SlideShare uma empresa Scribd logo
TESTE DE AVALIAÇÃO 1
SEQUÊNCIA 1 – Poesia trovadoresca
TESTE DE AVALIAÇÃO
GRUPO I
A
Lê, atentamente, a seguinte composição poética.
Sedia-m' eu na ermida1 de Sam Simiom
e cercarom-mi as ondas, que grandes som!
eu atendend' o meu amigo!
eu atendend' o meu amigo!
Estando na ermida ant' o altar,
cercarom-mi as ondas grandes do mar;
eu atendend' o meu amigo!
eu atendend' o meu amigo!
E cercarom-mi as ondas, que grandes som,
Nom ei [i] barqueiro, nen remador:
eu atendend' o meu amigo!
eu atendend' o meu amigo!
E cercarom-mi as ondas do alto mar,
nom ei [i] barqueiro, nem sei remar:
eu atendend' o meu amigo!
eu atendend' o meu amigo!
Nom ei i barqueiro, nem remador;
morrerei [eu] fremosa no mar maior:
eu atendend' o meu amigo!
eu atendend' o meu amigo!
Nom ei [i] barqueiro, nem sei remar
morrerei eu fremosa no alto mar:
eu atendend' o meu amigo!
eu atendend' o meu amigo!
Meendinho(CV 438, CBN 795) Elsa Gonçalves, Maria Ana Ramos. A
Lírica Galego-Portuguesa. 1983. Lisboa: Editorial Comunicação.
Glossário:
1. ermida: pequena igreja, em sítio ermo.
Apresenta, de forma bem estruturada, as tuas respostas aos itens que se
seguem.
1. Atendendo aos tempos verbais presentes, delimita a cantiga em três partes,
sintetizando o conteúdo de cada uma delas numa frase elucidativa.
2. Refere três traços caracterizadores do sujeito poético, explicitando as
razões que os determinam.
3. Identifica o refrão e analisa a sua expressividade no contexto da cantiga.
B
Lê, atentamente, o seguinte texto poético.
Ai senhor fremosa! por Deus
e por quam boa vos El fez,
doede-vos algũa vez
de mim e destes olhos meus
5 que vos virom por mal de si,
quando vos virom, e por mi.
E porque vos fez Deus melhor
de quantas fez e mais valer,
querede-vos de mim doer
10 e destes meus olhos, senhor,
que vos virom por mal de si,
quando vos virom, e por mi.
E porque o al nom é rem1,
senom o bem que vos Deus deu,
15 querede-vos doer do meu
mal e dos meus olhos, meu bem,
que vos virom por mal de si,
quando vos virom, e por mi.
D. Dinis (CBN 518b, CV 121)
Lopes,Graça Videira; Ferreira, Manuel Pedro et al. (2011-),Cantigas Medievais Galego Portuguesas
[base de dados online].Lisboa:Instituto de Estudos Medievais,FCSH/NOVA. [Consulta em 14 de outubro
de 2014]Disponível em:<http://cantigas.fcsh.unl.pt>.
Glossário:
1. E porque o al nom é rem: e porque tudo o resto é sem valor.
Apresenta, de forma bem estruturada, as tuas respostas aos itens que se
seguem.
4. Refere o pedido endereçado pelo sujeito poético à “senhor fremosa”.
5. Identifica e delimita no tempo o período da língua em que a composição foi
escrita, fundamentando a tua resposta com duas características desse
período.
GRUPO II
Lê, atentamente, o texto seguinte.
A cidade de Santiago de Compostela é um dos muitos locais de
peregrinação apropriados pela religião cristã. Escavações
arqueológicas revelaram a existência de uma vila romana sob a cidade,
e de um cemitério pré-cristão e um mausoléu pagão sob a
catedral de Santiago. A prática de apropriação de locais sagrados e a
importação de lendas cristianizantes eram muito comuns. O catolicismo
aprendeu cedo que é mais difícil acabar com um foco de peregrinação,
ou com um local de devoção do que criar uma lenda que o integre no
catolicismo.
Mais tarde, com os focos de peregrinação ligados a relíquias que
começam a surgir na Idade Média, as práticas que lhes estão
associadas assemelham-se bastante às práticas dos cultos pagãos e
surge então a necessidade de uma nova apropriação destes locais de
peregrinação através da imposição de práticas sacramentais na
peregrinação. […]
Não há dúvida nenhuma que o Caminho se desenvolveu e se
transformou na “autoestrada da Europa” por causa do catolicismo e das
instituições ligadas à Igreja Católica, mas o passado mais distante,
comprovado pelas escavações arqueológicas, está bem vivo para os
peregrinos New Age ou místicos. É para o antigo templo pagão que eles
caminham, seguindo a rota dos antigos druidas que iam ver o Sol
apagar-se no mar em Finisterra (Charpentier, 1973).
O argumento de que a Igreja se apropriou de locais de culto
anteriores ao cristianismo é usado como estandarte pelo movimento
New Age, que assim justifica a sua presença no seio de uma
peregrinação tradicionalmente católica; a herança de uma peregrinação
druídica, ou mesmo celta, transformam o caminho num percurso
iniciático, místico e esotérico. Ao aproveitar alguns argumentos sobre a
sacralidade e simbolismo do caminho, veiculados pela própria Igreja, e
rejeitar outros, manipula um mecanismo socialmente reconhecido em
favor dos seus interesses. […]
Ana Catarina Mendes.Peregrinosa Santiago de Compostela:
uma Etnografia do Caminho Português. 2009. in http://repositorio.ul.pt/ [consultado em 5 de dezembro de
2014] .
1. Para responderes a cada um dos itens, seleciona a única opção que permite
obter uma afirmação correta.
Escreve, na folha de respostas, o número de cada item e a letra que identifica
a opção escolhida.
1.1. A finalidade do texto é a demonstração de que a cidade de Santiago de
Compostela é um local de peregrinação
(A) tradicionalmente católico, apesar das suas origens pagãs.
(B) conhecido do mundo europeu católico e, por isso, denominado a
“autoestrada da Europa”.
(C) druídico ou mesmo celta, mas com raízes católicas.
(D) indevidamente apropriado pela Igreja Católica como o afirma o movimento
New Age.
1.2. A demonstração e a fundamentação das ideias sobre a cidade de Santiago
de Compostela como local de peregrinação permitem inserir o texto acabado
de ler no género
(A) da apreciação crítica.
(B) da exposição sobre um tema.
(C) da notícia.
(D) do documentário.
1.3. Relativamente ao argumento apresentado pelo movimento New Age
acerca da cidade de Santiago de Compostela como local de peregrinação, a
autora
(A) não emite qualquer opinião.
(B) exprime a sua concordância.
(C) considera-o pertinente, atendendo às origens do local.
(D) considera-o manipulador.
1.4. A conjunção “ou” empregada na frase “ou com um local de devoção” (l.10)
tem um valor de
(A) adição.
(B) explicação.
(C) alternância.
(D) oposição.
1.5. Os fenómenos fonológicos que estiveram na base da evolução de
sacratu>sagrado são
(A) palatalização.
(B) sonorização e síncope.
(C) síncope.
(D) sonorização.
1.6. A frase “ que começam a surgir na Idade Média” (ll. 12-13) é uma oração
(A) subordinada adjetiva relativa explicativa.
(B) subordinada substantiva completiva.
(C) subordinada adjetiva relativa restritiva.
(D) subordinada adverbial consecutiva.
1.7. O constituinte “comprovado pelas escavações arqueológicas” da frase
“mas o passado mais distante, comprovado pelas escavações arqueológicas,
está bem vivo para os peregrinos New Age ou místicos.” (ll.17-19) desempenha
a função sintática de
(A) modificador do nome apositivo.
(B) modificador do grupo verbal.
(C) complemento oblíquo.
(D) modificador do nome restritivo.
2. Responde aos itens apresentados.
2.1. Retira do texto cinco palavras ou expressões do campo lexical de
“peregrinação”.
2.2. Identifica a função sintática do segmento sublinhado em “A prática de
apropriação de locais sagrados e a importação de lendas cristianizantes eram
muito comuns.” (ll. 6-8).
2.3. As palavras “sagrados” (l. 7) e “sacramentais” (l. 15) provêm do étimo
latino é sacra-. De acordo com os teus conhecimentos, dá dois exemplos de
outras palavras provenientes do mesmo étimo e formadas por via erudita.
GRUPO III
1. Faz a síntese do texto apresentado no Grupo II, constituído por cerca de
duzentas e noventa e seis palavras, num texto de setenta a noventa palavras.
CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE CLASSIFICAÇÃO
GRUPO I………………………………………………….…………… (100 pontos)
A.
1. ………………………………………………………………… 20 pontos
 Aspetos de conteúdo (C) ……………………………… 12 pontos
Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação
4
Delimita a cantiga em três partes, sintetizando,
adequadamente, o conteúdo de cada uma delas numa frase
elucidativa.
12
3
Delimita a cantiga em três partes, sintetizando, de modo não
totalmente completo ou com pequenas imprecisões, o
conteúdo de cada uma delas numa frase elucidativa.
9
2
Delimita a cantiga em três partes, sintetizando, de modo não
totalmente completo e com imprecisões, o conteúdo de cada
uma delas numa frase elucidativa.
6
1
Delimita a cantiga em partes, mas não sintetiza o conteúdo de
cada uma delas numa frase.
3
Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) ….. 8 pontos
Estruturação do discurso (E)………………………………………..…... 4 pontos
Correção linguística (CL) ………..…………………………………..….. 4 pontos
Cenário de resposta
A cantiga pode ser divida em três partes, cada uma delas constituída por dois
dísticos.
A primeira parte (os dois primeiros dísticos): a espera do “amigo”, na ermida, e
o cerco do mar. A segunda parte (o terceiro e quarto dísticos): sem a presença
do “amigo”, as ondas alterosas e a falta de recursos para a saída da ilha
ameaçam, cada vez mais, o sujeito poético. Finalmente, as duas últimas
estrofes: dolorosamente, a morte e a ausência do “amigo” tornar-se-ão
inevitáveis.
2. ………………………………………………………………………………………
20 pontos
 Aspetos de conteúdo (C) …………………………………………………..
12 pontos
Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação
4
Apresenta três traços caracterizadores do sujeito poético,
explicitando, adequadamente, as razões que os determinam. 12
3
Apresenta três traços caracterizadores do sujeito poético,
explicitando, de modo não totalmente completo ou com
pequenas imprecisões, as razões que os determinam.
OU
Apresenta dois traços caracterizadores do sujeito poético,
explicitando, adequadamente, as razões que os determinam.
9
2
Apresenta, de modo não totalmente completo e com
pequenas imprecisões, três traços caracterizadores do sujeito
poético, explicitando as razões que os determinam.
OU
Apresenta dois traços caracterizadores do sujeito poético,
explicitando, de modo não totalmente completo ou com
pequenas imprecisões, as razões que os determinam.
6
1
Apresenta traços caracterizadores do sujeito poético,
explicitando, de modo não totalmente completo e com
imprecisões, as razões que os determinam. 3
 Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) …….. 8 pontos
Estruturação do discurso (E) ……………………………………….. 4 pontos
Correção linguística (CL) ………………………………………….... 4 pontos
Cenário de resposta
2. O sujeito poético, no primeiro momento, já revela preocupação pelo cerco do
mar, mas ainda parece ter esperança que o “amigo” compareça ao encontro.
Nos dísticos seguintes, a aflição e o desespero perante a situação do mar e o
atraso do “amigo” são os traços mais marcantes do sujeito poético. Finalmente,
a dor, mas também o conformismo e a impotência para resolver a situação
dramática em que se encontra avassalam o sujeito poético.
3. ………………………………………………………………….. 20 pontos
 Aspetos de conteúdo (C) ……………………………….12 pontos
Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação
4
Identifica o refrão e analisa, adequadamente, a sua
expressividade no contexto da cantiga. 12
3
Identifica o refrão e analisa, de modo não totalmente completo
ou com pequenas imprecisões, a sua expressividade no
contexto da cantiga.
9
2
Identifica o refrão e analisa, de modo não totalmente completo
e com pequenas imprecisões, a sua expressividade no
contexto da cantiga.
6
1
Identifica o refrão e refere, de modo incompleto e com
imprecisões, a sua expressividade no contexto da cantiga.
3
 Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) ……… 8 pontos
Estruturação do discurso (E) ……………………………………………. 4 pontos
Correção linguística (CL) ………………………………………………... 4 pontos
Cenário de resposta
O refrão é constituído pelos dois versos finais de cada estrofe “eu atendend' o
meu amigo!,/eu atendend' o meu amigo!”. Ao longo da cantiga, o refrão vai
adquirindo sentidos diferentes. Assim, no primeiro momento, a espera do
“amigo” parece estar a ser vivida ainda com alguma serenidade pelo sujeito
poético. No segundo momento, a angústia perante as condições adversas do
mar e a espera do amigo, que não chega, conjugam-se com a revolta,
nervosismo ou até reprovação. Finalmente, o refrão traduz a desolação e o
desgosto do sujeito poético. A forma verbal do gerúndio vai, assim, adquirindo
diferentes sentidos ao longo da cantiga de amigo.
B ………………………………………………………………. 40 pontos
4. …………………………………………………………….. 20 pontos
 Aspetos de conteúdo (C) ………………………….12 pontos
Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação
4
Refere, adequadamente, o pedido endereçado pelo sujeito
poético à “senhora fremosa”.
12
3
Refere, de modo não totalmente completo ou com pequenas
imprecisões, o pedido endereçado pelo sujeito poético à
“senhora fremosa”.
9
2
Refere, de modo não totalmente incompleto e com pequenas
imprecisões, o pedido endereçado pelo sujeito poético à
“senhora fremosa”.
6
1
Transcreve expressões textuais relacionadas com o pedido
endereçado pelo sujeito poético à “senhora fremosa”.
3
 Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) …….. 8 pontos
Estruturação do discurso (E) ……………………………………........... 4 pontos
Correção linguística (CL) ……………………………………...……….. 4 pontos
Cenário de resposta
O sujeito poético, depois de enaltecer as qualidades da “senhor”, pede-lhe que
se compadeça do sofrimento dos seus olhos e de si próprio, que também sofre
(“querede-vos de mim doer/e destes meus olhos, senhor”).
5. ……………………………………………………………………. 20 pontos
. Aspetos de conteúdo (C) ……………………………………. 12 pontos
Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação
4
Identifica e delimita no tempo, adequadamente, o período da
língua em que a composição foi escrita e fundamenta com
duas características.
12
3
Identifica e delimita no tempo, adequadamente, o período da
língua em que a composição foi escrita e fundamenta com
apenas uma característica.
9
2
Identifica, adequadamente, o período da língua em que a
composição foi escrita e fundamenta com uma ou duas
características.
6
1
Identifica, com ligeiras imprecisões, o período da língua em
que a composição foi escrita.
3
Cenário de resposta
Período do galaico-português delimitado entre o final do século XII até ao final
do século XV; características da língua: mudança na forma das palavras
fremosa>formosa; presença do –d- nas formas verbais da 2.ª pessoa do plural
(“doede-vos” e “querede-vos”) e os nomes terminados em –or, que eram
uniformes (“senhor”).
GRUPO II ………………………………………………………… 50 pontos
Chave
Item Alínea Pontuação
1.1. A 5
1.2. B 5
1.3. D 5
1.4. C 5
1.5. D 5
1.6. C 5
1.7. A 5
2.1. Sagrados, Santiago de Compostela, catolicismo,
catedral, relíquias, cultos, pagãos …
5
2.2. Predicativo do sujeito. 5
2.3. Sacristia, sacratíssimo, sacramento, sacrifício… 5
Grupo III …..…………………………………………………………….. 50 pontos
Critérios específicos de classificação
A – Estrutura informacional (nível do conteúdo) .................................20 pontos
B – Estratégias discursivas e linguísticas ...........................................30 pontos
• Organização da informação ……………………………………………15 pontos
• Correção linguística …………………………………………………….15 pontos
Cenário de resposta
Segundo a autora, Santiago de Compostela tem sido, ao longo dos tempos, um
local de peregrinação utilizado com diferentes intenções, onde se cruza o
catolicismo com manifestações célticas e druídicas.
Para sedimentar a sua importância, o catolicismo criou uma lenda de modo a
apoderar-se daquele local, que fora palco de manifestações religiosas de
outros povos e religiões.
Na opinião da investigadora, na Idade Média, sentiu-se necessidade de dar
àquele espaço uma dimensão mais sagrada. Atualmente há peregrinos que se
dirigem a Santiago para reencontrar o misticismo pagão de outrora.
PONTUAÇÃO
PARÂMETRO
DESCRITORES DOS NÍVEIS DE DESEMPENHO (ETD)
15 12 9 6 3
A
Género textual
(síntese)
- Explicita o
objetivo do autor.
- Preserva, com
rigor, a
informação
nuclear do texto-
fonte, através da:
. manutenção dos
tópicos;
. manutenção da
rede semântica
do texto-fonte.
- Mobiliza a
informação
seletiva, de
acordo com o
género solicitado:
. produz um
discurso
coerente e sem
qualquer tipo de
ambiguidade;
. transmite, com
clareza,
informação
pertinente do
texto-fonte.
NÍVELINTERCALAR
- Explicita, com
lacunas, o objetivo
do autor.
- Preserva, com
algumas lacunas, a
informação nuclear
do texto-fonte,
através da:
. manutenção dos
tópicos;
. manutenção da
rede semântica do
texto-fonte.
– Mobiliza
informação seletiva
suficiente, de
acordo com o
género solicitado:
. produz um
discurso
globalmente
coerente,
apesar de algumas
ambiguidades;
. transmite
informação
pertinente,
eventualmente
com lacunas que
não afetam, porém,
a inteligibilidade.
NÍVELINTERCALAR
– Preserva reduzida
informação nuclear
do texto-fonte.
– Mobiliza reduzida
informação, de
acordo com o
género solicitado:
. produz um discurso
geralmente
inconsistente e, por
vezes, ininteligível;
.apresenta um texto
em que traços do
tipo
solicitado se
misturam,
sem critério, com os
de outros tipos
textuais.
PONTUAÇÃO
PARÂMETRO
DESCRITORES DOS NÍVEIS DE DESEMPENHO (ETD)
10 8 6 4 2
B
Organização da
informação
- Produz um
discurso conciso;
optando por
construções mais
económicas -
supressão de
estruturas
sintáticas ou
lexicais repetitivas;
uso de um
vocabulário
genérico que
substitua
expressões
nominais mais
específicas; uso de
frases complexas.
- Utiliza, com rigor,
mecanismos de
coesão espacial,
temporal e
referencial.
- Socorre-se de
articuladores
discursivos de
modo a fazer um
encadeamento
lógico dos tópicos
tratados.
NÍVELINTERCALAR
- Produz um
discurso pouco
conciso.
- Utiliza, com
algumas
insuficiências,
mecanismos de
coesão espacial,
temporal e
referencial.
- Socorre-se de
articuladores
discursivos de
modo a fazer um
encadeamento
lógico dos
tópicos tratados,
embora com
algumas
incorreções.
NÍVELINTERCALAR
- Produz um texto
com estruturação
muito deficiente e
com insuficientes
mecanismos de
coesão textual:
- Raramente
utiliza
conectores e
mecanismos de
coesão textual ou
utiliza-os de
forma
inadequada.
ESTRUTURA INFORMACIONAL (NÍVEL DO CONTEÚDO)
• Preservação da informação nuclear do texto, através de:
A- MANUTENÇÃO DOS TÓPICOS
– Santiago de Compostela, local de peregrinação:
 apropriação pela religião cristã;
 vestígios de outras civilizações/ outros cultos;
 importância das lendas.
- Necessidade de redimensionar os locais de peregrinação, conferindo-lhes
uma dimensão sagrada.
- Novos peregrinos New Age ou místicos.
- Justificação da presença dos novos peregrinos num local de culto hoje
associado à Igreja católica.
- Explicitação do objetivo do autor.
PONTUAÇÃO
PARÂMETRO
DESCRITORES DOS NÍVEIS DE DESEMPENHO (ETD)
5 4 3 2 1
C
Léxico e
adequação
discursiva
– Mobiliza, com
intencionalidade,
recursos da
língua
expressivos e
adequados
(repertório lexical
variado e
pertinente,
pontuação...).
- Utiliza a 3.ª
pessoa.
– Utiliza o registo
de língua
adequado ao
texto-fonte.
NÍVELINTERCALAR
– Mobiliza um
repertório lexical
adequado, mas
pouco variado.
– Utiliza, em
geral, o registo
de língua
adequado ao
texto-fonte, mas
apresentando
alguns
afastamentos
que afetam
pontualmente a
adequação
global.
NÍVELINTERCALAR
– Utiliza
vocabulário
elementar e
restrito,
frequentemente
redundante e/ou
inadequado e/ou
fazendo cópia de
partes do texto-
fonte
II – MANUTENÇÃO DA REDE SEMÂNTICA RELATIVA AO TEMA, NO TODO
OU EM PARTE, A QUAL DEVERÁ INTEGRAR
- Vocábulos e expressões constantes do texto, ou seus equivalentes, tais como
Santiago de Compostela, peregrinação, religião, religião cristã, catolicismo,
lenda, “autoestrada da Europa”, New Age, místicos, pagão.
 Estratégias discursivas e linguísticas
I - ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO:
– discurso conciso; opção por construções mais económicas: supressão de
estruturas sintáticas ou lexicais repetitivas; uso de um vocabulário genérico que
substitua expressões nominais mais específicas; uso de frases complexas;
- utilização da 3.ª pessoa;
CONTROLO DE MECANISMOS DE COESÃO:
- espacial: Santiago de Compostela, “autoestrada da Europa”;
- temporal: Idade Média, passado mais distante, anteriores ao cristianismo;
- referencial:.local de peregrinação; religião cristã, catolicismo, práticas de culto
pagão, práticas sacramentais, peregrino, New Age, peregrinação druídica,
celta…
– utilização de articuladores discursivos: mais tarde, então, não há dúvida,
mas, assim.
Fatores de desvalorização
Correção linguística
Fatores de desvalorização Desvalorização
(pontos)
 Erro inequívoco de pontuação.
 Erro de ortografia (incluindo erro de acentuação,
uso indevido de letra minúscula ou de letra
maiúscula e erro de translineação).
 Erro de morfologia.
 Incumprimento das regras de citação de texto ou
de referência a título de uma obra.
1
 Erro de sintaxe.
 Impropriedade lexical.
2
A repetição de um erro de ortografia na mesma resposta (incluindo erro de
acentuação, uso indevido de letra minúscula ou de letra maiúscula inicial e
erro de translineação) deve ser contabilizada como uma única ocorrência.
Limites de extensão
Sempre que não sejam respeitados os limites relativos ao número de
palavras indicados na instrução do item, deve ser descontado um ponto por
cada palavra a mais ou a menos, até cinco (1x5) pontos, depois de aplicados
todos os critérios definidos para o item. Se da aplicação deste fator de
desvalorização resultar uma classificação inferior a zero pontos, é atribuída
à resposta a classificação de zero pontos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

teste frei luis.pdf
teste frei luis.pdfteste frei luis.pdf
teste frei luis.pdf
Telma Casimiro
 
Ondas do mar de vigo
Ondas do mar de vigoOndas do mar de vigo
Ondas do mar de vigo
Paula Oliveira Cruz
 
Palavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentesPalavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentes
Susana Sobrenome
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
Lurdes Augusto
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
Raffaella Ergün
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
Cristina Martins
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
Helena Coutinho
 
Sedia m'eu na ermida
Sedia m'eu na ermidaSedia m'eu na ermida
Sedia m'eu na ermida
Paula Oliveira Cruz
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
António Fernandes
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Gijasilvelitz 2
 
"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
Maria João Oliveira
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Vanda Sousa
 
Ficha valor-modal-e-aspetual
Ficha valor-modal-e-aspetualFicha valor-modal-e-aspetual
Ficha valor-modal-e-aspetual
paulacpfs
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
Helena Coutinho
 
Modificador da frase
Modificador da fraseModificador da frase
Modificador da frase
Christine Andrade
 
Um mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoUm mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadoso
Helena Coutinho
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
nanasimao
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
Paula Oliveira Cruz
 
livro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdflivro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdf
InesVieiraAluno
 
10º testes leya
10º testes leya10º testes leya
10º testes leya
Graça Gomes
 

Mais procurados (20)

teste frei luis.pdf
teste frei luis.pdfteste frei luis.pdf
teste frei luis.pdf
 
Ondas do mar de vigo
Ondas do mar de vigoOndas do mar de vigo
Ondas do mar de vigo
 
Palavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentesPalavras divergentes e convergentes
Palavras divergentes e convergentes
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 
Sedia m'eu na ermida
Sedia m'eu na ermidaSedia m'eu na ermida
Sedia m'eu na ermida
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
"D. Sebastião, Rei de Portugal" - análise
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Ficha valor-modal-e-aspetual
Ficha valor-modal-e-aspetualFicha valor-modal-e-aspetual
Ficha valor-modal-e-aspetual
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
 
Modificador da frase
Modificador da fraseModificador da frase
Modificador da frase
 
Um mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoUm mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadoso
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
livro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdflivro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdf
 
10º testes leya
10º testes leya10º testes leya
10º testes leya
 

Semelhante a Teste1 poesia trovadoresca 10 ano

Mensagens11_Testes_avaliacao_Teste_1_AE_Unidade_1_e_Rimas.pdf
Mensagens11_Testes_avaliacao_Teste_1_AE_Unidade_1_e_Rimas.pdfMensagens11_Testes_avaliacao_Teste_1_AE_Unidade_1_e_Rimas.pdf
Mensagens11_Testes_avaliacao_Teste_1_AE_Unidade_1_e_Rimas.pdf
FilipaCampos15
 
Exame mensagem
Exame mensagemExame mensagem
Exame mensagem
António Fraga
 
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   língua portuguesa 1 - 2o. bimGabarito 3o. ano   língua portuguesa 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 1 - 2o. bim
stjamesmkt
 
Aval. global 3º ano gramática
Aval. global 3º ano gramáticaAval. global 3º ano gramática
Aval. global 3º ano gramática
Valderice Costa
 
Exercicios Parte Apocalíptica de Daniel
Exercicios Parte Apocalíptica de DanielExercicios Parte Apocalíptica de Daniel
Exercicios Parte Apocalíptica de Daniel
Leonardo Marques
 
A mensagem de apocalipse digno é o cordeiro - ray summers
A mensagem de apocalipse    digno é o cordeiro - ray summersA mensagem de apocalipse    digno é o cordeiro - ray summers
A mensagem de apocalipse digno é o cordeiro - ray summers
Eveline Sol
 
Lingua Portuguesa
Lingua PortuguesaLingua Portuguesa
Lingua Portuguesa
otsciepalexandrecarvalho
 
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesaBanco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
otsciepalexandrecarvalho
 
1º teste 12ºAd2.pdf
1º teste 12ºAd2.pdf1º teste 12ºAd2.pdf
1º teste 12ºAd2.pdf
TniaSilva266809
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139
luisprista
 
1 ano prof karol
1 ano prof karol1 ano prof karol
1 ano prof karol
Karol Pretti
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
luisprista
 
Trabalho 3º bimestre de 2011-2º ano
Trabalho 3º bimestre de 2011-2º anoTrabalho 3º bimestre de 2011-2º ano
Trabalho 3º bimestre de 2011-2º ano
edportugues
 
Trabalho 3º bimestre de 2011-2º ano
Trabalho 3º bimestre de 2011-2º anoTrabalho 3º bimestre de 2011-2º ano
Trabalho 3º bimestre de 2011-2º ano
edportugues
 
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 33
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 33Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 33
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 33
luisprista
 
Exercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualExercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textual
Seduc/AM
 
Correções livro 6º ano
Correções livro 6º anoCorreções livro 6º ano
Correções livro 6º ano
Elisângela Martins Rodrigues
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 17-18
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 17-18Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 17-18
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 17-18
luisprista
 
Teste de preparação correção
Teste de preparação   correçãoTeste de preparação   correção
Teste de preparação correção
Isabel Couto
 
Prova internet-pssi-2006
Prova internet-pssi-2006Prova internet-pssi-2006
Prova internet-pssi-2006
Lucas Ferreira
 

Semelhante a Teste1 poesia trovadoresca 10 ano (20)

Mensagens11_Testes_avaliacao_Teste_1_AE_Unidade_1_e_Rimas.pdf
Mensagens11_Testes_avaliacao_Teste_1_AE_Unidade_1_e_Rimas.pdfMensagens11_Testes_avaliacao_Teste_1_AE_Unidade_1_e_Rimas.pdf
Mensagens11_Testes_avaliacao_Teste_1_AE_Unidade_1_e_Rimas.pdf
 
Exame mensagem
Exame mensagemExame mensagem
Exame mensagem
 
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   língua portuguesa 1 - 2o. bimGabarito 3o. ano   língua portuguesa 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 1 - 2o. bim
 
Aval. global 3º ano gramática
Aval. global 3º ano gramáticaAval. global 3º ano gramática
Aval. global 3º ano gramática
 
Exercicios Parte Apocalíptica de Daniel
Exercicios Parte Apocalíptica de DanielExercicios Parte Apocalíptica de Daniel
Exercicios Parte Apocalíptica de Daniel
 
A mensagem de apocalipse digno é o cordeiro - ray summers
A mensagem de apocalipse    digno é o cordeiro - ray summersA mensagem de apocalipse    digno é o cordeiro - ray summers
A mensagem de apocalipse digno é o cordeiro - ray summers
 
Lingua Portuguesa
Lingua PortuguesaLingua Portuguesa
Lingua Portuguesa
 
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesaBanco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
 
1º teste 12ºAd2.pdf
1º teste 12ºAd2.pdf1º teste 12ºAd2.pdf
1º teste 12ºAd2.pdf
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139
 
1 ano prof karol
1 ano prof karol1 ano prof karol
1 ano prof karol
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
 
Trabalho 3º bimestre de 2011-2º ano
Trabalho 3º bimestre de 2011-2º anoTrabalho 3º bimestre de 2011-2º ano
Trabalho 3º bimestre de 2011-2º ano
 
Trabalho 3º bimestre de 2011-2º ano
Trabalho 3º bimestre de 2011-2º anoTrabalho 3º bimestre de 2011-2º ano
Trabalho 3º bimestre de 2011-2º ano
 
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 33
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 33Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 33
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 33
 
Exercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualExercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textual
 
Correções livro 6º ano
Correções livro 6º anoCorreções livro 6º ano
Correções livro 6º ano
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 17-18
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 17-18Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 17-18
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 17-18
 
Teste de preparação correção
Teste de preparação   correçãoTeste de preparação   correção
Teste de preparação correção
 
Prova internet-pssi-2006
Prova internet-pssi-2006Prova internet-pssi-2006
Prova internet-pssi-2006
 

Último

Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 

Teste1 poesia trovadoresca 10 ano

  • 1. TESTE DE AVALIAÇÃO 1 SEQUÊNCIA 1 – Poesia trovadoresca TESTE DE AVALIAÇÃO GRUPO I A Lê, atentamente, a seguinte composição poética. Sedia-m' eu na ermida1 de Sam Simiom e cercarom-mi as ondas, que grandes som! eu atendend' o meu amigo! eu atendend' o meu amigo! Estando na ermida ant' o altar, cercarom-mi as ondas grandes do mar; eu atendend' o meu amigo! eu atendend' o meu amigo! E cercarom-mi as ondas, que grandes som, Nom ei [i] barqueiro, nen remador: eu atendend' o meu amigo! eu atendend' o meu amigo! E cercarom-mi as ondas do alto mar, nom ei [i] barqueiro, nem sei remar: eu atendend' o meu amigo! eu atendend' o meu amigo! Nom ei i barqueiro, nem remador; morrerei [eu] fremosa no mar maior: eu atendend' o meu amigo! eu atendend' o meu amigo! Nom ei [i] barqueiro, nem sei remar morrerei eu fremosa no alto mar: eu atendend' o meu amigo! eu atendend' o meu amigo! Meendinho(CV 438, CBN 795) Elsa Gonçalves, Maria Ana Ramos. A Lírica Galego-Portuguesa. 1983. Lisboa: Editorial Comunicação. Glossário: 1. ermida: pequena igreja, em sítio ermo.
  • 2. Apresenta, de forma bem estruturada, as tuas respostas aos itens que se seguem. 1. Atendendo aos tempos verbais presentes, delimita a cantiga em três partes, sintetizando o conteúdo de cada uma delas numa frase elucidativa. 2. Refere três traços caracterizadores do sujeito poético, explicitando as razões que os determinam. 3. Identifica o refrão e analisa a sua expressividade no contexto da cantiga. B Lê, atentamente, o seguinte texto poético. Ai senhor fremosa! por Deus e por quam boa vos El fez, doede-vos algũa vez de mim e destes olhos meus 5 que vos virom por mal de si, quando vos virom, e por mi. E porque vos fez Deus melhor de quantas fez e mais valer, querede-vos de mim doer 10 e destes meus olhos, senhor, que vos virom por mal de si, quando vos virom, e por mi. E porque o al nom é rem1, senom o bem que vos Deus deu, 15 querede-vos doer do meu mal e dos meus olhos, meu bem, que vos virom por mal de si, quando vos virom, e por mi. D. Dinis (CBN 518b, CV 121) Lopes,Graça Videira; Ferreira, Manuel Pedro et al. (2011-),Cantigas Medievais Galego Portuguesas [base de dados online].Lisboa:Instituto de Estudos Medievais,FCSH/NOVA. [Consulta em 14 de outubro de 2014]Disponível em:<http://cantigas.fcsh.unl.pt>. Glossário: 1. E porque o al nom é rem: e porque tudo o resto é sem valor. Apresenta, de forma bem estruturada, as tuas respostas aos itens que se seguem. 4. Refere o pedido endereçado pelo sujeito poético à “senhor fremosa”.
  • 3. 5. Identifica e delimita no tempo o período da língua em que a composição foi escrita, fundamentando a tua resposta com duas características desse período. GRUPO II Lê, atentamente, o texto seguinte. A cidade de Santiago de Compostela é um dos muitos locais de peregrinação apropriados pela religião cristã. Escavações arqueológicas revelaram a existência de uma vila romana sob a cidade, e de um cemitério pré-cristão e um mausoléu pagão sob a catedral de Santiago. A prática de apropriação de locais sagrados e a importação de lendas cristianizantes eram muito comuns. O catolicismo aprendeu cedo que é mais difícil acabar com um foco de peregrinação, ou com um local de devoção do que criar uma lenda que o integre no catolicismo. Mais tarde, com os focos de peregrinação ligados a relíquias que começam a surgir na Idade Média, as práticas que lhes estão associadas assemelham-se bastante às práticas dos cultos pagãos e surge então a necessidade de uma nova apropriação destes locais de peregrinação através da imposição de práticas sacramentais na peregrinação. […] Não há dúvida nenhuma que o Caminho se desenvolveu e se transformou na “autoestrada da Europa” por causa do catolicismo e das instituições ligadas à Igreja Católica, mas o passado mais distante, comprovado pelas escavações arqueológicas, está bem vivo para os peregrinos New Age ou místicos. É para o antigo templo pagão que eles caminham, seguindo a rota dos antigos druidas que iam ver o Sol apagar-se no mar em Finisterra (Charpentier, 1973). O argumento de que a Igreja se apropriou de locais de culto anteriores ao cristianismo é usado como estandarte pelo movimento New Age, que assim justifica a sua presença no seio de uma peregrinação tradicionalmente católica; a herança de uma peregrinação druídica, ou mesmo celta, transformam o caminho num percurso iniciático, místico e esotérico. Ao aproveitar alguns argumentos sobre a sacralidade e simbolismo do caminho, veiculados pela própria Igreja, e rejeitar outros, manipula um mecanismo socialmente reconhecido em favor dos seus interesses. […] Ana Catarina Mendes.Peregrinosa Santiago de Compostela: uma Etnografia do Caminho Português. 2009. in http://repositorio.ul.pt/ [consultado em 5 de dezembro de 2014] .
  • 4. 1. Para responderes a cada um dos itens, seleciona a única opção que permite obter uma afirmação correta. Escreve, na folha de respostas, o número de cada item e a letra que identifica a opção escolhida. 1.1. A finalidade do texto é a demonstração de que a cidade de Santiago de Compostela é um local de peregrinação (A) tradicionalmente católico, apesar das suas origens pagãs. (B) conhecido do mundo europeu católico e, por isso, denominado a “autoestrada da Europa”. (C) druídico ou mesmo celta, mas com raízes católicas. (D) indevidamente apropriado pela Igreja Católica como o afirma o movimento New Age. 1.2. A demonstração e a fundamentação das ideias sobre a cidade de Santiago de Compostela como local de peregrinação permitem inserir o texto acabado de ler no género (A) da apreciação crítica. (B) da exposição sobre um tema. (C) da notícia. (D) do documentário. 1.3. Relativamente ao argumento apresentado pelo movimento New Age acerca da cidade de Santiago de Compostela como local de peregrinação, a autora (A) não emite qualquer opinião. (B) exprime a sua concordância. (C) considera-o pertinente, atendendo às origens do local. (D) considera-o manipulador. 1.4. A conjunção “ou” empregada na frase “ou com um local de devoção” (l.10) tem um valor de (A) adição. (B) explicação. (C) alternância. (D) oposição. 1.5. Os fenómenos fonológicos que estiveram na base da evolução de sacratu>sagrado são (A) palatalização.
  • 5. (B) sonorização e síncope. (C) síncope. (D) sonorização. 1.6. A frase “ que começam a surgir na Idade Média” (ll. 12-13) é uma oração (A) subordinada adjetiva relativa explicativa. (B) subordinada substantiva completiva. (C) subordinada adjetiva relativa restritiva. (D) subordinada adverbial consecutiva. 1.7. O constituinte “comprovado pelas escavações arqueológicas” da frase “mas o passado mais distante, comprovado pelas escavações arqueológicas, está bem vivo para os peregrinos New Age ou místicos.” (ll.17-19) desempenha a função sintática de (A) modificador do nome apositivo. (B) modificador do grupo verbal. (C) complemento oblíquo. (D) modificador do nome restritivo. 2. Responde aos itens apresentados. 2.1. Retira do texto cinco palavras ou expressões do campo lexical de “peregrinação”. 2.2. Identifica a função sintática do segmento sublinhado em “A prática de apropriação de locais sagrados e a importação de lendas cristianizantes eram muito comuns.” (ll. 6-8). 2.3. As palavras “sagrados” (l. 7) e “sacramentais” (l. 15) provêm do étimo latino é sacra-. De acordo com os teus conhecimentos, dá dois exemplos de outras palavras provenientes do mesmo étimo e formadas por via erudita. GRUPO III 1. Faz a síntese do texto apresentado no Grupo II, constituído por cerca de duzentas e noventa e seis palavras, num texto de setenta a noventa palavras.
  • 6. CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE CLASSIFICAÇÃO GRUPO I………………………………………………….…………… (100 pontos) A. 1. ………………………………………………………………… 20 pontos  Aspetos de conteúdo (C) ……………………………… 12 pontos Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação 4 Delimita a cantiga em três partes, sintetizando, adequadamente, o conteúdo de cada uma delas numa frase elucidativa. 12 3 Delimita a cantiga em três partes, sintetizando, de modo não totalmente completo ou com pequenas imprecisões, o conteúdo de cada uma delas numa frase elucidativa. 9 2 Delimita a cantiga em três partes, sintetizando, de modo não totalmente completo e com imprecisões, o conteúdo de cada uma delas numa frase elucidativa. 6 1 Delimita a cantiga em partes, mas não sintetiza o conteúdo de cada uma delas numa frase. 3 Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) ….. 8 pontos Estruturação do discurso (E)………………………………………..…... 4 pontos Correção linguística (CL) ………..…………………………………..….. 4 pontos Cenário de resposta A cantiga pode ser divida em três partes, cada uma delas constituída por dois dísticos. A primeira parte (os dois primeiros dísticos): a espera do “amigo”, na ermida, e o cerco do mar. A segunda parte (o terceiro e quarto dísticos): sem a presença do “amigo”, as ondas alterosas e a falta de recursos para a saída da ilha ameaçam, cada vez mais, o sujeito poético. Finalmente, as duas últimas estrofes: dolorosamente, a morte e a ausência do “amigo” tornar-se-ão inevitáveis. 2. ……………………………………………………………………………………… 20 pontos  Aspetos de conteúdo (C) ………………………………………………….. 12 pontos
  • 7. Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação 4 Apresenta três traços caracterizadores do sujeito poético, explicitando, adequadamente, as razões que os determinam. 12 3 Apresenta três traços caracterizadores do sujeito poético, explicitando, de modo não totalmente completo ou com pequenas imprecisões, as razões que os determinam. OU Apresenta dois traços caracterizadores do sujeito poético, explicitando, adequadamente, as razões que os determinam. 9 2 Apresenta, de modo não totalmente completo e com pequenas imprecisões, três traços caracterizadores do sujeito poético, explicitando as razões que os determinam. OU Apresenta dois traços caracterizadores do sujeito poético, explicitando, de modo não totalmente completo ou com pequenas imprecisões, as razões que os determinam. 6 1 Apresenta traços caracterizadores do sujeito poético, explicitando, de modo não totalmente completo e com imprecisões, as razões que os determinam. 3  Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) …….. 8 pontos Estruturação do discurso (E) ……………………………………….. 4 pontos Correção linguística (CL) ………………………………………….... 4 pontos Cenário de resposta 2. O sujeito poético, no primeiro momento, já revela preocupação pelo cerco do mar, mas ainda parece ter esperança que o “amigo” compareça ao encontro. Nos dísticos seguintes, a aflição e o desespero perante a situação do mar e o atraso do “amigo” são os traços mais marcantes do sujeito poético. Finalmente, a dor, mas também o conformismo e a impotência para resolver a situação dramática em que se encontra avassalam o sujeito poético. 3. ………………………………………………………………….. 20 pontos
  • 8.  Aspetos de conteúdo (C) ……………………………….12 pontos Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação 4 Identifica o refrão e analisa, adequadamente, a sua expressividade no contexto da cantiga. 12 3 Identifica o refrão e analisa, de modo não totalmente completo ou com pequenas imprecisões, a sua expressividade no contexto da cantiga. 9 2 Identifica o refrão e analisa, de modo não totalmente completo e com pequenas imprecisões, a sua expressividade no contexto da cantiga. 6 1 Identifica o refrão e refere, de modo incompleto e com imprecisões, a sua expressividade no contexto da cantiga. 3  Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) ……… 8 pontos Estruturação do discurso (E) ……………………………………………. 4 pontos Correção linguística (CL) ………………………………………………... 4 pontos Cenário de resposta O refrão é constituído pelos dois versos finais de cada estrofe “eu atendend' o meu amigo!,/eu atendend' o meu amigo!”. Ao longo da cantiga, o refrão vai adquirindo sentidos diferentes. Assim, no primeiro momento, a espera do “amigo” parece estar a ser vivida ainda com alguma serenidade pelo sujeito poético. No segundo momento, a angústia perante as condições adversas do mar e a espera do amigo, que não chega, conjugam-se com a revolta, nervosismo ou até reprovação. Finalmente, o refrão traduz a desolação e o desgosto do sujeito poético. A forma verbal do gerúndio vai, assim, adquirindo diferentes sentidos ao longo da cantiga de amigo. B ………………………………………………………………. 40 pontos 4. …………………………………………………………….. 20 pontos  Aspetos de conteúdo (C) ………………………….12 pontos Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação 4 Refere, adequadamente, o pedido endereçado pelo sujeito poético à “senhora fremosa”. 12 3 Refere, de modo não totalmente completo ou com pequenas imprecisões, o pedido endereçado pelo sujeito poético à “senhora fremosa”. 9
  • 9. 2 Refere, de modo não totalmente incompleto e com pequenas imprecisões, o pedido endereçado pelo sujeito poético à “senhora fremosa”. 6 1 Transcreve expressões textuais relacionadas com o pedido endereçado pelo sujeito poético à “senhora fremosa”. 3  Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) …….. 8 pontos Estruturação do discurso (E) ……………………………………........... 4 pontos Correção linguística (CL) ……………………………………...……….. 4 pontos Cenário de resposta O sujeito poético, depois de enaltecer as qualidades da “senhor”, pede-lhe que se compadeça do sofrimento dos seus olhos e de si próprio, que também sofre (“querede-vos de mim doer/e destes meus olhos, senhor”). 5. ……………………………………………………………………. 20 pontos . Aspetos de conteúdo (C) ……………………………………. 12 pontos Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação 4 Identifica e delimita no tempo, adequadamente, o período da língua em que a composição foi escrita e fundamenta com duas características. 12 3 Identifica e delimita no tempo, adequadamente, o período da língua em que a composição foi escrita e fundamenta com apenas uma característica. 9 2 Identifica, adequadamente, o período da língua em que a composição foi escrita e fundamenta com uma ou duas características. 6 1 Identifica, com ligeiras imprecisões, o período da língua em que a composição foi escrita. 3 Cenário de resposta Período do galaico-português delimitado entre o final do século XII até ao final do século XV; características da língua: mudança na forma das palavras fremosa>formosa; presença do –d- nas formas verbais da 2.ª pessoa do plural (“doede-vos” e “querede-vos”) e os nomes terminados em –or, que eram uniformes (“senhor”). GRUPO II ………………………………………………………… 50 pontos
  • 10. Chave Item Alínea Pontuação 1.1. A 5 1.2. B 5 1.3. D 5 1.4. C 5 1.5. D 5 1.6. C 5 1.7. A 5 2.1. Sagrados, Santiago de Compostela, catolicismo, catedral, relíquias, cultos, pagãos … 5 2.2. Predicativo do sujeito. 5 2.3. Sacristia, sacratíssimo, sacramento, sacrifício… 5 Grupo III …..…………………………………………………………….. 50 pontos Critérios específicos de classificação A – Estrutura informacional (nível do conteúdo) .................................20 pontos B – Estratégias discursivas e linguísticas ...........................................30 pontos • Organização da informação ……………………………………………15 pontos • Correção linguística …………………………………………………….15 pontos Cenário de resposta Segundo a autora, Santiago de Compostela tem sido, ao longo dos tempos, um local de peregrinação utilizado com diferentes intenções, onde se cruza o catolicismo com manifestações célticas e druídicas. Para sedimentar a sua importância, o catolicismo criou uma lenda de modo a apoderar-se daquele local, que fora palco de manifestações religiosas de outros povos e religiões. Na opinião da investigadora, na Idade Média, sentiu-se necessidade de dar àquele espaço uma dimensão mais sagrada. Atualmente há peregrinos que se dirigem a Santiago para reencontrar o misticismo pagão de outrora.
  • 11. PONTUAÇÃO PARÂMETRO DESCRITORES DOS NÍVEIS DE DESEMPENHO (ETD) 15 12 9 6 3 A Género textual (síntese) - Explicita o objetivo do autor. - Preserva, com rigor, a informação nuclear do texto- fonte, através da: . manutenção dos tópicos; . manutenção da rede semântica do texto-fonte. - Mobiliza a informação seletiva, de acordo com o género solicitado: . produz um discurso coerente e sem qualquer tipo de ambiguidade; . transmite, com clareza, informação pertinente do texto-fonte. NÍVELINTERCALAR - Explicita, com lacunas, o objetivo do autor. - Preserva, com algumas lacunas, a informação nuclear do texto-fonte, através da: . manutenção dos tópicos; . manutenção da rede semântica do texto-fonte. – Mobiliza informação seletiva suficiente, de acordo com o género solicitado: . produz um discurso globalmente coerente, apesar de algumas ambiguidades; . transmite informação pertinente, eventualmente com lacunas que não afetam, porém, a inteligibilidade. NÍVELINTERCALAR – Preserva reduzida informação nuclear do texto-fonte. – Mobiliza reduzida informação, de acordo com o género solicitado: . produz um discurso geralmente inconsistente e, por vezes, ininteligível; .apresenta um texto em que traços do tipo solicitado se misturam, sem critério, com os de outros tipos textuais.
  • 12. PONTUAÇÃO PARÂMETRO DESCRITORES DOS NÍVEIS DE DESEMPENHO (ETD) 10 8 6 4 2 B Organização da informação - Produz um discurso conciso; optando por construções mais económicas - supressão de estruturas sintáticas ou lexicais repetitivas; uso de um vocabulário genérico que substitua expressões nominais mais específicas; uso de frases complexas. - Utiliza, com rigor, mecanismos de coesão espacial, temporal e referencial. - Socorre-se de articuladores discursivos de modo a fazer um encadeamento lógico dos tópicos tratados. NÍVELINTERCALAR - Produz um discurso pouco conciso. - Utiliza, com algumas insuficiências, mecanismos de coesão espacial, temporal e referencial. - Socorre-se de articuladores discursivos de modo a fazer um encadeamento lógico dos tópicos tratados, embora com algumas incorreções. NÍVELINTERCALAR - Produz um texto com estruturação muito deficiente e com insuficientes mecanismos de coesão textual: - Raramente utiliza conectores e mecanismos de coesão textual ou utiliza-os de forma inadequada.
  • 13. ESTRUTURA INFORMACIONAL (NÍVEL DO CONTEÚDO) • Preservação da informação nuclear do texto, através de: A- MANUTENÇÃO DOS TÓPICOS – Santiago de Compostela, local de peregrinação:  apropriação pela religião cristã;  vestígios de outras civilizações/ outros cultos;  importância das lendas. - Necessidade de redimensionar os locais de peregrinação, conferindo-lhes uma dimensão sagrada. - Novos peregrinos New Age ou místicos. - Justificação da presença dos novos peregrinos num local de culto hoje associado à Igreja católica. - Explicitação do objetivo do autor. PONTUAÇÃO PARÂMETRO DESCRITORES DOS NÍVEIS DE DESEMPENHO (ETD) 5 4 3 2 1 C Léxico e adequação discursiva – Mobiliza, com intencionalidade, recursos da língua expressivos e adequados (repertório lexical variado e pertinente, pontuação...). - Utiliza a 3.ª pessoa. – Utiliza o registo de língua adequado ao texto-fonte. NÍVELINTERCALAR – Mobiliza um repertório lexical adequado, mas pouco variado. – Utiliza, em geral, o registo de língua adequado ao texto-fonte, mas apresentando alguns afastamentos que afetam pontualmente a adequação global. NÍVELINTERCALAR – Utiliza vocabulário elementar e restrito, frequentemente redundante e/ou inadequado e/ou fazendo cópia de partes do texto- fonte
  • 14. II – MANUTENÇÃO DA REDE SEMÂNTICA RELATIVA AO TEMA, NO TODO OU EM PARTE, A QUAL DEVERÁ INTEGRAR - Vocábulos e expressões constantes do texto, ou seus equivalentes, tais como Santiago de Compostela, peregrinação, religião, religião cristã, catolicismo, lenda, “autoestrada da Europa”, New Age, místicos, pagão.  Estratégias discursivas e linguísticas I - ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO: – discurso conciso; opção por construções mais económicas: supressão de estruturas sintáticas ou lexicais repetitivas; uso de um vocabulário genérico que substitua expressões nominais mais específicas; uso de frases complexas; - utilização da 3.ª pessoa; CONTROLO DE MECANISMOS DE COESÃO: - espacial: Santiago de Compostela, “autoestrada da Europa”; - temporal: Idade Média, passado mais distante, anteriores ao cristianismo; - referencial:.local de peregrinação; religião cristã, catolicismo, práticas de culto pagão, práticas sacramentais, peregrino, New Age, peregrinação druídica, celta… – utilização de articuladores discursivos: mais tarde, então, não há dúvida, mas, assim. Fatores de desvalorização Correção linguística Fatores de desvalorização Desvalorização (pontos)  Erro inequívoco de pontuação.  Erro de ortografia (incluindo erro de acentuação, uso indevido de letra minúscula ou de letra maiúscula e erro de translineação).  Erro de morfologia.  Incumprimento das regras de citação de texto ou de referência a título de uma obra. 1  Erro de sintaxe.  Impropriedade lexical. 2
  • 15. A repetição de um erro de ortografia na mesma resposta (incluindo erro de acentuação, uso indevido de letra minúscula ou de letra maiúscula inicial e erro de translineação) deve ser contabilizada como uma única ocorrência. Limites de extensão Sempre que não sejam respeitados os limites relativos ao número de palavras indicados na instrução do item, deve ser descontado um ponto por cada palavra a mais ou a menos, até cinco (1x5) pontos, depois de aplicados todos os critérios definidos para o item. Se da aplicação deste fator de desvalorização resultar uma classificação inferior a zero pontos, é atribuída à resposta a classificação de zero pontos.