma clara,
nem sempre sintética.
Identifica os conceitos
fundamentais com imprecisões
pontuais (38)
Utiliza os termos geralmente com
precisão.
Comete, de forma pontual, erros
ortográficos, gramaticais e de
pontuação, mas não impedem a
compreensão do texto. (23)
Respeita, com erros pontuais, as
normas de citação e de
referenciação bibliográfica. (15)
Suficiente
Apresenta pouca clareza no
sumário do artigo.
Identifica a maior parte dos
conceitos fundamentais... (25)
Utiliza termos genéricos não
específicos da disciplina.
Comete alguns erros ortográficos,
gramaticais e de pontuação, mas
que não impedem a compreensão
global do texto. (15)
Respeita, na maior parte das
vezes, as normas de citação e de
referenciação bibliográfica. (10)
Insuficiente
Apresenta pouca clareza no
sumário do artigo.
Não identifica a maior parte dos
conceitos (13)
Utiliza termos genéricos e vagos.
Comete erros ortográficos,
gramaticais e de pontuação que
dificultam a compreensão do texto.
(8)
Comete erros sistemáticos nas
normas de citação e de
referenciação bibliográfica. (5)
Muito
insuficiente
Não apresenta o trabalho.
Ou
Não respeita o solicitado. (0)
Utiliza de forma inadequada os
termos.
Contém erros que inviabilizam a
compreensão do texto. (0)
Não apresenta referências
bibliográficas. (0)
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
29
Rubrica para avaliar o mapa conceptual
Critérios Cumprimento
10%
Uso de Conceitos
30%
Relação entre conceitos
30%
Clareza
20%
Criatividade
10%
Classificação
Muito Bom
O formando cumpriu com a
atividade proposta dentro dos
prazos notificados. (10)
Todos os principais conceitos
são referenciados, seguindo
uma hierarquia
estruturalmente relevante.
(30)
Todos os conceitos de
vinculam de forma coerente,
por meio de uma palavra de
ligação. (30)
Fácil de ler, claro e preciso,
demonstrando domínio e
compreensão do assunto.
(20)
Mostra-se organizado,
atrativo e inovador. (10)
Bom
O formando cumpriu com a
atividade proposta, com um
atraso ligeiro, mas justificado.
(8)
Os principais conceitos são
referenciados, mas com uma
hierarquia estruturalmente
pouco relevante. (20)
Alguns conceitos não se
vinculam correntemente por
palavras de ligação.
(20)
Fácil leitura, demonstrando
um domínio parcial do
assunto. (15)
Mostra-se organizado e
atrativo. (8)
Suficiente
O formando cumpriu com a
atividade proposta com
atraso ligeiro, mas justificado
com precedência. (5)
São referenciados alguns dos
principais conceitos, com
uma hierarquia relevante.
(15)
Metade dos conceitos não se
vinculam correntemente por
meio de palavras de ligação.
(15)
De difícil leitura, mas
demonstrando uma
compreensão média do
assunto. (10)
Mostra-se organizado, mas
pouco atrativo. (5)
Insuficiente
O formando cumpriu com a
atividade proposta, fora do
atraso, justificando à
posteriori. (3)
São referenciados alguns dos
principais conceitos
importantes, mas sem uma
hierarquia relevante. (10)
Os conceitos não se vinculam
correntemente por meio de
palavras de ligação.
(10)
De difícil leitura, não
demonstrando compreensão
do assunto. (5)
Mostra-se pouco organizado,
nãos sendo atrativo. (3)
Muito
Insuficiente
O formando cumpriu com a
atividade proposta, fora do
atraso, mas sem justificação.
(0)
Não há referência aos
principais conceitos. (0)
Não há recurso a palavras de
ligação. (0)
Incompreensível,
demonstrando nenhum
domínio sobre o assunto. (0)
Não é organizado, nem
atrativo. (0)
Adaptado Marriott e Torres (2008, em Amante, 2016)
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
30
Rubrica para avaliar o vídeo produzido
Critérios Qualidade do trabalho
construtivo
40%
Conceitos mobilizados
30%
Clareza
20%
Criatividade
10%
Classificação
Muito Bom
O forno construído revela
muito empenho e cuidado
nos pormenores. (40)
Demonstra ter levado em conta os três
processos de transmissão de calor na
concepção do forno. O teste realizado é
adequado. (30)
Fácil de compreender, claro e
preciso, demonstrando domínio e
compreensão do assunto. (20)
O vídeo usa técnicas
inovadoras, é muito atrativo e
com qualidade visual e de
som. (10)
Bom
O forno construído revela
empenho registando-se
alguns pormenores
construtivos de menor
qualidade, sem desvalorizar o
trabalho como um todo. (30)
Demonstra ter levado em conta dois
processos de transmissão de calor na
concepção do forno. O teste realizado é
adequado. (23)
É fácil de compreender, mas
demonstra um domínioapenas parcial
do assunto. (15)
O vídeo é atrativo e com
qualidade visual e de som. (8)
Suficiente
O forno construído revela um
trabalho menos perfeito, sem
cuidado nos pormenores,
mas funcional. (20)
Demonstra ter levado em conta apenas um
dos processos de transmissão de calor na
concepção do forno. O teste realizado é
adequado.
OU
Demonstra ter levado em contra mais que
um processos de transmissão de calor mas
não realiza teste ao forno (15)
Confuso, de difícil comprensão, mas
demonstrando uma compreensão
média do assunto. (10)
O vídeo apresenta algumas
fragilidades ao nível visual ou
de som. (5)
Insuficiente
O forno construído revela-se
muito pouco funcional e
realizado de forma
descuidada. (10)
Demonstra ter levado em conta apenas um
dos processos de transmissão de calor na
concepção do forno mas não realiza teste
ao forno
OU
Não demonstra ter levado em conta nenhum
dos processos de transmissão de calor. O
teste realizado é adequado. (8)
Confuso, não demonstrando
compreensão do assunto. (5)
O vídeo apresenta fragilidades
ao nível visual e de som,
comprometendo a sua
compreensão. (3)
Muito
Insuficiente
O forno construído não é
possível de ser utilizado (0)
Não demonstra ter levado em conta nenhum
dos processos de transmissão de calor. Não
realiza teste ao forno. (0)
Incompreensível, demonstrando
nenhum domínio sobre o assunto. (0)
A qualidade visual e do som
torna o vídeo incompreensível.
(0)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ficha elaborada na disciplina de STC
ficha elaborada na disciplina de STCficha elaborada na disciplina de STC
ficha elaborada na disciplina de STC
mariajoao500
 
Ufcd 0584 sistemas de custeio
Ufcd 0584 sistemas de custeioUfcd 0584 sistemas de custeio
Ufcd 0584 sistemas de custeio
Manuais Formação
 
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdf
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdfManual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdf
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdf
ssuser8ed845
 
8º ano ciencias diagnostico
8º ano ciencias diagnostico8º ano ciencias diagnostico
8º ano ciencias diagnostico
Atividades Diversas Cláudia
 
Portefólio RVCC
Portefólio RVCCPortefólio RVCC
Portefólio RVCC
João Lima
 
Despesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicasDespesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicas
rene-de-jesus
 
Propriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicasPropriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicas
Isadora Girio
 
Teoria dos orbitais moleculares
Teoria dos orbitais molecularesTeoria dos orbitais moleculares
Teoria dos orbitais moleculares
Alex Junior
 
Ficha de Trabalho 1
Ficha de Trabalho 1Ficha de Trabalho 1
Ficha de Trabalho 1
Isaura Mourão
 
Reflexão - CLCLEI
Reflexão - CLCLEIReflexão - CLCLEI
Reflexão - CLCLEI
Sizes & Patterns
 
Maquinas simples-cris
Maquinas simples-crisMaquinas simples-cris
Maquinas simples-cris
cristbarb
 
Placa mãe e seus componentes
Placa mãe e seus componentesPlaca mãe e seus componentes
Placa mãe e seus componentes
Ronaldo Mello
 
Sou Técnica Administrativa, o livro portfólio.
Sou Técnica Administrativa, o livro portfólio.Sou Técnica Administrativa, o livro portfólio.
Sou Técnica Administrativa, o livro portfólio.
luciardeus
 
FT Módulo 576
FT Módulo 576FT Módulo 576
FT Módulo 576
Raquel Silva
 
07 meio interno
07 meio interno07 meio interno
07 meio interno
ruiricardobg
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
Rebeca Vale
 
Evolução da Informática - Resumo
Evolução da Informática - ResumoEvolução da Informática - Resumo
Evolução da Informática - Resumo
prapina
 
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandes
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandesClc 7 reflexão_sílvia_fernandes
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandes
SILVIA G. FERNANDES
 
10 OrientaçãO Para A ElaboraçãO Do Pra
10 OrientaçãO Para A ElaboraçãO Do Pra10 OrientaçãO Para A ElaboraçãO Do Pra
10 OrientaçãO Para A ElaboraçãO Do Pra
João Lima
 
Ficha de trabalho 1 modulo 1
Ficha de trabalho 1   modulo 1Ficha de trabalho 1   modulo 1
Ficha de trabalho 1 modulo 1
escola e.b.2,3/S pintor josé de brito
 

Mais procurados (20)

ficha elaborada na disciplina de STC
ficha elaborada na disciplina de STCficha elaborada na disciplina de STC
ficha elaborada na disciplina de STC
 
Ufcd 0584 sistemas de custeio
Ufcd 0584 sistemas de custeioUfcd 0584 sistemas de custeio
Ufcd 0584 sistemas de custeio
 
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdf
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdfManual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdf
Manual de Contabilidade Analítica - Volume I.pdf
 
8º ano ciencias diagnostico
8º ano ciencias diagnostico8º ano ciencias diagnostico
8º ano ciencias diagnostico
 
Portefólio RVCC
Portefólio RVCCPortefólio RVCC
Portefólio RVCC
 
Despesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicasDespesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicas
 
Propriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicasPropriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicas
 
Teoria dos orbitais moleculares
Teoria dos orbitais molecularesTeoria dos orbitais moleculares
Teoria dos orbitais moleculares
 
Ficha de Trabalho 1
Ficha de Trabalho 1Ficha de Trabalho 1
Ficha de Trabalho 1
 
Reflexão - CLCLEI
Reflexão - CLCLEIReflexão - CLCLEI
Reflexão - CLCLEI
 
Maquinas simples-cris
Maquinas simples-crisMaquinas simples-cris
Maquinas simples-cris
 
Placa mãe e seus componentes
Placa mãe e seus componentesPlaca mãe e seus componentes
Placa mãe e seus componentes
 
Sou Técnica Administrativa, o livro portfólio.
Sou Técnica Administrativa, o livro portfólio.Sou Técnica Administrativa, o livro portfólio.
Sou Técnica Administrativa, o livro portfólio.
 
FT Módulo 576
FT Módulo 576FT Módulo 576
FT Módulo 576
 
07 meio interno
07 meio interno07 meio interno
07 meio interno
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
 
Evolução da Informática - Resumo
Evolução da Informática - ResumoEvolução da Informática - Resumo
Evolução da Informática - Resumo
 
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandes
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandesClc 7 reflexão_sílvia_fernandes
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandes
 
10 OrientaçãO Para A ElaboraçãO Do Pra
10 OrientaçãO Para A ElaboraçãO Do Pra10 OrientaçãO Para A ElaboraçãO Do Pra
10 OrientaçãO Para A ElaboraçãO Do Pra
 
Ficha de trabalho 1 modulo 1
Ficha de trabalho 1   modulo 1Ficha de trabalho 1   modulo 1
Ficha de trabalho 1 modulo 1
 

Semelhante a Guia Pedagógico- Hibridização dos módulos de Física da disciplina de FQ dos cursos profissionais

Apresentaçãocurso
ApresentaçãocursoApresentaçãocurso
Apresentaçãocurso
Florise Abreu Seabra
 
Formacao projeto uca modulo 3 puc sp
Formacao projeto uca modulo 3 puc spFormacao projeto uca modulo 3 puc sp
Formacao projeto uca modulo 3 puc sp
Renata Aquino
 
Apresentação presencial
Apresentação   presencialApresentação   presencial
Apresentação presencial
anamariadis
 
Plano%20final%20 maria%20emilia
Plano%20final%20 maria%20emiliaPlano%20final%20 maria%20emilia
Plano%20final%20 maria%20emilia
tecampinasoeste
 
Plano%20final%20 maria%20emilia
Plano%20final%20 maria%20emiliaPlano%20final%20 maria%20emilia
Plano%20final%20 maria%20emilia
tecampinasoeste
 
Guia de Aprendizagem - Matemática - 1ª Série.pptx
Guia de Aprendizagem - Matemática - 1ª Série.pptxGuia de Aprendizagem - Matemática - 1ª Série.pptx
Guia de Aprendizagem - Matemática - 1ª Série.pptx
VibezoneXapado
 
1203078170 an2 qimfc_profs
1203078170 an2 qimfc_profs1203078170 an2 qimfc_profs
1203078170 an2 qimfc_profs
Abel Antunes
 
Grupo ômega quase pronto
Grupo ômega   quase prontoGrupo ômega   quase pronto
Grupo ômega quase pronto
lucienejade
 
Conteúdos multimédia para formação e eLearning
Conteúdos multimédia para formação e eLearningConteúdos multimédia para formação e eLearning
Conteúdos multimédia para formação e eLearning
luciafmoreira
 
SLIDES PROJETOS INTEGRADORES.pptx
SLIDES PROJETOS INTEGRADORES.pptxSLIDES PROJETOS INTEGRADORES.pptx
SLIDES PROJETOS INTEGRADORES.pptx
Eliane Gomes
 
SLIDES PROJETOS INTEGRADORES.pptx
SLIDES PROJETOS INTEGRADORES.pptxSLIDES PROJETOS INTEGRADORES.pptx
SLIDES PROJETOS INTEGRADORES.pptx
Eliane Gomes
 
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC
Enilton Ferreira Rocha
 
Formação Brasil UCA
Formação Brasil UCAFormação Brasil UCA
Formação Brasil UCA
Otilia Regina Reis Mozer
 
O ENSINO DE ENGENHARIA NO BRASIL NO SÉCULO XXI
O ENSINO DE ENGENHARIA NO BRASIL NO SÉCULO XXIO ENSINO DE ENGENHARIA NO BRASIL NO SÉCULO XXI
O ENSINO DE ENGENHARIA NO BRASIL NO SÉCULO XXI
Fernando Alcoforado
 
Primeiro encontro
Primeiro encontroPrimeiro encontro
Primeiro encontro
Erica Frau
 
Unidade3 roteiro atividades
Unidade3 roteiro atividadesUnidade3 roteiro atividades
Unidade3 roteiro atividades
pesquisadoresdigitais
 
Tic educa.apresentação.rea.pp
Tic educa.apresentação.rea.ppTic educa.apresentação.rea.pp
Tic educa.apresentação.rea.pp
ticEDUCA2010
 
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
Universidade Federal de Pernambuco
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
dfsoares2
 
WEB 2.0
WEB 2.0WEB 2.0
WEB 2.0
peres marlene
 

Semelhante a Guia Pedagógico- Hibridização dos módulos de Física da disciplina de FQ dos cursos profissionais (20)

Apresentaçãocurso
ApresentaçãocursoApresentaçãocurso
Apresentaçãocurso
 
Formacao projeto uca modulo 3 puc sp
Formacao projeto uca modulo 3 puc spFormacao projeto uca modulo 3 puc sp
Formacao projeto uca modulo 3 puc sp
 
Apresentação presencial
Apresentação   presencialApresentação   presencial
Apresentação presencial
 
Plano%20final%20 maria%20emilia
Plano%20final%20 maria%20emiliaPlano%20final%20 maria%20emilia
Plano%20final%20 maria%20emilia
 
Plano%20final%20 maria%20emilia
Plano%20final%20 maria%20emiliaPlano%20final%20 maria%20emilia
Plano%20final%20 maria%20emilia
 
Guia de Aprendizagem - Matemática - 1ª Série.pptx
Guia de Aprendizagem - Matemática - 1ª Série.pptxGuia de Aprendizagem - Matemática - 1ª Série.pptx
Guia de Aprendizagem - Matemática - 1ª Série.pptx
 
1203078170 an2 qimfc_profs
1203078170 an2 qimfc_profs1203078170 an2 qimfc_profs
1203078170 an2 qimfc_profs
 
Grupo ômega quase pronto
Grupo ômega   quase prontoGrupo ômega   quase pronto
Grupo ômega quase pronto
 
Conteúdos multimédia para formação e eLearning
Conteúdos multimédia para formação e eLearningConteúdos multimédia para formação e eLearning
Conteúdos multimédia para formação e eLearning
 
SLIDES PROJETOS INTEGRADORES.pptx
SLIDES PROJETOS INTEGRADORES.pptxSLIDES PROJETOS INTEGRADORES.pptx
SLIDES PROJETOS INTEGRADORES.pptx
 
SLIDES PROJETOS INTEGRADORES.pptx
SLIDES PROJETOS INTEGRADORES.pptxSLIDES PROJETOS INTEGRADORES.pptx
SLIDES PROJETOS INTEGRADORES.pptx
 
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC
 
Formação Brasil UCA
Formação Brasil UCAFormação Brasil UCA
Formação Brasil UCA
 
O ENSINO DE ENGENHARIA NO BRASIL NO SÉCULO XXI
O ENSINO DE ENGENHARIA NO BRASIL NO SÉCULO XXIO ENSINO DE ENGENHARIA NO BRASIL NO SÉCULO XXI
O ENSINO DE ENGENHARIA NO BRASIL NO SÉCULO XXI
 
Primeiro encontro
Primeiro encontroPrimeiro encontro
Primeiro encontro
 
Unidade3 roteiro atividades
Unidade3 roteiro atividadesUnidade3 roteiro atividades
Unidade3 roteiro atividades
 
Tic educa.apresentação.rea.pp
Tic educa.apresentação.rea.ppTic educa.apresentação.rea.pp
Tic educa.apresentação.rea.pp
 
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
WEB 2.0
WEB 2.0WEB 2.0
WEB 2.0
 

Mais de acarneirinho

Diario_bordo_anonimo_22_23.pdf
Diario_bordo_anonimo_22_23.pdfDiario_bordo_anonimo_22_23.pdf
Diario_bordo_anonimo_22_23.pdf
acarneirinho
 
Sala de Aula invertida
Sala de Aula invertidaSala de Aula invertida
Sala de Aula invertida
acarneirinho
 
Visita de estudo ao CCV Lousal
Visita de estudo ao CCV LousalVisita de estudo ao CCV Lousal
Visita de estudo ao CCV Lousal
acarneirinho
 
Teens' consumerism during the pandemic.pptx
Teens' consumerism during the pandemic.pptxTeens' consumerism during the pandemic.pptx
Teens' consumerism during the pandemic.pptx
acarneirinho
 
Níveis de Intensidade Sonora - Trabalho de pesquisa experimental.pptx
Níveis de Intensidade Sonora - Trabalho de pesquisa experimental.pptxNíveis de Intensidade Sonora - Trabalho de pesquisa experimental.pptx
Níveis de Intensidade Sonora - Trabalho de pesquisa experimental.pptx
acarneirinho
 
Energia nuclear.pptx
Energia nuclear.pptxEnergia nuclear.pptx
Energia nuclear.pptx
acarneirinho
 
Planeamento visual de atividade pedagógica
Planeamento visual de atividade pedagógicaPlaneamento visual de atividade pedagógica
Planeamento visual de atividade pedagógica
acarneirinho
 
Planejamento da ação didática ana carneirinho
Planejamento da ação didática ana carneirinhoPlanejamento da ação didática ana carneirinho
Planejamento da ação didática ana carneirinho
acarneirinho
 
Delinear a avaliação pedagógica jogos digitais ferramenta educativa_a_ce_l_ua...
Delinear a avaliação pedagógica jogos digitais ferramenta educativa_a_ce_l_ua...Delinear a avaliação pedagógica jogos digitais ferramenta educativa_a_ce_l_ua...
Delinear a avaliação pedagógica jogos digitais ferramenta educativa_a_ce_l_ua...
acarneirinho
 
04 1 2_lei_termodinamica
04 1 2_lei_termodinamica04 1 2_lei_termodinamica
04 1 2_lei_termodinamica
acarneirinho
 
Tecnologias Digitais e o potencial para construção de ecossistemas pedagógico...
Tecnologias Digitais e o potencial para construção de ecossistemas pedagógico...Tecnologias Digitais e o potencial para construção de ecossistemas pedagógico...
Tecnologias Digitais e o potencial para construção de ecossistemas pedagógico...
acarneirinho
 
A partilha de um projeto escolar numa página de Facebook. Breve reflexão
A partilha de um projeto escolar numa página de Facebook. Breve reflexãoA partilha de um projeto escolar numa página de Facebook. Breve reflexão
A partilha de um projeto escolar numa página de Facebook. Breve reflexão
acarneirinho
 
Geometria molecular e polaridade das moléculas
Geometria molecular e polaridade das moléculasGeometria molecular e polaridade das moléculas
Geometria molecular e polaridade das moléculas
acarneirinho
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
acarneirinho
 
Química do Ambiente
Química do AmbienteQuímica do Ambiente
Química do Ambiente
acarneirinho
 
Fornos solares
Fornos solaresFornos solares
Fornos solares
acarneirinho
 
Conversão térmica da energia solar
Conversão térmica da energia solarConversão térmica da energia solar
Conversão térmica da energia solar
acarneirinho
 
CanSat2018 - Poster da equipa HorizonTeam
CanSat2018 - Poster da equipa HorizonTeamCanSat2018 - Poster da equipa HorizonTeam
CanSat2018 - Poster da equipa HorizonTeam
acarneirinho
 
Fornos solares
Fornos solaresFornos solares
Fornos solares
acarneirinho
 
Conversão térmica da energia solar
Conversão térmica da energia solarConversão térmica da energia solar
Conversão térmica da energia solar
acarneirinho
 

Mais de acarneirinho (20)

Diario_bordo_anonimo_22_23.pdf
Diario_bordo_anonimo_22_23.pdfDiario_bordo_anonimo_22_23.pdf
Diario_bordo_anonimo_22_23.pdf
 
Sala de Aula invertida
Sala de Aula invertidaSala de Aula invertida
Sala de Aula invertida
 
Visita de estudo ao CCV Lousal
Visita de estudo ao CCV LousalVisita de estudo ao CCV Lousal
Visita de estudo ao CCV Lousal
 
Teens' consumerism during the pandemic.pptx
Teens' consumerism during the pandemic.pptxTeens' consumerism during the pandemic.pptx
Teens' consumerism during the pandemic.pptx
 
Níveis de Intensidade Sonora - Trabalho de pesquisa experimental.pptx
Níveis de Intensidade Sonora - Trabalho de pesquisa experimental.pptxNíveis de Intensidade Sonora - Trabalho de pesquisa experimental.pptx
Níveis de Intensidade Sonora - Trabalho de pesquisa experimental.pptx
 
Energia nuclear.pptx
Energia nuclear.pptxEnergia nuclear.pptx
Energia nuclear.pptx
 
Planeamento visual de atividade pedagógica
Planeamento visual de atividade pedagógicaPlaneamento visual de atividade pedagógica
Planeamento visual de atividade pedagógica
 
Planejamento da ação didática ana carneirinho
Planejamento da ação didática ana carneirinhoPlanejamento da ação didática ana carneirinho
Planejamento da ação didática ana carneirinho
 
Delinear a avaliação pedagógica jogos digitais ferramenta educativa_a_ce_l_ua...
Delinear a avaliação pedagógica jogos digitais ferramenta educativa_a_ce_l_ua...Delinear a avaliação pedagógica jogos digitais ferramenta educativa_a_ce_l_ua...
Delinear a avaliação pedagógica jogos digitais ferramenta educativa_a_ce_l_ua...
 
04 1 2_lei_termodinamica
04 1 2_lei_termodinamica04 1 2_lei_termodinamica
04 1 2_lei_termodinamica
 
Tecnologias Digitais e o potencial para construção de ecossistemas pedagógico...
Tecnologias Digitais e o potencial para construção de ecossistemas pedagógico...Tecnologias Digitais e o potencial para construção de ecossistemas pedagógico...
Tecnologias Digitais e o potencial para construção de ecossistemas pedagógico...
 
A partilha de um projeto escolar numa página de Facebook. Breve reflexão
A partilha de um projeto escolar numa página de Facebook. Breve reflexãoA partilha de um projeto escolar numa página de Facebook. Breve reflexão
A partilha de um projeto escolar numa página de Facebook. Breve reflexão
 
Geometria molecular e polaridade das moléculas
Geometria molecular e polaridade das moléculasGeometria molecular e polaridade das moléculas
Geometria molecular e polaridade das moléculas
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
 
Química do Ambiente
Química do AmbienteQuímica do Ambiente
Química do Ambiente
 
Fornos solares
Fornos solaresFornos solares
Fornos solares
 
Conversão térmica da energia solar
Conversão térmica da energia solarConversão térmica da energia solar
Conversão térmica da energia solar
 
CanSat2018 - Poster da equipa HorizonTeam
CanSat2018 - Poster da equipa HorizonTeamCanSat2018 - Poster da equipa HorizonTeam
CanSat2018 - Poster da equipa HorizonTeam
 
Fornos solares
Fornos solaresFornos solares
Fornos solares
 
Conversão térmica da energia solar
Conversão térmica da energia solarConversão térmica da energia solar
Conversão térmica da energia solar
 

Último

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 

Último (20)

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 

Guia Pedagógico- Hibridização dos módulos de Física da disciplina de FQ dos cursos profissionais

  • 1. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 1 2020- Física virtual Uma sugestão de virtualização para o ensino da Física nos cursos de ensino profissional de nível secundário Ana Carneirinho 2001690@estudante.uab.pt 2020-2021
  • 2. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 2 Introdução Este curso é uma proposta de trabalho para explorar os módulos de Física da disciplina de Física e Química dos cursos profissionais de nível secundário (não serão contempladas as extensões de cada um dos módulos). Destina-se a professores destes cursos que pretendam hibridizar a sua prática. Através de atividades socioconstrutivistas e conectivistas, procurando alargar a sala de aula ao mundo que nos é aberto pela internet, a intenção é enriquecer os ambientes de aprendizagem e as oportunidades pedagógicas que a sociedade em rede tornam emergentes. Não pretendendo ser um catálogo, é uma sugestão de um processo de ensino- aprendizagem digital que os professores poderão adaptar ao seu contexto e público- alvo, num exercício de flexibilização essencial à inovação sustentada do ensino. I. Objetivos e Competências A proposta de trabalho é a planificação de todos os módulos de Física da disciplina de Física e Química dos cursos profissionais de nível secundário, em contexto de ensino híbrido, com especial destaque para a educação digital. Os objetivos e competências são os elencados no programa aprovado pela Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional (ANQEP).1 Através desta disciplina, os alunos poderão desenvolver aprendizagens importantes no que respeita à formação no domínio da Ciência, mas que a extravasam largamente por se inserirem num quadro mais vasto de Educação para a Cidadania Democrática. São elas: 1 Programa – componente de formação científica, disciplina de Física e Química (2007). Direção Geral de Formação Vocacional I. Objetivos e Competências II. Roteiro de Conteúdos III. Metodologia de Trabalho IV. Recursos de Aprendizagem V. O Ambiente de Aprendizagem VI. Sequência das Atividades de Aprendizagem VII. A Avaliação
  • 3. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 3 - • Compreender o contributo das diferentes disciplinas para a construção do conhecimento científico e o modo como se articulam entre si. - • Desenvolver a capacidade de selecionar, analisar, avaliar de modo crítico, informações em situações concretas. - • Desenvolver capacidades de trabalho em grupo: confrontação de ideias, clarificação de pontos de vista, argumentação e contra-argumentação na resolução de tarefas, com vista à apresentação de um produto final. - • Desenvolver capacidades de comunicação de ideias oralmente e por escrito. - • Ser crítico e apresentar posições fundamentadas quanto à defesa e melhoria da qualidade de vida e do ambiente. - • Desenvolver o gosto por aprender. Pretende-se ainda que os alunos desenvolvam competências que contemplem, de forma integrada, os domínios conceptual, procedimental e atitudinal, conforme se segue (foram selecionados os domínios respeitantes à componentes de Física). a) Do tipo conceptual: • Caraterizar o objeto de estudo da Física enquanto Ciências. • Compreender conceitos e a sua interligação, leis e teorias. • Compreender a importância de ideias centrais, tais como as leis de conservação. • Compreender o modo como alguns conceitos se desenvolveram, bem como algumas características básicas do trabalho científico necessárias ao seu próprio desenvolvimento. • Conhecer marcos importantes na História da Ciência. • Reconhecer o impacto do conhecimento da Física e da Química na sociedade. • Diferenciar explicação científica de não científica. • Identificar áreas de intervenção da Física em contextos pessoais, sociais, políticos, ambientais... • Interpretar a diversidade de materiais existentes e a fabricar. b) Do tipo procedimental: • Selecionar material de laboratório adequado a uma actividade experimental. • Construir uma montagem laboratorial a partir de um esquema ou de uma descrição.
  • 4. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 4 • Identificar material e equipamento de laboratório e explicar a sua utilização/função. • Manipular, com correção e respeito por normas de segurança, material e equipamento. • Recolher, registar e organizar dados de observações (quantitativos e qualitativos) de fontes diversas. • Interpretar simbologia de uso corrente em Laboratórios de Física. • Planear uma experiência para dar resposta a uma questão – problema. • Formular uma hipótese sobre o efeito da variação de um dado parâmetro. • Identificar parâmetros que poderão afetar um dado fenómeno e planificar modo(s) de os controlar. • Analisar dados recolhidos à luz de um determinado modelo ou quadro teórico. • Interpretar os resultados obtidos e confrontá-los com as hipóteses de partida e/ou com outros de referência. • Discutir os limites de validade dos resultados obtidos respeitantes ao observador, aos instrumentos e à técnica usados. • Reformular o planeamento de uma experiência a partir dos resultados obtidos. • Elaborar um relatório sobre uma atividade experimental por si realizada. • Executar, com correção, técnicas previamente ilustradas ou demonstradas. • Exprimir um resultado com um número de algarismos significativos compatíveis com as condições da experiência. c) do tipo social, atitudinal e axiológico: • Desenvolver o respeito pelo cumprimento de normas de segurança: gerais, de proteção pessoal e do ambiente. • Apresentar e discutir na turma propostas de trabalho e resultados obtidos. • Utilizar formatos diversos para obter e apresentar informação, nomeadamente as TIC. • Refletir sobre pontos de vista contrários aos seus. • Rentabilizar o trabalho em equipa através de processos de negociação, conciliação e ação conjunta, com vista à apresentação de um produto final. • Assumir responsabilidade nas suas posições e atitudes.
  • 5. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 5 • Adequar ritmos de trabalho aos objetivos das atividades. II. Roteiro de conteúdos Nota: As extensões de cada módulo não serão contempladas neste trabalho III. Metodologia de Trabalho A metodologia de trabalho assenta numa perspetiva construtivista e conectivista do conhecimento. A proposta é de virtualização das tarefas a realizar de forma assíncrona. Vários trabalhos práticos tradicionalmente realizados em laboratório foram substituídos por atividades que cumprem os mesmos objetivos recorrendo a simulações eletrónicas ou a materiais a que os alunos têm facilmente acesso. Ainda assim, alguns módulos incluem material de laboratório específico que pode ser fundamental no percurso académico do aluno ou abordam assuntos de complexidade conceptual elevada, pelo que, nesses casos, se considera adequado a aposta em aula / laboratório presencial. A metodologia idealizada é híbrida, mantendo o horário presencial, com o respetivo acompanhamento dos professores, mas rompendo com a lógica disciplinar – aos alunos são propostas tarefas assíncronas num plano de trabalho semanal que devem cumprir
  • 6. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 6 de forma flexível com os recursos da escola. A exceção seriam determinadas aulas, já referidas para o caso de FQ mas que podem fazer sentido noutras disciplinas, inscritas no horário dos alunos, por exigirem competências conceptuais e procedimentais que justifiquem a aula presencial. O número de horas por módulo deve ser considerado como referência. Ainda assim, numa lógica de trabalho que entra em rutura com o espartilho do tempo por disciplina, facilmente uma tarefa de um módulo poderá ser realizada envolvendo horas de várias disciplinas (como exemplos, o trabalho em torno de um texto pode ser comum a uma disciplina da área científica e à disciplina de Português; a interpretação de um vídeo em inglês pode incluir a disciplina de Língua Inglesa e outra disciplina no âmbito da qual o vídeo é analisado; qualquer produto digital pode incorporar competências de TIC…). Este método de trabalho adequa-se ao público-alvo, jovens com pelo menos 15 anos, já com alguma autonomia e que, por optarem com uma via de ensino mais prática e vocacionada para o mundo de trabalho, estarão mais recetivos a estratégias de ensino alternativas à tradicional. Esta metodologia ganha ainda sustentação na visão geral do programa de FQ: Não se pretende um nível de especialização muito aprofundado, mas procura-se que os alunos alcancem um desenvolvimento intelectual e bases de conhecimento (importantes para uma cultura científica a construir ao longo da vida) que lhes permitam aceder, com a formação adequada, às diferentes saídas profissionais. As aulas deverão ser organizadas de modo a que os alunos nunca deixem de realizar tarefas em que possam discutir pontos de vista, analisar documentos, recolher dados, fazer sínteses, formular hipóteses, fazer observações de experiências, aprender a consultar e interpretar fontes diversas de informação, responder a questões, formular outras questões, avaliar situações, delinear soluções para problemas, expor ideias oralmente e/ou por escrito. Programa – componente de formação científica, disciplina de Física e Química (2007, p. 3) A comunicação entre professor e estudantes processa-se normalmente no espaço virtual do sistema de gestão de aprendizagem adotado (Moodle), não estando posta de parte, por se tratar de ensino híbrido, o acompanhamento presencial do professor em determinadas horas por semana. Caso esta componente presencial seja dificultada por alguma razão, outras plataformas – como as de videoconferência – podem ser usadas como recurso de comunicação.
  • 7. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 7 A ação dos estudantes assenta assim no trabalho autónomo, em que se apela à responsabilização pela própria aprendizagem. A ação do professor é fundamental. Morgado(2001)2 aponta como fulcrais para o sucesso de todo o processo as seguintes categorias na ação do professor: • a visibilidade - não só presencialmente, mas na plataforma de aprendizagem); • o feedback - fundamental para a orientação das aprendizagens dos alunos, • os materiais - qualidade dos recursos, planificação das atividades, design avaliativo…, • A permanência – monitorização do nível de participação e envolvimento dos estudantes. IV. Recursos de Aprendizagem Durante o decorrer do curso serão facultados recursos online em diferentes formatos e disponibilizados na plataforma digital. Manuais disponíveis no mercado: Morais, A.; Parente, F. (2020). Física - Módulos F1 / F2 - Ensino Profissional. Porto Editora Morais, A.; Parente, F. (2020). Física - Módulos F4 / F5 - Ensino Profissional. Porto Editora 2 Morgado, L. (2001). O papel do professor em contextos de ensino online: Problemas e virtualidades. In Discursos, III Série, nº especial, pp.125-138. Universidade Aberta.
  • 8. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 8 Morais, A.; Parente, F. (2020). Física - Módulos F3 + F6 - Ensino Profissional. Porto Editora Módulo F1. Forças e Movimentos 1.Material para experiências para verificar a interação entre corpos (interações magnéticas. ímanes; interações elétricas: pêndulos elétricos, eletroscópios; interações mecânicas: raquetes e bolas de ténis, bolas de bilhar, etc.). 2. Software para conceção de mapas concetuais (como exemplo, Lucidchart) 3. Nearpod 4.Software de edição de vídeo (como exemplo, Lighworks) 5. Plataforma para partilha de trabalhos – Padlet. 6.Vídeo: Brian Cox visits the world’s biggest vacum | Human Universe - BBC 7. Atividade experimental recorrendo a aplicação de telemóvel Phyphox: Determinação do valor da aceleração gravítica com a aplicação phyphox 8.Simulação online PHET: Projectile Motion Módulo F2. Hidrostática e hidrodinâmica 1. Software para concepção de wiki (como exemplo, notion) 2. Artigo: Equação da Continuidade, Brasil Escola 3. Artigo: Equação de Bernoulli, PreParaEnem 4.Software de edição de vídeo (como exemplo, Lighworks) Módulo F3. Luz e fontes de luz 1. Friso histórico colaborativo (como exemplo, Padlet) 2. Vídeo: Espectro Eletromagnético – O que é? | Física ep.1 3. Material para atividade experimental: espectroscópio, várias fontes de luz – gases incandescentes, LED’s de várias cores, Lâmpadas incandescentes; Lâmpada fluorescente 4. Plataforma Geniallly Módulo F4. Circuitos elétricos 1. Simulação online: kit de Construções de Circuitos: DC – Virtual Lab 2. Plataforma para partilha de trabalhos – Padlet. 3. Software para elaboração de um glog (como exemplo, Glogster) 4.Software de edição de vídeo (como exemplo, Lighworks) Módulo F5. Termodinâmica 1. Plataforma para partilha de trabalhos – Padlet. 2. Artigo: Calor e Temperatura, Khan Academy 3. Plataforma para comentar colaborativamente um artigo: hypotesis 4.Artigo: E se a atmosfera desaparecesse de repente?, Megacurioso 5. Simulação online PHET: Under Pressure 6.Software para conceção de mapas concetuais (como exemplo, Lucidchart) 7. Vídeo: I Cooked a Chicken by Slapping It 8.Plataforma para partilha de trabalhos – Padlet. 9.Material de apoio ao Concurso Solar Padre Hymalaia, Ciência Viva 10. Software de edição de vídeo (como exemplo, Lighworks) 11. Fórum disponível no Moodle
  • 9. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 9 Módulo F6. Som 1. Atividade experimental recorrendo a aplicação de telemóvel Phyphox: Smartphone-Experiment: Speed of Sound 2. Plataforma colaborativa para realização de esquema sobre audição dos animais e tipo de frequências (Glogster) 3. Atividade experimental recorrendo a aplicação de telemóvel que implemente um Sonómetro (como exemplo Decibelímetro) 4.Plataforma para criação de infrográficos (como exemplo, Genially) 5. Criação de jogo em Kahoot V. O Ambiente de Aprendizagem Pretende-se criar um sistema híbrido de aprendizagem, com ambientes virtuais em simbiose com o ambiente presencial em sala de aula. O objetivo é integrar o ambiente físico com o online, na expectativa de alcançar o descrito por Moreira e Horta (2020, p. 5)3 “como uma estratégia dinâmica que envolve diferentes recursos tecnológicos, distintas abordagens pedagógicas e diferentes tempos”. A presencialidade permite um contacto mais próximo, uma maior organização por parte dos estudantes, uma motivação mais imediata; a forte componente virtual, que surge como a extensão da sala de aula física, permite o enriquecimento dos ambientes de aprendizagem através da criação de um ecossistema educativo que se quer diversificado, flexível, interativo e estimulante. VI. Sequência das Atividades de Aprendizagem A tabela que se segue elenca os módulos de Física da disciplina de FQ por ordem numérica. Tratando-se o ensino profissional de um ensino em regime modular, o número de módulos lecionados, os módulos a lecionar e a ordem por que são lecionados é determinado pela coordenação de curso de acordo com as caraterísticas do curso e a otimização dos recursos existentes. A proposta de trabalho apresentada não dispensa a leitura do programa da disciplina. De referir que a planificação dos módulos pressupõe ter existido já uma ambientação à tecnologia e ao sistema de comunicação online, com um trabalho de mobilização à participação por parte dos estudantes. Esta etapa inicial está prevista no modelo E- 3 Moreira, J., Horta, M. (2020). Educação e Ambientes Híbridos de Aprendizagem. Um Processo de Inovação Sustentada. In Revista UFG. 2020, v.20: e66027.
  • 10. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 10 moderating de Salmon, sendo elencadas por Moreira, A; Henriques, S; Barros, D.; Goulão, M; Caeiro, D. (2020, p. 12)4 como atividades fundamentais nesta fase inicial aquelas que envolvam “a familiarização com as ferramentas”, disponibilizando-se “toda a informação relevante à unidade curricular (…) e referente ao processo). A ambientação referida poderá ser feita através de um módulo 0, comum até a várias disciplinas, num período de adaptação ao modelo sugerido neste trabalho. Da mesma forma, o eportefólio referido ao longo dos módulos é considerada uma ferramenta de trabalho pessoal do aluno e deve ser comum às várias disciplinas, permitindo uma visão global do trabalho e da evolução do aluno ao longo do ano. 4 Moreira, Moreira, J. A., Henriques, S., Barros, D., Goulão, F., & Caeiro, D. (2020). Educação Digital em Rede: Princípios para o Design Pedagógico em Tempos de Pandemia. Coleção Educação a Distância e eLearning. Lisboa: Edições Universidade Aberta.
  • 11. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 11 Módulo F1. Forças e movimentos (21 horas) Competências visadas: • interpretar o movimento uniforme e o movimento uniformemente variado quer analiticamente quer através de gráficos posição x tempo, velocidade x tempo, aceleração x tempo; • compreender que do ponto de vista da Mecânica se pode estudar o movimento de um corpo em translação, estudando o movimento de um ponto onde se concentra toda a massa do corpo; • aplicar as leis de Newton para resolver problemas algébricos de movimento unidirecional, na horizontal e na vertical, perto da superfície da Terra, com ou sem efeito do atrito; • interpretar os movimentos no plano, partindo da análise do movimento de um projétil lançado obliquamente; • analisar situações em que a direção da resultante das forças não coincide com a direção da velocidade e explicar, como consequência, os tipos de movimento e a forma das trajetórias. Conteúdos Estratégia Avaliação Duração 1. A Física estuda interações entre corpos 1.1. Interações fundamentais 1.2. Lei das ações recíprocas Tarefa 1 1. Verificar, em sala de aula, através de experiências montadas em várias mesas, as interações entre corpos. 2. Criação, em pequeno grupo, de um mapa conceptual sobre os três tipos de forças fundamentais. 3. Visualização de um Nearpod sobre a 3ª Lei de Newton e resolução dos respetivos exercícios. Participação na atividade prática Mapa conceptual Nearpod (formativo) 2 horas
  • 12. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 12 2. Movimento unidimensional com velocidade constante 2.1. Características do movimento unidimensional 2.2. Movimento uniforme 2.3. Lei da inércia Tarefa 2 1. Aula presencial sobre os fundamentos do movimento unidimensional. 2. Identificação, em grupo, de um movimento unidimensional descrevê-lo por palavras e através de um gráfico posição-tempo. Cálculo de velocidades no movimento descrito. 3. Pesquisar sobre o que consiste a Lei da Inércia e fazer, em pequeno grupo, um pequeno vídeo que comprove essa lei na prática. 4. Publicar a descrição e o vídeo na plataforma Padlet. Participação em sala de aula Participação na plataforma Padlet 6 horas 3. Movimento unidimensional com aceleração constante 3.1. Movimento uniformemente variado 3.2. Lei fundamental da Dinâmica Tarefa 3 1. Aula presencial sobre os fundamentos do movimento unidimensional com aceleração constante. 3. Como cairiam os corpos apenas por ação da gravidade, sem resistência do ar? Visualizar o vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=E43-CfukEgs 3. Medição da aceleração gravítica recorrendo a um telemóvel e à aplicação Phyphox. https://www.youtube.com/watch?v=TraWBZuXZV8 4. Publicar no portefólio o relatório da atividade experimental realizada. Participação em sala de aula Relatório de atividade 4 horas
  • 13. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 13 4. Introdução ao movimento no plano Tarefa 4 1. Aula presencial sobre os fundamentos do movimento no plano. 2. Explorar a simulação Projectile Motion: https://phet.colorado.edu/pt/simulation/projectile-motion 3. Criar um artefacto digital que inclua os conceitos necessários para compreender e que explique uma situação criada em ambiente de simulação. Participação em sala de aula Artefacto digital 9 horas
  • 14. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 14 Módulo F2. Hidrostática e hidrodinâmica (21 horas) Competências visadas: • compreender a noção de fluido e a respetiva classificação, em termos das suas propriedades físicas; • aplicar a lei fundamental da hidrostática e os princípios de Pascal e de Arquimedes a situações do dia-a-dia; • conhecer os tipos de movimento mais comuns associados à dinâmica dos fluidos e ao seu escoamento; • compreender a equação da continuidade e a lei de Bernoulli; • desenvolver competências de tipo processual ligadas a equipamento diversificado (manómetros, barómetros e debitómetros - Pitot e Venturi), cujo princípio de funcionamento se baseia nos conceitos apresentados. Conteúdos Estratégia Avaliação Duração 1. Estática dos fluidos 1.1 Os fluidos e sua classificação 1.2 Comportamento de um gás ideal 1.3 Lei fundamental da hidrostática 1.4 Princípio de Pascal 1.5 Princípio de Arquimedes Tarefa 1 1. Preparar, em grupo, uma apresentação oral sobre um dos seguintes temas: - Expansão dos gases por aquecimento. - Isotropia dos fluidos, recorrendo a membranas manométricas. - Princípio de Arquimedes - Princípio dos vasos comunicantes. 2. Apresentar oralmente o trabalho. Apresentação oral 6 horas
  • 15. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 15 Tarefa 2 1. Construir em grupo-turma uma wiki sobre Arquimedes e o seu contributo para a Ciência. Participação em wiki 6 horas 2. Dinâmica dos fluidos 2.1 Classificação do movimento de um fluido 2.2 A lei da conservação da massa e a equação da continuidade 2.3 A lei da conservação da energia e a lei de Bernoulli Tarefa 3 1. Aula presencial experimental onde se explique a funcionalidade vários equipamentos como manómetros, barómetros e debitómetros - Pitot e Venturi 2. Ler os seguintes artigos: Equação da continuidade, Brasil escola https://brasilescola.uol.com.br/fisica/equacao- continuidade.htm Equação de Bernouli, PreParaEnem https://www.preparaenem.com/fisica/equacao- bernoulli.htm 3. Realizar, em grupo, uma experiência em que se verifique a lei de Bernoulli. 4. Documentar e explicar a experiência realizada em vídeo. Participação em sala de aula Vídeo 9 horas
  • 16. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 16 Módulo F3. Luz e fontes de luz (12 horas) Competências visadas: • identificar as várias etapas do conhecimento da natureza da luz e os princípios de funcionamento de fontes de luz comuns; • relacionar os conceitos de luz e cor. Conteúdos Estratégia Avaliação Duração 1. Natureza da Luz 1.1 Evolução histórica dos conhecimentos sobre a luz 1.2 Espectro electromagnético Tarefa 1 1. Investigar sobre a evolução histórica dos conhecimentos sobre a luz e colaborar na elaboração de um friso histórico online com os factos recolhidos. 2. Visualizar o vídeo Espectro Eletromagnético – O que é? https://www.youtube.com/watch?v=1Eoekw4MPAo 3. Criar em grupo um cartaz que inclua a informação do vídeo. Participação no friso histórico online Cartaz 6 horas 2. Radiação e fontes de luz visível 2.1 Origem microscópica da luz 2.2 Tipos de fontes luminosas Tarefa 2 1. Aula presencial experimental onde se observe com o espectroscópio de bolso espectros de riscas emitidos por: - Gases incandescentes; LED’s de várias cores; Lâmpada incandescente; Lâmpada fluorescente. 2. Desenvolva uma apresentação na plataforma genial.ly que contenha: - uma lista das fontes emissoras de luz visível utilizadas na iluminação das casas. - a descrição do princípio de funcionamento das lâmpadas referidas. - a indicação de quais as lâmpadas mais eficientes. Participação em sala de aula genial.ly 6 horas
  • 17. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 17 Módulo F4. Circuitos elétricos (18 horas) Competências visadas: • compreender que a corrente elétrica constitui uma forma de transporte de energia, identificando dispositivos que permitem transformar em energia elétrica outras formas de energia; • compreender as leis dos circuitos elétricos que permitem transportar a energia elétrica até aos locais de consumo; • compreender que a variação de um campo magnético pode conduzir à criação de uma corrente elétrica num circuito e que este fenómeno está na base dos geradores existentes nas centrais hidroelétricas e térmicas. Conteúdos Estratégia Avaliação Duração 1. A corrente eléctrica como forma de transferência de energia 1.1 Geradores de corrente eléctrica 1.2 Potencial eléctrico 1.3 Circuitos eléctricos 1.4 Lei de Joule Tarefa 1 1. Aula presencial sobre conceitos básicos de eletricidade. 2. Explorar a relação entre tensão, corrente e resistência através da simulação https://phet.colorado.edu/pt/simulation/circuit-construction-kit-dc- virtual-lab 3. Partilhar em Padlet uma imagem de um circuito obtido na simulação anterior constituído por uma pilha, um interruptor, uma lâmpada, um amperímetro que meça a corrente elétrica e um voltímetro que meça a tensão elétrica aos terminais da lâmpada. Recorrer à lei de Ohm para relacionar quantitativamente a resistência da lâmpada, a corrente que a atravessa e a tensão aos seus terminais. 5. Criar um glog que explique em que consiste o efeito de Joule e que apresente exemplos em que esse efeito é útil e em que é indesejável. Participação em sala de aula Partilha em Padlet Glog 9 horas
  • 18. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 18 2. Indução electromagnética 2.1 Força magnética 2.2 Campo magnético 2.3 Fluxo do campo magnético 2.4 Corrente eléctrica induzida 2.5 Corrente eléctrica alternada 2.6 Transformadores Tarefa 2 1. Aula presencial sobre indução eletromagnética. 2. Criar, em grupo, a maquete de um gerador ou transformador e documentar esse trabalho em vídeo. 3. Publicar o vídeo no portefólio digital. Participação em sala de aula Genial.ly 6 horas
  • 19. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 19 Módulo F5. Termodinâmica (21 horas) Competências visadas: • compreender a linguagem própria da Termodinâmica e interpretar as suas Leis; • interpretar acontecimentos do dia-a-dia através das Leis da Termodinâmica; • perspetivar a evolução histórica da Termodinâmica; • discutir resultados experimentais. Conteúdos Estratégia Avaliação Duração 1. Sistemas termodinâmicos 1.1 O que é um sistema termodinâmico 1.2 Fronteiras de um sistema termodinâmico 1.3 Processos termodinâmicos Tarefa 1 1.Pesquisa em pequeno grupo sobre: • O que é um sistema termodinâmico? • O que se entende por fronteira de um sistema termodinâmico? • Dar dois exemplos de sistemas termodinâmicos, justificando porque se podem considerar sistemas termodinâmicos. 2. Partilha no Padlet com o resultado da pesquisa realizada https://padlet.com/acarneirinho/zp39xok5ipn5spr9 Participação no Padlet 2 horas 2. Variáveis de estado 2.1 Breve história da termodinâmica 2.2 Temperatura 2.3 Pressão e volume 2.4 Energia interna Tarefa 2 1. Resumo dos conceitos adquiridos a partir da leitura de artigo sobre calor, temperatura e história da termodinâmica. Os alunos devem referir as ideias mais importantes do artigo e fazer comentários às observações dos colegas. Participação na plataforma Hypotesis 2 horas
  • 20. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 20 https://via.hypothes.is/https://pt.khanacademy.org/science/7- ano/temperatura-calor-conducao-termica/termologia/a/calor-e- temperatura Tarefa 3 1. Ler o artigo E se a atmosfera desaparecesse de repente? https://www.megacurioso.com.br/fim-do-mundo/98896-e-se-a- atmosfera-desaparecesse-de-repente.htm 2. Explorar a simulação PHET Under Pressure: https://phet.colorado.edu/pt/simulation/under-pressure A partir da simulação, e recorrendo ao manómetro disponível no simulador, verificar quais os fatores de que depende a pressão exercida por um fluido. 3. Escrever em grupo um artigo que refira: • A que se deve a pressão atmosférica? • Unidade de pressão; • Fatores de que depende a pressão exercida por um fluido. Não esquecer a referência a fontes de informação usadas. 4. Publicar o artigo no portefólio pessoal. Artigo realizado 2 horas 3. Transferências de energia sob a forma de calor 3.1 Mecanismos de transferência de energia sob a forma de calor 3.2 Condutores e isoladores do calor Tarefa 4 1. Aula presencial sobre mecanismos de transferência de calor. 2. Criar um mapa conceptual que relacione os mecanismos e transferências de calor. Mapa conceptual 2 horas Tarefa 5 1. Aula presencial sobre 1ª e 2ª Leis da Termodinâmica. Participação no Padlet 2 horas
  • 21. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 21 3.3 Primeira Lei da Termodinâmica 3.4 Segunda Lei da Termodinâmica 2. Visualizar o vídeo I Cooked a Chicken by Slapping It https://www.youtube.com/watch?v=LHFhnnTWMgI 3. Partilha no Padlet de um exemplo do dia a dia que ilustre a 1ª Lei da Termodinâmica e outro exemplo que ilustre 2ª Lei da Termodinâmica, fazendo um comentário a cada um dos exemplos indicados. https://padlet.com/acarneirinho/qa7fha7b5n6ij5gr Tarefa 6 1. Criar um forno solar aplicando as aprendizagens realizadas e justificando as suas opções relativamente a materiais e à forma do forno. Material de apoio: Vídeo Solar Cooking | National Geographic: https://www.youtube.com/watch?v=Ofn7jqPDTeY Recorrer ao material de apoio ao Concurso Solar Padre Himalaya do Ciência Viva https://webstorage.cienciaviva.pt/public/pt.cienciaviva.io/ recursos/files/guia7_1517439385c1a7.pdf 2. Idealizar e aplicar na prática um teste ao forno que avalie a sua eficiência. 3. Documentar a construção do forno através de uma produção em forma de vídeo, onde se justifiquem as suas opções construtivas e se explique o teste prático realizado. 4. Partilhar o link do vídeo no portefólio pessoal. Vídeo produzido Participação em fórum Autoavaliação Avaliação pelos pares 11 horas
  • 22. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 22 5. Partilhar o link do vídeo no fórum e comentar os vídeos criados pelos colegas.
  • 23. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 23 Módulo F6. Som (18 horas) Competências visadas: • identificar as grandezas principais que descrevem as ondas sonoras; • interpretar as impressões sonoras detectadas pela audição ou por dispositivos mecânicos ou electrónicos como resultantes de vibrações de partículas, que se propagam no espaço através de ondas. Conteúdos Estratégia Avaliação Duração 1. Som 1.1. Sistemas vibratórios 1.2. Ondas 1.3. A intensidade do som e a audição 1.4. Ressonância, batimentos Tarefa 1 1. Aula presencial sobre conceitos básicos sobre ondas sonoras. 2. Medição, em grupo, da velocidade do som no ar recorrendo a um telemóvel e à aplicação Phyphox. https://www.youtube.com/watch?v=uoUm34CnHdE 3. Publicar no portefólio o relatório da atividade experimental realizada. Participação em sala de aula Relatório experimental 6 horas Tarefa 2 1. Completar, em colaboração com a turma, um espetro sonoro que inclua os infrassons, sons audíveis e ultrassons, referindo quais as frequências ouvidas por diferentes animais. Participação em espetro sonoro 2 horas Tarefa 3 1. Recorrendo a uma aplicação de telemóvel que inclua um sonómetro, medir a intensidade sonora de diversos locais (estrada movimentada, sala de aula, café…) e criar um infográfico com os resultados indicando os efeitos de tais intensidades sonoras na saúde humana. Infográfico 6 horas
  • 24. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 24 Tarefa 4 1. Realizar um kahoot que inclua perguntas relacionadas com a matéria explorada neste módulo. Kahoot 4 horas
  • 25. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 25 VII. Avaliação A avaliação assume o regime de avaliação contínua com especial relevância para a avaliação formativa. Na metodologia proposta, a avaliação formativa pode ser dada por qualquer professor à medida que as tarefas são desenvolvidas em tempo de escola, não se limitando ao feedback (necessário e fundamental para a orientação das aprendizagens) que o professor da disciplina deve fornecer no final de cada tarefa. Tratando-se do ensino profissional, a avaliação deve ser modular e respeitar os critérios de avaliação gerais da escola. É dado um exemplo possível de critérios de avaliação específicos para o módulo F5. Termodinâmica. O recurso a rubricas para proceder à avaliação dos diversos instrumentos de avaliação justifica-se por se considerar que este é um método de avaliação que agiliza o processo de feedback, permitindo ao aluno não só compreender o que se espera dele no início da aprendizagem, como “nivelar” a sua prestação identificando as suas fragilidades e o que deve melhorar, potenciando um processo de metacognição por parte do estudante. Objeto de avaliação Atitudes (10%) Trabalhos realizados ao longo do módulo (40%) Projeto (50%) Intrumentos de avaliação Grelha de observação holística • Participação em Padlet (2X) • Participação na plataforma Hypotesis • Redação de artigo • Mapa conceptual • Vídeo (30%) • Comentários em fórum (10%) • Autoavaliação e avaliação pelos pares (10%)
  • 26. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 26 Rubricas para avaliação dos instrumentos utilizados Atitudes – grelha de observação holística Critérios Atitudes Classificação Muito Bom O aluno realiza o trabalho de forma empenhada e concentrada, é cumpridor, relaciona-se muito adequadamente com os colegas e professores Bom O aluno realiza o trabalho de forma empenhada, mas distrai-se com facilidade, tendo de ser chamado por vezes à atenção para se focar no trabalho. É cumpridor e relaciona-se muito adequadamente com os colegas e professores Suficiente O aluno realiza o trabalho de forma empenhada, mas distrai-se com facilidade, tendo de ser chamado muitas vezes à atenção para se focar no trabalho. Nem sempre é cumpridor mas relaciona-se adequadamente com os colegas e professores Insuficiente O aluno realiza o trabalho de forma pouco empenhada. Distrai-se facilmente. Nem sempre é cumpridor e por vezes não se relaciona de forma adequada com os colegas e professores Muito insuficiente O aluno não se empenha no trabalho OU O aluno relaciona-se geralmente de forma desadequada com os colegas e/ou professores.
  • 27. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 27 Rubrica para avaliar a participação no Padlet, Fórum e Hypotesis Critérios Iniciativa e prontidão 10% Relevância dos conteúdos 40% Clareza das respostas 20% Correção linguística 10% Contribuição para a comunidade de aprendizagem 20% Classificação Muito Bom Responde por sua iniciativa a todos os tópicos apresentados para discussão. Cumpre sempre os prazos definidos. Em cada tópico apresentado, comenta, pelo menos, duas publicações dos colegas sem reduzir o seu contributo a uma mera concordância ou discordância ou a “emojis”. (10) As respostas e os comentários dados relacionam-se com os tópicos apresentados e mobilizam conhecimento articulado, relevante e aprofundado e com recursos a fontes variadas. Apresenta uma perspetiva crítica dos temas explorados. (40) Exprime sempre as ideias e opiniões de forma clara, concisa e articulada. (20) Redige com correção linguística, vocabulário adequado e variado, e num registo de língua adequado. (10) Motiva e reorienta a discussão do grupo de forma eficaz, contribuindo muito positivamente para a criação de uma comunidade de aprendizagem colaborativa. Resolve conflitos com eficácia (se aplicável). (20) Bom Responde por sua iniciativa a todos os tópicos apresentados para discussão. Cumpre quase sempre os prazos definidos. Em cada tópico apresentado, comenta, pelo menos, uma publicação de um colega sem reduzir o seu contributo a uma mera concordância ou discordância ou a “emojis”. (8) As respostas e os comentários dados relacionam-se com os tópicos apresentados e mobilizam conhecimento articulado, relevante e globalmente aprofundado. Por vezes, apresenta uma perspetiva crítica dos temas explorados. (30) Exprime ideias e opiniões de forma clara, concisa e globalmente articulada. (15) Embora com falhas pontuais, redige com correção linguística, vocabulário apropriado, mas pouco variado, e num registo de língua adequado. (8) Motiva e reorienta a discussão do grupo, muitas vezes de forma eficaz, contribuindo para a criação de uma comunidade de aprendizagem colaborativa. Ajuda a resolver conflitos (se aplicável). (15) Suficiente Responde à maioria dos tópicos apresentados para discussão. Na maior parte das vezes, cumpre os prazos definidos. (5) As respostas e os comentários dados relacionam-se com os tópicos apresentados e mobilizam informação relevante, mas nem sempre aprofundada. (20) Exprime ideias e opiniões de forma globalmente clara, mas nem sempre concisa e, por vezes, com lacunas que não afetam a compreensão. (10) Embora com algumas falhas recorrentes, redige com correção linguística, vocabulário apropriado, mas pouco variado, e num registo de língua nem sempre adequado. (5) Por vezes, motiva ou reorienta a discussão do grupo. Por vezes, ajuda a resolver conflitos (se aplicável). (10) Insuficiente Responde pontualmente a alguns dos tópicos apresentados para discussão. Poucas vezes cumpre os prazos. (3) A maior parte dos contributos mobiliza pouca informação, é superficial e não contribui para a compreensão dos temas tratados. (10) Exprime ideias e opiniões de forma pouco clara e concisa, com lacunas que afetam a compreensão. (5) Redige com pouca correção linguística, com vocabulário e num registo de língua geralmente inadequados. (3) Contribui muito pontualmente para o esforço do grupo. OU É conflituoso (no teor dos comentários e/ou na linguagem utilizada). (5) Muito insuficiente Não responde nem comenta a(os) tópicos apresentados e (a) publicações dos colegas. OU Responde muito pontualmente e de forma desajustada. (0) Não responde ou comenta. OU Os contributos não se relacionam com o tema tratado ou são superficiais. (0) As ideias e opiniões, quando apresentadas, são confusas e desconexas. (0) Redige com falhas graves ao nível linguístico, com vocabulário e num registo de língua inadequados. (0) Não participa. OU Participa muito pontualmente sem contribuir para a discussão do grupo. Provoca ou gera conflitos. (0)
  • 28. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 28 Rubrica para avaliar a produção escrita Critérios Qualidadade da informação 50% Correção linguística 30% Referências bibliográficas 20% Classificação Muito Bom Sumaria o artigo de forma clara e sintética. Identifica os conceitos fundamentais. (50) Utiliza os termos de forma precisa. Redige com correção ortográfica, gramatical e de pontuação ou comete erros muito pontuais. (30) Respeita as normas de citação e de referenciação bibliográfica. (20) Bom Sumaria o artigo de forma clara, nem sempre sintética. Identifica os conceitos fundamentais com imprecisões pontuais (38) Utiliza os termos geralmente com precisão. Comete, de forma pontual, erros ortográficos, gramaticais e de pontuação, mas não impedem a compreensão do texto. (23) Respeita, com erros pontuais, as normas de citação e de referenciação bibliográfica. (15) Suficiente Apresenta pouca clareza no sumário do artigo. Identifica a maior parte dos conceitos fundamentais... (25) Utiliza termos genéricos não específicos da disciplina. Comete alguns erros ortográficos, gramaticais e de pontuação, mas que não impedem a compreensão global do texto. (15) Respeita, na maior parte das vezes, as normas de citação e de referenciação bibliográfica. (10) Insuficiente Apresenta pouca clareza no sumário do artigo. Não identifica a maior parte dos conceitos (13) Utiliza termos genéricos e vagos. Comete erros ortográficos, gramaticais e de pontuação que dificultam a compreensão do texto. (8) Comete erros sistemáticos nas normas de citação e de referenciação bibliográfica. (5) Muito insuficiente Não apresenta o trabalho. Ou Não respeita o solicitado. (0) Utiliza de forma inadequada os termos. Contém erros que inviabilizam a compreensão do texto. (0) Não apresenta referências bibliográficas. (0)
  • 29. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 29 Rubrica para avaliar o mapa conceptual Critérios Cumprimento 10% Uso de Conceitos 30% Relação entre conceitos 30% Clareza 20% Criatividade 10% Classificação Muito Bom O formando cumpriu com a atividade proposta dentro dos prazos notificados. (10) Todos os principais conceitos são referenciados, seguindo uma hierarquia estruturalmente relevante. (30) Todos os conceitos de vinculam de forma coerente, por meio de uma palavra de ligação. (30) Fácil de ler, claro e preciso, demonstrando domínio e compreensão do assunto. (20) Mostra-se organizado, atrativo e inovador. (10) Bom O formando cumpriu com a atividade proposta, com um atraso ligeiro, mas justificado. (8) Os principais conceitos são referenciados, mas com uma hierarquia estruturalmente pouco relevante. (20) Alguns conceitos não se vinculam correntemente por palavras de ligação. (20) Fácil leitura, demonstrando um domínio parcial do assunto. (15) Mostra-se organizado e atrativo. (8) Suficiente O formando cumpriu com a atividade proposta com atraso ligeiro, mas justificado com precedência. (5) São referenciados alguns dos principais conceitos, com uma hierarquia relevante. (15) Metade dos conceitos não se vinculam correntemente por meio de palavras de ligação. (15) De difícil leitura, mas demonstrando uma compreensão média do assunto. (10) Mostra-se organizado, mas pouco atrativo. (5) Insuficiente O formando cumpriu com a atividade proposta, fora do atraso, justificando à posteriori. (3) São referenciados alguns dos principais conceitos importantes, mas sem uma hierarquia relevante. (10) Os conceitos não se vinculam correntemente por meio de palavras de ligação. (10) De difícil leitura, não demonstrando compreensão do assunto. (5) Mostra-se pouco organizado, nãos sendo atrativo. (3) Muito Insuficiente O formando cumpriu com a atividade proposta, fora do atraso, mas sem justificação. (0) Não há referência aos principais conceitos. (0) Não há recurso a palavras de ligação. (0) Incompreensível, demonstrando nenhum domínio sobre o assunto. (0) Não é organizado, nem atrativo. (0) Adaptado Marriott e Torres (2008, em Amante, 2016)
  • 30. Ambientes Virtuais de Aprendizagem 30 Rubrica para avaliar o vídeo produzido Critérios Qualidade do trabalho construtivo 40% Conceitos mobilizados 30% Clareza 20% Criatividade 10% Classificação Muito Bom O forno construído revela muito empenho e cuidado nos pormenores. (40) Demonstra ter levado em conta os três processos de transmissão de calor na concepção do forno. O teste realizado é adequado. (30) Fácil de compreender, claro e preciso, demonstrando domínio e compreensão do assunto. (20) O vídeo usa técnicas inovadoras, é muito atrativo e com qualidade visual e de som. (10) Bom O forno construído revela empenho registando-se alguns pormenores construtivos de menor qualidade, sem desvalorizar o trabalho como um todo. (30) Demonstra ter levado em conta dois processos de transmissão de calor na concepção do forno. O teste realizado é adequado. (23) É fácil de compreender, mas demonstra um domínioapenas parcial do assunto. (15) O vídeo é atrativo e com qualidade visual e de som. (8) Suficiente O forno construído revela um trabalho menos perfeito, sem cuidado nos pormenores, mas funcional. (20) Demonstra ter levado em conta apenas um dos processos de transmissão de calor na concepção do forno. O teste realizado é adequado. OU Demonstra ter levado em contra mais que um processos de transmissão de calor mas não realiza teste ao forno (15) Confuso, de difícil comprensão, mas demonstrando uma compreensão média do assunto. (10) O vídeo apresenta algumas fragilidades ao nível visual ou de som. (5) Insuficiente O forno construído revela-se muito pouco funcional e realizado de forma descuidada. (10) Demonstra ter levado em conta apenas um dos processos de transmissão de calor na concepção do forno mas não realiza teste ao forno OU Não demonstra ter levado em conta nenhum dos processos de transmissão de calor. O teste realizado é adequado. (8) Confuso, não demonstrando compreensão do assunto. (5) O vídeo apresenta fragilidades ao nível visual e de som, comprometendo a sua compreensão. (3) Muito Insuficiente O forno construído não é possível de ser utilizado (0) Não demonstra ter levado em conta nenhum dos processos de transmissão de calor. Não realiza teste ao forno. (0) Incompreensível, demonstrando nenhum domínio sobre o assunto. (0) A qualidade visual e do som torna o vídeo incompreensível. (0)